Вы находитесь на странице: 1из 107

MED

Planejamento
2019
SUMÁRIO

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS


Português – Frente 1 ...................................................... 4 Espanhol – Frente Única ................................................ 23

Português – Frente 2 ...................................................... 7 Arte – Frente 1 – Música ............................................... 26

Redação – Frente Única ................................................. 13 Arte – Frente 2 – Artes Plásticas ...................................... 27

Interpretação de texto – Frente Única ................................. 18 Educação Física – Frente Única ................................................ 29
Inglês – Frente Única .................................................... 20

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS


Matemática – Frente 1 ............................................................ 30 Matemática – Frente 3 ............................................................ 39
Matemática – Frente 2 ............................................................ 35

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS


História – Frente 1 .................................................................. 43 Filosofia – Frente Única ........................................................... 64
História – Frente 2 .................................................................. 49 Sociologia – Frente Única ........................................................ 68
Geografia – Frente 1 ............................................................... 57 Questões Contemporâneas – Frente Única ................................. 71
Geografia – Frente 2 ............................................................... 61

CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS


Biologia – Frente 1 ................................................................. 73 Física – Frente 3 ..................................................................... 91
Biologia – Frente 2 ................................................................. 77 Física – Frente 4 ..................................................................... 94
Biologia – Frente 3 ................................................................. 80 Química – Frente 1 ................................................................. 96
Biologia – Frente 4 ................................................................. 82 Química – Frente 2 ................................................................. 99
Física – Frente 1 ..................................................................... 84 Química – Frente 3 .............................................................. 103
Física – Frente 2 ..................................................................... 88 Química – Frente 4 .............................................................. 106
PLANEJAMENTO

Como ler o Planejamento Medicina


Sobre a numeração dos livros
Algumas disciplinas da coleção Pré-vestibular têm quatro livros, cujo conteúdo é organizado em bimestres
do seguinte modo:

• Português 1º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre


• Matemática • História
9 9 6 6
• Geografia • Química
1

4
LIV SEMANAS LIV SEMANAS LIV SEMANAS LIV SEMANAS
RO RO RO RO
• Física • Biologia

Outras disciplinas possuem dois livros e seu conteúdo é dividido por semestre.
1º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre
• Redação* 1º Semestre
U 9
2º Semestre 9 6
* Exclusivamente 6 o material de redação
LIV possui 15 semanas de duração no livro 1 e
O
• Inglês1º Bimestre 182º Bimestre
RO
Ú
IC
N
SEMANAS
123º Bimestre
SEMANAS SEMANAS
4º SEMANAS
Bimestre
1

• Educação Física
LIV
9 RO
SEMANAS 2
LIV
9 RO
SEMANAS
6
15 semanas no livro 2.
6
1

4
LIV SEMANAS LIV SEMANAS LIV SEMANAS LIV SEMANAS
RO RO RO RO

As demais disciplinas têm apenas um livro único e estão organizadas do seguinte modo:

• Interpretação de texto 1º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre


• Espanhol • Arte 9 9 6 6
U

LIV
O

• Filosofia • Sociologia SEMANAS SEMANAS SEMANAS SEMANAS


IC
N

RO
Ú

• Questões Contemporâneas

Sobre a divisão em frentes


Algumas disciplinas são divididas em frentes (1 e 2; 1, 2 e 3 ou 1, 2, 3 e 4), e o conteúdo deve ser
lecionado em paralelo ao longo do ano.

Matemática Português

Química História

Física Geografia

Biologia Arte

Frente 1 Frente 2 Frente 3 Frente 1 Frente 2

A “Frente 4” em Ciências da Natureza nos Cadernos Medicina


Os cadernos Medicina são direcionados para turmas que buscam aprofundamento dos assuntos abordados
pelas disciplinas de Ciências da Natureza (Biologia, Física e Química), por se tratarem de conteúdos exigidos
com maior peso em processos seletivos para ingresso no Ensino Superior em cursos de Medicina. Assim, há
uma “Frente 4” nas três disciplinas relacionadas a essa área do conhecimento.
A criação de uma frente adicional possibilita aulas a mais; ou seja, tempo para trabalhar com maior nível de
detalhamento os conteúdos das três frentes presentes nos livros de teoria. Para identificar no planejamento do
Caderno Medicina qual frente do livro originou o tema abordado, basta observar a indicação na coluna “Capítulo”.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 3
MED
Português – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Classes de palavras I
Apresentar, de forma geral, as classes gramaticais. Enfatizar
1 1 1e2
os substantivos e definir os seus tipos (concreto, abstrato,
simples, composto, primitivo, derivado ou próprio) e flexões.
Classes de palavras II
1 2 3e4 Definir adjetivo, artigo e numeral: emprego, funcionalidade e
aspectos semânticos.
Classes de palavras III
Definir verbo, advérbio, pronome, preposição, conjunção,
1 3 5e6 interjeição: emprego, funcionalidade e aspectos semânticos.
Obs.: Nessas aulas, trabalha-se apenas o reconhecimento do
verbo; o seu estudo está contemplado nas aulas 43 a 48.
Estrutura e formação de palavras
Estudar estrutura e formação de palavras. Definir radical,
2 4 7e8
desinência, cognatos. Definir derivações prefixal, sufixal e
parassintética.
Derivação e composição
2 5 9 Definir derivação regressiva e imprópria, composição, abre-

1 3 5 10
viação e onomatopeia.
Sujeito e predicado
Conceituar sujeito, ordem direta e indireta.
Tipos de sujeito
3 6 11 e 12 Definir os tipos de sujeito: determinado, indeterminado e
inexistente (oração sem sujeito).
Termos da oração ligados ao verbo I
Analisar os termos da oração ligados ao verbo. Estudar os
4 7 13 e 14
tipos de objeto: direto e indireto. Estudar a transitividade
verbal.
Termos da oração ligados ao verbo II
4 8 15 Analisar os termos da oração ligados ao verbo: adjunto
adverbial e agente da passiva.
Termos da oração ligados ao nome I
5 8 16 Analisar os termos da oração ligados ao nome: adjunto
adnominal e predicativos do sujeito e do objeto.
Termos da oração ligados ao nome II
5 9 17 e 18 Analisar os termos da oração ligados ao nome: aposto,
complemento nominal, vocativo.
Tipos de predicado
6 10 19 e 20
Estudar os tipos de predicado e seus aspectos semânticos.

2 7 11 21 e 22
A palavra se
Estudar os diversos empregos da palavra se: partícula
apassivadora, indeterminação, pronome reflexivo ou recíproco,
parte integrante do verbo e partícula de realce.

4 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Português – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Sintaxe dos pronomes pessoais
Estudar a sintaxe dos pronomes pessoais: o emprego de eu, tu,
8 12 23 e 24
mim e ti; os auxiliares causativos e sensitivos; e os pronomes
oblíquos átonos e reflexivos (linguagem coloquial e culta).

Orações coordenadas
9 13 25 e 26 Analisar as orações coordenadas: assindéticas e sindéticas,
aditivas, adversativas, explicativas, conclusivas e alternativas.

Orações subordinadas substantivas


Analisar as orações subordinadas substantivas associadas
10 14 27 e 28
ao verbo e ao nome: análise e emprego no discurso direto e
no indireto.

2
Orações subordinadas adjetivas
10 15 29 e 30 Analisar as orações subordinadas adjetivas: emprego do relativo
e tipos de adjetiva.
Orações subordinadas adverbiais
Analisar as orações subordinadas adverbiais: causais,
10 16 31 e 32
consecutivas, condicionais, conformativas, comparativas,
concessivas, temporais, finais e proporcionais.
Regências verbal e nominal
Estudar as regências verbal e nominal: verbos assistir, visar,
11 17 33 e 34
aspirar, obedecer, informar, ir, chegar, pagar, perdoar, querer,
lembrar, esquecer etc.
Crase
12 18 35 e 36 Estudar a crase: regra geral, casos em que não há crase,
casos facultativos e casos obrigatórios.
Pontuação
Analisar a pontuação: regra geral, pontuação do período
13 19 37 e 38
simples e do composto, dois-pontos, reticências, ponto e
vírgula, aspas, vírgula, parênteses e travessão.
Colocação pronominal
14 20 39 e 40 Estudar a colocação pronominal. Definir próclise, mesóclise
e ênclise.
Ortografia
15 21 41 e 42 Estudar a ortografia. Definir homônimos, parônimos, sinônimos,
polissemia.

3 Verbo I
Estudar o verbo. Definir vozes e classificação dos verbos.
16 22 43 e 44
Analisar suas flexões, modos e tempos derivados do presente
do indicativo: presente do subjuntivo e imperativo.

Verbo II
16 23 45 e 46 Analisar os tempos derivados do pretérito perfeito: pretérito
mais-que-perfeito, imperfeito do subjuntivo e futuro do subjuntivo.

Verbo III
16 24 47 e 48 Analisar as embreagens e o emprego de tempos e modos
(uso metafórico dos tempos).

MEDICINA | PLANEJAMENTO 5
MED
Continuação – Português – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Concordância nominal
Estudar a concordância nominal. Apresentar as regras para
17 25 49 e 50
emprego das palavras: meio, próprio, anexo, obrigado, alerta
etc.
Concordância verbal
Estudar a concordância verbal. Apresentar regra geral,
18 26 e 27 51 a 54 principais casos (haver, com a palavra se, coletivo, sujeito

4 composto etc.) e casos particulares (concordância com o verbo


ser, sujeito oracional etc.).
Acentuação
Estudar acentuação: regra das proparoxítonas, paroxítonas
19 28 e 29 55 a 58
e oxítonas, monossílabos tônicos, regras especiais e acento
diferencial.
Partículas e vícios de linguagem
20 30 59 e 60
Estudar determinadas partículas e vícios de linguagem.

6 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Preceitos básicos dos estudos literários
Definir o conceito de Literatura. Observar as qualidades
1 1 1
estéticas do texto literário e diferenciar as linguagens
denotativa e conotativa. Estudar a plurissignificação.
A linguagem literária
Identificar elementos de construção do texto literário, fazendo
distinção entre as figuras de linguagem (figuras de palavras,
1 1 2
figuras de construção e figuras de pensamento). Aprender
intertextualidade (paródia e paráfrase) e estilo literário (individual
ou de época).
Os gêneros literários: lírico
Percorrer a história da Literatura. Obter noções de gêneros
1 2 3
literários. Estudar o gênero lírico: conceito de lírica e as formas
da lírica. Conhecer recursos da construção poética.
Os gêneros literários: épico e dramático
Estudar o gênero épico: características das epopeias e
1 2 4 as transformações do gênero épico. Listar elementos da
narrativa. Diferenciar narração de descrição. Estudar o gênero
dramático: noções e características do texto dramático.
Trovadorismo: a porta de entrada às literaturas de língua
portuguesa
2 3 5 Estudar o Trovadorismo. Aprender sobre as cantigas líricas:
de amor e de amigo; as cantigas satíricas: escárnio e maldizer;

1 e as novelas de cavalaria – a prosa medieval.


Humanismo: a primeira mudança de paradigma na
literatura portuguesa
2 3 6 Definir o conceito de Humanismo. Compreender a poesia
palaciana. Estudar Fernão Lopes e a crônica histórica.
Caracterizar o teatro de Gil Vicente.
O Classicismo e a literatura dos tempos de glória: a
poesia lírica camoniana
2 4 7
Construir a ideia de forma, equilíbrio e alegoria. Abordar a
medida nova e o soneto. Explorar a lírica de Luís de Camões.
O Classicismo e a literatura dos tempos de glória: a
poesia épica camoniana
2 4 8 Analisar a apresentação da obra e a estrutura de Os Lusíadas
(introdução, narração, epílogo). Estudar o episódio do “Velho
do Restelo” e o episódio do “Gigante Adamastor”.
Quinhentismo: a “certidão de nascimento” do Brasil
Analisar a literatura de informação: o primeiro século de
3 5 9
Brasil. Investigar a literatura jesuítica e o projeto de conversão
universal. Estudar a obra de Padre José de Anchieta.
Barroco: o drama do homem e a linguagem dramática
Investigar o Barroco na história e o homem do período.
3 5 10 Entender o Barroco literário: características gerais, cultismo e
conceptismo. Caracterizar o Barroco em língua portuguesa e
a prosa do Padre Antônio Vieira.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 7
MED
Continuação – Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Barroco: os valores em conflito
3 6 11 Conhecer Gregório de Matos lírico, sacro e satírico – as
diferentes vertentes poéticas do Boca do Inferno.
Arcadismo: poesia das luzes e da Inconfidência – Arcádia
lusitana
3 6 12 Analisar o século das luzes e a literatura neoclássica.
Conhecer as características da literatura árcade. Definir a
arcádia lusitana: Bocage.
Arcadismo: poesia das luzes e da Inconfidência – Arcádia
ultramarina
Debater sobre a Inconfidência Mineira, autores e obras:
3 7 13
Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga.
Acompanhar o gênero épico árcade nas obras O Uraguai e
Caramuru.
Romantismo na Europa
4 7 14 Diferenciar os conceitos de razão e emoção. Analisar a história

1
do Romantismo.
Romantismo: de Portugal ao Brasil
Estudar o início do Romantismo em Portugal e no Brasil. Conhecer
a poesia e a prosa românticas em Portugal. Estudar a vinda da
4 8 15 família real portuguesa ao Brasil. Investigar o Romantismo em
Portugal e o retrato de uma nova sociedade. Conhecer autores
românticos portugueses: Almeida Garrett, Alexandre Herculano
e Camilo Castelo Branco.
Romantismo no Brasil e a formação nacional
5 8 16 Descobrir o Romantismo no Brasil. Conhecer Gonçalves Dias:
grandiloquência e indianismo.
Romantismo no Brasil: Ultrarromantismo
Analisar as características de Álvares de Azevedo: o desespero
5 9 17
e a profundidade. Explorar a obra de Casimiro de Abreu e seus
aspectos sincero e singelo.
Romantismo no Brasil: Condoreirismo
5 9 18 Debater sobre Castro Alves: o negro escravizado e a
indignação. Explorar a lírica amorosa do autor.
A prosa multifacetada de José de Alencar: o romance
indianista e seus heróis
Diferenciar as várias faces de estilo de Alencar e o retrato do
6 10 19
país. Descrever as fases da ficção de José de Alencar. Debater
sobre heróis do indianismo e romances indianistas, como
Iracema e O guarani.

2
A prosa multifacetada de José de Alencar: o romance
urbano e o romance regionalista
6 10 20 Visitar o romance urbano e o regionalista (o herói sertanejo).
Analisar comparativamente alguns fragmentos dos romances
mais importantes de Alencar.
Romantismo e outras prosas
Compreender o romance honrado de Joaquim Manuel de
6 11 21
Macedo. Analisar o romance do patriarcado de Visconde de
Taunay. Estudar o folhetim regionalista de Bernardo Guimarães.

8 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Romantismo: o romance malandro de Manuel Antônio de
Almeida e a comédia de costumes de Martins Pena
6 11 22 Analisar o retrato da sociedade no romance de Manuel Antônio
de Almeida. Estudar o teatro romântico e a comédia de
costumes de Martins Pena.
Realismo em Portugal
Desvendar a arte burguesa e as características do Realismo.
7 12 23
Estudar o Realismo na Europa e a Questão Coimbrã. Conhecer
a vida e as obras de Eça de Queirós.
Realismo no Brasil
Tecer um panorama histórico-cultural do Brasil quando foi
inaugurado o Realismo com a sua linguagem questionadora.
7 12 24
Apreciar o estilo de Machado de Assis. Conhecer o conto do
Realismo, com seus traços de requinte e prestígio, bem como
as fases do conto machadiano.
Monumentos literários de Machado de Assis: Memórias
póstumas de Brás Cubas
7 13 25 Estruturar Memórias póstumas de Brás Cubas por seus
aspectos gerais, apresentação das personagens, enredo,
fragmentos das memórias e elementos da narrativa.
Monumentos literários de Machado de Assis: Quincas
Borba e Dom Casmurro
Investigar Quincas Borba pelos aspectos gerais, enredo e
7 13 26 fragmentos de uma teoria. Lançar um olhar crítico sobre

2 Bentinho e Capitu. Compreender informações gerais sobre os


personagens de Dom Casmurro. Refletir sobre a questão: o
que faz de Dom Casmurro um grande clássico da literatura?
Naturalismo: o olhar científico sobre as relações humanas
Percorrer o momento histórico do Brasil na segunda metade do
8 14 27
século XIX. Analisar as mudanças socioculturais do século XIX.
Descobrir o Naturalismo: suas origens e principais características.
O Naturalismo de Aluísio Azevedo: O cortiço
Analisar Aluísio Azevedo, sua biografia e suas principais obras
naturalistas (O mulato, Casa de pensão, O cortiço). Explorar
8 14 28 aspectos da obra O cortiço: a diversidade dos personagens
e o homem determinado pelo meio. Debater sobre o clima
dos trópicos, o português em terras brasileiras, bem como os
instintos e a animalização do ser humano.
Parnasianismo
Associar a arte do poeta ao trabalho do ourives. Entender o
9 15 29
Parnasianismo no Brasil. Conhecer as características do
Parnasianismo. Analisar a tríade parnasiana: poetas e poemas.
Simbolismo
Entender a premissa de que o poeta é um músico. Conhecer as
9 15 30
características do Simbolismo. Analisar o Simbolismo no Brasil:
Cruz e Sousa e Alphonsus de Guimaraens.
Pré-modernismo: entre o conservador e o moderno
10 16 31 Refletir sobre o contexto histórico. Conhecer as características do
Pré-modernismo. Estudar a lírica do período: Augusto dos Anjos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 9
MED
Continuação – Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Autores pré-modernistas: Lima Barreto e Monteiro Lobato
Observar detalhes da obra de Lima Barreto. Entender o
10 16 32
nacionalismo utópico de Triste fim de Policarpo Quaresma.
Analisar a obra de Monteiro Lobato.
Autores pré-modernistas: Euclides da Cunha
Compreender Euclides da Cunha e a hecatombe sertaneja.
10 17 33 Entender história, cientificismo e o rebuscamento da linguagem
em Os sertões. Marcar a divisão de Os sertões e alguns
fragmentos da obra.
Vanguardas europeias
Percorrer o início turbulento do século XX na Europa. Desvendar
10 17 34

2
novas proposições estéticas: Futurismo, Dadaísmo, Cubismo,
Expressionismo e Surrealismo.
Modernismo em Portugal: o começo
Investigar o contexto histórico. Conhecer a literatura moderna
11 18 35 portuguesa. Analisar as gerações Orpheu e Presença, bem
como a questão do Neorrealismo. Explorar as obras de
Fernando Pessoa ortônimo.
Modernismo em Portugal: a heteronímia de Fernando
Pessoa e a prosa de José Saramago
Descrever a heteronímia de Fernando Pessoa. Diferenciar os
11 18 36 heterônimos e suas características – Alberto Caeiro: o mestre
das sensações; Ricardo Reis: o apelo clássico; Álvaro de
Campos: a fé no futuro. Estudar Fernando Pessoa revisitado:
Saramago e O ano da morte de Ricardo Reis.
Modernismo no Brasil/Primeira geração: rupturas e transgressões
Incursionar pelo contexto histórico: a modernização do país e
as agitações políticas. Examinar a Semana de Arte Moderna,
12 19 37
com os precursores e heróis do Modernismo. Conhecer
as características da produção literária do Modernismo, os
manifestos e suas proposições.
Heróis do Modernismo no Brasil: Mário de Andrade
12 19 38 Entender Mário de Andrade: o lirismo paulistano e o Brasil
redescoberto.
Heróis do Modernismo no Brasil: Oswald de Andrade
12 20 39 Interpretar Oswald de Andrade e sua crítica irônica e corrosiva.

3 Medir novas estruturas para a prosa brasileira.


Heróis do Modernismo no Brasil: Manuel Bandeira
Desenvolver o perfil literário de Manuel Bandeira e entender seu
12 20 40
lirismo para as pequenas coisas, com análise e interpretação
de alguns poemas.
Modernismo no Brasil/Segunda geração: a poesia da
transcendência e das causas sociais
Conhecer o contexto histórico do movimento: guerras no
mundo, crises econômicas, desajustes no Brasil. Debater
13 21 41
sobre o contexto estético: a cena cultural nos grandes centros
brasileiros e o intercâmbio entre as duas primeiras gerações
modernistas. Explorar as características da produção literária
da segunda geração do Modernismo brasileiro.

10 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Modernismo no Brasil/Segunda geração: a poesia da
transcendência e das causas sociais – Drummond: entre
Lobo e Cão
13 21 42 Avaliar o perfil literário de Carlos Drummond de Andrade e o
vasto temário da poesia do autor. Desvendar a poesia gauche,
a poesia social e a poesia metafísica. Fazer análise de alguns
poemas.
Modernismo no Brasil/Segunda geração: a poesia da
transcendência e das causas sociais – os cantos de
Vinícius e Cecília
13 22 43
Identificar o perfil literário dos autores dessa geração: Cecília
Meireles e a transitoriedade da existência; Vinícius de Moraes
e a poesia dos apaixonados.
Modernismo no Brasil/Segunda geração: a poesia da
transcendência e das causas sociais – a poesia surreal de
Murilo Mendes e Jorge de Lima
13 22 44
Entender Jorge de Lima e Murilo Mendes: religiosidade e

3
engajamento social. Interpretar os Poemas negros: Jorge de
Lima e o afeto pelos desvalidos.
O romance regionalista do Modernismo: a prosa de Rachel
de Queiroz
Resgatar o contexto histórico: as tragédias naturais no Brasil.
14 23 45 Analisar o contexto estético: os escritores nordestinos e os
sucessos editoriais. Conhecer as características da prosa
regionalista modernista. Investigar o perfil literário de Rachel
de Queiroz: os heróis e as heroínas do sertão.
O romance regionalista do Modernismo: Jorge Amado e
Erico Verissimo
14 23 46
Descobrir os costumes e as mazelas da Bahia presentes na literatura
de Jorge Amado. Conhecer o Sul regional de Erico Verissimo.
O romance regionalista do Modernismo: José Lins do Rego
14 24 47 Explorar o perfil literário de José Lins do Rego e as memórias
dos tempos do engenho.
O romance regionalista do Modernismo: Graciliano Ramos
14 24 48 Identificar o perfil literário de Graciliano Ramos e a secura da
linguagem. Investigar o tempo, o espaço e o homem da seca.
Guimarães Rosa e a reinvenção da linguagem da prosa
regionalista: contos e novelas
15 25 49 Conceituar a prosa pós-moderna e os experimentalismos
linguísticos. Debater sobre os contos e as novelas: Primeiras
estórias, Corpo de baile e Sagarana.

4
Guimarães Rosa e a reinvenção da linguagem da prosa
regionalista: Grande sertão
15 25 50
Analisar os aspectos regional e universal e definir a obra Grande
sertão: veredas e o sertão profundo.

Clarice Lispector e os sentidos da existência: contos


15 26 51 Obter conhecimento sobre o perfil literário da autora. Entender
as epifanias nas obras Laços de família e Felicidade clandestina.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 11
MED
Continuação – Português – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Clarice Lispector e os sentidos da existência: romances
Uma estrutura de prosa que se repete: introspecção e epifania
15 26 52
nos romances. Interpretar A paixão segundo G. H. e A hora da
estrela.
João Cabral e a engenhosidade do poema
15 27 53 Estudar os metapoemas e a composição milimétrica da poesia.
Estimar o sucesso de Morte e vida severina.
O Concretismo e seus desdobramentos
Analisar o aspecto verbi-voco-visual da poesia concretista e a
15 27 54
interatividade do Neoconcretismo. Abordar o poema-processo
e a poesia-práxis.
A poesia de Ferreira Gullar e o discurso politizado
Conhecer o intimismo e a preocupação social. Fazer um
16 28 55
estudo de fragmento do Poema sujo. Refletir sobre a geração
engajada dos anos 1960, a poesia marginal e o Tropicalismo.
Novas prosas e poesias: Lygia Fagundes Telles e Adélia

4 16 28 56
Prado
Discutir os romances e contos de Lygia Fagundes Telles.
Analisar a poesia de Adélia Prado.
Contistas e cronistas a partir de 1960: as crônicas de Rubem
Braga e os contos de Dalton Trevisan e Rubem Fonseca
16 29 57
Descrever as crônicas de Rubem Braga. Explorar os contos de
Dalton Trevisan e Rubem Fonseca.
O conto contemporâneo
16 29 58 Explorar o conto maravilhoso de Murilo Rubião e J. J. Veiga e o
conto intimista de Caio Fernando Abreu.
O teatro do século XX
Compreender o psicológico, o mítico e o trágico no teatro de
16 30 59 Nelson Rodrigues. Especificar os marginalizados do teatro de
Plínio Marcos. Entender o medievalismo no teatro de Ariano
Suassuna.
A literatura africana de língua portuguesa
16 30 60 Analisar a poesia: principais temas e autores. Conhecer obras
em prosa de Pepetela e Mia Couto.

12 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Redação

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
As peças que compõem o texto
Trabalhar com as noções de tipologia textual, mostrando ao
aluno que são ferramentas para a construção posterior de
1 1 1e2
um gênero textual. Explorar gênero textual da forma que é
produzido em uma situação de comunicação qualquer. Refletir
sobre intenção, interlocução, veículo e situação de produção.
Quando a prova pede um gênero textual
Conhecer como uma proposta de texto que exige a produção
de um gênero textual não previamente especificado apresenta
a coletânea e os comandos ao aluno. Compreender a função
da proposta da coletânea como texto-fonte para outro
2 2 3e4 gênero. Identificar como usar as informações da coletânea
de acordo com os comandos da proposta: elas precisam
estar explícitas no texto final sem que sejam uma cópia.
Identificar se o texto da proposta solicita o uso de uma ou de
outra ferramenta-base de produção textual de acordo com a
intenção e com o(s) interlocutor(es).
A dissertação de vestibular
Conhecer quais ferramentas podem ser mobilizadas para
construir a dissertação observando a preponderância
3 3 5e6 da argumentação. Pormenorizar as diferenças entre a
dissertação de vestibular e de outros gêneros próximos.
Diferenciar subjetividade de objetividade na sustentação de
Único

posicionamentos.
Dissertação argumentativa
Identificar os comandos de uma dissertação argumentativa.
Compreender o que é e para que serve uma coletânea quando
4 4 7e8
são exigidos argumentos. Identificar a diferença entre assunto
(mais amplo) e tema (mais específico). Abordar a ideia de
tangenciamento do tema.
Leitura da coletânea
Perceber, a partir da prova do ITA de 2014, como, em
alguns casos, é necessária uma leitura atenta da coletânea,
5 5 9 e 10
depreendendo não só o conteúdo dos textos que a compõem,
mas também as relações que eles travam entre si para compor
um tema específico.
A composição básica da dissertação
Entender o que é um parágrafo. Identificar as partes do texto
6 6 11 e 12
dissertativo (introdução, desenvolvimento e conclusão) e
compreender suas funções.
Introdução I: o ponto de vista
Distinguir opinião subjetiva de ponto de vista (ou tese).
Diferenciar a tese de simples constatações. Responder
corretamente ao comando da proposta (propostas analíticas
× propostas morais). Compreender a importância do recorte
7 7 13 e 14
temático (não incluir tudo o que se sabe ou pensa sobre
um assunto). Entender a força de uma tese e o potencial
argumentativo (algumas afirmações são de fácil defesa e
outras demandam argumentação mais elaborada). Perceber
o ponto de vista como uma interpretação possível.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 13
MED
Continuação – Redação

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Introdução II: a contextualização
Compreender o papel da contextualização: apresentar ao leitor
o assunto que será abordado, fornecendo elementos mínimos
necessários para que se possa acompanhar a discussão
8 8 15 e 16
proposta pelo texto. Elaborar a contextualização de modo que
ela caminhe em direção à tese e termine nela. Reconhecer
alguns tipos de contextualização, como histórica, narrativa,
definição, acontecimento recente, citação e descrição.

Contextualizar e se posicionar em uma proposta real


9 9 17 e 18 Conhecer as possibilidades de construção de teses e de
contextualizações a partir da coletânea de uma proposta real.

A composição básica da dissertação


Compor a tese como um desenho do planejamento da
dissertação. Refinar a tese em duas partes, compreendendo
10 10 19 e 20 a função de cada uma delas no desenvolvimento. Elaborar os
parágrafos de desenvolvimento com a coesão já esboçada
pelas partes da tese. Entender a conclusão como decorrência
do que já foi exposto.
O planejamento em foco: análise de textos
Destacar os usos do planejamento na organização textual a
11 11 21 e 22
partir da análise de duas dissertações reais produzidas para
Único

as provas do Enem de 2015 e da Fuvest de 2014.

Argumentação I: temas e culturas


Apresentar a ideia das características sociais como algo
frequentemente exposto em propostas anteriores, por
debates cotidianos e textos muito diversos. Conhecer
12 12 23 e 24 possíveis características da nossa sociedade. Identificar uma
possibilidade de construção argumentativa a partir da relação
entre uma dessas características e o tema proposto. Identificar
a mesma característica em recortes temáticos diferentes.
Observar um mesmo tema a partir de características diversas.

Argumentação II: relações entre ideias


Perceber como é possível construir linhas argumentativas
13 13 25 e 26
diversas a partir das mesmas ideias, alterando, apenas, as
relações entre estas.
A estrutura interna dos parágrafos
Reconhecer a estrutura-padrão de um parágrafo dissertativo,
com o tópico frasal, a expansão e o fecho. Definir, na
14 14 27 e 28
expansão, o que são o argumento e a concretização desse
argumento. Identificar as proporções tomadas por cada uma
dessas partes no parágrafo.
A reinvenção da estrutura
Conhecer parágrafos com organizações diversas da
estrutura-padrão. Atentar para a manutenção da proporção.
15 15 29 e 30
Desenvolver estratégias para a concretização: o exemplo
desenvolvido, o exemplo diluído e as evidências. Analisar
parágrafos com essas estruturas mais flexíveis.

14 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Redação

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada

Propostas baseadas em textos verbo-visuais


Enfocar a análise da imagem fornecida pela proposta,
16 16 31 e 32 retomando o trabalho com as características sociais. Identificar
aspectos da sociedade como ferramentas de interpretação da
coletânea. Analisar algumas evidências trazidas pela imagem.

Análise de textos: a evolução argumentativa


Analisar três redações com diferentes níveis argumentativos
a partir de um mesmo tema. Em textos com linguagem e
17 17 33 e 34
estruturação mais ou menos equivalentes, as diferenças nas
maneiras e estratégias de desenvolvimento argumentativo
poderão ser observadas com mais cuidado.

Polêmicas
Observar a construção de uma coletânea quando o tema
se refere a questões caras aos Direitos Humanos, sem que,
18 18 35 e 36 necessariamente, seja criada uma intervenção pelo aluno.
Notar que a proposta se dá na forma de uma pergunta, a qual
deve ser respondida. Debater as condições para elaborar
refutações como estratégia argumentativa.
Único

Conclusão I: fechamento
Observar que a proposta é o que define o tipo de conclusão
a ser escolhida. Elaborar o último parágrafo do texto a partir
19 19 37 e 38
da retomada da tese. Analisar as possibilidades de construir a
conclusão a partir de uma inferência lógica oriunda das ideias
trazidas anteriormente pelo texto.

Conclusão II: abertura


Apresentar a conclusão por proposta de intervenção, como
é solicitado na prova do Enem. Perceber a importância da
estrutura para a organização desse gênero de conclusão:
20 20 39 e 40
o tópico frasal e a expansão cuidadosa são úteis. Observar
que as intervenções apresentadas tendem a ser melhores
conforme vão dialogando com o conteúdo presente
anteriormente na redação.

Análise da conclusão
Notar, a partir de dois textos prontos, como a mudança no
21 21 41 e 42
comando da prova influencia diretamente no planejamento e
na construção lógica da conclusão.

Sofisticação textual
Identificar a possibilidade de utilização de uma narrativa como
metáfora para elaborar a contextualização e como gancho
22 22 43 e 44
para redigir a conclusão. Perceber a possibilidade de criação
de um campo semântico que percorra o texto, ampliando a
gama lexical e as estratégias coesivas.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 15
MED
Continuação – Redação

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Refinos de linguagem I
Utilizar-se da repetição de palavras, um equívoco comum,
para o aprofundamento dos conceitos principais de uma
proposta de redação. O que seria uma mulher, por exemplo?
O que seria a violência contra ela? Construir mais facilmente a
contextualização por meio da abertura desses conceitos. Notar
que é comum usar as características sociais já trabalhadas
23 23 45 e 46
ao longo da redação e repetir exaustivamente as mesmas
palavras. Ampliar, portanto, conceitos de individualismo,
trabalho, homem, consumo, produtividade, entre outros,
afim de trazer densidade argumentativa à produção textual
e sofisticar a sua linguagem. Desenvolver a formulação de
perífrases para substituição ao longo do texto e exemplificar
as diferenças desse refino.
Refinos de linguagem II
Estudar elementos anafóricos e catafóricos. Ressaltar a
importância da precisão na escolha de sinônimos, na utilização
24 24 47 e 48 de pronomes, de ocultamentos vocabulares. Discutir a escolha
vocabular: a precisão ao selecionar as palavras-chave do
texto é essencial para apresentar a ideia defendida. Analisar
exemplos de parágrafos problemáticos e refeitos.
Único

Construindo a dissertação
Construir uma dissertação inteira a partir de uma proposta
25 25 49 e 50
real, com leitura da coletânea, elaboração da tese e do
planejamento, redação do rascunho e sofisticação.
Grades de correção I: dissertação clássica
Conhecer os principais critérios de avaliação e os pesos que
comumente são conferidos a cada um deles. Discutir dúvidas
26 26 51 e 52
frequentes relativas a título e número de linhas e saber
reconhecer o que é tecnicamente necessário para cumprir as
tarefas.

Grades de correção II: Enem


27 27 53 e 54 Conhecer, uma a uma, as competências para avaliação no
Enem, com sugestões de refino.

Grades de correção III: gêneros textuais


Conhecer como se constrói a grade de avaliação de uma
prova que pode solicitar qualquer gênero textual. Estudar as
noções de propósito, interlocução e gênero, as quais, apesar
de serem utilizadas abertamente pela Comvest, podem guiar
28 28 55 e 56 o olhar para a produção textual. Analisar redações acima da
média, abaixo da média e anuladas de duas propostas já
apresentadas pela Comvest. Compreender os usos da norma
culta para os mais diversos objetivos textuais. Fazer possíveis
ressalvas ao encontrar outros vestibulares que também
abordem gênero.

16 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Redação

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Revisão I
Revisitar as primeiras aulas do curso, refletindo sobre o que
se mobiliza para construir cada tipo de raciocínio relacionado
Único

29 29 57 e 58 a gêneros textuais. Discutir as propostas em diálogo, e não


isoladamente, relembrando que as diversas ferramentas
textuais de que o aluno já dispõe podem sempre ser
recombinadas para a execução dos textos.
Revisão II
Relembrar a estrutura-padrão de uma dissertação e de seus
30 30 59 e 60 parágrafos constitutivos, com ênfase à função da tese como
organizadora do raciocínio que se seguirá por toda a produção
textual.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 17
MED
Interpretação de texto

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Aspectos do texto I
1 1 1
Introduzir os aspectos do texto: o todo composto de partes.
Aspectos do texto II
1 2 2 Introduzir os aspectos do texto: conhecimento de mundo,
progressão temporal, significados explícitos e implícitos.
Aspectos do texto III
1 3 3
Introduzir os aspectos do texto: nível fundamental.
A descrição
2 4 4
Tratar do tipo de texto: descrição.
Narração
2 5 5
Tratar do tipo de texto: narração.
Narração e dissertação
2 6 6
Tratar dos tipos de texto: narração e dissertação.
Dissertação
2 7 7
Tratar do tipo de texto: dissertação.
Narratividade
3 8 8
Conceituar e estudar narratividade.

Figuras de linguagem ligadas aos aspectos fonéticos


Único

4 9 9 Apresentar as figuras de linguagem ligadas ao aspecto fonético:


paranomásia, aliteração, assonância e onomatopeia.

Figuras de linguagem ligadas aos aspectos sintáticos


Apresentar as figuras de linguagem ligadas ao aspecto sin-
4 10 10 tático: elipse, zeugma, pleonasmo, anáfora, polissíndeto, as-
síndeto, silepse, hipérbato, anacoluto, quiasmo, apóstrofe e
paralelismo.
Funções da linguagem I
5 11 11 Conceituar as funções da linguagem: emotiva, apelativa e
poética.
Funções da linguagem II
5 12 12 Conceituar as funções da linguagem: metalinguística, referencial
e fática.
Categorias de mundo I
6 13 13 Discutir as categorias de mundo: pessoa-tempo-espaço.
Definir objetividade e subjetividade: efeitos da realidade.

Categorias de mundo II
Discutir as categorias de mundo: troca de pessoa, troca de
6 14 14
espaço, troca de tempo (embreagens). Estudar os marcadores
temporais e espaciais.

Temas e figuras I
6 15 15
Conceituar temas e figuras: textos temático e figurativo.
Temas e figuras II
6 16 16
Conceituar temas e figuras: percursos temático e figurativo.

18 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Interpretação de texto

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Discurso, interdiscursividade e propaganda ideológica
7 17 17 Discurtir os conceitos de discurso, interdiscursividade e pro-
paganda ideológica.
Diálogos entre textos: intertextualidade
7 18 18
Discutir o conceito de intertextualidade.
Texto, ideologia e argumentação
7 19 19
Estudar os tipos de argumento.
Nível da expressão I
8 20 20 Apresentar o nível da expressão. Conceituar signos verbal e
visual.
Nível da expressão II
8 21 21
Estudar os recursos visuais e seus efeitos de sentido.
Nível da expressão III
8 22 22
Estudar as relações entre arte e linguagem.
Implícitos, ambiguidade e semântica I
9 23 23
Discutir os conceitos de pressuposto e subentendido.
Único

Implícitos, ambiguidade e semântica II


9 24 24
Discutir a ambiguidade.
Implícitos, ambiguidade e semântica III
9 25 25
Estudar a semântica.
Variação linguística I
10 26 26
Estudar comunicação oral e comunicação escrita.
Variação linguística II
10 27 27
Estudar o coloquial e o culto.

Coesão
Definir coesão. Apresentar os tipos de coesão: por anáfora,
11 28 28
catáfora, sinonímia, conectivos, elipse, repetição de termos,
paralelismo e intertextualidade.

Coerência e concisão
12 29 29 Definir coerência e concisão. Abordar formas e mecanismos
de coerência e concisão.
Figuras da linguagem ligadas ao aspecto semântico
Apresentar as figuras da linguagem ligadas ao aspecto
13 30 30 semântico: metáfora, alegoria, metonímia, símbolo, perífrase,
eufemismo, antítese, paradoxo, sinestesia, hipérbole, ironia e
alusão.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 19
MED
Inglês

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Sua história, minha história
Identificar a tipologia e a ordem dos adjetivos. Apresentar os
comparativos de igualdade (as... as), inferioridade (less... than)
1 1 1e2 e superioridade (-er/more... than). Apontar os superlativos (the
most.../the...-est/the least...). Entender os adjetivos compostos
e sufixos especiais. Estudar orações adjetivas. Explicar o uso
dos verbos que acompanham os adjetivos.
Inglês, uma língua global
Enunciar os conectores: contraste, adição, causa e
2 2 3e4 consequência, finalidade, tempo, comparação, exemplificação
e conformidade. Listar alguns casos especiais, como despite/
In spite of e as. Apresentar as orações reduzidas.
É o mesmo em inglês?
3 3 5e6 Definir as estruturas cognatas. Indicar os principais falsos
cognatos.
Notícias de todo o mundo
Apresentar os seguintes tempos verbais: Simple Present;
4 4 7e8
Present Progressive (or Continuous); Non-progressive verbs.
Estudar vocabulário: problems and solutions.

Muito texto e pouco tempo


5 5 9 e 10
Discutir causa e consequência; comparação e contraste.

Desvendando os textos e seus detalhes

1 6 6 11 e 12 Rever elementos como: this, these; that, those; so, such; the
former, the later; issue, subject, belief. Listar verbos auxiliares.
O texto e seu visual
Mostrar alguns sinais de pontuação: ellipsis; double quotation
marks and single quotation marks, or inverted commas;
7 7 13 e 14 parentheses or brackets; colon; dash; comma; semicolon;
hyphen. Apresentar tamanho e tipos de fonte. Conceituar a
linguagem das novas tecnologias, como hashtag, emoticons
e emoji.
Personagens que fizeram história
Indicar o uso de Past Simple, verbos regulares, verbos
8 8 15 e 16 irregulares, auxiliar did, Past Progressive (or Continuous),
Non-progressive verbs e correlação entre Past Progressive e
Past Simple. Conceituar Used to/Would (Always).
Interpretando e organizando o passado
9 9 17 e 18 Definir Past Perfect Simple, Past Perfect Progressive (or
Continuous) e Non-progressive verbs.
Me, myself and I
10 10 19 e 20 Apresentar Who we are; Who they are. Estudar indefinite
pronouns, demonstratives e relative pronouns.
O presente e o passado em conexão
Apontar The Present Perfect (Simple); The Present Perfect
11 11 21 e 22
Progressive (or Continuous); Present Perfect Simple ou
Progressive? Present Perfect ou Past Simple?

20 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Inglês

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada

Mudando o foco
12 12 23 e 24
Conceituar vozes verbais e os objetos indiretos.

Letting the cat out of the bag


Identificar o papel das expressões idiomáticas para a
13 13 25 e 26 linguagem proverbs e idioms: proverbs e idioms similares a
expressões em português; proverbs e idioms de significado
transparente e proverbs e idioms de significado menos óbvio.
Get away, get around, get along
Apresentar as preposições. Exemplificar multi-word verbs;
14 14 27 e 28
multi-word verbs: phrasal verbs or prepositional verbs. Indicar
a lista de multi-word verbs mais comuns.
It ain’t the Queen’s English
Discutir os mitos: British English is more sophisticated than
American English; speakers of non-standard English are
unintelligent or less cultured; educated native speakers always
speak standard English; standard English is superior to other
15 15 29 e 30 varieties. Apontar os tipos de variação linguística: variação
diatópica, ou regional; variação diafásica, ou situacional;
variação diastrática, ou sociocultural; variação diacrônica, ou

1
histórica. Enunciar os tópicos: understanding non-standard
English: double negatives; ain’t; come ‘ere; real awesome!;
free o’clock; where are them people?; me name is...; spelling.
Sentimentos, ideias, impressões
16 16 31 e 32 Conceituar stative (or state) verbs: casos especiais e verbos
com mais de um sentido. Definir verb patterns e other patterns.
Gender equality
Citar os principais verbos que aceitam dois verb patterns com
diferença de sentido: go on, mean, regret, forget, stop, try,
17 17 33 e 34
want. Indicar o uso de: hate, like, love, prefer; feel, hear, see,
watch; let, make, help; would × would like/love.
Explicar get, have.
If I had the chance…
Exemplificar as situações possíveis no futuro e as suas
condições: the zero conditional; the first conditional. Apresentar
as situações imaginárias no futuro e as suas condições: the
second conditional. Discutir as situações no passado e as suas
18 18 35 e 36 hipóteses: the third conditional. Conceituar Mixed conditionals:
combinações possíveis. Prosseguir os estudos com outros
pontos importantes sobre conditionals: principais conjunções e
expressões condicionais. Descrever o uso de: should, happen
to or should happen to; inversions; other cases: if only e in case
× if; conditional or ordinary structure? Estudar a lista de palavras.

I should have known better


19 19 37 e 38 Definir present wishes; wish – past regrets; future wishes;

2
reclamações; if only…

Laboriously handcrafted items


20 20 39 e 40 Mostrar os principais prefixos, sufixos e unidades lexicais
relevantes.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 21
MED
Continuação – Inglês

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Benefit freeze ‘to hit 2m families’
Explanar as características do jornalismo, como a estrutura do
texto jornalístico, as metáforas e a linguagem das headlines.
Discutir o assunto “o jornalismo e a internet”. Identificar
21 21 41 e 42 os principais tópicos mencionados pelo jornalismo: world,
education, sports, technology, environment, business, arts and
entertainment.
Expor outras palavras comuns no jornalismo e algumas
abreviações.
Too much talk, too little action
Indicar os substantivos contáveis e incontáveis (countable e
22 22 43 e 44
uncountable). Estudar o uso de much ou many; few ou little;
some, any ou no.

Pensando no futuro
23 23 45 e 46
Expressar o uso de will e shall.

Ups and downs


Apontar as principais unidades de medida em inglês. Explicar
24 24 47 e 48
como são usados os números no texto jornalístico: describing
trends. Descrever o business vocabulary.

You might be right!

2
25 25 49 e 50 Estudar o uso de quatro verbos modais: can, may, could e might
(possibilidade e probabilidade; habilidade; permissibilidade).

Um passado desconhecido?
Enunciar: should have; would have; could have, may have,
26 26 51 e 52
might have. Apresentar a maneira de usar: must have, can’t
have, couldn’t have.
A linguagem da ciência
Descrever a formação da voz passiva: the Past Participle.
27 27 53 e 54 Discutir termos relacionados à linguagem da ciência: the
human body; agriculture, flaura & fauna; outros termos
relacionados; the outer space; cell biology & genetics.
Getting your message across
Indicar alguns conectores (connectors), como while, although,
28 28 55 e 56
but, therefore. Explicar o usos dos pronomes pessoais e dos
pronomes relativos.
A little bird told me...
Rever pronomes e tempos verbais. Discutir expressões
29 29 57 e 58
temporais. Estudar reporting questions, reporting orders e
reporting verbs.
This is thought to be important
Exemplificar o uso de seem, appear e look. Identificar verbos
30 30 59 e 60
para citar uma fonte de informação, sem que o sentido da
frase seja modificado. Retomar passive verbs.

22 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Espanhol

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Hablando de arte
Apresentar palavras e expressões utilizadas em um
1 1 1e2 restaurante ou entre amigos. Estudar os artigos el e lo.
Estudar os heterotônicos. Ler texto sobre Francisco de
Goya e Antonio Carnicero.

¿Cómo llego a...?


Apresentar palavras e expressões utilizadas para pedir
2 2 3e4 informação. Estudar os advérbios de lugar, de tempo e de
modo. Estudar os falsos cognatos. Ler sobre o surgimento da
cerâmica.

Los cambios
Apresentar palavras e expressões utilizadas em uma
cafeteria ou em um restaurante. Estudar os numerais
3 3 5e6
cardinais. Estudar os pronomes possessivos. Estudar os
verbos irregulares no presente do indicativo. Ler texto
sobre as coisas que já não existem mais.

¡Pronto se casa!
Apresentar palavras e expressões utilizadas em diálogos
entre amigos. Estudar o verbo tener no presente do
4 4 7e8
Único

indicativo. Estudar os verbos reflexivos: acordarse, casarse.


Estudar as regras de colocação pronominal. Apresentar os
objetos de uma casa.

Voy a viajar
Apresentar palavras e expressões utilizadas para falar de
5 5 9 e 10 viagem. Conhecer a Venezuela. Estudar o futuro: ir + a.
Conhecer maneiras de expressar necessidade: deber +
infinitivo. Ler textos sobre as frases de turistas.

El turismo
Ler uma entrevista. Ler sobre o agroturismo. Estudar alguns
6 6 11 e 12
pronomes e adjetivos indefinidos. Estudar o presente do
indicativo (regulares e irregulares). Ler sobre o turismo rural.

¿Cómo me queda?
Apresentar palavras e expressões utilizadas em compras.
7 7 13 e 14
Estudar o verbo quedar. Estudar vocabulários relacionados
ao vestuário e à alimentação.

El arte y la vida
Conhecer um pouco sobre o tango e sobre Gardel. Estudar
8 8 15 e 16
o verbo gustar no presente do indicativo. Conhecer a origem
do tango.

Los ritmos musicales


9 9 17 e 18 Ler diálogos sobre ritmos musicais. Trabalhar o léxico: falando
de gostos. Conhecer o lunfardo e a salsa.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 23
MED
Continuação – Espanhol

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
El mundo literario
Aprender como contar a biografia de alguém. Estudar o pretérito
10 10 19 e 20
indefinido (regular e irregular). Conhecer a biografia de Gabriel
García Marquez (Gabo).

El passado
Aprender a se expressar no passado. Estudar o contraste dos
11 11 21 e 22
pretéritos. Conhecer o livro Cien años de soledad. Conhecer
um pouco sobre Gabo.

Estoy conectado
Falar um pouco sobre internet. Estudar a perífrase verbal.
12 12 23 e 24
Estudar o futuro imperfeito dos verbos regulares. Estudar o
léxico da internet.

La vida fuera de la Tierra


Ler texto em que dois amigos falam sobre a crença de vida fora
13 13 25 e 26
da Terra. Estudar o futuro imperfeito dos verbos irregulares.
Ler texto sobre os extraterrestres.

¡Esto me enferma!
Único

Ler um diálogo sobre estados de ânimo. Estudar as locuções


14 14 27 e 28
verbais com cores que expressam estados de ânimo. Ler
sobre gênio, caráter e humores diferentes.

El paro
15 15 29 e 30 Apresentar palavras e expressões utilizadas para pedir e dar
opinião. Estudar o gerúndio. Ler sobre o desemprego (el paro).

Ahora se pone
16 16 31 e 32 Ler uma conversação telefônica. Estudar o modo condicional
simples. Estudar expressões de boa educação e civilidade.

Borges: um escritor genial


17 17 33 e 34 Falar sobre literatura. Estudar o condicional irregular. Conhecer
Jorge Luis Borges.

El mercado laboral
18 18 35 e 36 Ler uma entrevista. Estudar o imperativo afirmativo. Estudar
colocação pronominal. Ler sobre o mercado laboral.

El fútbol
Ler sobre o futebol como alegria do povo. Estudar o modo
19 19 37 e 38
subjuntivo. Estudar os marcadores que introduzem o subjuntivo:
ojalá.../qué… Ler sobre os mundiais de futebol e o nacionalismo.

El planeta: presérvalo
20 20 39 e 40 Ler sobre a conservação ambiental. Estudar os verbos no
pretérito pluscuamperfecto. Ler sobre a consciência ambiental.

24 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Espanhol

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Los engaños de las lenguas
21 21 41 e 42 Ler um diálogo. Estudar os heterossemânticos. Ler sobre
chamadas a cobrar e à distância.
¡Estos hijos!
Falar sobre filhos. Estudar as conjunções copulativas-
22 22 43 e 44
disyuntivas-distributivas. Ler sobre as lembranças de criança,
de ontem e de hoje.
Los niños y sus derechos
Ler sobre os direitos da criança e do adolescente. Estudar as
23 23 45 e 46
preposições en, hacia, hasta e sobre. Falar sobre democracia,
liberdade e direitos.
La Patagonia: paraíso
Ler sobre a Patagônia argentina e chilena. Recordar os usos
24 24 47 e 48
do condicional simples. Ler sobre mapuches, tehuelches e
pampas.
Mis amigos virtuales
Único

25 25 49 e 50 Ler sobre a internet e a liberdade. Estudar o pretérito perfeito


e o indefinido. Ler sobre estilos de vida no século XXI.

La mía sí
Apresentar palavras e expressões utilizadas ao tomar café
26 26 51 e 52
com os amigos. Estudar os adjetivos possessivos. Discutir as
mudanças trazidas pelas novas tecnologias.

Comer mejor
27 27 53 e 54 Ler sobre os alimentos orgânicos. Recordar os numerais
cardinais e os ordinais. Ler texto sobre uma dieta mais saudável.

¡Qué linda es Barcelona!


28 28 55 e 56 Ler sobre Barcelona. Revisar os heterotônicos e heterossemân-
ticos. Ler sobre os artistas espanhóis.

Español: ¿dos lenguas?


Ler sobre as diferenças do idioma espanhol na Espanha e na
29 29 57 e 58 América. Estudar as diferenças entre quedar e quedarse.
Ler sobre as variantes linguísticas na América e na Penísula
Ibérica.
El universo de las letras
Ler sobre o mundo dos livros. Estudar o pretérito perfecto
30 30 59 e 60
e o pluscuamperfecto. Ler sobre os heróis e as tumbas de
Ernesto Sábato.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 25
MED
Arte – Frente 1 – Música

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Revisão dos elementos básicos da música, Antiguidade e
mundo grego
1 2e4 1e2
Introduzir os elementos básicos da música. Definir aspectos
teóricos da técnica musical.
Estudar a música da Pré-história. Verificar registros arqueológi-
1 6 3 cos de práticas musicais dessa época. Relacionar música e civi-
lização.
Estudar a música da Antiguidade. Conhecer conceitos poéticos
1 8 4 e estéticos na Grécia antiga: Pitágoras. Verificar registros
arqueológicos de práticas musicais na Antiguidade.
Idade Média e Renascença
2 10 5 Estudar a música da Idade Média. Conhecer as exposições
histórica e estética e o pensamento polifônico.
2 12 6 Conhecer os gêneros da música medieval: Ars Nova.

Estudar a música da Renascença. Conhecer as exposições


2 14 7 histórica e estética. Conhecer os gêneros de música
renascentista, os compositores do período e os intervalos.

Trajetórias musicais entre os séculos XVII e XIX


Único

Estudar a música barroca. Conhecer as exposições histórica e


3 16 8
estética. Conhecer os gêneros da música desse período e seus
compositores.
Estudar a música do Classicismo. Conhecer as exposições
3 18 9 histórica e estética. Conhecer os gêneros da música clássica e
os compositores de estilo galante do período.
Estudar a música romântica. Conhecer as exposições histórica e
3 20 10 estética. Conhecer os gêneros da música desse período e seus
compositores.
Conhecer a música romântica. Conhecer as composições de
Wagner (representante do Romantismo tardio, nacionalismo).
3 22 11
Conhecer a música romântica no Brasil e a orquestra do período
Romântico.
Diversidades e adversidades na música do século XX
4 24 12 Estudar a música do século XX. Conhecer as exposições históri-
ca e estética. Apresentar o Impressionismo e o politonalismo.
Estudar a música eletrônica, o Neoclassicismo, a Música
4 26 13
aleatória e o Minimalismo.
Expor a cronologia da evolução de gêneros de música popular.
4 28 14 Estudar as vanguardas, o Rock e a Música Popular Brasileira
(MPB) – a Bossa Nova, o Choro, o Samba etc.
Apresentar um breve cenário da produção de música no contexto
4 30 15
contemporâneo, com enfoque na indústria x arte e no MP3.

26 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Arte – Frente 2 – Artes Plásticas

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada

Os elementos básicos para compreensão da história e da


estética das artes visuais
Estudar os princípios da história e estética das artes visuais do
1 1 1
Ocidente. Estudar os elementos básicos para compreensão
da história e da estética das artes visuais. Discutir a noção de
belo, o contexto das histórias e o senso de primitividade.

A origem do “gosto”. O Egito e a raiz da arte ocidental.


Mesopotânia
2 3 2
Estudar a arte do Egito e a raiz da arte ocidental. Estudar a
arte da Mesopotâmia.
A Grécia e o Império Romano
3 5e7 3e4 Estudar a arte em Creta, Grécia, e o mundo grego. Estudar a
arte do Império Romano.
Bizâncio e o mundo oriental
4 9 5 Estudar a arte de Bizâncio e o mundo oriental. Compreender a
arte islâmica como modelo de uma nova crença.
Arte medieval saxã, carolíngia-otoniana, romântica e gótica
5 11 6 Estudar a arte medieval: saxã, carolíngia-otoniana, romântica
e gótica.
Único

O que Marco Polo e Jean de Mandeville não relataram


sobre a China
6 13 7
Estudar a arte do Oriente sob o olhar dos viajantes: Marcopolo
e Jean de Mandeville. Estudar a China e suas influências.
Giotto e a Pré-Renascença
Conhecer importantes artistas do período: Giotto e o primeiro
7 15 e 17 8e9
Renascimento. Estudar a arte no Trecento e no início do
Quattrocento.
Os séculos das descobertas
Estudar a arte no século XV. Estudar a Alta Renascença do
século XVI: o Maneirismo e o Renascimento internacional.
8 19 10
Apresentar a imagem do novo mundo e as civilizações
americanas sob o olhar europeu. Conhecer aspectos da arte
pré-colombiana.
O Barroco
Estudar o Barroco e suas raízes. Conhecer importantes
artistas e os gêneros das imagens do período. Discutir
9 21 11 aspectos da América sob o projeto barroco, o desenvolvimento
das ideias desse movimento durante o século XVIII na Europa
e na América. Conhecer aspectos do Barroco Galante.

Rococó, Neoclassicismo e Romantismo


Estudar o Rococó, Neoclassicismo e Romantismo. Conhecer
o Rococó na Europa e no Brasil. Discutir aspectos do
10 23 12
Neoclassicismo, as revisões do mundo antigo e o mundo em
torno da Revolução Francesa. Estudar o Romantismo, o embate
Romantismo-Classicismo, os rubenistas e os poussinistas.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 27
MED
Continuação – Arte – Frente 2 – Artes Plásticas

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Força impressionista
Estudar o Impressionismo, suas raízes e os movimentos
11 25 13
paralelos. Conhecer as correntes pós-impressionistas e o
Expressionismo.
Os herdeiros do Impressionismo e a arte do absurdo
Único

Estudar os herdeiros do Impressionismo e a arte do absurdo.


12 27 14
Conhecer aspectos do Cubismo, Dadaísmo, Futurismo e
Surrealismo.
O contemporâneo na arte
Estudar o Abstracionismo, o Construtivismo e o design.
Conhecer e identificar o Minimalismo, a arte conceitual e a Pop
13 29 15 Art. Apresentar instalação e performance, Land art. Discutir os
novos rumos da arte: web design e os outros paradigmas
contemporâneos, os coletivos de arte e a reformulação dos
conceitos de autoria.

28 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Educação Física

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Características atuais das academias de ginástica
Conhecer práticas corporais contemporâneas (aeróbica,
localizada, musculação, pilates, treinamento funcional etc.).
1 1a4 1a4
Discutir a utilização de academias, modismos e tendências.
Conceituar e avaliar capacidades físicas. Discutir o corpo,
suas diferenças e os preconceitos.
Influência da mídia no corpo
Debater os significados predominantes no discurso da mídia
2 5a7 5a7 sobre ginástica e exercícios físicos (emagrecimento, definição
e aumento da massa muscular). Entender o papel da mídia na
definição de modelos hegemônicos de beleza corporal.

1 3 8 a 10 8 e 10
Esportes individuais
Apresentar modalidades individuais ainda não conhecidas
pelos alunos (importância da técnica e da tática no
desempenho e na apreciação do espetáculo esportivo).
Efeitos do treinamento físico
Discutir os efeitos do treinamento físico (fisiológicos, morfológicos
4 11 a 13 11 e 13 e psicossociais). Conhecer aspectos da musculação e do
aumento da massa muscular (benefícios e riscos à saúde nas
diversas faixas etárias).
Como cuidar da saúde
Conhecer fatores de risco à saúde: sedentarismo, alimenta-
5 14 a 18 14 a 18
ção, dietas e suplementação alimentar, fumo, álcool, drogas,
doping, anabolizantes, estresse e falta de repouso.
Esportes não convencionais
6 19 e 20 19 e 20 Apresentar esportes não convencionais (e populares em ou-
tros países), rugby, baseball, badminton etc.
Como o corpo é visto pela sociedade
7 21 e 22 21 e 22 Conceituar e debater visões do corpo pela sociedade, as
diferenças e os preconceitos.
Esporte e espetáculo
Debater as consequências de transformar o esporte em espe-
táculo televisivo: aumento do número de praticantes, esporte
8 23 e 24 23 e 24 como negócio, diferentes pontos de vista (jogador, torcedores
e telespectadores, jornalista, técnico etc.), significado do dis-

2
curso da mídia sobre esportes (vitória ou derrota, rendimento
máximo e recompensa, glória/ilusão) e dimensão ética.
Ginásticas alternativas
9 25 e 26 25 e 26 Conhecer ginásticas alternativas (alongamento, relaxamento,
yoga ou outra) e princípios orientadores.
Condições adequadas para a prática de atividades físicas
Discutir a necessidade de atividades físicas/exercícios e de
10 27 e 28 27 e 28 práticas esportivas em níveis e condições adequados – meio
ambiente (sociocultural e físico) – e as lesões decorrentes do
exercício físico e da prática esportiva inadequada.
Por que esportes adaptados?
Conhecer e respeitar o corpo: a cultura de movimento,
11 29 e 30 29 e 30
diferença e preconceito. Conhecer jogos e esportes adaptados
para pessoas com deficiências.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 29
MED
Matemática – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Introdução à teoria dos conjuntos
Compreender os conceitos básicos da teoria dos conjuntos:
entes primitivos, conjunto, elemento e relação de pertinência.
Formalizar as ideias de conjunto vazio, conjunto universo
1 1 1e2
e complementar de um conjunto. Praticar as operações
elementares da teoria dos conjuntos: união, interseção e
diferença. Resolver problemas clássicos de contagem utilizando
os diagramas de Euler-Venn.

Subconjuntos, relações e funções


Conceituar subconjuntos e relação de inclusão. Formalizar a
representação dos intervalos reais. Definir o conjunto das partes
de um conjunto dado e obter a expressão de sua cardinalidade.
Estudar o conceito de produto cartesiano, definindo as relações
1e2 2 3e4
cartesianas como subconjuntos de um produto cartesiano.
Apresentar as diversas representações do produto cartesiano
e das relações cartesianas nas formas: explícita, descritiva,
diagramas de setas e gráficos. Apontar as características das
relações cartesianas que definem as funções.
Funções
Estudar os conjuntos relacionados por uma função: domíno,
contradomínio e imagem. Apresentar e conceber as proprieda-
2 3 5e6
des características das funções que as classificam: constante,

1 crescente, decrescente, injetora, sobrejetora, bijetora, periódi-


ca, par e ímpar.
Funções compostas e inversas
Formalizar e conceituar a composição de funções e apresentar
aplicações. Praticar composições e decomposições de
2 4 7e8
funções. Construir o significado da função inversa – notação,
conceito, aplicações e propriedades gráficas e algébricas – e
praticar sua obtenção.
Função do 1º grau
Compreender as funções de 1º grau – conceito, representações
2 5 9 e 10 gráficas e formas algébricas – definir seus parâmetros –
coeficiente ângular e linear – e interpretá-los graficamente.
Conceituar funções lineares e funções constantes.

Função do 2° grau
Compreender as funções de 2º grau (quadráticas) – conceito,
representações gráficas e algébricas – definir seus parâmetros
– coeficiente principal, termo independente e discriminante
– e interpretá-los graficamente. Observar as relações entre
3 6 11 e 12
os coeficientes e as raízes de uma função de 2º grau e as
propriedades geométricas da parábola pertinenetes ao estudo
das funções de 2º grau, como a existência de um eixo de
simetria e um vértice. Definir as expressões que fornecem as
coordenadas do vértice de uma parábola.

30 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Matemática – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Inequações
Estudar a análise do sinal de uma função de 1º ou 2º grau
e aplicar os resultados dessa análise como ferramenta para
3 7 13 e 14 a resolução de inequações de 1º e 2º graus. Apresentar o
método de resolução de inequações na forma de produto
e quociente por meio de equivalências lógicas e quadro de
sinais.
Função exponencial
Compreender as funções exponenciais: conceito, representa-

1 4 8 15 e 16
ções gráficas e algébricas. Interpretar graficamente os coeficien-
tes a e c das funções compostas do tipo y = a ⋅ bx + c e classificar
essas funções de acordo com o sinal do coeficiente a e o inter-
valo de variação da base b (entre zero e um ou maior que um).
Interpretar graficamente o coeficiente c dessas funções e definir
a reta assíntota do gráfico desse tipo de função.
Equações e inequações exponenciais
Estudar as técnicas de resolução de equações a partir da
4 9 17 e 18 propriedade injetora das funções exponenciais e de mudanças
de variáveis. Estudar as técnicas de resolução das inequações
exponenciais.
Logaritmos
Compreender o significado do logaritmo de um número real
positivo e defini-lo algebricamente (em uma base positiva e
não unitária), observando as condições de existência impostas
5 10 19 e 20 por essa definição. Conceituar logaritmando, base e logaritmo.
Apresentar as notações dos logaritmos decimais e naturais.
Conceber as funções logarítmicas crescentes e decrescentes.
Praticar a interpretação dos gráficos das funções logarítmicas
e suas representações algébricas.
Propriedades dos logaritmos
Apresentar, compreender e praticar as principais propriedades
5 11 21 e 22 operacionais dos logaritmos, como o logaritmo do produto, do

2 quociente e de uma potência, bem como praticar a técnica de


mudança de base de um logaritmo.
Equações logarítmicas
Estudar as técnicas de resolução de equações logarítmicas por
meio da propriedade injetora das funções logarítmicas e das
5 12 23 e 24
mudanças de variáveis. Estudar as técnicas de resolução das
inequações exponenciais: alteração na relação de ordem da
inequação com o cancelamento de bases (entre zero e um).
Módulo de um número real
Compreender o módulo de um número real: conceito, definição
6 13 25 e 26 algébrica e interpretação geométrica. Estudar as funções
modulares: seu conceito e suas representações gráficas e
algébricas.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 31
MED
Continuação – Matemática – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Equações e inequações modulares
6 14 27 e 28 Estudar técnicas de resolução de equações e inequações
modulares.

Arcos trigonométricos
Introduzir conceitos básicos da trigonometria analítica: arcos
trigonométricos e suas unidades de medidas de arcos, graus
e radianos. Definir o ciclo trigonométrico e esclarecer as
7 15 29 e 30
interpretações geométricas dos arcos negativos, bem como
dos arcos maiores do que 360 graus. Estudar as técnicas
de redução ao primeiro quadrante, explorando o conceito de
arcos côngruos e algumas simetrias do ciclo trigonométrico.

Função seno
Compreender a função seno – conceito, período, domínio,
imagem e representação gráfica – e fazer a análise de seu

2
8 16 31 e 32 sinal. Estudar as funções compostas pela função seno e suas
representações gráficas. Apresentar recursos algébricos para
a obtenção do período e da imagem dessas funções a partir
dos parâmetros da composição.

Função cosseno
Compreender a função cosseno – conceito, período, domínio,
imagem e representação gráfica – e fazer a análise de seu
8 17 33 e 34 sinal. Estudar as funções compostas pela função cosseno e
suas representações gráficas. Apresentar recursos algébricos
para a obtenção do período e da imagem dessas funções a
partir dos parâmetros da composição.

Relação fundamental da trigonometria


Deduzir a relação fundamental da trigonometria a partir do
teorema de Pitágoras e das simetrias do ciclo trigonométrico.
8 18 35 e 36
Observar casos particulares (sen(x) = 0 ou cos(x) = 0).
Praticar a aplicação da relação fundamental de trigonometria
na simplificação de expressões trigonométricas.

Função tangente e funções circulares secundárias


Compreender a função tangente – conceito, período, domínio,
imagem e representação gráfica – e fazer a análise de seu
9 19 37 e 38
sinal. Apresentar as identidades trigonométricas que definem
as funções tangente, cotangente, secante e cossecante a partir
das funções seno e cosseno.

3 Adição de arcos
Apresentar as expressões algébricas que definem o seno,
o cosseno e a tangente da adição e subtração de arcos.
10 20 39 e 40 Apresentar as expressões do seno, do cosseno e da tangente do
arco duplo. Praticar as diversas aplicações dessas identidades
em problemas da trigonometria algébrica e em problemas da
geometria plana.

32 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Matemática – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Equações trigonométricas
Estudar as técnicas de resolução de equações e inequações
trigonométricas. Interpretar as soluções de equações e
11 21 41 e 42 inequações no ciclo trigonométrico. Praticar as diversas
formas de expressão do conjunto solução de uma equação ou
inequação trigonométrica: no universo dos números reais e em
intervalos reais limitados.
Contagem
Formalizar os princípios fundamentais da contagem: aditivos
12 22 43 e 44 – cardinalidade da reunião de conjuntos e do complementar
de um conjunto – e multiplicativos – cardinalidade de produto

3 cartesiano e o número de arranjos simples.

Números fatoriais
Construir o significado do valor fatorial de um número natural:
12 23 45 e 46 conceito, notação, lei de recorrência e propriedades aritméticas
– multiplicidade e divisibilidade. Definir o MMC e MDC de dois
números fatoriais. Definir valor fatorial de um número real n.

Permutações, combinações e arranjos


Estabelecer os conceitos de permutações. Calcular o número
de permutações: simples, com repetição e cíclicas. Estudar
12 24 47 e 48
o conceito de combinação e praticar o cálculo do número de
combinações simples. Apontar diferenças entre arranjo e
combinação.
Triângulo de Pascal
Apresentar o triângulo de Pascal: concepção e formação a partir
do número de combinações simples. Definir os coeficientes
binomiais, apresentando sua forma algébrica e observando a
13 25 49 e 50 localização no triângulo de Pascal. Observar as propriedades
dos coeficientes binomiais – simetria e valores extremos e do
triângulo de Pascal – o teorema das linhas e a relação de Stiefel.
Demonstrar a aplicação do triângulo de Pascal: obtenção de
quantidades de diversas combinações simples.
Binômio de Newton
Compreender o Teorema do Binômio de Newton. Observar a

4 13 26
relação entre os coeficientes de uma expansão binomial e as
51 e 52 linhas do triângulo de Pascal. Praticar as expansões binomiais
da forma (a + b)n com n > 3. Apresentar a expressão do termo
geral da expansão binomial e definir o significado de termo
independente da variável.

Introdução à teoria das probabilidades


Formar as primeiras noções de probabilidades. Apresentar os
conceitos fundamentais de espaço amostral, experimento alea-
14 27 53 e 54 tório e evento. Observar e praticar a notação das propriedades
básicas da probabilidade. Definir e explorar o conceito de espa-
ço amostral equiprovável e apresentar o quociente que define a
probabilidade de um evento contido nesse espaço.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 33
MED
Continuação – Matemática – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Probabilidades condicionais
Conceituar as probabilidades condicionais: conceito, notação
14 28 55 e 56 e expressões algébricas. Apresentar o Teorema de Beyes.
Definir os conceitos de eventos independentes e eventos
mutuamente exclusivos.
Probabilidades da união e da interseção

4 14 29 57 e 58
Concluir a análise bidimensional de probabilidades, apresentando
as expressões para as probabilidades da reunião e da interseção
de dois eventos.
Distribuição binomial de probabilidades
Investigar a probabilidade de ocorrência de um evento: experimento
14 30 59 e 60 aleatório e repetido sucessivamente. Apresentar a distribuição
binomial de probabilidades e aplicar a expressão do termo geral do
binômio de Newton no cálculo de probabilidades.

34 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Matemática – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Potenciação
Compreender a operação de potenciação. Observar a hierar-
quia existente entre as operações de adição e multiplicação.
1 1 1e2 Apresentar as principais propriedades das potências de ba-
ses positivas e expoentes reais. Explorar situações em que a
base é negativa, mas os expoentes são inteiros. Investigar as
operações inversas da potenciação.
Conjuntos numéricos
Reconhecer e compreender os diferentes significados e
representações dos números naturais, cardinais e ordinais.
Apresentar as propriedades do fechamento no conjunto
desses números. Reconhecer a interpretação analítica dos
1 2 3e4
números inteiros negativos. Praticar as diversas formas
de representação dos números racionais e irracionais.
Construir o significado do eixo dos números reais e explorar
sua interpretação geométrica. Compreender as relações de
inclusão entre os conjuntos numéricos.
Teorema fundamental da aritmética
Estudar o Teorema fundamental da aritmética. Praticar a
decomposição de um número em fatores primos. Mostrar como
2 3 5e6
selecionar os expoentes de diversas decomposições, para se

1
determinar a quantidade de divisores de um número inteiro ou
para o cálculo do MMC e do MDC de dois ou mais números.
Números e algarismos
Estabelecer a distinção entre o conceito de número e o
significado dos algarismos. Compreender o sistema de
2 4 7e8 numeração decimal posicional. Resolver problemas em que
são procurados alguns algarismos de uma cifra numérica.
Relembrar o algoritmo da divisão euclidiana, com ênfase na
interpretação dos termos dividendo, divisor, quociente e resto.
Produtos notáveis
Estudar as principais identidades algébricas – produtos
3 5 9 e 10
notáveis – e praticar algumas de suas aplicações – resolução
de equações e racionalização de denominadores.
Fatoração
Estudar os principais casos de fatoração e praticar algumas
3 6 11 e 12 de suas aplicações: resolução de equações, simplificação
de radicais e frações algébricas e obtenção de atalhos para
cálculos aritméticos.
Problemas de 1º e 2° graus
Modelar e resolver problemas usando representações algébricas
4 7 13 e 14 polinomiais de 1º e 2º graus. Identificar representações algébricas
ao interpretar enunciados e resolver situações-problema cuja
modelagem envolva equações de 1º e 2º graus.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 35
MED
Continuação – Matemática – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Porcentagem
Compreender os conceitos de porcentagem, taxa unitária e
taxa percentual. Praticar a notação e aplicação dessas taxas
5 8 15 e 16 na resolução de problemas com variação de grandezas.
Apresentar os fatores de correção como ferramenta para
agilizar os processos aritméticos que calculam valores finais

1
dos processos de aumento e redução percentual.
Matemática financeira básica
Estudar os principais conceitos elementares da matemática
financeira, como os aumentos e descontos, nominais e
5 9 17 e 18 percentuais, o lucro e o prejuízo. Apresentar os modelos
algébricos que regem os sistemas de capitalização simples
e composto. Resolver problemas básicos de aplicações
financeiras e compras parceladas.
Grandezas proporcionais
Construir noções de variação de grandezas proporcionais para
a compreensão da realidade e a solução de problemas do co-
tidiano. Identificar a relação de dependência entre essas gran-
6 10 19 e 20
dezas. Resolver problemas envolvendo a variação de grande-
zas direta ou inversamente proporcionais. Analisar informações
envolvendo a variação de grandezas como recurso para a
construção de argumentação.
Médias algébricas
Estudar as principais medidas de tendência central: médias
6 11 21 e 22 aritmética, geométrica e harmônica. Introduzir o conceito de
média quadrática. Apresentar a relação de ordem entre essas
médias e praticar seus cálculos.
Noções básicas de estatística
Fundamentar as noções básicas de estatística: medidas de
7 12 23 e 24
posição central – média, moda e mediana – e as principais

2
medidas de dispersão – variância e desvio padrão.
Sequências numéricas
Compreender a estrutura das sequências numéricas. Formali-
zar a notação matemática que modela algumas sequências nu-
8 13 25 e 26 méricas diferentes das progressões aritméticas e geométricas,
tanto por meio das leis de recorrência quanto das funções ordi-
nais. Apresentar o conceito e a notação da soma dos primeiros
termos de uma sequência numérica.
Progressões aritméticas – PA
Estudar as particularidades das progressões aritméticas,
8 14 27 e 28 compreender suas principais propriedades e apresentar as
expressões algébricas para o termo geral e para a soma dos
primeiros termos da PA.
Progressão geométrica – PG (termo geral)
Estudar as particularidades das progressões geométricas,
8 15 29 e 30 compreender suas principais propriedades e apresentar as
expressões algébricas para o termo geral e para o produto
dos primeiros termos da PG.

36 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Matemática – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Progressões geométricas – PG (soma dos termos)
Concluir os estudo das progressões geométricas apresentando
8 16 31 e 32 as expressões para a soma dos primeiros termos e para
a soma dos infinitos termos das progressões geométricas
convergentes.
Matrizes
Iniciar o estudo da álgebra linear básica introduzindo e formali-

2
zando o conceito de matriz, suas notações e classificações.
9 17 33 e 34
Apresentar leis de formação para matrizes. Definir a igualdade,
a transposta e a adição de matrizes. Apresentar as matrizes
identidade e nula.
Propriedades das matrizes
Compreender o conceito de produto interno de sequências
finitas, a fim de formalizar o processo para efetuar o produto
9 18 35 e 36
de matrizes. Investigar a existência do produto de matrizes,
estudar suas propriedades e apresentar os conceitos de matriz
inversa, simétrica, antissimétrica, idempotente e ortogonal.
Determinantes
Apresentar o conceito de determinante de uma matriz quadrada e
10 19 37 e 38
alguns dos algoritmos usados para calcular esses determinantes,
com o Teorema de Laplace e a regra de Sarrus.
Propriedades dos determinantes
Estudar as diversas propriedades dos determinantes, como as
que antecipam seu valor nulo e as que definem os determinantes
10 20 39 e 40
das matrizes transpostas e inversas e das matrizes triangulares.
Apresentar os Teoremas de Binet e Jacobi, introduzindo o
conceito de combinação linear.
Sistemas lineares

3
Compreender o significado e a utilidade dos sistemas lineares
11 21 41 e 42 como ferramenta de resolução de problemas cotidianos.
Formalizar a classificação desses sistemas e apresentar o
escalonamento como processo de sua resolução.
Discussão de sistemas lineares
11 22 43 e 44 Apresentar a regra de Cramer como ferramenta de resolução,
classificação e discussão de sistemas lineares.
Forma algébrica dos números complexos
Introduzir o conceito de número complexo. Definir os números
imaginários puros, o conjugado de um complexo e a igualdade
12 23 45 e 46 no universo complexo. Praticar as operações de adição,
subtração, multiplicação e divisão de números complexos na
forma algébrica. Investigar o ciclo das potências da unidade
imaginária.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 37
MED
Continuação – Matemática – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Forma trigonométrica dos números complexos
Compreender a representação geométrica dos números
12 24 47 e 48 complexos no plano de Gauss. Definir os conceitos de módulo
e argumento de um número complexo. Apresentar a forma
polar e a forma trigonométrica dos números complexos.

3 Operações com números complexos na forma trigonométrica


Estudar as expressões que definem a multiplicação, a divisão
e a potenciação de números complexos nas formas polar e
12 25 49 e 50
trigonométrica (fórmulas de Moivre). Formalizar o conceito de
igualdade polar como ferramenta de resolução das equações
do tipo zn = k para n natural.
Polinômios
Introduzir os conceitos básicos de polinômio definindo
termo, variável, grau, coeficiente, termo independente, raiz

4 13 26 51 e 52
e multiplicidade de uma raiz. Apresentar as representações
de um polinômio nas formas fatorada e desenvolvida para
expoentes decrescentes da variável. Mostrar como calcular
a soma dos coeficientes de um polinômio e estabelecer o
conceito de identidade polinomial.

Operações com polinômios


Definir as operações polinomiais: adição, subtração e
multiplicação. Fazer o estudo do grau dos polinômios
13 27 53 e 54
resultantes dessas operações. Apresentar algumas
propriedades gráficas de um polinômio, localizando o termo
independente e suas raízes reais no sistema cartesiano.

Divisão de polinômios
Estudar as técnicas de divisão polinomial e seus elementos:
dividendo, divisor, quociente e resto. Apresentar o Teorema
13 28 55 e 56
de Descartes e o dispositivo prático de Briot-Ruffini. Definir a
divisibilidade entre dois polinômios e compreender o Teorema
de D’Alambert.
Equações polinomiais
Formalizar o conceito de equação polinomial. Compreender o
Teorema fundamental da álgebra e praticar os processos de
14 29 57 e 58
resolução de equações polinomiais que incorporam técnicas
de fatoração, como o dispositivo prático de Briot-Ruffini e a
pesquisa das raízes racionais.
Principais teoremas sobre as equações polinomiais
Estudar as relações de Girard entre os coeficientes e as
14 30 59 e 60
raízes de um polinômio. Apresentar o Teorema das raízes
complexas e o Teorema de Bolzano.

38 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Matemática – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Ferramentas básicas da Geometria
Orientar o estudo das figuras geométricas planas básicas:
triângulos isósceles, triângulos retângulos e os principais
1 1 1e2
tipos de quadriláteros. Identificar ângulos retos em situações
que envolvem tangência, distâncias e alturas. Conceituar os
triângulos retângulos e o teorema de Pitágoras.

Trigonometria no triângulo retângulo


Explicar as noções básicas da Trigonometria e as principais
1 2 3e4 razões trigonométricas (seno, cosseno e tangente), sua tabela
de valores para os ângulos de 30º, 45º e 60º e as relações
trigonométricas básicas, como tg = senx/cosx e sen2x + cos2x = 1.

Ângulos
Definir os entes primitivos e definidos, os primeiros postulados
da Geometria, as aplicações conjuntas de postulados e os
teoremas na resolução de um problema geométrico. Abordar
a congruência de triângulos e as transformações geométricas.
Explorar a mediatriz de um segmento. Identificar os ângulos,
2 3 5e6
as medidas angulares e a classificação de ângulos, bem como
a bissetriz de um ângulo. Calcular as inclinações relativas
entre duas retas concorrentes, duas retas paralelas e uma
transversal, três retas concorrentes, pares de retas paralelas.
Aplicar o teorema angular de Tales e o teorema do ângulo

1
externo do triângulo.
Ângulos na circunferência e nos polígonos
Identificar os ângulos na circunferência, o ângulo central,
o teorema do ângulo inscrito e o arco capaz. Demonstrar
2 4 7e8 as particularidades dos polígonos convexos e calcular as
somas de seus ângulos internos e externos, bem como as
especificidades dos polígonos regulares e os valores de seus
ângulos internos e externos.
Teorema de Tales e semelhança
Elucidar a razão de divisão de segmentos, o teorema linear
3 5 9 e 10 de Tales, a semelhança de triângulos, a razão de semelhança
e aplicações e os teoremas da base média do triângulo e do
trapézio.
Teoremas decorrentes da semelhança
Orientar o estudo dos teoremas das bissetrizes internas e
3 6 11 e 12 externas de um triângulo, da potência de um ponto em relação
a uma circunferência e das relações métricas nos triângulos
retângulos.
Teoremas dos senos e dos cossenos
Explicar as relações entre senos e cossenos de ângulos
suplementares e os valores dos senos e cossenos dos ângulos
4 7 13 e 14
obtusos. Aplicar o teorema dos senos e dos cossenos e calcular
os comprimentos de diagonais de paralelogramos e cevianas
de triângulos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 39
MED
Continuação – Matemática – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Pontos notáveis do triângulo
Conceituar o baricentro de um triângulo e a razão de divisão
das medianas, o ortocentro de um triângulo e o triângulo órtico.
5 8 15 e 16
Identificar o incentro de um triângulo e o círculo ali inscrito,
bem como o circuncentro de um triângulo e a circunferência

1 circunscrita.
Relações métricas em polígonos regulares
Abordar os quadriláteros inscritíveis e circunscritíveis. Expli-
5 9 17 e 18 car as relações métricas nos polígonos regulares: alturas, dia-
gonais e raios das circunferências associadas aos triângulos
equiláteros, quadrados e hexágonos regulares.
Quadriláteros notáveis e suas áreas
Definir o conceito de área. Abordar o cálculo das áreas do re-
6 10 19 e 20 tângulo, quadrado, paralelogramo, losango e trapézio e o cál-
culo da área de um quadrilátero dadas suas diagonais e o ân-
gulo entre elas.
Áreas dos triângulos e polígonos regulares
Orientar o estudo da área do triângulo, dados a base e a
altura, os dois lados e o ângulo entre eles. Apresentar a
fórmula de Heron. Calcular a área do triângulo equilátero.
6 11 21 e 22 Investigar a razão entre áreas de triângulos semelhantes,
bem como a razão entre áreas de triângulos de mesma altura
ou de mesma base. Calcular a área dos principais polígonos
regulares (triângulo equilátero, quadrado, hexágono,
octógono, dodecágono, pentágono).
Área do círculo e de suas partes
Abordar a área e o perímetro do círculo, bem como a área
6 12 23 e 24
do setor circular, do segmento circular e da coroa circular.
Demonstrar os problemas com regiões circulares mistas.

2 O plano cartesiano, pontos e vetores


Apresentar o plano cartesiano. Conceituar a distância entre dois
pontos e o ponto médio de um segmento. Promover o entendi-
7 13 25 e 26
mento da divisão de segmento, do baricentro de um triângulo e
da área de triângulos e polígonos. Explicar a condição de alinha-
mento de três pontos e a noção de vetores.
Equação da reta
Conceituar a equação da reta a partir de dois pontos. Definir
8 14 27 e 28 o coeficiente angular e a equação fundamental da reta, bem
como as equações: reduzida, geral, segmentária e paramétrica.
Abordar o vetorial da reta.
Posições relativas entre retas
Introduzir os conceitos de paralelismo, concorrência e
perpendicularidade. Abordar os problemas e as aplicações
8 15 29 e 30
dos conceitos de mediatriz, reta suporte de altura de triângulo,
pontos e retas simétricos, projeção ortogonal e ângulo entre
retas.
Distância de ponto a reta
8 16 31 e 32 Apresentar a fórmula da distância de ponto a reta e suas
aplicações. Elucidar as equações de bissetrizes.

40 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Matemática – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Equações da circunferência
Explicar a equação geral e a reduzida da circunferência no
plano cartesiano. Identificar a equação da circunferência
9 17 33 e 34
por três pontos. Promover o entendimento de problemas de
máximas e mínimas ordenadas e abscissas, problemas de
máxima e mínima aproximação e tangência aos eixos.

2 Posições relativas envolvendo circunferências


Conceituar as posições relativas entre retas e circunferências
(secantes, tangentes, externas). Determinar as interseções, o
9 18 35 e 36 comprimento de cordas e os problemas de tangência. Elucidar
as posições relativas entre circunferências (secantes, tangentes,
externas), determinar suas interseções e resolver problemas de
tangência.
Elipses, parábolas e hipérboles
Apresentar as seções cônicas de um cone. Definir as cônicas a
10 19 37 e 38 partir das distâncias dos pontos aos focos. Definir os conceitos
de excentricidade, focos, vértices e eixos. Abordar as equações
cartesianas.
Gráficos de relações de duas variáveis
Apresentar a interpretação gráfica de inequações de duas
variáveis. Delimitá-las no plano em regiões definidas por
10 20 39 e 40
equações de retas, circunferências, elipses, parábolas e
hipérboles. Propor o estudo das áreas de algumas dessas
regiões.
Posições relativas no espaço
Orientar o estudo das posições relativas entre pontos, retas
e planos, bem como de paralelismo e perpendicularismo.

3
11 21 41 e 42
Explicar as projeções de ângulo entre retas, ângulo entre
planos (diedros) e as distâncias entre ponto e reta, reta e reta,
ponto e plano, reta e plano.
Paralelepípedos
Elucidar o cálculo de volume, a área de superfície e as diagonais
12 22 43 e 44
de paralelepípedos. Conceituar os ângulos entre diagonais, os
problemas com paralelepípedos inclinados e as seções no cubo.
Prismas
Conceituar o prisma, o princípio de Cavalieri, o cálculo de
13 23 45 e 46
volume, a área de superfície e as diagonais para prismas
retos e oblíquos.
Pirâmides
Conceituar a pirâmide. Apresentar as pirâmides reta, oblíqua,
13 24 47 e 48
regular e o apótema da base e da pirâmide. Abordar o cálculo
de áreas e volumes.
Poliedros de Platão
Propor o estudo da relação de Euler, do número de faces,

4 13 25 49 e 50
vértices e arestas. Analisar os poliedros de Platão (tetraedro,
hexaedro, octaedro, dodecaedro, icosaedro) e as relações
métricas de área e de volume para o tetraedro regular e o
octaedro regular.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 41
MED
Continuação – Matemática – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Cilindros
Definir os elementos do cilindro e os tipos de cilindros.
14 26 51 e 52
Demonstrar a planificação do cilindro de revolução e o cálculo
de áreas e volumes.

Cones
15 27 53 e 54 Definir os elementos do cone. Conceituar a planificação e o
cálculo de áreas e volumes.
Esfera

4 15 28 55 e 56
Definir os elementos da esfera. Explicar os hemisférios e as
calotas, os fusos e as cunhas esféricas. Elucidar o cálculo de
áreas e volumes.
Inscrição e circunscrição
Conceituar as esferas inscritas e circunscritas em poliedros,
15 29 57 e 58
cilindros e cones, bem como os poliedros, os cilindros e os
cones inscritos em cubos e em outros poliedros.
Troncos
16 30 59 e 60 Definir os troncos de pirâmides e cones. Abordar a razão de
semelhança. Conceituar os troncos de cilindros.

42 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Introdução: a Baixa Idade Média Europeia
Compreender a realidade que levou às Grandes Navegações e
à vinda dos portugueses ao Brasil. Identificar as transformações
vividas pela Europa na Baixa Idade Média e compreender as
1 1 1e2
alterações sociais e políticas trazidas pelo desenvolvimento
do comércio. Relacionar as transformações políticas com as
necessidades geradas pelo comércio europeu. Associar essas
transformações e necessidades às Grandes Navegações.
A formação do reino de Portugal
Identificar as diferenças entre Portugal e o restante da Europa.
1 2 3
Compreender as características da monarquia portuguesa e
relacioná-las ao pioneirismo português na Expansão Marítima.
A expansão comercial e marítima europeia
Identificar os principais eventos da expansão portuguesa
e espanhola. Compreender a rivalidade entre essas duas
1 2e3 4e5
monarquias na disputa pelos novos territórios. Relacionar essa
rivalidade à configuração inicial do território brasileiro e ao
caráter litorâneo dos interesses portugueses.
Período Pré-colonial
Identificar as primeiras ações portuguesas sobre o território
1 3 6 brasileiro. Compreender o caráter predatório da exploração do
pau-brasil. Identificar as primeiras formas de relação econômica

1
com o nativo.
As monarquias europeias na Idade Moderna
Identificar as características políticas do Absolutismo europeu.
Identificar as principais características econômicas do
2 4 7e8 chamado Mercantilismo. Relacionar as necessidades das
monarquias às suas práticas econômicas. Compreender o
papel da colonização como elemento de enriquecimento e
de fortalecimento dessas monarquias.
Economia açucareira no Brasil
Identificar a maneira como se deu o empreendimento açucareiro
no Brasil e compreender a natureza da grande propriedade
açucareira como uma unidade produtiva quase autônoma.
Identificar as razões que levaram à adoção da escravidão
2 5 9 e do africano como mão de obra básica dessa estrutura.
Relacionar as características da exploração econômica com
a forma assumida pela sociedade colonial brasileira: rural,
patriarcal e escravista. Relacionar a forma como se originou
essa exploração econômica com a estrutura fundiária, que
caracteriza o país até hoje.
Demais atividades econômicas nos séculos XVI e XVII
Identificar o papel das atividades econômicas que se desenvol-
veram paralelamente à economia açucareira, como a pecuária
2 5 10
e o comércio, e compreender suas características. Relacionar
o desenvolvimento da pecuária (e a exploração das drogas do
sertão) à ocupação de áreas no interior do território.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 43
MED
Continuação – História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
A administração colonial portuguesa
Identificar os mecanismos por meio dos quais Portugal
procurou administrar seus domínios na América (capitanias
e o Governo-geral) e o papel das Câmaras Municipais como
3 6 11
canais em que os colonos buscavam fazer frente à exploração
metropolitana. Compreender a relação entre interesses
econômicos e centralismo administrativo, relacionando-os ao
conflito natural de interesses coloniais e metropolitanos.
A expansão territorial
Identificar as formas pelas quais se deu a expansão territorial
brasileira – ação do bandeirismo, da pecuária, da mineração e
3 6 12 das medidas oficiais –, que culminou com os tratados de limites
que superaram o antigo território delimitado pelo Tratado de
Tordesilhas. Compreender a natureza e os conflitos por terras
no sul do país.
Ataques e invasões
Identificar as razões que levaram à presença de outros povos
no Brasil. Compreender os efeitos da invasão holandesa
3 7 13 e 14
e relacioná-la ao declínio da economia açucareira no
Nordeste e às transformações vividas pelo Brasil colonial em
consequência disso.

1 A mineração
Compreender como aconteceu a exploração do ouro no Brasil
(rigidez de controle, ampliação do fiscalismo) e relacionar esse
4 8 15
fato ao crescimento do sentimento antimetropolitano na colônia.
Compreender o papel da mineração como atividade integradora
entre as várias regiões da colônia.

A administração portuguesa após a restauração e as


reações coloniais
Identificar as transformações ocorridas em Portugal após a
4 8 16 restauração e associá-las às mudanças ocorridas na relação
com o Brasil. Relacionar o governo de Pombal às mudanças
culturais e políticas vividas na Europa na segunda metade do
século XVIII.

Crise do sistema colonial e movimentos emancipacio-


nistas
Compreender a realidade das várias regiões do Brasil e a forma
4 9 17 e 18 como as ideias iluministas penetraram no país. Identificar a
natureza social dos principais movimentos emancipacionistas
e relacioná-los ao contexto mais amplo da crise do Antigo
Regime na Europa.

44 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
O panorama europeu no início do século XIX e o Governo
Joanino no Brasil
Identificar o efeito das guerras napoleônicas na Europa e
como elas forçaram a transferência da Corte portuguesa para
5 10 19 e 20 o Brasil. Analisar as principais medidas tomadas por D. João
no Brasil, compreendendo, assim, o encaminhamento para
o fim do pacto colonial. Compreender o caráter irreversível
da nova condição brasileira, relacionando-a ao processo de
independência do Brasil.
A Revolução Liberal do Porto e o movimento de independência
Identificar o sentido da Revolução Liberal do Porto e sua
busca pela recuperação do controle sobre a antiga colônia.
Compreender o efeito dessa revolução sobre as elites
5 11 21 e 22 brasileiras e o sentido da pressão da aristocracia sobre D.
Pedro, bem como o papel exercido por ele. Identificar a
independência como um movimento sem bases populares e
relacionar essa característica à estrutura social e econômica
brasileira até o momento.
O Primeiro Reinado
Identificar as características assumidas pelo Estado brasileiro
como criador de uma unidade imposta a partir do centro.
Identificar e compreender a natureza do conflito que se
estabeleceu entre a aristocracia e o Imperador e relacionar esse

2 6 12 23 e 24
conflito à criação do Poder Moderador por D. Pedro. Identificar
o caráter altamente elitista e excludente de nossa organização
política e entender que a independência política não alterou as
bases da organização socioeconômica, especialmente com a
manutenção da escravidão. Compreender o papel das ideias
liberais e antiabsolutistas no processo de derrubada de D.
Pedro.
O período regencial
Analisar o sentido liberal da primeira fase do período
regencial, com o fim do Poder Moderador e a concessão
de maior autonomia às províncias. Compreender o impacto
da descentralização política nas revoltas populares e
6 13 25 e 26
separatistas do período. Entender as regências trinas, a de
Feijó e a de Araújo Lima. Compreender o Golpe da Maioridade
como reação das elites à descentralização política, ao poder
provisório das regências e às revoltas que ameaçavam a
unidade do país.
A política interna do Segundo Reinado
Identificar as características da organização política do
Segundo Reinado e o papel da Monarquia como mediadora
das tensões políticas. Identificar as características dos dois
7 14 27 e 28
principais partidos (“farinha do mesmo saco”) e relacioná-
-las ao caráter elitista da organização política, bem como
as reações liberais a essa política (a Revolução Praieira de
Pernambuco, 1848).

MEDICINA | PLANEJAMENTO 45
MED
Continuação – História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Economia do Segundo Reinado
Identificar a importância do café na economia brasileira e os
efeitos que a riqueza cafeeira trouxe para outros setores da
economia. Identificar as novas formas de utilização da mão
de obra (imigrantes) e relacioná-las à crise do escravismo
que se deu a partir de 1850. Compreender como o fim do
7 15 29 e 30 tráfico negreiro, a riqueza gerada pelo café, o crescimento
do mercado interno e uma menor dependência externa do
país contribuíram para uma modernização econômica, com o
crescimento da vida urbana e início da industrialização, que
constituíram a Era Mauá. Relacionar essas transformações
ao surgimento de um novo setor de elite, que passa a rivalizar
com antiga aristocracia escravista.
Política externa do Segundo Reinado
Identificar as principais características da política externa
brasileira no período – imperialismo na América do Sul e
tentativa de reduzir a influência inglesa – e relacioná-las com
7 16 31 e 32
as constantes intervenções na região platina e com a Questão

2 Christie. Compreender as razões que levaram à Guerra do


Paraguai e os efeitos provocados por ela. Relacionar esses
efeitos ao quadro de declínio da Monarquia.
O Abolicionismo e o Movimento Republicano
Identificar os principais interesses por trás da campanha abo-
licionista e relacioná-los às transformações vividas pelo país,
como o surgimento da nova oligarquia paulista cafeeira, não
7 17 33 e 34 escravista e distante do poder. Compreender o sentido político
e o impacto do abolicionismo sobre as velhas oligarquias. Iden-
tificar e compreender as principais propostas dos republicanos
como forma de atrair o apoio das aristocracias locais na luta
contra o centralismo monárquico.
A Proclamação da República
Identificar os mecanismos finais do enfraquecimento da
Monarquia, como a crise com a Igreja, o Exército e, finalmente,
7 18 35 e 36 a perda do apoio da velha aristocracia escravista ocorrida a
partir da promulgação da Lei Áurea. Identificar a ação dos
republicanos e sua busca por uma aproximação com o Exército,
como instrumento de tomada do poder.
República Velha: a República da Espada (1889-1894)
Compreender o significado dos primeiros governos nas
mãos de militares como forma de assegurar a nova ordem.

3
Conhecer e identificar as características da primeira constituição
8 19 37 e 38 republicana. Analisar os focos de reação ao governo republicano.
Compreender o papel do governo Floriano Peixoto na garantia da
nova ordem. Relacionar os elementos da nova constituição, como
o federalismo, aos princípios defendidos pelos republicanos.
Conhecer e analisar a Crise do Encilhamento.

46 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
República Velha: a República das Oligarquias – mecanismos
de sustentação e aspectos econômicos e sociais
Compreender e analisar os elementos constitutivos da
8 20 39 e 40 estrutura oligárquica, como: o coronelismo, a política do café
com leite e a política dos governadores. Relacionar esses
elementos à nova estrutura econômica do país, baseada na
supremacia incontestável do setor cafeeiro.

República Velha: transformações econômicas e movimentos


sociais
Identificar as mudanças econômicas vividas pelo país –
crescimento da indústria e dos novos setores agrários – e
relacioná-las com as transformações sociais – urbanização,
8 21 41 e 42
aparecimento de novas elites urbanas e rurais e formação de
um numeroso proletariado urbano. Identificar as características
dos movimentos messiânicos, do Cangaço, das revoltas
militares e do movimento operário, associando-os à atitude
elitista da República Oligárquica.

República Velha: crise da República Velha e Revolução


de 1930
Identificar os elementos que levaram à crise da República
Oligárquica e associá-los à realidade externa, marcada pela
8 22 43 e 44
crise do final dos anos 1920. Compreender o papel dos novos

3 setores econômicos e sociais que levou à luta pelo poder e


à Revolução de 1930. Identificar o caráter heterogêneo da
Aliança Liberal.
Era Vargas: Governo Provisório (1930-1934)
Identificar e analisar as ações de Vargas no sentido de
impor a nova ordem e acomodar, no poder, os setores que
o apoiaram. Relacionar a ausência de um setor claramente
9 23 45 e 46
hegemônico ao caráter ditatorial assumido desde o início pelo
novo governo. Compreender o sentido da reação paulista
que levou à Revolução de 1932, à Constituição de 1934 e à
consolidação do poder de Vargas.
Era Vargas: Governo Constitucional (1934-1937)
Conhecer as características da nova Constituição e relacioná-
-las às transformações sociais vividas pelo país. Compreender
9 24 47
a influência do momento internacional, como o fascismo, sobre
o Estado brasileiro e sobre a sociedade, relacionando-os ao
contexto político que antecede a Segunda Guerra Mundial.
Era Vargas: Estado Novo (1937-1945)
Identificar as características ditatoriais do Estado Novo e
associá-las ao ideário fascista europeu. Analisar a ação
9 24 48 do Estado, como gerenciador e promotor do crescimento
econômico, e a nova orientação no sentido de criar as bases
para a industrialização. Relacionar os efeitos do fim da guerra
ao declínio do Estado Novo e ao início da redemocratização.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 47
MED
Continuação – História – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Populismo – conceito teórico e o Governo Dutra
Analisar o significado e as características do populismo e
relacioná-las ao contexto da queda do nazifascismo e da
10 25 49 e 50
ausência de lideranças efetivamente populares na América
Latina. Identificar e analisar as características do Governo
Dutra e associá-las ao momento marcado pela Guerra Fria.
Governos Vargas e Juscelino
Identificar o confronto político entre o nacionalismo econômico
e a abertura do país ao grande capital externo. Analisar as
10 26 51 e 52 ações de Vargas e as razões que levaram ao seu desgaste
político e à sua morte. Relacionar a carta-testamento ao
sentido nacionalista do Governo Vargas. Identificar e analisar
os elementos que constituem o desenvolvimentismo de JK.
Governos Jânio e Jango e o Golpe de 1964
Analisar o desgaste dos regimes populistas, identificando sua
incapacidade de atender e controlar os setores populares.
Compreender o sentido da reação política contra o nacionalismo
10 27 53 e 54
de Jânio e o populismo de Goulart. Relacionar o Golpe de 1964
à reação dos setores ligados às elites e às classes médias
locais, ao grande capital internacional e ao contexto da Guerra
Fria.
Regime Militar – os governos Castelo Branco, Costa e
Silva e Médici
Compreender o significado dos regimes militares como

4 defensores dos interesses das elites econômicas e relacioná-


-los ao anticomunismo no período da Guerra Fria. Analisar
as medidas tomadas nos primeiros anos do regime militar.
11 28 55 e 56
Relacionar a agitação que marcou o Governo Costa e Silva às
grandes questões mundiais que marcaram a década de 1960.
Compreender o AI5 como a cristalização do modelo ditatorial,
e o Governo Médici como a efetivação do modelo repressivo
e intervencionista. Relacionar o crescimento econômico com
a sustentação do regime.
Regime Militar – os governos Geisel e Figueiredo – e o fim
do Regime Militar
Relacionar a crise econômica mundial, que se estabeleceu a
partir do final de 1973 (crise do petróleo), com a impossibilidade
11 29 57 e 58 de manutenção do modelo autoritário. Analisar o projeto de
abertura política e seus limites. Compreender o papel da ação
dos movimentos sociais (estudantes e a retomada das greves
operárias) no processo que levou ao fim do Regime Militar e na
recuperação da democracia.
Brasil contemporâneo: os governos após o Regime Militar
Identificar os principais elementos da Constituição de 1988
e relacioná-los ao contexto de retomada da democracia.
Analisar a ação da sociedade civil no processo de derrubada
12 30 59 e 60
de Fernando Collor de Mello. Relacionar as realizações do
governo FHC com o panorama internacional marcado pelo
neoliberalismo. Comparar o sentido social dos governos FHC
e Lula e a eleição de Dilma Rousseff.

48 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Conceitos iniciais e a Pré-história
Identificar e compreender alguns conceitos básicos sobre
periodização histórica e as formas de compreender e analisar
a evolução histórica. Compreender as características de vida
das primeiras comunidades humanas: o nomadismo caçador
1 1 1e2
e coletor do período Paleolítico, a Revolução Neolítica e suas
implicações na sedentarização do homem e na evolução da
técnica. Relacionar a passagem do homem para a condição
de produtor de riqueza com as transformações sociais e as
políticas que marcaram a passagem para a história.

A Antiguidade Oriental: o Egito e a Mesopotâmia


Identificar as características de vida das primeiras civilizações,
suas formas de organização econômica e social e o papel do
Estado. Relacionar os mecanismos econômicos que constituem
2 2 3
essas civilizações orientais com o papel do Estado e da religião
nessas comunidades. Compreender a importância da religião
na vida cotidiana e, também, como elemento determinante das
realizações culturais.
A Antiguidade Oriental: hebreus, persas e fenícios
Identificar os mecanismos de organização econômica, social
2 2 4 e política dessas civilizações. Compreender o papel da

1 religião na formação da identidade hebraica, relacionando


suas características ao posterior surgimento do Cristianismo.
Mundo Grego: origens e períodos Pré-Homérico e Homérico
Identificar as principais características do território e do
3 3 5 povoamento grego e compreender sua importância na formação
dessa civilização. Compreender a importância dos mitos e das
lendas para a compreensão do passado mais remoto dos gregos.
Mundo Grego: evolução de Atenas e Esparta no período
Arcaico
Relacionar a evolução econômica de Atenas ao surgimento da
democracia. Compreender as características da democracia,
3 3 6
inclusive suas limitações, e relacioná-las ao tipo de sociedade
e organização econômica dessa cidade. Identificar os princi-
pais traços da organização econômica e social de Esparta e
relacioná-los ao tipo de organização política da cidade.
Mundo Grego: períodos Clássico e Helenístico
Analisar o funcionamento da democracia ateniense em seu
período áureo e relacioná-la com a riqueza gerada pelo domínio
3 4 7 imperialista sobre as demais cidades. Compreender o sentido
da fusão cultural promovida pela expansão macedônica,
associando a cultura helenística às bases do pensamento
clássico.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 49
MED
Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Roma: das origens à expansão
Identificar as principais características originais da sociedade
romana, os impactos provocados pela expansão e as
transformações sociais e econômicas trazidas por ela.
3 4 8
Relacionar a economia latifundiária e escravista com a
marginalização social e econômica vivida pela plebe romana.
Relacionar as transformações sociais e econômicas ao
quadro de crise política da República.
Roma: a crise da República e o advento do Império
Identificar as principais manifestações de crise política vividas
pela República romana. Compreender a natureza dos vários
eventos da época, como revoltas plebeias e de escravos,
3 5 9
ditaduras e governos ilegais, associando-os ao processo de
queda da República e advento do Império. Compreender o
Império como um instrumento a serviço da garantia dos
interesses das elites econômicas romanas.
Roma: o Cristianismo e a crise do Império
Identificar as origens do Cristianismo e relacioná-las às
características da sociedade imperial romana. Compreender
3 5 10 a pregação cristã como um elemento de crítica às bases
políticas e sociais nas quais se apoiava o Império. Identificar
as origens da crise do Império, as transformações trazidas por
elas e relacioná-las ao processo de feudalização da Europa.
Idade Média: o Império Bizantino e o Islão

1
Identificar as características básicas do Império Bizantino
e seu papel como um dos guardiões da herança romana.
Compreender as origens do Islamismo e sua responsabilidade
4 6 11
como gerador de uma unidade nacional árabe. Relacionar as
características da religião islâmica com a expansão árabe a
partir do século VII. Compreender o papel exercido por essa
expansão no processo de isolamento europeu.
Idade Média: o Reino Franco e o Império Carolíngio
Identificar e compreender as relações entre a Igreja e o poder
político na formação e expansão do Reino Franco. Associar
essas relações com a estrutura política que caracterizou a
4 6 12
Europa na Idade Média. Compreender as ligações políticas
estabelecidas entre os chefes guerreiros francos e relacioná-
-las à forma como se deram as relações de suserania e
vassalagem entre a nobreza feudal.
Idade Média: o Feudalismo
Identificar as formas de organização econômica e social na
Europa feudal e relacioná-las com a fragmentação política
4 7 13
que marcou a Europa medieval. Relacionar os elementos
vistos anteriormente, desde a crise do Império Romano, com
essa ordem econômica e social que surgia na Europa.
Idade Média: a Igreja e os reinos medievais
Identificar a responsabilidade da Igreja na manutenção da
ordem econômica, social e política do feudalismo e compreen-
4 7 14
der o espaço ocupado por ela a partir do enfraquecimento do
Estado. Compreender aspectos da teologia católica e relacio-
ná-los com o papel exercido pela Igreja no período.

50 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Baixa Idade Média: crise feudal, Cruzadas e Renascimento
comercial e urbano
Identificar as origens da crise feudal e as transformações
econômicas e socias trazidas por ela, como o renascimento
4 8 15
do comércio e das cidades e o surgimento da burguesia.
Identificar as Cruzadas como um momento de expansão
europeia e, ao mesmo tempo, como reflexo da crise vivida
pela Europa feudal.
Baixa Idade Média: as Monarquias Nacionais na Baixa
Idade Média
Relacionar as transformações políticas que a Europa passou
4 8 16 a viver a partir da Baixa Idade Média com o fortalecimento da
autoridade dos reis, que levou à cristalização de monarquias
efetivamente nacionais, e relacioná-las às mudanças econô-

1 micas e sociais da época.


Baixa Idade Média: as crises dos séculos XIV e XV
Identificar as razões da retração econômica europeia no
4 9 17 século XIV e analisar os seus efeitos sociais. Compreender
a recuperação econômica no século XV e relacioná-la com a
necessidade das Grandes Navegações.
Renascimento cultural
Identificar as transformações culturais que a Europa passou
a viver a partir do final da Idade Média e relacioná-las com
as mudanças econômicas e sociais do período. Comparar a
4 9 18 cultura renascentista com a medieval e observar a importância
de elementos resgatados pelo Renascimento, como o
pensamento racional e humanista, que, com a formação
de uma cultura laica, estabeleceu um contraponto ao poder
cultural da Igreja.
Reformas Religiosas
Identificar as origens das reformas protestantes e relacioná-
-las às transformações vividas pela Europa, com o Renasci-
mento e o surgimento dos Estados nacionais, a partir do final
da Idade Média. Identificar os aspectos políticos nas reformas
5 10 19 e 20 Luterana e Anglicana e associá-las ao quadro de formação
dos Estados modernos. Identificar a expansão do calvinismo
e relacionar a sua doutrina ao desenvolvimento do Capitalis-

2
mo. Caracterizar os objetivos da Reforma Católica e da Con-
trarreforma, relacionando-os à ação da Companhia de Jesus.

Absolutismo: conceito teórico


Compreender a relação da monarquia com as duas classes
determinantes do período. Identificar o papel da monarquia
em defesa dos interesses da nobreza e no desenvolvimento
5 11 21
das práticas mercantis, bem como sua relação indireta com a
burguesia. Caracterizar o significado do conceito de absolutismo
e mostrar sua relação com o momento histórico. Analisar as
diferentes teorias que justificaram o Absolutismo monárquico.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 51
MED
Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Mercantilismo
Identificar as principais características do Mercantilismo e associá-
-las ao momento de formação do Capitalismo e de consolidação do
5 11 22 Absolutismo europeu. Identificar as práticas coloniais e relacioná-
las aos objetivos do Mercantilismo. Analisar as consequências da
política mercantilista para o fortalecimento das monarquias, para
o enriquecimento europeu e para a ascensão da burguesia.
Absolutismo francês
Identificar os mecanismos que contribuíram para a formação
do Estado absolutista na França. Analisar o papel das Guerras
5 12 23 de Religião e suas vinculações sociais. Analisar a relação da
monarquia com a nobreza e a burguesia, associando essa
relação à ausência de uma oposição efetiva ao poder monárquico
francês.

Absolutismo inglês
Analisar o surgimento do Parlamento no século XIII e seu papel
como elemento limitador do poder monárquico. Identificar as
5 12 24 práticas da monarquia com relação à nobreza e à burguesia,
relacionando essas práticas ao progressivo aumento da autoridade
real sobre o Parlamento. Caracterizar o conceito de Absolutismo de
fato e compará-lo ao Absolutismo de direito existente na França.
Revoluções inglesas
Analisar as razões que levaram ao crescimento da oposição
com relação ao poder monárquico. Compreender a ligação entre

2 5 13 25
o puritanismo e a burguesia na Inglaterra. Analisar as ações de
Cromwell e relacioná-las à consolidação do poder econômico
inglês sobre a Europa. Analisar o significado da Revolução
Gloriosa e o modelo político criado por ela na Inglaterra.
Analisar as ideias de John Locke, compará-las ao pensamento
de Thomas Hobbes e relacioná-las à formação do pensamento
liberal e iluminista do século XVIII.
Impérios coloniais
Analisar os aspectos da colonização espanhola na América e
das civilizações pré-colombianas que ali viviam, como os maias,
os incas e os astecas. Identificar as características da sociedade
colonial na América Espanhola e relacioná-las às formas de ex-
5 13 26
ploração econômica ali empregadas. Compreender os mecanis-
mos de utilização da mão de obra indígena e conceituar práticas
como a mita e a encomienda. Compreender os efeitos da deca-
dência da mineração sobre o domínio exercido pela Espanha na
América.
Revolução Industrial
Identificar o significado do conceito de revolução para o processo de
industrialização que se verificou na Inglaterra. Identificar e analisar
as razões que tornam a Inglaterra pioneira na industrialização.
Analisar o impacto das primeiras invenções no processo de
6 14 27 e 28
produção. Relacionar o progresso técnico à consolidação do
Capitalismo e da supremacia burguesa. Analisar o processo de
urbanização e a formação do proletariado urbano. Relacionar a
industrialização aos processos de decadência do sistema colonial
mercantilista e de declínio da escravidão.

52 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Iluminismo
Identificar a contradição entre a consolidação das monarquias
absolutistas e a ascensão da burguesia. Analisar o sentido
do termo Antigo Regime, criado pelos iluministas. Identificar
6 15 29 os precursores do pensamento iluminista e confrontar com as
formas de pensamento anteriores (liberalismo econômico ×
intervenção; liberalismo político × absolutismo). Analisar as
principais ideias dos pensadores iluministas e estabelecer um
contraponto ao pensamento de Rousseau.
Independência dos EUA
Identificar as características da colonização inglesa, as
diferenças regionais e a relativa autonomia desfrutada pelas
colônias. Analisar as razões da mudança na política inglesa
e seu impacto sobre as colônias. Identificar a influência do
6 15 30
pensamento iluminista sobre as elites coloniais. Compreender
o caráter federativo do novo Estado como forma de acomodar
os diferentes modelos de organização econômica e social e
os diferentes interesses dos Estados. Identificar a influência da
independência dos EUA sobre as demais colônias da América.
Revolução Francesa: das origens à queda da monarquia
Identificar as razões que levaram à revolução. Identificar e
comparar os interesses dos vários grupos sociais. Compreender
a influência das ideias Iluministas e seu impacto sobre a
revolução. Identificar as características da primeira Constituição
6 16 31 e 32 francesa, relacioná-las aos interesses da burguesia e, ao
mesmo tempo, compreender seu significado enquanto rejeição
aos interesses populares. Analisar as reações externas à

2 revolução. Compreender o significado da queda de Luís XVI


no sentido de perda temporária do controle do processo pela
burguesia.
Revolução Francesa: o terror e o diretório
Analisar a ação dos dois principais agrupamentos políticos e
seus compromissos com interesses de classe. Identificar as
medidas tomadas por Robespierre como expressão do caráter
popular de seu governo. Relacionar a ineficácia das medidas
6 17 33 e 34 populares de Robespierre à sua perda de apoio. Compreender o
significado do golpe do 9 do Termidor. Analisar as características
do governo do Diretório. Relacionar a instabilidade política do
período à mudança de postura da burguesia. Compreender o
significado do golpe do 18 do Brumário e analisar o sentido do
bonapartismo enquanto Estado burguês.
Período napoleônico e o Congresso de Viena
Identificar as ações internas de Napoleão como defesa dos
interesses burgueses. Identificar as ações de Napoleão como
forma de buscar apoio e controle sobre as demais classes
(nobreza, setores populares e Igreja). Compreender o significado
da política externa de Napoleão como forma de neutralizar
os adversários da França na Europa, tanto no sentido político
6 18 35 e 36 quanto econômico. Relacionar o bloqueio continental aos
interesses da burguesia francesa. Compreender os diferentes
interesses contidos na reação externa a Napoleão. Identificar
os objetivos das monarquias europeias no Congresso de
Viena, relacionando-os ao sentido da restauração. Caracterizar
o princípio da legitimidade. Compreender o equilíbrio que se
estabelece na Europa e as funções da Santa Aliança, bem como
identificar as razões que levaram ao seu fracasso.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 53
MED
Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Independência da América Espanhola e os novos Estados
americanos
Identificar o impacto da realidade europeia sobre o mundo
colonial. Analisar a ação das elites coloniais na condução da
7 19 37 e 38 luta pela independência. Identificar os interesses externos que
contribuíram para a independência das colônias espanholas.
Relacionar o fenômeno do caudilhismo à fragmentação política
que caracterizou as repúblicas oriundas da colonização
espanhola.
Os EUA no século XIX e a Guerra de Secessão
Identificar as transformações ocorridas nos EUA após a
independência. Analisar os mecanismos que levaram à
expansão para o Oeste e suas implicações. Analisar os efeitos
7 20 39 e 40 da industrialização do Norte e relacioná-la às mudanças
na correlação de forças política entre os estados da União.
Compreender o significado político da eleição de Lincoln e da
reação dos estados sulistas. Relacionar a vitória da União na
guerra à consolidação do modelo capitalista nos EUA.
As ideias políticas e sociais do século XIX: Liberalismo,
Socialismo e Nacionalismo
Analisar o sentido do Liberalismo do século XIX como uma
ideologia essencialmente burguesa e identificar suas principais

3 8 21
características. Identificar as características das primeiras
formas de pensamento socialista e compreender seu caráter
41 e 42 reformista. Identificar as características do pensamento
marxista e compreender seu sentido revolucionário enquanto
uma luta pela destruição do Capitalismo. Comparar o projeto
marxista ao anarquista, compreendendo suas diferenças.
Relacionar o marxismo ao crescimento do movimento operário
a partir da segunda metade do século XIX. Analisar o sentido do
Nacionalismo como uma expressão que independia de classes.
As Revoluções de 1830 e 1848
Identificar o caráter liberal das Revoluções de 1830, relacio-
nado-as à ordem estabelecida na Europa com o Congresso
8 21 43 de Viena. Identificar o caráter socialista e nacionalista das
Revoluções de 1848 e compreender como a repressão pela
burguesia consolidou o Estado burguês e a divisão definitiva
de interesses entre burguesia e proletariado.
Unificações italiana e alemã
Identificar as várias manifestações do Nacionalismo presentes
em ambos os movimentos. Analisar os vários interesses
sociais por trás das lutas pelas unificações. Compreender
8 22 44
o sentido das unificações como projetos essencialmente
burgueses. Relacionar as unificações, notadamente a da
Alemanha, à ruptura do equilíbrio político europeu que se
criou no Congresso de Viena.

54 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
Segunda Revolução Industrial e o Neocolonialismo
Identificar as transformações no Capitalismo a partir do século
XIX. Analisar as inovações tecnológicas e científicas desse
século e relacioná-las ao crescimento da produção industrial.
Analisar as crises do Capitalismo e os efeitos sobre suas
estruturas, levando ao Capitalismo monopolista. Associar
essa nova fase do Capitalismo a práticas como o fordismo e o
9 23 45 e 46 taylorismo. Relacionar a expansão industrial ao Imperialismo.
Comparar as diversas maneiras de dominação imperialista e
diferenciar o Imperialismo formal (Neocolonialismo) dos tipos
não formais de dominação. Analisar as diferentes teorias

3
que justificaram o Imperialismo e identificar seu conteúdo
racista. Relacionar o aumento da rivalidade entre os países
industrializados com o acirramento das tensões que levaram à
Primeira Guerra Mundial.
Primeira Guerra Mundial
Identificar as origens da guerra e relacioná-las ao quadro
de expansão do Capitalismo que marcou o século XIX.
Identificar as manifestações nacionalistas que contribuíram
9 24 47 e 48 para a guerra. Analisar o grau de devastação provocado por
ela e seus efeitos para a Revolução Russa. Compreender os
objetivos do Tratado de Versalhes. Analisar os impactos da
guerra e relacioná-los à realidade que se abre no Ocidente
durante o período entreguerras.
A Revolução Russa
Compreender as razões que levaram à revolução. Identificar
o descompasso entre o regime czarista e a nova realidade
econômica e social da Rússia. Comparar as diferenças
entre a pregação do Partido Bolchevique e a dos demais
10 25 49 e 50
partidos operários russos. Identificar as primeiras ações dos
bolcheviques no poder e relacioná-las ao projeto marxista.
Analisar o modelo stalinista e compará-lo ao projeto original da
revolução. Relacionar os efeitos da Revolução Russa sobre a
política e a sociedade mundial.
O pós-Primeira Guerra, a crise de 1929 e a depressão da
década de 1930

4 10 26 51 e 52
Identificar as origens da crise. Analisar o comportamento da
economia capitalista nos anos que acompanham a Primeira
Guerra Mundial. Analisar a relação entre o Liberalismo e o
comportamento do Estado americano antes da crise. Identificar
as principais medidas do New Deal e analisar seu significado
enquanto negação das práticas tradicionais do Liberalismo.
Os Estados totalitários
Identificar as características do fascismo e do nazismo e
relacioná-las ao momento histórico vivido pela Europa – com
o crescimento do movimento operário e a crise econômica
10 27 53 e 54
do pós-Primeira Guerra. Analisar a ação das democracias
ocidentais e a recusa destas em deter o avanço do nazismo,
relacionando esses fatos ao início da Segunda Guerra
Mundial.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 55
MED
Continuação – História – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula
dada
A Segunda Guerra Mundial
Identificar os principais eventos da guerra. Compreender o
significado da aliança entre as democracias ocidentais e a
11 28 55 e 56
URSS. Compreender os resultados da guerra, com a derrota
do nazifascismo e a consolidação definitiva do poder dos EUA
e da URSS, e relacioná-los ao advento da Guerra Fria.
O mundo do pós-Segunda Guerra: a Guerra Fria e a
descolonização afro-asiática
Analisar teoricamente a Guerra Fria e suas manifestações
e reconhecer elementos decorrentes dela, como a corrida
11 29 57 armamentista e espacial. Identificar os principais momentos
da Guerra Fria e os focos de maior tensão, como a questão
cubana. Relacionar a descolonização ao contexto aberto pelo
fim da Segunda Guerra Mundial e vinculá-la à Guerra Fria.
Analisar os objetivos da Conferência de Bandung.
O Mundo do pós-Segunda Guerra: a Revolução Chinesa,
a Guerra da Coreia e a Guerra do Vietnã
Identificar o sentido da Revolução Chinesa e o conflito entre
nacionalismo e comunismo. Analisar o significado da criação

4 11 29 58
de um governo comunista no país de maior população em
todo o mundo. Identificar os efeitos do fim da Segunda Guerra
Mundial na questão da Coreia e relacioná-la ao contexto da
Guerra Fria. Compreender as razões que levaram à Guerra
do Vietnã e relacioná-las ao contexto da descolonização e
da Guerra Fria. Analisar o impacto da Guerra do Vietnã nos
movimentos sociais que marcaram os anos 1960.
O mundo do pós-Segunda Guerra: A revolução cubana e
o Oriente Médio
Identificar as origens dos conflitos no Oriente Médio.
11 30 59 Compreender as tensões entre os Estados árabes e Israel, em
um conflito que dura até os dias atuais. Relacionar os vários
momentos de crise na região com as transformações vividas
pelo Capitalismo, como a crise do petróleo de 1973.
O fim da Guerra Fria e a Nova Ordem Internacional
Identificar as razões que levaram ao declínio da URSS e do
mundo comunista. Compreender o significado histórico de
11 30 60 propostas da perestroika e da glasnost para o fim do bloco
socialista. Compreender o sentido do triunfo do Capitalismo,
após a queda da URSS, e identificá-lo com a globalização, a
desregulamentação dos mercados e o neoliberalismo atuais.

56 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Geografia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Movimentos da Terra
Explicar os principais movimentos da Terra (rotação e
translação) e evidenciar as implicações disso para a vida no
1 1 1e2
planeta, como os dias e as noites, estações do ano, além
das variações de luminosidade ao longo do ano, que levam
algumas localidades a adotar o horário de verão.
Coordenadas geográficas
Apresentar o sistema de coordenadas geográficas (latitude,
1 2 3e4 longitude, paralelos e meridianos). Discutir sua importância
para orientação e localização, além de servir para a
implantação do sistema de fusos horários e linha da data.
Representações cartográficas
Comparar as principais projeções cartográficas (cilíndrica,
cônica e plana). Analisar as projeções de Mercator e Peters.
1 3 5e6 Caracterizar e aplicar a escala cartográfica. Distinguir os
grafismos, linhas e cores das representações. Conceituar
sensoriamento remoto, Sistema de Posicionamento Global
(GPS) e Sistema de Informações Geográficas (SIG).
Dinâmica da crosta terrestre
Identificar as camadas internas da Terra e os tipos de ro-
2 4 7e8
chas. Fazer uma análise do tempo geológico e das teorias

1
da deriva continental e tectônica de placas.
Agentes endógenos e exógenos
Abordar o papel do tectonismo (orogênese e epirogênese) na
dinâmica de formação da crosta e suas consequências (aba-
2 5 9 e 10
los sísmicos). Definir o papel do vulcanismo nesse processo e
suas implicações. Determinar o papel do intemperismo físico,
químico e biológico na modelagem da crosta.
Relevo mundial
Identificar e comparar as principais formas do relevo mundial (os
2 6 11 e 12 dobramentos modernos, as formações cratônicas e as grandes
planícies aluvionais). Apresentar alguns estudos de casos: Rift
Valley, Falha de San Andres e Cinturão de Fogo do Pacífico.
Relevo do Brasil
Classificar o relevo brasileiro segundo Aziz Ab'Saber e
2 7 13 e 14
Jurandyr Ross. Destacar as principais unidades e formas
presentes no Brasil.
Formação, classificação e degradação dos solos
Explicar os fatores para a pedogênese. Classificar os
3 8 15 e 16
principais tipos de solos e explicar quais são os agentes de
degradação dos solos.
Mineração mundial e no Brasil
4 9 17 e 18 Identificar os principais recursos e jazidas de minerais
metálicos e não metálicos produzidos no mundo e no Brasil.

Fundamentos da Climatologia

2 5 10 19 e 20
Apresentar a diferença entre tempo e clima. Caracterizar
os principais fatores geográficos do clima: latitude, altitude,
maritimidade, continentalidade e massas de ar.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 57
MED
Continuação – Geografia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Dinâmica climática
Explorar a circulação geral da atmosfera. Conceituar alta e
baixa pressão. Apresentar a Zona de Convergência Intertropical
5 11 21 e 22
(ZCIT). Explicar o que são áreas ciclonais e anticiclonais, bem
como se formam os furacões, tufões, ciclones extratropicais e
tornados. Discutir os fenômenos El Niño e La Niña.
Climas mundiais e do Brasil
Expor os principais tipos climáticos globais: equatorial, tropical
5 12 23 e 24 (monções), mediterrâneo, desértico, temperado e polar.
Verificar os principais tipos climáticos do Brasil: equatorial,
tropical (de altitude, semiárido e úmido) e subtropical.
Hidrologia
Analisar a distribuição da água, o ciclo hidrológico, a dinâmica
das marés, as principais correntes marítimas. Distinguir
6 13 25 e 26
mar territorial e zona econômica exclusiva. Caracterizar as
principais áreas de conflitos e tensões por recursos hídricos.
Conceituar o que é água virtual.
Hidrografia mundial
Evidenciar conceitos básicos, como: nascente, foz, margem,

2 6 14 27 e 28 várzea, divisor de águas, redes de drenagem, bacia hidrográfica,


talvegue, montante e jusante. Indicar as principais bacias
hidrográficas mundiais.

Hidrografia do Brasil
6 15 29 e 30 Identificar e caracterizar as grandes regiões hidrográficas
brasileiras.

Biogeografia mundial
Distinguir e analisar os fatores que determinam a distribuição
dos ecossistemas e biomas na superfície terrestre. Abordar
7 16 31 e 32
as principais características das formações vegetais mundiais
(savanas, pradarias, florestas tropicais, de coníferas ou taiga e
tundra).
Biogeografia do Brasil I
Explorar as principais características das formações vegetais
7 17 33 e 34
florestais brasileiras (amazônica, mata atlântica, mata dos
cocais e mata de araucárias).
Biogeografia do Brasil II
Indicar as principais características das formações vegetais
7 18 35 e 36
complexas (cerrado, caatinga e Pantanal), campestres
(pampas) e litorâneas (restinga e mangue).
Dinâmica demográfica
Diferenciar as teorias populacionais (malthusiana,

3
neomalthusiana e reformista) que relacionam as mudanças
8 19 37 e 38 demográficas ao desenvolvimento socioeconômico. Expor
e analisar os principais conceitos demográficos, como taxa
de natalidade, fertilidade, mortalidade, mortalidade infantil,
população absoluta e densidade demográfica.

58 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Geografia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Estrutura etária e ativa
Evidenciar os três modelos de pirâmides etárias existentes
no mundo e destacar que o Brasil está em uma fase de
8 20 39 e 40 transição demográfica. Discutir as causas e as implicações
do envelhecimento populacional mundial e do Brasil. Definir
o que é PEA e PEI. Distinguir terceirização, terciarização e
terceiro setor. Analisar o mercado de trabalho atual.
População brasileira
Avaliar a concentração da população brasileira na faixa
8 21 41 e 42 litorânea e sua formação com base nas três matrizes étnicas
(indígena, africana e europeia). Discutir a segregação racial
e as desigualdades de gênero que persistem na atualidade.
Fluxos migratórios
Determinar os fatores de atração e repulsão dos migrantes.
8 22 43 e 44 Discutir os principais fluxos migratórios mundiais e nacionais

3
(inter e intrarregionais) e o papel destes últimos na integração
do Brasil.
O processo de urbanização
Relacionar o processo de urbanização com os de
industrialização e modernização do campo, que levam
ao êxodo rural. Diferenciar esse processo nos países
9 23 45 e 46
desenvolvidos e subdesenvolvidos. Definir os conceitos de
cidade e de município. Caracterizar a cidade planejada e a
espontânea. Discutir os objetivos do Estatuto da Cidade e do
plano diretor.
Redes e hierarquia urbana
Explicar a diferença de rede urbana e de hierarquia. Relacionar
a mudança da hierarquia clássica para a moderna, com o
avanço do meio técnico-científico-informacional. Analisar o
9 24 47 e 48
processo de metropolização, conurbação, formação de regiões
metropolitanas, megacidades e megalópoles. Identificar as
principais regiões metropolitanas brasileiras e a megalópole em
formação no país.
Problemas sociais urbanos
10 25 49 e 50 Examinar a transformação das centralidades, a segregação
socioespacial e a mobilidade urbana.
Problemas socioambientais urbanos
Explorar as consequências da retirada de áreas verdes e da

4 10 26 51 e 52 impermeabilização dos solos. Discutir os principais problemas,


como as enchentes, as ilhas de calor, as inversões térmicas
e a questão do lixo.
Problemas socioambientais mundiais
Distinguir e discutir os grandes problemas ambientais globais
11 27 53 e 54
(a degradação dos oceanos, a desertificação, o buraco na
camada de ozônio e o aquecimento global).

MEDICINA | PLANEJAMENTO 59
MED
Continuação – Geografia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Geopolítica ambiental
Destacar os principais acordos e instituições de defesa
ao meio ambiente no mundo e no Brasil (Conferência de
Estocolmo, Protocolo de Montreal, Eco-92, Rio +10, Rio +20,
11 28 55 e 56
Protocolo de Quioto/Cartagena/Nagoia e Acordo de Paris).
Delimitar as correntes ambientalistas (conservacionistas e
preservacionistas). Explicar o Sistema Nacional de Unidades
de Conservação (SNUC).

4
Organização política do Brasil
Identificar a organização política do Brasil. Diferenciar os três
12 29 57 e 58
modelos de organização política (Confederação, Federação
e Estado Unitário).
Regionalização do Brasil
Examinar a razão de regionalizar um determinado território,
bem como quais são os critérios utilizados. Caracterizar as
12 30 59 e 60 três formas de regionalizar o Brasil: as cinco macrorregiões
do IBGE, os complexos regionais (também denominados
regiões geoeconômicas) e as regiões brasileiras (“os quatro
Brasis”) propostas por Milton Santos.

60 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Geografia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Do meio natural ao meio técnico-científico-informacional
Caracterizar o processo de produção do espaço, destacando
1 1 1e2 conceitos centrais, como espaço geográfico e paisagem.
Explicar a evolução do espaço, do meio natural até a
constituição do meio técnico-científico-informacional.
Internacionalização do capitalismo
Distinguir o processo de internacionalização do capitalismo e a
constituição da DIT (Divisão Internacional do Trabalho), relacio-
2 2 3e4
nando com a evolução do espaço geográfico. Caracterizar as
doutrinas econômicas (keynesianismo e neoliberalismo) que
orientaram as principais decisões econômicas do século XX.
Neoliberalismo e globalização
Examinar o papel do FMI e BIRD na economia mundial.
Contextualizar o Consenso de Washington. Conceituar a
2 3 5e6
globalização e seus reflexos econômicos (indústria, comércio
e finanças). Associar a globalização à evolução do meio
técnico-científico-informacional e ao neoliberalismo.
Global e local
Avaliar o processo de globalização, destacando seus aspectos
2 4 7e8 culturais e políticos. Discutir a seletividade (espaços luminosos,
espaços opacos e muros), a construção de muros e as

1 contradições, tanto local quanto global.


Blocos econômicos
Explicar a criação de blocos regionais como uma tendência do
2 5 9 e 10
processo de globalização. Definir os principais tipos de blocos,
partindo de casos, como Nafta, Mercosul e UE.
Modelos produtivos
Caracterizar os tipos de indústria, de industrialização
3 6 11 e 12
(clássica, tardia e NICs) e as principais revoluções industriais.
Estabelecer e comparar os processos fordista e toyotista.
Distribuição da indústria mundial
Identificar os fatores locacionais e relacioná-los aos diferentes
contextos técnicos, políticos e econômicos. Avaliar o processo
3 7 13 e 14
de industrialização dos diferentes grupos de países: centrais
e periféricos, citando exemplos. Abordar o processo de
industrialização dos Estados Unidos, como estudo de caso.
Industrialização brasileira I
Expor um breve histórico da industrialização brasileira.
3 8 15 e 16
Caracterizar a distribuição da indústria pelo território nacional,
destacando a concentração industrial na região Sudeste.
Industrialização brasileira II
3 9 17 e 18 Analisar o processo de desconcentração industrial pós-1970.
Abordar e caracterizar, por regiões, a indústria brasileira.
Sistemas agrícolas

2 4 10 19 e 20
Examinar as revoluções agrícolas, os principais sistemas
agrícolas e comparar seus aspectos técnicos e sociais.
Destacar as principais produções mundiais.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 61
MED
Continuação – Geografia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Campo brasileiro I
Explicar a modernização do campo brasileiro. Evidenciar
4 11 21 e 22
a distribuição das principais produções agropecuárias
brasileiras, destacando a "marcha da soja".
Campo brasileiro II
Discutir a questão fundiária do Brasil, seus conflitos e o
4 12 23 e 24
processo de reforma agrária. Destacar o papel da produção
familiar no Brasil.
Fontes e matrizes I
Identificar e caracterizar os conceitos fundamentais, como
5 13 25 e 26
os tipos de fontes e a matriz energética. Avaliar a matriz
energética mundial.
Fontes e matrizes II
5 14 27 e 28 Evidenciar a importância do petróleo na economia mundial.
Apresentar a evolução da matriz energética brasileira.
Fontes e matrizes III

2 5 15 29 e 30
Analisar a evolução da produção de petróleo no Brasil e sua
regulamentação. Explicar a baixa participação do carvão
mineral e a importância dos biocombustíveis para o Brasil.
Energia elétrica no Brasil
5 16 31 e 32 Caracterizar o sistema elétrico nacional e suas fontes.
Identificar as principais hidrelétricas brasileiras.
Redes de transporte e comunicação
Caracterizar as principais redes materiais e identificar os
6 17 33 e 34 grandes fluxos mundiais (aéreos, marítimos, informacionais).
Abordar as redes ferroviária, hidroviária e rodoviária do Brasil,
destacando os principais corredores de exportação.
Relações internacionais
Explicar o sistema internacional moderno, analisando os
conceitos de: território, soberania, Estado-nação e fronteira.
7 18 35 e 36 Discutir o papel de outros atores: as empresas transnacionais,
as ONGs transnacionais e organizações intergovernamentais.
Investigar o papel do sistema ONU, destacando as funções
da Assembleia Geral e do Conselho de Segurança.
Da Guerra Fria ao século XXI
Caracterizar a ordem da Guerra Fria e apresentar a Nova
8 19 37 e 38 Ordem Mundial. Discutir o papel dos EUA no mundo atual.
Avaliar as causas e as consequências do terrorismo e da
guerra ao terror. Discutir a especificidade da Coreia do Norte.

3 8 20
Centros de poder I
39 e 40 Apresentar a divisão Norte e Sul do mundo. Discutir o
surgimento de novos polos de poder. Analisar o caso do Japão.
Centros de poder II
Abordar o processo da formação da União Europeia e
8 21 41 e 42
examinar seus desafios atuais (crise migratória, PIIGS, Brexit,
separatismos).

62 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Geografia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Países emergentes
Analisar o papel dos países emergentes na Nova Ordem
8 22 43 e 44
Mundial, destacando a criação dos BRICS. Destacar os casos
da Índia e da Rússia.
China

3 8 23 45 e 46
Evidenciar e caracterizar os aspectos geopolíticos e
econômicos da China e seu protagonismo na Nova Ordem
Mundial.
Regionalização e desafios
Identificar as regiões do continente e destacar seus aspectos
9 24 47 e 48
sociais e econômicos. Analisar a singularidade da África do
Sul e as potencialidades do continente no século XXI.
Tensões e perspectivas
Investigar a origem e as consequências da Primavera Árabe
10 25 49 e 50
na África setentrional: Tunísia e Líbia. Reconhecer e analisar
os conflitos locais e os regionais africanos.
Conflitos I
11 26 51 e 52 Explicar o papel geoestratégico da região e analisar seus
fatores de tensão. Destacar o caso do Irã.
Conflitos II
Relacionar a formação do Estado de Israel e seus
11 27 53 e 54

4
desdobramentos com o mundo árabe. Examinar a atual
situação da Palestina.
Conflitos III
11 28 55 e 56 Abordar os principais conflitos no século XXI: Afeganistão,
Iraque, Síria e Iêmen.
Desafios políticos e econômicos
12 29 57 e 58 Explicar a trajetória política da região e sua evolução
econômica.
Instabilidades geopolíticas
12 30 59 e 60 Analisar áreas de conflitos e tensões na América Latina:
Cuba, Colômbia e Venezuela.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 63
MED
Filosofia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
O surgimento da Filosofia
Introduzir o conceito de filosofia e distinguir mito de filosofia.
1 1 1
Apresentar as principais razões para o surgimento da filosofia
na Grécia.
Filósofos da natureza
Conhecer as primeiras tentativas racionais de compreensão
1 2 2 da realidade e seus representantes: Tales, Anaximandro,
Anaxímenes, Pitágoras, Xenófanes, Heráclito, Parmênides,
Zenão, Empédocles, Anaxágoras e Demócrito.
Democracia e a escola sofística
Analisar o desenvolvimento da filosofia no surgimento da de-
2 3 3
mocracia. Compreender a escola sofística e os paradoxos da
linguagem.
Sócrates, o “pai da filosofia”
Estudar a metafísica e o método socrático: a ironia e a maiêutica.
2 4 4
Explicar a condenação de Sócrates, considerado um divisor de
águas na Filosofia.
Platão e o “Mito da caverna”
Compreender os principais conceitos da filosofia de Platão:
2 5 5
ontologia, teoria do conhecimento e teoria política, bem como
Único

as múltiplas interpretações do “Mito da caverna”.


A filosofia aristotélica
Apresentar as ideias mais importantes de Aristóteles e a
3 6 6
novidade trazida por ele em relação à filosofia platônica: o
conhecimento do ser, a lógica, a ética e a política.
As escolas helenistas
Contextualizar o surgimento dos quatro sistemas filosóficos
3 7 7
helenistas – o cinismo, o ceticismo, o estoicismo e o epicurismo
– no seio da decadente democracia grega.
Filosofia medieval: o período patrístico
Introduzir o pensamento filosófico cristão e compreender a
4 8 8
relação entre fé e razão. Expor os conceitos do mais eminente
filósofo patrístico: Santo Agostinho.
Filosofia medieval: o período escolástico
Mostrar a influência da filosofia árabe no ocidente cristão.
5 9 9 Explicar o surgimento das universidades e das grandes escolas
de pensamento. Conhecer os representantes da escolástica,
com destaque para Santo Tomás de Aquino.
Renascimento: ruptura com a escolástica
Compreender o movimento renascentista a partir da ruptura
com o paradigma da escolástica. Entender que o ser humano,
a ciência e o conhecimento pela experiência tornam-se o
5 10 10
centro das reflexões, cujos precursores foram Roger Bacon,
Guilherme de Ockham e Nicolau de Cusa. Apresentar como
expoentes desse período: Erasmo de Rotterdam, Giordano
Bruno, Nicolau Copérnico, Galileu Galilei e Nicolau Maquiavel.

64 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Filosofia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
O racionalismo moderno
Discutir a filosofia de René Descartes, a dúvida metódica e o
cogito, bem como o argumento dele sobre a existência de
6 11 11
Deus. Explanar pontos essenciais da doutrina de Pascal, como
o pensamento, a diversão, o limite da razão e a questão da
existência de Deus.
O empirismo: o conhecimento pela experiência
Relacionar os empiristas ingleses às suas ideias: Francis Bacon
6 12 12
e o método experimental; John Locke e a mente como tábula
rasa; David Hume e o problema da causalidade.
A filosofia iluminista: o auge da razão
Demonstrar os desdobramentos políticos de uma visão racional
do mundo. Destacar a luta de Voltaire contra a intolerância;
6 13 13 a proposta de Monstequieu pela divisão dos três poderes;
o esforço contra a ignorância, por meio do enciclopedismo
de Diderot e D’Alambert; e a valorização do natural e do
coletivismo, de Rousseau.
Kant e sua revolução copernicana
Definir a “revolução copernicana”, empreendida por Immanuel
Kant na teoria do conhecimento, e demonstrar por que
7 14 14 o filósofo é considerado o fruto mais bem-acabado do
Único

Iluminismo. Iniciar a explanação das ideias fundamentais da


Crítica da razão pura: a “Estética transcendental” e a “Analítica
transcendental”.
Crítica da razão prática e Crítica do juízo
Concluir a explanação sobre a teoria do conhecimento de
7 15 15 Kant, com as antinomias kantianas. Diferenciar razão pura
de razão prática. Realizar a exposição da moral kantiana,
sintetizada no imperativo categórico, bem como sua estética.
Idealismo alemão e pensamento romântico
Contextualizar o movimento romântico e apresentar a sua
crítica ao racionalismo exacerbado no movimento cultural do
século XVIII. Identificar os pensadores do idealismo alemão
8 16 16
e suas ideias mais significativas, tais como: Fichte e o “Eu
puro”; Schelling e o idealismo transcendental; Schopenhauer
e O mundo como vontade e representação; Kierkegaard e a
angústia tematizada.
Hegel e a dialética idealista
Compreender o sistema hegeliano dentro do idealismo
9 17 17
alemão. Estudar o método dialético, sua filosofia da história e
a consciência levada ao absoluto.
Marx e o materialismo histórico e dialético
Entender a crítica de Marx ao idealismo de Hegel, a qual
o levou ao materialismo histórico. Discutir e relacionar os
9 18 18
conceitos-chave dentro do sistema marxista: trabalho, meio
de produção, economia, ideologia, mais-valia, luta de classes
e revolução do proletariado.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 65
MED
Continuação – Filosofia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Nietzsche e a crítica à metafísica
Analisar a produção de Nietzsche em oposição ao pensamen-
10 19 19 to metafísico e ao socrático-platônico-aristotélico. Estudar a
revalorização dos filósofos da natureza, a análise das forças
apolíneas e dionisíacas e a ruptura com toda forma de ideal.
A morte de Deus, o super-homem e a nova filosofia
Interpretar a morte de Deus e o surgimento do super-homem
10 20 20 em Nietzsche. Explanar sua proposta de uma nova ciência
filosófica impensada e distante dos modelos existentes – a
“filosofia do martelo” – e a desconstrução niilista.
Husserl, o pai da fenomenologia
Apresentar a abordagem fenomenológica como atitude diante
11 21 21 do mundo. Mostrar suas bases e consequências no pensa-
mento de Husserl, explicitando os conceitos de realidade, in-
tuição, intencionalidade e suspensão.
O sentido do ser em Heidegger
Perceber a temporalidade como dimensão existencial do ser,
11 22 22
no pensamento de Heidegger, e seus desdobramentos na ética
e na ontologia.
Único

O existencialismo de Sartre
Analisar a reviravolta operada por Sartre ao afirmar que
12 23 23 “a existência precede a essência” e que o homem está
condenado a ser livre. Explicitar a relação entre liberdade e
responsabilidade e a relação entre ato individual e social.
A linguagem como tema filosófico
Introduzir o tema da linguagem no horizonte filosófico e eviden-
13 24 24
ciar os motivos da busca pela clareza e exatidão da linguagem
em Bertrand Russel. Expor a reflexão dele sobre a incerteza.
Wittgenstein e os limites da linguagem
Mostrar as duas fases do pensamento de Wittgenstein: a do
13 25 25
Tractatus e a das Investigações. Evidenciar o principal enfoque
de cada momento de sua reflexão sobre a linguagem.
Introdução à Escola de Frankfurt e Adorno
Desenvolver as bases conceituais da Escola de Frankfurt e
14 26 26 compreender as críticas realizadas por ela, especialmente a
crítica à razão instrumental e à cultura de massa. Compreender
a ênfase dada por Adorno em sua crítica ao totalitarismo.
Horkheimer e Habermas
Compreender a razão que questiona a razão baseada na
14 27 27 dominação e que desconstrói os sistemas de opressão,
segundo Horkheimer. Definir o que Habermas entende por
Teoria da ação comunicativa.

66 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Filosofia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
A filosofia contemporânea e suas vertentes
Conceituar a filosofia contemporânea e suas preocupações.
15 28 28 Explanar o pensamento de Michel Foucault, seu método
arqueológico e suas análises sobre o saber, o poder e as
instituições.
Único

Deleuze e Derrida: reinterpretar e desconstruir


Apresentar a filosofia da diferença de Deleuze e sua reinter-
15 29 29
pretação do inconsciente freudiano. Explicar a filosofia da
desconstrução de Derrida.
Comte-Sponville e Luc Ferry: felicidade e humanismo
Discutir as ideias de felicidade e de “saber-viver”. Conceituar
15 30 30 a construção de uma espiritualidade sem Deus em Comte-
-Sponville. Compreender a elaboração de um “novo huma-
nismo” social e ético em Ferry.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 67
MED
Sociologia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Conceito de Sociologia
Introduzir os conceitos básicos para o estudo da Sociologia e
1 1 1
abordar as transformações ocorridas na humanidade, desde
o seu surgimento até a criação do Estado.
O surgimento da Sociologia
Compreender como a reflexão sociológica evoluiu ao longo
1 2 2
da história até seu surgimento como ciência autônoma, no
período pós-Revolução Industrial.
A influência de Comte e Darwin no pensar sociológico
Identificar as principais influências teóricas no pensar socio-
2 3 3
lógico, advindas basicamente de Auguste Comte (filósofo po-
sitivista) e Charles Darwin (naturalista evolucionista).
Émile Durkheim e o fato social
Analisar o fato social e as suas características e classificá-lo
2 4 4 como objeto da Sociologia. Apresentar a análise de Durkheim
sobre o suicídio e diferenciar os tipos de solidariedade que
podem existir em sociedades distintas.
A crítica de Karl Marx ao capitalismo
Entender a crítica de Marx ao capitalismo industrial e a
3 5 5 preponderância da economia na sua análise social. Discutir
os meios de produção existentes em diferentes períodos da
Único

história.
Conceitos-chave para a compreensão do marxismo
Discutir o sistema marxista e seus conceitos-chave: trabalho,
3 6 6 mais-valia, luta de classes, ideologia e revolução. Distinguir
o ideal socialista de socialismo real e diferenciar os diversos
modelos de estratificação social.
Max Weber e a ação social
Compreender a ação social como elemento de análise da
4 7 7 sociedade e o papel do Estado sob a perspectiva weberiana.
Apresentar as relações entre o protestantismo e o capitalismo
nos estudos de Weber.
A antropologia e suas abordagens
Contextualizar o surgimento da antropologia como ciência au-
tônoma no movimento neocolonialista e imperialista europeu.
4 8 8
Expor o funcionalismo de Malinowski e o estruturalismo de
Lévi-Strauss, diferenciando-os. Apresentar os rumos da an-
tropologia contemporânea.
O mundo do trabalho
Discutir as concepções de trabalho, o seu valor ao longo
da história; o trabalho como fonte de riqueza, desigualdade
5 9 9
e exploração; e o trabalho como capacidade criativa e
de realização pessoal. Identificar os diferentes modelos
produtivos.
O mundo globalizado
5 10 10 Caracterizar a globalização como um fenômeno do capitalismo
e discutir a questão do trabalho nesse universo.

68 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Sociologia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Economia e sociedade
Apresentar as diversas perspectivas da economia em relação
6 11 11
à sociedade: o neoliberalismo, a social-democracia e a
democracia popular.

Desigualdade, pobreza e exclusão


6 12 12 Destacar a pobreza e a exclusão social como frutos de
políticas econômicas que criam relações de desigualdade.

A construção da cidadania
Mostrar que a cidadania é uma construção constante e
7 13 13
contínua, sempre em aperfeiçoamento. Introduzir o conceito
de minorias.
Minorias
7 14 14 Estudar diversos grupos como minorias sociais: indígenas,
negros, mulheres, idosos, entre outros.
Movimentos sociais
Conceituar movimentos sociais e distinguir seus elementos
8 15 e 16 15 e 16 constitutivos e seus objetivos dentro da sociedade. Apresentar
os movimentos sociais mais marcantes da história do Brasil,
desde a época do Império até os movimentos mais recentes.
Família como instituição social
Único

Compreender o papel da família como instituição social


9 17 17 básica, na qual se produzem e reproduzem os valores de uma
sociedade. Conceituar os tipos de famílias − suas múltiplas
configurações e características −, o divórcio e a natalidade.
Igreja(s) como instituição social
Entender a Igreja Católica como instituição social com
forte influência nos rumos da história em geral e na cultura
brasileira.Traçar um perfil das demais matrizes religiosas
9 18 18
que contribuíram para a formação da identidade do povo
brasileiro: o protestantismo (tradicional e neopentecostal), as
religiões afro, o espiritismo, o judaísmo e o islamismo, bem
como o laicismo − ausência de religião.
Poder e Estado
Analisar as diversas configurações de Estado, o surgimento
10 19 19
do Estado de direito – como superação do Estado absoluto –,
a divisão dos poderes e o Estado democrático.
Estrutura, organização e formação do Estado brasileiro
Apresentar dados e elementos da estrutura, organização
e história da formação do Estado brasileiro, partindo da
10 20 20
proclamação da República, passando pelo regime militar
e pela promulgação da Constituição de 1988 até a Nova
República.
O processo de urbanização na América Latina e no Brasil
Entender como se deu o processo de urbanização na América
11 21 21 Latina e no Brasil, identificando os maiores desafios trazidos
por essa urbanização, tais como a superpopulação, a mobilida-
de urbana, os problemas ecológicos e as moradias precárias.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 69
MED
Continuação – Sociologia

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
A violência social
Estudar a relação entre violência social, desigualdade e
pobreza nos contextos urbano e rural. Identificar os tipos de
11 22 22
violência e a incidência da criminalidade. Abordar a situação
precária das políticas públicas de segurança para erradicar
efetivamente a violência no Brasil.
Estado de bem-estar social
Compreender o significado de bem-estar social, o histórico
12 23 23 brasileiro de subdesenvolvimento e de desigualdade. Apre-
sentar a classificação de localidades segundo o IDH (Índice
de Desenvolvimento Humano).
Estado assistencialista e Estado neoliberal
Identificar as características e as consequências de um
12 24 24 Estado assistencialista e de um Estado neoliberal. Conhecer
os programas sociais, compreender a necessidade deles, os
seus efeitos e a sua organização.
Cultura
Caracterizar a cultura como um fenômeno humano, desta-
13 25 25 cando seus elementos (materiais e imateriais) e aspectos.
Único

Identificar processos de aculturação e movimentos de con-


tracultura.
Educação
Compreender a educação como uma atividade de transmissão
de cultura em uma sociedade. Revelar as potencialidades e
13 26 26
os problemas a ela relacionados no país: o analfabetismo, os
índices de escolaridade, a infraestrutura precária e o acesso
ao Ensino Superior.
Indústria Cultural
Estudar a industrialização dos bens culturais e entender
as suas consequências, tendo como base a teoria crítica
desenvolvida pelos pensadores da Escola de Frankfurt.
14 27 e 28 27 e 28
Diferenciar cultura de massa de cultura popular. Refletir sobre
os números brasileiros da indústria cultural e o papel dos
meios de comunicação de massa na atualidade, com ênfase
para a televisão, a internet e as redes sociais.
Sociologia no Brasil
Conhecer a trajetória da reflexão sociológica no Brasil,
15 29 29
com destaque para seus principais representantes e suas
influências.
Sociologia contemporânea
Mostrar a importância da reflexão sociológica em nossos dias,
15 30 30
bem como as principais escolas, os temas, os pensadores e
suas perspectivas.

70 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Questões Contemporâneas

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
O olhar, o outro e o preconceito
Introduzir a questão sobre o olhar e o modo como interpretamos
1 1e2 1e2 o que vemos, como projeção de quem somos e dos valores
que cultivamos. Conceituar o preconceito e apresentar a ideia
de invisibilidade social (amnésia seletiva).
A condição feminina
Oferecer um panorama geral da situação da mulher no Brasil
de hoje e resgatar a história das primeiras feministas. Tratar
2 3e4 3e4 também da estruturação do feminismo como movimento de
luta por igualdade de direitos e de combate à violência física,
psicológica e social – sustentada pela sociedade machista –
contra a mulher.
O homem e a tecnologia: as redes sociais e o mundo
Identificar o imaginário tecnológico nos filmes contemporâneos.
Reconhecer a relação entre as mídias sociais e as mudanças
3 5e6 5e6
na socialização humana, e entre essas mesmas mídias e os
movimentos sociais. Exemplificar essa última relação por meio
do “Movimento Passe Livre”.
Vivemos em uma sociedade de vigilância?
Apresentar o uso da tecnologia e da realidade virtual como
nova forma de espionagem, que ficou célebre pelo caso
Único

4 7e8 7e8 Snowden. Questionar se ainda pode existir privacidade em


uma sociedade de vigilância e de exposição constante e
as consequências que advêm disso para a construção da
personalidade humana.
A cidade e os homens
Relacionar cidade e espaço urbano e resgatar a história da
formação das cidades, da urbe medieval à cidade capitalista.
5 9 e 10 9 e 10
Compreender a divisão centro-periferia, a constituição da
cidade no século XXI, a dinâmica da especulação imobiliária
e os direitos a transporte e moradia.
Relações culturais
Promover o entendimento da dimensão de poder, luta social
6 11 e 12 11 e 12 e política expressa pela cultura. Apresentar a originalidade da
cultura brasileira e as pessoas, os grupos ou os movimentos
que a influenciaram.
Assimetrias da globalização
Propor uma conceituação de globalização e localizá-la
na história, com ênfase para os aspectos econômico e
7 13 e 14 13 e 14 financeiro. Em seguida, apresentar o aspecto sociocultural
da globalização, suas tensões e manifestações. Por fim,
destacar as assimetrias das quais ela não dá conta, como as
desigualdades em vários níveis.

A guerra no mundo contemporâneo


Refletir sobre a presença e a recorrência das guerras como
8 15 e 16 15 e 16
forma de solucionar conflitos na atualidade e ao longo da
história humana.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 71
MED
Continuação – Questões Contemporâneas

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
O poder do simbólico
Definir o poder do simbólico, seus elementos e dos siste-
9 17 e 18 17 e 18 mas simbólicos. Entender os conceitos de capital cultural e
capital simbólico para Bordieu, assim como as desigualda-
des que se estabelecem no acesso a esses capitais.
O que é democracia?
Mostrar as origens e a construção da democracia e suas
diversas formas, a fim de demonstrar sua dinamicidade
10 19 e 20 19 e 20
e transformações. E, a partir do conhecimento de suas
diversas faces, chegar a uma definição ampla e satisfatória
de democracia.
A política no Brasil: heranças históricas
Sistematizar as características mais importantes de cada
período histórico do Brasil – colônia, império, primeira
11 21 e 22 21 e 22
república e governos militares –, que ainda exerce influência
na atualidade, com especial ênfase na questão agrária e
racial.
O homem cordial
Único

Apresentar os pensadores de 1930: Gilberto Freyre, Caio


Padro Júnior e Sérgio Buarque de Holanda, bem como a
12 23 e 24 23 e 24 nova interpretação da realidade, da história, da sociedade
e da cultura brasileira que eles propuseram. Conceituar o
patrimonialismo na política brasileira e refletir sobre o homem
cordial, conforme o pensamento de Sérgio Buarque.
Alienação
Discutir em que medida os meios de comunicação podem
13 25 e 26 25 e 26
promover a alienação. Distinguir a concepção marxista de
alienação e como ela se dá também na vida cotidiana.
O trabalho no mundo contemporâneo
Compreender a Revolução Industrial e as transformações
que ela promoveu no mundo do trabalho, analisar suas
14 27 e 28 27 e 28 consequências, as lutas pelas transformações nas relações
trabalhistas, as crises geradas pelo capitalismo e a
precarização do trabalho no período pós-Segunda Guerra
Mundial. Refletir sobre os rumos do trabalho no século XXI.
A experiência
Introduzir a discussão sobre o significado do termo
“experiência”, a partir de sua etimologia. Estudar a situação
15 29 e 30 29 e 30
da experiência no mundo moderno e os fatores que a
obstaculizam. Apresentar propostas que permitam o resgate
da experiência na cultura atual.

72 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Biologia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Níveis de organização dos seres vivos/Modelos celulares/
Noções de bioenergética
Apresentar as áreas de estudo da Biologia e relacioná-las aos
níveis de organização dos seres vivos. Descrever os modelos
1 1e2 1a4 celulares (animal, vegetal e bacteriano) e caracterizar seus
componentes e suas funções. Desenvolver noções básicas
de bioenergética (fotossíntese, quimiossíntese, respiração
celular, fermentação e ATP) e situar os organismos autótrofos e
heterótrofos nesses conceitos.
Organização do núcleo/Cromossomos/Ploidia
Descrever a organização do núcleo. Desenvolver noções
2 3 5e6 básicas de ciclo celular. Estudar os cromossomos (composição,
arquitetura e função). Caracterizar os tipos de ploidia. Conceituar
cromossomos homólogos e alelos.
Noções de material genético/Controle metabólico/
Mutações
2 4e5 7a9 Discutir o papel do material genético no controle metabólico e
na hereditariedade. Introduzir a noção de gene. Conceituar

1
mutações e relacioná-las à variabilidade genética.
Mitose
Conceituar mitose e discutir os seus papéis biológicos.
Apresentar as fases do ciclo celular, descrevendo as alterações
3 5e6 10 e 11
do material genético, da carioteca, do nucléolo e do fuso.
Caracterizar as modificações na quantidade de DNA ao longo
da mitose.
Meiose e gametogênese
Conceituar meiose e discutir os seus papéis biológicos.
Apresentar as fases do processo, descrevendo as alterações
3 6a8 12 a 15 do material genético, da carioteca, do nucléolo e do fuso.
Caracterizar as modificações na quantidade de DNA ao longo da
meiose. Detalhar os processos de gametogênese masculina e
feminina, com as variações de ploidia e de DNA.
Composição química dos seres vivos: água, sais minerais,
carboidratos e lipídeos
Introduzir os estudos de bioquímica, apresentando os
5 8e9 16 a 18
componentes químicos dos seres vivos. Discutir os papéis
biológicos da água e dos sais minerais. Conceituar, classificar e
descrever os papéis biológicos de carboidratos e lipídeos.
Composição química dos seres vivos: proteínas
Caracterizar quimicamente as proteínas e descrever seus papéis
biológicos. Conceituar e classificar aminoácidos e peptídeos.
6 10 19 e 20 Discutir os níveis de organização das proteínas (estruturas

2
primária, secundária, terciária e quaternária). Explicar a relação
entre a forma e a função de uma proteína e os fatores que podem
alterá-las (mutações e desnaturação proteica).
Composição química dos seres vivos: enzimas
6 11 21 Conceituar enzimas e analisar os fatores que afetam a sua
atividade.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 73
MED
Continuação – Biologia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Composição química dos seres vivos: ácidos nucleicos
Identificar os tipos de ácidos nucleicos (DNA e RNA) e seus
componentes químicos (nucleotídeos). Descrever o modelo de
7 11 e 12 22 e 23
Watson e Crick. Discutir o papel biológico dos ácidos nucleicos
e relacioná-los com os processos de replicação, transcrição e
tradução.
Código genético e síntese de proteínas
Conceituar código genético e apontar suas principais
7 12 e 13 24 e 25
características (universal e degenerado). Descrever as etapas
do processo de síntese de proteínas.
Bioenergética: respiração celular e fermentação
Descrever os processos de liberação de energia (respiração
celular e fermentação) e localizá-los nos compartimentos
8 13 a 15 26 a 29
celulares. Discutir as principais etapas de tais processos e
relacioná-las ao armazenamento de energia na forma de ATP.
Caracterizar anabolismo e catabolismo.
Bioenergética: quimiossíntese e fotossíntese
Descrever os processos acumuladores de energia
(quimiossíntese e fotossíntese). Localizar as etapas da

2 8 15 e 16 30 a 32 fotossíntese no interior do cloroplasto e descrever seus


reagentes, produtos intermediários e produtos finais. Estudar
aspectos da fisiologia da fotossíntese (influência da luz,
fatores limitantes e ponto de compensação fótico).

Citoplasma e hipótese da endossimbiose


Descrever os principais componentes do citoplasma. Detalhar
10 17 33 as características e os componentes do citosol e das estruturas
imersas. Apresentar a hipótese da endossimbiose e o seu
embasamento teórico.

Organelas citoplasmáticas
Descrever os componentes citoplasmáticos (ribossomos,
10 17 e 18 34 e 35 sistema de endomembranas, citoesqueleto e centríolos), bem
como suas funções e interações.

Membrana plasmática e suas especializações


Apresentar os tipos de envoltórios celulares (parede celular
e membrana plasmática), suas funções e os grupos de seres
11 18 36 vivos em que essas estruturas ocorrem. Descrever a estrutura
e a composição química da membrana plasmática. Estudar as
especializações da membrana (interdigitações, desmossomos e
microvilosidades).

74 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Biologia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Introdução à Genética clássica
Introduzir os principais aspectos da Genética clássica: noções
13 19 a 20 37 a 39 de probabilidade, o papel dos gametas e os fundamentos da
Primeira Lei de Mendel. Explorar os padrões de cruzamentos
e a utilização de heredogramas.
Variações da Primeira Lei de Mendel
Apresentar as variações da Primeira Lei de Mendel. Conceituar
alelos letais, dominância incompleta, codominância, pleiotropia,
14 20 e 21 40 a 42

3
expressividade variável e penetrância e mostrar os padrões
de herança envolvidos nesses casos. Estudar os tipos de
gemelaridade.
Alelos múltiplos e sistema ABO
15 22 e 23 43 a 45 Conceituar alelos múltiplos. Descrever aspectos genéticos e
fisiológicos do sistema ABO (tipagem e transfusão sanguínea).

Sistema Rh
Descrever aspectos genéticos e fisiológicos do sistema
15 23 e 24 46 a 48
sanguíneo Rh (tipagem e transfusão sanguínea e eritroblastose
fetal). Conceituar o sistema MN.
Segunda Lei de Mendel
Discutir a Segunda Lei de Mendel (lei da segregação
16 25 49 e 50 independente). Determinar o número de gametas formados
e o número de encontros gaméticos. Estudar os tipos de
cruzamentos e suas proporções genotípicas e fenotípicas.
Interações gênicas
Conceituar e classificar as interações gênicas: simples e
epistasia (dominante e recessiva). Estudar os principais casos
17 26 51 e 52 de herança quantitativa e explorar a determinação do número
de classes fenotípicas. Trabalhar os padrões de cruzamentos

4
e as proporções esperadas na prole, relacionando com o
Triângulo de Pascal.
Linkage e mapas gênicos
Conceituar linkage, relacioná-lo à ocorrência de crossing-over
18 27 53 e 54 e mostrar a sua contribuição na formação de gametas.
Determinar as taxas de recombinação e empregá-las na
construção de mapas genéticos.
Genoma humano e cromossomos sexuais
Estudar a importância dos cromossomos sexuais. Classificar
19 28 55 e 56 os sistemas de determinação do sexo. Apresentar os casos de
heranças limitada, influenciada e ligada ao sexo. Conceituar
cromatina sexual e mostrar a sua importância.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 75
MED
Continuação – Biologia – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Mutações gênicas e cromossômicas
Retomar o estudo das mutações e classificá-las em gênicas
(inserção, deleção e substituição) e cromossômicas
20 29 57 e 58 (estruturais e numéricas). Detalhar as mutações numéricas
(euploidias e aneuploidias). Descrever casos mais frequentes

4
de aneuploidias humanas (triplo X, Klinefelter, duplo Y, Turner,
Down).
Genética de populações
Estudar a genética das populações. Conceituar as condições
21 30 59 e 60 de equilíbrio genético da população. Relacionar evolução
e genética. Calcular a frequência de alelos na população
(teorema de Hardy-Weinberg).

76 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Biologia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Evolução: conceito e evidências
1 1 1 Apresentar o conceito de evolução biológica e discutir as
principais evidências evolutivas.
Mecanismos de evolução: Lamarck e Darwin
1 1 2 Explicar os mecanismos de evolução segundo Lamarck e
Darwin, destacando as diferenças entre as duas visões.

Mecanismos de evolução: neodarwinismo


Analisar o mecanismo de evolução de acordo com o
1 2 3
neodarwinismo (teoria sintética da evolução). Ressaltar a relação
entre genética e variabilidade dos seres vivos.

Evolução: especiação e seus desdobramentos


Conceituar espécie. Apresentar os tipos de isolamento
reprodutivo (pré-zigótico e pós-zigótico). Mostrar os tipos de
2 2e3 4a6 especiação (simpátrica e alopátrica). Discutir os processos de
irradiação e convergência adaptativa, homologia e analogia,
bem como interações ambientais (coloração de advertência,
mimetismo e camuflagem).
Fundamentos da ecologia
Apresentar os fundamentos da ecologia. Recapitular e aprofundar
os conceitos de: espécie, população, comunidade, fatores
3 4 7e8
abióticos, ecossistema e biosfera. Apresentar as divisões da
biosfera. Conceituar ecótone, hábitat e nicho ecológico. Estudar
a estrutura das cadeias alimentares e seus níveis tróficos.

1 Energia no ecossistema
Estudar a energia no ecossistema. Explicar os componentes
4 5 9 e 10 das teias alimentares. Discutir os tipos de pirâmides ecológicas
(número, biomassa e energia). Conceituar produtividade primária
bruta e primária líquida.
Matéria no ecossistema
Estudar os ciclos da matéria no ecossistema: água, carbono e
4 6 11 e 12
nitrogênio. Iniciar a análise da interferência humana no equilíbrio
da natureza.
Relações entre os seres vivos e populações
Classificar as relações entre os seres vivos em intraespecíficas
e interespecíficas. Apresentar os tipos de relações ecológicas
intraespecíficas (positivas e negativas). Analisar os fatores que
5 7 13 e 14
interferem na densidade da população. Discutir os conceitos de
potencial biótico e resistência ambiental. Apresentar os tipos de
população segundo o padrão de crescimento (não controlada e
controlada).
Relações interespecíficas
Discutir as relações ecológicas interespecíficas (positivas e
5 8 15 e 16
negativas). Detalhar as interações de competição, amensalismo,
parasitismo e predatismo.
Sucessão ecológica
Conceituar sucessão ecológica. Classificar os tipos de sucessão
5 9 17 e 18
ecológica (primária e secundária) e analisar as etapas desses
processos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 77
MED
Continuação – Biologia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Procariontes: bactérias e arqueas
Estudar os organismos procariontes (bactérias e arqueas).
7 10 e 11 19 a 22 Analisar a estrutura das bactérias, suas funções vitais e sua
importância (industrial, ecológica e patológica). Conceituar e
classificar as arqueas.
Vírus
Estudar a estrutura dos vírus e o processo de infecção viral.
8 12 e 13 23 a 26 Analisar o metabolismo dos ácidos nucleicos virais em: vírus de
DNA, retrovírus, H1N1. Apresentar exemplos de viroses segundo
os meios de transmissão.
Fungos
9 14 27 e 28 Estudar as principais características dos fungos e a importância
do grupo (industrial, alimentar, ecológica e patológica).

2 9 15
Algas
29 e 30 Estudar os grupos de algas: classificação, características gerais
e importância do grupo (industrial, alimentar e ecológica).
Classificação básica das plantas e ciclos reprodutivos de
eucariontes
10 16 31 e 32 Apresentar a classificação básica das plantas (briófitas,
pteridófitas, gimnospermas e angiospermas). Discutir os ciclos
reprodutivos de eucariontes.
Classificação geral das plantas. Briófitas e pteridófitas
Ampliar a classificação das plantas: avasculares e traqueófitas,
11 17 33 e 34
criptógamas e fanerógamas. Detalhar o estudo de briófitas e
pteridófitas: estrutura, principais exemplos e ciclo reprodutivo.
Gimnospermas
12 18 35 e 36 Estudar o grupo das gimnospermas: estrutura, principais
exemplos e ciclo reprodutivo.
Angiospermas: aspectos da reprodução
Estudar o grupo das angiospermas: características gerais,
13 19 37 e 38
estrutura da flor e ciclo reprodutivo. Comparar gimnospermas e
angiospermas.
Angiospermas: classificação, polinização e fruto
Analisar os componentes da semente de angiospermas. Clas-
sificar angiospermas em monocotiledôneas, eudicotiledôneas e

3
13 20 39 e 40
dicotiledôneas basais. Apresentar os tipos de polinização e as
adaptações das flores aos agentes polinizadores. Estudar os
tipos e as funções dos frutos.

Morfologia externa das plantas


Apresentar os grandes aspectos da morfologia externa das
14 21 41 e 42
plantas. Estudar a estrutura e a classificação dos órgãos
vegetativos das plantas: raiz, caule e folha.

78 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Biologia – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada

Apresentação dos tecidos vegetais


Apresentar os tecidos vegetais. Classificar os tecidos
15 22 43 e 44 permanentes (condução, sustentação, revestimento e
parênquimas). Analisar os tipos de tecidos meristemáticos e as
características das células meristemáticas.

Nutrição e secreção vegetal


Apresentar os tipos de nutrição vegetal (orgânica e inorgânica).

3 16 23 45 e 46
Conceituar macro e micronutrientes. Analisar a estrutura da
folha, da raiz e do caule, estabelecendo suas relações com
a nutrição. Discutir os principais tipos de tecidos de secreção
vegetal: nectários e canais laticíferos e resiníferos.
Revestimento e trocas gasosas em plantas
Estudar os tecidos de revestimento: epiderme e súber. Analisar
as trocas gasosas nas plantas e discutir a estrutura e o
17 24 47 e 48
funcionamento dos estômatos. Estudar a transpiração vegetal:
importância, métodos de demonstração e curva de fechamento
estomático.
Transporte e sustentação em plantas
Estudar os tecidos de condução de seiva (xilema e floema) e os
tecidos de sustentação (esclerênquima e colênquima). Explicar
18 25 e 26 49 a 52 o mecanismo de condução de seiva bruta e de seca fisiológica.
Explicar o mecanismo de condução de seiva elaborada e analisar
alguns aspectos práticos acerca desse processo: pulgões e anel
de Malpighi.

4 19 27 e 28 53 a 56
Hormônios vegetais
Estudar os hormônios vegetais e sua interferência nas atividades
da planta: germinação, crescimento, redução do metabolismo e
maturação.
Movimentos vegetais e fotoperiodismo
Classificar e explicar os movimentos vegetais (tactismo, tropismo
20 29 e 30 57 a 60 e nastismo). Estudar o fotoperiodismo. Classificar as plantas em
PDL e PDC e analisar a importância do fitocromo em processos
fisiológicos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 79
MED
Biologia – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Classificação dos seres vivos
Estudar os fundamentos da classificação dos seres vivos.
1 1e2 1a3
Conceituar taxonomia e apresentar os grandes reinos e domínios
de seres vivos. Explicar as regras de nomenclatura biológica.
Evolução e sistemática. Apresentação dos grandes
grupos zoológicos
1 2e3 4a6 Discutir os principais aspectos da filogenia e da cladística.
Apresentar o processo de anagênese. Introduzir as principais
características dos grandes grupos zoológicos.
Protozoários

1
2 4 7e8
Estudar os protozoários: estrutura, funções vitais e classificação.
Poríferos
3 5 9 Apresentar o grupo dos poríferos: estrutura, funções vitais e
classificação.
Organização funcional dos animais
Analisar a organização funcional dos animais. Conceituar
5 5e6 10 e 11
homeostase e relacioná-la com as funções vitais. Conceituar e
exemplificar a reprodução assexuada e a sexuada.
Classificação dos grupos zoológicos
5 6a9 12 a 18 Classificar os grupos zoológicos a partir dos cnidários: aspectos
gerais, classificações dos grupos e reprodução.

Fisiologia comparada: organização geral dos


enterozoários
6 10 a 12 19 a 23 Estudar os grupos animais sob o prisma da Fisiologia comparada,
analisando os sistemas nervoso, digestório, circulatório,
respiratório e excretor.
Cordados: aspectos gerais e classificação
Estudar os cordados (protocordados, hemicordados e
8 12 a 14 24 a 28 vertebrados). Classificar os vertebrados em agnatostomados
e gnatostomados. Analisar a classificação e os aspectos
fisiológicos de peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos.

2
Sistema digestório e vitaminas
Introduzir o estudo da fisiologia humana. Analisar o sistema
9 15 e 16 29 a 31
digestório, bem como seus componentes e suas funções.
Discutir aspectos da nutrição e estudar o papel das vitaminas.
Sistema respiratório
Estudar o sistema respiratório, bem como seus componentes e
10 16 e 17 32 e 33
seus aspectos funcionais. Analisar a mecânica e o controle dos
movimentos respiratórios.
Sistema circulatório
Estudar o sistema circulatório, seus componentes e seus
11 17 e 18 34 a 36 aspectos funcionais. Analisar a anatomia e o funcionamento
do sistema nos grupos de vertebrados. Descrever a circulação
humana: anatomia e controle dos batimentos cardíacos.

80 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Biologia – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Sangue
Estudar os componentes do sangue e as funções que
12 19 e 20 37 a 39
desempenham. Discutir os processos de coagulação,
transporte de gases e troca de materiais nos capilares.
Sistema imunitário
Estudar o sistema imunitário, seus componentes e suas
13 20 e 21 40 a 42 funções. Analisar a resposta inflamatória. Detalhar os
aspectos fundamentais da imunologia: antígenos, anticorpos,
tipos de imunização, soro e vacina.

3
Neurônios e impulso nervoso
Analisar os componentes celulares do sistema nervoso:
15 22 43 e 44
neurônios e células da neuróglia. Conceituar sinapse.
Descrever o impulso nervoso e o arco reflexo.
Sistema nervoso
Estudar as divisões do sistema nervoso (SN central e
16 23 45 e 46 SN periférico), seus componentes e aspectos funcionais.
Analisar o sistema nervoso autônomo (SN simpático e
parassimpático).
Órgãos dos sentidos
16 24 47 e 48 Discutir a estrutura e o funcionamento dos órgãos dos
sentidos.
Sistema endócrino
Estudar o sistema endócrino. Apresentar as principais
17 25 e 26 49 a 52
glândulas endócrinas e os hormônios que produzem e discutir
seus papéis funcionais.
Sistema reprodutor
Estudar o sistema reprodutor masculino e feminino, seus
18 27 e 28 53 a 56 componentes e aspectos funcionais. Analisar o ciclo
menstrual, a gravidez e o parto. Explicar os principais métodos

4
contraceptivos.
Tecidos epiteliais e conjuntivos
Apresentar noções de histologia animal. Estudar os tecidos
19 29 57 e 58
epiteliais (de revestimento e de secreção) e os conjuntivos
(propriamente dito, adiposo, ósseo e cartilaginoso).
Tecidos musculares
Estudar os tecidos musculares (liso, estriado cardíaco
20 30 59 e 60 e estriado esquelético). Diferenciar os tipos de fibras
musculares. Analisar a estrutura e o funcionamento da célula
muscular.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 81
MED
Biologia – Frente 4

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Biogênese e abiogênese. Método científico
Apresentar as ideias sobre a origem dos seres vivos
4
1e2 1e2 (biogênese e abiogênese) e os principais defensores de cada
(Frente 1)
uma delas. Descrever os fundamentos e as etapas do método
científico.
Noções de embriologia
4 Introduzir as noções gerais de embriologia: fecundação,
3e4 3e4 tipos de ovos, segmentação e etapas do desenvolvimento
(Frente 3)
embrionário. Conceituar celoma.

1 4
Organogênese e classificação embriológica
Estudar a organogênese e classificar os animais segundo
5e6 5e6 critérios embriológicos: parazoários e enterozoários,
(Frente 3)
diblásticos e triblásticos (acelomados, pseudocelomados e
celomados), protostômios e deuterostômios.
Aspectos gerais das parasitoses. Protozooses
Apresentar os aspectos gerais das parasitoses. Introduzir
2 os conceitos de parasita, vetor, hospedeiro (definitivo e
7a9 7a9
(Frente 3) intermediário) e profilaxia. Descrever as principais protozooses
(amebíase, moléstia de Chagas, malária) e apresentar outras
doenças causadas por protozoários.
Verminoses
Estudar os aspectos gerais das verminoses. Discutir as
7 verminoses causadas por platelmintos (teníase, cisticercose
10 e 11 10 e 11
(Frente 3) e esquistossomose) e por nematelmintos (ascaridíase,
ancilostomíase e filaríase). Apresentar outras parasitoses
causadas por platelmintos e nematelmintos.
O homem e o ambiente
Analisar o crescimento da população humana mundial e os
transtornos ambientais gerados por ele. Discutir os principais
6 impactos ambientais: desmatamento e retirada da cobertura
12 a 15 12 a 15
(Frente 2) original do solo e extinção de espécies. Estudar os tipos de

2 poluição e as principais soluções para o problema. Apresentar


noções de recuperação de ecossistemas e desenvolvimento
sustentável.
Origem dos primeiros seres vivos
Apresentar as principais hipóteses sobre a origem dos
9 primeiros seres vivos (panspermia e Oparin). Discutir a
16 e 17 16 e 17
(Frente 1) importância dos experimentos de Miller e Urey e de Fox.
Mostrar as hipóteses heterotrófica e autotrófica sobre o
primeiro ser vivo.
Anexos embrionários
8
18 18 Estudar os anexos embrionários e a sua importância na
(Frente 3)
conquista do meio terrestre.

82 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Biologia – Frente 4

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Transporte através da membrana
Classificar os tipos de transporte através da membrana –
12 em massa (fagocitose, pinocitose e exocitose) e de partículas
19 a 21 19 a 21
(Frente 1) (difusão simples e facilitada, osmose e transporte ativo)

3
– discutir suas principais características e seus papéis
biológicos.
Excreção
14 Conceituar excreção e analisar os tipos de excretas
22 a 24 22 a 24
(Frente 3) nitrogenadas. Estudar o sistema urinário humano, bem como
seus componentes e seus aspectos funcionais.
Plantas e ambiente: biomas
Analisar as interações das plantas com o ambiente. Retomar
21
25 e 26 25 e 26 e aprofundar o conceito de bioma e relacioná-lo ao processo
(Frente 2)
de sucessão ecológica. Classificar os biomas e analisar os

4 fatores ambientais que os influenciam.


Plantas e ambiente: grandes biomas terrestres e do Brasil
21 Descrever os grandes biomas terrestres e do Brasil. Discutir
27 a 30 27 a 30
(Frente 2) os aspectos ecológicos dos biomas tendo como foco as
adaptações das plantas.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 83
MED
Física – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Introdução à Cinemática
Estudar os conceitos fundamentais da Cinemática: ponto
material, referencial, coordenadas, repouso e movimento e
trajetória. Estabelecer a posição de um corpo em uma trajetória,
1 1e2 1a3 escrever a função horária do espaço, calcular a variação
de espaço e a distância percorrida em um percurso. Definir
velocidade escalar média e chegar ao cálculo de velocidade
escalar instantânea. Definir movimento progressivo e movimento
retrógrado.

Movimento uniforme
2 2e3 4a6 Definir movimento uniforme (MU) e deduzir a função horária do
espaço no MU.

Movimento uniformemente variado


Definir aceleração escalar média e chegar ao cálculo de
aceleração escalar instantânea. Definir movimento acelerado,
3 4e5 7a9
retardado e uniformemente variado (MUV). Deduzir a função
horária da velocidade e do espaço no MUV, uma expressão
para a velocidade média no MUV e a equação de Torricelli.

Movimento vertical no vácuo


Definir movimento vertical no vácuo e estudar suas
3 5e6 10 a 12 características. Deduzir os cálculos de altura máxima, tempo de
subida, velocidade ao passar por uma altura h qualquer e tempo

1 de subida e descida entre dois pontos quaisquer.

Análise gráfica de espaço, velocidade e aceleração


Rever conceitos básicos de trigonometria (seno, cosseno e
tangente) e equação, bem como gráfico de uma função do
1o grau. Mostrar como são calculadas: a velocidade escalar
4 7 13 e 14
média e a velocidade escalar instantânea, a partir do gráfico
s × t; a aceleração escalar média, a aceleração escalar
instantânea e a variação do espaço, a partir do gráfico v × t; e a
variação da velocidade escalar a partir do gráfico a × t.
Gráficos do MU e do MUV
4 8 15 e 16 Estudar os gráficos de espaço, velocidade e aceleração do MU
e do MUV.
Grandezas angulares e movimento circular uniforme
Deduzir a relação entre o ângulo central em uma circunferência
e o comprimento do arco de circunferência. Estabelecer a
posição angular de um corpo em uma trajetória circular. Definir
velocidade angular média e velocidade angular instantânea.
Definir aceleração angular média e aceleração angular
5 9 17 e 18
instantânea. Mostrar a relação entre as grandezas lineares e
as angulares. Definir período e frequência, deduzindo a relação
entre eles. Definir movimento circular uniforme (MCU) e deduzir
a função horária do espaço angular no MCU. Deduzir a relação
entre velocidade angular e período, bem como a relação entre
velocidade angular e frequência.

84 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Física – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Movimento circular uniformemente variado e transmissão
de movimento circular
Definir movimento circular uniformemente variado (MCUV).
Deduzir a função horária do espaço angular e da velocidade
1 5 10 19 e 20 angular no MCUV. Deduzir a equação de Torricelli para o
MCUV. Mostrar que, na transmissão de movimento circular com
correia comum, as grandezas lineares são iguais. Mostrar que,
na transmissão de movimento circular com eixo comum, as
grandezas angulares são iguais.

Cinemática vetorial
Definir vetor posição, vetor deslocamento, velocidade vetorial
6 11 21 e 22 média, velocidade vetorial instantânea, aceleração vetorial
média e aceleração vetorial instantânea. Definir a aceleração
tangencial e a centrípeta.

Composição de movimentos
6 12 23 e 24
Estudar a composição de movimentos na Cinemática.

2 Lançamento oblíquo no vácuo


Definir lançamento oblíquo. Estudar a decomposição do
movimento oblíquo em um movimento vertical e em um
movimento horizontal. Estabelecer a função horária do espaço,
a função horária da velocidade e a equação de Torricelli para
7 13 a 15 25 a 29
o movimento vertical. Estabelecer a função horária do espaço
e a função horária da velocidade para o movimento horizontal.
Deduzir os cálculos de tempo de subida, de altura máxima e
de alcance para um lançamento oblíquo. Deduzir a equação da
trajetória de um lançamento oblíquo.
Trabalho e potência
Definir o trabalho de uma força constante. Estudar em que
casos o trabalho é positivo, negativo ou nulo. Definir o trabalho
de uma força variável a partir do gráfico F × s. Determinar o
10 15 a 17 30 a 33 trabalho da força peso e da elástica. Definir potência média.
Determinar a potência média de uma força constante. Definir
potência instantânea. Determinar a potência instantânea de
uma força constante. Definir o trabalho a partir do gráfico P × t.
Definir o rendimento de uma máquina.
Energia

3 Definir energia cinética e demonstrar o teorema da energia


cinética para uma força resultante constante. Definir energia
potencial gravitacional e demonstrar que o trabalho da força peso
10 17 e 18 34 a 36 é igual a menos a variação da energia potencial gravitacional.
Definir energia potencial elástica e demonstrar que o trabalho da
força elástica é igual a menos a variação da energia potencial
elástica. Definir a energia mecânica como a soma das energias
cinética e potencial.
Conservação de energia
Definir força conservativa. Estabelecer a conservação de
10 19 e 20 37 a 39
energia mecânica para os casos em que um sistema esteja
sujeito somente a forças conservativas.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 85
MED
Continuação – Física – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Conservação de energia em movimento circular e
não conservação de energia
Estudar a aplicação da conservação de energia em exercícios
3 10 20 e 21 40 a 42 nos quais os corpos descrevem movimentos circulares. Definir
força não conservativa e mostrar que o trabalho dessas forças
sobre um sistema é igual à variação de energia mecânica desse
sistema.
Impulso, quantidade de movimento e explosão
Definir vetor impulso de uma força constante e de uma força
variável. Definir força média. Definir vetor quantidade de
movimento de uma partícula e de um sistema de partículas.
Demonstrar o teorema do impulso para uma força resultante
11 22 e 23 43 a 45
constante. Mostrar que há conservação da quantidade de
movimento quando a resultante de forças é nula. Definir
explosão unidimensional e bidimensional. Estudar a aplicação
da conservação da quantidade de movimento para explosões
unidimensionais e bidimensionais.
Colisão I
Estudar o processo de colisão e classificá-la quanto à dimen-
são: unidimensional, bidimensional e tridimensional. Estudar
a conservação de quantidade de movimento em uma colisão
e classificá-la quanto à conservação de energia: elástica, par-
11 23 e 24 46 a 48
cialmente elástica e inelástica. Definir coeficiente de restituição.
Estudar colisão inelástica unidimensional entre duas partículas.
Estudar colisão elástica unidimensional entre duas partículas,

4
aplicando os resultados para os casos particulares de massas
iguais e de uma massa muito maior do que a outra.
Colisão II
Estudar colisão parcialmente elástica unidimensional entre duas
partículas e entre uma partícula e uma superfície plana. Estudar
a colisão parcialmente elástica bidimensional entre uma partícula
11 25 e 26 49 a 51
e uma superfície plana, a colisão inelástica bidimensional entre
duas partículas e a colisão elástica bidimensional entre duas
partículas. Estudar exercícios em que há colisão antecedida
e/ou precedida de situações de conservação de energia.
Centro de massa
Definir centro de massa e seus vetores de posição, de velocidade
e de aceleração. Demonstrar a relação entre a quantidade de
movimento total de um sistema de partículas e a velocidade
de seu centro de massa. Demonstrar a relação entre a força
11 26 52
resultante sobre um sistema de partículas e a aceleração de
seu centro de massa. Demonstrar que a velocidade do centro
de massa de um sistema de partículas é constante quando
o sistema está sujeito à resultante nula. Mostrar os casos
particulares em que a posição do centro de massa é constante.

86 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Física – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Conceitos básicos de hidrostática e Lei de Stevin
12
27 53 e 54 Conceituar massa específica e densidade. Definir pressão.
(Frente 2)
Apresentar a Lei de Stevin. Estudar o barômetro de mercúrio.

Vasos comunicantes, Lei de Pascal e empuxo


Estudar vasos comunicantes. Apresentar a Lei de Pascal.
12
28 55 e 56 Definir o que é empuxo e o seu ponto de aplicação. Estudar
(Frente 2)
as condições para que o corpo flutue parcialmente submerso,
totalmente submerso e afunde.
Empuxo e vazão
Estudar as situações de equilíbrio com a ação do empuxo.
12
29 e 30 57 a 59 Analisar o caso do balão. Estudar os casos de corpos
(Frente 2)
imersos em situações envolvendo balanças e dinamômetros.

4 Conceituar vazão.
Análise dimensional
Definir as 7 grandezas fundamentais do Sistema Internacional,
bem como suas respectivas unidades, símbolos e dimensionais.
Definir o que é dimensional. Explicar a utilidade da análise
dimensional, tanto para a previsão de fórmulas quanto para
a verificação da homogeneidade dimensional de fórmulas.
Determinar as dimensionais de diversas grandezas derivadas:
11 30 60
área, volume, velocidade, aceleração, força, trabalho e energia,
potência, impulso e quantidade de movimento, pressão,
densidade volumétrica, momento de uma força, momento
angular, carga elétrica, resistência elétrica, campo elétrico, campo
magnético, coeficiente de dilatação térmica, capacidade térmica
e calor específico. Mostrar o método de previsão de fórmulas
utilizando análise dimensional.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 87
MED
Física – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Vetores
Definir os conceitos de direção e sentido de uma reta.
Estabelecer a diferença entre grandezas escalares e vetoriais.
Definir os conceitos de vetor, vetor oposto, vetor nulo, vetor

2 6
(Frente 1)
1e2 1a4
unitário e vetores iguais. Estudar adição de vetores pelas
regras da poligonal e do paralelogramo e pelo método de
decomposição de vetores. Estudar a aplicação da lei dos
cossenos e da lei dos senos para a obtenção do módulo do vetor
resultante e do ângulo entre vetores. Estudar a subtração de
vetores e a multiplicação de um vetor por um número real.
Natureza elétrica da matéria e processos de eletrização
Compreender a natureza elétrica da matéria e do princípio
da quantização da carga elétrica. Estudar os princípios
1 3 5e6 fundamentais da eletrostática. Definir condutores, isolantes
e, do ponto de vista da eletricidade, o conceito de terra.
Estudar os processos de eletrização: atrito, contato e indução.
Compreender o funcionamento dos eletroscópios.
A Lei de Coulomb
1 4 7e8 Apresentar a Lei de Coulomb. Definir o conceito de
permissividade elétrica. Rever a operação de soma de vetores.
A Lei de Coulomb para sistemas de mais de duas cargas
não colineares
1 5e6 9 a 12 Calcular a força elétrica resultante em sistemas com três ou
mais cargas. Apresentar noções de estática da partícula. Rever
a soma de vetores pela lei dos cossenos.
Campo elétrico gerado por cargas puntiformes e campo
elétrico representado por meio de linhas de força
Definir o conceito de campo elétrico. Estudar o campo elétrico

1
2 7 13 e 14 gerado por cargas puntiformes positivas e negativas. Calcular
o campo elétrico resultante gerado por uma ou mais cargas
elétricas puntiformes. Estudar a representação do campo
elétrico por linhas de força.
Campo elétrico em condutores e campo elétrico uniforme
Estudar o campo elétrico dos condutores em equilíbrio
eletrostático. Calcular o campo elétrico em pontos internos e
2 8 15 e 16 externos a condutores esféricos em equilíbrio eletrostático.
Estudar o campo elétrico uniforme, a dinâmica e a cinemática
de cargas puntiformes sujeitas a campo elétrico uniforme.

Trabalho da força elétrica e energia potencial elétrica


Definir os conceitos de trabalho de uma força, de energia e de
3 9 17 e 18
forças conservativas. Conceituar o trabalho da força elétrica.
Definir potencial elétrico e energia potencial elétrica.
Potencial e energia potencial elétrica de sistemas de
cargas puntiformes e superfícies equipotenciais
Estudar e calcular o potencial elétrico gerado por uma ou mais
3 10 19 e 20
cargas puntiformes. Definir superfícies equipotenciais e energia
potencial elétrica de sistemas formados por duas ou mais
cargas.

88 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Física – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Potencial elétrico de condutores em equilíbrio eletrostático
e potencial no campo elétrico uniforme
Analisar qualitativamente o potencial elétrico gerado por
condutores em equilíbrio eletrostático. Calcular o potencial
3 11 21 e 22
elétrico em condutores esféricos em equilíbrio eletrostático.
Utilizar o conceito de potencial elétrico para estudar eletrização
por contato de condutores esféricos de raios diferentes.

1 Estudar o potencial elétrico no campo elétrico uniforme.


Introdução à eletrodinâmica
Conceituar corrente elétrica. Definir circuito elétrico. Definir o
sentido convencional da corrente elétrica e a sua formulação
matemática. Apresentar formas de onda da corrente elétrica
4 12 e 13 23 a 26
e de correntes contínuas e alternadas. Definir bipolo elétrico e
apresentar os conceitos de energia e potência consumida por
ele. Definir resistência elétrica. Estudar a Primeira Lei de Ohm e
conceituar resistores ôhmicos.
Resistores – Segunda Lei de Ohm e potência dissipada
por efeito Joule
5 14 27 e 28 Estudar a dissipação por efeito Joule em resistores. Estudar a
Segunda Lei de Ohm. Calcular a energia elétrica consumida por
bipolos elétricos, em particular, por resistores.

Associação de resistores em série e em paralelo e


ponte de Wheatstone
5 15 29 e 30 Estudar a associação de resistores em série e em paralelo. Estudar
a ponte de Wheatstone. Apresentar o método de determinação
de corrente em ramos paralelos. Estudar ponte de fio.

Estudo do gerador
Estudar o gerador real, sua equação e sua curva característica.
6 16 e 17 31 a 34
Analisar o rendimento de um gerador. Estudar a associação de
geradores em série e em paralelo.
Receptores
2 6 18 35 e 36
Estudar os receptores reais, sua equação e sua reta característica.
Analisar o rendimento do receptor. Estudar a Lei de Pouillet para
o circuito gerador-resistor-receptor.
Capacitores
Definir capacitores e a energia potencial elétrica por eles
6 19 e 20 37 a 40 armazenada. Calcular associações de capacitores em série e
em paralelo. Estudar o comportamento dos capacitores em
regime permanente.
Leis de Kirchhoff e instrumentos de medida elétrica
Estudar as Leis de Kirchhoff de tensão e corrente. Resolver
6 21 a 23 41 a 44
exercícios de circuitos com duas malhas. Estudar os instrumentos
de medidas elétricas: amperímetros e voltímetros reais e ideais.
Magnetismo – conceitos iniciais 
Definir o campo magnético. Definir o vetor indução magnética (B).
7 23 45 e 46 Estudar os fenômenos magnéticos fundamentais. Representar
o campo magnético por meio de linhas de indução. Estudar o
campo magnético terrestre.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 89
MED
Continuação – Física – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Interação entre carga elétrica e campo magnético uniforme
Estudar a interação entre carga elétrica puntiforme e campo
7 24 47 e 48 magnético uniforme. Estudar a cinemática e a dinâmica do
movimento de carga puntiforme sob a ação do campo magnético

2
uniforme.

Corrente elétrica como fonte de campo magnético


Estudar a corrente elétrica como fonte de campo magnético.
8 25 e 26 49 a 52 Apresentar a experiência de Oersted. Calcular o campo
magnético gerado por: um fio retilíneo infinito, uma espira
circular, uma bobina chata e um solenoide ideal.
Forças magnéticas em fios condutores paralelos percor-
ridos por correntes elétricas
Estudar a força magnética em fio percorrido por corrente elétrica
e submetido a um campo magnético. Apresentar o conceito de
9 27 53 e 54
momento de um binário de forças e o princípio do funcionamento
de motores elétricos e alto-falantes. Calcular a força magnética
em fios paralelos, retilíneos e infinitos, percorridos por corrente
elétrica.
Experiência de Faraday e Lei de Lenz

3 Apresentar a experiência de Faraday. Definir o fluxo do vetor


indução magnética através de uma superfície. Estudar a força
eletromotriz induzida devido à variação temporal do fluxo do
9 28 e 29 55 a 57
vetor indução magnética em um tratamento qualitativo. Estudar
a Lei de Lenz para a determinação do sentido da corrente
induzida e, também, como uma manifestação do princípio da
conservação de energia.
Fluxo magnético e Lei de Faraday-Neumann
Estudar quantitativamente a Lei de Faraday-Neumann. Calcular
9 29 e 30 58 a 60
a força eletromotriz induzida média. Analisar os transformadores
em corrente contínua e em corrente alternada.

90 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Física – Frente 3

Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Matéria


dada
Termometria – escalas de temperatura
Estudar os conceitos fundamentais da termometria: temperatura,
calor e equilíbrio térmico (princípio zero da termodinâmica).
1 1 1e2 Estabelecer as relações entre as escalas relativas de temperatura:
Celcius (°C), Fahrenheit (°F) e a escala absoluta Kelvin (K).
Apresentar os pontos fixos fundamentais nessas escalas e os
principais tipos de termômetro.
Dilatação térmica de sólidos
Apresentar os principais conceitos envolvidos na dilatação
2 2 3e4 térmica. Estudar a dilatação linear, superficial e volumétrica dos
sólidos e as relações entre os coeficientes α, β e γ. Apresentar a
dilatação de corpo oco ou com furo.
Dilatação térmica de líquidos e dilatação aparente
Estudar a dilatação dos líquidos e sua relação entre dilatação
2 3 5e6
real e aparente. Estudar o comportamento anômalo da água em
relação à temperatura de inflexão (4 °C).
Calorimetria e sistemas termicamente isolados
Estudar os conceitos básicos de calorimetria. Definir calor
específico (c) e capacidade térmica (C). Apresentar sistema
3 4e5 7 a 10
termicamente isolado, conceito de balanço térmico e equilíbrio
térmico. Definir o conceito de calor latente de transformação (L).
Apresentar situações de equilíbrio térmico em calorímetros.
Mudança de estado e a influência da pressão

1
Apresentar e definir os três estados básicos da matéria: sólido,
líquido e gasoso. Apresentar o conceito de mudança de estado
e a nomenclatura dos processos endotérmicos e exotérmicos:
4 6 11 e 12 fusão, solidificação, vaporização, condensação e sublimação.
Estudar equilíbrio térmico envolvendo mudanças de estado de
um ou de todos os envolvidos. Estudar diagramas de estado,
ponto triplo (PT) e ponto crítico (PC), destacando o efeito da
pressão no comportamento dos corpos.
Propagação de calor
Estudar os diferentes tipos de propagação de calor: condução,
5 7 13 e 14 convecção e irradiação. Apresentar, em condução, o conceito de
fluxo de calor (Φ), o coeficiente de condutibilidade térmica e a
equação de Fourier.
Gases – transformações
Apresentar o conceito de gás ideal. Estudar as transformações
6 8 15 e 16
fundamentais: isotérmica, isométrica e isobárica. Apresentar a
equação geral dos gases e a equação de Clapeyron.
Gases – tranformações cíclicas e o Primeiro Princípio da
Termodinâmica
Continuar o estudo dos gases apresentando o conceito de
trabalho (τ) nas transformações gasosas. Apresentar o conceito
6 9 17 e 18 de transformação adiabática. Apresentar transformações cíclicas
nos diagramas pressão (P) × volume (V). Conceituar e estudar
o Primeiro Princípio da Termodinâmica, detalhando situações
de variação de calor (Q), temperatura (T), energia interna (U) e
trabalho (τ). Mostrar e exemplificar a relação de Mayer.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 91
MED
Continuação – Física – Frente 3

Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Matéria


dada
Gases – Ciclo de Carnot e o Segundo Princípio da
Termodinâmica
1 6 10 19 e 20 Conceituar e estudar o Segundo Princípio da Termodinâmica.
Definir o rendimento (η) e ciclo de Carnot. Apresentar o Terceiro
Princípio da Termodinâmica.
Introdução à óptica geométrica
Introduzir o estudo da óptica geométrica, apresentando o
conceito de onda eletromagnética e seu respectivo espectro.
7 11 21 e 22 Conceituar a decomposição da luz branca com seu espectro
de cores. Estudar os conceitos de fonte e meio de propagação
da luz. Apresentar e exemplificar os três princípios da óptica
geométrica e os conceitos de sombra e penumbra.
Reflexão da luz – espelhos planos
Estudar a reflexão da luz, passando pelos conceitos de reflexão
regular × difusa e reflexão seletiva, apresentando as duas leis
da reflexão. Estudar a reflexão em espelhos planos, conceituar
8 12 e 13 23 a 25 e exemplificar a construção de imagem de objetos pontuais
e extensos, caracterizando as propriedades enantiomorfas,
campo de visão e associação de espelhos. Estudar o efeito da
imagem no movimento de espelhos planos, tanto de translação
quanto de rotação.
Reflexão da luz – espelhos esféricos
Estudar a reflexão da luz em espelhos esféricos. Definir
e apresentar espelhos esféricos gaussianos. Apre-
sentar os raios e os pontos notáveis em um espe-
8 13 a 15 26 a 30
lho esférico. Estudar de forma gráfica e analítica a de-
terminação e a característica de imagens de corpos
extensos. Apresentar para o estudo analítico a equação dos

2 pontos conjugados de Gauss.


Refração da luz I
Estudar a refração da luz, definindo os conceitos de meio de
propagação, dioptro e índice de refração. Apresentar as duas
9 16 31 e 32
leis da refração e o conceito de refração total da luz, bem como
ângulo limite de incidência. Estudar em dioptro plano o conceito
de posição aparente de objetos.
Refração da luz II
Estudar os efeitos da luz em lâminas de faces paralelas.
9 17 33 e 34
Estudar em prismas ópticos o desvio da luz e as respectivas
aplicações práticas utilizando a reflexão total.
Lentes esféricas – determinação gráfica de imagens
Estudar a refração da luz em lentes esféricas delgadas.
Apresentar seus elementos geométricos e a classificação de
9 18 35 e 36 lentes de acordo com a geometria de seu foco, suas bordas
e o meio onde está inserida. Estudar de forma gráfica as
características das imagens de corpos extensos. Traçar os
paralelos com os casos de espelhos esféricos.
Lentes esféricas – tratamento quantitativo
Estudar de forma quantitativa a determinação e as
9 19 37 e 38 características de imagens de corpos extensos. Traçar
os paralelos com os casos de espelhos esféricos. Definir
vergência.

92 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Física – Frente 3

Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Matéria


dada
Instrumentos ópticos e óptica da visão
Estudar, ainda em refração, os principais instrumentos
ópticos: lentes de aumento ou lupa, microscópio composto,
luneta astronômica, máquina fotográfica, retroprojetor,
10 20 e 21 39 a 42 binóculo e suas aplicações cotidianas. Estudar e conceituar
a óptica da visão humana. Conceituar acomodação visual e
seus impactos para a visão humana, apresentando o ponto
próximo (PP) e ponto remoto (PR). Estudar alguns defeitos da
visão humana, como miopia e hipermetropia.
MHS: Movimento Harmônico Simples I
Definir o conceito de período (T) e frequência (f). Rever os
conceitos básicos do movimento circular uniforme (MCU).
Apresentar o conceito de movimento oscilatório e definir o
11 22 43 e 44
movimento harmônico simples (MHS). Estudar sob o aspecto

3 cinemático do MHS as suas equações de elongação, velocidade


e aceleração, incluindo a equação de Torricelli, que trata da
relação entre a velocidade em função do deslocamento.
MHS: Movimento Harmônico Simples II
Estudar, sob o aspecto dinâmico do MHS, os seguintes
11 23 e 24 45 a 48 sistemas físicos: sistema massa-mola, pêndulo simples e
associação de molas. Realizar o estudo da energia do MHS
de forma gráfica e numérica.
Ondulatória
Estudar os conceitos básicos de ondulatória em pulsos
periódicos. Estudar as propriedades e classificação das ondas
12 25 49 e 50 (tipo, natureza e dimensão). Apresentar a equação de Taylor
para propagação de ondas em cordas. Conceituar e estudar
a reflexão e refração de pulsos em cordas com diferentes
densidades lineares (μ) e diferentes extremidades (fixas e livres).
Ondas periódicas
Estudar o conceito de ondas periódicas transversais e longitu-
dinais por meio do seu modelo físico e da equação fundamen-
tal da ondulatória. Estudar a função de onda unidimensional
13 26 51 e 52
harmônica. Apresentar e exemplificar velocidade de onda em
ondas mecânicas e eletromagnéticas. Apresentar o princípio
de Huygens e estudar a difração das ondas. Estudar a inten-
sidade e a potência de uma onda.
Interferência
Estudar interferência em pulsos e em ondas mecânicas e
eletromagnéticas. Apresentar a interferência construtiva

4
14 27 53 e 54
e destrutiva nos pulsos mecânicos em cordas e ondas
estacionárias. Apresentar interferência bidimensional com
fontes coerentes em fase e em oposição de fase.
Acústica I
15 28 55 e 56 Conceituar e estudar ondas sonoras. Apresentar a equação
de velocidade das ondas sonoras.
Acústica II
Classificar infrassom, som e ultrassom. Apresentar os fenô-
menos de difração e reflexão de ondas sonoras. Apresentar
15 29 e 30 57 a 60
o conceito de intensidade e nível de intensidade sonora.
Apresentar o conceito de cordas vibrantes. Estudar tubos
sonoros e colunas de ar que vibram.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 93
MED
Física – Frente 4

Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Matéria


dada
Dinâmica I
Estabelecer o conceito de massa, de força e de resultante
de forças. Estabelecer a diferença entre forças de contato e
forças de ação a distância. Formular a primeira, a segunda
e a terceira Leis de Newton. Estabelecer a diferença entre
8
1a5 1a5 forças externas e internas. Definir forças peso, normal e de
(Frente 1)
tração em fios ideais. Explicar como são resolvidos exercícios
clássicos: corpos em repouso, em movimento sobre plano
horizontal (ligados por fio ou em contato), em movimento

2
vertical (ligados por fio ou em elevador) e em movimento
sobre plano inclinado.
Dinâmica II
Definir força elástica. Calcular a constante elástica equivalente
em associação de molas em série e em associação de molas
em paralelo. Definir equilíbrio estático e dinâmico. Definir
8
6a9 6a9 equilíbrio estável, instável e indiferente. Explicar como são
(Frente 1)
resolvidos exercícios clássicos: polia simples e móvel, corpos
ligados a molas, fios com massa, fios pendurados ao teto
de móveis acelerados e problemas que envolvem vínculo
geométrico.
Força de atrito
Explicar o motivo da existência de força de atrito entre
superfícies. Diferenciar o atrito estático do dinâmico. Mostrar
que a força de atrito é a decomposição da força de contato
entre dois corpos, na direção paralela à superfície de contato
e que a força normal é a sua decomposição na direção
9 perpendicular à superfície de contato. Estudar a força de
10 a 14 10 a 14
(Frente 1) atrito estático em sentido e módulo. Estudar a força de atrito
dinâmico em sentido e módulo. Estudar do que dependem
os coeficientes de atrito estático e dinâmico. Estudar do que
depende a resistência dos fluidos em geral e a resistência do

3 ar em particular, obtendo o comportamento da aceleração e


da velocidade de um corpo em queda, sujeito ao peso e à
resistência do ar, bem como sua velocidade limite.
Dinâmica do movimento circular
Estudar a dinâmica do movimento circular de um corpo.
Enfatizar a necessidade de a aceleração desse corpo e de
as forças sobre ele aplicadas serem todas decompostas
9
15 a 18 15 a 18 nas direções tangencial e normal à trajetória do movimento
(Frente 1)
do corpo. Relembrar as características de módulo, direção
e sentido dos vetores aceleração tangencial e aceleração
centrípeta. Estudar a aplicação da Segunda Lei de Newton
para as direções tangencial e normal à trajetória.

94 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Física – Frente 4

Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Matéria


dada
Conceitos básicos de Gravitação e Leis de Kepler
Estudar as diferenças entre a teoria geocêntrica e a

3 10
(Frente 2)
19 e 20 19 e 20
heliocêntrica. Explicar as medidas de distância astronômica
(ano-luz e UA) e a origem das estações do ano. Revisar os
conceitos de elipse (focos e excentricidade) e apresentar as
Leis de Kepler (Órbitas, Áreas e Períodos).
Lei da Gravitação Universal
Explicar a Lei da Gravitação Universal e a constante G.
Detalhar o campo gravitacional na superfície e em pontos
10 externos e internos. Comparar campos gravitacionais entre
21 e 22 21 e 22
(Frente 2) planetas distintos, usando a relação entre massas e raios.
Explicar os conceitos de peso aparente e de rotação terrestre.
Estudar o movimento de satélites, calculando a velocidade e
o período de órbita (dedução da 3a Lei de Kepler).
Impoderabilidade, energia potencial gravitacional e fases
da lua
Explicar imponderabilidade e por que astronautas flutuam em
10
23 e 24 23 e 24 naves em órbita. Conceituar energia potencial gravitacional, ve-
(Frente 2)
locidade de escape e a conservação da energia mecânica em
órbitas. Estudar os casos de bináro (estrelas duplas). Explicar as
fases da lua e os eclipses.
Equilíbrio do ponto material e torque
11 Definir o que é centro de massa e como calculá-lo para conjunto
25 e 26 25 e 26
(Frente 2) de partículas e corpos extensos. Estudar equilíbrio de ponto
material. Definir o que é torque e como calculá-lo.

Equilíbrio Rotacional

4 11
(Frente 2)
27 e 28 27 e 28 Estudar as condições de equilíbrio rotacional. Apresentar
casos clássicos de gangorra (apoio único) e barras biapoiadas.

Tombamento
11 Estudar o caso da escada. Analisar situações de tombamento.
29 e 30 29 e 30
(Frente 2) Estudar o que acontece primeiro: tombamento ou escorrega-
mento. Definir os tipos de equilíbrio.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 95
MED
Química – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Modelos atômicos e partículas fundamentais
Estudar os modelos atômicos: o modelo de Dalton e a sua re-
lação com as leis ponderais; o de Thomson e a descoberta dos
elétrons; o de Rutherford como consequência do experimento
1 1a3 1a3
de espalhamento de partículas alfa. Definir número atômico e
de massa. Aprender o modelo de Bohr e os níveis eletrônicos,
além de relacionar os saltos quânticos com a emissão de luz.
Compreender as massas e as cargas relativas das partículas.
Isótopos, isóbaros, isótonos, isoeletrônico e distribuição
eletrônica
Definir isótopos, isóbaros, isótonos e isoeletrônicos. Conceituar
1 1a3 4e5
átomos neutros e íons. Estudar a distribuição eletrônica de áto-
mos neutros, cátions e ânions. Entender o diagrama de Linus
Pauling e aprender a configuração eletrônica em subníveis.
Tabela periódica dos elementos
Apresentar a classificação periódica atual dos elementos e
explicar o princípio de Mendeleiev para a construção da ta-
bela. Estudar a classificação em ordem crescente de número
atômico. Definir períodos e famílias (grupos). Compreender
a relação entre a configuração eletrônica e a posição de um
2 3a5 6a9
elemento na tabela. Explanar elementos representativos, de
transição e transição interna. Expor blocos s, p, d e f. Concei-

1
tuar raio atômico, energia de ionização, afinidade eletrônica,
eletronegatividade e eletropositividade. Mostrar a variação de
temperatura de fusão/ebulição dos elementos e a variação de
densidade dos elementos.
Ligações químicas
Compreender as ligações químicas. Deduzir a estabilidade
dos gases nobres e a regra do octeto. Definir ligação iônica e
apresentar a formulação de compostos binários. Explicar liga-
ção covalente simples. Estudar ligações múltiplas. Introduzir
3 5a9 10 a 13
o conceito de ligação coordenada ou dativa. Construir fórmu-
las eletrônicas, estruturais e moleculares. Conceituar ligação
metálica. Expor a definição do mar de elétrons ou da nuvem
eletrônica. Explanar a condução de corrente elétrica e compa-
rar compostos iônicos, moleculares e metálicos.
Hibridação
Estudar a teoria da ligação de valência (enlace orbital):
3 5a9 14 conceitos de “overlap” e ligações múltiplas (sigma e pi). Com-
preender a hibridação de orbitais sp3, sp2 e sp como uma
introdução para geometria molecular.
Geometria molecular
Aprender geometria molecular. Mostrar a teoria da repulsão
3 5a9 15 e 16 dos pares de elétrons na camada de valência. Explanar dis-
posições de 2, 3 e 4 pares de elétrons e as geometrias das
moléculas.

96 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Continuação – Química – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Polaridade
Classificar as ligações como polar ou apolar. Escrever o ve-
tor momento dipolo. Encontrar a direção e o sentido do vetor
3 10 e 11 17 e 18 momento dipolo resultante. Estudar a polaridade das molé-
culas e classificá-las como polares ou apolares. Conhecer e

1
operar alguma regra que permita determinar a polaridade de
moléculas muito grandes.
Atrações intermoleculares
Estudar ligações intermoleculares: dipolo permanente, liga-
3 10 e 11 19 a 21 ções de hidrogênio, forças de Van der Waals por dipolo per-
manente, forças de Van der Waals por dipolo temporário e
dipolo induzido (forças de London).
Outras propriedades das substâncias
Relacionar a intensidade relativa das forças intermole-
culares e as propriedades como ponto de ebulição, solubilida-
4 11 e 12 22 a 24
de e tensão superficial. Mostrar a água realizando ligações de
hidrogênio com outras substâncias. Compreender a química
de sabões e detergentes.
Introdução à química orgânica e classificação
Apresentar o conceito de química orgânica. Estudar as carac-
5 13 25 e 26 terísticas e classificações do carbono. Classificar as cadeias
carbônicas quanto à forma, à disposição, à natureza, à aro-
maticidade e aos tipos de ligação.
Nomenclatura dos compostos orgânicos / hidrocarbonetos
Estudar a nomenclatura de compostos orgânicos. Apresentar
a nomenclatura da IUPAC (prefixos, infixos e sufixos). Definir
hidrocarbonetos. Aprender a nomenclatura de ramificações.
6 14 a 18 27 a 30
Compreender a nomenclatura da IUPAC de cadeias normais
e ramificadas. Distinguir alcanos, alcenos, alcinos, alcadie-

2 nos, ciclanos e aromáticos. Deduzir a fórmula geral e repre-


sentação dos compostos.
Haletos orgânicos, álcoois, fenóis e éteres
Aprender os haletos orgânicos (haleto de alquila e de arila),
6 14 a 18 31 e 32 álcoois (primário, secundário e terciário), fenol e éter. Estudar
a nomenclatura da IUPAC, a nomenclatura substitutiva de ca-
deias normais e ramificadas e a nomenclatura radiofuncional.
Aldeídos, cetonas, ácidos carboxílicos e ésteres
Explanar os compostos carbonílicos: aldeídos, cetonas, áci-
6 14 a 18 33 e 34 dos carboxílicos e seus sais e ésteres. Estudar a nomenclatu-
ra da IUPAC, nomenclatura substitutiva de cadeias normais e
ramificadas e nomenclatura radiofuncional.
Aminas, amidas, nitrilas e nitrocompostos
Entender aminas (primárias, secundárias e terciárias), ami-
das, nitrilas, nitrocompostos, cloreto de ácidos carboxílicos,
6 14 a 18 35 e 36
anidrido de ácidos carboxílicos. Estudar a nomenclatura da
IUPAC, a nomenclatura substitutiva de cadeias normais e ra-
mificadas e a nomenclatura radiofuncional.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 97
MED
Continuação – Química – Frente 1

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada

Isomeria plana ou constitucional


7 19 a 21 37 e 38 Definir isomeria. Mostrar a isomeria plana: funcional, de ca-
deia, de posição, de compensação (metameria) e tautomeria.

Isomeria espacial I
Conceituar isomeria geométrica e mostrar as condições para

2
que ela ocorra. Definir isomeria óptica. Apresentar moléculas
7 19 a 21 39 e 40
simétricas e assimétricas e relacionar com carbono quiral e
desvio de luz polarizada. Diferenciar enantiômeros, diasteroi-
sômeros e mistura racêmica.
Isomeria espacial II
Estudar moléculas com dois ou mais carbonos quirais dife-
7 19 a 21 41 e 42 rentes, determinação de números de isômeros opticamen-
te ativos e de misturas racêmicas. Aprender moléculas com
2 carbonos quirais iguais.
Reações de substituição I
Compreender a quebra das ligações (homolítica e heterolíti-
8 22 a 24 43 a 45 ca). Estudar reações de substituição em alcanos, em haletos,
em álcoois e em aromáticos incluindo a dirigência na substi-
tuição em aromáticos.
Reações de substituição II
8 22 a 24 46 e 48 Aprender reações de esterificação, hidrólise, saponificação e
transesterificação.
Reações de adição e eliminação
Estudar reações de adição (hidrogenação, halogenação,

3 8 25 e 26
adição de HX, hidratação e adição em dienos conjugados
49 a 52 e em aromáticos). Mostrar a regra de Markovnikov, a regra
anti-Markovnikov e a síntese de Grignard. Aprender as
reações de eliminação (eliminação de HX e desidratação
intramolecular de álcoois).
Reações de oxidação I
8 27 53 e 54 Aprender as reações de oxirredução, combustão e oxidação
de álcoois.
Reações de oxidação II e redução
Apresentar as reações de oxidação de ligações duplas (ozo-
8 28 55 e 56
nólise e oxidação energética) e oxidação de alquilbenzenos.
Estudar as reações de redução de carbonilas e carboxilas.
Caráter acidobásico de substâncias orgânicas
Conceituar o caráter ácido e básico de compostos orgânicos.
9 29 57 e 58
Mostrar a acidez dos ácidos carboxílicos e dos fenóis. Explanar
a força básica das aminas e o caráter anfótero dos aminoácidos.

4
Recursos orgânicos
Aprender sobre o carvão. Mostrar a pirólise do carvão: gás de
iluminação, alcatrão e coque. Estudar a formação e composi-
12 30 59 e 60 ção química do petróleo. Apresentar os produtos da destilação
fracionada do petróleo. Definir índice de octanagem da gasoli-
na. Explanar os combustíveis alternativos: etanol, biogás e bio-
diesel. Conceituar fermentação e produção de álcool.

98 MEDICINA | PLANEJAMENTO
PLANEJAMENTO

Química – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula Dada
Estados físicos e curvas de aquecimento
Definir os estados físicos da matéria com relação à coesão
e à ordem. Nomear as transformações dos estados físicos.
Classificar as transformações em endo ou exotérmicas.
1 1e2 1a3 Estudar as curvas de aquecimento de substâncias puras e de
misturas. Aprofundar os conceitos de curvas de aquecimento
para misturas eutéticas e azeotrópicas. Traçar paralelos
com as curvas de resfriamento. Calcular a densidade de um
sistema e analisá-la como propriedade específica da matéria.
Conceitos primitivos e sistemas homogêneos e heterogêneos
Conceituar e diferenciar elementos químicos, substâncias
simples, substâncias compostas e reações químicas (conceitos
primitivos de Química). Definir e exemplificar alotropia.
1 2e3 4a6
Detalhar as formas alotrópicas do carbono, inclusive as mais
recentes envolvendo nanotecnologia. Exemplificar as formas
alotrópicas do oxigênio, do enxofre e do fósforo. Definir fase.
Classificar os sistemas em homogêneos e heterogêneos.
Métodos de separação de misturas (análise imediata)
Estimular o estudo dos métodos de separação de misturas
(análise imediata), analisando a sua importância para a
Química. Estudar os métodos de separação de misturas
1 4e5 7a9 heterogêneas: decantação, sifonação, funil de decantação,

1
centrifugação, filtração comum e a vácuo, dissolução
fracionada, extração e cristalização fracionada. Estudar os
métodos de separação de misturas homogêneas: destilação
simples, fracionada e fracionada com coluna de fracionamento.
Introdução à estequiometria
Rever e aprofundar os conceitos da Teoria atômico-molecular.
Definir: unidade de massa atômica, massa atômica, massa
molecular e massa molar. Diferenciar massa molar de
2 5e6 10 e 11 massa molecular. Conceituar mol e constante de Avogadro.
Apresentar a constante de Avogadro como fator de conversão
de duas unidades diferentes de massa. Definir número
de mols. Definir e calcular volume molar. Exemplificar com
cálculos os vários conceitos abordados.
Determinação e conversão de fórmulas
Apresentar os três tipos de fórmulas químicas: molecular,
2 6e7 12 e 13
mínima (ou empírica) e centesimal. Estudar as conversões
entre os três tipos de fórmulas. Exemplificar com cálculos.
Variáveis de estado e transformações gasosas
Iniciar o estudo físico dos gases. Definir gás ideal. Definir
as três variáveis de estado de um gás: pressão, volume e
2
7e8 14 a 16 temperatura. Estudar as transformações gasosas: isobárica,
(Frente 3)
isocórica e isotérmica. Estudar a transformação geral dos
gases a partir das outras transformações. Analisar a equação
geral dos gases.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 99
MED
Continuação – Química – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Equação de Clapeyron
Definir CNTP e volume molar nas CNTP. Deduzir a equação
2
9 17 e 18 de Clapeyron a partir da equação geral dos gases. Enunciar
(Frente 3)
o princípio de Avogadro a partir da equação de Clapeyron.
Resolver exemplos e enumerar aplicações.
Misturas gasosas
Estudar misturas gasosas. Definir pressões parciais e equacionar
as pressões parciais em função do número de mols parcial.
Relacionar pressão total com pressões parciais (Lei de Dalton).
2
10 e 11 19 a 21 Definir volumes parciais e equacionar os volumes parciais em
(Frente 3)
função do número de mols parcial. Relacionar volume total
com volumes parciais (Lei de Amagat). Definir frações molares
e relacionar esse conceito com pressões e volumes parciais.
Resolver exemplos qualitativos e quantitativos.
Densidade dos gases/Lei de efusão e difusão
Deduzir e calcular a densidade dos gases e analisar os fatores
2 que alteram essa propriedade. Calcular a densidade do ar
11 e 12 22 e 23
(Frente 3) atmosférico a partir da massa molar média do ar. Estudar a
influência da umidade do ar na densidade. Estudar a Lei de
efusão e difusão.
Leis das reações químicas
Abordar a importância das Leis das Reações para o estudo
da Química e do cálculo estequiométrico. Abordar aspectos
históricos, iniciando pela teoria do Flogístico. Diferenciar as

1
3 12 e 13 24 e 25
Leis das Reações em ponderais e volumétricas. Estudar as
Leis de Lavoisier e Proust. Exemplificar numericamente as
leis ponderais. Estudar a Lei volumétrica de Gay-Lussac, com
exemplificação numérica.
Cálculo estequiométrico (casos gerais)
Iniciar o estudo de cálculo estequiométrico (casos gerais).
3 13 e 14 26 a 28 Abordar a regra de três como ferramenta matemática para a
resolução de problemas de cálculo estequiométrico. Resolver
problemas básicos.
Excesso e impureza de reagentes
Iniciar e aprofundar o estudo dos casos especiais de cálculo
estequiométrico: excesso e impureza de reagentes. Analisar o
problema de excesso de reagente, definindo reagente limitante e
3 15 e 16 29 a 31
reagente em excesso e calculando a massa do excesso. Abordar
a importância do reagente limitante. Estudar o problema de grau
de pureza de um reagente. Tratar a impureza como substância
inerte. Resolver alguns exemplos.
Rendimento de reações e composições percentuais
Prosseguir com o estudo dos casos especiais de cálculo
estequiométrico, abordando o rendimento de uma reação e de
composições percentuais de misturas reacionais, principalmente
3 16 e 17 32 e 33 o ar atmosférico como mistura comburente e oxidante. Analisar
quantitativamente o problema de rendimento de uma reação.
Analisar problemas envolvendo misturas e suas quantidades em
uma reação química. Analisar problemas envolvendo reações
com ar atmosférico. Resolver exemplos.

100 MEDICINA | PLANEJAMENTO


PLANEJAMENTO

Continuação – Química – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Classificação de soluções e curvas de solubilidade
Definir soluções e analisar as suas propriedades. Definir soluto e
solvente e suas notações. Classificar as soluções: insaturadas,
saturadas, saturadas com corpo de fundo e supersaturadas.
6 17 e 18 34 a 36 Analisar as características de cada um dos sistemas anteriores.
Definir o coeficiente de solubilidade. Estudar as curvas de
solubilidade, abordando o caráter termoquímico da dissolução
dos solutos. Mencionar as curvas de solubilidade com pontos
de inflexão.

2
Tipos de concentração de soluções
Definir os principais tipos de concentração de soluções:
concentração comum, molaridade e título. Definir os tipos de
6 19 e 20 37 a 39
concentração secundários: frações molares do soluto e do
solvente e molalidade. Equacionar a relação entre as unidades
de medida de concentração.
Diluição, mistura e titulação de soluções
Estudar os três procedimentos que podem ser feitos com
soluções: diluição, mistura e titulação de soluções. Abordar a
6 20 e 21 40 a 42
diferença entre as misturas de soluções de mesmo soluto e de
solutos diferentes. Resolver problemas que atentem para o lado
cotidiano, teórico e numérico desses procedimentos.
Propriedades coligativas I
Conceituar e enumerar as propriedades coligativas: tonoscopia,
ebulioscopia, crioscopia e osmoscopia. Definir pressão máxima
de vapor (abordando o aspecto de equilíbrio que existe nesse
7 22 43 e 44 conceito) e analisar os fatores que nela influem. Estudar
as curvas de pressão máxima de vapor. Definir a ebulição
segundo o conceito de pressão máxima de vapor. Estudar o
efeito tonoscópico. Equacionar a Lei de Rauolt para o efeito
tonoscópico.

3
Propriedades coligativas II
Definir ebuliometria, criometria e osmometria. Estudar, no
diagrama de equilíbrio de fases, os efeitos ebulioscópico e
crioscópico, bem como o efeito tonoscópico. Mencionar a
7 23 45 e 46 ebulioscopia e a crioscopia como consequências diretas do
efeito tonoscópico. Equacionar a Lei de Raoult para os efeitos
ebulioscópico e crioscópico. Definir os tipos de membrana.
Mencionar difusão. Definir osmose e pressão osmótica.
Equacionar e calcular a pressão osmótica.
Propriedades coligativas em soluções iônicas
7 24 47 e 48 Estudar propriedades coligativas em soluções iônicas. Deduzir e
aplicar o fator de Van’t Hoff para solutos iônicos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 101


MED
Continuação – Química – Frente 2

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Oxirredução
Iniciar o estudo de oxirredução. Definir o estado de oxidação.
8 25 49 e 50 Enumerar as 10 regras para cálculo do nox, com extensa
exemplificação para compostos orgânicos e inorgânicos.
Resolver vários exemplos.

Conceito de oxidação e redução

3 8 26 51 e 52
Conceituar oxidação e redução. Definir agente oxidante e
agente redutor. Estudar com exemplos. Definir auto-oxirredução
(desproporcionamento).

Balanceamento por oxirredução


Estudar o balanceamento por oxirredução. Enumerar os passos
8 27 53 e 54 para o balanceamento de reações de oxirredução. Justificar
cada um desses passos pelos princípios da conservação das
cargas e das massas.

Radioatividade – conceitos básicos


Iniciar o estudo de radioatividade, abordando um breve histórico
sobre o assunto. Definir radioatividade. Estudar as emissões α, β,
γ, pósitron e neutrino, analisando características, como poder de
penetração, velocidade de propagação, carga e comportamento
9 28 55 e 56
frente ao campo elétrico. Estudar as reações nucleares,
mencionando as Leis de Soddy para as emissões alfa e beta,
compreendendo a dinâmica das reações nucleares segundo a
conservação das cargas e dos números de massa. Mencionar
que a massa não se conserva para esse tipo de fenômeno.

4 Radioatividade – fenômenos e aplicações


Estudar as aplicações da radioatividade: fissão e fusão
nucleares. Abordar as usinas nucleares e as bombas atômicas
9 29 57 e 58 em fenômenos de fissão. Abordar os fenômenos solares de fusão
a frio como fenômenos de fusão nuclear. Estudar a datação por
carbono-14, analisando a sua síntese no planeta e sua presença
em tecidos vivos.
Cinética das emissões radioativas
Estudar a cinética das emissões radioativas. Definir período de
9 30 59 e 60 meia-vida. Calcular o período de meia-vida de radionuclídeos
através de gráficos. Resolver problemas envolvendo o aspecto
quantitativo.

102 MEDICINA | PLANEJAMENTO


PLANEJAMENTO

Química – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Teoria atômico-molecular
Estudar a teoria atômico-molecular. Analisar quantidade de
1 1e2 1a4
substância ou quantidade de matéria. Resolver exemplos para
cálculos de número de mols de átomos, de moléculas e de íons.
Termoquímica
Introduzir o estudo da termoquímica. Definir entalpia e variação
de entalpia. Explicar as trocas de calor das reações com o meio
3 3e4 5a7 reacional. Estudar processos endotérmicos e exotérmicos e
seus gráficos. Estudar os fatores que influem na variação da
entalpia: quantidade de substância, fase de agregação (estado
físico), forma alotrópica e associação ou dissociação de átomos.

1
Lei de Hess
3 4e5 8 a 10 Enunciar a Lei de Hess. Aplicar a Lei de Hess para calcular a
variação de entalpia em reações com várias etapas.
Entalpia de formação
Definir entalpia-padrão de formação. Equacionar as reações
padrão de formação e relacioná-las com a entalpia-padrão
3 6e7 11 a 13
de formação. Definir a entalpia-padrão de formação para as
substâncias simples no estado mais estável. Determinar a
entalpia de uma reação por meio das entalpias-padrão.
Energia de ligação
Definir energia de ligação. Diferenciar quebra e formação de
3 7e8 14 a 16 novas ligações. Analisar a periodicidade nos valores de energia
de ligação. Determinar a entalpia de uma reação por meio das
energias de ligação.
Cinética química
Introduzir o conceito de velocidade das reações. Abordar
as possíveis unidades de velocidade e mencionar que a
concentração molar por tempo é a mais utilizada. Resolver
4 9 17 e 18 exemplos com velocidades médias. Estudar, nos mecanismos
de reação: choques frontais, energéticos e efetivos; complexo
ativado, energia de ativação de reação direta e inversa e
correlação entre velocidade das reações e suas respectivas
energias de ativação.
Fatores que alteram a velocidade das reações

2 4 10
Estudar os fatores que alteram a velocidade de uma reação:
19 e 20 concentração dos reagentes, pressão do sistema, temperatura,
fragmentação do reagente sólido, fase de agregação e
catalisadores.
Lei da ação das massas
Estudar a lei da ação das massas. Definir ordens de reação,
ordem global e constante de velocidade. Calcular as ordens
de reações não elementares. Definir a lei de velocidade.
4 11 21 e 22
Definir etapa lenta e sua importância no cálculo da velocidade
instantânea de uma reação. Diferenciar reações elementares e
não elementares sob todos os aspectos. Definir molecularidade
de uma etapa de reação.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 103


MED
Continuação – Química – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Equilíbrios moleculares
Introduzir o conceito de equilíbrios moleculares. Analisar a
condição de reversibilidade de um fenômeno químico. Diferen-
ciar os gráficos de concentração × tempo e de velocidades de
reações direta e inversa × tempo. Abordar o aspecto dinâmico
do equilíbrio. Definir grau de equilíbrio. Estudar a construção
5 12 a 14 23 a 28
de tabelas em fenômenos reversíveis (que contenham situa-
ção inicial, linha da reação e situação de equilíbrio). Definir
constantes de equilíbrio e analisar suas características, como
adimensionalidade e variação com a temperatura. Definir e
calcular a constante Kc e a constante Kp. Deduzir a relação
entre Kc e Kp, calculando essa relação em exemplos.

2
Deslocamento de equilíbrio
Enunciar o Princípio de Le Chatelier e aplicá-lo a situações
químicas: variações de pressão, temperatura e concentração
de algum componente do sistema. Representar graficamente o
5 15 29 e 30
deslocamento e o restabelecimento do equilíbrio. Abordar o caso
particular da síntese de Haber-Bosch e a importância desse
processo industrial. Analisar as vantagens e desvantagens de se
realizar a síntese da amônia em temperaturas altas.
Equilíbrios iônicos
Introduzir o assunto equilíbrios iônicos. Definir as constantes
Ka, Kb e Ki. Relacionar as constantes de equilíbrio iônico com a
5 16 e 17 31 a 34 força dos eletrólitos. Definir o grau de ionização. Deduzir a Lei
de Ostwald e sua aproximação para eletrólitos fracos. Analisar a
condutividade de soluções aquosas de eletrólitos fracos durante
o processo de diluição.
Equilíbrio iônico da água
Estudar o equilíbrio iônico da água. Equacionar a autoionização
da água. Definir e equacionar a constante de equilíbrio Kw.
6 18 35 e 36 Abordar a variação de Kw com a temperatura, com base no
comportamento termoquímico da autoionização da água. Definir
pH e pOH. Analisar a escala de pH, relacionando-a com a acidez
e basicidade do meio.
Conceitos modernos de ácidos e bases

3 Recordar os conceitos de ácidos e bases de Arrhenius.


Estudar os conceitos modernos de ácidos e bases. Definir
ácidos e bases de Brönsted-Lowry. Definir pares de ácido-
-base conjugados. Analisar a força de ácidos e suas bases
6 19 e 20 37 a 39 conjugadas e vice-versa. Analisar o caráter anfótero da água.
Definir ácidos e bases de Lewis. Compreender a teoria de
Arrhenius como subconjunto da teoria de Brönsted-Lowry e,
por sua vez, a teoria de Brönsted-Lowry como subconjunto da
teoria de Lewis. Estudar, na teoria de Lewis, a formação de
alguns complexos de coordenação.

104 MEDICINA | PLANEJAMENTO


PLANEJAMENTO

Continuação – Química – Frente 3

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Hidrólise de sais
Definir hidrólise de sais. Equacionar reações de hidrólise de
cátions de bases fracas e de hidrólise de ânions de ácidos fracos.
6 20 a 22 40 a 43 Definir e calcular a constante de hidrólise. Abordar a importância
da predominância do caráter do mais forte para determinar o
caráter do meio. Calcular o pH de um sistema aquoso após a
adição de um sal.

3 Produto de solubilidade
Abordar o aspecto qualitativo do equilíbrio heterogêneo entre
uma solução saturada e seu corpo de fundo. Definir solubilidade
em mol/L e constante do produto de solubilidade. Equacionar
6 22 a 24 44 a 48
a relação entre a solubilidade e o Kps. Resolver problemas
envolvendo reações com precipitação. Estudar o efeito do íon
comum como influência em precipitações. Resolver exemplos
de problemas clássicos envolvendo precipitações.
Pilhas
Introduzir os objetivos da eletroquímica. Estudar a pilha de
Daniell, abordando as diferenças entre as duas meias-células:
polos positivo e negativo, ânodo e cátodo, meia-reação de
7 25 49 e 50 oxidação e redução, corrosão e eletrodeposição, diluição e
concentração de íons durante o funcionamento de uma pilha.
Equacionar a reação global de uma pilha e abordar a sua
representação oficial. Estudar o sentido do fluxo de elétrons e
diferenciá-lo do sentido convencional da corrente.
Cálculo de força eletromotriz e espontaneidade
Definir potencial de eletrodo. Estudar o eletrodo padrão de
hidrogênio e a sua importância. Com a tabela de potenciais-
7 26 51 e 52
-padrão, calcular a força eletromotriz de uma pilha nas condições
padrão. Relacionar a espontaneidade de uma reação global com
a força eletromotriz de uma pilha.

4 Corrosão e tipos de pilha


Estudar três importantes tipos de pilhas: bateria de chumbo,
7 27 53 e 54 células-combustíveis e corrosão metálica pela ação do ar úmido
ou água aerada. Abordar procedimentos anticorrosivos: metais
de sacrifício e galvanização.
Eletrólises
Estudar o procedimento da eletrólise, abordando o seu aspecto
não espontâneo. Estudar as eletrólises ígneas. Estudar as
eletrólises em solução aquosa com eletrodos inertes, abordando
7 28 e 29 55 a 58
a tabela de preferência de descargas e equacionando as
descargas dos íons da água. Estudar as eletrólises em solução
aquosa com eletrodos ativos, abordando o aspecto da purificação
do cobre e da eletrodeposição como procedimento galvanizador.
Leis de Faraday
7 30 59 e 60 Definir a constante Faraday. Equacionar e estudar as leis de
Faraday.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 105


MED
Química – Frente 4

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Teoria de Arrhenius
Estudar a Teoria de Arrhenius. Analisar os sistemas condutores
de corrente: metais (estados sólido e líquido), substâncias iôni-
cas (estados sólido e fundido e solução aquosa), compostos
4 moleculares em solução aquosa e ácidos em solução aquosa
1a3 1a3
(Frente 2) (únicos compostos moleculares condutores em solução aquo-
sa). Diferenciar condução de corrente elétrica e de corrente
eletrolítica. Mencionar os principais indicadores ácido-base e
suas cores. Definir as funções químicas. Definir ácidos. Estudar
as equações de ionização total e parcial dos ácidos.
Classificação e nomenclatura dos ácidos
Classificar os ácidos segundo a presença de oxigênio, a
4 volatilidade, o número de hidrogênios ionizáveis e a força.
4a6 4a6
(Frente 2) Mostrar a importância da classificação como método de agrupar
compostos de comportamento semelhante. Nomear os ácidos,
abordando as regras de nomenclatura da IUPAC.
Bases ou hidróxidos
Definir bases (hidróxidos) segundo Arrhenius. Estudar as
equações de dissociação das bases e abordar o caráter
eletrolítico de suas soluções aquosas. Classificar as bases de
4
7 7 acordo com o número de hidroxilas, a solubilidade em água
(Frente 2)
e a força. Abordar, com detalhes, o aspecto diferenciado do

2 hidróxido de amônio como base molecular, fraca e solúvel em


água. Nomear as bases, abordando as regras de nomenclatura
da IUPAC.
Sais I
Definir sais. Estudar a sua formulação e nomenclatura. Definir
5 as reações de neutralização ácido-base como reações de
8e9 8e9
(Frente 2) dupla-troca, em que não há mudanças de carga. Estudar, com
variada exemplificação, as reações de neutralização total e
parcial.
Sais II
Definir sais duplos ou mistos, nomeando-os segundo as regras
da IUPAC. Estudar e equacionar a dissociação dos sais. Estudar
5 a tabela de solubilidade dos sais. Abordar, de forma inicial, as
10 a 13 10 a 13
(Frente 2) reações de dupla-troca, exemplificando com reações em que
há formação de gases (principalmente ácidos com carbonatos),
formação de precipitado (utilizando a tabela de solubilidade dos
sais e solubilidade das bases) e formação de eletrólitos fracos.
Óxidos
Definir, formular e nomear óxidos. Classificar os óxidos: ácidos,
5 básicos, anfóteros, neutros (ou indiferentes), duplos (ou mistos),
14 a 18 14 a 18
(Frente 2) peróxidos e superóxidos. Mencionar as funções hidreto e
carbeto, com os principais exemplos. Citar o uso cotidiano dos
principais óxidos.

106 MEDICINA | PLANEJAMENTO


PLANEJAMENTO

Continuação – Química – Frente 4

Matéria
Livro Capítulo Semana Aulas Proposta da aula dada
Reações inorgânicas I
Definir e estudar as reações de síntese e de análise, verificando
o que motiva a ocorrência de uma reação química; para isso,
10
19 e 20 19 e 20 utilizar exemplificações cotidianas. Conceituar as reações de
(Frente 2)
simples troca ou de deslocamento. Diferenciar as reações
de simples troca catiônica e aniônica, com as devidas filas de
reatividade dos metais e dos ametais.
Reações inorgânicas II
Rever e aprofundar os estudos das reações de dupla-troca.
10
21 e 22 21 e 22 Demonstrar as condições de ocorrência das reações de dupla-
(Frente 2)
-troca e exemplificá-las com equações de reações, as quais
podem ou não ocorrer.
Polímeros de adição
10
23 e 24 23 e 24 Definir polímeros de adição – polímeros vinílicos e acrílicos.
(Frente 1)
Identificar o processo de vulcanização da borracha.

4 10
(Frente 1)
25 e 26 25 e 26
Polímeros de condensação
Indicar os polímeros de condensação – poliésteres, poliamidas,
policarbonatos e baquelite. Mostrar a diferença entre termoplás-
ticos e termofixos.
Aminoácidos e proteínas
Conceituar aminoácidos. Apresentar a estrutura das proteínas:
11
27 e 28 27 e 28 ligação peptídica e estruturas primária, secundária, terciária e
(Frente 1)
quaternária. Exemplificar a desnaturação de proteínas e de en-
zimas.
Lipídeos e carboidratos
Falar dos carboidratos. Mostrar os monossacarídeos nas for-
mas anidra e piranosídica. Apresentar os dissacarídeos mais
11 comuns: sacarose, maltose e lactose. Explicar quais são os prin-
29 e 30 29 e 30
(Frente 1) cipais polissacarídeos: amido, glicogênio e celulose. Conceituar
a hidrólise de polissacarídeos. Estudar os lipídeos. Diferenciar
ácidos graxos saturados dos insaturados. Apontar triacilgliceróis
e fosfolipídeos.

MEDICINA | PLANEJAMENTO 107