Вы находитесь на странице: 1из 1

8º Ano

A questão indígena: terra e cultura (grifo meu)


“Há apenas uma terra indígena totalmente regularizada no Estado, que é a terra indígena Córrego João Pereira, no
município de Itarema (dos índios Tremembé). Os outros processos ainda encontram-se em curso.

Atualmente existem três tipos de terras indígenas: as ocupações tradicionais, e são estas as tratadas pela Constituição
Federal; as reservas indígenas, as terras doadas, adquiridas ou desapropriadas pela União para posse permanente por
povos indígenas (não se submetem aos procedimentos comuns de demarcação); terras interditadas, que são as áreas
protegidas pela Fundação Nacional do Índio (Funai) para preservar grupos indígenas isolados, restringindo o trânsito de
não índios às terras.

A demarcação de terras deve cumprir legalmente quatro fases: identificação e delimitação, demarcação física,
homologação e o registro das terras indígenas (a oficialização da posse tão aguardada pelas comunidades indígenas).

Para as comunidades indígenas, a terra não se resume ao espaço ocupado. Trata-se do local necessário para a
sobrevivência de sua cultura. O encontro com seu território ancestral. Assim, o acompanhamento do procedimento de
demarcação de terras é feito criteriosamente e com muita atenção por parte dos grupos indígenas, para que não se
concretize o cerceamento dos seus direitos à posse de territórios de origem.

Por André Victor Rodrigues, Thiara Montefusco 16 DE ABRIL DE 2019.


Fonte: https://www.ceara.gov.br/2019/04/16/todo-dia-e-dia-de-indio-quais-sao-os-povos-indigenas-do-ceara/.

“A maior bandeira de luta é pela terra”, afirmam povos indígenas em


audiência pública.
Dificuldades e ameaças
Dentre as dificuldades encontradas pelos povos indígenas está a lentidão no processo de demarcação das terras
– o Ceará só possui uma terra indígena com o processo de demarcação finalizado; racismo e preconceito no
serviço público – os indígenas contaram que sempre que buscam dar entrada em algum benefício são
confrontados sobre a legitimidade da identidade indígena por usarem roupas; a estrutura precária de muitas
escolas indígenas; a falta de concurso específico para professores indígenas; a entrada de facções criminosas
em terras indígenas; a investida da especulação imobiliária nos territórios indígenas, dentre outras.

Sobre a investida da especulação imobiliária em terras indígenas, o povo Tremembé da Barra do Mundaú
(Itapipoca/CE) fez, durante a audiência, denúncia da volta das ameaças e conflitos com o grupo empresarial
que, desde 2002, deseja construir um complexo turístico chamado Nova Atlântida em cima de todo o território
Tremembé em Itapipoca. No último dia sete de maio uma estrutura construída pelos indígenas na divisa da
terra indígena com a praia da Baleia foi incendiada. “Nossa resistência não vai calar. O litoral, e não só as
terras indígenas, tem sido protegido pelo nosso povo”, afirma Ezequiel Tremembé.

Por: Amanda Sampaio. Brasil de Fato | Fortaleza (CE), 24 de Maio de 2019 às 13:17
Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2019/05/24/a-maior-bandeira-de-luta-e-pela-terra-afirmam-povos-indigenas-em-
audiencia-publica/ Acessado em: 03/07/2019.