Вы находитесь на странице: 1из 12

Empreendedorismo

O PROCESSO
VISIONÁRIO
APRESENTAÇÃO

Prezado(a) aluno(a), espero que você tenha gostado do módulo


“Empreendedorismo – Perfil do Empreendedor”, cujo conteúdo é
bem enriquecedor ao seu aprendizado!
Neste módulo, vamos conhecer os atributos necessários para um
excelente empreendedorismo, dentre os quais vamos identificar a
importância de estabelecer metas e adotar alguns comportamentos.
Espero que você esteja entusiasmado para o estudo desse assunto.
Vamos começar? Tenha um bom aproveitamento!

N o módulo “Empreendedorismo – Perfil Do Empreendedor” você estudou a figura do


empreendedor e como ele atua como agente de mudanças. Também identificamos as
principais razões por que muitos gostariam de serem empreendedores, mas não conseguem.
Neste módulo, continuaremos estudando o conteúdo do agente empreendedor, voltado
mais aos aspectos funcionais perante os negócios. Vamos começar?

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
Ao final deste módulo, você deverá ser capaz de:

• Identificar os principais atributos do empreendedor;


• Entender as características do empreendedor como um conjunto de atributos essenciais
aos negócios.

FUMEC VIRTUAL - SETOR DE Transposição Pedagógica Infraestrutura e Suporte


FICHA TÉCNICA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Karina Gomes de Souza Coordenação


Cristiana Chaves de Oliveira Anderson Peixoto da Silva
Gestão Pedagógica
Produção de
Assessoria ao Professor,
Design Multimídia AUTORIA
Assessoria ao Aluno e Tutoria
Coordenação
Coordenação Prof. José Manoel Granados Negrão
Rodrigo Tito M. Valadares
Gabrielle Nunes Paixão
Design Multimídia 2017
Alan J. Galego Bernini

BELO HORIZONTE - 2017


O PROCESSO VISIONÁRIO

Cabe ao agente empreendedor saber desenvolver uma visão para estar apto a gerar a ideia
completa do próprio negócio. Significa estar preparado para ler o ambiente com o intuito
de identificar oportunidades. O conhecimento do setor de trabalho e do seu respectivo
mercado, juntamente com a capacidade inovadora, serão requisitos à sua visão do futuro
negócio.

No processo visionário, o empreendedor deverá se preocupar em identificar respostas a


questões de ordem diversificada, na busca do entendimento do seu negócio de forma
duradoura no ambiente holístico. Quanto às tendências sociais, por exemplo, ele deverá
visionar se os clientes atendidos pertencerão à sociedade do ser ou a do ter, assim como
as necessidades que as pessoas terão. Outras respostas às questões deverão ser busca-
das referentes às formas de organização do trabalho, envolvendo as modalidades como
autônomos ou como empregados. Também o lazer deverá ser objeto da visão, quanto ao
que será, e ao como será.

A natureza das mídias também é outro aspecto a ser vislumbrado quanto à sua predomi-
nância de uso (televisão, rádio, cinema, jornal, livros, computadores) e conteúdos veicu-
lados. E a velocidade das mudanças? Como será a adaptação das pessoas? Os trabalha-
dores irão se sentir mais realizados no setor do negócio proposto, ou em outros setores?
O futuro do negócio irá gerar novas ideias de produtos e serviços? Quais dessas ideias de
produtos e serviços podem levar à criação de novas empresas?

Esses exemplos e outras questões com as suas respostas compõem o conjunto visionário
do empreendedor.

Entrar no mercado apenas com uma grande ideia não é garantia de


sucesso. Precisa-se de considerar etapas e valores agregados à
figura do empreendedor, além de questões dos tipos acima,
que solidificarão o seu empreendedorismo. Os atributos, em
um legítimo empreendedor, compreendem:

• Estabelecimento de Metas – Significa que as metas


devem ser específicas, bem definidas, mensuráveis,
alcançáveis, algo que traga resultados a partir de um
prazo preestabelecido.

O Processo Visionário 33
A característica mais marcante das pessoas e empresas que realmente conseguem resul-
tados efetivos é o estabelecimento de metas. Elas têm clara definição aonde querem
chegar. Isso significa determinar, em um documento de planejamento de metas, regis-
trado de forma clara, as datas com dia/mês/ano, e as ações e especificações detalhadas
para tudo o que se desejada alcançar.

O sucesso é decorrência de um planejamento, um documento escrito, detalhado, palpável


e possível de ser encaminhado e vislumbrado por todos os envolvidos nas metas. Seus
objetivos de curto prazo são mensuráveis e os de longo prazo são explícitos e específicos.
O estabelecimento de metas tem força para a obtenção de resultados efetivos.

Saber aonde se quer chegar tem a sua importância, fato exemplificado por muitas pesso-
as que são extremamente dedicadas no seu dia a dia: vivem sacrificando a si mesmas e
à própria família; fazem tudo com a máxima qualidade; entretanto, não raramente, recla-
mam por não estarem sentindo que estão evoluindo. Na maioria das vezes, isso ocorre
porque elas não sabem para onde querem evoluir. Como não sabem a direção a ser toma-
da, acabam desperdiçando esforços para todos os lados, não conseguindo priorizar ações.

Uma pesquisa realizada na década 80 com atletas norte-americanos, no século XX,


mostrou um aspecto interessante a respeito do assunto que estamos tratando:

Dez atletas saltaram sobre uma vara que se encontrava na altura limite que cada um
costumava atingir. Dos dez saltos, oito foram bem-sucedidos e dois fracassaram. Em
outro dia e nas mesmas condições locais, foi solicitado que aqueles dez atletas saltassem
novamente. Deveriam saltar da melhor maneira possível, visando superar a marca anterior.
Porém, existia agora uma diferença: não foi colocada nenhuma vara para definir a altura.
Ao invés disso, sensores eletrônicos detectavam a altura atingida. Desta vez, o resultado
foi contrário ao da etapa anterior: apenas dois obtiveram êxito e oito fracassaram.

“QUAL É A DIFERENÇA ENTRE AS DUAS SITUAÇÕES? O QUE FEZ


COM QUE OS RESULTADOS FOSSEM TÃO DIFERENTES?”

A diferença significativa foi que, na segunda etapa, os atletas, por mais que se esforças-
sem, não tinham seus objetivos claramente definidos. Se a persistência foi considerada o
combustível das pessoas que alcançam êxito, sem dúvida as metas foram os seus motores.

Quando se tem uma verdadeira


meta, esta faz com que tenhamos
ânimo para vencermos as maiores
adversidades.

34 O Processo Visionário
Bom, após você ter compreendido que é importante o estabelecimento de metas para alcan-
çar sucesso, você vai conhecer o próximo atributo que solidificará seu empreendedorismo:

• Busca de Informações – Obtenção de informações de clientes, forne-


cedores e concorrentes. Contempla ainda o estudo sobre como
fabricar um produto ou fornecer um serviço e consulta especiali-
zada para obter assessoria técnica ou comercial.

A busca de informações com qualidade proporciona assertividade


nas decisões do empreendedor não só na abertura do negócio como
também posteriormente na empresa durante o seu exercício. Desde o
início do funcionamento da empresa, torna-se necessária a utilização de
um sistema de informações estruturado de forma a proporcionar vantagem
competitiva no mercado.

Um sistema de informações bem estruturado compõe o que pode ser chamado


de sistema de inteligência de marketing (mercado). Esse sistema é formado por
um conjunto de procedimentos e fontes usados por administradores para obter
informações diárias sobre eventos no ambiente de mercado. Os responsáveis
pela obtenção das informações coletam-nas lendo livros, jornais, publicações
setoriais, conversando com clientes, fornecedores e distribuidores, e participando
de reuniões com administradores de outras empresas.

ATENÇÃO
As informações sobre os clientes são as de caráter essencial ao negócio.

Veja agora o atributo “Planejamento e Monitoramento Sistemáticos”:

• Planejamento e Monitoramento Sistemáticos – Refere-se ao Planejamento dividindo


tarefas de grande porte em subtarefas com prazos definidos, fazendo-se revisão dos
planos levando em conta os resultados obtidos e mudanças circunstanciais;

Após a elaboração dos planejamentos para as diversas áreas da empresa, a partir de um


planejamento inicial denominado Planejamento Estratégico Empresarial, há a necessidade
de acompanhamento dos resultados para se verificar a tendência de alcance das
metas previamente projetadas.

Essas informações internas são realimentadas às áreas de plane-


jamento, ou outras instâncias internas designadas, para a toma-
da de decisões e de ações corretivas, no caso de desvios de
resultados, antes dos prazos estabelecidos para o alcance das
respectivas metas. Mesmo se constatando a normalidade de
andamento das atividades, as informações são repassadas
continuamente aos decisores, caracterizando um monitora-
mento contínuo do desempenho empresarial.

Geralmente as empresas melhor estruturadas adotam uma rede


interna chamada genericamente de Sistema de Informações
Gerenciais-SIS, podendo ser complementada por outros recursos
de divulgação interna ampla como boletins, relatórios, quadros de
gestão a vista, e outros.

O Processo Visionário 35
Por meio da análise das informações
podem ser localizados oportunidades
e problemas importantes.

Observe que já estudamos os itens “Estabelecimento de Metas, Busca de Informações” e


também “Planejamento e Monitoramento Sistemáticos”. O próximo a ser estudado será
“Iniciativa, Busca de Oportunidades”. Vamos lá!

• Iniciativa, Busca de Oportunidades e Identificação de Ameaças – A iniciativa consis-


te em fazer as coisas de forma pró-ativa ou devido às circunstâncias, com visão de
expansão dos seus negócios, aproveitando oportunidades fora do comum.

Uma oportunidade de negócio existe quando uma empresa pode lucrar ao atender às
necessidades dos consumidores de um determinado segmento. As oportunidades podem
ser classificadas de acordo com a sua atratividade e com sua probabilidade de sucesso.
A simples competência não constitui uma vantagem competitiva.

O empreendedor deve ainda ter a capacidade de identificar as ameaças do ambiente


externo. Uma ameaça é um desafio imposto por uma tendência ou desenvolvimento
desfavorável que levaria, na ausência de uma ação empresarial defensiva, à deterioração
das vendas ou do lucro.

O conjunto de análises do ambiente externo compreende o monitoramento de importantes


forças macroambientais como fatores de ordem tecnológica, econômico-demográficas,
político-legais e socioculturais; e significativos agentes microambientais como clientes,
concorrentes, distribuidores e fornecedores. Todos esses fatores, e outros correlaciona-
dos, afetam a capacidade de obter lucros.

36 O Processo Visionário
TOME NOTA
A empresa de melhor desempenho será aquela que gerar o maior valor para o cliente e que
sustentar esse valor ao longo do tempo.

O próximo atributo importante para um empreendedorismo será:

• Exigência de Qualidade e Eficiência – Significa encontrar maneiras de fazer


as coisas melhor, mais rápidas e mais barato. Agir de maneira a fazer coisas
que satisfazem ou excedem padrões de excelência, desenvolvendo ou
utilizando procedimentos para assegurar que o trabalho seja terminado a
tempo e atenda aos padrões de qualidade previamente combinados.

Uma empresa pode sair ganhando ao fornecer produtos ou prestando serviços


com qualidade consistentemente superior à da concorrência e superar as
expectativas dos clientes. As expectativas são formadas pelas experiências
anteriores dos clientes, via “boca-a-boca” e pela propaganda. Ao receber o
produto ou serviço, os clientes os percebem quanto às suas
características e confrontam o percebido com
o esperado. Se o percebido não atender às
expectativas do esperado, os clientes perde-
rão o interesse pelo fornecedor. Se o percebido
atender às expectativas, ou for além do espe-
rado, os clientes ficarão inclinados a recorrer
novamente ao fornecedor.

O gerenciamento da qualidade dos


produtos e serviços é fator favorável
à retenção de clientes.

Você saberia dizer algo sobre a capacidade de correr riscos calculados?


Não? Então vamos descobrir juntos sobre essa capacidade.

• Capacidade de Correr Riscos Calculados – Está relacionada a ações


como avaliar alternativas e calcular riscos deliberada-
Mitigar
mente, mitigar os riscos ou controlar os resultados. Agir para reduzir.
Pressupõe aceitar desafios e riscos somente de cará-
ter moderado, evitando-se riscos de alto impacto negativo.

Todos os projetos de empreendimento contêm riscos, oriundos de intera-


ção entre os objetivos – o que deve acontecer –, e as incertezas – o que
pode acontecer. Os riscos geralmente têm origem nas condições exter-
nas e causa afetamento nos objetivos de custos, de prazos, na qualidade
e desempenho do novo empreendimento ou da organização já existente,
dentre outros. Os desvios que ocorrem podem ser de difícil aceitação ou
até mesmo inaceitáveis.

O Processo Visionário 37
Mediante essas circunstâncias, o empreendedor deve adotar um processo de gerenciamento
de riscos, cujo propósito ideal seria eliminar os riscos, mas, na impossibilidade dessa hipó-
tese, gerenciá-los para maximizar as oportunidades e minimizar os seus efeitos adversos.

Os estudos do gerenciamento dos riscos evoluíram ao longo dos anos para um conceito
chamado de Gerenciamento de Riscos Corporativo, ou ERM (Enterprise Risk Management).
O ERM é um recurso que as organizações implementam para tratar riscos em toda a orga-
nização, através de forma estruturada e comum, de modo que seja possível medir, agregar
e estimar o relacionamento dessas informações em uma base corporativa. Para aumentar
as chances de sucesso do empreendimento, o processo de Gerenciamento dos Riscos,
em sua forma básica envolve:

• Identificação dos riscos


• Qualificação dos riscos
• Quantificação dos riscos
• Escolha de estratégia que neutraliza ou minimize os riscos – processo de mitigação
• Elaboração de planos de contingência para situação de riscos muito altos e difíceis
de serem evitados no processo de mitigação.

IMPORTANTE
A aceitação do risco como um componente natural (inerente) dos negócios deve fazer parte
do modelo de gestão adotado na organização.

Outro atributo de empreendedorismo a ser considerado é a persistência. Mas o que é ser


persistente? Vamos conhecer esse atributo?

• Persistência – É agir diante de um obstáculo, repetindo ou mudando de estratégia


a fim de enfrentá-lo ou superá-lo, assumindo responsabilidade pessoal em atingir
as metas e objetivos. Jamais confundir persistência com teimosia. Em um estudo,
pode-se persistir em busca de objetivos, sendo que o teimoso, mesmo com informa-
ções desfavoráveis, continua a insistir em sua atitude imprudente.

É muito comum vermos como alguns empreendedores são desmotivados a continuar


com seus negócios. Ouvimos muitas pessoas falando a eles: “Não vale a pena montar

38 O Processo Visionário
um negócio!”, ou, “A concorrência é muito grande, você não vai ter sucesso!”, também
ouvimos “Os impostos acabam com qualquer chance de sucesso! O governo fica com
todo o seu lucro”. E, para desanimar ainda mais, normalmente quem fala essas coisas são
os amigos, colegas, empregados ou até mesmo familiares.

A persistência é grande responsável pelo Agora pense: o comprometimento no


sucesso. Nunca desanimar e desistir! E empreendedorismo é importante? Imagino
acreditar em seu próprio negócio. que você esteja respondendo que sim.

• Comprometimento – Significa fazer sacrifício para cumprir tarefa, esmerar-se em


manter clientes satisfeitos;

Um relacionamento de sucesso exige total comprometimento com os clientes e exce-


lência no atendimento; deve sempre primar pelo trabalho em equipe, com iniciativa e
responsabilidade, e pela honestidade e sinceridade nas relações. Pode-se também asso-
ciar como princípio básico ao crescimento empresarial e profissional, o comprometimento
do aprendizado contínuo, sempre compartilhado entre as equipes internas. Vale também
dizer que o entendimento e a aceitação, por todos os membros da organização, dos valo-
res preconizados, da missão e da visão empresarial, contribuem para a solidificação do
comprometimento.

TOME NOTA
Ser comprometido é sinal de aceitar e acreditar no negócio de que se participa.

O que é Persuasão e Rede de Contatos no empreendedorismo?

• Persuasão e Rede de Contatos – Consiste em utilizar estratégias


deliberadas para influenciar ou persuadir os outros desenvolvendo e
mantendo a rede de contatos em condições favoráveis às alianças e
aos objetivos de negócio.

Grande parte das atividades de negócios envolve habilidades de negociação. As partes


precisam chegar a um acordo sobre preço e outras condições envolvidas. Os negociadores
precisam realizar os seus intentos. As concessões não devem prejudicar a lucratividade.

O Processo Visionário 39
Os profissionais empreendedores e os com função de negociação, quando se deparam
em situações de barganha, precisam de certas habilidades para serem eficazes. As mais
importantes são: as habilidades de preparação e planejamento, o conhecimento sobre o
assunto em questão, a capacidade de pensar com clareza e rapidez quando estiver inde-
ciso ou sob pressão, além da capacidade de verbalizar pensamentos, habilidade de ouvir
atentamente, julgamento e compreensão geral, integridade, paciência e, claro, capacidade
de persuasão.

VOCÊ SABIA?
A negociação é apropriada sempre que há uma zona de concordância. A zona de concordân-
cia existe onde há resultados aceitáveis para ambas as partes.

As redes de contatos ou networking profissionais e pessoais facilitam a obtenção de infor-


mações, influências, aprendizado profissional, referências e indicações que podem favo-
recer aos negócios. Alguns pontos práticos para se estabelecer uma rede de contatos:

• Desenvolver interesse genuíno pelas pessoas que se pretende incluir em seu


networking.
• Não procurar as pessoas apenas quando estiver precisando de favor.
• Estar sempre disponível para ajudar as pessoas de sua rede na medida de suas
possibilidades, e sempre retribuir um favor da mesma forma.
• Frequentar cursos, palestras e convenções. Isso coloca o profissional em contato
com pessoas de diversos setores.
• Participar de associações, comitês e entidades.
• Procurar fazer contatos com pessoas de áreas diversas de seu setor de atividade.
• Utilizar o cartão de visita de maneira dinâmica.
• Fazer contatos personalizados, evitando mandar e-mails para diversas pessoas ao
mesmo tempo.
• Ao indicar uma pessoa para outra de seu networking, avise antes, apresente-as.
• Evitar falar muito nas conversas, procurar ouvir mais e obter informações e conhe-
cimento sobre as pessoas.
• Procurar mostrar sempre que se pode ser útil à sua rede de contatos.
• Atualizar sempre à rede o que está fazendo profissionalmente, seja trocando de
emprego, realizando um novo empreendimento, escrevendo artigos, dando entrevis-
tas, etc.

40 O Processo Visionário
• Ter um blog e convidar todos de sua rede de relacionamento para visitá-lo e contri-
buir com artigos e notícias.
• Estar sempre disponível para seu networking.
• Lembrar-se do nome das pessoas e datas de aniversários.

As redes de contato devem ser


adaptadas a sua realidade, ao seu
estilo profissional e ao seu perfil.

Bom, como você pode perceber, existem vários atributos essenciais no empreendedo-
rismo. Vamos agora conhecer sobre outros atributos: “Independência e Autoconfiança”:

• Independência e Autoconfiança – Compreende a busca da autonomia, caminhar


com próprias pernas, acreditando na própria capacidade e mantendo o ponto de
vista mesmo diante de resultados inicialmente desanimadores. A autoconfiança em
demasia gera prepotência, tornando-se prejudicial ao ato empreendedor.

A atenção à própria independência, mantendo o ponto de vista face à oposição de outrem


ou de resultados em princípio desmotivantes, estabelece condicionamentos que posicio-
nam o empreendedor no ponto de equilíbrio em direção aos seus objetivos. É importante
a busca de autonomia nas decisões. Independente, sempre; isolado, nunca!

É também necessário ao empreendedor expressar confiança na própria capacidade


de completar uma tarefa difícil ou de enfrentar um desafio, mesmo diante de grandes
adversidades.

Nas circunstâncias de dificuldades ou de aparente insucesso, a prática da resiliência, ou


seja, a habilidade de se superar em vez de se resignar traz a demonstração da autocon-
fiança e a retomada do caminho do sucesso.

“A confiança em si mesmo é o primeiro segredo do sucesso”


(Ralph Waldo Emerson)

O Processo Visionário 41
Síntese
Neste módulo, você estudou como emergem as ideias empreendedoras, o conjunto de atributos
do agente empreendedor e a sua aplicação nos negócios. No próximo módulo, em continuidade
ao processo visionário, você aprenderá sobre as origens da geração de ideias, a criação de valor
a partir dessas ideias empreendedoras e os produtos inovadores de amanhã. Até lá!

Referências
FILION, L. J. Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos
negócios. Revista de Administração da USP, São Paulo, v.34, n.2, p.5-28, abr./jun. 1999.

KOTLER, P. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo:
Prentice Hall, 2002.

CHÉR, Rogério. O meu próprio negócio – todos os passos para avaliação, planejamento,
abertura e gerenciamento de um negócio próspero. São Paulo: Negócios, 2002.

DEGEN, R. J. O empreendedor – fundamentos da iniciativa empresarial. São Paulo:


McGraw-Hill, 1989.

DEGEN, Ronaldo J. Empreendedor: empreender como opção de carreira. Editora Pearson


Prentice Hall - São Paulo, 2009.

DOLABELA, Fernando. O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura, 1999.

DOLABELA, Fernando et al. Boa idéia, e agora? São Paulo: Cultura, 2000.

DRUCKER, Peter. Inovação e espírito empreendedor. Editora Thomson Learning. São


Paulo, 2006.

MARTINELLI, J. Estabelecimento de metas. Estudos novo tempo. Site de estudos religio-


sos. Londrina. Disponível em: <http://www.estudosnovotempo.com.br/estabelecimento-
-de-metas/>. Acessado em: 21 abr. 2010.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre


lucros, capital, crédito, juros e o ciclo econômico. Introdução Rubens Vaz da Costa.
Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Abril Cultural, 1988.

VERSIANI, Â. F.; GUIMARÃES, L. O. A construção da carreira do empreendedor: deline-


ando as bases do aprendizado e conhecimento na criação de empresas. In: Encontro da
Associação Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração, 2004, Curitiba:
Anais eletrônicos... Curitiba: ANPAD, 2004.

42