Вы находитесь на странице: 1из 12

Contabilidade de Custos

Alunos: Alan Macedo, Azarias José, Fco. Mateus, Raysa Kécya


Prof.: Angélica Frutuoso

Mombaça-CE
2019
Contabilidade de Custos

Contabilidade de custos é um ramo da contabilidade que atua na classificação dos gastos


de uma empresa, assim ela terá a função de classificar termos técnicos, além de organizar os
tipos de desembolsos dentro da organização
Este também irá dispor uma série de fórmulas a serem aplicadas com a finalidade de
achar o valor dos gastos efetivados e a apropriação dos mesmos no produto final.
Fazendo uma breve análise, as principais funções da contabilidade de custos são:

Estabelecer os custos para um determinado período;


Ter maior controle sobre as quantidades físicas produzidas;
Estabelecer sistemas de controle de custo que permitam análises, comparações,
redução ou melhoria do custo;
Fornecer dados de custo com relação a determinadas alternativas, a fim de que a
administração possa tomar decisões quanto à escolha.

Entenda o que são gastos

Gasto, em sentido amplo, é a renúncia de um ativo da empresa em troca da posse de


produtos ou serviços para o seu funcionamento, ou seja, será o desembolso do capital (seja ele
em espécie, em contas bancárias, dentre outros) para obtenção de algo que a empresa necessite
para manter suas atividades. Teremos no ramo contábil vários tipos de gastos que vão se dividir
de acordo com uma série de critérios, são eles:

 Investimentos

 Custos

 Despesas

 Perda
 Desperdício

Investimento: é o gasto caracterizado pelo desembolso de um bem do ativo com o


objetivo de futuramente adquirir outro bem, normalmente de valor maior.

Entendendo melhor, suponhamos que você tenha uma fábrica de lápis, os gastos que
você tem com a matéria prima, a madeira, são considerados investimentos, pois ao gastar com
madeira, futuramente ao vender grandes quantidades desses lápis haverá a reposição dos gastos
da matéria prima e ainda por cima uma margem de lucro.

Ex: Aquisição de matéria prima, imóveis, veículos, material de escritório, etc.

CURIOSIDADE:

Existem pessoas que compram


obras de artes ou terrenos por
um preço consideravelmente
baixo e esperam com o tempo a
valorização de seus bens, assim
vendendo por um preço maior.
Isso também é investimento.

Custo: é o gasto com bens ou serviços que tem como principal característica sua ligação
direta ou indireta com o processo produtivo.
Esse é de fácil entendimento, tudo que está ligado ao processo produtivo é considerado
custo, porém dentro dos custos há uma subdivisão, que se dará de acordo com o grau de
proximidade do processo produtivo, são eles:
Custo direto: aqueles que estão diretamente ligados, mais próximos, do processo
produtivo. Esse tipo de custo é muito conhecido por sua fácil apropriação no preço final, o que
veremos daqui a pouco.
Ex: Mão de obra direta, matéria prima, serviços aplicados diretamente em produtos ou
serviços, embalagens.
Custo indireto: diferentemente do anterior, esse está indiretamente, mais longe, do
processo produtivo e se tem uma dificuldade em apropriar esse custo ao preço final, pois ele
necessitará de um critério de rateio para a realização do ato.
Ex: Mão de obra indireta, depreciação das máquinas, aluguel, parafusos, graxa.

Os custos também vão se diferenciar em:

Custos fixos: são aqueles que são fixos em relação ao seu constante aparecimento e não
em relação ao seu valor, a energia é um exemplo, ela varia de acordo com a quantidade de
consumo, mas o que lhe torna fixa é por ela ser um gasto presente todos os meses, tendo caráter
constante.
Custos variáveis: aquelas que variam de acordo com a quantidade produzida ou
vendida, neste caso o custo vai se classificar como variável quando houver a mudança do
mesmo em decorrência de uma maior ou menor produção, logo se eu tenho uma empresa que
tem um custo de cinco reais por sapato, o custo de três sapatos será de quinze reais, ou seja, o
custo varia com a quantidade.

Despesa: diferente dos custos, não está ligada de forma alguma ao processo produtivo,
sendo qualquer outro tipo de gasto dentro da empresa, como o marketing da empresa.
Ex: Aluguel da loja, gasto com gasolina em automóveis de distribuição, escritório.

Esta também possui subdivisão em:

Despesa fixa: como nos custos fixos, esse vai independer-se da quantidade gasta ou
vendida, mas vai se relacionar com a sua permanência dentro da empresa.
Ex: Aluguel da parte administrativa da empresa, taxas bancárias seguros e outros.
Despesas variáveis: podemos dizer que essa está no meio do caminho entre despesas e
custos, pois se relacionam indiretamente com o processo produtivo. No caso dessas despesas
de acordo que os custos variam elas irão variar também.
Ex: fretes pagos pela entrega dos produtos aos clientes, gastos de combustível dos
veículos utilizados pela força de vendas.

Antes de dar continuidade aos outros tipos de gastos, precisamos entender como é feita
a apropriação dos custos e entender o esquema básico da contabilidade.

Esquema básico da contabilidade

É uma técnica utilizada para organizar a contabilidade de custos dentro de uma empresa,
para melhorar o desempenho da organização.
Essa se dá dentro de quatro passos, que são fundamentais para esse esquema.

1º passo: separação dos custos das despesas.


Este passo é significativamente importante, pois a empresa tem que ter em vista quais
são seus custos e quais são suas despesas para assim poder se organizar o seu patrimônio.

Vamos supor que os gastos da empresa/indústria, em determinado período, sejam os


seguintes:
Agora aplicamos ao primeiro passo:

2º passo: apropriação dos custos diretos de produção.


Se trata de fracionar uma parte do custo direto no preço final de cada produto produzido,
sendo que com esse tipo de custo é bem mais fácil já que ele é de caráter mensurável, ou seja,
pode-se contar sem dificuldade alguma. Quando eu produzo uma caneta eu sei exatamente
quanto de tinta irá me custar, ou seja, como custo direto irei apenas totalizar o custo com cada
caneta e fracionar no preço final.
Determinada empresa três produtos (A, B, C) e considera como custo direto a matéria
prima, a MOD e parte da energia elétrica.
Analisando a matéria prima, para aloca-la ao produto basta observar o quanto foi
consumida e a checagem de estoques.
A empresa deve ter atenção ao banco de horas de cada funcionário assim para facilitar
a apropriação da MOD.

Não em todas as empresas, mas em algumas existem medidores de quanto cada máquina
gasta de energia elétrica podendo facilmente mensurá-la no momento de apropriação dos custos
diretos.
3º passo: Apropriação dos custos indiretos.
Nessa parte trabalha-se com o critério de rateio, pois ele que irá alocar os custos indiretos
aos preços finais dos produtos, isso se dá devido os custos indiretos não serem mensuráveis.
Normalmente o critério de rateio mais utilizado é só repetir a mesma porcentagem gasta
pelos custos diretos.

4º passo: Cálculo do custo unitário, do custo de produto vendido e do estoque final.

CU= CT/Q.P
Custo unitário
Custo total
Quantidade produzida

CPV= CU x QV
Custo de produto vendido
Custo unitário
Quantidade vendida

EF= CU x QPr

Estoque final
Custo unitário
Critério de rateio

É a forma de alocar os custos indiretos aos produtos finais através de um critério,


normalmente estes critérios são a mesma porcentagem de custo direto ou a mesma porcentagem
de mão de obra direta. Essa é uma técnica complicada, existe empresas que utilizam de métodos
ilógicos para rateio, por falta de outras opções.
Suponha uma empresa que vende um produto x e y, que precisa de rateio para analisar
quanto de aluguel cada produto gastou.

0,65263157894

Dados X Y Total
Q.Produzida 3800 5700 9500
MPC 9000,00 13000,00 22000,000
MOD 1500,00 1500,00 3000,00
Aluguel 2480 3720 6200,00
Custo total 12980 18220 31200,00

Primeiramente foi dividido o total de aluguel pelo total de quantidade produzida, depois
o resultado obtido foi multiplicado por a quantidade produzida de cada produto, encontrando
assim o que buscávamos, simples assim!

Voltando para nossa classificação de gastos, agora temos:

Perda: Gasto não programado, sem previsão de acontecimentos. Suponhamos que você
é dono de uma fábrica de papel e toda a sua mercadoria já pronta está em estoque, infelizmente
chove e há vazamento no estoque estragando sua mercadoria, ou seja, você perdeu ela, pois não
tinha como prever que isto iria acontecer.

Desperdício: Gasto programado, com previsão de acontecimentos. Se eu não vender


meus produtos que tem data de validade até o prazo eu vou desperdiça-lo, pois eu já sabia que
isso iria acontecer.

Mão de obra direta e indireta

Conceituando rapidamente, mão de obra é o capital humano envolvido no processo


produtivo de uma empresa, esse pode ser dividido em dois tipos:

Mão de obra direta: as pessoas que trabalham diretamente com o processo produtivo,
ou seja, a linha de frente da empresa, onde toda a base acontece.

Mão de obra indireta: é aquele realizado por pessoas que sustentam e apoiam o
trabalho do direto, como supervisores de produção, faxineiros e etc.

Estoque

O estoque seria simplesmente a acumulação de produtos em um só local, o qual deve


ser apropriável ao que lá for inserido.
A administração desses locais nem sempre é uma tarefa fácil. O administrador de
estoques lida com inúmeros problemas, na qual o mesmo, utiliza várias ferramentas que o
auxilia a chegar numa solução. É comum estabelecer regras de decisão assertiva aos itens um
por um, pois é com base nessas decisões, que os profissionais responsáveis desempenhem o
papel de controlar com eficiência cada um desses itens.

Tributos

Tributos são contribuições monetárias feitas pelos cidadãos para buscar melhorias e
ampliação nos aspectos de caráter coletivo. Esses possuem várias divisões, uma delas é:
Imposto: é um tributo obrigatório cobrado pelo governo. Isso quer dizer que é um valor
que você paga e contribui para custear as despesas administrativas do Estado.
Ex: IPTU (Imposto predial territorial urbano, investimentos no município), IPVA
(Imposto sobre a propriedade de veículos automotores)
Juros: é uma taxa (tributo) incidida de acordo com o tempo na efetivação do pagamento
de um produto, empréstimo ou investimento, ou seja, é um acréscimo geralmente dado em
porcentagem aumentando o preço dos produtos. É dividido em:
Juros simples: são os juros calculados como uma porcentagem sobre o valor do capital
inicial.
J = C. i. t
Juros composto: Juros Compostos referem-se aos juros calculados como um percentual
do capital inicial mais os juros acumulados.
M = C (1+i) ᵑ

Alguns cálculos da contabilidade de custos

 Custo de produção- CP= MPC+MOD+CI


Matéria prima consumia
Mão de obra direta
Custo indireto

 Custo primário- CPa= MP+MOD


Custo primário
Matéria prima
Mão de obra direta
 Custo de transformação- CT= MOD+CI
Custo de transformação
Mão de obra direta
Custo indireto

Glossário de termos técnicos

Desembolso: renúncia de algo que pertence Taxas: tributos como iluminação pública,
a empresa, ativo; coleta de lixo e etc;
Produto final: resultado final de todo Patrimônio: conjunto de bens, direitos e
processo industrial; obrigações pertencente a uma pessoa física
Ativo: elemento patrimonial referente aos ou jurídica;
bens e direitos; Mensurável: que pode ser contado,
Capital: dinheiro; monetizado;
Bem: elemento pertencente ao ativo, Banco de horas: sistema de flexibilização
correspondente a algo pertencente ao ser da jornada diária de trabalho;
físico ou jurídico; Capital humano: conjunto de habilidades
Matéria prima: material de onde se é feito humanas dentro de uma organização;
o produto final do processo industrial; Processo produtivo: processo que tem
Margem de lucro: é a porcentagem como objetivo gerar o produto por meio de
adicionada aos custos totais, de um produto etapas produtivas;
ou serviço, formando o preço final da Linha de frente: mão de obra direta,
comercialização e definindo a porcentagem pessoas que trabalham na produção;
de lucro que a empresa terá em cima Monetário: relativo a moeda;
daquela venda. Empréstimo: contrato pelo qual uma
Imóveis: casas, apartamentos, galpões, etc. pessoa entrega a outra pessoa um objeto,
Veículos: aparelhos automotores; que deve ser devolvido ao primeiro em
Preço final: preço de mercado, voltado certo prazo de mercado;
para o consumidor final; Capital inicial: investimento inicial para
Depreciação: desgaste, perda de fundar uma organização;
resistência; Juros acumulados: juros calculado
Marketing: famosa técnica que promove diariamente e acrescentado ao preço da
de várias formas os produtos aumentando obrigação em caso de transação desta.
índice de vendas;

Похожие интересы