Вы находитесь на странице: 1из 35

Versão On-line ISBN 978-85-8015-075-9

Cadernos PDE

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE


NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE
Produções Didático-Pedagógicas
FICHA PARA IDENTIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DIDÁTICO – PEDAGÓGICA

TURMA PDE – 2013

Título: AS REAÇÕES QUÍMICAS E A PRODUÇÃO ARTESANAL DE


MATERIAIS DE LIMPEZA DOMÉSTICA
Autor Beatriz Valéria Donadel
Disciplina Ciências
Escola de Atuação Colégio Estadual do Campo
Antônio Lacerda Braga
Município da escola Lapa - PR
Núcleo Regional de Educação Área Metropolitana Sul
Orientador Prof. Dr. Nilson Bueno Kominek
Instituição de Ensino Superior UTFPR – Universidade Tecnológica
Federal do Paraná
Relação Interdisciplinar Química, história, artes.
Resumo: Este trabalho consiste na produção de uma
unidade didática destinada ao 9º ano do
Ensino Fundamental, na disciplina de
Ciências. Ele aborda o conteúdo de
“reações químicas”, o qual é ensinado com
o auxílio da produção artesanal de
materiais de limpeza. Para o aprendizado,
serão utilizados textos de apoio, vídeos e
atividades de cunho teórico e prático. O
intento é promover a compreensão através
do raciocínio, da reflexão e da discussão
que as atividades propostas suscitam.
Palavras-Chave química ensino fundamental; reações
químicas; produção materiais limpeza;
química no cotidiano; contextualização da
química
Formato do Material Didático Unidade Didática
Público Alvo Alunos do 9º ano do Ensino Fundamental
CARO(A) PROFESSOR(A):

Ensinar sempre foi uma tarefa desafiadora. Talvez uma das características
mais instigantes da educação seja mesmo que ela esteja eternamente em processo
de mutação. Podemos criar as mais diversas fórmulas, mas os sujeitos e os cenários
envolvidos sempre estão em transformação, o que vai exigir adaptações.
Frequentemente ouve-se falar na perda de qualidade do ensino e na falta de
motivação que docentes e discentes têm manifestado para desenvolver seu
trabalho. Dentro da disciplina de Ciências, o discurso não é diferente, principalmente
em ramos tidos como mais complicados e teóricos, como é o caso da Química, que
é abordada na presente unidade didática.
Chassot et al (1993) apontam, entre outras causas das dificuldades para
aprender química, a não consonância entre o nível do conteúdo ministrado e o
desenvolvimento cognitivo do aluno. Além disso, há a aparente falta de ligação dos
assuntos abordados com a sua própria realidade como motivos que causam as
dificuldades de aprendizagem.
Para sanar dificuldades e obter sucesso na apreensão do conhecimento, os
autores sugerem a elaboração de materiais didáticos que melhor promovam a
contextualização do que o professor objetiva ensinar. Para tanto, citam três
condições básicas a ser observadas na produção destes materiais: a adequação à
realidade da escola, o trabalho com dados reais de seu próprio meio na construção
do saber e a utilização da Química como instrumento de construção da cidadania.
Tais ideias vão de encontro com o pensamento de Vygotsky e Ausubel. O
primeiro aponta a interação social como elemento que promove a aprendizagem. A
figura do professor é tida como o “mediador”, ou seja, a pessoa mais capaz, que irá
fazer a intermediação para se chegar ao novo conhecimento (VYGOTSKY, 1991). O
segundo, como esclarece Praia (2000), defende que é necessário algum
conhecimento prévio para que um novo saber nele seja ancorado. Somente desta
maneira, ocorre a compreensão por parte do aluno sobre o conteúdo, que para ele
irá adquirir um sentido lógico.
O estudo das reações químicas que ocorrem na elaboração caseira e na
utilização de produtos de limpeza é uma proposta que pretende utilizar os
argumentos aqui expostos para o ensino da Química, dentro da disciplina de
Ciências, no 9º ano do Ensino Fundamental. A utilização da realidade da
comunidade escolar, partindo do que se conhece para se chegar a novos horizontes,
valendo-se interação social, da reflexão e da construção dos saberes pode
proporcionar aos alunos a utilização do aprendizado escolar em instrumento de
acesso à cidadania. Uma vez que se conhece a sua realidade com os olhos da
ciência, ele pode utilizá-la para melhorar sua vida e de sua comunidade.
AS REAÇÕES QUÍMICAS

Professor (a): o questionário abaixo serve como pré-teste. Após as aulas, ele
poderá ser reaplicado, para a verificação da evolução dos alunos.

Vamos ver o que você já sabe sobre este assunto


1- O que você observa quando mistura água com sal de frutas (antiácido)? E
quando mistura água e sal de cozinha?
2- As transformações que ocorrem na matéria são chamadas de fenômenos.
Porém, existem fenômenos físicos e químicos. Qual será a diferença entre
eles?
3- Lavoisier foi um importante químico francês. Ele disse: “Na natureza, nada se
perde e nada se cria. Tudo se transforma”. Explique com suas palavras o que
você entendeu sobre essa afirmação do cientista.
4- A massa de um prego novo e de um prego enferrujado é a mesma?
Considere o mesmo tamanho de prego. Justifique.
5- Uma reação química endotérmica precisa que se forneça calor para ela
acontecer. Pense em um exemplo desse tipo de reação e cite-o.
6- Uma reação química exotérmica libera calor quando ela ocorre. Pense em
um exemplo desse tipo de reação e cite-o.
7- Quais seriam as vantagens de se fazer produtos de limpeza em casa? Pense
em duas ou mais e cite-as.
8- Você já deve ter ouvido falar de gente que faz sabão em casa a partir de óleo
usado em frituras. Na sua opinião, como é possível uma substância feita a
partir de uma gordura (ainda por cima, suja) ser capaz de remover sujeiras?
9- Além de gordura, a receita de sabão leva soda cáustica. Alguém perguntou
para seu professor se esse sabão não seria poluente. O que você acha?
10- Muitas pessoas fazem sabão em casa. Você já viu alguém fazer detergente?
Qual seria a diferença entre um e outro?
De acordo com Pereira et al (2009), segue uma abordagem sobre o
conteúdo “Reações Químicas”:
Em primeiro lugar, devemos distinguir se um fenômeno é químico ou físico.
Quando a matéria passa por uma reação química, ela sofre alterações nas
suas características. Após uma sofrer uma reação química, ela tem mudanças na
cor, no odor, no sabor, na textura, entre outros. Além disso, pode haver liberação de
gases, de calor ou de energia luminosa.

No caso do fenômeno físico, não existe mudanças em nenhuma destas


características citadas. Ao tomarmos um pedaço de papel e picá-lo em vários
pedaços, não verificaremos alteração nas características da matéria.

Entretanto, se o papel for queimado, é possível observarmos alterações na


sua matéria. O mesmo acontece com o ovo cru que foi cozido. Estes, então, são
fenômenos químicos.

Fenômeno
físico

Fenômeno
químico

Fenômeno
químico

Figura 1. Fenômenos físicos e químicos


Fonte: Beatriz Valéria Donadel
Cabe aqui um esclarecimento realizado pelos autores:

“Mas não é somente na queima de combustível e no cozimento de


alimentos que podemos perceber transformações decorrentes de reações
químicas. Outros fenômenos (como o amadurecimento ou apodrecimento
de frutos e demais alimentos e a corrosão de peças metálicas), entre outros
são provocados por reações químicas.” (FERREIRA et al, 2009, p. 286)

Muitas são as reações químicas presentes no cotidiano. Alguns exemplos:

ferro + gás oxigênio = ferrugem

gás hidrogênio + gás oxigênio = água

Para a representação destes fenômenos, é comum usarmos uma linguagem


simbólica, a equação química. O objetivo é proporcionar uma maneira de
comunicação técnica, rápida e que possa ser decodificada por pessoas que falam
diferentes línguas. Assim, as informações sobre as reações químicas ficam desta
forma:

4Fe + 3O2 → 2Fe2O3

2H2 + O2 → 2H2O

Uma equação química possui reagentes (antes da reação química) e


produtos (após a reação). Tomando as mesmas equações como exemplo, temos
então:

REAGENTES PRODUTOS

4Fe e 3O2 2Fe2O3

2H2 e O2 2H2O

É possível haver mais de um produto como resultado de uma equação


química. Veja mais um exemplo:
2HCℓ + Zn → H2 + ZnCℓ2
(ácido clorídrico + zinco = gás hidrogênio + cloreto de zinco).

REAGENTES PRODUTOS

2HCℓ + Zn H2 + Zn Cℓ2
BALANCEAMENTO DE
EQUAÇO ES QUÍMÍCAS

Para aprender mais, acesse:


http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/debaser
/singlefile.php?id=23408
Este vídeo ensina a balancear equações químicas!

Quando deixamos um prego de ferro em contato com o ar, depois de alguns


tempo ele terá enferrujado. Esta é uma reação química de que falamos há pouco:

4Fe + 3O2 → 2Fe2O3

Figura 2. Ação da ferrugem


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

Existe uma pequena diferença entre a massa do prego novo e a do prego


enferrujado: a segunda é maior. Isto acontece porque ocorre a agregação da massa
do gás oxigênio ao ferro.
O cientista que observou este detalhe foi Antoine Lavoisier (1743 – 1794).
Ele elaborou a Lei da Conservação da Massa e ficou célebre pela sua frase: “Na
natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Isto quer dizer que a
massa do prego novo mais a massa do gás oxigênio é igual à massa do prego
enferrujado. Como dizem os autores, “a massa do sistema inicial continua a mesma,
pois o número atômico de cada elemento químico não foi alterado com a reação
química, ou seja, obedeceu à lei da conservação da massa” (PEREIRA et al, 2009,
p. 289).
Na primeira parte da equação química, nos reagentes, podemos contar
quatro átomos de ferro (4Fe) e seis de oxigênio (3O2). Na segunda parte, no
produto, apesar de arranjados de maneira diferente, lá estão os mesmos quatro
átomos de ferro e os seis de oxigênio (2Fe2O3).
Uma equação química estará correta (balanceada) quando ela possuir a
mesma quantidade de átomos ou íons na parte dos reagentes e na parte dos
produtos.
COMO PODEM SER CLASSÍFÍCADAS AS
REAÇOES QUÍMÍCAS?

As reações químicas podem ser classificadas em quatro tipos:

1 - Síntese ou adição A + B → AB

2 - Análise ou decomposição AB → A + B

3 - Simples troca ou deslocamento AB + C → AC + B

4 - Dupla troca ou permuta AB + CD → AD + BC

Parece complicado? Vamos exemplificar melhor:


SÍNTESE OU ADIÇÃO

Figura 3. Reação química de síntese ou adição


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

ANÁLISE OU DECOMPOSIÇÃO

Figura 4. Reação química de análise ou decomposição


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

SIMPLES TROCA

Figura 5. Reação química de simles troca


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

DUPLA TROCA

Figura 6. Reação química de dupla troca


Fonte: Beatriz Valéria Donadel
AS CONDÍÇOES PARA OCORREREM
AS REAÇOES QUÍMÍCAS E
A ENERGÍA LÍBERADA NO PROCESSO

Nem toda combinação de substâncias pode gerar uma reação química. Para
que isso ocorra, é necessário que exista uma tendência entre elas a reagir.
As substâncias tem uma energia química armazenada, proveniente das
suas ligações químicas e da força de atração e repulsão que os átomos têm entre si.
Quando ocorre uma reação química, é possível que ela absorva ou libere energia.
 Reações químicas endotérmicas: absorvem energia na forma de calor.
Exemplo: para fazer caramelo, é preciso fornecer calor ao açúcar.
 Reações químicas exotérmicas: liberam energia na forma de calor.
Exemplo: todas as reações de combustão, como acender um fósforo.

FATORES QUE ÍNTERFEREM NA


VELOCÍDADE DA REAÇAO QUÍMÍCA

Aqui estão os principais fatores que fazem diferença na velocidade da


reação química:
 superfície de contato;
 temperatura;
 concentração dos reagentes;
 adição de catalisadores.
A REAÇAO QUÍMÍCA QUE PRODUZ SABAO:
A SAPONÍFÍCAÇAO

Vamos, antes de tudo, observar os ingredientes de uma receita para se fazer


um sabão líquido em casa:

 300 ml de óleo usado e coado


 50 g de soda em escamas
 60 ml de água fria
 200 ml de álcool
 1750 ml de água fervente

Fonte: http://come-se.blogspot.com.br/2010/11/oleo-usado-limpa-sujeira-que-fez-vira.html

Esta é uma das muitas receitas caseiras de sabão. Elas têm algumas
variações, mas a maioria leva gordura e soda cáustica.
Quando uma louça ou uma peça de roupa precisa de uma lavagem,
utilizamos algum tipo de sabão. O sabão tem a particularidade de remover com
muito mais facilidade a gordura de um prato do que se utilizássemos apenas água.
O que intriga é saber que a receita de sabão (caseiro ou industrializado) leva
em seus ingredientes algum tipo de gordura. Existem diversos tipos de sabões e
detergentes, uns mais simples, outros mais elaborados, mas a receita mais usada é
sempre algo parecido com esta apresentada acima.
Como é possível fabricar sabão a partir de gordura? E, como pode a gordura
que está contida no sabão consegue retirar a sujeira de roupas, louças ou do próprio
corpo humano?
Para Peruzzo e Canto (2003), a resposta é bem simples: a gordura usada no
sabão sofreu uma reação química em contato com a soda. Esta reação se chama
saponificação. Uma vez ocorrida a reação química, não termos mais gordura e
soda cáustica. Teremos glicerol e sabão. Veja:

óleo ou gordura + base ⟶ glicerol + sabão


A base é uma função química. Várias são as substâncias classificadas como
bases. Neste caso, a base mais usada é a soda cáustica (NaOH), que irá produzir
um tipo de sabão mais firme. Existem outras bases utilizadas nesta reação, como o
hidróxido de potássio (KOH), que produz um sabão mais mole, que a indústria usa
para a produção de sabonetes, cremes de barbear e outros.
As fábricas de sabão separam o glicerol, ou glicerina, e o utilizam ou
vendem para outras indústrias. Ele pode ter variadas aplicações devido a sua
propriedade umectante, que vão desde a sua inclusão em cremes hidratantes até
sua adição em alimentos, sob o nome de “umectante U.I.”. Além destas aplicações,
a glicerina também é matéria prima de um explosivo, a nitroglicerina.
Agora que já entendemos que a gordura sofre uma reação química e se
transforma em sabão, vamos entender como ele é capaz de retirar a sujeira dos
mais diversos materiais.
COMO OS SABOES RETÍRAM AS SUJEÍRAS

Sabemos que a água, sozinha, não retira muitas sujeiras, como, por
exemplo, a gordura. Isso ocorre porque a água não tem afinidade com o óleo. É
possível verificar tal fato ao se tentar misturar meio copo de água com meio copo de
óleo. Veja o que acontece:

Figura 7. Mistura de água e óleo.


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

Para explicar a ação do sabão, Peruzzo e Canto (2003) dizem o seguinte:


A característica interessante do sabão é que ele possui afinidade tanto com
a água como com o óleo. Isso fará com que ele desprenda o óleo de uma louça e o
transfira para a água corrente, que o levará embora.
Esta particularidade do sabão se deve à maneira como é organizada a sua
molécula: o corpo dela é chamado de hidrófobo (não combina com água) e sua
extremidade é hidrófila (tem afinidade com água). Por esse motivo é que ela age
tanto com a água como com o óleo.
ATÍVÍDADES

Professor(a): monte seu caça


palavras com o auxílio do sítio:
http://puzzlemaker.discoveryeducation.com/W
ordSearchSetupForm.asp

1 – Encontre no caça-palavras as respostas das questões abaixo:

a) Os fenômenos naturais podem ser divididos em físicos e químicos. Quando


nós pingamos um pouco de água sanitária em um tecido de algodão colorido,
qual tipo de fenômeno observamos?
b) Encontre no caça palavras um exemplo de fenômeno físico.
c) Encontre no caça palavras um exemplo de fenômeno químico.
d) Tipo de gás que ocasiona o enferrujamento.
e) Substância formada pela reação química entre os gases hidrogênio e
oxigênio.
f) Como chamamos, na Química, uma expressão como esta: C + O2 → CO2 ?
g) Na expressão que vimos no item anterior, como chamamos as substâncias
que estão à esquerda da flecha (C + O2)?
h) O produto da expressão do item “f”, o CO2, trata-se de um gás bastante
comum e conhecido. Procure no caça-palavras o seu nome.
i) Cientista que elaborou a Lei da Conservação da Massa.
j) Na equação química balanceada, a quantidade de .............................. que
constam nos reagentes tem que ser a mesma que consta nos produtos.
E X Q N F D Z F O W N Q J P G B I E W O
E Z K C R E K W V K Y L T B C B G B T V
Q S I O C I N O B R A C S A G F Z U Z W
U L B O S H V O A S L J B M A A R I L V
A T A Y V P K H M P B T G T E F I I J D
Ç N R Y Z I M F K E U K E T E W J V G R
A L P K X O P G B Q N L E D J J T U W S
O A P E E B B N G V A O O A A B T K Q E
Q H B O B I O A W R D T Q K E L F A H T
U K W U X Y E I G G N S E U S D V U F N
I U M A N T O I N E L A V O I S I E R E
M E I Y W T W O M E O J P P D M T D V G
I A G U A D D I K B G O O F Q D I H V A
C N J F U A C Y I Y K I Q W T A B C G E
A Y L X P E S J B O G Y X Y N U B P O R
R C E N R O G R R M K N U O L T T C N R
Z B F D M C L U A F X D A D S J C D V I
J G O O H B B Q A K X Y T K N A C I U C
M P T B B B Q E S F A R E L A R G I Z E
A A V E P M T F K M Y O R U Y A G U H H
2 – Com o celular ou máquina fotográfica, tire fotos, imprima e cole nos respectivos
espaços o que se pede na tabela a seguir:

Fenômeno Físico (antes) Fenômeno Físico (depois)

Fenômeno Químico (antes) Fenômeno Químico (depois)

Para os estudantes:

Para aprender um pouco mais: leia o texto e faça os


exercícios que estão no link:

http://www.cdcc.usp.br/quimica/fundamentos/equacoes.html

Você testa sua aprendizagem, conferindo suas


resposta na hora!
3 – Indique quantos átomos há nos reagentes e nos produtos de cada equação
química, conforme o exemplo:

H2 + C l 2 → 2HC l

(4 átomos )→ (4 átomos)

a) C2H5OH + 3 O2 → 2 CO2 + 3H2O

b) 2 Mg + O2 → 2 MgO

c) C2H4 + 3 O2 → 2 CO2 + 2 H2O

d) SO2 + O2 → SO3

4 – Algo diferente aconteceu na letra “d” do exercício anterior, não é? Relate o fato!

5 – De que maneira a equação SO2 + O2 → SO3 pode ser reescrita, para que
ela tenha a mesma particularidade que você observou nos itens “a”, “b” e “c” do
exercício 2?
6 – Faça o balanceamento das equações a seguir:

a) N2 + H2 → NH3

b) CO + O2 → CO2

c) Fe + H2O → Fe3O4 + H2

d) Aℓ + O2 → Aℓ2O3

e) H2 + O2 → H2O

7 – Faça a relação da primeira coluna com a segunda:

( a ) Síntese ou adição ( ) CaCO3 → CaO + CO2


( b ) Análise ou decomposição ( ) Nacℓ + AgNO3 → AgCℓ + NaNO3
( c ) Simples troca ou deslocamento ( ) Zn + 2HCℓ → ZnCℓ2 + H2
( d ) Dupla troca ou permuta ( ) NaOH + HCℓ → NaCℓ + H2O
( ) Fe + S → FeS
( ) 2 H2O2 → 2 H2O + O2
( ) Fe + 2 HCℓ → FeCℓ2 + H2
( ) H2 + Cℓ2 → 2 HCℓ
8 – Escreva EN para os exemplos de reações químicas endotérmicas e EX para as
exotérmicas:

Lembrete:

Nas reações endotérmicas, o sistema recebe calor do ambiente.


Nas reações exotérmicas, o sistema libera calor para o ambiente.

( ) Água fervendo

( ) Queima de vela

( ) Elaboração de lixívia (mistura de soda cáustica com água)

( ) Mistura de álcool com água

( ) Gelo derretendo

( ) Ovo cozinhando

9 – Ao se realizar uma reação química, existem fatores que podem fazer diferença
na velocidade em que ela ocorre. Enumere alguns destes fatores:

I – .................................................................................................................................

II – ................................................................................................................................

III – ...............................................................................................................................

IV – ...............................................................................................................................

10 – Escolha dois dos itens que você respondeu na questão anterior e exemplifique.

11 – Quando você mistura óleo de cozinha e soda cáustica, o que você obtém?
Complete a equação química abaixo para responder a esta pergunta:

óleo ou gordura + base ⟶ ...................... + ..........................


12 – Que nome tem a reação química que está descrita na questão anterior?

13 – A glicerina (ou glicerol) é uma substância extra resultante da reação química


que forma o sabão. As indústrias separam a glicerina para aproveitar em outros
produtos. Responda:

a) Cite três produtos em que a indústria utiliza a glicerina.

b) O que acontece com a glicerina produzida na manufatura dos sabões


caseiros?

c) Qual seria a vantagem de um sabão ser glicerinado?

14 – O seu óleo de cozinha usado pode limpar a sujeira que ele mesmo fez e ainda
outras mais. Você já aprendeu que ele pode virar sabão. Agora explique como age o
sabão para retirar as sujidades.
15 – Observe a fotografia da embalagem de algodão:

Figura 8. Algodão hidrófilo


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

Ela especifica que o produto é hidrófilo. O que isso quer dizer? O que aconteceria
se ele fosse hidrófobo?
RECEÍTAS CASEÍRAS DE
MATERÍAÍS DE LÍMPEZA
Sabão em Barra

ATENÇÃO:

PARA REALIZAR ESTAS RECEITAS, É IMPRESCINCÍVEL A PRESENÇA DE UM


RESPONSÁVEL. O ALUNO JAMAIS PODERÁ FAZÊ-LAS SEM UM ADULTO
JUNTO COM ELE!

SODA CÁUSTICA QUEIMA!

Caro(a) professor(a):

 Esta receita foi adaptada a partir


da que está no blog
http://facoarteficofeliz.blogspot.co
m.br/2010/04/pessoal-nunca-se-
falou-tanto-em.html
 As quantidades foram reduzidas
proporcionalmente, a fim de que
fosse possível produzir em aula.
 A receita rende um sabão de
cerca de 9 cm x 6 cm x 5 cm.
 Usar luvas borracha e óculos de
proteção.
Figura 9. Sabão em barra  Realizar a experiência em
Fonte: Beatriz Valéria Donadel ambiente ventilado e manter os
alunos afastados das substâncias
utilizadas.
Você irá precisar de:
 1 garrafa pet para fazer a mistura (pode ser de 600 ml);
 250 ml de óleo de cozinha saturado (usado) coado;
 50 ml de água;
 60 ml de soda líquida;
 15 ml de detergente de lavar louça (1 colher de sopa).

Como fazer:
Coloque na garrafa pet o óleo, a água e o detergente, tampe e misture. Abra
a garrafa e, com cuidado e devagar, despeje a soda líquida. Feche muito bem a
garrafa e a sacuda por cerca de 15 minutos.
Deixe a mistura repousar na garrafa fechada por 20 minutos.
Abra a garrafa lentamente, pois haverá liberação de gases. Despeje a
mistura em uma caixa de leite bem limpa.
Depois de dois dias, corte a caixa e desenforme o sabão.
Deixe-o secar ao sol sobre folhas de jornal, sempre virando o sabão, por 6
dias.

Observações:
 A liberação de calor da mistura é moderada. A garrafa irá apenas amornar.
 O sabão vai clareando com o passar dos dias, ficando branco.
 A soda líquida é mais segura e mais prática para o manuseio em aula.

 Em algumas regiões há dificuldade de se encontrar a soda líquida (lixívia de


soda a 50%). O professor poderá prepará-la previamente, utilizando a
proporção 1 kg de soda em escamas a 99% para 600 ml de água (rende
1400 ml). Sempre adicionar a água primeiro e depois a soda, mexendo
lentamente.

 O detergente pode ser substituído por igual quantidade de sabão em pó ou


amaciante. A sua adição interfere no resultado final, produzindo um sabão
mais firme.
Sabão Líquido

ATENÇÃO:

PARA REALIZAR ESTAS RECEITAS, É IMPRESCINCÍVEL A PRESENÇA DE UM


RESPONSÁVEL. O ALUNO JAMAIS PODERÁ FAZÊ-LAS SEM UM ADULTO
JUNTO COM ELE!

SODA CÁUSTICA QUEIMA!

Caro(a) professor(a):

 Esta receita está no blog: http://come-


se.blogspot.com.br/2010/11/oleo-usado-
limpa-sujeira-que-fez-vira.html
 Uma receita semelhante pode ser vista no
vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=OR7GtulS
MtQ
 Usar luvas borracha e óculos de proteção.
 Realizar a experiência em ambiente
ventilado e manter os alunos afastados das
substâncias utilizadas.

Figura 10. Sabão líquido


Fonte: Beatriz V. Donadel

Você irá precisar de:

 um balde plástico e um bastão de madeira (pode ser cabo de vassoura);


 300 ml de óleo usado (coado);
 50 g de soda cáustica;
 60 ml de água fria;
 200 ml de álcool;
 1750 ml de água fervente.
Comece despejando os 60 ml de água fria no balde. Acrescente a soda e
misture, tomando cuidado com o aquecimento da mistura e a liberação de vapores.
Junte o óleo e mexa bem. Depois disso, acrescente o álcool aos poucos, sempre
misturando devagar. Será necessário mexer por cerca de 20 minutos. Após esse
tempo, você notará que a mistura ficou pastosa. Esse é o momento de juntar os
1750 ml de água fervente e misturar.

O sabão líquido está pronto e já pode até ser utilizado. Agora é só guardar
em um recipiente com tampa (embalagem de amaciante, garrafa pet ou algo do
gênero) e ir abastecendo uma embalagem menor para ir utilizando a mistura.

Observações:
 O sabão líquido pode engrossar e adquirir um aspecto gelatinoso com o
passar dos dias. Você pode usá-lo assim mesmo, pois não perde as
propriedades. Se preferir, pode esquentá-lo uns 15 segundos no microondas
(frasco aberto) ou em banho-maria, que ele retornará ao estado líquido.
Também você pode apenas agitá-lo.
 A liberação de calor e vapores da mistura é maior que a da preparação do
sabão em barra. É preciso manter os alunos afastados e usar óculos e luvas.
 Sempre adicionar a água primeiro e depois a soda, mexendo
lentamente.

Mas... sabão líquido e detergente líquido não é a mesma coisa?

Apesar de encontrarmos vários sítios na internet chamando sabão líquido


de detergente, eles são diferentes. Zago Neto e Del Pino (2010) explicam que o
sabão é produto de uma reação química entre óleos ou gorduras mais hidróxido de
sódio ou potássio. Já os detergentes tem origem sintética, pois são derivados do
petróleo.
A ação dos detergentes é geralmente mais eficaz. A grande vantagem do
sabão está em ser constituído por matéria prima renovável (óleos e gorduras), e ser
totalmente biodegradável, além de agredir muito menos as mãos.
O sabão caseiro em barra, líquido ou em qualquer outra apresentação
colabora para a redução de lançamento de óleos e gorduras no meio ambiente.
CURIOSIDADE SOBRE OS DETERGENTES

A fabricação e a utilização do sabão remonta a épocas muitos antigas. Mas,


a partir de quando os detergentes começaram a ser utilizados?

Estes compostos começaram a ser produzidos comercialmente a


partir da Segunda Guerra Mundial devido à escassez de óleos e gorduras
necessárias para a fabricação de sabões. Nos Estados Unidos, já no ano
de 1953, o consumo de detergentes superava o de sabões. (ZAGO NETO
e DEL PINO, 2010, p. 45)
Líquido para passar roupas
Caro(a) professor(a):

 Esta receita é muito simples e não


requer cuidados especiais na sua
preparação.
 Ao fazer a mistura, é possível
sentir um leve aquecimento da
mistura, devido à reação
exotérmica que a mistura de
álcool com água produz.

Figura 11. Líquido para passar roupas


Fonte: Beatriz Valéria Donadel

Você irá precisar de:

 um borrifador,
 250 ml de água,
 50 ml de amaciante de roupas,
 50 ml de álcool comum.

Esta receita é simples e funciona muito bem. É só colocar os líquidos no


borrifador, sacudir um pouco e utilizar para passar as roupas.
ATÍVÍDADES SUGERÍDAS

1 – Em grupos, os alunos deverão montar rótulos de embalagens, folders e a


representação de um comercial. Cada equipe irá apresentar seu material, explicando
as vantagens do seu produto.

2 – Durante a produção dos materiais de limpeza, dividir os alunos em grupos. Cada


equipe irá acompanhar os procedimentos fotografando. Depois, deverão montar
apresentações explicativas com o material. As apresentações podem ser variadas,
como slides ou cartazes, por exemplo.

3 – Pesquisa e apresentação da história do sabão.

4 – Atualmente, muitas pessoas estão resgatando antigos hábitos e valorizando a


cultura dos nossos antepassados. Com base nisso, promover uma discussão sobre:

a) a importância econômica e ecológica da manufatura de produtos de limpeza


em casa;

b) a possibilidade de se obter produtos de consumo de maneira alternativa, sem


depender exclusivamente da sua aquisição no comércio;

c) a coexistência entre o novo e o tradicional, uma vez que as informações para


o resgate de antigos procedimentos de manufatura de produtos de limpeza
podem ser garimpadas numa mídia moderna, que é a internet.

5 – Assistir um vídeo sobre a manufatura de produtos de limpeza e apontar em


relatório se as condições de segurança estão sendo observadas.

(Sugestão: http://www.youtube.com/watch?v=OR7GtulSMtQ )
REFERÊNCIAS

CHASSOT, Attico Inácio, et al. Química no cotidiano: pressupostos teóricos para a


elaboração de material didático alternativo. In: Espaços da Escola, ano 3, nº 10,
out/dez. Ijuí: Unijuí, 1993. P. 47-53. Disponível em:
http://www.iq.ufrgs.br/aeq/producao/delpino/espacos_escola_10.pdfacesso em
10/03/2013.

PEREIRA, Ana Maria et al. Ciências, 9º ano: volume 4 (coleção perspectiva). 1. Ed.
São Paulo: Editora do Brasil, 2009.

PRAIA, João Félix. Aprendizagem significativa em D. Ausubel: Contributos para uma


adequada visão da sua teoria e incidências no ensino. In: Contributos do III
Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa. Peniche, 2000.
Disponível em:
https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1320/1/Livro%20Peniche.pdf#page
=122 acesso em 02/05/2013.
PERUZZO, Francisco Miragaia; CANTO, Eduardo Leite do. Química na abordagem
do cotidiano. São Paulo: Editora Moderna, 2003.
VYGOTSY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1991.
90 p. Disponível em http://cristianopalharini.wordpress.com/2011/04/20/a-formacao-
social-da-mente-vygotsky-livro-download/ acesso em 09/05/2013
ZAGO NETO, Odone Gino; DEL PINO, José Cláudio. Trabalhando a química dos
sabões e detergentes. Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do
Sul, [sd], 2010. Disponível em
http://www.iq.ufrgs.br/aeq/html/publicacoes/matdid/livros/pdf/sabao.pdf Acesso em
15/09/2013

SÍTIOS CONSULTADOS

Receita do sabão em barra: http://facoarteficofeliz.blogspot.com.br/2010/04/pessoal-


nunca-se-falou-tanto-em.html acesso em 15/09/2013
Receita de sabão líquido: http://come-se.blogspot.com.br/2010/11/oleo-usado-limpa-
sujeira-que-fez-vira.html acesso em 10/06/2013

Texto e exercícios sobre reações químicas:


http://www.cdcc.usp.br/quimica/fundamentos/equacoes.html acesso em 14/10/13
Para montar caça-palavras:
http://puzzlemaker.discoveryeducation.com/WordSearchSetupForm.asp acesso em
15/09/2013
VÍDEOS CONSULTADOS

Como fazer sabão líquido: http://www.youtube.com/watch?v=OR7GtulSMtQ acesso


em 03/09/2013
Balanceando equações químicas:
http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/debaser/singlefile.php?id=23408
acesso em 14/10/13
ANEXO
RESPOSTAS DAS ATIVIDADES

1 – Caça-palavras
a) Fenômeno químico
b) Esfarelar giz
c) Apodrecimento de fruto
d) Gás oxigênio
e) Água
f) Equação química
g) Reagentes
h) Gás carbônico
i) Antoine Lavoisier
j) Átomos

+ + + + F + + + + + + + + + + + + + + O
E + + + + E + + + + + + + + + + + + T +
Q + + O C I N O B R A C S A G + + U + +
U + + + + + + O + + + + + + + + R + + +
A + + + + + + + M + + + + + + F + + + +
Ç + + + + + + + + E + + + + E + + + + +
A + + + + + + + + + N + + D + + + + + S
O + + + + + + + + + + O O + + + + + + E
Q + + + + + O + + + + T Q + + + + + + T
U + + + + + + I + + N + + U + + + + + N
I + + A N T O I N E L A V O I S I E R E
M + + + + + + + M E + + + + + M + + + G
I A G U A + + I + + G + + + + + I + + A
C + + + + + C + + + + I + + + + + C + E
A + + + + E S + + + + + X + + + + + O R
+ + + + R O + + + + + + + O + + + + + +
+ + + D M + + + + + + + + + S + + + + +
+ + O O + + + + + + + + + + + A + + + +
+ P T + + + + E S F A R E L A R G I Z +
A A + + + + + + + + + + + + + + + + + +

2 – Resposta pessoal.

3–

a) (15 átomos) → (15 átomos)


b) (4 átomos) → (4 átomos)
c) (12 átomos) → (12 átomos)
d) (5 átomos) → (4 átomos)
4 – Nesta equação química, está constando 5 átomos nos reagentes e 4 átomos no
produto.

5 - 2 SO2 + O2 → 2 SO3

6–

a) N2 + 3 H2 → 2 NH3

b) 2 CO + O2 → 2 CO2

c) 3 Fe + 4 H2O → Fe3O4 + 4 H2

d) 4 Aℓ + 3 O2 → 2 Aℓ2O3

e) 2 H2 + O2 → 2 H2O

7–
( a ) Síntese ou adição ( b ) CaCO3 → CaO + CO2
( b ) Análise ou decomposição ( d ) Nacℓ + AgNO3 → AgCℓ + NaNO3
( c ) Simples troca ou deslocamento ( c ) Zn + 2HCl → ZnCℓ2 + H2
( d ) Dupla troca ou permuta ( d ) NaOH + HCℓ → NaCℓ + H2O
( a ) Fe + S → FeS
( b ) 2 H2O2 → 2 H2O + O2
( c ) Fe + 2 HCℓ → FeCℓ2 + H2
( a ) H2 + Cℓ2 → 2 HCℓ

8 – EN EX EX EX EN EN

9 – Superfície de contato, temperatura, concentração dos reagentes e adição de


catalisadores.

10 – Resposta pessoal.
11 - óleo ou gordura + base ⟶ glicerol + sabão

12 – Saponificação.

13 –
a) Adição em cremes hidratantes, inclusão em alimentos (umectante U. I.) e
fabricação de explosivos (nitroglicerina).
b) Fica misturada ao próprio sabão que foi produzido.
c) Como a glicerina é umectante, irá contribuir para preservar as mãos da
agressão do sabão.

14 – O sabão tem afinidade tanto com água quanto com a gordura. Com isso, ele
desprende a gordura do tecido, louça ou qualquer material onde ela está presa e
transferindo para a água corrente.

15 – Uma substância hidrófila tem afinidade com a água. Isso quer dizer que o
algodão absorve bem os líquidos.
Se ele fosse hidrófobo, não teria afinidade com a água e não a absorveria.