Вы находитесь на странице: 1из 7

AlfaCon Concursos Públicos

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
ÍNDICE
História do Brasil - Período Joanino�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Período Joanino (1808-1821)��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Tratado de Fontainebleau��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Introdução����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������2
Reformas Estruturais����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������3
Brasil Elevado a Reino��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������4
Entendimento sobre a Revolução Liberal do Porto��������������������������������������������������������������������������������������������������5
Invasão da Guiana Francesa����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
Anexação da Cisplatina������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6
Insurreição Pernambucana����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
1
AlfaCon Concursos Públicos

História do Brasil - Período Joanino


Período Joanino (1808-1821)
Tratado de Fontainebleau
Após a França fracassar na invasão à Inglaterra, Napoleão decretou o Bloqueio Continental,
pacto que impedia qualquer país de comercializar com os britânicos sob pena de ser atacado pelas
tropas francesas. Entretanto, Portugal negou-se a cumprir o pacto, pois era aliado da Inglaterra.
Assim, em 27 de outubro de 1807, Napoleão Bonaparte, que governava a França, e o rei Carlos IV
da Espanha assinaram o Tratado de Fontainebleau, para a primeira invasão francesa de Portugal.
Pelo Tratado, quando Portugal fosse conquistado, seria dividido para ambos os países e as tropas
francesas poderiam passar pela Espanha para atacá-lo por terra.
Introdução
Em janeiro de 1808 e com o apoio da Inglaterra, a Família Real portuguesa chegou ao Brasil.
Cerca de 15 mil pessoas vieram com eles, o que totalizou cerca de 2% da população portuguesa da
época. Eles se instalaram na capital do Rio de Janeiro e permaneceram durante 12 anos.
Ameaçados pela invasão do francês Napoleão Bonaparte, a Família Real deixou Portugal para
garantir que o país continuasse independente. Isso porque Napoleão decretou o Bloqueio Continen-
tal em 1806, determinando o fechamento dos portos aos navios ingleses.
Portugal, que apoiava a Inglaterra e tinha grande relação comercial com esse país, não se
submeteu ao bloqueio. Isso levou à invasão de Napoleão às terras lusitanas. Sendo assim, em outubro
de 1807, D. João e o rei da Inglaterra, Jorge III, assinaram um decreto que transferia a sede monárqui-
ca de Portugal para o Brasil.
Portugal se comprometia a assinar um tratado de comércio com a Inglaterra, quando chegasse ao Brasil.
Contexto histórico
O período joanino caracterizou-se pelo esforço da Coroa Portuguesa no sentido de estabelecer
um equilíbrio entre os interesses dos grandes proprietários de terras brasileiros e os dos comercian-
tes. Alguns estancos foram mantidos para satisfazerem estes últimos. Estabeleceram-se impostos
pesados e progressivos, necessários à manutenção do luxo da Corte.
Para evitar incompatibilidades, foram concedidos à aristocracia rural alguns privilégios fiscais.
O absolutismo permaneceu em vigor, mas sempre fazendo concessões aos senhores de terra que
eram atraídos para a Corte por meio da outorga de títulos.
A estrutura colonial aniquilara a vida cultural do Brasil. Inexistiam as preocupações com a
educação e saúde pública; as academias filosóficas, literárias e científicas estavam desamparadas; as
bibliotecas não haviam sido formadas, pois eram consideradas perniciosas; a publicação de jornais era
proibida. O Príncipe Regente, influenciado por seus ministros, deu início a várias reformas nesse setor.
As primeiras providências de Dom João
Com a vinda da Família Real de Portugal para o Brasil, em 1808, a colônia se tornou sede da
monarquia portuguesa, e sua situação político-econômica logo se modificou. Em 28 de janeiro, dias
após a sua chegada, o príncipe regente Dom João assinou o Decreto de Abertura dos Portos Brasilei-
ros às Nações Amigas. Além de liberar os portos para o comércio internacional, esse decreto marcou
o fim do pacto colonial, extinguindo o monopólio comercial lusitano, ou seja, a obrigação do Brasil
comercializar exclusivamente com Portugal, inaugurando o início do domínio inglês.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
2
AlfaCon Concursos Públicos

A transferência da família e da Corte Portuguesa para o Brasil, no início do século XIX, defla-
grou ainda um conjunto de transformações as quais, segundo vários historiadores, significaram o
fim do período colonial. Os estudiosos chegam a afirmar que houve um “novo descobrimento” do
território e que o Rio de Janeiro se tornou palco de um “processo civilizatório”, visto que ocorreu
uma verdadeira “interiorização” da metrópole portuguesa.
Tratados comerciais do período joanino
Entre as várias mudanças desencadeadas pela presença da Família Real no Brasil, merece destaque
o fim do monopólio exercido pelos comerciantes portugueses, em decorrência da Carta Régia de
Abertura dos Portos de 1808 e dos Tratados de Aliança e Amizade e de Comércio e Navegação, firmados
com a Inglaterra em 1810. Tais tratados asseguravam privilégios ao governo e aos súditos ingleses.
Entre os privilégios destacava-se o estabelecimento de tarifas preferenciais (15% sobre o valor da
mercadoria) para os produtos ingleses, o que contrastava com as tarifas pagas pelos produtos vindos
de Portugal (16%) e dos demais países (24%). Assim, na prática, o monopólio do comércio da colônia,
que fora exercido pelos comerciantes portugueses até 1808, com a abertura dos portos, passou a ser
exercido pelos comerciantes ingleses.
Aparelho burocrático do período joanino
Grande parte do aparelho burocrático do Estado português foi remontada no Brasil. Para organizar
as finanças e fazer frente às novas despesas, foi criado, em 1808, o Banco do Brasil. Sua função prin-
cipal era obter fundos para cobrir os pesados gastos da Corte, além de realizar transações comerciais.
Instalaram-se ainda o Erário Régio, depois transformado em Ministério da Fazenda; o Conselho
de Estado; a Junta de Comércio; a Intendência Geral da Polícia; as Mesas do Desembargo do Paço e
da Consciência e Ordens (ou tribunal); a Casa da Suplicação (órgão ligado ao Poder Judiciário) e a
Junta Real de Agricultura e Navegação.
A Educação no Período Joanino
Na educação e na cultura, esse período marcou diversos avanços nessas áreas. Isso porque muitos
investimentos foram feitos, o que podemos confirmar com a construção da Biblioteca Real, da
Academia Real de Belas Artes, da Imprensa Real, além das escolas de Medicina.
Reformas Estruturais
→→ Cancela a lei que proibia o estabelecimento de indústrias no Brasil;
→→ Assinatura de tratados comerciais com a Inglaterra;
→→ Instalação de sistemas administrativos e jurídicos no Rio de Janeiro, com criação de tribu-
nais e ministérios;
→→ Estruturação econômica, com a fundação do Banco do Brasil e da Casa da Moeda;
→→ Investimentos na área de educação, criação de escolas de Medicina, Jardim Botânico, Biblioteca
Real, Academia de Belas Artes e a Imprensa Oficial;
→→ Elevação do Brasil a Reino Unido de Portugal e Algarves, o Brasil deixou de ser colônia;
→→ Investimentos voltados para o desenvolvimento da indústria, com a indústria de ferro em Minas
e São Paulo.
Política externa e cultural do Período Joanino
No cenário externo, a conquista da Guiana Francesa (1809) e a invasão da Província Cisplatina
(1817), atual Uruguai, significaram uma represália do governo joanino à invasão de Portugal pelas
tropas francesas e espanholas, respectivamente.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
3
AlfaCon Concursos Públicos

No plano cultural, a presença da Coroa Portuguesa efetivou uma série de transformações no


território brasileiro: a instalação da Imprensa Régia (ou Oficial) e a publicação da Gazeta do Rio
de Janeiro, primeiro jornal a circular na América Portuguesa; a fundação de cursos superiores de
Medicina e de escolas de formação de oficiais militares; a criação do Jardim Botânico e da Biblioteca
Real; e a vinda das missões artísticas estrangeiras, a partir de 1816.
Rio de Janeiro: a nova capital do Império Luso
A chegada da Corte ao Rio de Janeiro gerou, num primeiro momento, uma série de conflitos com
a população local.
A capital colonial era uma cidade pequena para acomodar repentinamente o séquito real. Para
resolver o problema, os funcionários reais recorreram até mesmo à violência, obrigando os morado-
res das melhores casas a abandoná-las. A senha P.R. (Príncipe Regente), inscrita nas casas escolhidas,
passou a significar “ponha-se na rua!”.
A chegada da Corte ainda trouxe outros conflitos para a sociedade. Muitos dos brasileiros
passaram a adotar a moda europeia, com roupas incompatíveis com o clima e com o estilo de vida
dos colonos. A abertura dos portos para os produtos ingleses também trouxe uma série de novida-
des, mas sem nenhuma utilidade, tais como patins de gelo.
Apesar das dificuldades iniciais, a instalação da Corte no Rio de Janeiro dinamizou a sociedade,
a economia e a cultura, dando ares metropolitanos à nova capital do Império Luso.
Brasil Elevado a Reino
Em 1815, o Brasil foi elevado à condição de Reino Unido a Portugal e Algarves. Tal medida foi
tomada em razão das pressões para que Dom João retomasse a Portugal. Segundo determinação
do Congresso de Viena (que se ocupou da reorganização política e territorial da Europa depois da
queda de Napoleão), um Estado somente poderia ser governado da metrópole, nunca da colônia. Na
condição de reino, o Brasil deixava de ser colônia, e Dom João poderia permanecer aqui, tendo sido
aclamado rei em 1818, com o título de Dom João VI, após a morte de sua mãe.
O Período Joanino: contratempos no Brasil
No Brasil, várias províncias, como a de Pernambuco, passaram a se queixar de merecerem a
atenção do governo somente por ocasião do lançamento de novos impostos, ressentindo-se da
posição ocupada pelo Rio de Janeiro.
A Insurreição Pernambucana de 1817 teve importante papel na luta pela emancipação política.
Na raiz desse movimento, estavam a crise econômica em que vivia a região, esquecida pela adminis-
tração joanina, e o espírito republicano separatista nordestino.
A carga tributária exagerada para sustentar a Corte Portuguesa, os prejuízos dos grandes pro-
prietários de terras em virtude de uma grande seca e a miséria da população estimularam a elite per-
nambucana, o clero, os comerciantes e as camadas populares a querer o desligamento de Portugal.
Os revoltosos tinham por ideal a Independência do Brasil, a Proclamação de uma República Fede-
rativa e a promulgação da Constituição.
O governo reprimiu o movimento violentamente. Apesar do fracasso, a Insurreição Pernambu-
cana deixou claro que a independência do Brasil era uma questão de tempo.
O Período Joanino: contratempos em Portugal
A Revolução Liberal de 1820, na cidade do Porto, em Portugal, foi um movimento burguês que
exigia o retorno da Família Real. Os revoltosos propunham a elaboração de uma Constituição que
limitasse o poder do monarca e defendiam a volta do Brasil à situação de colônia.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
4
AlfaCon Concursos Públicos

Pressionado, Dom João VI passou o trono brasileiro a seu filho, Pedro, na qualidade de príncipe
regente, e embarcou de volta para Lisboa, em 1821. Ao chegar, teve seus poderes limitados pela Consti-
tuição elaborada pelos políticos liberais do Porto. Na prática, o Parlamento passou a governar Portugal.
Entendimento sobre a Revolução Liberal do Porto
A Revolução Liberal do Porto foi um movimento político, ocorrido em Portugal no ano de 1820,
de caráter liberal e antiabsolutista. Ele foi importante, pois teve consequências tanto em Portugal,
quanto no Brasil. Foi organizado por políticos liberais e militares portugueses, tendo o Levante do
Porto (24 de agosto de 1820) seu momento de início. Contou também com a participação de inte-
grantes do clero, da nobreza e de pessoas do povo. Teve a cidade do Porto como ponto de partida,
porém, rapidamente ganhou força em Lisboa e chegou a outras cidades portuguesas.
Em 28 de setembro de 1820, os governos de Lisboa e Porto uniram forças, foi formada uma Junta
Provisória, para dar início à organização das eleições para formar as Cortes Constituintes, que teve a
missão de formular a primeira Constituição de Portugal.
Causas principais
→→ Queda nos lucros dos comerciantes portugueses, que viram seus negócios declinarem no Brasil,
após Dom João VI decretar a Abertura dos Portos às Nações Amigas (1808), que beneficiou os
comerciantes britânicos.
→→ Crise econômica em Portugal, que gerou forte descontentamento popular, pois aumentou o de-
semprego e a pobreza.
→→ A ausência da Corte em Portugal, que ficou na condição de protetorado do Reino Unido.
→→ Descontentamento dos militares portugueses com o controle das forças militares de Portugal pelo Reino
Unido. Havia também forte ingerência britânica nos assuntos políticos e econômicos do Portugal.
Objetivos principais
→→ Forçar o retorno da Corte, que estava no Brasil desde 1808, para Portugal.
→→ Diminuir a influência britânica em Portugal.
→→ Adotar medidas para recolonizar o Brasil, restabelecendo o Pacto Colonial (Brasil deveria voltar a
comercializar exclusivamente com Portugal).
→→ Enfraquecer o movimento pró-independência, que crescia a cada dia no Brasil.
→→ Substituir o regime absolutista pela monarquia constitucional, com uma Constituição de caráter liberal.
Consequências
→→ Retorno, em 1821, da Corte para Portugal. Porém, D. Pedro I ficou no Brasil como príncipe regente.
→→ Fim do governo absolutista em Portugal e instalação de um regime político constitucional com
preponderância política do Poder Legislativo.
→→ Os portugueses colocaram em prática o plano para recolonizar o Brasil, tentando fazer com que
D. Pedro I fosse para Portugal. A tentativa foi frustrada em 7 de setembro de 1822, quando ocorre
a Proclamação da Independência do Brasil.
→→ Em 23 de setembro de 1822, foi promulgada a Constituição Portuguesa, que acabou com o abso-
lutismo e implantou um regime baseado na monarquia constitucional. Ela foi de grande impor-
tância para a implantação da democracia em Portugal.
Invasão da Guiana Francesa
Napoleão Bonaparte avançou em direção a Portugal e, para não ser presa, a Família Real Por-
tuguesa fugiu para o Brasil na companhia de mais 15 mil portugueses que trabalhariam para os
monarcas na terra brasileira.
Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
5
AlfaCon Concursos Públicos

Para repreender a França no solo do Brasil, seria necessário invadir a Guiana Francesa. E, neste
caso, Portugal não via risco por já estar instalado no Brasil. Entretanto, a guerra com Napoleão já
estava travada desde 1808 e não havia mais relação com a Guiana Francesa. Por isso, mais de 800
homens invadiram a região, sendo comandados pelo tenente-coronel Manuel Marques.
O governador de Caiena se rendeu em janeiro de 1809. Os portugueses passaram a dominar a
Guiana. Esta só foi devolvida à França quase 10 anos depois no Tratado de Viena.
Anexação da Cisplatina
Primeira Campanha da Cisplatina foi por tropas portuguesas de D. João VI entre 1811 e 1812.
Após a independência de Buenos Aires, em maio de 1810, foram criadas as Províncias Unidas do Rio
da Prata, que desejavam a anexação da Banda Oriental ao novo país. Devido à revoltas internas, o governo
uruguaio recorreu à ajuda lusa, Dom João VI enviou 4 mil soldados do Rio de Janeiro para apoiar a cidade.
Província Cisplatina era o nome dado ao território atualmente abrangido pelo Uruguai, quando
foi anexado ao Brasil em 31 de julho de 1821. Essa anexação foi justificada com a alegação de
direitos hereditários que a princesa Carlota Joaquina, esposa de D. João, teria sob a região.
A desanexação ocorreu em 1828, com a independência do território que formou a República
Oriental do Uruguai.

Insurreição Pernambucana
Ocorrida em 1817, em Pernambuco, a Revolução Pernambucana, ou Revolução dos Padres, foi
uma revolta emancipacionista e das mais importantes revoluções brasileiras.
Contexto histórico
Na sequência da criação, por Napoleão Bonaparte, do Bloqueio Continental, a Corte Real Portuguesa
transferiu-se para o Brasil em 1808. Nesta altura, foram construídas fábricas e outras estruturas no Brasil,
porém, certos fatos revoltavam os brasileiros, dentre os quais: aumento de impostos, gastos exagerados da
Corte e ocupação de cargos públicos pelos portugueses em vez de serem disponibilizados a brasileiros.
Acontecimentos
O Estado que mais se revoltou com a situação do país foi Pernambuco, que enfrentou, ainda, um
grave problema com a seca na região, levando centenas de pessoas à morte. Assim, os revoltosos, li-
derados por Domingos José Martins, José de Barros Lima (conhecido como o “Leão Coroado”)
planejaram a revolução que se iniciou com a ocupação de Recife e a prisão do governador do Estado
de Pernambuco, Caetano Pinto de Miranda Montenegro.
Foi implantado um governo provisório, cujas principais medidas foram a libertação de presos
políticos, a redução de impostos e a liberdade de imprensa. O objetivo era tornar o Brasil indepen-
dente de Portugal e implantar a república.
Consequências
Receoso das iniciativas, D. João VI emite ordens para os militares. O combate, com duração de
75 dias, foi dos mais violentos movimentos emancipacionistas. Vencidos, os revoltosos foram presos
e muitos deles, condenados à morte.
A revolta é também conhecida como a Revolta dos Padres, devido ao número considerável de
padres que nela tomaram lugar, um dos mais conhecidos foi Frei Caneca.
Exercícios
01. Podem ser consideradas características do governo joanino no Brasil:
a) a assinatura de tratados que beneficiam a Inglaterra e o crescimento do comércio externo
brasileiro devido à extinção do monopólio.
b) o desenvolvimento da indústria brasileira graças às altas taxas sobre os produtos importados.

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
6
AlfaCon Concursos Públicos

c) a redução dos impostos e o controle do déficit em função da austera política econômica pra-
ticada pelo governo.
d) o não envolvimento em questões externas, sobretudo de caráter expansionista.
e) a total independência econômica de Portugal com relação à Inglaterra em virtude de seu
acelerado desenvolvimento.
02. A vinda da Corte para o Brasil marca a primeira ruptura definitiva do Antigo Sistema Colonial.
(Fernando A Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. São Paulo: Hucitec, 1981. p. 298).

A ruptura a que o autor se refere estava intimamente relacionada, dentre outros fatores, à decisão
da Coroa Portuguesa de:
a) conceder liberdade para o estabelecimento de fábricas nas cidades brasileiras.
b) interromper o comércio de escravos praticado entre a colônia e a Inglaterra.
c) proibir o comércio de manufaturas feito entre a colônia e a burguesia inglesa.
d) romper os laços comerciais com a Inglaterra por exigência dos franceses.
e) abrir os portos brasileiros ao livre comércio com as “nações amigas”.
03. “Após o tratado, pelo regime de virtual privilégio do comércio britânico, ficou sendo o seguinte o
estado legal das relações mercantis no Brasil: livres, as mercadorias estrangeiras que já tivessem
pago direitos em Portugal, e bem assim os produtos da maior parte das colônias portuguesas.
sujeitas à taxa de 24% “ad valorem” as mercadorias estrangeiras diretamente transportadas em
navios estrangeiros. sujeitas à taxa de 16% as mercadorias portuguesas, e também as estrangei-
ras importadas sob pavilhão português. sujeitas à taxa de 15% as mercadorias britânicas impor-
tadas sob pavilhão britânico, ou português.” (Lima, Oliveira – D. João VI no Brasil)
O acontecimento histórico abordado no texto está diretamente relacionado com:
a) a abertura dos portos brasileiros às nações amigas em 1808.
b) o repúdio à manutenção do Pacto Colonial.
c) o Tratado de Comércio e Navegação de 1810, celebrado entre Inglaterra e Portugal.
d) o processo de emancipação política do Brasil, iniciado em 1810.
e) a independência da economia portuguesa em relação aos interesses capitalistas britânicos.
04. Foram fatos importantes na política externa de D. João VI, no Brasil:
a) a invasão da Guiana Francesa e a anexação da Província Cisplatina.
b) os tratados de Methuen e Madri.
c) os diversos tratados de limites resolvendo as questões do Acre e do Amapá.
d) a guerra contra a Inglaterra devido à questão Cisplatina.
e) a questão Christie e a guerra contra o Uruguai.
Gabarito
01 - A
02 - E
03 - C
04 - A

Lei do Direito Autoral nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998: Proíbe a reprodução total ou parcial desse material ou divulgação com
fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive na Internet, sem autorização do AlfaCon Concursos Públicos.
7