Вы находитесь на странице: 1из 7

CGU

Controladoria-Geral da União
Ouvidoria-Geral da União
Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

Lei de Acesso à Informação - Recurso Submetido à CGU


PARECER
Número do processo: 60502.001581/2019-96
Órgão: Comando do Exército – CEX
Assunto: Recurso contra negativa a pedido de acesso à informação.
Data do Recurso à
12/08/2019
CGU:
Restrição de acesso no
recurso à CGU (e- Não
SIC):
Requerente Identificado
Opinião técnica: Opina-se pela perda do objeto do presente recurso, visto que foram
prestados os devidos esclarecimentos, durante a instrução do recurso,
quanto aos subquestionamentos realizados pelo cidadão, podendo a
CGU declarar extinto o processo, pois foi exaurida a sua finalidade e o
objeto da decisão se tornou inútil ou prejudicado por fato superveniente,
nos termos do art. 52 da Lei nº 9.784/1999.

RELATÓRIO
Resumo das Inicial: requerente apresenta os seguintes questionamentos ao Comando do
manifestações Exército (CEX) referentes ao Círculo Militar de Manaus (CIRMMAN):
do cidadão: i) Qual tipo de verba federal recebe este clube? Favor especificar e detalhar todas
as possibilidades.
ii) Qual tipo de verba este clube recebe do Exército? Favor especificar e detalhar
todas as possibilidades.
iii) Os militares do exército que trabalham no clube e que exercem funções
administrativas recebem algum tipo de provimento, dinheiro repassado pelo
Exército? Caso sim, favor especificar e detalhar todas as possibilidades.
1ª instância: cidadão argumenta que as portarias citadas tratam apenas de
exonerações e pondera estar incompleta a resposta referente a seu
questionamento “iii”, apresentando os seguintes subquestionamentos:
iii.1: Os militares da reserva remunerada, que são prestadores de tarefa por
tempo certo (PTTC) e que trabalham no clube recebem verba federal ou do
Exército?
iii.2: Qual normativo legal ampara o recebimento de verbas públicas por
militares da reserva remunerada, que são PTTC e que trabalham em clube
particular?
2ª instância: cidadão reitera seus questionamentos e argumenta que o
CIRMMAN é uma associação de direto privado sem fins lucrativos e que as
novas portarias citadas não amparam o pagamento pelo Exército Brasileiro de
adicional de 30% aos militares que trabalham em clube particular.
Respostas do Inicial: CEX informa que o CIRMMAN não recebe recurso financeiro do
órgão: governo federal e nem recurso direto do Exército Brasileiro, tendo esclarecido
que o clube é mantido com os recursos oriundos das contribuições mensais dos
sócios, além de recursos arrecadados por meio da locação de suas áreas
esportivas e das mensalidades das escolinhas de natação e de futebol. Quanto aos
militares que trabalham na área administrativa do clube, informa que são
militares na Reserva Remunerada e Prestadores de Tarefa por Tempo Certo
(PTTC), sendo amparados e remunerados com base na Portaria nº 59 -
CMA/E1.7, de 21/08/2018, na Portaria nº 22 - CMA/E1.7, de 07/03/2016, e no
Estatuto do Clube.
1ª instância: reitera que os militares que trabalham na área administrativa do
CIRMMAN são amparados e remunerados com base nas portarias anteriormente
citadas, tendo sido designados para exercer a tarefa de Coordenador de
Atividades para Integração do Público Interno com a Sociedade Civil no Círculo
Militar de Manaus. E acrescenta que os militares prestadores de tarefa por tempo
certo (PTTC) foram contratados conforme Portaria do Comandante do Exército
nº 218, de 20/03/2017. Ainda, elenca a Portaria nº 982, de 28/06/2018, que
aprovou as Instruções Gerais para a criação e o funcionamento das Áreas de
Lazer e das Associações de Militares no âmbito do Comando do Exército.
Quanto às observações realizadas pelo cidadão, informa que pode encaminhá-las
à Ouvidoria do Exército, por intermédio do e-Ouv: https://falabr.cgu.gov.br.
2ª instância: informa já terem sido prestadas informações satisfatórias em
instâncias anteriores.
Resumo do Requerente reitera seus questionamentos e apresenta seu descontentamento em
Recurso à virtude do uso de verba pública para o pagamento de militares que trabalham no
CGU: clube particular.
Instrução do A instrução processual levou em consideração as tratativas entre requerente e
Recurso: requerida, observadas as determinações da LAI e de sua regulamentação.

Análise

1. O presente pedido de acesso à informação trata dos seguintes questionamentos ao Comando


do Exército (CEX) referentes ao Círculo Militar de Manaus (CIRMMAN):

i) Qual tipo de verba federal recebe este clube? Favor especificar e detalhar todas as
possibilidades;
ii) Qual tipo de verba este clube recebe do Exército? Favor especificar e detalhar
todas as possibilidades; e
iii) Os militares do exército que trabalham no clube e que exercem funções
administrativas recebem algum tipo de provimento, dinheiro repassado pelo Exército?
Caso sim, favor especificar e detalhar todas as possibilidades;

2. Em resposta ao pedido inicial, o CEX informou que o CIRMMAN não recebe recurso
financeiro do governo federal e nem recurso direto do Exército Brasileiro, tendo esclarecido
que o clube é mantido com os recursos oriundos das contribuições mensais dos sócios, além
de recursos arrecadados por meio da locação de suas áreas esportivas e das mensalidades das
escolinhas de natação e de futebol. Quanto aos militares que trabalham na área administrativa
do clube, informou que são militares na Reserva Remunerada e Prestadores de Tarefa por
Tempo Certo (PTTC), sendo amparados e remunerados com base na Portaria nº 59 -

SAS, Quadra 01, Bloco A - Edifício Darcy


CGU Ribeiro
2
Brasília/DF - CEP 70070-905
CMA/E1.7, de 21/08/2018, na Portaria nº 22 - CMA/E1.7, de 07/03/2016, e no Estatuto do
Clube.

3. Insatisfeito, o cidadão ingressou com recurso de 1ª instância, entendendo estar incompleta a


resposta referente a seu questionamento “iii”, tendo apresentado os seguintes
subquestionamentos:

iii.1: Os militares da reserva remunerada, que são prestadores de tarefa por tempo
certo (PTTC) e que trabalham no clube recebem verba federal ou do Exército?

iii.2: Qual normativo legal ampara o recebimento de verbas públicas por militares da
reserva remunerada, que são PTTC e que trabalham em clube particular?

4. Em resposta, o CEX informou que os militares que trabalham na área administrativa do


CIRMMAN foram designados para exercer a tarefa de Coordenador de Atividades para
Integração do Público Interno com a Sociedade Civil no Círculo Militar de Manaus, tendo
sido contratados conforme Portaria do Comandante do Exército nº 218, de 20/03/2017. Além
disso, elencou a Portaria nº 982, de 28/06/2018, que aprovou as Instruções Gerais para a
criação e o funcionamento das Áreas de Lazer e das Associações de Militares no âmbito do
Comando do Exército. Por fim, ressaltou que as observações realizadas pelo cidadão podem
ser encaminhadas à Ouvidoria do Exército, por intermédio do e-OUV.

5. Entretanto, o cidadão apresentou recurso de 2ª instância, reiterando seus questionamentos e


argumentando que o CIRMMAN é uma associação de direto privado sem fins lucrativos e
que as portarias citadas pelo CEX não amparam o pagamento pelo Exército Brasileiro de
adicional de 30% aos militares que trabalham em clube particular.

6. Em virtude de não ter havido novos esclarecimentos do órgão recorrido, o solicitante


ingressou com recurso a esta Controladoria-Geral da União (CGU).

7. Em sede de esclarecimentos adicionais, após interlocução realizada por esta CGU com o
órgão recorrido, por meio de mensagem eletrônica, enviada no dia 10/09/2019, o CEX
ratificou a informação de que nenhum integrante da Diretoria do CIRMMAN recebe qualquer
tipo de remuneração por fazer parte da diretoria, sendo um trabalho voluntário em prol do
clube.

SAS, Quadra 01, Bloco A - Edifício Darcy


CGU Ribeiro
3
Brasília/DF - CEP 70070-905
8. Além disso, o Comando do Exército reiterou que os militares PTTC trabalham para o
Comando Militar da Amazônia (CMA) com a tarefa já especificada e amparada nas portarias
citadas em respostas anteriores. Nesse aspecto, esclareceu que a Portaria n° 58 - CMA/E1.7,
de 27/09/2016, e a Portaria n° 59 - CMA/E1.7, de 21/08/2018, ambas do CMA, publicaram
as contratações de militares para prestadores de tarefa por tempo certo para exercerem a
tarefa específica de coordenação de atividades para integração do Público Interno com a
Sociedade Civil vinculados ao CMA, sendo que essa tarefa visa intermediar o interesse do
CMA em conjugar o público interno junto à família militar e a sociedade civil nas esferas
sociais, culturais e desportivas na cidade de Manaus/AM.

9. Por outro lado, o órgão recorrido ponderou que, de forma distinta e totalmente independente,
a Diretoria do CIRMMAN é ocupada por voluntários e pode ser integrada por militares da
ativa, civis e militares da reserva, sendo que um dos militares PTTC contratados pelo CMA
se voluntariou para fazer parte da diretoria do CIRMMAN e não recebe qualquer
remuneração para o desempenho de tal atividade.

10. No dia 19/09/2019, o CEX enviou e-mail ao requerente cadastrado no e-SIC, com cópia a
esta Controladoria, tendo sido disponibilizadas as Portarias que nomearam militares para
PTTC, além dos esclarecimentos prestados a esta Controladoria.

11. Dessa forma, a presente análise conclui que foram prestados os devidos esclarecimentos pelo
CEX, podendo ser considerado que os subquestionamentos referentes ao questionamento
“iii”, realizados pelo cidadão em seu recurso de 1ª instância, foram atendidos.

12. Por fim, cabe informar que o e-SIC não é o canal adequado para o tratamento de
manifestações de ouvidoria, tais como reclamações, denúncias, sugestões, elogios e
solicitações de providências por parte da administração pública. Caso o requerente tenha
interesse e possua elementos para formulação de manifestação dessa natureza, esta pode ser
interposta por meio do Fala.BR - Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação,
que é o canal adequado para essa finalidade, disponível por meio do link:
https://sistema.ouvidorias.gov.br/publico/Manifestacao/SelecionarTipoManifestacao.aspx?
ReturnUrl=%2f.

Conclusão

SAS, Quadra 01, Bloco A - Edifício Darcy


CGU Ribeiro
4
Brasília/DF - CEP 70070-905
13. Pelos motivos expostos, opina-se pela perda do objeto do presente recurso, visto que foram
prestados os devidos esclarecimentos, durante a instrução do recurso, quanto aos
subquestionamentos realizados pelo cidadão, podendo a CGU declarar extinto o processo,
pois foi exaurida a sua finalidade e o objeto da decisão se tornou inútil ou prejudicado por
fato superveniente, nos termos do art. 52 da Lei nº 9.784/1999.

14. À consideração superior.

MARCELE CRISTINA MATTIODA DAMASCENO


Auditora Federal de Finanças e Controle

D E S PA C H O
De acordo. Encaminhe-se ao Ouvidor-Geral da União - Adjunto.

ISABELLA BRITO
Coordenadora-Geral de Recursos de Acesso à Informação - Substituta

SAS, Quadra 01, Bloco A - Edifício Darcy


CGU Ribeiro
5
Brasília/DF - CEP 70070-905
CGU
Controladoria-Geral da União
Ouvidoria-Geral da União
Coordenação-Geral de Recursos de Acesso à Informação

DECISÃO
No exercício das atribuições a mim conferidas pelo Decreto nº 9.681, de 03 de janeiro de
2019, adoto, como fundamento deste ato, nos termos do art. 23 do Decreto nº 7.724/2012, o parecer
anexo, para decidir pela perda do objeto do recurso interposto, no âmbito do pedido de informação
NUP 60502.001581/2019-96, direcionado ao Comando do Exército – CEX.

FABIO DO VALLE VALGAS DA SILVA


Ouvidor-Geral da União - Adjunto

Entenda a decisão da CGU:


Não conhecimento - O recurso não foi analisado no mérito pela CGU, pois não atende a algum requisito que permita
essa análise: a informação foi declarada inexistente pelo órgão, o pedido não pode ser atendido por meio da Lei de
Acesso à Informação, a informação está classificada, entre outros.
Perda (parcial) do objeto - A informação solicitada (ou parte dela) foi disponibilizada pelo órgão antes da decisão da
CGU, usualmente por e-mail. A perda do objeto do recurso também é reconhecida nos casos em que o órgão se
compromete a disponibilizar a informação solicitada (ou parte dela) ao requerente em ocasião futura, indicando prazo,
local e modo de acesso.
Desprovimento - O acesso à informação solicitada não é possível, uma vez que as razões apresentadas pelo órgão para
negativa de acesso possuem fundamento legal.
Provimento (parcial) – A CGU determinou a entrega da informação (ou de parte dela) ao cidadão.

Conheça mais sobre a Lei de Acesso à Informação:


Portal “Acesso à Informação”
http://www.acessoainformacao.gov.br/
Publicação “Aplicação da Lei de Acesso à Informação na Administração Pública Federal”
http://www.acessoainformacao.gov.br/lai-para-sic/sic-apoio-orientacoes/guias-e-orientacoes/aplicacao-lai-3a-ed-web-
002.pdf
Decisões da CGU e da CMRI
http://buscaprecedentes.cgu.gov.br/busca/SitePages/principal.aspx
Busca de Pedidos e Respostas da LAI:
http://www.acessoainformacao.gov.br/assuntos/busca-de-pedidos-e-respostas/busca-de-pedidos-e-respostas

SAS, Quadra 01, Bloco A - Edifício Darcy


CGU Ribeiro
6
Brasília/DF - CEP 70070-905
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Controladoria-Geral da União
Folha de Assinaturas

Documento: PARECER nº 1304 de 15/10/2019

Referência: PROCESSO nº 60502.001581/2019-96

Assunto: Recurso 3ª - Prazo 15/10/19 (Improrrogável) - Perda do Objeto - CEX

Signatário(s):
FABIO DO VALLE VALGAS DA SILVA
Ouvidor-Geral da União - Adjunto

Assinado Digitalmente em 15/10/2019

Relação de Despachos:

De acordo.

FABIO DO VALLE VALGAS DA SILVA


Ouvidor-Geral da União - Adjunto

Assinado Digitalmente em 15/10/2019

Este despacho foi expedido eletronicamente pelo SGI. O c ódigo para verificação da autenticidade deste
documento é: d1a14707_8d751adc39f507b