Вы находитесь на странице: 1из 3

Gálatas #3 – A Surpreendente Graça de Deus (Parte 1)

Ilustração inicial: começar falando a respeito dos testemunhos que são dados nas mais
variadas igrejas. Basta procurar na internet há uma infinidade de testemunhos sérios e
corretos a respeito do que Cristo pode fazer na vida de alguém, até testemunhos que
apelam para um emocionalismo piegas, e outros que acabam se tornando cômicos
(viralizando e se tornando memes). Longe de querer ser simplesmente inspirador, ou
um modelo de conversão a ser seguido (como se fosse um checklist de acontecimentos
que precisam ocorrer para que a minha experiência seja validada), o testemunho de
Paulo invalida os argumentos de seus opositores e aponta para a glória da Graça de
Cristo.

Ler o Texto: Gálatas 1:10-24

Paulo estava sob ataque (v.7)

Refutações aos “haters”:

1. A conversão de Paulo não aconteceu por meio de reflexão e raciocínio próprios


(v.13), mas pelo próprio Cristo que foi a seu encontro (Atos 9:1-9).
2. A mensagem que Paulo recebera, a qual ele anunciava não fora recebida por
meio de terceiros, mas do próprio Cristo (vs. 16-19).1
3. Embora ele não tivesse recebido a mensagem que pregava a partir do ensino dos
outros apóstolos, a mensagem que ele pregava era condizente com a que eles
pregavam, e era reconhecida não só pelos próprios apóstolos, mas também
pelas igrejas da Judeia (vs. 18, 19, 22, 24).

“O Evangelho da Graça sustenta cada passo da vida cristã.” (Timothy Keller)2

A graça: o que Deus já fez?

Antes de tudo, precisamos saber que:

a) Paulo era um religioso (no pior dos sentidos), e um exímio guardião da moral
e dos bons costumes (v.14).

1
Havia líderes da igreja na região que haviam sido treinados em Jerusalém pelos apóstolos. Eles alegavam
ter tido a mesma instrução que Paulo, e, portanto, diziam estar no mesmo nível que ele. Porém, após se
converter, Paulo só foi a Jerusalém depois de 3 anos. Ele não passou por nenhuma instrução formal no
cristianismo – apenas em sua época no judaísmo.
2
KELLER, Timothy. Gálatas Para Você. São Paulo, SP: Vida Nova, 2015. p.28.
b) Iso fez dele um ferrenho perseguidor da Igreja (v. 13). Quando Cristo o
encontra ele estava neste caminho de destruição e ódio.

O ensino que Paulo vem refutar (v.7) é o de que seguir regras e princípios morais (se
tornar um pleno convertido aos costumes judaicos que obedece regras quanto a
vestuário e alimentos) nos torna aceitáveis diante de Deus. Pelo contrário, Paulo afirma
que tudo isso é bobagem, e só enche o nosso coração de orgulho (justiça própria).

A despeito de quem ele foi no passado, a Graça o alcançou, e é por ela que ele havia
passado a viver.

Você vive pela graça, e confia no poder que ela tem para
te salvar e te justificar diante de Deus, ou tem se apoiado
nos seus méritos e na sua performance?

“Graça é o favor imerecido e gratuito de Deus operando de maneira poderosa na


mente e no coração para transformar viddas.” (Timothy Keller)3

Se olharmos para a vida de Paulo, perceberemos que o desempenho moral e religioso


dele só o atrapalhou. Embora os seus pecados fossem muito graves, ele havia sido
convidado a participar da graça.

Por pior que sejam os seus pecados do passado, do presente ou do futuro, nenhum
deles é páreo para o poder da maravilhosa Graça de Cristo!

Vale lembrar, que muitas pessoas hoje dizem que a religião é o mal do mundo. Elas
dizem isso pelo péssimo testemunho que religiosos têm deixado em nossos tempos. O
que elas se esquecem, é que existe a boa religião e a má religião. É comum vermos
cristãos vivendo uma religiosidade tóxica e pervertida. O Evangelho nos chama para
fora da religião (tóxica como a que Paulo seguia anteriormente), mas também nos
chama para fora da irreligião (que nos torna cínicos e sem esperança).

O Evangelho é algo tão bom que até mesmo o melhor dos religiosos precisa dele.

Reflexão - Olhe para a sua vida e pense a respeito da vida religiosa que você vive: você
pratica a boa religião ou a religião que fere e machuca os outros? A religião que você
professa te torna mais humilde por reconhecer que você foi salvo por graça, ou têm
tornado você uma pessoa arrogante e ensimesmada?

A Graça: O que Deus está fazendo

3
KELLER, Timothy. Gálatas Para Você. São Paulo, SP: Vida Nova, 2015. p.29.
 A Graça surpreendente de Deus nos acompanhou e nos acompanhará a nossa
vida inteira (v. 15 – fomos escolhidos por Deus desde o ventre da nossa mãe. Até
nos momentos mais sombrios de nossa história, podemos ver a graça agindo e
nos atraindo para mais perto de Deus).
 Deus usa os nossos erros e fracassos do passado (vs. 16, 13, 23) para nos moldar
(nos tornando pessoas melhores), para nos humilhar (fazendo-nos reconhecer
que não somos autossuficientes e que precisamos dele), e para nos preparar
(para a obra de propagação do Evangelho por meio de nossa vida).

Ainda hoje, em nossos problemas, fracassos, pecados e limitações, Deus tem prazer em
se encontrar conosco, mudar o curso de nossa vida fazendo com que tudo convirja para
sua glória (v. 15).

A graça e o amor de Deus por nós são INcondicionais.

Há uma belíssima passagem no Antigo Testamento em que Deus fala o porque dentre
tantas outras nações ele escolheu Israel como seu povo:

“O Senhor não se afeiçoou a vocês nem os escolheu por serem mais numerosos do que
os outros povos, pois vocês eram o menor de todos os povos. Mas foi porque o Senhor
os amou [...].” (Deuteronômio 7:7, 8)4

Sobre isso, Keller afirma:

“ Deus não nos ama porque somos úteis; ele nos ama pelo simples fato de que nos
ama. Esse, é claro, é o único tipo de amor de que podemos estar seguros, uma vez que
é o único tipo de amor que não temos como perder. Isso é graça.” (Timothy Keller)5

44
NVI. Grifo nosso.
5
KELLER, Timothy. Gálatas Para Você. São Paulo, SP: Vida Nova, 2015. p.31-32