Вы находитесь на странице: 1из 4

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ


CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

PLANO DE ENSINO

1 – IDENTIFICAÇÃO
Curso: Licenciatura em História Bloco: Optativa
Disciplina: História do Tempo Presente
Carga Horária: 60 horas/aula Créditos: 4.0.0 Período Letivo: 2019.2
Professor: Dr. Fábio Leonardo Castelo Branco Mestrando: Francisco Adriano Leal Macêdo
Brito (PPGHB/UFPI)

2. EMENTA
O tempo presente como campo de estudo dos historiadores. As relações entre história do tempo
presente, memória, história oral e história política. Questões metodológicas e éticas. A produção
historiográfica brasileira e piauiense. A história do tempo presente e o ensino de história na educação
básica.

3. OBJETIVO GERAL
Compreender o tempo presente como uma categoria central para os estudos em história, buscando
articulações entre essa temporalidade e as especificidades da pesquisa em história.

4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• Relacionar o conhecimento histórico com a categoria tempo.
• Discutir os suportes teóricos que fundamentam a história do tempo presente.
• Analisar produções historiográficas no campo da história do presente.

5. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Unidade I – O presente, 1ª Aula (09/08/2019) – Apresentação da disciplina e do plano de
esse “tempo saturado de curso.
‘agoras’”: história, tempo e NÓS QUE AQUI ESTAMOS POR VÓS ESPERAMOS. Direção:
produção de presença Marcelo Massagão. Brasil, Riofilme, 1999. 73 min. son. color.

2ª Aula (23/08/2019) – Tempo e história: categorias em debate


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. O tecelão dos tempos:
o historiador como artesão das temporalidades. In: ______. O tecelão
dos tempos: novos ensaios de teoria da história. São Paulo:
Intermeios, 2019. p. 27-37.
CASTELO BRANCO, Edwar de Alencar. A concepção de tempo
histórico na história dos Annales: uma estratégia de evasão do
‘tempo-terror’. Linguagem, Educação e Sociedade – Revista do
Mestrado em Educação, Teresina, n. 06, p. 53-74, jun.-dez. 2001.

3ª Aula (30/08/2019) – História do tempo presente: um campo de


estudos em construção
CHARTIER, Roger. A visão do historiador modernista. In: AMADO,
Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Usos e abusos da
história oral. São Paulo: FGV, 2006.
CHAVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe. Questões para a História do
presente. In: CHAVEAU, Agnès; TÉTART, Philippe (Org.). Questões
para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999. p. 07-36.

4ª Aula (06/09/2019) – O presente e as tiranias do tempo: regimes


de historicidade
HARTOG, François. Introdução – Ordens do tempo, regimes de
historicidade. In: ______. Regimes de historicidade: presentismo e
experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. p. 17-41.
RICOEUR, Paul. As aporias da experiência do tempo: o Livro XI das
Confissões de Santo Agostinho. In: ______. Tempo e narrativa. Tomo
I. A intriga e a narrativa histórica. Campinas: Papirus, 1994. p. 19-54.

5ª Aula (13/09/2019) – Produção de presença: um tempo saturado


de “agoras”
BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história. In: ______. Obras
escolhidas. v. I. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre
literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 222-
232.
GUMBRECHT, Hans Ulrich. Epifania / Presentificação / Dêixis:
futuros para as Humanidades e as Artes... In: ______. Produção de
presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro:
Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2010. p. 119-163.

6ª Aula (20/09/2019) – Contemporaneidades e diagnósticos do


presente
AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? In: ______. O que
é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009. p. 55-
73.
BHABHA, Homi K. Introdução – Locais da cultura. In: ______. O
local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

7ª Aula (27/09/2019) – Avaliação escrita da Unidade I


Unidade II – Corpos, 8ª Aula (04/10/2019) – Seminários I e II
sociedades, culturas, SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo,
políticas e cidades: práticas sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das
de pesquisa em história do Letras, 1992.
tempo presente REZENDE, Antonio Paulo de Morais. (Des)encantos modernos:
histórias da cidade do Recife na década de vinte. Recife: EDUFPE,
2016.

9ª Aula (11/10/2019) – Seminários III e IV


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Nordestino: invenção
do “falo”. Uma história do gênero masculino (1920-1940). São Paulo:
Intermeios, 2013.
RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si
e invenções da subjetividade. Campinas: UNICAMP, 2013.

10ª Aula (18/10/2019) – Seminários V e VI


PORFÍRIO, Pablo Francisco de Andrade. Francisco Julião em luta
com seu mito: golpe de Estado, exílio e redemocratização do Brasil.
Jundiaí: Paco, 2016.
FONTINELES, Cláudia Cristina da Silva. O recinto do elogio e da
crítica: maneiras de durar de Alberto Silva na memória e na história
do Piauí. Teresina: EDUFPI, 2015.

11ª Aula (25/10/2019) – Seminários VII e VIII


CASTELO BRANCO, Edwar de Alencar. Todos os dias de Paupéria:
Torquato Neto e a invenção da Tropicália. São Paulo: Annablume,
2005.
BRITO, Fábio Leonardo Castelo Branco. Visionários de um Brasil
profundo: invenções da cultura brasileira em Jomard Muniz de Britto
e seus contemporâneos. Teresina: EDUFPI, 2018.
12ª Aula (01/11/2019) – Por uma vida não-fascista
FOUCAULT, Michel. Introdução à vida não-fascista. In: DELEUZE,
Gilles; GUATTARI, Félix. Anti-Oedipus: capitalism and
schizophrenia. New York: Viking Press, 1977, p. XI-XIV. Traduzido
por Wanderson Flor do Nascimento.
MONTEIRO, André. É preciso aprender a ficar (in)disciplinado. VI
Simpósio em Literatura, Crítica e Cultura. Programa de Pós-
Graduação em Estudos Literários, Universidade Federal de Juiz de
Fora, maio 2012.

13ª Aula (08/11/2019) – Aos nossos amigos: crise e insurreição


Unidade III – O que COMITÊ INVISÍVEL. Aos nossos amigos: crise e insurreição. São
estamos fazendo de nós Paulo: N-1, 2016.
PELBART, Peter Pál. Aos nossos amigos. In: RAGO, Margareth;
mesmos: crise, insurreição
GALLO, Silvio (Org.). Michel Foucault e as insurreições: é inútil
e os diferentes fascismos revoltar-se? São Paulo: Intermeios, 2017. p. 95-106.
contemporâneos
14ª Aula (22/11/2019) – Necropolítica
MBEMBE, Achilles. Necropolítica. São Paulo: N-1, 2018.

15ª Aula (29/11/2019) – Sobre o autoritarismo: reflexões sobre a


democracia em vertigem
DEMOCRACIA EM VERTIGEM. Direção: Petra Costa. Brasil,
Netflix, 2019. 113 min. son. color.
SCHWARCZ, Lilia Moritz. Introdução – História não é bula de
remédio e Quando o fim também é o começo: nossos fantasmas do
presente. In: ______. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo:
Companhia das Letras, 2019.

6. PROCEDIMENTOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM


 Aulas expositivas e dialogadas;
 Realização de mesas-redondas;
 Exibição de filmes e músicas;
 Produção de textos acadêmicos, dentro e fora de sala de aula.

7. SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO

8. BIBLIOGRAFIA
SUBMISSÃO AO COLEGIADO DO CURSO

Data de envio: _____/_____/_____ Data de aprovação: _____/_____/_____

_________________________________ _________________________________
Assinatura do Professor Assinatura do Coordenador