Вы находитесь на странице: 1из 79

Telmo de Oliveira Pereira

ID: UD35738SIN44312
Página | i

Logística de Distribuição em Angola e


o Auxilio da Engenharia Industrial

Tese apresentada ao Curso de Logística da Faculdade de Estudos Sociais e Humanas, da


Universidade Atlantic International University – AIU, como pré-requisito para a obtenção
do Titulo de Doutor em Logística.

Orientador: Professor Doutor Lourdes Puentes

Luanda – Angola
2015
Aprovação

Página | ii

From: Graduation USA (55AIU98258)


Date: 8/22/2015 4:16:00 PM
Attachments:

Dear Telmo,
Following assignment has been graded:

Course : Tese Final


Attempt ID : 456100
Student : Telmo de Oliveira Pereira / UD35738SIN44312

Date Graded : 8/22/2015 4:16:34 PM


Grade: A
Comments: Thanks
Dedicatória

Página | iii

“Dedico o êxodo alcançado por este trabalho a minha


amada esposa Emília Pereira que incondicionalmente
apoiou-me nesta caminhada, mediante aos sacrifícios
que passamos para que tal objetivos fosse alcançado.
A minha filha Jasmim Pereira que eu a amo muito”.

“Aos que me viram no meu estado de ser invisível. “


Agradecimento

Página | iv
Meu Deus, graça te do, por esse momento, na qual levanto os meus olhos e dou o meu
louvor, pela sabedoria e inteligência que o senhor me tem fornecido, e por me ter
proporcionado esse momento.

Ao corpo de docente da universidade Atlantic International University, que na qual me


tem dado oportunidade para fazer a referente formação, em especial a minha incansável
Tutora Lourdes Puentes, pela pessoa sabia e determinante, que me acompanhou
incansavelmente durante a todo esse processo de conclusão do referente trabalho.

A toda a minha família que me tem apoiado, em especial a minha querida mãe Josefa,
que com carinho e amor me guiou, e o apoio incondicional da minha amada irmã Olga e
do seu esposo Garcia e dos demais irmãos Geovania, Sara e Dario Oliveira.

A ASSEUME, por estar presente comigo em momentos de enormes dificuldades, na qual


passei academicamente, na qual suas palestras e atividades desempenhadas me deram
forças para prosseguir nesta caminhada.

Aos meus colegas, e companheiro do trabalho em particular o Senhor António Soares que
ao longo destas caminhadas me tem orientado, ao Kito Júnior que tem dividido a mesma
dedicação á logística, ao Gestores da Mota Engil pela confiança que tem depositada em
mim.

Aos meus anteriores colegas da Universidade Metodista do curso de Gestão de Empresa,


na qual passamos horas e horas em buscas de melhores resultados, ao tutor e colegas do
curso Master em Administração de Logística e Cadeia de Subministro. A todos que direita
e indiretamente contribuíram para que este dia chega-se na perfeição.
Epigrafe

Página | v

“Muito obrigado pelo carinho que


me deram, nada se consegue só.”

Anselmo Ralph
Resumo

No que se refere logística, vimos que todos os dias a logística tem deparado com enormes
dificuldades, e problemas causados com a dificuldades de organizações, e empresas,
Página | vi
nações, e o mundo em geral, em por em movimento, ou em circulação os seus mais
variados produtos e mercadorias a fim de que aja maior viabilidade comercial e
económica.

A logística teve a sua evolução em ação militar e veio a desenvolver até ser um
componente de ligação entre a produção e os mercados que se encontram divididos por
períodos e longitude. A logística angolana, nos dias de hoje, apesar das suas enormes
dificuldades e debilidade no sector de distribuição, tem vindo a mostrar um crescimento
bastante significativo para o país.

E os enormes contributos da engenharia industriais que tem contribuído imenso para o


desempenho produtivo, facilitando na exploração de recursos naturais, na transformação
dos mesmos em fontes úteis para o processo produtivo, na geração dos potenciais
energéticos a fim de distribuir melhor. O referido tema e as abordagens que nele contem,
tem a finalidade de vir a ser um contributo no processo produtivo de Angola, e ser um
guia para quem esta apostar nesta área em especial, logísticos, estudiosos, e pesquisadores
da matéria.

Abstract

As regards logistics, we saw that every day logistics has encountered enormous
difficulties, and problems related to the difficulties of organizations and companies,
nations and the world in general, by moving or circulating their various products and
goods to acting greater trade and economic viability.

The logistics had its evolution in military action is came to develop to be a connecting
component between production and markets are divided by periods and longitude. The
Angolan logistics, today, despite its enormous difficulties and weakness in the
distribution sector, has been showing significant growth for the country.

And the enormous contributions of industrial engineering that has contributed a lot to the
growth performance, facilitating the exploitation of natural resources, transforming it into
useful sources for the production process in the generation of energy potential in order to
better distribute. That theme and the approaches that it contains, is intended to become an
input in the production process of Angola, and as a guide for whom this bet in this area
in particular logistics, scholars, and researchers of the matter.
Índice

1 - Capitulo 1_________________________________________________________ 2
1.1- A grande problemática existente no sector logístico de distribuição ________ 2
1.1.1- Levantamento do Problemas ________________________________________ 2
1.2- Discussão e breve enquadramento logísticos _____________________________ 3
Página | vii
1.2.1- Abordagem histórica da logística ____________________________________ 3
1.2.2 - História logística _________________________________________________ 4
1.2.3 - As características da logística _______________________________________ 5
1.2.4 - Os Tipos de Cadeias ______________________________________________ 5
1.2.5 - O plano de logística ______________________________________________ 6
1.3 - As Reengenharias Logísticas _________________________________________ 7
1.3.1 - A logística ______________________________________________________ 8
1.4 - Objetivos do trabalho ______________________________________________ 10
1.4.1 - Angola de ontem e Angola de hoje __________________________________ 11
1.4.1.1 - Angola de Ontem ______________________________________________ 11
1.4.1.2 - Angola de hoje ________________________________________________ 12

2 - Capitulo 2 ________________________________________________________ 13
2.1 - O Real Papel da Logística em Angola _________________________________ 13

3 - Capitulo 3 _______________________________________________________ 17
3.1 - Infraestruturas logísticas com impacto que decorre de 2008 á 2014/15 _______ 17
3.1.1 - Áreas das plataformas logísticas intermodais em vigor __________________ 17
3.1.2 - Metas de aplicação regional _______________________________________ 18
3.1.3 - Infraestruturas de Transporte ______________________________________ 18
3.1.4 - Infraestruturas portuárias _________________________________________ 18
3.1.5 - Comercio e transportes e logísticas __________________________________ 21
3.1.5.1 - Redes de aeroportos ____________________________________________ 22
3.1.6 - Infraestruturas ferroviárias ________________________________________ 23
3.2 - Programas de infraestruturas rodoviárias ______________________________ 27
3.3 - As Áreas de Distribuição e Comercial em Angola e em Africa _____________ 29
3.3.1 - Sector primário _________________________________________________ 29
3.3.2 - Sector secundário _______________________________________________ 30
3.3.3 - Sector terciário _________________________________________________ 30
3.3.3.1 - Transporte ___________________________________________________ 30
3.3.3.2 - Construção Civil ______________________________________________ 31
3.4 - Importação e Exportação ___________________________________________ 31
3.4.1 - Importação _____________________________________________________31
3.4.2 – Exportação ____________________________________________________ 32
3.5 - Comercio _______________________________________________________ 34
3.5.1 - Instalações Comerciais por Características ___________________________ 34
3.5.2 - Redinamização do Comercio ______________________________________ 35
3.5.2.1 - O Comercio Interno ____________________________________________ 35
3.5.2.2 - O Comercio Externo ___________________________________________ 37
3.5.2.3 - O livre Comercio Internacional ___________________________________ 38
3.5.2.4 - A Distribuição das Importações Geográfica _________________________ 38
3.5.3 - Os principais desafios em Angola da distribuição de Logística ____________ 39
3.5.3.1 - Imobiliários Abertura e Qualificação de Feitura são Principais Repressão__ 40
3.6 - Transporte em Angola _____________________________________________ 43
3.6.1 - Capital Estrangeiras eminente ______________________________________ 46
3.6.2 - Auxílios da engenharia industrial na logística em Angola _________________47
3.6.3 - Os objetivos da Engenharia industrial ________________________________ 47
3.6.4 - Tecnologias de informação ________________________________________ 49
3.6.5 - O ERP MRP MRP II?_____________________________________________50
3.7. Aspetos de combustão ______________________________________________ 51
3.7.1 - Aplicação de energia por barragem __________________________________ 53
3.7.2 - Método de investigação qualitativa __________________________________ 54
3.7.3 - Método de investigação quantitativa _________________________________ 56
3.7.3.1 - Métodos quantitativos __________________________________________ 56
3.7.4 – Energia potencial _______________________________________________ 57

4 - Capitulo 4 ________________________________________________________ 59
4.1 - Metodologia _____________________________________________________ 59

5 - Capitulo 5 ________________________________________________________ 61
5.1 - Estratégias e Técnicas _____________________________________________ 61
5.1.2 - Angola inclusa contexto da integração económica em Africa _____________ 63
5.1.3 - Resultados obtidos _______________________________________________ 63
5.1.4 - Analise dos resultados ____________________________________________ 64

6 - Capitulo 6 ________________________________________________________ 64
6.1 – Conclusão ______________________________________________________ 64
6.1.1 – Recomendações ________________________________________________ 67
6.1.2 - Referencias Bibliográficas ________________________________________ 68
6.1.3 - Fontes de Buscas ________________________________________________ 69
6.1.4 - Outras fontes de informações ______________________________________ 69

Abreviatura e Sigla

BNA - Banco Nacional de Angola


CNC – Concelho Nacional de Carregadores
DECEX – Departamento de Operações Comércio Exterior
EUA - Estados Unidos da América
ERP - Enterprise Resource Planning
FOB – Free On Board
FCA – Free Carrier
JIT – Just-in-time
MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola
MRP - Panejamento dos Recursos de Manufatura
OPEC - Organização dos Países Exportadores de Petróleo
PIB - Produto Interno Bruto
SADC - Comunidade para o Desenvolvimento da Africa Austral
SSA - Africa Subsariana
TIC - Tecnologias da Informação e Comunicação
UA – União Africana
UE - União Europeia
UNITA – União Nacional para a Independência Total de Angola
ZEE – Zona Económica Exclusiva

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 1
1 - Capitulo 1

1.1 - A grande problemática existente no sector logístico de distribuição

Nos últimos anos tem-se evidenciado um rápido crescimento da classe empresarial


existente em Angola, em abordagem a umas das pesquisas feitas pela Deloitte em meados
de 2014, em 55% das empresas, prescreveram que os problemas eminentes no transtornos
logísticos de Angola em particular Luanda por ser detentora de 90% da classe
empresarial, esta nas restrições movimentação nas vias da capital e arredores provocando
grandes embaraço na circulação dos produtos e mercadorias.

Por outro lado em uma modelar de 42% das referidas organizações, apontam o estado das
rodoviárias um pouco por todo país, como os principais transtornos, provocando barreiras
e reduções nas distribuições interprovinciais.

Podendo assim afirmar que um dos principais problemas da logística em Angola são os
pontos de ligação mediante ao crescimento das infraestruturas de transportes, de
comunicação e logística, que de antemão nos remete ao estado de maior degradação, no
que demostra o esforço que o estado tem feito a fim de ligar as vias de comunicações em
todo território nacional.

Na realidade todo este processo aponta as condições das vias e estradas nacionais, os
imensos engarrafamentos no trânsito e a composição da cidade de Luanda como a
fundamental causa da grande problemática da distribuição da logística angolana.

Porém encontramos uma estrutura reduzida em cumprimento de carris ferroviária


operacional e o bloqueio de vias transitórias em recuperação em Angola, são de antemão
um obstáculo a trajetória da distribuição em todo território nacional.

Mediante a extensão geográfica de todo território nacional, a ausência de infraestruturas


rodoviárias com escoamento aos demais pontos do país, e suas principais cidades,
tornando cada vez mais difícil as operações diárias da logística de distribuição,
provocando um elevado custos nos cofres das empresas.

1.1.1 - Levantamento do problema

1. Como tem sido, e quais são as imensas dificuldades que as organizações tem para
garantirem que os seus produtos e mercadorias sejam distribuídos a todos pontos
do país e do mundo?
2. Como se tem desenrolado o processo logístico de distribuição em Angola?
3. Quais são os seus pontos fortes e fracos?
4. Será que Angola como forte produtor de petróleo e outros recursos, e minerais,
em curto e longo prazo, conseguira alcançar uma logística no ponto de vista de
excelência?

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 2
1.2 - Discussão e breve enquadramento logísticos

Falar de logística de distribuição em Angola, nos submete a fazer antes uma abordagem
histórica sobre o que na verdade é a logística e como surgiu, o que é na verdade a logística
de distribuição. A logística é a parte da gestão que se encarrega em suprir ou prover os
recursos, materiais e equipamentos e dados a fim de dar andamento a toda e qualquer
atividade de uma organização.

A referente abordagem reflete como é o retrato do dia-a-dia da logística de distribuição


em Angola. Na qual procurei basear-me na totalidades de factos, e acontecimentos que
durante este percurso logístico tem sido fontes e machetes em livros, jornais, revistas, e
paginas Web, em relatórios elaborados por empresas e estudos de casos feitos por
estudiosos e analista neste tipo de abordagem, e quais tem sido os seus impactos positivos
e negativos na sociedade angolana.

Pude fazer uma viagem ao histórico logístico nacional que me deu a entender que não
teríamos logística se não houvesse engenharia industrial.

A engenharia industrial está presente em todo processo logístico mundial, e em suas


diferentes etapas. Sendo uma área voltada nas pesquisas, e análises e aplicação de diversas
fontes tecnológicas. Em que exige de seus profissionais rigor e responsabilidade no
desempenho, e criatividade e técnicas cientificas a fim de entender as ideologias em
veracidades e, podendo assim dar respostas as diversas controvérsia da sociedade em
geral.

Podendo assim evidenciar os fatores inerentes á produção e analisa-los, projetando de


modo a facilitar, a otimização de todo processo logístico, sem negligenciar os pontos de
vistas técnicos, económicos e sociais. Por outro lado nos deparamos com uma peculiar
diversificação dos aspetos logísticos, pois nos remete a uma abordagem mais detalhada
por esta englobar pontos como comunicação, tecnologias de pontas, transportes,
armazenamentos, etc.

O referente trabalho tem como finalidade o estudo da logística de distribuição no âmbito


angolano e o papel essencial e primordial que a engenharia industrial tem prestado para a
logística. Uma vez que todo este processo logístico é supervisionados em padrão de alta
segurança, e com apoios de tecnologias de pontas, máquinas com imenso potencial e
pessoal preparado, e instruído para desempenhar tal atividade.

1.2.1 - Abordagem histórica da logística

A logística teve a sua origem em processo militar e desenvolveu para âmbito comercial,
desde tempos mais antigos vimos a tão notória existência da logística, principalmente em
grandes potências mundiais, acompanhando o desenvolver de enormes conquistas desde
tempos mais primórdios.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 3
Ao lermos livros bastante emblemáticos como a bíblia Sagrada também encontramos a
presença da logística datada á mais de 2000 anos antes de Cristo, no período da fome que
levou o povo hebreu a ter que se estabelecer no Egipto durante décadas, podemos
evidenciar a presença da logística quando José o escravo Hebreu, viu-se empossado pelo
próprio faraó como governador de todo seu povo, durante sete anos conservou e
armazenou alimentos em celeiro que livrou o Egipto do período de seca e fome, podendo
assim fazer do Egipto o único território que tinha alimentos para o seu povo e para a
venda em outras nações.

A logística é conhecida como o coletivo de meios e técnicas essenciais a fim de trazer a


cabo a sistematização de um empresa, ou atividades, principalmente de distribuição. No
comércio e negócios, encontramos diversas definições da logística, tendo que a provem
da logística militar para se expandir na contemporânea de artes e avanços tecnológicos
que refere ou trata do acondicionamento de fluxos de bens e da ação da informação e de
energia.

Podemos assim referir que não há comércio sem logística, pois a logística é fundamental
para todo processo geral do comércio e da economia de uma dada nação ou organização.
A logística torna-se um sistema que é a ligação predominante entre o fator produtivos e
os mercados, que na qual encontra-se distanciados em função do espaço e intervalos.

A logística de negócio, por intermédio de uma gestão de logística e redes de suprimentos


envolve a gestão e projeção das atividades de distribuição, de aquisição, de produção, de
transporte, de manuseias, e de armazenamento.

1.2.2 - História logística

No desenvolver das civilizações desde tempos mais primórdios, constatarmos que os


produtos (homens) que procuramos estão cada vez mais distante dos locais que
pretendemos consumir, ou não se encontram disponíveis quando almejamos consumir.
Em tempos passados os mais variados produtos, e alimentos eram predominante em
grande escala em certos períodos do ano.

Naquela altura o ser humano é que tinha que distinguir, o perfil do lugar em que vai
comprar os alimentos ou produtos por consumir, ou onde situavam e pode-la movimenta-
los mediante a um determinado local e pode-lo armazena-lo para aplicação decorrentes.

Por falta de uma técnica criada e desenvolvida de armazenamento e transporte,


movimentação e circulação de produtos e mercadorias, eram restrito a sua movimentação
de forma limitada, na qual esforçaram o povo a viver ao arredor das zonas de produção e
possuírem pequenas quantidades de mercadoria ou produtos ou seus trabalhos e serviços.

O sistema logístico começou a ser aperfeiçoada, mediante o consumo e o sector produtivo


passou a ser distanciado na escala geográfica. Distintos percursos delimitados por zonas
específicas no sector produtivo e com enormes capacidades em suas eficiências.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 4
Porem, o remanescente de produção seria de modo lucrativo, e movimentado para
diversas localidades, onde os que não fossem produzidos nas localidades
automaticamente eram importados de outras regiões, surgindo assim os primeiros
aparecimentos da importação e exportação.

1.2.3 - As características da logística

Podemos assim definir a logística como o processo de gestão de produtos e materiais que
uma dada empresa possui dos fornecedores aos clientes, mediante a necessidade de
clientes, e aos custos menos reduzidos possíveis. Com o desenrolar da Primeira Guerra
Mundial, foi ainda mais notório a sua existência, que para muitos estudiosos e
entendedores da matéria relatam como a origem mais remota.

Passou assim ser denominada como a ciência militar, que prevê, organiza e trata de todo
o processo de execução das diversas atividades, essencial ao movimento de material,
alimentação, munições, acessórios para reposição e munições, etc., dos exércitos em
missões, a fim de obterem elevados índice de eficiência em andamento de seus exercícios.

A real interpelação das relações comerciais (negocio) é sugerida pelos EUA em 1942, a
edificação de barcos de grande porte, denominados por navios liberdades, sendo
construídos com fins de armazenar cargas que tinham como missão o abastecimento
direito dos Exércitos dos EUA na Europa, eram submetidos a uma forte exigência, porém
muitos eram constantemente afundados pelos submarinos do exército Alemães.

Na qual possuíam a finalidade de reduzir o tempo de edificação de um navio, que foi


conseguido com êxodo. Assegurados de que o raciocínio era a resolução mediante a uma
única singularidade de incumbência de fornecimento e as ações de produção de
panejamento e a coincidência de serviços e produção de fluxos é garantido.

1.2.4 - Os Tipos de Cadeias

Para Supply Chain; que, toda a deslocação ou funcionamento canal de materiais em todo
o sistema de elaboração desde a sua criação ou ainda geração até ao cliente (consumidor).
Em que o processo é transmitido por intermédio de manipulações consecutivas,
alterações, movimentos e tê-los em armazenamentos, é produzido por intermédio de
matérias-primas até chegar ao consumidor final.

Podemos assim dividir supply chain em três partes fundamentais;

1- Cadeia de abastecimento: encarrega - se da gerência das matérias-primas e


elementos ou produtos semiacabados, na qual compromete a posição ou
distribuição de ordenamento para fornecedores, os transportes, de
armazenamentos, e aprovisionamento de fábricas e industrias.
2- Cadeia interna: é todo processo encarregado pelo gerenciamento de stock (gestão
de stock) de produtos semiacabados que se encontra a ser produzido ou fabricado.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 5
3- A cadeia de distribuição: encarrega-se dar respostas a demanda (procura) dos
clientes e de produtos e seus deslocamentos, dos transportes para o escoamento
(canais) de distribuição. Englobando o stock de produtos acabados, o
aprovisionamento e armazenamento, deslocamento e transporte, fornecimento ao
cliente.

Podemos denominar linha de produção repartida em três ciclos que são;

1- Ciclo de obtenção ou aquisição de materiais.


2- Ciclo da modificação das matérias em produtos acabados (fabricação).
3- Ciclo de expor o produto á necessidade do consumidor final (armazenamento e
distribuição).

Com a origem da atividade industrial, podemos assim afirmar que as organizações de


manufatura tem efetuado em três ciclos de produção. A administração da linha de
produção que demonstra a agregação interior não é aceitável e encontramos somente em
uma amplitude da própria lógica.

A logística, esta trabalhando a fim de formar um conjunto (fluxo) de informação e


gerenciamento integrado no produto, aplicando o menor, e um reduzido investimentos
possíveis, no objetivos de proporcionar - mos reduzidos custos com uma rápida eficiência
para os sistemas empresariais e organizacionais.

1.2.5 - O plano de logística

É idealizado com a ideia de que para reduzir o sistema logístico, á busca de clareza,
utilidade, velocidade e inclusive os de custos coerentes, que tem que potencializar a
aplicações de recursos humanos e instrumentos, ou ferramentas a um nível essencial para
assegurar os serviços. O plano de logística deve seguir as seguintes etapas:

a. A especificação de ferramentas e materiais e produtos conforme as suas


características logísticas e pesquisas do nível de funcionamento (atividade) da
logística a ser criado para sociedade em geral.
b. As etapas de transporte e de aprovisionamento tem de ter as ferramentas, e os
materiais e produtos, e distribuição do sistema logístico; com a finalidade de
minimizar os custos de transportes, assegurando que a cedência do material
sucede em lotes, em que a extensão corresponde a técnica de coordenação de
inventariação na qual encontramos em estudo.
c. Porem a distribuição e gerenciamento do sistema de logística; Empresas,
submetem a quantidade e o volume dos negócios na qual necessitam de diversas
formas de lojas, e zonas técnicas destas serão umas das causas decisivas que
encontramos para tal.

Podemos assim afirmar que a logística é de grande importância nos dias atuais, pois tem
vindo a mostrar o seu inconfundível papel nos negócios em todos aspetos globais de hoje.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 6
Os grandes gestores da atualidade procuram capacitar-se a fim de dar respostas a
diversidades de alteração económicas e sociais, de elevadas procuras.

A rivalidade entre locadoras prestadoras de serviços, empresas que desempenham a


atividades no mercado, tem influenciando o gestor logísticos da atualidade a manter um
ritmo constante de atualização, e agindo de forma mais racional no papel que tem
desempenhado com mais frequência, e em meios tecnológicos cada vez mais inovados
com tecnologias de pontas, e Softwares, e programas que possibilitam transmitir toda e
qualquer operação elaborada, e permitir que se possa fazer qualquer atualização do
mesmo no momento e a tempo e hora.

A cadeia de abastecimentos é formada por várias etapas comprometidas de forma direita


ou indiretamente na compensação de uma demanda ou requisição de clientes. A cadeia
de fornecimento compreende não só os fornecedores e fabricantes, mais ainda as
transportadoras, os vajeristas, e os atacadistas, ou ainda os clientes mais comuns neste
tipo de ação. Dentro das empresas ou organizações, industriais ou fabricas, abrangidos
todas as áreas participantes na recessão e realização de um requisito ou pedido.

Em que estas atividades compreendem, mas não se encontrão restringidos a geração de


inovados produtos, atividades, marketing, distribuição, finanças e um pacote de
atividades ao clientes. A cadeia de suprimentos não esta só implementado em
organizações em que a sua atividade limita-se só na industrial, mas veio a ramificar-se e
introduzir os produtos tangíveis ou ainda serviços intangíveis, que afetam os
consumidores esforçando-os a de modo a transmitir serviços e produtos.

1.3 - As Reengenharias Logísticas

A técnicas ou métodos em que pela qual essencialmente redesenhado os fundamentos ou


técnicas de negócios, do principio a etapa final, aplicando toda a tecnologia e meios
organizacionais, orientado pelas primordialidade e imposição do cliente em si, a fim de
obtenção de melhorias absurdas em mensuras criticas e funcionamentos contemporânea,
descritos em custos, serviços e rapidez, e qualidades. Neste contexto torna-se uma
alteração bastante brusca no modo em que ele é apresentado, e as organizações que, em
vez de, não poderem mais ser visualizadas como elementos, partilha e produtos, a fim de
ser observado em forma de técnicas ou métodos de bases edificadas.

A reengenharia para chegar a este objetivo, terá que voltar ao principio do negocio e
perguntar se os seus conceitos fundamentais e da sua forma de funcionamento. Vimos
que a reengenharia refere-se uma convulsão no modo em que as organização, a gerência
seu acontecimento esta em esquecer de como tudo era elaborado, a fim de assegura-lo de
novo.

Ao começar um processo de o zero (0), para a reengenharia é como começar ao princípio


de tudo, sem sob saltos, ou passados, é como eliminar todo processo operativo de um
computador, e começar a formatar tudo de forma a recomeçar.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 7
Logo a reengenharia no primeiro passo determina o que tem que ser executado, e logo a
pós, como deve ser feito. Porem nada é opção sertã, esquecendo o que se deveria ser feito.

1.3.1 - A logística

No passado a logística limitava-se em pequenos reajusto que se limitava apenas em


dispormos os produtos exatos na zona exata, no tempo exato, a um preço reduzido, nos
dias atuais todo esse processo aparentemente básico foram ajustado tornando-se nos
nossos dias como um processo bem definido.

De modo que encontramos para logística muitos significados, sendo que no meio de tantas
definições encontraremos a responsável por todo processo de distribuição eficaz dos
produtos de uma deliberada organização, a um custo mais reduzido e um bom trabalho
prestado ao cliente.

Neste ponto a logística se encarregara de observar, gerenciar, planificar aquisições,


distribuir e movimentar, armazenamento de produtos, e controle de estoque, e ainda todos
os fluxos de informação anexada, por intermédio de canais de planificação e distribuição,
são filtrados de modo a rentabilizar nos dias de hoje e ainda no futuro, sendo maximizada
em função dos custos e ação eficiente. Sendo que a logística especifica e gere
coordenando da melhor forma o produto certo, os melhores consumidor e cliente, no local
próprio e na altura certa.

Admitindo a função do marketing é influenciar a procura, sendo que a aplicação do


funcionamento da logística é só para concretização. Porem só por intermédio de uma
aprofundada abordagem da demanda em ação de nível, área e período, podemos
especificar a posição de partida para chegarmos a resolução final das operações logísticas,
o aumento da demanda em forma de custos e eficiência.

Porém afirmamos que a logística não é, de modo, uma operação viável, mas de uma
forma, de uma moldura; não é uma função funcional, mas um instrumento de
planificação; sendo um modo de raciocínio que autoriza a minimizar a incerteza em um
amanha desconhecido. As principais atividades logísticas são:

1. Ofícios prestados ao cliente


2. Transporte
3. Coordenação de gestão de estoque
4. Sistemas de ordens.

Todas estas atividades bem coordenadas, produz satisfação por parte do cliente e
minimiza-se os custos da organização, que é umas das causas as organizações são
esforçadas a terem que convergir em logística. Neste processo podemos ainda rever mais
fatores que interligam no crescimento evolutivos da logística, estes fatores são:

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 8
1. Acrescentamento da linha de produção,
2. A competência de produção,
3. Atingir níveis mais elevados,
4. A cadeias de distribuição quer reduzir um índice de stock cada vez mais reduzido,
5. Criação de processo de informação,
6. Planos de JIT.

O resultado de toda estas etapas bem estipulados quando aplicado reflete nas seguintes
vantagens:

1. Para elevar a concorrência e aperfeiçoar a rentabilidade das organizações a fim de


dar resposta a rivalidade da globalização.
2. Administrar melhor, e administração nacional e internacional logística comercial.
3. Melhor controlo de todos os pontos que motivam o ato de compra; a
confiabilidade, o preço, a qualidade, a embalagem, a distribuição, os serviços, e a
proteção.
4. O aumento da interpretação de gestão para modificar a logística em uma estrutura,
um sistema para a planificação das operações da empresas tanto as internas como
as externas.
5. A discrição costumeira da logística descreve que o produto ganha o seu valor
mediante o tempo em que o consumidor (cliente) recebe de modo apropriado, com
custos mais reduzidos possíveis.

Serviços ao cliente de forma logística envolvem o seguinte:

1. Estágio de veracidade ou certeza: não tão veloz com a conveniência de obter


transporte, estando situado na veracidade, com a placa de alteração reduzida.
2. Estágio de confiabilidade: A cadeia é conjunta com links variados. É a cadeia
logística. Se introduzirmos um pouco alheios, as incumbências são parceladas;
consumidores finais deixam de ter confiança, índice superficialmente de
interpretações desfocadas, e incertezas de modos reconhecidos e responsável. O
cliente tem que ser capaz de falar o que os seus princípios de confiabilidade,
perceber como tem que ser identificados.
3. Elasticidade: isto demonstra que o fornecedor pode sempre ajustar-se o modo
convincente a extremidade da demanda (procura). Um técnico logístico declara
ou afirma a eficiência de utilidade exagerada quando um impulso acontece
naturalmente, que é denominado por seu valor ao consumidor ou cliente.
4. Os aspetos qualitativos: neste ponto não descrevemos a qualidade obtida pelo
produto, mas a expressa pelo serviço, que tem que ser procurada a igualdade
existente em todo a cadeia de abastecimento. Em diversas situações, o sistema de
produção é esmiuçadas e ponderada, é ponderadamente feita embalagem,
adquirida, de forma a pronunciar como tem que ser transportada e armazenadas

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 9
em tanques. Mais ainda são bastante reduzidas os números de empresas que
zelam, de como tem que receber tais produtos os clientes.
5. Melhorias consecutivas: requer uma reconsideração diária sobre os parâmetros
mal projetados, mediante os objetivos esperados, como também os que se
encontram estáveis. É muito mais eficaz interrogar-se de maneira interna, o que
nos demonstrara será bom resultado, para o mercado. Poder saber onde tem que
alterar e melhorar. Em que a logística requer ser compreendida mediante a sua
cobrança e rigidez em relação as suas variáveis.

A distribuição física e coordenação de materiais são sistemas que encontra-se ligado em


logística, por intermédio de sua aplicação direita, o primeiro fornece aos consumidores
ou clientes um nível de trabalhos implementados por eles, melhorando os custos de
transporte e armazenamentos de elementos da produção, zonas de consumo, custos
bastantes reduzidos, mediante ao fluxo de materiais dos que fornecem as cadeias de
distribuição com a análises JIT.

Neste contexto o JIT é integrante das atividades logísticas. É uma aplicação de gestão que
se aplica a fim de expelir ou eliminar os restos ou resíduos, elaborando a peça exata no
lugar correto, e no tempo estipulado. Resolução residual de diversa operação que aumenta
custa sem alterar o JIT, denominada de base de produção, de valor. Tal alteração de
formato requer algumas técnicas administrativas de mudanças empresariais.

Na qual podemos citar como uma delas de modelo vertical das empresas. As formas de
estruturas aplicadas em quase todo mundo é a horizontal com a característica que começa
na obtenção de matéria-prima e encerra com os mesmos sistemas de vendas.

1.4 - Objetivos do trabalho

Menciono como objetivos gerais deste trabalho: Aprofundar os conhecimentos da atual


logística de distribuição em Angola. Contribuir para o desempenho das ciências neste
âmbito de conhecimento, levando acabo um conjunto requisitos.

Analisar os pontos positivos e negativos, a bordar resoluções, dar seguimentos a


atividades desempenhada pelos profissionais de mais diversas áreas deste ramo. Conduzir
com uma profunda investigação que nos permitira viajar sobre as diferentes épocas da
logística Angolana.

Menciono como objetivos específicos deste trabalho: Desenvolver uma metodologia de


estudo a fim de dar seguimento a mais diversas etapas marcantes da logística Angolana,
analisando etapa por etapa desde a era colonial, período pós dependência, os longo
períodos da guerra fria, e o período de reconstrução nacional.

Rever qual é o entrosamento entre a logística e a engenharia industrial, na verdade que


proveito tem as novas tecnologias para logística de distribuição. Veremos quais são as
vantagens e vantagens do processo de distribuição territorial, como é feita a distribuição,
quais são as dificuldades encontradas por que anda pelas estradas nacionais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 10
O que podemos dizer dos transportes, tem sido bastante, aplicadas, quem são as grandes
locadoras de serviços de distribuição logística, o que mudou na logística de ontem e o que
necessita mudar na logística de distribuição de hoje.

Os principais investimentos logísticos que prometem mudar todo um quadro logístico e


económico em território nacional, tem capacidades para tal, quais são os capitais neles
investidos. Podemos dizer que a estrutura logística em território Angolano tem
capacidade para suprir toda e qualquer atividade logística no interior e exterior do país.

1.4.1 - Angola de ontem e Angola de hoje

País, Africano localizado na costa ocidental, em que o seu território fundamental é


circunscrito a norte e a nordeste da Republica Democrática do Congo, e a leste da Zâmbia,
na zona sul a Namíbia, e na parte oeste, é banhada pelo Oceano Atlântico, sem esquecer
o enclave de Cabinda. Tendo como principal fronteira na parte norte a Republica do
Congo. Angola que teve sobre o domínio do povo português (desde 1482 até 1975), onde
alcançou a sua independência. Sendo considerado o país mais perto da Ilha de Santa
Helena atualmente colónia Britânica.
Angola ou Republica de Angola, é um país em que o seu povo é de modo bastante jovem,
tendo como primeiro Presidente Doutor Agostinho Neto, o qual participou direitamente
na luta pela independência do país, na qual foi substituído pelo atual Presidente José
Eduardo dos Santos logo a pós a sua morte, até aos dias de hoje.
Tendo Luanda como a sua capital política, económica e social do país, tendo o português
como língua oficial de todo território nacional, com um total de superfície de águas
territorial de 1.246,700km² (23º). Com o número populacional estimado em 24,3 milhões2
habitante resultado estimado no último Censo em 2014, tendo como moeda nacional o
Kwanza.

1.4.1.1 - Angola de Ontem


Com o regime colónia que haverá iniciado em pleno século XV, a delimitação da
superfície territorial no princípio do século XX. Período em que o Português Diogo Cão
sendo o primeiro explorador, chegou ao território angolano. Tornando-se em fração do
tempo em colónia Portuguesa, em parte, sendo que em pleno século XIX em períodos de
1884, veio a ser reconhecida e afirmada em plena conferência de Berlim.
Sendo que em 1975, Angola viu-se totalmente independente do regime colonial
Português, na qual foi conquistado com fortes confrontos que duraram algum tempo, logo
depois de um curto espaço de tempo, vimos a desencadear um longo conflito entre dois
movimentos bastante popular, liderado pelo líder da Republica José Eduardo dos Santos
e do outro lado Jonas Malheiro Savimbi, que de 1975 a 2002, sendo um conflito direito
entre o MPLA e a UNITA, denominado como guerra civil, por outro lado, em 2000 vimos
algumas ações da FLEC que tentam reclamar por Cabinda, em uma zona de aproximação
de quase 65% do petróleo.
Um país que tem a sua economia voltada em quase 75% do petróleo, com enormes
recursos naturais, e com imensas reservas de minerais, e de petróleo, uma vez que a
economia demonstrava um índice de crescimento bastante significativo, reparamos que a
pelo menos 70% população ainda sobrevive com quase dois (2) dólares por dia, e o índice

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 11
de vida é ainda um dos piores do mundo, e com um elevado índice de mortalidade infantil,
e uma grande disparidade no nível de vida tão notórios em termos de desigualdade
económica, daqueles que da para notar como “ quem tem, tem cada vez mais, e quem não
tem cada vez menos, porem os grandes detentores de riquezas encontram-se aglomerados
só num único escalão.
O país é considerado como um dos países em que o custo de vida é um dos mais altos no
mundo. Angola é considerado como um país em que a sua taxa de desenvolvimento é de
antemão muito baixa do ponto de vista das Organizações das Nações Unidas, afirmando
como fazer parte de um dos mais corruptos do mundo mediante as transparências
internacionais.
1.4.1.2 - Angola de hoje
Em 2002 Angola viu-se livre finalmente da guerra fria, olhando para se viu que tinha
imensas marcas deixada pelos 27 anos de guerra fria e que teria que fazer alguma coisa
para mudar esse quadro, e retirar tal imagem que o mundo ouviu falar de si.
Com tudo isso o povo deixou de pensar em armas e passou a pensar em reconstrução
nacional. Dando origem a uma nova era nacional. Angola composta em uma lista de 18
províncias e denominadas como: Bengo, Benguela, Bié, Cabinda, Kuando Kubango,
Kuanza Norte, Kuanza Sul, Cunene, Huambo, Huila, Luanda, Lunda Norte, Lunda Sul,
Malanje, Moxico, Namibe, Uíge, e Zaire.
Com uma economia voltada na produção do petróleo, sendo intitulada como a 2ª
produtora de petróleo de toda a Africa subsaariana, seguindo da Nigéria. Angola tem
tentado revogar esse quadro ao desempenhar políticas de desenvolver a produção de
outras áreas produtivas do país como a implementação de industriais, fabricas, criação de
novas fontes geradoras de empregos, agricultura (café, algodão, amendoins, arroz, feijão,
a cana de açúcar), e pecuária.
Angola além do petróleo é rica em diamante, mineiros de ferro, minerais, cobre, estanho,
ouro, platina e prata. As suas minas de diamante encontram-se em produção na província
de Luanda perto do Dundo. Os poços em ativo de petróleo sendo encontrados nos anos
de 1966 na Província de Cabinda e em Luanda perto da costa, ainda encontram-se em
ativo.
No passado avia só um número reduzido de escola, o estado tem feito o possível para que
toda criança seja implementada no processo de aprendizagem que lhes é devido, criando
em cada município, em cada localidade, criando e edificando mais escolas, e institutos.
Havia grandes dificuldades para um cidadão completasse os seus estudos, com apenas
algumas faculdades que podiam-se contar a dedo, hoje encontramos mais de 36
universidades reconhecidas pelo ministério do ensino superior, permitindo que qualquer
cidadão pudesse completar os seus estudos.
A grande carência que existia de hospitais, um pouco por todo pais, nos dias atuais tem
sido construídos hospitais, e centros médicos com tecnologias de ponta a fim de garantir
a saúde da população geral, ainda é notório em números de quantidade muito inferior,
mais notamos um crescimento nestas áreas.
No decorrer dos anos 1975 evidenciou-se a presença de uranio próximo da fronteira com
a vizinha Namíbia e desde então vem sido aproveitado. Desde 2002 que tem
desencadeado o período de reconstrução nacional que levou a cabo um processo de mãos

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 12
de obras nacionais e estrangeiras, com o intuito de unir Angola de Cabinda ao Cunene,
dando a cabo um longo percurso de construção de infraestrutura rodoviárias, construindo
estradas de longos percursos, pontes, viadutos, reabilitando ruas, criando postos e centrais
de energias. A reabilitação de barragens hídricas, como a de calueque, e Cambambe, e
outras, em alguns pontos estratégicos aproveitando a força das águas de principais rios
do país. Tornando possível que a energia elétrica chegue a todo ponto do país. E criando
redes cada vez mais inovadas de água potável para consume do país em geral.
Os longos tapetes que tem construídos permitem a comunicação de estradas que permitem
que os produtos, alimentos, mercadorias cheguem aos pontos mais longínquos de todo
território nacional, permitindo que seja feita com mais viabilidade e segurança a
distribuição de mercadorias nas 18 províncias do nosso país.
Os transportes rodoviários têm sido os meios mais utilizados para oeste fim, permitindo
a circulação de bens e população. O sistema ferroviário de Angola foi totalmente
restaurado circulando de um ponto a outro, permitindo que a população transita de um
local para outro, sendo que as estações mais conhecidas são as de Benguela, Malanje,
lobito, Zaire, e entre outras, evidenciando as linhas que circulam dos portos para outros
pontos.

2 - Capitulo. 2

2.1 - O Real Papel da Logística em Angola

A logística de hoje é sem dúvida um dos principais vetores no caminho do


desenvolvimento económico e social de um país, ou organização, por se tratar de um
conjunto de atividades que visam a dar respostas inúmeras situações que nos advêm.

Sendo uma área que teve a sua origem em ação militares, e industriai, e tem desenvolvido
a fim de dar respostas as inúmeras atividades de vertente comercial, e económica e social.
Neste ponto reparamos que ao adicionarmos fundamentalmente a engenharia industriais,
observaremos que a um grau de enquadramento. Na verdade é sempre tida como, um
todo, a área que visas tratar do transporte, distribuição e gerência de produtos e
mercadoria.

Uma vez que a Logística em Angola tem procurado, marcar passos rumo ao
desenvolvimento do país. Neste contexto que procurei fazer um levantamento de
conteúdos que focarei nesta pesquisa, uma vez que a Logística em Angola vem desde
tempos muito trabalhosos, e tem sobrevivido até atingir os dias atuais.

O Real Papel da Logística em Angola: Com o desenrolar do crescimento económico e


financeiro, e os inúmeros investimento em todas as áreas e infraestrutura do país, vimos
uma eventual subida em torno de todo processo logístico, na qual focaremos mais sobre
a sua distribuição, sobre os eventuais obstáculos e as enormes problemáticas que
rondando em todo o processo logístico.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 13
Angola é um país que caminha com um único objetivo de reconstrução nacional após
longos períodos de conflitos civil, todo esse processo de reconstrução nacional tem aberto
o caminho para que empresas nacionais e estrangeiras possam desencadear as suas
atividades em várias áreas do território nacional.

A macro e micro – estruturas logísticas em Angola: Logo a pós o maior feito considerado
em 2002 que é a conquista da paz em Angola, o governo tem feito o possível de erguer e
criar novas infraestruturas logísticas por todos pais, que não qual foi afetada pelo longo
período de guerra civil, com isso tem levado a cabo a recuperação de vias e malhas
rodoviárias, com a preocupação de manter a livre circulação de pessoas, veículos e bens,
nas principais arteiras do país.

Mexendo fundamentalmente com a ferroviária, permitindo a reabilitação de linhas férreas


nacionais, e as suas respetivas estação, as obras anexas em todo território nacional em
principais pontos, os planos ferroviários para esta fase são a construção de linhas que
ligarão o país com outros territórios vizinhos, como a Namíbia. Sendo que o meio de
transporte mais utilizado para o comercio exterior angolano é o marítimo, na qual Angola
esta servida com portos principais que já são bastantes comuns desde tempos da
colonização como tais o porto de Luanda, lobito e o de Namibe.

O principal meio de transporte de pessoas para o exterior continua ser o aéreo na qual
milhares de pessoas entram e saiam todos os dias, na qual o país conta com o Aeroporto
4 de Fevereiro, e outros espalhados por todas as províncias, para voos nacionais.

As Áreas de Distribuição e Comercial em Angola e em Africa: No ponto de vista geral,


vimos que a distribuição de logística em Angola, durante muitos anos esteve a oscilar
entre Europa e América, pelo principal fator que é a língua Português, só uma pequena
parte era das ligações com países africanos que fazem fronteira (vizinhos) com o país.
Nos dias atuais vêm o quão importante são as variáveis comerciais que interligam o
mundo de hoje.

O acordo que liga nações por laços traçados em função de meio, área geográfica,
continente, e ate mesmo linguístico, observa que Angola como os demais países Africano
tem feitos acordos que e os possibilitam e asseguram de modo a atingir metas internas
mediante aos estatutos do próprio continente.

Porem por mais que se formam estratégias em tornos do crescimento económico do


continente vimos que uma parte de Africa tem sido bastante fragilizada pelo
afrouxamento da economia chinesa que tem sido bastante evolutiva nestes últimos
tempos, porém vimos que ainda encontramos Moçambique a tentar fugir destas
consequências abrangente tanto em Africa como no mundo.

O que nos remete que o principal parceiro estratégico económico de Angola é a china ao
lado de países como Africa do Sul, Namíbia, Zâmbia. Só depois é que vimos ainda
mantém acordos com países da Europa principalmente por Portugal, França, Alemanha,
etc.

Já na América vimos os Estados Unidos, por causa da parceria que existe entre países

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 14
Produtores de petróleos e de outros fatores produtivos. Entre 50 e 70% do geral das
vendas emitidas para os estrangeiros.

Vimos que para a Africa subsariana, os perigos surgem mediante o entrave existente na
economia da china. Reparamos que uma grande parte da distribuição da logística nacional
provem de outros países que na qual vem Angola como fonte de investimento, outros tem
como parceiro económico por se tratar de um pais ricos em recursos naturais e minerais,
sem falar a sua terra que é propicia para agricultura.

Principais desafios e pontos de vistas de desenvolvimentos: Angola tem superado as


expectativas mediante os principais desafios rumo ao desenvolvimento, tornando-se em
umas das eventuais economias que mais tem crescido nos últimos Anos.

Porem uma conveniente descida dos preços dos barris de petróleos, provocou um impacto
na economia do país, levando o Governo Angolano a tomar decisões prévias, e optar em
uma estratégia de combate contra a não dependência do petróleo, levando a cabo uma
politica que reforça mais a aplicação em outras áreas como a agricultura, a pesca, e
sectores industriais.

Acreditamos que Angola daqui a 10 poderá estar entre os principais nomes da inovação
socioeconómico, feita em uma geração moderna. Para que tal procedimento aconteça
Angola terá que atravessar pelo menos um leco de determinação bastante fundamental,
sendo que o desenvolvimento de distribuição e social, variações na economia, mão-de-
obra humana (R.H). Eficiente, organização seria e independente, segurança política e
social.

As riquezas de Angola são imensas que tem proporcionado um desenvolvimento


espontâneo, incluindo a eficiência agrícola, e o benefício da exploração do petróleo,
proporcionam uma crescente e notória disparidade no índice da eficiência dos angolanos,
atiram a economia do país para bem mais alto do normal. O governo angolano tem levado
a cabo um processo de edificação de infraestruturas de foco nacional e internacional.

Os transportes: Falar de transporte em Angola requer um dado requisito de modo a reaver


o processo estrutural de cada um dele, sendo assim faremos uma retalhada analise sobre
tal situação no ponto de vista económico, e social dos transportes.

O procedimento geral das nossas ferroviárias em Angola, estabelecem um elemento de


cinco linhas que adstringem a circulação, que vai do litoral ao interior. Sendo que as
principais linhas são os caminhos de ferros de Benguela que estabelecem a ligação com
as linhas férreas de Catanga, com a fronteira com a Republica Democrática do Congo.
Sendo que o sistema rodoviário, em grande massa formada por estradas de segunda classe,
que interligam as fundamentais cidades do país. No que toca a portos os mais
frequentados em termos de movimentos comerciais de importação e exportação são os de
Luanda, Benguela, Lobito, Namibe e o de Cabinda.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 15
No que toca a parte aérea temos o aeroporto de Luanda que é de antemão o ponto de
ligação aérea que mantém os países ligados com diversas cidades africanas, americanas,
e europeias, ou com o mundo em geral.
Auxílios da engenharia industrial na logística em Angola: A engenharia industrial
encontra-se presente em todo processo logístico, uma vez que a própria logística nasceu
da engenharia militar e ramificou-se em diversas áreas de atividades humanas e social. A
engenharia industrial preocupa-se com a implementação das técnicas, ou métodos de
engenharia e dos fundamentos das ciências de gestão planificadas, estruturada e
sistemática, mediante a um processo produtivos nas empresas de bens e serviços.

Podemos fazer noção que a engenharia industrial em que os seus objetivos voltados em
compreender e desempenhar redes ou técnicas de produção industrial, de maneira que os
feitos previstos, em que os técnicos especializados possam corresponder com as
incumbências de antecipar as mais diversas ocorrências, inerentes as atividades
industriais.

Em Angola temos reparado na participação direita proporcionando, imensas vantagens,


provocando um grande impacto social e económico em nosso país e no mundo em geral.
Porem com fases de elevadas crescentes e de modo a garantir estabilidade em uma boa
parte deste processo, ainda nos encontramos distante das grandes potências industriais,
apesar de Angola ter-se esforçado muito para acompanhar o ritmo tecnológico da
globalização ainda tem muito que rever em seu processo produtivo, e desencadear ritmos
e traçar metas a fim de atingir patamares de excelência a nível nacional e internacional.

Atividades logísticas em pleno processo de reconstrução nacional: Revendo todo este


processo das atividades logística ao decorrer de todo sistema aplicado no desenrolar de
reconstrução nacional, passamos rever então todo um processo e desafios das atividades
desempenhadas pela logística desde, os pequenos até aos grandes contributos desta atividade
em plena reviravolta de Angola.

Mediante o agrupamento, já mencionado ao longo deste referido trabalho, serão assinalados os


fundamentos para a construção de um coletivo de atividades com forças para o crescimento e
massa ao percurso do território. Na qual é feito um levantamento de todo o desempenho nesta
áreas, que obtivemos um embate social e económicos como;

Administração pública, educação, saúde e bem-estar social, tecnologia e ciência, finanças e


outros elementos contribuem com um investimento deste trabalho. Que ira Focar
fundamentalmente no desempenho e nas melhorias da saúde, habitação, educação, acima de
tudo na economia do país, sendo que para tal fim foi lançado um desafio no ponto de produção,
sendo o sector petrolífero, e o setor de construção civil elementos chave neste processo de
reconstrução nacional.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 16
3 - Capitulo. 3

3.1 - Infra - estruturas logísticas com impacto que decorre de 2008 á 2014/15
As plataformas logísticas asseguram uma melhor industrialização em territórios
Angolanos. As novas implementação de redes nacional de plataformas logísticas (CNC).
Vimos que o Concelho Nacional de Carregadores tem feito tudo na construção em
parcela, que já se encontram um pouco avançada das principais 4 plataformas logísticas,
localizados na província de Malanje no município do Lombe. E do Moxico no Luau, e
Menongue e no Lubango.
Mediante estas infraestruturas, qualquer umas delas será alimentada por um ramal de
caminhos de ferros de Benguela e de Luanda, vimos que as primeiras 2 localidades, e as
últimas, serão assistidas direitamente pelos caminhos-de-ferro de Moçâmedes.
Poderemos mencionar que o cronograma de implementação das redes nacionais de
plataformas logística, descrevem que a instalação das plataformas logísticas Intermodais
de 1ª fase em um período de 3 anos, porem a fase seguinte será completa no universo de
quatro á seis anos, junto coma a 4 fase.
Já os procedimentos das intermodais serão fundamentalmente na pesquisa de um ou mais
programas de transportes, sendo resolução da interligação entre ferrovias, marítimas,
aéreas e rodovias. Sendo que o sistema será finalizado com a elaboração de áreas de
atividades logísticas, Pólo industriais intermodais, Centros de cargas aéreas e portos
secos, tendo que a maioria já se encontra em ativos.
3.1.1 - Áreas das plataformas logísticas intermodais em vigor
Vimos que os projetos de Luanda uma grande parte esta já a operar, o primordial é a
edificação as de fundamentos nacionais em Luanda, lobito - Benguela e Huambo, em que
Cabinda, Soyo, Porto – Amboim e Namibe em que serão fundamentadas de portuário. Já
o de Malange, Kuito e Lubango denominados de regionais.Com a especificação de
plataformas regionais serão elaboradas, no nível procedente (2ªnivel), em M’Banza
Kongo, Uíge e Ondjiva. Identicamente, em cidades de N’Dalatando, Saurimo, Neriquinha
e Menongue, estão em marcha a construção destas infraestruturas intermodais.
O procedimento desta atividades tem sido de modo positivo que levou a Luanda ser
complementada com pelo menos duas plataformas, e Benguela e Huambo dentro de
meses serão enquadrada na utilização de efeitos de grandes dimensões seguindo as
tipologias bem definidas. O Soyo, Luanda, Lobito e Huambo terão ainda Polos Industriais
de finalidade nacional. Em programação já é notório a utilização de uma boa parte das
infraestruturas do Porto seco em Luanda e completa seguindo do Soyo e duas para o
Lobito, sendo três em Luanda e uma para o Namibe que na qual foi anexa na tipologia
aeroportuárias, neste ponto o Huambo e o Lubango, tem sido contempladas com carris
regional que cobrira cada uma delas.
Já o que toca a centros de cargas aéreas com sua sede em Luanda encontram 2, e 1 para
Huambo, Lubango e Catumbela. No Soyo encontramos o porto seco saindo da fase de
entrega naquela localidade. Tais Plataformas Logísticas tem como objetivo de
proporcionar corredores em relação aos Caminhos de Ferro do Lobito, do Caminho de
Ferro de Benguela, para os Plataformas Logísticas do Moxico e Luau, e da Caala,

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 17
localizada no Huambo, sendo que passara por corredores do CFM para plataformas
Logísticas de Menongue e Huila. Sendo que se encarregue das plataformas do Soyo no
corredor Norte.
3.1.2 - Metas de aplicação regional
Um dos desejados prazos de mega - projeto que destina na edificação de uma consistentes
redes ferroviárias. Os sistemas ferroviários unem Angola e a Namíbia. Replica
Democrática Congo, por intermédio do Nóqui e Lucapa que une a Kananga, Zâmbia e
Vitoria Falls, no Zimbabwe. Porem para Itembo, adquirisse-a uma alta conjunção entre
as fundamentais zonas produtivas, os locais de consumos e portos e aeroportos no país e
outros países da região.
O sistema nacional de autoestradas esperado com a finalidade de averiguar os elevados
níveis de clareza territorial entre as fundamentais cidades do país e áreas de enormes
eficiências económica. Por intermedio do canal do lobito a autoestrada percorre ate
Lusaka, mais a que seguimos o Huambo ela tende a bifurcar mediante a Menongue e
ainda para a vizinha Namíbia circulando pelo Lubango e Ondjiva. A norte, as vias chegam
ao Soyo, de onde se ramifica para Cabinda, por meios marítimos, e circulando ao Congo
Brazzaville e outros países Africanos que fazem fronteira com Angola.
3.1.3 - Infraestruturas de Transporte

Baseado em diagnósticos efetuados (2000 á 2015), sobre O comércio, e transporte e


logística. Neste contexto mencionamos, as plataformas logísticas e o seu principal
desempenho, e a ação no plano em ação sendo interiormente submetidos as infraestruturas
de transportes que as cheguem. Sendo assim nos remete realçar as características
existentes na atual situação das infraestruturas de transporte no país. Planeando as
diversas tendências de crescimento futuras, com os objetivos para ação na estruturação
física das infraestruturas ferroviárias, aeroportuárias, portuárias, e rodoviárias.

3.1.4 - Infraestruturas portuárias

Podemos mencionar os principais portos de cargas existente no país são os de Luanda,


lobito, Namibe, soyo e cabinda. Nos dias de hoje são estes os cincos portos que se efetua
as negociação mediante aos trames e custos operacional. Observamos, em especial, os
portos de luanda, lobitos e cabinda que, no eventual coletivos, alteram, fundamentalmente
em quase 95 % de toda as cargas que são movimentadas nos portos angolanos.

Sendo que o porto de Luanda possui uma media de 2.738 metros de molhes e cais, com
um máximo de 17 fundamentos de atracagem, e 19 armazém, preenchendo uma área de
55.500 metro quadrado, e um espaço total em terreno de 792.219 metros quadrado. Em
uma profundidade por toda extensão do cais, fundamental alterando entre 10,5 e 12,5
metros, sendo de 3,5 e 5,5 metros ao redor dos cais de cabotagem geral.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 18
O porto encontra-se protegido pela dimensão da baia de Luanda. Sendo que o porto de
Luanda e uma organização publica e lucrativa, em que as receitas são fundamentalmente
derivado das rendas das concessões concedidas aos técnicos e operadores portuários.
Mediante aos terminais de contentores e mercadorias totais (carga geral) e granel, a
empresa petrolífera estatal Sonangol, trabalha um terminal petrolífero anexo ao porto.

Os constantes atrasos constatados ao nível de mercadoria ou cargas e descargas, e


despachos alfandegários e transporte de cargas, na qual temos constatado eventuais
problemas persistentes nos portos angolanos.

Responsabilidade de concessões para o desempenho comercial de oito terminais em


Luanda, mais de 10 anos, a contribuir para que as atividades venham ser elaborada com
exido neste porto, minimizando os atrasos nas manobras efetuadas pelos navios em uma
média de 4,4 dias para as embarcações (navios) internacionais e 2,7 dias para comercio
domestico.

Neste ponto as concessões que se efetua no porto de Luanda, os colaboradores do porto e


os donos das mercadorias tem queixando-se no que se toca a demora e custos que se
mostram a uma media por anos de desalfandegamento das cargas.

Trafego domestico, trafego internacional. O porto de Luanda assegura-se de um aumento


do trafego de 2,1 milhões de toneladas em 2001 para 5,0 milhões em 2006. O prognóstico
refere-se, de modo, em abordagens passadas, acima da suposição detalhadas. De modo a
preparar para tal desenvolvimento, traçou um programa de investimento de 150 milhões
de USD em média de 10 anos, no objetivo de alimentar o desempenho produtivo do porto
e manter em alta o trafego.

No que concerne ao porto comercial do lobito, podemos assim mencionar que os atual
caminho-de-ferro de benguela são interdependentes as duas organizações, em que vimos
que a rede de linhas férreas da 2ª encontra-se unida nas infraestruturas da 1ª, sendo as
zonas portuárias, em simultâneo ao ponto de partida e destino de uma grande etapa dos
produtos que é movimentado pelos caminhos de ferros de Benguela.

Com o objetivo, as denominações (empresa) de caminhos-de-ferro de Benguela interpreta


mais de 60% da produção do porto do lobito.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 19
No ano de 2002, o porto movimentou 672.860 toneladas de carga e mercadorias, na qual
atingiu uma abrangente quebra mediante ao ano passado um total de 702.339 toneladas.

Aproximadamente 710 navios circulam ao mesmo instante em águas nacionais, porem o


trafego de contentores atingiu em media de 21.924 toneladas, e por dia um total de 800
toneladas por navio. Por mais que houve uma quebra em 2002, podemos afirmar que as
medias são bastante positivas, na mensura em que, é feita uma distinção com os anos
anteriores, concluímos que os níveis de produção encontram-se em crescimento de
maneira eficiente.

Porem em 2004, foram demostradas um total de 13 novos equipamentos para a


organização de contentores, entre eles duas empilhadoras, proveniente do programa de
reforçar a eficiência de carga e descarga de mercadorias, que se inclui ao enormes porta-
contentores giratórios, com a características de pelo menos quarenta toneladas, que em
abril de 2004 chegou ao porto.

Como cumprimento da agenda observaremos mudanças de iluminação em toda a área


portuária, que consta no plano de investimento do porto, vimos também a pavimentação
integral do cais, sendo efetuada no total de 25 km de linha férrea, bem como a guarda e
proteção da baia de lobito contra a contaminação e a pesca proibida.

Sendo que o porto do lobito tem a estruturação do tipo em L, com 1.122 metros de cais,
desagregado em cais Norte, com 570 metros de extensão o maior, já o cais sul e o cais de
cabotagem, autoriza a atracagem de navios de grandes percursos, de enormes e pequenos
porte. Porem a zona coberta é de pelo menos 24.500 metros quadrados, com uma media
de treze armazém de stock, em que três dos quais contem dois pisos.

Porem a zonas descobertas, em que quase todas pavimentadas, é de pelo menos 72.000
metros quadrado, incluindo um terminal inovado de contentores frigoríficos, com a
potência de 64 unidades de vinte polegadas. Em zonas de preponderância marítima do
porto há terminais oceânicos da petrolífera Sonangol da Encime, os estaleiros navais da
Lóbinave, as localizações da empresa de construção e manutenção de plataformas
petrolíferas Sonamet e Armazém de cereais de pelo menos vinte mil toneladas.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 20
Refere-se fundamentalmente de eficiência impar na conspeção Africana e de modo que a
ação do caminho-de-ferro se torna principal para o sistema de crescimento económico e
produtivo de Angola. Porem ao norte do país evidenciamos o porto de Cabinda, com
fortes restrições operacionais para enormes navios e essencial de dragagem e
fundamentais trabalhos de inovações de instalações de atracagem, armazenamento e
pavimentações.

E fundamental citar o porto de Malongo, em Cabinda, circulam fundamentais quantidades


de carga e é o alicerce principal da atividade de exportação de petróleo de toda área
costeira de Cabinda. Temos em evidência dos demais portos Angolanos que tem a
capacidade total para dar resolução as mais altas demandas de serviços portuários.

O que toca a estrutura de organigrama de gestão das infraestruturas portuárias, vimos que
o governo almeja que o processo de concessões em lunada venha ser implementado a
outros mais portos no país. Mediante a necessidade dos demais em suprir tais como lobito,
Namibe, Cabinda e o Soyo. Sendo que esta reabilitação do porto de Cabinda esta
fundamentada no programa de reparação de construção de portos e pode ser feita no
âmbito de um contrato com uma empresa operadora portuária privadas.

3.1.5 - Comercio e transportes e logísticas

O resumo de pesquisas de gestão empresariais, ou particular dos ativos dos portos,


simultaneamente com a ajuda de particulares na análise dos mesmos, sendo, em
conspeção, captar investimento e aumentar a capacidade de infraestruturas aeroportuárias
a Enana. Empresa Nacional dos Aeroportos de Angola. Que tem em seu programa de
gerência 18 aeroportos e os trabalhos de navegação aéreas. Para o total dos aeroportos e
os demais 7 estão em comando dos governos provinciais, porem outros 5 são geridos por
empresas de ação mineira e as outras 6 são de utilidades das forças aéreas.

Tal sistema é assistido por um total de aeroportos militares sendo o de Lobito, Cabo Ledo,
Ngage, Cahama, Changogo e Catumbela, e por uma coletiva de pistas de terra batida.
Aeroportos pavimentados Sendo o de Amboim, Waco Kungo, Ambriz, Andulo, Damba,
Jamba, Luau, Kangamba, Nzetoe privadas Lucapa, Catoca, Gove, Nzaji.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 21
Salvo o aeroporto de luanda, a maioria deles fora edificados nos anos 60 a fim de dar
resolução as utilidades, natural, da aviação daquela altura. Em que os aviões eram
bastantes reduzido mediante a sua velocidade e tamanho, o Douglas DC3 um modelo
demostrativo. Em épocas da independência, constatamos o Abílio e persistente
desenvolvimento na demanda dos transportes aéreo não tem sido seguido por um
investimento racional nas infraestruturas aeroportuárias.

As efetuações andam frequentemente na indignação da concernente demanda (procura).


As pistas dos aeroportos habitualmente restringem as peliculares eficiências; são de
modos reduzidos, com uma geometria inapropriada para os aviões modernizados, com
superfícies desniveladas e sob estrutura é débil.

Casualmente, os Boeing 737 não podem exercer em toda a rede não podem aplicar pneus
de elevada pressão por intermedio da ameaça de estragar a pista por intermedio das cargas
de ação. Sendo que os pneus de reduzidas pressões, que são mais caros, utiliza-se mais
rapidamente em pistas com espaços desnivelados e consequentemente tem um tempo de
durabilidade bastante reduzido, o que nos denota em um custo de execução bastante alto.

3.1.5.1 - Redes de aeroportos

As intervenções de emergências: neste contexto leva garantia dos tráfegos em período de


paz bastante difícil. A reabilitação das fundamentais infraestruturas de circulação de
superfície ira proporcionar progressivamente, elevados índice na economia de forma
alternativa. As consequências de longos períodos de conflitos tem permitido que as
estruturas, e a gestão dos aeroportos sejam frequentemente debilitados e por
consecutivamente inapropriados.

A ausência de elementos de alimentação de combustíveis causa em eventualidades extras


de combustíveis para os aviões (voos), de modo minimizados os índice de carga efetuado.
Pequenos aeroportos gerem eficientemente o peso de carga, o que pode causar em
aterragens e descolagens de riscos mediante a constante sobrecargas. Todos os modelos
de estruturas para os passageiros possuem mau estado de qualidade e os índices de
confortos e segurança são bastante reduzidos.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 22
Os números de empregados da Enana estimasse em media superior a 1.400 funcionários.
Os aeroportos nacionais já os secundários empregam em media entre 10 e 20
trabalhadores da Enana, mediante as outras funções tem constantemente inferiores de 5
trabalhadores. Em media 50% dos trabalhadores esta inerente em distintas atividades de
limpeza e circulação de trabalhadores nesta função é bastante alta.

Neste contexto a Enana traçou metas em ação de trafego, aferição de custos de


reabilitação e projeto de receitas. O seu projeto para o crescimento de estruturas de
aviação civil em 6 aeroporto é de US 45M. Sendo que tal valor não adiciona o novo
sistema de navegação aérea que tal quantia não implementada no novo sistema de
navegação aérea que se estima que custe US35M. Os custos de edificação de emergência
para os aeroportos de Luena, Huambo, Ngage, Uíge, Ondjiva, Saurimo, Kuito, Lobito e
Menongue, são de US 36M.

Mediante o Plano Nacional de Desenvolvimento da Rede de Aeroportos, estima-se que


de 2005 a 2014, luanda atinja uma meta de mais de dois milhões de passageiros e os
aeroportos provinciais uma media de 580.000 passageiros. Sendo que as estimativas para
o trafego, individualmente para o trafego domésticos são, não abastante, difíceis. Com
resolução mediante a ordem de segurança e da restauração das infraestrutura terrestres, o
transportes de passageiros e de produtos e mercadorias, tende a aplicar as rodoviárias e
os caminhos de ferros em que tais se encontram-se em aderência e disponibilidades.

Neste ponto o que se espera é que os transportes aéreos continuem a desencadear um


importante trabalho, mesmo de maneira mais abrandam-te, no país. As etapas de demanda
atuais podem elevar para os segmentos regionais e intercontinentais, propriamente do
índice de passageiros, de modo que as alternativas atuais não são de modo comparativa.

3.1.6 - Infraestruturas ferroviárias

Em Angola, toda a atividades abrangente a regulação das atividades ferroviária é de


responsabilidade da Direção Nacional dos Transportes Terrestre, orientada pelo
Ministério dos Transportes. Predominante em três empresas de caminhos-de-ferro a
trabalhar mediante a tutela do Ministério dos Transportes, Caminho-de-ferro de Luanda,
Caminho-de-ferro de Benguela, Caminho-de-ferro de Moçâmedes.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 23
Mediante o decreto de Delimitação de Atividades Económicas, os transportes ferroviários
é reserva referente do Estado e pode ser efetuado por empresas ou organização que não
associam o setor Estatal, por intermedio de contratos de concessão temporárias.

As prescrições para o outorgamento de concessões de desempenhos ferroviários são


organizados param autorização pelo conselho de Ministro. A Lei n.º5/02 não descreve
declaradamente a infraestrutura ferroviária, apontando diversas vezes a trabalhos de
desempenho ferroviários. Toda via a Assembleia Nacional autorizou a Lei de
fundamentos dos Transportes de superfície, em que adiciona ao sistema nacional de
caminhos-de-ferro que se aplica no domínio publico Estatal, anexando as redes
fundamentais e secundárias. Mediante a nova lei em função:

A elaboração, arranjo e vistoria das infraestruturas ferroviárias, anexadas no


sistema nacional, pode ser efetuada pelo governo ou varias organizações de
acordo discrição, instituição ou emprego de trabalhos;´
As atividades de transporte, no toca o geral ou etapa de estrutura nacional
ferroviária, estabelece uma ação publica de modo a garantido em concessão,
nomeada ou empregando serviços;
As cobranças tem que ser em função dos custos de produção do representante e o
estado do mercado de transportes, autorizando o Estado atribuição quando forem
aplicadas as tarifas sociais que não atingem os custos de produção exatos.

Os caminhos de ferros: Sistemas de caminhos de ferros:

 Locomotivas 85%;  Carruagens 80%;


 Exercícios 15%;  Exercícios 20%;

Trabalhos estipulados desde a tabela certa, referimo-nos com proporções mais claras
algumas características das áreas ferroviárias no país. Mediante aos instrumentos que
rondam, a circunstâncias são eminentes. As reduzidas percentagens de materiais
movimentados e de ação motriz assegurada é a demostração baseadas em dados
efeituados pela Direção Nacional dos Transportes Terrestre. Índice de emprego:

O caminhos de ferros contem um quadro de empregos que ocupa um nível de emprego


de estimativas com mais de 4.000 trabalhadores repartidos em três empresas anexadas.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 24
Mediante a informação de dados produtivos, mensagem encontradas de 2001 á 2014 e
primeiro semestre de 2015 recolhidas concernentes a três organizações empresarial de
transporte ferroviários, dando-nos uma ideia a distribuição suposta das pessoas e cargas
transportados.

Constatamos que nos últimos 10 anos ouve um elevado índice, mediante aos resultados
atingidos em 2001 que ronda em media de 126 mil toneladas, apresentando um reduzido
desempenho, dos caminhos-de-ferro de Benguela, o que nos remete em 2015 que ainda
não deixou de ser denotado se incluirmos a eficiências que a províncias apontadas de
forma conjuntas, a evidencia sistemática da respetivas redes.

Os resultados para a economia do país deste ponto vêm sendo, de modo bastante,
significante, classificando a reconhecida decomposição e níveis reduzidos de viabilidades
das vias. Refere-se, a um dos elevados despedidos a crescimento económico, sendo o
Governo aplicando a posição vigorante.

No que toca transportes de passageiro no decorrer de pelo menos 10 anos constatamos


uma movimentação estimada de 3,3 milhões de pessoas por intermédio de três linhas
reconhecidas, principalmente motivadas pelas 2,5 milhões de passageiros movimentados
nos caminhos-de-ferro de Benguela. No se refere ao potencial operacional, vimos que as
empresas de caminhos de ferros tem cobrindo ou não os custos operacionais abrangentes.

Em que os seus danos operacionais tem sido cobertos por custeios do próprios estados.
Mediante as estipulações sem acordos passados com o governo, em que as elevadas taxam
tem que se efetuar em três meses consecutivos. Em que as taxas para longos períodos não
são ponderados, o que transmite as empresas levantarem os preços quando for preciso.

A homologação das altas dos preços, principalmente nos pontos subordinados, o governo
não tem permitido consecutivamente. Como resolução das receitas em continuidade, no
índice reduzido dos custos operacionais. Este lance orienta as empresas ferroviárias a uma
situação financeira cada vez mais penosa. Constatamos cada vez mais a total dependência
dos percursos suburbanos desde que as operações de enormes distâncias e extensões dos
caminhos-de-ferro de Benguela e Luanda, com reduzidas taxas e uma continuidade, a
deixar terrenos da ótica operacional e financeiras.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 25
 A carga Transportadas 34%;
 Caminhos de Ferros de Benguela 40%;
 Caminhos de Ferros de Luanda 26%.

Caminhos de Ferros de Moçâmedes:

 Vagões 56%;
 Inoperacionais 40%

Relativas á outras perguntas essenciais para o crescimento dos caminhos de ferros do país,
ficam para trás, mediante aos altos investimentos substanciais ao acréscimos dos padrões
operacionais. Com influências, nas conveniências de investimentos dos sistemas
ferroviários são altos.

Não só os sistemas necessitam de reparos essenciais, em ação de ausência de aplicação


mais demoradas e de consequências resultantes da guerra. Como também os produtos ou
materiais movimentados de potência motriz já atingiu em muitas situações o prazo
estipulado de ação económica.

1. A presença de barreiras nas três vertentes nos caminhos-de-ferro. As longas


extensões de malha não são, em tempos, ser aplicadas mediante a presença de
pontes em estado de reparação e de percursos em desminagem.
2. Porém serão fundamentados enormes quantidades de ação e resolução técnicas
para contribuição na elaboração de locomotivas, na inovação de materiais
circulante e na análise do equipamento elétricos.
3. A ausência de peças e materiais excedente e materiais fundamentais, como
lubrificantes, o que tem efeitos em níveis de utilização reduzidos,
responsabilizando os equipamentos por se encontrarem a espera de reparação e as
transferências antecipadas de sucatas de locomotivas e material circulante.
4. As infraestruturas de carris é débil e deixadas á desistências por diversas estações
e instalações de alimentações.
De passageiros transportados:

 Caminhos de Ferros de Moçâmedes 6%;


 Caminhos de Ferros de Luanda 22%;
 Caminhos de Ferros de Benguela 72%.
Nestes contextos as suas infraestruturas são projetadas para todos os programas ou
processo de investimentos de prazos reduzidos, mediante aos desafios efetuados da
obrigação de existirem multifacetados. Em que os seus programas, mais inovados
precisam de auxilio das engenharias, de gestão, profissionalizados de planeamento que
precisam de precauções de controlo. Todas estas mestrias e saber para elaborar estas
funções dispondo de uma crítica mínima em Angola.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 26
Mediante ao processo de gravidade, que desde 2002 ate ao eventual momento Angola tem
passado, de acordos a reconstrução de estradas, caminhos-de-ferro e diversas
infraestruturas um pouco por todo o país. A comissão Permanente do Conselhos de
Ministros, mediante procedente sessão extraordinária de 08/07/2003, aprovou o programa
de construção e reabilitação dos Caminhos-de-ferro de todo país (Angola).

Tendo como principal objetivo a restauração das infraestruturas dos caminhos-de-ferro


de Luanda em meio-termo de Zenzé e Lucala de media de 150 quilómetros, dos caminhos-
de-ferro de Moçâmedes no percursos Namibe, Lubango e Matala percorrido 424
quilómetros, desta maneira os caminhos-de-ferro de Benguela, lobito, e Luau de um
percurso de 1.273 quilómetros, foi regularizado em media de 1 Ano (24 meses). Os feitos
de reconstrução dos 1.847 Quilómetros, anexos as desminagens, a elaboração e
manutenção das pontes Luinha, Lucala, Bero, Giraul, Cubal, Catumbela, e outras, etc., e
a obtenção de equipamentos e materiais diversos para tal.

Vários são os trabalhos que já foram apresentados, outros ainda estão em fase de
acabamento, outros por fazer, em que as empresas em particular dos caminhos-de-ferro e
as de subempreitadas, seguiram ou tem seguido os programas estipulados. Os expedientes
(trabalhos) são autorizados para transportar a carga a granel, fundamentalmente os
combustíveis, que circula entre os portos e os locais de distribuição no interior e segue
em trabalhos de passageiros reduzidos.

Situa-se finalizado o sistema de negociação com o governo da china. Que tem feito um
contributo fundamental em todo esse processo, em dar seguimento a abertura de uma
linha de crédito para fins de reconstrução de vias, troços Bungo, Musseques, baia, dos
caminhos de ferros de Luanda, e a redes ferroviárias no interior do porto de Luanda. O
projeto foi anexo nas rodo ferroviárias para a conexão com a província do Lobito e
Benguela, em anexo a construção geral da ferroviária, encontra-se a ser elaborado por
uma empresa de denominação Chinesa.

Sendo assim, a curto prazo, os comprometimentos privados dos caminhos-de-ferro


tendam a ser limitados a alguns exercícios de restauração, seguidos por empresas
particulares, sendo que estes investimentos pode equilibrar o funcionamento dos
caminhos de ferros até que sistema de concessões as empresas particulares esteja
finalizados com êxodos. Sendo que a discrição indicativas, estava previsto para 2005.
Sendo que o governo procura fundamentos financeiros exatos e privados internacional
para acabar com os referidos projetos.

3.2 - Programas de infraestruturas rodoviárias

Os sistemas de estradas, principalmente, rodoviárias elaboradas em períodos antes da


independência. Tal redes de estradas nacionais e fundamentadas, que compreende as
estradas pavimentadas, de 15.571 Quilómetros de estradas de terra calçada, que unem as
capitais das 18 províncias do país.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 27
E as mais variadas rodovias e as estradas das localidades, encontrados em controlo direto
do Instituto Nacional de Estradas de Angola. De modo geral, o sistema de estradas tem
sido efetuado poucas ou nenhuma restauração, sendo que grande parte delas estavam
situadas em localidades de guerra, sendo utilizadas por pequenos números ou nenhum
tráfego.

Mediante as situações de previsão do INEA, que tem uma informação reduzida do exalto
estado das distintas vias e dos presumíveis custos de reabilitação. Tendo uma media de
aproximadamente 300 pontes ou mais de distintos comprimentos e extensões foram
destruídos em períodos de conflitos, em que a necessidade de reparação ou substituição
por outras pontes mais modernas (Bailey ou ferries).

Sistema de estradas

 De terra calçada (batida) 50%;


 Pavimentadas 11%;
 Cascalho por todo lado 39%.
A demanda dos transportes rodoviários tem sido deformadas por razões de precauções, e
flutuações estacionais e mau situação e condição das estradas. Em exemplo vimos as vias
que são executáveis em períodos de seca podem converter-se em intransitáveis durante
aos períodos das épocas chuvosas, mediante as capacidades de danificação das pontes ou
de carência de ferries. No decorrer do ano, a busca pode ser saciada não só em transporte
aéreo como em transporte rodoviário, com grandes diferenças nos custos Financeiro.

As persistências de restauração constroem, exatamente, ser fundamentada pelas


obrigações de falta de qualidade da população movimentadas pelas guerras e palas
oportunidades de melhorar a cedência da população agrícola aos mais variados mercados
do país, em especial o dos produtos alimentares.

A consistência do tráfego no país ainda tem sido bastante reduzidas e esta aglomerada em
Luanda. As quantidades de automóveis ligeiros em movimentação em 2001 era de
139.284, e dos pesados é de 27.843 camiões e autocarros.

Os últimos anos, o aumento do volume dos tráfegos nas fundamentais cidades do país,
principalmente na cidade de Luanda, tem tido um aumento bastante elevado de modo a
causar grandes filas de engarrafamento. A aglomeração regional da prática das vias,
também é ponderada no uso de gasolina e gasóleo.

Em media, dois terços da busca completa de 340.000 toneladas foi cedida nas zonas de
Luanda. As quantidades de movimento interprovincial também são, de modo, mínimos,
com influência para uma alta evolutiva. Visando a atual realidade, o governo autorizou
um sistema de emergência para a manutenção e restauração das estradas de todo país.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 28
Sendo que:

A 1ª Fase: Estipulada até a conclusão de3ªtrimestre de 2004, anexada sobre construção


fundamental, por medio da criação de mínimas extração para o movimento em segurança.
Sendo que a primeira etapa contem um orçamento em 55,6 milhões USD, em que 45,6
milhões USD, foram deliberados para a restauração das vias e 10 milhões USD para
restauração das pontes.

2ª Fase: foca fundamentalmente, a vantagens da aproximação regionais por intermedio


de estradas fundamentais, em que os custos estão orçados em 171,2 milhões de USD. Os
exercícios são implementados em 15 brigadas do Instituto Nacional de Estradas de
Angola (INEA) e empreiteiros.

A eficiência das brigadas do INEA é otimizadas por intermedio do investimento em


mecanismo, sendo que poderemos contar com ainda mais 9 brigadas. Neste ponto, a
construção de infraestruturas rodoviárias principalmente declara-se mediante ao objetivos
principal do Estado de Angola, na presente mesura em que a eficiência e a movimentação.

3.3 - As Áreas de Distribuição e Comercial em Angola e em Africa

De forma geral falar de distribuição comercial, é focar no conjuntos de informações que


demostram a teorias de elevadas superfícies que não iguala, de forma certa, ao que é
aplicado no ocidente da Europa. De contra partida as mensagens são notórias a fim de
entender o crescimento da área do comércio em Angola ao período de quase 40 anos de
independência afirma que para uma distinção entre o espaço comercial que decorre de
1974 e esclarecido em 2000, em seguimento das últimas abordagem feitas e reatualizado
e finalizado com êxodo em 2002.

O que dizer da economia Angolana se aproximadamente trinta anos foram suficientes


para que a economia angolana fosse bastante prejudicada, em uma escalada tabela
económica derivada de fortes embates da guerra civil, que o atira para juntos de outros
países considerados os mais pobres do mundo.

Porem temos observados que nos últimos 10 anos Angola vive em uma crescente bastante
significativa, fazendo mesmo disparar a sua taxa de forma internacionalmente, sustentado
essencialmente pela produção, em detrimento das exportações do petróleo (os depósitos
do precioso liquido estão detetados em quase toda área geográfica da sua dimensão da
costa marítima angolana), que é de antemão um dos principais vetores no díspar da
economia Angolana. Mediante a escala de abertura económica, observamos que Angola
tem uma economia compressiva ou repressiva, estando na tabela de 160º posicionamento
da abertura económica da Heritage Fundation.

3.3.1 - Sector primário


Agricultura de Angola já teve grande impacto mundial com a produção de produtos como
café que já foi visto como o seu principal arado, podendo assim ser seguida da produção
em larga escala de cana-de-açúcar, milho, amendoim, sisal, e o famoso óleo de coco.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 29
Porem a meio termo da cultura comercial, evidencia a borracha, o algodão, e o fumo, as
grandes colheitas de arroz, batata (rena e doce) a banana e o cacau, sendo fundamental no
equilíbrio da economia do país.
Do outro lado vimos a um crescimento na manada de gado bovino, suíno e caprino que
destacam-se entre os outros em grande superioridade numérica. Porem todo esse fator
essencial perdeu-se mediante os longos conflitos de guerra civil, mais já podemos
constatar índice da presença de um pequenos crescimentos nesta área um pouco por todas
zonas agrícolas do país. Porem tem-se reparado no imenso esforço que o governo
Angolano tem feito e nas medidas que se tem aplicado para que o país alcance os
resultados de forma superar tais consequências.

Minerais sem dúvida a terra Angolana é bastante abastarda (ricas), essencialmente em


petróleos e diamante, em mineiro de ferro, evidenciamos minas de manganês, cobre,
fosfatos, mica, sal, chumbo, platina, prata e o famoso ouro, sem esquecer o urânio.

3.3.2 - Sector secundário


Tendo como focos virados para atingir resultados satisfatórios a industrialização em
território nacional, são benefícios bastantes eficazes para economia Angolana. O país tem
tentando dar respostas a essa situação em construção de zonas, ou polos industriais, em
aberturas de áreas propícias para desenvolvimento das atividades industriais, tendo como
exemplos; os polos industriais em Viana, e a ZEE.

As crescentes industrializações têm proporcionado uma outra cara que visa a luta contra
a independência do petróleo. Sendo que as fundamentais industrias são as de vantagens
de oleaginosas, industrias de cereais, carnes e fumo. Vimos que as áreas relacionada com
a produção de açúcar, cerveja, cimento, e a madeira, ou ainda os refinados de petróleos,
tem sido fontes de grandes evidências por seu contributo na economia nacional.

Vimos por outro lado um crescente e evolutivo nas indústrias de fertilizantes, vidros,
pneus, celulose e o aço. As intermediações ao longo das fábricas e industriais dispõem
cincos centrais (usinas) hidroelétricas, com um potencial de ação energética bastante
elevada mediante ao consumo habitual que proporciona a sua alimentação ao longo do
recinto.

3.3.3 - Sector terciário

3.3.3.1 - Transporte
O procedimento geral das nossas ferroviárias em Angola, estabelecem um elemento de
cinco linhas que adstringem a circulação, que vai do litoral ao interior. Sendo que as
principais linhas são os caminhos de ferros de Benguela que estabelecem a ligação com
as linhas férreas de Catanga, com a fronteira com a RDC.

Sendo que o sistema rodoviário, em grande massa formada por estradas de segunda classe,
que interligam as fundamentais cidades do país.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 30
No que toca a portos os mais frequentados em termos de movimentos comerciais de
importação e exportação são os de Luanda, Benguela, Lobito, Namibe e o de Cabinda.
No que toca a parte aérea temos o aeroporto de Luanda que é de antemão o ponto de
ligação aérea que mantém os países ligados com diversas cidades africanas, americanas,
e europeias, ou com o mundo em geral.

3.3.3.2 - Construção Civil


Um dos principais vetores da etapa de reconstrução nacional é sem dúvida a construção
civil. Pois tem servido como apoio incondicional a infraestrutura um pouco por todo país.
Sendo que o país viu suas infraestruturas destruídas pelo longo período de conflitos, com
o desencadear da paz em 2002. Tem-se feito de tudo para erguer as infraestruturas, e a
necessidade de se criares outras que realçam a economia, o aspetos e o desenvolver cívico,
e social do povo angolano.

Evidenciando esta área vimos o quão importante é para um país. O sector de construção
civil tem evidenciado um enorme crescimento, sendo uma área que atualmente tem sido
causador de pelo menos 29% dos investimentos externos de Angola, afirmando a agência
nacional para os investimentos privados.

O crescente impacto existente no sector de construção analisado e abordado mediante a


reconstrução de infraestruturas nacionais ou ainda em sectores imobiliários que foi
bastante atingido.

Neste ponto acompanhado a imigração de grandes construtoras multinacionais que


deixam o seu país a fim de contribuíres neste processo, que tem feito um papel
fundamental na recuperação das mais distintas infraestruturas, muitas delas já se
instalaram em solo angolano a quase três décadas ou mais.

As empresas mais usuais devido ao fator linguísticos e são as; Brasileiras; General
Angola, Queiroz Galvão, Andrade Guitierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa. Já as
portuguesas são; Mota-Engil, Teixeira Duarte, Somague, Edifer, ou ainda a Soares da
Costa. Podendo fazer parte desse processo vimos também por parte nacional a Ecosul, o
Grupo Opaia SA.

3.4 - Importação e Exportação

3.4.1 - Importação
Todo o sistema comercia e fiscal que resume em buscar um determinado bem, que pode
ser um produto ou serviço, proveniente do exterior o pais referido. Sendo que o percurso
burocráticos inerente as receitas do pais de destino, e as alfandegas, mediante o
arremessar e entrega, que pode ocorrer mediante distinto meios como via marítima, aérea,
ferroviária, ou a rodoviária.
Ou ainda por transporte multimodal, quando a ocorrência de pais de um tipo de transporte
a ser aplicado no processo.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 31
Argumento essencial a fim de importação produtos

a. Diferenciar as maiores oportunidades comerciais mediante os diversos


vendedores predispostos no mercado;
b. Analisar se a importação é autorizada ou se tem alguma imposição de forma
administrativa;
c. Pesquisa do custo de;
d. Possibilidade do produto ou serviço estar preparado para poder embarcar
mediante o exportador no exterior;
e. Viabilidade de houver importação;
f. Negociar a Trancão;
g. Permitir o embargue da mercadoria ou serviço;
h. Receber e enviar documentos ao despachante a fim de que o mesmo analise e
comece o sistema se despacho aduaneiro e importação (nacionalização);
i. Dispor a internacionalização da mercadoria e serviços;
j. Rececionar a mercadoria ou serviço;
k. Efetuar o pagamento da importância, e dar seguimento ao fecho do câmbio
efeito chicote.

3.4.2 - Exportação

É todo processo ronda em volta de saída de mercadoria e produtos, e serviços, que


acontece alem das fronteiras de um dado pais de princípios. Envolvendo uma
movimentação cambial, como comercio, ou venda de dado produtos, ou em outros casos
em doações.
Formas de exportações, Podemos caracterizar a exportação completa ou incompleta,
mediante as seguintes opções:
 A Exportação completa: verifica-se quando a empresa em particular diligencia a
exportação, sem a aplicação de um mediador no sistema de inclusão do produto

 A Exportação incompleta: refere-se a uma variação, ou possibilidade em aberto


no tráfico (mercado) em objetivo.

mediante as empresas que almejam empreender seu sistema de


internacionalização, mais com ausência de experiencia satisfatória a fim de
implementar de modo independente.
Argumento essencial a fim de exportar produtos
a. Mencionar legítimos compradores no mercado externos;
b. Aplicar os regulamentos nacionais ou internacionais na exportação;
c. Inscrever e credenciar a organização ou empresa no estatuto de exportadora da
DECEX/SECEX E Secretaria da Receita Federal;
d. Comunicar o referente comprador e demonstrar a empresa e seus produtos;
e. Alinhavar o preço FOB ou ainda o FCA como fundamento (ou o INCOTERM que
o importador requer);
f. Traçar status de preços, seu modo de pagamento, fornecimento, e a respetiva
embalagem, etc.;
g. Remeter e enviar a fatura Pró-forma para o importador pesquisar e certificar o
negócio;

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 32
h. Rececionar a padronização do negócio (aquisição de compra), por intermédio do
importador;
i. Assinalar a exportação no Sistema integrado de comércio exterior;
j. Produzir a mercadoria a fim de fornecer no prazo estipulado;
k. Efetuar a contratação de locadoras ou empresas a fim de o transportar
internacionalmente;
l. Executar ou contactar um despachante aduaneiro a fim de efetuar os transmites de
encaminhamento ou despache.
m. Efetuar as referidas documentações fiscais e comerciais e financeira;
n. Terminar o câmbio de exportação por intermédio do banco de negócio;
o. Assegurar que a mercadoria chegou nos conformes no seu destino;
p. Receber o pagamento por intermédio do banco de negócio.

Ligeiras alterações nas regras de exportação para Angola

As novas taxas de importação entrarão em vigor no 1 de Maio, afetando um conjunto de


produtos, evidenciado assim o oportunidades de transações negocias marcados pela
Republica de Angola.

Mediante aos dados mais recentes da agência mediante ao investimento e comércio


externo de Portugal (AICEP), Angola durante anos foi um dos fundamentais pontos das
exportações portuguesas excluindo a União Europeia (2003), em que alcançou um total
de quotas de 6,6%.

A introdução dessa nova pauta aduaneira angolana visa a implementação do plano


estratégico das alfândegas no de correr de 2013 á 2017. Os produtos como Cigarro, Agua,
Café Cerveja, Sumos, e Perfumes, encontram-se entre os produtos que passaram -pagar a
taxa de 50% nas suas importações, a fim de poderem entrar em território Angolano.

A autorização da recente pauta aduaneira, que presume o exacerbação dos direitos


aduaneiros, disputando a fim de proporcionar melhor rapidez e eficácia das industriais,
no ceio dos agentes económicos e nacionais e da agricultura, observamos em guias de
importações os órgãos Angolanos em 2014 evidenciam o que alterou de concreto.

Intensificação das taxas de importação

Um agravamento que decorre de 30% para 50% da taxa mais elevada, Angola teve essa
decisão aplicada nas importações de materiais e produtos, com vantagens competitivas,
na qual o país tem uma produção bastante eficaz ou fundamentalmente eficaz para o
consumo geral, podendo agravar com as taxas bastante elevadas os produtos nocivos a
saúde humana, por motivos ambientais, de estabilidade rodoviária e de segurança
nacional, mediante aos serviços nacional das alfândegas.

Tais providências visam, a segurar e fomentar a produção nacional, salvaguardando as


importações de alguns produtos, com o fundamento de tornar mais valiosos a produção
interna de alguns produtos em território nacional angolano, do que importa-las em um
preço bastante reduzido aos nacionais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 33
3.5 - Comercio

No ponto de vista do desenvolvimento das atividades comercial, porém importa realçar


qual é o crescimento da atividade comercial em Angola no decorrer dos últimos 10 anos,
bem como as enormes inclinam-se em matéria de construção e crescimento das
infraestruturas de transportes, habitual fundamentados para edificação do sistema
logístico nacional.

Angola tem passado por enormes desafios da sua, e tão, reduzida Historia. Efetuar o
propósitos do crescimentos, em que, sempre, esteve da repreensão. Porem o comércio
encontra-se inquestionável, guardado um papel principal na estimulação das estruturas
económicas do país, protegendo-se, neste ponto, uma inovada fase na Historia
contemporânea de Angola.

Neste ponto, compete conhecer o fundamento de iniciativa a partir da área comercial,


seguindo a sua resumida caraterização, formada por estruturas de adquiridas por
intermedio do processo de reconstrução nacional. Estatísticas comerciais, conduzidas
pelo ministério do comércio, por intermedio da direção nacional do comércio interno.

Conteúdo afirma que em 1974 Angola tinha em media um estabelecimento comercial


para uma media de 186 habitantes, porem em 2000, vimos esse quadro a ser triplicados,
com uma media que ronda, em uma instalação comercial por cada 500 habitantes.

Com isso as 27 mil instalações comerciais distribuíam-se da referida fase:


Comercio Grossista: 5.047.
Comercio Misto: 976.
Comercio Retalhista: 17.871.
Prestações de Serviços: 3.976.

Retrospetivas de 1974 á 2014; As instalações comerciais capitação. 1974:


[0 100 200 300 400 500 600] Porem, o censo colonial feito em 1970, havia em 30.207
instalações comerciais, assistindo uma população de 5.620.001, sendo que em 2000, já
rondava em média 27.870 de estabelecimentos, em uma população referida pelo Instituto
Nacional de Economia de Angola de 13.809.000.

3.5.1 - Instalações Comerciais por Características

 Prestações de serviços 14%;  Comercio Grossista 18%;


 Comercio Retalhista 64%;  Comercio Mistos 4%

Permitindo, paralelamente desvendar e significativamente, é o momento de o sistema de


transformação cadastral ter finalizado, de modo, sobre o meio de meios económicos das
áreas de informal. Com conclusões que variam em 31.738 agentes económicos das áreas
informal, os que faz dominante em ação aos agentes competentes, sendo que, não
inusitados, assumira, com toda a clareza, por debilidade.

Semelhantemente são reconhecidos uma média de mais de 4.000 agentes de comércio


externo, em que pelo menos 3.700, em media de 98% são importadores.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 34
Acordamos como uma posição habitual, mexe com a quebra geral do sistema produtivo,
em ação do extensivo do conflito político militar. Esta ligeira pesquisa tem sido aplicada
até aos dias de hoje. Com a missão de sairmos de uma fase de mudanças e a caminhar
para evolução, em que o sistema produtivo nacional promove o seu método de
reconstrução, levando cada vez mais os agentes do sector comercial a moldarem-se a uma
nova era de globalização.

3.5.2 - Redinamização do Comercio

O reavivamento (redinamização) do comércio no país tem como alicerce em função de


dois vetores principalmente:
1- Efetivação económica: A disponibilização dos mercados, em peculiar de bem e
serviços e os cambiários, estabilizam as estrutura organizadas para aplicação da política
comercial.
2- Restabelecimento da produção Interna: Doravante vimos que a geração interna

 A restauração de infraestruturas económicas fundamentais sendo a água, energia,


restabelece, é fundamental que se segue a três etapas fundamentais:

telecomunicação, estradas de viabilidades, como estruturas de alcançar e

 Os instrumentos pertinentes para uma segurança eficaz da produção interna, de


incentivar os agentes económicos a apostar na produção;

 A seleção da produção a assegurar, mediante os benefícios comparativos, a


modo a assegurar o fator temporal em algumas áreas ficam mais disputados.

restrição de recursos para apostar e a competitividade existente no mercado


internacional.

Importa realçar, nesta abordagem, afirmar quais os pontos críticos que o país quer seguir,
sendo que o fator redinamização das áreas comercial, sendo interno ou não.

3.5.2.1 - O Comercio Interno

Sendo o conjunto de fundamentos delimitados pelos Governos, sendo em períodos de


aplicação, planejado a redinamizar o comércio interno, processo que podem resumir
mediante as etapas seguintes:

Processo de Comercio.

Abastecimento e segurança Alimentar

a. Certificar o abastecimento habitual de bens e serviços;


b. Criar uma retenção de segurança dos produtos fundamentais;
c. Ativar o comércio rural contínuo;
d. Incentivar o comércio entre as fronteiras.

Correção da Atividade Comercial

a) A reestruturação do processo de aprovação da atividade comercial e de


cumprimento de serviços mercantis;
b) Sistematização, especificação e gerir o registos comerciais;

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 35
c) Estipular uma política de investimento, de suporte e motivação ao fomento e
crescimento do comércio;
d) Reduzir, restaurar, edificar e espalhar o sistema comercial e de cumprimentos de
serviços mercantil;
e) Incentivar a criação de enormes superfícies comerciais;
f) Promover e catalisar os pequenos comércios e agregar o comércio informal no
racionamento formal;
g) Fortalecer e remontarias a estrutura económica rústica formada pelos
comerciantes grossistas e retalhista, produtores ou ainda camponeses;
h) Garantir as permutas comerciais do campo para cidade;
i) Diferenciar a ofertas de bens e serviços.

Revisão e Controlo da Atividade Económica

a) A cuidar do cumprimento das normas de confluência;


b) Controlar e rever os preços dos produtos e mercadorias ao importador, retalhista
ou grossista, seguindo ate aos consumidores finais;
c) Responsabilizar que as disciplinas nos cumprimentos da atividade comercial e de
contingente de serviços mercantis.

Proteção do Consumidor e Motivação da Concorrência

a) Estipular procedimentos e ações conducente á segurança da saúde e satisfação e


tranquilidade social e proteção contra ações incorretas de provedor de bens e
serviços;
b) Retirar os entraves de seguimentos de agentes económicos pela primeira vês em
áreas comerciais e incentivar a concorrência.

Evolução dos Recursos Humanos envolvidos

a) Fortificar e inovar os centros de formação técnicos profissionais no seguimento


do comércio;
b) Encaminhar os cursos de atualidades, capacitando os servidores públicos
(funcionários), e técnicos das áreas do comércio externo e interno e de
cumprimentos dos serviços mercantis.

Impulsão da Cultura Comercial e Empresarial

a) Implementar normas de comercialização e estruturas de mensuras e de pesos;


b) Implementação de leis técnicas e ambientais;
c) Ativação a conhecimentos de comerciantes e órgãos de áreas do comercio e
entidades profissionais e elaborar estabelecimentos pedagógicos;
d) Fazer cumprir a utilização do processo de implementação de preços de serviços e
produtos nas áreas comerciais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 36
3.5.2.2 - O Comercio Externo

Vimos que o Governo da Republica de Angola, tem levado em curso a implementação de


um conjunto de pacotes de reformas a nível do comércio externo, em que o mesmo pode
ser resumidos mediante as seguintes etapas de seguimento:

Procedimento do Comercio Externo

a) Retirar os impedimentos que envolvem mecanismos protecionistas (não tarifárias)


das atividades do comércio externos;
b) Despender técnicas e mecanismos certos e contribuintes a segurança da produção
internas e motivação das exportações.

Fomento das Exportações

1) Associar área comercial e produtivo, visando a denominação de feitos de


promoção a exportação, fundamentalmente de produtos não corrente;
2) Conduzir o desenvolvimento dos mercados externos e auxiliar os exportadores
nacionais;
3) Influenciar a cooperação em incumbências comerciais do país no exterior;
4) Executar um conjunto de implementos á exportação;
5) Criação de áreas de inconveniências de produção, visando o acréscimo das
exportações;
6) Proporcionar o aprovisionamento do mercado interno em fator e materiais a fim
de disparar a produção de produtos para com o mercado interno e exportação.

Revezamento das Importações

1) Encadear sector comercial e produtivo, no reconhecimento de produtos


suscetíveis de alternância;
2) Resguardar a produção interna por intermédio da aplicação de ferramentas
inerente aos preços e mensuras de defesa, anti-dumping e controle quantitativo.

Contratos Comerciais

Criar acordos comerciais recíprocos que beneficiam o crescimento do comércio e das


aplicações, nas estruturas de vantagens bilaterais.
Ajustamento Regional e Multilateral

1. Deslocar-se continuamente as alterações que se faz notória nas políticas


comerciais dos diversos países Africanos e no mundo em geral, especialmente os
de mais interessantes em relação ao comércio externo de Angola;
2. Apoiar ou auxiliar os diferentes órgãos da Administração Publica na atividade
exata de Angola nos contratos, alianças e negociação, multilaterais e organizações
internacionais de ação comercial;
3. Garantir a inalterada implemento dos compromissos estipulados pelo Estado e o
País em várias instituições Internacionais;
4. Remeter os certificados originais provenientes da Conference dês Nations
Uniessurle Commerce etle Developpement.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 37
5. Cooperar com as mais distintos órgãos na criação de sistemas de auxílio técnico
e reaver o país (Angola) por intermédio de instituições internacionais, mediante a
Organização Mundial do Comercio.
6. Acompanhar o enquadramento de agentes económicos incluso economia
internacional, da elaboração de um centro de aviamento comercial.

Encontramo-nos em uma importantíssima agenda voltada para a redinamização do


comércio por todo o país, em que visa a realçar dois grandes pontos:
O êxtase dos agentes do comércio normal ou informal, incluso na economia formal, ainda
em outra vertente a redinamização do comércio rústico como suporte da estrutura
comercial do país.
Outro ponto importante para a restauração do processo de distribuição e logística, esta
virada no programa das infraestruturas de transporte um pouco por todo país.

Angola pertence um plano económico bastante desafiante discordo com tratados e


normas, leis estipuladas mediante a zonas de comércio livre. Vimos que Angola é um dos
membros em ativo da Southern Africa Development Contries (SADC).

3.5.2.3 - O livre Comercio Internacional

Logo após o término da II Guerra Mundial, e a superação de décadas envolvidas de ação


militar, os fundamentais blocos políticos e económicos viram-se situados com uma
imagem refletida em destruição vigorosa e escassez de recursos. Os estímulos e energia
de colaboração e solidariedade económica internacional, envolvente, começaram,
informando pelas organizações novas formadas de Brethon Woods, procuravam um novo
caminho as enormes capacidades do comércio mundial.

As Áreas de Comercio Aberto tendem a tomada de concepção, mediante a vários Países


de que a liberdade ao exterior e a orientação de políticas e tratados comerciais, vem a
representar em plano de soma eficiente, incentivou os primeiros fundamentos de um
sistema de liberdade do comércio internacional. Dai em diante, passou-se a ser
reconhecida como liberação multilateral do comércio, aparecendo incentivos regionais de
liberdade do comércio, reconhecendo o sistema de liberação em uma paralela abordagem.

A origem da General Agreementon Tariffsand Trade, em meados de 1948, formou-se um


fórum de negociação internacional sobre as condutas do comércio de mercadorias de um
país para o outro ou vice-versa. Tal negociações tinham como fundamentos virados em
vários acordos, em que o fundamento essencial é de incentivar a liberação gradual do
comércio internacional por intermédio de um sistema de negociações e de um processo
de resolução de distribuição geograficamente dita.

3.5.2.4 - A Distribuição das Importações Geográfica

Pesquisas estipuladas no passado e nos dias atuais nos dão a concluir que o sistema de
bases logísticas que Angola tem que optar, que tem que ser promovida pode vir a dar
seguimento, mediante as obrigatoriedades subjacentes as rotas comerciais de Angola
conjunto com a Africa do Sul e Namíbia, buscando ainda, que a força do comércio com
tais países seja acrescida, sendo ou não importantes canais de crescimento que se
classificam no contexto do SADC, e no objetivo mediante a integração mundial

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 38
comercial, social, e político. Mais ainda em assegurar a posição Geoestratégica do país
no contexto continental e mundial.

Buscar que as estruturas logísticas venham suprir os objetivos de alicerçar um comércio


que frequentemente se introduzira entre o país e outras partes do mundo. Pois ainda entre
os países localizados no interior da região SADC. Sendo assim podemos averiguar o
fundamental objetivo que Angola pode ter sendo porta de entrada para a região de Africa
Meridional.

As variações de zonas de modernização e de envolvimento internacional da economia,


em peculiar no quadro da SADC e da Africa Central e a edificação de um sistema de
transportes e informações que paralelamente, leitura o território nacional e incrementar a
localização geoestratégica de Angola, fundamentam, em si, duas indicações metodologias
que podem admitir um objetivo fundadamente no crescimento do sistema logístico.

Os grandes Itinerários de transportes e Logísticas Mundiais e a Inclusão de Angola

Centralizemos, mediante, no transporte marítimo, entanto meio de agregação de Angola


nas altas rotas mundiais.

As Enormes Regiões Transformadoras de Transporte Marítimo são fundamentalmente,


as distintas:
A América do Norte; Instituição aproximadamente de dois caminhos sendo
distributivamente na Costa Leste, contiguo ao Pacifico, e no Oeste, contiguo ao Atlântico.
A América do Sul; Costa Oeste, em que surgem um coletivo de economias que se
evoluem mediante do Mercosul.
A Europa Ocidental; estruturada em volta de um caminho central que caminha das ilhas
britânicas, passando por Benelux, a França, a Alemanha e Suíça e encerra no centro da
Itália.
A Ásia; Frontispícios Marítimo do Continente Asiático, reconhecida a aparência
estipulada pela Ásia Pacífico, sendo como a sul do Continente, que anexa,
fundamentalmente, a India.
A África; O Continente Africano, mediante o seu estado atual de crescimento, não ajuda
extraordinariamente, para o trafego mundial de produtos e mercadorias, sendo que sejam
declarados as costas austral e oriental que implementam, fundamentalmente, as áreas
mais ricas da Africa do Sul e serem programadas, dando resposta ao essencial que temos,
as áreas de grandes crescimento da Republica de Angola, com características em
evidência para Luanda e Benguela e Lobito. Sendo as referidas as grandes regiões
marítimas do Globo.
3.5.3 - Os principais desafios em Angola da distribuição de Logística

A Logística em território Angolano tem mostrado enorme debilidade no que se refere ao


funcionamento adequado da distribuição, e das suas atividades no geral. Recentemente
podemos observar um trabalho elaborado pela Consultora Deloitte, na qual a mesma
refere sobre o reconhecimento do sector Logístico analisado Banco Mundial, como um
dos fundamentos de sustentamento de qualquer Nação, sendo assim a Deloitte fez em sua
pesquisa um levantamento em pormenores sobre a Logística em Angola, evidenciado os
principais desafios e perspetivas de um possível desenvolvimento a longo ou curto prazo.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 39
Neste contexto mencionou sobre as mesuras estipuladas que dá-nos uma ideia mais
abrangente sobre os pilares das atividades logísticas, reavendo o programa estratégico
nacional de acessibilidades e mobilidade dos transportes, que contem habilidades que
visam a criação de sistemas de autoestradas, marítimo portuário, ferrovias, e de
plataformas logísticas. O projeto refere ao sector logístico, e demonstra a diversidade de
utilidade e melhorias um pouco por todo país.

Mediante com a abordagem feita pela consultora, demonstra-nos que os substanciais


obstáculos é os níveis de eficácia e de qualidades das incumbências proporcionadas,
estabelecidos em níveis ainda satisfatórios longe do desejado pelos consumidores. O
abreviado ritmo de elevação da economia do país, diligencia um aumento do sector
logístico que autoriza a eficiência circulação de pessoas e bens, tolerando o crescimento
sustentável em Angola.

O estado vigente de crescimento elevado o nível dos custos implicados com a Logística,
calculando que este números demonstram mais de 10% do PIB de Angola. Proliferando
os operadores de extensões reduzidas e com um plano de serviços e recursos mínimos.
Nesse contexto refere-se ao documento, em prevalência dos operadores remete não mais
que serviços de transporte rodoviários, e desalfandegamento mercantil.

Os serviços oferecidos de transportes em arcas climatizadas ou frigoríficas e,


principalmente, de armazenamento, é de difícil, podendo encontrar em 1 em uma media
de 5 operadores. O sector de transporte na mostra, ainda, uma imensa capacidade de
aumento a médio e longo prazo, em particular em evidência a longitude do território e o
progressivo crescimento das distintas províncias do país.

A Deloitte nos remete que uma das causas que colabora para que os serviços apresentados
introduzidos de Logística ocasionam ainda grandes limitações, e para o minimizado
volume de operadores logísticos existentes nas atividades de armazenagem e distribuição
canalizada (capilar), é a força que a globalização destas atividades tem nas mais distintas
organizações.
Calcula-se que em duas em cada três instituições a desempenhar a sua atividade no país
internalizam a sua atividade.
De uma forma global, segue a análise, mediante a internalização que alcança resultados
cada vez mais altos no armazenamento, e canalização da distribuição, e nos serviços de
comprador recorrente mediante a ausência de confiança no serviço executado pelas
operadoras logísticas e etapas da cadeia de abastecimento censura na conexão com os
consumidores finais.

3.5.3.1 - Imobiliários Abertura e Qualificação de Feitura são Principais Repressão

A pesquisa feita ao lado do ambiente de clientes e análogo da Deloitte e de um conjunto


de pelo menos 55 instituições com atividades em distintos setores. Evidenciando que os
obstáculos de ordem logística restringem a eficiência de vários setores.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 40
Tais constrangimentos são resumidos em três enormes desafios pelo nível de desempenho
logística do Banco Mundial, especificamente:

i. A aptidão das infraestruturas do ferro rodoviárias, e marítimas, de informações e


logística que aguentam as atividades de comércio e informação em ação;
ii. A qualificação da feitura que exerce neste setor;
iii. Efetividade e controlo dos sistemas alfandegários. As infraestruturas de
transporte, e contudo as evoluções e diligência que tem vindo a ser principiado
para a restauração das mesmas, sendo um dos fundamentais constrangimentos que
o país tem para o futuro.

A superioridade, evidência vai para utilidade imaginário sistema ferroviária, mediante ao


mal estado que se encontra as estradas em todo território nacional, e mediante as reduzidas
extensão dos sistemas de rodoviárias, e a falta de comunicação entre as fundamentais
cidades do país, o que se remete a dimensão do território, choque de grande relevância na
distribuição dos produtos e materiais e eleva os custos das instituições por todo país.

Os péssimos estados de manutenção das vias são também constantemente


responsabilizados pelos prejuízos de mercadorias, e pelo acelerado corrosão das frotas de
transporte e distribuição. Da totalidade da amostra, 42% das organizações expressam que
os obstáculos estipulados, denominadas ao nível rodoviárias, são um coeficiente
restringidos á distribuição interprovincial, distinguir a pesquisa.

Os transtornos que são a movimentação rodoviária na cidade de Luanda, o que aumentam


restrições de capacidade aplicada por lei, obtêm características fundamentalmente pelo
fato de pluralidade das organizações presente situada.

No que se refere a referente análise da Deloitte em que 90% do volume de negócios das
massas empresarial de Angola superabundam em Luanda, pelo que, uma boa parte das
empresas abordadas descrevem as restrições de movimentação em Luanda como um dos
grandes causadores de evolução a esfera logística, sendo reconhecida como uma
abordagem fundamental para o elevar da competência da cadeia de abastecimento
logístico.
Porem as grandes construções em eminencia na capital e a quantidade de automóveis em
movimentação, também tornam a trabalhoso de modo que os parqueamentos
estacionamentos interferem nas operações logísticas de carga e descarga de produtos e
bens e serviços em Luanda.
O programa das infraestruturas estruturas das telecomunicações, o trajeto a fazer é
extenso. Os técnicos acondicionam ocupações competitivas, tendência analisada á
mensura que as concorrências se elevam, mas as imperfeições são de modo constante e
habitual do tempo de crescimento em que a infraestrutura se apresentam. Os outros pontos
fundamentais para as instituições são o que significa aos meios de informação. Sendo em
11% da organização que incluem a amostra da pesquisa da Deloitte, a licitação dos
softwares e hardware é de modo muito restrito, em resolução e equipamentos logísticos.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 41
Nos meios de custos o aprovisionamento é dos mais consideráveis em especial, da tensão
encarecedora imposta ao mercado imobiliário do país, que ocasionado do
desenvolvimento vigoroso da economia nos últimos tempos. Vimos que 42% das
amostras propaga que os custos obstinados com armazenamento, denominadas rendas são
problemas logísticos expressivos.

Vimos ainda que as etapas dos custos, uma forma afirmativa das organizações em
abordagem 35% afirmam que as infraestruturas de armazenagem no país, em especial na
capital Luanda, não possuem condições obrigatórias para a evolução de um exercício
logístico de alta qualidade.

Sendo que a grande problemática neste ramo logístico, encontra-se na carência de


infraestruturas com enormes dimensões de armazenamento em Luanda, e impróprias para
a alta obrigatoriedade do mercado atual. A inexistência da infraestruturas é
particularmente salientados nos setores em que se requer status característicos de
armazenamento da mercadoria. Tal condições inclui de modo as áreas com produtos
transitórios.

Os intervalos nas eficiências técnicas e nucleares e a ausência de obrigações mediante á


instituição empregadora, na qual demostre em índices bastantes altos de abastecimentos,
sendo os que mais se sobressai, mediante ao que é demostrado como um dos fundamentais
obstáculos logísticos em uma media de 47% das organizações abordadas, a mão-de-obra.
A classificação das mãos de obra no país é uma das fundamentais origens do
entendimento inconveniente principalmente a terciarização da logística, carregando 38%
das instituições pesquisadas fundamentam que não subcontratam a logística pela
minimizada certeza no exercício efetuados pelos operadores.

A pesquisa tem como referencia o investimento que Governo do país tem executado na
alfabetização, instrução e educação da população. Sendo que reparamos que a alta
existência no mercado nacional de organizações especificadas tem uma consequência
positiva na cedência de knowhow e excelente habilidade, fundamentais a eficácia dos
quadros dos recursos humanos do país.

O elevado índice da contraposição autorizada pelos estabelecimentos de atuais parcerias


nas áreas logísticas de impressionar ainda na pressão efetuada sobre as instituições locais
para o aperfeiçoamento do seu índice de eficiência, altas ordem para o consumidores e
elevadas qualificações dos técnicos.
Por fim, não menos considerado, a consequência dos sistemas alfandegários, em que se
culminam dois pontos críticos abordados em 70% das instituições analisados, em
particular quando o transporte é executado por via marítima:
i. Os estatutos aduaneiros agrupamentos e pouco transigentes, que em deliberativo
situações causa demora no sistema de desalfandegamentos,
ii. Sistema e programas de informações que ainda não estão aceitável
potencialização para executar índice de eficácia desejadas.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 42
No comando das operações portuárias, as oportunidades mais notórias conquista-se com
os meios de gestão aplicados e sistemas operacionais criados, que, referidos pelas
empresas inquiridas pela Deloitte, demostram oportunidades de melhorias.

Neste ponto, vimos a existência de pressão em alterar a característica ao índice das


transferências, controlo e situações dos contentores, e na rapidez dos sistemas de
tramitações financeiros e burocrático da importação. As áreas voltadas a alimentação e
bebida e medicamentos (farmacêutico), são os que mais atingidos pelos sistemas
aduaneiros como circunstancias constrangedoras, admitindo as obrigatoriedades dos
produtos em analises.

3.6 - Transporte em Angola

Falar de transporte em Angola é levantar uma imensa problemática, não sei se descreve
ao estado de degradação de vias primárias e terciárias, ou se é o caso de existir pouco
investimento para tal. Circular nas vias um pouco por toda Angola e arredores exige
paciência e muita cautela, devido ao constante constrangimento que aparecem todos os
dias (engarrafamentos, buracos nas vias, ou ainda pouca iluminação).

Táxi

Falar de táxi é falar de determinados veículos, com um preços exagerados a nível de


cobranças, os poucos que existem dos táxis tradicionais, é de difícil circulação, que
circulam em zonas restritas, localizadas no centro da cidade, e com horários limitados. O
que submete a população ate que se aglomerar em hiace ou em mini autocarros, com
péssimo conforto, e correndo o risco de viajar apertados.

Vimos por parte da rede de transporte público é de forma a considerar a sua existência, a
TECUL que é a empresa estatal dos transportes públicos possui, de antemão um número
reduzido de autocarros (ónibus), que não chegam para suprir o número de população que
Luanda e as demais províncias têm.

Neste ponto vimos que devido a carência de transportes públicos, notamos os frequentes
surgimentos de motas que tem feito esse tipo de trabalho de tirar o pessoal de um lado e
colocar no lugar desejado, a cobrar o mesmo preço que um hiace cobra no seu percurso.

Por intermédio de segurança, e estabilidade, a por parte uma ligeira recomendação


mediante a circulação a trajetos de localidades muitos extensas ou mesmo distantes. As
viagens de carros têm que ser de antemão limitadas de acordo ao perímetro minimizando
nas proximidades da capital, ou das capitais das províncias. Para alcançarmos as demais
províncias, teremos que optar por avião ou trajeto aéreo, que conta com um conjunto de
voos bastantes circulares e regulares das TAAG, ou outra companhia que presta serviço.

Transportes Rodoviários

Percorrer as estradas Angolana mediante os longos percursos que ligam províncias e


localidades, exige um cuidado redobrado, e uma autêntica responsabilidade por parte de
quem conduz, pois em 72.000 quilómetro das estradas ou vias, um total de 20.000 são
asfaltadas.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 43
Neste ponto encontramos uma ou outras asfaltadas encontra-se por transitar, devido ao
imenso trabalho que o estado tem desenvolvido para ligar as vias de comunicação do país
de um ponto a outro.

As restaurações, e reabilitações de vias e estradas, pontes, etc. Um trabalho que tem sido
desenvolvido por empresas nacionais e internacionais, que faz parte do plano de
reconstrução nacional. Sendo que grande parte delas ligam a capital do país com as
demais capitais das províncias.

Vimos que o estado da infraestrutura, em quase todo do país era péssimo devido aos
longos percursos da guerra civil, mesmo no perímetro da cidade de Luanda. O
combustível (gasolina e gasóleo) na grande parte das áreas urbanas. Encontram-se a
disposição veículo para afretamento em luanda e em outras provinciais. Conduzir longe
das localidades metropolitanas podendo ser inofensivo mediante ao péssimo estado das
vias no que concerne a noite.

Transportes Aéreos

O Aeroporto internacional 4 de fevereiro em luanda, onde uma grande parte do trafego aéreo tem
chegado a capital do país todos os dias. Sobrevoando nela companhias de diversos países do
mundo como; South African Air ways, British Air ways, TAP (Portugal), Air France, TAAG,
Namíbia Airways, Ethiopian Airlines e algumas transportadoras regionais servem Luanda.

Sendo que a Houston Express é um trabalho partícula do de voos charter, produzido pela Word
Airways, com sua sede nos EUA, para a Sonair, companhia petrolífera nacional, na qual encontra-
se acessível somente para os membros da Associação U.S. Africa Energy. TAAG, e a Air Gemini
e diversas companhias de voos Charter, sendo que as suas taxas do aeroporto estão inclusas no
preço de cada bilhete.

 Aeroportos com pistas pavimentadas: 32, com mais de 3.047 de pista: 4, de 2.438 a

 Aeroportos com pistas não pavimentadas: 211, com mais de 3.047 m: 2, de 2.438 a
3.047 m: 8 de 1.524 a 2.437 m: 14, de 914 a 1.523 m:5 menor que 914 m: 1 (2002)

3.047 m: 4, de 1.524 a 2.437 m: 30, de 914 a 1.523 m: 95 menor que 914 m: 80 (2002).

Meios de transporte que se destina ao transporte de passageiro mediante a vertente nacional e


internacional. Em que é sustentada por uma rede de infraestrutura fundamentada por aeroportos
divididos por todo território nacional, permitindo o acesso exato a todo território nacional e ao
exterior por intermédio do aeroporto internacional 4 de Fevereiro em Luanda. A sua principal
linha aérea é a TAAG.

Transporte Ferroviários

Com um total de caminhos de ferros reabilitados e já é possível cobrir todas as estações por onde
os comboios, tem circulados com objetivo de fazer o escoamento de produtos de um ponto para
o outro por todo país, a ligação com o porto de Luanda uma foi totalmente reativo, permitindo
que os produtos e mercancia tem maior viabilidade, e uma distribuição com maior rigor e
melhores prazos de entregas. Praticamente podemos afirmar que a via-férrea que liga Angola um
ponto a outro encontra-se na sua reta final.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 44
Os caminhos de ferros que assistem a população de Luanda ao 30 ou vice-versa tem tido o seu
percurso diário com um índice de funcionamento a 100%, circulando nele milhares e milhares de
pessoas por dia. O caminho-de-ferro de Benguela, cubal, cidade de lobito e Zâmbia e Malanje,
Namibe e Matala e a reabilitação das linhas férreas correspondem com êxodo as espectativas do
governo de Angola, o próximos objetivos nacional esta na ligação de Angola e a Namíbia que
contara com quase 56 estações, construída desde raiz com um total de 700kilometros de linha
férrea. Caminhos-de-ferro: total 2.761 km.

Transportes Marítimos

Angola conta com portos bem conhecidos como o porto de Luanda, o Porto de Lobito, o de
Namibe e Cabinda. É neles que os transportes marítimos tendem alcançar o território Angolano,
porem não temos de concreto uma empresa voltada na organização de transporte fluvial de
passageiros.

As mercancias ou cargas encaminhadas para os portos angolanos tem que demonstrar o


Certificado de Embarque, o Certificado de Carga, a fim de serem desembarcada a chegada.
Rivalizando ao remitente atingir o documento, antes da mercadoria ou carga sair do porto, unidos
ao representante do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) no porto de origem. A grande
parte dos portos de embarque tem um representante o CNC que fornece o certificado de carga.

 Marinha mercante: total 8 navios 1,000 GRT 30,311 GRT/48.924 DWT


 Portos de Angola: Ambriz, Cabinda, Lobito, Luanda, Malongo, Namibe, Porto Amboim,
Soyo.

Obs: Transportes

A criação da área do transporte mensurado pelo índice de carga é certificado predominantemente


pela parte marítimo que absorve 44% do geral, continuando a da rodoviária com media de 39% e
da forma aérea com 9%. No que toca aos passageiros, a forma rodoviária absorve media de 87%
da transportação, seguindo da forma ferroviária com media de 8,5%. Estradas: malha (rede)
rodoviária, em maior numero firmadas de estradas de segunda classe, que une as fundamentais
cidades.

A malha de estradas de cobre de 51,429 km é asfaltada. Linhas férreas: Angola é favorecida de


uma malha de ferroviárias de 2,761 km segmenta da em três eixos quer deparámos a ausência de
comunicação entre as mesmas, na qual duas delas são de itinerários interprovincial e uma delas é
interprovincial.

Marítimos ou Fluviais: Os meios Marítimos são de antemão os fundamentais transportes de


comércio externo, em que a infraestrutura em modo geral demonstra-se em situações de forma
aceitável, o que garante, poder dar resoluções aos principais tráfegos de mercadorias do país.

Angola esta revestida de três fundamentais portos comerciais e outras distintas de reduzido
tamanho, viradas essencialmente para o petróleo e as pecas. Porem a área de transportes marítimos
tem oferecido enormes e vantajosas oportunidades de negócios de ordem turísticas denominadas
como a influência ferryboat. Sendo que os principais portos são os de Luanda, lobito, e Namibe.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 45
Constatamos em um outro fator que são os rios de Angola que apresentam vantagens e
oportunidades para elaboração de negócios de conveniência turística sou de forma mista de
modelo comércio turístico. Sendo os fundamentais rios; Zaire, Kwanza, Cunene e Kubango.

Comercio Externo: Em relação ao comércio externo vimos que o petróleo corresponde a 90% do
montante (valor) geral das exportações de Angola/ano. Sendo que o destino desta exportação são
para países como China, EUA, Bélgica, Luxemburgo, Taiwan. Os fundamentais produtos de
importações são mercadorias de utilidade diária, produtos alimentares, medicamentos e
instrumentos e maquinarias e equipamentos elétricos, automóveis e veículos, e peças e os
produtos têxteis. Produtos proveniente de Portugal, USA, e Africa do Sul, e a Coreia do Sul,

Sendo que os principais parceiro comerciais são; Portugal, Brasil, EUA, Africa do Sul, Alemanha,
Bélgica, e China.

3.6.1 - Capital Estrangeiras eminente

Sendo que os principais investimentos direitos estrangeiros na área petrolífera encontra-se em


constante alteração. Sendo que em 2003 chegou a atingir 1,415 milhões de USD, norte-americano.

Planos de transportes logísticos

O equilíbrio do conjunto dos transportes e logística é essencial para a unidade interna do


território angolano, e para o fundamento da discrição internacional de Angola nos arredores,
em individual na concepção da SADC. Apesar dos altos índice de crescimento constatamos no
agrupamento, de modo a insistir algumas de habilidades que concerne em adiantar-se,
enfatizando a enfraquecida variabilidade na zona global, em particular a província de Luanda.

Se para minimizar as distâncias no interior do país necessitamos de infraestruturas de transporte


capazes de nos garantir tal feitos, o domínio logístico é resolutivo a fim de estabelecer-nos no
interior do mercado, havendo probabilidade na localização da produção perto da extensão de
Angola.

Mediante a eficiência de transportar enormes volumes de produtos semiacabados. Para a


aplicação, o sistema nacional de plataformas logísticas pode ser modelada em função das
plataformas nacionais de grande ou media extensões sem Luanda, Catumbela, Huambo e Caála,
mediante as plataformas nacionais de baixa e media extensões em Malange, Saurimo, Lubango
e Menongue.

Sendo que a estrutura de plataformas logísticas, em que os micro-localização é reconhecida com


forma prioritária, estipulando Plano Nacional de Desenvolvimento que vai 2013 á 2017, em um
total de 193 adicionada por um coletivo de armazéns e deposito, e por sistema de redes nacional
de infraestruturas frigorificas. Mediante aos 123 prioritários dos coletivos dos transportes e
logísticos com um investimento total de 2.342.619 milhões de kwanzas.

Descrevendo cerca de 45%, em 4 grupos de prioritários, e de mais de 50% dos investimentos


mediante o mesmo percurso. Porem 50% deste plano que obedece a restauração de estradas,
nacionais ou provinciais, enormes etapas das quais têm utilidades de efetuar a elaboração de
eixo fundamental do crescimento.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 46
Uma etapa considerável destes planos segue a prestação das linhas de ferro e prossegue a
energia em parcela já efetuada ao nível de restauração de aeroportos. Destingiu-se também a
primazia efetuada aos transportes marítimos e as plataformas e mercados logísticos são
decorrer do território:

a. Planeamento % e. Montante de 2.342.691 50,95


b. Conjunto primazia% 38,64%
c. Total planos nº 123 43,93% f. Coletivos de transportes e logística
d. Investimentos (106 kwanzas)

3.6.2 - Auxílios da engenharia industrial na logística em Angola

A engenharia industrial encontra-se presente em todo processo logístico, uma vez que a
própria logística nasceu da engenharia militar e ramificou-se em diversas áreas de
atividades humanas e social.

A engenharia industrial preocupa-se com a implementação das técnicas, ou métodos de


engenharia e dos fundamentos das ciências de gestão planificadas, estruturada e
sistemática, mediante a um processo produtivos nas empresas de bens e serviços.

Em que possibilita o profissional em atividade (Engenheiro Industrial), a desempenhar a


sua função orientada mediante ao um pensamento racional da aplicação dos meios e
recursos apresentado pela organização; redes de transportes, meios informáticos, meios
financeiros, maquinas e ferramentas, área e espaços, e o mais essencial que é as pessoas,
a fim de capacitar e desempenhar melhor as atividades e objetivos inerente a organização.

Em que as atividades requer um alto domínio e um elevado controle, examinando e cada


vez mais as que mais exigem um processo continuo de avaliação, gerindo os projetos
consoante as que planificaram, mesmo as que possuem tecnologias mais inovadas.

Procurando manter um elevado índice de qualidade, e segurança e uma elevada frequência


em termo de manutenção, seguindo com os requisitos implementados pelo processo de
gestão industrial, seguindo a risca os procedimentos logísticos de modo que a sua
distribuição é feita de modo a satisfazer os clientes e trazer benefícios económicos e
financeiros a organização.

3.6.3 - O objetivos da Engenharia industrial

Podemos fazer noção que a engenharia industrial em que os seus objetivos voltados em
compreender e desempenhar redes ou técnicas de produção industrial, de maneira que os
feitos previstos, em que os técnicos especializados possam corresponder com as
incumbências de antecipar as mais diversas ocorrências, inerentes as atividades
industriais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 47
Com o desenrolar da revolução industrial foi notório o aparecimento da engenharia
industrial, em que de modo progressivo nos deparamos com domínio total em fábricas,
industriais e organização e gerência, passaram a aderir os procedimentos mediante aos
conhecimentos e benefícios causados pela organização industrial.

Em Angola não fugiu as regras pois tem vindo a ter um contributo repentino e de enormes
vantagens, provocando um grande impacto social e económico em nosso país e no mundo
em geral. Porem com fases de elevadas crescentes e de modo a garantir estabilidade em
uma boa parte deste processo, ainda nos encontramos distante das grandes potências
industriais, apesar de Angola ter-se esforçado muito para acompanhar o ritmo tecnológico
da globalização ainda tem muito que rever em seu processo produtivo, e desencadear
ritmos e traçar metas a fim de atingir patamares de excelência a nível nacional e
internacional.

Nos percursos atuais mediante as mais variadas circunstancias e fatores internos e


externos, vimos que o aumento geral e sistemático persistente no controle determinante e
limitando externo e desencadeando políticas monetárias resultante da desaceleração da
economia global Europeia; América e demais países que Angola contem tratados
económicos e sociais, nas quais as suas relações são de modo estreitos, fundamentalmente
na continuidade de tratados que venham a facilitar abertura do comércio global.

As probabilidades de um crescimento traçado no princípio da fase de reconstrução


nacional que provem desde 2002 tem sofrido várias turbulências mediante a enorme
diversidade de fatores, como podemos observar recentemente a diminuição do preço do
barril do petróleo, afetou fortemente a economia nacional, desencadeando uma radical
reflexão por parte do governo, levando a traçar uma política que visa a não dependência
do petróleo, criando incentivo de modo a reforçar que os outros sectores chaves venham
assumir cada vez um papel de igualdade na produção nacional.

Podemos refletir, economicamente os EUA possui uma economia em fase de


recuperação, e a tendências macroeconómica de países como México são mais fortes do
que de alguns da América Latina, porem do outro lado vimos uma Europa tentando
superar a crise que superabundou no ceio Europeu, em que países como Grécia, Portugal,
possuem um índice de decadência.

O continente Africano tem sido mais uma vez a saída estratégica para superação da
economia mundial, na qual encontramos grande partes de países Africanos em que a
economia esta em fase de crescimento, e o sector de produtividade tem sido proveniente
de países Europeus e Americanos, vimos que países Asiáticos, principalmente China e a
Coreia do sul, em que a sua economia cresce de forma monstruosa é considerada como
pais emergente ao lado do Brasil.

A China tem dominado o mundo no sector produtivo e económico, onde na qual tem sido
um parceiro de enorme importância para diversas nações, incluindo Angola por ser um
ativo participante no processo de reconstrução, injetando capital e sempre aberta em
disponibilidade de mãos de obras (recursos humanos), e matérias-primas. O nos remete
que a etapa difícil esta na fase de superação.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 48
Quero ressaltar o fator competitivo que existe no sistema global por parte produtiva e de
investimento geral, neste ponto a que louvar países como china, Coreia do sul, Colômbia,
índia, e finalmente um pais Africano a Africa do Sul, que fazem parte da grelha de 30
países que mais de destacaram nestes últimos anos.

Pois vimos o enorme esforço que muitos países têm feito para atingirem os seus objetivos,
e melhorarem a situação económica e social do país. A competitividade é a eficiência que
dado país possui a fim de contribuir com notoriedade no mercado global e, atingir no
geral o que pode ser duradouro de modo crescente ao modo de vida populacional e social.

Autores como Nahmias 1999 em abordagem feitas á 217 gestores, chegando a seguinte
afirmação que os fatores fundamentais que cedem as organização, dando vantagem
competitivas nos anos que podem vir a surgir são:
A qualidade de instalação; Atuação com ofertas adiantadas; A Eficiência; Versatilidade;
Produto; Atendimento pós venda; Preço; Direção de largura; Distribuição; Quantidade
flexível; Promoção.

Mediante estas etapas mencionadas, pode-se concluir e enumerar que a eficiência e o


período de aparecimento com os fundamentais fatores implementados em estas etapas,
sendo uma base que nos dias atuais tem sido analisada com mais pormenores e com um
excelente controlo de qualidade e enorme produtividade, em enorme parte do produto
encontrando no referentes mercados global e assegurado de forma de qualidade, de
maneira a distinguir em relação aos produtos ou empresas que surgem pela primeira vez
no mercado atual, podendo mesmo oferecer serviços de grande valor associado aos
clientes a um reduzido preço mediante aos seu concorrentes direitos.

Porem para chegar a um padrão de concorrência as organizações necessitam a alterar ou


modificarem uma gestão do ponto de vista organizacional por completo, criando política
de minimizar o tempo de resolução geral de todo meios a fim de satisfazer as necessidades
dos clientes.

3.6.4 - Tecnologias de informação

Ao utilizarmos as ferramentas das tecnologias de informação de ultima geração. Nos


obriga a ter uma constante atualização e estar sempre em busca de aprendizado, pois com
a globalização as organizações estão cada vez mais exigentes no mercado de trabalho,
onde só os quadros que se encontram altamente qualificados possuem mais condições, e
com certificações convincentes alcançam os lugares mais concorridos e desejados, pois
tem o leco de exigência bastante considerada e indispensável a cada área de atuação.

Informática é considerada como informação automática, que utiliza métodos e técnicas


no tratamento automático da informação. Que só é possível á sua utilização mediante uma
ferramenta adequada que é o computador eletrónico.

Falando em informática falamos do imenso controlo e segurança que as tecnologias de


informação proporcional para os mercados atuais, refletindo na economia de uma
organização e ate mesmo um país.

O Computador

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 49
Um computador é, hoje em dia, uma máquina eletrônica, multifuncional, programável e
interativa. Eletrônica, por ser composta de componentes eletrônicos; multifuncional, por
realizar várias funções (algumas simultâneas); programável, por poder ser programada
especificamente para a função que se deseja; e interativa, por permitir uma adequação às
necessidades do usuário.

Tecnologia

Segundo a enciclopédia livre Wikipédia, “tecnologia é um termo que envolve o


conhecimento técnico e científico e as ferramentas, processos e materiais criados e/ou
utilizados a partir de tal conhecimento. Isso inclui desde os processos ou materiais mais
simples, como um palito de dente, até os mais complexos como um supercomputador.
Não a duvida que a atuação das tecnologias de informação estão em todas às áreas do
conhecimento e saber do ser humano, com uma enorme utilidade para o processo
produtivo das Organizações, provocando grandes proporções na vida do homem atual.
Apoio á Gestão e aplicação tecnológica

Xavier, Ricardo em seu livro Gestão de pessoas, afirmou “Permitir que as pessoas sejam
produtivas e felizes no trabalho – eis uma diretriz simples que deve nortear a missão do
gestor. Ao realizá-la com maestria ele estará conquistando o melhor para si mesmo,
contribuindo para o crescimento da sua empresa, colaborando para a criação de uma
sociedade melhor.

Um trabalho bonito e digno.” Com o avanço das tecnologias de computação e a


diversidade dos hardwares e Software, ouve a necessidade da existência de sistemas
voltados para as gerências das diversas áreas de atividades do homem. Neste contesto vi
a necessidade de envolver o MRP e ERP na elaboração desse trabalho. Pois ferramentas
de trabalho tem feito grandes revoluções na produção económica de uma organização, e
em todos aspetos da sua gestão.

3.6.5 - O ERP MRP MRP II?

O ERP (Enterprise Resource Planning), é um sistema de transformação que integra todos


os dados e processos de uma organização em um único sistema. Podemos ver a sua
atuação mediante a perspetiva funcional (sistemas de: finanças, contabilidade, recursos
humanos, fabricação, marketing, Vendas, compras, etc.) e perante a perspetiva sistémica
(sistema de processamento de transações, sistemas de informações gerências, sistemas de
apoio a decisão, etc.).

Em termos gerais os ERP´s são softwares criados para integrar os diversos departamentos
de uma empresa, possibilitando a automação e armazenamentos de todas as informações
de negócios. A grande maioria dos ERP’s disponíveis possuem excelentes módulos de
contabilidade, orçamentos e controladora mas, infelizmente, não conseguem lidar com a
dinâmica do ambiente produtivo e não atendem as necessidades do chão de fábrica.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 50
Devido a isso, surgiu a necessidade do desenvolvimento de sistemas que
complementassem o ERP e garantissem e completa integração do sector industrial com
os demais departamentos de uma organização.

O MRP (Materials Requirements Planning) surgiu nos anos 60 significam Panejamento


das Necessidades de Materiais. O MRP é um sistema na qual permite avaliar quanto
material de determinado tipo é necessário e em que momento. Na década 80 surgiu
o MRP II (Manufacturing Resources Planning) que significa Panejamento dos Recursos
de Manufatura ou Panejamento dos Recursos de Produção. O MRP II permite que as
empresas avaliem as implicações de demanda futura nas áreas financeira e de engenharia,
assim como as necessidades de materiais.

Já o MRP oferece a documentação que converterá as necessidades do mercado em uma


linguagem que possa ser entendida pela produção. Serão, portanto, geradas listas de
materiais, ordens de produção, etc.

Os sistemas APS (Advanced Planningand Scheduling Systems), fazem o


sequencialmente das ordens de produção e geram programas de produção realistas e
altamente confiáveis, porque respeitam a disponibilidade efetiva de recursos produtivos,
a existência de restrições operacionais, as condições de demanda e as políticas de
atendimento da empresa.

Os MES (Manufacturing Execution Systems) são sistemas focados no agenciamento das


atividades de produção e que estabelecem uma ligação direita entre o panejamento e
o chão de fábrica. Eles geram informações precisas e em tempo real que promovem a
otimização de todas as etapas da produção, desde a emissão de uma ordem até o embarque
dos produtos acabados. O MES realiza todas as funções do MRP e do MRPII integrando
os dados do ERP com o dia-a-dia da produção, gerenciando e sincronizando as tarefas
produtivas com o fluxo de materiais.

3.7 - Aspetos de combustão

A combustão ou queima como uma química exotérmica entre uma substância ou


combustível e um gás ou comburente, o papel do oxigénio é de liberar calor e luz. São
criados vários produtos resultado da combinação dos átomos dos reagentes, mediante a
reação de combustível. Encontramos a combustão em vários sentidos do nosso
quotidiano, causando assim aspetos positivos e aspetos negativos na sociedade em geral.

Em países com um nível de industrialização é bastante elevada, vimos que os aspetos


combustão têm sido fator de crescente poluição geradas pelas grandes variedades de
máquinas de grandes potências, que produzem uma combustão, nesse ponto podemos
dizer que estamos perante a combustão completa e incompleta.

Fenómeno global de grande importância no sector dos transportes e em fábricas e


indústrias, mais por outro lado quando mal usada e com um péssimo controlo tem vindo

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 51
a causar enormes estragos em todo mundo, causando poluição, e destruição das florestas
etc. Cerca de 85% da energia do mundo, no que toca transporte (terrestre, marítimo, aéreo,
etc.), geradores, usinas termelétricas, atividades domésticas, cozimento de alimentos, e
outros, São resultados do processo de combustão.

As mais diversas máquinas indústrias, desde a era das grandes invenções até a era atual,
que passaram a ter uma abordagem de destaque no mundo em geral, com os primeiros
comboios, e barcos, navios movidos á vapor, aviões e os mais diverso tipos de motores,
os grandes e pequenos geradores elétricos, as grandes turbinas, todas essas invenções são
prova da enorme importância do papel da combustão. A combustão tem vindo a ter uma
grande evolução e crescimento mediante a sua utilidade e função.

Combustíveis

Podemos definir combustível como todo tipo de substancia que tem a habilidade de reagir
com oxigénio ou um outro comburente qualquer, de maneira brutal, ou de modo a gerar
calor, gases ou chama. Ao julgar a libertação da energia que nele podemos encontrar em
forma de energia potencial, e modificada a um modo utilizado. Na realidade podemos
encontrar diversas substancia que servem para ser utilizada como combustível. Podemos
incluir o carvão, a tufar e a madeira entre as solidas. O carvão é utilizado em caldeira para
aquecer agua, em máquinas a vapor, ou ainda para a produção de calor usados em usos
térmicos.

Motores de combustão

Umas das principais fontes de combustão que encontramos são os Motores a combustão,
pois tem vindo a ocupar um papel de estrema importância em nossas vidas. Sendo a
principal elemento que fazem os automóveis, as grandes locomotivas, os grandes navios,
e até aviões movimentarem-se. Podemos então classificar os motores de combustão como
os seguintes: motores de combustão externa, e interna.

Combustíveis alternativos

Em países, e em continentes como Médios oriente, e países de Africa que ainda são
bastante dependentes do petróleo, ou por terem a sua economia voltada somente na
exploração de tal líquidos, em que um aumento, ou uma queda do preço do petróleo abala
a estrutura económica destes países, como se reparou recentemente, ainda levaram
bastante tempo para fazer usos, e aplicarem pelo menos 50% de tais avanços ou
tecnologias de combustíveis alternativos.

Tocando neste assunto acompanhamos a bem pouco tempo cá em Angola tal situação,
que uma descida no preço do petróleo de aproximadamente 40%, foi algo de grande
repercussão, em que o pais, viu-se mergulhado em uma crise que intitula-se a crise do
petróleo, mexendo com as contas do pais, faltando divisas no mercado, o governo viu-se

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 52
a ter que disparar o preço dos combustíveis bastante utilizados como a gasolina, gasóleo
e outros derivados.

Neste ponto em que não só os automóveis fazem o uso de tal liquido, dai que aumentar
o preço é quase uma fatalidade para a população, empresas, escolas, transportes etc. á
maioria das empresas utilizam geradores para manter a sua produção intacta, milhares de
pessoas utilizam geradores domésticos para poderem fazer frente a faltas frequentes de
energia na província de Luanda e arredores, face a essa situação viu-se a necessidade de
ter que se diversificar a economia do pais, e apostar em outras áreas como alternativas,
para gerar fontes de riquezas aos cofres do estados.

Para alguns economistas e estudiosos nas matérias, e autores em fontes de notícias,


afirmam que os países deveriam apostar fortemente em fontes diversificar a economia
(transportes, barragens, agriculturas, etc.), a fim de fazer frente a tal situação. Nesta
situação encontramos diversos países não só de África, mais como do mundo em geral,
países que são grandes produtores do famoso ouro negro, que em tempos mais atrás não
possuíam conhecimentos do que tinham em seu território, e nem produziam petróleo.

O que podemos chamar de combustíveis alternativos

Podemos também denominar como combustíveis não convencionais, os combustíveis


alternativos, é todos instrumentos, ou substancias que podemos aplicar podendo gerar
combustão (combustíveis), em relação a modificação, ou a restrição dos combustíveis
combinados (convencionais), ou mediante as alternativas aos que são gerados
anacronicamente, ou aos combustíveis fosseis; propano, carvão, petróleo, e o gás natural,
e os de instrumentos nucleares, como o urânio.

O flúor ou a motivação depositadas nos últimos dias face as inovadas fontes de energia,
ou ação energética, causadas pelas frequentes redução dos embates ambientais,
provocados pela utilização dos combustíveis fosseis, desta forma com uma crescente ideia
e capacitadas, e métodos específicos, de recursos humanos e económicos.

3.7.1 - Aplicação de energia por barragem

Cá em Angola, nem todas as zonas encontram no perímetros de igualdade de utilização


de água, logo a um esforço do governo levar este líquido precioso ate lá. As que tem um
maior aproveitamento, para muitos tem que percorrer quilómetros para conseguir
encontrar a água e carregar até as suas casas, porem as províncias e aldeias que encontra-
se em terreno acidentados rugoso em riachos que correm velozmente.

As barragens de kifangondo e Cambambe, e outras, têm beneficiadas das caldas de


grandes emblemáticos rios, como rio Cuanza e outros, que conseguem abastecer de
energia elétricas todas partes da capital de Luanda e os restos das 18 províncias do Pais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 53
Igualmente no abastecimento de água potável, em utilização, instalações criadas no antes
e pós independência, com as guerras que duram quase 33 anos levaram a uma grande
parte destas barragens a serem paralisadas, só recentemente desde o marco do beneficio
da paz, restaurou-se as barragens e algumas centrais energéticas em quase todo pais.

As empresas que tratava deste abastecimento, cresceu tornou-se na gigante EDEL que
fornece energia, e trata de distribuir os seus serviços em todos pais, trabalhando com
pequenas afiliares privadas para tais fins.

O mesmo digo a EPAL que trata do tratamento e distribuição de água potável em todo
pais e arredores na qual conta com algumas afiliares para desempenhar tal tarefa. Já nos
EUA inclui certos locais que podem ser considerados ambientalmente frágil, e que de
modo algum serão explorados. A energia hidroelétrica é eficaz, mais a sua aplicação só
de modo parcial, beneficiando as evidentes perdas de gás natural.

Em Angola foi recentemente instalada centrais de pré-pago, um sistema de captação de


energia elétrica, de modo que só se consome o que se paga, aplicando em Habitações um
dispositivos semelhante ao de um contador em que logo após ter carregado o cartão
passando sobre o dispositivo ele passa carregar automaticamente a eletricidade de casa e
só desliga logo após o cartão acabar.

3.7.2 - Método de investigação qualitativa

No que toca a métodos qualitativos é todo coletivo de metodologias de pesquisas, que


utilizamos tendo em conta o seu foco principal na linguística e nos estudos dos símbolos,
em ciências sociais.

O surgimento do método qualitativo se deu a necessidade de o homem procurar respostas


a solução de factos, fenómenos, ou ate mesmo situações que vem surgindo no nosso dia-
a-dia, podendo assim passar á utilizar métodos bastante eficazes na procura de soluções
a diversas respostas. Neste contesta podemos então afirmar que o seu objeto de estudo é
o meio natural, e o métodos a utilizar são as fontes por onde iremos pesquisar,
questionando-se, mediante a origem do problema em si, como característica fundamental
na investigação de diversos fenómenos, e mediante a sua resposta poder sustenta-la
cientificamente.

Tendo em conta como e qual técnica podem ser consideradas, neste ponto todas as
técnicas qualitativas servem ser utilizadas.

Desde a entrevista, recolha de dados, análise de grupos em destaques, análises direita e


indiretas em participantes, em atribuição de valores numérico afim de observação, em
objetivos de análise de métodos estatístico.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 54
Toda e qualquer análise e abordagem qualitativa contem uma linguagem completa dos
argumentos em causa, e depois passada para fase em que é interpretada, e estudada as
ligações de sentido, que existe em uma delimitada cultura ou ideologia.

Neste tipo de abordagem vimos que a análise qualitativa não persevera em aspetos de
representação, foca-se simplesmente em sua problemática de competência externas, por
intermédio de táticas, tendo em vista posição mais vulgar ao decorrer do limite no terreno.

Vantagens e da pesquisa Qualitativo


Vimos que neste pequeno discurso analisado vimos que as vantagens, tem falado mais
que as desvantagens, por isso faremos uma breve abordagem em pontos extremamente
importantes no que toca vantagens e desvantagens na pesquisa qualitativas. Todos os
métodos de pesquisas possuem suas vantagens, neste ponto observaremos algumas das
vantagens da pesquisa qualitativas.

Sendo proporcional e de extrema clareza de questões em uma estrutura bastante vasta,


que não se manifesta de forma clara para um encadeamento intrínseco, dando uma
crescente competência de demonstração do problema social em análise, mediante a um
grande acoplamento de significados com certeza analisadas e os dados são usados em
análise total dos processos em causa.

Construção de Indicadores Qualitativos

A elaboração de uma pesquisa de investigação científica, o facto fluente denominado


conhecimento, e as diversas fontes informatizadas tem marcado um papel fundamental
na constituição de uma pesquisa qualitativa.

O que leva a ser feito um grande esforço em relação a evolução dos indicadores no que
toca a investigação qualitativa, vem insistindo em elementos abstratos, na qual são
notórias as teorias que indicam o quanto é importante o enlace da diversificação dos atores
no ato da elaboração dos meios, na qual da seguimento a evolução do intelecto cientifico,
em que o objetivo final, é o desenvolvimento e autenticidade dos critérios em analise.

Em analises feitas em que houve o uso de diversos conteúdos e em que diversidade de


atores voltados para métodos qualitativos, me vi dividido por vários conteúdos de grande
valia, os aspetos qualitativos é sem duvida de estrema importância no ramo do saber, por
ser estudada e analisada por diversos fatores sociais, cumprindo o seu dever em auxilio a
sociologia, psicologia, e a estatística, levando profissionais engajado em dar respostas a
tais situações, académicos, matemáticos, gestores a estudar as problemáticas que vem
surgindo no decorrer de dia a dia, e ano a pós ano, etc.

Ao pesquisarmos determinados problemas, temos que ter em conta a que tipo de pesquisa
estamos a elaborar, pois a um longo caminho a ser traçado desde a identificação dos
fenómenos em causa, a escolha da mostra, á coleta de dados, ao enorme processo que se
vem desenrolar até chegar a um resultado satisfatório, e a interpretação da conclusão do

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 55
trabalho é um longo caminho a seguir, que torna este trabalho bastante complexo e de
extrema importâncias.

3.7.3 - Método de investigação quantitativa

Ao contrário da análise feita por mim em métodos de investigação qualitativa, o método


quantitativo possui uma outra roupagem e abordagem totalmente diferente, por esse tipo
de pesquisa se basear em uma abordagem propriamente dita por muitos pesquisadores da
matéria, na qual chamam filosoficamente de abordagem positivista.

A análise quantitativa carrega consigo traços bastante tradicional por fazer parte das
ciências naturais, onde a matéria a pesquisar é de pouca quantidade e de pouca
objetividade e podendo ser medidas em escalas numéricas. Podendo reafirmar que as
alterações a serem analisadas são tidas por objetivas, na qual um leco de analista tiveram
todos os mesmos efeitos em diferentes tipos de pesquisas.

A pesquisa deste tipo de método é feita por intermédio de uma maneira de quantificar
dados, um feito ou teoria, na base de recolha ou coleta de informações, mediante as mais
diversas técnicas de apoios, podemos assim usar as ferramentas normalmente de
estatística na resolução de casos, mais embaraçosos em que implica uma maior pesquisa
de regressão, coeficiente de identidade, etc. Que é muito frequente em apresentação de
teses.

Técnicas Metodológicas

Dependentemente da pesquisa a ser investigada podemos efetuar em algumas situações


múltiplas decisões em relação a que estratégias metodológicas a serem aplicadas, neste
ponto as pesquisas são efetuadas favorecendo uma melhor adaptação, ou uma vasta e
envolvente, em relação ao conteúdo a ser abordado. Podendo assim serem denominados
de técnicas ou estratégias de inquirição ou investigação:

a. Apreciação de uma hipótese;


b. Reflexão e anotações integrantes;
c. Verificações fundamentais;
d. Ligeiras entrevistas ou mais abrangentes, semi-ordenadas, ordenadas, ou claras;
e. Experiencias vividas ou diferentes abordagens de análises biográficas em relação
aos biogramas;
f. As etnias em debates, grupos destacados ou técnicas idênticas;
g. As investigações construídas em diversas abordagens mediante aos objetivos da
pesquisa em curso.

3.7.3.1 - Métodos quantitativos

Com origem na prática exclusiva do historial das ciências espontânea ou naturais, em que
as variáveis analisadas são escasseias, requerendo capacidades em proporções numéricas.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 56
No momento de optarmos pelo método a ser aplicado na pesquisa devemos ter em atenção
as eventuais situações que surgirão em relação a escolha a executar, mediante as
distâncias ou as aproximações da pesquisa em estudo.

Neste tipo de abordagem em que implica a utilização de métodos científicos, e


reconhecida em conformidade aos dados retirados, na qual denominamos a este tipo de
pesquisa de quantitativa. Podendo assim caracterizar o método em análise, identificando
as suas principais especificações. A abordagem quantitativa especifica-se na ação
decorrente dos níveis de veracidade, e demonstra focalizando suas prioridades na
demonstração e divulgação de dados, conservando o índice e tendências em evidências.

Na real abordagem empiricamente dita, quero realçar que a intervenção lógica é mais
solene do que a operação matemáticas em análises quantitativas. Tornando-se mais
exclusivas a estatísticas, possuindo uma discrição linguística e muito convincente, a fim
de narrar as operações lógicas imprescindíveis á abordagens dos dados efetivos.

O que satisfaz a implementação de ferramentas estatísticas e matemáticas, na abordagem


quantitativa, permitindo uma atenuação em grandes quantidades de informações, em
relação a diversidades de indicadores que possuem capacidades de demonstrar as
características fundamentais do conteúdos em analises.

Podemos assim mensurar a quantidades de uma determinada característica mediante a


linguagem em função, ou ainda criar conjuntos, ou grupos entre diversos aspetos,
mediante a partilha de frequências sincronizadas. Neste contexto podemos dizer que isto
é uma das principais causas dos deslizes das críticas, propriamente feitas aos métodos
quantitativos, em que encontramos na transposição da ligação que se obteve mediante os
instrumentos matemáticos e estatísticos e as finalidades mais vastas das abordagens
empíricas quantitativas.

Umas das ferramentas bastantes utilizadas para as abordagens quantitativas, é a


estatísticas, com o seu conjunto de materiais capacitados para desenvolver diversas
abordagens no que concerne tal pesquisa. A metodologia de investigação quantitativa
utiliza a estatísticas para fins analíticos, por a estatística tem como principais ferramentas
os cálculos matemáticos.

Os métodos de investigação quantitativa é um tipo de métodos de coletas de dados


bastante eficazes na resolução de casos imprevisíveis, mais ainda á muito que se deve
fazer, para o desenvolver, e contribuir em relação da referente pesquisa, de modo a
melhorar tal processo de investigação.

3.7.4 - Energia e Potencia

Sem duvida uma área de grande utilidade pois o seu contributo é de modo a obter
resolução de diversos problemas de formação de transferências e partilha de energia, e
obtendo maior precaução com o meio ambiente.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 57
A imensa procura que vem surgindo da capacitação dos enormes esforços feitos por
diversos cientistas e estudiosos na matéria resultante das mais banais até os engenhos
mais reconhecidas, tecnologias de pontas inventadas desde tempos mais escassos até aos
atuais dias.

Desde séculos passados a necessidade de obtenção de melhores condições de vida, e de


responder melhor a grande problemática que existe em termos de energia. Tem levado
profissionais (engenheiro), do ramo da Engenharia de Energia a se capacitarem cada vez
mais, a fim de melhorar o quadro estrutural das nossas sociedades englobando seres de
problemáticas que advêm da constância do ser humano poder alcançar o conforto e a
procura de melhores condições de vida.

Podendo assim aplicar seus conhecimentos em varias áreas interligadas a energia, em


grandes e pequenas empresas. Sendo frequente a sua elaboração em laboratórios, e
centrais com finalidade de contribuir em projeto de criação de andamento e transformação
e partilha de diversas fontes de energia

Revendo o real papel económico e produtivo em gerar energia elétrica tem sido a
prioridade principal para os Ministérios das energias e águas (EDEL, e EPAL), que tem
desempenhados diversas campanhas a fim de informarem, e motivando a população local,
ao uso certo de energia elétrica, com objetivo de reduzir os exageros e o excesso, e através
das alterações do implementos e desenvolvimentos da produção de energia por fases e
grupos e empresas, e entidades privadas.

Energia: Toda a quantidade de trabalho que um processo ou ainda um sistema pode nos
transmitir, é definido por cientistas e físicos como energia, os físicos afirmam que a
energia não pode ser gerada, utilizada ou desfeita. Afirmando que a ação da energia pode
ser modificada ou entendida em diversidades de formas. A ação cinética do transitar das
moléculas de ar podendo ser alteradas em energia cinética de desempenho do rotor de
uma turbina eólica, em que pode ser modificada em energia elétrica por intermédio da
ação de um gerador implementado ao um rotor da turbina.

Em que o sistema de modificação de energia, em que uma parte de ação da estrutura é


frisada em função de calor ou energia térmica, em função do choque entre as engrenagens,
ou moléculas de ar e embates mecânicos da estrutura conversora da maquina. A ligação
que existe entre a ação que passa no processo de conversão e a energia que é extraída
desse processo denominado rendimento.

Frequentemente neste tipo de processo tem-se levado a mensura no desempenho de


geração de energia em quilowatt/hora mediante um determinado tempo. Vimos que a
unidade de energia é quilowatt/hora, e não só mente quilowatt, é um erro bastante vulgar
no ato deste processo confundirem tais unidades.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 58
Na verdade são muitos que confunde com energia elétrica, porem a engenharia da energia
e de modo mais calculada e de apoio fundamental na gestão de transporte, transmissão e
partilha e aplicação de energia. Vimos a sua utilidade e os referentes tipos de energia,
podemos então refletir o que seria do mundo atual sem a utilização da energia no seu
todo.

Podemos dizer que o mundo não seria o mesmo, as iluminações em habitações, o iluminar
nas vias, o movimentar dos veículos automóveis, o funcionar das turbinas, os motores a
combustão, os moinhos, as energias hídricas, combustíveis renováveis, e por ai a fora. As
sociedades e os homens em geral tornaram se dependentes de tais fontes de energias que
podemos dizer que agora mais do que nunca é impossível vivermos sem elas.

O real papel dos engenheiros de energia, esta no planear, no projetar e implementar


processos de produção de energia, realização de potenciais energéticos. O que os torna
diferentes e especiais. Vimos os reaproveitamentos das águas e de outros recursos
renováveis e não renováveis, em países como Brasil, Angola, EUA, Alemanha, etc.

Como foi inovada a máquinas a vapor, implementando a ela regularidade de


movimentação. Séculos procedentes vieram a surgir as máquinas programáveis. Porem o
surgimento das máquinas complexas, desenrolada no decorrer da guerra, implementadas
em aviões e navios militares, a sua utilização só foi um êxodo, em função ao desempenho
das tecnologias de automação aplicadas naquelas épocas pelas indústrias.
No desenrolar da segunda guerra mundial, constatamos o surgimento dos computadores,
maquinarias complexas e com especificações na memória e processamento de dados. A
implementação destes nos controladores, deram acesso a inovações mais concretas e de
modos bastante inteligentes.

4 - Capitulo 4

4.1 - Metodologia

O referente trabalho elaborado nesta tese sustenta-se, principalmente em pesquisas de


dados, consultas em sites da internet, recolhas e fontes de dados, consultas em materiais
de fontes em jornais e manchetes viradas a logística em Angola, livros e manuais de
diversas autorias, experiencia profissional do autor.

No que se refere ao contexto bibliográfico, constituiu-se uma profunda abordagem


associada com o assunto em análise. Foi examinada com pormenores uma grande
variedade de referências e temas bibliográficos de personalidades mais envolventes
pertinentes com a Logística de distribuição, em particular a de Angola, mediante as
existências de conteúdos que contem informações técnicas específicas, viradas na
Logística de distribuição nacional e internacional, sendo ainda em menor índice.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 59
A referente abordagem levou-nos a uma recolha de diversas dados na qual focou-se de
modo bem ligeiro sobre o real estado económico, financeiro e social do referente país
(Angola) em análise.

Ao estado dos materiais e livros com focos de maior abordagem vimos os “Angola Perfil
e Abordagem Comercial 2012; Internacionalização da Economia de Angola; Logística de
Distribuição Angolana; Corredor do Lobito em Angola 2014; Jornal Expansão; Logística
em Angola: Desafios Atuais e perspetivas de desenvolvimento 2014; Ballou 1999”.

Porem no que respeita a dados económicos, financeiros e sociais evidencia a relatórios


emitidos pelas “Angola Economic Update; Logística e obra de Construção em Angola;
Estudo Económico e Financeiro de Angola 2015; Relatórios de Gestão de Contas 2013.

Tive um cuidado imenso de rever em diversos temas que tiveram impactos positivos, em
jornais locais, nacionais “ Jornal Expansão, Jornal de Angola, e Angop”. Pude contar com
dados logísticos e económico de Empresas como Sonangol Distribuidora, Alfandegas,
Mota Engil Angola e a Delloite. Mais de uma boa parte do conteúdo Obtido pelos mais
diversos temas e abordagem de trabalhos feitos e expostos em páginas de Internet.

Quero também realçar a minha experiencia profissional, ao longo de quase 9 anos em


vários departamentos logísticos, como a atual função de Analista de aprovação de compra
e Gestor de stock, e MRP, como gestor e de clientes e contratos, avaliação e controle de
pessoal, que me possibilitou fazer uma abordagem mais específica e precisa na elaboração
desta tese, e que permitiu ter um ponto de vista para sugestões mais abrangentes e críticos
no referido sector logístico de Angola.

O desenvolvimento desta tese desenrolou-se mediante á uma estratégia de obtenção e


aprendizado de conhecimentos e informações de modo evolutivo, em que se traçou
diversos passos consecutivos que contou com o seguinte:

Compreende como objetivo fundamental aprender mais sobre o tema em análise


(Logística), mediante a uma abordagem parcial e global, no contexto geral dos sectores
de distribuição de Logística. Me levou a aprofundar mais sobre a pesquisa no âmbito de
estruturação de Angola, levando-nos a conhecer mais sobre o contexto histórico e real do
país.

Reconhecendo os mais distintos problemas e desafios que o país enfrenta e entender os


problemas inerentes, e procurar respostas para a sua resolução das diferentes fases da
Logística de distribuição de Angola.

Esta tese encontra-se estruturada em 6 capítulos.

i. Capítulo 1 faz-se uma breve apresentação e resumo do trabalho.


ii. Capítulo 2 desenvolve-se um pouco o conceito de logística, primeiro em
conteúdos mais genéricos e, depois, na perspetiva mais específica da distribuição
de Logística.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 60
iii. Capítulo 3 caracteriza-se o atual estado económico, e financeiro e social de
Angola, focando-se os aspetos mais relevantes para a distribuição de logísticas.
iv. Capítulo 4 será feita uma abordagem da metodologia, da organização e das bases
bibliográficas principais em uso neste trabalho.
v. Capítulo 5 apresenta-se uma síntese das principais propostas de solução para os
problemas mencionados nos capítulos anteriores.
vi. Capítulo 6 especifica-se as conclusões gerais resultantes deste.

5 - Capitulo 5
5.1 - Estratégias e Técnicas
Dados: Atividades logísticas em pleno processo de reconstrução nacional

Vimos que desde 2002 á 2015, o país tem vindo a constatar uma variação da base do PIB
do país. Focando que o sector petrolífero ainda permanece responder em media a 35% do
volume criado no território nacional em 2014. A certeza é que a hipótese era notória de
pelo menos em media de antes de atingir 12 anos, que reflete em uma percentagem de
46% de todo produto. No sentido reverso, os distintas áreas foram evoluindo em grande
velocidade do que o petrolífero, atingindo uma media de enorme eficiência no PIB
nacional.

Aproveitando esse ponto podemos observar que as outras áreas evoluíram de modo
significativo, em relação quando avia uma dependência total ao petróleo. Mais ainda é
notório a influência que o petróleo tem para a referida economia Angolana. Neste ponto
quero evidenciar sectores que o governo devia investir mais e que seria uma proposta
viável para o futuro do país, educação, agricultura, saúde, e outros.

Neste contexto vimos que na realidade atual os que mais se destacam são os de ação
Mercantis, a construção e a agricultura, e a indústrias geradoras, ou transformadoras. As
áreas petrolíferas alcançaram em 2002 á 2008 uma taxativa de evolução media alta, do
que as demais áreas. Os sectores não petrolíferos, sendo indústrias transformadoras e a
edificação das áreas de maior escala, que teve uma elevação sustentadamente boa em
relação ao sector petrolíferos.

Reparamos que desde ano 2008, a economia angolana tem sido alvo de fortes embalos
pois com a redução do petróleo internacionalmente, levou o país a focar em outros
horizontes apostando na diversificação da economia nacional, originando uma caminhada
em direção bastante positiva.

Porém vimos que os volumes usual que transita entre 2008 á 2014, a áreas de petróleo
parou, mediante a vária alternância, caminhamos a diferenciar-se indeciso das áreas de
Ouro e Diamante, que em 2002 já tinha calculado.

Áreas de Agricultura e indústrias transformadoras demonstram uma alta crescente, em


uma média que ronda acima dos 21% por ano.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 61
Porem a partilha do PIB angolano em períodos de 2002, 2008 e 2014 entre as áreas de e
não petrolíferas apresentam altas evolução da diminuição do domínio do petróleo pela
economia do país verificada nos últimos anos.

Os enormes objetivos:

Elevar as atividades domésticas;


Minimizar o domínio das importações nacionais;
Tornar mais forte o sector empresarial;
Incentivar a geração de novos empregos;
Variar bases de receitas fiscais e de divisas.
O mercado económico em Angola em 2015 resume-se na diversificação das seguintes
áreas de produção;

Cadeia de Energia e água;


Cadeia de Agricultura e pescas,
Cadeia de Alimentação e agro Industria;
Cadeia de Habitação;
Cadeia de Transporte e Logística
Cadeia de Atividades Extrativas;
Cadeia do Petróleo e Gás Natural;
Cadeia do Turismo e outros serviços.
A velocidade do sistema de variações da economia. O objetivo dos clusters, ou cadeias
sustenta-se em uma aliança mutuamente vantajosas que a entre o Governo, e outros
Estados, ou as organizações nacionais e as internacionais. O Governo controla a bases
das fundamentais cadeias (clusters), causando a evolução dos enormes investimentos
públicos e vigente como dirigente.

 O empresariado angolano controla os planos, servindo-se da informação e brechas


de ingresso ao local, bem como vantagens de que se tem no ingresso ao crédito e
até a particular cedência dos trabalhos.
 O empresariado internacional conte a tarefa de aporte de Know-how e
investimento bastante promissivo para o alcance da operação em qualquer plano.
As cadeias desintegram-se em sistemas controlados, juntando-se a sistemas de
investimentos que aumentam a variação económica, na qual espera-se com esse sistema;

 Elevar a produção do país, no que toca bens de consumo geral;


 Reduzir as importações;
 Diminuir a imposição mediante as dividas contraídas.
Ponto de vista do crescimento

Os olhos de Angola, não estão só voltados no mercado nacional, mais ainda, na


aproximação dos mercados regionais.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 62
A SADC, conta com duzentos milhões de consumidores da CEAC, em média de duzentos
milhões de consumidores do comércio tripartido. Adicionando todo estes mercados temos
em media seiscentos milhões de consumidores.

5.1.2 - Angola inclusa contexto da integração económica em Africa

O mercado abrangente da Africa Oriental e Austral (SADC), A comunidade para o


desenvolvimento da Africa Austral (EAC). A comunidade dos países da Africa do Leste,
conta com uma média acima de quinhentos e vinte e sete milhões de pessoas e um PIB
que ronda na taxa de seiscentos vinte e quatro milhões e milhões de dólares, na qual com
vinte e seis países membros do tripartido formam 57% da população da União Africana
(UA) e uma média de 58% em média de subsídio ao PIB.

Sendo que o Tripartido terá um papel fundamental na edificação da Comunidade


Económica Africana (CEA).

a. A estabilidade política e social.


b. O estreitamento do nível de inflação para um só ponto.
c. A pauta aduaneira influencia na produção Angolana.
d. Renovação na lei de investimento de particulares (privados), no fazer frente as
divergências regionais ao desemprego e á pobreza.
e. Estabilidades politicam económica.
f. Investimentos em sectores prioritários.
g. Situação legislativa cativante.
h. Estimulo ao investimento mercado económico no país.
5.1.3 - Resultados obtidos
i. Pesquisar o mercado e a melhor forma estratégica a fim de incorporar um sistema
de plataforma logística por todo território nacional e permitir o escoamento de
mercancia e produtos a tempo e hora que os clientes ou consumidores desejam.
ii. Caracterizar a localização exata do mercado de distribuição e o transporte e
logística em uma forma de formar um corredor que permite maior viabilidade
entre as 18 provinciais e as suas principais cidades e localidade.
iii. Discernir e selecionar os mais variados projetos consideráveis e entusiasmo de
evolução na busca de exercícios de atividades em exercícios de transporte.
iv. Rever politica e assinalar os mais distintos serviços de transporte regionais e
internacionais marítimos que são estruturas do comércio externo do país.
v. Alinhavar o cenário de desenvolvimento de capacidade de mercadorias a
movimentar nos distintos seguimentos do país.
vi. Mencionar as saídas logísticas, evidenciando as pesquisas de intermodalidade
rodo ferroviário, e os processos de informações de coluna e sustento.
vii. Controlo e técnicas para a evolução do negócio de opções logísticas e transportes
nos distintos pontos de Angola.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 63
5.1.4 - Analise dos resultados
i. Reconhecer as técnicas de negócio com uma análise construtiva a um prazo mais
extensivo. Mediante as Infraestruturas de parcerias técnicas
ii. Credibilização da busca na área em média de parcela de exercícios da logística e
aprovisionamento.
iii. A região Angolana localizada na região ultraperiférica tem da margem de busca
da logística dificuldade particulares solicitadas pela sua extensão económica e
pela normalização traduzida e de arquipélagos.
iv. Os paradigmas de como foi estruturado a superfície continental, a concessão de
Angola Logístico tende a ser desenvolvido, em razão maioritária, para a dimensão
das regiões de insulares (ilhas).
v. A obrigatoriedade de apagar ou reduzir os problemas do status ultraperiférica, por
intermédio de uma técnica de contexto mais abrangente no meio do processo
logístico nacional, e global, sendo referida características em alerta do
comprimentos e extensões atlântico e acontecimentos nas áreas da América do
Norte Latino.
vi. O prolongamento da eficiência respetivas e crescimento da obtenção aos
mercados internos e externos, por intermedio de inovadas formas de eficiência
logísticas.
vii. Dinamização do exercício económico interinsular e aumento da exportação, com
estruturas em autorizar que a logística, busque a diminuição dos custos de
exportações.
viii. A efetivação de atividades logísticos de aspetos intercontinental, no crescimento
e exploração das infraestruturas marítimas e setores das regiões insular.
ix. Significado da técnica para o crescimento logístico da área insular.
x. Pesquisar da oportunidade económica do começo de um novo laço logístico na
área insular em segmento.
xi. Abertura dos planos de introdução e de financiamento da estrutura logística no
país em geral.

6 - Capitulo 6

6.1 - Conclusão

A logística de distribuição vem, percorrendo uma longa estrada marcante de obstáculos e


de distintas etapas, que vem modelando ano após ano de história no contexto geral,
criando diversas conclusões, e distintas teorias. Porem no decorrer da segunda guerra
mundial, a logística teve o seu desenvolvimento, para muitos o seu inicio, sendo
desenvolvida no âmbito militar a fim de dar resposta a enormes situações militares no
âmbito de aprovisionamento e armazenamentos de materiais como munições, armas,
maquinarias, alimentação, e tratar da sua distribuições em todos os locais aonde tinha um
soldado dos EUA, onde mais tarde foi desenvolvida e até os dias de hoje tem sido
implementadas em contextos comercial.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 64
Em Angola não foge muito das regras, pois teve um papel fundamental na luta de
libertação Nacional e anos mais tarde na conquista da paz em 2002 e até aos dias de hoje
tem sido fator bastante eficaz na fase de reconstrução nacional, sendo considerada pelo
banco mundial como o pilar de sustentabilidade de um país.

O mercado económico em território de Angola tem perspetivas de crescimento bastante


convincente, em 2015, pois a sua localização geográfica e económica, em que as
mensuras para estudarmos as ações de minimizar do preço do petróleo, o sistema de
variação da economia que decorre de 2002 á 2014, com uma velocidade no sistema de
variação da economia e o plano nacional do desenvolvimento (PND).

Pois países como Angola envolvido no plano da integração económica do Continente


Africa, as resoluções prévias do mercado económico em Angola.

Angola é vista por muitos países europeus, como a solução para os seus problemas
financeiros e económicos. Como um país como Angola com uma localização geográfica
na costa ocidental do continente africano, em que o seu território fundamental é limitado
ao norte e nordeste pela vizinha Republica Democrática do Congo, e na parte leste pela
Zâmbia, e na parte sul pela vizinha Namíbia, e no oeste é banhada pelo oceano atlântico,
contendo uma extensão geográfica de 1.246.700 km2, numero obtido no ultimo censo
realizado em Maio de 2014, na qual consta uma população estimada em 24,3 milhões de
habitantes, sendo 48% em uma media de 11,8 milhões são Homens, e os outros 52% em
uma media de 12,5 milhões são Mulheres.

Sendo que a capital do país Luanda ronda em media de 27% estimativa de 6,5 milhões do
Mercado económico do país.

A economia do país, atualmente, é estruturada mediante as áreas produtivas como


petróleo e outros mineiras, e recentemente apostas em indústrias e agricultura, e a
eventual evolução são melhores entendidas á claras, do que no passado foi desempenho
económico, denominada perante o longo domínio colónia. Analisando o passado vimos
que tínhamos potenciais recursos como a borracha em media de 65% das exportações de
Angola isso nos anos de 1908.

Mais a frente pode ver que já tivemos na rota dos grandes produtores de café isto em
meados de 1946 á 1972 se considera o facto de ser considerados como um dos principais
exportadores do café. Gostaria de evidenciar outros produtos como o sisal, e produtos de
pescas, o algodão.

O desenrolar da evolução das industriais produtoras que decorria entre 1960 á 1972, sendo
exclusivamente estimável em três fases: petróleo, diamante e ferro. A grande variedade
de industriais transformadoras, foram os essenciais nesta época, repartindo-se em quatros
áreas básicas reconhecidamente a alimentação, tabaco, têxteis e tabaco, deram seus
contributos em média de 64% do geral das industriais. Sendo que o fabrico e manufatura
de alimentos e bebidas atingiam em media um total de 47% do números total.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 65
Notava-se a ausência de sectores modernos das indústrias químicas básicas e esforçadas,
das fábricas de maquinarias de óticas, e máquinas de precisão e outros como a eletrónica,
de instrumentos de transportes, e de reciclagem fabril. Com o desenrolar da luta de
libertação nacional o país viu-se mergulhado em um período agitado de guerra. Que no
decorrer dessa etapa, a base produtiva de Angola mergulhou a um declino bastante crítico,
passando por atrofiada de grandes partes das áreas habituais produtivas.

Terminado o período de dependência colonial, não muito tempo entramos em período de


guerra fria onde vimos as mais derradeiras destruições de toda e qualquer infraestrutura
nacional. Sendo de 1975 á 2002, a cotização média de crescimento do PIB rondou de
2,4%, sendo que o capital implementado alcançou uma elevação média por ano de quase
2,4%. Na qual originou por parte dos órgãos do Estado um esforço enorme, devido a
quase nenhuma existência de sector particular naquela altura.

O reflexo tem originado o rápido efeito resultante da tensão petrolífera em 2014, o que
mexeu com a economia do país por ter a sua economia voltada em 95% das exportações
do precioso líquido o petróleo. Um outro problema é a redução em massa das divisas em
todo território Angolano e, presenciamos uma enorme tensão que paira nas reservas
cambiais.

O índice dos preços reduzidos dos barris de petróleo causou na economia do país, um
restabelecimento das despesas públicas a fim de proporcionar dar suporte a agenda do
desenvolvimento de todo país.

No passado mês de Março do presente ano corrente, foi elaborada uma verificação do
OGE para o presente ano de 2015. Em que o preço intermediário do petróleo foi
estipulado em 40 USD por barril, que é opostamente dos 80 USD que se esperava de
inicio. Reparamos no imenso esforço que o governo angolano tem carregado de combater
face a esse desafio, tendo recomendado as forças inclinadas a reduzir o efeito pernicioso
da eventual crise do petróleo.

A continuidade da estabilidade do estado geral de preços, permanecendo a inflação em


um só ponto, definido em percentagem de 9%. Do manejo do nível das reservas internas
líquidas (RIL), permanecendo o seu resultado a um ponto do reduto de 5 meses de
importações de bens e serviços.

Porem evidencia a diminuição de pelo menos 33% das despesas públicas que contávamos
para o OGE de 2015. A elevação das receitas não petrolíferas ou patrimoniais e
tributárias, e as variações da economia nacional no período de 2015.

Com toda a sua evolução da logística em território Angolano, e as infraestrutura que desde
2002 para tem sido restauradas e feitas de raiz, conclui que ainda precisa-se de mais
esforço e desempenho por parte de todo coletivo governamental e empresas privadas e
públicas, para que no máximo até 2030 possamos ter uma distribuição de logística com
grande índice de desempenho e maior viabilidade em todos sentidos.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 66
6.1.1 - Recomendações

Quanto a tudo que acabamos de abordar, vimos que Angola como um país com uma
experiencia baseadas em grandes entraves políticos, económicos e sociais, com um longo
percurso de conquista pelas suas ideias. O desenvolvimento da logística estabelece um
ponto crítico na criação de benefícios e no desempenho da eficiência do coletivo
empresarial nacional, organizando, em último caso, grandes vantagens para os
consumidores finais.

Angola vive e depende do petróleo como nos relata as diferentes etapas que presenciamos
no trabalho. Já reparamos em um esforço do Governo ao combater contra a não
dependência do petróleo.

A uma necessidade de se estender e averiguar entre as maturidades da logística e


economia do país nos dias de hoje, e com o fundamento na informação da realidade do
país que se estipulara, ou criaremos um rumo para o futuro da nossa logística, com o
aglomerar das infraestruturas e o crescente da logística de Angola que tem demonstrado
uma sustentabilidade, embora débil de um processo impulsionador do percurso de
desenvolvimento que é desejado pelo país.

Temos que ter em atenção as prioridades de dar continuidade de forma construtiva aos
mais variados esforços que se tem feito, dedicando um número de tentativas em
reconhecer as falhas, erros e qualquer que seja os pontos fracos e débil, e reconhece-los,
e dai, uma vez reconhecendo-os tentar implementar meios a fim de dar respostas a essa
situação rumo ao desenvolvimento das capacidades logísticas.

No que toca aos estados das infraestruturas, e do enquadramento, frequentes, e formação


constante dos seus profissionais.

No que se refere a serviços e ofertas de serviços logísticos e de distribuição, é fundamental


que se cria um meio de incentivar novas e empresas, ou operadoras com mais capacidades
e eficiência nos seus trabalhos, pois ainda é de um número bastante inferior as locadoras
e prestadoras de serviços de distribuição, pois as que temos são de um número
insuficientes para atender a demanda do mercado comercial e logístico em toda Angola.

Criando mais empresas a mais empregos, mais concorrência e melhor viabilidade das
mercantis, e acima de tudo melhores serviços.

Sendo que o desempenho geral das cadeias de abastecimento gera em torno da rapidez e
eficiência de entregas, a tempo e hora que os clientes desenham.

Neste ponto gostaria de mencionar que o crescimento e desenvolvimento do país e da


sociedade no seu todo, e as consequências bastantes positivas a níveis diversificados,
proporcionado enormes vantagens de máxima eficiência nas organizações, e altos índices
processuais e custos bastantes reduzidos, e o desenvolvimento de um conjunto de
eficiência dos trabalhadores.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 67
Os nossos portos estão bem servidos de infraestruturas modernas das mais inovadas,
porem ainda nota-se um certo atraso e um péssimo desempenho a nível profissional dos
demais colaboradores, em tudo vimos que carece de uma melhor atualização de seus
quadros e funcionários.

Contudo que acabamos de referir gostaria de afirmar que mais vale poucos eficientes do
que muito sem fazer nada. Ou ainda ter as pessoas certas no lugares certos.

6.1.3- Referencias Bibliográficas

Adoor. Neto, Área Temática Gestão de Operações e Logística. 2010.

Ápex. Brasil, Angola Perfil e Oportunidades Comerciais. 2012.

Banco. Bic, Internacionalização das Economias. Junho 2014.

Banco. Mundial, Angola Economic Upadate. Junho 2013 vol 1.

Caldeirinha. Victor, Os Portos Angolanos ser Hubs de Transhipment e Transito.

Carvalho, A Logística Historia, Conceito e Evolução. 2002.

Carvalho. Paula, Felino. Luísa, Duarte. Vânia, Angola”Estudo Económico e


Financeiro”. Jan. 2015.

CEIC, CMI, O Corredor do Lobito em Angola. Abril 2014 Nº7. Volº 4.

Costa. Joana, Logística Externa de Materiais e As Dificuldades em Obras de


Construção em Angola. Fev. 2009.

Deloitte, Logística em Angola; Desafios Atuais e Perspetivas de Desenvolvimento.


Março 2014.

Diana. Medina. F, Distribuição e Logística 2006.

Lima. Roberto, Logística da Distribuição de Materiais em Pavimento Rodoviário.


Setembro 2003.

Moori. Roberto. G, Gestão da Cadeia de Suprimentos de Produtos Exportados para


Angola. Junho 2009.

Sonangol. Distribuidora, Relatório de Gestão e Contas. Março 2014.

Vieira. Thaisa. R, A Engenharia de Tráfego na Logística de Transporte. 2014.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 68
6.1.3 - Fontes da internet

Www.iirangola.com.
Www.macauhub.com.mo/pt.
www2.deloitte.com/content/dam/.../brochura logística Angola web. Pdf.
http://www.mitecnologico.com/Main/HistoriaDeLaLogistica.
Www.empregopelomundo.com/.../angola distribuição logística e industria.
Www.portalangop.co.ao/angola/.../Executivo quera lar garred-logistica.
Www.logistema.pt/pt/artigo/logsticaemangola1.
Www.logistema.pt/pt/artigo/logsticaemangola3.
www.logisticaytransporte.org/logistica.

6.1.4 - Outras fontes de informações

Jornal Expansão, Logística Em Angola I, II, III. 2014


Jornal de Angop. Transportes e combustão 2008
Jornal de Angola, Infraestruturas logísticas 2008 á 2015
Jornal Exame, A Queda do Comercio Entre Angola e China no Primeiro Semestre de
2015.

These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 69
These: Distribution Logistics in Angola and the assistance of the Industrial Energy 70

Оценить