Вы находитесь на странице: 1из 9
- - - - - - - - - - - - - - -
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
ensaio-memória
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
--
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
 

-

- -

-

 

- -

 

poéticas

 

- -

holísticas

- -

 

em

-
-

movimento

 

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Dimitria

Herrera

.2019.

Este é um ensaio-memória. Estando assim, a meio caminho, não se propõe a absolutos de nenhum extremo: nem a ser de fato tão elaborado quanto um ensaio, tampouco tão saboroso quanto uma memória. Este é um convite para uma observação sem rótulos, como a quem ouve o gorgolejo contínuo da água do mar acertando as pedras na rebentação e tira disso ideias sobre a humanidade.

Os acontecimentos e reflexões aqui colocados nasceram do encontro de diversas pessoas. Aqui, como espaço de memória, elas estão registradas:

……

​ ​Poéticas Holísticas em Movimento

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

Ciane Fernandes

……

​ ​Sistema A.B.O. Arte BioMovimiento interOceánico

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

Valéria Fernandes

……

​ ​Método Pilates

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

Daniel Becker

……

​ ​Gyrokinesis

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Daniele Denovaro

……

​ ​Reiki Xamânico

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

   

Ludimila Nunes

……

Theta Healing

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.Ludimila Nunes

…… Massagens Indianas

> < > < > < >< > < > < >< > < > < > < >< > < >< > < > < >< > < ><

 

.

.

.

.

.

.

.

.

 

Priscylla Lins

(shantala, ayurveda Kusum Modak e Gharbini Abhyanga)e massagem intuitiva

……

Constelação Familiar e Astroterapia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Denise Dinigre dos Santos

 

Qi Gong

…… Kung Fu

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Antonia Pereira

 
 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

Douglas De Camargo

 
 

…… Body Mind Centering

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Diego Pizarro

 

…… Movement for Life – 5 Rhythms

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Ludimila Nunes

 

……

Somatic Experiencing / Somatic Centering.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Laura Campos

 

Agradeço aos facilitadores e também aos meus colegas

 
. . . . . . . ​
.
.
.
.
.
.
.

Angel

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

 

Carolina Ferreira

. . . . . . . .​
.
.
.
.
.
.
.
.​

Camila Florentino

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Fabiane Lauro

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

     

Samile

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 
. . . . . .
.
.
.
.
.
.
 

Isadora Werneck

.

.

.

.

.

.

.

.

Ícaro Bittencourt

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 
 
. . . . . . Pedro . . . . . .
.
.
.
.
.
.
Pedro
.
.
.
.
.
.
 

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

 

-

-

-

 

-

Primeiro semestre de 2019. Ano de intensa instabilidade política no Brasil, lugar onde

acontecem as experiências deste ensaio-memória. Mal começado o ano, será fácil encontrar

entre as pessoas um sentimento crescente de estresse, insegurança e, não raro, raiva

generalizada. É que este cenário já vinha se desenhando há algum tempo. Liberam-se armas,

cortam-se verbas, escândalos de corrupção tão comuns quanto mosquitos em dia quente,

desemprego que cresce vertiginosamente, mais pessoas mortas por ano nessa suposta

democracia do que em países em situação de guerra, prisões políticas, liberação de

agrotóxicos, a natureza consumida em plástico.

É importante situar. Se tratamos do sensível, do incognoscível, se pretendemos falar

do que é humano e subjetivo, precisamos ser submersos pelo contexto. No ano em que esse

ensaio-memória acontece, é preciso dizer que todos ao meu redor estão instáveis. Talvez não

necessariamente tristes, mas preocupados. Atentos. Estressados. Planos que não se

concretizam, realidades aparentemente sólidas transformadas em névoa, todo mundo está

criando para si mesmo versões de futuro com planos A, B e C. Mais uma vez, é importante

situar: estou em Salvador, na Universidade Federal da Bahia, estudante da grande área de

Artes, sou branca, lésbica, natural do estado de São Paulo, classe média. Ao meu redor,

realidades diferentes. Quase todas giram em torno da universidade. Aponto essas coisas pois

é possível supor que realidades distintas tenham também seus problemas e visões

particulares. Aqui, na universidade, na área de artes, no universo LGBTQ+, temos ansiedade

e medo e parece que a expectativa de futuro não aponta boas novas.

Entro na sala. Tatame grosso no chão, cheiro de suor engarrafado, não é grande nem

pequena, a sala, e o ar-condicionado barulhento deixará de funcionar em algum momento da

metade do semestre letivo, que dura quatro meses. Aqui, um grupo de cerca de quinze

pessoas, entre discentes de graduação e pós-graduação, professores e convidados, se reunirá

uma vez por semana durante três horas e meia. A disciplina, registrada como Poéticas

Holísticas em Movimento, se realizará na forma de pequenas oficinas, ministradas por diferentes pessoas, na maioria das vezes convidadas. Cada encontro trata uma nova temática. Começo a participar dos encontros com um pouco de atraso, provavelmente perdendo as primeiras discussões sobre a disciplina, sua abrangência. São mais de dez práticas diferentes previstas para as próximas aulas, a contar de minha primeira participação.

Primeira reflexão: o que é uma “prática holística”? O que é “holístico”? Uma pesquisa breve entrelaça “holismo” com uma ideia de “todo”. De algo que está

sendo visto em perspectiva ampla, uma ideia de que os fragmentos, os seres, as coisas, estão conectados. Parece falar da tendência do universo de criar unidades aparentemente isoladas que, na verdade, estão aglutinadas e pertencem a um mesmo Todo. Como as células e os micro organismos que formam nosso corpo humano. É possível dar um zoom in evê-las a partir de sua existência única. Aqui, célula. Dentro dela, outros organismos ainda menores,

ainda menores, átomos e partículas menores, menores

maiores, maiores, até chegarmos aos nossos órgãos. E maiores, maiores, para abranger todo o nosso corpo, nossa matéria. E para além de nosso corpo, nossa relação em sociedade. E para além da sociedade, nossa relação com os outros seres do planeta Terra. E para além do planeta Terra, as estrelas. E para além das estrelas, as galáxias. E para além das galáxias… Penso que uma prática holística seria, então, aquela que busca aguçar nossa percepção de uma conexão com o Todo. Talvez a definição seja também tão abrangente quanto a própria ideia de Todo, o que me parece sensato. Ainda que provavelmente sejamos, como humanos, pequenas unidades na existência de outros e outros organismos ainda mais complexos, ainda assim somos, enquanto indivíduos, seres de complexidade indiscutível. Somos diferentes e diferentes e diferentes… e ainda diferentes de nós mesmos em diferentes momentos da vida. Holístico pode ser qualquer coisa a qualquer momento - algo que o indivíduo busca para se conectar com o Todo. A palavra prática,no entanto, induz a uma ideia de continuidade. Parece sugerir algo que o indivíduo, repetidamente, busca para conectar-se ao Todo. Quando analiso o conteúdo dos encontros realizados durante a disciplina, vejo que essa definição materializou-se para nós na forma de práticas definidas em métodos, codificadas, algumas delas milenares. Uma busca pelo Todo cuja repetição atravessa épocas e transborda continentes para muito além do tempo humano.

E então um zoom out, partículas

-

-

-

 

-

-

 

-

-

-

 

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

Estou na sala. Olhos fechados e corpo descansado no chão, busco materializar a imagem-guia da meditação. Não que essa seja a forma como nossos encontros são realizados. Na verdade, não existe um padrão. São bastante ecléticos e estamos sempre voltados para a prática. Não raro, ficamos suados e fisicamente cansados. Nem tudo toca o meu coração ou me dá alguma sensação de conexão com o Todo. Mas algumas práticas, sim. Senão isso, me proporcionam reflexões diversas. Por exemplo:

Experiência com Thetahealing. Meditação guiada, corpo descansado, momento do

materializar a imagem. Um fio de luz que sobe e acessa o espaço para além das estrelas. Lá, um lugar onde as convicções pessoais, as crenças, podem ser mudadas. Basta permissão e desejo. E então a luz retorna e habita o corpo, que agora deve buscar materializar as transformações de suas convicções. O momento me absorve profundamente. Fico lá, flutuando nas estrelas, observando as minhas próprias convicções. Pressinto que as mais perigosas estão dissimuladas. Não tenho certeza se sou capaz de acessá-las, mas posso perceber sua existência. Saio do encontro de cabeça leve. Algumas reflexões: possuo crenças sobre mim e sobre o mundo, algumas negativas, germes de infelicidade. Elas podem ser mudadas. As constatações são simples, de reverberações profundas. Existe o Eu. Existe o Todo. Existe o Tudo que conecta o Todo. Será que são minhas essas compreensões? Não serão elas apenas fruto do tempo a que pertenço, do imaginário humano, do inconsciente coletivo? Será que são compreensões, afinal? Ou apenas pálidas sensações de compreensão, um desejo de integração? E não é natural, o desejo de integração? E o que “natural”? E o que é “meu”?

E será que esses questionamentos importam?

A prática desse dia me propõe que existe o eu, que existe o Todo, que existe um Tudo.

Não basta que eu seja capaz de imaginar?

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

 

-

-

Outro fragmento. Estamos no Estúdio Physio Pilates, na Ondina. Uma vista para o mar devora as janelas da sala, recheada por uma maquinaria colorida e acolchoada que parece uma mistura de parque de diversões dos bebês com instrumentos de tortura medieval. São as modernas versões das invenções de Joseph Pilates para o seu método homônimo, que trabalha com controle muscular e é usado, entre outras coisas, para tratamento e prevenção de problemas físicos. Momento de fazer exercícios e massagens no pé com uma bola de tênis, de torcer o corpo e exigir de si um pouco de força e precisão. E nisso, o holístico, a conexão através do tempo. Pois passo a acreditar que seja holístico, também e principalmente, voltar-se para dentro. Para o dentro onde mente e corpo não se separam, o lugar onde o encontro faz nascer um silêncio cheio de possibilidades. Voltar-se para si. Não carregamos, nós mesmos, o nosso próprio Todo? Não é inegável que exista entre nós algum tipo de relação, um vínculo, já que possuímos corpos que, em suas diferenças, são evidentes de sua semelhança?

 

-

-

 

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

- De pé, realizo respeitosa e momentaneamente a representação imagética (ou até, quem

sabe, uma breve representação energética?) da avó materna de Ícaro Bittencourt, um de meus colegas da disciplina. Estamos em uma sessão/experimento de Constelação Familiar. Estar

Uma viagem interna me

captura para minha própria linha do tempo invisível. Como quem se serve de migalhas, recolho os lapsos de memória até as evidências começarem a desaparecer, lá pela transição entre avós e bisavós. Evidências, eu digo, mas elas são mesmo é histórias, nomes de pessoas que são rememorados em suas breves andanças rumo ao esquecimento.

ali, de pé, representando um ancestral de uma daquelas pessoas

Busco o mais profundo, para além das evidências, além das palavras, dos nomes, das histórias. Imagino meus ancestrais como que numa linha diante dos meus olhos. Uma linha que atravessa verticalmente a minha história. Eles ali, parados em suas duplas, e seus respectivos progenitores que formam duplas atrás deles, e atrás de cada um dos progenitores ainda outros progenitores, e outros e outros, duplas e duplas e duplas e duplas, como um galho de uma árvore que se ramifica. Então busco encaixar nessa imagem as linhas horizontais, as irmãs e irmãos. Levando em conta apenas os mais recentes: minha mãe tem nove irmãos e irmãs, meu pai tem quatro irmãs, e a imagem só cresce. Vejo uma imensa árvore genealógica disposta no formato imaginado de dezenas de pessoas alinhadas a sumir de vista… Imagino que me olham naquele segundo e que comigo se comunicam através do tempo, todas elas, aquelas que eu conheci e aquelas que morreram centenas de anos antes que meu nascimento fosse possível. Quem será que foram elas, aquelas pessoas? E, daqueles encontros, dos quais novas pessoas nasceram, como teriam sido aqueles encontros? O que, daqueles encontros, daquelas pessoas, permanece comigo, no meu DNA e quem sabe de quantas outras formas que ainda nos são desconhecidas? A reflexão transforma o tempo numa unidade viva, pulsante. A reflexão, à primeira vista, parece agradável e acolhedora. Como um lago cuja superfície espelha o céu e ondula suavemente ao sabor da brisa. Você pode ter vontade de dar um mergulho. Mal seus pés tocam a margem, a sensação de estabilidade da terra é substituída por um desagradável chapinhar na lama, que desliza gelada entre os dedos dos seus pés. O fundo do lago parece estar cheio de folhas mortas, mas você prossegue como quem caminha em geléia, pensando que aquele momento ruim vai acabar a qualquer momento. O lago não parecia maravilhoso? Você avança um pouco mais, sedento pelo mergulho, mas a lama alcança seus joelhos e suas coxas e seu quadril, lama forte como areia movediça, lama que te prende e que te arrasta, que te suga para baixo, para baixo, para o fundo, o fundo. Tudo se agita enquanto você luta pela sobrevivência, água espirrando para os lados, seus braços desesperados procurando um auxílio que não chega nunca. Então você é submerso, água entrando pela sua boca seus pulmões estômago coração, um sepultamento aquático, vivo, invisível. Quando você desaparece, o lago volta a parecer plácido, agradável, tranquilo. A minha história é uma narrativa da violência. Olhar para trás, para a infindável lista de progenitoras e progenitores, é uma rememoração do abuso e da profunda misoginia. Não sou ingênua nem tenho anseios de mártir: essa é também a história de todos os outros, com

algumas improváveis exceções, que eu na verdade não acredito que existam. Os filmes de romance só existem para que possamos fantasiar com nossa própria submissão. Se um exemplo prático torna as coisas mais visíveis, posso oferecê-lo na forma de evidências:

casaram minha avó materna aos catorze anos com um cara de quarenta, que a aprisionou dentro de casa através de uma matilha de dez filhos, um seguido do outro, aos quais, é até desnecessário dizer, ele dispensava pouco mais do que a mínima atenção. As evidências contam que ele era um homem violento, autoritário, destrutivo. Que ele exercia um papel de tirano, que aterrorizava a família. Minha avó, ela também, contam as evidências, era uma figura autoritária e raivosa, famosa pelos castigos medievais a que submetia seus filhos. É muito extensa a lista de evidências de agressões físicas, verbais, sexuais, morais, éticas, psicológicas Não me iludo. Essa história é como todas as outras. E quanto mais para trás, numa perspectiva cronológica, me soam ainda mais bárbaras as evidências desconhecidas. Não posso não pensar nessas coisas, o ano é 2019, estou prestes a completar 25 anos, sou uma mulher cisgênera lésbica que está, pelo menos, num tempo histórico em que se pode fazer reflexões escritas sobre esses assuntos. Posso e preciso pensar as mulheres. Posso e preciso repensar a história, abrir os olhos, escutar os sussurros. A grande árvore genealógica, o paredão de ancestrais que há pouco parecia a representação suprema da força e do acolhimento imersos numa névoa de beleza ingênua, ela é como mergulhar no lago límpido e naufragar na lama. O que será que significa isso de estarmos carregando conosco tanta violência? Quais serão as repercussões de uma história da raiva e do abuso repetido? Será que estamos repetindo os mesmos erros, de uma maneira modernizada? Será que é possível encerrar tudo isso, caminhar em direção ao amor, o respeito e a compreensão? Tenho muitas reflexões sobre esse assunto, mas penso que não servem a esse relato-memória. Elas são muito rizomáticas e não têm nada de holístico. -

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

 

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Seria fácil continuar esse ensaio-memória indefinidamente. As questões que me atravessam durante o percurso com a disciplina são inesgotáveis, da raiz do profundo e do sensível, que não podem ser respondidas. São tantas as viagens do imaginário, tantas conexões inusitadas, sentimentos, percepções para as quais não se tem palavra que expresse. Se é preciso que o ensaio-memória termine, me parece inevitável que o fim esteja entrelaçado ao começo, para que possa estar a repetir-se infindavelmente. Primeiro semestre de 2019, estamos no Brasil, temos ansiedade e medo e raiva e alegria e novas ideias, somos um grupo de quinze pessoas que se reúne dentro de uma universidade uma vez por semana durante quatro meses e propomos uns aos outros experimentações de métodos criados por seres humanos, que buscaram, repetidamente e através do tempo, conectar-se a uma ideia de Todo. Estamos num momento em que a humanidade, apesar de perceber os estragos que fez ao equilíbrio da vida no planeta Terra, continua a fazê-los enquanto calcula o tempo de sua sobrevida. Temos um passado e um presente de violência. Qual proposição poderia ser mais acertada para o momento do que um convite à busca pela conexão com o Todo? Se não somos indivíduos isolados, restritos aos nossos próprios ganhos e perdas individuais, se em vez disso somos parte de um organismo tão grande e complexo que não conseguimos vê-lo, o tempo urge para que repensemos nossas escolhas de vida. Para que nos atiremos irrestritamente em busca da reparação do encontro silencioso que acontece dentro do nosso Eu, em busca da reparação do nosso planeta, da reparação do nosso passado-presente de violência e morte. Por isso, as reflexões proporcionadas por essa disciplina me parecem pertinentes, conectadas às necessidades do momento e aos caminhos do futuro. Aliás, talvez eu esteja sendo pouco abrangente, permita-me a nova tentativa. É que estou aprendendo a ver organismos cada vez maiores, maiores, maiores. Recomeço: me parece que as reflexões proporcionadas por essa disciplina são pertinentes à vida humana desde o seu primário acontecimento.

-

-

-

-

-

-

-

-

 

-