Вы находитесь на странице: 1из 2

Estudo dirigido sobre o texto LEITE, M.S.

Yves Chevallard e o conceito de transposição


didática. In: LEITE, M. S. Contribuições de Basil Bernstein e Yves Chevvalard para
a discussão do conhecimento escolar. Rio de Janeiro, 2004. 116p. Dissertação de
Mestrado. Departamento de Educação. Pontifícia Universidade Católica do Rio de
Janeiro.

O estudo dirigido é uma modalidade didática que pode ser utilizada como uma ferramenta
para auxiliar no processo de ensino e aprendizagem. Tal modalidade contribui para a
independência do aluno e para o aperfeiçoamento de suas capacidades intelectuais, como
o desenvolvimento da criatividade e da capacidade de resolver problemas.

Apresento a vocês um estudo dirigido que objetiva revisar e aprofundar os conceitos


discutidos nas aulas 1 e 2. Se acreditarem ser pertinente, as perguntas podem ser
respondidas com o uso de quadros que facilitem a visualização/comparação entre ideias
que se contrapõem.

1. Qual a origem do termo “transposição didática?”


2. Para Verret, quais as conformações especif́ icas deve tomar um saber para ser
ensinado na escola?
3. Em que se diferencia o trabalho de Verret e de Chevallard?
4. Elabore um quadro apontando que outros autores, além de Verret e Chevallard
abordam a ideia geral de transposição. Em seu quadro coloque nome do autor, ano
e ideia central.
5. Apresente a crítica de Chevallard sobre a reflexão pedagógica.
6. Qual a concepção de ciência e de conhecimento de Chevallard?
7. O que são objetos de saber ?
8. No que tange a relação da questão temporal de ensino, por que é impossível um
“tempo didático” único?
9. Quais diferenças entre aluno e professor na relaçaõ que estes mantêm com o
saber?
10. Conceitue: Sistema de ensino stricto sensu, Sistema de ensino lato sensu, noosfera
11. Como se dá a passagem do saber científico para o saber escolar?
12. “Para Chevallard, o professor naõ participa do processo de transposiçaõ
didática” Explique, de acordo com o texto, quais as interpretações possíveis
dessa afirmação.
13. “A teoria da transposiç ão didática é transponível?” Quais as principais críticas
feitas a teoria da transposição didática?

Respostas de cunho pessoal – não se encontram diretamente no texto:


1. A transposição didática, interdisciplinaridade e contextualização são três facetas
inseparáveis de um mesmo processo complexo? Se sim, qual é este processo?

2. A interdisciplinaridade como prática do currículo escolar se expressa em vários


níveis de cooperação entre as disciplinas? Se sim, quais são esses níveis?

3. A contextualização é uma ferramenta que colabora para ampliar os horizontes


sobre determinados temas possibilitando fazer relações entre temáticas que
parecem não ter semelhança alguma. Como pode ser utilizada para facilitar a
interpretação de mundo dos alunos?