Вы находитесь на странице: 1из 11

Exercícios de

Biologia e Geologia

11.º ano

Oo

EXBG11 © Porto Editora

2

Introdução

No século XIX, a ciência reclamava um raciocínio científico baseado em generalizações indutivas que privilegiavam a observação e a experimentação. Embora posta em causa, no início do século XX, por Karl Popper, a ciência indutiva deixou marcas na História, com contributos de eloquentes cientistas, como, por exemplo, Charles Darwin (1809-1882). Darwin recebeu influência de vários naturalistas para conceber as ideias centrais da teoria da evolução, que apresentou no tratado On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life (1859). Destaca-se nesta obra a ideia de seleção natural como o motor da evolução, refletindo uma das maiores dificuldades deste cientista – a de explicar o mecanismo da mudança. A polémica causada pelas conceções Darwinistas, consideradas por alguns como meras hipóteses metafísicas que se afastavam da ciência positivista, não deixou de impulsionar a evolução posterior do conhecimento biológico e deixa marcas indeléveis, já no século XX, na teoria sintética da evolução ou neodarwinismo.

Mas uma outra mudança conceptual marca profundamente a ciência do século XX – a aceitação de uma escala cronológica extensa, em que a noção de vida na Terra anterior à presença humana ganha contornos mais compreensíveis. E se a interpretação do registo fóssil era influenciada por diferentes marcos teóricos (ora apoiando conotações bíblicas ora revelando reinos desconhecidos extintos), a Geologia não deixa dúvidas no seu contributo para a génese do evolucionismo biológico, com a obra de Charles Lyell (1797-1875) – as leis da Natureza são uniformes, não há descontinuidades súbitas nem catástrofes, mas uma evolução lenta e gradual.

O livro de exercícios que apresentamos inicia-se com a referência ao crescimento e renovação celular e à reprodução em animais e plantas. Passando pela evolução biológica e pela sistemática, termina abordando a Geologia e a sua relação com o quotidiano. Sempre numa perspetiva holística, referindo a Terra (geo) como o cenário onde se desenrola uma história centrada na vida (bio) do ser humano, dá a conhecer e permite explorar as temáticas preconizadas no programa oficial de Biologia e Geologia para o 11.º ano de escolaridade.

Pensámos num livro de exercícios que auxiliasse o aluno a autorregular as suas aprendizagens, a desenvolver o espírito crítico e o raciocínio científico. Assim, partimos quase sempre de casos reais ou próximos do quotidiano familiar e, numa panaceia de competências promovidas, exploramos o potencial do aluno ao questionar sobre ciência, sobre resolução de problemas e atividades experimentais.

Elaborado com uma estrutura semelhante à dos exames nacionais, procura familiarizar o aluno com o tipo de questões que surgem no exame no final do 11.º ano de escolaridade e auxilia-o a construir respostas sintéticas, após análise refletida, que o ajudarão a ter êxito num exame final, traduzindo tudo o que foi aprendendo e construindo ao longo de dois anos.

Desejamos-vos um bom trabalho e esperamos que o nosso esforço seja uma mais-valia para a vossa formação em Biologia e Geologia.

ISBN 978-972-0-42191-3

Com votos de um bom ano.

Os autores

EXBG11 © Porto Editora

Índice

Biologia
Biologia

3

Unidade 5 Crescimento e renovação celular

 

6

Unidade 6

Reprodução

22

Unidade 7 Evolução biológica

32

Unidade 8 Sistemática dos seres vivos

43

Geologia
Geologia

Tema IV Geologia, problemas e materiais do quotidiano

56

Provas-modelo

 

Teste de avaliação global 1

92

Teste de avaliação global 2

102

Exame final 1

112

Exame final 2

123

Soluções explicadas

 

136

12

Unidade 5

EXBG11 © Porto Editora

1 2 Unidade 5 EXBG11 © Porto Editora Grupo III Documento 1 Em 1958, Matthew Meselson

Grupo III

Documento 1

Em 1958, Matthew Meselson e Franklin Stahl demonstraram o mecanismo de replicação a partir do estudo de células de Escherichia coli que cultivaram num meio enriquecido com o isótopo pesado de nitrogénio 15 N, em vez do habitual 14 N. As bactérias cresceram durante várias gerações no meio com o isótopo pesado, tendo procedido, posteriormente, à extra- ção e centrifugação do DNA, para estudo da sua densidade.

Baseado em doi: 10.1073/pnas.44.7.671

Documento 2

Reiji Okazaki foi um biólogo molecular japonês conhecido pela investigação sobre os me- canismos envolvidos na replicação do DNA. Juntamente com a sua esposa, Tsuneko Oka- zaki, descobriram, em 1968, a forma como ocorre a replicação da cadeia atrasada (do inglês lagging strand), mediante fragmentos de DNA, atualmente designados por frag- mentos de Okazaki.

3 A cadeia líder é sintetizada continuamente na direção 5’–3’ pela DNA polimerase III. Visão
3 A cadeia líder é
sintetizada continuamente
na direção 5’–3’ pela DNA
polimerase III.
Visão geral
Origem da
Cadeia líder
Cadeia
replicação
atrasada
2 Proteínas de ligação
à cadeia simples de DNA
tornam a cadeia-molde
estável e disponível para
as enzimas.
Cadeia-molde
3’
Cadeia
Cadeia
atrasada
líder
5’
Direções da
1 A helicase
replicação
desenrola a
dupla hélice do
DNA parental.
Cadeia líder – contínua
(do inglês leading strand)
5’
DNA pol III
Origem da
3’
replicação
Primer
3’
5’
Primase
3’
DNA parental
DNA pol III
Cadeia atrasada – descontínua
(do inglês lagging strand)
5’
DNA pol I
DNA ligase
3’
5’
4 A primase do DNA inicia
3’
a síntese do iniciador de RNA
(primer) para o 5.° fragmento
de Okazaki.
5’
Cadeia-molde

5 A DNA polimerase III completa

a síntese do 4.° fragmento.

Assim que esta enzima atinge

o iniciador de RNA do 3.°

fragmento de Okazaki, liberta-se

e começa a adicionar nucleótidos ao primer do 5.° fragmento.

6 A DNA polimerase I remove

o primer de RNA da extremidade

5’ do 2.° fragmento, substituindo-o

com desoxirribonucleótidos adicionados um a um à extremidade

3’ do 3.° fragmento. No final deste

processo fica a extremidade 3’ do 3.° fragmento livre, a qual será ligada

à extremidade 5’ do 2.° fragmento por um DNA ligase.

Figura 4 Principais etapas da replicação do DNA numa bactéria.

7 A DNA ligase liga

a extremidade 3’ do 2.° fragmento à extremidade 5’ do 1.° fragmento.

Crescimento e renovação celular

13

EXBG11 © Porto Editora

1
1

Meselson e Stahl cultivaram bactérias durante várias gerações num meio contendo 15 N, transferindo-as, posteriormente, para um meio de cultura normal ( 14 N), tendo sido monitorizada a densidade das moléculas de DNA ao longo das gerações seguintes.

Os resultados obtidos, após a transferência das bactérias para um meio contendo nitrogénio normal, estão expressos nas afirmações que se seguem.

Selecione a opção que as avalia corretamente.

I.

Na primeira geração, cada molécula de DNA tem duas cadeias, cada uma com 14,5 N.

II.

Na segunda geração, obtêm-se 50% de bactérias com moléculas de DNA de densidade intermédia e 50% de bactérias com moléculas de DNA 14 N.

III.

Na terceira geração, 75% das bactérias serão 15 N 14 N e 25% apresentarão apenas DNA 14 N.

(A)

I é verdadeira; II e III são falsas.

(B)

II é verdadeira; I e III são falsas.

(C)

II e III são verdadeiras; I é falsa.

(D)

I e II são verdadeiras; III é falsa.

2
2

Na formação de cada nucleótido, estabelecem-se ligações entre o grupo fosfato e o carbono

da pentose e entre o carbono

da pentose e a base nitrogenada.

(A)

2’ … 5’

(B)

3’ … 5’

(C)

5’ … 1’

(D)

5’ … 3’

3
3

Na formação das cadeias polinucleotídicas intervêm reações de

em que cada novo

nucleótido se liga pelo grupo fosfato ao carbono repetindo-se o processo na direção 5’ – 3’.

da pentose do último nucleótido da cadeia,

(A)

condensação … 3’

(B)

condensação … 5’

(C)

hidrólise … 3’

(D)

hidrólise … 5’

4
4

Faça corresponder a cada uma das afirmações da coluna A, relativas à replicação do DNA, o respetivo termo ou expressão da coluna B que a identifica. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

COLUNA A

COLUNA B

(a)

Padrão de replicação confirmado pelas experiências de Meselson e Stahl.

(1)

DNA polimerase I

(2)

DNA polimerase III

(b)

Enzima que remove os nucleótidos do primer de RNA, adicionando desoxirribonucleótidos equivalentes à extremidade 3’ dos fragmentos de Okazaki.

(3)

Helicase

(4)

Primase

(c)

Enzima que separa as cadeias de DNA durante a replicação.

(5)

Dispersivo

(d)

Cadeia sintetizada na mesma direção em que a replicação se desenvolve.

(6)

Conservativo

(7) Semiconservativo

(e)

Cadeia sintetizada na direção oposta ao sentido em que a replicação se desenvolve.

(8)

Cadeia descontínua

(9)

Cadeia contínua

 

(10) Ligase

14

Unidade 5

EXBG11 © Porto Editora

1 4 Unidade 5 EXBG11 © Porto Editora 5 Qual dos seguintes arranjos descreve melhor a
5
5

Qual dos seguintes arranjos descreve melhor a estrutura dos fragmentos de Okazaki?

(A)

primase, polimerase, ligase.

(C)

5’ – RNA, 3’ – DNA.

(B)

3’ – RNA, 5’ – DNA.

(D)

DNA polimerase I, DNA polmerase II.

6
6

A

enzima

catalisa o alongamento da cadeia de DNA na direção

.

(A)

primase … 5’ – 3’

(C)

DNA polimerase I … 5’ – 3’

(B)

DNA ligase … 3’ – 5’

(D)

DNA polimerase III … 5’ – 3’

7
7

Colocaram-se bactérias em crescimento num meio contendo nucleótidos marcados radioativamente. Após isolamento e centrifugação do DNA das bactérias, foram identificados dois grupos. Um deles inclui fragmentos de DNA com milhares ou mesmo milhões de nucleótidos, enquanto o outro inclui fragmentos mais pequenos com centenas a milhares de nucleótidos.

Estes dois grupos de fragmentos representam, respetivamente,

(A)

cadeias contínuas e fragmentos de Okazaki.

(B)

cadeias descontínuas e fragmentos de Okazaki.

(C)

fragmentos de Okazaki e primers de RNA.

(D)

cadeias contínuas e iniciadores de RNA.

8
8

Ao contrário dos procariontes, que apresentam um cromossoma circular sem extremidades, os cromossomas dos eucariontes apresentam um DNA com uma estrutura linear, pelo que

a maquinaria envolvida na replicação do DNA não consegue completar a extremidade 5’ das cadeias-filhas de DNA.

Dá-se o nome de telómeros às extremidades do DNA dos cromossomas das células eucarióticas.

A enzima telomerase previne o encurtamento dos telómeros nas sucessivas divisões celulares,

fenómeno que pode estar relacionado com o envelhecimento de certos tecidos e mesmo com

o envelhecimento de um organismo. Esta enzima, inativa na maioria das células somáticas,

é particularmente importante em células reprodutivas ou em células tumorais, já que além

de prevenir o encurtamento dos telómeros também ativa genes que fazem com que as células

se dividam indefinidamente.

Apresente uma explicação para o facto de não ser possível completar as extremidades das

moléculas-filhas de DNA, mesmo tendo como referência os fragmentos de Okazaki, e em que medida o estudo dos mecanismos de inativação da enzima telomerase podem contribuir para

o tratamento de casos de cancro.

Grupo IV

Editar genes

Sistema derivado das bactérias atua nas células humanas para corrigir defeitos genéticos

Um grupo de investigadores chineses foi o primeiro a injetar numa pessoa células que contêm genes editados usando a revolucionária técnica CRISPR-Cas9.

O sistema CRISPR (do inglês clustered regularly interspaced short palindromic repeats), ou seja, repetições palindrómicas curtas agrupadas e regularmente interespaçadas, é uma ferra- menta de edição do genoma que consiste em dois componentes: curtos fragmentos de

Crescimento e renovação celular

15

EXBG11 © Porto Editora

RNA que resultaram da transcrição do locus CRISPR, com capacidade de desempenhar o

reconhecimento de um DNA exógeno específico e atuar como um guia de modo a orientar

a nuclease Cas9, que corta o DNA nesse local (figura 5).

a nuclease Cas9, que corta o DNA nesse local ( figura 5 ). Guia de RNA

Guia de RNA programado

1 Uma “molécula-guia” de RNA pode ser programada para se combinar com qualquer sequência específica de DNA encontrada no genoma humano.

Figura 5 Técnica CRISPR.

DNA ENZIMA CAS9 A enzima corta o DNA. RNA DNA O RNA alvo alinha-se com
DNA
ENZIMA
CAS9
A enzima
corta o
DNA.
RNA
DNA
O RNA
alvo
alinha-se
com o DNA.

Inserção de

DNA extra.

2 Uma enzima especial, chamada CAS9, pode ser anexada ao RNA-guia para encontrar a sequência de DNA procurada.

3 O RNA alinha-se com a sequência-alvo de DNA e a enzima CAS9 liga-se e corta ambas as cadeias da dupla hélice de DNA.

4 Os cortes de DNA podem ser alterados com uma inserção extra de DNA (acima) ou com a eliminação do DNA defeituoso.

Assinalar, cortar e inserir o gene saudável… Os investigadores recolheram células imuno- lógicas de sangue e, através desta técnica, desativaram um gene responsável pela produ- ção da proteína PD-1, que normalmente bloqueia a resposta imune de uma célula, permi- tindo a proliferação de células cancerígenas. As células assim editadas podem então combater e eliminar o cancro. A equipa pretende tratar um total de dez pessoas.

Paralelamente, outros trabalhos têm sido conduzidos com embriões. Graças a esta técnica

e à sequenciação genética, os cientistas conseguem eliminar do embrião cerca de 4000

doenças hereditárias, por exemplo, a fibrose quística (uma doença causada por uma muta- ção no braço longo do cromossoma 7 que codifica uma proteína transmembranar regula- dora do transporte iónico, conduzindo à formação de quistos no interior do pâncreas e à acumulação de muco espesso – mucoviscidose – em vários órgãos, como os pulmões e os intestinos) ou a talassemia (que afeta a produção de hemoglobina, resultando em sinto-

mas de anemia). Torna-se possível também introduzir nos embriões a resistência ao HIV. Foram efetuados estudos em 86 zigotos 48 horas após a fecundação, até o embrião apre- sentar oito células. Destes, 71 embriões sobreviveram e em 54 destes o estudo incidiu sobre o gene HBB, responsável pela síntese de uma subunidade da hemoglobina. Em me- tade dos embriões, a aplicação da técnica permitiu a correção do gene.

Os estudos conduzidos foram muito controversos pelo facto de envolverem embriões hu- manos e, por exemplo, nos casos em que se acrescenta imunidade ao HIV, constitui um aperfeiçoamento e não uma terapia génica.

Baseado em doi: 10.1038/nature.2016.20988 http://www.anfq.pt

1
1

Nos estudos realizados, a variável independente e a variável dependente são, respetivamente,

(A)

a alteração da informação do DNA e a manipulação do RNA.

(B)

a enzima Cas9 e a manipulação do RNA.

(C)

a sequência de bases do RNA e a correção de uma anomalia genética.

(D)

a manipulação do RNA e os cortes do DNA bacteriano.

EXBG11 © Porto Editora

92 Teste de avaliação global 1

11.º ANO DE ESCOLARIDADE

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta.

Grupo I

Fetos gigantes em Valongo

Culcita macrocarpa é uma espécie muito rara, confinada a uma população, com uma área de ocupação mínima. Atualmente, existem populações residuais nos fojos (zona de ex- plorações mineiras da época de ocupação romana), onde não são afetados pelo fogo (figura 1). Em Portugal, além de Valongo, ocorre também nas ilhas. Trata-se de um feto com frondes grandes, de 30 a 200 cm, raramente atingindo os 300 cm. Ocorre em locais rochosos e sombrios.

A família deste feto é constituída apenas por um único género e duas espécies. Tra- tam-se de plantas vasculares com uma al- ternância de gerações bem vincada.

Baseado em ICNB

al- ternância de gerações bem vincada. Baseado em ICNB Figura 1 Culcita macrocarpa nos fojos, em

Figura 1 Culcita macrocarpa nos fojos, em Valongo.

1
1

O

feto presente na figura 1 é a entidade mais desenvolvida da geração da água.

, sendo a fecundação

(A)

esporófita … dependente

(B)

gametófita … dependente

(C)

esporófita … independente

(D)

gametófita … independente

2
2

O

ciclo de vida de Culcita macrocarpa é

, com

.

(A)

diplonte … meiose pré-gamética

(B)

diplonte … meiose pré-espórica

(C)

haplodiplonte … meiose pré-gamética

(D)

haplodiplonte … meiose pré-espórica

3
3

Os esporos são células geneticamente homólogos.

, e o esporófito

pares de cromossomas

(A)

idênticas … não apresenta

(B)

distintas … apresenta

(C)

idênticas … apresenta

(D)

distintas … não apresenta

Teste 1

93

EXBG11 © Porto Editora

Teste 1 9 3 EXBG11 © Porto Editora 4 Na fase haploide do ciclo de vida
4
4

Na fase haploide do ciclo de vida do feto,

 

(A)

o esporófito contém os esporângios que irão sofrer meiose e originar gâmetas.

(B)

os gametófitos de reduzidas dimensões sofrem meiose.

(C)

os gametófitos produzem gâmetas por divisões mitóticas.

(D)

o esporófito contém gametófitos que irão sofrer meiose e originar gâmetas.

5
5

Neste ciclo de vida, a(s) entidade(s) mais representativa(s),

 

(A)

o esporófito de grandes dimensões, é nutricionalmente dependente do gametófito.

(B)

o gametófito de pequenas dimensões, é nutricionalmente dependente do esporófito.

(C)

o esporófito de pequenas dimensões, é nutricionalmente dependente do gametófito.

(D)

o esporófito e o gametófito, são nutricionalmente independentes.

6
6

Culcita macrocarpa e Culcita coniifolia

 

(A)

possuem o mesmo restritivo específico, mas dizem respeito a espécies diferentes.

(B)

pertencem ao mesmo género, mas dizem respeito a espécies diferentes.

 

(C)

pertence à mesma família, mas a géneros e espécies distintas.

(D)

pertencem à mesma família e à mesma comunidade, mas a géneros e espécies distintas.

7
7

Pela classificação de Whittaker, o reino Plantae é caracterizado pela presença exclusiva de

(A)

organismos químio e fotoautotróficos com elevado nível de diferenciação celular.

(B)

organismos fotoautotróficos com elevado nível de diferenciação celular.

 

(C)

organismos autotróficos, eucariontes e microconsumidores.

(D)

entidades unicelulares e multicelulares fotoautotróficas.

8
8

Faça corresponder a cada uma das afirmações da coluna A, relativas à reprodução nas plantas, o respetivo termo da coluna B que a identifica. Utilize cada letra e cada número apenas uma vez.

COLUNA A

COLUNA B

(a)

Célula reprodutora feminina produzida no gametângios.

(1)

Gametófito

(b)

Estrutura onde estão presentes os órgãos essenciais que produzem células reprodutoras sexuadas.

(2)

Esporófito

(3)

Arquegónio

(c)

Estrutura pluricelular onde se forma o gâmeta feminino.

(4)

Anterídio

 

(5)

Oosfera

(6)

Anterozoide

9
9

No ciclo de vida dos fetos de Valongo, após a formação do zigoto, desenvolve-se uma plântula que se alimenta a partir do gametófito, dando origem, depois, ao esporófito maduro.

Mencione uma característica evidenciada no ciclo de vida dos fetos de Valongo que traduza maiores potencialidades evolutivas.

EXBG11 © Porto Editora

136 Soluções explicadas

Biologia

Unidade 5: Crescimento e renovação celular

uma cadeia está em formação, cada novo nucleótido liga- -se pelo grupo fosfato ao carbono 3’ da pentose do último

nucleótido da cadeia, repetindo-se o processo no sentido 5’

à 3’. A outra cadeia de DNA será construída no sentido inverso, mas sempre de 5’ para 3’.

Grupo I 9
Grupo I
9

(A). É a sequência de bases nitrogenadas (A, T, C e G), que integram os nucleótidos, É a sequência de bases nitrogenadas (A, T, C e G), que integram os nucleótidos, que determina a informação genética da molécula de DNA. As diferentes combinações destas bases – que chegam a mais de 3 biliões em cada célula – asseguram a variabilidade dos seres vivos.

2
2

(C). No caso do DNA, a citosina é complementar da

guanina e a timina emparelha com a adenina (base púrica com base pirimídica). Desta situação decorre uma quanti- dade de citosina idêntica à de guanina e, da mesma forma, de adenina e timina.

3
3

(D). Os monómeros dos ácidos nucleicos designam-se

por nucleótidos e destes fazem parte um grupo fosfato, uma base nitrogenada e um açúcar do grupo das pentoses.

4
4

(A). A molécula de DNA forma uma dupla hélice, sendo

constituída por duas cadeias polinucleotídicas, cujos nucleótidos de uma cadeia se ligam entre si por ligações fosfodiéster e através das bases nitrogenadas complemen- tares de cada cadeia por pontes de hidrogénio.

O ácido desoxirribonucleico (DNA) é um composto

orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos e alguns vírus, transmitindo as caracte- rísticas hereditárias de cada ser vivo. Os segmentos de DNA que contêm a informação genética designam-se por genes.

O DNA apresenta-se tipicamente como um par de cadeias

polinucleotídicas antiparalelas, formando uma dupla hélice. Os nucleótidos estão presentes em ambas as cadeias da dupla hélice, unidos com nucleótidos da mesma cadeia por ligações fosfodiéster e à cadeia complementar por meio de pontes de hidrogénio formadas pelas suas bases. Os nucleótidos são formados por um grupo fosfato, por uma pentose (desoxirribose) e por uma de quatro bases nitrogenadas – adenina (A), citosina (C), guanina (G) e timina (T). O grupo fosfato liga-se ao carbono 5’ da pentose e ao carbono 3’ do nucleótido seguinte. A base azotada liga-se ao carbono 1’ da pentose. No RNA, o açúcar é uma ribose, é uma molécula de cadeia simples e, em vez da base nitrogenada de timina, possui uracilo (U).

5
5

(B). Na dupla hélice do DNA, a base A forma duas pon-

tes de hidrogénio com uma base T da cadeia complementar e a base G forma três pontes de hidrogénio com uma C da cadeia oposta. Ocorrem sempre o emparelhamento de uma base de anel duplo (púrica) com uma base de anel sim- ples (pirimídica). Os pares de bases A – T e C – G têm o mesmo comprimento e ocupam o mesmo espaço no inte- rior da dupla hélice. Por este motivo, a molécula do DNA apresenta um diâmetro uniforme.

6
6

(A). De acordo com a regra de Erwin Chargaff, numa

amostra de DNA podemos encontrar quantidades idênticas de nucleótidos, cujas bases constituintes sejam comple- mentares (timina e adenina, por um lado, e citosina e gua- nina, por outro). Nesse sentido, sendo a percentagem de citosina de 38%, a quantidade de adenina será igualmente 38%. O par de bases nitrogenadas citosina-guanina repre- senta, portanto, 24% da constituição desta amostra de DNA, 12% de citosina e 12% de guanina.

7
7

(D). A difração de raios X é uma técnica que permite

obter conclusões sobre a estrutura do DNA, tendo sido importante pelo facto de ter indicado que o DNA é uma molécula que apresenta uma estrutura helicoidal, mas não permite fazer o reconhecimento dos tipos de nucleótidos que constituem cada cadeia.

8
8

(C). O termo cadeia “antiparalela” está relacionado

com a síntese das cadeias de DNA em sentidos opostos. Na extremidade de cada cadeia existe uma ligação livre de car- bono que pode estar no quinto ou no terceiro carbono do açúcar (pentose). Deste modo, à extremidade 3’ de uma cadeia corresponde a extremidade 5’ da outra. Quando

Grupo II
Grupo II
1
1

A experiência teve como objetivo confirmar qual das moléculas, DNA ou proteínas, desempenha um papel importante como material genético, procurando perceber qual das duas entrava no interior das bactérias, levando-as a produzir novos bacteriófagos.

2
2

(D). Nas experiências realizadas, quer o DNA radioa-

tivo quer o não radioativo entraram para o interior das bactérias, num mecanismo de transferência génica conhe- cido por transdução.

3
3

(A). As cápsulas dos bacteriófagos são proteínas,

sendo, por isso, compostos quaternários (C, H, O e N). A estrutura geral dos aminoácidos envolve um grupo amina e um grupo carboxilo, ambos ligados ao carbono α (o pri- meiro depois do grupo carboxilo). O carbono α também está ligado a um hidrogénio e a uma cadeia lateral, que é representada pela letra R.

4
4

(B). De acordo com a experiência, as proteínas virais

permanecem no exterior das bactérias. É o DNA que entra para o interior das bactérias e que contém a informação

genética para a produção dos compostos que constituem

os vírus.

5
5

(D). As novas cápsulas virais produzidas pelas bacté-

rias não apresentam radioatividade, uma vez que os ami- noácidos presentes nas bactérias não apresentam radioatividade. As proteínas virais radioativas permanece- ram no exterior das bactérias e não participam na forma- ção de novos vírus.

EXBG11 © Porto Editora

6
6

(A). A marcação radioativa das biomoléculas permite

rastrear o seu trajeto.

(D). O DNA viral trata-se da molécula que contém a O DNA viral trata-se da molécula que contém a

informação genética para a produção de novos vírus. Esta

molécula assume, assim, o comando da bactéria, obri- gando-a a produzir as proteínas que fazem parte da cáp- sula dos vírus.

8
8

(C). Tratando-se de uma célula procariótica, uma vez

que não apresenta núcleo, as etapas da síntese proteica – transcrição e tradução – ocorrem no citoplasma.

9
9

(a)

– (5); (b) – (1); (c) – (4); (d) – (6); (e) – (8).

10
10

Caso as proteínas fossem as moléculas responsáveis

pela transmissão da informação genética, seria de esperar que a radioatividade fosse encontrada no sedimento do lote 1, porque as proteínas teriam de entrar no interior das bactérias, programando-as com instruções genéticas.

O DNA poderia desempenhar um papel estrutural que per-

mitisse a injeção das proteínas nas bactérias, permane- cendo no exterior destas, e, por isso, não seria encontrada radioatividade no sedimento do lote 2.

Grupo III
Grupo III
1
1

(B). I é falsa, pois na primeira geração cada molécula possui uma cadeia com 14 N e outra com 15 N. À medida que se replicam, as novas cadeias incorporam os nucleótidos não radioativos na formação de uma nova cadeia de DNA.

II é verdadeira, visto que 50% das bactérias apresentam

DNA com densidade intermédia devido à incorporação de 14 N durante a replicação do DNA, pelo que uma das cadeias

(parental) manterá o isótopo pesado e a outra (filha) o isó- topo normal. As restantes bactérias apresentarão apenas o isótopo normal no seu DNA, uma vez que a replicação ocorre a partir de nucleótidos livres com isótopo normal, a partir de cadeia parental, também com DNA normal. III é falsa, porque 25% das bactérias apresentarão DNA 15 N 14 N

e 75% apresentarão o DNA 14 N 14 N.

1 4 N e 75% apresentarão o DNA 1 4 N 1 4 N. Soluções explicadas

Soluções explicadas

8
8

Esta situação ocorre pelo facto de a enzima DNA poli-

merase conseguir adicionar nucleótidos apenas à extremi- dade 3’ de uma cadeia polinucleotídica já existente. Mesmo com recurso aos fragmentos de Okazaki, assim que o ini- ciador de RNA adicionado à extremidade 3’ da cadeia-

-molde for removido, não é possível substituí-lo com DNA, pelo facto de não existir uma extremidade 3’ livre na cadeia-filha. Por este motivo, ciclos repetitivos de replica- ção conduzem ao encurtamento das moléculas de DNA resultantes. No entanto, a enzima telomerase previne o encurtamento dos telómeros nas sucessivas divisões celu- lares, impedindo o envelhecimento de certos tecidos. No caso de uma neoplasia maligna relacionada com uma proliferação celular anormal, a inativação da enzima telo- merase terá impacto nas extremidades teloméricas, isto é,

a replicação do DNA deixa de ser perfeita, conduzindo ao envelhecimento celular e à terapia do cancro.

Grupo IV
Grupo IV
1
1

(C). É a sequência de bases da guia de RNA, progra- mada pelos investigadores (variável independente), que irá determinar a possibilidade de corrigir uma dada anomalia genética (variável dependente).

2
2

(A). Os zigotos dividem-se por mitose, seguida de

diferenciação celular, de acordo com a expressão genética. Os descendentes apresentam um cariótipo (que representa

o número total de cromossomas de uma célula somática)

igual ao dos progenitores. Contudo, o genótipo (constitui-

ção genética de uma célula) será diferente.

3
3

(C). A proteína PD-1 bloqueia a resposta imune de

uma célula, permitindo a proliferação das células tumorais.

A síntese desta proteína envolve mecanismos de transcri-

ção e de tradução. Durante a tradução, os ribossomas esta-

belecem ligações peptídicas entre os aminoácidos que a constituem. Cada codão (mRNA) é emparelhado com o res- petivo anticodão (tRNA), de modo que sejam colocados os diferentes aminoácidos que irão constituir a proteína.

137

2
2

(C). De acordo com a estrutura molecular do nucleótido.

4
4

(A). A transcrição origina moléculas de RNA.

3
3

(A). Na formação de uma molécula de ácidos nuclei-

5
5

(B). A enzima Cas9, sendo uma proteína, é o resultado

cos, os novos nucleótidos são adicionados à extremidade 3’. Trata-se de uma reação anabólica ou de condensação.

4
4

(a)

– (7); (b) – (1); (c) – (3); (d) – (9); (e) – (8).

5
5

(C). Os fragmentos de Okazaki começam pela síntese

de um iniciador de RNA, de 5’ para 3’, seguindo-se a adição

de desoxirribonucleótidos à extremidade 3’ do iniciador.

6
6

(D). É a enzima DNA polimerase III que está envolvida

na adição de desoxirribonucleótidos à extremidade 3’ do

iniciador de RNA, crescendo a cadeia de DNA na direção

5’ – 3’.

7
7

(A). As cadeias contínuas de DNA podem apresentar

um elevado número de nucleótidos no momento de repli-

cação. Os fragmentos de Okazaki são mais pequenos.

da tradução, etapa da síntese proteica que ocorre no cito- plasma com a participação de RNA, de Ribossomas e de aminoácidos.

6
6

(B). A combinação dos 4 nucleótidos, dois a dois, per-

mite obter 16 combinações distintas de codões.

7
7

(D). A desoxirribose no C 2 não apresenta oxigénio.

8
8

(a) – (2); (b) – (3); (c) – (5); (d) – (6); (e) – (4).

9
9

(C). Os codões correspondem a filamentos de mRNA.

No DNA são os exões que constituem segmentos codifican- tes de aminoácidos na síntese proteica. Estes aminoácidos encontram-se livres no citoplasma das células, sendo pro-

venientes do meio externo ou sintetizados através de outros compostos. Da síntese proteica resultam proteínas.