Вы находитесь на странице: 1из 23

1

Sumário

1. Introdução.............................................3 8. Gráfico de Dispersão.............................15


2. Ferramentas da Qualidade.............4
9. Gráfico de Pareto...................................17
3. Fluxograma...........................................5
10. Conclusão.................................................19
4. Cartas de Controle...........................7
5. Diagrama de Ishikawa....................9

6. Folha de Verificação......................11

7. Histograma......................................13

2

Qualidade é o grau no qual um conjunto de
características inerentes satisfaz a requisitos.”
ISO 9001:2008

3
Introdução
Diante da altíssima competição global e regional e a necessidade de alta competitividade para
sobreviver nesses mercados, sobretudo nos momentos de crise, as empresas necessitam ser cada vez
mais eficientes e produtivas, visando o aperfeiçoamento contínuo de seus processos.

.
Para isso acontecer, um dos pontos cruciais é a qualidade nos
processos produtivos e, principalmente, nos produtos finais. Por meio
da qualidade, uma empresa consegue garantir que seu produto
atenda as necessidades e requisitos dos seus clientes.

4
Ferramentas da Qualidade
As ferramentas da qualidade são um grande passo rumo a assegurar a qualidade em sua empresa (atendimento aos
requisitos). Essas são técnicas que podem ser utilizadas com a finalidade de definir, mensurar, analisar e propor
soluções para problemas que são encontrados e podem interferir no bom desempenho dos processos de qualquer
empresa. São elas:

1. Fluxograma;
2. Cartas de Controle;
3. Diagrama de Ishikawa;
4. Folha de Verificação
5. Histograma;
6. Gráfico de Dispersão;
7. Gráfico de Pareto.

5
Fluxograma
O Fluxograma é a representação gráfica do processo. Este pode ser um processo de decisão ou apenas o
processo sequencial. Essa representação é composta por cada etapa do processo e suas dependências em ordem
cronológica.

A existência de fluxogramas para cada um dos processos


é fundamental para a simplificação e racionalização do
trabalho, permitindo a compreensão e posterior
otimização dos processos desenvolvidos em cada
departamento ou área da organização.

6
Fluxograma

A elaboração de um fluxograma é relativamente simples. Inicialmente, precisamos estudar e entender o


processo a ser mapeado pelo fluxograma (o que, sim, é mais complicado). Uma vez entendido, deve-se
descrever esse processo em forma de macro tópicos e descrever sua sequência lógica. Por fim, irá montar essa
sequência de atividades de forma ilustrativa, a fim que fique claro para todos a sequência lógica do processo.

7
Cartas de Controle

A Carta de Controle, ou gráfico de controle, é um gráfico


A utilização da Carta de Controle é
utilizado para acompanhar estatisticamente o desempenho de
muito importante para o processo
um processo, verificando se o mesmo se encontra dentro dos
gerencial, permitindo que a empresa
limites de especificação para o processo.
monitore e controle os seus
processos. A partir dessa verificação,
pode-se agir para corrigir os
eventuais problemas no processo,
gerando maior produtividade e
eficiência.

8
Cartas de Controle
Para criar um gráfico de controle, utiliza-se informações do processo como a média, limite superior
e limite inferior; e para se calcular o limite inferior do processo usamos a média – 3 x desvio-padrão.
Enquanto o limite superior a média + 3 x desvio-padrão. Após isso, deve-se criar o gráfico e
monitorar o processo.

Limite
Superior
A construção
3𝜎
detalhada da Carta
de Controle pode
Média
ser visualizada no E-
3𝜎 book: Carta de
Limite Controle no Excel.
Inferior

9
Diagrama de Ishikawa
Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha de Peixe,
permite estruturar hierarquicamente as causas de determinado problema ou oportunidade de melhoria,
por meio de um gráfico que se assemelha a um peixe (daí vem o nome Espinha de Peixe).

O diagrama espinha de peixe é extremamente útil, pois ajuda você a explorar todas as causas potenciais
ou reais que resultam em um único defeito ou falha. Diante disso, podemos propor as melhores ações
para sanar um problema dentro da nossa empresa.

10
Diagrama de Ishikawa
Para executar um diagrama de Espinha de Peixe, é necessário seguir um passo a
passo para que ele seja, de fato, efetivo. O primeiro passo é determinar o efeito,
(ou o problema) a ser estudado. Em seguida, deve-se juntar todas as informações
sobre o problema, que será a base do próximo passo: um brainstorming sobre as
Dica: Para a elaboração de

possíveis causas. Após tal etapa, deve-se estudar, classificar e priorizar as causas ideias para diagrama de
principais para que, enfim, sejam elaboradas ações focadas em corrigir as causas Ishikawa é recomendável que
prioritárias do problema. seja uma equipe multidisciplinar,
vinda de departamentos
diferentes. Isso ajudará a ter
outras visões sobre o problema
estudado

11
Folha de Verificação

Apesar de simples, a
utilização da folha de
verificação economiza
tempo, eliminando o A folha de verificação é a ferramenta mais simples das
trabalho de se desenhar ferramentas da qualidade. Trata-se de tabelas, planilhas ou
figuras ou escrever quadros estruturados usados para facilitar a coleta e análise
números repetitivos, não
comprometendo a de dados. A folha de verificação pode ser adaptada para
análise dos dados. inúmeras funcionalidades de acordo com o dado a ser
coletado.

12
Folha de Verificação
Elaboração de E-book
Um exemplo da aplicabilidade das listas de verificação Atividade Sim Não

é verificar se alguma atividade foi concluída ou não. O tema foi definido ( ) ( )


O e-book foi elaborado ( ) ( )
Com uma tabela, o responsável irá coletar os dados O e-book foi customizado ( ) ( )

do que, de fato, foi feito. O e-book foi revisado ( ) ( )


O e-book foi concluido ( ) ( )
O e-book foi publicado ( ) ( )

Um outro exemplo é no levantamento da produção mensal de


uma fábrica de biscoitos. Esta folha de verificação é capaz de
proporcionar evidência objetiva para análises de eventuais
problemas envolvendo a sua produção.

13
Histograma

Um histograma, também conhecido como distribuição de frequências, é a representação gráfica, em colunas


(retângulos), de um conjunto de dados previamente tabulado e dividido em classes uniformes. A base de cada
retângulo representa uma classe; a altura de cada retângulo representa a quantidade ou frequência com que o valor
dessa classe ocorreu no conjunto de dados.

Com o histograma, pode-se perguntar:


Que tipos de distribuições os dados sugerem?
Como os dados estão localizados?
Os dados são simétricos?
Como os dados estão dispersos?

14
Histograma
Um histograma pode ser construído da seguinte forma:

1. Coletar os dados com número maior de trinta (n= número de dados).


2. Determinar a amplitude(R): R= maior valor – menor valor da amostra.
3. Determinar a classe (K) . Escolha o número de classe pela fórmula k≈√n
4. Determinar o intervalo da classe (H). H = R /k. R
5. Determinar o limite da classe. O maior e o menor valor levantado na coleta de dados da amostra.
6. Determinar a média de cada classe: soma do limite superior + inferior dividido.
7. Determinar a frequência de cada classe. Fr = ( F / n ) x 100
8. Construir o gráfico, no eixo vertical à altura da classe com a frequência calculada e no eixo horizontal o intervalo
de cada classe

15
Gráfico de Dispersão
Os Diagramas de dispersão, ou Gráficos de Dispersão, são representações
de duas ou mais variáveis que são organizadas em um gráfico, uma em
função da outra. O diagrama mostra se existe ou não uma correlação entre Ao entender a correlação entre
duas variáveis estudadas, sendo que caso haja correlação, ela pode ser duas variáveis e como uma pode
influenciar a outra, podemos
positiva ou negativa. determinar o melhor uso delas
para melhorar a qualidade e
produtividade da nossa
empresa. Além disso, existe a
possibilidade de inferirmos uma
relação causal entre variáveis,
ajudando na determinação da
causa raiz de problemas.

16
Gráfico de Dispersão
Um exemplo de sua aplicação é a verificação se existe
Aluno 1 Aluno 2 Aluno 3 Aluno 4 Aluno 5 Aluno 6 Aluno 7 Aluno 8
alguma correlação entre o peso e a altura entre uma Idade 17 18 20 25 17 38 54 64
Peso 50 55 72 62 70 83 80 72
certa turma e depois se existe relação entre idade e peso.
Altura 1,5 1,58 1,62 1,65 1,71 1,72 1,78 1,8

Peso x Altura Peso x Idade

Correlação positiva Sem correlação

17
Gráfico de Pareto

O Gráfico de Pareto é uma das principais ferramentas quando falamos de qualidade em uma organização. Trata-se de
uma ferramenta da qualidade em forma de gráfico de barras que dispõe a informação de forma a tornar evidente e
visual a priorização de temas. Sua maior utilidade é a de permitir uma fácil visualização e identificação das causas ou
problemas mais importantes.

20% de Fatores
80% de Impacto

80% de Fatores
20% de Impacto

O princípio de Pareto, mais conhecido como regra 20-80, nos diz que 20% das causas principais são responsáveis por
80% dos problemas em uma organização. Ou seja, se solucionarmos essas 20% principais, acabamos com boa parte dos
problemas.

18
Gráfico de Pareto
Para se criar um gráfico de Pareto é fácil.
1. Recolher toda a amostra a ser avaliada; Tipos de Falhas Ocorrências Acumulado
Tipo 12 61 31%
2. Organizar em ordem decrescente (Maior para o menor); Tipo 15 36 49%

3. Determinar a porcentagem acumulada de cada; Tipo 10 30 64%


Tipo 6 28 78%
4. Criar um gráfico onde tem a frequência em colunas Tipo 13 5 80%

e o acumulado em linha. Tipo 19 5 83%

A construção detalhada do
Gráfico de Pareto pode ser
visualizada no E-book: Pareto no
Excel.

19
Conclusão
As ferramentas apresentadas podem ser usadas conjuntamente ou separadas. É importante entender que elas
podem ser usadas em qualquer tipo de empresa e nenhuma apresenta alto grau de complexidade. Cada ferramenta
apresenta sua importância e funcionalidade, que juntas formam as 7 ferramentas da qualidade, reconhecidas
mundialmente.

Por meio da garantia da qualidade, uma empresa consegue atender as necessidades e especificações do cliente,
melhorar seus produtos; e consequentemente potencializar os resultados organizacionais.

20
“ A qualidade é a nossa melhor garantia da fidelidade do
cliente, a nossa mais forte defesa contra a competição
estrangeira e o único caminho para o crescimento e
para os lucros. ”

Lendário CEO, Jack Welch

21
Sobre a Voitto

Com um modelo de gestão inovador, a Voitto promove a capacitação de estudantes, profissionais e


empresas em todo o território nacional. Especializada nas áreas de Lean Seis Sigma, Softwares Empresariais,
Sistemas de Gestão, Desenvolvimento Humano e Segurança Operacional, oferecemos treinamentos
orientados para o mercado de trabalho, transformando conhecimento em diferencial competitivo para
nossos clientes.

Por isso somos focados na geração de resultados através de uma metodologia de ensino dinâmica, própria e
personalizada, que articula teoria e prática através de aulas participativas e dinâmicas, permitindo a aplicação
imediata dos conteúdos abordados em sua rotina de trabalho.

www.voitto.com.br

22
Transformando conhecimento em diferencial competitivo
www.voitto.com.br /voittodesenvolvimento @voittotreinamento Voitto Treinamento e Desenvolvimento