Вы находитесь на странице: 1из 36

1

Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1


Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

AQT505: TAC
Teoria da arquitetura: conceitos

CAUFAG
2011 – 1º Semestre

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias

BIBLIOGRAFIA:

1. COELHO NETTO, J.T. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo:


Perspectiva, 2002.
2. COLIN, Silvio. Uma introdução à arquitetura. Rio de Janeiro: Uapê, 2002.
3. DIAS, Solange Irene Smolarek. A arquitetura do desejo: o discurso da nova
identidade urbana de Curitiba. SISD, Cascavel: 2006

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


2
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

SUMÁRIO

1 CONCEITUAÇÃO DE ARQUITETURA .................................................................... 4

2 A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NA ARQUITETURA ............................................. 4

3 SISTEMAS DE VITRÚVIO ....................................................................................... 5


3.1 OS DEZ LIVROS ............................................................................................... 5
3.2 SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE ...................................................................... 5
3.3 SOLIDEZ, UTILIDADE, BELEZA ....................................................................... 5

4 OS DIVERSOS CONTEÚDOS DA ARQUITETURA ................................................ 6


4.1 CONTEUDO FORMAL ...................................................................................... 7
4.1.1 O classicismo na antiguidade ...................................................................... 7
4.1.2 Paleo-cristão-bizantino ................................................................................ 8
4.1.3 O gótico ....................................................................................................... 8
4.1.4 Classicismo no Renascimento e Barroco .................................................... 9
4.1.5 conteúdo formal moderno ........................................................................... 9
4.2 CONTEÚDO HISTÓRICO ................................................................................. 9
4.2.1 A história como ciência ............................................................................. 10
4.2.2 O século XIX ............................................................................................. 10
4.2.3 O conteúdo histórico no modernismo ........................................................ 10
4.2.4 Historicismo recente .................................................................................. 11
4.3 CONTEÚDO SOCIAL ...................................................................................... 11
4.3.1 A cidade industrial ..................................................................................... 11
4.3.2 As primeiras propostas.............................................................................. 11
4.3.3 A grande reforma de Paris ........................................................................ 11
4.3.4 Zoneamento e Segregação ....................................................................... 12
4.3.5 Uma “Paris” brasileira................................................................................ 12
4.3.6 O modernismo como causa social ............................................................ 12
4.3.7 O construtivismo russo .............................................................................. 13
4.3.8 A arquitetura do Estado............................................................................. 13
4.3.9 A arquitetura e o problema das cidades .................................................... 13
4.3.10 A crise dos anos 1960 ............................................................................. 13
4.3.11 a arquitetura de conteúdo social no Brasil .............................................. 14
4.3.12 A arquitetura e o problema da habitação ................................................ 14
4.3.13 O desempenho da arquitetura de orientação social ................................ 14
4.4 CONTEÚDO PSICOLÓGICO .......................................................................... 15
4.4.1 Psicologia e arquitetura ............................................................................. 15
4.4.2 Teorias psicológicas e suas aplicações .................................................... 15
4.4.3 Métodos de projeção subjetivos ................................................................ 16
4.4.4 O edifício e a mente humana .................................................................... 17
4.4.5 A expressão das emoções pela arquitetura .............................................. 17

5 LINGUAGEM ARQUITETÔNICA ........................................................................... 18


5.1 SEMIÓTICA, COMUNICAÇÃO E ARQUITETURA .......................................... 18

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


3
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

5.1.1 A arquitetura clássica vista pela semiótica ................................................ 18


5.1.2 A crise de comunicação na arquitetura moderna ...................................... 19
5.1.3 Arquitetura e comunicação de massa ....................................................... 19
5.2 POR UMA LINGUAGEM DA ARQUITETURA ................................................. 20

6 ASSENTAMENTOS HUMANOS ............................................................................ 21


6.1 AS CIDADES E O URBANISMO NA HISTÓRIA ............................................. 21
6.2 ANÁLISE CRÍTICA: DO SAGRADO AO PROFANO ....................................... 30

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


4
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

1 CONCEITUAÇÃO DE ARQUITETURA

Fonte: COLIN, Silvio. Uma introdução à arquitetura. Rio de Janeiro: Uapê, 2002

A palavra arquiteto é composta de tecton (artífice, tal como carpinteiro) e do prefixo


arqui (superioridade), Assim arquiteto, etimologicamente, quer dizer: “grande
carpinteiro”. Hoje destacamos três acepções da expressões, como as mais
importantes:

1. Uma profissão de nível superior, que abarca três distintas áreas do


conhecimento:
a. área técnica (cálculo estrutural, instalações domiciliares, etc);
b. humanidades (história, teoria, artes, psicologia e sociologia aplicadas);
c. representação e composição e projetos (desenhos, projetos, etc).

2. Um produto cultural, pois muito do que sabemos sobre as sociedades


anteriores às nossas o aprendemos pela observação e análise da arquitetura
desses povos; sabemos sobre hábitos, grau de conhecimento técnico, grau
de sensibilidade e ideologia através do estudo dos seus edifícios e ruínas.
Dessa forma fala-se da arquitetura não mais como atividade, mas como um
produto cultural. No primeiro caso falávamos sob o ponto de vista do
desempenho; adora, falamos do ponto de vista antropológico.

3. Excelência estética ou uma arte: em cujo grupo insere-se uma parte dos
edifícios, aqueles que puderam contar com um arquiteto de conhecimento,
sensibilidade, talento, com o local certo, o momento certo, as condições
materiais necessárias, o tempo e o dinheiro suficientes e, em todo o processo
de produção os valores estéticos se sobrepuseram aos utilitários ou
comerciais. Sob esse ponto de vista, a que chamamos de excelência estética,
predomina a arquitetura como arte.

No entanto, considerar a arquitetura como arte não significa considerar apenas as


obras-primas. Os edifícios históricos (templos gregos, catedrais românicas e góticas)
e as obras de Le Corbusier, Walter Gropius, Frank Lloyd Wright, Mies van der Rohe,
Oscar Niemeyer e outros, vão além do critério de excelência estética: são obras-
primas, são o que de melhor a humanidade já produziu em termos de arquitetura. No
entanto, não é necessário ao edifício ser uma obra-prima para caber dentro do
conceito de obra de arte.

2 A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NA ARQUITETURA

Fonte: COELHO NETTO, J.T. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo:


Perspectiva, 2002.

Uma edificação não tem apenas um significado formal, estético, e outro funcional: há
nela sentidos ligados tanto ao poético quanto ao sociológico, movidos por vagos
impulsos inconscientes, ou por um nítido projeto ideológico. No entanto, boa parte

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


5
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

da arquitetura contemporânea tem deixado escapar esses nexos ou, pior ainda,
manipula-os de maneira inconsciente, criando um cenário onde a arquitetura não
fala mais, apenas balbucia coisas que não raro chegam ao insensato, resultando daí
o progressivo esmagamento de seu destinatário essencial, o homem.

É da crítica desta solução que A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NA ARQUITETURA


parte para a sua procura básica: a de uma linguagem na arquitetura cuja adequada
operacionalização possa transformar o atual arquiteto-técnico no propositor de
espaços já vislumbrados em outros períodos, mas perdidos na esteira da Revolução
Industrial e no decurso de uma época em que o produto arquitetural surge sobretudo
como valor de troca, e não de uso.

3 SISTEMAS DE VITRÚVIO

Fonte: COLIN, Silvio. Uma introdução à arquitetura. Rio de Janeiro: Uapê, 2002

3.1 OS DEZ LIVROS

Vitrúvio é o autor do primeiro tratado sobre o assunto, intitulado: “Os dez livros de
arquitetura”, escrito no Império Romano, na época de Augusto. Não se conhece
nenhum trabalho anterior. A importância dos “dez livros...” não é só histórica e
documental, pois inspirou tratados do Renascimento ao Século XIX, além de vermos
grande atualidade em algumas de suas postulações teóricas.

Vitrúvio foi o primeiro a perceber que, sobre arquitetura não se pode simplesmente
dizer: “é isto”, mas “é isto, aquilo, mais aquilo”. Das suas divisões destacamos as
duas de maior atualidade:
• significado e significante;
• solidez, utilidade, beleza.

3.2 SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE

Percebeu Vitrúvio a vocação das formas arquitetônicas para representar coisas


diferentes das formas arquitetônicas para representar coisas diferentes delas
mesmas. Em outras palavras: as formas arquitetônicas tem uma vocação simbólica.
dizia: " e“ arquitetura devem ser considerados dois pontos: aquilo que é significado e
aquilo que significa”. Esse pensamento antecipa o que viria a ser um dos maiores
métodos de crítica de arte do século XX: a linguística estrutural.

3.3 SOLIDEZ, UTILIDADE, BELEZA

Quando se fala dos sistemas de arquitetura “tudo o que se constrói deve ter solidez,
utilidade e beleza (em latim do texto original: firmitas, utilitas, venustas). Nos dias de
hoje:

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


6
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

• A solidez (firmitas) se refere aos sistemas estruturais, ao envoltório físico, às


tecnologias, à qualidade dos materiais utilizados. Vitrúvio nos diz: “a solidez
pode ser conseguida quando as fundações são plantadas em solo firme e os
materiais são sabidamente escolhidos”.

• A utilidade (utilitas) vai tratar da condição dos espaços criados, seu correto
dimensionamento para atender aos requisitos físicos e psicológicos dos
usuários, e da maneira como esses espaços se relacionam. Para Vitrúvio, a
condição é atendida ”quando o arranjo dos ambientes é correto e não
apresenta obstáculos ao uso, e a cada categoria de edifício é assegurada
sua adequação e propriedade”.

• A beleza (venustas) refere-se às preocupações estéticas que devemos ter ao


projetar e construir: em arquitetura não se trata apenas de edificar algo
sólido, de boa técnica e com materiais de qualidade, e que abrigue
corretamente os usos a que se destina: é preciso nos incitar à contemplação
e fruição. Nas palavras do mestre e arquiteto romano, a beleza está presente
“quando a aparência da obra é agradável e de bom gosto, e seus elementos
são proporcionados de acordo com os princípios da simetria”.

Para melhor conhecimento, os dez livros de Vitrúvio estão disponívels nos seguintes
sites:
• Tradução do latim para o inglês:
http://www.bostonleadershipbuilders.com/vitruvius/

• Tradução do inglês para o português:


http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-
BR&langpair=en|pt&u=http://www.bostonleadershipbuilders.com/vitruvius/

4 OS DIVERSOS CONTEÚDOS DA ARQUITETURA

Fonte: COLIN, Silvio. Uma introdução à arquitetura. Rio de Janeiro: Uapê, 2002

Ao falarmos sobre conteúdo estamos, em primeiro lugar, acusando certa capacidade


que tem a arquitetura de representar para as pessoas algo mais que sua simples
presença: não orientamos nossa atenção para evidências materiais, mas
reconhecendo que experimentamos a arquitetura como linguagem, onde os
elementos físicos do objeto arquitetônico nos fornecem instrumentos de
comunicação através dos quais outras ideias podem ser transmitidas.

Aqui conteúdo é sinônimo de “significado” e “mensagem”. Opta-se por conteúdo


porque “mensagem” está ligada à teoria da comunicação; opta-se por conteúdo
porque “significado” está fortemente ligado ao seu oposto, “significante”, o limitaria o
entendimento à semiótica.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


7
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Um edifício pode nos falar sobre o povo que o contruiu, de seus ideais estéticos,
modos de vida, feitos militares, práticas religiosas, apresentar a maestria de quem o
concebeu e suas preocupações morais: são os seus conteúdos.

Durante muito tempo as tentativas de interpretação arquitetural dividia-se entre


conteúdo formal e histórico: as ordens clássicas, a matemática da composição, a
história como complemento de informação.

O século XIX traz novas aspirações, teorias e, consequentemente, conteúdos: às


preocupações formais juntam-se os predicativos de ordem social e psicológica. As
crises e movimentos do século XX fizeram com que os teóricos da arquitetura se
voltassem para a linguagem e comunicação, acrescentando na análise a linguística
e a semiótica. Inspirados pela nova forma de pensar o ser humano, a sociedade e
seu espaço, aparece a aplicação do método fenomenológico à arquitetura. Dess
forma constitui-se um novo corpo crítico que inclui história, sociologia, psicologia,
fenomenologia, semiótica e, naturalmente, a estética arquitetônica de obediência
formalista.

Vitrúvio já dizia que o arquiteto, além de ter prática com geometria e desenho – seus
instrumentos imediatos de trabalho - , deveria ser versado em história, filosofia,
música, medicina, ciências jurídicas, astronomia e astrologia.

Apesar do conteúdo de uma obra arquitetônica ser múltiplo e indivisível (e tanto mais
será quanto maior for a sua intenção poética) e, apesar disso, recorre-se a divisões
para facilitar a abordagem, para poder-se chegar a identificação de determinada
mensagem no conjunto de nossa percepção do objeto.

4.1 CONTEUDO FORMAL

Pode parecer um paradoxo falarmos de “conteúdo formal”, uma vez que sempre
colocamos em oposição “forma” e “conteúdo”. Explica-se: a oposição serve para
objetos comuns, uma vez que os objetos estéticos se diferenciam justamente pela
maior preocupação com a forma. Chamamos de conteúdo formal a esse trabalho
suplementar com a forma, que é característico do objeto estético.

Pela vertente mais forte de nossa cultura: a tradição greco-romana-cristã, podemos


estabelecer que o conteúdo formal alinha-se em quatro tendências:
O classicismo;
O paleo-cristão-bizantino;
O gótico;
O modernismo.

4.1.1 O classicismo na antiguidade

É encontrado na arquitetura grega, no helenismo e na arquitetura romana. Está


centrada em uma interpretação particular do sistema trílítico, onde apoios e vigas

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


8
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

recebem um tratamento modelador, dando origem às formas típicas das colunas,


capitéis, arquitraves e frontões.

Essas formas tem variantes que se constituem nas ordens:


• Dórica, da atual região da Grécia continental;
• Jônica, da Ásia Menor, atual litoral mediterrâneo da Turquia;
• Coríntia, mais recente, cuja criação é atribuída ao escultor Calimago.

Apesar das variações, são na essência semelhantes no que diz respeito à


ordenação da forma, modulação e organização elemental. Sua persistência no
tempo deve-se ao pensamento estético clássico, que preservava a imitação: o artista
clássico pensava em repetir e aprimorar, ao contrário do artista romântico, que
pensava em diferenciar e inovar:
• O aprimoramento é a marca dos gregos;
• No helenismo Alexandre congela os modelos de excelência, estabelecendo
os cânones clássicos;
• Os romanos adotam as ordens gregas com modificações (acrescentam as
ordens toscana e compósita): enquanto para os gregos as ordens eram o
embelezamento do trilítico, para os romanos (que usam no sistema técnico os
arcos e derivados, de sua origem etrusca), as ordens são recurso de
expressão, organização e decoração. A maior contribuição dos romanos não
é na forma mural, mas na exploração das mais expressivas formas espaciais
que sua tecnologia possibilitava.

4.1.2 Paleo-cristão-bizantino

Com a queda do Império Romano, o conteúdo formal clássico se ausentará,


aparecendo em seu lugar outro, livre das influências pagãs das ordens gregas e do
fausto materialista das formas espaciais romanas. Em seu lugar aparecerá um
trabalho de busca da integridade espacial do ambiente e uma tendência à
desmaterialização dos elementos, sobretudo das paredes, pela aplicação da
decoração superficial, geralmente mosaicos com motivos figurativos ou geométricos.

4.1.3 O gótico

A arquitetura é uma expressão cultural de um novo sistema socioeconômico-político,


caracterizado pelo poder crescente da Igreja, da decadência do feudalismo e da
ascensão do mercantilismo.

Diferente da solução clássica, a solução gótica resolve uma unidade elementar, um


tramo do edifício, e essa unidade poder-se-á repetir quantas vezes se quiser: é o
princípio da forma sistêmica. Seu vocabulário de elementos arquitetônicos é único e
diferenciado:
• Arcos apontados;
• Abóbodas de arestas;
• Arcos botantes;
Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias
9
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

• Contrafortes;
• Pilares nervurados;
• Decorações em relevos e esculturas, só de temas religiosos (desde os
românicos, que antecedem em 150 anos aos góticos);
• Grandes vitrais que acumulas funções de iluminação, embelezamento e
catequese.

4.1.4 Classicismo no Renascimento e Barroco

O sistema formal clássico reaparecerá no século XV nas cidades-estado italianas,


sobretudo Florença e Veneza, com duas diferenças:
• A descoberta da perspectiva coloca ênfase na concepção do edifício,
valorizando o “ponto de vista”, o centro da composição;
• A crescente valorização da figura do autor gera o conflito ente prezar a
imitação (estética clássica) e a nova estética da expressão individual,
responsável inicialmente pelo maneirismo e, posteriormente, pelo barroco.

4.1.5 conteúdo formal moderno

A atitude do século XX, a que chamamos de modernismo advém de:


• Novas possibilidades técnicas;
• Demanda sempre crescente;
• Crença ilimitada nas possibilidades da ciência e da técnica;
• Atitude de confiança no futuro;
• Desprezo pelo historicismo do século XIX.

O novo conteúdo formal:


• valorizará o volume ao espaço (exclusivamente funcional) ou à superfície
(sem decoração);
• eliminação de referências às formas tradicionais (como o telhado);
• valorização às novas tecnologias e formas que enfatizem a tecnicidade;
• uso do vidro em grandes panos;
• tendência de uso de formas abstratas.

Diferentemente do passado, quando havia um único sistema técnico, hoje a


arquitetura não tem limitações: tudo o que é pensado, na razoabilidade, pode ser
executado. Há, então, uma preocupação com a linguagem: se todas as formas são
possíveis, são convenientes ou comunicativas?

4.2 CONTEÚDO HISTÓRICO

O valor histórico de um edifício pode aparecer em três níveis:


• sendo o produto de uma sociedade e testemunho de práticas sociais e
estéticas;

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


10
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

• cenário de acontecimentos históricos marcantes;


• edificado para marcar feitos importantes, como no caso de monumentos e
memoriais.

O valor histórico pode também estar relacionado com elementos arquitetônicos


característicos de determinado período histórico (formas, figuras, tipos espaciais,
etc.) que, posteriormente utilizados, rememoram-no.

4.2.1 A história como ciência

Esse vínculo se intensifica e muda na modernidade, especialmente a partir do século


XVIII, quando a história ganha status e ciência:
• Investiga-se a mudança e permanência dos estilos;
• As ligações entre artes e as sociedades que as produzem;
• Intensificam-se os estudos sobre Antiguidade clássica, Renascimento e
Barroco.

4.2.2 O século XIX

A produção arquitetônica dos “oitocentos” permaneceu profundamente apegada ao


repertório das figuras históricas. Pressionados a dar respostas ao inchamento das
cidades e ás questões industriais e comerciais (dadas convincentemente pelos
engenheiros das politécnicas), os arquitetos ligados á academia buscam solução na
utilização de formas consagradas pela tradição. Diversos são os caminhos:
• O revivalismo como o paradigma de excelência para os novos programas, e
sugem os neo-grego, neo-romano, neo-renascimento, etc.
• O historicismo propunha a criação de código trans-histórico tais como:
o Para bancos o estilo dórico, por simbolizar estabilidade, confiabilidade,
solidez;
o Para igrejas os estilos românico ou gótico, representativos da
superioridade da Igreja Católica;
• O ecletismo que misturava em um mesmo edifício elementos de procedências
diversas e que já não buscava um significado, mas apenas soluções formais.

4.2.3 O conteúdo histórico no modernismo

Os significados históricos anteriores deixam de ser explícitos e visuais, refugiando-


se em elementos menos evidentes, uma vez que os principais arquitetos do
modernismo (Peter Behrens, Adolf Loss, Walter Gropius, Le Corbusier, Mies van der
Rohe) eram pessoas de grande cultura e impregnadas de consciência histórica.

As gerações seguintes, que disseminaram a arquitetura moderna através do “Estilo


Internacional”, são responsáveis pelo esvaziamento de conteúdo histórico nos
objetos arquitetônicos.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


11
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

4.2.4 Historicismo recente

Nos fins dos anos 1960, seja objetivando a recuperação de centros históricos
europeus abalados pela 2º Guerra, seja em reação à severidade estética do estilo
internacional, em linguagem de humor e ironia é introduzido o pós-modernismo
historicista.

4.3 CONTEÚDO SOCIAL

A melhor arquitetura de uma determinada sociedade será sempre a arquitetura de


suas classes sociais dominantes. No entanto nem sempre a forma estará
comprometida com as injunções sociais: isso depende da intenção do arquiteto, de
sua ideologia, de fatores ligados ao processo de produção.

4.3.1 A cidade industrial

Somente após a Revolução Burguesa e a Revolução Industrial que tomam corpo


entre intelectuais e arquitetos as preocupações sociais. Essa condição ocorre em
cidades em cidades que tiveram sua população multiplicada até 10 vezes (Londres,
Paris, Chicago, Nova Iorque, Manchester, etc) por:
• Ausência de redes e infraestrutura;
• Ineficiência no controle da qualidade da construção;
• Moradias insalubres para operários;
• Falta de áreas verdes e de amenidades nas imediações.

4.3.2 As primeiras propostas

Haviam quatro grupos:


• Os utopistas e os cientificistas que acreditavam poder criar sociedades ideais
com espaço, luz, ventilação, áreas verdes e aparência ordenada;
• Os culturalistas que viam a sociedade industrial como um mal absoluto e
propunham em seu lugar cidades medievais como Oxford (Ruskin e Morris);
• Escritores, pensadores e arquitetos americanos que propunham a negação da
cidade e a ligação à sociedade rural, voltada para a natureza;
• As soluções modernistas para a cidade.

4.3.3 A grande reforma de Paris

Para solucionar problemas de higiene e espaço e oportunizar o controle técnico,


formal e militar da cidade, nos anos de 1850-60 e promovida pelo Barão Haussmann
aparecem:
• as grandes artérias,
• os grandes boulevards retilíneos, regulares e simétricos.
Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias
12
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

A reforma de Paris inspira o Plano de Barcelona de Ildefonso Cerda.

4.3.4 Zoneamento e Segregação

A reforma de Paris soluciona problemas de higiene e estética. No entanto outros


ocupam a mente dos arquitetos, tais como:
• hierarquização dos espaços;
• seus usos;
• sua simbolização;
• o problema fundiário.

Anteriormente, nas cidades menores, todas as classes sociais desfrutavam os


mesmos espaços, equipamentos (parques, teatros, praças), serviços (transportes,
água, etc). Com os planos reguladores aparece o zoneamento e suas
consequências: divisão dos espaços funcionais (comerciais, industriais, residenciais,
proletários, etc.).

Inicia-se o problema fundiário: a quem pertencem os terrenos da cidade, em


princípio? Ao povo? Ao Estado?

Com as cidades maiores as pessoas perdem a capacidade de apropriarem-se


simbolicamente de seus espaços (minha rua, o espaço onde meu filho brinca, etc).

Geralmente o zoneamento promove a segregação das classes mais baixas,


afastadas do centro e longe de áreas de trabalho.

4.3.5 Uma “Paris” brasileira

O Rio de Janeiro apresentava, na segunda metade do século XIX, as mesmas


características que décadas antes ocorreram nas cidades europeias. As
administrações públicas promoveram verdadeiras operações de guerra para remover
ocupantes de cortiços, em nome da higienização e saneamento da cidade. Dessa
política surgiram as “vilas operárias”, que não atendiam à demanda. A reforma
ocorrida entre 1902 e 1906, com a demolição e grandes áreas no Centro do Rio
praticamente extinguiu os cortiços mas não eliminou as sub-habitações, que daí para
a diante teriam a forma das atuais favelas.

4.3.6 O modernismo como causa social

A grande maioria dos arquitetos do movimento modernista tinha uma profunda


inspiração social: a nova arquitetura deveria ser simples, atendendo a requisitos de
conforto e higiene compatíveis com a dignidade dos usuários, fossem operários,
burocratas, intelectuais ou artistas.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


13
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

O empenho é o de conceber e produzir edifícios:


• que representem uma nova maneira de viver em sociedade;
• que correspondam às necessidades e aspirações das categorias mais baixas
da população;
• que a abordagem técnico-formal da arquitetura reoriente-se para a
abordagem econômico-funcional;
• temas como habitação mínima, estrutura independente, papel das cozinhas
na habitação, passam a ocupar o lugar dispensado à decoração mural;
• a estética não era desprezada, mas rearticulada para um todo integrado, sem
distinção entre preocupações estéticas, técnicas e funcionais.

4.3.7 O construtivismo russo

A grande patrocinadora da arquitetura de feição social foi a União Soviética, através


da Revolução de 1917, que imprimiu um direcionamento socialista ao governo. A
arquitetura, segundo definição dos construtivistas, instrumentos de modificação de
hábitos arraigados e antigas ideologias, em comportamento socializado e não
individualista.

4.3.8 A arquitetura do Estado

A partir de 1930 a face do mundo modifica-se (crise econômica em USA, Stalin,


Mussolini, Hitler). A arquitetura, além de atender as considerações sociais e
funcionais deve, agora, assumir seu papel de representação:
• do poder do capitalismo, nos Estados Unidos;
• de Estado forte na Alemanha, Itália, União Soviética.

O vínculo entre “conteúdo social” e “arquitetura moderna” enfraquece-se.

4.3.9 A arquitetura e o problema das cidades

De 1930 a 1950 os Congressos Internacionais de Arquitetura Moderna (CIAM)


postulavam sobre a arquitetura moderna e as intervenções urbanas. A Carta de
Atenas pauta os projetos relacionados com as cidades, insistindo no zoneamento,
no edifício em altura, na produção de grandes conjuntos habitacionais.

Os grandes conjuntos, as grandes intervenções, multiplicavam-se em todas as


partes do mundo ocidental. A pré-fabricação, que evoluiu após a 2ª Grande Guerra,
coroa a industrialização total da construção. Finalmente os edifícios poderiam ser
produzidos como máquinas, antiga aspiração da vanguarda modernista.

4.3.10 A crise dos anos 1960

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


14
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

A excessiva orientação racionalista e funcionalista provocou reações contundentes


por parte de arquitetos, intelectuais e usuários. Conjuntos residenciais em St Louis,
Lion, tornaram-se emblemáticos da crise foram demolidos após deterioração e
vandalização dos próprios moradores, que os consideravam inadequados às
comunidades que deveriam servir.

As críticas reorientam o pensamento, tirando a ênfase do funcionalismo e incluindo


nas preocupações dos projetistas:
• preocupações com o aspecto simbólico dos espaços criados;
• as demandas psicológicas das comunidades atendidas;
• os aspectos culturais ligados á tradição regional.

4.3.11 a arquitetura de conteúdo social no Brasil

Os conceitos modernistas do CIAM tiveram eco no Brasil, desde os Institutos de


Aposentadoria e Pensão (década de 1940) até o Banco Nacional de Habitação
(BNH) da década de 1960.

Grandes nomes da arquitetura brasileira deixaram assinaturas nas chamadas


“habitações de baixa renda”. No entanto a repercussão mundial ocorre com os
Conjuntos Habitacionais do Pedregulho e da Gávea que, atendendo às demandas
técnicas e funcionais preconizadas pelo CIAM, pelas suas expressivas formas
conjuga forma e função, tão procurada pelos modernistas.

4.3.12 A arquitetura e o problema da habitação

Passados os momentos de crença nos “superpoderes” transformadores da


arquitetura, podemos fazer uma avaliação da dita “de interesse social”. Constata-se
que os grandes conjuntos são “projetados” por arquitetos, mas não por eles
“produzidos”. Assim, a arquitetura cumpre uma função de apoio: cabe-lhe apresentar
soluções técnica, estéticas e funcionais para a moradia, mas não pode interferir nos
problemas político-financeiros que lhe são inerentes.

4.3.13 O desempenho da arquitetura de orientação social

É uma grande preocupação dos arquitetos pois, apesar da história registrar um


afastamento entre cidadãos e a grande arquitetura, acredita-se num encontro
possível, através da superação das seguintes condições:
• Desempenho técnico. Passa pela pesquisa de novos materiais e técnicas, por
programas de autoconstrução, por soluções de completa industrialização, por
uso de técnicas primitivas, como o adobe.
• Aspecto estético. Passa pela vinculação da diminuição e custos á produção
de grandes quantidades. A repetição e formas as torna monótonas, com falta
de expressão, identidade e qualidade poética. O uso criativo de sistemas
industriais é uma alternativa.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


15
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

• Concepção espacial. O arquiteto tende a projetar segundo suas


necessidades, que costumam ser diferentes das dos usuários. Conscientes,
os arquitetos tem criado métodos de trabalho com a participação da
comunidade.

4.4 CONTEÚDO PSICOLÓGICO

A arquitetura pode transmitir um amplo aspecto de emoções: confiança no futuro,


desejo de poder, etc. A esse conjunto de mensagens chamamos de conteúdo
psicológico da arquitetura, uma vez que a psicologia pretende o entendimento das
funções mentais e motivações comportamentais de indivíduos e grupos.

4.4.1 Psicologia e arquitetura

As formas arquitetônicas sempre serviram para representar os sentimentos,


especialmente nas orientações emocionais coletivas tais como:
• O fausto hedonista dos romanos;
• Na religiosidade católica;

Quanto à teoria, o mais antigo registro está em duas passagens do “Os dez livros de
arquitetura”, de Vitrúvio:
• A primeira, quando ele se refere às cariátides1;
• A segunda quando narra a origem do capitel coríntio2.
No entanto, os registros de Vitrúvio são casos isolados, pois até muito recentemente
as preocupações eram visualistas, voltadas para as relações matemáticas na
composição de formas arquitetônicas. Essa situação somente é alterada em fins do
século XIX quando se inicia, de modo sistemático, a abordagem psicológica da
arquitetura.

O encontro entre psicologia e arquitetura pode ocorrer em três níveis diferentes:


• Instrumentando o arquiteto quanto às necessidades subjetivas dos usuários e
quanto à natureza da percepção humana de espaços e formas;
• Enquanto diversas teorias psicológicas ocupam-se do processo de criação,
pode o arquiteto fundamentar-se nas mais recentes;
• Na atividade crítica.

4.4.2 Teorias psicológicas e suas aplicações

São diversos os caminhos trilhados pela psicologia e seu rebatimento na arquitetura.


Há dois grandes grupos de teorias e doutrinas:

1
Segundo Vitrúvio, as cariátides representavam um castigo infrigido pelos gregos ao povo de Cária, que foi
aliado de seu inimigo persa na Guerra do Peloponeso. São mulheres-colunas que sustentam a arquitrave de
templo Erecteion, em Atenas.
2
Segundo Vitrúvio, é a reinterpretação do escultor Calimaco dos pertences do túmulo de uma jovem noiva de
Corinto. Os pertences estavam numa cesta que foi envolvida pelas raízes de acanto, que floresceu na primavera.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


16
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

• As psicologias da mente consciente ou do ego;


• As psicologias da mente inconsciente.

Nas psicologias da mente consciente destacamos:


• As teorias mais objetivas, voltadas para a análise do funcionamento mental e
do comportamento tais como:
• Reflexologia: reflexos inatos ou adquiridos em relação aos estímulos do
meio.
• Behaviorismo: comportamentalismo que sobrepõe a influência de
fatores do meio-ambiente aos elementos inatos, como motivadores
para a atividade humana.
Essas teorias originaram estudos sobre a psicodinâmica das cores e dos
padrões, utilizadas pela Bauhaus.
• A psicologia da Gestalt, que teve desdobramentos importantes na arquitetura
e artes plásticas devido ao vínculo com o método filosófico da fenomenologia.
• A psicologia genética, vinculada ao estruturalismo e onde o maior expoente é
Piaget, parte dos estudos da evolução mental da criança, da formação do
juízo, do raciocínio, noções de causalidade, número, tempo, espaço,
movimento.

Quanto as psicologias da mente inconsciente que são, sem dúvida, a maior


contribuição da psicologia para a cultura do século XX, destacam-se Freud e Jung:
• Freud, apesar de nunca ter estabelecido uma “estética” baseada na
psicanálise, oportunizou a crítica da obra de arte. Talvez a mais importante
contribuição entre psicanálise e obra de arte é que o processo de criação
artística é o mesmo que dá origem aos sonhos, embora com intenção
diferente.
• Jung centrava sua teoria em conceitos como “inconsciente coletivo” e
“arquétipo”, dando conta de que fatores externos, culturais ou ancestrais,
advindos do pensamento coletivo, tem papel determinante na materialização
das ideias do arquiteto, dando-lhe uma boa fundamentação teórica.

4.4.3 Métodos de projeção subjetivos

As teorias, atividade do “pensar arquitetônico”, sempre se desdobra no “fazer


arquitetônico”. Esse desdobramento ocorre através de metodologias. Um método
pode ser definido:
• por atividades matemáticas (levantamentos, pré-dimensionamentos), onde
sobra pouco para a manifestação de emoções e conteúdos mais profundos;
• por sequencias de atividades dispostas de maneira vaga, subjetivas, que vão
além do racional.

Desse segundo grupo destacamos Corbusier e Lois I. Kan que, quando em atividade
projetual, paralelamente à coleta e dados objetivos, mantinham contato com códigos
formais e culturais externos á arquitetura. Qndo Corbusier fala do “espaço inefável
(...) que não depende da extensão”, ou quando Louis Kan descreve a “trajetória do

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


17
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

silencio à luz”, estão distantes das causas materiais, onde desejos e emoções são
importantes.

4.4.4 O edifício e a mente humana

Ao trabalhar o edifício e seus elementos volumétricos, está o arquiteto fazendo sua


parte num jogo que foi precedido pelos filósofos. Um exemplo é a descrição por Jung
de sua casa:

“A ampla torre, com sua lareira, representava o ‘material’; a segunda


torre, onde ninguém entrava sem permissão, lugar de retiro e
meditação, representava o ‘espiritual’. O pátio era a abertura para a
natureza e, finalmente, o andar levantado por último sobre a parte
central representava o ego, significando a extensão da consciência
atingida na velhice. Assim, a casa em pedra era ‘a representação
dos meus mais íntimos pensamentos e do conhecimento que eu
tinha adquirido’. “

4.4.5 A expressão das emoções pela arquitetura

Apesar de testemunhos incontestáveis o arquiteto ocupa, no processo de produção


de sua arte, um espaço menos que os outros artistas (pintores, escultores,
escritores). Quanto maior for esse espaço, maiores as possibilidades de
manifestações pessoais e, consequentemente, de emoções.

Algumas condições podem influir nessa direção:


• Subjetividade do arquiteto: quanto mais ele aprecia a subjetividade, mais elas
aparecerão. O contrário também é verdadeiro;
• Autoridade do arquiteto: legado do público aos seus mais destacados
criadores, que favorece a presença de conteúdos psicológicos ligados ao
conceito de originalidade e culto da personalidade;
• Tema do projeto: existem assuntos mais propícios que outros para a
expressão pessoal.

Se o modernismo cultiva uma atitude repressiva quanto à expressão individual, a


procura de um estilo que marcou o século XIX revelou linguagens abertas aos
processos inconscientes. Destaca-se a obra de Gaudi.

O movimento denominado de expressionismo, centrado na Alemanha e Holanda por


volta de 1920, trilha o caminho de resistência ao racionalismo impessoal do
modernismo. Peter Behrens, Erich Mendelson e outros são destaques dessa poética
de valorização individual e conteúdos emotivos, deixando registrados na sua
arquitetura toda a apreensão e o desconforto dos intelectuais diante das promessas
sedutoras da era da máquina.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


18
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

5 LINGUAGEM ARQUITETÔNICA

5.1 SEMIÓTICA, COMUNICAÇÃO E ARQUITETURA

Fonte: COELHO NETTO, J.T. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo:


Perspectiva, 2002.

Em uma das passagens dos “Dez Livros...” de Vitrúvio, esse assinala a divisão
fundamental entre significante3 e significado4 no objeto arquitetônico, toque
primordial dos problemas linguísticos.

Modernamente, arquitetos e teóricos fizeram analogia entre a linguagem da


arquitetura e a língua falada: Frank Lloyd Wright mencionava uma “gramática” e uma
“sintaxe” da arquitetura. No entanto essas referências eram, de certa forma,
metafóricas, uma vez que não houve estudo sistemático com base na linguística.

Um dos primeiros trabalhos que marca o ingresso da arquitetura no campo da


linguística é datado de 1966 e deve-se a Robert Venturi5 em aplicação explícita de
um método de crítica literária à arquitetura.

Qualquer incursão no campo da linguística começa com a constatação de que a


arquitetura é uma linguagem e, como tal, é capaz de transmitir mensagens. Seu
desdobramento abre um campo infinito de considerações, permitindo a utilização de
todo o conhecimento adquirido sobre as línguas no terreno específico da arquitetura,
visando seu entendimento, recolocando antigos problemas sob nova ótica, e
depurando sua linguagem específica.

Considerando que a arquitetura é uma linguagem não verbal, a ciência que a estuda
é a semiótica.

5.1.1 A arquitetura clássica vista pela semiótica

A estética da arquitetura grega era baseada nas ordens. As ordens gregas são
resultado do aprimoramento do trilítico. Os romanos usaram as ordens gregas, mas
o fizeram apenas para efeito decorativo, pois conheciam o arco e usavam o
concreto.

Em termos semióticos, temos que o significante (coluna, capitel, arquitrave) toma


significados diferentes:
• Para os gregos, a forma natural do aprimoramento estético de elementos
construtivos primários;
• Para os romanos de valor decorativo simbólico, uma vez que que a conjunção
com os sistemas construtivos estava perdida.

3
A parte material do objeto
4
Representação psíquica do objeto
5
Complexidade e contradição na arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1995

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


19
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

5.1.2 A crise de comunicação na arquitetura moderna

Metafóricamente aconteceu, com a arquitetura moderna do início do século XX, o


equivalente a um país de língua inglesa que, de uma hora para a outra, decide que
seus cidadãos deverão comunicar-se, de agora em diante, em outra língua
(espanhol, por exemplo).

O modernismo funcionalista e recionalista queria formas arquitetônicas abstratas,


desligadas de conteúdos tradicionais e históricos:
• As portas não seriam mais portas, mas “vãos de acesso”, de forma livre;
• As janelas não mais à francesa, mas “vãos de iluminação e ventilação”;
• Os telhados seriam “elementos de cobertura”, geralmente uma simples laje
plana impermeabilizada.

As pessoas seriam abrigadas eficientemente pelos “vãos” e “elementos”, mas um


elemento arquitetônico deve cumprir sua função, mas também representá-la.
Quando o telhado foi retirado, por questões estéticas, nada foi colocado em seu
lugar que “representasse” proteção: daí a crise de comucabilidade.

5.1.3 Arquitetura e comunicação de massa

Embora nem sempre estejam os arquitetos conscientes do fato, a linguagem


arquitetônica assimila muitas características do que a teoria da comunicação chama
de mass media.

As mensagens orientam-se pelo gosto médio do cidadão e não são qualitativamente


seletivas. As mensagens ocorrem em uma sociedade de mercado que:
• Prevê a obsolescência programada;
• Define questões de moda e gosto;
• Fruem-se na desatenção (diferentemente das obras da grande arte, exibidas
em salões próprios e que exigem grande atenção)
• Ocorrem com redundância na mensagem, empobrecendo o conteúdo poético
• É persuasiva, tentando convencer as pessoas;
• É coercitiva, induzindo a mudanças de comportamento;
• É autoritária, obrigando as pessoas a terem determinados gostos e
comportamentos.

Dessa forma a linguagem da arquitetura traz mais essa contradição e motivo de


tensão:
• É uma arte de massas pela abrangência e publicidade de sua mensagem;
• É também grande arte, pelo refinamento de suas manifestações e por suas
qualidades de permanência.

A arquitetura move-se nesses dois universos, o da comunicação fácil e necessária e


o da comunicação poética e refletida: é importante a consciência dessa dupla
polaridade.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


20
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

5.2 POR UMA LINGUAGEM DA ARQUITETURA

Fonte: COELHO NETTO, J.T. A construção do sentido na arquitetura. São Paulo:


Perspectiva, 2002.

Os arquitetos não falam mais: apenas balbuciam coisas sem sentido. Se os


arquitetos não falam mais, supõe-se que alguma vez devam ter-se expressado de
modo não apenas coerente, como adequado e atraente. Quando foi isto?

O arquiteto grego sabia o que falava, conhecia aquilo com que falava, e o mesmo se
pode dizer do arquiteto do gótico, do da renascença, nas não, obviamente, de todos
os arquitetos dos neos: do neogótico, do neoclássico, etc.

Aqueles arquitetos tinham formulado um estoque preciso de conceitos e de signos


do qual retirávamos elementos para compor uma arquitetura onde cada elemento se
define por sí só e, ao mesmo tempo, em relação aos demais, num discurso que
responde a determinadas necessidades do homem da época e que este
compreende.

Uma linguagem arquitetural não é privilégio das grandes obras ou dos grandes
nomes. Deve ser uma linguagem precisa. Se a arquitetura é uma arte, é uma arte
específica que necessita de uma linguagem de antemão, e que esteja ao alcance
simultâneo do criador e do receptor.

Quais os elementos desta linguagem? São:


• o discurso primeiro do espaço em sí mesmo (o discurso do arranjo espacial)
• e o discurso estético do espaço (o arranjo espacial sob uma forma artística)

Que se deve considerar como aquilo que constitui o objeto de estudo referente ao
primeiro discurso? Afinal, o que é espaço? Espaço é ISSO que nos cerca! Mas o
que é isso? Efetivamente ainda não existe ainda um corpo de conhecimentos
orgânicos capaz de reunir uma série de noções fragmentadas sobre o espaço, de
modo a fornecer-nos um conceito operacional, manipulável. E se chega ao absurdo
de se ter uma série de teorias altamente elaboradas sobre o modo de tratar de algo
que não se sabe definir!

Como Vitrúvio conceituava arquitetura?


• É ordenamento, disposição, proporção, distribuição. De que? Do espaço, por
certo, mas isto era dado como algo já estabelecido.

E Alberti ?
• Solidez, comodidade prazer (voluptas, firmitas, commoditas). E o espaço?
Resposta possível: está implícito.

Viollet-Le-Duc
• Arquitetura é a arte de construir.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


21
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Perret
• É a arte de organizar espaços

O segundo discurso a ser aqui abordado é o elaborado pela estética do espaço.


Estética: a simples menção deste termo talvez já seja suficiente para abrir um
enorme claro entre os eventuais arquitetos leitores. A estética aglutina duas
correntes opostas em arquitetura:
• os tecnocratas
• os humanistas

Os tecnocratas não vêem nenhuma utilidade para a estética ou para a arte.


Arquitetura se resume em "equacionar" adequadamente
• forças
• material
• tempo
• e dinheiro

Para os vanguardistas, estética é igualmente detestável, como signo de um ensino


arcaico e classista. Para eles, estética diz respeito às categorias do belo e do feio,
às questões de forma e conteúdo, harmonia, composição, equilíbrio, ritmo, etc. O
que não é clássico (no sentido do ritmo, harmonia, etc)? Brasília é, La Defense, em
Paris, é. A arquitetura dita "moderna" o é, de modo esmagador. O arquiteto
distanciado dos problemas de estética é um manco de duas pernas, e a obra por ele
proposta, ainda que pare em pé, vale tanto quanto aquela que desaba, mal se tira a
última escora: isto é, vale nada.

Este estudo propõe-se a examinar as bases de uma linguagem da arquitetura.


Considerar o espaço como uma forma genérica de expressão que efetivamente
informa o homem (e com o qual os homens se informam, de modo consciente ou
não) e como detentor de sentidos passíveis de uma formalização necessária para a
operação sobre este mesmo espaço, para a prática arquitetural.

6 ASSENTAMENTOS HUMANOS

Fonte: DIAS, Solange Irene Smolarek. A arquitetura do desejo: o discurso da


nova identidade urbana de Curitiba. SISD, Cascavel: 2006

6.1 AS CIDADES E O URBANISMO NA HISTÓRIA

A história das cidades é um sinônimo da história da civilidade, considerando que


civilidade seja uma condição urbana, por definição. O objetivo da criação das
cidades é o de aumentar o bem-estar dos indivíduos e da coletividade nas diversas
fases da civilidade. Os homens, antes das cidades, caçavam e coletavam como
nômades. Com a prática regular da agricultura, o homem teve necessidade de
agrupar-se e, desta forma, iniciam-se as cidades. Pelas informações contidas na

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


22
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Bíblia, as primeiras cidades surgiram no que hoje conhecemos como Egito, Israel,
Iraque e Irã.

Nascem as cidades e, em conseqüência, nasce a arquitetura, para abrigar em


edifícios o universo do homem na cidade. Até que haja comprovação que conteste,
Jericó é o mais primitivo desenvolvimento urbano conhecido. As escavações de
Jericó revelam casas feitas de barro, anteriores a 8.000 a.C. Jericó, portanto, é o
ponto de partida para a arquitetura e para o urbanismo.

Mas, e urbanismo, o que é? É um neologismo criado em 1867, pelo arquiteto


espanhol Cerda. Trata-se de uma "Teoria da Cidade", uma ciência criada no final do
século XIX. Este pensamento, que predomina no século XX no mundo inteiro, é
eminentemente ocidental, iniciado na revolução industrial, inspirando-se nas fontes
intelectuais da Renascença.

No entanto, para se chegar à situação da criação do urbanismo no século XIX, há


toda uma história da cidade. Esta história passa do sagrado ao profano,
sacralizando a terra, a casa e a família. No princípio, o fogo era o deus presente e,
nas antigas Grécia e Roma, desgraçada era a casa onde o fogo se extinguisse.

Ainda no processo sacralizante, entre vivos e mortos, a distância era pequena:


poucos passos separavam a casa do túmulo. A figura paterna era que geria a
família, figura esta que, com o passar do tempo, foi substituída pelas associações
familiares, pelas tribos e pelas cidades. O poder, então, deixa de ser patriarcal para
ser o do governante. Ao longo deste processo, foi fundamental, na formação das
cidades, a crença.

A crença, ao longo da história, sacralizou espaços, trazendo para o imaginário


coletivo da urbe do século XXI a relação já existente entre sagrado e oprofano da
Antigüidade. A sacralização de hoje não deixa de ser uma forma de protegermo-nos
de nossos medos que, conforme exposto por Georges Duby, não são diferentes dos
medos dos anos 10004. Para que possamos entender a cidade de hoje, imergiremos
nos valores das cidades no decorrer da linha do tempo.

A fundação das cidades da Antigüidade, com ritual sagrado, permaneceu no


desenvolvimento do processo histórico-social na civilização ocidental. O culto
religioso cristão sacraliza o espaço e, ainda hoje, o marco fundador da maioria das
urbes ocidentais é a missa celebrada sob a cruz de Cristo. Apesar de iniciar em
Jericó, mas considerando que a cidade e o urbanismo atuais são de inspiração
ocidental, a breve história da cidade, a seguir apresentada, o será somente a partir
do berço da nossa cultura: a Grécia.

A noção de cidade (polis) para os gregos é antes de tudo de uma comunidade de


cidadãos. Além de ato político, o elemento religioso está presente: consultam-se
oráculos e são feitos sacrifícios aos deuses, antes de criar um cidade. Hipócrates é o
primeiro a ocupar-se da cidade de maneira concreta, pois, até então, os pensadores
se interessam pela cidade somente do ponto de vista da filosofia política e da moral.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


23
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Com Platão e Aristóteles é que há a verdadeira reflexão urbanística. Platão discorre


sobre a escolha do sítio, número ideal de habitantes (5.040), preconiza a criação de
uma acrópole (santuários e habitações dos guerreiros). No entanto, é Aristóteles que
se torna o grande teórico do urbanismo grego, ao aconselhar um sítio não somente
salubre, mas que permita um abastecimento fácil, devendo a cidade tirar partido
tanto do mar quanto do campo.

A grandiosidade de obras de Péricles em Atenas é importante para a história do


urbanismo, pelo aparecimento dos traçados urbanos ortogonais, depois aprimorado
em Mileto. O plano quadriculado criado em Mileto representa a filosofia de caráter
matemático e que conduz a meditações sobre a melhor organização política.

Existe na Grécia antiga um verdadeiro direito urbanístico. Há a desapropriação e a


preocupação de proteger o espaço público contra os empreendimentos particulares.
As grandes obras de urbanismo são decididas pelo povo. Este povo decidiu que as
cidades deveriam ser pequenas, mas forças externas e internas fizeram com que a
cidade se expandisse, transformando o espaço sagrado em profano.

No urbanismo romano, fundar uma cidade é um ato sagrado e ritualístico: o agouro


dos deuses, a determinação dos dois grandes eixos da cidade (leste-oeste e norte-
sul), a definição dos limites da cidade (uma linha mágica para não ser transposta
pelas divindades infernais) e, por último, a consagração da cidade ao deus que a
protegerá.

Os elementos urbanos são a muralha, as ruas, o fórum, os equipamentos públicos e


as habitações. Roma chega a ter aproximadamente um milhão de habitantes no
auge do império, por volta do ano 200. Contemporâneo de Augusto, Vitrúvio,
inspirado pelos gregos, edita um Tratado de Urbanismo, intitulado de Architectura,
sendo esta a obra mais completa que nos foi legada pela Antigüidade. Preocupa-se
ele com a salubridade, com a comodidade e a estética urbana, questões estas
temporais e, portanto, profanas. Vitrúvio organiza espacialmente,
metodologicamente, o princípio até então vigente, sagrado e ritualístico, de criação
de cidades romanas.

O período medieval consagra o conceito das aglomerações urbanas na Europa. Na


filosofia patrística medieval, razão e fé são conciliáveis. A Idade Média compreende
anos de conflitos bélicos ocorridos em função da formação dos feudos, dos
principados e dos reinados, com sucessivas invasões de bárbaros: os habitantes das
cidades se recolhem atrás de muralhas.

O principal elemento urbano é que a cidade, agressora ou agredida, deve estar em


condição de garantir sua segurança. Então, ela é fechada por muros. É a Igreja que
salva a vida urbana, e muitas aglomerações se formam em volta de monastérios.

Com o final das invasões, há um forte crescimento demográfico proveniente da


expansão econômica. A unidade contemporânea entre a cidade e seu subúrbio
provém deste período. Novas cidades são criadas, ligadas ao cultivo da terra e à

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


24
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

forma particular de contrato estabelecido entre os servos da gleba e os senhores


feudais.

Com exceção de Paris, com 200.000 habitantes, as demais cidades populosas estão
na Itália: Milão e Veneza possuem 200.000 habitantes cada uma; Florença, Gênova,
Nápoles e Palermo 100.000 cada uma. Fora da Itália estão Londres, Colônia e
Barcelona, cada uma com 40.000 habitantes; e Praga e Viena, possuindo
individualmente 20.000 habitantes.

O plano das cidades medievais rompe com o quadrilátero romano. Criam-se


espontaneamente a partir de um castelo ou monastério, ou desenvolvem-se ao
longo de um rio. A arquitetura é a máxima expressão artística, e as catedrais são as
obras de toda uma comunidade.

A filosofia medieval separa infinito (Deus) do finito (homem), razão e fé (a primeira


subordinada à segunda), e corpo (matéria) de alma (espírito). O poder temporal de
reis e príncipes era subordinado ao poder do papa e de bispos. As cidades, então,
servem aos seus senhores, especialmente na construção de obras sacras: é a
comunidade prestando reverência ao poder vigente, no caso, a Igreja, a única
instituição dotada do poder de interpretar os fins humanos, orientados para os
desígnios do divino.

O Renascimento rompe com o urbanismo medieval. De influência


preponderantemente italiana, teóricos como Alberti, inspirado pelas descobertas dos
escritos de Vitrúvio, retoma, como arquiteto e urbanista, o problema platônico da
cidade ideal. São elaborados diversos projetos de "cidades ideais", sempre na
interpretação do autor, em relação às idéias de Vitrúvio.

É no Renascimento que, através da cidade ideal, projeta-se o espaço urbano real. A


perspectiva monumental, o monumento-alvo, é o centro da cidade. A partir daí
concebem-se ruas retilíneas. No ideal renascentista, de qualquer rua chega-se à
praça e vê-se o monumento alvo.

As fachadas moduladas dos edifícios, a simetria, o ponto de vista central, o


programa arquitetural, são criações deste período. Deus deixa de ser o centro da
arquitetura e do urbanismo, o centro do universo é o homem, e os edifícios e cidades
devem tornar sua vida mundana mais confortável, mais prazerosa. Na habitação, o
modelo é a Villa, de inspiração romana.

Uma das linhas de pensamento da Renascença é a que propunha o homem como


responsável pelo seu destino. A Utopia, de Thomas More é a inspiração para a
"modelação espacial", que propiciaria a passagem das sociedades corrompidas em
sociedades virtuosas. Não por acaso os grandes utopistas renascentistas ordenam
as dimensões sagradas e profanas em cidades ideais: na Utopia, de Thomas More,
uma ilha que comportava 54 cidades; na Cidade do Sol, de Tommaso Campanella, a
Ilha de Taprobana, comportava sete regiões; a Nova Atlântida, de Francis Bacon,
também é uma ilha, Benzalém.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


25
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Estas utopias surgem na direta referência às descobertas de novos mundos pelo


circuito das navegações. Tendo como ascendente a República de Platão e como
“protótipo” a obra de Thomas More, guardadas as diferenças teóricas, contextuais e
históricas entre os autores, “variantes” da Utopia foram elaboradas por James
Harrington, em A Comunidade de Oceana, por François Fénelon em As Aventuras
de Telêmaco, por Jean Meslier em O Testamento.

Ao contrário do urbanismo medieval, no Renascimento formulam-se os cânones de


uma estética urbana de valor universal, centrada na ordenação hierárquica do
mundo temporal regido pelo poder espiritual. Expande-se o comércio, o mundo todo
se torna possessão do homem, explorado pelas navegações, pelas máquinas. No
século XVII, o urbanismo traz, para as ruas da cidade, o cenário, a
espetacularização da arquitetura.

A igreja católica, após o advento da Reforma, contra-ataca com a arquitetura


barroca, criando o cenário perfeito, na tentativa de retorno ao catolicismo, dos
desgarrados protestantes e da vigilância dos novos fiéis, a exemplo da ação
jesuítica na América portuguesa e espanhola, e na Ásia. O espaço público segue o
modelo, e é teatral a Praça do Vaticano, que, com as suas colunatas, contém, como
coxias, os interpretantes/espectadores em suas atuações.

O barroco também é o estilo do profano, e Versalhes, incluindo seus imensos


jardins, traz para o espaço profano a espetacularização do espaço sagrado. Entre os
séculos XVII e XVIII, o foco sai da Itália e vai para a França. É o apogeu do
urbanismo clássico. São os novos tempos, ditados pela Revolução Francesa. Os
ideais urbanos são o do Iluminismo. Filósofos, médicos, arquitetos: uma gama
variada de pensadores cada vez mais se interessa pela cidade.

Entre meados do século XVIII e começo do século XIX, crê-se nos poderes da
razão, aqui chamada de As Luzes e daí o nome Iluminismo. No conceito racional
iluminista, toda a cidade está doente e Balzac, em Illusions Perdues, qualifica Paris
de "cancro". Há inúmeras legislações reais, preocupadas com o gigantismo urbano:
distanciamento entre bairros, centro urbano negligenciado, cinturão cultivável de
frutas e verduras para a população. Inicia-se o processo da grande cidade moderna.

Este período, conhecido como o Grande Racionalismo Clássico, é marcado por três
grandes mudanças intelectuais: na primeira, ao invés de elaborar um discurso que
sustenta a cidade, o mundo e o homem como criação de Deus e, portanto, a ele
submissos, pergunta qual seria a capacidade do intelecto humano na demonstração
da verdade; na segunda há a convicção de que o que é conhecido pode transformar-
se em conceito ou idéia; e na terceira, há a predominância da idéia de conquista
científica e técnica de toda a realidade.

A salubridade, no século XVIII, é a grande preocupação: a higiene urbana pela


pavimentação das vias e esgotos, as atividades poluidoras como matadouros,
curtumes e fundições no centro da cidade, que tornam o ar irrespirável e induzem ao
seu deslocamento para a periferia, são objetos de debate em Paris.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


26
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

O axioma é: "A beleza das cidades consiste, principalmente, no alinhamento das


ruas". Assim o traçado urbano, para ser belo, deve ser em figura regular. Há o
programa arquitetural de fachadas para ruas específicas, pois é um urbanismo
“fachadista”, de decoração externa.

As grandes avenidas de Paris são o modelo para o mundo. É no século XVIII que
termina o isolamento da cidade, dos elementos naturais (bosques, parques) e da
água (rios, mares). Muralhas que separam a cidade da natureza são demolidas.
Michel Foucault demonstra, em Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão, que, ao final
do século XVIII e começo do século XIX, extinguem-se as formas públicas de
“espetáculo punitivo”.

Locais específicos da cidade no Ocidente compunham o cenário, o suplício público


punindo o executado com selvageria e humilhação, o público, isto é, segmentos
sociais da população, fazendo parte da plateia. O “castigo-espetáculo” é substituído
por novas formas de controle social sobre a ilegalidade em um amplo espectro
decorrente do “aumento geral da riqueza” e do “grande crescimento demográfico”.

No contexto histórico de uma burguesia ascendente não há espaço para uma


sensibilidade com as formas evanescentes de cultivo coletivo, de terras coletivas
campesinas. No campo, a agricultura intensiva deixa pouca margem para a
tolerância e toda infração, mesmo mínima, implica arregimentar novos códigos que
abriguem as novas formas de vigiar e punir.

A arquitetura é convocada para que a cidade abrigue hospícios, tribunais, prisões,


armazéns, oficinas, caracterizadas pela funcionalidade, na ótica jurídica e moral
burguesa, atenta ao que considera ilegal. E o que é a cidade como cenário? É a
sociedade materializando, espacialmente, a linguagem de novos valores, sejam
religiosos, sejam econômicos, sejam políticos. O espaço urbano como palco foi
fenômeno característico da Inquisição, movimento generalizado na Europa entre os
séculos XV e XIX.

A congregação do Santo Ofício passou a fazer parte da cúria romana a partir de


1252 com a bula de Inocêncio IV Ad Extirpanda, mas papas e reis desde o século XI
já promoviam a repressão civil e eclesiástica contra as heresias (Concílio de Latrão
com o Papa Lúcio III, o Papa Inocêncio III, o Papa Gregório IX que requereu aos
Dominicanos a condução desta ação, os reis Pedro II de Aragão, Luiz VIII da França,
Frederico II da Alemanha).

A cidade torna-se o espaço para a execução dos ritos coletivos como missas,
procissões, atos de fé, principalmente estes últimos com “a preparação, a
encenação, o ato e a recepção”, completamente articulados para legitimar o poder
eclesial e produzir fortes reações emocionais. Desde o édito do anúncio do auto da
fé até a abjuração do herege ou sua execução, as cerimônias exigiam que inúmeros
processos fossem concluídos com rapidez para obter um número expressivo de
penitentes.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


27
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Os signos aí envolvidos (bandeiras, estandartes, números, emblemas, escudos, as


cores, os vestuários dos condenados, da corte, dos dignatários, da realeza, e até
mesmo detalhes decorativos), forjam condensações simbólicas relevantes, cabendo
aos arquitetos organizá-los espacialmente, entre a praça aberta e a igreja.

Cabia à arquitetura reproduzir o sistema e seus valores, interligando o poder do


Estado, o da Igreja, as relações de dependência à Coroa, à composição do tribunal
(civil e religioso), o espaço dos penitentes (abjuração e/ou condenação), a leitura da
sentença, o acesso dos convidados, a construção do cadafalso, a assistência do
público. A construção do palco abarcava também um “vasto conjunto de estrados,
escadas e pequenas salas interiores com funções diferenciadas”, em cerimônias que
duravam dias.

O urbanismo europeu é exportado pelos países colonizadores para suas colônias.


Os soberanos espanhóis definem que a cidade deve partir do coração (core): a
Plaza Mayor. Nova Orleans é o exemplo da exportação do modelo francês.
Filadélfia, Baltimore e Savannah possuem quadrículas regulares. Na criação de
Washington, dois edifícios são o centro de redes de avenidas, o Capitólio e a Casa
Branca. É um traçado urbano clássico, concebido de maneira colossal: é a
transposição do urbanismo europeu nas dimensões do novo continente.

Aumenta a população mundial nos séculos XVII e XVIII, mas aumenta


prodigiosamente a população que mora nas cidades. Este aumento populacional é
decorrente dos progressos das ciências e das técnicas e, nas cidades, pela
transformação da economia: o setor primário (agricultura), que preponderava até
então, cede lugar ao secundário (indústrias) e ao terciário (serviço e comércio), que
são desenvolvidos nas cidades.

As cidades, como as conhecemos hoje no mundo ocidental, são decorrentes da


Revolução Industrial. Começando na Inglaterra a partir do século XVIII, lança-se
toda a população agrária nas cidades, que não estão preparadas para acolhê-las.
Proliferam os cortiços, os locais insalubres, em Lille, Liverpool e Manchester.
Surgem no século XIX e começo do século XX cidades novas: pode-se citar Salt
Lake City, de caráter religioso, e fundada pelos mórmons, onde o plano de
quadriculado urbano possui como centro o Templo Block; as cidades criadas para
servir como capitais (Otawa, Pretória, Camberra, Nova Deli, Ankara).

No entanto, as grandes aglomerações decorrem do progresso industrial e da


extração mineral. O ouro cria São Francisco, Denver e Johanesburgo; Kimberley
nasce pelo diamante; Oklahoma City pelo petróleo. Pelos portos marítimos, são
criadas Singapura, Melboune; pelo canal de Suez, Port-Said; pelas linhas de ferro
Chicago, Seattle, Vancover; pelo turismo, Miami. Várias indústrias criam para seus
operários verdadeiras aglomerações.

A cidade torna-se vitrine das mercadorias que produz: as exposições universais


tinham como objetivo divulgar as novas tecnologias e produtos que surgiam no bojo
da industrialização, ocorrendo exposições no século XIX, de grande impacto. Na de
Londres, para que os produtos fossem expostos, cria-se o Palácio de Cristal, que

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


28
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

possui réplica brasileira, construído em Petrópolis pelo Conde D’Eu. A obra londrina
virá a ser a inspiração para o Ópera de Arame, obra da arquitetura-espetáculo da
cidade de Curitiba, na década de 1990.

No século XIX, os princípios do idealismo de Hegel, principalmente na realização da


idéia na história dos seres humanos no processo de tese, antítese e síntese, é
gradativamente incorporado na crítica à religião, como modo próprio e específico da
existência dos homens. Marx, no final do século XIX, e Freud, no início do século
XX, questionam o otimismo racionalista. Marx define um poder (que é social) de
ideologia. Freud apresenta à humanidade o inconsciente.

Novos utopistas e reformadores do século XX concebem projetos de cidades ideais,


que rompem com a prática usual, e variam de acordo com o autor (Charles Eduard
Jeanneret-Gris, dito Le Corbusier; Frank Loyd Wright). Cada um deles busca
concretizar seu sonho. Dentre estas correntes, uma se destaca: é a chamada
corrente progressista, principal corrente do urbanismo moderno, e que dominou a
segunda metade do século XX.

A inspiração dos progressistas é o racionalismo da filosofia das Luzes, que se


baseia na concepção abstrata do homem, indivíduo mutável no tempo e no espaço.
A ciência, então, deve definir um modelo urbano perfeito, que convenha a todo
grupo humano, sendo o seu objetivo a procura da higiene, e suas questões
fundamentais são o verde, a luz, o espaço e a água.

A carta de Atenas, em 1933, define as funções básicas de uma cidade: habitar,


trabalhar, recrear, tudo ligado com a função circular. Le Corbusier é o grande
idealizador da Carta de Atenas e, em viagens pelo mundo inteiro, divulga suas
idéias. Como é o sagrado para Le Corbusier? Tim Benton aponta para três maneiras
de entendimento do sagrado pelo grande arquiteto: a primeira, passando pela idéia
de harmonia da natureza, e não por dogmas religiosos; a segunda é a sacralidade
contida nos símbolos e mitos da natureza e, por último, a crença no homem.

Esta tríade será considerada na produção de toda uma geração de novos


urbanistas. Na Índia, Corbusier é o autor do projeto de Chandigard, capital do
Estado do Punjab; no Brasil, os conceitos de Corbusier estão presentes na
concepção de Brasília.

Dentro da doutrina da Carta de Atenas, que preconiza as três funções básicas de


uma cidade (morar, trabalhar, recrear), verdadeiras cirurgias urbanas foram impostas
nas cidades ocidentais: dividiram-se as cidades em zonas, priorizando em cada uma
das zonas uma das três funções urbanas. Não foram poucas as cidades que
pecaram por excesso, zoneando as cidades de maneira ditatorial, fazendo com que
os cidadãos necessitassem locomover-se de uma zona para outra, pois onde era
permitido morar, não era permitido trabalhar.

Com esta má interpretação da Carta de Atenas, deu-se importância acima do


necessário às vias de circulação, especialmente para os automóveis. Los Angeles é
a prova desta situação. Nesta disfunção, criaram-se os bairros dormitórios (onde

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


29
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

durante o dia não há pessoas, pois estão trabalhando em outro setor), e os centros
urbanos (que se tornam verdadeiros fantasmas à noite e nos finais de semana, pois
os que lá trabalham, lá não moram).

O urbanismo progressista é obcecado pela modernidade e, na base da austeridade


e racionalidade da modernidade (cujos ícones são a indústria, o avião, o automóvel),
há o desprezo e rejeição pela cidade antiga; o “viver” é menos importante que “o
trabalhar”.

O ápice desta situação é a preconização de Le Corbusier, em seu "Plano Voisin":


destruir tudo que há na margem direita do rio Sena, em Paris. Le Corbusier ainda
professa que o esquema urbano é válido para qualquer lugar do mundo, pois é
concebido para o homem-padrão. O modelo de urbanismo professado por Le
Corbusier acarreta um desmembramento da cidade, numa fratura do espaço urbano.

Chandigard e Brasília, encomendadas pelos presidentes da Índia e do Brasil (Neru e


Kubitschek), a primeira à Corbusier, a segunda à Niemeyer e Lúcio Costa,
respectivamente, são os exemplos máximos do urbanismo progressista. Edifícios
públicos gigantescos, que dominam imensos espaços vazios, e conjuntos
habitacionais semelhantes aos que podem ser encontrados (pela forma e
concepção) em Paris, Moscou ou Singapura. É a razão nua e crua, que
desconsidera a emoção humana.

O urbanismo progressista é a corrente que domina o século XX e que se multiplica


por todos os continentes, porém não é a única: há a corrente humanista e a
naturalista. O urbanismo humanista, no seu movimento culturalista, fundamenta-se
em Max Weber e na concepção de que a cidade européia pré-industrial, pelo clima
de comunidade urbana, é uma realização do indivíduo e o desabrochar da cultura.

Em outro movimento dentro da corrente humanista (o movimento antropológico),


Geddes, biólogo escocês, afirma que a cidade deve ser feita para homens reais
(contrapondo-se então ao homem-padrão de Corbusier), sendo necessário conhecer
as suas aspirações e necessidades.

A última corrente do século XX é a corrente naturalista, que tenta resgatar a imagem


nostálgica de uma natureza virgem, numa tradição antiurbana, num pensamento
rousseauniano. O precursor desta proposta é o ícone da arquitetura mundial, Frank
Loyd Wright. Para ele, o modelo de habitação é de residências individuais, onde as
atividades profissionais estão anexadas à habitação. Este modelo, também, é
sufocado pela corrente progressista, que predomina com suas habitações coletivas e
desumanas, e seus edifícios de escritórios.

Na segunda metade do século XX, a arquitetura fria do “estilo internacional”, as vias


expressas, a corrida para o subúrbio e a deterioração dos centros urbanos foi
constante. Na materialização do modernismo, a cidade foi dilacerada. A escola de
filosofia de Frankfurt, na elaboração da Teoria Crítica, divide a razão em instrumental
e crítica. Na razão crítica, o urbanismo progressista (sustentado pela razão
instrumental) é amplamente contestado, por ser um urbanismo desumano.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


30
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

O grande pecado do urbanismo progressista foi ter criado um universo kafkiano, à


base de espaços desestruturados, e gigantescas "máquinas de morar" para homens-
máquina. Neste mundo novo, os costumes e as regras que se haviam acumulado
desde Jericó, foram abandonadas, pois, na Antigüdade, as cidades eram edificadas
no modelo sagrado, sonhada pelo seu criador (Nínive, por exemplo), ou em
continuidade do Templo (Jerusalém, por exemplo). Por isso faremos, no tópico
seguinte, uma análise crítica que reflete o processo do sagrado ao profano.

6.2 ANÁLISE CRÍTICA: DO SAGRADO AO PROFANO

No desenvolvimento da história da humanidade e, conseqüentemente, das cidades,


e na análise crítica que se faz deste processo evolucionista urbano, as polis gregas
diferiram das que as precederam, pois, da sacralização dos espaços antigos,
passou-se para cidades edificadas no conceito de racionalização da vida social,
portanto, humana. Aqui, nas gregas, a finalidade é o homem, quando nas mais
antigas a finalidade eram os deuses. Contudo, seja no profano, seja no sagrado, a
cidade é concebida ou revitalizada num modelo, num ideal.

O modelo urbano, então, é conseqüência da função que a cidade deva ter: sagradas
para Nínive e para Jerusalém; humanas, para as gregas; fortalezas, para as
medievais; sede de comércio e trocas, para as renascentistas. E a cidade
contemporânea? As funções essenciais de uma cidade são a troca, a informação, a
vida cultural e o poder .

No discorrer da obra sobre a história da cidade, Jacques Le Goff afirma que, na


cidade da Idade Média, o caminhar do mendicante é quase que desejado, pois ele
permite ao burguês trabalhar pela sua salvação oferecendo esmolas. Esta função
religiosa/social da cidade média, porém, não é a única. A cidade é também o ponto
de encontro, das festas. E, nestes eventos, percebem-se as diferenças das
linguagens.

Mas a cidade da Idade Média aspira à harmonia entre as classes, pois, com os
mendicantes urbanos, o bem comum é desejado. O governo das cidades, com os
grandes burgueses, espelha-se no clã familiar. O bom governo tende a imitar o
modelo do príncipe justo, num espaço mais restrito, no qual se podem diversificar as
experiências políticas, com a exceção da heresia. Para regulamentar a cidade, os
poderes locais estabelecem regras. Assim é que o senso crescente de ordem e de
limpeza, visível no espaço urbano, estranho ao campo, faz progredir o urbanismo. O
príncipe torna-se intervencionista, mas também cuida das belezas da cidade.

Os cidadãos sentem orgulho de sua cidade e o orgulho urbano é feito da imbricação


entre a cidade real e a cidade imaginada, sonhada por seus habitantes e por
aqueles que a trazem à luz, detentores de poder e artistas. A sociabilidade, o prazer
de estar com o outro, é que cria a diferença, a urbanidade.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


31
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Apesar de o papel de centro monetário e financeiro das cidades ter iniciado na Idade
Média, ele se afirmará com o capitalismo. Paris somente se impõe com a Revolução
Francesa. No que diz respeito ao papel festivo, a cidade atual é policêntrica. No
entanto, na seqüência da linha do tempo, a cidade passa a ter uso político, e o
destaque é para a criação de São Petersburgo. Iniciada em 1703, por Pedro I, é o
exemplo mundial da época, de modernização draconiana e imposta. O objetivo da
cidade era ser uma base naval, porta de entrada para a Europa – através da
Finlândia, e um centro de comércio. A expressão porta de entrada para a Europa,
além de física, era simbólica: era a ocidentalização da Rússia, também no
imaginário.

Apesar de ordenada no plano, São Petersburgo não dispunha de regulamentos de


uso dos espaços. Assim é que, por detrás das fachadas européias, maravilhosas,
estabeleceram-se, no crescimento urbano, favelas. A cidade era, então, um cenário,
uma fachada.

A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, escrita por Friedrich Engels, que


tem como objeto de estudo o capitalismo e a industrialização entre 1842 e 1844
naquele país, detalha o processo de divisão entre capital e trabalho, a divisão social
do trabalho, o surgimento da classe proletária e as condições de sua exploração.
Engels descreve várias cidades inglesas, destacando nas cidades industriais a
ocupação do espaço pelas diferentes classes sociais, dando ênfase à construção
dos bairros operários, às habitações insalubres, à pobreza, à ausência de higiene, à
precária alimentação e vestuário dos trabalhadores.

Os bairros instituídos em formações labirínticas oferecem um quadro endêmico de


pauperização, negligência, de degradação física, moral e intelectual, de opressão
social, de exploração em infames condições de trabalho em diferentes ramos
industriais. MEUCCI centra também seus argumentos nas diferentes modalidades de
construção de casas de operários, esquematizando-as, denunciando a ótica
capitalista do lucro nas construções, nos aluguéis.

Examinando, na referida obra, as fontes citadas por Engels no capítulo “Os


resultados”, e suas citações, encontramos uma intertextualidade que apresenta a
imagem da cidade industrial em que se mesclam dados de relatórios e livros da
época, que relacionam religião-imoralidade da classe trabalhadora (depravação,
corrupção, vícios assinalados em abstrato; ateísmo, alcoolismo, furto, prostituição,
violência doméstica, abandono de crianças, fraude, pilhagem, assalto, assassinato),
como conseqüência da concentração da população provinda do surgimento das
grandes cidades. Na mesma intertextualidade, surge a preocupação com a
possibilidade de união dos operários contra a ordem instituída e a concepção das
grandes cidades como mediadoras do desenvolvimento e da libertação humana.

Em todos os casos, a constatação é unânime: a industrialização promoveu a cisão


da unidade nacional em duas diferentes nações, antagônicas. No Manifesto
Comunista, Marx mostra como a moderna sociedade burguesa estava trazendo à luz
uma cultura mundial.

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


32
Teoria da Arquitetura: conceitos - Versão 2011.1
Curso de Arquitetura e Urbanismo
Faculdade Assis Gurgacz

Antes de entrar no mercado mundial de cidades, no fulgor do modernismo teorias


urbanísticas que têm como base a Carta de Atenas (1933) dividem a cidade em
zonas: morar, trabalhar, divertir-se. A cidade, assim como a arquitetura, relacionam-
se à metáfora da máquina: cada parte abriga um espaço específico e todas as
partes reunidas estão inter-relacionadas entre si de modo organizado. Este é o
conceito, decorrente da extrema desorganização espacial reinante nas cidades
resultantes da Revolução Industrial. A cidade ressignifica-se, ordena-se.

Mas as teorias do modernismo, especialmente as do urbanismo modernista


professado por Le Corbusier a partir de 1933, não sobrevivem à década de 1970. A
proposta de evitar o caos urbano, dividindo a cidade em zonas, interligando-as com
vias (quando não em rodovias) separa, além das diversas funções urbanas, o
cidadão. A cidade sedimenta o silêncio dos cidadãos. O que era ponto de encontro,
passa a ser local de trabalho. A cidade perde a vida, adoece.

No último quarto do século XX, arquitetos, planejadores, políticos e críticos


constatam a degeneração urbana. ONGs surgiram, multiplicaram-se as conferências
sobre assentamentos humanos, algumas patrocinadas pela ONU e pela UNESCO.
Os esforços dirigiram-se para restaurar a vida do centro das antigas cidades, para
criar transporte público eficaz, desencorajando o uso do automóvel, criando
habitação a preços acessíveis, e novas atrações culturais; e, também ambientes
coletivos como parques, enfatizando-se a limpeza da cidade.

Neste período, melhorias, impulsionadas pela vontade política, transformaram


cidades como Berlim, parte de Londres, parte de Paris, Barcelona e Curitiba. É o
conceito da cidade-espetáculo. Neste processo, as atuais práticas urbanísticas
absorvem a historicidade e a cultura das cidades, em um franco mercado urbano e
em disputa por investimentos. As questões que surgem são: quais os processos
culturais, representações morais e estéticas de cada cidade, que estão em jogo e,
neste jogo, como sacralizar espaços profanos? A reflexão filosófica atual passa pelo
imaginário social?

Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias


FACULDADE ASSIS GURGACZ – FAG PFAG 06

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO


Portaria nº 759 de 13/10/2006 Publicação no DOU 16/10/2006

PLANO DE ENSINO 2011/01


CARGA HORÁRIA
CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO TEÓRICA PRÁTICA TOTAL

AQT505 TAC: Teoria da arquitetura: conceitos 5º 36 0 36

DOCENTE Solange Irene Smolarek Dias

EMENTA:
Assentamentos urbanos. Conceituação de teoria da arquitetura. Arquitetura como fenômeno econômico, social e
cultural. Relações de arquitetura com outras áreas do conhecimento. A obra arquitetônica e o processo criativo.
OBJETIVOS
Ser capaz de compreender e conceituar a produção da arquitetura e os assentamentos humanos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (Enumerar títulos e subtítulos)


1 CONCEITUAÇÃO DE ARQUITETURA
2 A CONSTRUÇÃO DO SENTIDO NA ARQUITETURA
3 SISTEMAS DE VITRÚVIO
3.1 OS DEZ LIVROS
3.2 SIGNIFICADO E SIGNIFICANTE
3.3 SOLIDEZ, UTILIDADE, BELEZA
4 OS DIVERSOS CONTEÚDOS DA ARQUITETURA
4.1 CONTEUDO FORMAL
4.1.1 O classicismo na antiguidade
4.1.2 Paleo-cristão-bizantino
4.1.3 O gótico
4.1.4 Classicismo no Renascimento e Barroco
4.1.5 conteúdo formal moderno
4.2 CONTEÚDO HISTÓRICO
4.2.1 A história como ciência
4.2.2 O século XIX
4.2.3 O conteúdo histórico no modernismo
4.2.4 Historicismo recente
4.3 CONTEÚDO SOCIAL
4.3.1 A cidade industrial
4.3.2 As primeiras propostas
4.3.3 A grande reforma de Paris
4.3.4 Zoneamento e Segregação
4.3.5 Uma “Paris” brasileira
4.3.6 O modernismo como causa social
4.3.7 O construtivismo russo
4.3.8 A arquitetura do Estado
4.3.9 A arquitetura e o problema das cidades
4.3.10 A crise dos anos 1960
4.3.11 a arquitetura de conteúdo social no Brasil
4.3.12 A arquitetura e o problema da habitação
4.3.13 O desempenho da arquitetura de orientação social
4.4 CONTEÚDO PSICOLÓGICO
4.4.1 Psicologia e arquitetura
4.4.2 Teorias psicológicas e suas aplicações
4.4.3 Métodos de projeção subjetivos
4.4.4 O edifício e a mente humana
4.4.5 A expressão das emoções pela arquitetura
5 LINGUAGEM ARQUITETÔNICA
5.1 SEMIÓTICA, COMUNICAÇÃO E ARQUITETURA
5.1.1 A arquitetura clássica vista pela semiótica
5.1.2 A crise de comunicação na arquitetura moderna
5.1.3 Arquitetura e comunicação de massa
FACULDADE ASSIS GURGACZ – FAG PFAG 06

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO


Portaria nº 759 de 13/10/2006 Publicação no DOU 16/10/2006

5.2 POR UMA LINGUAGEM DA ARQUITETURA


6 ASSENTAMENTOS HUMANOS
6.1 AS CIDADES E O URBANISMO NA HISTÓRIA
6.2 ANÁLISE CRÍTICA: DO SAGRADO AO PROFANO
PROJETO INTEGRADOR
O Projeto Integrador é uma prática pedagógica de caráter acadêmico-científico e cultural que envolve
conhecimentos teórico-práticos articuladores de conteúdos curriculares. No presente semestre irá abordar a(s)
seguinte(s) temática(s):
Inscrição e comprovação de participação na Semana Acadêmica Integrada CAUFAG e Design de Interiores DB; com
validade de seis (06) presenças na disciplina. A comprovação deve ocorrer até a data da avaliação do 2º bimestre.

METODOLOGIA DE ENSINO (Em forma de texto)


Serão utilizados os seguintes recursos metodológicos: aulas expositivas dialogadas; debates; seminários internos de
discussão dos conteúdos da disciplina; seminários integradores com as demais disciplinas do curso. Haverá
interação do conteúdo programático da disciplina na horizontalidade (com as demais disciplinas do período), e na
verticalidade (entre as disciplinas correlatas dos demais períodos).
SISTEMA DE AVALIAÇÃO
1) Avaliação:
- Serão aprovados os(as) alunos(as) que obtiverem: média A ≥ 7,00
- Exame: 3,00 ≤ Média A < 7,00 obtido através da fórmula: A = (NB1+ NB2) / 2,00
- Nota do Bimestre = (∑ Nota Trabalho X Peso Trabalho) + (∑ Nota Prova X Peso Prova)
- NB = (NT1 + NT2+...NTn X PT) + (NP X PP)

2) Específico da Disciplina
2.1. 1º bimestre
Avaliação escrita individual, objetiva e/ou subjetiva, sem permissão de consulta à material bibliográfico e
apontamentos originais e individuais. Dia 09/04/2011 no horário da disciplina. A nota será de 0 a 10, com peso de
100% na nota bimestral.
2.2. 2º bimestre
Avaliação escrita individual, objetiva e/ou subjetiva, sem permissão de consulta à material bibliográfico e
apontamentos originais e individuais. Dia 18/11/2011 no horário da disciplina. A nota será de 0 a 10, com peso de
100% na nota bimestral.
2.3. Exame final
Avaliação individual, escrita, objetiva e/ou subjetiva, sobre assuntos estudados na disciplina. Dia 09/07/2011 no
horário da disciplina, sem consulta a material bibliográfico e anotações pessoais. Avaliação contendo assuntos
estudados na disciplina, e que sirvam para verificar o grau de compreensão e atingimento dos objetivos da disciplina
pelo aluno em exame final.
2.4. Divulgação das avaliações
As notas das avaliações bimestrais e exame final serão divulgados através do Sistema SAGRES, até o prazo limite
determinado pelo calendário acadêmico da FAG. As avaliações bimestrais serão devolvidas aos alunos com as
respectivas correções dos professores. Os exames finais serão entregues na Secretaria Acadêmica, juntamente
com o Diário de Classe.
2.5. Incongruência de avaliações
Conforme decisão de colegiado definida em reunião de 28/05/2008, havendo a percepção pelo professor, de que
trabalhos de avaliações de aprendizagens entregues por alunos, possuem incongruência de linguagem (escrita e/ou
gráfica) com o desempenho do aluno em sala de aula, será possível a argüição oral, gráfica e/ou textual do
aluno/autor; o objetivo será a comprovação de autenticidade, autoria e correta avaliação do aluno. Caberá ao
professor da disciplina a definição de hora, local, instrumento avaliatório, bem como se a argüição oral, gráfica e/ou
textual do aluno/autor ocorrerá com o auxílio de outro professor, ou não. Se ficar claro o vício do instrumento
avaliatório entregue pelo aluno, opta-se pela nota obtida na argüição oral, gráfica e/ou textual, cabendo ao professor
da disciplina o relato do fato no Diário de Classe - prontuário do aluno; e à coordenação, para os trâmites legais
pertinentes.
BIBLIOGRAFIA
BÁSICA (3 títulos)
1. COELHO NETO, J. T. A Construção do Sentido na Arquitetura: Perspectiva.
2. COLIN, Silvio. Introdução à Arquitetura.Rio de Janeiro: UAPÊ,2000.
3. FARRET, R. O Espaço da Cidade : Pró Editores
FACULDADE ASSIS GURGACZ – FAG PFAG 06

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO


Portaria nº 759 de 13/10/2006 Publicação no DOU 16/10/2006

COMPLEMENTAR (5 títulos)
1. CECKA, Jan. Tendencia de la Arquitectura Contemporánea. Barcelona: Gustavo Gili, 1999
2. DIAS, Caio. Leitura critica do espaço urbanístico-arquitetural: Washington, Nova Iorque e Chicago em
2008. Cascavel: Smolarek Arquitetura Ltda, 2009
3. DIAS, Solange Irene Smolarek. Apostila de Estudos AQT505: TAC Teoria da arquitetura: conceitos.
Cascavel: CAUFAG, 2011.
4. KIEFER, Flávio. LIMA, Raquel Rodrigues. MAGLIA, Viviane Villas Boas (orgs.). Crítica na Arquitetura – V
encontro de teoria e história da arquitetura. Cadernos de Arquitetura Ritter dos Reis. Jun.2001. v 3. Porto
Alegre: Ritter dos Reis, 2001.
5. MARIANI, Riccardo. A Cidade Moderna entre a História e a Cultura. São Paulo: Studio Nobel: Instituto Italiano
di Cultura di São Paulo, 1986.
DATA: 31/01/2011 Aprovado pelo colegiado conforme ata n.º 01/2011

________________________________________ ________________________________________
Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias
Docente da Disciplina Coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo
PFAG 04
FACULDADE ASSIS GURGACZ – FAG
CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PLANEJAMENTO DE AULAS
Portaria nº 759 de 13/10/2006 Publicação no DOU 16/10/2006

CÓDIGO DISCIPLINA PERÍODO CARGA HORÁRIA


AQT505 TAC: Teoria da arquitetura: conceitos 5º 36 horas = 44 encontros
DOCENTE Solange Irene Smolarek Dias

Aula nº Data Conteúdo Planejado


01-02 12/02 Apresentação da disciplina e sua contextualização no curso; o Plano de Ensino, bibliografia e sistema de
avaliação
03-04 19/02 Estudo dirigido individual sobre o sentido da arquitetura
05-06 26/02 Conceituação, construção do sentido na arquitetura

07-08 05/03 Os sistemas de Vitrúvio

09-10 12/03 O conteúdo formal

11-12 19/03 O conteúdo histórico


13-14 26/03 O conteúdo social
15-16 02/04 O conteúdo psicológico
17-18 09/04 Avaliação 1º bimestre

19-20 16/04 Feedback da aprendizagem, com entrega da avaliação do 1º bimestre

21-22 30/04 Linguagem arquitetônica

23-24 07/05 Semana acadêmica integrada CAUFAG e Design de Interiores DB

25-26 14/05 As cidades e o urbanismo na história

27-28 21/05 As cidades e o urbanismo na história


29-30 04/06 Análise crítica: do sagrado ao profano
31-32 11/06 Análise crítica: do sagrado ao profano
33-34 18/06 Avaliação 2º bimestre
35-36 25/06 Feedback aprendizagem, com entrega da avaliação do 2º bimestre
37-38 02/07 Estudos dirigidos individuais sobre conteúdo do 1º bimestre
39-40 02/07 Projeto integrador: Insc e part na Semana Acadêmica Integrada CAUFAG e Design de Interiores DB
41-42 02/07 Projeto integrador: Insc e part na Semana Acadêmica Integrada CAUFAG e Design de Interiores DB
43-44 02/07 Projeto integrador: Insc e part na Semana Acadêmica Integrada CAUFAG e Design de Interiores DB

Exame Final: 09/07/2011 no horário e sala de aula da disciplina

DATA: 31/01/2011 Aprovado pelo colegiado conforme ata n.º 01/2011

________________________________________ ________________________________________
Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias Profª Arqª Drª Solange Irene Smolarek Dias
Docente da Disciplina Coordenadora do Curso de Arquitetura e Urbanismo

Оценить