Вы находитесь на странице: 1из 5

USO DE DENTES PLANOS (ZERO GRAU) EM PRÓTESE TOTAL REMOVÍVEL

NONANATOMIC TEETH (ZERO DEGREE) IN COMPLETE DENTURE

Arnaldo Horácio Pereira1


Paulo Roberto G. do Nascimento2
Maria Otilia Andrade3
Wellington Correa Jansen4

Resumo: A forma dos dentes artificiais posteriores é fator essencial para a estabilidade e eficiência
mastigatória das Próteses Totais Removíveis (PTR) durante a mastigação. Geralmente a seleção dos dentes é feita
baseada mais em preferências pessoais do profissional, sem se levar em consideração as características mastigatórias
do paciente ou o tipo de esquema oclusal mais significativo para o sucesso do tratamento. Nesse artigo, os
autores visam divulgar a utilização de dentes planos, ressaltando sua funcionalidade e facilidade de emprego em
comparação aos dentes anatômicos cuspidados, mais conhecidos e mais comumente usados na confecção de
PTR.

Unitermos: Prótese Total Removível; Dentes planos; Dentes zero grau; Dentes sem cúspides; Dentes
não-anatômicos.

INTRODUÇÃO função mandibular (oclusão balanceada bilateral).


A forma dos dentes artificiais posteriores é fator Outros defendem que os dentes não devem possuir
essencial para a estabilidade e eficiência mastigatória cúspides, pois os planos inclinados induziriam
resultantes horizontais difíceis de serem controladas.
das Próteses Totais Removíveis (PTR), durante a
O uso de dentes planos (zero grau) asseguraria
mastigação. Geralmente a seleção dos dentes é feita
estabilidade e preveniria a ocorrência de vetores
baseada mais em preferências pessoais do profissional,
laterais causados pela inclinação das cúspides. O que
sem se levar em consideração as características
se deve ter em mente é que, independente do tipo de
mastigatórias do paciente ou o tipo de esquema oclusal
esquema oclusal que se use para a confecção de PTR,
mais significativo para o sucesso do tratamento, que
esse deve ser bem compreendido e aplicado de forma
são fatores essenciais para a estabilidade da prótese
correta e inteligente porque, de outra forma, as forças
(Sharry, 1977; Johnson & Stratton, 1988).
que incidirão sobre a prótese poderão comprometer
Alguns profissionais preconizam o uso de dentes sua retenção, estabilidade, eficiência mastigatória e
com cúspides (com angulagem de 20o, 30o ou 40o) traumatizarão as estruturas de suporte, podendo
que devem estar em harmonia com a dinâmica da acelerar o processo de reabsorção óssea.

1
Mestre em Reabilitação Oral pela USP. Professor Titular da Faculdade de Odontologia da PUC-MG
2
Mestre em Materiais Dentários pela UFMG. Professor Assistente da Faculdade de Odontologia da PUC-MG
3
Mestre em Clínicas Odontológicas pela PUC-MG. Professor Assistente da Faculdade de Odontologia da PUC-MG
4
Doutor em Materiais Dentários pela USP. Professor Adjunto da Faculdade de Odontologia da PUC-MG.

Arquivo Brasileiro de Odontologia 60


Este trabalho tem por objetivo divulgar a sobre as superfícies triturantes e não na anatomia das
utilização de dentes planos, ressaltando sua superfícies oclusais. Neiburger (1977, 1979a,b,c),
funcionalidade e facilidade de emprego em Pereira (1975) e Poole (1982) são de opinião que,
comparação aos dentes anatômicos cuspidados, mais mesmo em dentes naturais, a prevalência de cúspides
conhecidos e mais comumente usados na confecção nos adultos seria uma situação anormal, decorrente
de PTR. da revolução industrial e das mudanças de hábitos
alimentares. As únicas funções que as cúspides teriam,

REVISÃO DE LITERATURA
seriam a de romper a mucosa durante a erupção do
dente e direcionar seu posicionamento no arco. A
A despeito de sua eficiência mastigatória, baixa ausência das cúspides não implicaria em perda da
iatrogenia, facilidade de montagem e ajuste oclusal, eficiência mastigatória, preservados logicamente, os
os dentes planos, também denominados dentes não demais elementos anatômicos como sulcos, cristas,
anatômicos, sem cúspide ou de zero grau, são fossas, etc. É importante salientar que a ausência de
praticamente desconhecidos no meio odontológico cúspides não significa que a superfície oclusal seja
brasileiro (Figura I). lisa e plana.

Figura I - Dentes planos Sears® (Myerson)

O não uso desses dentes talvez seja explicado


pela dificuldade em se conceber que um dente sem Figuras IV e V - Aspecto proximal da relação oclusal de
dentes anatômicos e não anatômicos
cúspides seja tão eficiente na mastigação quanto um
dente cuspidado (Figuras II a V). Foi comprovada a Existem várias concepções de dentes não
anatômicos (Figura VI) como as de Hall®, Meyrson®,
Nelson ®, Swenson ®, Hardy ®, Cook ®, Rational
Trubyte®, nos quais as superfícies oclusais apresentam
desenhos variados para favorecer a ação trituradora

Figuras II e III - Aspectos lateral e oclusal de dentes anatômico


e não anatômico

mesma eficiência mastigatória dos dentes planos e os


anatômicos, quando utilizados em PTR (Brewer et
al., 1967; Berg, 1988). Esses resultados foram
corroborados por McNeil (2000), quando assegurou
que a eficiência mastigatória das PTR está na Figura VI - Aspecto oclusal dos dentes não anatômicos da
habilidade do paciente em posicionar os alimentos Myerson®, Rational Trubyte® e Ivoclar®

Arquivo Brasileiro de Odontologia 61


sobre os alimentos (Winkler, 1982). Mais desnecessário, pois a existência de componentes
recentemente, surgiram os dentes Orthoplane da verticais minimiza o aparecimento de resultantes
Ivoclar Vivadent® (Figura VII) . Todos apresentam horizontais, que poderiam deslocar a prótese. O
em sua morfologia um ponto em comum: a inexistência balanceamento é apenas unilateral;
de componentes verticais (cúspides), ocluindo apenas • A montagem dos dentes, sem este relacionamento
em duas dimensões (largura e comprimento), apesar cúspide/ fossa é, logicamente, mais fácil. Tem-se
apenas contato de plano contra plano;
• Os dentes planos oferecem maior conforto e
eficiência mastigatória por um período mais longo,
pois se acomodam melhor às alterações negativas
inevitáveis dos rebordos residuais que ocorrem
inexoravelmente com a idade;
• Os procedimentos de reembasamento tornam-se
mais simplificados, pois não há relacionamento
Figura VII - Dentes planos Orthoplane® (Ivoclar)
cúspide/ fossa;
da mandíbula, devido às inclinações das guias • A característica oclusal faz com que os dentes
condilares, movimentar-se tridimensionalmente planos se adaptem em qualquer tamanho de
(comprimento, largura e altura). arcada sem que haja necessidade de ajustes
A ausência de relacionamento cúspide/fossa proximais;
(componente vertical), torna o uso de dentes planos • A ausência de componente vertical faz com que
extremamente vantajoso (Figura VIII) nos seguintes os dentes planos possam ser montados em
aspectos (Gronas, 1970a,b; Jones, 1972; Winkler, articuladores mais simples, diferente dos dentes
1982, Hardy, 2001; Beresin & Schiesser, 2006): cuspidados que necessitam de articuladores mais
complexos;
• O ajuste oclusal é mais simples. É feito com tiras
de lixa. Obtêm-se apenas áreas de contato mais
amplas entre os dentes antagônicos,
bilateralmente, em oclusão cêntrica e no lado de
trabalho nos movimentos excursivos.
Os dentes planos são ainda indicados nas
seguintes situações (Harrison & Hugget, 1977;
Passamonti, 1979; Ortman, 1971 e 1979;
Figura VIII - Prótese total removível finalizada utilizando Appelbaum, 1984):
dentes não anatômicos
• Rebordos alveolares muito reabsorvidos para
• O balanceamento por contato bilateral oclusal, otimizar a estabilidade durante a função;
na sua concepção clássica, torna-se • Cristas alveolares em forma de lâmina;

Arquivo Brasileiro de Odontologia 62


• Grande distância entre os rebordos alveolares, teeth are selected based on personal preferences rather
criando um grande braço de alavanca, que pode than on the masticatory characteristics of the patient
ser assim minimizado; or on the occlusal scheme more relevant for the
• Grande discrepância no tamanho e na relação das success of the treatment. In this article the authors
arcadas: paciente classe II e III de Angle; intend to make public the use of non-anatomic teeth
in complete denture, standing out the applicability and
• Rebordos flácidos;
easiness of use of non-anatomic teeth in comparison
• Próteses totais imediatas;
to anatomic ones, which are more frequently used.
• Dentição natural severamente gasta, opondo-se
a uma PTR;
UNITERMS
• Portadores de distúrbios neuro-musculares
Complete dentures; Nonanatomic teeth; Zero
(doença de Parkinson, etc);
degree teeth; Cuspless teeth; Monoplane teeth.
• Pacientes submetidos à condilectomia ,
mandibulectomia parcial;
• Portadores de desordens têmporo-mandibulares;
REFERÊNCIAS
Appelbaum M. Plans of occlusion. Dent Clin North
• Em casos de dificuldade em registrar precisamente
Am 1984; 28(2):273-85.
a relação cêntrica.
Beresin VE, Schiesser FJ. The neutral zone in
complete dentures. J Prost Dent 2006; 95(2):93-100.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Berg E. The influence of cusped and cuspless teeth
Tendo em vista o exposto, pode-se concluir
on patient satisfaction with complete dentures: A 2
que a facilidade de montagem dos dentes planos, a
years follow-up study. J Dent 1988; 16: 269-72.
não necessidade de balanceamento por contato
Brewer AA, Reibel PR, Nassif NJ. Comparison of
bilateral, ajuste oclusal mais simples, aliados à
zero degree teeth and anatomic teeth in complete
eficiência mastigatória comprovada, justificam a maior
denture. J Prost Dent 1967; 17(1):28-35.
divulgação, conhecimento e utilização dos dentes
planos na confecção de Prótese Totais Removíveis. Gronas, DG. A carborundum stripping technique for
Além disto, pode-se evitar iatrogenias causadas pelo the occlusal adjustment of cuspless teeth. J Prost Dent
uso indevido de técnicas mais complexas. A adoção 1970a; 23: 218-26.
de prática correta de seleção dos dentes artificiais Gronas DG. Intraoral occlusal adjustment of cuspless
posteriores na produção de PTR funcionais tem posterior teeth with carborundum strips. Dent Clin
impacto significativo no sucesso do tratamento. North Am 1970b; 14(3):519-30.
Hardy IR. The developments in the occlusal
ABSTRACT patterns of artificial teeth. J Prost Dent 2001;
The form of posterior artificial tooth is an 85(3): 220-30.
essential factor related to denture stability during Harrison A, Hugget R. Cusped vs. cuspless teeth-
mastication and to masticatory ability. Generally, cusp The choice is yours. Dent tech 1977; 3:4-7.

Arquivo Brasileiro de Odontologia 63


Johnson DL, Stratton RJ. Fundamentos de Prótese Recebido em: 01/04/2006
Removível. Rio de Janeiro: Quintessence, 1988; Aceito em: 19/08/2066
p.387-408.
Jones P. The monoplane occlusion for complete
dentures. J Am Dent Ass 1972; 85:94-100.
McNeil C. Ciência e Prática em Oclusão São Paulo:
Quintessence, 2000. 538p.
Neiburger EJ. Flat plane occlusion in the development
of man. J Prost Dent 1977; 38(4):459-69.
Neiburger EJ. The evolution of human occlusion (I)
Quintessence Int 1979a; 6: 85-90.
Neiburger EJ. The evolution of human occlusion (II)
Quintessence Int 1979b; 7: 75-84.
Neiburger, EJ. The history of man’s occlusion. Bull
Hist Dent 1979c; 27(1):3-13.
Ortman HR. The role of occlusion in preservation and
prevention in complete denture prosthodontics. J Prost
Dent 1971; 25:121-38.
Ortman HR. Complete Denture Occlusion. In:
Winkler, S et al. Essentials of Complete Denture
Prosthodontics. Philadelphia: W.B. Saunders; 1979.
p. 301-41.
Passamonti C. Atlas of Complete Denture. Chicago:
Quintessence, 1979. 236p.
Pereira, CB. Occlusion and attrition of the primitive
Yanoman: Indian of Brazil. Dent Clin North Am 1975;
19(3):495-97.
Poole DFG. Evolução da Mastigação. In: Anderson
DJ, Mattews B. Mastigação. Trad., Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1982. p.1-5.
Sharry JJ. Prostodoncia Total Completa. Barcelona:
Toray; 1977. 245p.
Arnaldo Horácio Pereira
Winkler S. Prostodoncia Total. México:
Rua Martim Francisco 845 apto. 301 - Gutierrez
Interamericana; 1982. 632p.
32.310-000 - Belo Horizonte - MG
e-mail: arnaldohoracio@superig.com.br

Arquivo Brasileiro de Odontologia 64