Вы находитесь на странице: 1из 39
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Profa. Maria Inês Lenz Souza maria.souza@ufms.br

FISIOLOGIA

RESPIRATÓRIA

Profa. Maria Inês Lenz Souza

maria.souza@ufms.br

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Profa. Maria Inês Lenz Souza maria.souza@ufms.br
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Profa. Maria Inês Lenz Souza maria.souza@ufms.br

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA  esforço corporal moderado: ► 1000L ar/dia ► 8000L sangue/dia ► 500L O 2
FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA  esforço corporal moderado: ► 1000L ar/dia ► 8000L sangue/dia ► 500L O 2

esforço corporal moderado:

1000L ar/dia

8000L sangue/dia

500L O 2

450L CO 2

atividade metabólica x metabolismo basal

exercício: 40x

fibras elásticas células epiteliais (pneumócitos I e II)

fibras elásticas células epiteliais (pneumócitos I e II)

fibras elásticas células epiteliais (pneumócitos I e II)

VIAS DE CONDUÇÃO AÉREA

fossas nasais faringe laringe traqueia brônquios

tecido cartilaginoso

músculo liso

bronquíolos bronquíolos terminais bronquíolos respiratórios

ductos alveolares

sacos alveolares alvéolos

 ductos alveolares  sacos alveolares  alvéolos 300 milhões alvéolos/pulmão ductos alveolares e sacos
 ductos alveolares  sacos alveolares  alvéolos 300 milhões alvéolos/pulmão ductos alveolares e sacos

300 milhões alvéolos/pulmão

ESPAÇO MORTO ANATÔMICO

sem trocas gasosas sem epitélio respiratório

condução do ar

umidificação: muco

aquecimento

purificação do ar: muco, cílios

odor, som, temperatura corpórea

volume ar

muco  aquecimento  purificação do ar: muco, cílios  odor, som, temperatura corpórea  volume

ESPAÇO MORTO FUNCIONAL

trato respiratório inferior sem troca gasosa tamanho: ≈ espaço morto anatômico perda de capacidade de troca gasosa equação: CO 2 diluído no espaço morto

≈ espaço morto anatômico  perda de capacidade de troca gasosa  equação: CO 2 diluído

ANATOMIA FUNCIONAL

Zona de condução: fossas nasais brônquios / bronquíolos terminais; 10% volume total pulmonar

Zona de transição: bronquíolos respiratórios + ductos

alveolares; 30% volume total

Zona respiratória: alvéolos + capilares pulmonares; 60%

volume total

Caixa torácica: movimento + pressões

- pleuras parietal / visceral + espaço / líquido

- pressão negativa = expansão pulmonar repouso

Pressão intrapleural

negativa x atmosférica

duas forças elásticas tracionando espaço intrapleural:

- pulmões: propriedades elásticas com tendência ao colapso

- parede torácica: propriedades elásticas com tendência à expansão

PIP (-): oposta à tendência natural

ANATOMIA FUNCIONAL

Musculatura: fibra lisa resistência x passagem ar vias aéreas R-2 adrenérgicos relaxamento muscular liso (exercício)

histamina / leucotrienos contração (reações alérgicas)

resistência via aérea contração muscular esquelética + forte movimento ar   trabalho respiratório (asma)

via aérea  contração muscular esquelética + forte  movimento ar   trabalho respiratório (asma)
via aérea  contração muscular esquelética + forte  movimento ar   trabalho respiratório (asma)

INERVAÇÃO

SNA

simpático (Ad e agonistas 2 adrenérgicos):

broncodilatação

parassimpático (Ach, R-muscarínicos): broncoconstrição

R estiramento: parede alveolar / pleur a visceral

1/3 sai coração: veias brônquicas, veias broncopulmonares anastomoses broncopulmonares  veia pulmonar  AE
1/3 sai coração: veias
brônquicas, veias
broncopulmonares
anastomoses
broncopulmonares
veia pulmonar  AE

IRRIGAÇÃO

Circulação pulmonar:

- venosa

- capilares alveolares

- hematose

- efeitos gravitacionais

Circulação brônquica:

- arterial

- nutrição tecido pulmonar

- sem mistura com circulação pulmonar

MECÂNICA RESPIRATÓRIA

fluxos aéreos

renovação ar alveolar

PO 2 / PCO 2 constantes

P alvéolos x exterior

expansão / contração tórax torácico inspiratório = volume pulmonar

torácica expiratória = volume pulmonar

dinâmica pulmonar

repouso, inspiração, expiração

MECÂNICA RESPIRATÓRIA

forças: contração muscular

inspiração: ativa

- músc. inspiratórios

- caixa torácica

- pressão intrapulmonar

expiração: inverso (passiva)

torácica -  pressão intrapulmonar  expiração: inverso ( passiva ) - reversão  P pulmões

- reversão P pulmões x atmosfera

torácica -  pressão intrapulmonar  expiração: inverso ( passiva ) - reversão  P pulmões

MOVIMENTO INSPIRATÓRIO

torácico: vertical, lateral, ântero-posterior

músculo diafragma (nervo frênico)

contração:

- diafragma abdômen

- caixa torácica vertical

- 1-10 cm

diafragma (nervo frênico)  contração: - diafragma  abdômen -  caixa torácica vertical - 1-10

MOVIMENTO INSPIRATÓRIO

MOVIMENTO INSPIRATÓRIO  músc. intercostais externos  nervos intercostais  costelas: cima / fora  

músc. intercostais externos

nervos intercostais

costelas: cima / fora

externos  nervos intercostais  costelas: cima / fora   volume torácico ântero-posterior  

volume torácico ântero-posterior

lateral (“alça de balde”)

tensão espaços intercostais

músculos intercostais internos anteriores

MOVIMENTO INSPIRATÓRIO

músc. acessórios - escaleno, trapézio, esternocleidomastoideo, outros

- escaleno, trapézio, esternocleidomastoideo, outros ativos em ventilações intensas   costelas /

ativos em ventilações intensas

costelas / esterno

armazenagem energia potencial

distensão tecidos elásticos pulmões e tórax

facilita expiração

MOVIMENTO EXPIRATÓRIO

retração tecidos elásticos

liberação energia armazenada

exercício / hiperventilação voluntária:

- ativo

- músc. expiratórios

 liberação energia armazenada  exercício / hiperventilação voluntária: - ativo - músc. expiratórios
 liberação energia armazenada  exercício / hiperventilação voluntária: - ativo - músc. expiratórios

MOVIMENTO EXPIRATÓRIO

músc. oblíquos externo e interno, reto-abdominal, transverso abdominal

contração:

- flexiona tronco

- últimas costelas e volume abdominal

- diafragma

músc. intercostais internos posteriores

tronco -  últimas costelas e volume abdominal -  diafragma  músc. intercostais internos posteriores

CONTRAÇÃO MUSCULAR ATIVA

retração elástica pulmões e tórax resistência ao atrito: deformação tec. torácicos e pulmonares resistência ao atrito: fluxo aéreo

pressão aplicada   distensão pulmonar

PRESSÕES ENVOLVIDAS NA MECÂNICA RESPIRATÓRIA

pressão intrapleural:

- pleuras parietal/visceral

- -5 cmH 2 O

- recuo elástico do pulmão

pressão alveolar:

- alvéolos pulmonares

- sem fluxo aéreo (entre respirações) = atmosférica

pressão transpulmonar:

- lados dentro / fora pulmão (intra-alveolar e PIP)

pressão transmural:

- lados dentro / fora sistema pulmão caixa torácica

MECÂNICA RESPIRATÓRIA

INSPIRAÇÃO:

- pressão alveolar (-1 cmH 2 O) e PIP

- pressão de impulsionamento

- entrada de 0,5 L em 2 segundos

de impulsionamento - entrada de 0,5 L em 2 segundos  EXPIRAÇÃO: - PIP menos negativa

EXPIRAÇÃO:

- PIP menos negativa

- pressão alveolar +1 cmH 2 O

COMPLACÊNCIA PULMONAR

compliância, capacitância

distensibilidade do sistema

resistência à deformação x grau de esforço V(L)/P(cmH 2 O)

200 mL/cmH 2 O

forças elásticas + tensão superficial

TENSÃO SUPERFICIAL

interfase gás-líquido

forças de atração (coesão) átomos x moléculas

pressão transpulmonar: alvéolo expandido

pneumócito tipo II: surfactante

agente tensoativo: tensão superficial

lipídeos e proteínas (DPPC); íons Ca 2+ , apoproteínas

hidrófobas + hidrofílicas = alinhamento superficial

forças repulsivas x atrativas

SURFACTANTE PULMONAR   tensão superficial   complacência pulmonar  mantém estabilidade pequenos

SURFACTANTE PULMONAR

tensão superficial

complacência pulmonar

mantém estabilidade pequenos alvéolos “seca” alvéolos (capilares pulmonares)

 complacência pulmonar  mantém estabilidade pequenos alvéolos  “seca” alvéolos (capilares pulmonares)

RESISTÊNCIA PULMONAR

inverso da complacência

componentes não elásticos pulmão

resistência à alteração de volume

resistência das vias aéreas

- fluxo aéreo: laminar ou lamelar, turbulento,

transicional

resistência dos tecidos: deslizamento

Fatores que determinam a resistência

das vias aéreas

ciclo respiratório

fatores intra / extrapulmonares

variações fluxo aéreo

- volume pulmonar

- retração elástica

- tônus músc. liso

- densidade / viscosidade

gasosas

fluxo aéreo - volume pulmonar - retração elástica - tônus músc. liso - densidade / viscosidade

Fatores que determinam a resistência

das vias aéreas

distensão   diâmetro vias aéreas intrapulmonares retração elástica > raio dilatação (simpático)   vias aéreas

raio  dilatação (simpático)   vias aéreas  resistência total • densidade e viscosidade

resistência total

densidade e viscosidade gasosas: composição ar

respirado

VOLUMES PULMONARES

1. VOLUME CORRENTE (VC): ar inspirado/expirado movimento respiratório normal

2. VOLUME DE RESERVA INSPIRATÓRIO (VRI): ar inalado sobre/além VC (esforço inspiratório máximo)

3. VOLUME DE RESERVA EXPIRATÓRIO (VRE): ar expelido expiração forçada

4. VOLUME RESIDUAL (VR): ar permanece mesmo após esforço expiratório máximo

CAPACIDADES PULMONARES

1. CAPACIDADE INSPIRATÓRIA (CI): VC + VRI

2. CAPACIDADE RESIDUAL FUNCIONAL (CRF): VRE + VR

3. CAPACIDADE VITAL (CV) ou CAPACIDADE VITAL

FORÇADA (CVF): VRI + VC + VRE 4. CAPACIDADE PULMONAR TOTAL (CPT): CV + VR

ESPIROMETRIA

Tipos e padrões de ventilação

Tipos e padrões de ventilação

VENTILAÇÃO ALVEOLAR - TROCAS

anóxia, hipóxia, hiperóxia

hipoxemia

hipocapnia, hipercapnia

hiperóxia  hipoxemia  hipocapnia, hipercapnia • troca gasosa: difusão -  P (O 2 x

troca gasosa: difusão - P (O 2 x CO 2 ) + tempo permanência ar alvéolos + velocidade FS capilares alveolares

PRESSÕES DOS GASES NO AR

INSPIRADO E ALVEOLAR

PRESSÕES PARCIAIS NO AR INSPIRADO E NO AR ALVEOLAR Ar inspirado Ar alveolar Pressão Total
PRESSÕES PARCIAIS NO AR INSPIRADO
E NO AR ALVEOLAR
Ar inspirado
Ar alveolar
Pressão
Total

MEMBRANA RESPIRATÓRIA ou ALVEOLAR

líquido água + surfactante epitélio alveolar (cél. epiteliais escamosas tipo I) espaço intersticial membrana basal fundida (cél. endoteliais e epiteliais)

membrana endotelial capilar

 espaço intersticial  membrana basal fundida (cél. endoteliais e epiteliais)  membrana endotelial capilar

Fatores que afetam o intercâmbio alvéolo- sanguíneo

área de superfície da membrana respiratória

espessura da membrana

coeficiente de difusão do gás: CO 2 > O 2 gradiente pressão / concentração gás: Pp gás intercâmbio

respiratória

do gás: CO 2 > O 2  gradiente pressão / concentração gás: Pp gás 

Concentração de O 2 e CO 2 nos alvéolos (e Pp):

O 2 :

- velocidade absorção O 2 sangue

- velocidade entrada novo O 2 pulmões (processo ventilatório)

CO 2 :

- velocidade eliminação CO 2 sangue alvéolos

- velocidade remoção CO 2 alvéolos (processo respiratório)