Вы находитесь на странице: 1из 7

Motivação

■ Realidade Atual
■ Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de
computadores
■ Evolução das tecnologias de comunicação
Arquitetura e Protocolos de ■ Redução dos custos dos computadores
Rede TCP/IP ■ Dificuldades
■ Restrições ao número de dispositivos conectados
Modelo Arquitetural ■ Tecnologias incompatíveis inviabilizam a
interoperabilidade

Motivação Tecnologia de inter-redes

■ Alternativas ■ Conceito
■ Adotar mecanismos que permitam a ■ Conjunto de protocolos que permitam a
interoperabilidade interconexão de redes heterogênias
■ Interconectar as diferentes redes ■ Benefícios
■ Compatibilizar a heterogeneidade das ■ Acomodação de múltiplas plataformas de hardware
múltiplas tecnologias de redes e software
■ Esconde os detalhes do hardware da rede
■ Solução ■ Permite a comunicação dos dispositivos de forma
■ Tecnologia de inter-redes independente do tipo de rede física adotada

4 5

Modelo OSI da ISO Modelo OSI da ISO


Modelo OSI da ISO Modelo OSI da ISO

Modelo OSI da ISO Modelo OSI da ISO

• Cada nível apresenta um cabeçalho, e contém como


dados, o cabeçalho da camada superior e seus dados.
• Dados da camada são chamados SDU (Unidade de
Dados do Serviço)
• Cabeçalho + Dados da camada são chamados PDU
(Unidade de Dados do Protocolo)
• Camada de enlace contém um “fecho” chamado
Frame Check Sequence (FCS) para detecção de erros

Modelo OSI da ISO Modelo OSI da ISO


Modelo OSI da ISO Modelo OSI da ISO

Modelo OSI da ISO Família de protocolos TCP/IP


■ Conceito:
■ Conjunto de padrões de redes que
permitem a interconexão de redes e
sistemas heterogêneos
■ Redes físicas com diferentes tecnologias de
acesso
■ Equipamentos desenvolvidos por diferentes
fabricantes, com diferentes arquiteturas de
hardwares e que executam em diferentes
Sistemas Operacionais

20

Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão


E9
■ Quem pode utilizar ? E1
E2
■ Qualquer organização que deseje N5
interconectar suas diversas na forma de R3
N1
uma inter-rede R4

■ Não requer uma conexão com a internet R1 R2


N4
■ A internet é apenas uma demonstração N2

concreta da validade da tecnologia TCP/IP N3

E3
E4 E7 E8
E5 E6

21 22
Modelo de Interconexão Modelo de Interconexão
■ Estação
■ Roteador ■ Dispositivo do usuário conectado a alguma
■ Possui conexões com duas ou mais redes rede física da inter-rede
■ Não provê conexão direta com todas as ■ Estação multihomed pode atuar como um
redes físicas roteador
■ Roteia pacotes de uma rede para outra ■ Requer ativação e configuração da função de

roteamento de pacotes entre as redes
Mantém informações de roteamento para
todas as redes ■ Também denominado Host, hospedeiro ou

sistema final
É também denominado gateway ou sistema
intermediário

23 24

Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas


■ Visão do usuário
■ Usuários vêm a inter-rede como uma rede virtual ■ Objetivo
única à qual todos os dispositivos estão conectados ■ Estruturar o hardware e o software de um projeto

de rede
Usuários não conhecem as diversas redes físicas
■ Divide e organiza os problemas de comunicação em
individuais
camadas hierárquicas
■ Adota um mecanismo de endereçamento universal, ■ Cada camada é responsável por uma função
baseado em endereços IP, que permite a específica e usa as funções oferecidas pelas
identificação única de cada dispositivo na inter- camadas inferiores
rede ■ Uma arquitetura de rede é definida pela combinação
dos diversos protocolos nas várias camadas

25 26

Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP


■ Camada de aplicação
■ Define a sintaxe e a semântica das mensagens
Mensagem Aplicação FTP, HTTP, SMTP trocadas entre as aplicações
■ Exemplos:
Seguimento/Datagrama UDP Transporte TCP/UDP
■ Telnet – Serviço de terminal virtual
■ FTP – Serviço de transferência de Arquivos
Datagrama IP Rede IP/ICMP
■ SMTP – Serviço de correio eletrônico
■ DNS – Serviço de nomes
Quadro Interface de Rede Ethernet, PPP, Token Ring
■ HTTP – Serviço Web

Abordagem

Top-Down Botton-Up
27 28
Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP
■ Camada de transporte ■ Camada de rede
■ Provê comunicação fim-a-fim entre ■ Realiza transferência e roteamento de pacotes
aplicações entre dispositivos da inter-rede
■ TCP (Transmission Control Protocol) ■ IP (Internet Protocol)
■ É baseado em conexão ■ Provê serviço de datagrama não confiável
■ Provê fluxo confiável de dados ■ Envia, recebe e roteia datagramas IP
■ Divide o fluxo de dados em segmentos ■ ICMP (Internet Control Message Protocol)
■ Permite a troca de informações de erro e controle entre
■ UDP (User Datagram Protocol)
camadas de rede de estações distintas
■ Provê serviço de datagrama não confiável

29 30

Encapsulamento e demultiplexação
Arquitetura TCP/IP
■ Processo de encapsulamento
■ Camada de interface de rede ■ Está relacionado ao envio de dados
■ Compatibiliza a tecnologia da rede física ■ Processo de demultiplexação
com o protocolo IP ■ Está relacionado ao recebimento de dados
■ Aceita datagramas IP e transmite na rede E9 Demultiplexação
E1
física sob a forma de quadros E2 (Recebimento)
N5
N1
R3
■ Trata os detalhes de hardware da conexão R4
física e geralmente inclui o driver do R1 R2
N4
N2
dispositivo e a placa de rede N3
Encapsulamento E3
E4 E7 E8
(envio) E5 E6

31 32

Encapsulamento e demultiplexação Encapsulamento e demultiplexação

■ Processo de encapsulamento ■ Processo de encapsulamento


■ Preparação dos dados para transmissão ■ Cada PDU de aplicação deve carregar informação do endereço IP
■ Os dados são gerados pela camada de aplicação do destino, porta do destino e protocolo de transporte
■ Descem na pilha de protocolos até serem efetivamente enviadas ■ Cada PDU de transporte carregar o endereço IP do destino

pela rede física ■ Cada PDU de rede deve carregar a PDU de transporte

DADOS Os dados são gerados pela DADOS


camada de aplicação. A aplicação deve
Aplicação indicar qual o protocolo da camada de
transporte a ser utilizado (TCP/UDP). CABEÇALHO DADOS
CABEÇALHO DADOS
Transporte O protocolo de transporte adiciona seu
cabeçalho, recebe a PDU da camada
de aplicação em sua área de dados e CABEÇALHO DADOS
CABEÇALHO DADOS
encaminha para a camada de rede
Rede
A camada de rede receba a PDU de CABEÇALHO DADOS
CABEÇALHO DADOS transporte, realiza suas funções e
encaminha para a camada de enlace
Enlace
A camada de enlace receba a PDU de
CABEÇALHO DADOS
CABEÇALHO DADOS rede, realiza suas funções e encaminha
para a transmissão física 33 34
Encapsulamento e demultiplexação Interação dos protocolos
■ Processo de demultiplexação (recepção)
■ Processo inverso ao emcapsulamento
Estação E1 Estação E2
Protocolo SMTP
1º SMTP SMTP 16º
Aplicação FTP ... SMTP DNS ... SNMP Protocolo UDP
2º TCP TCP 15º
Transporte TCP Porta TCP Porta Roteador 1 7º Roteador 2
IP IP 11º IP
3º IP IP IP IP 14º
ICMP 6º 10º
Rede 4º Driver Driver Driver Driver Driver Driver 13º
IP

5º 8º 9º 12º
Driver de N1 N2 N3
Interface de rede Rede

35 36

Arquitetura OSI x TCP/IP Padronização


7 Aplicação
■ Grupos
6 Apresentação Aplicação 4 ■ ISOC (Internet Society)
5 Sessão ■ Auxilia, suporta e promove a evolução e uso da internet como
infra-estrutura de comunicação global
4 Transporte Transporte 3
■ IAB (Internet Architecture Board)
3 Rede Rede 2 ■ Coordena a pesquisa e o desenvolvimento dos protocolos TCP/
IP
2 Enlace
Interface de Rede ■ IETF (Internet Engieneering Task Force)
1 Física 1 ■ Realiza pesquisa de curta e média duração
■ Atua como corpo editorial e revisão dos padrões da internet
* A camada de aplicação na arquitetura TCP/IP inclui as ■ IRTF (Internet Research Task Force)
camadas de apresentação e sessão da arquitetura OSI ■ Coordena pesquisas de longa duração relacionadas à evolução
do TCP/IP e a arquitetura de inter-rede
** A camada de interface de rede da arquitetura TCP/IP inclui as
camadas de enlace e física da arquitetura OSI

37 38

Padronização Estrutura de interconexão da internet

■ Propostas e padrões Provedor Internacional

■ Publicados em RFCs (Reference for Comments) NAP NAP


■ RFCs são numeradas sequencialmente em ordem Provedor Internacional
NAP – Network Access Point
cronológica
■ Possuem diferentes categorias
■ Standards, Draft Standard, Proposed Standard, Provedor Nacional NAP Provedor Nacional
Experimental, Informational, Historic
■ Um protocolo é declarado padrão da internet
somente após se tornar estável Provedor Provedor Provedor Provedor
■ O grupo RFC Editor é responsável por publicar, Regional Regional Regional Regional

manter e distribuir todos os RFCs Provedor Provedor Provedor Provedor Provedor Provedor Provedor Provedor
Local Local Local Local Local Local Local Local

39 40
Referências
■ Comer, Douglas E., Interligação de Redes Com Tcp/ip
■ James F. Kurose, Redes de Computadores e a Internet
■ Escola Superior de Redes, Arquitetura e Protocolos de
Redes TCP/IP

41