You are on page 1of 2

QUEDA DE CABELOS – COMO EVITAR?

Dra. Michelle Piccoli

Todas as pessoas gostam de desfilar cabelos


saudáveis, sedosos e com brilho; para as mulheres que
gostam de cabelos longos, a queda excessiva pode se
tornar um grande transtorno; da mesma forma, os
homens preocupam-se com a queda excessiva e a
calvície. Então, como prevenir a queda e manter os
cabelos saudáveis?
Para começo de conversa, é importante
ressaltar que em todas as pessoas, durante meses ou
anos, os cabelos passam por fases específicas;
basicamente, uma fase de crescimento, uma fase de
repouso e então a fase de queda. Dessa maneira, a
queda periódica de cabelos é normal, estando estimado
em cerca de 100 fios por dia.
No entanto, muitas pessoas apresentam
queda excessiva dos cabelos, sendo esta uma das causas mais freqüentes de consultas
aos especialistas. A queda excessiva dos cabelos pode ter muitas causas, entre elas:

− GENÉTICA: Especialmente no caso dos homens, nota-se que os pacientes em


que o pai ou o avô sofria de calvície ou “entradas” acentuadas, têm maior
probabilidade de apresentar o mesmo problema.

− HORMONAL: Novamente em especial para os homens; sabe-se que o excesso


do hormônio masculino (testosterona) leva a um aumento da queda do cabelo e
uma progressiva miniaturização do fio, que vai crescendo cada vez mais fino e
fraco. O excesso de hormônio masculino também pode acometer as mulheres,
que apresentam, então, uma rarefação difusa, ou seja, o cabelo vai ficando
”ralo”. Em caso de queda acentuada, também é importante pesquisar se não há
alteração nos hormônios da tireoide.

− INFECÇÕES: Algumas infecções podem causar queda ou quebra dos cabelos,


como por exemplo algumas infecções por fungos. É importante sempre
consultar o médico, para verificar se não há infecções a serem tratadas.

− HÁBITOS ALIMENTARES: O cabelo é formado basicamente por queratina,


uma proteína produzida pelo organismo. Assim, dietas muito restritivas ou
regimes muito rigorosos podem levar à queda dos cabelos. Além disso, a falta
de alguns nutrientes essenciais, como ferro e vitaminas, também pode contribuir
para a falta de força e queda precoce dos cabelos.
É importante ter uma dieta balanceada, com frutas, legumes e verduras,
ricas em Vitamina A e do complexo B, além de fontes de ferro e proteínas (por
exemplo, carnes, ovos, feijão). Quando há suspeita de deficiência de nutrientes,
pode-se fazer uso de suplementos alimentares específicos.
− HÁBITOS DE VIDA: O excesso de
exposição ao sol, cloro, vento e água
salgada, comuns no verão, pode fragilizar
os cabelos, levando-os à quebra ou queda.
O ideal é usar um protetor solar específico
para os cabelos, ou então protegê-los com
o uso de chapéu.
Químicas potentes e agressivas,
como alisamento ou escova progressiva
com formol, tinturas e descolorações,
podem deixar os cabelos frágeis e quebradiços, bem como causar a queda. Da
mesma maneira, o uso freqüente de secador de cabelo, chapinha ou babyliss
também vai aos poucos danificando os fios.
Sabe-se que o hábito de fumar é prejudicial à circulação sanguínea,
podendo também estar relacionado à queda dos fios, além de deixá-los opacos e
sem viço. O hábito de prender os cabelos muito apertados, ou com elásticos
inadequados, também pode levar à quebra. O stress também é um fator muito
freqüente encontrado nos pacientes que sofrem com a queda dos cabelos.

Existem alguns mitos, nos quais muitas pessoas acreditam, mas que não
têm nenhuma comprovação. Por exemplo, lavar os cabelos todos os dias ou dormir com
os cabelos molhados não causa o apodrecimento da raiz, não sendo o responsável pela
queda. O uso de condicionadores não “entope” os folículos capilares, pelo contrário, em
cabelos secos ou fragilizados seu uso é fundamental para manter a maciez.
A fase da lua em que os cabelos são cortados não parece influenciar na
qualidade nem na velocidade de crescimento dos cabelos; do mesmo modo, o uso de
receitas caseiras, como babosa, ovo, abacate, pode até causar a piora do problema, pois
pode causar reações alérgicas.

Uma vez que não podemos mudar nossa genética, devemos tentar
controlar os demais fatores. Ter uma alimentação saudável, evitar o fumo, usar produtos
adequados a cada tipo de cabelo e protegê-lo das agressões externas, certamente irá
melhorar a qualidade dos fios.
Caso o problema continue, procure sempre o médico, que poderá fazer
o diagnóstico preciso do problema e prescrever o tratamento adequado, pois existem
tratamentos específicos, tanto de uso tópico quanto por via oral.
Se você ainda tiver dúvidas, envie sua pergunta para
bellaclinica@hotmail.com; ou acompanhe aqui no Jornal Novo Tempo, pois nas
próximas edições iremos publicar as respostas às perguntas mais freqüentes.

Até a próxima!

Dra Michelle Piccoli – Pós-Graduada em Medicina Estética