Вы находитесь на странице: 1из 8

O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO - PARTE II

D. Gestão da BE

D.1. Articulação da BE com a Escola/Agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE

Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação

D1.1. Integração da BE na  A Escola inclui a BE na formulação e  Excertos da documentação  Os documentos institucionais do


Escola/ Agrupamento desenvolvimento da sua visão/missão, institucional que define os Agrupamento traduzem a integração da
princípios e objectivos estratégicos e objectivos e regula o BE na formulação de desenvolvimento
operacionais. funcionamento da Escola. da sua visão/missão, princípios e
(Projecto Educativo, Projecto objectivos estratégicos e operacionais.
 O professor coordenador participa no Curricular do Agrupamentos,
Conselho Pedagógico e nos restantes Regulamento Interno, Plano  A professora coordenadora participa
órgãos de planificação/decisão pedagógica. Anual de Actividades do no CP e nos restantes órgãos de
Agrupamento). planificação/decisão pedagógica.,
nomeadamente na equipa para
 São desencadeadas acções com vista à  Documentos que regem o elaboração do Plano de Formação do
partilha, discussão e aprovação da missão e funcionamento da BE Agrupamento.
objectivos da BE nos Departamentos, (Regulamento da BE do
Conselho Pedagógico e no Conselho Agrupamento e Normas de  São desencadeadas acções com vista à
Geral. Funcionamento da BE da partilha, discussão e aprovação da
Escola Sede e das BEs Pólos). missão e objectivos da BE nos
 O Regulamento Interno da Escola Departamentos, Conselho Pedagógico
contempla os seguintes aspectos:  Plano Anual de Actividades da e no Conselho Geral.
 Missão e objectivos da BE; BE.
 Organização funcional do espaço;  O Regulamento Interno da Escola
 Organização e gestão dos recursos  Registos de reuniões/contactos. contempla os seguintes aspectos:
humanos afectos à BE;
 Serviços prestados à comunidade  Missão e objectivos da BE;
escolar no âmbito do Projecto  Organização funcional do espaço;
Educativo;  Organização e gestão dos recursos
 Regimento e funcionamento da BE. humanos afectos à BE;
 Serviços prestados à comunidade
escolar no âmbito do PE;
 Regimento e funcionamento da
BE.
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação
 O Plano de desenvolvimento da BE
 O Plano de desenvolvimento da BE acompanha, em termos de acção
acompanha, em termos de acção estratégica, o PE do Agrupamento.
estratégica, o Projecto Educativo da
Escola.  O PAA da BE relaciona-se, em termos
de objectivos operacionais, com o
 O PAA da BE relaciona-se em termos de PAA da Escola, colocando a BE ao seu
objectivos operacionais com o PAA da serviço.
Escola, colocando a BE ao seu serviço.
 A BE partilha objectivos estratégicos e
operacionais e recursos,
 A BE partilha objectivos estratégicos e nomeadamente recursos documentais,
operacionais e recursos, nomeadamente com outras bibliotecas, nomeadamente
recursos documentais, com outras as que integram a RBEP e a Biblioteca
bibliotecas. Municipal de Gondomar.

 A BE adequa os seus objectivos, recursos e  A BE adequa os seus objectivos,


actividades ao currículo nacional, ao PCE recursos e actividades ao currículo
e aos projectos curriculares das turmas. nacional, ao PCE e aos PCTs.

 A BE é encarada como recurso


 A BE é encarada como recurso fundamental no desenvolvimento do
fundamental no desenvolvimento do gosto gosto pela leitura (destaque-se o
pela leitura, na aquisição das literacias Projecto de Leitura do Agrupamento
fundamentais, na progressão nas “Meninos que gostam de (ouvir) ler”,
aprendizagens e no sucesso escolar. criado e dinamizado no âmbito do
PNL), na aquisição das literacias
fundamentais (destaque-se o Projecto
“Da Informação ao Conhecimento”,
criado e dinamizado no âmbito do
desenvolvimento da 6ª competência
geral do Currículo Nacional do Ensino
Básico), na progressão nas
aprendizagens e no sucesso escolar.

1
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação

D.1.2. Valorização da BE  O Conselho Executivo apoia a BE e  O CE apoia a BE e envolve-se na


pelos órgãos de gestão e de envolve-se na procura de soluções  Registos de projectos de procura de soluções promotoras do seu
decisão pedagógica promotoras do seu funcionamento. articulação. funcionamento.

 O Conselho Executivo põe em prática uma  Documentos de gestão da  Apesar de compreender a necessidade
política de afectação de recursos humanos escola. de pôr em prática uma política de
adequada às necessidades de afectação de recursos humanos
funcionamento da BE.  Documentos de gestão da BE. adequada às necessidades de
funcionamento da BE, o CE tem
 Os orgãos de gestão estabelecem dificuldade na constituição de uma
estratégias visando a articulação entre a equipa multidisciplinar, com formação
BE, os vários departamentos e os orgãos especializada e com um número de
de planificação. horas significativo para o desempenho
das suas atribuições (os docentes com
 A BE está contemplada nos projectos e perfil para a equipa nem sempre
actividades educativas e curriculares da dispõem, por imperativos legais, do
Escola. tempo necessário e/ou são
imprescindíveis noutras funções).

 A BE dispõe de uma verba anual para o  A essencialmente a BE que está atenta


seu funcionamento, para a renovação de e alerta para a necessidade/
equipamentos e para a actualização da oportunidade de se estabelecerem
colecção. estratégias visando a articulação entre
a BE, os vários departamentos e os
órgãos de planificação.

 A BE não só está contemplada nos


projectos e actividades educativas e
curriculares do Agrupamento como é,
em muitos casos, a grande
impulsionadora/ mentora dos mesmos
(projectos para o desenvolvimento da
leitura e literacias, por exemplo).

2
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação

 A BE dispõe de uma verba anual para


o seu funcionamento, renovação de
equipamentos e actualização da
colecção, de acordo com orçamento
apresentado no PAA da BE.

 A BE funciona num horário contínuo e  Horário da BE.


alargado que possibilita o acesso dos  A BE funciona até às 17 horas, e as
D.1.3. Resposta da BE às
utilizadores no horário lectivo e  Estatísticas de ocupação da BE. actividades lectivas só terminam às
necessidades da escola e dos
acompanha as necessidades de ocupação 18:30 h; no entanto, pode ser utilizada
utilizadores.
em horário extra lectivo.  Registos de actividades por grupos-turma neste período
promovidas pela BE. horário, sob a responsabilidade do
 Os recursos e serviços da BE respondem às professor curricular, desde que a acção
metas e estratégias definidas no Projecto  Questionário aos alunos (QA4) seja previamente acordada com a
Educativo e Curricular da Escola. e professores (QP3) Equipa da BE.

 De uma forma geral, os recursos e


 A BE cria condições e é usada como serviços da BE respondem às metas e
recurso e como local de lazer e de trabalho estratégias definidas no Projecto
pelos utilizadores. Educativo e Curricular do
Agrupamento, apesar da existência de
mais e melhores recursos poder
 A BE apoia os utilizadores no acesso aos contribuir para optimizar a qualidade
equipamentos. do trabalho desenvolvido (actualização
dos computadores, mais recursos
 A BE apoia localmente a leitura, a documentais livro e não-livro, uma
investigação e a pesquisa/uso da fotocopiadora, por exemplo).
informação.
 A BE cria condições e é muito
utilizada como local de lazer e de
 A BE alarga os seus objectivos e
trabalho dos utilizadores, conforme o
actividades às restantes escolas da
testemunham as estatísticas de
localidade onde está inserida.
ocupação da BE. Foi nosso objectivo
fazer uma avaliação da frequência da
 BE assume-se como pólo de fomento e de
BE ao longo do ano escolar transacto,
difusão cultural na Escola.
tendo-se, para tanto, criado, por
exemplo, uma ficha de registo de

3
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação
frequência, que convidámos os alunos
a preencher, sempre que frequentavam
o espaço, ao longo de um mês de cada
período lectivo seleccionado, tomado
como referência para o período
respectivo. Importa referir que o
procedimento ficou um pouco aquém
das nossas expectativas, pois, por
vezes, os alunos esqueciam-se de
proceder ao registo e/ ou em certos
“momentos da vida escolar”, como os
intervalos, a grande afluência não
tornava este tipo de registo viável.
Ainda assim, a publicitação dos
gráficos, no final dos meses testados,
era um ponto alto na animação da BE,
pois os alunos dos diferentes anos de
escolaridade gostavam de ver qual a
posição das sua turma em relação às
restantes.
 A BE apoia os utilizadores no acesso e
manuseamento dos equipamentos,
estando atenta a necessidade de novos
investimentos e reparações.

 A BE apoia localmente a leitura, a


investigação e a pesquisa/uso da
informação e articula, ainda, este
trabalho com o trabalho de sala de
aula, tomando a iniciativa de criar e
divulgar diversos documentos
orientadores, tais como guias, guiões,
etc.

 A BE alarga os seus objectivos e


actividades a todas as escolas do
agrupamento e ainda a outras escolas

4
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação
da localidade onde está inserida, com
quem agenda reuniões de trabalho (ex.:
Escola Secundária de Rio Tinto e
Escola EB 2/3 de Jovim).

 BE assume-se como pólo de fomento e


de difusão cultural no Agrupamento,
divulgando múltiplas actividades e
promovendo outras, envolvendo a
escola sede, o agrupamento e/ ou
outros parceiros.

 A BE elabora anualmente o Relatório


de Actividades a apresentar ao CP e a
enviar à RBE e à DREN, em
conformidade com a legislação em
vigor; actualmente, encontra-se a
iniciar a implementação do Modelo de
Auto-avaliação proposto pela RBE

 A BE implementa um sistema de avaliação  Recolha de informação com  A BE elabora anualmente o Relatório


D.1.4 Avaliação da BE. contínuo. recurso ao sistema de Actividades a apresentar ao CP e a
automatizado de gestão enviar à RBE e DREN, em
 São criados instrumentos de recolha de bibliográfica. conformidade com a legislação em
informação, que são implementados de vigor; actualmente, encontra-se em
forma sistemática.  Registos de observação, fase de implementação do Modelo de
questionários, entrevistas ou Auto-avaliação proposto pela RBE
 A informação recolhida é analisada, outros realizados no âmbito da
originando acções ao nível da gestão e do avaliação interna da BE.  A BE cria instrumentos de recolha de
funcionamento da BE.  Excertos de documentação e informação, que são implementados de
relatórios relativos ao forma sistemática tais como: ficha de
 Os resultados da avaliação são divulgados funcionamento da BE. registo de frequência; ficha de
junto do Conselho Executivo, junto dos requisição domiciliária (brevemente
órgãos de decisão pedagógica e da restante será substituída pela utilização do
comunidade, com o objectivo de promover módulo de empréstimos do
e valorizar as mais-valias da BE e de Bibliobase); ficha de registo de fundo
alertar para os pontos fracos do seu documental disponibilizado para sala

5
Indicadores Factores Críticos de Sucesso Instrumentos de Recolhas de Evidências extraídas dos instrumentos a
Evidências integrar no Relatório de Auto-avaliação
funcionamento. de aula, etc.)
 Os resultados de cada avaliação originam,
quando necessário, a redefinição de  A informação recolhida é analisada,
estratégias e novas planificações. originando acções ao nível da gestão e
 São realizadas actividades de do funcionamento da BE, mas com
benchmarking. dificuldade, pois é imprescindível uma
equipa com maior disponibilidade e
mais apetência para estas tarefas
(importância de integrar um docente de
Matemática, por exemplo); importa
ainda implementar um processo mais
eficaz para o registo da frequência da
BE.

 Os resultados da avaliação são


divulgados junto do Conselho
Executivo, dos órgãos de decisão
pedagógica e da restante comunidade,
com o objectivo de promover e
valorizar as mais-valias da BE e de
alertar para os pontos fracos do seu
funcionamento, mas é preciso dar
ainda mais ênfase e maior rigor a este
ponto.

 Os resultados de cada avaliação


originam, quando necessário, a
redefinição de estratégias e novas
planificações.

 Não são realizadas actividades de


benchmarking.

6
Referências Bibliográficas:

 Texto da Sessão, disponibilizado na Plataforma


 RBE, Bibliotecas Escolares: Modelo de Relatório de Auto-Avaliação, disponibilizado na Plataforma
 RBE, Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação [em linha] (Abril-2008), disponível em http://www.rbe.min-
edu.pt/np4/?newsId=31&fileName=Modelo_de_avaliacao.pdf (acedido em 1/12/2008)
 RBE, Bibliotecas Escolares: Modelo de Auto-Avaliação (Instrumentos de recolha de dados) [Em linha] (Abril-2008), disponível em
http://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=31&fileName=Modelos_instrumentos.pdf (acedido em 1/12/2008)

Trabalho realizado pela formanda: Manuela Maria Baptista