Вы находитесь на странице: 1из 37

LOIDE MEDEIROS OLIVEIRA

GED – GUIA DE ESTUDO DIRIGIDO


PROFESSIONAL & SELF COACH

LOIDE MEDEIROS OLIVEIRA


Brasília/DF– Turma 47
Maio/2019
LOIDE MEDEIROS OLIVEIRA

GED - GUIA DE ESTUDO DIRIGIDO


PROFESSIONAL & SELF COACH

Guia de Estudo Dirigido apresentado


como exigência para obtenção dos
certificados da formação de PSC -
PROFESSIONAL & SELF COACH.

Brasília/DF– Turma 47
Maio/2019
Meu agradecimento especial à minha
sementinha de amor, Nicole, que com tão
pouca idade tem me inspirado a reconstruir
minha vida e a sonhar de novo. E à minha
mãe, Lúcia, que abre mão da sua rotina para
nos apoiar com a sua presença silenciosa e
cheia de amor. Se alço voos tão altos é
porque as tenho como asas.
SUMÁRIO

1 COACHING EDUCATION .................................................................................... 6

1.1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ..................................................................... 6

1.2 CONCLUSÃO PESSOAL .............................................................................. 9

2 COACHING ........................................................................................................ 11

2.1 O QUE É NECESSÁRIO NUMA SESSÃO DE COACHING ......................... 11

2.2 QUAIS OS ELEMENTOS NECESSÁRIOS .................................................. 12

2.3 QUAIS AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS ................................................... 13

2.4 UMA BOA SESSÃO DE COACHING ........................................................... 14

3 AS PERGUNTAS SÃO AS RESPOSTAS .......................................................... 16

4 NICHOS DE ATUAÇÃO DE COACHING ........................................................... 20

5 MEU NICHO DE NEGÓCIO DENTRO DO COACHING ...................................... 22

5.1 CONVERSANDO COM DEUS ..................................................................... 23

5.2 PODER ALÉM DA VIDA .............................................................................. 23

5.3 QUEM SOMOS NÓS .................................................................................... 24

5.4 A CORRENTE DO BEM ............................................................................... 25

5.5 A PROVA DE FOGO .................................................................................... 26

5.6 A PROFECIA CELESTINA .......................................................................... 26

5.7 DUAS VIDAS ............................................................................................... 27

5.8 MÃOS TALENTOSAS ................................................................................. 27

5.9 HITCH - CONSENHEIRO AMOROSO ......................................................... 28

5.10 COACH CARTER ........................................................................................ 28

6 NÍVEIS DA PIRÂMEDE DO PROCESSO EVOLUTIVO ...................................... 30

7 AGORA SOU UM PROFESSIONAL & SELF COACH ....................................... 33

8 MISSÃO DE VIDA............................................................................................... 34

9 CURRÍCULO ...................................................................................................... 35
10 REFERÊNCIAS ............................................................................................... 36

11 ANEXOS .......................................................................................................... 37

ANEXO 1 – RELATÓRIO DE PROCEDIMENTOS E RESULTADOS .................... 37

ANEXO 2 – DIÁRIO DE BORDO ........................................................................... 37

ANEXO 3 – COACHING GROUP MAIL ................................................................ 37


1 COACHING EDUCATION

1.1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Difundido no Brasil há aproximadamente 10 anos, o Coaching impacta e


transforma totalmente a vida de um indivíduo ou de uma organização. Com a alta
competitividade do mercado, empresas e pessoas têm, cada vez mais, procurado o
Coaching para se desenvolver continuamente e conquistar patamares maiores e
melhores. Coaching é um processo em que duas pessoas, fazem uma parceria,
criando um ambiente sinergético em um local seguro em que se comprometem a dar
o melhor de si para acelerarem o alcance de metas e objetivos, um tem a melhor
parte do outro, permitindo ao cliente, uma mudança do estado atual, para o estado
desejado. Esse processo envolve metodologias e técnicas aplicadas pelo
profissional (coach) e desenvolvidas ou executadas pelo cliente (coachee) que
levam ao autoconhecimento e autodesenvolvimento. Por ser um processo flexível,
pode ser aplicado nas mais diversas áreas da vida humana. O coaching também
pode ser realizado em grupo, o que pode tornar o processo ainda mais rico, tendo
em vista os diversos olhares e mundos que ali se fundem.
Coaching é a profissão exercida pelo coach. A palavra Coach vem do inglês,
que significa instrutor ou treinador. Coach é um “profissional capacitado e habilitado
por uma instituição de Coaching certificada”, segundo José Roberto Marques, capaz
de transformar sonhos em realidade, é um profissional focado para metas e
objetivos que supera todos os desafios de maneira estratégica eficiente e eficaz, de
maneira a desenvolver pessoas e organizações, tem um papel de apoiador, de
compartilhador, de guia e de incentivador. Por meio do diálogo, ajuda o cliente a
perceber o que impacta positiva e negativamente sua vida. O trabalho do coach é
oferecer ferramentas e tarefas que contribuam com o objetivo, de acordo com a
demanda apresentada pelo coachee. Cabe ao coach estimular a reflexão e o auto
conhecimento do coachee por meio de perguntas. Essas mesmas perguntas
levarão o coachee a definir sua rota de ação para chegar ao resultado desejado.
O coachee é a peça mais importante dessa metodologia. É o cliente que
contrata esse serviço especializado. É por ele e para ele que o processo acontece.
Ele define as metas, ele executa as tarefas sugeridas pelo coach e aquelas que a
sua própria percepção o faz perceber necessárias ao longo do processo, ele é total
responsável pela mudança e pelo resultado que deseja alcançar. O
comprometimento com o processo é o ponto chave para que o cliente chegue ao
estado desejado. Uma pessoa deve buscar um coach em qualquer etapa da vida
adulta, para isso, basta compreender que coaching não é terapia, não é consultoria
e nem aconselhamento. É muito comum chegar ao coachtório pessoas com que
desejam, entre outras coisas:
1. Traçar estratégias para ganhar mais dinheiro,
2. Mudar de profissão,
3. Mudar de país,
4. Superar alguns limites e bloqueios pessoais,
5. Alinhar profissão e propósito de vida,
6. Sair de momentos de crises e adversidades.
O foco do coaching não é em traumas, ou medos do passado, problemas
psicológicos, mas em metas, objetivos e futuro. Porém essa metodologia também
leva em consideração todas as interferências (como medos, traumas, crenças,
bloqueios, limitações) que podem atrapalhar o autoconhecimento e
autodesenvolvimento do coachee. E também se aproveita de todos os recursos
(como coragem, alegria, confiança, segurança, persistência) para ajudá-lo a chegar
a seus objetivos.
Empresas também buscam o trabalho de um Coach, entre outras coisas,
quando percebem necessidade de:
1. Melhorar a comunicação entre a corporação e seus funcionários,
2. Minimizar conflitos internos,
3. Ampliar a produtividade de seus colaboradores,
4. Aumentar o desempenho de sua liderança,
5. Elevar o índice de bem estar dentro do ambiente corporativo,
6. Gerar novos comportamentos e atitudes voltados para resultados,
7. Fomentar as vendas
O processo de Coaching é caracterizado por encontros semanais, quinzenais
ou mensais entre coach (profissional) e coachee (cliente) e têm duração variável em
média de 1 hora até 2 horas. No processo feito em grupo, a diferença está na
quantidade de coachees, que varia de acordo com a estratégia escolhida. Desses
processos realizados ao longo do tempo, são observados, por pessoas e
organizações, diversos benefícios, entre eles, o desenvolvimento ou a melhoria da
comunicação, da flexibilidade, do gerenciamento de conflitos, do relacionamento
interpessoal, da percepção própria e dos outros, do autoconhecimento, do
autodesenvolvimento, da autoestima, do equilíbrio entre os papéis do indivíduo e da
sua própria dualidade, da mudança sistêmica, do foco, da liderança, construção da
missão e propósito , qualidade de vida, isso se dá pelo uso de diversas
metodologias, ferramentas e ciências como a psicologia positiva, a programação
neurolinguística,a física quântica, a neurociência e a linguagem ericksoniana.
Chiavenato (2002) diz que o coaching não é modismo, veio para ficar. Está
crescendo e se espalhando, tanto na vida pessoal como na profissional. Entretanto,
as pessoas costumam fazer uma confusão entre o conceito de coaching com outros
conceitos. Por exemplo, o coaching é confundido com treinamento, ou seja, o coach
é confundido com treinador ou técnico, já que a palavra coach, do inglês, também
significa técnico. Enquanto o treinamento, muitas vezes, reforça a estrutura
organizacional tradicional. O coaching é personalizado para cada pessoa e tem
como foco o desenvolvimento da aprendizagem, preparação intelectual e
desenvolvimento de competências e habilidades.
O coaching também não é orientação. É verdade que o coaching orienta, mas
não no sentido tradicional que tem como objetivo levar a pessoa a um
comportamento aceitável dentro de padrões estabelecidos pelo seu cargo, política
ou procedimentos para manter a estrutura da organização; e sim, no sentido de
contribuir para que as pessoas alcancem resultados na organização, realização
pessoal e desenvolvimento de padrões éticos, comportamentais e de excelência.
Em situações específicas, o coaching pode ser considerado como um tipo de
intervenção que ajuda o coachee a resolver essas situações.
O coaching pode ser confundido com gestão de carreira. Também conhecido
como um preparador profissional, o coach contribui para a melhora do desempenho
das pessoas em seus cargos, e isto pode acelerar o encarreiramento. Em muitas
organizações, o coaching se tornou vital devido ao auto gerenciamento da carreira.
Ele amplia muito as possibilidades e alternativas de gestão da carreira do aprendiz
(cliente ou coachee). Entretanto, o conceito de gestão de carreira limita muito o
coaching. O coaching ainda é muito confundido com liderança. Também aqui reina
enorme confusão. Coaching envolve necessariamente liderança, mas a liderança
como a conhecemos hoje nada tem de coach. O coach dever ser um líder, mas o
líder nem sempre é um coach. Coaching é muito mais do que liderança, em função
da proximidade maior com o aprendiz. (CHIAVENATO, 2002)
Coaching e mentoring geralmente andam juntos, no entanto, coaching é bem
mais que apenas mentoring, pois esse se trata do acompanhamento que uma
pessoa mais experiente em determinado assunto, faz a um novato no sentindo de
ajudá-lo e orientá-lo com o objetivo de transferir seus conhecimentos, incentivando-o
em seu desenvolvimento na organização e em sua carreira.
E além destes conceitos citados, o coaching ainda é confundido também com
terapia ou com consultoria. E embora o coaching busque o desenvolvimento e
aperfeiçoamento dos esforços na mudança comportamental, coaching não é terapia
ou consultoria.

1.2 CONCLUSÃO PESSOAL

O processo de coaching é um processo transformador proporcional ao


tamanho da entrega e da vontade do coachee. Quanto mais interesse, entrega, e
comprometimento, mais percepções de mundo e de si mesmo ele terá. Após passar
pelo processo de coaching, o indivíduo se torna sedento de autoconhecimento e
autodesenvolvimento e nada melhor do que essa equação para conduzir a
resultados extraordinários.
Cabe ao coach estudar, aprender, buscar os recursos necessários para atuar
e ter como propósito de vida, transformar a vida das outras pessoas. Aprofundar seu
conhecimento nas diversas metodologias e ferramentas disponíveis enriquece o
processo e traz um leque de opções ao coach e ao coachee, levando os dois a uma
escolha mais assertiva do caminho evolutivo a ser trilhado. Ler livros, assistir filmes,
conhecer novas ciências e teorias que podem agregar recursos e conhecimentos ao
trabalho do coach é essencial para o desenvolvimento de um excelente trabalho.
Assim, o profissional terá habilidade e capacidade de provocar ao coachee sede de
mudança e esse não medirá esforço para trazer o melhor de si em cada sessão.
A suspensão de julgamento, o acolhimento, a empatia, o amor verdadeiro, o
ouvir na essência fazem a diferença durante o processo. Trazer segurança e
neutralidade ao ambiente para que o coachee abra sua alma e seu coração, sem
medo do julgamento e da insensibilidade é papel do profissional. O coach acaba se
tornando um eterno coachee, porque ao ouvir a história do outro, ressignifica a
própria história. Ao perceber o comportamento inadequado, temos a oportunidade
de corrigir o nosso comportamento. Ao sugerir uma reflexão, se sente convidado a
refletir sobre si mesmo. Aí mora a magia e a cura desse processo, nessa troca
infinita e incalculável. Não há como medir a cura, a ressignificação, as novas
percepções, as mudanças, que vão muito além das dez ou doze sessões.
Hoje sou coach e também já fui coachee. Ainda não sei definir quando
aprendi e me transformei mais. E uso toda experiência para amar e cuidar de cada
pessoa que passa pela minha vida, independente do retorno financeiro, porque
nesse processo maravilhoso, definitivamente, as mudanças somente começam e
nunca terminam, se tornando contínuo e transcendente.
2 COACHING

2.1 O QUE É NECESSÁRIO NUMA SESSÃO DE COACHING

“Tudo em uma sessão de coach se inicia pela


capacidade que o coach possui de formar o
campo relacional gerado pelo rapport. Para
que isso aconteça, é necessário que o coach
acompanhe e conduza o seu coachee.” (José
Roberto Marques, site do IBC)

Para uma sessão de Coaching eficiente é necessário que haja uma estrutura
básica de trabalho. Essa estrutura é composta por alguns itens que faz com que o
trabalho flua naturalmente respeitando o tempo do Coachee e a assimilação de
como será todo o processo de modo tranquilo, confiante e positivo. Segue alguns
itens que contribuem uma boa estrutura:
Psicogeografia: Consiste em criar e promover um ambiente seguro para que o
cliente se sinta confortável e confiante para se “entregar” ao processo de Coaching.
Conexão: Nesta etapa, o profissional explica o que é Coaching para seu
cliente e faz uma apresentação de si mesmo como Coach, informando sua
formação, experiências e habilidades adquiridas com os processos de Coaching.
Em seguida, o Coach faz a pergunta introdutória que deve ser o tema da
sessão: “O que você busca com a sessão de Coaching?”.
Proposta: O próximo passo é realizar a ferramenta chamada Shazan, que
consiste em um conjunto de perguntas que ajudam o Coach a compreender seu
cliente de maneira profunda.
Desenvolvimento da Sessão: De acordo com as necessidades do cliente,
identificadas na etapa anterior, é hora de aplicar diferentes ferramentas para o
desenvolvimento e evolução do coachee.
Aprendizado da Sessão: É o momento de encerrar a sessão extraindo o
aprendizado do cliente. O Coach, então, pede para que o cliente identifique se o
encontro valeu a pena, quais foram seus maiores aprendizados e o que ele leva
deste momento para a vida.
Recapitulação Final: O Coach faz uma recapitulação rápida de tudo o que foi
abordado, estimulando seu Coachee a propor tarefas que deverão ser cumpridas até
a próxima sessão. É importante frisar que Coaching só é completo com essas
tarefas, que devem necessariamente ser definidas pelo próprio cliente. Isso porque é
dever do Coach instigar seu cliente a descobrir, por si mesmo, o que precisa ser
feito para conquistar o que deseja.

2.2 QUAIS OS ELEMENTOS NECESSÁRIOS

Local Seguro: O coach deve estabelecer local seguro, sagrado, de confiança;


Ouvir na Essência: Essa é uma das habilidades que todo coach precisa
desenvolver com maestria;
Suspender Julgamento: É aceitar o cliente do jeito que ele é. Um dos
pressupostos básicos na PNL diz: “O mapa não é o território”. Todo ser humano é
diferente um do outro. Cada um de nós fazemos o nosso melhor em determinados
contextos, mesmo que isso traga algum resultado indesejado;
Ressignificação: Esse é um elemento primordial do coaching, pois através da
ressignificação, podemos identificar os aprendizados e encontrar a intenção positiva
dos acontecimentos passados que trouxeram resultados indesejados;
Rapport: É a empatia, a conexão, a compreensão, é a arte de conseguir
acompanhar o coachee, e por isso se faz como um elemento necessário no
coaching;
Acordo: É a formalização do contrato de coaching. Do alcance do estado
desejado do coachee, podendo ser estabelecido número de encontros, tempo de
cada sessão e duração do processo;
Ética e confidencialidade: Estabelecer ética e confidencialidade;
Mensuração de Resultados: Faz se necessário a medição e avaliação de
resultados obtidos durante cada sessão;
Feedback: É um elemento constante no processo, pois o coachee necessita
de feedback constante por parte do coach;
Utilizar Ferramentas e Perguntas Poderosas: As ferramentas são
indispensáveis no processo, pois essas proporcionam despertar o melhor potencial
de cada coachee fazendo-o olhar para o desafio de uma forma diferente, e as
perguntas poderosas fazem com que o coachee olhe para dentro e encontre os
recursos e respostas necessárias, pois como dizia Milton Erickson “Todos nós
possuímos os recursos e repostas dentro de nós”, basta apenas saber como
explorá-las, e as ferramentas e perguntas proporcionam explorar o melhor de cada
um.

2.3 QUAIS AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS

Por se tratar de um processo estruturado de desenvolvimento humano, o


coaching utiliza técnicas e ferramentas de diversas ciências. Essas ferramentas tem
como objetivos despertar ou desenvolver uma capacidade ou habilidade, tirar da
zona de conforto, desafiar, ensinar, ampliar a consciência, expandir o mapa mental,
resignificar, transformar, transcender, expor um mundo de possibilidades; ou seja,
desenvolver o melhor do potencial do ser humano para seu progresso e evolução.
Assim, algumas das principais ferramentas utilizadas num processo de coaching
são:
1. Coaching Education – esclarece e explica como é e como
funciona um processo de coaching.
2. Shazan – Por meio da ativação de lembranças boas e ruins,
quebramos o gelo com coachee e criamos um rapport. Essa
ferramenta ainda permite ao coach perceber o que é prioridade
na vida do cliente.
3. Auto feedback – perguntas que geram uma auto avaliação de
seu estado atual, passado e futuro, desejos e objetivos.
4. Roda da vida – As perguntas permitem ao coachee conceituar
seus papéis na vida e geram percepção sobre seu estado
presente e o quão satisfeito está sobre cada área da sua vida.
Aqui o coachee já começa a desenhar alguns pontos de
melhoria.
5. Minha Vida em Quatro Capítulos: Por meio da escrita de sua
história dividida em Infância, Juventude, Adolescência e Vida
Adulta, o coachee retoma os principais momentos de sua vida
e com a possibilidade de ressignificar e entender os fatos sob
um prisma positivo.
6. Tríade do tempo – avaliação de como se está gerindo o próprio
tempo entre o que é realmente importante e o que é urgente ou
circunstancial. Essa percepção ajuda o coachee a organizar
melhor o seu tempo, melhorando, assim, sua produtividade.
7. Feedback 360º projetivo – auto avaliação sobre si mesmo e
sua opinião sobre o que os outros pensam a seu respeito. Ideal
para avaliar os pontos fortes e os pontos de melhoria
8. Perguntas Poderosas (maiêutica de Sócrates) – método de
fazer perguntas para levar a pessoa a, primeiro questionar
sobre suas crenças e afirmações e, segundo, vislumbrar novas
possibilidades. É a ferramenta mais utilizada .
9. Coaching Assessment – análise de perfil comportamental.
Software que detalha as principais características do perfil
comportamental do coachee. Ela também permite a percepção
dos pontos fortes e dos pontos de melhoria.
10. Pirâmide dos níveis neurológicos – modelo didático de Robert
Dilts que ajuda a identificar em que nível está a linguagem do
coachee e como ajudá-lo a aprofundar em outros níveis. Ajuda
também ao coach estabelecer melhor seu papel e sua forma
de abordagem.

2.4 UMA BOA SESSÃO DE COACHING

"Nada lhe posso dar que já não exista em você


mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de
imagens, além daquele que há em sua própria
alma. Nada lhe posso dar a não ser a
oportunidade, o impulso, a chave. Eu o ajudarei
a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é
tudo." (Hermann Hesse)

Para uma boa sessão de coaching, é preciso acreditar e confiar no processo.


Todos os problemas do coachee não serão resolvidos mas, acreditar que se coach
e coachee estiverem realmente comprometidos, maravilhosas mudanças e
realizações serão verificadas. Numa sessão de coaching, o coachee precisa estar
verdadeiramente disposto e comprometido com o seu próprio processo de mudança.
Normalmente tem-se cinco fases que estruturam uma boa sessão de coaching: a
primeira é a conexão, gerar um estado de receptividade e confiança, essencial para
o sucesso desse processo, a segunda é o objetivo da sessão, qual será o tema
principal a ser trabalhado, identificar o estado atual, a terceira fase é o próprio
desenvolvimento da sessão, ou seja, identificar o estado desejado e utilizar as
técnicas para fazer a alavancagem do desenvolvimento, a penúltima fase é levantar
os aprendizados da sessão, importante para que o coachee possa internalizar o que
aprendeu. Finalmente uma boa sessão de coaching deve terminar com uma ação a
ser tomada por parte do coachee em direção à realização de seu objetivo.
O coach necessita ter domínio sobre as ferramentas utilizadas no processo,
tomando o cuidado de não deixa-lo mecanizado, além de ser assertivo na utilização
das mesmas. Ambos devem ganhar com o processo, onde a ação é constante em
busca do estado desejado. O coach deve sair do processo com a sensação de
realização profissional e o coachee com a sensação de conquista, leveza e paz, em
um somatório de sensações positivas por terem alcançado o progresso evolutivo.
3 AS PERGUNTAS SÃO AS RESPOSTAS

 Perguntas para busca pelo processo: Como?


o Como você pode assumir o controle da situação para...?
o Como você pode transformar o seu sentimento nessa situação para se
comportar da maneira desejada.
 Perguntas específicas e diretas: O que?
o O que é mais difícil para você diante dessa situação?
o O que você gostaria de não sentir nesse momento?
 Perguntas para identificação de valores
o Quais os benefícios você tem com isso?
o O que faria você abrir mão disso?
 Perguntas para verificação de responsabilidade pelos resultados
o O quanto você pode contribuir para seguir em direção ao seu
objetivo/sonho/meta?
o Quais ações aproximaria esse sonho de você? Quais você quer
começar imediatamente?
 Perguntas para avaliação do comprometimento
o De 0 a 10, qual o seu nível de comprometimento para entrar em ação e
alcançar esses resultados?
o De que você está disposto a abrir mão para alcançar seu resultado
desejado?
 Perguntas do tipo: Qual?
o Qual poderia ser uma visão positiva sobre esse assunto?
o Qual caminho você pretende seguir para buscar a solução para este
problema?
 Perguntas que especificam o tempo e o prazo? Quando?
o Quando você quer atingir resultados positivos em sua vida?
o Quando você notou esse novo comportamento?
 Perguntas do tipo: Por que?
o Por que você acredita ser difícil?
o Por que você ainda usa esse comportamento negativo?
 Perguntas para levantamento de necessidades (resultados esperados)
o O que você está disposto a fazer para conquistar esses objetivos?
o Como seria uma vida extraordinária para você? Qual é a diferença
dessa vida para a vida que você tem hoje?
 Perguntas de congruência (questões sistêmicas que não afetam ninguém ao
seu redor)
o Suas ações estão influenciando positivamente o meio que você vive?
o Como você pode agir para que essa situação mude, favorecendo a
todos os envolvidos?
 Perguntas para gerar responsabilidade
o Quais tarefas da sua vida são urgentes, mas possuem pouca influencia
na realização de seu objetivo principal na vida?
o Quais tarefas você escolhe fazer essa semana? Elas estão alinhadas
com suas metas?
 Perguntas para definir a segmentação do objetivo
o Se você falasse para alguém realizar esse objetivo, por onde essa
pessoa deveria começar?
o Imagine que você trabalha em uma empresa e seu chefe pede para
você gerenciar um projeto semelhante a esse, você tem três ajudantes.
Como dividiria as tarefas entre eles?
 Perguntas para levantamento de recursos
o Quais de suas capacidades merecem aperfeiçoamento?
o Para esse projeto/propósito/meta/ tarefa, quais as habilidades e
capacidades necessárias? Quais você reconhece que possui? Quais
precisam de melhoria?
 Perguntas para mudança de estado emocional
o O que você pode fazer para que as coisas sejam diferentes?
o Conte-me sobre um momento em que se sentiu exatamente como
queria se sentir agora?
 Perguntas para estimular a ação
o De hoje até a próxima sessão, qual será sua próxima ação?
o Para que você se aproximar desse resultado, podemos pensar em
algumas ações que cabem dentro da sua realidade de tempo e
recursos. Quais seriam essas ações?
 Perguntas para gerar esclarecimento
o O que (...) significa para você?
o Você está me dizendo (...) ou eu não entendi corretamente?
 Perguntas para gerar opções
o O que você acha que pode ser feito para alterar essa situação?
o Qual seria o resultado desejado para (...)? O que você poderia fazer
para obter esse resultado?
 Perguntas para desafiar paradigmas
o Qual é a intenção positiva disso?
o Há outra forma de ver esse acontecimento que traria leveza para sua
vida?
 Perguntas para encontrar limitações
o O que faz você desperdiçar seu tempo?
o O que você ainda não tentou que mudaria esse cenário? Por que não
tentou? Se comprometeria em tentar?
 Perguntas para manter a aprendizagem
o Quais desafios você pode transformar, hoje, numa realidade positiva
em sua vida?
o Que sentimento/emoção causou tudo isso? O que você aprendeu
sobre esse sentimento/emoção?
 Perguntas para avaliar o progresso
o O que está sendo positivo para você nas sessões de coaching?
o Quais aspectos em você tem melhorado com o autoconhecimento?
 Perguntas para oferecer apoio
o Como eu poderia te apoiar dez vezes mais?
o O que eu preciso saber sobre você que me faria apoiar ainda mais seu
processo de autoconhecimento?
 Perguntas para elaborar pensamentos
o Você poderia me falar um pouco mais sobre isso?
o Houve algum momento em que você agiu exatamente como gostaria?
 Perguntas desafiadoras
o Você acha que agindo dessa forma te isenta de responsabilidade?
o Se você é responsável pelo resultado desejado, qual resultado você
está buscando com esse comportamento?
 Perguntas para definição de resultados esperados
o O que, na sua opinião, o processo de coaching vai te proporcionar?
o Quais comportamentos definem que você definem que você alcançou
seu objetivo com esse nosso projeto?
 Perguntas para definição da evidencia de realização
o O que precisa acontecer para você celebrar seus resultados?
o Imagine que hoje você alcançou o que deseja. Fale para mim, com o
máximo de detalhes como seria seu dia perfeito com esse resultado.
4 NICHOS DE ATUAÇÃO DE COACHING

O coaching pode ser empregado de duas maneiras: informal ou formal. O


coaching informal é quando o indivíduo, após ter passado por uma formação em
coaching, adquire os conhecimentos, ferramentas e fundamentos do coaching e os
utiliza em seu cotidiano, ou seja, começa a adotar a “filosofia coaching” ou o “estilo
de vida coaching”. Neste caso o indivíduo utiliza os fundamentos do coaching para
seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional, nos seus relacionamentos, na
sua comunicação, permeando, inclusive, nas suas escolhas. É possível fazer uma
sessão de coaching informal (conversa coaching) com um amigo ou colega de
trabalho até no cafezinho ou num bate-papo debaixo de uma árvore. Quando o
indivíduo está utilizando os conhecimentos, fundamentos e técnicas do coaching
nele mesmo, para seu autoconhecimento e autodesenvolvimento, ele está fazendo o
que pode ser chamado de auto coaching ou Self Coaching.
Ao se trabalhar o coaching para desenvolver e empoderar outras pessoas,
quando utilizado no ambiente organizacional e envolvendo liderança, dizemos que
essa é uma atitude de Líder Coach (Leader Coach). O Líder Coach não apenas
lidera; mas orienta, guia, treina, desenvolve e estimula pessoas, grupos e equipes.
Ele estimula em si e nos outros, desde aspectos pessoais como equilíbrio
emocional, autoconfiança e segurança, até os aspectos profissionais como definição
de metas, delegação, foco e gestão do tempo.
Outra possibilidade do coaching informal é a utilização dos conceitos do
coaching pelos pais na educação dos filhos ou pelos professores no processo
ensino-aprendizagem com seus alunos. Ambos fazendo uso de suas capacidades e
habilidades de coach para ajudar a desenvolver, na outra pessoa, as capacidades e
habilidades de que precisa para aprender e se desenvolver.
Coaching formal é quando o indivíduo usa os conhecimentos da formação
para atuar profissionalmente como coach, ou seja, ele se torna o profissional que
apoia pessoas a atingirem seus resultados desejados em um curto espaço de
tempo, com o uso de ferramentas e metodologias. É aqui que surgem os nichos de
atuação, quando esse profissional direciona seu conhecimento para atender certa
demanda da sociedade. Ou seja, o coaching é uma ferramenta flexível que permite
essa estratégia mercadológica que começa com dois grandes nichos de coaching
são:
1. Life coaching: é quando o profissional atua diretamente com um cliente
atendendo demandas de cunho pessoal. Pode ser individual ou em grupo.
2. Executive coaching: Neste caso, o profissional é contratado por uma
instituição, para atender demandas voltadas às necessidades profissionais e
institucionais.
Os demais nichos são derivados desses dois grandes nichos. Como por
exemplo, Coaching de:
 Empreendedorismo
 Carreira
 Investimentos
 Aposentadoria
 Negócios
 Marketing
 Produtividade
 Transição de carreira
 Finanças
 Emagrecimento
 Vendas
 Relacionamentos
 Gestantes
 Concursos
 Esportivo
 Inteligência Emocional
 Corporativo
 Equipes
 Empoderamento feminino
5 MEU NICHO DE NEGÓCIO DENTRO DO COACHING

Eu ajudo mulheres a se aceitarem melhor fisicamente e emocionalmente para


terem independência e liberdade de conduzirem a própria vida. Eu sou coach de
mulheres. Escolhi atuar com esse público porque essa foi a minha maior dor. Minha
família sempre frequentou uma igreja em que homens e mulheres sentam
separados. As mulheres devem ser submissas ao marido, não podem pregar a
palavra de Deus e menos ainda subir ao púlpito. Eu e outras mulheres sofremos os
mais diversos tipos de abusos psicológicos e físicos, mas não podíamos falar em
separação porque “tínhamos que esperar Deus fazer um milagre e transformar essa
pessoa”. Depois de seis anos de casada, com um bebe com menos de dois anos,
abandonei minha casa. Levei algumas poucas coisas minhas e da minha filha. Fui
morar com meus pais e recomeçar. Os abusos psicológicos ainda persistiram por
mais longos quatro anos. Ao total foram dez anos de violência psicológica. Hoje sou
servidora pública, moro com minha filha e mantenho nosso padrão de vida. Passei
mais de dez anos para reconstruir minha vida, para retomar meus sonhos e acreditar
que eu poderia mais. Durante o Desperte Seu Poder e Professional and Self
Coaching, eu ressignifiquei a minha história, me curei de muitas feridas e entendi
que se eu tivesse maior autopercepção, autoconhecimento, autoamor,
autoconfiança, eu teria evitado muitas situações ruins que me aconteceram. Eu teria
tomado as rédeas da minha vida há muito tempo e, provavelmente, nem teria me
casado com alguém tão manipuladora e com o ego tão inflado. Hoje sei que a minha
história pode empoderar mulheres e transformar suas vidas. Quero apresentar a
elas ferramentas e metodologias que, se empregadas com comprometimento, vão
fortalecê-las e lhes dar possibilidades de escolher a vida que querem ter.
Eu uso o coaching como um estilo de vida. Entendo que autoconhecimento e
desenvolvimento é um processo contínuo. Uso o coaching em todos os meus
relacionamentos. Uso na educação da minha filha, uso para ajudar quem me
procura em busca de auxílio. Até mesmo nas menores tarefas da minha vida e na
organização do meu tempo eu utilizo as ferramentas do coaching. Amo os
resultados que o processo de coaching trouxe e traz para a minha vida. Quero
multiplicar esse prazer que tenho em minha viver, essa visão positiva e cheia de
esperança e sonhos que tenho sobre a vida, para que muitas pessoas possam viver
o seu melhor nessa terra.
CINE COACHING

5.1 CONVERSANDO COM DEUS

O filme narra a história verídica de Neale D. Walsch. Começa mostrando o


autor já bem sucedido, dando palestras sobre o livro, e as conversas íntimas que ele
teve com Deus e que o levaram a uma grande transformação. Mas a sua história
não começa nesse momento de glória. Esse momento é resultado de uma sucessão
de momentos ruins.
Sem emprego, depois de ter sofrido um grave acidente, o vemos como um
mendigo sem teto, pedindo comida e lutando para se manter vivo. Neale vai se
sentindo cada vez pior e fracassado, o que faz crescer sua raiva e amargura. A
existência ou não de Deus é sua maior questão. E ele encontra as respostas ao
longo de muitas conversas. Nessas conversas íntimas e secretas, ele questiona
Deus e, depois de certo tempo, começa a receber as respostas através da intuição,
dos acontecimentos que iam se sucedendo na sua vida e por meio de lembranças
da infância quando estava com sua mãe. Assim, com o apoio de alguns amigos que
fazia durante sua jornada, começou a verdadeiramente ser um autor da sua própria
história e, então, transformar sua realidade para algo que fizesse mais sentido na
vida. Ele fez assim o auto-coaching ou Self Coaching. Através de perguntas, se
questionava sobre ele mesmo e sua vida. Encontrando nas respostas, novos
caminhos que ofereciam novas possibilidades que ele se permitiu experimentar.
A grande lição do filme é que as respostas estão nas perguntas poderosas e
as respostas estão dentro de nós, naquilo que acreditamos. Nós temos o suficiente
para transformar qualquer situação, por mais difícil que ela pareça. Estar conectado
com o Universo, ou com Deus é muito importante para que alcancemos nossos
sonhos.

5.2 PODER ALÉM DA VIDA

Ao sofrer um grande acidente, que causa grandes lesões em sua perna, Dan
Millman, se vê impossibilitado de voltar a andar e menos ainda de competir nas
Olimpíadas, para a qual vinha treinando. Dan era talentoso, mas também era
arrogante, egocêntrico e egoísta.
Diante de sua vulnerabilidade e cheio de sentimentos ruins, permite a
aproximação de Sócrates, um senhor, frentista, mas muito sábio, que ocupa o papel
de um coaching informal na vida de Dan, levando-o a refletir sobre a vida, seu
propósito, valores e missão, e depois do acidente Sócrates se propõe a treiná-lo
para se tornar um “guerreiro” e descobrir seu verdadeiro eu. Em nenhum momento
ele oferece respostas a Dan, pelo contrário, faz muitas perguntas poderosas que o
levam a refletir. Sócrates apoia Dan para ressignificar seu acidente e entender o
poder de viver o momento presente, o agora. Ele ajuda Dan a estabelecer um
objetivo realmente importante e a aproveitar a jornada em vez de só focar no
objetivo. Dan consegue abrir mão de seus valores antigos e aprender novos.
Aprende a esvaziar sua mente, ouvir a voz interior, reconhecer seus erros, perdoá-
los e ser grato pelo que é capaz de realizar. Com isso ele se recupera fisicamente e
volta ao time de ginástica da universidade e finalmente consegue enfrentar suas
próprias limitações e vencê-las, tornando-se alvo de admiração e um exemplo para
seus colegas.
Esse filme nos faz refletir o quanto somos frágeis e vulneráveis. Não podemos
evitar grandes tragédias, mas podemos escolher como agir diante dessas situações.
Ressignificar nossa história, amar e respeitar a história de cada pessoa que se
aproxima de nós é muito importante para romper as barreiras das limitações e do
medo.

5.3 QUEM SOMOS NÓS

Trata-se de um documentário que narra a historia fictícia da personagem


Amanda. Cheia de pensamentos, memórias e comportamentos negativos, gerando
toda sorte de conflitos internos e de relacionamentos complicados. No decorrer do
filme, ela vai entrando em seu mundo interior, reavaliando seu passado e a forma
como encara e sempre encarou vida. Essas reflexões permitem que ela deixe o
passado para trás e comece viver melhor seu presente, pensando positivamente nas
ações do futuro.
O objetivo principal desse filme-documentário é nos conduzir à ideia de que
nós criamos nossa própria realidade. Envolvendo assim a nossa forma de pensar e
nossas atitudes que são consequências da forma como percebemos o mundo, as
pessoas e as situações, ou seja, somos o que acreditamos. Para isso, se utiliza de
depoimentos, estudos e experimentos científicos de vários cientistas e filósofos,
envolvendo temas da neurologia, psicologia, teologia, física quântica, mecânica
quântica, novas descobertas da ciência, redes neurais, bioquímica para responder
às perguntas: De onde viemos? O que estamos fazendo aqui? Para onde vamos? O
que nos faz ser como somos? É possível mudar? Como mudar? Como entender
nossas emoções?
A abordagem do filme corrobora com o que é pregado pelo coaching:
pensamentos positivos se tornam ação e posteriormente se transformam em
realidade. Foco em um futuro positivo, ação no presente, ao mesmo tempo em que
vive intensamente aproveitando a jornada.

5.4 A CORRENTE DO BEM

A Corrente do bem é uma ficção que conta a história de um menino que, ao


ser desafiado por seu professor para criar uma ideia que transformasse o mundo,
criou um jogo chamado “Passe adiante” (Pay It Forward). Nesse jogo ele tinha que
ajudar três pessoas. E em troca, cada uma dessas pessoas deveriam também
ajudar outras três pessoas. De uma forma surpreendente, a ideia funciona e começa
realmente a ser passada adiante e se multiplicao número de pessoas que vão sendo
envolvidas pelo “Passe adiante”. Chamando a atenção de toda a cidade, jornalistas
e até da imprensa nacional. Mesmo achando que sua ideia não ajudou quem ele
mais queria: ajudar um mendigo e a sua própria mãe. Seu professor lhe mostra as
transformações que ocorreram em sua volta com a sua pequena atitude.
Assim também acontece quando fazemos algo de bom e positivo no sentido
de ajudar alguém. Mesmo que não seja reconhecido, mudanças positivas podem
acontecer à pessoa que ajudamos e naturalmente ela poderá também ajudar a
outros. Isso é um movimento sistêmico, quando você muda, o mundo muda. Com o
coaching também se dá um processo sistêmico, pois além do processo gerar
aprendizados ao coachee, ele começa a adotar a filosofia coaching. Gerando novos
aprendizados, mudanças e empoderamento para ele e todos que o rodeiam.
5.5 A PROVA DE FOGO

Mesmo sendo um bombeiro dedicado e heroico, Caleb é incapaz de cuidar do


próprio casamento. Depois de muitas brigas, e muitas tentativas, ele decide se
separar, mas antes vai buscar conselhos com seu pai, que lhe pede para cumprir
quarenta tarefas diárias antes de se separar. Caleb aceita o desafio, sem saber que
as atividades sugeridas por seu pai salvaria seu casamento e faria dele uma nova
pessoa. Ele sofreu um profundo processo de transformação e não só cumpriu os 40
dias propostos como seguiu tentando, até que no 43º dia a esposa adoeceu e ele foi
cuidar dela. Ela percebeu que havia algo diferente nele. Muito consternado, ele lhe
pediu perdão por estar sendo um marido tão ruim e disse que não queria mais a
separação. Porém Catherine ainda não estava pronta para perdoá-lo e voltar atrás.
Depois desse evento, Catherine começou a ver que Caleb estava realmente
mudado e ela resolveu perdoá-lo e voltar atrás na decisão de se divorciar e os dois
fizeram as pazes.
Autopercepção é fundamental para a vida. Caleb tinha comportamentos
tóxicos que o impediam de desfrutar o melhor da vida e do amor. Ao fazer as tarefas
sugeridas no livro pode perceber esses comportamentos e corrigi-los, vivendo,
assim, uma evolução em todos os níveis de sua vida. Lembremos, também, a
importância de honrar e respeitar nossos pais. De saber para quem pedimos
conselhos e filtrar o que realmente é bom para nós.

5.6 A PROFECIA CELESTINA

O filme mostra a jornada de um homem que viaja para as florestas tropicais


do Peru em busca de pergaminhos que relatam visões sobre a evolução da
humanidade, degraus para a sabedoria e crescimento espiritual. A profecia prevê
uma nova forma dos seres humanos se relacionarem. Uma nova ordem mundial
onde a paz, o respeito e a solidariedade se fazem presente em todos os povos.
Nessa jornada, ele e seus amigos são perseguidos, mas à medida que ele vai tendo
conhecimento das visões e seus significados, vai mudando a sua própria forma de
ver a vida.
As relações humanas e a nossa forma de se comunicar, vão muito além de
palavras, expressões e gestos. Os pensamentos geram campos de energia que
interagem com o campo energético do outro. Só que não nos damos conta de que
isso nos acontece porque nunca fomos educados para isso.
A grande lição desse filme é que o conhecimento com autoconhecimento é
capaz de despertar e clarear o sentido da sua existência. Essa evolução é um
processo de aprendizagem constante. A vida é uma constante evolução. E pode ser
transmitido entre pessoas. Ou seja, aprendemos com a evolução do outro e também
podemos ensinar com a nossa.

5.7 DUAS VIDAS

Perto do seu aniversário de 40 anos, Russ, um homem bem sucedido


profissionalmente, se depara com um garotinho na sua casa e ele entende que esse
garotinho é ele mesmo quando ele tinha seus sete anos de idade. Esse retorno de
sua criança traz à tona a perda de memória de sua infância, devido à perda da sua
mãe, seu complexo de inferioridade e a sua insegurança. Esse garotinho o leva uma
viagem no tempo passado em que ele consegue recuperar a sua essência e faz uma
nova trajetória de vida.
Não há como apagar nosso passado, nós somos resultado da nossa história.
É importante que honremos e respeitemos nossa história para que possamos viver
com leveza e orgulhosos do que nos tornamos.

5.8 MÃOS TALENTOSAS

O filme Mãos Talentosas é baseado na história real do médico neurocirurgião


Benjamin Carson, que entrou para a história da medicina, em 1997, ao separar
gêmeas siameses unidas pela cabeça. O filme mostra um pouco de sua história
desde sua infância e sua dificuldade de aprendizado na escola fundamental. Quando
menino; pobre, negro e filho de mãe analfabeta e separada; ele colecionava
péssimas notas na escola. E por isso sofria preconceito dos colegas que o
chamavam de burro. Sua mãe constantemente insistia para o filho se convencer de
que ele era inteligente, capaz e poderia fazer tudo o que quisesse desde que
trabalhasse para isso. Ela obrigava os filhos a estudar e a ler livros, sempre
acompanhando e cobrando as tarefas. Com a leitura, ele descobre um mundo cheio
de conhecimentos e possibilidades. Começa então a mudar sua autoimagem,
estudar mais, tirar boas notas e querer se desenvolver e conhecer e aprender mais
sobre tudo. É uma história real de coragem e determinação. De acreditar em si
mesmo. De trabalhar, estudar e dar o seu melhor para atingir seus resultados. Ótimo
filme para retratar crenças limitantes e autorresponsabilidade.

5.9 HITCH - CONSENHEIRO AMOROSO

O filme mostra um exemplo claro de coaching de relacionamento. Homens


com problemas em conquistar mulheres buscam a ajuda de um conselheiro
amoroso, o “Doutor do Amor”, Alex Hitch. Alex ajuda esses homens a descobrirem e
potencializarem seus próprios recursos a fim de obterem sucesso em suas
conquistas amorosas. O próprio Hitch não havia sido um grande exemplo de
conquistador quando estava na faculdade e os sucessivos fracassos o levaram a se
aprimorar e com isso, foi capaz de ajudar os outros a como lidarem com as suas
conquistas e a manutenção de suas relações. No decorrer da trama ele se apaixona
por uma jornalista e suas fórmulas mágicas parecem não funcionar pra ele mesmo.
A jornalista descobre a profissão dele, acha que ele a estava usando e que ele era
um mau caráter. Isso causa uma grande confusão da vida do Hitch e de todos os
homens que o contrataram. Hitch fica tentando provar para a amada que ele não a
enganou, mas sua habilidade de lidar com as mulheres e o amor provou não ser tão
eficaz. Depois de muitas conversas e confusões todos os casais se acertam e Hitch
vai atrás da amada para reconquistá-la e consegue. O filme mostra a importância
das pessoas mostrarem com sinceridade quem elas realmente são e buscarem em
si mesmas os recursos necessários para conseguirem atingir seus objetivos.

5.10 COACH CARTER

História baseada na metodologia adotada pelo treinador de um time de


basquete do ginásio de Richmond, Ken Carter, empreendedor local e com uma vida
financeira estável, assume o desafio de treinar uma equipe formada por alunos que
vivem às margens da sociedade. O treinador utiliza de ferramentas e atitudes que
pouco a pouco quebram crenças limitantes, não somente dos jogadores, mas
também da cidade em que vivem. Fazendo-os acreditar que o esporte é um
privilégio e por tal deve ser merecido, Carter inicia sua tarefa com um contrato que
estabelece limites e condições para fazer parte do time, mostrando o controle da
situação além da lição de hierarquia, os deveres e obrigações entre as partes em um
acordo, além das consequências para aqueles que não o cumprem.
A responsabilidade pelo que vivenciamos no nosso cotidiano depende das
nossas escolhas e não do que a sociedade nos impõe. As penalidades são
consequência dessas escolhas. No filme, essa penalidade era retratada através de
exercícios físicos ou mesmo da expulsão do time de basquete. Com mudanças de
atitude e disciplina, a equipe inicia uma série de vitórias e Carter promove outra
lição: a de que quanto mais níveis de destaque na sociedade, mais aumentamos
nossa responsabilidade sobre nossos atos e escolhas, uma vez que passamos a
servir de exemplo a outras pessoas.
Com disciplina e a crença de que todos com dedicação e esforço possuem
capacidade para melhorar e alcançar o que quiser, o treinador conquistou o respeito
de toda equipe de basquete e familiares. A classe acadêmica e por fim a cidade
reconheceu o trabalho deste profissional que atuou como líder-coach, uma vez que
respeitou o modelo de mundo de seus jogadores, influenciou-os positivamente e
ajudou-os a acessar os recursos que todo ser humano possui para realizar seus
sonhos, fazendo-os assumir escolhas que determinaram o futuro do time de
basquete de Richmond.
6 NÍVEIS DA PIRÂMEDE DO PROCESSO EVOLUTIVO

A pirâmide do processo evolutivo foi criada por Robert Dilts e adaptada pelo
master coach sênior José Roberto Marques do Instituto Brasileiro de Coaching (IBC)
A pirâmide da evolução, nos faz entender quem somos de verdade, porque e como
estamos dando significados as coisas que cercam nossa vida. Ela é composta por
níveis que estão interligados e que se trabalhados levam a plenitude do ser.
Formada por sete níveis, é possível trabalhar nos dois primeiros níveis com o
coaching remediativo, agindo de forma a adequar, melhorar o ambiente e
desenvolver os comportamentos do coachee. O coaching generativo é o
responsável pelos terceiros e quartos níveis da pirâmide e por fim coaching evolutivo
responsável pelos três últimos níveis do processo evolutivo.
AMBIENTE: Neste primeiro nível da pirâmide o coach atua como guia, trata-
se da base da pirâmide e nele refletimos sobre como o ambiente em nos
encontramos nos influencia nas ações do dia a dia. Entendendo o ambiente em que
a pessoa nasceu, cresceu e que se encontra atualmente é possível entender a
maneira com que ela se apresenta para o mundo. Todos são passíveis de sofrerem
influencia do ambiente externo, a forma como reagimos a isso e que determina o
nosso nível de evolução.
COMPORTAMENTO: Neste segundo nível da pirâmide o coach atua como
treinador. O comportamento refere-se a forma como agimos frente às interferências
externas promovidas pelo ambiente em que estamos inseridos, sendo então as
nossas ações e reações
CAPACIDADES E HABILIDADES: No terceiro nível da pirâmide o coach atua
como consultor ou professor e trata-se do conhecimento referente as habilidades
que a pessoa possui ou precisa desenvolver e o quanto essas habilidades são
aproveitadas no dia a dia. Aqui descobrimos que temos o suficiente para aquilo que
queremos conquistar, basta buscar e cultivar em nós mesmos. Quanto mais usamos
e cultivamos essas capacidades e habilidades, mais nos aprimoramos e mais
evoluídos nos tornamos.
CRENÇAS E VALORES: Este se encontra no quarto nível da pirâmide e
nesta etapa o coach atua como mentor. Este nível da pirâmide nos faz refletir nos
motivos que nos levam a criar a realidade em que vivemos, uma vez que são eles
que determinam como os eventos recebem significados. São eles que nos fornecem
o reforço, a motivação e a permissão que vão alavancar ou inibir as capacidades e
habilidades. Aqui também estão as nossas limitações, aquilo que nos faz estacionar
e ter medo de realizar novas coisas ou continuar cultivando hábitos nocivos a nós e
a nosso ambiente.
IDENTIDADE: O quinto nível tem o coach atuando como patrocinador e leva a
reflexão de quem somos, de como nos identificamos e qual a nossa missão no
mundo, entendendo que somos o resultado de nossas escolhas.
AFILIAÇÃO: Neste nível da pirâmide o coach atua como aglutinador e a
reflexão relaciona-se ao quanto estamos inseridos a cada lugar que nos
relacionamos os grupos ao qual nos pertencemos e o quanto estamos envolvidos e
inseridos neles.
LEGADO: O último nível da pirâmide tem o coach atuando como self
empowerment e nos leva a refletir sobre o nosso nível espiritual, nossa relação com
o universo, a integração de corpo e espírito e a mensagem que deixaremos no
mundo após nossa passagem.
O conhecimento dessa pirâmide é muito importante em um processo de
coaching uma vez que permitirá que o coach identifique em qual nível deverá
trabalhar o seu coachee para que este consiga atingir resultados de uma forma mais
rápida e fácil. Quando o processo de aprendizagem ocorre nos níveis mais
elevados, mais duradouras e efetivas serão as mudanças, levando à transformação
de todos os outros níveis, solucionando problemas e conflitos, bem como
desenvolvendo novas habilidades do coachee.
7 AGORA SOU UM PROFESSIONAL & SELF COACH

Aqui se inicia uma nova fase em minha vida. Aposto que seja a mais iluminada e
confortável. Conforto na alma e no corpo. Uma fase de muitos aprendizados e novas
percepções sobre mim, o outro e o mundo. Primeiramente, o curso me transformou
em uma nova pessoa, e me fez ver a importância de buscar transformar a vida das
pessoas. Essas transformações pessoais são poderosas e transcendem trazendo
impactos relevantemente positivos ao mundo. As sessões de coaching durante o
treinamento me mostraram o poder desse processo e o que realmente precisamos
fazer como coach é ouvir o coachee na essência, estabelecer rapport com ele, e
encorajá-lo a usar seus recursos interiores para o alcance de seus objetivos.
Também tenho aprendido muito com as sessões de peer coaching tanto como coach
quanto como coachee. Como coachee reconheço a importância de ter um coach me
apoiando e ajudando ver quem eu sou na essência e a vencer meus desafios. Como
coach estou aprendendo a ouvir, compreender, colocar-me no lugar do coachee,
suspender qualquer tipo de julgamento e a fazer perguntas que o leve a uma
reflexão sobre em que ponto está e aonde quer chegar. Outra ferramenta que tem
ajudado meu crescimento como coach é este Guia de Estudo Dirigido. Retomar os
conceitos aprendidos em sala junto com a “bunda na cadeira” faz muita diferença
nesse processo de aprendizado. Mesmo sabendo que ainda há muito que aprender,
já estou atendendo algumas pessoas e juntos temos percebido o impacto positivo
em suas vidas. Estou muito animada com essa perspectiva de uma nova e
promissora carreira a bastante disposta a me aperfeiçoar cada dia mais e causar
ainda mais transformação na minha vida e na vida das pessoas a minha volta.
O que mais me encanta nesse novo mundo é a transformação vivida por mim e
pelas pessoas que me rodeiam. Fazer parte desse processo, poder “por a mão na
massa” e causar experiências e vivencias maravilhosas e duradouras, ver o brilho
nos olhos de quem se percebe de forma mais completa e leve, trazer integralidade
às famílias e às relações, me dá a certeza de que estou no caminho certo. Ser
coach é ser feliz. Eu amo ser coach.
8 MISSÃO DE VIDA

Amar incondicionalmente os seres, sem questionar suas escolhas e seus


modos. Ser fonte do bem, paz e alegria a todos que me rodeiam.
Ser leve para ultrapassar os momentos difíceis. Ter equilíbrio para
desempenhar meus papéis de forma sólida e segura, trazendo amor, conforto e
segurança para minha família, preservando-a.
Fazer do perdão um exercício contínuo e automático para que também o
alcance sempre que precisar.
Transformar vidas, reconstruir histórias, famílias, criar relacionamentos
saudáveis e afetuosos, transmitindo a todos aquilo que a minha história de vida me
ensinou e me ensinará, estimulando as pessoas a buscarem o seu melhor,
acreditando que podem ir além sempre.
Desenvolver diariamente a essência de Deus em mim. Ter a humildade e a
coragem de reconhecer a cada dia, a cada momento, aquilo que precisa ser mudado
em mim e buscar a melhoria. Ser congruente e coerente com aquilo que sinto,
penso, faço e transmito ao mundo.
Cuidar sempre do meu interior e do meu exterior.
9 CURRÍCULO
10 REFERÊNCIAS

MARQUES, José Roberto. Professional Self Coaching – PSC.1ª Edição. Goiânia:


Editora IBC, 2018

MARQUES, José Roberto. Os 7 níveis do processo evolutivo: guia


revolucionário de autoconhecimento e empoderamento: 2º Edição. Goiânia:
Editora IBC, 2018

MARQUES, José Roberto. Feedback com coaching: a arte da comunicação


poderosa. Goiânia: Editora IBC, 2018

IBC. Instituto Brasileiro de Coaching. Disponível em:


< http://www.ibccoaching.com.br/portal/coaching/ />. Acesso em: 24 maio 2019.

Liderança e Coaching. Disponível em: https://www.sbcoaching.com.br/lideranca-e-


coaching//>. Acesso em: 24 maio 2019-05-24

Os principais elementos do coaching. Disponível em:


http://tbcoaching.com.br/ver/os-principais-elementos-do-
coaching#sthash.H6aje2kO.jDft2L01.dpbs//. Acesso em: 24 maio 2019
11 ANEXOS

ANEXO 1 – RELATÓRIO DE PROCEDIMENTOS E RESULTADOS

ANEXO 2 – DIÁRIO DE BORDO

ANEXO 3 – COACHING GROUP MAIL