Вы находитесь на странице: 1из 2

Centro Universitário Inta - UNINTA

Curso de Psicologia
Disciplina Psicopatologia
Grupo: Anna Maévilly Lira Lopes Martins, Ana Cássia Aragão Martins,
Lúcia Fernandes Caetano, Maria Josiana Alves Freitas, Maria
Rosiane Rodrigues Magalhães

 Descrição do Caso:
Notas sobre transtorno obsessivo-compulsivo a partir de um caso clínico em
psicoterapia psicanalítica.
O caso escolhido pela equipe diz respeito a uma jovem de 22 anos, identificada por
E.S. que mora com os pais, trabalha como auxiliar administrativa e namora há 8
meses. E.S. procurou atendimento em uma clínica-escola, queixando-se de seu
comportamento, pois antes de sair de casa ela tem que verificar todas as janelas,
tomadas, portas e registros de gás, mesmo sabendo que está tudo organizado.
Na maioria das vezes a paciente vai para o trabalho, mas volta para casa com o
intuito de verificar tudo novamente, pois tem pensamentos de que se ela não verificar,
a casa pode pegar fogo e a culpa será dela.
A paciente relata que essa preocupação excessiva de verificação da casa, deu inicio
quando ela tinha 10 anos, nesse período seu irmão foi cozinhar ovos, esqueceu o
fogo ligado e isso quase resultou em um incêndio, ela conta que sua mãe brigou
muito com ele e disse para todos os filhos prestarem mais atenção.
A paciente conta ainda que passa a maior parte do tempo na casa do namorado,
procura se distanciar dos pais, pois nunca teve uma boa relação familiar, afirma que
seu pai sempre foi ausente em sua vida, que nunca lhe deu um presente, nunca teve
nenhum tipo de carinho ou afeto por ela, mas apenas com seus irmãos, a paciente
chora ao relatar que nasceu de uma gravidez indesejada e que sua mãe teria tomado
medicamentos para abortá-la. As únicas lembranças que ela tem do pai no período da
infância, são dele batendo na mãe e ela correndo para o mato, ficando horas
escondida com medo de apanhar também.

 Hipótese Diagnóstica:
Transtorno Obsessivo Compulsivo
Presenças de obsessões, compulsões ou ambas.
Obsessões definidas conforme 1 e 2
1. Pensamentos, impulsos ou imagens recorrentes e persistentes que são
experimentados em algum momento durante a perturbação, como intrusivos,
indesejáveis e que causam acentuada ansiedade ou desconforto na maioria dos
indivíduos;
2. O indivíduo tenta ignorar ou suprimir tais pensamentos, impulsos ou imagens, ou
neutralizá-los com algum outro pensamento ou ação.
Compulsões são definidas por 1 e 2:
1.Comportamentos repetitivos ou atos mentais que o indivíduo se sente compelido a
executar em resposta a uma obsessão ou de acordo com regras que devem ser
aplicadas rigidamente.
2. Os comportamentos ou atos mentais visam prevenir ou reduzir ansiedade ou
desconforto ou prevenir algum evento ou situação temida. Entretanto, esses
comportamentos ou atos mentais ou não são conectados de uma forma realística com
o que pretendem neutralizar ou prevenir ou são claramente excessivos.

 Critérios Diagnósticos:

1. Verificação excessiva com portas, janelas, tomadas e registro de gás.


2. Sentimento de angústia ao imaginar que a casa pegará fogo, o que a faz voltar
para casa, somente para verificar.