Вы находитесь на странице: 1из 13

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

CENTRO DE TECNOLOGIA

INSTITUTO DE QUÍMICA E BIOTECNOLOGIA

CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Luiz Eduardo de Araujo Oliveira

Yasmin de Araújo Xavier

ENTALPIA DE NEUTRALIZAÇÃO

MACEIÓ

2019
Luiz Eduardo de Araujo Oliveira

Yasmin de Araújo Xavier

ENTALPIA DE NEUTRALIZAÇÃO

Relatório solicitado pela Professora


Carmem Lúcia para obtenção de
nota referente ao 3° semestre na
disciplina de Laboratório de
Química 2.

Maceió
2019
Sumário

1. INTRODUÇÃO ........................................................................................................ 3
2. OBJETIVOS ............................................................................................................ 6
3. MATERIAIS E MÉTODOS....................................................................................... 5
4. RESULTADOS E DISCUSSÕES ............................................................................ 6
5. CONCLUSÃO.......................................................................................................... 9
6. REFERÊNCIAS ..................................................................................................... 10
ANEXOS.....................................................................................................................11
3

1. INTRODUÇÃO

A termoquímica é um ramo da química que estuda o envolvimento da


quantidade de calor(energia) e mudança de estados físicos em reações químicas.
Em muitos processos químicos pode ser difícil garantir condições de volume
constante no sistema, no entanto, considerando que muitos experimentos são
realizados em contato com a atmosfera, a pressão constante é um parâmetro mais
fácil de ser obtido. Essa energia a volume constante é denominada entalpia e é
representada pelo símbolo H. [1] Sua definição fundamental é:

𝐻 = 𝑈 + 𝑝𝑉 (1)

Se o processo for conduzido a pressão constante ou volume constante a


entalpia torna-se uma função de estado, ou seja, não depende do caminho
percorrido. Quando uma reação química ocorre, as identidades químicas se
modificam, ou seja, há uma variação de entalpia no sistema e essa variação é
resultante da energia final do sistema (entalpia do produto) subtraído da energia
inicial do sistema (entalpia do reagente), matematicamente essa relação é descrita
assim:

∆𝐻 = ∆𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑡𝑜𝑠 − ∆𝑟𝑒𝑎𝑔𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 (2)

Se a entalpia dos produtos for menor que a dos reagentes teremos uma
variação negativa, ou seja, o sistema está liberando energia na forma de calor, esse
processo leva o nome de exotérmico. De forma análoga, um sistema que tem a
variação de entalpia maior nos produtos, se comparado aos reagentes, o sistema
absorve calor e leva o nome de endotérmico. [2]

O calor de neutralização de uma solução é o calor envolvido em uma reação


de neutralização de um ácido e uma base com formação de um mol de água. Para
um ácido forte com uma base forte o calor de neutralização é de -13,71 kcal mol-1.
Note que o valor do calor de neutralização é negativo o que significa que a reação
de um ácido forte com uma base forte libera calor, logo exotérmica e ∆𝐻 < 0. [2]
4

2. OBJETIVOS

A prática tem como objetivo determinar a capacidade calorífica do calorímetro


e o calor de neutralização de ácidos fortes e fracos.
5

3. MATERIAIS E MÉTODOS

3.1 Materiais, reagentes e equipamentos

• 1 Copo de isopor (calorímetro);


• 2 Proveta;
• 3 Béquer;
• Termômetro;
• HCl 1M;
• NaOH 1M;
• CH3COOH 1M.

3.2 Procedimento

a) Determinação da capacidade calorífica do calorímetro


Colocou-se no calorímetro 40mL de água destilada na temperatura ambiente,
esperou-se 1min e mediu-se a temperatura. Em um béquer colocou-se 40mL de
água destilada e aqueceu-se até uma temperatura de aproximadamente 60°C.
Juntou-se as duas quantidades de água no calorímetro e mediu-se a temperatura
resultante, em seguida repetiu-se o procedimento mais duas vezes.

b) Determinação do calor de neutralização do HCl com NaOH e HOAc com


NaOH

Colocou-se 40mL de solução de HCl no calorímetro e esperou-se a


temperatura estabilizar, anotando-a em seguida. Colocou-se 40mL da solução de
NaOH em uma proveta e mediu-se a temperatura da solução, em seguida verteu-se
a solução no calorímetro e anotou-se a temperatura resultante da solução formada.
Logo após, repetiu-se o processo por mais duas para estas soluções e mais três
vezes mudando o ácido clorídrico para o acético.
6

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4.1 Determinação da capacidade calorifica do calorímetro

No experimento foi empregado um calorímetro de isopor, material que atua


como isolante térmico, o que torna o sistema adiabático. A determinação da
capacidade calorifica foi realizada a partir de uma análise em triplicata e os
resultados de temperatura estão dispostas na tabela a seguir:

Experimento Temperatura da Temperatura da Temperatura da


água no água aquecida / mistura / °C
calorímetro / °C °C
1 27,5 60,0 42,8
2 27,8 59,7 42,8
3 27,8 60,2 43,2
Tabela 1: Temperaturas medidas para alíquotas de água antes e após a mistura

Com base nos dados acima e na equação a seguir, determinou-se a


capacidade calorifica do calorímetro - C cal/g °C.

𝑚1 𝑐1 ∆𝑡1 + 𝑚2 𝑐2 ∆𝑡2 + 𝐶∆𝑡 = 0 (I)

Os resultados de capacidade calorificam estão dispostos na tabela abaixo

Experimento Capacidade calorifica (cal/g ºC)


1 4,967
2 5,067
3 4,156
Tabela 2: Resultados da capacidade calorífica

Para determinar a capacidade calorifica utilizou-se a média simples dos


valores determinados para cada experimento, obtendo-se, então, 4,730 cal/gºC.
7

4.2 Determinação do calor de neutralização do HCl com o NaOH.

A tabela a seguir contém as temperaturas medidas para a respectiva reação


de neutralização.

Experimento Temperatura do Temperatura do Temperatura da


HCl / °C NaOH / °C da mistura após
reação de
neutralização / °C

1 27,3 27,3 33,5


2 27,0 27,5 33,3
3 27,0 27,5 33,1
Tabela 3: Temperaturas medidas durante a reação de neutralização entre HCl e NaOH.

Com base nos resultados acima, na capacidade calorifica do calorímetro


calculado no item 4.1 e assumindo a capacidade calorifica das soluções igual a
1cal/g °C, calculou-se o calor liberado na reação e, consequentemente, a entalpia
desta com base na relação descrita abaixo:

∆𝐻 = 𝑄𝑝 = 𝑚1 𝑐1 ∆𝑡1 + 𝑚2 𝑐2 ∆𝑡2 + 𝐶∆𝑡 (II)

A relação acima pode ser empregada sob a justificativa da reação ser realizada a
pressão constante.

Na qual m1 o é a massa de NaOH da solução e m2 a massa de HCl presente


na alíquota, assim como C é a capacidade calorífica do calorímetro. A partir disso
obteve-se as seguintes entalpias (cálculos em anexos).

Experimento ∆𝐻 (cal/mol)
1 -13133,141
2 -12844,966
3 -12421,316
Tabela 4: Variações de entalpia calculadas para a reação de neutralização de NaOH e HCl

Desse modo, obteve-se uma entalpia média, por média simples, para a
reação de -12799,808 cal/mol. Assim pode-se escrever a reação analisada como:

NaOH(aq) + HCl(aq) → H2O(l) + NaCl(aq) ∆𝐻= -12799,808 cal/mol


8

4.3 Determinação do calor de neutralização da reação de NaOH com H3CCOOH

As temperaturas medidas durante a reação estão dispostas na tabela 3.

Experimento Temperatura do Temperatura do Temperatura da


HOAc / °C NaOH / °C da mistura após
reação de
neutralização / °C

1 27,3 27,3 32,8


2 27,5 27,5 32,8
3 27,3 27,5 32,9
Tabela 5: Temperaturas medidas na reação de neutralização entre H3CCOOH com NaOH

Para determinar o calor de neutralização partiu-se da mesma relação utilizada


no item anterior, assumindo a capacidade calorífica das soluções iguais a 1cal/g °C
e obteve-se os resultados dispostos na tabela 4.

Experimento ∆𝐻 (cal/mol)
1 -11650,37
2 -11426,72
3 -11650,37
Tabela 6: Variações de entalpia calculadas para a reação de neutralização de NaOH e H 3CCOOH

Verificou-se, então, uma variação de entalpia média de -11575,82 cal/mol.

Pode-se notar que essa variação é menor que a encontrada para a reação de
neutralização entre o HCl e o NaOH. Essa tendência deve-se ao fato do H3COOH
ser um ácido fraco com Ka=1,75 x 10-5 [3]. Isso implica em uma dissolução
incompleta que disponibiliza menos moléculas para a reação de neutralização.
9

5. CONCLUSÃO

Mediante o experimentou obteve-se uma capacidade calorifica para o


calorímetro utilizado de 4,730 cal/gºC., assim como entalpias de neutralização de -
12799,808 cal/mol e -11575,82 cal/mol., para as reações do NaOH com o HCl e o
H3COOH, respectivamente. Como o ácido acético é um ácido fraco, ele apresenta
calor de neutralização menor, previsão que pode ser verificada no experimento.
10

REFERÊNCIAS
[1] ATKINS, P. W.; PAULA, Julio de. Físico-química. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC,
2008. 2 v. ISBN 9788521616009 (v.1).
[2] BALL, David W. Físico-química. São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning,
2005-2006. 2 v. ISBN 8522104174 (v. 2)
[3] HAGE, David S. ; Carr, James D. Química Analítica e análise quantitativa. 1 ed.
São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2012.
11

ANEXOS
1. Determinação dos calores de neutralização.

Para determinar a entalpia de neutralização utilizou-se a equação a seguir e


os dados da tabela 4. As densidades das soluções foram consideradas iguais a
1g/mL e para determinar a entalpia molar partiu-se da massa molar do NaOH e da
massa deste presente na alíquota utilizada, 1,6g.

∆H=Qp (cal) =mNaOH × 1cal/g°C × ∆T + mHCl × 1cal/g°C × ∆T + C × ∆T

Onde C é a capacidade calorífica calculada em 4.1.

Para determinar a entalpia molar partiu-se a relação abaixo

1,6g ___ -525,326cal

40g/mol ___ X
−525,326 ×40
X=( ) 𝑐𝑎𝑙/𝑚𝑜𝑙 = -13133,141cal/mol
2,03

∆H(cal) ∆H (cal/mol)
-525,326 -13133,141
-513,799 -12844,966
-496,853 -12421,316
Tabela 7: Entalpias de neutralização de NaOH em solução de HCl

Para determinar a entalpia molar da reação entre ácido acético e NaOH


partiu-se das mesmas relações descritas para o HCl e dos dados da tabela 6,
considerando, agora, para a conversão para mol a massa do ácido acético da
alíquota utilizada, 2,4 g. Os resultados estão contidos na tabela 8.

∆H(cal) ∆H (cal/mol)
-525,326 -13133,141
-513,799 -12844,966
-496,853 -12421,316
Tabela 8: Entalpias de neutralização de NaOH em solução de H3CCOOH.
12