Вы находитесь на странице: 1из 11

SISTEMAS DIGITAIS 1

Módulo 5 – Prof. Corradi - www.corradi.junior.nom.br

FAMÍLIAS LÓGICAS

 Uma família digital é um grupo de dispositivos compatíveis com os mesmos níveis


lógicos e tensões de alimentação, por isso você pode conectar diretamente a saída de um
dispositivo na entrada de outro se ambos forem da mesma família digital. Para conectar
dispositivos de famílias diferentes, geralmente há a necessidade de uma interface entre
ambas.

As famílias lógicas podem ser classificadas como:

RTL - lógica resistor-transistor (obsoleta)


DTL - Lógica diodo-transistor (obsoleta)
DCTL - Lógica transistor acoplamento direto
TTL - Lógica transistor-transistor (mais popular)
ECL - Lógica emissor-acoplado
PMOS - Lógica MOSFETs de canal-p (obsoleta)
NMOS - Lógica MOSFETs de canal-n
CMOS - Lógica MOSFETs complementares (mais popular)

Comparação entre as famílias:

Tempo de Imunidade a
Família Potência (mW) Fan Out
Atraso (ns) ruído (V)
DTL 10 30 0,8 7
RTL 10 12 alta 5
DCTL baixa baixa 2
TTL 10 33 1 10
TTL (F) 4 2,7 1 10
TTL (S) 13 3 1 10
TTL (LS) 2 10 1 10
ECL 500 3 baixa
MOS 10 300 alta 20
CMOS 10 60 alta 50

As famílias podem ser classificadas quanto ao seu grau de integração:

SSI - Integração em pequena escala - CIs com menos de 12 portas por pastilha
MSI - Integração em média escala - de 13 a 99 portas por pastilha
LSI - Integração em alta escala - de 100 a 1000 portas por pastilha
VLSI - Integração em muito alta escala - mais de 1000 portas por pastilha
SISTEMAS DIGITAIS 2
Módulo 5

As figuras abaixo mostram algumas configurações de portas:

Família Lógica Diodo-Transistor:

Família Lógica Resistor-Transistor:

Família Lógica Transistor acoplamento Direto:


SISTEMAS DIGITAIS 3
Módulo 5

Família Lógica Transistor-Transistor:

TTL de três-estados (tri-state):

É um TTL modificado que permite conectar as saídas diretamente, sem a


necessidade de usar os dispositivos de coletor aberto, possui uma capacidade maior de
fornecer corrente. A vantagem é a redução do tempo de comutação necessário para mudar o
estado de saída. A figura seguinte mostra uma porta NAND com saída em tri-state.
SISTEMAS DIGITAIS 4
Módulo 5

Família CMos
(Semicondutor de óxido metálico complementar)

A família CMos é construída com transistor de efeito de campo (FET) de


semicondutor de óxido metálico complementar, ou MosFET. O transistor de efeito de
campo (FET) possui uma fonte, uma porta e um dreno. A figura abaixo mostra um FET
tipo intensificação canal n.

Os elétrons livres fluem da fonte (região n inferior) para o


dreno (região n superior), sendo que a porta controla o fluxo
de elétrons.

A figura ao lado mostra a configuração


básica de um FET canal n

A figura abaixo mostra os símbolos dos Mos canal p e Mos canal n:


SISTEMAS DIGITAIS 5
Módulo 5

Abaixo é mostrado as configurações de algumas portas digitais utilizando FETs:

COLETOR ABERTO

São dispositivos que suas saídas possuem um transistor nos quais o coletor não tem
ligação (ou está em aberto). Nestes componentes as saídas devem ser ligadas à alimentação
(Vcc) através de um resistor (conhecido com resistor elevador).
SISTEMAS DIGITAIS 6
Módulo 5

A vantagem desse componente está na possibilidade de poder alimentar um outro


circuito que exija uma corrente maior do que aquela que a família TTL consegue fornecer.

A família TTL tem como características gerais:

IOL = 16 ma (Corrente de saída em nível baixo)


IOH = - 400 µa (Corrente de saída em nível alto)
IIL = -1,6 ma (Corrente de entrada em nível baixo)
IIH = 40 µa (Corrente de entrada em nível alto)
VOL = 0,4 V (Corrente de saída em nível baixo)
VOH = 2,4 V (Corrente de saída em nível alto)

Onde os índices: O - Output (saída)


I - Input (entrada)
L - Low (baixo)
H - High (alto)

OBS: O sinal negativo indica que a corrente é para fora do dispositivo, enquanto que o
sinal positivo significa que a corrente é para dentro do dispositivo.

FAN-OUT
Fan-Out (ou saída em leque) é a quantidade de portas lógicas que podem ser
conectadas na saída de uma outra porta lógica da mesma família. É dada pela fórmula:

Fan-Out = min (nH, nL)

Onde: nH = IOH nL = IOL


IIH IIL

Para um TTL:
NH = -400 µa = 10 nL = 16 mA = 10
40 µa 1,6 mA

Fan-Out TTL = min(10,10) = 10


Isto quer dizer que podemos conectar até 10 cargas TTL numa saída TTL padrão.
SISTEMAS DIGITAIS 7
Módulo 5

Para conectar mais cargas, a porta de saída deveria ser capaz de fornecer mais
corrente. Uma forma de realizar isso seria através das portas de coletor aberto. Por
exemplo, para alimentar 15 cargas TTL pode-se usar o C.I. 7401 (4 portas NAND de
coletor aberto):

Cálculo do Resistor Elevador:

Valor mínimo: Re = V = Vcc – VOL


I (No. Carga * IIL) - IOL

Valor máximo: Re = V = Vcc – VOH


I (No. Carga * IIH) - IOH

No exemplo para 15 cargas TTL, temos:

Re (min) = Vcc – VOL = 5 – 0,4 = 575 Ω


(No. Carga * IIL) - IOL (15 * 1,6 m) – 16 m

Re (max) = Vcc – VOH = 5 - 2,4 = 13.000 Ω


(No. Carga * IIH) - IOH (15 * 40 µ) - 400 µ

OBS.: Quanto maior o valor do resistor elevador, menor será a velocidade de comutação do
dispositivo.
SISTEMAS DIGITAIS 8
Módulo 5

ACIONAMENTO DE LED

Um LED para ser acesso precisa ter uma queda de tensão em cima dele de 2V e uma
corrente na faixa de 10 mA até 25 mA. A figura abaixo mostra como se pode acionar ou
não um LED:

Na figura A: Corrente de saída baixa da porta NAND = 16mA (Usar uma corrente de 15
mA)
Queda de tensão do LED = 2V
Cálculo do Resistor:

R = V = Vcc – VLED = 5 – 2 = 3 = 200 Ω


I 15 m 15 m 15 m

Na figura B: Corrente de saída alta da porta NAND = 400 µA. Esta corrente é muito
baixa, não dá para acionar o LED, uma vez que o LED precisa de pelos menos 10 mA.

Na figura C: Uma maneira de acionar o LED utilizando um transistor como drive.


Calcular primeiro o resistor R1. Considerando a queda do LED de 2 V e uma corrente de 20
mA, temos:

R1 = Vcc – VLED = 5 - 3 = 150 Ω


ILED 20 m

Para funcionar com chave o transistor deve ter o resistor de base igual a 10 vezes o resistor
de coletor:

Rx = 10. R1 = 1k5 Ω
SISTEMAS DIGITAIS 9
Módulo 5

INTERFACE TTL PARA CMOS

Usando a mesma tensão de alimentação:

O problema na ligação entre uma porta TTL e uma porta CMOS acontece no nível
alto. O TTL pode fornecer um nível alto de saída de 2,4 V até 5 V, mas o CMOS só
reconhece o nível alto a partir de 3,5 V. Para o nível baixo o problema não ocorre, uma vez
que a janela TTL baixa se encaixa na janela CMOS baixa:

Uma solução para este problema seria utilizar o resistor elevador:

Na figura acima temos o valor padrão do resistor, mas o mesmo pode ser calculado por:

R(min): Vcc – VOL


IOL
SISTEMAS DIGITAIS 10
Módulo 5

Usando tensões diferentes de alimentação:

Uma opção seria utilizar um TTL de coletor aberto:

Na figura acima temos o valor padrão do resistor, mas o mesmo pode ser calculado por:

R(min): Vcc – VOL


IOL

INTERFACE CMOS PARA TTL

Se usar um a carga TTL Schottky de baixa potência a ligação entre o CMOS e o


TTL pode ser feita diretamente:

TTL CMOS
IIL = -360 µA IOL = 360 µA
IIH = 20 µA IOH = -360 µA
SISTEMAS DIGITAIS 11
Módulo 5

LIMITADOR SCHMITT

- Converte variações lentas na entrada em transições rápidas na saídas.


- Indicado para interface entre sinais de variações lentas e circuitos lógicos.

O circuito integrado (C.I.) 7414 contém 6 inversores limitadores Schmitt:

Consultas: Idoeta – cap.09


Malvino – vol.01 – cap.06 e 07