Вы находитесь на странице: 1из 20

Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência

(Framework) para Construção (Full Version) 

Todos os Fóruns >> [Fóruns de GC em áreas de aplicação] >> GC na área de TI

Mensagem

claudioprospero -> Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência (Framework)


para Construção  (20/2/2006 11:05 PM)

Indice 
1---Introdução
2---Visão Geral 
3---Modelo Informacional
3.1-Definição
3.2-Áreas de Decisão
3.3-Níveis Organizacionais
3.4-Exemplos de Questões Organizacionais para Gestão
4---Modelos de Gestão
4.1-Definição
4.2-Dimensões de Analise
4.3-Fatos ou Indicadores
4.4-Balanced Scorecard - Estrutura de Referência (Framework) para
construção de Modelos de Gestão
5---Modelo Multidimensional
5.1-Definição
5.2-Tabelas de Fatos
5.3-Tabelas de Dimensões
5.4-Exemplos
6---Extração, Transformação e Carga de Dados (ETL)
6.1-Definição
6.2-Área de Disponibilização de Dados (Data Staging)
6.3-Armazém de Dados Operacionais (Operational Data Storage)
7---Modelos Analíticos ou Gerenciais
7.1-Definição
7.2-Exemplos
8---Metadados
8.1-Definição
8.2-Metadados Técnicos
8.3-Metadados de Negócio
9---Glossário
10--Siglas
11--Referências na Internet

1 Introdução 

Este documento demonstra minha visão do que é e como se contrói uma


solução de Inteligência de Negócio (Business Intelligence) que sirva de
suporte aos processos de decisões de uma organização. 

O processo está representado abaixo, na Visão Geral, e explicado nos


demais itens do documento. 

Inclui uma série de termos, e seus respectivos conceitos, que julgo


necessários ao entendimento do processo de especificação e construção
de uma solução de Inteligência de Negócios. 

O objetivo é propor uma Estrutura de Referência (Framework) que sirva


de base a este processo de especificação e construção. 

Procuro, também, comparar o processo proposto com o processo de


especificação e construção de soluções de automação de processos
operacionais da organização, normalmente citados como sitemas
operacionais ou legados, na literatura sobre Inteligência de Negócio
(Business Intelligence). 

Este documento resume minha experiência pessoal e as pesquisas


realizadas sobre o assunto. Sendo assim as informações aqui organizadas
também são frutos da convivência profissional ou intelectual com várias
pessoas que também se interessam pelo assunto. 

Agradeço qualquer comentário ou contribuição que permita enriquecer o


texto, contribuindo para a sua clareza e evolução. 

2 Visão Geral 

Vide "Modelo genérico de BI_20060214.gif" abaixo. 

3 Modelo Informacional 

3.1 Definição 

Representa as necessidades de informações que deverão ser atendidas


pela solução de Inteligência de Negócio (Business Intelligence) que será
desenvolvida. 

Identifica as preocupações e focos de investigação que os Gestores


explorarão, com base nos dados operacionais e do ambiente da
Organização, para tomar as decisões que esta solução deverá suportar. 

3.2 Áreas de Decisão 

Identificam os Focos de Gestão de cada um dos Gestores que deverão ser


atendidos pela solução. 

Exemplos: Marketing, Orçamento, Gestão Operacional, Gestão de


Aprendizagem 

3.3 Níveis Organizacionais 


Identifica os horizontes temporais de decisão que a solução deverá
atender. Geralmente um ou mais dentre os seguintes: 

Diretoria – a solução deverá suportar a tomada de decisões estratégicas,


ou de longo prazo 

Média Gerência – as decisões suportadas atenderão necessidades táticas


associadas ao cumprimento de objetivos de médio prazo 

Gestão Operacional – a solução será utilizada para acompanhar as


ocorrências do dia a dia da Organização. 

3.4 Exemplos de Questões Organizacionais para Gestão 

Quantos clientes compraram um determinado Produto no último mês,


trimestre, semestre ou ano ? E no período correspondente anterior ? 

Os Clientes que compram um determinado tipo de Produto ou Serviço


normalmente adquirem que outros Produtos ou Serviços ? 

Qual a relação entre Satisfação com o Atendimento e o tipo de formação


do Atendente ? 

Qual a relação entre Produtividade e o nível educacional, ou tipo de


formação, do Colaborador ? 

Qual é o Fator de Inovação de cada Unidade Organizacional (Receita de


Novos Produtos ou Serviços / Receita Total da Unidade Organizacional) ? 

4 Modelos de Gestão 

4.1 Definição 

Conjuntos de Fatos ou Indicadores e as Dimensões em que estes Fatos ou


Indicadores deverão ser analisados para proporcionar uma visão de
situações ocorridas ou tendências de comportamento de áreas da
organização ou de seu ambiente de operação. São derivados do Modelo
Informacional. 

As visões obtidas servirão de base para a tomada de decisões sobre


alterações de processos, iniciativas de reação a mudanças de resultados
ocorridas ou previstas, criação de novos produtos ou serviços para
atender oportunidades identificadas no ambiente operacional da
organização.

Os Modelos de Gestão representam o escopo que a solução de


Inteligência de Negócio deve atender. Difere da abordagem para Sistemas
Operacionais, onde o escopo da solução é dado pelas Funcionalidades que
a aplicação desenvolvida deve automatizar. 

4.2 Dimensões de Analise 


São as formas de classificação e seleção dos valores registrados para
Indicadores que representam situações do ambiente organizacional que
se deseja analisar. 

Exemplos: Tempo (Mês, Trimestre, Semestre, Ano), Estrutura


Organizacional (Filial, Gerência Regional, Divisão, Empresa, Corporação),
Segmento de Cliente, Área Geográfica (pode ser baseada no CEP), Tipo
de Produto ou Serviço. 

4.3 Fatos ou Indicadores 

Valor Medido ou Atribuído que representa uma ocorrência no ambiente


Organizacional, ou Índices calculados com base nestes Valores Medidos
ou Atribuídos. Podem ser obtidos partindo de dados extraídos dos
sistemas operacionais da organização ou de dados capturados do
ambiente externo da Organização. 

Exemplos: 

Valor de uma Venda para um Cliente 

Produtividade = Quantidade Produzida / Horas Trabalhadas 

Eficiência Operacional = Faturamento / Soma dos custos fixos e variáveis


de uma Unidade Organizacional que produziu o Faturamento 

Classificação: Posição relativa de uma Unidade Organizacional em um


conjunto de Unidades Organizacionais, com base em um Indicador
escolhido. Por exemplo: as dez melhores e as dez piores, segundo algum
critério de classificação. 

4.4 Balanced Scorecard - Estrutura de Referência (Framework)


para construção de Modelos de Gestão 

Considero que o Balanced Scorecard, que pode ser traduzido como


Indicadores Balanceados de Desempenho, pode ser usado como Estrutura
de Referência para auxiliar no processo de definição de Modelos de
Gestão da Organização. 

O BSC defende a identificação de um conjunto pequeno de Indicadores


que permitam expressar os objetivos estratégicos da Organização e que
sejam passíveis de desdobramento em Indicadores de performance para
os vários níveis organizacionais, permitindo a cada Unidade
Organizacional e, no limite, a cada Colaborador, entender e ser avaliado
por sua contribuição para a obtenção dos objetivos estratégicos
definidos. 

Esta metodologia defende que a escolha de Indicadores para a gestão de


uma Organização não deve ser restrita a informações econômicas ou
financeiras. Assim como não é possível pilotar com base apenas no
indicador de velocidade de um avião, indicadores financeiros não são
suficientes para garantir que a empresa está caminhando na direção
correta. Para tanto o BSC defende a definição de Indicadores que
contemplem quatro perspectivas: financeira, mercadológica, performance
dos principais processos operacionais e aprendizado / inovação. 

Esta metodologia de definição de Modelos de Gestão foi criada pelos


professores Robert Kaplan e David Norton, da Harvard Business School,
em 1992 e vem sendo aplicada com sucesso no mundo inteiro em
centenas de organizações do setor privado, público e em organizações
não-governamentais. 

[image]local://upfiles/2843/DBA605E4502C4C8B949B38A5CA1B25EC.gif[
/image]

claudioprospero -> RE: Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência


(Framework) para Construção (28/3/2006 10:04 PM)

5 Modelo Multidimensional 

5.1 Definição 

Estrutura de organização de dados que facilita o cálculo e a seleção das


informações necessárias para atender as análises de um ou mais Modelos
de Gestão. 

5.2 Tabelas de Fatos 

Contém os valores dos Fatos ou Indicadores registrados ou calculados


para cada conjunto de valores das Dimensões de Análise. 

Exemplo: Para um Produto ou Serviço, em um Período de Tempo, em


uma Unidade Organizacional, em um Segmento de Clientes e em uma
Região Geográfica, teremos os valores de quantidade de vendas, receita
de vendas, despesa de vendas, quantidade de reclamações de clientes,
quantidade de devoluções 

5.3 Tabelas de Dimensões 

Contém os atributos de cada valor das Dimensões de Análise. 

Exemplos: 

Produto ou Serviço – descrição, preço, familia de produtos 

Unidade Organizacional - nome, nome do Gerente, endereço, CEP 

Segmento de Clientes – nome do segmento 

Região Geográfica – Bairro, Cidade, Estado, País 


5.4 Exemplos 

Abaixo são apresentados exemplos de modelo de dados Relacional,


usados em Sistemas Operacionais e de Modelo de Dados Dimensional,
usados em soluções de Inteligência de Negócio (Business Intelligence). O
objetivo é apresentar as diferenças de estruturação de dados para os dois
tipos de soluções. 

No caso está simulado um modelo de Data Mart com Dados, Fatos e


Indicadores relacionados à Cobrança Bancária de Títulos.

claudioprospero -> RE: Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência


(Framework) para Construção (28/3/2006 10:06 PM)

O Modelo de Classes Operacional ou Transacional é o mais adequado para


suportar as transações do ambiente operacional da organização. 

[image]local://upfiles/2843/5456527F003441A7AFFA5A1C4E189432.gif[/i
mage]

claudioprospero -> RE: Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência


(Framework) para Construção (28/3/2006 10:08 PM)

O Modelo de Dados Dimensional ou Gerencial é o mais adequado para


suportar as consultas sobre grandes volumes de dados, do ambiente de
análise gerencial da organização. 

A construção de um Modelo de Dados Dimensional ou Gerencial é feita


através de um processo de Extração, Transformação e Carga (ETL), a
partir dos dados disponíveis no Modelo de Classes Operacional ou
Transacional. 

O processo ETL pode ser construído manualmente ou utilizando-se de


ferramentas tais como BW (SAP), Cognos, Informatica, MicroStrategy,
dentre outras. 

A disponibilidade de um Modelo de Dados Dimensional ou Gerencial,


adequado aos focos de análise preferidos pelos gestores da organização,
permite a construção de Modelos de Análise utilizando-se de ferramentas
para Processo de Análise On Line (OLAP) disponíveis no mercado. 

[image]local://upfiles/2843/6D66EC2B9C024CEBB38934B8680BB0FE.gif[
/image]

claudioprospero -> RE: Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência


(Framework) para Construção (28/3/2006 10:16 PM)

6 Extração, Transformação e Carga de Dados (ETL) 

6.1 Definição 

Conjunto de rotinas e operações aplicadas às bases de dados dos


Sistemas Operacionais, para produzir os conteúdos do Modelo
Multidimensional, definido a partir das necessidades de um ou mais
Modelos de Gestão. 

O processo ETL pode ser construído manualmente ou utilizando-se de


ferramentas tais como BW (SAP), Cognos, Informatica, MicroStrategy,
dentre outras. 

6.2 Área de Disponibilização de Dados (Data Staging) 

Área em que serão disponibilizados os dados dos Sistemas Operacionais


que representam os Eventos de Negócio que serão utilizados por um ou
mais Modelos de Gestão. Com isto evita-se que vários processos de
extração de dados concorram com a operação normal dos sistemas
transacionais da Organização. Será nesta área que os vários processos de
ETL obterão os dados que necessitem. 

6.3 Armazém de Dados Operacionais (Operational Data Storage) 

Conjunto, organizado e integrado, de dados extraídos e mantidos


sincronizados com suas origens nos sistemas operacionais da
Organização. Atende necessidades de análises para gestão de curto
prazo, geralmente trinta a sessenta dias, envolvendo informações de mais
de um sistema operacional. 

7 Modelos Analíticos ou Gerenciais 

7.1 Definição 

Conjunto de apresentações construídas a partir dos dados disponíveis nos


Modelos Multidimensionais, visando atender necessidades dos Modelos de
Gestão que a solução atende. 

Alguns tipos de análises que podem ser construídas: 

Detecção de Exceções em Processos ou Cartas de Controle de Processos 

Análises Ad-hoc 

CRM analítico 

Mineração de Dados (Data Mining) 

Processos de Análise On Line (OLAP) 


7.2 Exemplos 

Alguns exemplos de Modelos de Análise possíveis, para o caso de


Cobrança Bancária de Títulos (*): 

Análises 20-80, ou seja, os 20% que produzem 80% do valor da variável


de análise escolhida do Modelo (Cedentes, Diretorias Regionais, Gerências
Regionais, Agências, Regiões Geográficas) para períodos de tempo
selecionados. 

Os dez mais e os dez menos (Cedentes, Diretorias Regionais, Gerências


Regionais, Agências, Regiões Geográficas) para períodos de tempo
selecionados. 

Mapas de áreas geográficas coloridas conforme os valores da variável (*)


de análise selecionada do Modelo. Inclusive com possibilidade de “fazer
zoom” em uma dada região geográfica e visualizando as sub-regiões
coloridas segundo o mesmo padrão de cores (Drill down e Drill up) 

Comparações entre períodos de tempo selecionados (trimestres,


semestres, etc.) para detecção de sazonalidades ou análises de
performance de indicadores sem a contaminação desta sazonalidade. 

(*) Para qualquer dos valores disponíveis na Tabela Fato do Modelo de


Dados Dimensional ou Gerencial, ou Indicador Chave de Processo (KPI)
calculado a partir destes valores disponíveis. 

8 Metadados 

8.1 Definição 

Conjunto de informações que permitem compreender o significado,


conteúdo e situação dos dados e informações presentes em uma
Organização. 

8.2 Metadados Técnicos 

Representam informações sobre estruturas de dados, definições de


rotinas e processos organizacionais, diários de execução de rotinas
operacionais ou de extração, transformação e carga de dados e seus
resultados. 

Incluem: 
Dicionários de Dados, com Nome, Formato, Tipo e Tamanho dos atributos
das bases de dados, 

Especificações de Programas de Computadores ou de Regras de


Transformações efetuadas em dados extraídos dos Sistemas Operacionais
para compor Modelos Multidimensionais, 

Logs de execução de rotinas. 

8.3 Metadados de Negócio 

Representam conceitos de negócio ou fórmulas e métodos de obtenção de


Indicadores usados em um ou mais Modelos de Gestão ou Sistemas
Operacionais. 

9 Glossário 

Ad-hoc – questão ou análise a ser resolvida e que não foi préviamente


definida. 

Business Intelligence – Inteligência de Negócio: Conjunto de Modelos


de Gestão e Capacidades de Análise que permitem a uma Organização
compreender e reagir eficazmente aos desafios e oportunidades presentes
em seu ambiente de atuação. 

Customer Relationship Management – Gestão do Relacionamento com


o Cliente: Conjunto de Modelos de Gestão, Capacidades de Análise e
Ações que permitem a uma Organização melhorar o relacionamento com
seus clientes, facilitando o cumprimento das Metas e Objetivos da
Organização. 

Data Mining – Exploração de Dados: Conjunto de Modelos e Capacidades


de Análise que permitem a identificação de padrões e tendências através
de tratamentos automatizados de grandes volumes de dados sobre a
operação e o ambiente da Organização. 

Decision Support System – Sistemas de Suporte a Decisão: sistemas


que disponibilizam alertas e indicadores que são utilizados nos processos
de tomada de decisão da Organização. 

Drill Down - O Drill Down ocorre quando o usuário aumenta o nível de


detalhe da informação, diminuindo o grau de granularidade. 

Drill Up - É o contrário do Drill Down, ele ocorre quando o usuário


aumenta o grau de granularidade, diminuindo o nível de detalhamento da
informação. 

Executive Information System – Sistemas de Informações Executivas:


sistemas que permitem visões macro de resultados e tendências do
conjunto de processos de uma organização. Geralmente produzem
relatórios de uma página ou indicadores em painéis de controle,
demonstrando os principais Indicadores de toda a Organização. 

Management Information System – Sistemas de Informações


Gerenciais: sistemas que permitem acompanhar e avaliar os resultados
de processos de uma Organização. 
On Line Analytical Process – Processo de Análise On Line: Capacidade
de combinar dados de uma estrutura de dados disponível para obter
diferentes análises cuja utilidade é avaliada após sua produção. 

Operational Data Storage – Armazém de Dados Operacionais:


conjunto, organizado e integrado, de dados extraídos e mantidos
sincronizados com suas origens nos sistemas operacionais da
Organização. Atende necessidades de análises para gestão de curto
prazo, geralmente trinta a sessenta dias, envolvendo informações de mais
de um sistema operacional. 

10 Siglas 

BI – Business Intelligence 

CRM - Customer Relationship Management 

DSS – Decision Support System 

EIS – Executive Information System 

ETL - Extração, Transformação e Carga (Loading) 

MIS – Management Information System 

ODS - Operational Data Storage 

OLAP - On Line Analytical Process 

11 Referências na Internet 

http://www.dmreview.com/ - Business intelligence, data warehousing and


analytics editorial 

http://www.dmreview.com/authors/author_sub.cfm?AuthorID=30609 -
Customer Intelligence - Larry Goldman 

http://www.dwbrasil.com.br/ - Artigos em português sobre Inteligência de


Negócio 

http://www.inmoncif.com/home/ - Corporate Information Factory e


Government Information Factory - Frameworks para soluções de
Inteligência de Negócio 

http://www.ralphkimball.com/html/articles.html - Kimball Group Data


Warehouse Training Articles 

http://www.bscol.com/ - Balanced Scorecard Collaborative - driving


breakthrough results 
http://www.symnetics.com.br/news/default.asp - BSC - Symnetics -
Brasil - Biblioteca Virtual – Artigos

lroberto -> RE: Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência (Framework) para


Construção (11/4/2006 1:11 PM)

Prezado Cláudio, 

Gostaria de trocar experiências e informações sobre empresas usuárias de


BSC e BI. 

Abraços, 

Prof.Luiz Roberto Nascimento 


Diretor Comitê Controladoria ANEFAC (www.anefac.com.br) 
Prof.Admin.Financeira FACIG (www.facig.adm.br) 
Tutor Finanças Empresariais FGV ONLINE(//ead2.fgv.br) 
cel.(011)9939-1208

claudioprospero -> RE: Fábrica de Informações Corporativas e o Ambiente


WEB (28/1/2008 7:23 PM)

Abaixo algumas referências de mercado sobre a construção e uso de


ambientes de gestão corporativa, bem como suas interfaces com a WEB e
demais ambientes de automação de processos de uma Organização.
Considero o desenho abaixo um dos melhores painéis gerais de contexto
técnico (TIC) para desenvolvimento de aplicações corporativas. 

Corporate Information Factory (http://www.inmoncif.com/cif/index.html) 

[image]local://upfiles/2843/98853F063C8B4E94B63256A2BB225608.gif[/
image]

claudioprospero -> RE: Fábrica de Informações Corporativas e o Ambiente


WEB (28/1/2008 7:28 PM)

EDW (enterprise data warehouse) - the EDW is the center of the


Corporate Information Factory. The EDW contains data that is: 

granular, 
integrated, 
historical, and 
corporate. 
The data found in the EDW feeds data marts, exploration warehouses,
data mining warehouses, and class IV ODS. In short the data found in the
EDW serves as a foundation for all data warehouse and DSS processing. 

The data found in the EDW is sometimes called the "single point of truth"
for the corporation. The data is granular and non redundant and is at the
basis of reconciliation of disputes when two or more people disagree as to
a result obtained from analysis of the Corporate Information Factory. 

The EDW is stored on both primary storage and alternative storage. The
primary storage is almost always high performance disk storage.
Alternative storage is near line or secondary storage. 

-------------------------------------------------------------------------------- 

For More Information - Browse the articles below 

1. Security Across The Corporate Information Factory by W. H. Inmon 

2. Meaning And Shades Of Meaning by W. H. Inmon 

3. Data Warehouse and Testing by W. H. Inmon 

4. Data Warehouse Types by W. H. Inmon 

5. The Data Warehouse Foundation by W. H. Inmon 

6. Deep History: What Good Is It? by W. H. Inmon 

7. Anatomy of a Data Warehouse Record by W. H. Inmon. 

8. What Happens When You Have Built the Data Mart First? by W. H.
Inmon. 

9. Definition of a Data Warehouse by W. H. Inmon. 

10. The Data Warehouse Infrastructure by W. H. Inmon. 

11. Monitoring the Data Warehouse Environment by W. H. Inmon. 

12. Referential Integrity for the Data Warehouse Environment by W. H.


Inmon. 

13. Enterprise Data Warehouse and Time by W. H. Inmon. 

14. Enterprise Data Warehouse and Joins by W. H. Inmon. 


15. Enterprise Data Warehouse and Partitioning by W. H. Inmon. 

16. Summary Data in the Enterprise Data Warehouse by W. H. Inmon. 

17. Enterprise Data Warehouse Underlying Technology by W. H. Inmon. 

18. Using the Enterprise Data by W. H. Inmon. 

19. Enterprise Data Warehouse by W. H. Inmon. 

20. Multiple Data Warehouses in the Same Company by W. H. Inmon. 

21. Profile Records by W. H. Inmon. 

22. Reference Data by W. H. Inmon. 

23. Rolling Summary Data by W. H. Inmon. 

24. Time Variant Types by W. H. Inmon. 

25. Data Velocity Through The Corporate Information Factory by W. H.


Inmon and R. H. Terdeman 

26. Closed-Loop/Open-Loop Architecture by W. H. Inmon. 

27. Budgeting for the Data Warehouse by W. H. Inmon 

28. Data Warehouse: Where Technology and Business Meet by W. H.


Inmon 

29. Iterative Development For The DSS Data Warehouse Environment by


W. H. Inmon 

30. Data Warehouse and Iterative Development by W. H. Inmon 

31. Enhancing Data Warehouse Performance by W. H. Inmon 

32. Little White Lies by W. H. 

Operational Data Store 

The ODS is half operational and half DSS 

A Brief Description 
The Operational Data Store (ODS) is a hybrid structure that has
characteristics of both the data warehouse and operational systems.
Because the ODS is a hybrid structure, it is difficult to build and operate.
The ODS allows the user to have: 

· OLTP response time (2/3 seconds), 


· update capabilities 

· DSS capabilities 

-------------------------------------------------------------------------------- 

For More Information - Browse the articles below 

Introduction: The Operational Data Store by W. H. Inmon. 


Operational Data Store by W. H. Inmon. 
From Transactions to the ODS by W. H. Inmon. 
Designing the ODS by W. H. Inmon. 
ODS Development by W. H. Inmon. 
ODS Refreshment by W. H. Inmon. 
ODS Underlying Technology by W. H. Inmon. 
Using the ODS by W. H. Inmon. 
ODS Workload by W. H. Inmon. 
ODS Types by W. H. Inmon 
ERP as ODS by W. H. Inmon 
Operational and Informational Reporting by W. H. Inmon. 
An Early Article on The Operational Data Store by W. H. Inmon. 
Internal ODS/External ODS In The eBusiness Environment by W. H.
Inmon. 

-------------------------------------------------------------------------------- 

White Papers 

The Operational Data Store - the operational counterpoint of the data


warehouse is the operational data store (the "ODS"). The ODS is defined
and described in detail in this white paper. 
Operational and DSS Processing From a Single Data Base: Separating
Fact and Fiction - an early notion was that a single database should serve
as the basis for both operational processing and DSS analytical
processing. This white paper explores the issues and describes why data
warehouse is the appropriate foundation for DSS informational
processing. 
Accessing Data Warehouse Data From the Operational Environment -
most flow of data is from the operational environment to the data
warehouse environment, but not all. This white paper discusses the
"backward" flow of data. 
Information Architecture for the 90's: Legacy Systems, Operational Data
Store and the Data Warehouse - describes the role of operational data
stores and a description of them, along with a description of the
architecture that results when you mix an operational data store and a
data warehouse. 
Telling the Difference Between Operational and DSS - in every shop the
issue arises, what is operational and what is DSS. This white paper tells
you how to tell the difference between the two environments. 
Summary Data in the Data Warehouse/Operational Data Store - summary
data has its own set of unique considerations. There is, for example,
dynamic summary data and static summary data. Both types of summary
data require very different treatment from the designer and the end user.
This white paper creates a taxonomy for summary data and relates the
different types of summary data to the data warehouse and the
operational data store. 

-------------------------------------------------------------------------------- 

Books 
Inmon, W H - BUILDING THE DATA WAREHOUSE, SECOND EDITION, John
Wiley, NY, NY 1996 
Inmon, W H - BUILDING THE OPERATIONAL DATA STORE, John Wiley,
NY, NY 1995 
Inmon, W H - CORPORATE INFORMATION FACTORY, John Wiley, NY NY
1998 

[image]local://upfiles/2843/538718F4374A404DBB6DA6CA6FA959F4.gif[
/image]

claudioprospero -> Analise de Pontos - ferrramenta para pesquisar Modelo


Informacional  (15/12/2008 12:03 AM)

quote:

3 Modelo Informacional 

3.1 Definição 

Representa as necessidades de informações que deverão ser atendidas pela solução de


Inteligência de Negócio (Business Intelligence) que será desenvolvida. 

Identifica as preocupações e focos de investigação que os Gestores explorarão, com base


nos dados operacionais e do ambiente da Organização, para tomar as decisões que esta
solução deverá suportar. 

3.2 Áreas de Decisão 

Identificam os Focos de Gestão de cada um dos Gestores que deverão ser atendidos pela
solução. 

Exemplos: Marketing, Orçamento, Gestão Operacional, Gestão de Aprendizagem 

3.3 Níveis Organizacionais 


Identifica os horizontes temporais de decisão que a solução deverá atender. Geralmente
um ou mais dentre os seguintes: 

Diretoria – a solução deverá suportar a tomada de decisões estratégicas, ou de longo


prazo 

Média Gerência – as decisões suportadas atenderão necessidades táticas associadas ao


cumprimento de objetivos de médio prazo 

Gestão Operacional – a solução será utilizada para acompanhar as ocorrências do dia a dia
da Organização. 

3.4 Exemplos de Questões Organizacionais para Gestão 

Quantos clientes compraram um determinado Produto no último mês, trimestre, semestre


ou ano ? E no período correspondente anterior ? 

Os Clientes que compram um determinado tipo de Produto ou Serviço normalmente


adquirem que outros Produtos ou Serviços ? 

Qual a relação entre Satisfação com o Atendimento e o tipo de formação do Atendente ? 

Qual a relação entre Produtividade e o nível educacional, ou tipo de formação, do


Colaborador ? 

Qual é o Fator de Inovação de cada Unidade Organizacional (Receita de Novos Produtos ou


Serviços / Receita Total da Unidade Organizacional) ?

[image]local://upfiles/2843/1AD32FDD58DC421ABB8AD2A83229DAFE.jp
g[/image]

claudioprospero -> RE: BI encabeça lista de prioridades dos CIOs, diz estudo


(Gartner) (21/5/2009 1:25 PM)

Tecnologia 

BI encabeça lista de prioridades dos CIOs, diz estudo 

No ranking das dez tecnologias que mais interessam aos gestores de TI


da América Latina ainda aparecem aplicações de negócio, tecnologias de
armazenamento, VoIP, entre outras 

Fabiana Monte, editora-assistente do COMPUTERWORLD 


Publicada em 14 de abril de 2009 às 16h48 

Durante um evento realizado em São Paulo (SP), a consultoria Gartner


divulgou o ranking das dez tecnologias consideradas prioritárias por CIOs
em todo o mundo. Mais uma vez, Business Intelligence (BI) encabeça a
lista. 

Uma comparação entre as prioridades de executivos de tecnologia da


América Latina e do resto do mundo mostra que, embora as nações
estejam em estágios diferentes de adoção tecnológica, os três primeiros
lugares do ranking do Gartner se repetem. Depois de BI, estão aplicações
de negócios (ERP, CRM e SCM) e tecnologias de armazenamento
(virtualização), esta última ocupava a oitava colocação em 2008. 

Segundo Donald Feinberg, analista emérito do Gartner, não é surpresa


que as aplicações empresariais apareçam no segundo lugar da lista. "Elas
alimentam o BI", justifica. 

A partir da quarta posição do ranking, as prioridades de executivos da AL


e do resto do mundo divergem. Entre os latino-americanos, VoIP - que
sequer aparecia na lista de 2008 - ocupa o quarto lugar, seguida por
atualização, modernização e substituição de sistemas legados. 

Em sexto lugar estão as tecnologias de segurança; tecnologias


colaborativas vêm em sétimo; SOA é a oitava; aplicações e aparelhos de
mobilidade aparecem em nono; e gerenciamento de fluxo de trabalho na
úlima colocação. 

No ranking mundial, modernização, atualização e substituição de sistemas


legados está em quarto; tecnologias colaborativas em quinto e VoIP na
sexta posição. O ranking não indica o sétimo e o décimo lugares
apontados por CIOs de países fora da AL, mas mostra tecnologias de
segurança na oitava posição; e SOA em nono lugar. 

-- 
Atenciosamente. 
Claudio Estevam Próspero 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Usuário:ProsperoClaudio (Apresentação
pessoal) 
http://escoladeredes.ning.com/ (Escola de Redes [E = R]) 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Aliança_para_uma_Nova_Humanidade 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecocidade 
http://www.criefuturos.com.br/criefuturos.html 
http://www.holos.org.br/cursosetreinamentos/ (HOLOS - Coaching e
Mentoring) 
http://www.nef.org.br (Núcleo de Estudos do Futuro) 
http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/ 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/portal/ (Sociedade Brasileira de
Gestão do Conhecimento) 

Antes de imprimir, pense em sua responsabilidade e compromisso com o


MEIO AMBIENTE. 
Nosso Planeta Agradece!

claudioprospero -> RE: Tópicos relacionados (14/8/2009 3:54 PM)

Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência (Framework)


para Construção Balanced Scorecard e TIC - Tópicos relacionados 
Para quem tem interesse neste assunto, recomendo ler também: 

Inteligência Empresarial: muito além do BI 

Todos os Fóruns >> [Fóruns de GC em áreas de aplicação] >> GC


na área de TI >> Inteligência Empresarial: muito além do BI 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/foruns/tm.asp?m=5272&forumid=35 

Balanced Scorecard e TIC 

Todos os Fóruns >> [Fóruns de GC em áreas de aplicação] >> GC


na área de TI >> Balanced Scorecard e TIC 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/foruns/tm.asp?m=1589&forumid=35

claudioprospero -> [SBGC] Por que xPM? (xPM = BPM, CPM ou EPM) [1]  (19/8/2009
8:23 AM)

[SBGC] Por que xPM? (xPM = BPM, CPM ou EPM) [1] 

Agradeço ao Edson Marun Junior, pesquisador do assunto, a indicação do


excelente texto em anexo, obtido em: 

http://computerworld.uol.com.br/gestao/2009/01/27/por-que-bpm/ 

Outros Executive Briefings, além deste, podem ser obtidos no endereço


acima. 

[1] As musas do xPM 

Em um projeto de Performance Management (EPM, BPM ou xPM, de


acordo com o critério do fornecedor de solução e metodologia), as
ferramentas de Business Intelligence são as grandes estrelas, já que são
as molas propulsoras para que o investimento seja viável. 

Convido os interessados em conversar sobre estes assuntos para


a seguinte trilha de mensagens: 

Business Intelligence - Uma Estrutura de Referência


(Framework) para Construção 

Todos os Fóruns >> [Fóruns de GC em áreas de aplicação] >> GC


na área de TI >> Business Intelligence - Uma Estrutura de
Referência (Framework) para Construção 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/foruns/tm.asp?m=2599&forumid=35 
-- 
Atenciosamente. 
Claudio Estevam Próspero 

http://www.linkedin.com/in/claudioprospero 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Usuário:ProsperoClaudio (Apresentação
pessoal) 
http://br.groups.yahoo.com/group/TI_VERDE (TIC SUstentável -
SUCESU-SP) 
http://escoladeredes.ning.com/ (Escola de Redes [E = R]) 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Aliança_para_uma_Nova_Humanidade 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ecocidade 
http://www.wikifuturos.com.br/prosperoclaudio (Wiki Futuros -
CrieFuturos) 
http://www.holos.org.br/cursosetreinamentos/ (HOLOS - Coaching e
Mentoring) 
http://www.nef.org.br (Núcleo de Estudos do Futuro) 
http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/ 
http://www.portalsbgc.org.br/sbgc/portal/ (Sociedade Brasileira de
Gestão do Conhecimento) 

Proteja meu endereço, como estou protegendo o seu, não revele e-mail
dos correspondentes, use cco (com cópia oculta) retire endereços antes
de reenviar, dificulte disseminação de vírus e spam, e se não quiser
receber mais minhas mensagens avise-me para retirá-lo de minha lista.

Antes de imprimir, pense em sua responsabilidade e compromisso com o


MEIO AMBIENTE. 
Nossa Espécie (Homo Sapiens Sapiens Demens - Edgar Morin)
Agradece!

Página: [1]

Customizado por BDS Soluções


0,03125
Este está hospedado em Celedo Lopes - Business Intelligence e Gerenciamento de Projetos
www.celedo.com.br

O Link direto para este artigo é:


www.celedo.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=3