Вы находитесь на странице: 1из 37

FGTS

GUIA DEFINITIVO SOBRE


SAQUE DO FGTS
Veja aqui tudo o que você precisa saber
sobre o que muda nas regras, o saque e
como usar o dinheiro de forma inteligente
1 INTRODUÇÃO

Q uem não se anima com uma graninha inesperada entrando na


conta, não é? Mesmo que seja um dinheiro nosso mesmo, mas
que estava lá trancado com cadeado. Quando começaram a surgir as
notícias de que o governo poderia liberar o dinheiro das contas do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), em meados de julho,
todo mundo ficou alvoroçado.

No dia 24 de julho de 2019 finalmente foram divulgadas as novas re-


gras para saque. Sabemos que não é um assunto simples e as mu-
danças são cheias de nuances, por isso criamos esse Guia definitivo
sobre o saque do FGTS.

Nosso objetivo é te ajudar a entender o que mudou (Capítulo 1 -


pág.2), como você pode consultar o saldo e a calcular quanto poderá
sacar. Também te mostraremos o caminho para retirar o dinheiro
(Capítulo 2 - pág.15) e vamos te ajudar a decidir se é melhor migrar
para a nova modalidade do resgate do FGTS “saque-aniversário” ou
permanecer na atual, “saque-rescisão” (capítulo 3 pág.22). Por fim, e
até mais importante, como usar o dinheiro com inteligência (Capítu-
lo 4 - pág.29).

Esperamos que goste! :)


2 capítulo 1

O QUE MUDA NA
REGRA DO FGTS

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um fundo


em que o empregador que contrata funcionários com carteira
assinada (regime CLT) deposita, compulsoriamente, todo mês uma
parte do salário. São 8% do salário mensal, o que dá, aproximada-
mente, um salário por ano de trabalho.

O FGTS foi criado para funcionar como uma proteção ao trabalhador


que fosse demitido sem justa causa. Em geral, o dinheiro fica guarda-
do em uma conta na Caixa Econômica Federal e só pode ser sacado
em condições especiais, como demissão sem motivo, compra da casa
3 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

própria, doença grave (como câncer) ou aposentadoria.

A principal crítica é que esse dinheiro até rende um pouco de juros en-
quanto fica guardado na Caixa Econômica Federal, mas a taxa é bem
baixa, menor do que a poupança, por exemplo. Há alternativas muito
mais rentáveis no mercado, mesmo em renda fixa e com baixo risco.

Por isso, boa parte de consultores e planejadores financeiros sem-


pre recomendaram que o trabalhador saque o dinheiro na primeira
oportunidade que tiver e aplique em investimentos mais rentáveis.

O problema é que nem sempre surgem essas ‘oportunidades’ de sa-


que. A última tinha sido em 2017, quando o governo do ex-presidente
Michel Temer liberou o saque de todas as contas inativas (de traba-
lhos antigos) do FGTS, sem limites.

O objetivo era estimular o crescimento econômico. A expectativa era


injetar cerca de R$ 44 bilhões na economia e elevar em 0,4 ponto per-
centual o PIB (Produto Interno Bruto). Agora estamos diante de mais
uma delas.

Desta vez, o objetivo continua o mesmo, impulsionar o PIB que não


mostrou ainda sinais de recuperação, e o impacto esperado é pare-
cido (elevação de 0,35 ponto percentual no PIB). Mas as regras são
outras: de imediato, o contribuinte só pode retirar até R$ 500 de
cada conta ativa ou inativa.

Mais importante do que esse saque no curtíssimo prazo, contudo,


é a mudança das regras que começarão a valer de 2020 em diante.
Calma, vamos te explicar.
4 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

1. Saque imediato
É importante dizer porque o governo, agora do presidente Jair Bol-
sonaro e do ministro da Economia Paulo Guedes, tomou a decisão
de liberar parte do FGTS. Ela mira estimular nós, brasileiros, a con-
sumirmos mais. Dessa forma, a roda da economia poderá girar mais
rápido.

No primeiro semestre a economia brasileira caiu 0,2% e a expectativa


do mercado é de avanço de 0,82% no ano todo. Segundo a equipe
econômica do governo, as novas medidas devem injetar cerca de R$
30 bilhões este ano e mais R$ 12 bilhões em 2020. O que pode ajudar
a elevar esse percentual previsto.

O plano, então, foi dividido em dois:


• Liberar recursos do FGTS agora;
• Mudar a forma como funciona o saque do FGTS a partir de 2020
(vamos falar disso na sequência).

Agora, a liberação será limitada a saques de R$ 500 para cada conta


ativa (de trabalho atual) e inativa (empregos antigos) do trabalhador.

2. Saque futuro
Mais importante até que o anúncio do resgate de R$ 500 por conta
ativa e inativa do FGTS foi a divulgação de novas regras para os sa-
ques a partir de 2020.

Já no ano que vem será dada uma segunda opção para o trabalha-
5 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

dor. Cada pessoa poderá optar entre um FGTS que só será sacado
em caso de demissão (como funciona a regra atual) ou então ficar
com a modalidade batizada de “saque-aniversário”.

Pela nova regra opcional do “saque-aniversário”, todos os anos o tra-


balhador poderá retirar uma parcela do dinheiro do fundo, algo iné-
dito. Mas, claro, haverá um limite. Esse teto será calculado a partir de
um percentual sobre o volume de dinheiro da conta, acrescido de um
valor fixo em reais por faixa de saldo.

Quanto maior o saldo, menor o percentual máximo de saque, confor-


me explicamos na tabela abaixo.

as sete faixas de saldo para a modalidade Saque–Aniversário

Valor do salário % do saldo que Parcela Saque total no Saque total no


(em R$) pode ser sacado adicional fixa piso da faixa topo da faixa

Até R$ 500 50% 0 – R$ 250

De R$ 500,01
40% R$ 50 R$ 250 R$ 450
a R$ 1.000

De 1.000,01
30% R$ 150 R$ 450 R$ 1.650
a R$ 5.000

De R$ 5.000,01
20% R$ 650 R$ 1.650 R$ 2.650
a R$ 10.000

De R$ 10.000,01
15% R$ 1.150 R$ 2.650 R$ 3.400
a R$ 15.000

De R$ 15.000,01
10% R$ 1.900 R$ 3.400 R$ 3.900
a R$ 20.000

Acima de
5% R$ 2.900 R$ 3.900 ilimitado
R$ 20.000,01
Fonte: Ministério da Economia. Elaboração: Valor Investe
6 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Mas atenção: o lado negativo da modalidade saque-aniversário


é não ter acesso ao saldo total na hora da demissão – apenas à
multa de 40%, que segue inalterada. Ou seja, se você for demitido,
só receberá a multa (que é paga pela empresa e não altera o valor
do saldo do fundo) e não terá acesso ao dinheiro remanescente na
conta. Esse dinheiro você continuará sacando todo ano, conforme a
faixa e o calendário do saque-aniversário.

Vale detsacar que o valor da multa (40%), em casos de demissão sem


justa causa, não incide sobre o valor depositado na conta do FGTS,
ou seja, não se baseia no saldo disponível no dia da demissão. Se o
trabalhador sacar o dinheiro no aniversário, o valor de sua multa não
será menor por isso.

Também é importante notar que a decisão de mudar de regra valerá


para todas as contas, ativas e inativas. Portanto, não será possível
sacar nenhuma quantia, mesmo que de uma conta inativa, em caso
de demissão.

Por isso, é preciso sim fazer as contas e ver o que vale mais a pena
para você. Fique tranquilo(a)! Vamos te ajudar a tomar esta decisão
no capítulo 3.

Calendário do Saque-Aniversário
Outro detalhe importantíssimo é que haverá dois calendários distin-
tos para quem escolher a modalidade “saque-aniversário”. Um para
7 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

o ano de 2020, que você verá logo a seguir, e outro para 2021, que
aparece em outra tabela. Veja:

calendário para saques em 2020


Mês de Mês de
aniversário saque

Janeiro Abril a Junho

Fevereiro Abril a Junho

Março Maio a Julho

Abril Maio a Julho

Maio Junho a Agosto

Junho Junho a Agosto

Julho Julho a Setembro

Agosto Agosto a Outubro

Setembro Setembro a Novembro

Outubro Outubro a Dezembro

Novembro Novembro a Janeiro de 2021

Dezembro Dezembro a Fevereiro de 2021


Fonte: Ministério da Economia

A partir de 2021, os saques poderão ser realizados do primeiro dia do


mês em que o trabalhador nasceu (entendeu o motivo do nome “sa-
que-aniversário”?) até o último dia útil do segundo mês subsequente.

Na prática, você terá 3 meses por ano para sacar. Exemplo: quem nas-
ceu em 22 de março, poderá retirar o dinheiro de 1º de março ao últi-
8 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

mo dia útil de maio. Se não sacar nesse período, o dinheiro volta para
o fundo e fica retido até o ano seguinte.

Veja os detalhes na tabela a seguir:

calendário para saques em 2021

Mês de data inicial data limite


aniversário para saque para saque

Janeiro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de março

Fevereiro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de abril

Março Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de maio

Abril Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de junho

Maio Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de julho

Junho Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de agosto

Julho Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de setembro

Agosto Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de outubro

Setembro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de novembro

Outubro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de dezembro

Novembro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de janeiro

Dezembro Primeiro dia do Último dia útil


mês do aniversário de fevereiro
Fonte: Ministério da Economia

As outras possibilidades de saque — em caso de doenças graves, fi-


nanciamento imobiliário e compra de imóveis à vista — continuam va-
lendo, inclusive para quem optar mudar para o “saque-aniversário”.
9 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Novidade: garantia para empréstimo pessoal


Mais uma novidade para quem optar pelo “saque-aniversário”: ele
poderá ser usado como garantia de empréstimo pessoal. É algo si-
milar ao que ocorre com o adiantamento da restituição de imposto
de renda, que também pode ser dado como garantia e é descontado
automaticamente. Mas a vantagem só vale para quem decide migrar
para a modalidade de “saque-aniversário”.

Com a medida, a expectativa é de que a taxa de juros para emprés-


timos que tenham o FGTS como garantia seja menor porque os ban-
cos terão um risco muito baixo de calote.

O risco de calote costuma ser uma justificativa de credores (quem


empresta) para cobrar juros altos. Quanto menor o risco, menores
deverão ser os juros. É por isso que categorias de empréstimo como
o consignado, em que o valor da prestação da dívida é descontado da
folha de pagamento do trabalhador, costumam ter juros menores.

Outra novidade: rentabilidade do FGTS


O governo anunciou que o rendimento do FGTS sofrerá alteração. Na
verdade, ficará um pouco melhor para o trabalhador.

Atualmente, ele é de 3% sobre o saldo da conta + TR (Taxa Referen-


cial, hoje equivalente a 0%) mais 50% do lucro do fundo (desde 2018
passou a haver essa distribuição).

Atual: 3% + TR + 50% do lucro do FGTS

Na nova regra, os depósitos continuarão a render 3% + TR, só que ha-


10 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

verá distribuição de 100% do lucro do FGTS, em vez de só a metade.


Até o ano passado, eram repassados aos cotistas somente 50% do
lucro do fundo.

Nova regra: 3% + TR + 100% do lucro do FGTS

Os lucros do FGTS vêm da diferença entre essa remuneração garan-


tida para os saldos das contas (que é baixa) e a receita financeira
obtida com aplicações em títulos públicos e em empréstimos para
financiamento de moradia, por exemplo.

Em 2017, o FGTS registrou lucro líquido de R$ 12,46 bilhões e distri-


buiu R$ 6,23 bilhões aos trabalhadores. Com isso, a remuneração fi-
nal ficou em 5,59%, superando à inflação, que foi de 2,95%, e melhor
que a poupança!

A boa notícia é que, mesmo os trabalhadores que têm saldo no FGTS


referente a 2018 (dinheiro que, em teoria, não entraria ainda na nova
regra) também receberão 100% do lucro. O governo anunciou que
vai distibuir todo lucro do FGTS para quem tinha saldo positivo em 31
de dezembro do ano passado – o equivalente a R$ 12,2 bilhões.

A expectativa é de que a rentabilidade seja melhor que a habitual.


Contudo, é provável que ela siga menor que em outros tipos de apli-
cação. Vamos te sugerir no capítulo 4 onde aplicar o dinheiro que
sacar do FGTS.

Para quem só começou a juntar dinheiro no FGTS este ano, a distri-


buição de lucro só ocorrerá a parti de 2020. Entendido?!
11 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Bom, agora que você já entendeu tudo que mudou sobre a regra do
FGTS, vamos para o passo 2: saber qual seu saldo no FGTS e no PIS/
Pasep e como sacar o dinheiro que será disponibilizado ainda este
ano e a partir de 2020.

Mudanças no PIS/Pasep

Além da liberação dos R$ 500/conta do FGTS, também foram


anunciadas medidas para facilitar o resgate do dinheiro que está
em outro fundo, o PIS/Pasep.

Essa é uma conta separada e paralela ao FGTS, apesar de ser


também um fundo para o trabalhador usar em casos de doença
ou aposentadoria.

É importante dizer que essa conta não tem nenhuma relação


com o abono salarial do PIS/Pasep, cujo período de saque já co-
meçou. Esse é para trabalhadores inscrito nos dois programas
(PIS ou Pasep) há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado
formalmente por pelo menos 30 dias em 2017 com remunera-
ção mensal média de até dois salários mínimos.

O saldo do PIS/Pasep a que o governo se refere, quando anunciou


novos incentivos para o saque, é um dinheiro que os funcionários
do setor privado (PIS) e de órgãos públicos e estatais (no caso do
12 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Pasep) recebiam de seus empregadores entre 1971 e 1988.


Os aportes neste fundo já foram descontinuados há décadas,
mas ainda existem R$ 23 bilhões nessa conta – dinheiro, inclusi-
ve, de pessoas que já faleceram.

Assim como o FGTS, esse fundo também tinha restrições para


poder ser sacado, como ter mais de 60 anos de idade, se apo-
sentar ou ter alguma doença grave. Mas,[não tem a vírgula] há
alguns anos o governo tenta estimular os saques.

O governo Temer alterou as regras de saque temporariamente


e permitiu que qualquer trabalhador pudesse sacar o dinheiro.
Entre outubro de 2017 e setembro de 2018, 16,6 milhões de tra-
balhadores sacaram R$ 18,6 bilhões.

Agora, o governo Bolsonaro vai liberar o saque das cotas do PIS/


Pasep para todos os trabalhadores com carteira assinada entre
1971 e 1988 que não sacaram seu dinheiro ainda. E dessa vez
não haverá um prazo determinado para a retirada do dinheiro. O
que o governo quer é facilitar que herdeiros também resgatem
o dinheiro.

Como consultar o saldo disponível no PIS/Pasep


Quem trabalhou com carteira assinada entre 1971 e 1988,
em empresa ou órgão público, provavelmente tem cotas no fun-
do do PIS/Pasep.
13 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Para saber se têm direito ao dinheiro do PIS/Pasep e consultar


seu extrato, trabalhadores de empresas privadas podem con-
sultar o site da Caixa ou o aplicativo Caixa Trabalhador, mas é
preciso ter uma senha. Quem não tiver a senha e não conseguir
cadastrá-la deve ir até uma agência.

Já os funcionários públicos podem acessar o site do Banco do


Brasil. Basta preencher o CPF e a data de nascimento. Trabalha-
dores também podem ir até uma agência.

Como sacar o PIS/Pasep


Quem possui recursos de contas antigas do PIS (participantes
cadastrados no PIS até 04/10/1988), não terão mais prazo deter-
minado para o saque.

São 10,4 milhões de trabalhadores com direito ao saque das cotas


do PIS em todo o Brasil. O pagamento das contas poderá movimen-
tar até R$ 18,3 bilhões.

Todos os que possuam ainda saldo a receber poderão sacar a


partir das seguintes datas:

Cronograma de saque do PIS/Pasep

Quem tem direito Recebem a partir de

Crédito em conta na Caixa para todas as idades 19/08/2019

A partir de 60 anos 26/08/2019

Até 59 anos 02/09/2019


14 capítulo 1 O QUE MUDA NA REGRA DO FGTS

Trabalhadores de empresas privadas, cotistas do PIS, deverão sacar


os recursos nas agências da Caixa. Quem possui o cartão Cidadão e
lembra a senha pode também retirar nas lotéricas. Já os servidores
públicos, cotistas do Pasep, deverão resgatar o dinheiro no Banco
do Brasil.

Os dependentes dos cotistas falecidos (herdeiros) poderão fazer os


saques apenas apresentando a certidão de dependente do INSS.
15 capítulo 2

COMO SABER
QUANTO EU TENHO
E COMO SACAR O FGTS

U ma das principais dúvidas dos contribuintes é saber quanto têm


de saldo nas contas de FGTS. Como são fundos que, até agora, só
poderiam ser mexidos em ocasiões especiais, é natural que se esqueça
a senha ou o trabalhador nem tenha controle das contas inativas. Aqui,
a nossa intenção é te ajudar a fazer um raio-X do que você tem disponí-
vel e, depois, entender como sacar esse dinheiro.
16 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

Como consultar o saldo disponível do FGTS


O trabalhador pode consultar seu saldo do FGTS pela internet ou pesso-
almente. O Valor Investe reuniu algumas das maneiras para os corren-
tistas descobrirem quanto podem sacar. Confira!

>> Site da Caixa


No site da Caixa Econômica Federal você consegue fazer a consulta.
Nele, você precisa informar seu número de NIS (PIS/Pasep), que pode
ser consultado na carteira de trabalho, e usar uma senha cadastrada
pelo próprio trabalhador.

Caso você não tenha uma senha, você pode cadastrar uma, preen-
chendo os dados solicitados. Depois de fazer esse cadastro, você pode
consultar o saldo com o seu CPF, NIS ou e-mail e a senha cadastrada.

E se eu não sei meu número de NIS?


O Número de Identificação Social (NIS) ou o Número de Identifica-
ção do Trabalhador (NIT) são um código para identificar quem é
aquele trabalhador. O PIS (Programa de Integração Social) e o NIS
(também chamado de NIT) são o mesmo número (para entender a
diferença, clique aqui).

Para descobrir qual é o seu número de identificação você pode


acessar o site Meu INSS.

Ao entrar no site, você vai clicar em Entrar (no canto superior direi-
to). Depois, vai selecionar Cadastre-se.
17 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

Ali, você preenche os dados solicitados (CPF, data de nascimento,


nome, e-mail, celular, nome da mãe e estado). O sistema irá te fazer
algumas perguntas sobre seu histórico trabalhista, só para checar
se você é realmente quem está dizendo.

No final do cadastro, você vai criar uma senha. Depois disso, basta
entrar na página inicial do site de novo e fazer o login com o seu
CPF com a senha que você criou.

Ao clicar no canto superior direito, você verá seus dados do usuá-


rio, com seu nome, CPF e o NIT/PIS!

A Caixa também lançou recentemente um serviço exclusivo no site fgts.


caixa.gov.br com as informações mais importantes sobre o saque. Na
página, além de visualizar o valor a receber, o trabalhador pode ver ain-
da a data do saque e os canais disponíveis.

>> Por e-mail


Também no site da Caixa você pode informar o NIS (PIS/Pasep) e esco-
lher receber por e-mail informações sobre o seu FGTS mensal na conta
vinculada ao FGTS.

>> SMS
Outra opção é receber avisos SMS com informações sobre o depósito
mensal na conta vinculada ao FGTS. Mas quem faz essa escolha deixa
de receber o extrato bimestral em papel em casa.
Por outro lado, o extrato anual continua sendo enviado normalmente.
18 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

>> Nas agências da Caixa


Você também pode consultar seu extrato do FGTS no balcão de aten-
dimento de agências da Caixa. Também é possível ir a um posto de
atendimento e fazer a consulta utilizando o Cartão Cidadão, desde que
saiba a sua senha.

>> Aplicativo
Você ainda pode baixar o app do FGTS e consultar seu saldo direto no
celular. A Caixa acaba de lançar um novo aplicativo para a consulta. Com
ele, o trabalhador poderá verificar o valor e a data prevista para o saque
imediato. O aplicativo é gratuito e disponível para os sistemas operacio-
nais Android (que pode ser baixado na Google Play), iOs (App Store) e
Windows (Windows Store).

>> Telefone
A Caixa também disponibilizou uma central exclusiva para informações
sobre o saque imediato (0800 724 2019). Por ele, o trabalhador poderá
consultar os valores para o saque imediato e informações sobre os ca-
nais de atendimento.

Como sacar o FGTS em 2019


Neste ano, a primeira liberação de saques, no limite de R$ 500 por conta
(ativa e inativa), começa em setembro. O pagamento vai até 31 de março
de 2020. Quem tem poupança na Caixa Econômica terá o valor deposita-
do automaticamente nessa conta, a menos que o trabalhador expres-
se que não deseja receber o valor e que ele deverá ser mantido na
conta do FGTS. Isso tem que ser feito pelos canais de contato com o
fundo até 30 de abril de 2020, acesse fgts.caixa.gov.br).
19 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

Cerca de 33 milhões de trabalhadores receberão crédito automático em


conta poupança, conforme o calendário:

Cronograma de pagamento para quem


possui conta na Caixa
Mês de nascimento Recebem a partir de

Janeiro, fevereiro, março e abril 13/09/2019

Maio, junho, julho e agosto 27/09/2019

Setembro, outubro, novembro e dezembro 09/10/2019

Se você não possui poupança na Caixa deverá seguir o cronograma


de início de pagamento divulgado pelo banco (veja abaixo):

Cronograma de pagamento para quem não


tem conta na Caixa
Mês de nascimento Data de início

Janeiro 18/10/2019

Fevereiro 25/10/2019

Março 08/11/2019

Abril 22/11/2019

Maio 06/12/2019

Junho 18/12/2019

Julho 10/01/2020

Agosto 17/01/2020

Setembro 24/01/2020

Outubro 07/02/2020

Novembro 07/02/2020

Dezembro 06/03/2020
20 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

Para quem possui Cartão e senha do Cidadão, o saque pode ser fei-
to nos terminais de autoatendimento.

calendário para saques em 2020


Mês de Mês de
aniversário saque

Janeiro Abril a Junho

Fevereiro Abril a Junho

Março Maio a Julho

Abril Maio a Julho

Maio Junho a Agosto

Junho Junho a Agosto

Julho Julho a Setembro

Agosto Agosto a Outubro

Setembro Setembro a Novembro

Outubro Outubro a Dezembro

Novembro Novembro a Janeiro de 2021

Dezembro Dezembro a Fevereiro de 2021


Fonte: Ministério da Economia

>> Dúvidas extras


• E se eu mudar de opinião sobre a modalidade?
Aqueles que decidirem pela mudança de regra de “saque-rescisão”, que
é a atual, para a de “saque-aniversário”, podem voltar para o “saque-
rescisão” após dois anos. A mudança de regra poderá ser realizada a
cada dois anos, sempre por meio de comunicado à Caixa.
21 capítulo 2 Como saber quanto eu tenho e como sacar o FGTS

• Tenho mais de uma conta de FGTS. Posso sacar mais de uma vez?
Sim. A medida de liberação de FGTS garante que o trabalhador retire
R$ 500 de cada conta, ativa ou inativa. Se você tem uma conta, poderá
retirar até R$ 500. Se tem duas, poderá sacar até R$ 1.000. Se tem três
contas tem direito a até R$ 1.500 e assim por diante.

Essa regra, contudo, só vale para os R$ 500 deste ano. Na regra geral do
“saque-aniversário”, que passará a valer a partir de 2020, há um limite de
saque que valerá por trabalhador, considerando a soma dos saldos de-
positados em diferentes contas do FGTS (confira na tabela da página 6).

Bom, a essa altura você já sabe o que mudou nas regras do FGTS e PIS/
Pasep, já aprendeu como pesquisar o saldo de suas contas e os proce-
dimentos de saque e mudança de modalidade do FGTS (“saque-aniver-
sário” vs. “saque-rescisão”). Agora vamos te ajudar a decidir se vale ou
não a pena mudar de modalidade.
22 capítulo 3

o que vale
mais a pena:

saque-
rescisão ou saque-
aniversário?

É natural que as mudanças da regra do FGTS gerem dúvidas sobre qual


o melhor modelo de saque para cada trabalhador. Por isso, pedimos à
planejadora financeira Luciana Ikedo e ao consultor financeiro Valter
Police que avaliassem em quais cenários o saque-aniversário é reco-
mendado. A partir disso, elencamos algumas situações em que um e
outro (“saque-rescisão” e saque-aniversário”) possam interessar, veja:
23 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

“Saque rescisão” Vs “Saque aniversário”

“Sim” para o saque-aniversário


1. Tenho dinheiro de reserva de emergência, além de outros investi-
mentos e não vou precisar do saldo total do FGTS para sobreviver em
caso de demissão

“A pessoa já está preparada para os momentos difíceis, como uma


demissão. Não precisa acessar a reserva do FGTS. Pessoas organi-
zadas com reserva de emergência já estão habituadas a poupar e já
investem bem os recursos. Elas terão possibilidade de rentabilidade
melhor em outras aplicações do que no FGTS”, diz Luciana.

2. Tenho uma pequena reserva que, somado à multa de 40% do sal-


do do FGTS, consegue me sustentar por pelo menos seis meses até
conseguir um emprego

“Também é interessante optar pelo saque-aniversário porque o in-


vestidor vai conseguir se manter na adversidade, mas também con-
seguirá aumentar suas reservas com os recursos do saque-aniversá-
rio”, avalia Luciana.

3. Tenho dívidas, estou pagando juros. Mas acho que o dinheiro do


saque-aniversário me ajudaria a quitá-las e começar minha reserva
de emergência para o caso de demissão

“Com saque-aniversário, a pessoa endividada consegue se organizar,


reduzir dívidas caras e dar início para reserva de emergência para o
caso de uma demissão. Lembrando que a reserva pode ser usada
24 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

em outras situações, não só na demissão. Pode ser uma ajuda para


as finanças pessoais para que a pessoa consiga seguir de forma mais
estruturada a partir de então”, diz.

O saque-aniversário também poderá ser usado como garantia de


empréstimo e, portanto, ser uma arma na renegociação de dívidas,
para tentar taxas mais amigáveis na hora de pagar o crédito.

4. Tenho pouco tempo de mercado formal, portanto um saldo baixo


para saque

“O saque-aniversário pode trazer resultados melhores a longo prazo


do que se deixar o dinheiro no FGTS”, explica Luciana.

Além do mais, o saldo do FGTS muito baixo seria pequeno demais


para realmente fazer diferença diante de uma demissão. O ideal
é que o saque-aniversário seja dedicado a formar uma reserva de
emergência.

5. Tenho dívidas a juros mais baixos (consignado, financiamentos),


mas tenho reserva de emergência

“Existem dívidas baratas, a longo prazo, bem estruturadas que po-


dem agir até positivamente na estruturação do capital próprio. O que
precisa ser avaliado é se essa pessoa tem ou não a reserva de emer-
gência, que será o diferencial em momentos adversos”, aponta.

Algumas dívidas são financiadas por serem de valor muito alto, como
casa ou carro. Nesses casos, vale a pena ter o saque-aniversário para
25 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

engordar a reserva de emergência e manter em dia parcelas que já


cabem no orçamento.

6. Tenho dívidas no cartão de crédito e cheque especial.

“Quando a pessoa tem dívida de cartão de crédito e cheque especial,


que são os rotativos, sem garantias, os mais caros que existem, ela
precisa urgentemente equilibrar o orçamento para que o custo da dí-
vida não a mate financeiramente. O saque-aniversário pode ser uma
ótima opção para que ela equilibre isso. O ideal era que ela tivesse o
comprometimento de equilibrar as contas. Depois de quitadas as dí-
vidas, esse valor do saque-aniversário deve ser usado para constituir
uma reserva de emergência”, diz Luciana.

“Não” para o saque-aniversário


7. Tenho um saldo razoável no FGTS. Não tenho dívidas e nem reser-
va de emergência. Penso em gastar essa graninha com um mimo to-
dos os anos. Não quero investir esse dinheiro do saque aniversário

“É a situação mais perigosa. É uma pessoa que não tem a disciplina


do investidor. O grande risco é que ela não irá construir a reserva de
emergência e poderá ter um grande problema em caso de demissão.
Porque não terá o dinheiro do FGTS, nem a reserva de emergência. É
o maior receio quando a gente fala de saque-aniversário”, diz plane-
jadora Luciana.

Neste caso, talvez o melhor seja deixar que o governo cuide do di-
nheiro por você até que se encontre num momento de necessidade.
26 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

A rentabilidade deverá se assemelhar à da poupança e o dinheiro


estará disponível em caso de demissão.

8. Tenho dívidas a juros mais baixos (consignado, financiamentos) e


não tenho reserva de emergência

Se as parcelas já limitam o orçamento e tornam difícil construir uma


reserva de emergência pode ser interessante manter o dinheiro no
FGTS até que haja uma mudança de cenário ou melhora na renda
familiar. O dinheiro do FGTS em caso de demissão pode ser usado
para manter as parcelas em dia e evitar se enrolar enquanto busca
recolocação no mercado.

9. Tenho um saldo razoável nas contas do FGTS. Mas nunca consigo


juntar dinheiro. Tenho dificuldade de sair com o saldo positivo todo
mês

“Se a pessoa tem dificuldade de manter saldo positivo na conta, há


um risco de que o recurso do saque-aniversário se incorpore à renda.
E o saldo vai sendo consumido no “saque-aniversário” e pode com-
prometer uma fase complicada da carreira”, afirma Luciana.

Um caso especial
10. Tenho uma reserva de emergência, mas é pequena e somada à
multa de 40%, esse dinheiro não seria o suficiente para me sustentar
por pelo menos 6 meses

“Às vezes, quando a pessoa tem uma reserva pequena, isso também
pode significar a falta de disciplina para formar a própria reserva de
27 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

emergência; ela pode, assim, enfrentar um momento de dificuldade.


Se for esse o caso, não faz sentido o saque-aniversário, porque ela
corre o risco de consumir integralmente o valor e não terá reserva de
emergência para o período crítico. Se não for esse o caso e a pessoa
tiver alguma disciplina, vale a pena avaliar com mais cuidado e até
optar pelo saque-aniversário”, afirma Luciana.

Há casos no entanto, em que o tempo no novo emprego poderá ser


o suficiente para formar uma reserva boa, de pelo menos seis meses,
em caso de demissão.

O consultor financeiro Valter Politice, da Fiduc, empresa de gestão de


patrimônio e educação financeira, explica que se os 40% da multa do
FGTS e a reserva forem suficientes para segurar as contas no tempo
de recolocação no mercado, o saque-aniversário já vale a pena.

A multa de 40% do valor da conta mais recente vale para todos os


trabalhadores, independentemente de terem optado pelo saque-ani-
versário ou terem ficado no saque-rescisão.

Veja na tabela em qual situação é mais indicado um ou outro:


28 capítulo 3 o que vale mais a pena: saque-rescisão ou saque-aniversário?

Qual a sua Saque- Saque-


situação? aniversário rescisão

1. Tenho dinheiro de reserva de emergência, além Melhor


de outros investimentos e não vou precisar do saldo opção
total do FGTS para sobreviver em caso de demissão

2. Tenho uma pequena reserva que, somado à multa


de 40% do saldo do FGTS, consegue me sustentar Melhor
por pelo menos seis meses até conseguir um opção
empregos

3. Tenho dívidas, estou pagando juros. Mas acho que


o dinheiro do saque-aniversário me ajudaria a quitá- Melhor
las e começar minha reserva de emergência para o opção
caso de demissão

4. Tenho pouco tempo de mercado formal, portanto Melhor


um saldo baixo para saque opção

5. Tenho um saldo razoável no FGTS. Não tenho


dívidas e nem reserva de emergência. Penso em Melhor
gastar essa graninha com um mimo todos os opção
anos. Não quero investir esse dinheiro do saque
aniversário

6. Tenho uma reserva de emergência, mas é


pequena e somada à multa de 40%, esse dinheiro
Depende Depende
não seria o suficiente para me sustentar por pelo
menos 6 meses

7. Tenho um saldo razoável nas contas do FGTS. Mas Melhor


nunca consigo juntar dinheiro. Tenho dificuldade de opção
sair com o saldo positivo todo mês.

8. Tenho dívidas no cartão de crédito e cheque Melhor


especial opção

9. Tenho dívidas a juros mais baixos (consignado, Melhor


financiamentos), mas tenho reserva de emergência opção

10. Tenho dívidas a juros mais baixos (consignado, Melhor


financiamentos) e não tenho reserva de emergência opção

Esperamos que nossas dicas tenham te ajudado a entender todas as


mudanças anunciadas e a decidir se vale a pena você mudar ou não
de modalidade de saque do FGTS a partir do ano que vem. Feito isso,
chegou uma hora muito importante: decidir o que fazer com esse
dinheiro.
29 capítulo 4

o que fazer
com o dinheiro

D e acordo com o Ministério da Economia, 80% das contas de


FGTS têm saldo de até R$ 500. À primeira vista, R$ 500 é sufi-
ciente para fazer uma viagem de fim de semana, comprar uma caixa
de som potente, passar um dia em um spa, fazer um churrasco para
a galera e por aí vai...

Os cifrões estimulam nossa imaginação, mas é neste momento que


você tem que manter a calma, respirar fundo e fazer algo importan-
tíssimo: planejar como vai usar esse dinheiro.
30 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

É claro que você pode fazer qualquer uma das coisas acima citadas
ou torrar a grana do jeito que quiser, mas esta pode ser uma boa
oportunidade para fazer algo em benefício de seu futuro: investir.

Vale aqui uma observação: se você tem dívidas, pode ser o momento
para quitá-la. Se o débito é maior do que você tem disponível para
sacar, tente usar o dinheiro para renegociar um pagamento menor
da dívida ou, pelo menos, pagar uma parte dela.

Se você não está endividado, aplicar a grana é uma ótima opção. O


Valor Investe conversou com especialistas para te dar algumas suges-
tões de onde investir o dinheiro. Veja:

Tesouro Direto
A sugestão de André Perfeito, economista-chefe da corretora Necton,
é que o trabalhador invista em títulos públicos, mais especificamente
em Letras Financeiras do Tesouro (LFT), o chamado Tesouro Selic, que,
como o nome sugere, têm rendimento atrelado à taxa básica de juros.

Hoje a Selic está em 6% ao ano, mas há uma previsão do mercado que


caia ainda mais até o fim de 2019. Mesmo assim, o especialista afirma
que os juros não devem “cair de maneira muito forte”, o que mantém
a atratividade desses títulos.

Outra vantagem do Tesouro Selic é a liquidez diária. Isso significa que


em caso de emergência o investidor pode vender esses títulos sem
ter perdas no rendimento. Ou seja, ele não precisa levar aquele ativo
até o vencimento dele.
31 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

Atualmente, o Tesouro Selic 2025 está com vencimento previsto para


o dia 1º de março de 2025 e rende anualmente a taxa Selic mais 0,02%.
O valor mínimo para se investir nele é de R$ 102,42 (o preço varia a
cada dia).

“O Tesouro Selic é uma boa opção porque é um investimento mais


cauteloso. Como o FGTS é uma poupança de longo prazo, seria inte-
ressante o investidor manter o mesmo racional, a mesma lógica do
FGTS no investimento que ele for fazer”, afirma Perfeito.

Algumas plataformas de investimento oferecem fundos que só têm


no portfólio títulos Tesouro Selic a taxa zero, a exemplo da Órama,
BTG Digital e Pi. Mas, fora desses fundos, é cobrada uma taxa de cus-
tódia da B3, a bolsa de valores, de 0,25% ao ano.

Saiba mais sobre as taxas cobradas pelas plataformas nesta matéria


do Valor Investe: “Compare aqui as principais taxas cobradas pelas
plataformas de investimento”

Fundos de renda fixa


Outra opção que pode dar uma rentabilidade um pouco maior do
que a do Tesouro Direto são os fundos de renda fixa. Os fundos de
investimento são como um “pacote” que permite que você invista em
vários ativos ao mesmo tempo.

No caso dos fundos de renda fixa, o gestor responsável por esco-


lher o que vai entrar nesse pacote vai selecionar apenas produtos de
renda fixa, como títulos do Tesouro e títulos de dívida como CDBs e
32 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

debêntures (que são, basicamente, uma forma de você emprestar


dinheiro para bancos e empresas e receber juros por isso).

“Assim como o Tesouro Direto, esses títulos também são seguros,


mas como misturam mais coisas, eles podem render um pouco mais”,
afirma Vitor Mogadouro de Lucena, assessor de investimentos e pla-
nejador financeiro da Ativa Investimentos.

Segundo o especialista, muitos desses fundos têm aporte mínimo in-


ferior a R$ 500 e podem render de 100% do CDI a 110% do CDI, o que
significa algo em torno de 5,90% a 6,49% ao ano.

Mas, atenção: você deve escolher fundos que não cobrem tão caro.
Para um fundo de renda fixa, uma taxa de administração de até 1%
ao ano é OK. Acima disso, são raríssimos os fundos que valem a pena.
Então, estude o fundo antes de investir.

Vale ler nossa matéria “O que você deve olhar antes de aplicar em um
fundo de investimento”.

LEIA TAMBÉM
> Juro no menor patamar da história: onde investir?
> Com juros magros, investimentos alternativos ganham relevância
> Mais de R$ 56 bi estão aplicados em fundos caros e que não pagam nem o
CDI ao investidor

Fundos multimercados
Existem ainda opções de fundos multimercados, que misturam pro-
dutos de renda fixa e de renda variável, que também têm aportes
33 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

mínimos de até R$ 500. Nesse caso, porém, por misturar diferentes


classes de ativos, a volatilidade do rendimento é maior. Assim como
o investidor pode ganhar muito mais, ele também pode perder.

“A rentabilidade dos multimercados depende muito, porque a oscila-


ção do mercado é maior e de mais longo prazo. Mas existem fundos
com aporte mínimo baixo que rendem anualmente algo em torno
de 120% a 130% do CDI, o que equivale a aproximadamente 7,09% a
7,67% ao ano”, afirma Lucena, da Ativa.

Vale a pena ler também nossa matéria sobre os fundos multimer-


cados mais rentáveis do 1º semestre.

Fundos de ações
Quem quiser arriscar um pouco mais, pode investir também em fun-
dos de ações. A sugestão de Lucena, da Ativa, é procurar um fundo
mais diversificado, sem escolher um setor específico. Ele afirma, no
entanto, que segmentos como o varejo e construção podem ter ga-
nhos significativos.

“Hoje temos fundos de ações que permitem investimento mínimo


de R$ 500. Para o investidor que está começando é melhor comprar
fundo de investimentos em ações, com um gestor responsável pelas
escolhas”, afirma.

Vale a pena ler também nossa matéria sobre os fundos de ações


mais rentáveis do 1º semestre.
34 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

ETFs
O economista e blogueiro do Valor Investe Marcelo d’Agosto dá a dica
dos ETFs, sigla em inglês para Exchange Traded Funds, que são fun-
dos de índices, que replicam exatamente a composição e a propor-
ção dos ativos de uma carteira teórica.

A principal vantagem de um ETF é o acesso a uma carteira diversifi-


cada e complexa a partir de valores baixos. Hoje já são 18 opções na
B3.

Os ETFs criados mais recentemente são o IMAB11 e o BOVB11. O pri-


meiro segue o indicador IMA-B. O segundo é atrelado ao Ibovespa.

O IMA-B reflete a rentabilidade de uma carteira composta por títulos


públicos indexados ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
São as Notas do Tesouro Nacional da série B (NTN-B), que também
são chamadas de Tesouro IPCA+ no site do Tesouro Direto.

“Se você já tentou comprar um título público no Tesouro Direto, com


certeza já teve dúvida sobre a melhor opção. São diversos prazos e
indicadores para decidir. Situação semelhante ocorre se você quiser
escolher um investimento em ações”, comenta d’Agosto.

Para o economista, o ETF pode resolver esse problema. “Se sua opção
for pelos papéis indexados ao IPCA, o IMAB11 é a alternativa. Caso o
desejo seja comprar ações, o BOVB11 é a saída. Os outros ETFs atre-
lados ao Ibovespa são o BOVA11, o BOVV11 e o XBOV11”, sugere.
35 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

Bom, agora vocês já sabem o que mudou nas regras do FGTS e PIS/
Pasep, aprenderam a consultar os saldos e como sacar o dinheiro.

Agora, finalizamos com dicas para usar com inteligência o dinheiro.


Esperamos que tenha sido útil para vocês. Dúvidas e sugestões? Man-
de para nós: valorinveste@valor.com.br
36 capítulo 4 O que fazer com o dinheiro

Elabora ç ão

Equipe

Júlia Lewgoy
Isabel Filgueiras
Naiara Bertão
Nathalia Larghi
Weruska Goeking
Gustavo Ferreira
Rafael Gregorio

Organização: Naiara Bertão


Edição: Daniele Camba e Fernando Torres

Arte
Editor de Arte/Fotografia: Silas Botelho
Coordenação de Arte: Eli Sumida
Designers: Thomás Camargo Coutinho,
Vivianne Vilas Boas Peixoto

Похожие интересы