Вы находитесь на странице: 1из 6

Teste de avaliação – 11.

o Ano
Versão 1

Nome _____________________________________________ Ano ________ Turma _________ N.o _______

Grupo I
Apresenta as tuas respostas de forma bem estruturada.

PARTE A
Lê o texto.
CENA III
MADALENA, TELMO, MARIA

Maria (entrando com umas flores na mão, encontra-se com Telmo, e o faz tornar para a cena) […]
– Que é do romance que me prometestes? Não é o da batalha, não é o que diz:
Postos estão, frente a frente,
Os dois valorosos campos;
5 é o outro, é o da ilha encoberta onde está el-rei D. Sebastião, que não morreu e que há de vir, um
dia de névoa muito cerrada… Que ele não morreu; não é assim, minha mãe?
Madalena – Minha querida filha, tu dizes coisas! Pois não tens ouvido, a teu tio Frei Jorge e a teu
tio Lopo de Sousa, contar tantas vezes como aquilo foi? O povo, coitado, imagina essas quimeras para
se consolar na desgraça.
10 Maria – Voz do povo, voz de Deus, minha senhora mãe: eles que andam tão crentes nisto, alguma
coisa há de ser. Mas ora o que me dá que pensar é ver que, tirado aqui o meu bom velho Telmo (chega-
se toda para ele, acarinhando-o), ninguém nesta casa gosta de ouvir falar em que escapasse o nosso
bravo rei, o nosso santo rei D. Sebastião. – Meu pai, que é tão bom português, que não pode sofrer
estes castelhanos, e que até às vezes dizem que é de mais o que ele faz e o que ele fala... em ouvindo
15 duvidar da morte do meu querido rei D. Sebastião… ninguém tal há de dizer, mas põe-se logo outro,
muda de semblante, fica pensativo e carrancudo: parece que o vinha afrontar, se voltasse, o pobre do
rei. – Ó minha mãe, pois ele não é por D. Filipe; não é, não?
Madalena – Minha querida Maria, que tu hás de estar sempre a imaginar nessas coisas que são
tão pouco para a tua idade! Isso é o que nos aflige, a teu pai e a mim; queria-te ver mais alegre, folgar
20 mais, e com coisas menos…
Maria – Então, minha mãe, então! – Veem, veem?... também minha mãe não gosta. Oh! essa
ainda é pior, que se aflige, chora… ela aí está a chorar… (Vai-se abraçar com a mãe, que chora.) Minha
querida mãe, ora pois então! – Vai-te embora, Telmo, vai-te: não quero mais falar, nem ouvir falar de
tal batalha, nem de tais histórias, nem de coisa nenhuma dessas. – Minha querida mãe!
Almeida Garrett, Frei Luís de Sousa, 3.ª edição, Lisboa, Editorial Comunicação, 1994, pp. 103-107.

1. Explica a evolução do estado de espírito de D. Madalena ao longo desta cena.

2. Justifica o espanto de Maria perante a contradição das atitudes do pai.

3. Explicita dois dos traços que caracterizam a jovem, justificando a resposta com elementos textuais
pertinentes.

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 1


PARTE B
Lê o texto.
Mas para que da admiração de uma tão grande virtude vossa passemos ao louvor, ou inveja de
outra não menor; admirável é igualmente a qualidade daqueloutro peixezinho a que os Latinos
chamaram Torpedo. […] Está o pescador com a cana na mão, o anzol no fundo e a boia sobre a água,
e em lhe picando na isca a Torpedo, começa a lhe tremer o braço. Pode haver maior, mais breve, e
5 mais admirável efeito? De maneira que num momento passa a virtude do peixezinho, da boca ao anzol,
do anzol à linha, da linha à cana, e da cana ao braço do pescador. Com muita razão disse que este
vosso louvor o havia de referir com inveja. Quem dera aos pescadores do nosso elemento, ou quem
lhes pusera esta qualidade tremente, em tudo o que pescam na terra! Muito pescam; mas não me
espanto do muito: o que me espanta é que pesquem tanto, e que tremam tão pouco. Tanto pescar, e
10 tão pouco tremer? Pudera-se fazer problema: onde há mais pescadores, e mais modos, e traças de
pescar, se no mar, ou na terra. E é certo que na terra. Não quero discorrer por eles, ainda que fora
grande consolação para os peixes: baste fazer a comparação com a cana, pois é o instrumento do nosso
caso. No mar pescam as canas, na terra pescam as varas (e tanta sorte de varas), pescam as ginetas,
pescam as bengalas, pescam os bastões, e até os cetros pescam, e pescam mais que todos, porque
15 pescam Cidades, e Reinos inteiros. Pois é possível que pescando os homens coisas de tanto peso lhes
não trema a mão, e o braço? Se eu pregara aos homens, e tivera a língua de Santo António, eu os fizera
tremer. Vinte e dois pescadores destes se acharam acaso a um Sermão de Santo António, e as palavras
do Santo os fizeram tremer a todos de sorte, que todos tremendo se lançaram a seus pés, todos
tremendo confessaram seus furtos, todos tremendo restituíram o que podiam (que isto é o que faz
20 tremer mais neste pecado, que nos outros), todos enfim mudaram de vida, e de ofício, e se
emendaram.
Padre António Vieira, Obra completa (dir. de José Eduardo Franco e Pedro Calafate), capítulo III, tomo II, volume X:
Sermões Hagiográficos I, Lisboa, Círculo de Leitores, 2013, pp. 146-147.

4. Explica o sentido da expressão «Tanto pescar, e tão pouco tremer?» (linhas 9 e 10), considerando a
comparação entre o mar e a terra.

5. Explicita a analogia estabelecida pelo Padre António Vieira entre o peixe Torpedo e Santo António.

6. Completa as afirmações abaixo apresentadas, selecionando da tabela a opção adequada a cada


espaço.
Neste excerto, são utilizados alguns recursos expressivos frequentes no «Sermão de Santo
António»: na expressão «Tanto pescar, e tão pouco tremer?» (linhas 9-10), está presente uma
____a)____; a metáfora ocorre, por exemplo, em ____b)____.

a) b)
1. personificação 1. «começa a lhe tremer o braço» (linha 4)
2. antítese 2. «Pode haver maior, mais breve, e mais
admirável efeito?» (linhas 4-5)
3. metáfora
3. «pescadores do nosso elemento» (linha 7)
4. comparação
4. «é o instrumento do nosso caso» (linhas 12-13)

2 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


PARTE C

7. Lê o excerto seguinte da obra Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett.


«Mas ora o que me dá que pensar é ver que, tirado aqui o meu bom velho Telmo (chega-se toda
para ele, acarinhando-o), ninguém nesta casa gosta de ouvir falar em que escapasse o nosso bravo
rei, o nosso santo rei D. Sebastião.»

Escreve uma breve exposição na qual comproves que D. Sebastião é a figura do passado desejada
por uns e receada por outros.

A tua exposição deve incluir:


• uma introdução ao tema;

• um desenvolvimento no qual explicites um aspeto por que D. Sebastião é desejado e outro


aspeto por que é receado, fundamentando cada um deles com uma referência pertinente à
obra;
• uma conclusão adequada ao desenvolvimento do tema.

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 3


Grupo II

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, seleciona a opção correta.


Escreve, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida.

Lê o texto.

Frei Luís de Sousa regressa ao Teatro D. Maria ao fim de 20 anos


Um «monumento» que «deve estar disponível de tempos a tempos para ser visitado pelo público»,
é como o encenador Miguel Loureiro classifica Frei Luís de Sousa, que estreia nova versão, no Teatro
D. Maria, em Lisboa.
Admirador confesso da obra de Almeida Garrett (1789-1854), tanto da literatura de viagens como
5 da dramaturgia e da lírica «mais lamechas», Miguel Loureiro encena a peça que subiu pela primeira
vez ao palco em 1843 e é baseada na vida de Frei Luís de Sousa (1555-1632), o nome adotado pelo
frade Manuel de Sousa Coutinho.
Considerando que a peça tem «uma escrita muito bonita», e que é «um exercício de português
absolutamente maravilhoso para um palco», Miguel Loureiro afirmou à imprensa que a peça que leva
10 a cena «segue absolutamente o cânone». Assegura que pegou neste drama em três atos, «acreditando
na lenda que está por trás dele, acreditando nas linhas de pensamento que o texto tem sobre a questão
do sebastianismo, a questão da saudade, a questão de uma projeção de Portugal que se cumpre ou
não, sobre um projeto político diferente para o país».
Excetuando «duas ou três frases mais pietistas» e «um ou outro gesto mais expressivo», a
15 encenação de Miguel Loureiro de Frei Luís de Sousa não se excede em lamúrias, choros ou gritos,
pautando-se antes pelo comedimento e contenção. «Sem trair o espírito do texto original, das fábulas
e das fantasmagorias que contém», Miguel Loureiro disse ter tentado «tocar nas teclas todas» do
drama garrettiano, «sem carregar muito na tecla político-nacionalista que a peça tem».
Acrescentou ter seguido mais «pela zona de uma certa sombra, de uma certa névoa», o que está
20 também patente na cenografia de André Guedes, assim como na cena em que Manuel de Sousa
Coutinho deita fogo à própria casa, em Almada, para que os governadores do reino não se
apoderassem dela para escapar à peste negra que grassava em Lisboa na época.
A ação da peça de Almeida Garrett decorre em pleno domínio dos Filipes de Espanha em Portugal,
época em que o mito do sebastianismo ainda estava muito presente na sequência do desaparecimento
25 do rei na Batalha de Alcácer Quibir.
Esta peça surge de um desafio que José Luís Ferreira, antigo diretor do S. Luiz, lançou a Miguel
Loureiro, disse o encenador. O diretor do D. Maria II achou que seria bom fazê-lo na sala Garrett, já
que foi o autor romântico que propôs a edificação daquele teatro no Rossio.
Vinte anos depois da última encenação desta peça de Almeida Garrett no D. Maria II – a de Carlos
30 Avilez, em 1999 –, Tiago Rodrigues, diretor artístico do Teatro Nacional, achou que era tempo de a
fazer aqui, argumentou Miguel Loureiro.
Agência Lusa, «Frei Luís de Sousa regressa ao Teatro D. Maria ao fim de 20 anos»,
disponível em https://www.dn.pt/lusa (texto com adaptações e supressões,
consultado em outubro de 2019).

4 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano


1. No primeiro parágrafo do texto, o uso das aspas serve para
(A) introduzir o discurso direto e uma ironia.
(B) assinalar a presença do discurso indireto e de uma hipérbole.
(C) reproduzir o diálogo e destacar uma alegoria.
(D) delimitar uma citação e uma metáfora.

2. A encenação de Miguel Loureiro de Frei Luís de Sousa


(A) excede-se em lamúrias, contendo várias frases pietistas, muito choro e gritos.
(B) rege-se por um tom moderado, excetuando alguns apontamentos mais dramáticos.
(C) pauta-se pelo comedimento, já que segue absolutamente o cânone trágico.
(D) configura-se lamechas, embora as cenas pietistas, o choro e os gritos sejam pontuais.

3. A opção do encenador «pela zona de uma certa sombra, de uma certa névoa» (linha 19)
(A) evidencia a importância dada à vertente político-nacionalista da obra.
(B) homenageia o mito do sebastianismo, que percorre a obra.
(C) traduz-se no cenário ou, por exemplo, na cena do incêndio do palácio de Almada.
(D) glorifica o contexto da obra em que o desaparecimento de D. Sebastião era recente.

4. Nos contextos em que ocorrem, as palavras destacadas em «pautando-se antes pelo comedimento e
contenção» (linha 16) contribuem para a coesão
(A) lexical por sinonímia.
(B) lexical por repetição.
(C) gramatical referencial.
(D) gramatical frásica.

5. As orações subordinadas introduzidas por que em «Miguel Loureiro afirmou à imprensa que a peça
que leva a cena segue absolutamente o cânone» (linhas 9 e 10) são
(A) adjetiva relativa restritiva e substantiva completiva, respetivamente.
(B) substantiva completiva e adjetiva relativa restritiva, respetivamente.
(C) substantiva relativa e adjetiva relativa restritiva, respetivamente.
(D) ambas adjetivas relativas restritivas.

6. Indica os referentes das palavras sublinhadas.


a) «a de Carlos Avilez» (linhas 29 e 30).
b) «achou que era tempo de a fazer aqui» (linhas 30 e 31).

7. Identifica a função sintática do constituinte «Admirador confesso da obra de Almeida Garrett (1789-
-1854)» (linha 4).

Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano 5


Grupo III

Observa o cartoon de Nardi, A força da resistência, 2018.

Redige uma apreciação crítica do cartoon, bem


estruturada, com um mínimo de duzentas e um máximo
de trezentas palavras.

No teu texto deves abordar os seguintes tópicos, entre


outros:
– descrição objetiva do cartoon;
– simbolismo da imagem e a pertinência do título;
– relação com a atitude de Manuel de Sousa
Coutinho, no final do Ato I de Frei Luís de Sousa;
– comentário crítico, devidamente fundamentado.

Observações:

1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco,
mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen (ex.: /dir-se-ia/). Qualquer número conta como uma
única palavra, independentemente do número de algarismos que o constituam (ex.: /2019/).

2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados – entre duzentas e trezentas e cinquenta palavras –,
há que atender ao seguinte:
– um desvio dos limites de extensão indicados implica uma desvalorização parcial (até 5 pontos) do texto
produzido;
– um texto com extensão inferior a oitenta palavras é classificado com zero pontos.

COTAÇÕES
Item
Grupo
Cotação (em pontos)

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.
I
16 16 16 16 16 8 16 104

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7.
II
8 8 8 8 8 8 8 56

III Item único


40
TOTAL 200

6 Editável e fotocopiável © Texto | Mensagens 11.o ano