You are on page 1of 20

ECA

> Não pode vender coisas que tenham potencialidade lesiva: bombinhas, foguetes
> Ato infracional prescreve
> Não se pode abandonar outras provas em detrimento da confissao do menor
> Prazo maximo de 6 meses para PSC – 8 horas semanais - final de semana
preferencialmente
> Liberdade assistida: orientador da liberdade assistida normalmente é mulher – prazo
mínimo de 6 meses
> Pacote de pornografia infantil: é crime ter fotos de crianca e adolescente em cenas de
sexo explicito pornografico.
- Se for de pequena quantidade o material, diminui a pena de 1/3 a 2/3. Art. 241-
B, §1º.
> Conversar no Msn e convidar a pessoa para transar é crime. É crime se estiver
conversasr com criança, com adolescente não.
> Adoção internacional
- Gisele mora fora e vem adotar no Brasil: adoção internacional. Se adotante tem
residencia fora, a adoção é internacional.

PENAL
> JUNG sincronicidade: há mais coisas entre o ceu e a terra que a nossa cabeca pode
imaginar.

> Maioridade 18 anos

> Tempo do crime e lugar do crime: LUTA – Lugar é ubiquidade (onipresenca – estar
em todo lugar em todo tempo), e tempo é atividade/ação. O crime poderia ser
considerado cometido em qualquer dos países. O momento do crime é o momento da
ação.

> Lei penal no tempo


- Lei mais grave não retroage (principio absoluto – lei hediondo – lei mais
malefica não retroage)
- Lei mais benefica retroage, mesmo quanto à coisa julgada (princípio relativo)
- Lei temporária ou excepcional (ultrativa – art. 3º): continua se aplicando aos
fatos cometidos durante sua vigência. Não vai ter abolitio, porque violei lei
temporária.

> Teoria do crime


- Crime omissivo: inobservancia de dever de cuidado. Quem tinha e quem não
tinha dever de agir. Quem não tinha é omissao de socorro. Quem tinha responde
pelo resultado (homicidio culposo). Quem tinha dever de evitar furto, responde
por furto. Quem tinha dever de evitar estupro, não responde por nada.
- Quem tem dever de agir responde pelo resultado que deveria evitar
- Para haver punição é preciso que a pessoa esteja presente físicamente.
Ex.: salva-vidas – se ele chegou atrasado, não responde por nada.

- Nexo causal: causa superveniente relativamente independente.


- Com animus necandi, mas o tiro não pega em regiao vital, pega apenas
na orelha, e provoca lesao leve. Vai para ambulancia (azarado –
capotagem, hospital incendeia, erro médico). Tentativa de homicídio.
Quebra de nexo causal. Não responde pelo resultado.

- Crime não consumado:


- Ele começou mas não terminou por motivos alheios.
- Ela queria fazer, mas não se consumou por circunstância alheia
a vontade do agente: não pode prestar atenção ao resultado. Devo
olhar para a conduta.
- Tentativa branca: vítima não sofre lesões. Também é punível.

- Não se consumou porque próprio agente não quis. Quis que se


consumasse no início, mas muda de ideia. Desistência e
arrependimento – só posso ver o resultado.
- Responde pelos atos praticados.
- Pode ser fato típico ou atípico (tirei o veneno antes que a vítima
tomasse).

- Ineficácia do meio ou impropriedade do objeto: crime impossível – não


é punível (tentar matar alguem, disparando com arma desmuniciada).
- Se o cara não sabe que a arma está desmuniciada (isto não
existe).

> Homicído privilegiado


- Pode haver qualificado e privilegiado, desde que a qualificadora seja
objetiva. Privilégio é sempre subjetivo (dominio de violenta emocao, relevante
valor moral ou social).

> Infanticídio
- Somente a mãe, que deve estar em estado puerperal.
- Teoria monista: terceiro responde por infanticídio (depende).

> Participação em suicídio


- Quem induz, instiga ou auxilia é que vai responder.
- Não se mata, não consegue se suicidar, ficou com lesão corporal grave.
Responde por tentativa de homicidio. É um crime condicionado pelo
resultado. Crime de participacao em suicidio se consuma com a morte ou com a
lesao grave.

- Se lesão leve ou nada. Ex.: não responde por nada – fato atípico.
ADMINISTRATIVO

> Principio da autotutela: controle interno que a adm. exerce sobre proprios atos.
Revoga atos inconvenientes e inoportunos. Efeitos ex-nunc.
- Mas ela pode anular atos ilegais. Ex-tunc.
- Ato ilegal, fraude.

- Pegar música

> Controle externo pelo Judiciário


- Só pode anular atos ilegais. Ex-tunc.
- Conveniencia e oportunidade – não entra no mérito

> Ato vinculado x discricionário (ambos estão na lei)


- Vinculado: aquele em que não existe margem de liberdade. Não permite juizo
de conveniencia e oportunidade. Não posso dizer que ele não está na lei.
- Licença para construir

- Discricionário: permite margem de liberdade. Permite juízo de conveniencia e


oportunidade, dentro de limites legais.
- Autorização

- Ato possivel de ser anulado: ambos podem, pois ambos têm limites legais.
- Ato possivel de ser revogado: só o discricionario, porque pode ser analisada a
conveniência e oportunidade.

> Licitação: competencia para legislar sobre licitação é da União.


- MP 495 alterou Lei 8666/93.
- As finalidades da licitação:
a) Selecionar proposta mais vantajosa: não é o menor preço
b) Respeitar isonomia
c) Promoção do desenvolvimento nacional (veio com a MP)

- Lei 12232/10
- Trouxe licitacao para contratacao de agencias de publicidade
- Permite adjudicar para mais de uma pessoa

- Exceções ao deve de licitar


- A regra é o dever de licitar
- Exceções: adm. contrata direto
a) Inexigibilidade: quando a competição é inviável. Nem se o
adm. quisesse ele conseguiria licitar. Ex.: comprar a Monalisa (só
existe uma).
- Art. 25 (rol exemplificativo) Pode contratar direto.
I) Fornecedor ou revendedor exclusivo
II) Serviços técnicos profissionais especializados:
art. 13, LL. De natureza singular e prestado por
alguem de notoria especialização. Requisitos
cumulativos.
III) Contratação de artistas
b) Dispensa: pode-se licitar, a competição é viável, mas a lei diz
que não precisa.
I) Dispensável: se o adm. quiser, ele pode licitar, pois tem
discricionariedade. Art. 24, LL.
II) Dispensada: o adm. não tem discricionariedade. Como
se a lei proibisse de licitar. Art. 17, LL – alienação de
bens.

- Ambos arts. trazem rol taxativo.

- Entidade paraestatal não precisa licitar.

> Atos administrativos


- Diferenca entre vinculado e discricionario

- Elementos do ato
a) Competencia ou sujeito
b) Motivo
c) Forma
d) Finalidade
e) Objeto

- Teoria dos motivos determinantes: motivo dado o ato, vincula sua validade.
Se o motivo é falso ou inexistente, o ato é inválido.

> Responsabilidade civil


- Responsabilidade objetiva: se ele fez é objetiva
- Se o prejuizo for causado por omissao, a responsabilidade é subjetiva. Não é
culpa de uma pessoa, é falta do serviço (responsabilidade da adm.)

- Quando estado assume guarda de pessoa ou coisa, será sempre objetiva.

> Teoria do risco (defesa do Estado)


- Risco administrativo: são admitidas excludentes de resposanbilidade.
a) Culpa exclusiva da vítima
b) Caso fortuito ou força maior
c) Culpa de terceiro

- Risco integral não admite excludente: Estado como garantidor universal

> Órgão público: ele não tem personalidade jurídica. Ex.: Ministerio, Secretaria,
Delegacia.

> Alternativa mais correta é aquela que senta o pau no Estado.

> Adjudicação é a primeira coisa que se faz em uma execução.


DIREITO CONSTITUCIONAL

> Decreto do Presidente. Só pelo decreto do Presidente. Situações temporárias.


- Intervencao federal (art. 34 a 36). Não tem prazo previsto.

- Estado de defesa (art. 136, 140, 141). Não mais de 30 dias, prorrogável por
igual período.

- Estado de sítio (137 a 141). Caso de guerra, p. exp., não tem prazo.
- Ineficácia do estado de defesa: a cada 30 dias pode ser renovado.
- Pena de morte, caso de guerra declarada.
- Censura só aqui também.

> Art. 5º
- Delitos imprescritiveis

> Repercussão geral para recurso extraordinário: deve ser demonstrado,


preliminarmente nas razões do recurso. Se não houver isto, ele não vai ser recebida e
nem conhecido.
- Art. 102, §3º.
- Art. 543-A, 543-B, CPC.

> Súmula vinculante


- Art. 103-A, CF.
- Lei 11.417/06
- Sumula 30 está suspensa
- Sumula 10, 11, 13, 14, 25

- Só o STF cria, com manifestação de 2/3 (8 ministros)


- Descumprida a súmula, cabe reclamação ao STF.
- Legislativo, quando edita lei, pode desrespeitar lei.

> Garantias constitucionais da magistratura (art. 96)


- Vitaliciedade: após 2 anos de efetivo exercício. Se for pelo 5º constitucional
(art. 94, CF).
- Inamovibilidade
- Irredutibilidade de subsídios

> Nacionalidade (territorialidade) – art. 12, I, alineas “a” até “c”


- Nasceu no Brasil – brasileiro nato, salvo se pais estrangeiros e estão a serviço
do pais de origem. “a”
- Consanguinidade vinculada ao trabalho pelo Brasil. “b”
- Pais devem fazer registro da crianca no consulado. Consanguinidade mais
registro. Se não acontecer isto, a crianca deve atingir maioridade e vir para o
Brsail.

- Perda da nacionalidade (art. 12, §4º): tanto o nato como naturalizado podem
perder nacionalidade.
> Controle de constitucionalidade (infraconstitucional x CF)
- Constituição é rígida. (art. 60, §2º - aprovação da PEC – 3/5, 2 turnos nas
duas casas do Congresso).

- Inconstitucionalidade por acao


- Formal: violei procedimento. Causa nulidade total. Ex.: quem
apresentou projeto e não podia – presidente aprova intervencao federal
por MP.
- Material: viola-se um direito. Nulidade pode ser total ou parcial.

- Inconstitucionalidade por omissao


- Eficácia limitada não regulamentada
- ADInpo: somente pessoas do art. 103. Só STF.
- Efeitos: art. 103, §2º. Ou dar ciência ou fazer em 30
dias.
- Art. 12-H, Lei 9868
- Mandado de injunção: remédio constitucional – qualquer pessoa
pode – efeito concreto – no STF ou STJ.

- Controle preventivo (feito por projeto de lei) – Legislativo por CCJ e


Executivo com veto por inconstitucionalidade.

- Controle repressivo (já tem lei surtindo efeitos)


- Regra é PJ.
- Difuso: interpartes, qualquer pessoa, qualquer tribunal
- Concentrado: ADI interventiva é exceção

> Remedios constitucionais


- Em vias de ser preso ou preso (art. 5º, LXVIII): proteger direito de locomoção
– Habeas corpus.

- Orgao publico ou de carater publico, esgotei vias adms. Habeas data (art. 5,
LXXII)

- Mandado de seguranca individual (LXIX)


- MS coletivo

- Ação popular (art. 5º, LXXIII)

> Competencia legislativa (art. 21 a 24)


> Especies normativas
- Emenda: art. 60
- MP: art. 62 e EC 32/01

> Vedações do federalismo (art. 19)


> Eleicao direta e indireta (art. 81): aconteceu no DF.
- Nos ultimos anos do mandato não tem presidente nem vice. Eleição indireta.
TRABALHO

> Estabilidade do dirigente sindical (presidente e vice): do registro de sua candidatura.


- Se eleito, até um ano após o final do mandato.
- Estabilidade quem tem é o candidato à dirigente que se elege.
- Empregado sindicalizado não tem estabilidade
- Delegado sindical, membro do conselho fiscal não têm estabilidade.
- Art. 543, §3º.
- Estabilidade é para quem vai “brigar” com o empregador.

- Sindicato: presidente e vice com estabilidade.

> Membro da CIPA (art. 10, II, “a” – ADCT).


- Tem estabilidade e o prazo é o mesmo do dirigente (do registro da candidatura
e, se eleito, até um ano do final do mandato).

- Representante do empregador, que nomeia: presidente – não tem estabilidade.


- Empregados elegem: vice

- Só o vice tem estabilidade e seus suplentes.

> Estabilidade da gestante: confirmação da gravidez até 5 meses após o parto.


- Basta que a empregada confirme que está grávida, não precisa confirmar o
estado gravídico ao empregador.
- Mãe adotante não tem estabilidade (não vai ter parto).
- Art. 10, II, “b”, ADCT.
- Pai não tem estabilidade. Pai adotante não tem nem licença paternidade.

> Licença maternidade


- Prazo de 120 dias para qualquer mãe, independentemente da idade do adotado.
- As mães adotantes têm a mesma licença.
- Há projeto de lei que traz a licença para 180 dias. Hoje este prazo é
facultativo.
- Pai biológico tem licença de 5 dias.

> Jornada de trabalho (art. 7º, XIII, CF) – 8d E 44s


- Empregados excluídos da jornada não têm direito a hora extra:
a) Domésticos
b) Trabalhadores externos, desde que não tenha controle de horário.
c) Gerentes: qualquer gerente de empresa, desde que exerça cargo de
confiança e 40% a mais a título de gratificação de função.
- Isto não se aplica ao gerente bancário. Ele não tem de
receber 40%. Para ele, basta 1/3 a mais de gratificação de
função. Gerente bancário não está totalmente excluído da jornada
de trabalho (8d).
> Hora extra: art. 59, CLT
- Pode fazer, no máximo, 2he por dia. Há algumas exceções.

- Não pode receber adicional inferior a 50%.

- Pode fazer he e não receber: banco de horas ou acordo de compensação (eles já


caracterizam compensação de horários). Ainda assim o máximo é 2he diárias.

- TST (OJ 323): semana espanhola.


- Ocorre quando empregado trabalho 48hs e 40hs, alternando estes dois
turnos.
- As bancas de prova confundem a semana espanhola com acordo de
compensação.

> Nova lei do estágio


- Art. 12: bolsa auxílio do estagiário é obrigatória.
- Na lei nada diz que se a jornada aumenta, a bolsa auxilío aumentará.

- Estagiário passou a ter limite máximo de contrato.


- Depois da prova pode-se prorrogar o estágio junto à OAB; curso
técnico.

- Limite máximo do contrato de estágio é de 2 anos, para todo mundo.

- O estagiário de Direito pode ter 1 ano a mais.

- Estagiário passou a ter recesso de 30 dias.

- Jornada de trabalho
- Estagiário de nível médio: 4d E 20s
- Nível superior: 6d E 30d

- Época de férias na faculdade, pode aumentar para 40s. O de ensino médio pode
dobrar, portanto.

- Época de prova: jornada normal cai pela metade.

PROCESSO CIVIL
> Princípio relacionado à inércia: princípio do dispositivo
- Exceção única: inventário. Se as partes não abrirem inventário no prazo legal, o
juiz atuará de ofício.

> Condições da ação (Legitimidade, interesse, possibilidade jurídica do pedido).


- Em não havendo uma delas, indeferimento da inicial, carência (inércia).
Análise do processo sem mérito.

- Legitimidade ordinaria: em nome proprio só há pleito de direito proprio.


- Exceção: legitimidade extraordinária. Substituição processual
(mandado de segurança coletivo).

- Carencia de ação é matéria de ordem pública: juiz pode reconhecer de ofício e


a qualquer tempo, não há preclusão.

> Elementos da ação


- Partes
- Motivo: causa de pedir
- Partes

> Como comparar duas ações (litispendencia, coisa julgada): apenas se tiver os 3
elementos. Teoria da tríplice identidade.

> Litisconsórcio: pluralidade de sujeitos.


- Facultativo: depende da vontade (o autor da ação)
- Necessário: se eu não tiver o litisconsórcio, o processo não existirá.
- Direito real de propriedade.

- Simples e unitário (sentença)


- Unitário: sentença unitária. Dois réus (mesmo conteúdo para os dois).

> Intervenção de terceiros


- Assistência: se demonstrar interesse jurídico. Modalide “rampeira”. Cabe em
qualquer processo, procedimento e a qualquer momento do processo.

- Oposição: “estraga prazeres”. O carro não é nem do Fulano nem do Cicrano, o


carro é meu. Melar tudo contra os 2. Apenas no rito ordinário e somente até a
sentença.

- Nomeação à autoria: apontar e dizer, “não fui eu, foi o Fulano”. Quem faz é o
réu. Corrigir ilegitimidade passiva. Só em 2 situações:
a) Réu mero detentor da coisa (caseiro demandado no lugar do patrão)
b) Réu pratica ato a mando de terceiro (pedreiro)

- Denunciação da lide: trazer aos autos o garantidor (contra o qual posso exercer
ação regressiva). Ex.: ser ressarcido pela seguradora.

- Chamamento ao processo: não confundir com denunciação. Trazer aos autos


a figura do co-devedor (devedor solidário).

- Recurso de terceiro prejudicado: qualquer pessoa prejudicada por decisão


judicial pode interpor recurso, dentro do prazo recursal. A mais simples de
toda.

- Cabe intervenção de terceiro no rito sumário? Acidente de trânsito (rito próprio


- sumário).
- Em regra, não tem intervenção no sumário.
- Exceção: no sumário pode assistência, recurso de terceiro
prejudicado e intervenção com base no contrato de seguro (só
cabe denunciação se for baseada em contrato de seguro).

> Recurso
- Prazos (há apenas 3)
a) 5: embargos declaratórios e agravo interno (agravo regimental)
- Embargos de declaração (obscuridade, omissão, contradição)
- Especial e extraordinário para pré-questionamento.

- Unirrecorribilidade (um ato, um recurso). Exceção: o


especial e o extraordinário podem ser interpostos juntos.

- Juiz não fixou honorários: embargos declaratórios, não


precisa de apelação. Interrompe o prazo para outros
recursos (Justiça Comum). Juiz julga e então o prazo
volta a correr.
- No JEC os embargos suspendem.

b) 10: agravos externos e recurso inominado do JEC.


- Lide ordinária com tutela antecipada: agravo.

- Agravo retido (fica nos autos): Valor da causa, liminares,


competência, provas (decisões interlocutórias – apreciação de
questão incidental). É a regra.
- Manda-se para o juiz de primeira instância. Fica nos
autos, e se tiver apelação, sobe para o tribunal.

- Agravo de instrumento:
- Em caso de urgência.
- Juiz nega subida da apelação.
- Decisões relativa aos efeitos da apelação.
- Decisões em execução e cumprimento de sentença.

c) 15:

EMPRESARIAL

> Incapaz pode exercer atividade empresarial? Sim, depende. Pode com autorização do
juiz.
- Ele pode ter o patrimonio atingido? Não. Ele tem proteção patrimonial.
- Só pode participar de sociedade se tiver proteção e se o juiz autorizar.

> Funcionário público: não pode exercer cargos de direção nas empresas.
> Estabelecimento: bens materiais e imateriais
- Podem ser negociados isoladamente, exceto o nome empresarial (registrado
na Junta e protegido apenas no estado).
> Sociedade comum: mesma coisa que de fato ou irregular.
- Não tem registro, nem personalidade juridica. Sócios respondem ilimitada e
solidariamente.

- Credor não pode atingir os sócios diretamente. Precisa atingir o patrimônio


especial primeiro (benefício de ordem).
- Socio que contratou é excluído do benefício de ordem. Responde
diretamente.

> Sociedade limitada: pode ser simples ou empresária. Depende da atividade.


- De médicos é simples.
- Padaria, indústria: empresária.
- Sociedade de médicos com atividade organizada (elemento de empresa): a
atividade é empresarial.

- Se esquecer de colocar a denominação “ltda” (responsabilidade ilimitada e


solidária dos administradores).

- Sócios respondem pelo pagamento da sua parte. Se o meu sócio não pagou, o
meu patrimônio pode ser atingido. Sócios são solidariamente responsáveis
pelo que não foi pago.

- Posso excluir sócio que não paga (remisso)? Sim. Pode ser retida a parte dele?
Não, ela deve ser devolvida.
- Pode excluir por falta grave. Em via judicial, é o juiz que define o valor
de ressarcimento.

- Exclusão extrajudicial (sócio minoritário): para excluir sem recorrer,


preciso cláusula que diga “é possível a exclusão por falta grave, justa
causa”. Se não tiver, só por via judicial.
- Preciso da maioria dos sócios, que respondam por mais de
metade do capital social.

- A exclusão extrajudicial

> Sociedade anônima: precisa levantar grana no mercado, emitir papéis.


- Quando emite debênture (direito de crédito contra SA, de vencimento certo).
- Se a SA não paga a debênture, eu preciso executar (debênture é título
executivo extrajudicial)

- Parte beneficiária (participação em lucro - vencimento não determinado)


- CVM proibiu que parte beneficiária fosse emitida no mercado.
- SA aberta não pode emitir PB, nem no mercado de balcão, nem na
bolsa.

- Bônus de subscrição: preferência na compra de ações.

- Conselho de administração: só é obrigatório nas companhias abertas, nas


sociedades de economia mista e de capital autorizado.
> Títulos de crédito
- Endosso: serve para transmitir o título, mas produz como efeito a garantia
(solidária) do título.
- Endosso feito após o protesto: endosso perdeu a garantia, servirá
apenas para transmitir o título, servirá apenas como cessão civil.

- Aval: só para garantir o título. Todos no título respondem solidariamente (não


tem benefício de ordem).
- Garantia autônoma.
- Avalista é casado: precisa da vênia conjugal, exceto se no regime de
separação total de bens.

- Cheque: ordem de pagamento à vista. STJ permite pré-datado.


- Se eu apresentar um pré-datado antes da data, deverei indenizar por
danos morais.

- Execução de 6 meses a contar da apresentar. Apresentação em 30 e 60


dias.

- Enriquecimento sem causa no cheque: 2 anos da prescrição da ação


executiva.

- Duplicata: título causal – só posso emitir a partir de nota fiscal ou fatura de


compra e venda ou prestação de serviço.
- Se duplicata não foi aceita, preciso do protesto.

> Falência
a) Credor preferencial: pedido de restituição (credor com propriedade), ele não
se habilita, apenas prova propriedade (credor de alienação fiduciária,
arrendamento).

b) Credor extraconcursal: título depois da declaração da falência. Ex.: honorários


do administrador.

c) Credor concursal: trabalhista e acidente de trabalho.


- Trabalhista com preferência até 150 salários. Até 150 no trabalho,
acima de 150 vai para quirografário.

- Acidente de trabalho não tem limite.

- Direito real.

d) Honorários advocatícios na falência é crédito privilegiado.

> Recuperação judicial: preciso provar que posso continuar na recuperação;


- Cooperativa não pode estar na recuperação pois não é atividade empresária.
- Sociedade simples é a mesma coisa.
- Ambos não podem solicitar recuperação ou falir.
- Juiz recebe e defere a recuperação (não homologa). No momento da
decretação suspendem por 180 dias as ações, execuções e prazos prescricionais.
- Execução tributária e reclamação trabalhista.
- Devedor tem prazo de 60 dias para apresentar proposta.

> Propriedade industrial


- Patente eu protejo o produto em si.
- O que não pode ser patenteável
a) Pessoa
b) Ser vivo: exceto microorganismo transgêncio (novidade,
aplicação industrial).

- De invenção e de modelo de utilidade.


- Invenção: 20 anos do depósito, improrrogável.
- Modelo de utilidade: 15 anos do depósito, improrrogável. Terminou o
prazo, cai em domínimo público.

- INPI: marca de alto renome (famosa) protegida em todos os ramos.

CONSUMIDOR
> Responsabilidade civil (dois sistemas no CDC)
a) Responsabilidade pelo fato do produto/serviço: acidentária (consumidor
sofreu acidente de consumo, que atinge a pessoa ou o patrimônio)
- Vítimas: consumidores

- Consumidor que contratou ou vítima do evento (art. 17, CDC – pessoa


não comprou, não adquiriu – não precisa ser contratante). Ex.: acidente
aéreo.

- Imputação específica: produtor, construtor, importador.


- Usamos a figura do comerciante, que terá responsabilidade pelo
fato do produto de forma subsidiária. Se as pessoas do art. 12
(importador, construtor) não forem encontrados, o comerciante
responde, mas não de forma solidária.

- Responsabilidade objetiva.

- Médico responde de forma subjetiva, pelo acidente de consumo.

- Prescrição em 5 anos.

b) Responsabilidade pelo vício: frustra o consumidor, defeito do produto


(impróprio para o fim a que se destina).
- Reclamação que o produto não funciona.
- Prazos (garantia legal)
a) Duráveis: 90 dias.
b) Não duráveis: 30 dias.
- Todos produtos/serviços têm esta garantia (norma de ordem pública).
Se houver cláusula prevendo que abro mão da garantia (inválida).

- Garantia contratual: prazo da contratual impede a legal. Enquanto não


termina a contratual, a legal não começa.
- Garantia de 2 anos + 90 dias.
- Fornecedor tem até 30 dias para resolver o problema. Pode
sofrer alteração, podendo ser ampliado para 180 ou reduzido
para 7. Hipotéses em que ele não vai existir: vício de serviço (art.
20), de quantidade, vicios que afetam o valor ou a segurança.

- Se fornecedor não sanar:


- Substituição do produto pela mesma espécie
- Abatimento proporcional
- Restituição imediata + perdas e danos

> Oferta (força vinculante)


> Publicidade é prática comercial permitida.
- 3 formas de publicidade proibidas:
a) Clandestina: não entende. Merchandising
b) Enganosa: informação falsa, deixa de prestar informação necessária.
Leva consumidor a erro.
c) Abusiva: CDC não define a publicidade abusiva. Não há exemplos.
- Ex.: para criança, preconceituosa, valor ambiental
(sustentabilidade).

> Práticas comerciais abusivas (art. 39)

> Cláusulas abusivas (art. 51)

> Art. 52 (concessão de crédito)


- Multa máxima de 2%
- Financiamento pode ser pago de forma, redução de juros é obrigatória neste
caso.

PROCESSO DO TRABALHO
> Prazo regra: 8 dias - devolutivo
a) Ordinário
b) Agravo de instrumento
C) Recurso de revista
d) Embargos de petição
e)

> Extraordinário – 5 dias


Recurso de revisão – 48hs
Agravo regimental – 5 dias

> Fazenda pública e Ministério Público do Trabalho


- Dobro para recorrer e simples para contra-razões
> Contestar, recorrer e falar nos autos (litisconsortes com diferentes procuradores): no
processo do trabalho não se uso.
- Art. 191, CPC

> A regra é efeito devolutivo.


- Execução provisória vai até a penhora.

> Para obter suspensivo: ação cautelar.

> Recursos no interpostos por simples petição. Não precisa fundamentar o recurso, pela
CLT. Pelo TST precisa fundamentar o recurso.
- Ius postulandi

> Súmula 425, TST: empregado e empregador podem postular sem procurador, até
TRT.
- No TST precisa de advogado.

> Querem eliminar o agravo de instrumento do processo civil. Regra do processo do


trabalho está servindo de base.
- Irrecorribilidade imediata das decisões interlocutórias. CLT fala que não
cabe recurso imediato. Parte precisa protestar (consignação em ata),
esperar decisão definitiva e então recorrer. Cabe recurso mediato.
- Até decisão definitiva recurso ordinário.
- Antes da decisão: mandado de segurança
- Não pode recorrer, mas e se direito é líquido e certo?

> Ordinário
> De revista: impugnar acordao do TRT e dissidio individual em grau de recurso
ordinário.
> Agravo de petição: impugnar decisoes na execução.

> Audiências trabalhistas


- Representação das partes em audiências: CLT exige comparecimento
obrigatório (ius postulandi).
- Empregado pode ser representado por outro empregado que tenha
mesma profissão ou pelo sindicato. Lei exige fundamentação (doença ou
qualquer outro motivo poderoso).

- Empregador
- Preposto: representa empregador em audiência. Precisa ter
conhecimento dos fatos, mas não precisa ter presenciado. Em
regra, ele precisa ser empregado, salvo duas exceções:
a) Empregador doméstico
b) Micro ou pequeno empresário

- E se não aparece preposto?. Se vai advogado com procuração.


TST assume que é revelia.
> Competência
- Ação de cobrança de honorários advocatícios: justiça comum estadual.
- Criminal: Justica do Trabalho não tem competencia.
- Servidor público estatutário será julgado pela comum (federal ou
estadual).

- Exercício do direito de greve: justiça do trabalho


- Ações possessórias envolvendo direito de greve: justiça do trabalho,
envolvendo trabalhador da iniciativa privada.
- Reintegração: esbulho
- Manutencao: turbação
- Interdito: ameaca

- Dançar boquinha da garrafa porque não cumpriu metas – indenização por


danos morais e materiais: justiça do trabalho.

- Acidente do trabalho:
- Até 15º: suspensão do contrato.
-16º e seguintes: extinção.
- Ação contra INSS (comum)

- Perda de dedo: justiça do trabalho.

> Sumaríssimo: está fora adm. pública direta, autárquica e fundacional. Para Fazenda
Pública não pode.
- Pode para empresa pública e sociedade de economia mista.
- Não cabe citação por edital.
- Recurso de revista: cabe em duas hipóteses
a) Acórdão contraria Súmula do TST ou CF/88

- Até 2 testemunhas
- Procedimento comum ou ordinario: 3 testemunhas
- Inquérito para apurar falta grave: 6 testemunhas

DIREITO CIVIL
> Personalidade juridica: nascimento com vida (art. 2º)
> Capacidade civil
a) De direito/gozo: todos têm. Não depende de qualquer requisito! Não existe
incapaz de Direito.
b) Fato/exercício/ação: a partir dos 18 anos.

> Incapacidade
a) Absoluta: mais grave. Pessoa precisa ser substituída, representada. Se não
for representado é nulo.
b) Relativa: se não for assistido é anulável.

> Emancipação (antecipar capacidade civil para quem não completou 18)
a) Voluntária: os pais
b) Judicial: menor tutelado
c) Legal (art. 5º, II a V): automaticamente emancipado. Casamento, colação de
grau, cargo público.

> Personalidade jurídica da pessoa jurídica


- A partir da inscrição (registro do ato constitutivo)
- Sociedade: contrato social
- Fundação: estatuto

> Desconsideração (art. 50)


- Medida judicial a determinar que a execução recaia sobre bens das pessoas.
- Desconsideração não afeta a empresa em nada, afeta os sócios.
- Despacho vagabundo que o juiz dá. Execução prossegue sobre os bens
dos sócios.

- Desconsideração inversa: dívida dos sócios e execução sobre patrimônio da


empresa. Em todas as áreas é aceita, mas não está prevista no CC.

- Juiz não decreta de ofício pelo CC. No CDC pode decretar de ofício.

> Vicios do negocio juridico (torna anulável)


- Da vontade
- Sociais: fraude contra credores e simulação (o único que torna nulo o negócio)

- Negócio anulável: ação anulatória – tem prazo decadencial


- Negócio nulo: declaratória de nulidade – não tem prazo

> Prescrição: intima as partes, se elas nada falam ele decreta de ofício

> Decadência
a) Legal: irrenunciavel
b) Convencional: renunciável – juiz pode declarar de ofício

> Responsabilidade civil


- No CC a regra é subjetiva. A do Estado e do CDC é objetiva.
- No CC será objetiva quando houver atividade de risco para outrem ou quando
Código assim determina.

- Profissionais liberais: atividade-meio: em regra responde de forma subjetiva


(art. 14, §4º, CDC).
- Cirurgião plástico: responsabilidade objetiva (promete resultado).
- Cirurgião plástico reparador: subjetiva!

- Tripartição de dano
a) Material: emergente (perdeu) e cessante (deixou de ganhar)
b) Moral: honra objetiva (imagem na sociedade). Pessoa jurídica apenas
objetiva
c) Estético: ofensa à beleza externa
> Família
- Capacidade matrimonial limitada
- Excepcionalmente o menor de 16 pode casar (caso de gravidez)
- Com 16 anos precisa de autorização

- Impedimento para casar (art. 1.526)


- Casamento será considerado nulo

- Causas suspensivas do casamento (art. 1.523)


- Estado não quer que a pessoa se case.
- Apenas aplicação sanção: separação obrigatória de bens.

- Emenda do divórcio (art. 226, CF/88)


- Fim ao procedimetno da separação
- Não existe qualquer prazo para o divórcio, feito com simples
requisição.
- Divórcio extrajudicial ainda pode: apenas ter absoluto consenso entre
conjuges; não pode ter filhos menores ou incapazes (deve ir ao juiz);

- União estável: relação pública, contínua e duradoura.


- Diferença de sexo ainda é requisito
- Não existe prazo para se decretar.
- Coabitação não é requisito, mas forte indício, como a filiação.
- Companheira: regime de bens, sucessão e alimentos.
- Concubina: direito de se ferrar.
- Paralela ao casamento e à união estável

- Sucessões
a) Art. 1.829 (ordem de vocação hereditária)
b) Art. 1.791 (ordem de vocação hereditária para companheiros)

TRIBUTÁRIO
> Art. 145 a 162, CF/88

> Art. 148 (empréstimo compulsório – tributo)


- Tributo federal.
- Depende de lei complementar.
- Restituível.

- Inc. I: calamidade pública e guerra externa.


- Exigência imediata (não respeita anterioridade)

- Inc. II: investimento público de caráter urgente ou de relevante interesse


nacional.
- Respeita as duas anterioridades

- Anterioridade tributária (posterga eficácia da lei)


> Taxa: tributo bilateral/contraprestacional: vem ação do Estado, tiramos dinheiro do
bolso e pagamos. Duas hipóteses:
a) Serviço público (taxa de serviço ou de utilização): serviço público específico e
divisível (quantificado).
- Serviço público geral não enseja taxa, já que são considerados por meio
de impostos. Ex. de serviços gerais: segurança pública, limpeza pública
de logradouros.

- Iluminação pública não pode ter taxa (Sumula 670, STF). Pagamos um
tributo em substituicao a esta taxa, que é a contribuição para o serviço de
iluminação pública (art. 149-A, CF/88) – COSIP.

b) Poder de polícia (taxa de polícia ou de fiscalização)

> Imunidade (art. 150, VI, a até d, CF/88): dispensa constitucional do tributo.
a) Imunidade recíproca: entes federativos não podem cobrar impostos uns dos
outros.
- Incide sobre IPTU sobre prédio de propriedade da União? Não.

- Outras pessoas juridicas de direito publico tambem são protegidas:


autarquias (se cumprir finalidade autárquica) e fundações.

- Sociedade de economia mista e empresas públicas: em regra têm


tributação normal.

b) Imunidade religiosa: sobre patrimonio, renda e serviços


- Patrimônio relacionado.
- Cumprir condição, se apartamento for alugado para terceiro: valor
convertido para propósito religioso.

c) 4 pessoas jurídicas que não são isentas, são imunes: PISE


- Partidos políticos
- Sindicatos de trabalhadores
- Instituições de educação
- Entidade de assitência social: também imune à contribuição da
seguridade social (art. 195, §7º, CF/88)

- Têm imunidade condicionada ao art. 14, CTN


a) Se tiver lucro, não poderá distribuir com os mantenedores.
Investimento total.
b) Se tiver lucro, não poderá remeter fraudulentamente para fora.
c) Contabilidade em dia.

d) Imunidade para livros, jornais, periódicos e papel destinado à sua impressão


(imunidade de imprensa).
- STF: dois periódicos são considerados imunes (lista telefônica e álbum
de figurinhas).
> CTN
- Art. 126: capacidade tributária passiva é plena (quaisquer pessoas podem
ser chamadas a integrar o polo passivo da relação tributária, até quem auferiu
renda por meio de atividade ilícit, p. exp., apostador do bixo).
- Incapacidade civil nada tem a ver com o CTN. Incapaz que tem bem
será considerado contribuinte de imposto, mas quem paga o imposto
será o responsável (pais).

- Art. 100: normas complementares


- Inc. I: atos normativos expedidos pelo Fisco
- Inc. II: decisão adm com eficácia normativa
- Inc. III: usos e costumes do Fisco
- Inc. IV: convênios celebrados pelas entidades políticas

- Art. 103: quando entra em vigor?


- Inc. I: na data de sua publicação
- Inc. II: 30 dias após a publicação
- Inc. IV: vigência na data neles prevista

- Art. 108: 4 métodos integrativos da legislação tributária. Preencher lacunas.


a) Analogia
b) Principios gerais do direito tributário
c) Principios gerais do direito público
d) Equidade

> Lei ordinária e complementar estão sujeitas à sanção presidencial.