Вы находитесь на странице: 1из 164

A CIDADE COMUNISTA

IDEAL
By Alexei Gutnov

A. Baburov

G. Djumenton

S. Kharitonova

I. Lezava

S. Sadovskij of Moscow University

TRADUÇÃO INGLÊS: RENEE NEU WATKINS

TRADUÇÃO PORTUGUÊS: CLERSON KLAUMANN JUNIOR


SUMÁRIO

PREFÁCIO .......................................................................................................... 1
I. HOJE E AMANHÃ ........................................................................................... 2
II. RELAÇÕES SOCIAIS E AMBIENTE URBANO ................................................. 11
III. PRODUÇÃO E AMBIENTE URBANO............................................................ 29
IV. ORGANIZAÇÃO DA VIDA DIÁRIA ............................................................... 51
V. TEMPO E LAZER .......................................................................................... 81
VI. ESTRUTURA DO AMBIENTE URBANO ........................................................ 97
VII. A UNIDADE FÍSICA DA NUS..................................................................... 125
PREFÁCIO por Giancarlo de Carlo

Este livro foi iniciado pela faculdade de arquitetura da Universidade de


Moscou no final dos anos cinquenta. Para a edição italiana de 1968, o
material foi ampliado e revisado pelos autores, um grupo de jovens
urbanistas, arquitetos e sociólogos, que representam uma renovação de ideias
e homens que está ocorrendo na Rússia Soviética, especialmente em áreas
relacionadas com a organização do ambiente físico. Seu trabalho é
particularmente original em suas suposições gerais, método de investigação e
escolha de modelos. Os autores se afastam da proposta de que a cidade deve
tentar restaurar os hábitos e a aparência do campo. Essa proposição, adaptada
do naturalismo burguês do século XIX, contradizia os fundamentos
ideológicos do comunismo. Em contraste, o que é proposto neste livro é a
urbanização mundial. O conceito de design dos autores, a Nova Unidade de
Assentamento, incorpora o campo com a cidade, concebendo tanto como uma
rede de comunicação, uniformemente intensa e difusa.
O método pelo qual essa proposição original é aplicada é tão novo quanto
à própria proposição. Não confiando mais em preconceitos acadêmicos, os
autores basearam suas propostas arquitetônicas e urbanas na análise da vida
na sociedade soviética existente e nas direções de mudança dentro dela.
Enquanto os modelos e as soluções formais são apenas esboçados e
apresentados hipoteticamente, eles se baseiam na rica herança deixada pela
arquitetura e urbanismo soviéticos nos anos vinte. Ao contrário dos
"reavivamentos" ocidentais da arquitetura, que consistentemente se voltam
para o passado e são pseudo-inovadores, a herança soviética sugere a ideia de
uma "tradição revolucionária" para servir de exemplo para o planejamento
orientado para o futuro.

Milão, Itália, Maio de 1970.


I. HOJE E AMANHÃ Hoje a cidade não
cumpre seu propósito essencial, que é ser uma comunidade orgânica.
Buscando novas abordagens, a arquitetura se esforça para criar a cidade do
futuro.
Precisamos encontrar uma estrutura que responda organicamente às
funções sociais e econômicas da nova vida urbana.
Precisamos entender como a arquitetura será transformada pela nova
estrutura funcional dos ambientes urbanos.
A CIDADE É UM EMARANHADO DE CONTRADIÇÕES

Os poderes criativos do arquiteto se voltam para o futuro.


Tudo o que está sendo construído hoje em nosso país está sendo
incorporado à subestrutura material da sociedade comunista. É a função do
planejamento, calcular as necessidades imediatas do futuro. No entanto, a
visão que parece fornecer uma base sólida sobre a qual construir um projeto
habitacional ou uma cidade pode revelar-se insuficiente no final, ou ser, de
alguma forma, irrelevante. Se é impossível prever com precisão o
desenvolvimento que ocorrerá daqui a vários anos. O tempo mostrará
inevitavelmente as limitações das soluções atuais.
Mudanças fundamentais na estrutura do ambiente urbano podem, no
entanto, ser antecipadas. O planejamento deve levar em conta essas
mudanças, e o amanhã não deve ser sacrificado para uma oportunidade
imaginada do momento.
O exame dos erros do passado pode nos ajudar a definir nosso problema
corretamente, mas mesmo o melhor trabalho de crítica não pode acabar com
o problema. Deve, em algum sentido positivo, ser resolvido.
Buscando novas abordagens na arquitetura, conscientes de suas
possibilidades crescentes, olhamos primeiro para a cidade.
A cidade incorpora as maiores realizações de nossa cultura material e
espiritual. Como organização inclusiva, conecta residência e fábrica, passado
e futuro, indivíduo e sociedade.
Mas a cidade contemporânea é um emaranhado de contradições, em parte
devido à complexidade de suas partes econômicas e sociais, e em parte
porque seu desenvolvimento anterior surgiu por meio de processos históricos
acidentais. Na União Soviética, em contraste com os países capitalistas, a
construção urbana está sendo realizada como parte de um plano unificado
para a economia nacional. Nosso planejamento urbano, no entanto, ainda não
conseguiu superar totalmente o caráter acidental do crescimento da cidade.
O desenvolvimento industrial intensivo muitas vezes traz mudanças
irreversíveis na estrutura funcional do ambiente, incluindo uma confusão de
áreas industriais e residenciais e a falta de um sistema de tráfego bem
Áreas de intensivo desenvolvimento industrial

definido. Planos urbanos antigos são incapazes de assimilar um fluxo


contínuo de população.
O planejamento urbano até o momento não deu consideração suficiente ao
crescimento incessante como um fator contínuo no desenvolvimento das
cidades. Só esta omissão é prova suficiente de que o pensamento teórico
presente nos campos da construção e do planejamento é inadequado para
dirigir um programa de construção comunista.
O surgimento de centros urbanos gigantescos, aglomerações humanas de
todo tipo, não é uma questão de sorte. O desenvolvimento da produção
socialista requer, e continuará a exigir, a criação de novos complexos
territoriais-industriais cada vez mais massivos; se é obrigado a reagrupar
vastas populações em pontos geográficos selecionados.
Em nossa busca por uma estrutura congruente, devemos assegurar que
aquela que definimos corresponda organicamente ao funcionamento social e
econômico do novo mundo urbano. Essa estrutura funcional deve ser uma
matriz ou, para ser preciso, um programa social para arquitetos e urbanistas
como organizadores do processo social no tempo e no espaço. Como modelo,
essa estrutura deve atender a todas as necessidades básicas de qualquer
ambiente urbano ou cidade, independentemente das características
específicas da situação e independentemente da criatividade do arquiteto
individual.

I. Anos a partir de 1800.


Em 2000, a população
urbanizada constituirá
75% da população total do
globo.
I. Áreas rurais - pop.
abaixo de 5.000
2. Cidades - pop.
entre 5.000 e 20.000
3. Cidades - pop.
entre 20.000 e 100.000
4. Cidades - pop. acima
de 100.000
2. Anos a partir de 1800. O
crescimento da população
urbanizada nos EUA foi
consideravelmente maior
que o crescimento de sua
população total.
I. Crescimento do pop
urbanizado, U.S.S.R.
2. Crescimento do total
pop, U.S.S.R.

Hoje, dado o tráfego de automóveis e serviços ao consumidor, o


microsetor planejado representa a modernização definitiva do bloco
residencial da cidade. O microssetor, no entanto, como uma unidade
estrutural básica para áreas residenciais contemporâneas, não satisfaz todas as
complexas necessidades sociais, econômicas e técnicas envolvidas. O
resultado: más condições de saúde e saneamento, frustrações no trânsito,
grande perda de tempo e isolamento dos indivíduos em espaços
extremamente confinados.
RELACIONAMENTO SOCIAL. Qual deve ser a relação
dos ambientes urbanos com a natureza? Para produção? Quais meios
expressivos são legítimos para projetá-los, etc.?
Estas são perguntas que surgem para qualquer um que tente estabelecer
critérios para avaliar propostas arquitetônicas específicas. Precisamos
entender a direção evolutiva que determina tipos específicos de construção,
mudanças nos elementos da cidade e reorganização dos diferentes setores da
atividade de construção. Caso contrário, não podemos analisar resultados ou
encontrar direção dentro de cada campo de esforço criativo.
O escopo desta investigação pode agora ser definido: depois de estabelecer
uma projeção científica do modelo de vida comunista, que por acordo guia
todas as atividades de nosso povo, e depois de examinar as tendências atuais
contemporâneas na urbanização e realocação da população, tentaremos
delineia a estrutura funcional de um ambiente urbano de caráter comunista e
mostra como essa nova estrutura funcional determina métodos de
composição tridimensional e possibilidades expressivas na arquitetura.
II. RELAÇÕES SOCIAIS E AMBIENTE URBANO

Para resolver cientificamente o problema da cidade, precisamos começar


estudando a vida na sociedade, isto é, a soma de relacionamentos e
associações mais amplas que moldam toda a experiência social no tempo e no
espaço. Uma análise lógica dos modelos sociológicos mostra que o sistema
econômico, através de seu impacto em todos os níveis de relacionamento
social, determina a forma urbana de uma determinada sociedade. A relação
criativa com o seu espectro de elementos sociológicos é a característica
dominante de uma sociedade e determina a estrutura do grupo comunista sem
classes.
RELACIONAMENTO SOCIAL. Qual deve ser o nosso
critério para analisar a estrutura funcional da cidade comunista?
Em primeiro lugar, devemos chegar a um relacionamento básico que possa
expressar todo o processo social (econômico, estético, criativo, etc.) e que
possa servir como um padrão objetivo de mensuração. Devemos examinar as
diversas formas dessa relação em diferentes contextos sociais. Então,
podemos construir um modelo funcional geral do organismo social que possa
ser aplicado com precisão à análise histórica de qualquer assentamento
urbano específico. Assim, poderemos ver a influência de diferentes sistemas
sociais na organização espaço-temporal e prever tendências futuras.
Todo esse trabalho preliminar é necessário se quisermos ir além do mero
pensamento ilusório na tentativa de resolver o problema da cidade comunista.
Considerando suas principais atividades e unidades sociais básicas com o
devido cuidado, devemos também definir e esclarecer os objetivos
característicos da sociedade comunista. Antes que possamos pensar em um
único plano habitacional, precisamos de dados objetivos sobre os principais
tipos de estrutura a serem criados e as funções e relações dos grupos sociais a
serem abrigados. A distribuição e ordenação da população total pode ser
estudada apenas com base em fatos, com o conhecimento dos tipos de
estrutura necessários e sua inter-relação (quantidade de cada tipo, tamanhos
de grupos a serem abrigados na sociedade comunista, limites no tamanho de
áreas residenciais, distâncias entre tais áreas, dinâmica e descontinuidade do
processo de urbanização).

RELACIONAMENTO SOVIÉTICO NO MUNDO SOVIÉTICO.


Para entender como as relações sociais manifestam o próprio mundo
soviético na organização espacial e temporal, precisamos de uma abordagem
materialista e de premissas básicas claras.
Marx e Engels, ao criar o conceito materialista de sociedade, deram a seus
pontos de vista uma base científica. Eles afirmaram: Nossas premissas
básicas não são suposições arbitrárias ou dogmas, mas fatos concretos, dos
quais se pode abstrair apenas por um ato de imaginação [...]. “Estes podem
ser estabelecidos empiricamente”. ¹
As premissas em questão dizem respeito aos seres humanos, cada um com
uma composição biológica específica. Eles incluem sua necessidade de
alimento, roupas, abrigo, etc., o contexto em que nascem (naturais e sociais)
e, finalmente, sua própria atividade vital, que assume duas formas diferentes:
a natural - nascimento, crescimento e reprodução - e o social - a colaboração
de muitos indivíduos em um sistema de ação comum para garantir a
sobrevivência.
"Desta forma, os homens entram em relações materiais entre si, relações
condicionadas tanto por suas necessidades e pelos meios de produção,
relações tão antigas quanto o próprio homem. São essas relações assumindo
formas sempre novas que compõem o que entendemos por „história‟”. ²
Os laços materiais e sociais que os homens compartilham em comum e a
interdependência multifacetada das relações humanas, distintos do confronto
pessoal do homem com a natureza e seus próprios processos vitais, eram
vistos por Marx e Engels como relações sociais. Todos estes, incluindo as
relações fundadas na linguagem e no pensamento, foram vistos como
aspectos de um único processo e, num sentido amplo, como aspectos da
experiência humana total (pois o próprio processo social também é
condicionado pela estrutura do corpo humano e seu ambiente).
A concepção marxista das relações sociais, juntamente com as conquistas
recentes de certas ciências – cibernética, teoria da informação, engenharia
humana e estética da tecnologia – não apenas nos permite obter uma imagem
da demografia e dos movimentos populacionais (estes últimos, com a ajuda
das estatísticas) mas também para moldar e controlar os processos sociais.
As conquistas dessas ciências possibilitam estudar as relações sociais como
ocorrências no processo de troca de informações. Torna-se possível calcular a
interação de todos os fatores internos e externos que mantêm o processo
social em sua condição normal.

¹ Karl Marx and Friedrich Engels, Socinenija, Vol. III, p. 18.


² Ibid. pp. 28-29.
Podemos ver as relações sociais como conjuntos de interações materiais
existentes no tempo e no espaço, ocorrendo entre os indivíduos, e podemos
aplicar medidas objetivas e quantitativas a qualquer processo social desejado.
A eficácia dessa abordagem foi comprovada pela primeira vez na aplicação
de estudos de movimento do tempo a pilotos de avião, motoristas de
automóveis e rotinas de homens em salas de controle. Painéis de
instrumentos, instrumentos e dispositivos de direção foram construídos para
corresponder perfeitamente às capacidades fisiológicas e psicológicas do
homem e sua postura de trabalho. A ideia de que o caráter quantitativo e
qualitativo de um espaço - suas dimensões, forma, cor, luz, temperatura etc. -,
bem como o tempo e a mudança, desempenha um papel enorme na produção
e afeta grandemente o moral vital do trabalhador individual que está
ganhando influência em todos os setores da atividade humana.
Aprendemos a abandonar métodos de planejamento de máquinas, artigos
de consumo e espaços de moradia, porque eles não permitiram as
peculiaridades fisiológicas e psicológicas do organismo humano e suas
necessidades culturais. A engenharia humana se espalhou para todas as áreas
da vida.
No design de interiores, não pensamos mais tanto em termos de mobiliário
quanto em termos de criar um ambiente precisamente adequado às funções a
serem executadas. A mesma atitude básica está sendo aceita na arquitetura
exterior. No entanto, na maioria dos casos, a organização científica do espaço
e do tempo, baseada na mensuração objetiva das realidades sociais, ainda não
se tornou a base do planejamento.
A pesquisa científica sobre a realidade social tornou-se possível hoje e é
de inegável importância para a solução de problemas urbanos.

USO DE UM MODELO ANALÍTICO DE RELAÇÕES SOCIAIS.


Qualquer função social pode ser analisada como uma ou uma combinação
de várias relações sociais que são possíveis sob determinadas condições.
Como visto em um modelo de interação social, as condições definem e
desempenham uma função particular e indicam as características
quantitativas e qualitativas dos participantes e do ambiente.
Usando modelos baseados na análise das relações sociais, podemos
descrever os estágios essenciais da vida individual. Os níveis de maturidade
mental e física podem ser definidos em termos do comportamento social que
é característico em vários estágios de crescimento em uma determinada
sociedade.
A vida de um homem do berço ao túmulo, incluindo tanto seu trabalho
quanto a criação de filhos, pode ser vista como um sistema único de
interações entre um conjunto de fatos biológicos básicos e uma combinação
de relações naturais e sociais (todas manifestadas no contexto). de uma
cultura e moldada por ela). Podemos construir um modelo humano geral
consistente com a anatomia da sociedade como um todo, logicamente
derivado de relações prototípicas e incluindo todas as funções essenciais a
qualquer vida individual, independentemente de sua cultura particular.
As etapas a seguir marcam os estágios de formação
personalidade:
1. Relação mãe-bebê: um estágio no qual o genótipo ou características
hereditárias se desdobram e em que as fundações são estabelecidas para os
limiares sociais de percepção.
2. Relacionamento com os pais: um estágio no qual diferentes relações
sociais começam a ser distinguidas e a linguagem é formada.
3. Relacionamentos com outras crianças.
4. Autodeterminação preliminar da personalidade: os relacionamentos
surgem no processo de aprendizagem. As normas cognitivas estão sendo
assimiladas e as atitudes pessoais estão sendo formadas através da
diferenciação entre as relações sociais.
5. Relações econômicas: um estágio que permite ao indivíduo validar suas
atitudes em um ambiente de trabalho e estabelecer sua identidade pessoal.
6. Relacionamentos que dão valor social a uma pessoa através de
atividades livremente iniciadas por ele e através de sua participação na vida
cultural de seu tempo.
7. Relacionamentos decorrentes de atividades de consumo.
8. Relações sexuais que servem para continuar o processo geracional.
O modelo interpreta o
funcionamento social em termos
de troca de informações. Uma
organização ideal do ambiente
leva em consideração o caráter
específico de um relacionamento
e minimiza a perda de
informações. O ambiente, então,
pode ser medido objetivamente
como um meio de transferência
de informação.

1. Perda de informação devido a


interferência no relacionamento.

2. Redução na perda de
informação quando as condições
favorecem o relacionamento.

É importante notar que cada estágio pode ser definido em termos de suas
relações sociais características.

Se usarmos a análise histórica para fornecer algum conteúdo concreto ao


nosso modelo analítico, podemos fazer as seguintes observações que se
revelam úteis e importantes:
1. Ao planejar um ambiente, devemos nos conformar com a dinâmica das
relações sociais e sua tendência a localizar-se em centros específicos de
organização social.
2. Podemos comprovar a tendência dos complexos industriais e de
pesquisa de se isolarem e se tornarem estruturas territoriais relativamente
autônomas, separadas do ambiente maior.
3. Devemos descobrir a influência de diferentes sistemas sociais na vida
urbana, isto é, na organização espaço-temporal da sociedade em ambientes
urbanos.
Na sociedade primitiva sem classes, por exemplo, encontramos uma aldeia
tribal, cuja estrutura sempre reflete a predominância nessa sociedade de
relações baseadas no parentesco (casas para clãs, separações que marcam
outros clãs e irmandades). Há uma unidade de assentamento: a habitação
tribal.
Na antiga era da escravidão, o papel dominante desempenhado pelas
relações políticas, especialmente na cidade, resultou no domínio físico de
edifícios públicos estruturalmente altamente desenvolvidos em centros
urbanos (ágora, fórum, palácio, templo). Três unidades básicas de
assentamento estavam presentes: a cidade ou polis, a mansão como unidade
produtiva e a aldeia.
Com o feudalismo, vemos como o círculo fechado de relações que rege
cada classe social tendia a isolar cada classe das outras; senhores feudais
viviam em castelo e corte, servos camponeses na aldeia e comerciantes e
artesãos na cidade. Ainda havia apenas três unidades básicas de
assentamento.
Com o capitalismo na era da livre concorrência, o domínio das relações
econômicas (isto é, a busca do lucro privado imediato e o desenvolvimento
intensivo do marketing) tornou-se a principal causa do crescimento
espontâneo e maligno da cidade industrial. Acontecendo às custas da aldeia e
da cidade não industrial, isso levou ao desmembramento das aldeias em
comunidades fabris e agrícolas separadas. As unidades fundamentais do
povoamento naquele estágio eram a grande cidade em expansão, a pequena e
estagnada cidade, o subúrbio, a aldeia e a fazenda.
Na era do capitalismo monopolista ocorre uma dissolução espontânea da
grande cidade e intensifica o crescimento dos subúrbios. Os componentes
fundamentais tornam-se então: a cidade central, o pequeno centro de satélites
(antigo e novo) tendendo a um certo tamanho ótimo, o subúrbio operário, a
cidade industrial, a aldeia e a fazenda, o complexo industrial, o centro de
pesquisa e o centro comercial. Várias instituições e serviços se afastam da
cidade: hotéis, cinemas, estádios, hospitais, escolas, acampamentos, etc.
Plantação de algodão no sul da União Soviética

Todos esses elementos estão ligados por uma única rede de transporte e
comunicação. Juntos, eles constituem a megalópole: o resultado não
planejado do crescimento urbano sob o capitalismo contemporâneo.
A análise histórica revela, portanto, como o modo de produção, sendo a
soma das forças produtivas e relações de produção, influencia a organização
espacial e temporal do ambiente, não de maneira direta ou mecânica, mas
indireta - através dos tipos específicos de relacionamento dominante em uma
determinada sociedade.
Mudança e descontinuidade no crescimento da organização social, com
correspondentes efeitos espaciais e temporais sobre padrões demográficos e
urbanização.
1. Organização comunal da sociedade primitiva: A estrutura do ambiente
corresponde à predominância de um sistema social baseado no parentesco. A
comunidade de habitações tribais abriga filiais de uma família e irmandades.
Há uma unidade de assentamento: a aldeia tribal.
2. Escravidão: A importância e a intensidade das relações políticas são
mostradas pelo predomínio da construção pública sobre todas as outras
formas na cidade antiga: ágora, fórum, palácio e templo. Existem três
unidades de assentamento: a polis ou capital, a propriedade agrícola, a aldeia.
3. Feudalismo: O círculo fechado de relacionamentos dentro de cada classe
isola as classes umas das outras (os senhores em seus castelos e propriedades
rurais, os servos em campos e aldeias, os comerciantes e artesãos nas
cidades).
4. O capitalismo na era da livre concorrência: a compra e a venda
predominam sobre todas as outras formas de associação. A busca do lucro
privado e a expansão das relações de mercado resultam no crescimento
predatório da cidade industrial e na dispersão das aldeias. Ao mesmo tempo,
as fazendas são absorvidas em grandes operações agrícolas. As formas de
organização social tornam-se: grandes cidades no processo de expansão não
planejada, pequenas cidades estagnadas, subúrbios residenciais, bem como
cidades industriais, aldeias e sindicatos agrícolas.
5. Capitalismo monopolista: A dissolução funcional espontânea da grande
cidade resulta em novas aglomerações, incluindo todos os elementos de seu
núcleo em decomposição, além de todos os componentes de formas mais
antigas de povoamento.
No comunismo, também, os tipos dominantes de relacionamento humano
influenciarão de maneira vital o caráter da organização espacial e temporal.
A situação atual mostra que novas formas comunistas de relacionamento
social estão se desenvolvendo dentro de um ambiente urbano herdado.
Mesmo os projetos de edifícios que estão sendo construídos raramente
expressam os novos critérios estruturais. Isso é compreensível em um período
de transição, uma vez que novas funções, ainda não tendo encontrado suas
formas adequadas, são forçadas a assumir as antigas. Diferentemente dos
estágios transitórios similares no passado, entretanto, o presente não nos
convoca simplesmente a esperar e ver como o novo ambiente comunista se
moldará e então observar suas características. É a reivindicação especial e
histórica do comunismo ser um trabalho de criação consciente baseado na
teoria. Devemos começar a olhar para as formas prevalentes de relações
sociais e investigar os efeitos que elas devem produzir historicamente sobre
toda a estrutura espaço-temporal da vida comunista. Isso significa que
devemos analisar as premissas comunistas básicas da sociedade, conforme
elaboradas pelo marxismo-leninismo, e também as realidades sociais
contemporâneas que refletem essas premissas.
Tal análise leva à conclusão básica de que, na sociedade comunista sem
classes, a relação social predominante é criativa e que, nessa sociedade, o
indivíduo tem oportunidades reais e iguais para o desenvolvimento livre e
harmonioso de suas próprias capacidades por meio do trabalho criativo. O
sistema comunista, de fato, se concentra no indivíduo e em seu
desenvolvimento criativo.
Aplicado a um ambiente urbano, este princípio significa que qualquer
pessoa que viva em uma verdadeira sociedade comunista deve desfrutar
igualmente de todas as outras pessoas que vivem em qualquer lugar, em
condições propícias ao autodesenvolvimento e a atividades criativas
similares. A análise das premissas comunistas e nosso modelo esquemático
indicam tanto as instituições sociais básicas quanto as fases do crescimento
individual na sociedade comunista. Esse método também nos permite
planejar as linhas de influência da sociedade como um todo com base nas
atividades criativas de cada pessoa ou de cada grupo. A identificação da
pessoa ou grupo com o processo social define o que entendemos por estrutura
funcional (matriz social) do ambiente urbano e subjaz sua organização
espacial e temporal.

O sistema de relações no comunismo determina a estrutura funcional do


ambiente. Cada tipo de construção é imaginado como um elemento da
estrutura unificada, que se presume ser um protótipo geral.

Reconhecendo a intensa interdependência social que é necessária em uma


sociedade baseada na automação da produção econômica e na colaboração no
trabalho científico e criativo, propomos três sistemas de interação social:
1. O complexo de pesquisa: uma combinação de laboratórios, projetos
experimentais em cultivo animal e vegetal, salas de aula, bibliotecas e prédios
para pessoal administrativo e computadores centrais.
2. O complexo residencial: habitações, creches, creches, escolas primárias
e secundárias, parques comunitários com instalações e áreas de lazer e outros
serviços públicos.
3. O complexo industrial, que também inclui a produção agrícola
organizada.
O que estamos propondo são padrões de assentamento baseados em grupos
da população. Ao fazer isso, estamos tomando nota da tendência geral de
desintegração funcional nas cidades modernas. Essa tendência produz o
isolamento de complexos industriais e centros de pesquisa em unidades
relativamente autônomas com uma "população diurna" de passageiros do
centro da cidade ou dos subúrbios. Obviamente, essas unidades isoladas em
sua forma atual não adquiriram um caráter distintivo próprio nem se tornaram
sistemas bem integrados dentro de si. Por causa de seu desenvolvimento não
planejado, eles funcionam simplesmente como elementos acidentalmente
justapostos a outros em um vasto aglomerado urbano.
Em contraste, cada um dos exemplos que propomos é um elemento
integrado e sistemático que produz, por meio do agrupamento social
funcional, um padrão planejado de assentamento urbano. Este conceito de
agrupamento populacional é apropriado para uma sociedade na qual as
relações criativas dominam. Por exemplo, cada um dos nossos sistemas
propostos fornece um quadro de referência para pessoas dedicando um
determinado período de tempo (dia útil ou semana) à sua ocupação ou à
educação condizente com a idade, o papel da família e os interesses pessoais.
Para que esse conceito funcione, os subsistemas que compõem o ambiente
urbano total devem estar bem coordenados e em equilíbrio com o todo.
Trabalhar em detalhe a sua inter-relação exigiria a colaboração de muitos
especialistas em muitos campos. Infelizmente, temos apenas estatísticas
incompletas até agora e algumas indicações elementares do que podem ser as
capacidades físicas e psicológicas do homem, juntamente com nossas
expectativas empíricas ainda brutas. Mesmo com base em dados tão
incompletos, no entanto, acreditamos que podemos tirar algumas conclusões
preliminares sobre as características qualitativas e quantitativas do ambiente
urbano comunista e, ao menos, concentrar a atenção nesta importante
questão.
III. PRODUÇÃO E AMBIENTE URBANO

Com a eletrificação, automação, métodos de produção eficientes e uma


jornada de trabalho reduzida, a produção passou a consistir de três setores
fundamentais:
1. Indústria automatizada
2. Pesquisa científica e uso de feedback das próprias máquinas
3. Educação em massa - a formação do homem comunista

A capacidade de cada setor de absorver mão-de-obra e território cria um


padrão dinâmico de expansão com um efeito correspondente sobre as
relações espaciais dentro de uma dada região econômica e geográfica. As
relações sociais que são intrínsecas ao processo de produção, no entanto, não
determinam o caráter do futuro edifício residencial.
A REVOLUÇÃO CIENTÍFICA E TÉCNOLÓGICA. As relações
sociais intrínsecas ao processo de produção são um fator formativo e central
no estabelecimento da identidade pessoal de cada indivíduo. Somente através
da interação produtiva com os outros, usando e testando suas próprias
habilidades, e aplicando o conhecimento adquirido durante sua educação, a
pessoa se torna um verdadeiro membro da sociedade.
Durante a transição para o comunismo, as relações sociais intrínsecas ao
processo de produção sofrem modificações radicais à medida que respondem
às mudanças econômicas e a todas as outras relações características da
sociedade comunista sem classes. A revolução técnica e científica que agora
transforma a produção em larga escala traz mudanças marcantes na relação
humana com as mercadorias, os instrumentos de produção e o processo de
comunicação.
Eletrificação, automação, métodos de produção altamente eficientes e
redução da jornada de trabalho são aspectos óbvios dessa revolução. Por
exemplo, a eletrificação reduz a necessidade de trabalho físico para a
manipulação de controles. Como ela pode ser gerada e retransmitida em
quase qualquer lugar para atender às demandas locais de energia, a
eletricidade fornece um sistema de energia centralizado que favorece a
distribuição racional das forças produtivas da sociedade. ³
Automação significa que, onde quer que pareça possível e razoável, o
trabalho mental e físico do homem pode ser substituído pelo trabalho da
máquina. Este processo acaba com antigas ocupações, liberta os homens do
trabalho monótono e não criativo, e permite que eles superem as limitações
naturais do poder físico e intelectual humano.
A conexão direta entre o homem e os objetos e instrumentos de sua obra
está sendo substituída por uma nova relação: uma entre o homem e o
dispositivo automático. À medida que seu envolvimento puramente material
com o processo de produção chega ao fim, ele assume sua posição nos
controles e lida com os dispositivos críticos que regulam o fluxo de processos
produtivos.

³ Cf., M. A. Vilanskij, Electrification in the U.S.S.R. and the Distribution of the


Productive Forces (Moscow, 1963), pp. 175-203.
Agora, a habilidade necessária é a capacidade de avaliar rápida e
corretamente uma situação descrita em um painel de instrumentos vinculado
a um processo de produção ou pesquisa. 4
A automação envolve tanto uma redução substancial do trabalho servil na
produção de material quanto a melhoria das qualificações daqueles que
permanecem nessa área de atividade para o nível de engenheiros mecânicos.
Dispositivos automáticos produzem e regulam a si próprios, criando o meio
mais eficiente de fazer seu trabalho. O papel do homem, então, é programar e
controlar o trabalho das máquinas em um sistema de produção totalmente
automatizado.

COMPLEXIDADE DA PRODUÇÃO. Os avanços


técnicos e científicos contemporâneos são realizados no mundo material
através de métodos complexos de produção. Elementos são separados e
recombinados; matérias-primas e materiais parcialmente processados são
submetidos a uma série de modificações. Os subprodutos são utilizados e os
resíduos são evitados. Estas são as principais características dos
procedimentos de produção atuais
A unidade mínima básica de produção, portanto, não pode ser uma única
fábrica especializada ou uma simples combinação de indústrias agrupadas por
acaso, mas uma organização territorial de processos produtivos e industriais,
em que o funcionamento complexo, porém racional, exige

4
Cf., A. I. Leont'ev, B. F. Lomov, Man and Technology ("Voprosy psichologij").
ajustes mútuos.5 Nos centros industriais e nas regiões econômicas e
geográficas definidas por eles encontramos o tipo mais vantajoso de
especialização, cooperação e colocação das unidades de produção.

Homem e a máquina; um sistema. O


homem pode ser totalmente isolado
de todas as etapas da produção
mecânica.

1. Placa de controle
2. Sistema regulatório
3. Ferramentas
4. Produtos

5
Cf., N. N. Kolosovskij, The Basis of Division into Economic Districts, Moscow, 1958,
pp. 39, 138, 143; V. V. Poksisevskij, Crucial Problems of the Future Distribution of
Production ("Geograficeshie Problemy Krupnykhrajonov S.S.S.R.), Moscow, 1964, p.
19; A. E. Probt, Distribution of Socialist Industry, Moscow, 1962, p. 98.
A automação abre possibilidades ilimitadas para a especialização de
máquinas e para a consequente liberação de mão de obra; de fato, para a
libertação do indivíduo da obrigação de trabalhar em uma única ocupação
durante toda a sua vida produtiva.6 A multiplicidade resultante e a
interdependência das atividades humanas naturalmente criam grandes
problemas de coordenação. Deve haver cooperação entre aqueles que
planejam e dirigem partes do processo produtivo, bem como entre aqueles
que se dedicam à pesquisa científica.
À medida que o moderno sistema de produção cresce, exige homens de
várias habilidades e, por sua vez, é influenciado por suas personalidades.
Quanto mais ampla a gama de contatos de homens que estão realizando
trabalhos específicos de coordenação, maior será sua produtividade e sua
capacidade de realizar plenamente suas próprias capacidades.
O alcance de seus contatos inclui tanto o acesso à habilidade técnica
quanto a associação com colegas administrativos. Às vezes, iniciando
contatos espontaneamente, esse grupo de homens tende a expandir o sistema
de produção até alcançar o maior resultado possível tanto no sistema central
quanto em todos os subsistemas relacionados (inclusive centros de pesquisa
subsidiários) dentro de um dado distrito econômico e geográfico.
As pessoas que constituem a força produtiva orientadora da economia
devem ser dotadas de personalidades versáteis, "capazes de se orientar em
qualquer parte de todo o sistema produtivo".7 Isso significa não apenas ser
capaz de mover-se livremente de uma função para outra, ou combinar várias
funções, mas trabalhar em equipe quando um problema complexo requer uma
abordagem coletiva.
A jornada de trabalho pode ser reduzida através do extraordinário
crescimento da produtividade do trabalho, o que, por sua vez, pode ser
atribuído aos procedimentos de eletrificação, automação e produção eficiente.
À medida que essa mudança ocorre, a proporção do tempo de trabalho para o
tempo livre muda radicalmente.

6
S. G. Strumilin, On the Ways of Communist Construction, Moscow, 1959, p. 12.
7
K. Marx and F. Engels, op. cit., vol. IV, p. 33
Pela primeira vez na história do homem, o tempo de lazer excederá o
tempo de trabalho. O problema torna-se "como reduzir ao mínimo o tempo
necessário para o trabalho socialmente necessário".8 Se considerarmos as
exigências que podem ser feitas em vários campos por meio da recombinação
de vários tipos de trabalho, podemos estimar que o tempo de trabalho de um
indivíduo tenderá a uma média de aproximadamente quatro horas por dia.
A partir deste resumo das mudanças produzidas pelos procedimentos de
eletrificação, automação e produção eficiente (incluindo a redução do dia de
trabalho), podemos tirar algumas conclusões importantes para o presente
estudo.

TRÊS NÍVEIS DE ATIVIDADE ECONÔMICA. À medida que


a produção comunista se desenvolve no espaço e no tempo, três níveis
distintos de atividade econômica se tornam aparentes:
1. O nível de produção automatizada envolve todo o processo produtivo de
extração de matérias-primas e reformatá-las, produzindo os meios e
instrumentos de produção adicional, bem como artigos de consumo. Nesse
nível, a máquina domina. Produz um alto nível de bem-estar material. A
participação e a intervenção humana são mínimas e consistem quase
inteiramente em máquinas de corrida, verificação de equipamentos e início de
novas rotinas de fabricação.
2. O nível educacional inclui instituições extensas que oferecem as
instruções necessárias para o ensino técnico. Algumas vezes, significa o uso
de máquinas de aprendizado especiais e geralmente requer a aplicação de
métodos e dispositivos que resultem em um treinamento variado e bem
coordenado para atender a todas as necessidades das áreas fundamentais de
produção. Nesse nível, o elemento dominante é o homem. Como estudante,
ele é o objeto do trabalho; como instrutor, ele é seu instrumento; como uma
pessoa treinada, formada em um curso técnico ou profissional de estudo, ele
também é seu produto.

8
Karl Marx, unedited manuscripts, "Bolshevik" (Moscow, 1939), 11—12, p. 62.
3. O nível científico de produção utiliza uma variedade de meios para
receber, armazenar, trocar e elaborar informações relativas a qualquer campo
da atividade humana ou da natureza. Nesta área, o objeto, instrumento e
produto de atividade, seja ele executado pelo homem ou pela máquina, é
primariamente informação:
a) Os dados iniciais na forma de memória humana ou máquina tornam-se o
material básico.
b) Informação que atue para transformar outras informações, seja através
de operações da mente humana ou através da aplicação do algoritmo ou
computador, pode ser considerada um instrumento de produção.
c) Novas informações, o resultado de informações iniciais processadas por
atividade mental humana e por máquina, podem ser denominadas produto.
Obviamente, esse terceiro nível de atividade produtiva inclui pesquisa
científica pura.

COLETIVIZAÇÃO DA CIÊNCIA. Na produção em


larga escala, hoje, o trabalho mental (trabalho científico e pesquisa) supera
qualquer outro tipo de envolvimento humano. A ciência abrange todos os
campos e todos os níveis de produção e controla o que é produzido.
Como resultado da produção em massa de informações, e devido à
complexidade dos problemas a serem resolvidos (o que às vezes ultrapassa os
poderes cognitivos de qualquer indivíduo), o caráter do trabalho mental
mudou. A recepção e a comunicação de informações e sua modificação em
pontos críticos agora não são tanto um processo individual quanto coletivo.
Hoje em dia, qualquer problema de uma ordem complexa afeta várias
esferas de atividade. Formular e resolver um problema requer uma coleção de
pessoas que possam trabalhar juntas em seus vários aspectos. Cada membro
da equipe não deve apenas aplicar sua especialidade ao problema, mas, ao
mesmo tempo, deve ter conhecimento geral. Acima de tudo, ele deve ser
capaz de colaborar com os outros em pesquisa e deve ser capaz de entender
todo o problema e a linguagem técnica de seus colegas.
Não estamos preocupados aqui com pesquisas especializadas limitadas a
um círculo restrito de especialistas que às vezes falam uma língua totalmente
separada: ao contrário, estamos nos referindo ao trabalho coletivo de muitas
pessoas que, dadas uma formação variada e bem coordenada, podem
colaborar efetivamente modificar um conjunto de dados iniciais.
Não obstante, não podemos esperar o desenvolvimento de personalidades
cooperativas ou aptidões e interesses individuais do tipo que enriquecem a
preparação de cada pessoa para que um campo de trabalho escolhido
aconteça automaticamente como resultado de um novo sistema de relações
sociais.

Novos usos de energia em plantas industriais

Pelo contrário, estas são precondições necessárias que devem ser


cumpridas para que todos os membros da sociedade participem de um
trabalho criativo válido. Assim, questões sobre como organizar o trabalho
coletivo – decidir qual deve ser a composição quantitativa e qualitativa das
equipes de pesquisa – são de preocupação crítica e influenciam a principal
área da atividade produtiva humana hoje, a investigação científica, que é um
nível crítico de produtividade atividade em geral.
A tecnologia do trabalho científico, incluindo os processos que modificam
dados e armazenam as vastas quantidades de informações que fluem de
reuniões e conferências

Dinâmica no crescimento
espacial e no crescimento da
capacidade de absorver seres
humanos nos três níveis
fundamentais de atividade
produtiva.
1. Produção de material
por meio de máquinas
2. Formação de seres
humanos
3. Ciência

regulares, requer definição espacial (tanto quanto os processos de fabricação


e o intercâmbio de materiais brutos e parcialmente acabados).
Instituições científicas exigem a criação de centros de pesquisa
centralizados. Essas organizações, por sua vez, precisam de um sistema
centralizado de comunicação para permitir que funcionários de vários
institutos se reúnam com a máxima velocidade a qualquer momento e, como
uma única coletividade, troquem informações de laboratórios e instituições
relacionadas. Em tal centro científico deve haver um único sistema
abrangente de armazenamento e troca de informações, além de um sistema
unificado de armazenamento e processamento de dados, para que cada equipe
científica e cada técnico possa receber qualquer informação que necessite a
qualquer momento e em qualquer campo de informação e conhecimento
científico.

DINÂMICA DO DESENVOLVIMENTO. Tomemos os


três setores da atividade produtiva e examinemos as relações mais amplas
características de cada um, sua taxa de expansão em termos espaciais e sua
capacidade imediata de absorver o trabalho humano.
A rápida expansão territorial em um determinado período de tempo é
característica da produção de máquinas, primeiro porque sua função de
processar um suprimento de matéria-prima cresce e então, como atividades
subsidiárias que tendem a se expandir com a própria empresa manufatureira,
exigem quantidades cada vez maiores de espaço.
O transporte de matérias-primas segue várias rotas que eventualmente se
juntam e fazem um conjunto funcional de intercâmbios entre dois, três ou
quatro complexos industriais. Esses contatos podem até gerar todo um
sistema de transporte dentro de uma dada região econômica e geográfica,
como realmente aconteceu em várias das zonas industriais europeias mais
desenvolvidas (Urais, Don Basin, Ruhr, Alsácia-Lorena, etc.).
A expansão da produção, com suas demandas de espaço adequado, não é
algo que uma sociedade deve procurar limitar inadvertidamente, uma vez que
tais tentativas significariam renunciar à satisfação de suas crescentes
necessidades. O problema não é limitar o crescimento como tal, mas
interromper sua continuidade linear, impor um padrão sistemático e planejar
sua expansão territorial.
Já observamos anteriormente que os fatores básicos e mais visíveis do
crescimento econômico são o complexo industrial e sua expansão
descontínua dentro de uma região econômica e geográfica. O planejamento,
portanto, deve prever a divisão das regiões em zonas industriais, agrícolas e
residenciais. Pesquisas precisas sobre os recursos naturais dentro de cada
região e planos para seu uso devem ajudar a determinar a divisão em zonas.
Um plano dinâmico para os sistemas de comunicação e transporte deve ser
elaborado para uni-los.
As zonas industriais são divididas em dois tipos de espaços:

1. O mundo das máquinas


2. O mundo dos homens

O mundo das máquinas não exige organização espacial cuidadosa em relação


às necessidades humanas. O processo de produção automatizado ininterrupto
funciona sem a presença de homens.
O mundo dos homens é encontrado em laboratórios de pesquisa, em
escritórios administrativos, etc. Aqui podemos encontrar a base para uma
direção para a arquitetura contemporânea.
Todo complexo industrial deve ser planejado e construído com uma
adequação adequada para as tendências correspondentes em direção a maior
automação e menor tempo de fabricação. Essas tendências diferenciam
gradualmente dois níveis de produção: o da máquina e o do homem. Assim,
um centro de controle deve ser planejado no começo para atender às
necessidades de qualquer complexo industrial bem coordenado e definido.
Várias operações da fábrica poderiam então ser unificadas por um único
sistema de transporte, o que significaria, por um lado, que o pessoal poderia
ser transportado para trabalhar na velocidade máxima.
A organização da agricultura apresenta um problema especial. Assumindo
um suprimento abundante de eletricidade, qualquer área, se conectada com
fontes de energia centralizadas, teria potência, luz e calor potenciais
máximos. Além disso, os meios artificiais de alimentação e o uso de
estimulantes para o crescimento fornecem às culturas e ao gado
as melhores substâncias nutritivas e aceleram o seu desenvolvimento. Como
resultado, a agricultura deve ser capaz de reduzir sua dependência das
condições locais (tipo de solo, condições atmosféricas e clima, mesmo
estações do ano, e ciclo dia-noite), bem como da quantidade de terra arável
disponível. No planejamento inicial, as áreas de terra a serem cultivadas
devem ser claramente definidas com provisões para reduções posteriores,
proporcionais ao aumento global da produção.
Em última análise, deve haver uma transformação da agricultura em um
tipo de indústria baseada na unidade espacial da zona rural e industrial que
processa os produtos agrícolas primários por meio de um sistema comum de
energia elétrica e térmica.
Enfrentamos outro problema especial de produtividade do trabalho nas
ocupações de serviços. O isolamento espacial característico das atividades de
serviço (lojas, armazéns, centros de distribuição de alimentos, locais de
alimentação, serviços domésticos) resulta de uma preferência por localizá-los
dentro de zonas residenciais, embora esse isolamento coloque uma pressão
sobre o sistema de transporte da área residencial devido à consignação,
transporte, etc.
Quanto à capacidade do setor de serviços para absorver mão-de-obra,
observamos duas tendências contraditórias. Por um lado, há um aumento
tanto na quantidade quanto na variedade de bens de consumo, bem como no
número de centros onde as transações com consumidores são realizadas.
Embora essa tendência leve a um aumento no emprego, o próprio
crescimento dos serviços leva à mecanização; e o autosserviço prevalecerá
mesmo se nos próximos dez anos a capacidade desse setor de absorver mão-
de-obra ainda aumentar consideravelmente. Quanto ao crescimento espacial,
já indicamos (com base em um cálculo simples) que haverá uma estabilização
no número de instalações de serviço per capita.
As atividades econômicas voltadas para máquinas claramente passarão por
uma grande expansão territorial, à medida que geram complexos industriais,
enquanto as zonas agrícolas tenderão a se estabilizar. Emprego em ambos
presumivelmente diminuirá ao mínimo.
Por outro lado, o setor educacional dentro desse modelo de sociedade
comunista desenvolve padrões relativamente estáveis em relação à utilização
do espaço e ao número de pessoas empregadas. As instalações necessárias
são estimadas com base no número de pessoas de uma idade para receber
instrução, o número correspondente de professores requeridos e a quantidade
de espaço normalmente alocada a um programa educacional.
À medida que as técnicas científicas e o escopo real do planejamento
continuam a se desenvolver, parece que, apesar do amplo uso das máquinas
de ensino, um crescimento significativo começará a ocorrer na capacidade do
setor educacional de absorver mão-de-obra. Esse crescimento virá da
crescente especialização do conhecimento e das atividades complexas
envolvidas em sua aplicação, particularmente para funções como
planejamento social.

Uso Intensivo do Espaço em Edifícios Modernos


Consequentemente, podemos antecipar um crescimento espacial nessa
área, um crescimento gerado pela criação de novos centros de planejamento
científico.
Neste ponto, entretanto, esperamos que a expansão espacial do setor
educacional, mesmo que o crescimento seja contínuo, seja bem menor, em
termos absolutos, do que o crescimento espacial análogo no setor de
produção mecânica.
Centros de pesquisa e institutos de planejamento, juntamente com as
instituições educacionais a eles relacionadas, constituem o elemento básico
da organização espacial neste setor. Mais uma vez, eles são conectados por
uma rede unificada de

Esboço de relações funcionais em uma zona com grupos de assentamentos


urbanizados
comunicação e transporte, ligando-os entre si e às zonas residenciais e
industriais vizinhas.

PROPOSTA PARA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL.


A comparação das funções básicas da atividade produtiva nos leva a
algumas conclusões sobre sua distribuição espacial nas regiões econômicas e
geográficas e o tipo e quantidade de contato entre os setores dentro delas.
A rápida extensão do complexo industrial requer que um amplo espaço
aberto seja fornecido dentro de uma dada região econômica e geográfica.
Este espaço reservado constituirá a maior parte da zona industrial, e somente
a construção industrial será permitida. No entanto, as zonas industriais podem
ser contíguas a áreas agrícolas e residenciais, mesmo que áreas de
assimilação se desenvolvam em ambos os lados da fronteira entre áreas
industriais e residenciais.
A tendência das áreas agrícolas de se estabilizarem e se fundirem em suas
fronteiras com as zonas industriais implica que devemos planejar
deliberadamente que as zonas industriais sejam cercadas por zonas agrícolas.
Elementos pré-fabricados utilizados na nova construção soviética

Geralmente, presume-se que as zonas residenciais se desenvolvam como


assentamentos espalhados em áreas agrícolas ou em áreas de conservação
(parques e áreas florestais protegidas) que não são designadas para
agricultura ou indústria. A organização de centros de educação e
planejamento científico representa um problema à parte, já que estas são
consideradas unidades que aumentarão a uma taxa constante, embora
moderada. Como a ciência geralmente é aplicada à produção, pode-se pensar
inicialmente em localizar as duas funções próximas umas das outras.
CORRELAÇÃO ESPACIAL. O impacto da ciência na
produção ocorre somente depois que os desenvolvimentos tecnológicos e
mecânicos, baseados na programação de informações, na criação de modelos
e na elaboração de projetos em laboratório (em outras palavras, no tipo de
trabalho realizado em centros de planejamento) foi realizado. Inovações
científicas em máquinas e em métodos de produção, além disso, não são
frequentemente testadas em ambientes industriais reais. Quando isso é
desejável, a situação de teste pode ser tratada organizando uma troca de
informações e enviando o material necessário para um projeto piloto. Assim,
esses centros de pesquisa científica não precisam estar localizados muito
próximos de complexos industriais.
A ciência não estuda a produção sozinha, é claro, mas toda a natureza e
toda a sociedade em suas inúmeras interações. A ciência é, portanto, ao
mesmo tempo livre e dependente de todas as áreas da atividade humana vital.
Devemos dizer então que os centros de planejamento científico e educacional
representam um setor autônomo de atividade produtiva. Uma vez que sua
localização específica é determinada por suas funções intrínsecas e pelo curso
de seu desenvolvimento, podemos prever que, no futuro imediato, a
capacidade desses centros de absorver mão-de-obra aumentará enormemente,
enquanto sua expansão espacial será moderada. Por isso, tendem a ser
atraídos para as zonas residenciais onde vivem seus trabalhadores.
Designar locais para atividades interconectadas e organizá-los em regiões
econômicas e geográficas nos leva a algumas idéias sobre planos para
sistemas de transporte e comunicação. O fluxo de circulação pode ser
dividido em três fluxos distintos:
1. Uma corrente de mercadorias subdividida em, por um lado, o fluxo de
matérias-primas e componentes parcialmente manufaturados dentro da zona
de produção e, por outro (após a conclusão deste ciclo), o fluxo de produtos
acabados fora da zona.
2. Um fluxo humano (transporte para e do trabalho), que pode ser dividido
em um fluxo principal de trabalho que entra na área de produção e ramifica a
distribuição de trabalhadores dentro dele.
3. Um fluxo de informações, incluindo todos os relacionamentos e
comunicações entre indivíduos, entre máquinas e entre indivíduo e máquina.
Se assumirmos a cooperação entre as funções produtivas da sociedade e
permitirmos que suas capacidades potenciais absorvam mão-de-obra e se
expandam no espaço, poderemos determinar a força de cada setor e prever
como seus sistemas de comunicação se desenvolverão. Obviamente, o maior
fluxo de bens materiais ocorrerá dentro de complexos industriais, entre
complexos industriais e entre zonas industriais e residenciais. O tráfego
humano tenderá a ser mais pesado entre zonas residenciais e complexos
industriais, e entre zonas residenciais e centros de pesquisa. O plano prevê a
redução da força de trabalho nos complexos industriais, com um emprego
correspondentemente mais pesado nos centros científicos. Dentro dos
próprios centros, a circulação do tráfego torna-se interna, como o fluxo de
informações em si, que está mais contido em um centro de pesquisa ou
complexo industrial.

PERGUNTAS SOBRE RELACIONAMENTOS SOCIAIS.


A partir de nossa análise das relações sociais, podemos ver quais são as
principais forças que moldam o desenvolvimento espaço-temporal de uma
região geográfica e econômica, não apenas sob as condições atuais, mas em
um futuro próximo. Essa estrutura geral nos fornece algumas diretrizes e nos
fornece uma base para o planejamento aplicável a qualquer região.
No entanto, não se pode deixar de observar quão incompleta é essa
estrutura proposta. Por exemplo, uma das questões mais importantes relativas
aos ambientes urbanos contemporâneos permanece sem resposta: Que
arranjos residenciais devem ser fornecidos para os trabalhadores em um
processo de produção organizado de acordo com o esquema geral dado aqui?
A análise do processo de produção não pode responder a essa pergunta,
pois a moradia dos trabalhadores é uma questão de absoluta indiferença do
ponto de vista da produção. Dentro de uma dada zona econômica e
geográfica, as pessoas podem viver em cidades grandes, médias ou pequenas,
nos subúrbios dos trabalhadores, nas aldeias ou em grupos de casas
individuais espalhadas por zonas residenciais. Do ponto de vista da produção,
tudo o que é necessário é que trabalhadores qualificados sejam encontrados
em seus postos de manhã, bem descansados e cheios de energia, e que esses
homens de alguma forma elevem suas próprias capacidades além do que suas
tarefas de trabalho lhes impõem. Exceto por esses requisitos muito abstratos,
a análise do processo de produção não nos diz nada sobre o caráter ou a
escala da construção residencial desejável. Este problema pode ser resolvido
apenas pela análise de todas as outras formas de interação social
características da sociedade comunista sem classes.

IV. ORGANIZAÇÃO DA VIDA DIÁRIA

Na atual fase do desenvolvimento social, a transformação da vida cotidiana


aguarda o crescimento do cuidado público infantil. O complexo residencial
incluirá prédios baixos para creches e escolas primárias, e estruturas de
arranha-céus de unidades residenciais padrão para adultos. A partir de nossa
análise das implicações sociais do cuidado da primeira infância e de nossa
estimativa das prováveis necessidades de serviço ao consumidor e transporte,
espera-se que duas subestruturas principais apareçam no novo ambiente: o
complexo residencial primário e o setor residencial. O exame da organização
modificada da vida cotidiana finalmente leva a previsões sobre as
características arquitetônicas das futuras moradias.
EDUCAÇÃO PÚBLICA. Para o arquiteto
contemporâneo, o aspecto mais interessante do ambiente urbano complexo é
o alojamento (da casa mais simples à estrutura residencial mais elaborada). A
habitação é pertinente para a maioria dos objetivos do planejamento atual,
decide o grau de sua realização e determina se vários objetivos diferentes
serão compatíveis.
Questões sobre a organização da vida cotidiana são especialmente
relevantes hoje, já que essa área da rotina comum agora mostra sinais de
mudança rápida.
Por que esperar uma série de transformações nesse aspecto da vida?
Basicamente, porque uma melhoria clara e decisiva no bem-estar material das
pessoas pode ocorrer dentro das próximas duas décadas.
"Toda família, incluindo jovens casais, terá um lar higienicamente
adequado e confortável, um lugar adequado para a vida civilizada." 9
"As condições devem permitir reduzir e simplificar o trabalho doméstico
das mulheres. O serviço público deve substituir seu trabalho e ser capaz de
satisfazer as necessidades materiais diárias da família". 10
"Ampliar a rede de instituições de atendimento infantil em grande escala
dará a todas as famílias a opção de manter seus filhos nessas instituições sem
acusação durante a adolescência". 11
Mudanças na unidade familiar tradicional afetarão diretamente todas as
soluções para o problema da habitação. Mas tais mudanças dependem em
muitos aspectos do desenvolvimento da educação pública, sobre a qual há
muita controvérsia entre pais e educadores.
Aqueles que acreditam em criar filhos em casa veem duas justificativas
para instituições públicas de cuidados infantis. Primeiro, o fato de os pais
estarem ocupados demais e, segundo, a necessidade de isolar as crianças dos
pais maus. Geralmente, no entanto, à medida que a quantidade de tempo livre
aumenta e os padrões educacionais aumentam, a necessidade de um sistema
de educação pública que cubra toda a vida da criança diminuirá, e todo casal

9
Program of the Communist Party of the U.S.S.R. (Moscow, 1961), p. 94.
10
Ibid., p. 97.
11
Ibid., p. 98
que possui bens e confortos materiais pode elevar seus próprios filhos à
maturidade.
Por outro lado, no presente estágio formativo do comunismo, a sociedade
está seriamente preocupada com a criação dos filhos e com a competência
exigida dos envolvidos. Essa tarefa requer educadores com muitos tipos de
treinamento biológico, psicológico, médico, estético e outros. Ela exige que
as pessoas responsáveis possam aplicar tais disciplinas a situações específicas
e que sejam experientes em fazê-lo. Também exige que eles mostrem uma
disposição específica e amor por ensinar crianças de uma determinada idade.
Essas qualificações significam que aqueles engajados em criar a próxima
geração devem ter uma vocação pedagógica e ser cientificamente treinados.
Mera experiência de vida e sentimentos paternos ou maternos não são
suficientes para equipar uma pessoa a ensinar corretamente um membro da
sociedade.
Também se diz que um sistema socializado de educação é desumano para
com os pais, pois leva seus filhos embora e não lhes dá a chance de vê-los e
participar de sua educação. Este erro baseia-se na prática atual, que localiza a
maioria das creches e escolas longe das casas dos pais. Isso aconteceu em
parte por causa da necessidade de remover as crianças das más condições
higiênicas dos bairros superlotados e em parte pelo princípio de designar
vagas nas escolas com base no local de trabalho dos pais. Uma vez que
tenhamos boas novas moradias, no entanto, será possível localizar todas as
instituições de cuidados infantis no bairro residencial imediato.
O desenvolvimento adequado do ensino público em tempo integral exigirá
equipes grandes. Muitos pais (além dos que escolhem a profissão de
professor) podem dar seu tempo livre para creches e escolas públicas, onde
seus próprios filhos estão sendo educados.
Os argumentos daqueles que defendem a criação pública de filhos são mais
fortes, em nossa opinião, do que os da oposição. Suas ideias, no entanto,
parecem bastante hipotéticas, porque faltam evidências positivas e não
podem oferecer um modelo claro e preciso para contrastar com o sistema
tradicional. Desenvolver tal modelo requer um estudo objetivo das formas de
interação social, especialmente nos estágios iniciais da formação da
personalidade.
INFÂNCIA E EDUCAÇÃO. O contato com seus
pares é certamente valioso para as crianças. Na primeira infância, esses
contatos vêm através do jogo em grupo, uma atividade importante do quarto
ou quinto ano da vida de uma criança até o oitavo ou décimo. Brincar, no
pensamento educacional moderno, é um método fundamental de instrução
pré-escolar e escolar. O sucesso do trabalho de uma criança na primeira e
segunda séries em leitura e escrita e aritmética depende em certa medida dos
jogos dos anos anteriores.
A melhor oportunidade de contato entre crianças em idade pré-escolar
ocorre no berçário, que é o melhor cenário para desenvolver os poderes
imitativos da criança e as atividades individuais. Ele expressa suas
inclinações mais livremente aqui, e seu egocentrismo é menos mal reprimido.
O valor positivo da atividade em grupo, é claro, só é plenamente percebido
quando organizado e dirigido

Ambiente onde as relações sociais das crianças são estabelecidas


por educadores que se beneficiaram de treinamento social avançado.
O maior tamanho desejável de um grupo de crianças deve ser determinado
experimentalmente. As descobertas da psicologia experimental indicam que
um indivíduo adulto é capaz de dar atenção e controlar simultaneamente até
cinquenta e sete objetos. Portanto, com objetos tão complexos como as
crianças para supervisionar, um educador provavelmente não deve receber
mais do que seis crianças ao mesmo tempo.
Durante os períodos de brincadeira, uma criança deve ter a oportunidade
de se relacionar com outras pessoas em idade pré-escolar, mais jovens ou
mais velhos, de modo que em uma ampla gama de jogos e papéis ele tenha a
chance de desenvolver suas várias habilidades naturais. A combinação de um
grupo primário de crianças em idade pré-escolar com outro grupo etário mais
jovem ou mais jovem cria uma célula dupla: dois grupos etários e dois
professores. O grupo primário (seis crianças e um professor)

e a célula dupla (doze crianças e dois professores) podem ser usados como
nosso módulo para elaborar a estrutura de um centro de assistência infantil.
A organização de células duplas e a série de grupos necessários para uma
creche que cobre todo o ciclo elementar desde as séries pré-escolares até as
séries escolares nos dá a seguinte capacidade mínima para qualquer
instituição: seis grupos de combinação de idade (cada um contendo um grupo
primário de cada série dos quatro incluídos no ensino fundamental).
A isto deve ser acrescentada a estrutura dos berçários cujas funções
fundamentais são:
1. Proporcionar às mães ajuda e orientação no período inicial de criação
dos filhos.
2. Preparar crianças de três e quatro anos de idade para o jardim de
infância e desenvolver sua capacidade de imitação e aprendizagem através do
jogo coletivo.
Se fizermos uma estimativa numérica desses grupos de transição, o
número básico necessário para o funcionamento da "escola maternal
primária" não é menor do que cerca de 216 alunos (ou um múltiplo deles).
Tal capacidade requer uma equipe suficientemente grande para possibilitar
uma gama completa de especialistas em todos os setores da educação pré-
escolar (incluindo educação moral e estética, supervisão médica, música,
desenho, dança, aritmética, construção).

O QUE A ESCOLA MODERNA ESTÁ TENTANDO FAZER.


Através do brincar e do relacionamento com os adultos, o sistema
informacional da criança, ele próprio um tipo particular de relacionamento, é
gradualmente alimentado e reforçado, e a aprendizagem ocorre. No oitavo ou
nono ano de vida, as experiências formais de aprendizado começam a moldar
a experiência social da criança. Ele entra em um novo estágio de
desenvolvimento e lentamente se torna consciente de si mesmo como um ser
humano com uma personalidade autônoma.
O propósito fundamental de qualquer escola que ofereça educação geral é
forjar dentro do grupo e por meio do grupo um ser humano bem-arredondado
e harmoniosamente desenvolvido, "um novo indivíduo que harmoniosamente
combina em si riquezas espirituais, pureza moral e perfeição física."12 A
escola deve ajudar seu aluno a encontrar sua própria vocação e desenvolvê-la,
não restringindo-o, mas abrindo para ele todos os campos fundamentais do

12
program of the Communist Party of the U.S.S.R., op. cit., pp. 120, 121.
conhecimento humano. Ele pode então relacionar criativamente todo tipo de
conhecimento com a busca de seus próprios interesses e com seus
relacionamentos com seus pares.
O desenvolvimento excêntrico e a deformação profissional só podem ser
evitados se os alunos que representam diversas tendências vocacionais
continuarem a desenvolver-se no quadro de uma única instituição. A
inevitável especialização dos alunos e a eventual escolha de vocação são
possíveis dentro de grandes comunidades escolares em geral, bem equipadas
e capazes de atrair uma equipe de professores bem qualificados. Estas são
preferíveis a várias escolas vocacionais separadas, pois somente esses
grandes complexos educacionais podem garantir um ensino especializado o
suficiente em todas as áreas fundamentais da atividade humana para produzir
uma pessoa bem-arredondada e culturalmente consciente e uma pessoa que
tenha desenvolvido uma habilidade específica.
Se aceitarmos a divisão convencional do ensino em oito disciplinas
(sociologia, educação, artes liberais e belas artes, biologia, química,
matemática e engenharia), a especialização em um desses campos pode se
desenvolver ao longo de um programa de oito anos segue:
Classe I - IV. Currículo comum para todos os alunos, com um programa
suplementar para aqueles que são artisticamente talentosos e seminários para
aqueles que mostram a promessa em matemática e física.
Classe V - VI. Especialização em duas direções gerais: as humanidades e
as ciências.
Classe VII. Mais especialização em quatro linhas distintas:
socioeconômica; artístico e literário; químico e biológico; físico e
matemático.
Classe VIII. Especialização final em uma das oito categorias fundamentais
indicadas acima.
A experiência prática nas escolas de hoje, bem como os resultados da
psicologia, sugere que não mais de doze alunos devem ser designados para
cada grupo no ensino fundamental. Esse número deve ser mantido nos cursos
especializados das classes de nível superior, embora possa ser dobrado para
vinte e quatro alunos em cursos gerais.
Como cada campo inclui cerca de seis a dez subdivisões especiais, a
criação de grupos primários dentro de subdivisões incentivará a cooperação
entre os alunos que estão ingressando em um curso de especialização
profissional. O número de graduados em qualquer campo especial também
deve ser um sinal de que relações de trabalho satisfatórias sejam
desenvolvidas com colegas de escola em classes mais avançadas.
Se assumirmos que o número mínimo para um grupo especializado em um
campo avançado é de seis pessoas, o número que se forma com um
treinamento vocacional variará entre trinta e seis e sessenta. Tomando uma
média estatística, vamos assumir quarenta e oito alunos, ou quatro grupos de
doze.
A soma dos graduados nas oito áreas de especialização profissional será de
384.
Se agora computarmos a estrutura funcional da comunidade escolar como
descrito acima, chegamos a um total de 3.072 alunos. Isso nos dá uma base
aproximada para estimar seu tamanho e planejar seus edifícios.
Para completar sua educação, isto é, receber o direito e a oportunidade de
trabalhar em um determinado ramo da produção social, o graduado de uma
escola de educação geral deve fazer um curso complementar em seu campo
especial. Este curso pode levar de vários meses a vários anos, dependendo da
especialidade do aluno. Em princípio, no entanto, esta formação é distinta da
educação geral e constitui uma segunda etapa no seu desenvolvimento
profissional. Ele é completado em grandes centros educacionais, como
universidades ou escolas técnicas e profissionais, que foram assimilados por
institutos gerais de tecnologia.
Ao longo de todo o ciclo da educação pública, o relacionamento da criança
com sua família complementa e orienta seu relacionamento com seus pares
na escola.
Enquanto a criança estiver na pré-escola, seu contato com os pais será
bastante intensivo. Os pais participarão ativamente de sua educação e
passarão um tempo considerável na própria instituição. Por esse motivo, a
instituição deve estar próxima da residência dos pais.
Durante o tempo de educação da criança na comunidade escolar geral, o
relacionamento com seus pais muda de caráter. O contato se torna menos
frequente (apenas algumas vezes por semana) e está relacionado a feriados.
Portanto, a interação das crianças e seus pais pode ocorrer tanto dentro da
instituição de ensino quanto na casa dos pais. Em ambos os casos, requer
uma organização espacial específica e ainda a ser definida.
Resumindo:
1. Os primeiros fundamentos da personalidade comunista são estabelecidos
em creches através da relação das crianças com seus pares em grupos pré-
escolares. A personalidade se desenvolve ainda em grupos primários durante
os primeiros anos. Estes são perfeitamente adequados para promover o
desdobramento de todos os aspectos do potencial de uma criança.
2. A formação da personalidade que é ricamente desenvolvida em várias
direções também deve ocorrer através de um processo educacional
compartilhado. Isso requer uma subdivisão cuidadosa da experiência em duas
etapas: educação geral (em uma comunidade escolar) e educação profissional
(em uma instituição acadêmica superior).
3. Viveiros e escolas de ensino fundamental, comunidades escolares para
educação geral e instituições avançadas constituirão complexos de edifícios
separados.
A comunicação eficiente deve ligar a escola à casa da criança. Portanto, as
escolas para crianças menores devem estar dentro de um raio de 100 a 150
metros de casa; a comunidade da escola secundária deve estar a uma curta
distância (um raio de meia a três quartos de milha); Instituições acadêmicas
superiores devem estar ligadas ao lar por vinte minutos a trinta minutos de
transporte público.

TIPOS DE ESTRUTURA RESIDENCIAL. Com o


desenvolvimento da educação pública em tempo integral, as funções
tradicionais da habitação familiar serão assumidas por três novos tipos de
residência:
1. As unidades residenciais ligadas à pré-escola e escola primária.
2. Casas residenciais ligadas à comunidade de ensino secundário.
3. Unidades do tipo apartamento para adultos individuais ou para casais
que são pais.
Essa lista pode ser mais completa adicionando-se certos tipos de habitação
mais especializados, como dormitórios em instituições acadêmicas
superiores, lares para pessoas idosas que necessitam de cuidados pessoais e
acomodações em hotéis nas áreas de resort que atendam ao cronograma de
férias dos trabalhadores.
Vamos, no entanto, considerar apenas os três tipos fundamentais.
A unidade básica de habitação anexada ao berçário e ao ensino
fundamental será um complexo de dois dormitórios para doze crianças (seis
em cada), duas salas para brincar, dois banheiros, uma sala para professores e
um espaço auxiliar. O todo não excederá uma área de 2000 pés quadrados.
Habitação para a população em geral será substancialmente alterada, mas
seu propósito fundamental permanecerá o mesmo. O ser humano precisa de
um lugar privado, onde possa separar-se dos outros, descansar, dormir e viver
sua vida familiar. A moradia deve responder a essas necessidades; deve criar
condições adequadas para restaurar as forças físicas e morais que um homem
gasta em sua vida produtiva e social.
Essas demandas continuarão a existir no futuro imediato; na verdade, eles
podem se tornar mais prementes.
Quanto mais intensa a interação social e as relações mais amplas de uma
pessoa, mais ele deve ser capaz de regenerar as energias socialmente gastas, e
o mais profundo e completo deve ser seu relaxamento físico e mental.
Quanto espaço um indivíduo precisa para isso?
Qual deve ser o tipo padrão de moradia que não apenas garante as
necessidades funcionais, mas também pode fornecer as melhores condições
para a privacidade psicológica?
Como mostra a experiência, as habitações existentes, quando julgadas por
esses padrões, estão longe do ideal. A tendência para aumentar a quantidade
de espaço alocado para habitações individuais é claramente compreensível
sob as circunstâncias. Pode diminuir, no entanto, à medida que o
planejamento mais racional das unidades habitacionais separa as funções e
serviços privados de públicos. Então, parece razoável usar um padrão
residencial de não mais de 225 pés quadrados por pessoa (em média).
Isso pressupõe um pequeno número de pessoas vivendo permanentemente
em cada apartamento e o desenvolvimento de locais públicos de alimentação
dentro de edifícios residenciais. A preparação de alimentos na unidade
familiar não será mais necessária, mas meramente opcional. O fogão e a
cozinha deixam de ser os pontos focais de um plano residencial. A cozinha
mínima pode ser incluída em uma sala de estar ou foyer, e o espaço assim
liberado pode ser usado para outras necessidades, como banheiros mais
espaçosos.
O plano básico para um apartamento divide-o em duas seções: salas para
uso diurno e outras para uso noturno. Além disso, para a privacidade de um
casal, é essencial poder subdividir o espaço em duas áreas amplas para
marido e mulher.
O apartamento também deve fornecer uma sala separada para as crianças
durante as horas e dias que eles visitam seus pais. Aproximadamente
cinquenta pés quadrados a setenta e cinco metros quadrados devem ser
alocados para cada brincadeira de criança, dormir e outras atividades.
Tanto os serviços públicos expandidos e áreas no edifício residencial e
redução do número de habitantes permanentes por apartamento nos permitem
pensar em novas maneiras sobre o planejamento do interior. Em vez de uma
série de pequenas salas alinhadas ao longo de uma parede, imaginamos um
único espaço aberto que percorre toda a profundidade do edifício e termina
nas janelas em dois lados opostos.
A orientação bilateral torna-se mais do que um meio para assegurar maior
liberdade no planejamento do interior ou um princípio importante de
ventilação cruzada para uma vida saudável. A orientação bilateral significa
um novo princípio na construção da habitação e pode significar o fim das
restrições psicológicas e desconforto.
O princípio da orientação bilateral é especialmente importante nos casos
em que os apartamentos estão localizados acima do solo; em outras palavras,
onde o acesso direto à natureza é substituído pelo contato visual. Aqui não há
substituto para uma variedade de vistas da janela.
Os arquitetos, no momento, não se preocupam muito com as "visões". No
entanto, é precisamente a visão que tem uma influência mais poderosa sobre
o estado psicológico do indivíduo quando ele está vivendo no espaço
limitado de um apartamento. A visão funciona como uma extensão do espaço
interior e se torna parte integrante do mundo em que o indivíduo está
Tipos de células residenciais e sua relação no espaço físico

vivendo. A relação visual que liga uma pessoa ao ambiente não pode ser
substituída por nenhum grau de conforto no arranjo interno da casa. É por
isso que, independentemente da solução técnica que o futuro arquiteto
residencial possa oferecer, a orientação bilateral manterá sua importância
como um princípio básico de planejamento. Qualquer proposta de moradia
futura que ignore esse princípio provavelmente não será bem-sucedida, do
ponto de vista visual, mesmo que seja satisfatória em todos os outros
aspectos.
A maneira como os apartamentos são combinados determina o caráter de
um edifício. Dois aspectos do problema parecem estar sempre em conflito.
Por um lado, há o desejo de conforto no apartamento e de um vínculo com
espaços verdes ao ar livre: por outro lado, há a necessidade de economia no
uso do espaço aberto disponível.

Planos funcionais da residência tradicional e futura. Em vez de pequenas


salas isoladas, um único grande espaço.
Condições ideais para descanso e privacidade são oferecidas pela casa
individual situada no meio da natureza. Mas esse é um tipo caro de bem-
estar. Para dar a uma família o conforto da vida no coração da natureza, os
custos de construção devem ser pagos, bem como o custo de uma série de
serviços individuais, desde a geladeira até a lavadeira e o automóvel.
A vila é o retiro tradicional da minoria de lazer no topo da sociedade
burguesa. A tentativa de tornar a vila disponível para o consumidor médio
significa construir uma massa de pequenas casas, cada uma em um pequeno
pedaço de terra. Esse método envolve um mínimo de serviços domésticos,
serviços compartilhados razoavelmente satisfatórios e transporte para atender
às necessidades individuais.
A construção em massa de casas individuais, no entanto, destrói o caráter
básico desse tipo de residência. Não há mais a possibilidade de isolamento na
natureza. O que resulta é uma aglomeração caótica e deprimente de
habitações cobrindo enormes extensões de terra. Isso é óbvio, por exemplo,
no caso de algumas novas cidades e subúrbios americanos. Ao mesmo tempo,
dadas as condições de igualdade social e o crescente crescimento da demanda
por moradias em nosso país, a busca por um futuro tipo de construção
residencial leva logicamente a estruturas de alto padrão.
O isolamento espacial de apartamentos em blocos residenciais altos
permite a concentração de um grande número de pessoas em um espaço
relativamente pequeno e a criação de um sistema eficiente de serviços. Além
disso, mesmo com alta densidade, espaços verdes consideráveis podem ser
fornecidos para o desenvolvimento de jardins e parques.
A orientação bilateral dos apartamentos combinada com o conceito de
arranha-céus garante grande privacidade para cada unidade e grandes vistas
panorâmicas. O planejamento adequado do local de arranha-céus entre áreas
verdes pode possibilitar a instalação de instituições para crianças de baixa
renda o mais próximo possível de sua residência. As vantagens reais das
estruturas baixas podem então ser desfrutadas por nossa sociedade, mas de
acordo com diferentes preceitos daqueles da sociedade burguesa, isto é, não
por quem pode pagar mais, mas por aqueles que mais precisam dessas
estruturas, especialmente crianças pequenas.
Trechos monótonos de casas individuais de baixo crescimento

Nossa indústria de construção em breve será capaz de produzir em massa


componentes estruturais de concreto armado e painéis leves de
preenchimento. Isso significa que, em grandes projetos, a construção
residencial padrão pode mudar de um sistema de parede com cinco andares
por prédio para unidades de concreto pré-fabricadas que permitem uma
subdivisão mais flexível do espaço interior e um maior número de andares.
Podemos esperar que estruturas residenciais de quinze a dezessete andares se
tornem comuns.
A prática habitacional atual exige que a sociedade ofereça uma grande
variedade de apartamentos para atender às necessidades de famílias com
diferentes números de membros residentes permanentes. No entanto, à
medida que avançamos para a educação pública em tempo integral, o número
de diferentes tipos de apartamentos pode ser reduzido a alguns, já que seu
tamanho será determinado apenas pelo número de adultos da família. Para as
visitas das crianças, um único quarto será suficiente, embora sua área possa
ser aumentada para um número de crianças, reduzindo o tamanho dos outros
cômodos do apartamento.
Em conclusão, sugerimos apenas três protótipos residenciais básicos: um para
o único indivíduo (com ou sem filhos); um para o casal (com ou sem filhos);
e um para dois casais (uma geração de idosos, um casal mais novo e
crianças). Este último tipo representa, em substância, uma combinação de
duas unidades do segundo tipo, incluindo uma divisão dupla de instalações de
casa de banho e cozinha. Nestas condições, não há necessidade de distinguir
entre edifícios de diferentes tipos de apartamentos. Em vez disso, notamos
uma tendência para estruturas residenciais padrão, cada uma contendo
protótipos de apartamentos e em conformidade com um sistema de
construção padrão e layout de instalações. Com tal sistema universal,
qualquer variação no núcleo familiar pode ser prevista e prevista.
Diferentes tipos de habitação:
(1) residência de um andar para crianças pequenas, com acesso direto ao
jardim;
(2) residência de dois andares para estudantes - janelas no jardim;
(3) residência de muitos andares para adultos.
Orientação bilateral dos apartamentos - horizontes amplos visíveis da janela.

À medida que o ensino público se


desenvolve, o número de tipos de
apartamentos será decisivamente
reduzido:
(1) apartamento para solteiro
individual;
(2) apartamento para uma geração de
adultos e crianças;
(3) apartamento para duas gerações de
adultos e crianças.
Ao considerar os apartamentos básicos ou unidades residenciais,
percebemos que a solução do problema habitacional traz mudanças
importantes que não são meramente mecânicas, mas significam uma melhoria
geral na qualidade de vida residencial.
A área espacial normal necessária para a educação de uma criança, por
exemplo, será distribuída entre três tipos de habitação: os respectivos
dormitórios das escolas primárias e secundárias e o apartamento da família.
No geral, o adulto precisará de uma área proporcionalmente maior para o
espaço vital do que a criança. Isso é totalmente justificável, desde que a
criança passe bastante tempo brincando ao ar livre, ou reunindo-se em salas
de aula e reunião, enquanto o adulto, durante as horas em que está sozinho,
tem uma grande necessidade de espaço individual.
Diferentes tipos de residência não estão relacionados da mesma maneira
com a natureza. Por exemplo, os alunos em idade pré-escolar precisam de
uma relação diária e direta com a natureza, enquanto os alunos mais velhos
podem fazer viagens frequentes ao campo aberto e, assim, obter contato
direto com a terra e o ambiente natural de maior escala. Portanto, embora os
muito jovens estejam em melhores condições no alojamento do andar térreo,
as crianças mais velhas podem viver em prédios de vários andares.
Finalmente, para o grupo mais móvel - a maioria dos adultos que passam
uma parte relativamente pequena do dia em casa - devemos aceitar a estrutura
residencial de alto padrão. A perda de contato imediato com o exterior ao
nível do solo e a necessidade de utilização diária de um elevador são
compensadas nesta situação por uma orientação bilateral de pontos de vista e,
acima de tudo, visitas de fim-de-semana a residências temporárias, onde as
relações com a natureza são restauradas.
A variedade em unidades residenciais resulta em um sistema unificado que
aloca racionalmente o espaço de acordo com a função.
O sistema residencial inclui: creches, casas individuais, comunidades
escolares e blocos de apartamentos. Estes são os elementos básicos da
construção residencial. Através de suas inter-relações, eles determinam o
tamanho e a forma das subdivisões na nova área residencial. As relações
funcionais entre eles, que delineamos através da análise de padrões de vida
comunitária, são precisamente o que nos leva agora a outros aspectos da
questão da habitação, como o transporte público e os serviços comunitários.

PLANEJAMENTO DE ÁREAS RESIDENCIAIS. O contato


diário de crianças em idade pré-escolar com seus pais requer, como
observamos anteriormente, que os prédios residenciais estejam na vizinhança
imediata da escola das crianças. De fato, todo o complexo comunal, até
mesmo o layout detalhado de protótipos de unidades residenciais, é
organizado com base nas relações entre os membros de cada grupo.
Em princípio, o planejamento de um complexo residencial primário
permite todos os tipos de soluções: um sistema de prédios baixos, um grupo
de unidades pré-fabricadas de diferentes alturas ou um único edifício alto.
Em todos os casos, no entanto, o complexo residencial não é simplesmente
um conglomerado de habitações, mas uma comunidade social e espacial. O
apartamento perde a autonomia da casa unifamiliar. É uma unidade que é
impensável à parte da existência do todo e, portanto, torna-se o elemento
primário de um sistema coletivo de habitação.
Para determinar o tamanho da população na comunidade residencial
primária, podemos obter o número aproximado que estabelecemos para cada
instituição pré-escolar (216 alunos) e a porcentagem da população composta
por crianças de três a nove anos de idade atualmente matriculadas na pré-
escola. e sistema elementar (treze por cento a quatorze por cento da
população geral). Esse método nos leva a um total de I, 600 a 1.700
indivíduos (aproximadamente 1.000 adultos) por complexo residencial.
Quando consideramos os serviços públicos e atividades de consumo que o
acompanham, descobrimos novamente a racionalidade de propor uma
comunidade residencial primária desse tamanho. Para chegar a estimativas de
capacidade, isto é, para estabelecer o número de pessoas que um centro de
atividades de consumo pode servir com facilidade, devemos determinar que
tipos de serviço devem ser fornecidos e depois estimar a demanda potencial
para eles, tendo em mente o que as distâncias máximas entre o serviço
doméstico e o consumidor devem ser.
Dois tipos fundamentais de serviços devem ser distinguidos entre as
necessidades do consumidor. Na primeira categoria estão os tipos de serviço
que devem fornecer eficientemente à população artigos de uso diário. Estes
serviços devem oferecer uma variedade de produtos e devem estar a uma
curta distância a pé de casa. A segunda categoria de serviço inclui o cinema,
farmácia, piscina, parque de bailes, escritórios de administração local, café,
restaurante, etc.
A prática no planejamento urbano tem sido distinguir muito claramente
entre essas duas categorias de comércio. Nas cidades inglesas tradicionais, o
microssetor fornece serviços primários a uma distância não superior a 400
jardas de um complexo residencial. O comércio tem uma densidade
razoavelmente baixa e o tráfego principal não entra neste microssetor. Além
do complexo residencial primário, há uma escola para aproximadamente a
cada 6.000 pessoas. Os serviços da categoria secundária, por outro lado, são
encontrados em um centro de cidade ou bairro com uma população de mais
de 20.000 pessoas. Geralmente, esses serviços estão nos cruzamentos da
rodovia e a área comercial é limitada a cerca de 800 metros em qualquer
direção.
Ao mencionar a experiência estrangeira no planejamento de micros
setores, devemos lembrar que nosso próprio sistema residencial atual é
baseado em unidades de quatro ou cinco anos e, portanto, excede
consideravelmente a densidade da vizinhança inglesa. Por causa dos padrões
vigentes nas moradias soviéticas, além disso, precisamos de um sistema de
serviços públicos mais completo e mais acessível do que o exigido em países
estrangeiros, onde se pode contar com instalações de cozinha adequadas para
a limpeza individual.
Isso explica as características consideravelmente diferentes dos nossos
microssistemas existentes. Num raio de cerca de 400 jardas até o transporte
público (sete minutos a pé), concentramos de 10.000 a 12.000 pessoas. Além
disso, cada um de nossos micro setores contém não uma, mas duas escolas,
ocupando uma quantidade relativamente grande de espaço e dentro do
alcance do transporte público. Os serviços primários dentro do centro
residencial geralmente parecem ser insuficientes para essa densidade
populacional e parecem especialmente estar muito distantes das casas das
pessoas.
O desejo de corrigir essas falhas levou os planejadores municipais a
formular um grupo totalmente novo de ideias centradas na conexão de
serviços e moradia, tanto quanto possível. Esses planos fornecem complexos
primários de serviços públicos para cada 1.000 a 4.000 pessoas em um raio
efetivo de 300 pés a 500 pés. O resultado poderia favorecer uma vida
comunitária mais intensiva, pois um grupo relativamente pequeno de
moradores, diante do contato com os trabalhadores que prestam os serviços,
poderia corrigir e regular a atividade do consumidor de acordo com as

Canais de acesso ao metrô


necessidades sentidas. Serviços suplementares, como salas de reuniões
públicas, estúdios, necessidades especiais de transporte, também podem ser
facilmente organizados.
Dados aproximados baseados nas atuais necessidades de serviço em
grandes casas de apartamentos e em microssistemas indicam que uma
população de cerca de 1.000 adultos por unidade primária funcionaria muito
bem.
Na presente fase de desenvolvimento, existem pelo menos duas maneiras
possíveis de organizar esses serviços.

Uma nova estrutura residencial funcional substituirá o


microssetor.

1. Plano do microssetor tradicional na Inglaterra


2. Plano da característica do microssetor da prática de
construção soviética
3. Sistema de três níveis de serviços ao consumidor
4. Dois níveis de serviços ao consumidor: passarelas
de pedestres são atravessadas por rodovias
5. Proposta: dois níveis de serviços. Transporte
rápido segregado do tráfego de pedestres; escola na
periferia da área residencial construída
A primeira opção é fornecer serviços em três níveis: um nível primário
localizado dentro do complexo residencial; um núcleo de serviços
secundários (lojas de alimentos, clubes, etc.) dentro do microsetor; um
terceiro núcleo de serviços (cinema, clube, parque, centro esportivo, etc.)
planejado no centro do setor maior. O sistema resultante dessa organização
de serviços é desajeitado, no entanto, e tem poucas vantagens, porque os
serviços são distribuídos de forma muito fina entre três tipos de centros de
consumo. Essa organização também leva inevitavelmente à duplicação inútil.
A segunda possibilidade é combinar os dois níveis primários de serviço e
localizar a nova unidade única em um ou vários edifícios residenciais. Isso
deixa o terceiro no centro do setor maior, provavelmente em uma
encruzilhada. Aqui surge uma desvantagem importante. Como não é prático
localizar todos os serviços necessários nos complexos residenciais, tornamos
os residentes dependentes do centro do setor. Como esses níveis de serviço
primário não podem incluir uma grande loja de alimentos (ainda menos
podem competir com grandes lojas na venda de produtos manufaturados), o
sistema exige que os moradores atravessem grandes ruas quando forem ao
shopping center.
Claramente, a análise da distribuição de serviços em setores residenciais
leva a uma tentativa de separar o tráfego de veículos de pedestres. Isso nos
permitiria planejar todo o setor de maneira unificada e ampliar seu grande
centro comercial, enquanto os serviços primários permanecem imediatamente
acessíveis.
As soluções para o problema do transporte urbano sempre dependem de
inter-relações, que por sua vez são moldadas pelo desenvolvimento
precedente de áreas residenciais. Podemos ter certeza, pelo menos, de que o
novo tipo de setor residencial, construído pensando nos passageiros, será
fornecido com alguma forma de trânsito rápido. Este sistema deve ser
planejado desde o início para evitar conflitos de circulação cruzada para
pedestres, tanto para sua segurança quanto para a eficiência do sistema de
transporte.
Não é necessário acrescentar que o transporte individual privado produziu
um conjunto tão grande de problemas não resolvidos nas cidades que até os
planejadores das sociedades burguesas tendem a limitá-lo. Na prática
moderna, o planejamento passou a incluir metrôs subterrâneos a uma
profundidade moderada, bem como trens elétricos elevados. As vantagens
econômicas de tal sistema de transporte para levar passageiros para e de áreas
de produção são óbvias, e também é uma resposta ao congestionamento na
cidade central.
Tendo estabelecido que o transporte público deve ser separado da
circulação de pedestres, propomos que estruturas residenciais de grande
escala em cada setor sejam planejadas em torno de um espaço central para
pedestres. Neste espaço será um metrô ou estação elevada, bem como centros
de atendimento ao consumidor e alguma indústria leve, se desejável. O
acesso de pedestres determina o tamanho do setor residencial. Quanto maior
a população a ser abrigada no setor, mais facilmente podemos justificar a
localização de todos os serviços necessários.
A construção residencial de alto padrão (mesmo com instituições infantis
de apenas um a três andares) permite uma densidade de assentamento
razoavelmente alta, e ganha a vantagem do uso eficiente da terra para este
plano para um setor urbanizado.
Se colocarmos a comunidade de escolas secundárias na periferia do setor
residencial (ao alcance do acesso de pedestres), ganhamos densidade interior.
Supondo uma distância máxima de caminhada de casa até a área de
serviços e transporte público de cerca de 500 jardas e uma distância máxima
em linha reta de 100 jardas da escola secundária para casa, a densidade que
estabelecemos anteriormente nos permite planejar 25.000 a 35.000 pessoas
por setor. Este número corresponde à nossa capacidade estimada para a
comunidade do ensino secundário. De fato, isso se correlaciona com o fato de
que um complexo escolar de 4.000 estudantes corresponde a uma população
de 20.000 a 35.000 habitantes.
O futuro setor residencial incluirá os seguintes elementos distintos:
1. Um sistema de serviços organizado em dois níveis: o nível primário de
serviços o mais próximo possível de casa e o outro localizado em um centro
de compras e deslocamento muito maior e centralizado.
2. Instituições infantis para educação pré-escolar e elementar a serem
localizadas o mais próximo possível de casa; escolas secundárias na periferia
do setor residencial.
Evolução dos meios de transporte

3. Um terminal de transporte público dentro do shopping, mas sem


interferir na circulação de pedestres.
Duas subdivisões básicas tornam-se o meio óbvio de organizar uma área
residencial total. Eles são:
(1) o complexo residencial de 1.500 a 2000 pessoas;
(2) o setor residencial de 25.000 a 35.000 pessoas.
Utilizamos tendências atuais visíveis para planejar nossas comunidades
residenciais. Nossas conclusões são baseadas na consideração das condições
futuras que podem ser razoavelmente previstas.
Não é difícil imaginar que, com o tempo, uma nova atitude se
desenvolverá em direção à densidade e que novos meios de transporte e uma
organização mais eficaz dos serviços coletivos sugerirão padrões residenciais
caracterizados por critérios completamente diferentes. É suficiente mencionar
a possibilidade de reunir uma área residencial inteira em uma única
macroestrutura.
Resumindo, consideramos aqui os problemas básicos que devem ser
resolvidos na reorganização da vida cotidiana, e analisamos as formas de vida
comunitária abertas pelas possibilidades técnicas e econômicas do futuro
imediato. Embora nosso pensamento tenha incluído a definição de unidades
residenciais, não definimos o caráter arquitetônico do novo ambiente.
Sabemos, no entanto, que a educação pública a tempo inteiro para as
crianças, a progressiva extensão dos serviços públicos e transportes, e uma
alta densidade na construção podem ser realizadas em termos práticos,
considerando qualquer tamanho da área da população residencial.

V. TEMPO DE LAZER

O século XX confronta a humanidade com o problema do tempo de lazer,


isto é, com o problema da liberdade. Interações sociais desenvolvidas
livremente são vitais para a vida urbana vigorosa. Cálculos baseados em
probabilidades sugerem que uma vida cultural plenamente desenvolvida pode
emergir e que um núcleo urbano reconhecível pode se formar em uma base
social de pelo menos 100.000 habitantes. Este é o novo elemento nos
ambientes urbanos; esta é a unidade socioespacial da nova sociedade.
A vida estruturada por relações livremente escolhidas representa os
aspectos mais completos e mais bem-arredondados de cada personalidade
humana. Estes são desenvolvidos através de escolhas feitas durante o tempo
livre do trabalho, com base em interesses, desejos e opções culturais abertas a
todos.
O século XX é o primeiro a colocar seriamente a questão de como
aproveitar o tempo de lazer disponível para as massas trabalhadoras, que
acabaram de iniciar sua autolibertação a partir do dia de trabalho em tempo
integral.
Nos próximos anos, com a redução do dia de trabalho para cinco ou seis
horas e a redução paralela de outras tarefas, o tempo de lazer será de cerca de
seis a sete horas por dia.13 Se diminuirmos ainda mais o dia de trabalho para
um período de não menos de quatro horas e assumir um sistema mínimo de
serviços diários, o lazer na próxima década pode aumentar para uma média
de oito a nove horas por dia, sem contar os feriados ou as férias anuais
prolongadas.
O aumento do tempo de lazer nos próximos anos apresentará um problema
social de significância extraordinária: como aproveitar esse tempo livre de
maneira coerente com o ideal comunista, ou seja, como utilizá-lo no interesse
de cada um e de todos.
Para resolver esse problema, é necessário examinar a atividade de lazer
como um processo de caráter distinto, ainda que parte do processo geral da
vida comunitária. A atividade de lazer cria inúmeras necessidades individuais
e materiais. Isso significa que as áreas devem ser designadas para atividades
de lazer, áreas que, naturalmente, devem ser totalmente acessíveis para todos.
Deste ponto de vista, podemos estruturar os tipos de atividade de lazer
característicos do período de transição para o comunismo da seguinte forma:
1. Atividades que promovam a comunhão e ampliem os interesses
profissionais.
2. Atividades que treinam para se tornarem mais qualificadas no próprio
campo ou se qualificarem para uma esfera diferente de trabalho.

13
S, G. Strumilin, Our World in Twenty Years (Moscow, 1964), p. 91.
Considerando o súbito aumento no número de pessoas que estudam
ocupando empregos em tempo integral e considerando que esse aumento é
atribuído ao encurtamento do dia de trabalho em 1959 por uma hora,
podemos prever com confiança que sucessivas adições ao tempo livre
produzirão uma situação. onde uma grande maioria da população se
envolverá em alguma forma de estudo. A amizade também pode ser vista
como uma forma de relacionamento livre e pode estar relacionada ao trabalho
e estudo, já que envolve meditar e avaliar na comunicação quaisquer
problemas e interesses que surjam para um indivíduo em seu
desenvolvimento.
Já consideramos a conveniência de planejar a privacidade residencial.
Relacionamentos livres podem facilmente se desenvolver em qualquer lugar
onde a privacidade é fornecida no contexto da vida da comunidade, seja o
local ligado a uma unidade residencial, um centro educacional, um centro de
pesquisa ou um local de trabalho. Qualquer um deles pode promover
associações baseadas no interesse e desejo. O propósito dos relacionamentos
livres é encorajar um indivíduo a desenvolver suas capacidades na íntegra, a
obter insight e a crescer de acordo com essa percepção. A livre associação
com outras pessoas tem sido menos estudada que outras formas de
relacionamento humano. No entanto, o desenvolvimento desse tipo de
associação também requer planejamento espacial adequado.
Associações baseadas em interesses compartilhados combinam uma série
de funções. Eles variam de recreação útil e cultural, que ampliam os
horizontes de uma pessoa e elevam seu nível intelectual, para atividades que
levam a uma nova profissão. Este tipo de associação está se tornando comum
o suficiente para torná-lo uma consideração em todo o planejamento urbano a
partir de agora
Em nosso país, o clube, a galeria, o museu, a biblioteca e o teatro são
pontos focais que unem as pessoas para atividades culturais. A universidade e
o teatro popular também fomentam esses interesses.
Infelizmente, inadequações no planejamento e correlação de atividades de
lazer são óbvias em todos os lugares. As cidades menores têm uma rede de
instituições culturais, mas seu potencial é geralmente medíocre. As ofertas
culturais de cidades pequenas vizinhas raramente são coordenadas ou
elevadas a certos padrões, como deveriam ser. Consequentemente, um tempo
de lazer considerável está sendo desperdiçado. Em muitos aspectos, o
autodesenvolvimento do indivíduo é mal apoiado pela sociedade, uma vez
que todos os possíveis canais de informação não estão de modo algum
habituados ao seu potencial real de comunicar eventos culturais e gerais,
disseminar descobertas científicas e técnicas etc. indivíduo, despertando seu
desejo natural de mais conhecimento, sugerindo novos objetivos em seu
campo de trabalho e ajudando-o a direcionar suas energias para o bem
comum.
A excessiva concentração excessiva de valores culturais em cidades muito
grandes leva a enormes aglomerações de milhões de pessoas; no entanto, até
mesmo a capital é incapaz, em escala nacional, de satisfazer o desejo das
massas pelo conhecimento científico ou o desejo do indivíduo de se
autodesenvolver. É essa discrepância que fortaleceu associações voluntárias e
deu origem a atividades de lazer baseadas em interesses culturais comuns.
Este tipo de organização social deve superar as contradições na vida cultural
da cidade e da cidade pequena.
Eventualmente, com a realização de outro aumento formidável no nível
material da cultura, será estabelecida ... uma rede expandida de bibliotecas,
salas de leitura, teatros, centros culturais, clubes, cinemas ... um vasto
desenvolvimento de universidades populares, empresas de teatro repertório e
outras organizações culturais ... uma grande cadeia de estúdios de cinema e
arte ligados a laboratórios técnicos e científicos, para que todos aqueles que
demonstram criatividade e interesse nesta direção particular possam
participar deste tipo de trabalho.
“Por uma questão de política, devemos distribuir uniformemente em todo o
território nacional as instituições culturais destinadas a elevar a vida cultural
das pequenas cidades ao nível das grandes cidades e também a patrocinar um
rápido desenvolvimento cultural em áreas recém-recuperadas.”14

14
Program of the Communist Party of the U.S.S.R. (Moscow, 1960), pp. 130-131.
O CLUBE DE PROJETOS CULTURAIS E CIENTÍFICOS.
O amplo desenvolvimento humano e a realização social do indivíduo por
meio de atividades culturais são considerados extremamente importantes hoje
e estão sendo realizados por meio da livre associação. Para atender a essas
aspirações, devemos planejar o novo ambiente urbano para incluir uma
grande proporção de pessoas representando cada campo fundamental do
conhecimento humano e fornecer a essas pessoas maneiras de formar grupos
dedicados a seus interesses culturais.
Considerando que a busca bem-sucedida de preocupações culturais sempre
requer certa quantidade de equipamentos, livros, instrumentos, etc., uma
associação cultural seria organizada:
(1) para atender a um padrão exigido em paridade com o trabalho atual
naquele campo;
(2) incluir pessoas qualificadas suficientes para manter um nível vivo de
atividade no campo.
Cada clube deve ter um núcleo de membros entusiastas que regularmente
dedicam parte de seu tempo de lazer à associação.
Em nossa opinião, o clube é a melhor forma de organização para um grupo
voluntário que busca interesses culturais específicos, pois permite a mais
variada comunicação na livre busca de aprendizado. Pode haver cursos
sistemáticos ou palestras ocasionais; seminários sobre temas escolhidos;
conferências, debates, discussões e conversas públicas ou privadas. A
iniciativa individual e de grupo é igualmente aplicável. Pode haver
exposições informativas mostrando os resultados de qualquer investigação
específica ou refletindo as atividades dos membros. Apresentações podem ser
feitas em qualquer aspecto da arte (cinema, teatro, concertos, etc.). Sem
limitar a liberdade do indivíduo, essa forma de associação flexível pode
satisfazer qualquer nível de interesse em um campo.
Dependendo do interesse público, o conhecimento adquirido através dessas
associações pode tornar-se geralmente disponível através de palestras e
discussões, relatórios, seminários, debates e exposições de arte. Todas essas
atividades dão às pessoas a oportunidade de obter uma grande quantidade de
informações em vários campos, para explorar problemas atuais, bem como
adquirir ou usar uma variedade de livros, reproduções, filmes, registros, etc.
Um nível mais alto e relativamente mais demorado de participação cultural
envolveria cursos regulares em assuntos específicos: palestras sérias do tipo
dado na universidade. Este tipo de curso promove a cultura e, além disso,
comunica uma grande quantidade de informações às pessoas.
Finalmente, o mais alto nível de participação é alcançado através da
participação ativa em círculos profissionais e grupos especializados em
determinadas áreas. Trabalhando sozinho ou em pequenos grupos, o
indivíduo sob a supervisão de especialistas pode testar sua capacidade em um
novo campo e satisfazer suas inclinações nessa direção.
O clube como uma função social claramente traz as inclinações e talentos
das pessoas e ajuda alguns a adquirir novas profissões, direcionando-as para
instituições apropriadas (universidades no verdadeiro sentido).
Dentro da estrutura geral do clube, diferentes subgrupos podem se formar
para explorar as áreas básicas de conhecimento e atividade existentes em
nossa sociedade. Para cada área básica, o clube deve ter uma seção. A forma
como cada seção é subdividida deve variar e refletir o fluxo livre e variável
de interesses entre os membros.
Uma combinação de permanência e fluidez na organização é
absolutamente necessária para preservar relacionamentos genuinamente
livres e assegurar ao indivíduo tanto a escolha plena de sua busca quanto o
controle do modo como ele se desenvolve.
Logicamente, também, podemos supor que cada núcleo de entusiastas,
sendo um grupo livre e criativo, precisará de pelo menos um núcleo de cinco
a nove membros para funcionar conforme antecipamos e múltiplos desse
número para assegurar um retorno máximo sobre o trabalho em equipe. .
Vamos supor também que em cada um dos dez setores (oito campos
fundamentais, mais uma seção para colecionadores de selos, moedas, etc., e
uma seção de esportes) existem cerca de dez subdivisões. De nossa análise,
concluímos que para obter a desejada interação livre e vigor cultural, a
estrutura do clube requer sete multiplicados por dez, multiplicados por dez
novamente, ou seja, 700 participantes ativos. Estes representariam então
todas as atividades culturais básicas atuais em nossa sociedade.
Cálculos de probabilidade baseados no atual nível educacional de nossa
população e nas exigências da estrutura proposta pelos clubes indicam que a
população mínima necessária para criar e sustentar um clube completo seria
de cerca de 60.000 adultos. Isso corresponde a uma população geral de cerca
de 100.000.
Qual será a localização do clube no plano urbano? Onde deve ser
construído para ser igualmente acessível a todas as 60.000 pessoas a quem
será uma necessidade real? Sua localização no período de transição para o
comunismo é de excepcional importância porque, à medida que o tempo de
lazer e as demandas culturais aumentam, o clube tenderá mais do que
qualquer função pública para atrair grandes massas de pessoas. As massas
vão passar tanto tempo aqui como em casa ou no trabalho.
A localização do clube deve levar em consideração o fato do movimento
contínuo da população durante a jornada de trabalho e a semana. As massas
trabalhadoras diariamente entram e saem dos complexos industriais de uma
zona industrial, os empreendimentos agrícolas de uma zona agrícola, os
centros e desenvolvimentos residenciais da zona residencial. Obviamente, a
localização do clube deve ser determinada por este triângulo: área
residencial; Centro de serviço; complexo industrial. Se colocarmos o clube
no centro de serviços ou no complexo industrial, a maioria das pessoas terá
que fazer três viagens em vez de duas por dia. No entanto, se o clube for
colocado em algum lugar da zona residencial, a maioria das pessoas o achará
igualmente acessível.
Deve-se observar, além disso, que a vida social das massas, suas reuniões e
desfiles, seus festivais e festas - exigem um lugar e tempo adequados. O lugar
onde as massas se reúnem em grandes ocasiões (por mais infrequente que
seja) deve sempre, mesmo quando vazio, expressar sua grande importância
funcional. Deve ser um símbolo permanente de todas as aspirações do povo.
Portanto, o local de montagem deve estar localizado com o clube em uma
única entidade arquitetônica. A criação de um centro que fosse igualmente
acessível e de grande benefício público para todos poderia unificar toda a
zona residencial.

O AMBIENTE UNIFICADO. Como demonstrado


anteriormente em nossa análise, os aspectos da vida comunitária que se
desenvolvem através da livre escolha e associação têm sua base física, em
parte, no clube, que funciona como um centro de vida cultural e como um
local para encontros de massa. Esta instituição requer uma população de
apoio não inferior a 100.000. É claro que os interesses culturais também são
exercidos em casa, e assim a atividade de lazer está diretamente ligada ao
sistema residencial. Assim, o clube e a sala de reunião são elementos focais
na estrutura social de uma grande área residencial.
Ao contemplarmos a formação de grupos livremente desenvolvidos,
reconhecemos sua grande importância no planejamento do período de
transição para o comunismo. Exigindo uma população mínima de cerca de
100.000 para florescer, o centro da atividade de lazer se torna um fator
decisivo no planejamento, não apenas por sua iniciativa cultural, mas porque
determina a população a ser designada para uma área residencial inteira.

Assim, a análise das associações e atividades voluntárias leva-nos a


conclusões análogas às obtidas ao analisar como um complexo residencial
primário deve funcionar em uma área urbanizada dentro de uma região
econômica e geográfica.
Na última década, muitos planejadores urbanos e sociólogos concentraram
seu interesse no papel reforçado do centro cultural na vida urbana,
antecipando que será um aspecto crescente da vida social durante o período
de transição para o comunismo.
Esses planejadores teóricos, embora reconhecendo quão vital é um centro
cívico para estimular os interesses culturais de toda uma população,
concluíram que o capitalismo não estimula o tipo de vida que encontraria sua
expressão em um centro cívico desse novo tipo. Portanto, é improvável que
seja criado em um ambiente capitalista.
O atual planejamento burguês parece justificar essa visão. O que tende a
ser construído são centros comerciais e de entretenimento.

O CENTRO SOCIAL E CULTURAL. Nossa própria


situação de planejamento urbano é, em muitos aspectos, análoga. Nos anos
que se seguiram à guerra, geralmente construímos centros políticos e
administrativos. Começando em meados dos anos cinquenta, uma tendência
para criar centros comerciais e de entretenimento tornou-se evidente. Quanto
aos clubes, que têm sido verdadeiros lares de cultura desde os primeiros anos
da revolução socialista, nem sua escala nem sua base social são grandes o
suficiente para assegurar a intensidade desejada de comunicação e interação
livre.
As propostas dos planejadores soviéticos e dos arquitetos estrangeiros mais
progressistas não fazem mais do que insistir no valor de tais centros e dois
tipos existentes de ambiente urbano: a cidade e a cidade pequena.
Nenhuma proposta anterior sugeriu que o centro cultural, em vez do
crescimento industrial, deveria ser o principal fator que determina o tamanho
de uma área residencial. No entanto, a indústria, como mostramos em um
capítulo anterior, não tem significado inerente que precise determinar o
tamanho das comunidades residenciais.
A questão, sobre esses novos princípios, é apenas como relacionar o
aumento do emprego industrial a uma população residencial cujo tamanho foi
determinado por sua infraestrutura coletiva.
O centro social, que é baseado em associações livres e interesses comuns,
constitui a terceira (e maior) das subdivisões da área residencial total, à qual
atribuiríamos uma população de cerca de 100.000 habitantes. No âmbito de
um complexo urbanizado de 100.000 pessoas, praticamente todas as
necessidades do indivíduo, sejam elas relacionadas ao seu trabalho ou às suas
atividades cotidianas, podem ser atendidas especificamente.
Para descrever a área residencial proposta por nosso plano, dificilmente
podemos usar a palavra "cidade". A amplitude dessa palavra e suas muitas
conotações confundiria completamente nossa investigação. O termo "cidade"
acumulou significados ao longo da história e inclui as noções de cidades
capitalistas antigas, medievais e antigas. De acordo com a nossa
interpretação, isso significa coleções de populações relativamente pequenas,
que são concentradas de forma compacta dentro de um sistema planejado de
casas e ruas. Empregar o termo "cidade" para designar um sistema muito
diferente, compreendendo de 10.000 a 10.000.000 habitantes, é interpretar
fenômenos novos e altamente diversificados em termos de concepções
antigas e bastante inadequadas, complicando assim nossa busca pela estrutura
de novos ambientes urbanos.
O termo "cidade", além disso, inclui a noção de vida industrial e trabalho
industrial, bem como instituições culturais altamente desenvolvidas. O uso
deste termo sempre implica, portanto, que em algum outro lugar existem
áreas rurais com um nível relativamente baixo de atividade cultural e
industrial. O importante problema de acabar com o contraste de cidade
pequena e cidade (especialmente vital neste ponto para nossa reformulação
construtiva do comunismo) é, portanto, ignorado. A busca por um único tipo
de ambiente humano se tornaria meramente elaborando e aperfeiçoando a
cidade tradicional.
Por essas razões, decidimos inventar um termo e, assim, chamamos o
complexo socioespacial examinado neste capítulo por um nome mais
complicado, ainda assim, acreditamos, mais preciso. Chamamos-lhe a nova
unidade de assentamento (NUS), sublinhando, assim, no próprio nome, o
significado dessa entidade como a unidade socioespacial básica de uma nova
sociedade.

O PLANO NUS (NOVA UNIDADE DE LIQUIDAÇÃO).


A autonomia espacial do NUS, seu sistema de setores residenciais com um
centro sociocultural atendendo a todas as pessoas, depende de toda uma gama
de fatores. Consideramos alguns deles antes, quando estávamos definindo o
plano físico: densidade, transporte, 97 e rede de serviços públicos. Clima,
topografia e, até certo ponto, o tipo de produção econômica em que a maioria
da população está envolvida certamente também desempenham um papel no
planejamento.
Melhoria da saúde e saneamento em ambientes urbanos são pressupostos
para uma vida comunitária intensiva. O planejamento do NUS deve garantir o
fácil acesso de pedestres de todos os setores residenciais à natureza e ao
centro sociocultural.
A abertura de setores residenciais à natureza é particularmente importante.
A maioria das cidades hoje, tendo se desenvolvido de uma forma não
planejada de acordo com o plano tradicional dos raios, se espalhou além de
sua definição original até o ponto em que elas se juntam a trechos
ininterruptos de terras construídas espalhando-se por muitos quilômetros.
Portanto, para sair da cidade e encontrar a natureza, é necessário fazer uma
viagem por uma hora ou mais por meio de transporte.
Pensamos que altos padrões de saúde e saneamento e da vida em geral
podem ser alcançados em um ambiente onde tudo o que é necessário para
deixar a área construída é uma caminhada fácil. Em outras palavras, os
limites de toda a área devem ser mantidos dentro do alcance de uma
caminhada de vinte minutos. Isso significa que uma milha pode ser
considerada uma distância convencional de casa para a natureza. A área
coberta por edifícios não deve ter mais que uma milha do centro para a
periferia.
Se começarmos com este objetivo e com as dimensões dos edifícios
massivos e densamente habitados exigidos pela NUS, veremos que dois
planos básicos, ambos proporcionando boas condições para a saúde e o
saneamento, podem ser usados para relacionar os setores uns aos outros
espacialmente. Vamos examiná-los.
Arranjo linear: os setores são esticados ao longo de uma única linha; a
zona da escola corre paralela à residencial.
Arranjo circular: os setores formam um anel fechado com um espaço
aberto no centro; a escola e a área de esportes se alternam com áreas de
residência.
Esquemas comparativos para o
planejamento de áreas residenciais:

(1) cidade tradicional: área central


distante da natureza; setores periféricos
distante do centro;
(2) esquema linear: a zona construída
de uma profundidade de 1,5 km se
estenderia por cerca de 6 quilômetros
para abrigar uma população de 100.000
habitantes; os setores residenciais
desfrutam idealmente de proximidade
igual à natureza, mas os setores
periféricos estão mais distantes do
centro;
(3) esquema circular com massa
verde central; os setores residenciais
estão agradavelmente ligados à natureza
e são igualmente convenientes à
natureza e ao centro.

Ambos os esquemas gerais garantem o fácil acesso de pedestres à natureza e,


desse ponto de vista, são igualmente desejáveis. Numa situação concreta, a
escolha de um ou de outro dependerá, obviamente, da topografia. O esquema
linear é preferível onde os setores residenciais devem estar relacionados de
alguma forma a características naturais proeminentes, como rios, litoral ou
uma grande floresta. O arranjo circular pode ser impossível em áreas onde há
quedas acentuadas no terreno, ou sob condições atmosféricas ou climáticas
especiais.
O esquema linear também pode ser o mais razoável quando uma grande
parte da população de NUS está ativa em um tipo de produção econômica
que não precisa ser segregada da área residencial. Aqui, logicamente,
gostaríamos de criar a possibilidade de trânsito direto entre casa e trabalho.
Infelizmente, no plano linear, os vários setores residenciais devem estar
distantes do centro sociocultural. As unidades finais estarão a uma distância
máxima de duas milhas do centro e, portanto, precisarão de transporte
motorizado para alcançá-lo.
Com o plano circular, por outro lado, o centro de NUS é equidistante de
todas as unidades residenciais e é acessível a todos por uma caminhada
aproximadamente igual (o raio de NUS não ultrapassará as 1.2 milhas). A
distância desigual das unidades residenciais do centro sociocultural é uma
desvantagem do esquema linear. Até certo ponto, porém, pode ser
compensado por um sistema de transporte muito direto e econômico.
O crescimento das associações livres entre as pessoas, particularmente
aquelas baseadas em atividades de lazer, e a tendência de as unidades de
produção serem colocadas a uma distância das áreas residenciais indicam que
a NUS em conformidade com um plano circular se tornará o tipo mais
comum.
Assim, a parte residencial do novo ambiente urbano torna-se um espaço
autônomo, completo em si e claramente definido. O plano para NUS como
uma projeção estática (não incorporando a característica de crescimento)
torna-se uma parte clara e integrante do contexto dinâmico de qualquer região
econômica e geográfica.
VI. ESTRUTURA DO AMBIENTE URBANO

O crescimento caótico das cidades será substituído por um sistema


dinâmico de assentamento urbano. Este sistema irá evoluir a partir de um
núcleo integrado e autossuficiente: o NUS. O crescimento urbano, através da
formação de núcleos, representa uma nova fase no desenvolvimento
consciente da vida urbana. O objetivo é transformar todo o planeta em um
ambiente sociológico unificado. NUS é a unidade fundamental desse
organismo. É o "quantum" do ambiente urbano, a unidade finita, limitada por
si mesma e dirigindo-se. A realização do NUS projetado pode ser iniciada
hoje, pois sua infraestrutura econômica e técnica real já existe.
O SISTEMA DE CRESCIMENTO URBANO SEGUNDO A
FORMAÇÃO DE NÚCLEOS. Devemos aplicar ao
plano unificado e construtivo da vida urbana comunista os resultados de
nossa investigação sobre vários aspectos de sua estrutura funcional. Para
tornar nosso modelo mais compreensível, completaremos nosso argumento
apresentando alguns planos específicos e sugerindo algumas formas de
realizar a estrutura funcional que descrevemos anteriormente em um nível
abstrato. Esses esquemas parecerão inevitavelmente bastante convencionais,
sem a profundidade e os detalhes concretos próprios de um projeto
arquitetônico, mas esse defeito, em nossa opinião, é superado pela utilidade
dos esquemas em ilustrar claramente nossa hipótese fundamental.
A expansão demográfica, incluindo a rápida transformação industrial de
territórios ricos em recursos naturais, bem como a expansão interminável em
áreas parcialmente desenvolvidas e a tendência da indústria pesada e dos
centros científicos para ocupar vastas áreas de terra, nos dão razões para
antecipar algumas formas de áreas unificadas para o ambiente urbano, uma
forma na qual existe estreita interdependência de elementos ambientais
(industriais, científicos e residenciais) e nos quais as regiões compactas são
criadas para o seu desenvolvimento intensivo.
O surgimento de áreas racionalmente planejadas a muitos quilômetros de
dimensão indica que nos movemos para um novo estágio de desenvolvimento
urbano consciente, cujo objetivo final é unir o planeta num sistema único que
corresponda a um novo tipo de organização social e ao crescente potencial da
tecnologia moderna.
A região de assentamento urbano com muitos núcleos pode se tornar
povoada por vários milhões de pessoas. A própria região é formada pela
interdependência econômica de seu desenvolvimento, desde o complexo
industrial até a área industrial e a região industrial. A região possui um único
sistema de transporte, uma administração centralizada e um sistema unificado
de educação e pesquisa.
Os núcleos urbanos dessa região formam um sistema espacialmente
autônomo, embora ligado a áreas industriais, terras agrícolas e auxiliares e
áreas preservadas em seu estado natural.
Diagrama de distribuição de grupo no ambiente urbano

Cada unidade de assentamento (NUS) é planejada para ter uma estrutura


social e espacial padrão e para atender independentemente as principais
necessidades e serviços culturais para seus habitantes. O fato da padronização
não exclui a diversidade, no entanto, na situação do planejamento local, que
deve responder à topografia, clima e outros fatores indígenas.
Essas unidades de assentamento (NUS), novas em tamanho e concepção,
seriam racionalmente distribuídas por uma zona urbana. Eles devem ser
planejados razoavelmente distantes (de um a dois diâmetros de um único
NUS) para manter (ou criar) grandes cinturões verdes entre eles, que
poderiam ser diretamente contíguos com as áreas residenciais. As condições
naturais nos cinturões verdes entre NUS diferentes poderiam fornecer
serviços recreativos, incluindo instituições de saúde pública e esporte para
toda a população da zona administrativa. Outras áreas de terra não utilizadas
nas zonas designadas para assentamento poderiam ser entregues à agricultura,
servindo assim a população com produtos frescos e fornecendo à indústria
alimentícia matéria-prima. Uma grande parte da população que vive no NUS
pode ser empregada nessas atividades. É provável também que muitas
pessoas na área urbanizada seriam atraídas para o trabalho agrícola durante
seus períodos de lazer. Consequentemente, a estrutura em forma de teia das
zonas urbanizadas que resulta de nosso planejamento de núcleos abolirá em
grande parte a distinção entre ambientes rurais e urbanos.
Cada zona com seus núcleos urbanos exigirá algumas instituições
centralizadas para coordenar e dirigir sua atividade econômica e educação
científica. Essas instituições podem ser colocadas em um único complexo
localizado no centro de toda a área urbanizada, onde, juntamente com
escritórios administrativos para dirigir a pesquisa científica e o ensino
superior, um centro de coordenação econômica seria localizado. Também
aqui, significativamente, pode haver um centro de informações no qual as
atividades socioculturais do NUS, incluindo suas funções políticas e
administrativas, podem depender.
As regiões com assentamentos de núcleos, portanto, estariam livres de
muitos dos graves defeitos que são característicos das gigantescas
aglomerações urbanas existentes com suas histórias de crescimento não
planejado, problemas de saúde e saneamento, afastamento da natureza,
transporte confuso e acesso desigual a ambos centro e periferia. Ao mesmo
tempo, a zona urbana baseada nos núcleos preservará todas as virtudes reais
da metrópole contemporânea, especialmente o alto nível de vida social e
cultural.
A zona residencial, ligada economicamente a um complexo industrial em
desenvolvimento, fará parte de uma região econômica e geográfica total e
exigirá uma organização administrativa e territorial relacionada a ela. Em
uma única região econômica e geográfica, um ou vários núcleos poderiam se
desenvolver, onde a maior parte da população da região estaria concentrada.
O centro de um deles presumivelmente assumirá a coordenação e direção de
toda a região.
No processo de propagação para novas áreas de terra, um único NUS ou
pequenos grupos de dois ou três podem surgir. Com o tempo, eles se
dividirão em regiões autônomas ou se unirão a regiões vizinhas, dependendo
das características econômicas e geográficas do território.
Diagrama de NUS em uma zona agrícola. Ao longo das ligações radiais do
transporte, as comunidades transitórias estão alojadas em residências móveis.

O novo NUS, isolado e relativamente autônomo, muito distante de todos


os outros, provavelmente surgirá com bastante frequência em zonas agrárias,
em centros de processamento de produtos agrícolas. Assentamentos isolados
semelhantes tenderão a aparecer em torno de refinarias em áreas de
mineração.
Nesses casos, o NUS será o centro social, administrativo e cultural de uma
população amplamente dispersa.
Se tal NUS central puder ser conectada por meios adequados de transporte
com a área agrícola ou de mineração como um todo, fará sentido construir
habitação temporária (talvez casas móveis) para uso sazonal por
trabalhadores agrícolas (ou para mineradores rotacionando períodos de
trabalho nas minas).
Complexo de casas móveis para assentamentos temporários em áreas
agrícolas e de mineração:
(1) casas;
(2) complexo de instalações fornecidas;
(3) edifício público de tipo pneumático.

O que dissemos a respeito de novas áreas de assentamento nos leva a


esboçar um método para reconstruir também as áreas urbanas existentes. A
reconstrução sempre toca em um grande número de situações previamente
desenvolvidas e não pode ser realmente resolvida a menos que se conheça
todos os detalhes e tenha elaborado um plano completo e preciso. A
reconstrução não pode ser alcançada seguindo cegamente alguma fórmula
simples ou um único plano. Este é um problema que exige abordagens únicas
e muitas vezes surpreendentes. Mas podemos sugerir brevemente alguns
princípios úteis.
Onde há concentrações de milhões de pessoas, queremos fazer uma
transição gradual da metrópole para a zona urbanizada composta de núcleos
NUS. Queremos intercalar cinturões verdes através de complexos existentes
de edifícios, para transformar o todo em um sistema de grandes unidades
cívicas (tipo NUS), cada uma com seu centro administrativo, cultural,
científico e educacional.
Em cidades pequenas e médias, onde existe a possibilidade de
desenvolvimento econômico intensivo, ela pode ser estimulada pela
construção de novas NUS, que também elevariam o nível dos serviços de
consumo e culturais. Por outro lado, se o desenvolvimento econômico é
lento, o procedimento lógico seria remover gradualmente a população para o
centro urbano mais próximo.
Nas regiões agrícolas, a atividade econômica, incluindo o trabalho agrícola
moderno e a vida cultural, pode começar a se agrupar em locais fisicamente e
economicamente vantajosos. Deveria eventualmente desenvolver nesses
locais um NUS central, ou grupo de NUS, cujas instituições culturais
atrairiam a população dessas regiões.
A base do nosso planejamento é o conceito de uma nova unidade de
liquidação (NUS); Propomos um "quantum" para a urbanização, cujo
tamanho pode variar apenas dentro de limites estreitos. Esta é uma premissa
teoricamente válida e merece uma palavra suplementar de explicação.
Ao definir o tamanho numérico médio das populações de NUS em
100.000, não queremos dizer que este seja um total fixo ou rígido. Pode-se
argumentar que, devido a um elaborado complexo de condições locais, pode
haver um NUS em alguns lugares com uma população de 150.000 habitantes,
ou NUSs gêmeos de 200.000, compartilhando um único centro sociocultural
ampliado.
Embora estejamos supondo que investigações experimentais posteriores
sobre a natureza e o crescimento da vida sociocultural livre levem a correções
de nossas projeções, no entanto, postulamos a NUS como sempre
representando a unidade fundamental da futura comunidade. Também
sustentamos que uma população de 100.000 reflete com precisão a correlação
Diagrama indicando em que medida uma cidade poderia ser reconstruída. O
sistema indiferenciado de bairros é dividido por espaços verdes abertos em
grandes áreas urbanas nucleares, cada uma com seu centro autônomo. Zonas
industriais são indicadas pelo espaço aberto acima.

entre o tamanho ótimo de uma grande unidade residencial primária e as


exigências de uma estrutura organizacional que apoiará a livre associação
intensiva e a busca de interesses culturais.
É importante esclarecer como o tamanho "máximo" que definimos para a
população e as dimensões de qualquer NUS se encaixa nos requisitos da
produção econômica, especialmente onde há um grande crescimento
econômico.
Na produção contemporânea, é prática comum isolar certas atividades
essenciais do processo fundamental de fabricação. (Isso inclui administração,
experimentação, pesquisa e programação.) Isso é feito independentemente de
o emprego estar aumentando ou diminuindo. O procedimento em ambos os
casos afeta diretamente o que acontece no ambiente urbano.
Enquanto os processos de fabricação mais importantes mostram uma
tendência a se afastar das áreas residenciais, as atividades administrativas e
de pesquisa que estão diretamente ligadas a elas parecem estar gravitando em
direção aos centros urbanos.
Um sistema de transporte rápido conecta a NUS, a área industrial e o
centro científico, unificando toda a região urbanizada. Assim, é possível
distribuir a força de trabalho com a mesma eficiência em toda a região e
regular a imigração de pessoas para uma região urbanizada, além de sua
expansão populacional normal, estabelecendo todas as pessoas em novas
unidades de assentamento (NUS).
Às vezes, um único NUS formará um complemento a um complexo
industrial específico ou a determinados setores intensamente desenvolvidos
de uma zona industrial, porque estes ainda empregam uma parcela importante
da população. Mesmo assim, entretanto, não há razão para que as NUS
difiram radicalmente, seja em tamanho físico ou em densidade populacional,
a partir das dimensões propostas.
Embora a localização de algumas indústrias seja determinada pela
proximidade de refinarias, minas e tais operações, outros processos de
fabricação podem estar localizados em praticamente qualquer lugar de uma
região, desde que estejam razoavelmente relacionados ao sistema geral de
transporte e produção.
Quando um grande número de indústrias, cada uma exigindo autonomia
espacial, se move para uma região urbana, é fácil imaginar que uma indústria
isolada de dimensões mínimas traga um certo número de pessoas, digamos
11.000, enquanto as indústrias maiores trarão proporcionalmente mais .
O desenvolvimento do ambiente urbano em escala regional será, é claro,
simultâneo à construção dos núcleos NUS. Portanto, podemos começar a
imaginar o ambiente urbano do futuro como um sistema dinâmico, no qual o
número de elementos se expande racionalmente no processo de
desenvolvimento. Cada elemento, no entanto, não é planejado para se
expandir de forma autônoma, mas para ser integrado a uma quantidade
crescente de outros elementos em um sistema em expansão. O conceito é
análogo ao processo de crescimento na natureza, pelo qual cada elemento
recebe um local e função apropriados. O crescimento de qualquer organismo
complexo tem um limite definido, após o qual o organismo gera um novo
organismo que se assemelha a si mesmo. O crescimento caótico da cidade
moderna além de qualquer limite é comparável apenas ao crescimento de um
tumor maligno. Este tipo de crescimento impede a atividade normal do
organismo e, finalmente, destrói.
A ideia de limitar o crescimento da comunidade não é novidade em si
mesma. A literatura sobre planejamento urbano nas sociedades capitalistas
está cheia de boas intenções para acabar com a monstruosa expansão das
áreas metropolitanas. Dado seu contexto social, no entanto, essas ideias, por
mais razoáveis que sejam, são impossíveis de serem postas em prática.
No planejamento soviético, a idéia de limitar o crescimento da comunidade
faz parte de um conceito bastante difundido: o conceito de "cidade ideal".
Este conceito começa com a tentativa de proporcionar numericamente os
grupos dentro de uma população urbana, a fim de assegurar o melhor
desenvolvimento econômico e social, condições de higiene e transporte, e
geralmente resolver os principais problemas urbanos.
O próprio termo "cidade ideal" implica que esses problemas (e
especialmente o problema da relação orgânica entre produção, habitação e
planejamento econômico de longo prazo) devem ser resolvidos dentro da
estrutura de um único complexo urbano integral, enquanto o estudo do A
relação entre o ambiente e a indústria de grande escala é relegada a segundo
plano. Este ponto de partida intelectual leva a contradições irreconciliáveis.
Por um lado, o tamanho da população da "cidade ideal" é rigidamente
estabelecido e não pode acomodar o fluxo maciço de população atraído pela
rápida expansão industrial. Este tamanho de população não é baseado em
qualquer consideração real, mas é simplesmente um tipo de média aritmética
entre várias respostas para problemas diferentes e separados.
Nossa noção de um novo elemento básico no ambiente urbano deriva de
uma perspectiva bastante diferente, que leva em conta toda a região
urbanizada. Isso significa que podemos antecipar totalmente o crescimento
industrial e podemos estudar e prever os efeitos dos sistemas econômicos e
de transporte sobre o complexo industrial e territorial total.
"Continuidade e
descontinuidade:
duas características
contraditórias
ligadas
indissoluvelmente, e
encontradas
geralmente em
fenômenos naturais,
sociais e mentais". -
Bolsaja Sovetskaja
Enciclopedija,
XXXIV, 434.
Chegamos a uma posição clara e segura para definir uma unidade básica
autorreguladora. Nosso novo elemento no ambiente urbano (NUS) não foi
postulado com base em fatores extrínsecos a ele, mas com base na própria
situação residencial urbana, em outras palavras, com base nas exigências
individuais e sociais reais da sociedade comunista.

DO PLANO À REALIDADE. Tentamos descrever


a estrutura funcional do ambiente urbano, apresentando todos os dados que
têm uma influência direta sobre o tipo de edifícios a serem construídos e
sobre suas relações planejadas. É necessário agora esboçar, pelo menos
brevemente, algumas soluções arquitetônicas que seriam possíveis dentro
dessa estrutura e considerar algumas das técnicas de construção disponíveis.
Devemos passar de nossa investigação para a matriz social a alguns
esquemas arquitetônicos gerais que, embora gerais, são muito menos
abstratos do que os argumentos e estatísticas teóricos que temos apresentado
até agora. Para falar concretamente, devemos considerar quanto tempo
esperamos que leve para passar do plano para a realidade. O ritmo do
progresso hoje é altamente acelerado, e o período de tempo que estimamos
define, do ponto de vista dos planejadores, um estágio no desenvolvimento
tecnológico e econômico - um nível de inovação técnica.
Novas técnicas na arquitetura abrem possibilidades excitantes. O uso de
materiais de isolamento sintético está trazendo grandes melhorias para a
construção. Podemos prever, por exemplo, que um filme plástico substituirá
em breve o vidro como o material usual da janela. Combinado com o novo,
mas já praticável, conceito de estruturas infláveis, isso significa que
complexos inteiros de edifícios residenciais podem ser cercados e receber um
clima artificial. Há possibilidades ilimitadas no uso de substitutos eficazes
para métodos primitivos de construção, métodos que têm valor tradicional. A
construção está se tornando um campo para experimentos fascinantes.
O tempo mudará a aparência da nova cidade para o ponto de
irreconhecibilidade. O uso de plásticos transparentes laminados pode levar à
criação de cidades fantásticas sob cúpulas transparentes. O eventual
desenvolvimento de estruturas de rolamentos de metal e concreto reforçado
provavelmente fará a cidade do futuro assumir o caráter de um único edifício
gigantesco.
Neste livro, evitamos fantasias sobre o futuro distante; Nós tentamos
mostrar como uma nova estrutura funcional para o ambiente urbano já é
possível. Usar essa abordagem de planejamento como base para soluções
espaciais geraria, por si só, um ambiente qualitativamente novo. As propostas
que mencionamos neste capítulo não devem ser comparadas com as inúmeras
propostas existentes para uma arquitetura do futuro. Nossas propostas visam
apenas esclarecer os princípios a serem aplicados a alguns novos projetos
urbanos. Não estamos absolutamente empenhados em procurar novos tipos
de materiais ou técnicas de construção; aqueles que descrevemos são técnicas
de construção bastante convencionais que são normais hoje, ou aquelas que
serão comuns nas próximas décadas.
Nossos planos para NUS não ilustram mais do que nossa concepção geral
de seu arranjo espacial. Certamente não pretendemos ditar o perfil real de um
assentamento ou o projeto de qualquer edifício individual. Percebemos, além
disso, que toda melhoria ambiental é feita não apenas pela construção de
novas estruturas, mas pela sua relação com o ambiente existente. Qualquer
plano que oferecemos, portanto, mesmo o mais abstrato, assume que a
mudança será gradual, consistindo em incrementos de progresso em direção a
um objetivo distante.
Os padrões para áreas e espaços cúbicos que aplicamos aqui à NUS são
aqueles que realmente guiarão a construção nos próximos anos. O programa
acelerado de construção e o aumento progressivo dos padrões de habitação e
serviços públicos que aparecem aqui simplesmente estão de acordo com os
atuais planos atuais da nossa sociedade.
Assim, para compreender nossos exemplos, é preciso perceber que nossos
padrões são os que realmente devem prevalecer no futuro próximo.

PLANEJAMENTO DE ESPAÇO Os princípios


fundamentais que governam o NUS:

1. Igualdade de mobilidade para todos. Sectores residenciais estão a igual


distância do centro e das florestas e parques que os rodeiam.
2. As distâncias são planejadas em uma escala de pedestres. Nenhuma casa
é tão remota do centro ou da área do parque que não pode ser alcançado por
uma caminhada razoavelmente curta.
3. Eliminação do perigo do tráfego de veículos. Transporte público rápido
opera fora da área de pedestres ainda está ligado centralmente com NUS.
(Seus circuitos transportam pessoas de casa para o trabalho e de casa para
casa.)
4. Cintos verdes. Cada setor é cercado pelo menos em dois lados por terra
aberta.
Os setores são planejados como raios em torno do NUS center, que
concentra a atenção no grande parque comunitário e no centro sociocultural.
Estes juntos ocupam uma área de 200 acres. Os setores residenciais estão
ligados uns aos outros e aos complexos industriais localizados de três a
quatro quilômetros de distância por um sistema de transporte público. O
tráfego motorizado circula em uma rodovia periférica, exceto por uma via
que o leva ao centro. Estradas que se ramificam a partir desta fornecem
acesso, mas não atravessam, áreas residenciais, educacionais e recreativas.
Diagrama de NUS.
1. Unidades residenciais
2. Escola e área esportiva
3. Transporte rápido acima do nível do pedestre
4. Rodovia
5. Centro Comunitário de NUS

Diagrama do NUS. O plano do NUS aqui apresentado assume condições


típicas: o NUS está em uma zona urbana com núcleos; é mostrado em uma
região geograficamente central e média; os setores estão dispostos em um
plano circular sem quebras topográficas. O que indicamos aqui é a projeção
mais abstrata de NUS e a mais clara ilustração de sua estrutura básica. Este
plano é simultaneamente um símbolo da ideia e um programa para a sua
realização.
SETOR RESIDENCIAL. O conceito básico enfatiza:

1. Uma escala de pedestres. A distância de qualquer residência até o centro


de serviços, incluindo o transporte público, não excederá de 500 jardas a 600
jardas (uma caminhada de sete minutos).
2. O ambiente escolar. Colocar a comunidade escolar na periferia de uma
área residencial permite que a escola se conecte diretamente com as terras do
parque e da floresta.
3. Parques e terra de lazer. Os espaços entre os setores residenciais serão
verdes, ligando as árvores e o paisagismo do centro às florestas e parques
fora da área desenvolvida.
O setor residencial é uma área densamente construída e inclui dezesseis
complexos primários. É cercada por um cinturão verde, com pelo menos um
quarto de milha de largura, e incorpora um shopping center para 25 mil
pessoas, alguma indústria leve e espaço para atividades coletivas.
O espaço de armazenamento para edifícios residenciais e não residenciais é
fornecido por porões. O acesso subterrâneo também está previsto para
entrega e outros serviços vindos da periferia. Isso significa que todo o tráfego
pesado pode ser mantido fora do centro, que conterá apenas pavilhões de luz
alcançados por uma passarela ampla. Nesta área central, perto de lojas e
serviços, localizamos o metrô ou estação elevada.
Há espaço suficiente entre dois setores residenciais para prover uma
comunidade escolar e áreas para lazer, descanso e esportes. Situado entre
campos e jardins, a comunidade escolar tem uma residência central de três
andares, em torno da qual estão agrupados vários edifícios educacionais.
Quatro destes são suficientes para começar. Mais tarde, em resposta ao
crescente sistema educacional, esse número terá que aumentar. No momento,
no entanto, estruturas escolares aparecerão, como mostrado em nosso
diagrama, na fronteira com a área externa de verde, onde instalações
esportivas gerais e uma piscina interna também são desenvolvidas, para
atender tanto estudantes quanto adultos. Os serviços de saúde médicos e
gerais devem estar disponíveis aqui.
O diagrama de NUS não determina uma única solução espacial única. Apesar
do fato de uma única estrutura funcional, o perfil de cada assentamento será
modificado por várias circunstâncias concretas, pelo caráter criativo do
arquiteto e pelo nível efetivo de tecnologia aplicada.
1. Um exemplo de arranjo linear de unidades residenciais próximas a
plantas industriais não danificadas. Arranha-céus com torre, alguns dos quais
estão unidos a um bloco contendo serviços compartilhados, formarão as
unidades residenciais básicas.
2. Exemplo de arranjo compacto de unidades residenciais. Edifícios de seis
a nove andares são unidades residenciais primárias. O total urbano:
1. Unidades residenciais primárias
2. Centro Comunitário para o setor
3. Complexo da comunidade escolar
4. Centro Acadêmico
5. Centro Comunitário de NUS
6. Complexo esportivo
7. Rodovia
8. Transporte rápido acima do nível do pedestre
A geometria e o tamanho físico do setor residencial podem ser descritos de
outras maneiras. O setor pode ser visto como uma área planejada de arranha-
céus, com duas extensões para escola e esportes, ou pode ser identificada
como um campus escolar e uma área de esportes com duas extensões
residenciais densamente povoadas. De qualquer ponto de vista, nosso plano
mostra um sistema integrado de habitação, serviços ao consumidor, escolas e
instalações recreativas para 25.000 habitantes.

UNIDADE RESIDENCIAL PRIMÁRIA. Os princípios


subjacentes ao nosso plano para unidades habitacionais são:
1. Economia razoável, privacidade e conforto. Para responder a essas
necessidades, estruturas residenciais de alto padrão são combinadas com
instituições de baixo crescimento para crianças.
2. Variação nas estruturas totais com base na combinação de unidades
padrão. A unidade básica de apartamentos serve como um módulo e as
combinações podem ser variadas para criar apartamentos de diferentes tipos
para atender diferentes números de pessoas por família.

Unidade residencial primária:

1. Visto de cima

2. Célula residencial. A área


das instalações auxiliares é
sombreada. O traço de ligação
vertical (elevador, escadas) é
indicado por um círculo.
3. A orientação bilateral é recomendada para todos os tipos de
apartamentos, exceto aqueles para pessoas solteiras.

O principal complexo residencial inclui blocos de apartamentos de


dezessete andares, alguns serviços primários ao consumidor e uma escola
primária e pré-escola de baixa renda.
No edifício alto, tanto o tráfego vertical (elevadores) quanto a
comunicação horizontal (mezaninos) são necessários. O sistema de
mezaninos garante um maior nível de conforto e privacidade do que os
corredores.
Na prática, muitas variações do conceito de mezanino são possíveis. Nosso
diagrama indica apenas a localização geral de elevadores e escadas e assume
que os detalhes dependeriam do plano de construção específico. O primeiro
andar da habitação é elevado acima do nível do solo para tornar o edifício
independente do terreno e para evitar o bloqueio do tráfego de pedestres.
Os serviços ao consumidor podem ser fornecidos sempre que desejado nos
andares inferiores da estrutura residencial.
No planejamento dos apartamentos,
levamos em conta as áreas auxiliares.
Elevadores, escadas, banheiros e cozinhas
para dois apartamentos formam um único
módulo compacto. Ao localizar todos os
serviços mecânicos em uma área, a instalação
e os reparos são muito mais fáceis. Todos os
apartamentos (exceto aqueles nos mezaninos)
têm orientação bilateral.
Dentro do módulo de dois apartamentos, a
caixa pode ser esculpida para três, quatro ou
cinco pessoas. Apartamentos para uma e duas
pessoas são colocados nos mezaninos;
aqueles para seis ou mais pessoas em
coberturas. Daí a nossa unidade residencial
pode incluir uma variedade de apartamentos,
com base na norma vigente de cerca de 100
Complexo Comunitário Escolar
metros quadrados por pessoa para área de estar privada, e em consonância
com a composição demográfica da nossa população. Em nosso plano de um
layout de apartamento típico, temos em mente como ele pode ser modificado
para diferentes proporções de área ou em relação a eventuais mudanças na
demanda.
Nosso sistema atual nos permite abrigar até 1.750 pessoas em um edifício
alto. Se o subsídio de espaço por pessoa aumentar enquanto o sistema de
educação pública continua a se expandir, o número de residentes permanentes
ocupando a mesma área de construção diminuirá para talvez 1.000 adultos, e
esse processo de descongestionamento aumentará o espaço por habitante.
As escolas primárias com dormitórios terão uma área de serviço geral com
sala de jantar e cozinha, ginásio e sala de aula, escritórios administrativos e
de professores e posto de primeiros socorros. Os dormitórios das crianças
devem ser construídos

Centro Acadêmico
Shopping Center
em torno desta unidade de serviço central. Cada dormitório será independente
e terá seu próprio acesso ao jardim. Os dormitórios serão ligados, no entanto,
uns aos outros e à unidade de serviço central. Banheiros, instalações
auxiliares, salas de jogos e quartos devem ser planejados em cada dormitório
separado.
À medida que o sistema de educação pública cresce, novos edifícios serão
necessários. A população pré-escolar e primária em cada complexo
residencial primário exigirá 12 dormitórios.

COMUNIDADE DE ESCOLA SECUNDÁRIA.


Dois componentes básicos são exigidos por essas escolas: prédios de salas
de aula e dormitórios. Para a comunidade do ensino secundário, propomos
uma estrutura circular de três andares em torno de um grande pátio.

Centro Comunitário de NUS


No térreo: salas de aula, salas de recreação, salas de estar com fácil acesso
à rua. Nos andares superiores: dormitórios e salas comuns para viver. Na
primeira fase de construção, as salas de recreação secundárias e do terceiro
andar com entradas separadas podem ser usadas para salas de aula. O
continuum circular deste edifício escolar é quebrado em dois lugares:
(1) a passagem aberta para o pátio;
(2) uma área de pequenas instalações esportivas e salas de professores.
Colocando essas duas quebras onde há menos luz solar, o sol nas salas de
aula pode ser maximizado.
O principal edifício educacional é uma longa estrutura de três andares. Ao
longo de suas fachadas, localizamos laboratórios, banheiros, salas de aula e
salas de recreação. No centro, iluminado por claraboias, estão a biblioteca e
quatro grandes auditórios. No primeiro andar estão os halls de entrada com
armários e os laboratórios especiais. Todo o edifício (devido a mudanças de
tempo de uso por diferentes grupos) pode atender a 3.000 pessoas.

O CENTRO DE SERVIÇOS DE CONSUMO PROPOSTO.


Este centro do setor residencial é composto de pavilhões em torno de uma
praça elevada. As áreas sob esta plataforma são reservadas para salas de
armazenamento, oficinas e instalações auxiliares, todas servidas por um
sistema centralizado de entrega, remessa e eliminação de resíduos. Com base
nas projeções de serviços futuros, dois pavilhões estão planejados para lojas,
enquanto outros quatro são designados respectivamente para um cinema para
acomodar 800, um restaurante, a unidade de administração do setor e serviços
comunitários.
A construção do centro pode ser planejada em etapas. Nosso plano de
diagrama indica instalações esportivas adicionais, incluindo uma piscina ao
ar livre e um estádio coberto. Essas funções têm a intenção de se desenvolver
junto com outras pessoas no centro comunitário, como a clínica geral e outras
instituições médicas. Todos eles representam componentes que
eventualmente criariam um sistema unificado de instalações e serviços
públicos para a área residencial.
CENTRO SOCIAL E CULTURAL PROPOSTO PARA TODA A
COMUNIDADE. Este centro ocupa
um lugar especial no plano social e físico do NUS. Aparece nos nossos
esboços como um edifício com três níveis. O piso térreo contém apenas o
pátio com o seu acesso público. O segundo nível acima do pátio é um
quadrado aberto, os lados projetados como duas faixas estreitas contendo
uma variedade de instalações. A banda exterior inclui galerias de dois
andares, alternando com estúdios de singlestory, salas de seminários e salas
de aula, enquanto a banda interior com vista para o pátio conteria salas de
leitura, arquivos, pequenos estúdios individuais e laboratórios.
Entre essas duas bandas, unidades maiores, como salas de reunião, dois
teatros, um planetário, um grande ginásio e uma piscina poderiam ser
localizados livremente. Estes podem ser conectados onde for conveniente
para os espaços de trabalho nas bandas paralelas. Nosso esboço deste prédio
designa cada lado da praça para um dos quatro campos fundamentais da
atividade cultural: ciência e tecnologia, artesanato, artes e esportes. Como as
necessidades de planejamento e construção variam, no entanto, a forma
obviamente deve ser flexível, e certamente não é fácil prever como essa
comunidade e o centro social seriam afetados por associações voluntárias e
pela busca de interesses individuais. Novas possibilidades econômicas, sem
dúvida, também afetarão o resultado do centro.
Nossos diagramas devem ser suficientes, no entanto, para mostrar que
podemos realmente criar um ambiente urbano que atenda às necessidades
individuais e sociais, mesmo enquanto trabalhamos na atual fase de transição
para o comunismo, e que possamos basear nossos planos de construção na
infraestrutura econômica existente. Assim, esse projeto de protótipo poderia
ser realizado hoje apenas aproveitando as possibilidades técnicas e a
organização funcional da arquitetura contemporânea.
Estrutura atual e futura do ambiente urbano. Os elementos da estrutura
funcional são diferenciados com bastante precisão no ambiente urbano atual.
Entre estes, o dominante é o edifício residencial, daí o microssetor (isto é, um
setor com cerca de 30.000 a 40.000 habitantes), e a própria cidade, com um
alcance populacional de 10.000 a vários milhões. Nas condições existentes, o
microssetor e até a cidade aparecem como áreas construídas ininterruptas
com pequenas manchas verdes. Esse tipo de desenvolvimento em
aglomerações de mais de 100.000 habitantes produz condições de vida
insatisfatórias. A tabela que acompanha mostra o significado de nossa
proposta. Os elementos da estrutura funcional são claramente diferenciados:
unidade residencial primária e unidade urbanizada, substituindo,
respectivamente, o prédio residencial e o microssetor de uma população,
qualquer que seja seu tamanho. NUS, com uma população de 100.000,
constitui um núcleo da cidade. Uma aglomeração de qualquer tamanho pode
ser reestruturada dessa forma, com a população total distribuída em unidades
residenciais e NUS. Por outro lado, áreas de extensão natural ininterrupta não
podem conter mais do que um NUS. Em vez de cidades gigantescas, aqui
está o distrito urbano organizado por núcleos e ligado a um sistema de
produção industrial. As tabelas apresentadas aqui mostram claramente a
diferença de princípio entre a estrutura contínua do ambiente existente e a
estrutura descontínua do ambiente urbano do futuro. No ambiente existente, a
unidade fundamental de crescimento é o microssetor; mas esta é uma unidade
sem um tamanho constante e muitas vezes moldada pelas pressões acidentais
das condições locais. Na estrutura prevista, a unidade fundamental de
crescimento é NUS, um complexo social e espacial claramente definido.
VII. A UNIDADE FÍSICA DA NUS (NOVA UNIDADE DE
LIQUIDAÇÃO)

A nova arquitetura representa uma evolução inevitável e inovadora das


tradições de construção do passado. A racionalidade desta arquitetura e seu
uso do espaço derivam da realidade "plástica" básica do mundo circundante.
O planejamento físico da nova cidade reflete a harmonia e o caráter integrado
de sua estrutura social. Uma abordagem de planejamento unificado atribui a
cada elemento um papel na formação de ambientes humanos. O futuro
pertence a uma arquitetura permeada pelo espírito da síntese orgânica.
A LÓGICA DA MUDANÇA. Este capítulo
tenta mostrar como a nova ciência do planejamento, que é baseada em
conceitos socioespaciais do ambiente urbano, influencia a arquitetura, ou
mais precisamente, a linguagem da arquitetura. Durante as últimas décadas,
os planejadores vêm tentando chegar a um plano mestre para os ambientes,
que poderia lidar com todas as contingências do crescimento não planejado.
Agora, um sistema espacial que corresponde e satisfaz as necessidades de
todos os homens está sendo procurado. Esta pesquisa, exclusiva para o nosso
tempo, atribuiu uma nova função à arquitetura e novas tarefas que não podem
ser realizadas por métodos mais antigos. Nem as possibilidades nem as
limitações dos novos métodos foram de todo claras no início, mas depois de
tentativas persistentes de aplicá-las, os planejadores começaram a reconhecer
sua utilidade e agora podem discuti-las com base na experiência ou como
ideias familiares.
O trabalho de um arquiteto só pode ser chamado de contemporâneo se ele
entender como e por que, no seu tempo, os objetivos e as técnicas da
arquitetura mudaram. As mudanças não vieram por acaso. Podemos chegar a
entender a lógica do processo se examinarmos os estágios básicos pelos quais
a arquitetura europeia tradicional evoluiu. Mesmo aspectos muito incomuns
da nova arquitetura são eventos transicionais em uma evolução incessante.
As tentativas de obstruir este processo de mudança devem render-se à
realização de sua inevitabilidade e a uma compreensão da maneira pela qual a
mudança está remodelando radicalmente as tradições passadas.
Inicialmente, as atividades de construção do homem surgiram da
necessidade de abrigar a vida humana, abstraindo um espaço artificial
adequado do mundo da natureza. Assim, uma das primeiras realizações da
arquitetura foi a sua capacidade de envolver a existência humana em um
espaço, cujos limites foram determinados pelas funções que ocorrem naquele
espaço.
Este conceito de espaço evoluiu continuamente desde que a primeira
expressão arquitetônica clara foi dada a ele na Grécia antiga. O templo foi o
primeiro edifício público da antiguidade a refletir uma tipologia arquitetônica
totalmente consciente. Como forma de construção, expressa alguns princípios
funcionais simples e amplamente aceitos. Esses princípios subordinam um
grupo inteiro de espaços a uma única ordem estrutural abrangente.

A massa facetada do templo cintilante ao sol destaca-se no contexto da


natureza. Assim que pode ser visto a grande distância, atrai toda a atenção,
como uma vela no horizonte, como uma joia resplandecente. A paisagem se
abre lentamente, como a palma de uma mão segurando um cristal branco. O
templo entra em vista. A superfície variada de suas fachadas se torna mais
visível; detalhes assumem relevo e mostram sua estrutura complexa e rítmica.
Finalmente, há um momento em que o edifício preenche todo o campo visual
com um complexo jogo de linhas e formas.

Como uma forma visual, o templo aparece em relevo para ganhar a cidade e
fica claramente distinto do resto do ambiente. O mar, o céu e as montanhas
servem de pano de fundo. Se ele está no topo da linha natural de uma colina
ou define a escala de um vale, o templo grego se relaciona, mas é separado da
natureza. Por sua geometria severa, expressa a capacidade do homem de criar
uma ordem humana racional.
Embora o templo esteja planejado para se relacionar com o que o cerca, ele
claramente contrasta com eles. Por ser um elemento focal na paisagem,
domina toda a composição espacial. O templo não apenas subordina as
relações espaciais circundantes; Ele também dá uma orientação para todas as
visões do mundo externo também.
A capacidade do homem de perceber impressões espaciais não é ilimitada;
ele pode absorver apenas um número limitado de elementos diversos
simultaneamente sem fadiga. Essa tolerância define sua ingestão máxima
perceptual.
Se a complexidade de um edifício não exceder esse limite, sua composição
pode ser percebida como um todo. Caso contrário, sua identidade visual se
perde em um fluxo de impressões diversas e não relacionadas.
Da mesma forma, uma massa de detalhes pode estragar uma pintura. Nós
instintivamente nos afastamos da tela para criar condições para uma melhor
percepção. À medida que diminui a consciência dos detalhes, somos capazes
de experimentar o impacto total da pintura.
Na verdade, muitos elementos distintos podem ser compreendidos com
máxima percepção, desde que os elementos sejam agrupados em sequências
rítmicas. O templo grego é tal estrutura, perceptível como uma composição
integrada de vários pontos de referência inter-relacionados.
A arquitetura de pedra monolítica dos gregos, combinada com seu
artesanato altamente desenvolvido em seus detalhes, permitiu que os artesãos
dessem ao espaço geométrico simples uma rica complexidade. Isso torna o
processo de percepção uma experiência variada e profunda, nunca
interrompendo, no entanto, a força e a beleza da composição total.
A alternância dos elementos das ordens gregas (capitólos, colunas,
metopes, etc.) produzia ritmos espaciais harmoniosos. Completando e
reforçando um ao outro, eles formam uma linguagem visual que pode
articular totalmente a massa elementar do edifício.

TIPOLOGIAS ARQUITETÔNICAS. A partir do


aumento demonstrado de recursos materiais através da história e da
experiência de mudança social e política, a arquitetura passou a incluir um
número cada vez maior de tipologias.
A arquitetura foi chamada a criar modelos para a existência cotidiana de
uma elite feudal e, posteriormente, de uma burguesia dominante. Um tipo
luxuoso de edifício desenvolvido, centrado em palácios e mansões.
Trabalhando para as necessidades individuais excessivas de seu patrono, no
entanto, o arquiteto foi forçado a isolar espaços heterogêneos até o ponto
onde eles não puderam mais ser integrados dentro de um sistema ambiental.
Os edifícios, em sua maior parte, tornaram-se totalmente não relacionados
entre si e com suas próprias funções interiores.
A cidade medieval é um aglomerado emocionante de edifícios. Não foi
concebido para ser percebido através dos ritmos em desdobramento da
arquitetura grega clássica. O homem experimentou a cidade como um
conjunto de fragmentos espaciais quebrados, cada um exigindo atos
separados de percepção. A catedral ou palácio tornou-se o elemento
dominante necessário para unir esses fragmentos.
Os arquitetos da antiguidade clássica tentaram colocar suas estruturas
monumentais em locais abertos, a fim de torná-los visíveis de todos os lados
e, portanto, perceptíveis em uma composição espacial integrada. Os
arquitetos renascentistas fizeram uso particular de perspectivas criadas pela
orientação de visões estreitas e fechadas. Cornijas poderosas também davam
um ritmo ordenado às fachadas das ruas.
Os métodos construtivos e os usos de materiais que estavam
harmoniosamente relacionados na monumental arquitetura grega tornaram-se
difusos durante o período medieval, e isso exigia um uso máximo dos
poderes perceptuais. Os ritmos espaciais foram criados não por elementos
isolados, mas pela articulação de fachadas inteiras. Variando o design das
fachadas, fazendo mudanças progressivas nas ordens arquitetônicas, do
Renascimento ao neoclássico, tornou-se a principal preocupação estética da
arquitetura.
Durante todo esse período, a parede do mancal permaneceu como o
princípio estrutural fundamental. No início do Renascimento, o conceito de
parede de rolamento combinava a necessidade de uma barreira contra o clima
e a necessidade de separação social. Muitas inovações expressivas
desenvolvidas no uso de materiais e métodos de construção. Com o tempo,
porém, a parede se transformou em uma tela para esconder o edifício e
passou a ter, portanto, apenas uma função decorativa.

O ritmo é um meio criativo na composição. Nas duas fotografias mostradas


aqui o número de objetos é o mesmo: acima, caos, aglomeração
indiferenciada; abaixo, os elementos rítmicos fundamentais de uma
composição são claramente exibidos.
Apesar de seu laço de função estrutural, a fachada decorada, com seus
elementos ordenados, continuou a manter a proeminência estética, desde que
a arquitetura e o planejamento focalizassem toda a atenção em alguns tipos
monumentais de construção.
À medida que as demandas de construção se expandiram, no entanto, para
atender às necessidades de um número maior de pessoas, a contradição entre
a construção altamente individualizada e um cânone rígido de estética
espacial tornou-se cada vez mais clara e irreconciliável. Mas sem materiais
superiores a pedra e tijolo, a arquitetura foi realizada para comprometer
soluções.

A cidade medieval aparece como a combinação


de um número infinito de diferentes
composições arquitetônicas. A verticalidade,
que domina a cidade, concentra essa variedade
de cenas e orienta o espaço como um todo.
Um período crítico ocorreu no início do século XX. Construindo expansão
e inovações tecnológicas introduziram processos industriais em construção.
A arquitetura mudou sua ênfase para soluções funcionais e procedimentos
lógicos. Aço e concreto armado geralmente são usados. Materiais isolantes
eficientes foram desenvolvidos. Variações de cor e forma na fachada não
dependiam mais do sistema estrutural do edifício.
Por fim, os métodos de construção não mais limitam a liberdade e a
independência da expressão arquitetônica. Cânones tradicionais e abordagens
formalistas não se aplicam mais. A estrada está bem aberta. Várias décadas
de experiência, além disso, deram à arquitetura contemporânea a capacidade
de articular claramente, se não responder completamente, os principais novos
problemas.

O novo edifício, uma estrutura feita de luz e verde.


GEOMETRIA E DESIGN. Depois do excessivo
maneirismo do século XIX, desenvolveu-se uma arquitetura baseada em
concreto e vidro, com simplicidade e rigor ascético. Representando uma fase
revolucionária na história da arquitetura, demonstra uma nova relação com a
tecnologia. Agora a construção se torna um ramo da produção industrial. A
unidade e a repetição de elementos homogêneos são exigidas tanto por novas
condições visuais quanto pela necessidade urgente de moradias produzidas
em massa. O novo conceito de habitação concentra-se em espaços claros e
abertos; o pátio com seu poço não bloqueia mais os horizontes abertos. Em
vez de fachadas na rua, ou praças monumentais, abrimos agora os nossos
edifícios residenciais para vistas panorâmicas.

Ornamento não tem função na fachada do edifício contemporâneo. Ela


reaparece na área imediata de visibilidade pública, ao longo da calçada, onde
a escala humana predomina.
Anteriormente, a atenção visual total estava concentrada em um único
edifício. Agora é dado a todo o campo visual que um espectador experimenta.
Esse campo abrange todo o ambiente urbano.
O edifício único relaciona-se com um complexo espacial elaborado, como
uma coluna se relaciona a um templo antigo. Torna-se parte de um todo, um
elemento rítmico, uma nota em harmonia.
As fachadas podem ser vistas em sua totalidade somente a partir de uma
grande distância. Portanto, a ornamentação detalhada é supérflua, até
prejudicial, pois tende a produzir confusão e romper ritmos construtivos
fundamentais.

Zonas de visualização
próxima e distante. As
dimensões da zona
próxima são definidas
pela possibilidade de
percepção detalhada da
cor e da forma da
variedade plástica - nos
objetos. Na prática, a zona
de percepção imediata é
limitada por uma altura de
trinta pés e uma distância
não superior a 100 pés a
150 pés. Além dessa
distância objetos são
convencionalmente
considerados como sendo
vistos de longe.
A simplicidade visual das fachadas e a massa rítmica de elementos
idênticos são preocupações básicas da nova arquitetura. Dentro de sua
estrutura, edifícios individuais ocupam seu lugar na rede anônima de
estruturas urbanas.
Um novo mundo visual está sendo gerado a partir dessas formas abstratas.
Planejado racionalmente, é um mundo que representa uma vitória sobre
deficiências materiais e simboliza a liberdade, assim como o poder da
tecnologia. É um mundo atraente e perturbador, pois representa a inteligência
humana, embora o indivíduo não seja mais dominante. Ornamentação
também deixou de ser destaque no design de fachadas. Esta escala de
decoração escultural e pictórica é agora independente de uma única função ou
edifício; pode ser visto no projeto de estradas e passarelas, em pequenos
espaços abertos e áreas verdes, e no refinamento de estruturas menores. A
arquitetura panorâmica, com sua nobreza e sua força expressiva, cria uma
nova plasticidade em larga escala que é extremamente diferente da
arquitetura na qual a escala e a dimensão foram concebidas em relação ao
indivíduo. Onde se pode olhar de perto e tocar com as mãos (a arquitetura ao
longo das ruas ou na base dos edifícios), percebe-se uma necessidade aguda
de detalhes e variações ornamentados.
No decorrer dos séculos, a arquitetura produziu obras variadas e
aparentemente incompatíveis. Em todos eles, manifesta-se a contradição
milenar entre a dimensão épica da realidade social e a dimensão lírica da
realidade pessoal, entre racional e irracional, geometria e design, linha reta e
curva.

O arquiteto agora é o principal responsável pela organização total do


espaço, não apenas os espaços de um edifício, mas também os espaços
abertos entre os edifícios. O espaço não é mais interpretado mecanicamente,
mas como um método orgânico de composição arquitetônica. Um novo
mundo surge, um mundo de linhas humanistas curvas. A luz e a paisagem
penetram em áreas onde até recentemente a escuridão e a desolação
dominavam. Edifícios crescem mais. Sol e jardins os cercam por todos os
lados. Eles estão livres do solo, deixando a terra para o homem.
Em vez de enfatizar as fachadas dos edifícios, a arquitetura contemporânea
enfatiza a visão plástica e panorâmica e absorve todo o campo perceptivo.
Embora a arquitetura tenha à sua disposição um arsenal de meios, ainda não
cumpriu seu potencial estético. Um passo ainda deve ser dado antes que essas
possibilidades possam se materializar e criar um novo tipo de espaço total,
antes de deixarmos a negação e a novidade e chegarmos a uma unidade
harmoniosa de elementos racionais e emocionais, geometria e design
humano.
PADRONIZAÇÃO E CONSTRUÇÃO MULTIFORMAL.
A arquitetura será capaz de criar um espaço estético variado, um ambiente
único baseado na padronização inerente da produção em massa?
Não refletimos o suficiente sobre o importante fato de que a construção
passou a fazer parte da produção industrial. Muitos consideram a
padronização resultante como primitiva ou repressiva, não correspondendo à
natureza complexa do homem. Muitas pessoas veem a industrialização da
construção (e de outras atividades humanas também) como a “doença do
nosso século", para a qual absolutamente precisamos encontrar uma cura.
As potencialidades da produção em massa, no entanto, são inegáveis; as
perspectivas para o seu desenvolvimento são ilimitadas. Além disso, os
princípios da produção em massa não contêm nada intrinsecamente novo; a
padronização e a criação de tipos fixos são fatos da natureza e sempre foram.
"Este inegavelmente é um dos fenômenos fundamentais deste mundo, que
nenhuma nova descoberta irá alterar. O atomismo, em seu sentido mais
amplo, ou produção em massa como praticado pela natureza, é a mais
profunda verdade científica."15

O que é novo é que os seres humanos, em tempos relativamente recentes,


reconheceram o princípio da padronização e se comprometeram a aplicá-lo às
suas próprias atividades, particularmente ao campo da construção. O que quer
que as pessoas possam dizer sobre o anonimato e a monotonia da arquitetura
contemporânea, cada nova concepção espacial deve trabalhar com complexos
de grande escala compostos de tipos de construção repetitivos.
A construção por métodos industriais significa que toda uma gama de
necessidades arquitetônicas deve ser atendida por tipos padrão de edifícios
que, por sua vez, incorporam elementos estruturais padronizados. Em
princípio, esses procedimentos são o resultado apropriado do planejamento
de projeto padronizado. Os projetos assim produzidos, no entanto, geralmente
apresentam uma aparência intolerável e rígida.

15
J Thompson, Previews of the Future (Moscow, 1960), p. 37
Eles são o resultado de uma série de suposições dimensionais e formais que
não deixam espaço para a intervenção da criatividade.

Um grande número de formulários padrão são incorporados em edifícios


contemporâneos, mas as soluções espaciais chegaram a diferir muito pouco.
O resultado é uma uniformidade deprimente.
A grade da organização indica apenas o plano de construção e a solução das
principais questões funcionais para cada tipo de estrutura. A fachada, a forma
do edifício, a sua colocação no local e a sua massa são trabalhados de forma
criativa e específica pelo arquiteto urbanista.

Nesses projetos, qualquer atualização necessária, ou mesmo pequenas


alterações, envolve um novo planejamento padronizado. O que finalmente
resulta é um grande número de projetos padronizados que podem diferir em
detalhes, mas são todos de um tipo geral.
O projeto padronizado, além disso, não permite ao planejador qualquer
latitude, mesmo dentro dos limites prescritos. Porque a criatividade é
reduzida ao mínimo, o resultado é uma monotonia deprimente.
Claramente, então, as maneiras pelas quais os edifícios são padronizados e
montados devem ser alteradas.
Não mais do que os planos gerais e os relacionamentos funcionais mais
básicos devem ser pré-estabelecidos para um projeto.
A grade modular é um meio bem definido para designar a interdependência
de vários espaços. Os módulos são projetados para atender às suas funções
estruturais e econômicas. Um plano modular fornece um sistema para
planejar as partes abertas e fechadas do reservatório, a posição das escadas, o
serviço e as áreas de acesso. Por um lado, é capaz de garantir uma certa
relação funcional (como os núcleos mecânicos, elevadores e escadas serão
incorporados na estrutura e como os apartamentos serão organizados), mas,
por outro lado, dá liberdade ao arquiteto. projetar dentro de seus limites. A
grade modular, portanto, é a ferramenta indispensável do arquiteto para criar
uma composição individual com base na padronização. Permite-lhe chegar a
soluções de design diversas e flexíveis e fazer uso de procedimentos gerais de
artesanato industrial e local.

VARIAÇÃO NA PLANTA BAIXA. O caráter espacial


e a massa de um edifício determinam sua planta. Um edifício, como um
ponto no espaço, concentra o espaço; como linha reta, divide o espaço; como
uma curva, ela envolve parcialmente o espaço. Quanto mais esta curva se
fecha, mais espaço o edifício encerra. Desta forma, seções inteiras de espaço
aberto são absorvidas pelo interior. A flexibilidade do plano do local
determina o projeto do edifício, pois fornece os elementos rítmicos que
compõem um complexo urbano.
Na arquitetura contemporânea, edifícios dispersos estão sendo substituídos
por projetos amplamente planejados. Mesmo usando um único tipo
padronizado de edifício, pode-se obter variedade através de um planejamento
hábil do local.

VARIAÇÃO NA VISTA DE PERFIL. Os tipos de


construção diferem em altura, o que torna as visualizações de perfil
importantes na arquitetura hoje. Essas variações de altura tendem a
transformar a silhueta em um novo elemento de design do complexo urbano
total. Isso significa que as relações espaciais não apenas são importantes nos
planos de um prédio, mas também determinam a configuração de seus
andares superiores.

VARIAÇÃO NA FACHADA. Os edifícios


também podem ser diferentes uns dos outros, variando suas fachadas, isto é,
diferindo a transição espacial do interior para o exterior. Uma linha nítida de
demarcação pode ser traçada entre o interior e o exterior de um edifício, mas
também é possível mesclar os dois. Esta decisão determinará como a fachada
é delineada.
A escolha é independente da engenharia. O arquiteto deve ser inteiramente
livre em sua investigação criativa. Usando a grade como seu meio básico de
planejamento, ele pode trabalhar com uma variedade inesgotável de fachadas
para um plano básico.
A possibilidade de variação não significa que a variedade infinita seja
necessária. A arquitetura contemporânea deve funcionar com um número
relativamente pequeno de protótipos, cada um servindo a um propósito
funcional específico. A fim de fazer diferenças genuínas e não triviais entre
elas, o arquiteto deve estar ciente das distinções essenciais.
Nós não estamos preocupados aqui com a grande variedade de tipos de
construção disponíveis para construção. Se, por exemplo, seguirmos a
austeridade inerente da arquitetura contemporânea e as formas atuais de uso
de materiais, será difícil na prática evitar a uniformidade e obter contrastes
significativos no uso do espaço.
Em qualquer instância específica, é preciso distinguir com precisão os
tipos de construção disponíveis, de modo que as variações arquiteturais
reflitam verdadeiras diferenças funcionais e tecnológicas. Elas devem ser
esclarecidas e usadas para modificar o design das plantas baixas, fachadas e
visualizações de perfil.

A arquitetura foi além dos tipos formais tradicionais de unidades de


construção, cada uma delas ocupando um espaço relativamente pequeno. Está
trabalhando cada vez mais com sistemas de construção complexos inteiros. O
edifício deixa de ser uma pequena ilha em oceanos de espaço não confinado:
ele prontamente articula esse espaço, preenche-o e está aberto a ele.
Assim, a simplicidade e a lógica expressiva de cada concepção
arquitetônica fundamental podem se manifestar em diferentes tipos de
construções. Oportunidades de variação e singularidade na criação de
soluções espaciais podem ser fornecidas através de um pequeno número de
tipos básicos de edifícios claramente diferenciados.
Uma fase crítica no desenvolvimento da construção foi alcançada quando
os métodos industriais começaram a ser usados na construção. Houve uma
época em que os problemas resultantes pareciam insolúveis. Hoje estamos
convencidos de que existem soluções, mesmo que a arquitetura do século XX
ainda não tenha sido capaz de testá-las na prática.
Temos atrás de nós meio século de experiência com a nova arquitetura.
Encontrou seus próprios meios expressivos, sua própria linguagem. Por que
não conseguiu realizar todo o seu potencial?
A formação plástica das fachadas não depende mais de explicitar
externamente a função da estrutura do rolamento. A arquitetura hoje é livre
para descobrir uma variedade ilimitada de soluções formais: de uma
superfície neutra de plasticidade opaca à profundidade escultural criada pela
projeção de painéis.

As melhores características da arquitetura contemporânea e as novas


qualidades do espaço arquitetônico podem ser percebidas apenas na escala de
planos urbanísticos abrangentes.

UM MUNDO PERTENCENTE A TODOS E A CADA UM.


Sem o planejamento coordenado, nem o edifício de protótipo único nem os
projetos padronizados podem ter flexibilidade suficiente em suas
características básicas para permitir que o arquiteto faça soluções de design
criativas e variadas.
Até agora a arquitetura do século XX não foi capaz de dar o passo da
experimentação com novos materiais até sua aplicação na vasta escala do
novo urbanismo.
O desejo de demonstrar sua originalidade leva o arquiteto contemporâneo
da sociedade capitalista a desviar suas energias dos problemas básicos da
construção em massa. Mesmo onde existe a opção de planejar um grupo de
prédios relativamente grande e independente, ele raramente o usa para
colocar suas ideias profissionais em ação. Ele deve levar em conta os
interesses restritos daqueles que o encarregam (senhorios, agências locais e
desenvolvedores). Mais vinculativo de todos, ele deve adaptar seu trabalho às
profundas desigualdades sociais.
Nos ambientes típicos criados pela sociedade burguesa, a arquitetura
moderna não pode aplicar seus princípios de maneira lógica. Para isso, teria
que estabelecer um plano urbano prático, um programa social claro para toda
a comunidade, em suma, interpretar o edifício individual dentro de seu
contexto espacial na cidade contemporânea.
Em substância, o arquiteto contemporâneo entende o espaço em uma
escala muito mais ampla do que o arquiteto renascentista. Para este último, o
conceito clássico do edifício autônomo era imutável. No entanto, até hoje, o
espaço de uma cidade é interpretado dessa maneira antiga. Os edifícios são
concebidos como "quadros" arquitetônicos colocados lado a lado. O espaço é
privado de direção, a expansão ocorre de maneira confusa, e assim os
ambientes urbanos perdem gradualmente o charme e a unidade da cidade
medieval.
Até este ponto, apontamos que a arquitetura contemporânea utiliza
métodos e materiais de construção atuais e emprega procedimentos
universais derivados de todos os recursos técnicos e materiais do nosso
tempo para chegar a soluções de construção funcionais. Na verdade, porém,
os procedimentos arquitetônicos variam com os diferentes sistemas sociais, e
assim, no século XX, existem duas arquiteturas, uma socialista e outra
burguesa. A semelhança externa de seus procedimentos técnicos e
expressivos oculta profundas diferenças.
Os problemas sociais sempre foram a preocupação central da arquitetura
soviética. A prática arquitetônica foi inspirada, portanto, pela convicção
válida de que uma sociedade socialista cria novos métodos e novas
possibilidades para resolver seus problemas sociais. No entanto, com
demasiada frequência, essa crença tem sido usada como um substituto para o
estudo detalhado e científico que esses problemas exigem.
A quantia de construir em nosso país aumenta todos os anos. Assim, cada
vez mais, os materiais e métodos de produção industrial estão sendo usados
na construção atual. Apesar do rápido crescimento, a construção em massa
ainda não havia atingido o nível de eficiência de outras operações industriais
até recentemente. A qualidade da construção soviética definitivamente ficou
para trás em comparação com o resto do mundo. Mas grandes melhorias
surgiram recentemente nesse campo: a estrutura socioespacial dos ambientes
foi minuciosamente estudada, e planos físicos reais foram propostos de
acordo com as necessidades sociais do meio ambiente. Assumindo sua atual
base social, a arquitetura ocidental no século XX não está em condições de
realizar um programa comparável.

O desenvolvimento de um ambiente urbano composto de unidades


residenciais padronizadas é de suma importância para o programa de
construção do comunismo.
Uma vez que um único edifício residencial tenha sido concluído e sua
estrutura trabalhada de forma racional, ele não pode ser facilmente estendido
em comprimento, largura ou altura. O máximo que pode ser feito é adicionar
outra unidade semelhante ao lado dela. Da mesma forma, o microsetor, que
pode variar no lado grande ou pequeno, não pode ser estendido depois de
planejado, porque suas proporções (raio e volume de serviços, área externa,
etc.) provavelmente serão perturbadas. O microssetor tornou-se, portanto,
como a unidade residencial, uma entidade espacial relacionada apenas a
necessidades e serviços internos.
Em princípio, o planejamento de assentamentos residenciais hoje deve ser
alterado da mesma forma que a unidade residencial única foi alterada. O
ambiente deixaria então de ser uma aglomeração caótica de edifícios. Ele se
tornaria um todo orgânico, com todos os elementos inter-relacionados. Um
tipo de unidade residencial aplicável, no entanto, não pode ser planejado sem
também prever uma unidade escolar. Mudanças desse tipo nos serviços
necessários às comunidades também devem ser refletidas no planejamento
residencial.

O funcionalismo nunca definiu o papel de edifícios únicos no espaço urbano


total. Esse espaço, percorrendo muitos quilômetros, perde todos os pontos de
referência tradicionais e não pode ser percebido como um todo, aparecendo
mais como uma continuidade interminável e acidental de eventos espaciais,
incoerentes e desprovidos de significado expressivo.
A nova unidade de assentamento (NUS) pode ser comparada a um
organismo vivo, tendo um cérebro e um coração. Conexões funcionais podem
ser totalmente realizadas. O espaço neste novo tipo de cidade reflete a
harmonia e racionalidade da estrutura social e econômica.
Este não é um mundo exterior arbitrariamente criado, uma entidade
alienígena vista das janelas de cada casa. É um contexto natural que conecta
diretamente cada célula individual da sociedade com propósitos existenciais.
Aqui, o ambiente mais amplo da natureza envolve o organismo social, que é
um organismo real, que inclui a coletividade humana. Tal ambiente, em
suma, é um lugar para viver, onde todo homem experimenta a identidade
como um membro efetivo de uma família, ou como um membro de uma
comunidade em sua unidade residencial. A nova cidade é um mundo que
pertence a todos e a cada um, um mundo baseado na razão e no respeito pelo
indivíduo.

ESPAÇO NA NOVA COMUNIDADE. Vamos discutir o


espaço unificado da comunidade.
Se você entra em um teatro, por exemplo, o espaço nesse auditório é uma
realidade física. Você encontra seus limites e se orienta dentro deles de uma
maneira claramente definida. Você percebe sua própria presença, esteja você
no palco ou sentado na última fila. O espaço unificado do NUS (New Unit of
Settlement) é uma sala gigantesca sob o céu aberto. Você sente sua própria
presença no NUS, seja olhando pela janela do seu apartamento, deixando
uma unidade residencial, indo para o trabalho ou viajando para o centro
sociocultural.
A simplicidade e variedade dos edifícios e a plasticidade de suas
configurações planejadas criam uma estrutura ambiental na qual os elementos
não aparecem arbitrariamente derivados e relacionados, mas são meios
indispensáveis de organização do espaço. Os procedimentos materiais e
escala de construção em massa estão envolvidos diretamente com o vasto
empreendimento de projetar um sistema espacial e temporal para a sociedade.
Geometria e design arquitetônico desempenham um papel na estrutura
harmoniosa desse espaço unificado. As curvas do entorno natural se
entrelaçam com a geometria proporcionada e os ritmos fundamentais dessa
nova arquitetura urbana.
Os volumes arquitetônicos contidos em fachadas simples são integrados
aos espaços que eles encerram parcialmente. Ambos se tornam modulações
que compõem as ricas qualidades esculturais do ambiente imediato.
A variedade é alcançada com base em um número mínimo de protótipos
distintamente diferentes.
A busca pela pureza arquitetônica e racionalidade é cumprida nos planos
para o NUS. Embora nossos conceitos sejam muito gerais aqui, nós
delineamos esquematicamente um sistema para projetar cada setor como
parte de um ambiente unificado, incluindo unidades residenciais com escolas
primárias, consumidores e serviços públicos, uma comunidade de ensino
médio e um ponto focal em uma comunidade social. Centro Cultural.
Naturalmente, devemos assumir que um curso diferente de raciocínio pode
nos fazer modificar esses planos em alguns aspectos. De fato, temos tentado
ilustrar as variações disponíveis para o arquiteto contemporâneo dentro do
sistema espacial unificado do NUS.
A solução para o problema da variedade não está na individualização do
design de cada microssector, quanto mais em cada edifício individual. A
solução virá do projeto de composições individuais feitas de vários protótipos
elementares. É importante, portanto, dar a cada edifício de protótipo uma
configuração única.
Não obstante, quaisquer que sejam os contrastes enfatizados no design
espacial do NUS, um caráter comum permeará a ordenação rítmica de
volumes e superfícies. Certas características funcionais serão fortes o
suficiente para dar uma qualidade arquitetural coesa e unidade espacial a todo
o ambiente. Um espaço unificado determina o papel e as possibilidades de
qualquer edifício individual (ou qualquer complexo de edifícios) dentro dele,
e cria o perfil expressivo do próprio ambiente.

TAREFAS DA NOVA ARQUITETURA. O funcionalismo


mostrou claramente como a solução espacial de um edifício é determinada
por sua estrutura interna; e nós adicionamos, não apenas por sua estrutura
interna, mas também pelo ambiente total. De fato, a estrutura interna de um
edifício precisa ser considerada nessa escala de projeto apenas para garantir
que ela não contradiga a composição racional e a unidade espacial de toda a
comunidade urbana.
O futuro fornecerá novos métodos e estabelecerá novos padrões artísticos.
É muito provável que a cidade de amanhã dificilmente se lembre do NUS.
Independentemente das diferenças, ao menos compartilhará certos recursos
em comum com o NUS. Esperamos que suas qualidades estéticas expressem
uma harmonia ainda maior de estrutura social e organização espacial
funcional.
Inegavelmente, o futuro pertence a esse espírito de síntese orgânica e,
portanto, já devemos estar profundamente conscientes disso. Uma
organização social unificada, uma base técnica e industrial unificada e uma
composição artística unificada são os elementos que compõem o nosso
ambiente urbano.
É tarefa da arquitetura falar aos homens na linguagem da forma, da cor, da
luz e do espaço. Essa linguagem tem um impacto emocional em todas as
pessoas e não pode ser descartada como um subproduto do planejamento
arquitetônico. É o conteúdo autêntico da arquitetura.
Materiais e métodos de construção não são o culminar do processo
criativo. Eles representam os meios, indispensáveis, mas puramente
preparatórios. Neste ponto, a formação profissional do arquiteto é concluída e
a nova arquitetura começa.
Como é impossível definir com precisão a arquitetura do futuro, é absurdo
tentar adivinhar o que será criado pela imaginação, talento e criatividade
individual dos homens que talvez ainda não tenham nascido.
Podemos prever apenas com base nas possibilidades que a arquitetura no
presente parece oferecer para o futuro.

Dimensões humanas da arquitetura. As superfícies de vidro de edifícios


residenciais de grande altura elevam-se uniformemente acima da área verde.
Em todos os lugares, de quase qualquer ponto, sente-se o ritmo severo e
geométrico que orienta o indivíduo no espaço do NUS. Estas são as
proporções humanas da Nova Unidade de Liquidação. Há um contraste
marcante entre a geometria da construção e a variedade pitoresca que domina
a zona da percepção imediata. Essa é a dimensão em que o indivíduo
predomina. Restrição no uso de formas estruturais e uma rica variedade de
plástico nas superfícies do nível do solo compõem o todo complexo do NUS
unificado
Os passeios pedestres são cortados sob os prédios e, à sombra das muralhas
ao longo dos passeios, há corpos de água. O conjunto inclui escadas, rampas,
pórticos, vitrines, cafés e anfiteatros abertos. Tudo isso produz uma
sequência animada de impressões arquitetônicas e espaciais, uma rica
variedade de cores, formas e luz. O indivíduo recupera a rua de pedestres
com sua escala humana, algo que está faltando desde a Idade Média.
A construção
racional de
edifícios altos
tecnicamente
perfeitos. Nestes
pode ser visto o
espírito ascético e
elegância de
cálculo
impecável.
Escolas e instituições para crianças estão espalhadas pelos jardins
verdes. Apenas o envelope transparente de uma parede segrega o espaço
interior. Um passo leva o indivíduo para a neve ou entre as flores. Outro
passo - e os galhos das árvores estão entrelaçados acima de sua cabeça.

Claro e verde. A variedade estética no NUS unificado é o resultado não


apenas da variação arquitetônica. Cada prédio individual é colocado em seu
próprio mundo de luz solar, ar e verde circundantes. O contraste entre alta e
baixa elevação é outra fonte de variedade nos interiores.
O apartamento, como casa de um adulto, é elevado acima do nível do solo.
Sol e ar entram na casa dos dois lados em diferentes ângulos de iluminação.
O olho do indivíduo absorve todo o NUS, seu centro, sua rede racional de
ruas e prédios, e ultrapassa esses limites, passa pelos imensos espaços
circundantes até que finalmente repousa no horizonte distante, onde os
contornos de montanhas, bosques e a terra está perdida na névoa.
Composição espacial unificada. A unidade física da NUS reflete
racionalidade e unidade no organismo social. Aqui a beleza é a conseqüência
natural da harmonia da estrutura funcional. Edifícios tomam seu lugar dentro
dele. Em um grande local aberto alimentado por numerosos passeios de
pedestres, surge a estrutura quadrada do centro comunitário - cérebro e
coração de NUS.
Aqui é o lugar para o livre relacionamento entre os indivíduos livres para se
desenvolver. Este é o símbolo da estrutura racional e orgânica no novo
ambiente. Aqui está o centro da sua composição integral.

A MANEIRA DE SEGUIR. Até hoje a


história da arquitetura tem sido uma história do planejamento e construção de
edifícios individuais. Agora, pela primeira vez, a arquitetura deixa de se
limitar a essa tarefa. Para projetar a Nova Unidade de Liquidação, não é
suficiente saber como planejar um edifício. Um espaço total unificado deve
ser projetado usando um sistema no qual edifícios únicos formam um campo
espacial variável e formam uma comunidade total.
O arquiteto contemporâneo enfrenta inevitavelmente o problema de
planejar todo um programa espacial no qual cada parte sequencial deve
realizar seu potencial máximo por meio da utilização intensiva de todo o
ambiente urbano.
Cada unidade espacial ou tipo deriva e dá forma específica a uma função
social correspondente que, por sua vez, reflete um certo nível de interação
humana que ocorre no trabalho, na vida cotidiana ou nas atividades de lazer.
No pensamento arquitetônico, hoje, descobrimos que todos os problemas
de uma sociedade estão relacionados à organização espacial. É cada vez mais
difícil limitar qualquer grupo de problemas simplesmente ao campo da
construção. Hoje a arquitetura dos edifícios torna-se parte de um processo
criativo mais amplo, a organização espacial da sociedade. Isso, por sua vez,
faz parte da engenharia material geral do novo mundo, que coordenará a
utilização de recursos para todos os assentamentos urbanos. Não é
surpreendente, portanto, que encontremos métodos comuns empregados na
solução de diversos problemas na organização espacial.
As condições de percepção espacial também mudaram substancialmente.
Considerando que um único edifício já foi percebido como uma composição
espacial única, estamos agora prontos para conceber um campo espacial
unificado, que inclui toda a comunidade. O novo tom e a velocidade da vida
estão nos forçando a estender nossos conceitos de espaço unificado a uma
escala global. Nessa escala, visualizamos as configurações nucleares do NUS
na organização de regiões geográficas e econômicas
Da arquitetura clássica e pintura e pesquisa científica em fisiologia,
psicologia e matemática, podemos começar a derivar regras gerais de
construção que são aplicáveis a qualquer composição espacial, e relacioná-las
às novas condições de percepção espacial. As fundações existem para essa
"arquitetura do espaço", e os princípios só precisam ser colocados em prática.
Estamos trabalhando com uma arte universal que poderia tornar tudo bonito
que os homens produzem, tudo ao seu redor.
O conceito de espaço unificado muda a própria base para definir o trabalho
do arquiteto. Isso dá à palavra "arquitetura" um novo significado. No entanto,
a magnífica herança da arquitetura tradicional não deve ser descartada. Seus
valores permanecem. Os métodos desenvolvidos pela arquitetura clássica
continuam a ser úteis dentro de uma ampla gama. A nova teoria não
enfraquece os métodos antigos, mas apenas define os limites de sua utilidade.
"A nova ciência nunca simplesmente rejeita a antiga, mas apenas a
transforma, se aprofunda e generaliza em relação a novas áreas de pesquisa.
Se a nova teoria liquidasse padrões e teorias mais antigos, a ciência em geral
não poderia se desenvolver... Felizmente não é isso que acontece ". 16
A síntese harmoniosa de elementos no templo antigo e a elaboração
escultural de seu volume permanecem fundamentais para o projeto de
qualquer edifício social único localizado no meio da natureza. Na variedade
escultural de uma área estreitamente circunscrita, as formas da cidade
medieval são reavivadas.
O sistema de espaço unificado não é uma questão de escolha arbitrária,
mas um procedimento coordenado e padrão que a arquitetura moderna já
descobriu e ocasionalmente demonstrou na prática.
É justo dizer que o funcionalismo desempenhou um papel revolucionário
na história da arquitetura. À luz do que foi dito antes, no entanto, o
funcionalismo (apesar da novidade de suas concepções) é, em certo sentido, a
maior conquista da arquitetura clássica. A verdadeira revolução vem com o
planejamento de um ambiente urbano unificado. Essa seria a verdadeira e
profunda revolução na arquitetura, o começo de uma verdadeira arquitetura

16 N. Semenov, Science Tolerates No Forms of Subjectivism, "Nauka i


Zizni" (Moscow, 1965), 4, p. 38.
do espaço. O que essencialmente caracteriza essa revolução é o fato de que a
nova arquitetura corresponderá ao processo social que conscientemente estará
reconstruindo a sociedade.
NUS representa uma tentativa de envolver o pensamento e a imaginação do
arquiteto em escala global, fora do qual a busca pelo novo é impossível. É
preciso começar com um estudo básico e científico da estrutura funcional das
comunidades urbanas, e daí partir para a criação de modelos urbanos
coerentes, até que finalmente se empreenda a construção experimental. Só
este procedimento pode nos permitir descobrir hoje quais serão as soluções
arquitetônicas do futuro, estudá-las e até corrigi-las.
As dificuldades que nos esperam ainda não foram definidas, mas o
caminho diante de nós está aberto.