Вы находитесь на странице: 1из 5

TESTE SUMATIVO DE ECONOMIA C

Unidade 1
TESTE 1

GRUPO I

Para cada um dos itens que se seguem, transcreva para a sua folha de teste a letra da única opção
que permite obter uma afirmação correta.

1. A taxa de natalidade é um indicador que mede o desenvolvimento e que se pode classificar


como um indicador
A. simples e demográfico.
B. demográfico e composto.
C. simples e sociocultural.
D. sociocultural e sintético.

2. O PIB per capita permite


A. contabilizar o peso da economia informal.
B. estabelecer comparações internacionais.
C. estabelecer critérios para a distribuição da riqueza.
D. contabilizar os cabazes de compras nacionais.

3. O aumento da Procura Interna resultou


A. do processo de globalização.
B. do aumento da capacidade de produção.
C. das assimetrias de desenvolvimento.
D. do maior poder de compra da população.

4. O investimento em capital humano corresponde à aplicação de recursos


A. na melhoria dos equipamentos e das qualificações.
B. na redução dos custos de fabrico e do analfabetismo.
C. na melhoria dos conhecimentos e das qualificações.
D. na redução dos custos de fabrico e de formação.

5. O Estado pode desempenhar um papel fundamental no progresso técnico, porque


A. contribui para a redistribuição dos rendimentos da população.
B. pode conceder benefícios fiscais à atividade empresarial.
C. contribui para a divulgação da informação tecnológica.
D. pode contribuir para degradar a qualificação dos indivíduos.

6. Todas as economias registam crescimentos


A. regulares ao longo dos tempos.
B. irregulares a curto prazo.
C. regulares a longo prazo.
D. irregulares ao longo dos tempos.
7. No decurso de um ciclo económico, o valor mais elevado do crescimento do Produto
corresponde a uma situação de
A. prosperidade.
B. recessão.
C. depressão.
D. retoma.

8. Nas sociedades modernas, o fenómeno da terciarização da economia significa que


A. as empresas têm aumentado a sua dimensão através de processos de fusão.
B. o emprego está concentrado na área dos serviços.
C. as empresas deslocalizam-se para os países com baixos custos salariais.
D. o capital está concentrado e é controlado por um pequeno número de empresas.

9. Para avaliarmos o nível de vida da população de um determinado país, geralmente utiliza-se


como indicador
A. a estrutura das despesas de consumo.
B. o índice de desenvolvimento humano.
C. a taxa de poupança.
D. um indicador composto.

10. O conceito de pobreza que integra a situação de pobreza no contexto social onde esta ocorre
designa-se por pobreza
A. extrema.
B. absoluta.
C. relativa.
D. moderada.

GRUPO II

1. Leia o texto que se segue.


«Os indicadores de desenvolvimento são instrumentos essenciais para guiar e subsidiar o
acompanhamento e a avaliação de um progresso voltado para o futuro, transformando
informação em políticas públicas de promoção do desenvolvimento. Neste contexto, quando
falamos em desenvolvimento, é comum pensarmos em crescimento económico, mas este nem
sempre se traduz numa melhoria da qualidade de vida das pessoas.
O desenvolvimento que se pretende é um desenvolvimento multidimensional, económico,
social e humano. Para avaliar esse desenvolvimento, basear-se somente em indicadores como o
PIB e o PNB não é suficiente. É preciso considerar também, e principalmente, indicadores como o
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que engloba três dimensões: riqueza, educação e
esperança média de vida, sendo uma maneira padronizada de avaliação e medida do bem-estar
de uma população.»
Indicadores de desenvolvimento, in http://arquivopdf.sebrae.com.br/
(adaptado)

1.1 Apresente, com base no texto, a noção de indicador de desenvolvimento.


1.2 Classifique os indicadores referidos no texto.
1.3 Justifique, com base no texto, por que razão não é suficiente recorrer ao PIB para avaliar o
desenvolvimento de um país.
GRUPO III

1. Leia o texto que se segue e observe o gráfico que o acompanha.


«Para avaliarmos o nível de vida da população de um determinado país, temos de recorrer a
indicadores que nos permitam saber o grau de satisfação das necessidades. O índice de bem-estar
é um desses indicadores. Em Portugal esse índice cresceu até 2012, e decresceu a partir daí.
Contudo, os dois índices sintéticos que o compõem, condições materiais de vida e qualidade de
vida, evoluíram em sentidos opostos: enquanto o primeiro registou uma evolução negativa, o
segundo apresentou uma evolução continuamente positiva.
O agravamento do índice das condições materiais de vida deveu-se à associação existente entre
alguns dos seus domínios e o funcionamento da economia, refletindo a sua evolução, o baixo
crescimento da economia no período pré-crise e de crise económica. Entre os domínios que
compõem este índice, o domínio de trabalho e remuneração foi a componente do bem-estar que
registou uma evolução mais desfavorável, devido essencialmente ao aumento do desemprego,
que se acentuou a partir de 2009. Também a vulnerabilidade económica apresentou uma
evolução desfavorável ao longo do período em estudo, traduzindo uma progressiva
vulnerabilidade das famílias (desemprego, endividamento).»

Jornal de Negócios, 2014 (adaptado)

Condições materiais de vida e respetivos domínios (2004 = 100)

INE, Destaques – Índice de bem-estar 2004-2013, 2014,


in www.ine.pt

1.1 A melhoria do nível de vida da população e a terciarização da economia são duas das
caraterísticas que estão associadas ao crescimento económico moderno.
1.1.1 Indique duas outras caraterísticas associadas ao crescimento económico moderno.
1.1.2 Explicite em que consiste a terciarização da economia.
1.2 Explicite, com base no texto e no gráfico, os seguintes aspetos:
– evolução do índice do bem-estar;
– evolução dos índices que compõem o índice do bem-estar;
– causas do agravamento do índice das condições materiais de vida e das dimensões que o
compõem.
GRUPO IV

1. Leia o texto que se segue e observe os gráficos que o acompanham.


«O acesso às novas tecnologias está a progredir em todos os lugares do mundo. Isto é
principalmente visível nos telefones, pois as assinaturas aumentaram de 33,9%, em 2005, para
96,2%, em 2013.
O acesso à Internet também se tem desenvolvido: de 15,8%, em 2005, para 38,8%, em 2013.
Com efeito, o número de pessoas que usam a Internet foi multiplicado por 1,5 no mundo, entre
2005 e 2013. Foram os países em desenvolvimento que experimentaram o maior aumento: por
100 habitantes, 7,8 pessoas tinha acesso à Internet, em 2005, contra 30,7 em 2013, o que é
quatro vezes mais. O prémio vai para África, onde o número aumentou de 6,9 entre 2005 e 2013.
No entanto, 68% da população mundial não tem acesso à Internet, estando ainda longe a
democratização desta nova ferramenta tecnológica. Em África, por exemplo, apenas 16,3% da
população tem a possibilidade de se conetar. Em 2013, 74,7 pessoas em cada 100 usam a Internet
na Europa contra 16,3 na África ou mesmo 31,9 na Ásia e no Pacífico.»

Observatoire des inégalités, in http://www.inegalites.fr/ (adaptado)

Número de pessoas com acesso à Internet (por 100 habitantes)

Taxa de pobreza mundial e por regiões, 1990, 2011 e 2030 (%)


1.1 Explicite em que consiste o conceito de pobreza absoluta.
1.2 Justifique, com base no texto e nos gráficos, a seguinte afirmação:
«Nos últimos anos, os países menos desenvolvidos registaram progressos em várias áreas.
Contudo, continua a existir um fosso entre países ricos e países pobres.»

FIM

Cotações

Grupo I 1. = 10 x 5 pontos = 50 pontos


Grupo II 1.1 = 1.2 = 1.3 =
Grupo III 1.1.1 = 1.1.2 = 1.2 =
Grupo IV 1.1 = 1.2 =

Оценить