Вы находитесь на странице: 1из 2

Abrir menu principal

Wikipédia
Pesquisar
Luiz Inácio Lula da Silva
Político brasileiro, 35º presidente do Brasil
Língua
Descarregar PDF
Vigiar
Editar
Luiz Inácio Lula da Silva

Foto oficial do segundo mandato.


35º Presidente do Brasil
Período 1º de janeiro de 2003
a 1º de janeiro de 2011
Vice-presidente José Alencar
Antecessor Fernando Henrique Cardoso
Sucessor Dilma Rousseff
Ministro-chefe da Casa Civil do Brasil
Período 17 de março de 2016
a 18 de março de 2016[nota 1]
Presidente Dilma Rousseff
Antecessor Jaques Wagner
Sucessor Eva Chiavon (interina)
Presidente nacional do Partido dos Trabalhadores
Período 15 de julho de 1990
a 24 de janeiro de 1994
Antecessor Luiz Gushiken
Sucessor Rui Falcão
Deputado federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 1987
a 31 de janeiro de 1991
Presidente nacional do Partido dos Trabalhadores
Período 9 de agosto de 1980
a 17 de janeiro de 1988
Antecessor Cargo criado
Sucessor Olívio Dutra
Dados pessoais
Nascimento 27 de outubro de 1945 (74 anos)
Caetés, Pernambuco
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Maria de Lurdes da Silva (1969–1971)
Marisa Letícia Rocco Casa (1974–2017)
Filhos Marcos Cláudio
Lurian Lula da Silva
Fábio Luís
Sandro Luís
Luís Cláudio
Partido PT (1980-presente)
Religião Católico romano[3][4][5]
Profissão Metalúrgico
Assinatura Assinatura de Luiz Inácio Lula da Silva
Website lula.com.br
Luiz Inácio Lula da Silva, nascido Luiz Inácio da Silva (Luís, na ortografia oficial[6]) e mais
conhecido como Lula GCTE • GColL (Caetés, 27 de outubro de 1945), é um político,
ex-sindicalista e ex-metalúrgico brasileiro, principal fundador do Partido dos Trabalhadores
(PT) e o 35º presidente do Brasil, tendo exercido o cargo de 1º de janeiro de 2003 a 1º de
janeiro de 2011.

De origem pobre, migrou ainda criança de Pernambuco para São Paulo com sua família. Foi
metalúrgico e sindicalista, época em que recebeu a alcunha "Lula", forma hipocorística de
"Luís". Durante a ditadura militar, liderou grandes greves de operários no ABC Paulista e
ajudou a fundar o Partido dos Trabalhadores, em 1980, durante o processo de abertura
política. Lula foi uma das principais lideranças da Diretas Já, no período da
redemocratização, quando iniciou sua carreira política. Em 1986 elegeu-se deputado federal
pelo estado de São Paulo com votação recorde. Em 1989 concorreu pela primeira vez à
presidência da República, perdendo no segundo turno para Fernando Collor de Mello por
53-47 por cento. Também foi candidato a presidente outras duas vezes, em 1994 e 1998,
perdendo ambas as eleições no primeiro turno para Fernando Henrique Cardoso. Venceu a
eleição presidencial de 2002, derrotando José Serra no segundo turno, e foi empossado em
janeiro de 2003. Na eleição de 2006, foi reeleito ao vencer o segundo turno contra Geraldo
Alckmin.

O governo Lula teve como marcos a introdução de programas sociais, como o Bolsa Família
e o Fome Zero, ambos reconhecidos pela Organização das Nações Unidas como os
programas que possibilitaram a saída do país do mapa da fome. Durante seus dois
mandatos, empreendeu reformas e mudanças radicais que produziram transformações
sociais e econômicas no Brasil, que triplicou seu PIB per capita e alcançou o grau de
investimento. Na política externa, desempenhou um papel de destaque, incluindo atividades
relacionadas ao programa nuclear do Irã, ao aquecimento global, ao Mercosul e aos BRICS.
Lula foi considerado um dos políticos mais populares da história do Brasil e, enquanto
presidente, foi um dos mais populares do mundo. Sua chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff,
derrotou José Serra na eleição de 2010 e foi reeleita em 2014 ao derrotar Aécio Neves.

Lula manteve-se ativo no cenário político e passou a ministrar palestras no Brasil e no


exterior. Em março de 2016, foi nomeado por Dilma como seu ministro-chefe da Casa Civil,
mas a indicação foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal. Em julho de 2017, foi
condenado em primeira instância no âmbito da Operação Lava Jato a nove anos e seis
meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Com a confirmação em segunda
instância da sentença, que aumentou a pena, teve sua prisão decretada e entregou-se à
Polícia Federal em abril de 2018. Em novembro de 2019, Lula foi solto um dia após o STF
decidir que a execução da pena só deveria ocorrer com o trânsito em julgado da sentença.