Вы находитесь на странице: 1из 2

Motivação para Servir

Deus tinha uma visão celestial para Paulo. Essa visão fazia parte de sua visão estratégica.
Era uma visão em longo prazo que contemplava Paulo como um pregador do evangelho.

Paulo soube disso por meio do primeiro encontro com Deus, aquele ocorrido em Atos 9 que
conduziu à sua conversão. Isso é certo, pois, mais tarde, em Atos 26:13-20, enquanto fazia sua
defesa perante o Rei Agripa, Paulo reconta sua história:

Ao meio-dia, ó rei, indo eu caminho fora, vi uma luz no céu, mais resplandecente que o sol, que
brilhou ao redor de mim e dos que iam comigo. E, caindo todos nós por terra, ouvi uma voz que
me falava em língua hebraica: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa é recalcitrares
contra os aguilhões. Então, eu perguntei: Quem és tu, Senhor? Ao que o Senhor respondeu:
Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Mas levanta-te e firma-te sobre teus pés, porque por isto
te apareci, para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em que me viste
como daquelas pelas quais te aparecerei ainda, livrando-te do povo e dos gentios, para
os quais eu te envio, para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e
da potestade de Satanás para Deus, a fim de que recebam eles remissão de pecados e
herança entre os que são santificados pela fé em mim. Pelo que, ó rei Agripa, não fui
desobediente à visão celestial, mas anunciei primeiramente aos de Damasco e em
Jerusalém, por toda a região da Judéia, e aos gentios, que se arrependessem e se
convertessem a Deus, praticando obras dignas de arrependimento. — At 26:13-20.

Paulo recebeu uma visão celestial e essa visão se tornou sua meta. Ele foi obediente à
visão recebida. Semelhante à Paulo, Deus tem uma visão celestial para nossas vidas. Deus
tem uma meta, a qual contempla a pregação do evangelho e o evangelho chegando a todas as
nações (At 1:7-8).

Durante sua jornada, a motivação espiritual o levou a um sucesso extraordinário, como o que
ocorreu durante sua 2ª viagem missionária, quando foi motivado a visitar a Ásia Menor em
razão da visão de um varão macedônio que lhe rogava que passasse por lá.

À noite, sobreveio a Paulo uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava,
dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos. Assim que teve a visão,
imediatamente, procuramos partir para aquele destino, concluindo que Deus nos havia
chamado para lhes anunciar o evangelho. — At 16:9-10.

A partir da história de Paulo existem duas lições importantes:

1) A visão celestial é dada por Deus, torna-se nossa meta e temos de realizá-la;

2) Se a nossa motivação é espiritual, temos sucesso ao cumprir a meta dada por Deus;

A história de Paulo ensina que a nossa motivação vem do espírito. Isso é muito importante.
Além disso, também ensina que as metas são entregues em visão espiritual (ainda que esse
não seja o único, nem o principal meio utilizado por Deus).

O maior objetivo desse texto é mostrar que Deus precisa de pessoas motivadas para
cumprir Seu comissionamento. Essa motivação vem da vida em nosso espírito. Além disso,
as metas podem ser concedidas por meio de uma visão espiritual ou humana, desde que se
alinhem com a vontade de Deus.

Ao abordar a história de Paulo, o foco é o homem. Porém, Deus também tem sua meta. Deus
possui uma visão global e uma meta bem definida. Segundo Gn 1:28: “E Deus os abençoou
e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes
do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra”.
A partir desse versículo vemos que, desde o início, Deus tem o desejo de que toda a criação
seja dominada pelo homem, o qual, por ter sido criado à imagem e semelhança de Deus,
representa Sua autoridade sobre a terra. Ou seja, Deus deseja restabelecer Seu domínio
sobre toda a terra.

Essa é a visão estratégica de Deus. Por isso, Jesus falava que os discípulos seriam Suas
testemunhas a fim de pregar o evangelho do reino até os confins da terra (At 1:8) e, então, viria
o fim (Mt 24:14). Enquanto era homem, Jesus tinha essa visão estratégica e sua obra a
contemplava.

Essa mesma visão estratégia deve ser contemplada por nossas metas, afinal o que são 100
anos perto de uma eternidade? Nossas metas mais longas são de curto prazo quando
comparadas às metas de Deus.

Professor,oro para que você se sinta cheio de coragem para fixar metas para sua vida
espiritual e para sua vida humana. Oro para que suas metas humanas contemplem a visão
estratégica espiritual, recebam a bênção de Deus e, então, realizem-se trazendo grande ajuda
ao povo de Deus. Oro para que você apresente essas metas para Deus e para que Ele te
encha de força, energia e motivação a fim de torná-las realidade.

Acredite, quando você tem uma meta, apresentada a Deus em oração e aprovada por sua
benção, então, Ele te encherá de motivação para cumpri-las.

Motivação e metas vão gerar um “boom” em sua vida espiritual e humana! Será como a
conexão entre um equipamento cheio de funcionalidade, criado com uma meta definida, e a
energia garantindo sua real utilidade.

Professor,fixe suas metas, apresente-as para Deus, esteja aberto para Sua resposta e, sendo
positiva, prepare-se para desfrutar de felicidade e de bênção que vão tornar os seus sonhos
mais ousados em uma realidade útil dentro do plano de Deus! Sonhe, ore e realize!

Espero que você esteja se sentindo inspirado a ter motivação e metas em sua vida espiritual e
humana. Jesus é o Senhor!