Вы находитесь на странице: 1из 100

Importante

Muito esforço, dedicação e técnica foram empregados na elaboração deste livro


digital. No entanto, podem ocorrer erros de digitação ou dúvida conceitual. Em
qualquer das hipóteses, solicitamos a comunicação ao e-mail acima citado, para que
possamos esclarecer ou encaminhar a questão.

Esse material tem conteúdo meramente informativo e não se caracteriza como oferta,
solicitação ou recomendação de compra ou venda de ação, ativo ou produto
financeiro.

O investimento em ações é uma operação que envolve riscos, bem como as


operações com derivativos, o que pode gerar perdas superiores ao valor investido.
Neste último caso, o investidor pode ser chamado para aplicar mais recursos
financeiros no intuito de cobrir as eventuais perdas.

Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. As valorizações das


ações apresentadas neste material não representam, de modo algum, garantia de
potencial futuro de valorização.

O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, com as instituições financeiras e
com os produtos citados, utilizando-os apenas para ilustrações. Além disso, não
assume nenhuma responsabilidade por eventuais perdas de bens oriundas do uso
deste material. Toda e qualquer decisão tomada após a leitura deste livro digital é de
única e exclusiva responsabilidade do leitor.
Sobre o Autor

André Fogaça é educador financeiro e investidor na Bolsa deste 2004. É formado em


Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS) e pós-graduado em Economia pela mesma instituição. Possui credencial de
Administrador de Carteiras e Consultor de Valores Mobiliários pela Comissão de
Valores Mobiliários (CVM).

É autor de vários e-books e criador do Treinamento Árvore da Riqueza, no qual


ensina o método de investimento em ações utilizado pelos maiores e mais renomados
investidores da história. Além de investidor e empreendedor digital, atualmente
ministra cursos e palestras na área de mercado de capitais.

Em 2008, fundou o site GuiaInvest.com, atualmente com mais de 112 mil investidores
registrados. Hoje, o GuiaInvest é um dos sites de maior audiência na área de
investimentos em ações no Brasil, e tem o objetivo de levar informação sobre a Bolsa
de Valores e avaliação de ações para o público em geral, com uma linguagem simples,
informal e inteligente.
Para saber mais sobre esse trabalho, visite:

www.guiainvest.com.br
Introdução
Cassino, jogo de azar, clube de apostas, bolsa de valores. Para muitas pessoas
que não são investidoras, tudo isso está no mesmo “balaio”. O que diferencia a bolsa,
na visão dessas pessoas, é que é lá que os grandes empresários lançam suas ações
para tirar dinheiro de pessoas inocentes. Que tal?

E não é só isso! Há ainda o pensamento popular que a única forma de ganhar


dinheiro no mercado de ações é utilizando informações privilegiadas e “dicas quentes”
sobre o mercado.

Pois é, infelizmente, a imagem que muitos leigos têm sobre a bolsa não é a
melhor possível...

No entanto, como você verá ao longo deste livro, essa é uma visão totalmente
equivocada. As ações negociadas na bolsa de valores são pequenas partes do capital
de empresas reais que, ao invés de contratar empréstimos junto aos bancos, abrem
seu capital com o intuito de captar recursos para crescer e expandir seus negócios –
seja aumentando o maquinário ou contratando mais empregados, por exemplo.

Com isso, essas organizações têm o objetivo de gerar lucro para os acionistas e
valor para seus clientes, o que tende a refletir positivamente na sociedade de forma
geral, já que tal lucro é devolvido na valorização do preço das ações e na distribuição
de dividendos aos investidores (que se tornaram sócios da empresa e possuem
direitos sobre os resultados financeiros).

A realidade do mercado
A partir de 1994, com a estabilização da economia, o Brasil começou a atrair
muitos investimentos externos, e o cenário começou a mudar para melhor. Com a Lei
das Sociedades Anônimas e a criação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM),
os acionistas minoritários (investidores) passaram a ter uma maior proteção.

Além disso, a bolsa de valores criou o Novo Mercado, o mais alto nível de
governança corporativa, que identifica as empresas com critérios rigorosos de
respeito aos direitos dos acionistas. Dessa forma, a bolsa de valores se transformou
em um lugar ainda mais seguro para se investir.

Por tudo isso, apesar de nos últimos anos o Brasil ter atravessado diversas crises
financeiras, atualmente a BM&FBovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) é o maior
local de compra e venda de ações da América Latina, e cada vez mais tem atraído o
pequeno investidor – seja de forma direta (através do investimento individual em
ações) ou indireta (através de clubes de investimento, fundos e planos de previdência
privada, por exemplo).

A jornada de sucesso como investidor


Você sabe o que todos os maiores investidores do mundo têm em comum? A
resposta é simples: eles investem em ações! É claro que existem outras formas de
investir seu dinheiro, mas o investimento em ações tem se mostrado mais eficaz ao
longo dos anos.

Mas não basta simplesmente “estar” na bolsa de valores para conseguir bons
resultados. Para isso, é necessário dominar os três principais pilares dos investimentos
em ações: conhecimento, estratégia e disciplina. Para iniciar com sucesso a sua
jornada de investidor, este livro vai lhe ajudar a dominar o primeiro e mais importante
desses pilares: o conhecimento.

"Investir em conhecimento rende sempre os melhores juros.“

Benjamin Franklin

Boa leitura!
Conhecendo os “Personagens” do
Mercado
A evolução dos instrumentos de investimento eletrônicos fez com que a dinâmica
do mercado de capitais e das bolsas de valores se modificasse drasticamente nas
últimas décadas. Hoje, cenas de ambientes apinhados de gente com papeizinhos de
compra e venda à mão não são mais uma realidade, mas a “confusão” e a gritaria
continuam nos bastidores, ao telefone e via web, em uma movimentação muito mais
acelerada e numerosa do que nos tempos dos negócios de balcão.

Outra característica do mercado são seus “personagens”, cada um com uma


função muito específica. BM&F Bovespa, CVM, CBLC, corretoras e distribuidoras
e AA fazem parte do “elenco” que compõe a “cena” do ambiente de negócio
conhecido como mercado financeiro.

Como investidor, não importa seu tamanho, é essencial que você compreenda o
papel de cada um desses personagens na realização de negócios – suas
responsabilidades, mecanismos de ação e também comissões e taxas pagas. É isso
que explico a seguir.
BM&F Bovespa
Ainda conhecida como “Bovespa”, a principal bolsa de valores do Brasil hoje é
a BM&F Bovespa, surgida em 2008 a partir da fusão entre a Bolsa de Mercadorias
& Futuros (BM&F) e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

O antes e o depois

Enquanto a Bovespa negociava basicamente ações e títulos de companhias


abertas no mercado antes da fusão, a BM&F negociava papéis de commodities,
assim como seus derivativos e contratos e outros valores mobiliários. Atualmente, na
BM&F Bovespa, todos os tipos de papéis, títulos e contratos estão concentrados em
uma mesma plataforma.

Negociando papéis

As bolsas concentram negociações de títulos e emitem dados e índices com base


nas flutuações de valores resultantes da compra, venda e outras operações realizadas
com os papéis que negociam. No caso de empresas, as bolsas realizam o âmbito de
negociação de suas pequenas “partes” (representadas pelas ações), que são
compradas e vendidas por investidores.

Em tese, ao comprar uma ação da Petrobras, por exemplo, você passa a ser um
sócio minoritário dessa empresa. No caso de títulos e outros derivativos, a bolsa
também lida com operações de compra e venda através de contratos padronizados
ou ainda de contratos customizados, no que chamamos de mercado de balcão.

Termômetro da economia

As bolsas de valores geralmente refletem o nível de saúde da economia e das


empresas de um país, estabelecendo e dando chão para a criação de tendências e
previsões econômicas. Além disso, as bolsas facilitam o crescimento e a capitalização
de empresas, que podem lançar mão de parte de seu próprio patrimônio como
estratégia para captar caixa e recursos no mercado, dando também oportunidade a
investidores de apostar em seu crescimento e resultados – e lucrar com isso!

Comissão de Valores Mobiliários (CVM)


Como ocorre em qualquer tipo de mercado no qual as pessoas podem negociar
de forma livre seus bens e valores, a bolsa de valores pode se tornar uma verdadeira
confusão. Especuladores, fraudadores e até mesmo organizações criminosas podem
fazer mau uso dos instrumentos da bolsa e lesar não apenas os investidores, mas todo
o sistema financeiro e econômico de um país.

Por isso, em qualquer lugar do mundo, sempre há uma entidade reguladora das
atividades do mercado de capitais. A função dessa entidade é normatizar, disciplinar,
desenvolver e por vezes até punir pessoas e empresas que negociam de maneira
inadequada no mercado de valores mobiliários (não apenas nas bolsas, mas também
em seu entorno econômico).

No Brasil, esse papel é desempenhado pela Comissão de Valores Mobiliários


(CVM), que zela pelo bom funcionamento do mercado e mantém o equilíbrio entre as
empresas e agentes que nele negociam.
A comissão possui autoridade para exigir, por exemplo, datas e procedimentos
padronizados para a emissão de documentos, relatórios de desempenho, balanços e
outras obrigações das empresas abertas na divulgação de informações para
investidores e público em geral.

A ideia é proteger o mercado de episódios como, por exemplo, uso informação


privilegiada entre empresas, emissão fraudulenta de resultados ou valores, emissão de
ações sem lastro no patrimônio ou valores de uma companhia, entre outros.

Autoridade

Em caso de disputas de mercado, geralmente a CVM é quem detém a última


palavra, na maioria das vezes aplicando punições leves, mas podendo inclusive
suspender a negociação de ações e papéis de empresas em casos de fraude e
irregularidades, ou até mesmo sugerir a punição dos responsáveis por essas
companhias.

Principais funções

Entre as diversas atribuições da CVM em sua atuação junto ao mercado de


capitais e empresas abertas que nele negociam títulos, podemos destacar:

O estímulo da poupança e da aplicação desse montante em valores mobiliários.


Promoção do correto funcionamento do mercado de ações, regulando e
fiscalizando a ação das companhias abertas no mercado.
Proteção a investidores e detentores de títulos contra fraudes, irregularidades,
emissões e operações ilegais com títulos mobiliários e atos ilícitos e
administradores e acionistas de empresas, bem como o uso de informações
privilegiadas.
Garantia de acesso às informações divulgadas por empresas participantes do
mercado acionário em caráter obrigacional.
Apuração e aplicação de penas previstas em lei para atos ilegais e que firam o
equilíbrio ou a igualdade de condições no mercado.
Fiscalização da ação de auditores, consultores, analistas e outros profissionais
independentes do mercado de valores mobiliários.
Companhia Brasileira de Liquidação e Créditos
(CBLC)
A CBLC é a entidade que realiza praticamente todas as operações de liquidação
e de custódia de papéis e títulos que são negociados no mercado de ações e também
em operações com derivativos, enviando relatórios e informações a cada investidor a
respeito de suas posições e aplicações. Se você já investe em ações ou em fundos de
ações, provavelmente recebeu algumas correspondências da CBLC, certo?

A CBLC também efetua a compensação dos títulos que manuseia. Por essa
razão, ela é a responsável por enviar a você informações a respeito dos papéis que
estão em sua “custódia”. Isso ocorre porque a função prioritária da bolsa de valores é
efetuar a negociação dos títulos, não de administrá-los após adquiridos. Quem realiza
a transferência de créditos e valores para quem vende ações mediante a entrega dos
títulos ao comprador é a CBLC.

Liquidez garantida

Um fato interessante da atuação da CBLC é que a câmara garante a liquidez de


um título, mesmo no caso de inadimplência do agente de compensação que esteja
realizando a compra ou a venda de títulos.

Sob o ponto de vista objetivo, a CBLC concede maior segurança e


transparência ao mercado financeiro, garantindo a liquidez das operações e provendo
informações a acionistas e investidores.

Como ocorre com outros agentes e instituições ligadas ao mercado de ações e


títulos, o investidor arca com taxas de custódia, assim como com alguns custos ligados
à atuação da câmara. Ou seja, se você pretende investir, é melhor se informar a
respeito desses custos e como eles podem afetar o desempenho de seus
investimentos.

Corretoras e Distribuidoras
Uma corretora de valores é, tão simplesmente, a empresa que faz a
intermediação entre o investidor e o mercado, efetuando as operações de compra e
venda e fazendo a ponte no fechamento de contratos e acordos.

Obrigatoriedade

Não se trata de uma escolha – se você pretende investir em ações ou


derivativos, precisa contratar uma corretora de valores! Isso acontece porque é
preciso possuir licença para atuar com gestão e operação no mercado de ações,
sendo que entidades que detêm essa licença são constantemente avaliadas e
fiscalizadas pelos órgãos reguladores.

Pagando pelo serviço

As corretoras cobram taxas por seus serviços, mas muitas delas atrelam parte de
seus custos ao desempenho das aplicações que realizam para seus clientes – uma
forma competitiva e vantajosa de multiplicar seus ganhos e, ao mesmo tempo, garantir
uma melhor remuneração para corretores.

E os bancos?

Alguns bancos podem realizar operações básicas com ações e derivativos,


diretamente ou por intermédio de fundos, porém, se você possui um perfil mais
agressivo ou pretende investir com maior abrangência e variedade, o melhor é buscar
uma corretora especializada para realizar a gestão e a intermediação de seus
investimentos.

Agentes Autônomos de Investimento (AA)


As pessoas físicas que atuam na corretagem de valores mobiliários (como
corretores afiliados a empresas de corretagem e outras instituições que distribuem
valores) são chamadas de agentes autônomos de investimento (AA).

Apesar de muitos não gostarem da comparação, os agentes autônomos atuam


exatamente como corretores de seguros e outros bens e serviços – precisam de um
registro específico para trabalhar, têm a função de prospectar e captar clientes,
podem conceder ao investidor informações sobre produtos e serviços das corretoras
às quais estão ligados e assim por diante.

Esses agentes possuem um treinamento considerável no segmento financeiro e,


não raramente, são graduados nas áreas de economia, administração e ciências
atuariais (ciência das técnicas específicas de análise de riscos e expectativas) e
buscam oportunidades de trabalho nas principais corretoras de olho nas enormes
comissões que o segmento proporciona.

Atualmente, a entidade autorizada pela CVM a credenciar esses corretores é a


Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores
Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord), por isso, sempre verifique se o
corretor que lhe procurou está devidamente registrado antes de fechar qualquer
negócio.
O Mercado de Ações em Detalhes
O mercado de ações é um dos mais procurados pelo investidor iniciante e
também é um dos mais noticiados e acompanhados pela imprensa. De certo modo,
seu nível de complexidade é consideravelmente menor do que o do mercado futuro e
também do que o de opções, nos quais são operados os chamados derivativos.

É no mercado de ações que as empresas de capital aberto negociam partes ou


cotas delas mesmas e de suas subsidiárias, captando recursos financeiros em troca de
uma mínima participação em seu patrimônio e empreendimentos.

Isso tudo faz seus olhos brilharem e você não vê a hora de começar a investir no
mercado de ações? Ótimo! No entanto, antes começar a fazer suas escolhas de
investimento nesse mercado é preciso entender alguns dos principais conceitos que o
regem para poder tomar as decisões de forma mais consciente possível. Vamos a eles.

O que é uma ação?


Ações são títulos que representam uma pequena fração do capital social de uma
empresa. Quando você compra uma ação, está se tornando sócio da empresa em
questão e, por consequência, passa a correr o risco dos lucros ou prejuízos, como
todo empresário.

Tipos de ação
As ações que encontramos no mercado de capitais brasileiro se restringem a
dois tipos principais: as ações preferenciais e as ações ordinárias.

Para marinheiros de primeira viagem, as siglas ON e PN ao final de cada nome


de empresa aberta veiculado em notícias, programas de TV e sites que acompanham
as negociações em bolsa podem causar certa confusão – ainda mais porque,
dependendo do caso, essas ações, mesmo sendo de uma mesma empresa, podem
apresentar preços completamente diferentes – e até mesmo tendências inversas. Por
isso, é fundamental entender esses dois conceitos.

Diferenças entre ON e PN

Mas, afinal de contas, o que distingue esses dois tipos de ação?

Bem, vamos às principais características de cada uma delas e logo você


compreenderá.

As ações ordinárias, ou ON, são aquelas que além de garantir sua “quota”
dentro da empresa, concedem aos donos delas o direito a voto em assembleias gerais
da companhia, nas quais são tomadas decisões em relação à destinação de lucros,
investimentos, alterações no estatuto social, emissão de novos papéis, ações ou
debêntures e muito mais.

Obviamente, se você possui poucas ações ON, sua “voz” dentro da empresa
será praticamente nula. Contudo, alguns investidores e proprietários de ações
ordinárias se unem em grupos e alianças para fazer valer algumas de suas posições
dentro de assembleias e votações.

Preferencial por quê?

Mas então qual é a grande vantagem das ações preferenciais? Bem, o acionista
que detém ações preferenciais não participa de votações e assembleias, mas recebe
uma compensação por isso. Ele sempre tem preferência no recebimento de
dividendos, ou seja, dos lucros distribuídos por algumas empresas de forma anual,
semestral ou até mesmo trimestral. Em muitos casos, além da prioridade, o detentor
da ação preferencial não apenas possui essa “preferência”, mas inclusive recebe um
maior valor em dividendos.

Lançando ações em bolsa

Suponha que a empresa “X” tenha um valor de R$ 10 milhões – com base em


seu capital social.

Essa empresa consegue autorização para emitir ações em bolsa, tornando-se,


antes de tudo, uma empresa de capital aberto.

Podendo emitir ações, a empresa “X” decide colocar em bolsa 20% de seu
capital social, ou seja, o equivalente a R$ 2 milhões em ações. Esse total, então, é
dividido em 200 mil ações que serão comercializadas em bolsa como X ON, para
ações ordinárias, e X PN, para preferenciais.

No ato da emissão, as duas ações terão exatamente os mesmos valores. Como


foram diluídos R$ 2 milhões em 200 mil ações, cada ação terá um preço inicial de
R$10,00.

Flutuação

A partir daí, investidores podem comprar as duas ações e renegociá-las em


bolsa livremente. Os valores de compra e venda a cada dia farão com que os preços
variem conforme seu volume de compra e de venda. Fatalmente, se ninguém comprar
tais ações, seu valor será reduzido gradativamente – até que voltem a aparecer
compradores. Se todos desejam essas ações, investidores estarão dispostos a pagar
sempre mais por elas, fazendo com que o preço suba.

Agora, para realmente fixar tudo isso, uma dica: ligue a TV e acesse sites que
possuam um acompanhamento em tempo real do pregão (sessão de negociações da
bolsa) e veja como os valores das ações sobem e descem durante o dia, conforme
investidores compram ou vendem seus papéis.

Nível de governança
Governança corporativa é o conjunto de instrumentos e mecanismos que uma
empresa de capital aberto cria ou dispõe para informar melhor seus acionistas e
garantir que eles tenham um bom retorno sobre o seu investimento.

A governança é necessária porque não é sempre que o time responsável pela


gestão de uma empresa possui os mesmos interesses de seus acionistas e investidores.
Portanto, a governança cria um canal de informações e troca de opiniões que permite
não apenas aos investidores acompanharem de modo mais objetivo o desdobramento
dos negócios, mas também participar de eventos e encontros nos quais podem,
inclusive, questionar membros da direção da companhia a respeito de investimentos,
desempenho no mercado e planos e projetos futuros.

O nível de governança, teoricamente, está intimamente ligado ao fator risco –


quanto maior o nível de governança de uma empresa, menor será o risco de abusos
de poder por parte de acionistas majoritários que possam lesar investidores e
minoritários, assim como será menor o risco de fraudes e até mesmo de falhas
estratégicas.

Como funciona na BM&F Bovespa?

Cada bolsa de valores possui um sistema ou classificação próprio para definir os


níveis de governança corporativa das empresas que ali negociam suas ações. No
Brasil, a BM&FBovespa opera com cinco segmentos especiais:

Bovespa Mais
Bovespa Mais Nível 2
Novo Mercado
Nível 2
Nível 1

Há algumas diferenças nas regras de emissão dessas empresas. Por exemplo,


empresas do Novo Mercado somente podem emitir ações ordinárias, assim como
empresas no Bovespa Mais também somente negociam ações ON. No caso das
empresas listadas em Nível 1 ou 2, é permitida a emissão de ações ordinárias e
preferenciais.

Obrigações e punições

O nível de governança ainda delimita quanto da empresa deve ser destinada ao


mercado (free float), legisla sobre regras de voto para ações ordinárias e acúmulo de
funções de gestores, obriga ou não a tradução de demonstrativos e resultados para o
inglês e também estipula qual a proporção entre ações ordinárias e preferenciais.

Em alguns casos, empresas podem perder seus níveis de governança pela


BM&FBovespa, no caso de não cumprimento de obrigações referentes ao seu nível
correspondente de governança. Nesses casos, a bolsa adverte a empresa e
posteriormente pode proibi-la de negociar ações em determinado nível de
governança, podendo inclusive envolver a CVM em sua decisão, como regulador.

Classe de ação
Existem alguns tipos específicos de ações em negociação no mercado de
capitais, mas antes de falarmos de cada um deles, é preciso entender o que é a
“classe” de uma ação.

As ações são negociadas em bolsa geralmente por meio de um código. Como já


falamos, temos, por exemplo, ON para ações ordinárias nominativas e PN para
preferenciais nominativas, as mais negociadas no mercado. Mas, por vezes, temos a
adição de mais uma letra correspondente à classe da ação, como PNA ou PNB.

Cada caso é um caso

É difícil determinar “regras” para cada uma dessas classes, de um modo


genérico. Essa classe na verdade representa um regulamento e definições particulares
para cada tipo de ação, que são descritas e decididas pela empresa emissora,
constante em seu estatuto social.

É sempre bom consultar esses estatutos em busca de explicações mais objetivas


a respeito das diferenças de uma classe para outra. E, no caso de empresas com alto
nível de governança, geralmente canais de relações com o investidor podem
facilmente responder a essas questões.

O importante é, antes de colocar seu dinheiro em uma ação, entender todas as


características dela e da empresa. Por isso, é essencial saber o que cada letra significa
no conjunto da obra. Informe-se, estude, pesquise e tome suas decisões de forma
consciente. Isso vai fazer toda a diferença em seus investimentos!
Clube de Investimento
Os clubes de investimento têm se tornado cada vez mais comuns no Brasil. No
entanto, por aqui, essa é uma onda relativamente nova, que começou a se formar de
uns dez anos para cá. Já nos Estados Unidos, os clubes ganharam fama na década de
1980, quando começaram a ser vistos como excelente forma de permitir que
investidores com menor poder de capitalização pudessem acessar possibilidades de
investimento que antes somente eram acessíveis para investidores de grosso calibre.

Com base nisso, a ideia deste capítulo é lhe explicar um pouco mais sobre o que
são e como realmente funcionam os clubes de investimento, mostrando também por
que eles se diferenciam de outras opções indiretas de investimento – como os fundos
de ações, por exemplo. Preparado para entender?

O que é um clube de investimento?


De um modo simples, um clube de investimento é exatamente o que parece: um
grupo de pessoas físicas que se juntam para investir em ações comuns, definindo
estratégias que são seguidas e financiadas por todos os membros e repartindo lucros e
custos desses investimentos.

Apesar de atingir grande popularidade nos anos 1970 e 1980 nos EUA e a
partir do final da década de 1990 no Brasil, os clubes de investimento surgiram antes
mesmo da Independência do Brasil, por volta de 1800! Na época, pequenos e
médios investidores nos Estados Unidos, em geral fazendeiros e comerciantes,
criaram espécies de “cooperativas”, nas quais vários deles eram depositários. Essas
cooperativas conseguiam juntar recursos suficientes para efetuar grandes
movimentações em bolsa.
A regra é clara

Em muitos países a ação desses clubes ainda é informal, mas no Brasil seu
funcionamento e pressupostos jurídicos de abertura de CNPJ são regulamentados
pela CVM. A BM&FBovespa, por sua vez, faz a fiscalização e normatização dos
clubes, determinando algumas regras, como por exemplo o número máximo de
quotistas em cada clube. O gestor (representante) dessa “cooperativa” não pode
receber remuneração, e obrigatoriamente deve ser um dos próprios cotistas, de modo
que não haja conflito de interesses.

Apesar de todas as regras e normas, a própria BM&FBovespa há mais de 20


anos incentiva a formação desses clubes, até para ampliar o volume de negociações
de mercado, o que beneficia a bolsa e todas as empresas existentes no pregão.

Características
Como dito anteriormente, os clubes de investimento são geridos por de seus
próprios cotistas e não devem possuir mais de 50 pessoas com quotas associadas a
cada um deles. Até aí tudo bem, mas quais outras regras se aplicam aos clubes e
quais suas características e limitações?

Participantes

Os Clubes de Investimento deve possuir no mínimo três e no máximo 50


participantes.
Os Clubes de Investimento deve possuir no mínimo três e no máximo 50
participantes.
Nenhum investidor pode ter mais de 40% das cotas do clube
O representante e o gestor do clube deverão respeitar todas as regras que
constam no estatuto criado pelos cotistas

Cotas diferentes

Cada cotista pode possuir uma cota diferente dos demais. Assim, em um clube
no qual há 21 pessoas inscritas, é possível ter 20 quotistas com 4% das cotas do
clube, enquanto um único deles possui outros 20%.

Carteira e Operações

Todo Clube de Investimento deve ter no mínimo 67% de seus recursos


investidos em ações ou fundos de ações. O valor restante pode ser investido em
outros investimentos, como renda fixa.

Tributação

A alíquota do Imposto de Renda é de 15% sobre o rendimento das aplicações


feitas por Clubes de Investimento. Porém, isso acontece apenas no momento do
resgate do cotista. As vendas de ações não são tributadas, desde que o valor
permaneça dentro do clube.

Os resgates feitos em prazo inferior a 30 dias, a partir da aplicação, estão


sujeitos à cobrança de IOF (imposto sobre operações financeiras).

Despesas
Os Clubes de Investimento precisam atuar em conjunto com corretoras de
valores – o clube geralmente define e indica qual a sociedade corretora que o
representará. Essa corretora cobrará uma taxa de administração que será
proporcionalmente rateada entre todos os membros do clube.

As despesas de abertura do clube são também divididas, assim como despesas


com a documentação, que sempre deve ser emitida em três vias.

Vantagens e desvantagens
Agora chegamos ao momento crucial dessa lição. Tudo bem, você já entendeu por
alto o que é um clube de investimento, mas quais são as vantagens e desvantagens de
fazer parte de um? Algumas delas são visíveis e claras, mas é preciso analisar com
calma, como veremos a seguir.

Uma desvantagem e vários benefícios

Antes de mais nada, clubes de investimento possuem algumas restrições em


relação ao tipo e volume de investimentos que podem realizar. Além disso, há
limitações de decisão, uma vez que você não investe sozinho e está certamente sujeito
a opiniões alheias, com as quais pode não concordar. Essa é a grande desvantagem.
Entretanto, para o pequeno investidor, há uma série de vantagens em participar de um
clube para investir. São elas:

Custo menor

Com menos exigências por parte de autoridades e reguladores e uma


administração mais simplificada, os clubes têm custos reduzidos em relação a fundos,
por exemplo.

Participação

Os clubes permitem que você interaja e de fato participe das decisões de


investimento. Fundos geralmente são administrados por empresas mais experientes,
mas você não possui qualquer voz ativa nas orientações sobre como serão aplicados
os recursos.

Diversificação

Com um maior volume de recursos, o clube pode diversificar e investir em várias


ações simultaneamente, e ainda utilizar-se de investimentos de renda fixa para
compensar oscilações negativas, tornando o jogo mais seguro para os participantes.

Informação

Assim como em fundos ou aplicações bancárias, o participante do clube recebe


um extrato com o patrimônio do clube, movimentação, número de cotas e seu valor,
rendimento no período e sua participação total.

Liquidez

Geralmente, na saída de um dos membros, clubes já possuem acordos a respeito


da redistribuição das cotas, o que torna seu investimento uma aposta de alta liquidez,
podendo ser resgatado tecnicamente a qualquer momento.

Fundos x Clubes
Tanto fundos quanto clubes de investimento facilitam a vida do investidor
iniciante e menos capitalizado. A principal diferença é que, ao contrário do clube, o
fundo não possui um número máximo permitido de cotistas – ele pode crescer
indefinidamente.

Do mesmo modo, o fundo é geralmente administrado por uma corretora, um


banco ou outra instituição financeira autorizada pela CVM. O investidor é apenas um
cotista, mas não tem realmente influência em modificações realizadas na carteira (no
caso de fundos chamados “ativo”) ou nas regras e disposições do estatuto (no caso
dos fundos “passivos”, que não variam seu portfólio e geralmente estão atrelados a
um tipo específico, senão a uma única ação). Já em um clube você tem influência em
modificações realizadas na carteira.

7 passos para criar um Clube de Investimento


Criar seu clube de investimento é fácil. Para isso, basta seguir este sete passos:

1. Escolher uma corretora de valores

A corretora responde por toda a burocracia de um clube de investimento,


incluindo o registro dos cotistas e novos entrantes, a movimentação financeira e
emissão de relatórios. Os cotistas podem escolher a corretora que acharem melhor.

2. Definir o tamanho do investimento

Os cotistas precisam decidir de quanto será o investimento inicial. Como vimos


anteriormente, os participantes não são obrigados a investir o mesmo valor, uns
podem decidir fazer investimentos mais pesados – lembrando que as cotas sempre
serão proporcionais ao depósito. Contudo, nenhum membro poderá assumir mais de
40% das cotas totais.

3. Estatuto social

O próximo passo é definir as regras do clube – a corretora geralmente auxilia os


membros a produzir esse documento, que terá regras para o investimento, gestão,
definirá quais são tipos de ativos a serem adquiridos e geridos pelo fundo, além de
trazer regras para a inclusão de novos cotistas ou alienação de cotas de antigos
membros.

4. Cadastros e mais cadastros

Todos os cotistas serão, então, cadastrados pela corretora. As razões são


óbvias: como essa empresa fará a gestão burocrática e organizará transferências de
valores, precisa contar com os dados de todos, mais assinaturas em termos de adesão
e fichas cadastrais padronizadas.
5. Definir um representante

Após todos cotistas possuírem cadastro, chega a hora de escolher um deles para
ser o representante do clube.

6. Registrando

Aí, já é possível registrar o clube. Mais uma vez, a corretora de valores cuidará
de toda a papelada – que não é pouca! Para que o clube finalmente receba o aval
para iniciar suas operações, não basta possuir apenas um CNPJ, é preciso contar
com registros na bolsa, na CVM e também na Receita Federal.

7. Comece a investir

Feito isso, chega a hora de investir (além, é claro de participar de discussões,


decisões e definições a respeito de como seu dinheiro será aplicado)!
Ofertas Públicas
Agora que você já sabe o que são ações, está na hora de entender como elas
são formadas e quais são os primeiros passos dados por uma empresa quando
finalmente decide (e consegue) listar seus ativos na bolsas de valores.

O processo funciona de modo semelhante no Brasil e em todas as demais bolsas


espalhadas pelo mundo. Quando uma empresa entra com seus ativos para negociação
no mercado, ela precisa realizar uma oferta inicial, na qual oferece suas ações para
investidores – que compram o lote ofertado e passam a negociar esses papéis entre si.

O principal motivo de uma empresa abrir capital na bolsa é para captar recursos
financeiros para financiar seus projetos de expansão. Tais recursos são obtidos por
meio da venda dessas novas ações, que são compradas pelos atuais ou por novos
acionistas.

Oferta primária e secundária (IPO)


A oferta pública inicial de uma empresa, que no Brasil ficou conhecida pela sua
sigla em inglês – IPO, de Initial Public Offering – é um tipo de oferta na qual as ações
emitidas por uma companhia são vendidas ou dispobilizadas ao público em bolsa de
valores pela primeira vez. Ou seja, é uma espécie de oferta “inaugural” dos papéis de
uma empresa que acaba de abrir capital.

A partir do momento em que uma empresa realiza uma IPO, ela passa a operar
como uma empresa de capital aberto. Isso quer dizer, basicamente, que parte de seu
capital foi fracionado em ações que qualquer um pode comprar e possuir, bastando,
para isso, pagar o preço dessas ações na cotação do dia.

Primária x secundária

A oferta primária é aquela na qual a base acionária da empresa aumenta. Trata-


se de uma emissão de novas ações, que expandem o número total de quotas
existentes, e cujos recursos levantados com a venda são embolsados pela companhia.

Na oferta secundária, não há o lançamento de novas ações e o capital social da


empresa que as emite continua exatamente igual. Trata-se, na verdade, da
redistribuição de ações já existentes que estão em poder de acionistas específicos –
que são aqueles que de fato embolsam a receita proveniente da venda dos papéis. Em
outras palavras, a oferta é secundária porque não é encabeçada pela própria
empresa, e sim por investidores que detêm determinado volume de ações da
companhia em questão.
Vantagens e desvantagens para a empresa emissora

A empresa que emite ações em IPOs possui algumas vantagens assim que abre
seu capital, mas também passa a trabalhar com algumas desvantagens.

Abrindo capital e realizando a oferta, a empresa receberá logo de cara um bom


montante de recursos para engrossar seu caixa (caso estejamos falando de uma oferta
primária). Ela também ganha outras possibilidades futuras de levantamento de
recursos em bolsa, via instrumentos como a emissão de bônus de dívidas, debêntures
e até novos lotes de ações para levantar fundos.

No entanto, a partir do momento que realiza uma IPO, a empresa passa a ter
seu capital e negócios expostos diretamente ao mercado financeiro, que pode
constantemente afetar não apenas os ânimos de sócios e acionistas, mas também da
própria clientela e de fornecedores.

O que analisar em uma IPO?

Viu algumas possibilidades de investimento em IPOs que se aproximam? Ótimo,


mas para ter certeza que a aquisição dessas ações é realmente vantajosa, analise estes
itens:

Caso a empresa já tenha lançado ou negociado ações, avalie com cuidado as


oscilações que ocorreram.
Verifique com calma todos os dados da última performance financeira da
empresa e suas projeções para o futuro.
Busque análises e relatórios de avaliação de terceiros, de analistas ou de
consultorias independentes sobre a IPO.
Leia com calma o prospecto da IPO, especialmente seções como “Principais
Fatores de Risco”.
Verifique quem são as instituições financeiras que estão coordenando a
emissão.
Avalie o tipo de investidor que está demonstrando interesse pela companhia.

E, convenhamos: estudo nunca é demais, então qualquer informação adicional


que você conseguir sobre essa empresa em particular, seus clientes, concorrentes e
comportamento no mercado, é muito bem-vinda e deve ser avaliada com calma.

Oferta pública de aquisição (OPA)


OPA é a sigla usada para a Oferta Pública de Aquisição de ações. Mas o que
ela quer dizer, afinal?

A OPA ocorre quando alguém manifesta um compromisso para adquirir um


número ou volume determinado de ações, estabelecendo o preço de compra e
também os prazos envolvidos nessa negociação. O objetivo, nesse caso, é fazer com
que todo e qualquer acionista ou detentor de papéis de determinada empresa possa
alienar suas quotas de forma igualitária.

Contudo, nem sempre isso é uma questão de escolha – existem OPAs


voluntárias, mas também existem OPAs obrigatórias. Fora isso, há várias maneiras
diferentes de realizar uma OPA.

Voluntária ou obrigatória

Muitas OPAs oferecem preços-alvo para a aquisição de ações a todos os


acionistas e aguardam simplesmente a manifestação daqueles que desejam alienar suas
ações pelo preço oferecido e estipulado na oferta. Contudo, em alguns casos,
especialmente quando o objetivo é assumir o controle de uma empresa ou integralizar
novamente todas as ações, de modo a fechar o capital, a oferta pode ser obrigatória.

É claro que não pode ser “qualquer” oferta. Existem critérios expressos para que
se possa realizar uma OPA de forma obrigatória, e todos eles devem ser atendidos,
sob o risco de a oferta ser indeferida ou cancelada.

Total e parcial

Não é preciso que o manifestante da OPA ofereça-se para a compra da


totalidade das ações em mercado. Ofertas desse tipo também podem se limitar a uma
categoria ou tipo específico de ação, como por exemplo apenas ações ON – para
que o autor da OPA possa assumir uma boa posição de votação na empresa-alvo, e
também se limitar a uma porcentagem específica de controle – assim, quando a
porcentagem é atingida, a oferta se extingue e passa a não ter mais validade.

Hostil e amigável

A maioria das OPAs é feita de modo “amigável”, ou seja, mediante a aviso


prévio e conhecimento inclusive dos conselhos da empresa. Muitas vezes, ofertas são
solicitadas especialmente quando dizem respeito à recompra por parte do próprio
grupo controlador, ou ainda quando ocorrem ofertas de aquisição e fusão externas,
para as quais OPAs são definidas amigavelmente, para compra antecipada das ações
em bolsa.

Porém, há casos nos quais uma empresa ou pessoa pode fazer uma chamada
oferta “hostil”. Nessa modalidade, o conselho de administração da companhia
emissora das ações não é previamente avisado sobre a oferta.

Geralmente, ofertas hostis são feitas por concorrentes visando a consolidação de


mercado, ou por parte de fundos e outros compradores que pretendem usar uma
maior fatia adquirida em bolsa para pressionar a empresa em relação a decisões ou
até mesmo a realizar uma venda forçosa de seus ativos.

A importância das ações na economia


Mas afinal de contas, por que as ações são importantes para girar a economia?
Por que elas influenciam e são influenciadas pelo mercado e por fatores econômicos?

Para quem é investidor, a importância das ações é óbvia: gerar lucro em


aplicações. No entanto, para as empresas que emitem esses papéis, geralmente, o
objetivo é produzir capital a partir de ativos fixos e patrimoniais, ou a partir de um
valor de marca ou demais valores intangíveis. Com isso, a empresa usa parte de seu
poderio econômico ou de mercado para levantar capital a um custo extremamente
inferior ao praticado por bancos e outras linhas de crédito, e de forma mais rápida.

Para a grande maioria das companhias abertas, as ações são uma alternativa
rápida e viável de resolver problemas de caixa, quitar dívidas de curto prazo e até
mesmo impulsionar projetos de investimento que necessitam de maiores aportes.

Ciclo do dinheiro na bolsa


Embora a bolsa, em muitos aspectos, reflita as condições econômicas do país,
sua movimentação e o volume de capital que circula em seus pregões não podem ser
interpretados como meros “espelhos” da economia. Se assim fosse, bastaria
acompanhar os índices macroeconômicos para sempre investir na hora certa.

A bolsa, na verdade, circula muito mais dinheiro do que a mera somatória dos
valores dos papéis e ações ali disponibilizados. Ao longo de um mesmo dia, uma ação
pode ser comprada e vendida múltiplas vezes, para pessoas completamente
diferentes, provendo margens de lucro e também perdas, e variando totalmente sua
cotação durante um intervalo de poucas horas.

Na economia, as empresas melhores administradas, que geram empregos e


renda, são as que mais geram lucro, e isso reflete em suas cotações na bolsa de
valores , ou seja, a bolsa de valores não só espelha a economia, como a impulsiona!
Acionistas: Direitos e Garantias
Houve um tempo em que o mercado financeiro parecia um tumulto na Avenida
Paulista. Sem pregão eletrônico, os corretores passavam o dia gritam em dois ou três
telefones ao mesmo tempo, riscando seus blocos e jogando seus pedidos de compra
e venda no balcão.

No entanto, apesar da bagunça visual, mesmo naquela época já existia um


sistema que organizava as operações e garantia aos acionistas e investidores que
aplicavam seu dinheiro ali direitos e garantias assegurados pela própria bolsa e por
entidades reguladoras.

Esses direitos, garantidos e fiscalizados pelas autoridades envolvidas (e pela


bolsa de valores em si), oferecem ao acionista um ambiente justo e seguro para
aplicação de seu capital, além de garantir a isonomia de condições entre as empresas
que operam no mercado. Preparado para saber quais são eles?

Direitos
Via de regra, acionistas que adquirem papéis de uma empresa em bolsa são
considerados acionistas minoritários de tal companhia. Os acionistas majoritários
operam dentro da esfera de controle do grupo, tomando decisões e até mesmo
realizando operações de compra e venda de participações à parte da negociação
corrente em bolsa, embora utilizando o valor de cotação das ações como base em
suas ofertas e transferências de controle.

Para garantir certa equidade entre minoritários e majoritários, já que os


primeiros, mesmo no caso de deterem bom volume de ações ordinárias, raramente
têm autoridade ou forte poder de decisão em relação aos rumos da empresa na qual
investiram, reguladores do mercado de capitais estipularam uma série de direitos para
acionistas minoritários.

São eles:
Participação nos lucros.
Fiscalização.
Informação.
Preferência em subscrições de ações que impliquem em aumento de capital.
Recesso.
Arbitragem na resolução de conflitos.
Direito ao voto, no caso de ações ordinárias.
Direito à indicação de membros para compor o conselho de administração da
sociedade em questão.
Direito a requerer a convocação ou o adiamento de assembleias gerais e
especiais.
Entre outros.

Apesar de alguns desses direitos soarem bastante óbvios, outros exigem alguma
explicação. O direito de recesso é um deles. Ele garante, em suma, que o acionista
minoritário possa, em condições previstas em lei, retirar-se da sociedade mediante o
recebimento do valor equivalente às suas cotas – a ocorrência de fusões ou
incorporações é um desses exemplos.

Além disso, a indicação de membros para o conselho também pode ser feita por
minoritários que detenham o equivalente a 10% do total do capital social, e
minoritários podem, conforme prevê a lei, associar-se entre si de modo a alcançar
esse mínimo quórum exigido para nomeação de conselheiro e respectivo suplente.

A lei das sociedades anônimas descreve com mais detalhes cada um desses
direitos, que muitas vezes também podem ser encontrados nos próprios prospectos
das companhias abertas com ações em negociação na bolsa.

Subscrição

A subscrição é, na verdade, um direito garantido aos acionistas para que eles


possam adquirir novas ações, a título de benefício, por um preço determinado. O
benefício aparece quando a empresa decide conceder, e funciona, de certo modo,
como um “desconto” para que aqueles que já investem na empresa comprem novas
ações por um preço abaixo do preço de mercado.
Tag along

Tag along é outro mecanismo de proteção ao acionista minoritário. Ele permite


que o acionista deixe a sociedade nos casos nos quais o controle da companhia que
emitiu as ações receba uma oferta por parte de um investidor externo, garantindo o
mesmo valor pago pelas ações dos controladores.

Remuneração dos acionistas


A compra e venda de papéis e a realização de lucros ou prejuízos a partir dessas
operações são de total responsabilidade do acionista, mas muitas companhias
bonificam ou concedem participações e remunerações extras para aqueles que
compram ou adquirem suas cotas. A seguir, apresentaremos algumas dessas formas
de remuneração e suas diferenças.

Distribuição de dividendos

A legislação brasileira obriga as empresa com ações em bolsa a distribuir,


periodicamente, pelo menos 25% de seus lucros entre acionistas. Portanto, quando
você recebe os famosos dividendos de uma ação, na verdade está recebendo parte
dos lucros realizados (a outra parte é incorporada ao patrimônio da empresa).
Esses dividendos são pagos com base no lucro líquido, já descontando Imposto
de Renda (IR) e outros impostos e contribuições. Por essa razão, quando você,
acionista, recebe esses lucros em forma de dividendos, pode posteriormente lançá-los
como isentos de imposto em sua declaração de renda, uma vez que o IR desse
montante já foi recolhido pela empresa de antemão.

Juros sobre capital próprio

É provável que você já tenha ouvido falar dessa outra forma de remuneração de
acionistas. Na prática, para o acionista, a grande diferença é que esse valor não é
declarado como isento, e o detentor de ações precisa recolher uma alíquota de 15%
de imposto de renda sobre o montante.

Essa modalidade costuma ser mais vantajosa para as empresas. Como os


valores são deduzidos antes do lucro líquido, a empresa acaba diminuindo a base
cálculo para o pagamento de uma série de impostos, entre eles o IR e a CSLL.
Bonificações

A bonificação, ao contrário das outras formas citadas de remuneração,


geralmente consiste em uma distribuição gratuita de ações para os acionistas
existentes, após eventos de aumento de capital ou de incorporação de reservas.

Mas, calma, não comece a rir à toa! Nas bonificações, o preço das ações tende
a se ajustar ao valor patrimonial da companhia. Por exemplo, se uma empresa anuncia
uma bonificação de 100% (ou seja, para cada ação que você possui, você receberá
uma nova), seu número de ações em carteira irá dobrar, porém, o mesmo não
ocorrerá com o valor das ações. Se você tem R$ 1 milhão em ações, após a
bonificação, você terá o dobro de cotas, porém elas continuarão a valer os mesmos
R$ 1 milhão. Ou seja, cada ação terá se valor reduzido pela metade.

Eventos sobre ações


Ações são objetos dinâmicos – por vezes, alguns eventos específicos podem
mudar suas características de valor e negociação, e como investidor, é preciso sempre
estar ligado em relação a essas possibilidades. Elas podem se apresentar como
problemas ou oportunidades, e isso basicamente só depende de você.

Esses eventos geralmente não modificam os valores que você possui em ações,
porém, dão indícios importantes a respeito do mercado futuro para esses papéis,
assim como em relação ao desempenho da empresa em si.

Desdobramento (split)

Às vezes, ações ou cotas valorizam demais e acabam perdendo a liquidez – isso


quer dizer que pequenos investidores têm cada vez menos acesso a essas cotas e a
ação acaba sendo difícil de ser vendida. Assim sendo, a empresa resolve desdobrar
uma mesma ação em duas, três, dez ou qualquer outro número de ações.

Dessa forma, a empresa aumenta a quantidade de ações na bolsa, mas sem


alterar o seu capital social, reduzindo o valor unitário da ação, e por fim, aumentando
a liquidez de suas ações no mercado.
Nesses casos, o investidor mantém o mesmo valor e passa a deter um número
maior de ações. Por exemplo, digamos que cada cota de mil ações da companhia “X”
tenha atingido o valor de R$ 100,00. A empresa resolve transformar cada uma das
ações em duas, com isso a cota passa a valer R$ 50,00. Contudo, se você antes
possuía 100 cotas dessa empresa, automaticamente passará a deter 200 delas,
mantendo o valor de seu investimento.

Grupamento (inplit)

O grupamento de ações é o movimento exatamente inverso ao desdobramento.


Geralmente, ele ocorre quando as ações da empresa atingem um valor baixo demais,
o que não é um bom sinal. Então, a empresa resolve reduzir a quantidade de ações na
bolsa, mas sem alterar o seu capital social, aumentando, assim, o valor unitário da
ação.

Por exemplo, digamos que você tenha cotas de cem ações da companhia “Y”.
Cada uma dessas cotas atingiu o valor de R$ 1,00. A empresa decide, então, juntar
as cotas em grupos de dez, emitindo uma nova cota que passa a valer R$ 10,00.
Desse modo, se você antes possuía mil cotas dessa empresa, passará a deter apenas
cem delas, embora o valor de sua carteira permaneça inalterado.
Mecanismo de ressarcimento de prejuízos – MRP
Erros podem ocorrer em qualquer lugar e o mercado de ações não é uma
exceção. Algumas vezes, erros operacionais cometidos pelas corretoras que fazem a
gestão de valores, ou durante operações relacionadas à custódia desses papéis,
acabam gerando prejuízos ao acionista. O MRP é exatamente o instrumento de
indenização que garante ao acionista ressarcimento por esses equívocos sobre os
quais ele não tem poder. O MRP é acionado em diversas situações, mas geralmente
entra em ação nos seguintes casos:

Execução errônea ou omissão em ordens.


Uso inadequado de valores mobiliários – em especial em operações de
financiamento ou empréstimo de valores.
Entrega de valores mobiliários ilegítimos ou de circulação restrita ao investidor.
Encerramento de atividades por parte da corretora ou empresa gestora.
Falta de autenticidade no endosso de ativos ou inadequação nas procurações e
documentos necessários para transferências.

Como apresentar reclamação ao MRP


Reclamações ao MRP podem ser apresentadas em até 18 meses após o fato
que gerou o prejuízo, sendo que reclamações cujo prazo tenha sido excedido não
serão analisadas. As reclamações devem possuir dados e conteúdo mínimo para
averiguação:

Nome da instituição, bem como eventuais administradores, empregados ou


também prepostos, que tenham inflingido o prejuízo.
Descrição detalhada do fato que gerou o prejuízo (com datas, horários, ativos
envolvidos e o que mais for relevante).
Valores envolvidos no suposto prejuízo, limitados a R$ 70 mil por ocorrência
isolada.
Opção para o recebimento dos recursos – em dinheiro ou ações, nunca nas
duas formas.

As reclamações devem ser apresentadas por escrito, com assinatura e firma


reconhecida, e são necessários os seguintes documentos: cópias autenticadas do
documento de identidade, do CPF e do comprovante de endereço do reclamante.
Entendendo o Funcionamento do
Mercado
Acesso ao mercado
Para você entender o funcionamento do Mercado, precisamos fazer uma viagem
no tempo...

A história das bolsas de valores é mais antiga do que se imagina. Muitos


consideram que os precursores desse tipo de mercado teriam sido os romanos, com
seu Collegium Mercatorum; outros, acreditam que as praças de comércio marítimo do
Mediterrâneo tenham sido o pontapé inicial para a forma de negociação que vemos
hoje.

O que pode-se afirmar, contudo, é que a bolsa como conhecemos teve sua
origem ainda no século XV, em Bruges, na Bélgica. Naquele tempo, empresários e
comerciantes da cidade passaram a se reunir para negociar não apenas a compra e a
venda de mercadorias, mas também de metais preciosos, moedas diversas e até letras
de câmbio.

Próximo do ano 1600, a Europa já operava bolsas na Antuérpia e em Amsterdã,


Lyon, Bordeaux e Marselha (Londres e Paris tiveram suas bolsas inauguradas por
volta da metade do século XVII). O comércio de ações de empresas, entretanto,
apareceu apenas no século XIX, quando houve uma certa cisão: parte das bolsas se
manteve especializada em mercadorias, e outras instituições passaram a negociar
papéis de empresas e os chamados “valores mobiliários”.

Os próprios governos passaram a usar a bolsa como mecanismo para levantar


recursos para empresas públicas e projetos de infraestrutura, e logo foram seguidos
pelas empresas privadas, que passaram a negociar não apenas ações, mas títulos de
dívidas e, posteriormente, papéis relacionados ao chamado mercado de futuros.

Pregão presencial
Até o final da década de 1980, o nível de informatização em bolsa se limitava à
validação e ao controle das negociações pelos balcões, e as bolsas de valores eram
conhecidas como locais que abrigavam milhares de pessoas que passavam o horário
comercial em uma “bagunça organizada”, gritando ordens de compra e venda
atravessadas enquanto falavam com clientes e investidores ao telefone. À medida que
negociações eram concluídas, preços de ações e papéis eram atualizados em um
imenso painel, no qual valores oscilavam durante todo o dia até o horário do
fechamento.

Com a chegada dos anos 1990 e da era da informatização, a bolsa foi


gradualmente adotando o chamado pregão eletrônico em várias de suas rotinas, até
que chegasse ao estágio de desenvolvimento atual.

Pregão eletrônico

No final da década de 1990, quase a totalidade das operações realizadas em


bolsa já eram feitas de forma eletrônica e, posteriormente, grande parte dessas rotinas
também foi integrada com mecanismos online, para criar a forma com que o pregão é
atualmente realizado.

Os atores presentes no mercado continuam os mesmos – corretoras e


operadores recebem ordens de seus clientes e investidores e as executam dentro do
sistema de pregão eletrônico. A oscilação de preços dos papéis continua a ocorrer
durante todo o dia, mas hoje é possível acompanhar sua variação em tempo real a
partir de qualquer lugar do mundo.

A gritaria e a confusão do espaço do pregão na bolsa cederam lugar a uma


multidão invisível de investidores que postam suas ordens de compra e venda
virtualmente ou por telefone, e essas são apenas encaminhadas e executadas através
de chamadas eletrônicas.

Home broker
A evolução da bolsa até chegar à integração com meios online permitiu o
surgimento de um mecanismo que, sem dúvida, foi um dos grandes responsáveis pela
democratização do mercado de ações: o home broker.

Com ele, investidores de todos os tamanhos passaram a poder realizar a compra


e a venda de ações a partir de sistemas integrados com seus bancos e corretores de
modo online – softwares que permitem a esses clientes não apenas visualizar e
acompanhar seus investimentos, mas realizar todo o tipo de ação relacionada ao
mercado financeiro.

A redução dos montantes mínimos para investimento em bolsa fez com que
todos os grandes bancos de varejo disponibilizassem sistemas de home broker para
seus clientes e correntistas, o que multiplicou consideravelmente o número de pessoas
que realmente participa do mercado de ações e outros mercados em bolsa, como os
de futuros e de opções.

Vantagens
A popularização do home broker, fora a facilidade de uso e operação, foi
conseguida graças a outra grande vantagem do sistema além de sua informatização: a
isenção do imposto de renda para operações de até R$ 20 mil por mês. Isso garantiu
ao pequeno investidor um incentivo para retirar suas aplicações da poupança e dos
fundos de renda fixa e passar a arriscar um ganho maior em bolsa.

Acima dos R$ 20 mil, o IR ainda incide com alíquota de 15%, mas geralmente
esse imposto apenas afeta pessoas que, mesmo antes da criação do home broker, já
operavam com frequência no mercado de capitais.

Horário de funcionamento
Em geral, a BM&FBovespa opera negociações das 10h00 às 16h55 em todos
os dias úteis – com exceção do mercado a termo, que negocia até 17h20. Antes
disso, no período da manhã, há 15 minutos de intervalo, entre 9h30 e 9h45, para o
cancelamento de oferta, além da chamada “pré-abertura”, que corre entre 9h45 e
10h00.

Para os mercados à vista e fracionário, há, ainda cinco minutos de “call de


fechamento”, até às 17h00, além do chamado “after market”, que garante mais cinco
minutos para o cancelamento de ofertas e opera negociações das 17h30 às 18h00.

O after market

O after market da BM&FBovespa é um serviço que permite o recebimento de


ordens de compra e venda para a realização de negócios por meio de home brokers.
O período existe para garantir que pequenos investidores, que não têm chance de
operar durante o pregão principal, possam realizar suas ordens e negociações com
tranquilidade.

Na prática, não há nenhuma condição especial, a não ser servir como uma
“extensão” do período de negociações para acomodar esse tipo de investidor.
Durante o horário de verão, o after market ocorre uma hora mais tarde, das 18h30 às
19h00.
Horário de verão

O horário de verão altera o horário de funcionamento do sistema bancário e


também da bolsa de valores. Veja abaixo como ficam os horários do pregão normal e
do after no período do ano em que os relógios são adiantados em uma hora. Fique
atento para enviar a sua ordem dentro do horário de funcionamento da bolsa.

Pregão Normal

Sem horário de verão: das 10h às 17h


Com horário de verão: das 11h às 18h

After Market

Sem horário de verão: das 17h45 às 19h


Com horário de verão: das 18h45 às 19h30

Tipos de ordens
Uma ordem, no vocabulário do mercado de ações, nada mais é do que uma
solicitação de compra ou venda emitida pelo investidor ao intermediário contratado,
que pode ser uma corretora, financeira, banco ou qualquer outra instituição autorizada
a operar em bolsa.
Quem pode executar

Essas ordens precisam ser transmitidas ao intermediário por escrito, via telefone
ou sistema de transmissão de voz, ou ainda por conexões eletrônicas autorizadas, tal
como muitas das plataformas disponibilizadas por bancos. Todas as ordens precisam
ser registradas com seu horário de recebimento, autor da ordem ou cliente, e as
condições para sua execução.

Tipos

Há três tipos básicos de ordens que podem ser dadas ao intermediário, para que
o mesmo execute essa solicitação em bolsa.

Ordem a mercado – Somente especifica a quantidade e principais


características das ações ou valores mobiliários a serem comprados ou
vendidos, sem especificar ou fixar preço-alvo, e com execução programada
assim que a ordem é emitida.
Ordem limitada – Essa ordem é similar a anterior, mas somente poderá ser
executada quando o preço-alvo for igual ou melhor do que o estabelecido pelo
cliente.
Ordem casada – Constitui uma ordem que, simultaneamente, determina uma
posição de compra e outra de venda, podendo apenas ser executada por
completo e de modo concomitante.

Validade

As ordens e ofertas que são solicitadas pelos clientes e apresentadas e operadas


pelas corretoras e instituições junto à BM&FBovespa também possuem diferentes
prazos de validade, podendo se limitar ao dia em que a ordem foi encaminhada, ser
válidas até uma data especificada ( de no máximo 30 dias à frente) e podem também
permanecer vigentes até cancelamento por parte do investidor (novamente, durando
no máximo 30 dias).

Há, ainda, mais duas possibilidades de validade: a chamada “tudo ou nada”, ou


seja, caso a ordem não possa ser integralmente executada no momento de seu
encaminhamento, será automaticamente cancelada pelo sistema; e a “execute ou
cancele”, que deverá ser executada imediatamente até a quantidade ou volume
possível, devendo o saldo remanescente ser automaticamente cancelado após a
negociação.

Formas de negociação
O mercado de capitais não é uma coisa única – existem diversas formas de
negociar papéis, títulos e ações, e essas diferenças constituem verdadeiros
“submercados” dentro da bolsa de valores. A seguir, apresento os quatro tipos
distintos de mercado nos quais os valores mobiliários são negociados.

Mercado à vista

Nesse mercado, o mais conhecido do público em geral, para o qual o


acompanhamento de cotações em tempo real é mais difundido na internet ou mesmo
em redes de TV, o comprador paga pelas ações e o vendedor entrega os lotes
adquiridos no terceiro dia útil após a transação, ou D+3, como é comum dizer no
mercado.

Entretanto, os preços firmados obedecem aos patamares do momento da


transação, sendo esses os valores envolvidos no processo e que serão transferidos em
troca das ações no terceiro dia útil após o fechamento do negócio.

Mercado a termo

O mercado a termo trabalha com contratos que determinarão a compra ou


venda futura de um volume específico de ações, após certo prazo, e por um preço já
fixado. Os prazos de contratos a termo podem variar enormemente, entre 16 e 999
dias corridos, dependendo do contrato.

Diferentemente do que acontece no mercado à vista, o fechamento de contratos


a termo exige um depósito de garantia, usado como cobertura ou margem. Embora os
dois essencialmente tenham a mesma função, o depósito funciona quase como uma
caução, enquanto a margem é um valor que visa a redução dos riscos de liquidação
da operação.

O contrato a termo pode ser automaticamente liquidado pelo vencimento ou


ainda antes do vencimento, conforme termos do contrato, e necessariamente apenas
pelo comprador. A liquidação antecipada pode ser feita apenas em dinheiro e tem
como limite o prazo de três dias úteis antes do vencimento oficial, ou V-3, no jargão
do mercado.

Mercado futuro

Para iniciantes, pode ser difícil detectar as diferenças entre o mercado a termo e
o mercado futuro. O mercado futuro também negocia contratos com execução em
uma data porvir, pré-determinada, e também exige depósito de garantia, por
cobertura ou margem. Entretanto, no mercado futuro, os papéis sofrem um ajuste
diário, negativo ou positivo, conforme o preço médio dos negócios realizados com
esses contratos durante o pregão. A diferença entre dois pregões diários
consecutivos, seja ela positiva ou negativa, é creditada ou debitada dos investidores
com posições em aberto, após o fechamento do contrato no dia.

A liquidação é feita por meio do cálculo do preço médio dos negócios realizados
com o ativo objeto no mercado à vista – por essa razão, os papéis futuros sempre
representam contratos de compra e venda futura de ativos existentes no mercado à
vista, como ações, commodities e outros.

Os contratos futuros têm vencimentos todos os meses, sempre na terceira


segunda-feira do mês.

Mercado de opções

O mercado de opções é um mercado bastante peculiar e geralmente usado


apenas por investidores mais experientes. Ele exige muita cautela e cálculos exatos,
caso contrário, pode implicar em perdas que chegam ao total do valor investido – ou
até mais.

Resumidamente, nesse mercado são negociadas as opções. Esses títulos


conferem ao portador uma “opção”, ou um direito de concluir determinada operação.
Parece complexo e, embora em termos matemáticos até possa ser, a explicação é
razoavelmente simples.

Opções de compra dão ao portador o direito de adquirir determinada ação ou


ativo por um valor determinado. O vendedor, no caso, é obrigado a entregar o ativo
conforme explicitado na opção no caso de exercício por parte do comprador. Essa
opção também é conhecida como um CALL.

Há, ainda, opções de venda, nas quais o portador possui o direito de vender
determinado ativo por um preço fixado e, caso venha a exercer tal opção, obriga
automaticamente a outra parte a comprar esse ativo conforme estabelecido. Essa
opção é conhecida como um PUT.

Estratégias diversas com múltiplas CALL e PUT são realizadas por investidores
como forma de reduzir perdas ou garantir mínimos ganhos – quer a bolsa esteja em
alta ou em baixa.
Circuit breaker
Alguns mecanismos impedem que a bolsa sofra quedas demasiadas,
preservando não apenas os interesses de alguns acionistas e investidores, mas a
própria integridade da bolsa em si e do sistema financeiro de um país (ou de vários,
no caso de bolsas de maior proeminência).

Esse mecanismo é conhecido mundialmente como “circuit breaker”, e consiste


basicamente em interrupções e suspensões do pregão que têm como função trazer o
mercado à normalidade durante episódios de oscilação atípica.

Como funciona

Centrando nossa explicação na BM&FBovespa, o mecanismo de circuit breaker


possui três regras fundamentais no caso de oscilações bruscas ou movimentos atípicos
de mercado:

Se o índice da bolsa, no caso o Ibovespa, recuar 10% em relação ao


fechamento do pregão anterior, os negócios são suspensos pelo período de 30
minutos.
Caso os negócios sejam reabertos e o Ibovespa siga em queda até 15% em
relação ao fechamento do pregão anterior, os negócios novamente são
suspensos, dessa vez por uma hora inteira.
Voltando o pregão, caso o recuo siga até o patamar de 20% negativos em
relação ao dia anterior, a bolsa poderá suspender os negócios uma terceira vez,
desta vez por prazo determinado conforme critérios próprios. A determinação,
entretanto, deverá ser comunicada ao mercado.
Durante a última meia hora de pregão, nenhuma das regras acima é acionada,
por razões evidentes relacionadas aos períodos de suspensão. Caso uma interrupção
ocorra durante a penúltima meia hora do dia, o pregão será estendido por mais 30
minutos, sem que haja nova interrupção.

Leilões
Não são muitos que sabem dessa ocorrência diária na bolsa de valores, mas,
todos os dias, acontecem os chamados leilões de pré-abertura e encerramento.

Como funcionam

O leilão de pré-abertura ocorre durante os 15 minutos que antecedem a abertura


do pregão. Nesse período, a bolsa aceita o registro de ofertas de compra ou de
venda de ações, embora o fechamento do acordo não seja de fato computado – o
sistema apenas fará o cruzamento desses lances e ofertas após a abertura (os dados
precisam se cruzar, ou seja, uma oferta de compra é “casada” com uma oferta de
venda em igual valor). As ofertas do leilão não podem ser canceladas.

Esse leilão permite que investidores garantam a negociação pelo preço de


abertura, o que nem sempre é possível logo após a abertura do pregão. Ele também é
importante no sentido de computar e executar ordens colocadas a partir de sistemas
de Home Broker, pela internet, já que essas ordens podem ser enviadas a qualquer
hora do dia, mas apenas entram em vigor no horário do pregão. No início do leilão de
pré-abertura, essas ordens no sistema são registradas de fato.

Já no leilão ou “call de fechamento”, há apenas cinco minutos para o registro de


ofertas, entretanto, esse é um dos períodos nos quais a bolsa registra o maior volume
de negociações. No call de fechamento, apenas participam ações de alguma das
carteiras de índice da Bovespa.

Aluguel de ações
Outro interessante mercado existente no âmbito da bolsa de valores é o
“aluguel” de ações e outros ativos, em um contrato conhecido como BTC. Essa
modalidade de investimento possui duas partes interessadas, o doador e o tomador.

Banco de Títulos

O Banco de Títulos, ou BTC, é a entidade por meio da qual a BM&FBovespa


oferece o serviço de empréstimo de valores mobiliários. A bolsa garante essas
operações, sendo que qualquer agente de custódia pode oferecer ativos, sejam eles
próprios ou detidos por clientes que tenham autorizado a operação de empréstimo.

Como funciona

O doador recebe uma remuneração conforme seja pactuada no contrato, menos


os impostos incidentes e mais uma receita adicional bruta concedida pela
BM&FBovespa, equivalente a 0,05% do volume emprestado.

O tomador, ou aquele que “aluga” as ações, arca com a taxa de serviço


combinada e paga também emolumentos da bolsa, que por vezes podem também ser
cobrados do doador. O doador não pode, no período de empréstimo, negociar as
ações emprestadas, mas também tem direitos sobre pagamentos extras concedidos
pela empresa emissora, como dividendos. O tomador aufere as receitas decorrentes
da oscilação nos preços das ações.

Duração

O prazo mínimo do aluguel é de um dia – e não existe prazo máximo.

Custo

Em relação ao custo, o valor do aluguel oscila de acordo com a demanda pela


ação, sendo que o tomador pagará pelo tempo que ficar com a ação.

Modalidades

Há três diferentes modalidades de empréstimo ou aluguel de ações mais


utilizadas na bolsa de valores atualmente:

Reversível ao tomador, que permite que a pessoa que aluga as ações encerre
o contrato a qualquer momento, pagando uma taxa de empréstimo
proporcional ao tempo decorrido de permanência com os ativos.
Reversível ao doador, na qual o doador faz a chamada para encerramento do
contrato e dá ao tomador quatro dias para devolução dos ativos.
Vencimento fixo, em que tomador e doador acordam previamente uma data
de vencimento para o contrato, quando as ações serão devolvidas. Nesse
caso, a taxa de aluguel deve ser paga pelo tomador com antecedência.

Riscos
Fora os riscos de mercado tradicionais, vinculados às oscilações de um ativo, o
aluguel de ações sempre oferece o risco da parte tomadora não honrar a devolução
dos ativos alugados ou mesmo o pagamento da remuneração tratada na operação.

Nesses casos, o BTC atua reduzindo esses riscos por meio do recálculo em
base diária das necessidades de garantia, exigindo depósitos por parte do tomador. O
banco também pode executar as garantias do tomador, se necessário, além de emitir
ordens de compra sobre os ativos, beneficiando o doador, ou ainda aplicando multas
diárias de 0,2% no caso de atraso na entrega.
Como Avaliar Uma Ação
Ao investir em uma ação, você cria uma expectativa de ganhos decorrente desta
compra, ou seja, do investimento realizado. Esses ganhos podem vir de duas formas:
por meio do recebimento de dividendos ou pela valorização da ação. Para
potencializar seus ganhos, você precisa saber avaliar as ações em que pretende
investir. Para isso, deve observar três aspectos: rentabilidade, risco e liquidez.

Rentabilidade

A rentabilidade refere-se ao ganho que você terá no investimento que realizou.


Tais ganhos dependem de vários fatores, como crescimento da empresa, desconto do
preço da ação, etc.

Risco

O risco é o fator que mais assusta os investidores iniciantes na bolsa de valores –


e está diretamente relacionado ao retorno do capital investido. É importante lembrar
que ações são ativos de renda variável, ou seja, não oferecem ao investidor uma
rentabilidade garantida e previamente conhecida. Por isso, são consideradas
investimento de alto risco.

Liquidez

A liquidez refere-se à facilidade de comprar ou vender uma determinada ação na


bolsa de valores.

Com base nesses três aspectos, você poderá fazer uma correta avaliação do
preço e qualidade de uma ação e assim decidir se deve ou não investir nela. Se
decidir investir, para tirar o melhor dela, você deve contar com o apoio da Análise de
Ações, em que poderá utilizar a escola que preferir, seja a Análise Gráfica ou Análise
Fundamentalista.

Análise fundamentalista
A análise fundamentalista é um estudo que envolve a situação financeira,
econômica e setorial de uma empresa, tanto olhando de forma individualista para o
desempenho e para os drivers dessa empresa, quanto olhando essa companhia em
relação ao contexto da economia e do mercado em geral.

Basicamente, a análise fundamentalista foca na leitura e na interpretação de


dados econômicos e financeiros dos mais variados tipos, que abrangem desde
aspectos da microeconomia (como preços de produtos e de serviços), até fatores
macroeconômicos (como os juros, a inflação e as condições da economia em geral).

Onde encontrar informações

Em primeiro lugar, assine ou acompanhe um jornal ou um bom site de economia


(no blog do GuiaInvest, procuro sempre reunir boas dicas para os seguidores da
análise fundamentalista. A leitura diária do noticiário econômico é uma peça
fundamental na vida de qualquer bom investidor. Com foco principalmente nos setores
das empresas cujas ações você decidiu focar, planeje as coisas de modo a poder,
todos os dias, ler e avaliar resumos e projeções oferecidos pela imprensa
especializada.

Outra fonte de informação importante são os sites e páginas de entidades e


instituições que lidam com projeções e índices relacionados à economia e ao
desempenho de setores-chave dentro dela. Associações empresariais, institutos de
apoio ao investidor, órgãos públicos como o IBGE e o IPEA, fundações como a
FGV e outras que produzem relatórios econômicos e técnicos podem ajudar, e muito,
um investidor preocupado em agir de maneira racional.

Finalmente, é preciso acompanhar as próprias empresas cujas ações você


pretende comprar ou vender. Todas elas possuem ferramentas e departamentos
específicos para relacionamento com investidores, através dos quais divulgam com
frequência não apenas balanços e demonstrações trimestrais de resultados, mas
também fatos relevantes sobre acontecimentos marcantes, projeções de resultados e
anúncios de investimento, por exemplo.

Etapas da avaliação
Seguindo a “cartilha”, o investidor deve diariamente realizar uma trilha,
acumulando informações importantes para tomar decisões em relação à sua carteira.
Uma primeira boa olhada deve ser dada sempre nas perspectivas macroeconômicas.
O mercado espera uma aceleração da inflação? O dólar está sofrendo grandes
variações e as empresas nas quais você pretende investir são exportadoras? A
alíquota de impostos incidentes sobre o lucro foi modificada?

Passada a análise macroeconômica, o investidor deve voltar suas atenções para


o panorama e às projeções setoriais. Imagine, por exemplo, que você detém um bom
número de ações da Petrobras. O preço dos combustíveis deve tornar a subir em
âmbito nacional, porém, as cotações internacionais do petróleo seguem em queda –
como isso irá impactar nos preços das ações da companhia?

Finalmente, como citei anteriormente, cada empresa individualmente trabalha


com projeções e estatísticas próprias, remetendo esses dados e relatórios aos
investidores com alguma frequência. Essa etapa é particularmente importante, pois
mesmo em condições favoráveis de mercado e setor, por vezes empresas sofrem com
desafios próprios que podem comprometer seus resultados. Do mesmo modo,
determinadas empresas em particular podem reverter quadros setoriais que
tecnicamente seriam negativos.

Fatores e riscos

Podemos dividir em dois grupos os fatores de influência nos preços e


movimentação das ações avaliadas pela análise fundamentalista: o risco
macroeconômico e os riscos microeconômicos.

Os riscos macroeconômicos

Esses tipos de riscos compreendem qualquer fundamento e índice econômico


global e relacionado à estrutura econômica do país, o que inclui:

Inflação – Pode afetar o valor das ações caso os preços dos produtos
comercializados pela empresa estejam defasados, mas também pode refletir
positivamente caso eles sejam automaticamente corrigidos pelos índices de
inflação ou com base neles, como é o caso de tarifas de energia.
Juros – Têm particular influência sobre o grau de endividamento de uma
empresa, uma vez que os juros influenciam diretamente no custo de
empréstimos, linhas de crédito e financiamento que a empresa pode ter
contraído ao longo do tempo.
Câmbio – Pode ter influência favorável ou desfavorável, dependendo das
operações de cada empresa efetuadas em dólar e outras moedas. No caso do
dólar, muitas vezes influencia também o endividamento, já que muitos
empréstimos e linhas são atrelados ao dólar.
Petróleo – O petróleo é uma commodity que possui flutuações internacionais
em seus preços, e por sua natureza tem o poder de influenciar custos de todas
as empresas e setores.
Recessão mundial – Fatores macroeconômicos de outros países também têm
o poder de influenciar as ações em bolsa local. Muitas empresas possuem
negócios no exterior e esses índices também influenciam na macroeconomia
local.
Crescimento mundial – Produz os efeitos inversos da recessão, sob os
mesmos mecanismos.

Riscos microeconômicos

Não apenas índices conjunturais afetam o preço das ações – ocorrências no


funcionamento da economia cotidiana e também setorial têm influência direta e, por
vezes, até mais acentuada, nos valores das ações e papéis em mercado. Dentre os
fatores de influência, podemos enumerar:

Concorrência – O avanço ou retroação de companhias rivais dentro do


mercado de atuação das empresas pode afetar negativamente ou positivamente
o valor das ações, uma vez que afetará diretamente as vendas e o resultado de
uma empresa.
Produtos substitutos – Um “anexo” da concorrência ocorre quando o público
encontra substitutos para os produtos da empresa listada em bolsa, o que pode
reduzir as expectativas de receita e lucro e, com isso, produzir um recuo nos
preços da ação.
Custos de produção – Sempre que matérias-primas ou insumos elevam seus
preços, a tendência é que a companhia listada venha a produzir menos lucros,
desencorajando investidores.
Regulamentação ambiental – As leis ambientais complexas e intrincadas
podem gerar multas pesadas, que afetarão os balanços das empresas em bolsa,
ou mesmo atrasar e prejudicar projetos de expansão e investimento.
Tributação – Aspectos tributários diversos podem produzir efeitos negativos
nos preços das ações quando ocorre aumento da carga, ou flutuações
positivas, no caso de isenções ou políticas de simplificação tributária.
Controle acionário – Qualquer mudança no controle acionário de uma
empresa pode afetar o ânimo dos investidores, gerando corridas de compra ou
de venda dos papéis de determinada empresa. Além disso, muitas vezes, até
mesmo boatos sobre possíveis mudanças de controle acionário acabam
causando esse efeito.
Influência do governo – O poder de entes governamentais e sua influência
sobre as decisões de uma empresa pode auxiliar ou atrapalhar o desempenho
das ações.

Métodos de avaliação

Há inúmeros métodos de avaliação utilizados por investidores e alguns deles até


mesmo criam métodos próprios e particulares para criar “raios X” de suas empresas-
alvo, mas dentro dos principais e mais utilizados no mercado, podemos começar
citando a chamada avaliação por múltiplos, da qual destaco quatro métodos:

Retorno sobre Patrimônio Líquido

O Retorno sobre o Patrimônio Líquido (RPL) pode ser encontrado ao dividir o


lucro obtido em determinado período pelo valor do patrimônio líquido médio do
mesmo intervalo de tempo. Esse número dá ao investidor uma boa ideia sobre qual
será o impacto dos lucros sobre o valor das ações, uma vez que cada uma delas
possui um valor patrimonial que pode ser usado como referência – e que corresponde
ao patrimônio líquido total simplesmente dividido pelo número de ações emitidas.
Retorno sobre Patrimônio Líquido = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido

Lucro por Ação

Outra forma de avaliar o desempenho de uma ação é encontrar o valor do lucro


em relação a quantidade de ações emitidas, ou seja, o chamado Lucro por Ação
(LPA). Para chegar ao LPA, basta dividir o lucro total da empresa pelo número de
ações da companhia.

Lucro por Ação = Lucro Líquido / Quantidade de Ações Emitidas

Dividend Yeld (DY)

O método de dividendo avalia, em relação ao último balanço, o percentual do


preço da ação que retornou ao investidor na forma de dividendos. Quanto maior esse
indicador melhor será.

DY = Dividendos / Preço da Ação

Preço/Lucro (PL)

Finalmente, muitos investidores utilizam o chamado P/L, que nada mais é do que
um índice de proporção que indica a relação entre o preço da ação e o lucro líquido
gerado durante determinado período de tempo.

PL = Preço / Lucro Anual por Ação

Fluxo de Caixa Descontado (FCD)

O desempenho das empresas não é contabilizado com base nos ativos e bens
que elas acumulam, e sim na sua capacidade de gerar fluxo de caixa em exercícios
futuros, ou trocando em miúdos, sua capacidade de produzir dinheiro e receita.

No FCD, as perspectivas futuras de geração de caixa de uma empresa são, de


certo modo, trazidas para o presente, para que possam fornecer uma projeção de
como essa empresa irá lidar com suas dívidas e também sobre as possibilidades de
geração de lucro e valor em exercícios futuros. O método é muito utilizado para
mensurar, por exemplo, os valores de empresas e suas ações no caso de propostas
de aquisição, fusão ou formação de joint-ventures, mas também pode ser usado pelo
investidor comum.

A fórmula para avaliar o Valor Presente do Fluxo de Caixa (VPFC) é a seguinte:

Onde:

n = vida útil do ativo

r = taxa de desconto (normalmente utiliza-se a Selic)

FCt = Fluxo de Caixa no Período t

Análise gráfica
Mas não apenas de números e balanços vive o investidor. Às vezes, é preciso
ser mais objetivo e sucinto em avaliações, pois o mercado não espera por suas
decisões. Nesses casos, a análise de gráficos e diagramas é um dos instrumentos mais
amplamente utilizados por investidores e economistas que desejam tomar rápidas
decisões sobre a compra e venda de seus ativos e investimentos.

Também conhecida como análise técnica, a análise gráfica é utilizada desde as


primeiras décadas do século XX, tendo como ponto de partida uma série de regras e
axiomas propostos e desenvolvidos por Henry Charles Dow.

A Teoria de Dow

Henry Charles Dow pode ser considerado o pai da análise técnica no mercado
de capitais. Não por acaso um dos fundadores do aclamado Wall Street Journal, Dow
deixou como legado uma série de artigos e teorias que foram posteriormente
compilados por economistas e especialistas para criar uma série de regras básicas.
Destaco:

As médias descontam tudo – Segundo Dow, a importância de balanços e


notícias beiram o irrelevante, pois todos os rumores, acontecimentos e
tendências que vemos hoje já foram absorvidas pelos preços das ações.
Três tendências – Dow considerava que o mercado deve ser analisado por
sua movimentação segundo três tendências – primária (refere-se ao longo
prazo), secundária (médio prazo) e terciária (curtíssimo prazo, que inclui de
horas até uma semana útil).
Três estágios – Cada tendência se forma e ocorre em três etapas: acumulação,
que é o momento no qual investidores começam a acumular posições em seus
investimentos orientados pela tendência que se forma; movimentação, que
compreende o momento verdadeiro, em que a tendência se confirma e a
movimentação flui; e distribuição, investidores mais experientes começam a
efetuar correções, prevendo o final do ciclo da tendência.
Médias confirmam tendências – Quanto maior o período analisado, maiores
as chances das médias de aproximarem das tendências observadas.

Dow ainda considerava que tendências basicamente podem ser confirmadas


pelo volume de negociações que seguem seu traçado, e que elas são válidas até o
momento de sua inversão, em que a estratégia do investidor deve ser reavaliada.

Tipos de gráficos

Os gráficos usados na análise técnica de ações são bastante característicos e


possuem formatos bem particulares. São utilizados três tipos básicos de gráficos:
linhas, barras e candlesticks.

Gráficos de linhas

São os mais simples, e geralmente não exigem nenhum treinamento específico


por parte do investidor para aprender a usá-los. A maioria é capaz de avaliar
facilmente gráficos dessa natureza, geralmente usados apenas para mostrar a variação
dos preços de uma ou mais ações, ou de índices, em função do tempo.

Gráfico de barras

Também chamado de OHLC (Open High Low Close ou Abertura Máxima


Mínima Fechamento), são os mais sofisticados, e geralmente mostram dados como os
valores de abertura e fechamento nos preços de uma ação, além dos picos e valores
mínimos atingidos pela cotação em um dia ou em um determinado período.

Novamente, os gráficos são mostrados em função do tempo. Quanto maior a


distância entre máximos e mínimos em uma barra, maior foi a volatilidade dos preços
daquela ação no pregão analisado. O gráfico, além de mostrar evoluções e tendências
em função do tempo, pode mostrar traços de expansão da atividade especulativa,
aumento nos volumes transacionados, entre outros.
Candlestick (ou candles)

Em termos de informações cedidas, o candlestick (nomeado assim porque se


assimila ao corpo de uma vela) é semelhante ao gráfico de barras, mas traz novidades
em relação à síntese das informações.

Os pontos de máximo e mínimo da cotação são representados pelas “sombras”


do candle, ou seja, os segmentos de reta acima e abaixo da figura.

Tipos de candles
O candlestick possui duas configurações: ele pode ser verde ou vermelho.
Candle verde indica preço de fechamento maior que o de abertura, portanto, uma
valorização, ao passo que os vermelhos indicam movimento contrário.

Tempos gráficos

É preciso definir também a periodicidade das análises gráficas efetuadas. A isso


se dá o nome de “tempo gráfico”. O tempo gráfico pode ser diário, semanal, mensal,
trimestral, anual e por aí vai. Na análise gráfica, o eixo Y sempre representará os
preços de uma ação, sendo que o eixo X, o horizontal, representará o tempo
decorrido na análise.

Os candles são ferramentas particularmente úteis para analisar movimentos em


qualquer tempo gráfico, pois em seu próprio grafismo mostram a tendência do ciclo
verificado, assim como a finalização em alta ou em baixa, e também o nível de
oscilação da ação. Assim sendo, em um tempo gráfico diário, cada candle
representará a variação durante o pregão, no tempo semanal, cada candle
corresponderá à variação durante cinco pregões e assim por diante.
Os “stops”

“Stops” são simplesmente ordens de venda condicionadas e emitidas


previamente pelo dono da ação junto à corretora responsável. Ao autorizar um stop,
o investidor determina qual o máximo que deseja perder, no caso de baixa de uma
ação, ou sua meta de ganho, caso a ação valorize.

O “stop loss” é uma ordem de venda com o objetivo de limitar perdas. Assim
sendo, imagine uma ação cujo valor atual é de R$ 100,00. O investidor autoriza um
stop loss no patamar de R$ 90,00. Assim, caso a ação desvalorize e atinja esse
patamar, a corretora automaticamente executa a ordem de venda e liquida a ação ao
valor de R$ 90,00.

O “stop gain”, ao contrário, consiste na meta de ganhos de um investidor.


Considerando a mesma ação com valor atual de R$ 100,00, um stop gain pode ser
autorizado no patamar de R$ 120,00. Isso significa que, caso a ação se valorize até
esse nível, a corretora automaticamente dispara a ordem de venda e liquida a ação
pelo preço da meta.

Os stops geralmente são usados por investidores que já esperam um movimento


de alta ou baixa determinado, mas preferem aguardar até a confirmação da tendência
para movimentar suas posições.

Suportes e resistências

Os pontos de suporte e resistência são usados para determinar os limites de uma


tendência e indicar sinais de reversão. Geralmente, as tendências não são lineares.
Ações oscilam para cima e para baixo, embora no maior intervalo de tempo elas
mostrem uma confirmação de suas curvas de tendência.

Quando uma tendência de alta está em curso, um ponto máximo de valorização


costuma ser considerado. Esse nível de preço, em que ocorre a interrupção da alta e
uma curva de baixa tem início, é chamado de resistência. Por mais que o mercado
force, esse ponto parece intransponível, e pressões de venda começam a surgir no
mercado, com investidores apressados para realizar seus lucros após o ciclo de alta.
O suporte, por outro lado, é uma espécie de piso – um ponto mínimo até o qual
uma tendência de baixa se estende. Quando o ponto é atingido, investidores começam
a ampliar a pressão de compra, já antecipando uma valorização da ação após um
longo período de baixa.

Fatores que influenciam o preço

São inúmeros os fatores que podem influenciar o valor de uma ação. Na


verdade, qualquer notícia ou acontecimento de mercado possui o poder de influenciar
tanto investidores que possuem quanto aqueles que desejam comprar ações, fazendo
com que o mercado reflita esses saltos de oferta ou demanda, e impactando
diretamente nos preços.

Desde índices macroeconômicos primordiais (como a inflação ou os juros), até


mudanças setoriais, condições de importação e exportação, demanda ou escassez de
determinado produto ou mesmo condições climáticas (especialmente no caso de
empresas e commodities relacionadas ao segmento agrícola) – tudo precisa ser
acompanhados pelo investidor, pois certamente têm uma consequência negativa ou
positiva sobre os valores negociados.
Derivativos
Os derivativos têm esse nome por serem contratos e papéis associados a um
ativo subjacente, taxa de referência ou índice, negociados ou não no mercado à vista.

Como, de certo modo, os derivativos ainda causam confusão em termos de


compreensão para investidores iniciantes e para o público em geral, principalmente
por fazerem parte de um mercado complexo e que exige maior experiência por parte
do investidor, debateremos, a seguir, os principais pontos que você precisa saber
sobre eles.

Para quem os derivativos servem?


Os derivativos são ferramentas importantes para empresas resguardarem
posições, ou investidores assumirem posições vantajosas por antecipação – mesmo
não dispondo do capital para investimento à vista.

No entanto, esses mercados são profundamente controversos e o antro


preferido de atuação de grandes especuladores, que são capazes de abalar estruturas
de segmentos inteiros da economia, criando falsas condições de oferta ou demanda
para maximizar seus lucros.

Ainda assim, especuladores são peças importantes para mercados do gênero.


Sem eles, os títulos, futuros e opções negociados, dificilmente teriam liquidez suficiente
para ser mantidos dessa maneira.

As opções ainda servem para produzir o que se chama de efeito de


“alavancagem” de um ativo. Isso quer dizer que um ativo pode movimentar valores
que excedam várias vezes seu próprio patrimônio ou valor em carteira.

Porém, ao mesmo tempo em que pode criar enorme ingresso de capital, essa
alavancagem também eleva o risco, já que no caso de graus de alavancagem que
excedam muitas vezes o patrimônio real, as perdas também podem superar, inclusive,
o próprio valor total dos títulos-objeto negociados.
Mercado a termo
Mercado a termo é o local onde compradores e vendedores fixam o preço de
um determinado lote de ações para liquidação em uma data futura predeterminada. A
negociação no mercado a termo é muito semelhante à do mercado à vista. Nele, o
investidor compra ações financiadas por um terceiro, que, por sua vez, cobra uma
taxa do investidor financiado. Com isso, o investidor espera que a taxa paga no
financiamento seja menor do que a valorização do ativo comprado.

Todo contrato a termo, não importando seu período de execução – 30, 60, 90,
120 ou mais dias – possui uma ação ou commodity como título-objeto. Durante a
operação, o investidor passa a receber todos os direitos existentes sobre o papel à
vista, como juros e dividendos.

A principal vantagem e uso desse tipo de contrato é a aquisição de ações ou


títulos via financiamento de terceiros. Suponhamos que determinado investidor deseje
reforçar uma posição em determinada ação daqui a dois meses, porém não dispõe
desse capital à vista. Como tem expectativas de valorização do papel, ele pode firmar
um contrato com outra parte que possua recursos para a compra, o chamado
“doador”. O investidor que propôs o contrato a termo passa, assim, a ser o tomador
do título a termo.

Ao vencer o período de 60 dias, o tomador recompra os títulos do doador por


seu valor originalmente pago – mais os juros e remunerações acordados em contrato,
independentemente da oscilação do papel em bolsa no período.

O risco, nesse caso, está exatamente na possibilidade de que as previsões de


alta do tomador não se concretizem, e ele acabe tendo de arcar com o pagamento de
um valor maior pelas ações, somado dos juros firmados no contrato a termo. Por essa
razão, esse tipo de negociação exige o depósito de uma garantia, podendo usar suas
ações, moeda, Títulos Públicos, ouro ou CDB.

Mercado futuro
O mercado futuro envolve principalmente as commodities, papéis referentes a
insumos agrícolas, industriais e até ambientais. Apesar de seu funcionamento
semelhante ao do mercado a termo, o mercado futuro possui mecanismos ainda mais
sofisticados e um risco ainda maior – o ajuste diário dos compromissos. Valores de
oscilação entre os contratos executados são calculados diariamente, e os ganhos ou
perdas computados e liquidados, em base diária. Por essa razão, contratos futuros
são apenas negociados em bolsa.

Os futuros, como são chamados, são extremamente padronizados, possuem


grande liquidez e uma possibilidade de encerramento de posições a qualquer
momento, pelo valor atual dos contratos, uma vez que o ajuste se dá em base diária.
Embora possuam um vencimento futuro, esses contratos acabam sendo negociados
com a mesma liberdade e dinâmica do mercado à vista.

Negociando commodities

Pode parecer um pouco estranho, mas o fato é que você já deve ter ouvido
falar, até por questões históricas, sobre bolsa do café, bolsa da soja, bolsa de metais
e muitas outras. Algumas dessas bolsas ainda perduram, mas o auge dessa variedade
aconteceu no século XIX e começo do século XX, quando diversos países possuíam
bolsas específicas, que lidavam com o comércio de títulos e direitos sobre
mercadorias, inclusive com caráter especializado.

Santos, por exemplo, ainda possui o prédio da histórica bolsa do café, embora
tais contratos sejam hoje negociados na BM&FBovespa. Ao redor do mundo, e
também no Brasil, essas pequenas bolsas foram sendo aos poucos integradas em
bolsas únicas de mercadorias e futuros, como ocorreu por aqui.

Alguns países ainda operam bolsas com maior grau de especialização, como é o
caso da Bolsa de Metais de Londres e a Baltic Exchange, também na Inglaterra, que
lida com commodities relacionadas ao transporte e a fretes.

No Brasil, a bolsa mercantil negocia principalmente contratos de commodities


agrícolas: café, boi gordo, açúcar e outros. Esses contratos são extremamente
padronizados, e descrevem não apenas o peso ou medida constante em cada contrato
(em quilos, sacas, arrobas ou outras unidades), mas também o tipo do produto e, no
caso de alguns deles, detalhes como nível de acidez, impurezas, umidade, local de
entrega ou retirada e muito mais.

A grande maioria das negociações acaba não envolvendo a chamada liquidação


física, embora ela seja possível. Isso quer dizer que para cada contrato negociado,
deve existir o volume correspondente da mercadoria fisicamente falando. Algumas
empresas de processamento e industrialização de alimentos, por exemplo, executam
contratos revertendo os papéis em insumos para sua produção. No entanto, os
principais usos dos contratos envolvendo commodities, principalmente títulos futuros,
envolvem o investimento em si e também a operação conhecida como “hedge” (sobre
a qual falaremos mais adiante).

Vantagens e desvantagens

As commodities apresentam certas vantagens e desvantagens para aqueles que


desejam resguardar suas posições. Como é de se esperar, tanto lucros como
prejuízos estão sujeitos simplesmente às oscilações de preço. Mas em alguns casos,
mesmo com algumas perdas mínimas em relação ao preço pago à vista e o preço de
liquidação, o simples fato de contar com o produto no longo prazo torna a operação
de aquisição de futuros de commodities vantajosa.

Investidores de commodities acompanham o mercado dos produtos e insumos


nos quais investem de modo frenético. Assim como nas ações de empresas, as
commodities estão sujeitas ao “humor” dos investidores, porém, em menor grau. O
grande risco das commodities está profundamente ligado às condições de oferta e
demanda do produto do qual o título deriva, e problemas e ocorrências nesses
mercados podem causar devastações nas cotações.

Por exemplo, períodos mais alongados de seca podem afetar o volume de


produção da soja – nesse caso, investidores e empresas que assumiram o risco e
adquiriram posições em papéis de soja anteriormente acabam saindo no lucro, uma
vez que a menor oferta faz com que os preços subam, beneficiando investidores que
compraram os papéis com antecipação. Por outro lado, o anúncio de uma supersafra,
ou seja, um grande aumento de oferta, pode reduzir preços substancialmente na bolsa,
causando grandes perdas para aqueles que apostaram na alta da commodity.

Operações de hedge

À operação de “proteção” se dá o nome de hedge. Grandes empresas


comumente operam com hedges não apenas para matérias-primas e produtos
industriais commoditizados, mas também moedas (muitas das compras dessas
empresas são feitas em dólar) e até mesmo insumos como eletricidade, gás e fretes.

Suponha, por exemplo, que uma empresa de massas tenha adquirido sacas de
trigo de 60 kg (unidade da commodity) a R$ 25,00 em dezembro de 2014,
totalizando seis toneladas, ou seja, R$ 2.500,00. O mercado entrou em colapso
devido a uma praga nas plantações e os preços do trigo subiram para cerca de R$
40,00 a saca. Caso venha a resgatar seus papéis em dinheiro, essa empresa terá
lucrado R$ 1.500,00 no período. Por outro lado, como usuária do insumo, ela pode
também resgatar o contrato em espécie, ou seja, em sacas. Com isso, estará
economizando os mesmos R$ 1.500,00 na compra de insumos, mantendo sua
produção mais competitiva e lucrando na alta dos produtos finais, como macarrão e
outros itens.

Mercado de opções
Muito utilizado por bancos e investidores que possuem alto grau de
conhecimento do mercado financeiro, o mercado de opções é ainda mais complexo e
intrincado.

Ele comercializa títulos e contratos que cedem direitos a quem paga por eles, e
impõe obrigações àqueles que recebem.

Uma opção é um contrato que dá ao portador o direito de comprar ou vender


ações ou títulos a um preço determinado, durante certo período ou no vencimento do
contrato. O objeto negociado pode ser uma ação de uma companhia ou uma
mercadoria, ou ainda qualquer título que venha a ser do interesse dos investidores.

Vencimento

As opções são contratos que possuem um vencimento determinado, a partir do


qual o titular, ou seja, o comprador da opção exerce seu direito ou a opção se
extingue, perdendo efeito. Cada bolsa estabelece datas fixas mensais para vencimento
desses contratos, por uma questão de padronização. No caso da BM&FBovespa, a
data é sempre a terceira segunda-feira do mês.

Exercício

Quando o titular de uma opção liquida o contrato e adquire ou vende os títulos-


objeto pelo preço determinado, dizemos que houve o “exercício” da opção. Algumas
opções têm condições especiais para seu exercício, mas na maioria dos casos o titular
pode exercer seu direito a qualquer momento antes do vencimento do contrato.

Preço de exercício e prêmio

O preço de exercício das opções, ou seja, o valor acordado entre comprador e


vendedor (lançador) da opção para compra ou venda dos títulos que são o objeto do
contrato, é também chamado na linguagem do mercado financeiro de “strike”. Esse
preço é definido no ato de lançamento da opção e deve ser honrado no caso de
exercício da opção.

Contudo, o lançador não recebe apenas o preço do título como remuneração.


Muito pelo contrário, o real diferencial desse tipo de investimento para quem vende
uma opção é o chamado prêmio – uma espécie de remuneração que o titular ou
comprador paga para dispor do direito de compra ou venda. Há alguns padrões para
definição dos valores de prêmio, mas, de maneira simplista, eles podem seguir
qualquer critério acordado entre as partes.

Código de formação de opções


As opções têm uma nomenclatura própria e bastante particular, com um código
que tem sete caracteres diferentes. Os primeiros quatro caracteres representam a
ação ou commodity negociadas, como PETR para Petrobras, VALE para Vale, ou
ELET para Eletrobras, a seguir, uma letra é incluída no código, dependendo do mês
de vencimento da opção negociada, além de variar dependendo do tipo de opção –
de compra (CALL) ou de venda (PUT). A tabela de letras segue desse modo:

Vencimento Compra Venda (Put)


Janeiro A M
Fevereiro B N
Março C O
Abril D P
Maio E Q
Junho F R
Julho G S
Agosto H T
Setembro I U
Outubro J V
Novembro K W
Dezembro L X

Operações de hedge (proteção)

O mercado de opções também pode ser usado para estratégias de hedge. É


possível, por exemplo, que um produtor garanta seus direitos de vender o produto a
determinado preço, mesmo que as cotações dessa commodity venham a cair,
bastando, para isso, exercer a opção antes de seu vencimento. Do mesmo modo, uma
empresa que utiliza insumos pode resguardar posições, adquirindo um direito de
compra dessa commodity, sendo beneficiado caso o preço venha a aumentar, e
exercendo sua opção. Caso nenhuma das ações seja vantajosa, os detentores das
opções simplesmente não as exercem.
Arbitragem

A operação de arbitragem no mercado de opções nada tem a ver com a


resolução de conflitos, como ocorre em outros âmbitos. A arbitragem é a manutenção
de posições simultâneas de compra e venda sobre um mesmo ativo, de modo a
garantir lucros pequenos, mas quase garantidos.

O investidor, nesse caso, mesmo quando é obrigado a comprar um ativo a um


preço maior do que pretendia por exercício de uma opção, pode vender esse ativo
pelo mesmo preço, exercido outra opção, dessa vez de venda.

Essa é uma operação muito utilizada por financeiras e mesmo corretoras para
garantir a manutenção de ganhos ou também reduzir riscos em suas próprias
operações.
Certificado de Depósito de Ações
(BDR)
BDR. Você sabe o que significa essa sigla? Não? Pois agora vai saber! É
Brazilian Depositary Receipt, um certificado de depósito de ações cuja função é
representar em território brasileiro títulos emitidos por empresas no exterior.

Entendendo os BDRs
BDRs patrocinados

Quando uma empresa estrangeira quer iniciar a negociação de suas ações no


mercado brasileiro, ela contrata um ou mais bancos para ser sua Instituição
Depositária – que será a responsável pelo lançamento das ações na bolsa brasileira.
Posteriormente, essa empresa se cadastra na CVM e segue todas as regras que as
demais companhias de capital aberto estão sujeitas. Por fim, emite seus BDRs.
A maior parte dos papéis em negociação compreende empresas do segmento
agropecuário, com sede no Brasil e negócios no exterior.

BDRs não patrocinados

Nesse tipo de BDR, não é a empresa estrangeira que procura os bancos


brasileiros para emitir seus papéis. O banco, que é a Instituição Depositária, é quem
possui as ações da empresa, e ele próprio emite os BDRs – sem que a empresa
estrangeira tenha qualquer responsabilidade pelas ações. Dessa forma, todas as
informações transmitidas ao mercado são geradas pelo banco.

Entre os BDRs não-patrocinados, já é possível encontrar contratos de grandes


empresas mundiais, como Amazon, 3M, Caterpillar, Dell, Ford Motors, McDonald’s,
Pepsi, Time Warner, Google e muitas outras.

Transparência nas informações


Para garantir a transparência das ações, tanto os BDRs patrocinados, quanto os
não-patrocinados, são obrigadas a fornecer algumas informações:

Fatos relevantes ao mercado.


Aviso de emissão de demonstrações financeiras.
Editais de convocação de assembleias.
Deliberações de assembleias no país origem.
Demonstrações financeiras na moeda corrente do país origem.

Além das informações acima, os BDRs patrocinados, cadastrados na CVM,


devem prestar contas – como as demais empresas de capital aberto.

Níveis dos BDRs


Os BDRs são negociadas como contratos normais em bolsa e possuem uma
classificação em três níveis.
Nível I

Dispensa o registro da empresa na CVM, pois é negociada apenas de forma


não-organizada, em contratos de balcão ou em negociações setoriais e particulares.

Assim como as companhias abertas, a instituição depositária que emite esses


papéis no Brasil deve divulgar todas as comunicações e fatos relevantes que
originaram o ativo ao público brasileiro, avisos sobre onde e quando relatórios dessas
empresas estarão disponíveis no exterior, deliberações de conselhos e assembleias,
demonstrações financeiras e muito mais – embora sem a necessidade da conversão de
valores para reais nesses documentos.

Níveis II e III

Esses níveis exigem registro da companhia na CVM e podem ser admitidos para
negociações em balcão organizado ou mesmo em bolsa. O Nível III ainda
caracteriza-se pela possibilidade de distribuição pública simultânea no Brasil e no
exterior.

Em ambos os casos, os BDRs são patrocinados, ou seja, possuem um acordo


com a companhia no exterior que é proprietária dos títulos-objeto. Porém, é possível
emitir BDRs mesmo sem tal acordo, ao menos no Nível I, caracterizando um BDR
não-patrocinado.

Vantagens e desvantagens
Os BDRs são possibilidades de investimento que trazem duas vantagens básicas
e uma desvantagem.

Vantagens

O investidor, por meio do BDR, ganha um poder de diversificação imenso em


sua carteira. Além disso, ele também pode investir de maneira fácil em ativos
internacionais, sem a necessidade de realizar a transferência de recursos para o
exterior, fazendo tudo a partir do Brasil.
Desvantagem

O problema surge em relação ao acompanhamento de mercado. Os BDRs


refletem o desempenho de suas ações objeto no exterior, é bem verdade, mas
também estão sujeitos a oscilações que mostrem descolamento em relação a seus
ativos originais.

BDR vs ADR
Como já vimos, os BDRs acontecem quando empresas estrangeiras emitem
papéis no Brasil. Já as ADRs (American Depositary Receipts) representam
exatamente o contrário. São empresas brasileiras que desejam emitir suas ações na
bolsa norte-americana, onde o mercado possui muito mais liquidez, solidez e
confiança dos investidores.

Dessa forma, empresas brasileiras de grande porte, como a Petrobras, por


exemplo, também negociam ações no exterior através de certificados de depósito.

As ADRs também possuem normas que devem ser respeitadas de acordo com
o nível da emissão de seu título:

Nível I

Não atende normas contábeis americanas, nem responde à SEC (órgão que
regula a bolsa norte-americana, como a CVM no Brasil).
Não ocorre o lançamento de novas ações.
As negociações são realizadas somente no mercado de balcão (fora da bolsa
de valores).

Nível II

Atende às normas contábeis americanas e algumas exigências da SEC.


ADRs são negociadas na bolsa de valores.

Nível III
Atende todos os requisitos, normas e prestação de contas como se fosse uma
empresa americana.
Informações ao Investidor
Um bom investidor sobrevive basicamente de informações – tanto de dicas e
notícias que podem levá-lo a uma decisão em relação a um novo investimento, quanto
informações sobre sua carteira, a evolução dela e dados sobre cobranças, descontos
e rendimentos que permitam a ele calcular o quanto está ou não tendo de lucro sobre
suas posições.

Existem inúmeros documentos e canais que proporcionam ao investidor toda a


sorte de informações de que ele necessita. Falaremos sobre alguns deles neste
capítulo.

Notas de corretagem
Como você já sabe, todo investimento é gerido por uma corretora de valores,
em nome de um investidor. Essas corretoras, por essa razão, precisam emitir de
tempos em tempos documentos que ofereçam um panorama detalhado de todas as
posições e investimentos de sua carteira – uma espécie de “resumo” dos seus
investimentos. Esse documento é genericamente chamado de nota de corretagem.

Na nota de corretagem, as corretoras oferecem um resumo de todos os títulos


negociados e retidos pelo investidor, preços praticados e fechados, datas dos
pregões, valores de negociações, taxas de corretagem e emolumentos cobrados ou
devidos e por aí vai.

O topo do documento apresenta os dados do investidor. Logo após o


cabeçalho, aparecem informações relacionadas aos negócios realizados, como o
ambiente de negociação (BM&F ou Bovespa), operação de compra e venda, prazos
no caso de operações a termo, especificação dos títulos e papéis, observações
(negócio direto, debêntures, day trade, entre outros) – quando necessário, volume de
ações negociadas, preços por ativo e valores totais brutos dessas negociações.

Na parte inferior, a nota lembra um extrato bancário. Há um resumo dos


negócios, com valores totais de vendas e compra à vista, debêntures, opções de
compra e de venda, operações a termo e operações com títulos públicos e o valor
total negociado.

Logo após, ou ao lado, o investidor encontra um resumo de todos os custos e


emolumentos pagos – que vão desde taxas de liquidação e registro a impostos,
passando por taxas de corretagem e emolumentos da bolsa, até chegar ao valor
líquido final da carteira.

Todas as corretoras e bancos que operam valores mobiliários são obrigados a


entregar esse demonstrativo ao cliente, mas ele pode ser sensivelmente diferente em
cada corretora.
Avisos de Negociação de Ativos – ANA
O Aviso de Negociação de Ativos (Ações), ou simplesmente ANA, é uma
espécie de extrato quinzenal que contém todas as informações de compra e venda de
ativos em bolsa. O ANA é enviado diretamente ao investidor e contém o resumo de
todos os negócios efetuados e de posições em aberto no nome desse cliente.

A importância desse documento está em sua validade como comprovante de


todas as operações efetuadas e descritas em seu conteúdo. Sob o ponto de vista
informacional, trata-se de um documento extremamente simples e resumido.

Extrato de custódia
Desde 2014, esse documento passou a se chamar Extrato BM&FBOVESPA, e
incorpora tanto as informações do ANA quanto avisos de movimentação de BTC
(AMB) relativas à primeira quinzena de cada mês.

Esse extrato é enviado mensalmente a investidores que possuem movimentações,


negociações e realizaram operações no mês ou possuem proventos, e anualmente
(sempre em fevereiro) para investidores que possuem posições e saldos em ativos,
porém não realizaram nenhum tipo de movimentação.
Canal Eletrônico do Investidor (CEI)
A enorme variedade de documentos e informações transmitidas e postadas
levaram a BM&FBovespa a simplificar e modernizar as coisas. O Canal Eletrônico do
Investidor, ou CEI, é um sistema online no qual o investidor pode consultar uma série
de informações atualizadas.

Ao acessar o CEI, o investidor pode visualizar as ações compradas ou vendidas


e os saldos e posições em todos os mercados – incluindo o futuro e o de opções e
outras informações relevantes.

O objetivo do CEI é congregar dados de informativos impressos que já eram


remetidos aos investidores, facilitando a consulta e ao mesmo tempo reduzindo os
custos de manutenção do serviço.
Termômetro do Mercado
É impossível para um investidor ler todas as notícias ou acompanhar todas as
ações individualmente de uma só vez. Entretanto, o mercado e os governos foram,
com o tempo, encontrando maneiras de “resumir” as principais informações em um ou
dois números ou variáveis distintas, criando aquelas séries que hoje conhecemos
como índices.

Há índices de diversas naturezas e cada um deles tem uma aplicação


determinada – embora todos sirvam, de algum modo, como termômetros de
mercado.

Índices amplos
Os índices amplos, como o próprio nome sugere, são índices e indicadores que
representam um mercado como um todo, de modo mais genérico. Às vezes, eles
podem congregar todas as negociações realizadas dentro de um mesmo mercado,
outras vezes, limitam-se a um grupo ou amostragem que represente majoritariamente
o todo, como ocorre com a maioria dos índices amplos ligados as bolsa de valores.

O primeiro desse gênero no mundo é um índice que corre até hoje, embora com
sensíveis diferenças – o índice Dow Jones. Hoje conhecido como Dow Jones
Industrial Average, o índice monitora as 30 ações mais negociadas na bolsa
americana, e foi criado em 1896.

Ibovespa

O Ibovespa é o principal índice da bolsa de valores brasileira e é montado a


partir de uma carteira teórica de ativos, conforme determinado na metodologia do
indicador. Além de ser um índice amplo, o Ibovespa também é um índice chamado de
retorno total, ou seja, reflete e mede não apenas as variações dos preços-face dos
papéis negociados no mercado, mas também o retorno das ações em termos de
remuneração, dividendo e outros.
O Ibovespa é a principal referência econômica do mercado financeiro brasileiro
e dá origem a uma série de papéis e derivativos que estão entre os mais negociados
do mercado.

Brasil Amplo (IBrA)

Assim como o Ibovespa, o IBrA é um índice construído sobre uma carteira


teórica de ações, as quais devem preencher alguns requisitos. Congregam o índice,
com base nos últimos 12 meses, ações que representam 95% ou mais de todo o
volume de negociações do pregão, além de possuírem 99% de índice de
negociabilidade.

Uma mesma empresa pode ter mais de uma ação distinta participando da
carteira, e empresas com menos de seis meses de listagem não integram o índice,
assim como empresas em administração judicial, processos de falência ou negociação
suspensa por longo período.

Brasil 50 (IBrX 50) e Brasil (IBrX)


Estes dois índices possuem, respectivamente, uma composição que inclui as 50 e
as 100 ações mais negociadas em bolsa. Para que uma ação integre o IBrX 50, é
preciso que ela tenha sido uma das 50 ações mais negociadas dos últimos 12 meses, e
também que tenha sido negociada em 80% dos pregões realizados nesse período.

O índice Brasil possui a mesma lógica, mas envolve as 100 ações mais
negociadas dos últimos 12 meses, sendo que cada uma delas tem de ter sido
negociada em pelo menos 70% dos pregões realizados nesse período.

Índices setoriais
São diversas as empresas que lançam ações no mercado, e elas representam
quase todos os setores da economia. Alguns investidores têm interesse especial por
setores específicos, além do que o mercado pode utilizar várias ações de companhias
de um mesmo setor – como o elétrico, para avaliar o desempenho de investimentos
nessa área –, inclusive extrapolando o ambiente do mercado acionário.

A bolsa trabalha, por essa razão, com uma série de índices que representam o
desempenho de setores econômicos inteiros, representados por papéis de
companhias presentes em bolsa que atuam nesses mercados. Esses índices
proporcionam ao investidor uma visão mais global a respeito do desempenho de um
segmento, uma visão que não está contaminado pela performance de uma companhia
isolada. Do mesmo modo, oferecem ao investidor uma possibilidade de aposta no
desempenho de um setor como um todo, oferecendo mais segurança e paridade com
o real desempenho desse segmento na economia.

A BM&FBovespa atualmente trabalha com uma série de índices setoriais:

Índice BM&FBOVESPA Energia Elétrica – IEE.


Índice BM&FBOVESPA Industrial – INDX.
Índice BM&FBOVESPA Consumo – ICON.
Índice BM&FBOVESPA Imobiliário – IMOB.
Índice BM&FBOVESPA Financeiro – IFNC.
Índice BM&FBOVESPA Materiais Básicos – IMAT.
Índice BM&FBOVESPA Utilidade Pública – UTIL.
Índices de sustentabilidade
O desempenho das empresas em termos de sustentabilidade ganhou importância
nas últimas décadas como driver de segurança e confiabilidade para investidores em
suas ações.

O mercado brasileiro hoje conta com dois índices dessa natureza:

O ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial), que mensura o desempenho das


companhias listadas em termos de sustentabilidade empresarial, baseando-se em
eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa.

E o ICO2 (Índice de Carbono Eficiente), que congrega ações de empresas do


IBrX 50 que concordaram em agir de forma transparente em relação a suas emissões
de CO2.

Índices de governança
O desempenho das empresas em termos de governança corporativa, outra
tendência da confiabilidade empresarial, também foi transformado em índices pela
bolsa de valores brasileira.

A BM&FBovespa hoje oferece quatro índices distintos que refletem o


desempenho das empresas listadas em termos de governança:

Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada – IGCX.


Índice Governança Corporativa Trade – IGCT.
Índice Governança Corporativa – Novo Mercado - IGC-NM.
Índice de Ações com Tag Along Diferenciado – ITAG.

Índices de segmento
As ações listadas em bolsa podem ainda ser divididas em segmentos, que
representam o nível de capitalização das empresas listadas em grupos diferenciados.
Em cima dessa classificação, também foram criados índices distintos, para
acompanhar empresas de maior ou menor grau de capitalização. Atualmente, a
BM&FBovespa trabalha com quatro índices distintos dessa natureza:

Índice BM&FBOVESPA MidLarge Cap – MLCX.


Índice BM&FBOVESPA Small Cap – SMLL.
Índice Valor BM&FBOVESPA – 2ª Linha - IVBX 2.
Índice BM&FBOVESPA Dividendos – IDIV.

Outros índices
Há, ainda, alguns índices movimentados pela bolsa que não se enquadram em
nenhuma das categorias anteriores. Eles podem congregar os BDRs não-patrocinados
de empresas, refletir o desempenho de fundos imobiliários ou ainda o desempenho de
empresas produtoras de commodities. São formas de classificação alternativas, que
permitem ao investidor uma grande customização de sua carteira. Atualmente, são três
os índices da BM&FBovespa que se enquadram nesta categoria:

Índice de BDRs Não Patrocinados-GLOBAL – BDRX.


Índice BM&FBOVESPA Fundos de Investimentos Imobiliários – IFIX.
Índices de Commodities Brasil – ICB.

Índices de outras Bolsas


Down Jones (EUA)

Um dos índices mais antigos e usados em todo o mercado global, o Dow Jones
é composto de 30 ações de diferentes setores da economia norte-americana e que
são consideradas das mais importantes. Juntas, essas ações representam 1/5 de todas
ações negociadas no país. Empresas como Coca-Cola, Walt Disney, Intel, Microsoft,
etc., fazem parte deste índice.

S&P 500 (EUA)


Formado pelas principais empresas norte-americanas, o S&P 500 considera
itens como: valor de mercado, representação do setor e liquidez das ações. A
participação no índice (que é considerado um dos mais importantes para o mercado
americano e internacional) é de acordo com o valor de mercado da empresa.

Nasdaq (EUA)

Esse índice representa todas as ações que estão listadas no National Association
of Securities Dealers Automated Quotation System (Nasdaq) e é calculado de acordo
com o valor de mercado das empresas, multiplicando o preço de fechamento da ação
pela quantidade de ações. Dessa forma, cada ação influencia no índice na proporção
de seu valor de mercado.

Atualmente, o Nasdaq possui mais de quatro mil empresas, e devido o seu


tamanho, é muito acompanhado pelo mercado financeiro.
Custos de Transação
O investimento em mercado de capitais, em geral, pode produzir lucros e ganhos
muito acima das aplicações de renda fixa e outras opções para o pequeno investidor.
Mas além de reconhecer os possíveis riscos que esse tipo de investimento pode
trazer, é preciso ser bom de contas para conquistar bons resultados neste mercado.

Além do desconto por conta do imposto de renda, o investimento em ações,


derivativos ou opções envolve também o uso de intermediários, e cada um deles
possui taxas, cobranças de serviço e custos que devem ser deduzidos do valor
investido antes que se possa chegar ao lucro líquido da operação.

Os custos que devem ser calculados pelo investidor se dividem basicamente em


três categorias: corretagem, emolumentos e custódia. Você entende cada uma dessas
categorias?

Corretagem
Por lei, é preciso nomear um intermediário que atue como agente para investir
em qualquer ativo disponível em bolsa. Estamos falando de uma corretora de valores.

A corretora, na verdade, costuma facilitar a vida do investidor, oferecendo apoio


em toda a parte burocrática e operacional e, não raramente, oferecendo também
análises e sugestões de investimento a seus clientes.

Para isso, contudo, a corretora cobra uma taxa de corretagem – uma


remuneração pelos seus serviços. Essa taxa possui algumas “referências de mercado”,
mas pode variar enormemente dependendo da corretora, do tipo de investimento e
até mesmo do porte do cliente.

O mais comum, além dos valores de cada corretora, é que as taxas de


corretagem variem de acordo com o tipo de mercado envolvido nas operações (à
vista, fracionado, futuro, etc.), ou conforme a própria natureza da operação, seja ela
normal ou de “day trade”.
Há corretoras que trabalham com taxas fixas de corretagem por ordem, mas
outras usam a tabela da BM&FBovespa, na qual as taxas variam proporcionalmente
ao montante envolvido – seja na compra ou na venda.

Obviamente, taxas fixas valem a pena quando se tem um grande volume de


capital a investir, porém, taxas proporcionais tendem a ser mais vantajosas para o
pequeno investidor.

Clique aqui para obter os preços atualizados cobrados pela BM&FBovespa.

Emolumentos
Os emolumentos são tarifas cobradas pela bolsa na execução de ordens de
compra e venda em contratos, ou seja, a abertura ou encerramento de posições de
investimento antes do vencimento, o exercício de opções e também os procedimentos
de cessão de direitos.

Os emolumentos são cobrados conforme cada operação, e sempre vencem no


dia útil imediatamente posterior à operação. Cada produto ou contrato possui
diferentes valores de emolumentos e fórmulas de cálculo distintas, por isso, é sempre
melhor buscar informações e instruções junto à corretora utilizada a respeito de como
os emolumentos poderão incidir sobre o valor investido e o portfólio montado.

Custódia
As corretoras ainda costumam cobrar taxas pelo “armazenamento” e gestão dos
títulos e papéis adquiridos por um investidor, a chamada taxa de custódia. Esse valor
pode ser fixo, a depender do banco ou corretora acionado pelo investidor, mas
também pode variar conforme o tipo de investimento e, inclusive, representar uma
porcentagem do montante investido ou retido em títulos.

Ainda em termos de custódia, a BM&FBovespa também cobra uma taxa anual


pelos títulos em custódia na Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC),
como vimos vários capítulos atrás. Essa taxa equivale a 0,3% do montante total de
títulos sob custódia.
Conclusão
Como você pôde observar lendo este guia, o mercado de capitais é um mundo
repleto de oportunidades variadas, algumas delas relativamente seguras, outras
arriscadas, mas com perspectivas estratosféricas de ganho. É tudo uma simples
questão de costume, precaução e um bom suporte de uma corretora de qualidade e,
se possível, aconselhamento de alguém já mais experiente e vivido em termos de
investimentos em bolsa de valores.

Com o tempo, com a prática e com bastante estudo, você definirá seu próprio
perfil de investidor – tanto com base nos ganhos que conseguir produzir, quanto no
seu domínio de estratégias e táticas para ampliar ganhos e mitigar riscos.

Ao final de tudo, talvez você opte por um perfil mais conservador, investindo
parte de seu capital em ações relativamente seguras, de empresas públicas, por
exemplo, que também paguem um bom volume de dividendos.

Talvez você tenha um perfil mais moderado, e além de manter parte de seu
capital em ações “blue chip”, pode querer arriscar aqui e ali com ações de
companhias menores, ou até mesmo fazendo incursões no mercado futuro.

Finalmente, quem sabe você não seja um investidor agressivo? Disposto a


dominar completamente o funcionamento da bolsa de valores, criando estratégias e
intrincadas operações nos mercados a termo, de futuros e também em opções,
usando hedges e lastros para resguardar o investimento em operações de alto risco, e
posteriormente investindo lucros em papéis com boa valorização em longo prazo.

O que quero dizer é que “como” e “porque” você irá investir e desenvolver uma
metodologia dentro da bolsa de valores é algo que só depende de você, e agora que
você já tem uma bela ideia de como tudo isso funciona, talvez seja o momento de
correr atrás de mais.

Bons investimentos!
Agora que você já sabe tudo sobre como o mercado de ações funciona, está na hora de colocar
em prática os seus conhecimentos.

De nada adianta saber o que fazer e não colocar a mão na massa.

Essa é a única forma de você colocar dinheiro no bolso.

E se eu dissesse para você que existe um método muito simples que faz com que pessoas comuns
façam fortuna na bolsa, você acreditaria?

É o seguinte…

Não há forma mais simples, segura e rentável de se investir em ações do que comprar ações de
uma boa empresa e mantê-la por longos anos.

Por que carregar ações de uma boa empresa por anos?

Você se torna sócio de um negócio sólido


A empresa cresce, se expande, aumenta suas vendas
Você tem direito a receber parte dos lucros dela em forma de dividendos
Você tem uma fonte de renda-extra sem trabalhar
Esse dinheiro cai direto na sua conta
Você vai ter um aumento patrimonial no longo prazo

Warren Buffett ficou bilionário pois fez isso a vida toda: comprou ações de bons negócios com
regularidade e nunca vendeu.

Aqui no Brasil, Luiz Barsi se tornou bilionário investindo em ações de boas empresas.

E isso dá certo no Brasil.

Se há 10 anos você tivesse investido nas ações das Lojas Renner, você poderia ter R$
440.000,00…

Com um investimento inicial de R$ 10.000.

Esse é apenas um de diversos casos.

Eu quero mostrar como você pode fazer fortuna na bolsa investindo em boas ações no mais novo
canal do GuiaInvest chamado Ações para Vida.

Esse canal é ministrado pelo meu sócio e especialista em ações Eduardo Voglino.

Geralmente, os nossos produtos custam de R$ 238,80 e R$ 2.388,00.

No entanto para que o preço não seja um empecilho para você comece a investir de forma rent-
ável, simples e segura, você pode assinar o nosso canal Ações para Vida por 12 parcelas de R$
9,90, somente porque você baixou e leu o meu e-book até o final.

Para ter mais informações, ou para solicitar um teste por 7 dias, basta clicar no botão abaixo.

QUERO SABER MAIS

Оценить