Вы находитесь на странице: 1из 5

O JUGO LEVE

"Vinde a mim, todos os que andais em sofrimentos e vos achais carregados, eu vos
aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde
de coração, e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e
o meu fardo é leve." ( Mateus XI: 28 a 30)

Talvez sejam, essas frases, as mais belas das proferidas por Jesus, as que mais tocam
o âmago de quem se sabe ainda muito imperfeito, sofrendo as agruras dessa
imperfeição, sentindo-se acarinhado, abraçado pelo Mestre Jesus.

Elas nos convidam à confiança em Deus, pois quem disse, foi um Irmão nosso,
criado da mesma maneira, tendo feito sua evolução, talvez sem tanto sofrimento,
por não haver sido tão rebelde como nós, membros da humanidade da Terra, mas
que conhece as nossas dificuldades em seguir as leis divinas.

Elas nos dizem: Não importa o que fizeram, o que fazem, vocês todos são meus
irmãos, eu os amo, portanto, venham a mim, ouçam a minha voz, entreguem-se às
minhas palavras, que refletem o amor de Deus por vocês, e deixem-se conduzir por
essas idéias, que são as leis divinas.

Os que assim o fazem, sentem-se confortados, aliviados, descansados, pois não mais
se sentem sós, abandonados. Sentirão sempre a presença de Jesus, estimulando-os
à prática dessas leis.

Raciocinando um pouco sobre essas frases, podemos fazer algumas indagações, tais
como :

- Por que Jesus se dirige aos que estejam em sofrimentos ?


- De que forma Ele os aliviará?
- O que significa tomar o seu jugo?
- Como esse jugo pode ser suave e o fardo leve?

Dirigindo-se aos que estejam em sofrimentos, está Jesus se dirigindo a toda a


humanidade, pois todos passam por momentos de sofrimentos, de vicissitudes.

Jesus sabia que nos momentos difíceis é que suas palavras podem ser melhor
compreendidas e aceitas, visto que , nos momentos agradáveis ou fáceis, seus
irmãos, ainda muito vinculados aos valores terrenos, não sentem a necessidade de
serem confortados, ou mesmo esclarecidos sobre as leis espirituais.

Dirigindo-se , pois aos que andam em sofrimento, está apenas escolhendo a melhor
ocasião de ser entendido e atendido.

O alívio que Jesus pode dar é o que vem da compreensão, da aceitação e do esforço
da prática das leis de Deus.
É saber que acima de tudo e de todos existe um Ser Superior, criador de tudo que
existe, um Ser perfeito, Absoluto nas suas qualificações, que nos criou para sermos
perfeitos e felizes.

É saber que a morte só existe para o corpo físico, que a vida é eterna, que o ser
espiritual, que somos todos, continua vivendo e aprendendo, através de
experiências, em meios diferentes, mas sempre inter- relacionando-se uns com os
outros; que os que se amam continuam se amando, e os que se odeiam sempre têm
a oportunidade de transformarem o ódio em amor; que a evolução é um
determinismo da lei divina e que ninguém a ela escapa; saber tudo disso, dá ao
homem a certeza de um futuro bom e agradável a todos, bem como confiança na
justiça e no amor de Deus.

As dores, os sofrimentos, todas as vicissitudes da vida na Terra, encontram, pois, o


alívio no conhecimento e aceitação das leis trazidas pelo Mestre Jesus.

Antes de continuarmos, vamos ver o significado da palavra jugo. No sentido


figurado: " Vínculo de submissão; preito de obediência. Domínio moral." ( Caldas
Aulete). " Submissão, obediência; autoridade, domínio."( Aurélio)

O jugo referido por Jesus é a observância da lei divina que Ele trouxe, que uma vez
entendida e aceita, estabelece um vínculo de submissão e obediência a Deus, que
deve levar o homem ao esforço de praticá-la no dia-a-dia.

Quem assim o faz, percebe que esse jugo, entendido, aceito e exercitado, alivia e
consola, tornando o fardo bem mais leve e mais fácil de carregar. Isso acontece
porque o sofredor, confiando nas leis de Deus, na Sua justiça, no Seu amor; sabe
que tem o que merece e o de que precisa para poder prosseguir seu processo
evolutivo. Isso o leva a confiar no futuro, a perceber as lições que ele pode
aproveitar nessas atribulações, podendo até vivê-las com alegria, tão leve o fardo se
torna, evitando também, novas infringências.

Kardec escreve que "esse jugo é leve e essa lei é suave, pois que impõem como
dever o amor e a caridade." Amor e caridade, jamais, em momento algum, podem
ser um fardo pesado!

Assim, esse jugo torna a vida bonita e estimulante, exaltando o valor do Bem, em
tudo e em todos, levando os homens a transcenderem a tudo que é material,
grosseiro, ilusório.

Leda de Almeida Rezende Ebner


Abril / 2006
CONSOLADOR PROMETIDO
" Se me amais, guardai os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e Ele vos dará
outro consolador, para que fique eternamente convosco, o Espírito de Verdade, a
quem o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece. Mas vós o
conhecereis, porque ele ficará convosco e estará em vós. - Mas o Consolador, que é
o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e
vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito."
( João, XIV: 15 a 17 e 26 ).

Nessas palavras de Jesus, parece-me bem clara a idéia de que Jesus se dirigia
a toda a humanidade e para todos os tempos, demonstrando como conhecia o
futuro e suas necessidades.

Sabia que somente o amor a ele, impulsionaria seus discípulos a


prosseguirem na divulgação de seus ensinos, através da palavra e do exemplo, por
isso, diz "Se me amais, guardai os meus mandamentos", na mente, no coração e nas
ações. E eles o fizeram, com tanto amor que seus ensinos não se perderam,
chegando até nós, sendo hoje percebidos com mais clareza, para permanecerem
para sempre conosco.

No item 4, desse capítulo, Kardec apresenta o espiritismo como sendo esse


consolador, prometido por Jesus, consoante às revelações dos Espíritos, com
argumentos comprobatórios.

Jesus promete um outro consolador , que é o Espírito de Verdade, que viria


mais tarde, quando a humanidade estivesse mais desenvolvida, mais amadurecida
para conhecê-lo. Esse outro, ensinaria todas as coisas e faria os homens lembrarem-
se de tudo que ele ensinara.

Se esse outro consolador viria para ensinar todas as coisas, é porque Jesus não
pudera ensinar tudo ou falar com mais clareza. E se faria os homens lembrarem-se
de tudo que ele havia dito, só pode significar que muitos dos seus ensinos seriam
esquecidos, ou mal compreendidos, ou adulterados.

O espiritismo, vindo, na segunda metade do século XIX, quando a Ciência


estabelecera o uso da razão na aceitação das verdades possíveis, após uma explosão
da mediunidade, trazendo revelações que poderiam ser comprovadas por métodos
científicos, aceitas pelo raciocínio e pela lógica dos fatos, é esse consolador
prometido.

O Espírito de Verdade preside todo esse acontecimento, conforme a


promessa de Jesus.

Surgiram, assim, a ciência espírita que investiga e torna visível e clara a


existência do mundo espiritual e seus habitantes e a filosofia espírita, explicando
quem somos , de onde viemos, o que aqui fazemos e para onde vamos, desaguando
suas descobertas na Moral Cristã, levando o homem a um sentimento religioso de
amor a Deus e ao próximo.

Então, todos os ensinos de Jesus, podendo ser comprovados de forma


racional, tornam-se claros, demonstrando se constituírem no ideal a ser atingido
pela humanidade, conforme asseverou Jesus : " " Eu sou o caminho, a verdade e a
vida e ninguém vai ao Pai senão por mim", ou seja pela vivência dos seus ensinos e
não pelo rótulo religioso ou filosófico.

O espiritismo demonstra como e porquê devemos transformarmo-nos em


melhores pessoas, através dessa vivência , sintetizada no amor a Deus acima de
todas a coisas e ao próximo como a si mesmo.

Ensinos esses, não mais aceitos pela fé cega, mas pela razão e sensibilidade,
pela lógica e pelo sentimento, para que o homem possa realizar seu
desenvolvimento espiritual.

Por isso, Kardec escreve: " O espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos,
porque ele fala sem figuras e alegorias. Levanta o véu, propositadamente, lançado
sobre certos mistérios e vem, por fim, trazer uma suprema consolação aos
deserdados da Terra e a todos os que sofrem, ao dar uma causa justa e um objetivo
útil a todas as dores."

O espiritismo vem explicar porquê e como " Bem-aventurados os aflitos


porque serão consolados", demonstrando que a causa das aflições está nas
infringências das leis divinas feitas pelos homens, levando-os a consolarem-se com a
justiça de Deus, que lhes dá as oportunidades de, com as conseqüências das faltas,
repararem as mesmas e corrigirem as imperfeições internas que deram origem a
elas, levando esses homens a verem nessas dificuldades, oportunidades de quitação
com a lei e de crescimento espiritual, que os levará ao determinismo divino, que é
ser perfeito e feliz.

" O espiritismo lhe dá uma fé inabalável no futuro, e a dúvida pungente não


tem mais lugar na sua alma. Fazendo-o ver as coisas do alto, a importância das
vicissitudes terrenas se perde no vasto e esplêndido horizonte que ele abarca e a
perspectiva da felicidade que o espera lhe dá a paciência, a resignação e a coragem
para ir até o fim do caminho."

Alguém, que estiver lendo, pode, neste momento, indagar: - Mas como
manter essa perspectiva de perfeição e felicidade, sempre, se esse determinismo
divino está tão distante de nós, habitantes da Terra?

A perfeição possível ao espírito imortal, realmente, está muito distante de


nós. Por isso mesmo, precisamos tê-la como finalidade a ser alcançada através das
reencarnações, pelo nosso esforço de desenvolver nosso potencial moral através
dos ensinos de Jesus, mais esclarecidos hoje pelos princípios espíritas.

Mas a felicidade do dever cumprido, do perceber-se um pouco mais


agradável e atencioso aos outros; do pegar-se em flagrante quando as emoções e os
sentimentos negativos estão ainda dentro do ser, e corrigi-los antes de serem
transformados ações negativas; do sentir pena do criminoso e pedir a Deus que o
proteja, ao invés de pensar : - "Pena de morte para ele" ou " Deve sofrer muito para
pagar"; do não mais sentir-se preso aos bens terrenos, procurando auxiliar quem
precisa, às vezes até privando-se da compra de algo para si; do esforço das
pequeninas renúncias dentro do lar em favor do próximo ou da tranqüilidade do
ambiente familiar; do sentir-se contente e feliz, ao levantar da cama, pela manhã,
com vontade de abraçar todo mundo... tantas outras inúmeras situações de alegria
e prazer, que podemos sentir, em nosso viver, mostram que já podemos gozar de
felicidade, aqui mesmo na Terra, e faz-nos pensar que quanto mais nos esforçarmos
para desenvolver o amor dentro de nós, de mais felicidade gozaremos.