Вы находитесь на странице: 1из 36

F oi o ano de 1992 que Deus escolheu para o meu

nascimento, nasci em Pancas, interior do Espírito Santo,


Brasil, uma cidade pequena de uns 7 mil habitantes, vim de
uma família de classe media e foi logo após o meu
nascimento que os meus pais conheceram Jesus como único
salvador.
Sobre o meu nascimento minha mãe relata que após
quatro filhos, todos homens, meus pais decidiram ter uma
menina e mesmo nessa época não serem evangélicos, oravam
a Deus para que lhes dessem uma filha. Após alguns meses
minha mãe engravidou e para surpresa da família era uma
menina, mas do mesmo modo que a alegria veio após alguns
meses de gestação a tristeza tomou conta da família, pois
minha mãe havia perdido o bebê depois de um acidente de
carro, meus pais ainda confiantes decidiram em esperar e
tentar mais uma vez, em 1991 minha mãe engravida
novamente e após alguns exames descobriram que era uma
menina, a alegria voltou novamente a nossa casa, mas para a
surpresa de todos em 15 de Junho de 1992 nasce duas
crianças, uma era minha irmã Maria Izabel que nasceu
primeira e o outro era eu.
Realmente a surpresa foi grande pra toda a família,
cabíamos cada um na palma de uma mão, nascemos com
menos de 2kg, mas logo os médicos falaram que se não
morressem os dois um certamente morreria, e a
probabilidade maior era para mim, pois eu era o mais novo,
alguns disseram para os meus pais não se apegarem a nós,
porque corríamos risco de morte, mas nada que um amor de
uma mãe e um pai, e principalmente á de um Deus possa
superar todas as dificuldades, meus pais relatam que o mais
perto que passamos da morte foi quando, eu em media de
uns 2 a 3 meses de nascimento, me tive como morto, meu pai
conta que eu fiquei roxo e gelado e não me mexia eu estava
no colo da minha mãe quando parei de respirar, então de
súbito meu pai me agarrou em seu braços, eles nessa época
ainda, como eu já disse, não eram evangélicos, mas mesmo
assim meu pai me estendeu para o alto e fez essa oração:

— Jesus, devolva a vida a meu filho, e eu como


gratidão, trocarei seu nome por José e sua irmã Maria, que
são o nome de seus pais.
Deus eu entrego o meu filho e a tua vida em tuas
mãos. Ele é do Senhor.

Na mesma hora voltei a respirar e dei um gemido,


minha cor voltou e comecei a me mexer. Antes meu nome era
André e minha irmã Andréia, e assim como o nome de Abrão
foi mudado para Abraão, e Jacó para Israel, assim o meu
nome também foi mudado de André para José. Hoje eu não
sei o que seria de mim se não fosse aquela humilde e
simples, mas forte e verdadeira oração do meu querido pai se
existe pequenos atos que chamam a atenção de Deus, aquele
foi um, e então a partir daquele dia eu estava entregue ao
Senhor.

Infância

Na minha infância meus pais mudaram para uma


cidade vizinha da minha cidade natal, Alto Rio Novo é o nome
da pequena cidade, meus pais freqüentavam a Igreja
Assembléia de Deus, minha mãe era bastante rígida com os
compromissos da igreja, tínhamos que estar presentes todos
os cultos, e Domingo pela manhã todos deveriam acordar
cedo para ir para a Escola Dominical.
Eu ia, por que ela me obrigava, pois na realidade eu
não gostava de parar de brincar na rua para ir aos cultos e
muito menos acordar cedo para freqüentar os estudos pela
manhã, mas mesmo assim eu era uma criança exemplar,
minha mãe sempre me arrumava com roupas sociais, calças
etc. eu realmente me vestia diferente das outras crianças,
2
nos estudo pela manhã já ouve dias de eu interromper o
professor e começar a dar aula para os alunos.

Adolescência

Se eu posso destacar o ano a qual Deus começou a


trabalhar na minha vida, eu destacaria a minha
adolescência, logo aos 14 anos de idade fui incentivado a me
batizar e após o meu batismo me disseram
— Tome cuidado, pois é quanto nós batizamos que o
diabo mais nós persegue.
Aprendi que quando nós batizamos estamos dizendo ao
Mundo que somos de Jesus e assumimos um compromisso
com Ele, mas Deus só começou a trabalhar em minha vida
após eu ter me batizado.
Mas foi logo depois do meu batismo que eu fui tomado
de uma grande dúvida de ter pecado contra o Espírito Santo,
e eu aprendi que quem peca contra o Espírito de Deus não
tem perdão.
1
Portanto vos digo: Todo pecado e blasfêmia se perdoarão
aos homens; mas a blasfêmia contra o Espírito não será
perdoada.

Fiquei perturbado, até o dia em que um pastor estava


pregando e interrompeu a palavra e disse:
— Irmão, se por acaso você tem estado preocupado,
pois você acha que pegou contra o Espírito Santo, saiba que
só pelo fato de você estar preocupado, é a prova que você não
pecou contra Ele.
Eu estava no fundo da igreja, mas, parecia que seus
olhos fitavam para mim, e a partir daquele dia a minha
dúvida desapareceu, e mais tarde aprendi que blasfemar
contra o Espírito Santo é atribuir a Satanás o poder pela qual
1
Mat:12.31
3
Jesus fazia os milagres, que era o poder do Espírito Santo, foi
isso que os fariseus fizeram, disseram que Jesus expulsava
os demônios com os próprios demônios, então não se
preocupe caso você acha que pecou contra o Espírito Santo,
sua preocupação é a prova que você não pecou contra ele, e
que ele ainda está contigo.
Com 15 anos de idades, freqüentando os cultos,
comecei a me sentir incomodado, pois ao crescer comecei a
ver os problemas dentro da igreja, irmãos que viviam em
contenda um com o outro, pastores que não se esforçavam
pela salvação das almas, ao ver as pessoas pularem, falarem
em língua estranha e etc. eu me perguntava se aquilo não
passava de um ritual, comecei a perceber que os pregadores
famosos, quando vinham em nossas igrejas pregavam o
mesmo tipo de mensagem, sempre diziam que a nossa vitória
chegaria aquele dia, que os nossos inimigos seriam
destruídos, algo desse tipo, eles tinham o costume de certos
pontos da mensagem gritar, para focalizar o ponto principal
da mensagem, e a igreja ia ao delírio com os seus gritos,
dizerem para a igreja apontar o dedo no rosto do irmão do
lado ou abraçar, colocar a mão no ombro etc. ouvi certo
pregador dizer que isso é “interatividade profética”, (ainda
não achei isso na Bíblia), eu tinha toda a fé do mundo
enquanto eles pregavam, mas, ao chegar em casa minha fé ia
embora.
Comecei a me perguntar se aquilo realmente era o que
o Espírito Santo tinha para mim, pois se fosse, eu não queria
ser batizado por ele, e realmente nessa idade eu não o
buscava para recebê-lo, aprendi que o papel do Espírito
Santo era apenas nos batizar, e após ser batizado por ele,
falamos línguas estranhas, alguns recebem o dom de profecia
etc.
Eu não sentia prazer nas nossas reuniões, então eu
comecei a perceber que a minha igreja estava fria, e as
pregações não passavam de shows.
4
Eu dizia comigo mesmo.
— Existe algo melhor, isso não é tudo.
Eu não me conformava em haver apenas o batismo
com o Espírito Santo para os crentes, via as pessoas
buscarem a Deus meses para serem batizadas e após
receberem o batismo paravam de buscar, suas vidas eram as
mesmas, chequei até a pensar que se eu estivesse pensando
daquele jeito, eu poderia estar pecando contra Deus, mas eu
não me sentia feliz com tudo aquilo.
Certa vez, eu chequei para minha mãe e disse para ela
que eu nunca havia sentido a presença de Deus, na mesma
hora ela me repreendeu e quando o meu pai soube do que eu
havia falado ele também me corrigiu.
Outra vez eu chequei para minha mãe e perguntei:
— O que a senhora sentiu quando foi batizada com
Espírito Santo, a senhora também senti hoje? Ou nunca
mais sentiu?
Ela me respondeu que nunca mais sentiu o poder de
Deus que nem aquele dia quando ela foi batizada, eu sair dali
triste e fui para meu quarto me lamentar ao Senhor, como
era possível aquilo? Eu via as pessoas que já eram batizadas
desperdiçando seus tempos com outras coisas em vez de
buscar a Deus.
Quando eu estava com 16 anos de idade, de uma forma
inesperada meus pais decidiram voltar para nossa cidade
natal, foi uma noticia horrível para mim, pois eu já estava
acostumado a morar na cidade e não queria morar
novamente na roça, mas antes de irmos embora, Deus falou
conosco que era vontade dEle irmos para lá. E então nos
mudamos.

Na cidade natal

Nossa casa ficava longe da rua, e eu ficava muito


sozinho, então passei a procurar livros bons para ler, então
5
chegou a minhas mãos um livro cujo nome era “Bom dia
Espírito Santo” do autor Benny Hinn, eu não gostava muito
de livros que falavam sobre o Espírito Santo, pois como eu já
disse, eu havia sido aprendido que o Espírito Santo só servia
para nos fazer falar línguas estranhas, entregar profecia etc.
E eu muito menos havia ouvido falar sobre o autor do
livro, mesmo assim me sentir impulsionado a lê-lo.
Lembro-me como se fosse hoje, eu entrei em meu
quarto, tranquei a porta, sentei em minha cama e comecei a
lê-lo. Como sempre não consigo ler um livro passo a passo, já
fui logo pulando algumas paginas, pois eu não queira saber
sobre o autor e sim o que ele falava sobre o Espírito Santo.
Se existe um dia a qual eu me arrependi amargamente
de não ter buscado o Espírito Santo foi ao lê aquele livro, a
minha alma entrou em desespero, pois eu havia percebido a
grandeza do Espírito Santo em nossas vidas e a grandeza do
meu pecado, pois eu vinha a muitos anos não dando valor a
obra do Espírito Santo em minha vida, eu lia aquele livro
várias vezes, todos os dias, e cada vez que eu lia, meu
coração entrava em desespero, então passei a dizer para
Deus:
— Eu quero ser teu amigo, entra em minha vida
Espírito Santo, seja meu amigo, por favor!
Antes eu nem orava, e agora eu estava chorando
sentado, em pé, deitado, de joelhos.
Mais tarde passei a possuir um livro do autor Orlando
Boyer “Heróis da Fé”, a qual relata a historia de 20 homens
extraordinários que incendiaram o mundo através do Espírito
Santo, ao ler cada historia dos personagens, Martinho
Lutero, Jhon Bunyan, Carlos Finney, Carlos Spurgeon,
Jônatas Edwards etc.
Foi como se eu descobrisse um tesouros dos céus, pois
eu havia encontrado o que eu queria, e passei aprender mais
e mais sobre a dimensão do Espírito Santo em minha vida.

6
Considero esse livro o segundo mais importante depois da
bíblia.
Mais tarde adquiri o livro “O Peregrino” de Jhon
Bunyan, que também passei a lê-lo todos os dias, e assim
como Carlos Spurgeon, creio eu que o li mais de 100 vezes.
Eu queria mais que tudo em minha vida receber o
Espírito Santo, antes eu não o dava valor e agora eu estava
almejando ele como indispensável em minha vida.
Passei a buscar a Deus todas as tardes e as noites que
eram os horários a qual eu podia entrar em meu quarto e
buscar ao Senhor, eu me derramava perante o Senhor toda a
minha alma, comecei a pedir o Espírito Santo para me ajudar
a interceder, eu não me descansava enquanto eu não orava
ao Senhor para me dar o seu Espírito, e continuei buscando.

Irei lhe moldar!

Era final de ano, e eu estava na casa de meu irmão


Eduardo, passando uns meses com ele, nesses dias eu
sonhava comigo pregando para Deus, e me imaginava sendo
usado por Ele, ao ajoelhar fiquei me imaginando pregando e
realizando curas no nome de Jesus, e ainda de joelhos pedi a
Deus que realizasse o desejo do meu coração, que fizesse de
mim um ministro da sua palavra e que eu pudesse ganhar
milhares de almas para Ele, esse era o desejo do meu
coração.
E poucos dias depois, em uma reunião em minha
igreja, Deus me disse que eu lhe estava buscando, pois eu
queria ser usado por Ele, e realmente era verdade, e que Ele
me “moldaria” conforme a vontade dEle, naquele dia eu sai
dali alegre e regozijando, pois a minha oração havia chegado
a Deus, mas se eu soubesse o que Deus faria comigo eu teria
me preparado com todas as forças possíveis antes.
Nessa época Deus abriu os meus olhos para a podridão
de minha alma. Minha certeza aumentou ainda mais ao lê o
7
sermão de Jônatas Edwards “Pecadores nas mãos de um
Deus irado”.
Antes eu queria receber o Espírito Santo e agora eu me
achava indigno de tal benção em minha vida, comecei a me
prantear aos pés de Jesus, eu não orava mais, a única coisa
que eu conseguia falar era:
— Pai, tem misericórdia de mim! Salve-me, sou um
pecador!
Eu me sentia péssimo por cada erro que eu comedia.
Ao olhar para os céus era como se eu visse os olhos de
Deus irados sobre mim. Eu desejava estar com Deus, mas
parecia que minha alma estava caminhando para o inferno.
Eu não me sentia digno de participar dos cultos, não havia
descanso para minha alma.
Às vezes eu me imaginava no inferno e eu entrava em
angustia e desespero, era como se eu me visse ante o
tribunal de Cristo e Ele me acusando dos meus pecados e o
diabo zombando de mim, eu não entendia o porquê daquilo.
Se eu estava buscando a Deus e cada vez mais eu me sentia
perto do inferno, e para piorar eu nunca havia sentido a
presença de Deus, e muito menos Deus havia falado comigo
de uma forma especial, eu nunca havia tido nenhuma
experiência espiritual com Deus, eu dizia constantemente
que eu não seria salvo e que Deus não perdoaria os meus
pecados.
Foi quando eu me sentir mais perto de Deus, foi ai que
eu percebi que na verdade eu estava longe dEle. Ao me
ajoelhar eu não conseguia orar, pois eu me via imundo
perante Deus e sua irá sobre mim, foi horrível aqueles dias.

Distante

Eu estava me evoluindo na oração, pois a cada dia eu


tentava orar por mais tempo e o maximo que eu consegui foi
umas 2 horas e isso só foi alguns dias, então comecei a
8
pensar que eu estava orando muito pouco e pior ainda, nessa
época eu não tinha o costume de ler a Bíblia, comecei a
imaginar mil e uma coisas, que Deus não me abençoaria, que
eu não receberia o Espírito Santo, que Ele estava me
castigando por eu não meditar na tua palavra.
Mas, por mais que eu tentasse, eu não queria meu,
coração não queria, as palavras eram sem sabor eu não tinha
animo, e para piorar de uma forma repentina Deus fugiu de
mim. Li certos livros a respeito desse assunto, mas para mim
não era o suficiente, pois eu queria saber quando aquilo
acabaria. Comecei a pensar que eu estava em pecado, e
comecei a lembrar de todo o tipo de pecado que eu havia
praticado para eu me confessar a Deus.
Os meus minutos de oração foram diminuindo, parecia
que a boca do inferno estava debaixo de meus pés e eu
estava preste a cair, os livros perderam o sabor e eu não me
sentia mais comovido por eles, eu sentia vontade de gritar em
minhas orações para Deus voltar, e enquanto Deus parecia
longe de mim, o diabo parecia que estava do meu lado.

Pague o Preço!

Sempre ouvi essa frase “Pague o preço!”, mas nunca


entendia o que queriam dizer. A primeira vez que eu ouvi
sobre isso foi quando em uma reunião, Deus disse que
levantaria homens que pagassem o preço estabelecido por
Ele, e que era necessário pagar o preço mesmo que fosse alto,
pois era chegada a hora que Deus estaria com os seus olhos
voltados para a Terra.
Até aquele momento eu nunca havia ouvido falar sobre
pagar o preço, após eu ter aprendido sobre o assunto, percebi
que era isso que Deus queria de mim, percebi que o preço é
estabelecido por Deus para cada pessoa, e que eu deveria
pagar este preço, então comecei a pedir ao Espírito Santo
para que me ajudasse a pagar este preço estabelecido por
9
Deus, e me dediquei a buscar a Deus para a salvação da
minha alma.

Volta às aulas

No começo do ano de 2009, me sentir terrivelmente


triste e preocupado, pois as aulas iriam começar e eu não
tinha boas experiências espirituais na escola.
Ao ler a historia de Davi Brainerd que esfriou após ter
voltado à escola, eu comecei a ter medo que o mesmo
acontecesse comigo, eu realmente estava me esfriando.
Eu sentia como se o diabo me arrastasse para perto
dele e Deus havia virado as costas para mim ou algo
parecido, então me dediquei a orar a Deus para que se fosse
possível até mesmo se eu sofresse um acidente ou uma
enfermidade, algo que me atrapalhasse ir para a escola eu
aceitaria com a maior alegria, eu desejava estar com Deus e
me livrar do pecado, eu disse para Deus que mesmo se eu
fosse estudar e caso eu também me esfriasse, que Ele tivesse
misericórdia da minha alma e que sua ira não acendesse
contra mim.
As aulas começaram e eu até que fiquei os primeiros
dias sem ir, esperando que Deus fizesse algo ao meu respeito,
após algumas semanas comecei ir à escola. Eu me sentia
horrível no meio de tanta gente praticando coisas erradas, a
única coisa que eu queria era que as aulas acabassem para
eu sair correndo para minha casa e entrar em meu quarto.
Após alguns dias a mais, eu comecei a me misturar
com os alunos, e comecei a ser influenciados por eles. Ao
chegar em casa e eu ao perceber o que eu estava fazendo,
mesmo sem forças eu me derramava em prantos, eu preferia
a morte do que estar naquele lugar.
Nesse período eu estava passando por altos e baixos,
comecei achar que Deus não me ajudaria, e que de alguma
maneira Ele havia se esquecido de mim, aquele sofrimento
10
parecia uma eternidade a qual estava longe de acabar, ao ler
versículos como:
2
Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos
de mim, vós que praticais a iniqüidade.

Meu coração partia, pois eu me sentia rejeitado por


Deus, pois eu sabia que a minha iniquidade era grande
perante Ele.
Quando eu percebi que eu realmente estava me
afastando de Deus, achei que tudo estava perdido, que Deus
estava preocupado demais com as outras pessoas e se
esquecera de mim, eu não orava mais, pois eu não me
achava digno de me ajoelhar e interceder pela minha vida.
Eu não me conformava em todos os dias da minha vida
pedir a Deus perdão pelos meus pecados, imaginava eu como
um Deus santo, poderia me aceitar da forma que eu estava?
Era como se eu me visse imundo perante Deus e Ele
com nojo de mim.
Foi ai que eu passei a meditar na Bíblia, comecei a ler
os belos salmos de Davi que derramava seu coração com toda
a sinceridade perante Deus. Ao ler as lamentações de
Jeremias era como se eu lesse minhas lamentações.
Em um minuto meditando nela aprendi mais que toda
uma vida com qualquer outro livro. Comecei a perceber o
grande valor da palavra de Deus em minha vida.
Mas eu ainda me encontrava fraco e desanimado, as
tentações se tornaram bastantes fortes. Só Deus sabe quão
doloroso foram àqueles dias na minha vida.
Eu me perguntava como um Deus amoroso poderia
fazer alguém sofrer tanto daquele jeito?
Eu sabia que Deus poderia me dar o Espírito Santo
quando quisesse, mas porque Ele ainda não havia me dado?

2
Mat: 7.23.
11
Assim eu me perguntava, será que pequei? Eu devo ter
feito algo horrível para com Deus para Ele me fazer sofrer
assim, eu pedia a Deus para me mostrar o que eu precisava
fazer ou o que eu precisava deixar de fazer, mas parecia que
minhas palavras eram jogadas ao vento.

A palavra de Deus

Ao aprender mais sobre Deus, percebi que por mais


que eu o buscasse, se eu não meditasse na palavra dEle dia e
noite de nada valeria meu sacrifício, mas foi após uma
decepção a qual eu tive com uma garota, fui levado a um
poço de dor e sofrimentos, parecia que meu coração se
consumia de dor dentro de mim e eu não morria, era como se
alguém pegasse o meu coração e o esmagasse entre os dedos
e você sentir a dor e não conseguir morrer. Foi nesse
momento que eu me dediquei a orar incessantemente ao
Senhor.
Passei a orar de madrugada, de manhã, a tarde e a
noite, levei o meu corpo a sofrer sacrifícios me consagrando a
Deus, não havia descanso para minha alma, eu tinha ânsias
de mortes profundas, minhas orações ganharam novos sons
de soluços desesperados. Mas essa busca não durou muitos
dias.
Não sei como agradecer a Deus pela tua preciosa
palavra, em meio ao desespero me achei meditando na Bíblia.
Ah! Como ela foi e ainda é importante pra mim. Eu
adorava o livro dos Salmos, eu o lia constantemente e então
percebi o quão tolo eu fui, em não meditar na palavra de
Deus nos meus anos passados.
A alegria começou a fluir dentro de mim, em meio às
tristezas eu ria, as passagens que me davam medo que
falavam sobre a ira de Deus não me davam mais, as
promessas de Deus passaram a ser reais em minha vida,
passei a confiar de toda a minha alma no Senhor.
12
Não sei o que seria de mim sem a palavra de Deus em
minha vida. Então percebi que eu estava no caminho certo, a
oração e o estudo da palavra de Deus se tornaram
indispensável em minha vida, ao orar eu me derramava em
prantos aos pés do Senhor e ao lê tua palavra eu ia às
nuvens de felicidade, como era bom estar com Deus.
Antes eu me achava um homem de pequena fé, e agora
eu estava crendo e confiando plenamente no Senhor. Então
passei a querer mais do Senhor, mais da tua palavra, mais
da tua presença, mais do teu Espírito, a felicidade a qual eu
nunca tive, a palavra de Deus me dava, há como eu á amo.
Mas, eu ainda lutava contra o pecado, minha vida
ainda era um deserto, e eu estava à procura de um oásis.
A Bíblia se tornou importante para mim naqueles dias,
mas ainda havia dias em que eu a abria e não encontrava
uma palavra de descanso para mim, eu achava horrível orar,
estudar, viver sem a presença de Deus. Eu odiava pensar que
aquilo poderia durar anos, pois eu já estava há muito tempo
naquele sofrimento, eu não via o dia em que o Senhor
encheria o meu quarto com a tua presença e derramaria em
mim o seu Espírito.

Rejeitado

Depois de todos esses acontecimentos, passei pelos


piores dias da minha vida.
Eu já não estava indo a escola, minha convivência com
minha família estava ruim, perdi as forças de tal maneira que
minha vida virou altos e baixos. E cada vez que eu caia, caia
duma maneira ainda mais forte que a queda anterior e me
levantava mais fraco que antes.
Comecei a perceber que eu havia me apegado ao pecado.
Percebi que eu não estava mais orando e muito menos
lendo a Bíblia, e eu estava me apegando às coisas deste
mundo. Praticamente nessa época já havia um ano e meio,
13
que eu estava naquele sofrimento, percebi que eu não havia
progredido em nada, não tive um sonho, uma visão, uma
palavra, um nada da parte de Deus. Cheguei ao ponto da
loucura, pois eu queria até mesmo me suicidar já que nem
Deus havia me aceitado, pensamentos horríveis me seguiram
aqueles dias, certa tarde eu li um texto na Bíblia que dizia:
3
Até quando você irá se entristecer por causa de Saul? Eu o
rejeitei como rei de Israel. Encha um chifre com óleo e vá a
Belém; eu o enviarei a Jessé. Escolhi um de seus filhos para
tornar-se rei.

Percebi que até Deus nos rejeita quando


permanecemos no pecado assim como Saul fez. Então eu me
senti rejeitado por Deus. Comecei a dizer pra mim mesmo
que se talvez eu tivesse orado umas horas a mais ou jejuado
mais etc., Deus teria me abençoado, mas já era tarde, pois eu
já não tinha forças nem se quer para orar um minuto, a
tristeza e a angustia tomaram conta de mim, e eu até estava
com a intenção de sair da igreja e abandonar tudo. Antes eu
tinha o maior medo de ir para o inferno, e agora eu estava
querendo morrer, mesmo que eu fosse para lá.
Eu já havia feito de tudo para conseguir a minha
salvação, já havia confessado Cristo como meu salvador, já
havia me arrependido pelos meus pecados, mas eles ainda
continuavam comigo, e eu não me sentia salvo por Cristo. Eu
sabia que a salvação é pela graça e mediante a nossa fé, mas
isso não vem de nós é um dom de Deus.
Nessa situação eu havia apostado em minhas orações
para que Deus tivesse misericórdia de mim, pois eu havia
pedido a Ele que não deixasse acontecer aquilo, mas se caso
acontecesse que Ele não acendesse sua ira sobre mim e que
pudesse ter misericórdia de mim. Mas eu já achava até
minhas orações impuras para Deus e que Ele não as ouviria.
3
1 Samuel 16:1
14
Comecei a achar que eu estava destinado a ir para o inferno,
eu nunca havia me sentido tão perto do diabo como naqueles
dias, eu não entendia como havia chegado àquela situação se
eu estava buscando a Deus, todos os meus sacrifícios não
serviram para nada. Comecei a achar que eu havia perdido
tempo, vi que nenhum homem poderia ser salvo e muito
menos eu.

Justiça

Foi nessa fase de minha vida que eu mais aprendi


sobre a justiça de Deus, eu já havia lido o livro de Romanos
várias vezes, à qual fala sobre a justiça de Deus, e sua graça,
mas, depois de dias de estudos comecei a ver uma luz no fim
do túnel.
Eu realmente não conseguia andar na lei de Deus, eu
estava encarcerado dentro de uma armadura de ferro. Eu
comecei a perceber que eu não estava mais debaixo da lei e
sim da graça, ao ler a bíblia percebi que eu tinha um
advogado nos céus: Jesus Cristo!
Antes eu olhava para o céu e via a irá de Deus sobre
mim, e agora eu olhava e via Jesus Cristo a sua direita como
meu advogado. Então cheguei a conclusão que eu só seria
salvo se eu aceitasse Cristo como o meu advogado, meu
salvador, mas eu me achava culpado pelos meus pecados e
me achava digno de sofrer a penas eternas. Mas aprendi que
não era isso que Jesus queria para mim. Li na Bíblia que
Jesus Cristo se fez maldição por mim. Percebi que enquanto
eu não colocasse meus pecados em Jesus eu nunca seria
salvo. Demorei algum tempo ate aceitar passar os meus
pecados para Cristo como se ele fosse o culpado, mas na
realidade foi exatamente isso que Cristo fez por nós, Ele se
fez pecador pôr nós.

15
4
Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição
por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for
pendurado no madeiro.

Mas mesmo eu sabendo de tudo isso ainda continuava


a me sentir um pecador.

5 de Julho de 2009

Era um dia de Domingo, estava fazendo frio por causa


da chuva, o dia havia começado como um dia qualquer, mas
eu nunca imaginava o que Deus preparava para mim.
Havia sido uma semana difícil, eu estava fraco, triste e
desanimado com minha vida e após alguns dias sem orar, a
qual eu simplesmente falava com Deus no meu dia-a-dia
pedindo misericórdia de minha vida, decidi no Domingo tirar
todo o dia para jejuar a respeito da minha salvação, pela
manhã fiz os meus afazeres, e ao meio dia entrei em meu
quarto para orar a Deus, meus familiares estavam
almoçando, e eu estava em meu quarto sentado meditando
nas passagens da Bíblia Sagrada, e após alguns minutos de
leitura (a qual eu já estava em choro), li:
5
“Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não
vem de vós, é dom de Deus.”

Na mesma hora entendi, que a fé para a minha


salvação só Deus poderia me dar, na mesma hora me prostrei
no chão do meu quarto e fiz um pedido de socorro a Deus,
orei com toda sinceridade do meu coração, e pedi a Deus que
me concedesse fé para a minha salvação, e me salvasse
segundo a sua graça.

4
Gl. 3:13
5
Efésios. 2:8

16
Deitei em minha cama ainda em choro e em profunda
angustia, exclamei ao Espírito Santo: “Oh! Querido Espírito
Santo, habite em mim, more em mim, e me leve ao caminho
da salvação que é Cristo. Testifique em mim que sou filho de
Deus!”, e dormi.
Ao acorda, eram 3:00 hs da tarde, me levantei e assistir
um filme evangélico. Ao termino do filme eram mais ou
menos umas 4:30 hs.
Entrei novamente em meu quarto para meditar na
Bíblia; mas ao sentar algo aparentemente estranho
aconteceu. Eu não havia feito nada e nem sequer ainda
meditado na bíblia e lágrimas começaram a correr em minha
face. Então sentir uma paz imensa na alma como nunca
sentira antes, algo inundou o meu quarto de tal modo que eu
cai de joelho no mesmo instante, senti algo sendo derramado
em meu coração e parecia transbordar dentro de mim.
Tentei conter as lágrimas por várias vezes, mas não
obtive sucesso em nenhuma vez. Senti automaticamente que
meu fardo havia sido retirado. O censo de culpa havia
desaparecido da minha alma. Um peso das minhas costas
havia sido tirado.
A única coisa que eu queria fazer era agradecer a Deus
por me salvar, mas eu não conseguia si quer orar. Ao
ajoelhar sobre a cama, percebi que meu corpo estava
trêmulo, e tentei conter um pouco a tremedeira. Sentir um
gozo profundo na alma, e então lembrei-me da minha oração
e do texto de Efésios.2:8, e percebi que Deus havia me
ouvido. Senti-me impelido a assistir o culto naquela noite, e
mais tarde pude testificar aos irmãos o que eu sentira
naquele domingo.
No outro dia eu ainda sentia a mesma paz, e senti que
ela estaria comigo pra sempre. Toda a tristeza e amargura
haviam sumido de minha alma. Era como se Deus tivesse
limpado minha alma de todas as feridas marcadas pelo
pecado.
17
Nada mais me entristecia, e as coisas que um dia me
entristeceram não me faziam chorar mais. Finalmente eu
estava feliz. Após esse acontecimento voltei aos livros, e
percebi que o mesmo acontecera com vários homens que um
dia buscaram a salvação: Jhon Bunyan, João Wesley, Jorge
Whitefield, Carlos Finney etc.

Sede, Sede e sede!

Depois desse acontecimento, eu queria receber


promessas ainda maiores de Deus para a minha alma, uma
sede imensa de Deus se apoderou de mim, estava feliz por
ser o novo salvo do céu, mas eu ainda almejava coisas
grandes de Deus para mim, se eu tivesse um diário
provavelmente eu escreveria:

Eu estou sedento de Deus, como nunca houvera estado antes, é


como se minha alma quisesse sair do meu corpo e fosse encontrar
com o Senhor nos céus, mas ainda não encontrei nada que me
saciasse, a leitura da Bíblia tem sido importante pra mim, mas
ultimamente toda vez que eu abro a Bíblia leio:
6
Em quem também vós estais depois que ouvistes a palavra
da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele
também crido, fostes selados com o Espírito Santo da
promessa.

Eu tenho meditado muito sobre a frase “fostes selados com o


Espírito Santo da promessa” e tenho passado horas em meu
quarto e fico andando em circulo pensando no que devo fazer.
Tenho muita ansiedade de conhecer o Espírito Santo. Mas já o
convidei várias vezes em meu quarto e em minha vida, mas ate
agora nada, nada.

6
Efésios.1:13
18
Acho que eu ainda não estou pronto para recebê-lo. Já li vários
livros sobre Ele. Principalmente o “Bom dia Espírito Santo” do
pastor Benny Hinn, no livro ele manda nós orarmos ao Espírito
Santo, e chamarmos Ele. Tenho feito isso todos os dias e começo
a ficar muito preocupado, não entendo pois se antes eu era um
pecador e Cristo me salvou, porque o Espírito Santo não me
aceitaria? Infelizmente eu não tenho ninguém para recorrer a uma
ajuda, enquanto escrevo isto já esta anoitecendo e daqui a pouco
irei a meu quarto orar a Deus e espero que Ele me ouça...

Tudo o que aconteceu comigo naquele domingo, só


mudou minha vida por dentro. As pessoas só souberam
sobre a minha salvação porque eu as testifiquei, pois se eu
não contasse ninguém saberia. Eu queria algo que mudasse
minha vida totalmente não só o interior mas também o
exterior.
Eu havia perdido o gosto das coisas do mundo e agora
eu almejava as coisas do céu, mas como? Como eu poderia
ser saciado? Pelo Espírito Santo? Então porque Ele não me
ouvia? Como eu poderia saciar minha fome?
Era isso que eu me perguntava naqueles dias, comecei
ate mesmo a ter duvidas acerca da minha salvação, mas
confiei somente em Cristo, e eu sabia que o que eu sentira
não era comum, mas como eu ainda era prematuro no
mundo espiritual, não conseguia entender nada daquilo.

Morte para o próprio Eu.

Eu estava em meu quarto questionando comigo


mesmo, como receber a presença de Deus em minha vida. Eu
estava dando voltas, perguntando qual seria a chave, o
segredo para a presença de Deus, eu sabia que o Espírito
19
Santo estava prometido para mim e eu realmente cria
naquilo, mas ate aquele dia nada.
Em poucos minutos entrei em desespero e me debrucei
no chão, chorando a Deus para que Ele me mostrasse o que
deveria ser feito, me mostrasse uma saída e abrisse os meus
olhos para a resposta, depois de eu conter o choro, sentei em
minha e abri o livro Heróis da Fé, e abri na historia do
missionário e pastor Hudson Taylor que relatava:

Lembro-me bem da ocasião, quando, com gozo no coração,


derramei a minha alma perante o Deus, repentinamente,
confessando-me grato e cheio de amor porque Ele tinha feito
tudo – salvando-me quando eu não tinha esperança, nem queria
a salvação. Supliquei-lhe que me desce uma obra para fazer,
como expressão do meu amor e gratidão, algo que envolvesse
abnegação, fosse o que fosse; algo para agradar a quem fizera
tanto para mim. Lembro-me de como, sem reserva, consagrei
tudo, colocando a minha própria pessoa, a minha vida, os
amigos, tudo sobre o altar. Com a certeza de que a oferta fora
aceita, a presença de Deus se tornou verdadeiramente real e
preciosa. Prostrei-me em terra perante Ele, humilhado e cheio
de indivisível gozo. Para que serviço fora aceito eu não sabia.
Mas fui possuído de uma certeza profunda de não pertencer
mais a mim mesmo, que esse entendimento dominou depois
toda a minha vida.

A resposta enfim veio, algo dizia dentro de mim: Seu eu


precisa morrer! Percebi realmente que tudo o que eu queria
era fazer a minha vontade e não a de Deus, eu sempre
pensara no meu futuro como eu gostaria que fosse, mas
nunca como Deus queria que fosse. Na mesma hora prostrei-
me em choro, e fiz o mesmo. Entreguei toda a minha vida,
minha alma, desejos, paixões, futuro nas mãos de Deus.

Choro pelas almas


20
Como sempre eu tenho o costume de ler vários livros, a
qual agradeço a Deus pelos autores maravilhosos que Ele
deu a inspiração para nos dar mensagens maravilhosas do
céu para nossas almas, como: Orlando Boyer, Billy Graham,
Max Lucado, T.L Osborn, Paul Yonggi Cho etc. Sem deixar de
referir aos homens de fé que incendiaram o nosso mundo:
Martinho Lutero, Jhon Bunyan, Carlos Finney, Carlos
Spurgeon, Jônatas Edwards, Davi Brainerd, Hudson Taylor
etc.
Mas depois desses acontecimentos, li um livro que
muito me maravilhou “Torturados por amor a Cristo” do
pastor e missionário Richard Wurmbrand, onde ele foi fazer
missões na Romênia no ano de 1964, sobe o regime
comunista. Para que você possa entender um pouco, o
porquê que eu fiquei maravilhado por essa obra, citará uma
parte dessa bela obra:

”Crente eram pendurado em cordas, de cabeça para baixo, e


açoitados tão severamente que seus corpos balançavam de um
lado para o outro sob a força das pancadas. Eram colocados em
refrigeradores, “celas refrigerantes”, tão frias que se formava
uma camada de gelo na parte interna. Eu próprio fui jogado em
uma dessas celas, com bem pouca roupa. Médicos da prisão
observavam-nos através de uma abertura, ate verem sintomas de
morte por congelamento. Nesse ponto davam sinal e os guardas
nos tiravam e então éramos aquecidos. Quando já estávamos
adquirindo calor. Éramos colocados de novo nas celas
congeladoras, e isto repetidamente! Descongelar depois congelar
ate um ou dois minutos antes da morte, e então descongelar
novamente. Isto continuava continuamente. Ate hoje algumas
vezes não suporto abrir um refrigerador.”

O livro me chamou tanto a atenção que eu o li todo em


apenas um dia, melhor dizendo uma tarde apenas. Ao final
21
do livro o autor faz um pedido para a pregação do evangelho,
e eu senti como se fosse pra mim, e foi como se minha alma
gritasse dentro de mim “eu quero ir”, percebi que havia um
mundo para ser salvo para Cristo e que era isso que Deus
queria de mim.
Depois daqueles dias, senti uma enorme tristeza para
com o próximo, principalmente daqueles que se
consideravam cristãos. Via minha pequena igreja tão fria, e
sem vida, e nunca vi si quer alguém reclamando de tal frieza,
e isso não era apenas em minha igreja, praticamente estava
em minha cidade, estado, pais, e porque não dizer no
mundo.
Eu me sentia um impotente, um tolo, sem poder fazer
nada pela minha pequena igreja, havíamos acostumado com
os pratos frios do dia-a-dia, e eu sabendo que Deus tinha
uma refeição quente para as nossas almas. Eu dizia pra mim
mesmo: “Há se eu pudesse fazer algo pela minha pobre
cidade. Quem nos dera um avivamento em nossos dias.”
Mas eu me sentia um corredor sem pernas, um
nadador sem braços, um verdadeiro impotente para com a
obra de Deus.
Quero que você perceba que os meus dias anteriores
não foram fáceis, e depois da minha salvação se tornaram
piores. Eu lia vários livros, terminava um eu já estava com
outro. Minha sede era tanta, que eu nunca lia um livro por
inteiro e nunca página por página, sempre lia em alguns dias
e sempre lia o ponto principal do livro, as vezes eu ate relia o
livro várias vezes para entender o que o autor queria me
transmitir.
Tudo o que eu mais queria naqueles dias era sentir a
presença de Deus, ouvir sua voz, conversar com Ele, ter um
relacionamento com Deus; mas eu não tinha obtido nada
disso, eu lia a historia de homens que dizia ter ouvido Deus,
ter visto a Cristo em visão, que era o que eu mais queria,
mas eu nunca tivera tal feito em minha vida. Certa vez, eu li
22
na Bíblia que o diabo tinha ido até a Deus falar sobre Jó, eu
fiquei impressionado com tal passagem porque, pensei eu:
Ora se o diabo pode ir até a Deus, então eu também posso,
já que eu sou seu filho, se Deus o recebeu porque Ele não
receberá a mim?
Eu achava que depois de eu ser salvo as coisas
aconteceriam pra mim, Deus faria coisas sobrenaturais em
minha vida, mas nada disso havia acontecido, eu não queria
mais nada, eu só queria estar com Deus.
Infelizmente depois de alguns dias, por eu não receber
nada da parte de Deus, eu me esfriei novamente, nessa
época não havia uma parte da minha vida que não estava
ruim, eu sabia que eu não estava no centro da vontade de
Deus, mas eu não tinha força mais, para manter minha
alma de pé, eu lia a bíblia e a palavra de Deus me tocava
profundamente, mas eu sentia meu coração duro como uma
pedra, eu não orava si quer 5 minutos, esses dias foram
pesados e sempre me dava bastante sono ao orar, eu me
sentia sufocado com tudo aquilo.

2011

Já faz dois anos desde que eu escrevi este relato


acima.
Hoje é 16/04/2011. Não era minha intenção continuar
escrevendo minha história. Eu já havia desistido disso. Já
havia apagado todos os relatos anteriores, mas por alguma
razão eu encontrei-o novamente.

Minha mente é totalmente outra depois desses dois


últimos anos. Fiz descobertas que mudaram minha vida, e
coisas que levarei pra sempre.

23
Os relatos anteriores farão sentido a partir de agora,
pois os próximos relatos que eu escreverei (escrevi) aqui
serão continuidades dos relatos anteriores.

Duvidas

Entrei em meu quarto, sentei sobre a cama e me pus a


pensar sobre tudo o que eu já tinha passado. Relembrei o dia
em que eu vivi de novo ainda bebê. Será que aquilo era um
sinal? Será que eu sou especial? Ou fui só uma coincidência?

E o dia em que Deus disse que moldaria. Ele disse


aquilo mesmo? E se disse, Ele se lembra disso? Quanto vai
acabar?

E o dia 5 de julho. O que foi aquilo? Uma falsa


experiência? Será que eu fui enganado? Minha vida ainda é a
mesma por quê?

Eu me sentia como se Deus tivesse me colocado em


algum lugar solitário e dissesse: “Vou deixar você aqui.
Quando você estiver pronto eu volto pra te buscar”. E me
deixou sozinho. Eu pensava: Deus me deixou? Esqueceu de
mim? E se Ele demorar voltar? E se Ele não me quiser mais?

Eu nunca havia pensado que para encontrar a salvação


era necessário tanto sacrifício. É mais fácil o homem
encontrar outro mundo habitável no universo, do que ele
encontrar a salvação.

Há poucos dias atrás eu tinha tudo sobre controle, mas


agora enquanto escrevo tudo está descontrolado.

Estou prestes há completar 19 anos, já faz quatro anos


que eu estou nessa luta contra o pecado, em busca da
salvação. Da verdadeira salvação. Já que eu já escrevi aqui
que eu era salvo. Sinto-me como os homens leprosos do velho
24
testamento que após ouvirem dos sacerdotes que eles
estavam puros, sem lepras, voltavam para suas casas felizes
e no outro dia acordar e se vê novamente a mancha da
doença na pele e ter que voltar a solidão, fora da cidade.

O ano Terrível, 2010

Em uma palavra eu seria capaz de resumir todo o ano


de 2010 em minha vida: TRISTEZA!
Apesar de eu ter poucas coisas a escrever sobre as
coisas que me aconteceram em 2010, farei uma observação
acerca das minhas preocupações.
Eu estava prestes há fazer 18 anos, e alcançar a idade
adulta me gerou muitas preocupações.

1. Estudos: A salvação da minha alma acabou se


tornando primordial pra mim, e eu acabei deixando
os estudos. Na verdade eu tentei deixar tudo aquilo
que me atrapalhava com Deus e como já relatado a
escola era uma delas. E devido a isso, eu me
preocupei bastante a respeito do meu futuro
próximo. Os estudos são à base de toda pessoa, um
bom estudo, um bom trabalho. Um bom trabalho,
uma vida melhor. Uma vida melhor, uma vida feliz
(ou quase feliz). Se eu viesse a ter uma família,
como sustentá-la caso eu não tivesse um bom
emprego? Logo eu deveria optar por:

a) Ou arriscar estudar e esfriar para com Deus, mas


ter uma vida melhor, família, bom emprego etc. ou

b) Não estudar e de certa forma confiar em Deus o


meu futuro próximo e de certa forma garantir meu
futuro eterno com Ele.

25
O maior problema era: Se eu optasse pela
alternativa (a) eu teria uma vida normal, um trabalho,
família etc. Mas minha vida com Deus estaria
arriscada; e se eu optasse pela alternativa b) meu
relacionamento com Deus seria melhor, mas meu
futuro estaria arriscado. Você talvez diga que eu podia
optar pelas duas, mas eu não era capaz disso e eu
reconheço a minha fraqueza a esse respeito, mas eu
sentia que eu tinha que me dedicar ou a um ou o
outro. E eu optei pela (b). Logo eu me preocupei com
meu futuro eterno.
2. Vida financeira (trabalho): 18 anos é a idade que
todos resolvem o que vão ser e fazer durante a vida.
E como eu não havia me importado com isso antes
eu deveria me importar agora. Como eu viveria? O
que eu iria fazer? Chequei a orar acerca desse
assunto, mas não obtive sucesso. Tudo o que eu
fazia dava errado. Não consegui me firmar em
nenhum serviço, nem mesmo nos da família.
3. Família: Eu por mim mesmo não me preocuparia
com essas coisas caso viesse a viver sozinho, mas o
fato de isso ser algo difícil de acontecer. O fato de
eu um dia chegar a ter uma família é o que me
preocupava a respeito desses assuntos.
4. Eu e Deus: E apesar de tudo minha vida com Deus
não estava perfeita, e apesar de eu me referir em já
ser salvo mais tarde reconheci que eu anda não era.
Eu tinha um enorme sentimento ruim a esse
respeito, apesar de eu querer confiar o meu coração
não queria. Eu tinha medo se tudo isso ia dar certo
ou tudo errado.

Comecei o ano com essas preocupações; eu orava


todos os dias a respeito de cada uma, mas essas
preocupações se tornaram um grande tomento pra mim. Eu
26
me sentia andando no escuro e apostando meu futuro em
alguém que eu ainda não conhecia. A sensação era a mais
péssima possível.

Salvo ou não?

Como minha vida ainda era mesma. Eu me perguntava


se eu realmente era salvo e minha vida dizia que não. Tive
certeza disso quanto encontrei um livro chamado
“Conversando com Deus” do autor ___________________. Era o
mesmo titulo do filme que eu havia visto no momento antes
da minha “salvação”. O filme contava a sua história, e muito
me emocionou e me chocou. Foi isso que praticamente me
fez entrar em meu quarto e chorar.
Mas ao ler o livro que leva o seu nome, tive uma
decepção com tanta asneira e estupidez que eu li. Tudo o
que lembro é que quando ele disse que Jesus era um ser de
outro mundo e não Deus encarnado, que tínhamos
reencarnações após a morte, que não existia inferno e nem
demônios, que Deus não odeia o pecado e que o homem pode
se suicidar etc. Foi o suficiente para eu ver que eu tinha sido
enganado. Aquele livro me causou uma revolta muito grande
eu não acreditei que pessoas podiam acreditar em um
“Profeta do anticristo” e que eu ainda tinha sido enganado
por ele.
Desde então reconheci meu erro, e chequei a certeza
que ainda não tinha sido salvo verdadeiramente.

Benny Hinn

Não posso mentir acerca do que eu sentir ao lê o livro


“Bom dia Espírito Santo”, por isso não posso retirar o que eu
escrevi no começo deste texto. Mas dias depois notei
algumas coisas estranhas e esquisitas a qual não encontrei
na bíblia.
27
Um exemplo claro é sobre a “unção do riso”. Não achei
isso na bíblia, e digo que isso não é de Deus, e também não
concordo com alguém aceite isso é o mover do Espírito
Santo.
Sobre o que eu citei sobre o “pagar o preço”, que ele
também o cita. Apesar de não se encontrar na bíblia tal
afirmação. A bíblia inteira esta repleta de homens que
tiveram que pagar um preço para serem usados por Deus:
Abraão ofereceu Isaque, Jacó lutou com Deus, José vendido
pelos irmãos, os discípulos 3 anos aprendendo com Jesus e
depois 10 dias orando no templo e receberam o batismo do
Espírito Santo etc.
Se este homem a quem tanto admirei, diz algumas
mentiras em cima verdades bíblicas e com isso tem levado
muitos a perdição consigo, mesmo assim não posso negar o
desperta mento que tive sobre o Espírito Santo ao lê sua
obra. Confesso que depois reconheci que o Espírito Santo
age bem diferente do que ele ensina (percebi isso na bíblia)
então abandonei suas obras e me dediquei a obras de
verdadeiros homens de Deus.
Mais uma vez me sinto envergonhado por tal engano.
Se não fosse Cristo em sua palavra, eu teria me perdido por
esse caminho enganos de falsos profetas, mas isso me
ensinou a reconhecê-los facilmente. Obrigado Senhor.
“Conhecereis um profeta pelos seus frutos”

Rebelião

Em meio a tudo isso, todas essas preocupações, algo


muito desagradável me aconteceu. Algo que abalou minhas
estruturas e fez elas se tornarem pó.
O meu pai havia dito um problema ministerial com a
igreja que reuníamos. Desde então ele deixou de reunir
conosco. Desde então passou ir a outras igrejas. Com isso,

28
umas pessoas acabaram o influenciando a abrir uma nova
igreja, dizendo que lhes dariam apoio e ajuda.
Esse desejo acabou entrando em seu coração. Durante
esses dias ele passou a ter certos sonhos que dizia ele serem
de Deus e uma resposta que era a vontade de Deus tal obra.
A minha grande decepção a cerca desse assunto fui
quando um dia, estávamos em um culto domiciliar em nossa
própria casa, acerca de um voto que ele havia feito a Deus.
Eu com todos os meus problemas, que me causaram uma
frieza profunda em minha alma na época, eu estava mais
triste do que nunca. Em meio a isso tudo, em um culto em
minha casa, o meu pai trouxe-nos a palavra final. Em meio à
pregação ele olhou para mim e disse as seguintes palavras:
“Filho você vai ser um pastor! E um pastor ainda
jovem. Eu via você pastoreando uma igreja.”
Ao ouvir aquelas palavras muito confuso eu fiquei,
pois eu comecei a dizer a mim mesmo: Olha pra mim Deus.
Olha pra minha situação, como me encontro. Não acredito
que isso aconteça e não acredito que foi o Senhor que disse
tais palavras.
Apesar disso me alegrei com a mensagem. Saber que
Deus me separara para tão importante ministério.
Ao termino do culto, fui para meu quarto a fim de orar
sobre o assunto. Como costume, quando eu recebo uma
profecia peço uma confirmação de Deus, e Ele sempre
respondia, eu fiz o mesmo dizendo:
“Senhor se essa profecia veio realmente de Ti, quero
sonhar comigo pastoreando uma igreja. Caso não seja quero
sonhar com cobras”. Adormeci.

O Pior dia de 2010

Ainda quando escrevo dói-me o coração só de lembrar,


mas tudo aconteceu assim:

29
Após alguns desentendimentos que meu pai teve com
o pastor de nossa igreja ele decidiu sair e procurar outra
igreja para freqüentar. Após alguns dias indo a uma igreja e
outra, ele com o apoio de algumas pessoas decidiu abrir sua
própria igreja. A principio, ele disse ter alguns sonhos e
revelações que mostrava que era vontade de Deus esse
propósito em seu coração, mas deste o dia que eu fui
informado disso assentei em meu coração não apoiá-lo, mas
ele não esperava por isso.
Um dia, estávamos em nossa casa realizando um culto
de agradecimento, e no meio do culto ele disse o seguinte
para mim: Filho! Deus me diz que você vai ser um pastor! E
um pastor ainda muito jovem! E como de costume, naquele
mesmo dia orei a Deus pedindo uma confirmação sobre a
nova revelação. Pedi a Deus que caso fosse isso verdade que
eu sonhasse comigo como uma pastor, mas se não fosse que
eu sonhasse com cobras; adormeci.
Sonhei que eu estava um rio cercado de serpentes e
cobras, milhares, elas me cobriam e junto comigo estava
meu amigo e irmão Jhéferson. Acordei sem entender o
porquê do Jhéferson em meu sonho, e assustado, pois
pensava eu: meu próprio pai mentiu pra mim? Por quê?
A resposta veio no mesmo dia. Eu me levantei e meu
pai me chamou pra conversar e me falou todo o seu projeto
de abrir uma igreja e etc. dizendo que eu iria tomar conta
dela e etc. Isso foi o bastante pra mim, entrei em meu quarto
e cai em prantos e desespero exclamando: Meu pai próprio
pai mentiu pra mim! Pude entender que o que ele me dissera
no culto estava relacionado a isso, a partir daí minha vida
espiritual desmoronou; a tristeza tomou conta de mim; meu
próprio pai usando algo tão serio, só para me convencer a
apoiá-lo. E para concluir um dia eu chegando em casa o vi
tentando convencer o Jhéferson (o mesmo do sonho) a
apoiá-lo; então eu entendi o porque ele estava comigo no
sonho. Eu chorei!
30
E um dia, estávamos trabalhando juntos em uma
casa, para ajudar um irmão; já era tarde eu tinha um
compromisso na igreja, com a mocidade; o ocorrido foi
assim:
Eu cheguei para ele e me referir sobre o compromisso
em minha igreja e se eu poderia deixar o serviço naquela
hora.
Ele respondeu: NÃO! Que eu não podia ir, pois eu não
pertencia mais àquela igreja.
Eu disse: Que sim! Eu ainda pertencia sim, e não iria
sair da igreja por causa dele. Depois eu me referi a tudo o
que eu vinha passando por causa daquilo; disse a ele sobre o
sonho, e sobre ele ter mentido sobre eu ser um pastor.
Nessa hora ele se irritou muito, bastante. E disse
coisas que nunca gosto de lembrar, pois ainda me causam
dor, coisas do tipo: Você é um mentiroso! Que se eu não
queria obedecê-lo, eu deveria cuidar da minha vida sozinho;
que eu era um filho ruim e que eu não tinha jeito; pra eu
sair de casa e etc. Paro por aqui. Ele disse outras coisas
piores pra mim, mas não me cabe escrevê-las aqui.
Eu fui embora e decidi obedecê-lo, e sair de casa.
Fiquei ainda alguns dias, contei o acontecido para
alguns pastores a fim de orarem por mim. E dias depois eu
fui para Itarana, hospedar na casa de um dos meus irmãos.

Itarana, memórias que quero apagar

Fiquei três meses e meio com meu irmão ajudando na


obra de Cristo; tudo seria bom se eu não houvesse feito uma
das maiores besteiras da minha vida.
Eu ainda estava muito abalado pelo recente
acontecimento com meu pai.
Em um domingo, em uma reunião que meu irmão
pregara uma jovem veio a fazer parte do membro de Cristo o
31
aceitando naquela noite. Ela se chama Simone. Morava perto
de minha casa, jovem, solteira e bonita.
Acabei me envolvendo com ela e começamos a
namorar.

Se existe algo que eu realmente me arrependo em


minha vida, esse algo é o que vem a seguir.
Com apenas uma semana de namoro, acabei caindo
em adultério com ela. Na mesma noite relatei tudo ao meu
irmão e pastor através de um bilhete, a vergonha era grande.
Com isso fui obrigado a voltar para a casa dos meus
pais. Deus sabe o quanto chorei por esse dia, eu morri nele,
e a queda foi tão forte que sinto fruto disso ate hoje em
minha vida.
Separei-me dela após isso, e em vez de voltar pra casa
de cabeça baixa da mesma forma que eu sair, agora eu
voltava cabisbaixo e abatido. Dias de muita dor.
Meu pai havia ido pra Vitória, e eu acabei indo pra lá a
fim de ajudá-lo.
Esses foram os dias mais difíceis da minha vida, foram
os dias que eu passei mais longe de Deus. Dias sem
esperanças, achava eu que Deus nunca iria me perdoar.
Permaneci três meses em Vitória, esses dias foram
dias terríveis, pois não apareceu ninguém para me ajudar,
mas varias pessoas se levantaram contra mim, e tudo o que
eu podia fazer era chorar a esse respeito, pois eu sabia que
eles tinham razão, devido a isso, esqueci-me de Deus
completamente e isso abateu a minha fé.
Eu não aquentando mais esse tormento, então resolvi
fazer algo em prol da minha vida espiritual, voltei a
freqüentar os cultos, fazendo força para orar e meditar nas
sagradas escrituras. Isso me fez reerguer novamente.
Findando os três meses, estava decidido que eu
voltaria pra Pancas. Começava-se o ano de 2011.

32
Orgulho

Ao voltarmos para nossa cidade. O meu pai


estava resolvido a voltar a freqüentar a nossa igrejinha, mas
ainda estava estranho a esse respeito.

Em um culto de membros, ele se dirigiu a igreja


pedindo perdão aos irmãos pelo que tinha feito, reconheceu o
seu erro e a igreja o aceitou de volta, mas eu não.

Ainda posso sentir a mesma sensação que sentir


àquela hora. Eu olhei para o rosto do meu pai e tudo o que
pude sentir foi raiva e ódio. Ódio por tudo o que ele me havia
feito passar desde a nossa discussão. O ano de 2010 foi só
tristeza pra mim por causa dele. Ele se dizia arrependido,
mas nem sequer havia me pedido perdão pelo que me fez. Eu
por várias vezes o encontrei falando a respeito aquele dia e
ele sempre me culpava por isso.

Ao vê-lo lá na frente pedindo perdão, meu coração


dizia: Eu não te perdôo! O meu pai havia me deixado marcas
que o tempo não apagava.

Eu só comecei a ver o mal que esse sentimento maligno


me faria à noite.

Voltei-me para casa, e fui para o meu quarto. Eu já


havia esquecido a reunião, ela não me importava. Sentei para
estudar a bíblia, mas não consegui o coração não queria.
Achei aquilo era por causa do cansaço e decidi orar. Mas ao
dobrar os joelhos pra minha surpresa eu também não queria.
Poucos segundos de oração é o suficiente para me derramar

33
em lágrimas, mas agora eu sentia o coração duro como um
diamante.

Comecei a me perguntar por que aquilo. O que estava


acontecendo? Na mesma hora que eu disse: Deus por que me
sinto assim?

Nitidamente o Espírito Santo falou a minha alma.

“Orgulho!”

Eu disse: O que?

Você não perdoou seu pai. Peça perdão a ele.

Pela primeira vez na minha vida, eu não obedeci a voz


de Deus. Na mesma hora eu disse:

“Não! É ele quem tem que me pedir perdão! Eu não vou


me rebaixar a isso. Ele quem está errado.”

Pairou um silencio. Eu não ouvi mais nada. Mas eu


senti que alguma coisa em mim mudara.

Mesmo eu vivendo em pecado, nunca sentira o falta do


Espírito Santo em mim. Ele sempre estava lá. Onde quer que
eu fosse não importa o que eu fizesse, ele estava lá.

Mas nesse dia, senti-me realmente sozinho. A sensação


era horrível, a pior que eu já sentira em toda a minha vida.

Mas meu coração não queria perdoar o meu próprio


pai. Passei alguns dias sem conseguir orar e estudar. Aquilo
foi pouco a pouco me consumindo por dentro. Se outras
vezes eu sentia-me abandonado por Deus, mesmo eu não
estando, agora eu sabia que eu estava sem Ele.

34
Ah! Fiz coisas nessa época que eu nunca fizera antes
em toda a minha vida. Voltei aos prazeres mundanos, já que
eu sentia minha alma fazia eu precisava ocupar-me de
qualquer outra coisa que me fizesse esquecer a minha
situação.

Certo dia eu estava caminhando a noite pela estrada de


chão, voltando para casa, estava sozinho em casa. E pelo
caminho comecei a meditar sobre os últimos acontecimentos,
quando eu percebi a destruidora situação que eu me
encontrava, tudo o que fiz foi chorar.

Eu havia descoberto alguns pregadores norte-


americanos Paul Washer, David Wilkerson, Leornard
Ravenhill, John Piper etc. Que me trouxeram grande alegria e
impacto sobre minha vida. Eu sonhava em ver Charles
Spurgeon, Jhonatam Edwards, Fineey etc. pregando e agora
eu podia ver esses homens usados por Deus, para pregação
do verdadeiro evangelho.

Minha única tristeza era que em minha igrejinha,


cidade, estado e pais não tinha ninguém como eles.

Ao chegar em casa, vi por varias vezes vídeos de


pregações destes homens. Senti a alma agonizar dentro de
mim. Fiquei por horas prostrado no chão, as vezes agachado
com a cabeça entre as pernas e as mãos sobre a cabeça e as
vezes de joelho. Instante mente eu dizia: “Oh o que eu fiz.
Senhor me perdoa. Espírito Santo me perdoa, por favor.
Jesus me perdoa. Senhor me Ajuda, me ajuda, me ajude
Senhor. Sou pecador, salva-me Jesus.”

Lembrarei-me sempre desse dia. Já havia passado da


meia noite e eu estava me agonizando em meu quarto, não
sei por quanto tempo fiquei ali, mas uma hora senti-me
morrer, faltou-me o fôlego e eu não conseguia proferir
35
nenhuma palavra. Comecei a exclamar em minha mente:
“Deus não me deixe morrer! Me salva!”

Esses foram os segundos mais longos da minha vida.


Der repente senti o fôlego encher-me os pulmões. E tive que
me deitar.

Desde então eu estava disposto a pedir perdão ao meu


pai. Mas eu havia criado um muro entre eu e ele que eu não
conseguia rompe-lo. Eu não sabia o que e nem como fazê-lo.
Nunca fui de dialogar muito com meu pai, e eu nunca tivera
feito isso antes e não sabia como fazê-lo. Orei pedindo a Deus
para me ajudar nesse assunto. Ao dobrar os joelhos eu
lembrava isso, ao lê a bíblia eu lembrava isso.

Vi nas escrituras homens que caíram no orgulho e


também foram abandonados por Deus. Vi o caso de Naamã,
que se orgulhou, pois não queria se banhar no sujo rio
Jordão, mas ao fazê-lo eu alcançou a cura. Eu esperava que
se eu fizesse o mesmo também receberia o perdão de Deus.

36