Вы находитесь на странице: 1из 10

1

1. RESENHA CRÍTICA
Jussara Lima Da Silva

Os slides expõem, de maneira brilhante, os principais recursos de uma


pesquisa cientifica. Com uma linguagem acessível, demonstra, com riqueza de
detalhes, como elaborar trabalhos científicos, tais como projetos de pesquisa,
monografias, dissertações, teses e etc. Foram divididos em tópicos, facilitando assim
o entendimento dos discentes que irão fazer uso do mesmo.

Iniciando com a definição de pesquisa, dado pelo autor De Poy&Gitlin (1994)


que diz ser um método sistemático de fazer e responder perguntas, utilizando-se de
estratégias múltiplas e sistemáticas. A pesquisa nada mais édo que colocar o
pensamento em ação sobre duas formas: indução e dedução. Épreciso também ser
logico e compreensível, ter ideias reprodutíveis e utilizáveis.

Pesquisas podem ser qualitativas e quantitativas, sendo classificadas de


diferentes formas de acordo com os objetivos traçados. Podem ser Exploratórias, de
cunho bibliográficas, documentais e estudo de caso e campo. Descritivas, como o
nome já diz,em que se verifica e descreve algo. E Explicativas, de modalidades
experimental, quase-experimental e ex-post facto.

Toda pesquisa é sobre um problema,alguma questão que precisa de atenção,


discussão e investigação, apresentando-se na forma de interrogação. A pesquisa
gira em torno desse problema, buscando formas de resolvê-lo ou apenas expor, a
fim de chamar a atenção dos demais. Tendoseu desenvolvimento com base teórica
e sua conclusão de acordo com os resultados obtidos.

Logo após, tem as demais características da pesquisa, como a revisão da


literatura, explicitando o que é necessário ter, como também as variáveis
dependentes e independentes, e o mais importante, a hipótese, porque ela que vai
orientar e determinar os dados que serão coletados e o método que irá ser aplicado.

Agora falando sobre pesquisa qualitativa e suas classificações.Divididas em:


pesquisa básica, pesquisa estratégica, pesquisa orientada para problemas
específicos, pesquisa ação, pesquisa participante e pesquisa inteligente.
2

Uma universidade tem o papel de incentivar a reflexão sobre a construção do


conhecimento e desenvolver habilidades do saber no discente. Pelo seu nome já
temos uma noção de seu significado de universalidade, por isso deve ser aberta a
todos, com espaço para democracia e os mais diversos pensamentos. Ela se apoia
sobre três pilares importantes: ensino, pesquisa e extensão. Então, estar em uma
universidade implica estar numa instituição que desenvolve essas três atividades
interligadas.

O ato da leitura é muito importante na vida do acadêmico. Tendo ele que


compreender a mensagem em vez de memorizar, verificar a veracidade e a
qualidade das informações, e sempre questionar o texto, levantando perguntas para
o seu melhor entendimento. Mas para que haja um bom aprendizado, são
necessários três condições básicas. Primeiro motivação, que é uma característica
que todo ser humano deve ter, não só para leitura, pois desperta em nós o interesse
e a paixão para ler e estudar. Segundo e terceiro são as características externas e
internas. Como ambiente, disponibilidade de textos impressos, de biblioteca, de
tecnologia, etc.

Disciplina não deve ser somente uma obrigação, mas sim uma rotina, que
com o tempo trará resultados satisfatórios. Estudar com disciplina é estudar para a
vida toda e não somente para uma avaliação de conhecimento.Ela nos ajuda
aencarar o estudo como uma oportunidade de se tornar autônomo, de ser autor de
seus pensamentos e suas ações e não mero repetidor de palavras. De ser alguém
na vida.

Aprendizagem, nesse contexto, tem uma importância muito relevante. Porque


não se trata somente de aprender, mas sim de supor autoria e pesquisa, envolve
elaboração e construção de textos, reclama uma leitura sistemática, rigorosa e
meticulosa. Aprendizagemse expressa na arte de argumentar e contraargumentar. É
questionar, e para argumentar é preciso ler muito, conhecer e dialogar com os
autores. Aprendizagem requer dedicação sistemática transformada em hábito
permanente.

Uma orientação que encontramos é a de assumir um compromisso com os


estudos, independente da vontade de fazer ou não. Porque estamos aqui para
adquirir conhecimento, e isso não depende de ninguém a não ser de nós mesmos.
3

Antes de iniciar qualquer leitura é preciso determinar antes o que será


estudado, isto é, delimitar uma unidade de leitura, para facilitar a compreensão. E
observar também que tipo de texto estamos lendo. Se é informativo, literário,
filosófico, cientifico, teórico, metodológico, empírico ou pratico.

Analisar um texto para Lakatos e Marconi (1991, p. 27) significa: [...] decompor
um todo em suas partes a fim de poder efetuar um estudo mais completo,
encontrando o elemento-chave do autor, determinar as relações que prevalecem nas
partes constitutivas, compreendendo a maneira pela qual estão organizadas e
estruturar as ideias de maneira hierárquica. Dentro desse contexto temos varias
formas para analisar um texto: a análise textual, análise temática, a interpretativa, a
problematização, e a síntese ou conclusão pessoal. Na análise textual investigamos
os elementos escritos do texto, fazendo uma leitura completa, se possível lendo ate
três vezes. Na primeira, fazendo uma visão geral, na segunda destacando as partes
importantes, e por ultimo lendo com total compreensão. Na análise temática, deve
se compreender o que o autor do texto quer dizer, procurar o tema e os motivos que
o levou a escrever sobre tal assunto, porque relevando o problema descobriremos a
ideia principal defendida. Na análise interpretativa, procuramos dialogar com o autor
e nos posicionarmos frente às ideias dele. Na análise da problematização, temos o
objetivo de levantar os problemas para a discussão e reflexão individual ou em
grupo. É recomenda as seguintes atitudes: ler atentamente o texto e procurar
questioná-lo, buscando encontrar as respostas para os problemas e assinalar em
uma folha de papel os termos, os conceitos e as ideias.Depois destas, temos a
análise da conclusão ou síntese. Expondo as conclusões a que se chegou sobre o
texto. Na concepção de Lakatos e Marconi (1991), trata-se de reelaboração pessoal
da mensagem do autor. Esta etapa é finalizada com um resumo em que a pessoa
apresenta crítica e reflexão pessoal.

Falamos agora das técnicas de leitura. Em que se destacam as técnicas de:


sublinhar, esquematizar, resumir, e a técnica de documentação do estudo. A técnica
de sublinhar implica em destacarmos no texto as ideias principais. Essa técnica
facilita a elaboração de esquemas e resumos. A técnica de esquematizar consiste
em anotar os principais pontos de um texto, com fidelidade ao texto original,
mantendo as ideias originais do autor mesmo quando houver paráfrase. A partir da
ideia principal e dos detalhes importantes, organiza-se as ideias logicas, partindo
das mais importantes para as menos importantes. O esquema deve ser útil, isto é,
4

deve facilitar seu retorno ao texto, para revisão, e cada acadêmico pode desenvolver
seu modelo de esquema, de acordo com seus hábitos, recursos, etc. A técnica de
resumir é simples. Como o nome já diz,resumir é colocar em poucas palavras o que
o autor expressou em um texto mais longo. Para isso,utilizam-se as mesmas
técnicas de sublinhar e elaborar esquemas.Com base nas palavras sublinhadas
você elabora o resumo.

A disciplina Metodologia Científica é iminentemente prática e deve estimular


os estudantes para que busquem motivações para encontrar respostas às suas
dúvidas. Ela que nos ensina a forma correta para se fazer todos os tipos de
trabalhos acadêmicos. Começaremos falando sobre o mais importante, o temido
TCC.

O TCC - Trabalho de Conclusão de Curso, é compreendido como um


Trabalho Acadêmico, que pode ser elaborado em diferentes formatos. De acordo
com as Normas da ABNT. Os que são em formas de monografia, obedecem a uma
estrutura que se divide em três partes, Elementos Pré-textuais, Elementos Textuais
e Elementos Pós-textuais. Que são os que vêm antes do texto, durante o texto e
depois do texto.

Os elementos que constituem os pré-textuais são:capa (obrigatório), lombada


(obrigatório), folha de rosto (obrigatório), anverso da folha de rosto (obrigatório),
verso da folha de rosto (obrigatório), errata (opcional), folha de aprovação
(obrigatório), dedicatória(s) (opcional), agradecimento(s) (opcional), epígrafe
(opcional), resumo na língua vernácula (obrigatório), resumo em língua estrangeira
(obrigatório), lista de ilustrações (opcional), lista de tabelas (opcional), lista de
abreviaturas e siglas (opcional), lista de símbolos (opcional), e sumário
(obrigatório).Os que constituem os textuais são: Introdução, Desenvolvimento, e
Considerações Finais. Na introdução vai a parte introdutória do trabalho, em que se
apresenta o tema, os objetivos, as hipóteses, a justificativa e a metodologia. No
desenvolvimento fica a parte central do trabalho, nele são apresentados os
argumentos que sustentam e justificam o objeto em estudo. Nele estará a
fundamentação teórica, assim como uma seção que trate especificamente da
metodologia adotada na pesquisa.Constará de seções, divididas em subseções. E
nas considerações finais, estará a síntese interpretativa dos principais argumentos
expostos no desenvolvimento e dos resultados obtidos, podendo também apresentar
recomendações para novos estudos sobre o tema abordado.E os elementos pós-
5

textuais,que estão contidos após a parte textual, constituídos na seguinte sequência:


referências (obrigatório), glossário (opcional), apêndice (opcional), anexos (opcional)
e índice (opcional). Essas são as características básicas para a elaboração de um
TCC, lembrando que as normas sempre se atualizam, mas a estrutura será sempre
a mesma.

Para a elaboração de um artigo cientifico, a estrutura muda pouca coisa.


Porque ele tem como característica principal ser uma abordagem concisa ou parcial
de um determinado assunto. De acordo com a ABNT, a NBR 6022 estabelece um
sistema para apresentação dos elementos que constituem o artigo em publicação
periódica científica impressa. Contém os mesmos elementos da estrutura do TCC.
Mudando apenas na formatação, pois a quantidade de páginas para Monografia
obedece ao número mínimo de 25 folhas e máximo de 100 folhas, e a quantidade de
páginas para Artigo Científico obedece ao número mínimo de 08 folhas e o máximo
de 20 folhas.

É comum ter também citações. Uma parte fundamental em qualquer trabalho


cientifico, que são Informações retiradas de outras fontes mencionadas no texto para
complementar as ideias do autor da pesquisa, embasando o assunto abordado,
dando respaldo à sua interpretação.Sempre que o pensamento de um autor for
mencionado é necessário colocar seu sobrenome e ano da obra no momento da
citação, em respeito aos direitos autorais. A referência completa da obra citada
também deve constar nas referências. Existem três tipos de citações. Citação direta,
citação indireta e citação de citação.

As diretas são transcrições literais de um texto ou parte dele, ou seja, quando


um texto citado for transcrito fielmente obedecendo às características originais
quanto à redação, ortografia e pontuação. As indiretas são baseadas em uma obra
consultada, com um acréscimo de nossas palavras, mas sem fugir do assunto ou
discordar da ideia do autor. E a citação de citação é a menção de parte de um texto
do qual não se teve acesso ao documento original e se tomou conhecimento através
de uma outra fonte.

Agora falando sobre a elaboração de projetos de pesquisa, que é a estratégia


de busca para a realização do artigo ou TCC. É o caminho a ser percorrido para
responder perguntas do tipo: o que pesquisar? Para que pesquisar? Como
pesquisar? Por quem? Para isso, ela precisa ser bem planejada. Entende-se por
planejamento de pesquisa, a previsão racional de um evento, atividade,
6

comportamento ou objeto que se pretende a realizar a partir da perspectiva científica


do pesquisador. A estrutura é a mesma dos demais trabalhos científicos:
elementospré-textuais, textuais e pós-textuais. Com a diferença de que o tema deve
delimitado logo de início, e a escolha dele deve conter fatores internos ou externos.
Do tipo que efetividade há em relação à ele; o tempo disponível que se terá para
executar o trabalho; o limite das capacidades que se deverá ter; que importância e
significado ele terá na sociedade e que materiais e dados serão necessários para
obtenção do resultado final.

Após, virá o levantamento ou revisão da literatura. Na qual será mostrado todo


material teórico encontrado para que a pesquisa tenha fundamento científico. Nessa
parte também entram as citações dos autores encontrados.

Em seguida, vem a problematização. Que é a mola propulsora de todo o


trabalho. Depois de definido o tema, levanta-se uma questão que serárespondida
através de uma hipótese, que será confirmada ou negada através do trabalho do
trabalho de pesquisa. Lembrando que a qualidade do trabalho dependerá do valor
da pergunta e de sua correta apresentação, por isso a pergunta tem que ser bem
feita, formulada de modo precisa e clara. A formulação do problema é a primeira
etapa e a base do trabalho científico, sem ela o trabalho nãoexistiria. Porque ele vai
girar em torno da solução do problema.

Depois de formulada a problematização, vem a formulação da hipótese. Que


também é muito importante para o desenvolvimento do trabalho. Hipótese é uma
afirmação categórica, uma suposição, que tenta responder ao problema levantado
no tema. Ela se tem que ser específica, lógica e não mera opinião; embasada em
teorias sólidas e dados consistentes da realidade observável; exposta em redação
simples, clara e precisa. O trabalho irá então confirmar ou negar a hipótese
levantada.

A justificativa, próxima etapa do projeto, é o convencimento de que o trabalho


de pesquisa é fundamental e que o tema escolhido e a hipótese levantada são de
suma importância para a sociedade.

Os objetivos, geral e específicos, vem logo após. E são a comprovação,


esclarecimento ou verificação da hipótese. Eles devem ser apresentados com
verbos no infinitivo. A definição dos objetivos determina o que o pesquisador quer
atingir com a realização da pesquisa.
7

A metodologia é a explicação minuciosa, detalhada, rigorosa e exata da ação


desenvolvida no método da pesquisa. É a explicação do tipo de pesquisa; do
instrumento utilizado(questionário, entrevista); do tempo previsto; da equipe de
pesquisadores e das divisões do trabalho; das formas de tabulação de dados, enfim,
de tudo aquilo se utilizou no trabalho de pesquisa. É o caminho a ser percorrido para
alcançar o objetivo do estudo.

Temos também o cronograma, que é a provisão de tempo que será gasto na


realização do trabalho, de acordo com as atividades a serem cumpridas. As
atividades e os períodos serão definidos a partir das características de cada
pesquisa e dos critérios determinados pelo autor do trabalho. Podem sedividir em
dias, semanas, quinzenas, meses, bimestres, etc. Não é obrigatório apresentar os
recursos financeiros. Só será incluído se o projeto for apresentado para a instituição
financiadora do projeto.

Por fim, tem os elementos pós-textuais do projeto. Os anexos, referências,


glossários (se for preciso). Depois disso, é só formular o sumário. Concluído o
projeto, o pesquisador elaborará um esquema do trabalho, que é uma espécie de
esboço daquilo que ele pretende inserir no seu relatório final da pesquisa. Esse
esquema o guiará na elaboração do texto final. Resumindo, o projeto de pesquisa
deverá ter todas as características citadas acima.

Para concluir nossa resenha, falaremos agora sobre conceitos de ciência,


conhecimento, métodos e documentação. Ciência é o conjunto de conhecimentos
precisos emetodologicamente ordenados em relação à um determinado domínio do
saber. E conhecer é incorporar um conceito novo, ou original, sobre um fato ou
fenômeno qualquer. O conhecimento não nasce do vazio e sim das experiências que
acumulam em nossa vida cotidiana. Existem algumas formas de conhecimento,
como o popular (ou empírico), filosófico, religioso (ou teólogo) e técnico-científico.

O conhecimento popular, é o obtido ao acaso, após inúmeras tentativas, ou


seja, o conhecimento adquirido através de ações não planejadas. É aquele falado
pelo senso comum. O conhecimento filosófico, é fruto do raciocínio e da reflexão
humana. É o conhecimento especulativo sobre fenômenos gerais do universo,
ultrapassando os limites formais da ciência. O conhecimento religioso, é aquele
revelado pela fé divina ou crença religiosa, que por sua origem, não pode ser
confirmado ou negado. É o que mais gera conflitos. E o conhecimento técnico-
8

científico, é o racional, sistemático, exato e verificável da realidade. Sua origem está


nos procedimentos de verificação baseados na metodologia científica.

Como já citado no início, as pesquisas se dividem em alguns tipos. A


experimental é aquela é aquela que envolve algum tipo de experimento; a
exploratória é aquela que busca constatar algo num organismo ou num fenômeno; a
social é aquela que busca respostas de um grupo social; a histórica é aquela que
estuda o passado; e a teórica éaquela que analisa uma determinada teoria.

Depois de escolhida o tipo de pesquisa, o próximo passo será escolher o


método de pesquisa. O método histórico, envolve o estudo, compreensão e
explanação de eventos do passado. O objetivo é chegar as conclusões relativas às
causas, efeitos ou tendências de ocorrências passadas que podem explicar os fatos
no presente e antecipar o futuro. O método descritivo, envolve a coleta de dados, a
fim de testar hipóteses ou responder à questões referentes ao status do indivíduo do
estudo. O método correlacional, envolve coletas de dados a fim de determinar se, e
até que grau, uma relação existe entre duas ou mais variáveis mensuráveis. No
método causal comparativo, o investigador procura determinar a causa ou a razão
pela existência de diferenças no comportamento ou condição de grupos de
indivíduos. E o método experimental, em que o pesquisador manipula
deliberadamente algum aspecto da realidade, dentro de condições anteriormente
definidas, a fim de observar se produz certos efeitos. Não existe pesquisa
experimental sem experimento.

Agora serão as definições dos métodos científicos. Os quais temos o método


indutivo, que é um processo mental que, partindo de dados particulares
suficientemente constatados, infere-se uma verdade geral ou universal, não contida
nas partes examinadas. O método dedutivo, é o contrário do indutivo, pois enquanto
um tem dúvidas, o outro tem certeza. O método hipotético-indutivo, observa
inúmeros fatos variando as condições da observação; elabora-se uma hipótese
realiza novos experimentos ou induções para confirmar ou negar a hipótese, se está
for confirmada, chega-se à lei do fenômeno estudado. O método hipotético-dedutivo,
é um de tentativas e eliminação de erros, que não leva à certeza, pois o
conhecimento absolutamente certo e demonstrável não é alcançado. O método
dialético, por sua vez, parte da premissa de que, na natureza, tudo se relaciona, se
transforma e há sempre uma contradição inerente a cada fenômeno.
9

E para encerrar, as formas de documentação. Documentação temática, visa


coletar elementos relevantes para o estudo em geral ou para a realização de um
trabalho em particular, sempre dentro de uma determinada área. A documentação
bibliográfica completa a documentação temática. É organizada de acordo com um
critério de natureza temática. Constitui um acervo de informações sobre livros,
artigos e demais trabalhos. E a documentação geral é aquela que organiza e guarda
documentos úteis retirados de fontes perecíveis, tais como jornais, xerox de revista e
apostilas.
10

REFERÊNCIAS

De Poy E & Gitlin LN.Introduction to Research. Ed Mosby. 1994.


LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 6.
ed. 5. reimp. São Paulo: Atlas, 2007.
NASCIMENTO, Luzimere Pires. Metodologia do Trabalho Científico. Parintins,
2019. 8 slides.

Оценить