Вы находитесь на странице: 1из 41

GEPA

2007

Apostila do Curso

Formação e
Reciclagem de
Doutrinadores
de Obsessores

1
Sumário

- Palavras Iniciais

- Os Dez Principais Tipos de Obsessores


(ou os Dez Principais Fatos Geradores das Obsessões)

- A Incorporação do Obsessor e os Médiuns de Incorporação

- A Doutrinação do Obsessor

- Possíveis Conseqüências para os Trabalhadores Encarnados da Desobsessão

- Obsediado X Obsessor

- A doutrinação do Obsediado

- Antídoto para Obsessões?

– Complemento
(Obsessões causadas por encarnados e auto-obsessão)

- Palavras Finais

2
Palavras Iniciais

Doutrinador! Assim se chama, na Desobsessão, o obreiro do bem, encarnado, que


dialoga com obsessores, quando e enquanto eles, obsessores, estão incorporados em
médiuns, com o óbvio propósito de catequizá-los para deixarem de ser obsessores
e, se possível, passarem para o "nosso time", o dos (imperfeitos e endividados)
Servidores de Jesus.

DUAS HIPÓTESES
para você estar tomando este Curso

Primeira hipótese
Você quer se preparar para ser um bom doutrinador.

Segunda hipótese
Você quer ser um doutrinador melhor ainda do que já é.

Em qualquer caso
Você está de parabéns porque o doutrinador competente é um legítimo Servidor de Jesus,
haja vista que colabora, ativamente, para re-encaminhar à luz espiritual muitas ovelhas
desgarradas e transviadas do rebanho do nosso Divino Pastor, ovelhas essas que, em maior
ou menor grau, ainda estagiam nas sombras e nas trevas espirituais.

Portanto
Parabéns para você!

UMA ANALOGIA

Fulano
É um encarnado, adulto, completamente transviado do bem e dos bons costumes. Ele
pratica crimes hediondos e abomináveis, na maioria das vezes sem o menor remorso e
completamente em paz com sua consciência porque acredita piamente que tem justas
razões para assim proceder. Vamos admitir a possibilidade de podermos dialogar com ele,
com uma certa assiduidade.

Neste caso
Quais seriam as nossas chances de convencê-lo a deixar de fazer mal aos outros e, num
segundo passo, passar a praticar o bem?
Infelizmente - Sabemos que - a curto prazo, e talvez a médio prazo - as nossas chances
de sucesso nessa catequese de Fulano seriam praticamente nulas. E, certamente, só
poderíamos começar a obter algum êxito a longo prazo, também a depender tanto da
competência da nossa argumentação quanto dos nossos exemplos como da receptividade
de Fulano.

Com a doutrinação de obsessores


Como é óbvio, ocorre a mesma coisa, ou seja, existe dificuldade semelhante àquela da
catequese de Fulano.
Entretanto – Somente na doutrinação de obsessores o doutrinador tem, a favor do sucesso
do seu intento, uma enorme e extraordinária vantagem.

3
QUAL É ESSA VANTAGEM?

Como sabemos
Cada um de nós, encarnados, utiliza, simultaneamente, o seu corpo físico e o seu corpo
astral, enquanto cada um deles, os desencarnados, não tem corpo físico e só utiliza seu
corpo astral.
Também sabemos - Indistintamente, tanto nos encarnados quanto nos desencarnados, a
sede das nossas emoções e sensações é o nosso corpo astral.

Assim sendo
De um modo geral, nós, encarnados, não conseguimos ter emoções e sensações tão
intensas e profundas quanto eles, os desencarnados, porque o nosso corpo físico amortece
muito a sensibilidade do nosso corpo astral.
Conseqüentemente - Somente eles, os desencarnados, podem sentir emoções e
sensações nas intensidades e profundidades realmente máximas.

Por este motivo


Os desencarnados que são obsessores, por mais revoltados e desequilibrados que sejam,
por mais que reclamem das nossas doutrinações, e por mais que nos digam que "estamos
perdendo tempo em tentarmos convencê-los a deixarem de fazer mal a outros", eles são
muito mais sensíveis às nossas argumentações sinceras e fraternas do que os "Fulanos"
encarnados.

Esta é a grande vantagem dos doutrinadores!


Mas - atenção! muita atenção! - isto só ocorre quando a doutrinação é absolutamente
sincera e acompanhada de profundo sentimento fraterno e solidário pelo obsessor.

FINALMENTE

Para iniciarmos logo este nosso estudo


Só resta lembrar que é absolutamente impossível fazer uma boa doutrinação sem conhecer
tanto o histórico dos principais tipos de Obsessões quanto os principais perfis
psicológicos dos obsessores.
Por este motivo - Começaremos logo analisando este assunto básico e indispensável para
o doutrinador competente.

UM ÚLTIMO LEMBRETE

Na maioria absoluta dos casos


Também será missão impossível obter sucesso na doutrinação sem a participação ativa
do obsediado.
Por este motivo - Também faz parte da doutrinação (competente) do obsessor a
doutrinação do obsediado.

***

Os Dez Principais Tipos de Obsessores


(ou os Dez Principais Fatos Geradores das Obsessões)

Exceto se você já leu o livro que é a fonte do presente trabalho, ou a apostila


específica que o autor elaborou, provavelmente será a primeira vez que você verá a
relação dos principais fatos geradores das Influências Energéticas Nocivas Causadas
por Desencarnados, as chamadas Obsessões. Mas, além de relacionados, esses fatos
geradores estão detalhadamente descritos para que você possa compreender como,
porque e de que maneira um desencarnado pode exercer (e exerce) influências
energéticas nocivas sobre um encarnado. Em si mesmos, esses fatos geradores não
são propriamente novidade. O ineditismo está na apresentação da didática relação,

4
pormenorizada, que aprofunda e esclarece este assunto, assim desmistificando tabus
e preconceitos.

CINCO ESCLARECIMENTOS

Primeiro esclarecimento
Única e exclusivamente como facilitador didático da explanação da grave e séria
problemática obsessiva, cada um dos dez principais tipos de obsessores (adiante descritos)
foi "batizado" com um bem-humorado nome que, de imediato, facilita a compreensão tanto
do motivo quanto da finalidade dele ser o que é.
Por outro lado - Esta justificativa também serve para deixar bem claro que esses "nomes"
para os obsessores não têm a mínima intenção de ridicularizá-los ou menosprezá-los.
Aliás - Como ficará demonstrado ao longo deste trabalho, tanto eles, os obsessores, quanto
os obsediados devem merecer de nós a mesma atitude fraterna e solidária.

Segundo esclarecimento
Talvez para surpresa de muitos, a resposta é sim para todas as seguintes questões:
a - Além daquele célebre e terrível motivo de vingança mortal, existem dois tipos de
obsessores que foram atraídos por nós mesmos, os encarnados?
b - Três tipos de obsessores motivados por amor?
c - Um tipo no qual os papéis se invertem, e o obsessor é um encarnado?
d - Nem sempre o obsessor quer nos prejudicar?
e - Às vezes, ele tem certeza que está nos ajudando?
f - Em outras vezes, ele deliberadamente pode nos causar um benefício real?
g - Na maioria dos casos, ele não teve nenhum vínculo ou relacionamento anterior conosco?
h - Em um caso, ele é um idealista tresloucado a serviço do mal?
i – Em outro, um empreiteiro autônomo?
j - Em outro, um "soldado-mandado"?

Terceiro esclarecimento
No estudo das Influências Energéticas Nocivas Causadas por Desencarnados,
obrigatoriamente precisamos considerar quatro aspectos:
1 - Os dez principais tipos de obsessores, que analisaremos a seguir, estão tecnicamente
classificados como Obsessão Direta porque eles mesmos, os obsessores, pessoalmente
atuam diretamente sobre os seus obsediados.
2 - Como é evidente, também existe a Obsessão Indireta, na qual os obsessores atuam
"por tabela", como veremos adiante.
3 - Mas nada impede que uma Obsessão Direta possa ser simultânea com uma Obsessão
Indireta.
4 - Além disto, por mais incrível que possa parecer, existe um tipo especialíssimo,
felizmente raro, que é o obsessor "hightech" (que utiliza alta tecnologia). Isto, sem falar do
cômico caso do obsessor "bode-expiatório".
Quarto esclarecimento
A seguir, veremos os dez principais fatos geradores de Obsessões Diretas, cada um com a
descrição mais detalhada possível do respectivo obsessor, ou seja, o seu perfil psicológico,
os seus motivos, a participação ou não de outras pessoas, etc.

Quinto esclarecimento
Apenas a bem da verdade, ou seja, sem nenhuma intenção de lhe induzir a "massagear o
ego do autor", e sim apenas relatando a pura realidade, é preciso lembrar que essa análise
que agora você verá, bem como muitas outras abordagens feitas neste livro, são inéditas!

Atenção! - A respeito da hipócrita e falsa modéstia do autor, que seria a deliberada


omissão dessa informação absolutamente verdadeira - omissão essa que muitos
poderiam considerar como prova daquela (falsa) humildade que “deveriam ter” todos
os autores espiritualistas - seria o caso de relembrarmos o que nos ensinou o Mestre
Maior Jesus acerca da veracidade das nossas palavras: “Que a tua palavra seja sim,
sim, não, não!”

5
FATO GERADOR N° 1
OBSESSOR MORADOR

O perfil deste obsessor


Ele julga que não desencarnou, ou então se recusa a acreditar que está desencarnado,
como conseqüência de um tipo de loucura causada pelo seu completo desconhecimento da
realidade do Outro Lado da Vida e/ou pelo seu irresistível apego aos bens materiais e à vida
física. Ele não compreende porque os encarnados não lhe dão atenção. Via de regra, é um
solitário. Sempre é um ser humano desequilibrado e/ou desajustado. Às vezes, está
desnorteado e/ou revoltado.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

A causa desta Obsessão


Logo após a sua "morte", ele optou por continuar vivendo naquela mesma casa onde
morava (ou naquele local preferido que freqüentava) quando estava encarnado.
Conseqüentemente – Ele se transformou em obsessor (consciente ou não) dos
encarnados que moram e/ou freqüentam aquele local.

A intenção deste obsessor


Ele apenas quer continuar vivendo naquele ambiente que tanto lhe apraz.
A princípio – Ele não deseja fazer mal (nem bem) a ninguém.

O relacionamento anterior
Normalmente, obsessor e obsediados nunca tiveram vínculos anteriores. Eles nem sequer
se conheciam.
No entanto – Existe a exceção deste obsessor viver na mesma casa onde ainda moram
aqueles encarnados que foram seus parentes consangüíneos na sua última encarnação.

A atuação deste obsessor


Em alguns casos, ele simplesmente se diverte, assustando os moradores e/ou
freqüentadores daquele local, ou então nada faz.
Em raros casos – Ele realmente tenta fazer mal aos seus obsediados, normalmente com a
óbvia intenção de expulsá-los daquele lugar no qual ele se julga o único com direito de
permanecer.

Atenção! - Quando naquele local existe a matéria-prima indispensável - o


Ectoplasma Etérico, produzido, na maioria das vezes de maneira inconsciente, por
um ou mais moradores - ele, se souber e quiser, poderá produzir efeitos físicos que
poderão classificar aquele lugar como "mal-assombrado".
O resultado desta Obsessão
Em tese, todos os moradores e/ou freqüentadores daquele lugar poderão receber as
influências energéticas nocivas (mesmo que involuntárias) daquele obsessor.

Mas vale aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

Encaminhamento
O doutrinador deve começar a falar da Colônia do Ubirajara. Das vantagens que a
mudança irá lhe proporcionar. Do atendimento médico, psicólogo e fraternal que lá
receberá, que tentará marcar um encontro com seus familiares que já se foram, e que, uma
nova casa e uma nova vida o esperam pr na Colônia, onde há muita paz e harmonia.

6
FATO GERADOR N° 2
OBSESSOR ATRAÍDO POR UM ENCARNADO

O perfil deste obsessor


Na maioria das vezes, ele anteriormente perambulava pelo plano astral, na parte
correspondente ao plano físico, vivendo "normalmente" entre os encarnados. Ele é um
desencarnado desequilibrado e desajustado.
Em muitos casos – Ele vive permanentemente revoltado com a sua impossibilidade de
usufruir dos prazeres materiais que ele tanto gosta e tanta falta sente.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

A primeira causa desta Obsessão


Aquele desencarnado foi irresistivelmente atraído pelas potentes energias negativas que
são constantemente emitidas por um encarnado que é (energeticamente) semelhante a ele:
– Rancor! Cólera! Ódio! Raiva! Inveja! Depressão! Tristeza! Ciúme! Avareza! Mau-humor!
Revolta! Egoísmo, etc.!

A segunda causa desta Obsessão


Aquele desencarnado foi irresistivelmente atraído pelo comportamento extremamente
desequilibrado de um encarnado que é (psicologicamente) semelhante a ele:
– Maldade! Perversidade! Maledicência! Desonestidade! Hipocrisia! Vícios! Desregramentos
sexuais! Excessivo apego a bens materiais! Fanatismo de qualquer espécie! Brutalidade!
Prática de atos criminosos, etc.!

Estas duas causas


Podem ser simultâneas ou não, mas têm o mesmo efeito porque aquele desencarnado
passou a viver junto daquele encarnado, de quem se transformou em obsessor.

A intenção deste obsessor


No primeiro caso, ele apenas deseja usufruir daquelas energias que ele tanto gosta e que o
seu obsediado produz com tanta abundância. No segundo caso, ele apenas quer conviver
intimamente junto daquele encarnado que é "igualzinho" a ele.
Nesses dois casos - Como é óbvio, ele não tem a menor intenção de prejudicar o seu
obsediado. Muito pelo contrário, ele chega a proteger a vida do seu obsediado - como no
infeliz exemplo dos alcoólatras - para não perder aquela fonte de prazeres.

O relacionamento anterior
Normalmente, obsessor e obsediado nunca tiveram vínculos anteriores. Eles nem sequer se
conheciam.

A atuação deste obsessor


Ele vive junto daquele seu obsediado, às vezes 24 horas por dia, para poder maximizar a
concretização da sua intenção.
Portanto – Em todas atividades cotidianas do seu obsediado, ele poderá ser um constante
e invisível parceiro.

O resultado desta Obsessão


Invariavelmente, o obsediado receberá fortíssima influência energética nociva do seu
obsessor, proveniente da íntima e constante convivência com o seu obsessor.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

Comentário - Infelizmente, é muito maior do que se pode imaginar a quantidade de


encarnados que são vítimas deste tipo de obsessor. São os avarentos, os egoístas, os
fanáticos de qualquer espécie (religiosos, políticos, profissionais, etc.), os viciados, os
coléricos, os desonestos, os corruptos, os demagogos, os sexualmente desregrados,
etc. Enfim, são todos aqueles encarnados que continuamente emitem potentíssimas
7
energias negativas e predominantemente têm comportamentos extremamente
negativos.

Encaminhamento

O doutrinador deve começar a falar da Colônia do Ubirajara. Das vantagens que a mudança
irá lhe proporcionar. Do atendimento médico, psicólogo e fraternal que lá receberá, que
tentará marcar um encontro com seus familiares que já se foram, e que, uma nova casa e
uma nova vida o esperam pr na Colônia, onde há muita paz e harmonia

FATO GERADOR N° 3
OBSESSOR ATRAÍDO POR UM LOCAL

O perfil deste obsessor


É exatamente idêntico ao do fato gerador anterior. Em verdade, é o mesmo tipo de
obsessor que atua tanto neste caso quanto naquele.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

A primeira causa desta Obsessão


Aquele desencarnado foi irresistivelmente atraído pelas potentes energias negativas que
são constantemente emitidas por encarnados em um determinado local:
– Casa! Apartamento! Bar! Teatro! Cinema! Motel! Escritório! Loja! Consultório! Hospício!
Manicômio! Presídio! Açougue! Matadouro, etc.

A segunda causa desta Obsessão


Aquele desencarnado foi irresistivelmente atraído pelo comportamento extremamente
desequilibrado de encarnados (psicologicamente semelhantes a ele) que atuam ou moram
ou freqüentam determinado local.

Estas duas causas


Podem ser simultâneas ou não, mas têm o mesmo efeito porque aquele desencarnado
deliberadamente "se mudou" para aquele lugar - que é energeticamente semelhante a ele -
onde passou a viver, assim se transformando em obsessor de tantos quantos lá estejam ou
permaneçam.

A intenção deste obsessor


No primeiro caso, ele apenas deseja usufruir daquelas energias que ele tanto gosta e que os
seus obsediados produzem em tanta profusão naquele local. No segundo caso, ele apenas
quer conviver intimamente junto daqueles encarnados ("iguaiszinhos" a ele) que moram ou
atuam ou freqüentam aquele lugar.
Também nesses dois casos - Como é óbvio, ele não tem a mínima intenção de prejudicar
os seus obsediados, a não ser àqueles que não sejam "iguaiszinhos" a ele.

O relacionamento anterior
Normalmente, obsessor e obsediados nunca tiveram vínculos anteriores. Eles nem sequer
se conheciam.

A atuação deste obsessor


Ele vive naquele local, às vezes 24 horas por dia, para poder maximizar a concretização da
sua intenção.
Portanto – Ele será um constante e invisível parceiro dos seus obsediados, enquanto estes
permanecerem ou estiverem executando atividades naquele lugar.

O resultado desta Obsessão


Em tese, todas as pessoas que moram ou atuam ou freqüentam aquele local receberão,
inevitavelmente, fortíssimas influências energéticas nocivas daquele obsessor.

8
Mas continua valendo aquela regra
A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

Comentário - De imediato, podemos identificar alguns locais que são "moradias"


deste tipo de obsessor, simplesmente analisando as atividades que lá são executadas
costumeiramente. São os antros de viciados ou de criminosos, os locais de diversão
"barra pesada", os "inferninhos", as sedes de seitas fanáticas ou desonestas, os
cinemas especializados em filmes de sexo explícito, etc.! Mas, sem nenhuma dúvida,
os piores casos ocorrem quando tais locais são o nosso lar e o nosso ambiente de
trabalho.

COMPARAÇÃO
ENTRE ESTES DOIS TIPOS DE OBSESSORES ATRAÍDOS

No primeiro caso (fato gerador n° 2)


Normalmente, apenas um obsessor é atraído pelas constantes emissões de potentes
energias negativas e/ou pelos constantes comportamentos extremamente desequilibrados
de um encarnado.

No segundo caso (fato gerador n° 3)


Não apenas um, e sim um grupo de obsessores é atraído por um determinado local, no
qual os muitos encarnados que ali freqüentam - ou atuam ou moram - constantemente
emitem potentes energias negativas e/ou constantemente têm comportamentos
extremamente desequilibrados enquanto lá permanecem.

Mas, em ambos os casos


São os próprios encarnados que atraem aqueles dois tipos de obsessores!

Encaminhamento

O doutrinador deve começar a falar da Colônia do Ubirajara. Das vantagens que a mudança
irá lhe proporcionar. Do atendimento médico, psicólogo e fraternal que lá receberá, que
tentará marcar um encontro com seus familiares que já se foram, e que, uma nova casa e
uma nova vida o esperam pr na Colônia, onde há muita paz e harmonia.

FATO GERADOR N° 4
OBSESSOR POR AMOR
Primeiro Caso
Desencarnado Apegado ao Ente Querido Encarnado

O perfil deste obsessor


Via de regra, é um recém-desencarnado. Em alguns casos, ele não tem consciência da sua
recente "morte" e julga que ainda está vivendo normalmente entre os familiares
encarnados. Se ele já sabe que já desencarnou, está profundamente revoltado, insatisfeito
e desesperado com a sua compulsória separação do seu ente querido que continua
encarnado, que normalmente é ex-cônjuge ou ex-amante ou um familiar muito próximo
dele.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

A causa desta Obsessão


Aquele desencarnado deliberadamente optou por viver junto do encarnado a quem continua
a amar desesperadoramente e com incontrolável apego, de quem se transformou em
(inconsciente) obsessor.

9
A intenção deste obsessor
Ele apenas quer continuar vivendo junto daquele encarnado de quem não consegue se
separar.

O relacionamento anterior
Como é mais que evidente, profundos e fortíssimos vínculos amorosos unem este obsessor
ao seu obsediado.

A atuação deste obsessor


Se ele puder, ficará o tempo todo junto daquele seu amado obsediado, se possível o dia
todo, todos os dias. Obviamente, ele não tem a menor intenção de fazer nenhum tipo de
mal àquele encarnado tão querido por ele.
Também é evidente – Ele não tem consciência de que é obsessor daquele seu ente
querido encarnado, e conseqüentemente não sabe que está fazendo mal àquele seu
obsediado.

O resultado desta Obsessão


O obsediado poderá receber contínua e poderosa influência energética nociva daquele seu
(inconsciente) obsessor que, ironicamente, com tanta intensidade e desespero lhe ama
tanto.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
Falar do atendimento médico, psicólogo e fraternal que encontrará e que ele poderá ter
condições muito melhores e com ajuda de médicos e outros profissionais, para poder ajudar
aquele seu ente querido

FATO GERADOR N° 5
OBSESSOR POR AMOR
Segundo Caso
Encarnado Apegado ao Ente Querido Desencarnado

O perfil deste "obsessor"


Pode ser idêntico ao caso anterior, porém com uma profunda diferença significativa:
– Ele não está desesperado com a compulsória separação dos seus entes queridos que
continuam encarnados, e nem sente tanta falta deles.
Em alguns casos – Ele pode estar desnorteado e talvez fragilizado com o seu próprio
desencarne.
Mas, mesmo assim – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes
muito potente!

A causa desta Obsessão é inversa!


Desta vez, é o encarnado que não suporta a compulsória ausência do seu ente tão querido
recentemente desencarnado. Ele sente tanto a falta, pensa tanto e tão fortemente no seu
amado "falecido" que, finalmente, consegue atraí-lo para junto de si. Deste modo, aquele
desencarnado, à sua completa revelia, transformou-se no "obsessor" daquele encarnado.
Neste curioso caso - Os tradicionais papéis estão invertidos porque o verdadeiro
obsessor é o encarnado, e o verdadeiro obsediado é aquele pobre coitado desencarnado!

A intenção deste "obsessor"


Inicialmente, ele poderá continuar lutando para se livrar daquela verdadeira "atração fatal".
Ele até poderá ter êxito, e assim, felizmente para ambos, deixará de existir aquela
"obsessão". Porém, se for mal sucedido, poderá acabar se resignando a compulsoriamente
viver junto daquele encarnado querido.
10
Por outro lado – Ele poderá passar a gostar daquela convivência forçada com aquele
encarnado a quem ele tanto ama.

Como é evidente!
Em qualquer hipótese, nem o "obsessor" nem o "obsediado" têm nenhuma intenção de
fazer mal ao outro, porque eles se amam muito.

O relacionamento anterior
Já sabemos que, tal qual no tipo anterior, "obsessor" e "obsediado" tinham e têm poderosos
e profundos vínculos amorosos.

A atuação deste "obsessor"


Querendo ou não, gostando ou não, ele viverá permanentemente junto do seu "obsediado"
querido.

A atuação deste "obsediado"


Do que depender dele, o seu amado "obsessor" nunca sairá de junto de si.

O resultado desta atípica Obsessão


Mesmo estando invertidos os tradicionais papéis, o "obsediado" poderá receber as
influências energéticas nocivas do seu "obsessor", ainda mais se este estiver revoltado com
a sua compulsória "prisão" junto àquele encarnado amado.
No entanto – Neste caso atípico, o "obsessor" também poderá receber as influências
energéticas nocivas, talvez mais poderosas, do seu "obsediado".

Na maioria das vezes


Essa mútua influenciação energética nociva poderá ocorrer 24 horas por dia, todos os dias.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor (ou do "obsessor") é diretamente proporcional à semelhança
energética com o seu obsediado (ou com o seu "obsediado") e inversamente proporcional à
potência positiva do seu obsediado (ou do seu "obsediado")!

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
Falar do atendimento médico, psicólogo e fraternal que encontrará e que ele poderá ter
condições muito melhores e com ajuda de médicos e outros profissionais, para poder ajudar
aquele seu ente querido que muito reclama da sua ausência.

FATO GERADOR N° 6
OBSESSOR POR AMOR
Terceiro Caso
Desencarnado Socorrista do Ente Querido Encarnado

O perfil deste obsessor


É semelhante ao tipo anterior, ou seja, embora ele possa sentir (ou não) muita falta dos
seus entes queridos encarnados, ele nada fez para viver junto deles. Neste tipo de
obsessor, ele pode ser um recém-desencarnado, mas normalmente já desencarnou há
tempos.
Em resumo - Após o seu desencarne, por motivos que variam de caso para caso, ele optou
por viver no plano astral, deliberadamente longe dos seus amados encarnados.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

Um exemplo de causa desta Obsessão


Num determinado dia, um desencarnado soube que um grave e sério problema estava
ocorrendo com um seu ente querido encarnado. Ele resistiu, ou não, ao impulso inicial de
largar tudo e ir ajudar aquele encarnado a quem ele muito ama.
11
Resultado – Ele saiu de onde estava e passou a viver junto daquele encarnado amado,
com a deliberada e única intenção de ajudá-lo a resolver aquela situação aflitiva.

A intenção deste obsessor


Já vimos que é "socorrer" aquele seu familiar encarnado.
Como é óbvio – Ele julga que está ajudando aquele seu ente querido encarnado, não
sabendo que, na realidade, está (inconscientemente) obsediando e conseqüentemente
prejudicando (involuntariamente) aquele encarnado a quem ele tanto ama.
O relacionamento anterior
Também já vimos que, tal qual nos dois tipos anteriores, obsessor e obsediados tiveram e
têm poderosos e fortíssimos vínculos amorosos.

A atuação deste obsessor


Se ele puder, ficará todo o tempo junto do seu obsediado querido, para mais e melhor
ajudá-lo.
Portanto – Ele poderá ser um constante e invisível parceiro do seu obsediado, em todas as
atividades cotidianas.

O resultado desta Obsessão


Mesmo com a sua amorosa intenção de ajudar, este inconsciente obsessor provocará
contínua influência energética nociva ao seu amado obsediado.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

COMPARAÇÃO
ENTRE ESTES TRÊS TIPOS DE OBSESSORES POR AMOR

Em todos estes três tipos


As situações são absolutamente idênticas quanto a dois aspectos:
1 – A causa é a mesma, o amor, justamente o mais elevado e o mais sublime dos
sentimentos humanos. Que ironia...
– Ou isto será um alerta para o nosso apego excessivo àqueles a quem muito amamos?
2 – As Obsessões são totalmente inconscientes e involuntárias porque os obsessores, além
de não saberem que são obsessores, muito menos percebem que estão causando prejuízos
aos seus obsediados.

Nos primeiro e terceiro tipos


Ocorre o que é tradicional na Obsessão, ou seja, é do obsessor a iniciativa e a intenção de
viver junto do seu obsediado.

Mas no atípico segundo caso


Os tradicionais papéis se invertem, e o causador da Obsessão é o encarnado.

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
Falar do atendimento médico, psicólogo e fraternal que encontrará e que ele poderá ter
condições muito melhores e com ajuda de médicos e outros profissionais, para poder ajudar
aquele seu ente querido

FATO GERADOR N° 7
OBSESSOR ESCRAVO

O perfil deste obsessor


Um desencarnado estava desnorteado e fragilizado, num estado de semi-inconsciência,
como se fosse um "zumbi". Ele vivia no cemitério onde seu corpo físico foi enterrado, ou

12
então vagava pelo plano astral, sem rumo, sem condições de reagir a nada e sem nenhuma
noção da realidade. No entanto, mesmo nessa caótica situação, ele era livre.
Porém - Num fatídico momento que tragicamente mudaria o seu destino, ele foi facilmente
aprisionado por outros desencarnados-escravos que assim agiam cumprindo ordens
expressas do chefe e senhor deles, um inescrupuloso comerciante da mediunidade
encarnado. A partir daquele dia, ele passou a ser prisioneiro e escravo daquele encarnado
que é comerciante da mediunidade.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes
muito potente!

Um exemplo de causa desta Obsessão


Sicrano está encarnado e quer se vingar de Fulana, outra encarnada que é sua colega de
trabalho. Sicrano procura Beltrano, um encarnado que é um inescrupuloso e "competente"
comerciante da mediunidade, com quem acerta e a quem paga um maligno "trabalho" para
Fulana. Beltrano imediatamente escala aquele pobre-coitado desencarnado (que foi
aprisionado e feito seu escravo) para prejudicar Fulana.
Aquele desencarnado-escravo - Com pavoroso medo de sofrer severos castigos,
fielmente cumprirá as determinações recebidas de Beltrano, o seu "senhor encarnado".
Então, ele produzirá poderosas influências energéticas nocivas em Fulana.

A intenção deste obsessor


É cegamente cumprir, da melhor maneira possível, as ordens recebidas de Beltrano, o seu
"senhor encarnado". Ele sabe que será terrivelmente castigado por Beltrano, caso falhe
naquela missão de prejudicar Fulana. É o caso típico de "soldado-mandado". Como é
evidente, ele vive angustiado e sob grande tensão. A depender da sua índole, ele pode ou
não ser perverso. Mas se já não é animalizado, em pouco tempo deverá ficar porque assim
é melhor para Beltrano controlá-lo.
Entretanto - Noutro exemplo, se a ordem recebida do seu "senhor encarnado" for fazer um
determinado bem a Fulana, sem questionar ele se empenhará em cumprir essa missão, com
o mesmo empenho e dedicação.

O relacionamento anterior
Normalmente, obsessor e obsediados nunca tiveram vínculos anteriores. Eles nem sequer
se conheciam.

A atuação deste obsessor


Caso a caso, conforme sejam as ordens recebidas do seu "senhor encarnado", ele atuará
diretamente no seu obsediado e/ou em determinadas pessoas ligadas ao seu obsediado.

O resultado desta Obsessão


Naquele primeiro exemplo, infelizmente o mais comum, Fulana receberá, de forma direta
e/ou indireta, a potente influência energética nociva do seu obsessor-escravo. O agravante
é o medo que este tipo de obsessor sente de falhar na sua missão e conseqüentemente
receber terríveis castigos, o que torna a sua maléfica atuação muito persistente e dedicada.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
Fale do atendimento fraternal que lá irá encontrar, e principalmente a liberdade. Falar com
carinho e da vida futura que ali poderá ter início. Não haverá castigos, pelo contrário, ele
encontrará finalmente a paz e quem sabe, poderá até encontrar antigos familiares.

13
FATO GERADOR N° 8
OBSESSOR EMPREITEIRO AUTÔNOMO

O perfil deste obsessor


É um desencarnado extremamente desequilibrado e desajustado, cuja personalidade é
profundamente materializada e primitiva, às vezes até animalizada. Ele perambula pelo
plano astral, principalmente nas partes correspondentes ao plano físico, normalmente em
bandos. Ele continua profundamente apegado aos chamados "prazeres materiais" (comida,
bebida, fumo, sexo, etc.) dos quais sente muita falta mas não pode conseguir diretamente
no mundo físico. Se ele for ainda mais animalizado, gostará de se deleitar com o sangue de
animais recém-abatidos.
Não se sabe o motivo - Mas as encruzilhadas das ruas são os locais onde eles fazem
"negócios" com encarnados que contratam os seus serviços de empreiteiro-autônomo.
Logicamente – O seu campo magnético é um dos mais negativos e potentes entre todos
os obsessores!

Um exemplo de causa desta Obsessão


Um outro desencarnado, a mando de um encarnado interessado, procura aquele
desencarnado empreiteiro-autônomo e lhe propõe um serviço que ele deve executar junto a
determinado encarnado-alvo.
Posteriormente - Em troca do respectivo pagamento adiantado - comida, bebida, fumo e
até sangue de animais, dos quais sorve apenas as sutis energias emanadas - ele atua sobre
o encarnado-alvo, assim executando aquela empreitada.

A intenção deste obsessor


O que ele quer mesmo é usufruir daqueles animalizados prazeres que são tão ansiosamente
esperados por ele, e que ele só pode obter mediante a execução daquelas empreitadas
normalmente malignas.
Por outro lado – Ele sabe que precisa fazer jus ao pagamento adiantado que recebeu.

O relacionamento anterior
Como é óbvio, obsessor e obsediados nunca tiveram vínculos anteriores.

A atuação deste obsessor


Caso a caso, conforme tenha sido o acerto da empreitada, este obsessor executará da
melhor maneira possível a tarefa de exercer sua potente influência energética, normalmente
nociva, diretamente sobre o seu obsediado (o encarnado-alvo) e/ou (a depender do acerto)
sobre outros encarnados ligados ao encarnado-alvo.

O resultado desta Obsessão


Poderá ser exatamente igual àquele do caso anterior (obsessor-escravo) ou seja, o
obsediado receberá, de forma direta e/ou indireta, a potente influência energética
(normalmente) nociva do seu obsessor empreiteiro autônomo, às vezes durante 24 horas
por dia, durante vários dias.
Todavia - Tudo indica que a atuação deste obsessor pode ser menos intensa e persistente
do que aquela do obsessor-escravo. O motivo seriam as conseqüências das possíveis falhas
ou desistências deles porque, enquanto nada ocorreria com ele (salvo o risco de não ser
novamente contratado pela mesma pessoa) o obsessor-escravo sofreria duros castigos.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!

14
COMPARAÇÃO
ENTRE ESTES DOIS TIPOS DE
OBSESSORES POR ENCOMENDAS DE TERCEIROS

Dos obsessores
Os atenuantes e agravantes são:
a – O fato de serem obsessores por encomendas de terceiros serve como pequeno
atenuante para ambos.
b – Apenas o obsessor-escravo age por temor e sem questionar, em cega obediência ao seu
"senhor encarnado". Isto é um forte atenuante.
c – Já o obsessor-empreiteiro-autônomo atua por conveniência própria porque o pagamento
lhe convém e lhe atrai muito. Isto é um sério agravante.

Dos contratantes e autores intelectuais


Os agravantes são:
a – Nos dois casos, os contratantes das empreitadas obsessivas são encarnados, a quem
cabe o sério agravante das suas culpa e dolo, sem nenhum atenuante.
b – No caso do obsessor-empreiteiro-autônomo, o autor intelectual é o próprio encarnado-
contratante, mas o contratante propriamente dito é um desencarnado que, a seu mando,
acertou a empreitada obsessiva junto a esse tipo de obsessor. Neste caso, portanto, surgiu
a culpa e o dolo de um terceiro elemento, o desencarnado que foi o intermediário da
contratação dessa empreitada obsessiva.
c – No caso do obsessor-escravo, o autor intelectual é um comerciante da mediunidade,
encarnado, que tem dois sérios agravantes. Primeiro: Ele mandou aprisionar o
desencarnado que ele transformou em obsessor-escravo. Segundo: Ele tira proveito
financeiro das Obsessões.

Encaminhamento

Comece a falar de mais liberdade e menos dependência das coisas que o levam a praticar
tais atos. Informe que ele poderá ter um tratamento adequado, a fim de se livrar de seus
vícios num hospital muito bem preparado na colônia do Caboclo Ubirajara. Além do que há
familiares envolvidos a espera dele, a fim de ajudá-lo na sua recuperação.

FATO GERADOR N° 9
OBSESSOR SOLDADO DO MAL

O perfil deste obsessor


Invariavelmente, é um desencarnado que se transformou num idealista tresloucado,
extremamente fanático e radical. Freqüentemente, é um ser humano muito revoltado e
indignado, como conseqüência daquele conceito deturpado que ele tem da vida, segundo o
qual "o certo é fazer o mal, e o errado é praticar o bem"! Piamente, ele acredita que o seu
dever é, sem tréguas, combater o bem e todos os obreiros do bem encarnados e
desencarnados. Na maioria das vezes, ele é extremamente sagaz, sutil, habilidoso, ardiloso,
inteligente e esperto. Algumas vezes, ele é detentor de elevados conhecimentos e
habilidades, que até podem ser superiores aos das suas vítimas encarnadas.
Logicamente – O seu campo magnético está predominantemente negativo, às vezes muito
potente!

A causa desta Obsessão


Aquele desencarnado sempre age por idealismo. Tudo bem que é um idealismo deturpado,
tresloucado, fanático e até revoltado, mas mesmo assim não deixa de ser idealismo,
portanto, isto realmente é um atenuante. Ele é especializado, única e exclusivamente, em
atuar contra os seus "inimigos mortais", que são todos aqueles encarnados que trabalham
em atividades voltadas para o bem.

Que ironia! - Ser vítima deste obsessor é um elogio implícito porque ele só obsedia
aos mais fraternos e solidários encarnados, justamente aqueles que se dedicam a
atividades nobilitantes.

15
A intenção deste obsessor
O seu objetivo básico é transviar aqueles encarnados que são obreiros do bem. Portanto,
pelo menos a princípio, ele não tem nenhum propósito deliberado de fazer mal aos seus
obsediados. Para tal finalidade, ele podem fazer tanto um malefício quanto um benefício aos
seus obsediados, conforme seja mais conveniente para os seus propósitos malignos.

O relacionamento anterior
Normalmente, obsessor e obsediados nunca tiveram vínculos anteriores.

A atuação deste obsessor


Algumas vezes, ele atuará nocivamente, de maneira ininterrupta, diretamente sobre o seu
obsediado, visando impedi-lo de exercer suas atividades de obreiro do bem. Outras vezes,
ele agirá nocivamente, também de maneira direta sobre o seu obsediado, porém apenas
enquanto este estiver entre os seus pares de atividades nobilitantes, evidentemente com a
finalidade de estimular discórdias, ciúmes, intrigas, invejas, desentendimentos, mágoas,
rancores, etc. e até envolvimentos sexuais antiéticos.
Em muitos casos - Ele atuará indiretamente, sobre pessoas íntimas do seu obsediado,
para que estas atrapalhem ou impeçam as atividades fraternas e solidárias do seu
obsediado.

Vale a pena alertar!


Este obsessor é muito seletivo, portanto, tem dois alvos principais que ele considera os
mais prioritários e importantes:
O primeiro alvo – São aqueles praticantes do bem mais dedicados e competentes,
principalmente aqueles que conseguem beneficiar uma grande quantidade de pessoas, e
mais ainda em particular aqueles que ele considera os seus "piores inimigos":
– Os obreiros do bem que, através das suas palavras verbais e escritas, espalham as luzes
recebidas da Alta Espiritualidade da Terra.
O segundo alvo - São as instituições que se dedicam tanto a praticar fraternidade e
solidariedade quanto a retransmitir ensinamentos da Alta Espiritualidade da Terra. Neste
caso, a atuação dele visa desestruturar as suas diretorias e/ou perturbar as atividades
realizadas naquelas casa, porém com o objetivo maior de liquidar aquelas instituições.

O resultado desta Obsessão


Tal qual em todos os outros casos, o obsediado poderá receber, de maneira direta e/ou
indireta, a influência energética nociva daquele seu obsessor, às vezes 24 horas por dia,
todos os dias.
Porém, neste caso - Existe o seríssimo agravante da atuação maléfica do obsessor
sempre ser deliberada e persistente porque, repetindo, ele age movido por idealismo
fanático.

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!
Entretanto, neste particular - Este caso também é especial porque este tipo de obsessor,
sem dúvida o mais preparado de todos para essa maligna atuação obsessiva, por saber
que os seus obsediados são pessoas que devem ter qualidades éticas e morais muito acima
da média, estão bem treinados para superar o obstáculo da poderosa repulsão energética
provocada pelos campos magnéticos dessas suas vítimas.
Justamente por este motivo! - Este tipo de obsessor freqüentemente costuma atuar
sobre as pessoas intimamente ligadas aos seus obsediados, para que elas atrapalhem as
atividades nobilitantes dos seus obsediados, de preferência conseguindo afastá-los em
definitivo dos trabalhos do bem.

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
De quanto será importante ele conhecer o lado bom da sua vida, pois certamente foi pedido
por familiares pra ele ser ajudado neste momento, e a Colônia, uma grande cidade no plano

16
astral irá lhe receber, sem castigo, sem cobrança, apenas com o intuito de ajudá-lo a
encontrar o seu lado bom.

FATO GERADOR N° 10
OBSESSOR VINGADOR

O perfil deste obsessor


Sem a menor dúvida, trata-se de um desencarnado extremamente cruel. Ele é movido por
vingança e ódio, ambos mortais.
Como é mais do que óbvio – O seu campo magnético está terrivelmente negativo e
extremamente potente!

Um exemplo de causa desta Obsessão


Em uma vida passada, provavelmente a anterior, um desencarnado foi vítima de terríveis
atrocidades cometidas por alguém que, por estar atualmente encarnado, não se lembra
daqueles crimes que cometeu. Mas aquele desencarnado se lembra muito bem, inclusive
ainda sente profundas e intensas dores, como se aquelas atrocidades tivessem ocorrido há
pouco tempo, e não há dezenas ou centenas de anos.
Por este motivo - Aquele desencarnado se dedica à sua implacável e mortal vingança
contra aquele seu algoz do passado, que agora, por estar encarnado, encontra-se
completamente indefeso à sua Obsessão vingativa.

A intenção deste obsessor


Com extraordinárias tenacidade, perseverança e persistência - muitas vezes até com
exclusividade total - ele se dedica a fazer, com o seu obsediado, justiça com as suas
próprias mãos.

O relacionamento anterior
Já vimos que, em vidas passadas, ambos se relacionaram. Mas, atualmente, só o obsessor
se lembra disso.

A atuação deste obsessor


O que ele quer mesmo é se vingar! Portanto, atuará de todas as formas possíveis e
imaginárias - tanto direta quanto indiretamente - sempre visando prejudicar terrivelmente o
seu obsediado.
Em resumo – Ele fará tudo ao seu alcance para prejudicar a vida do seu obsediado, a
quem impiedosamente quer destruir!

O resultado desta Obsessão


Não resta nenhuma dúvida! Para o obsediado, as conseqüências da atuação do seu
obsessor-vingador poderão ser as mais terríveis de todas!

Mas continua valendo aquela regra


A eficácia do obsessor é diretamente proporcional à semelhança energética com o seu
obsediado, e inversamente proporcional à potência positiva do seu obsediado!
Entretanto, neste particular - Mais ainda que o tipo anterior (obsessor soldado do mal)
este caso também é especial porque o obsessor-vingador é o mais motivado de todos para
essa maligna atuação obsessiva. Portanto, a ausência de afinidade energética com o seu
obsediado não será empecilho, e muito menos obstáculo, para este obsessor-vingador tão
obstinado e persistente. Ele dispõe de muitos recursos para tentar conseguir alcançar seu
intento vingativo, principalmente através da sua atuação sobre pessoas direta e/ou
indiretamente ligadas ao seu obsediado.

Observação - Embora seja menos freqüente, a causa deste tipo de Obsessão pode
ter ocorrido nesta mesma vida. Por exemplo, num caso de aborto criminoso, a vítima
que teve frustada sua encarnação poderá se transformar em obsessor-vingador
daquela encarnada que deveria ser sua mãe e/ou dos outros encarnados que
participaram daquele aborto.

17
OBSESSOR-VINGADOR
OUTRAS CONSIDERAÇÕES

Quanto às características
Sem nenhuma sombra de dúvida, este é o tipo mais sério e mais grave de Obsessão. É
também, por motivos óbvios, o de mais demorada cura.

Quanto à culpa
O obsessor-vingador nutre ódio mortal pelo seu obsediado. Ele tentará, de todas as formas,
prejudicar o seu obsediado, como vingança pelos males que aquele encarnado lhe fez no
passado.
Conclusão – Ambos são culpados! Nenhum dos dois é inocente.

Quanto à permissão e ao livre-arbítrio


Pelo menos três análises, profundas porém sutis, muito sutis, precisam ser feitas com as
nossas maiores possíveis serenidade e (principalmente) imparcialidade:
Em primeiro lugar - A Lei de Causa e Efeito, sob a gerência dos Espíritos-Protetores do
obsediado e do obsessor, está permitindo tal situação. Sabemos que a vingança é, por
qualquer ângulo, totalmente condenável. Mas um importantíssimo aspecto filosófico de
imparcialidade deve ser considerado:
a – Cada um deles, obsediado e obsessor, tem livre-arbítrio, que deve ser respeitado.
b – No passado, foi respeitado o livre-arbítrio do (obsediado) que hoje está encarnado,
quando ele fez mal àquele (seu obsessor) atualmente desencarnado.
c – Por que agora, na vez do obsessor (a ex-vítima do obsediado) se vingar do seu ex-algoz
(o obsediado), o livre-arbítrio dele será impedido?
– Pense bem nisto!
Em segundo lugar - Existe caso em que o encarnado (obsediado) já quitou o débito
cármico que contraiu quando fez mal, no passado, ao (obsessor) que hoje está
desencarnado. Nesta situação, a vingança do (obsessor) desencarnado não terá mais o aval
da Lei de Causa e Efeito, e conseqüentemente não será permitida pelos Espíritos-Protetores
dos envolvidos.
Mas na maioria esmagadora dos casos! - As vítimas encarnadas (obsediados) ainda não
quitaram os débitos cármicos contraídos com os males feitos anteriormente aos
(obsessores) desencarnados-vingadores.
Em terceiro lugar - Um desencarnado-vingador, ao fazer justiça com as próprias mãos,
estará cometendo um grave e sério erro. Como conseqüência inevitável, contrairá novos
débitos cármicos, pelos quais sofrerá muito, no futuro, para quitá-los.
Assim sendo - Será um grande benefício, também para ele, se parar com a sua vingança.

Conclusão óbvia!
Trata-se de assunto extremamente profundo, delicado, complexo e (principalmente)
sutilíssimo!
– Você concorda?

Encaminhamento

Começar a falar da Colônia do Ubirajara. As vantagens que a mudança irá lhe proporcionar.
Fale do atendimento-amor, do médico-amor, do psicólogo-amor e das condições que ele
encontrará nesta nova vida. Ninguém irá lhe cobrar nada, até pelo contrário, trará pra ele a
oportunidade de encontrar muitas respostas dessa luta, dessa vingança. Na Colônia, muitas
familiares estarão à espera dele. Fale da esperança futura, de como é inútil tudo por que ele
passa.

OUTROS FATOS GERADORES


DE OBSESSÕES

O chamado obsessor "hightech"


Este tipo, felizmente raro, é aquele que utiliza maquiavélicos e sofisticados instrumentos
(astrais) de alta tecnologia para prejudicar, grave e seriamente, os seus obsediados.

18
Por algum acaso – Seríamos capazes de cometer a tolice de julgar que esses
desencarnados, pelo fato de serem maus e atuarem como obsessores, teriam que
obrigatoriamente ser incultos e ignorantes?
Na realidade - Cotidianamente, comprovamos entre nós próprios, os encarnados, que uma
coisa necessariamente não tem nada a ver com a outra, ou seja, um ser humano muito
perverso pode ser detentor, por exemplo, de elevados conhecimentos tecnológicos!

Obsessor "bode-expiatório"
Ah, não existe este tipo! Esta cômica denominação visa chamar a atenção daquelas pessoas
"fanáticas" para as quais tudo de mal que acontece com elas é causado por obsessores.
– Neste caso, esses imaginários (e inexistentes) obsessores seriam os "bodes-expiatórios"
daquelas pessoas...

Outros casos
Além de todos esses tipos de Obsessões Diretas e Indiretas que acabamos de analisar, que
realmente são os mais conhecidos e habituais, podem existir (e existem) outros, ou muito
outros. Por exemplo, há algum tempo, fui testemunha ocular do seguinte caso inusitado:
Beltrana - Este é um nome fictício que impedirá a verdadeira identificação de uma
determinada pessoa que estava em tratamento daquele "Primeiro Caso de Obsessão por
Amor", que acabamos de ver. O curioso, naquela Desobsessão de Beltrana, foi a existência
de uma forte suspeita de existir algo mais. Ao longo daquele tratamento, foi constatado que
a "novidade" era a atuação, sobre Beltrana, de vários desencarnados que a amavam muito
e ao seu lado viviam 24 horas por dia, movidos por um motivo muito forte para eles, os
obsessores:
– Na última encarnação, Beltrana selou um estranho porém firme pacto com aqueles
espíritos que então estavam encarnados e eram seus grandes amigos. Segundo o
compromisso que todos assumiram com seriedade e solenemente, nem mesmo a morte os
separaria.
Atualmente - Apenas Beltrana está encarnada, e aqueles seus amigos estão
desencarnados e ao seu lado, 24 horas por dia, todos os dias, em cumprimento do firme
acordo que fizeram na última encarnação.
Portanto - Esses grandes amigos de Beltrana não desejavam prejudicá-la. Pelo contrário,
eles se julgavam pessoas muito honradas porque estavam cumprindo aquilo que
firmemente prometeram a Beltrana, a quem inclusive "protegiam" bravamente de tudo
aquilo que eles, no juízo deles, consideravam prejudicial a ela.
Este caso - Justamente por ser tão atípico, deve merecer nossa profunda meditação sobre
as infinitas possibilidades de tipos de fatos geradores de Obsessões ou Influências
Energéticas Nocivas Causadas por Desencarnados.
Mais do que isto - Deve merecer nossa melhor reflexão sobre aquele célebre tipo de
juramento de amor:
-- Nem a morte nos separa!

Observação – No final, como complemento, veremos Obsessões causadas por


encarnados, e também a Auto-Obsessão. Ou seja, veremos exemplos de influências
energéticas nocivas causadas a encarnados pelos próprios encarnados.

TIRANDO ALGUMAS DÚVIDAS


A RESPEITO DA ATUAÇÃO DO OBSESSOR

Quando um obsessor, deliberadamente, quer prejudicar o seu obsediado, como ele


pode agir diretamente?
Ele pode atuar diretamente sobre o seu obsediado, basicamente, através de duas maneiras
diferentes, que podem ser simultâneas:
Primeira maneira – Se ele souber e quiser, poderá influenciar tanto a vontade do seu
obsediado - "indução magnética" - quanto os pensamentos do seu obsediado - "telepatia" -
obviamente visando que o seu obsediado faça exatamente aquilo que ele, o obsessor, quer.
Segunda maneira – Se ele souber e quiser, poderá agredir violentamente o campo
magnético do seu obsediado através de "bombardeio magnético" ou ataque de potentes
energias negativas, com o claro propósito de prejudicar a saúde e o equilíbrio do seu
obsediado.

19
Quando um obsessor, deliberadamente, quer prejudicar o seu obsediado, por que
ele opta por agir indiretamente?
Alguns raros, muito raros obsediados são "ossos duros de roer" - do ponto de vista do
obsessor, é claro! - porque os seus potentes campos magnéticos positivos criam fortíssimas
repulsões àquelas duas maneiras dele atuar diretamente.
Em tais casos – Para o seu intento obsessivo ficar mais fácil e mais rápido, ele opta por
atingir seus obsediados indiretamente, através daquelas pessoas intimamente ligadas aos
seus obsediados, mas, obviamente, somente através daquelas que não sejam "ossos duros
de roer".

Como o obsessor pode, indiretamente, atingir o seu obsediado?


Dentre as pessoas íntimas do seu obsediado, principalmente aquelas às quais o seu
obsediado está amorosamente ligado, o obsessor escolhe as "mais fáceis" de obsediar.
Sobre estas pessoas, o obsessor atua diretamente de duas maneiras diferentes, que podem
ser simultâneas:
Primeira maneira – Através daqueles dois processos (indução e telepatia) ele influencia
aquelas pessoas a agirem de modo a prejudicar o seu obsediado.
Segunda maneira - Através daquele potente e negativo "bombardeio magnético", o
obsessor intenta causar doenças e/ou desequilíbrios naquelas pessoas, visando provocar
sofrimentos e preocupações no seu obsediado.
Através dessas duas maneiras, ele faz o seu obsediado sofrer indiretamente, "por tabela".
Além disto, o obsessor também tenta fazer com que o seu obsediado diminua a potência
positiva do seu campo magnético, como conseqüência (às vezes inevitável) dos sofrimentos
e/ou das preocupações decorrentes daquelas indiretas atuações obsessivas, para assim,
finalmente, o seu obsediado ficar vulnerável à atuação obsessiva direta.

Quando o obsessor não sabe que é um obsessor, principalmente quando ele não
tem a mínima intenção de prejudicar o seu obsediado, como ele pode acabar
prejudicando aquele seu obsediado?
Tudo é conseqüência direta e imediata da constante proximidade do campo magnético do
obsessor com o campo magnético do seu obsediado.
Como o campo magnético do obsessor sempre é negativo, e na maioria das vezes é muito
potente, essa constante proximidade implica – involuntária porém inexoravelmente – num
verdadeiro "bombardeio" das energias negativas do obsessor sobre o seu obsediado.

PARA VOCÊ MEDITAR

Você observou bem?


Você analisou bem todos aqueles tipos de fatos geradores de Obsessões Diretas e
Indiretas?
Responda! - Mesmo aquela relação de fatos geradores sendo parcial - porque é
humanamente impossível descrever todos os tipos de Influências Energéticas Nocivas
Causadas por Desencarnados - deu para você concluir que existe a possibilidade de eu e/ou
você e/ou pessoas queridas nossas estarmos sofrendo (sem sabermos) tais influências
energéticas nocivas de desencarnados?

Você reparou bem?


Para ser vítima dessas influências energéticas nocivas, não importa se a pessoa acredita ou
não na existência delas? E que também não interessa qual seja o seu credo religioso ou
filosófico?

No entanto, convenhamos!
Já demos um grande passo ao compreendermos o processo de funcionamento das
Influências Energéticas Nocivas Causadas por Desencarnados! Que bom!
Assim sendo - Agora você já pode avaliar a verdadeira extensão dos tremendos prejuízos
causados pela ignorância desses assuntos, que foi (e ainda é) imposta por tolos, infantis e
anticientíficos preconceitos, paradigmas, dogmas e tabus religiosos.

20
UMA CORREÇÃO IMPORTANTE
Sem dúvida
Você conhece os três célebres níveis de gravidade das Influências Energéticas Nocivas
Causadas por Desencarnados, que foram brilhantemente classificados por Allan Kardec:
1 – Obsessão
2 – Fascinação
3 - Subjugação

Infelizmente
Muitas pessoas julgam que estes são os três tipos das Influências Energéticas Nocivas
Causadas por Desencarnados.
Isto está errado! - O que determina os diferentes tipos dessas influências energéticas
nocivas são os fatos geradores que você acabou de ver:
– Cada fato gerador determina um tipo de Obsessão!

***
A Incorporação do Obsessor
e os Médiuns de Incorporação
O obsessor, incorporado ou não, sempre deverá receber a mesma atenção, os
mesmos cuidados e o mesmo carinho dispensados ao obsediado. Nunca se esqueça
de que ambos são igualmente filhos de Deus! Tudo bem! Mas... e quanto aos médiuns
nos quais eles incorporarão?

MANIFESTAÇÃO DO OBSESSOR
NO MÉDIUM DE "INCORPORAÇÃO"

Na Reunião de Desobsessão
Os trabalhadores encarnados estimularão a manifestação do obsessor em um médium de
"incorporação", mas somente se tal manifestação não ocorrer espontaneamente, como
acontece na maioria das vezes, inclusive durante aqueles Passes Magnéticos ou Mediúnicos
que não objetivam, necessariamente, Desobsessão.
No entanto, atenção! - Esta "incorporação" do obsessor não deverá ser forçada, e sim
deverá ficar a critério da competente equipe de trabalhadores desencarnados decidir
quando a "incorporação" do obsessor deverá ser feita, ou não.

Quando um obsessor "incorpora" num médium


Revela-se a educação mediúnica daquele médium porque somente o médium de
"incorporação" bem educado mediunicamente pode (e deve) conter os possíveis ímpetos
agressivos do obsessor.
Novamente, atenção! - Se o médium não tiver esta educação, num exemplo extremo -
veja bem, apenas num exemplo extremo - um determinado obsessor, estando
"incorporado" num médium, poderia pular na garganta do seu obsediado para tentar matá-
lo!
– Calma! Que os médiuns de "incorporação" não se assustem! A princípio, os competentes
trabalhadores desencarnados estarão atentos e não permitirão que isso aconteça.
Mas... eles até podem permitir isso - Por exemplo, se assim for necessário para ensinar
os riscos que corre um médium de "incorporação" deseducado mediunicamente,
principalmente se trabalhar em Desobsessões.

Responda - Deu para perceber o quanto é importante a competência dos obreiros da


Desobsessão?
a - Naquele exemplo extremo, a competência dos trabalhadores desencarnados foi não
permitir que se consumasse aquela tentativa do obsessor de agredir o seu obsediado.
b - Mas a competência do médium deveria ter sido ele mesmo, o médium, controlar as
ações do obsessor enquanto este, o obsessor, estava "incorporado" no seu corpo físico.

21
Conclusão
Só devem trabalhar nas Desobsessões aqueles médiuns de "incorporação" que tenham
educação mediúnica suficiente, por exemplo, para controlar eventuais ações agressivas,
até verbais, dos obsessores que neles "incorporarem".

***

A Doutrinação do Obsessor

Na reunião de Desobsessão, quando e enquanto o obsessor estiver "incorporado" num


médium, ou mesmo quando e enquanto tal incorporação ocorrer espontaneamente
em um Passe Magnético ou Mediúnico, os doutrinadores conversarão amigavelmente
com ele, esclarecendo-o e catequizando-o para deixar de ser obsessor, e passar a
ser um obreiro do bem.

PRIMEIRO LEMBRETE

A doutrinação do obsessor
Sempre é um difícil, muito difícil processo de esclarecimento e de convencimento. Com
raríssimas exceções, não serão poucas palavras que conseguirão modificar o obsessor.
No entanto - Essas e muitas outras dificuldades não devem sequer abalar o entusiasmo de
tantos quantos trabalham nas Desobsessões porque os benefícios são infinitamente
maiores.
– Por exemplo, você sabia que muitos desencarnados que trabalham para o bem são ex-
obsessores convertidos por doutrinadores, encarnados e/ou desencarnados, nos trabalhos
de Desobsessão?

Portanto
Cada doutrinação de obsessor é uma prestação de serviço diretamente a Deus porque visa
trazer para o bem um filho dEle que ainda estagia no mal.
-- Você já tinha percebido esses dois aspectos positivos "extras" da Desobsessão?

SEGUNDO LEMBRETE

Sem exceção!
Em cada uma e em todas as doutrinas de obsessores, sempre deverá estar presente, na
consciência de todos os componentes da equipe de Desobsessão, a seguinte realidade:
a - Não serão os argumentos dos doutrinadores, por mais claros e convincentes que sejam,
que, num verdadeiro passe de mágica, converterão o mais cruel dos obsessores em um ser
angelical.
b - A catequese do obsessor, por melhor que seja, requer também tempo!
c - Doutrinadores dotados de excelente oratória, nada de positivo conseguirão se não
tiverem, além de uma moral superior, o desejo absolutamente sincero e desinteressado de
ajudar o obsessor.
d - Somente uma moral superior dá suficiente autoridade sobre os obsessores.
e - Somente o desejo sincero e desinteressado de ajudar ao obsessor o envolverá
beneficamente, colaborando decisivamente para o êxito da Desobsessão.
f - Em nenhuma hipótese, os obsessores deverão ser humilhados, ridicularizados,
menosprezados, maltratados, etc.
g - Entretanto, sempre que for realmente indispensável, os doutrinadores deverão ser
firmes e enérgicos com os obsessores, porém na dosagem estritamente suficiente e
necessária.

A este respeito
É inevitável aquela triste e dolorosa lembrança dos inconcebíveis, infames e famigerados
"exorcismos":
– Que crueldade, meu Deus! Que desumanidade! Que violência cometem com os
obsessores!

22
– E ainda dizem que agem em Teu nome, Pai...
ARGUMENTAÇÃO
Para Doutrinação de Obsessores

Regra geral
A doutrinação de cada obsessor dependerá principalmente do fato gerador da respectiva
Obsessão.
Em nenhuma hipótese - Esta regra geral deverá ser menosprezada pelos doutrinadores
porque, como é lógico, uma argumentação que é apropriada para um caso pode ser
completamente inadequada para outro.

O ideal!
O doutrinador, ao começar a catequese de um obsessor, já deve ter conhecimento do fato
gerador daquela Obsessão.
Quando isto não for possível - O doutrinador deverá "sondar" o obsessor para obter tal
informação, e posteriormente confirmá-la com o trabalhador desencarnado que "incorpora"
no médium que com ele, o doutrinador, trabalha naquele caso.
Na prática - Não é difícil obter essa informação do obsessor porque a maioria deles tem "a
língua solta". Apenas em raros casos, aqueles obsessores "sabidos" mentirão e tentarão
iludir e/ou confundir o doutrinador. Mas, mesmo nesses casos raros, será muito difícil um
obsessor enganar o competente trabalhador desencarnado que "incorpora" no médium.

Agora
Vejamos um breve resumo dos graus de dificuldade que se aplicam à maioria das
doutrinações dos obsessores:
1 - A doutrinação mais demorada e difícil é para o fato gerador n° 10 (obsessor-vingador).
2 - A doutrinação para o fato gerador n° 9 (obsessor-soldado-do-mal) é difícil mas não é
longa porque ou ele se converte para o bem ou foge.
3 - A doutrinação para os fatos geradores n° 8 (obsessor-empreiteiro-autônomo) e n° 7
(obsessor-escravo) são relativamente difíceis. Mas, na prática, se eles não quiserem se
converter para o bem, ou eles fogem ou os trabalhadores desencarnados decidem pela sua
retirada.
4 - A doutrinação para os fatos geradores n° 1 (obsessor-morador), n° 2 (obsessor-atraído-
por-um-encarnado) e n° 3 (obsessor-atraído-por-um-local) são as mais fáceis e rápidas
porque ou eles deixam de ser obsessores ou fogem.
5 - A doutrinação para os fatos geradores n° 4, n° 5 e n° 6 (obsessores-por-amor)
normalmente não são difíceis nem muito demoradas. Mas, sem dúvida, são aquelas que
devem merecer carinho ainda maior porque o motivo é o amor. E o amor, mesmo
desvirtuado, ainda é amor! Ou não?

A seguir
Analise algumas sugestões de argumentações - elaboradas considerando aquilo que, na
maioria das vezes, cada obsessor julga ser realidade - que podem servir de base, apenas
servir de base, para as doutrinações dos diversos tipos de obsessores.
Mas, evidentemente - Essas linhas de argumentações não são rígidas porque pode
ocorrer, por exemplo, que um obsessor tenha perfil completamente diferente daquele que é
comum ao seu tipo, ou seja, ao fato gerador da Obsessão que ele produz.
Inicialmente - Veremos a argumentação genérica, que pode ser empregada em qualquer
caso.
Em seguida - Analisaremos as argumentações complementares, adequadas e específicas
para cada tipo de obsessor.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO GENÉRICA


Para Doutrinação de Todos os Tipos de Obsessores

Regra geral - Para cada um e todos os tipos de obsessores:


1 - Informar-lhe que, ao contrário do que ele possa julgar, ele não é um deserdado da vida,
e sim um filho de Deus, criado pelo infinito amor de Deus, que está irremediavelmente
condenado à felicidade que ele mesmo terá que conquistar às custas dos seus próprios

23
esforços, porém inexoravelmente recebendo, da Lei de Justiça do Universo, o similar
retorno de todos os bens e todos os males que ele praticar.
2 - Oferecer-lhe a assistência espiritual do Alto, que está à sua disposição para recebê-lo,
acolhê-lo, assisti-lo, ampará-lo, ajudá-lo e orientá-lo.
3 - Informar-lhe que, se ele quiser, poderá receber essa assistência espiritual do Alto
naquele exato momento porque trabalhadores desencarnados estão ao seu lado, de braços
abertos, aguardando apenas a concordância dele para imediatamente conduzi-lo a uma
instituição especializada nessa assistência espiritual, onde ele será recebido e tratado com
fraternidade e solidariedade.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor-Morador

No caso deste Fato Gerador n° 1


Raramente, o obsessor tem consciência que está desencarnado. Isto é compreensível,
afinal, ele deve ter aprendido que, após a sua "morte", ele não estaria mais vivo. Mas ele
está vivo e utilizando um corpo (astral) que ele julga ser o seu corpo físico. Ele continua
enxergando, ouvindo, tendo pensamentos, sentimentos e emoções, e tendo movimentos
normais. Em outras palavras, ele julga que não "morreu".
Ou então - Ele acreditava que, depois da sua "morte", iria para o céu, para o inferno ou
para o purgatório. Como ele não está em nenhum desses três lugares, ele tem motivos
suficientes para achar que "não morreu".
Assim sendo - Considerando que ele pensa que ainda vive no plano físico, nada mais
natural (para ele) do que permanecer no local que ele tanto gosta.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para o
obsessor-morador tem dois pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Convencê-lo de que a sua permanência naquele lugar, junto dos encarnados, é
prejudicial para ele e para todos os encarnados que moram lá.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor Atraído por um Encarnado

No caso deste Fato Gerador n° 2


Raramente, o obsessor tem consciência que está desencarnado. Ele permanece junto de um
determinado encarnado para o qual foi atraído e de quem não quer se afastar.
A princípio - A sua única finalidade é usufruir daquilo que ele tanto gosta e julga precisar:
as energias e a companhia daquele encarnado.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para
este primeiro caso de obsessor-atraído tem dois pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Convencê-lo de que a sua constante presença, junto àquele encarnado, ao contrário de
apenas ser uma fonte de prazeres para ele, é prejudicial para ele e também para aquele
encarnado.
Atenção! Muita atenção!
Neste tipo de Obsessão, foi o encarnado quem (inconscientemente) atraiu, e manteve junto
de si, um desencarnado psicologicamente semelhante a ele. Se o obsessor for tratado com
competência, este deixará aquele encarnado em paz.
No entanto – Se aquele encarnado não for devidamente orientado, poderá atrair para si
outro obsessor semelhante!

24
SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA
Para Doutrinação do Obsessor Atraído por um Local

No caso deste Fato Gerador n° 3


A primeira diferença com o caso anterior é que este obsessor foi atraído não por um
encarnado, e sim por um determinado local para onde ele praticamente "se mudou",
tamanha é a afinidade dele tanto com os freqüentadores (ou moradores) quanto com as
energias daquele lugar.
Outra diferença - Em alguns casos, este tipo de obsessor tem perfil semelhante ao
anterior. Mas, em outros, a depender do local para o qual ele foi atraído e permanece (por
exemplo, um matadouro) pode se tratar de um caso muito mais grave e sério porque
poderá ser um espírito muito primitivo e animalizado.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para
este segundo caso de obsessor-atraído tem dois pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Convencê-lo de que a sua permanência naquele local, convivendo com os encarnados
que lá freqüentam ou moram, ao contrário de apenas ser uma fonte de prazeres para ele, é
prejudicial para ele e também para aqueles encarnados.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor por Amor
1° caso - Desencarnado Apegado

No caso deste Fato Gerador n° 4


Na maioria das vezes, o obsessor não tem consciência que está desencarnado. Muitas
vezes, trata-se de um recém-desencarnado. Ele permanece ao lado de um encarnado muito
querido por ele - e não admite abrir mão daquela companhia constante - porque acredita
piamente que não consegue viver longe daquele ser a quem ele ama tão
desesperadoramente e com tanto apego.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para
este primeiro caso de obsessor-por-amor tem seis pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Dar-lhe uma notícia que ele considerará má: Por fatos normais e naturais da vida, já
acabou a oportunidade dele viver junto daquele encarnado a quem ele tanto ama, pelo
menos nesta vida física.
3 - Dar-lhe uma boa notícia: Também por fatos normais e naturais da vida, ele não está
separado definitivamente daquele seu ente querido que continua encarnado porque, no
futuro, ele poderá voltar a usufruir da convivência com aquele seu amado, mas isto muito
dependerá dele aceitar a assistência espiritual do Alto que, naquele momento, está sendo
oferecida a ele.
4 - Deixar bem claro que aquele encarnado tem o direito de dar o rumo que quiser à
própria vida, sem que ele tenha o direito de se intrometer porque ele não está mais
convivendo com aquele encarnado no mundo físico.
5 - Avisá-lo de que aquele seu ente querido encarnado sabe que ele está desencarnado.
6 - Esclarecer que a permanência dele, junto daquele encarnado, mesmo por amor, é, em
resumo, uma atitude errada e egoísta que é prejudicial para ambos.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA

25
Para Doutrinação do Obsessor por Amor
2° caso - Encarnado Apegado (situação inversa)

No caso deste Fato Gerador n° 5


Foi um encarnado que conseguiu atrair e manter junto de si um desencarnado,
normalmente um recém-desencarnado, a quem ele ama desesperadoramente e de quem
julga não conseguir viver separado.
Em tal situação atípica - Os tradicionais papéis de obsessor e obsediado estão invertidos
porque, neste caso singular, é um desencarnado que é "prisioneiro" das potentes vibrações
mentais, sentimentais e emocionais de um encarnado que o ama muito.
Duas possibilidades - Em alguns casos, o desencarnado apenas está resignado por não
conseguir se libertar da "atração fatal" que lhe fez aquele seu ente querido encarnado. Mas,
em outros, ele já se acostumou e passou a gostar da convivência constante com aquele seu
amado que está encarnado.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para
este segundo caso de obsessor-por-amor tem três pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Deixar bem claro que aquele seu ente querido encarnado não tem o direito de mantê-lo
"aprisionado", mesmo que seja por amor.
3 - Esclarecer que a sua permanência junto daquele encarnado, mesmo sendo por amor e
de uma maneira forçada por aquele encarnado que tanto lhe ama, e mesmo essa
permanência ocorrendo à sua revelia, isto é, em resumo, uma atitude errada e prejudicial
para ambos.

Atenção! Muita atenção!


Tal qual no fato gerador n° 2, neste tipo de obsessor-por-amor, quem atraiu e manteve
junto de si o desencarnado foi um encarnado. Portanto, se apenas o desencarnado for
tratado com competência, este deixará aquele encarnado em paz...
Mas, sem dúvida – Aquele encarnado poderá, no futuro, atrair outro ente querido que
venha a desencarnar!

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor por Amor
3° caso - Desencarnado Socorrista

No caso deste Fato Gerador n° 6


Na maioria das vezes, o obsessor tem consciência que está desencarnado. A partir do
momento em que soube que um seu ente querido encarnado estava enfrentando grandes
dificuldades e/ou tendo problemas graves e sérios, ele passou a viver junto daquele
encarnado com a intenção de ajudá-lo.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para
este terceiro caso de obsessor-por-amor tem três pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porém esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Dar-lhe uma má notícia: A sua constante presença junto àquele encarnado querido,
mesmo com a sua nobre intenção de ajudá-lo, na realidade não ajuda nada àquele
encarnado, e sim, na realidade, prejudica muito tanto àquele encarnado quanto a ele
mesmo.
3 - Dar-lhe uma boa notícia: Se ele aceitar aquela assistência espiritual do Alto que,
naquele momento, está à sua disposição, aí sim ele poderá ter efetivas condições de ajudar
aquele seu ente querido que ele tanto ama.

26
SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA
Para Doutrinação do Obsessor Escravo

No caso deste Fato gerador n° 7


O desencarnado é prisioneiro de um maquiavélico encarnado inescrupuloso que é
"comerciante da mediunidade". Ele vive meio deslocado da própria realidade, como se isto
fosse provocado pelo seu "senhor encarnado".
Este desencarnado - Age como um "robot turbinado", agressivo, violento, nervoso,
agitado e arrojado, seguindo cegamente as ordens de quem ele é escravo, sob permanente
tensão e temeroso de sofrer terríveis e severos castigos caso falhe em suas missões
obsessivas.
Em muitos casos - O seu "senhor encarnado", para mais facilmente controlá-lo,
condicionou-o (em mais uma inescrupulosa maldade) a ficar animalizado a ponto de se
"alimentar" das emanações fluídicas de comidas, bebidas, fumos e até sangue de animais -
tal qual faz o obsessor-empreiteiro - "alimentos" esses que ele recebe como "agrado"
(gratificações) pelas empreitadas obsessivas realizadas.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para o
obsessor-escravo tem oito pontos principais:
1 - Se for o caso, concordar e confirmar que realmente ele está vivo, porem esclarecer que
ele está desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os
desencarnados.
2 - Dar-lhe uma má notícia: Todos os malefícios que ele está fazendo para aquele
encarnado, inevitavelmente retornarão para ele, mesmo ele tendo o atenuante de estar
cegamente cumprindo ordens.
3 - Se for o caso, dar-lhe uma péssima notícia: Ele está redondamente enganado! Ele julga
ótimo estar saciando os seus instintos primitivos e animalizados, emanando as energias que
ele consegue extrair de comidas, bebidas, charutos e até de sangues de animais, recebidos
do seu "senhor encarnado" como "gratificações" pelas maldades feitas a encarnados. Na
realidade, mesmos com o atenuante que ele tem, está fazendo um péssimo negócio porque,
daqui a mais dias ou menos dias, ele terá de voltar a encarnar, quando todos aqueles seus
atos maus refletirão nas condições da sua nova vida no mundo físico.
4 - Convencê-lo de que ninguém tem o direito de aprisioná-lo porque é ele quem tem o
direito e o dever de ser livre e de exercer o seu livre-arbítrio.
5 - Dar-lhe a primeira boa notícia: As forças malignas daquele encarnado que o mantém
escravo, embora sejam muito poderosas, não têm como vencer a assistência espiritual do
Alto, que é infinitamente mais poderosa.
6 - Dar-lhe a segunda boa notícia: Se ele decidir aceitar aquela assistência espiritual do
Alto, que está à sua disposição naquele instante, ele estará completamente protegido e
inteiramente a salvo de qualquer represália daquele encarnado que lhe aprisionou e o
transformou em escravo.
7 - Dar-lhe a terceira boa notícia: A partir do momento em que ele aceitar a assistência
espiritual do Alto, ele estará inteiramente livre da escravidão que atualmente sofre.
8 - Dar-lhe a quarta boa notícia: Também a partir do momento em que ele aceitar aquela
assistência espiritual do Alto, ele poderá fazer bem a muitos encarnados e desencarnados,
assim conquistando créditos cármicos que amortizarão os muitos débitos cármicos que ele
contraiu prejudicando muitos encarnados.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor Empreiteiro Autônomo

No caso deste Fato Gerador n° 8


Trata-se de um dos tipos de desencarnados mais animalizados e primitivos que existem. Ele
é um tipo de bandido, ou malandro, muito esperto, insensível e interesseiro, para quem
pouco importa saber se está desencarnado ou não.
O que ele quer mesmo - É fazer jus ao pagamento que ele tanto anseia e julga precisar
desesperadoramente: bebidas, comidas, charutos e até sangues de animais.

Portanto, considerando este perfil


27
Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para o
obsessor-empreiteiro tem três pontos principais:
1 - Se for o caso, convencê-lo que ele realmente está vivo, porém esclarecer que ele está
desencarnado e vivendo no plano astral, que é o mundo onde vivem os desencarnados.
2 - Dar-lhe uma péssima notícia: Ele está redondamente enganado! Ele julga ótimo estar
saciando os seus instintos primitivos e animalizados, emanando as energias sutis que ele
consegue extrair de comidas, bebidas, charutos e até de sangues de animais, recebidos em
troca de maldades feitas a encarnados. Na realidade, ele está fazendo um péssimo negócio
porque, daqui a mais dias ou menos dias, ele terá de voltar a encarnar, quando todos
aqueles seus atos maus refletirão nas condições da sua nova vida no mundo físico.
3 - Dar-lhe uma boa notícia: Se ele aceitar aquela assistência espiritual do Alto, que está à
sua disposição neste momento, dentro de pouco tempo ele poderá ter oportunidade de
fazer bem a encarnados e desencarnados, assim podendo compensar muitas das maldades
que praticou até hoje.

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor Soldado do Mal

No caso deste Fato Gerador n° 9


Normalmente, o obsessor está plenamente consciente da sua condição de desencarnado.
Mas do que isto, ele está ciente que pratica o mal por sua livre e deliberada escolha. É
inteligente, esperto, sutil, sagaz, ardiloso, etc. Muitas vezes, tem mais conhecimentos do
que os encarnados aos quais persegue. Age convicto por um ideal que consiste em
combater tenazmente as forças do bem.
Mas, lá no seu íntimo... - Ele sabe que nunca vencerá o bem. Mas esta certeza, em vez
de desanimá-lo, causa-lhe mais revolta e lhe estimula mais ainda a perseguir os
encarnados-obreiros-do-bem.
Terrível essa descrição, não? - Infelizmente, é cem por cento verdadeira! Portanto, você
já viu que são mínimas as chances de doutrinar este tipo de obsessor, mas, mesmo assim,
é dever dos doutrinadores tentar.
Em verdade! - Para a grande maioria dos obsessores-soldado-do-mal, somente a mestra-
extrema da Escola da Vida - a dor - conseguirá acordá-los para a realidade.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para o
obsessor-soldado-do-mal é uma só:
– Catequizá-lo para "mudar de time", ou seja, deixar de trabalhar para o mal e passar a ser
nosso "colega" nas práticas do bem.
Todo o resto - Eles já conhecem "de cor e salteado"!

SUGESTÃO DE ARGUMENTAÇÃO ESPECÍFICA


Para Doutrinação do Obsessor Vingador

No caso deste Fato Gerador n° 10


Salvo raríssimas exceções, o obsessor tem plena consciência de que está desencarnado. Ele
nutre ódio mortal por aquele encarnado que, anteriormente - normalmente, em uma
encarnação anterior - fez-lhe terríveis males. A sua dedicação exclusiva é se vingar daquele
encarnado.
Este tipo de fato gerador - Embora constitua o caso mais grave, mais sério e de mais
difícil e demorada cura, deve merecer especial atenção dos trabalhadores encarnados da
Desobsessão, pelos seguintes fatos:
a - O motivo deste obsessor é uma implacável vingança. O sentimento que ele nutre pelo
encarnado é um ódio mortal.
b - Ele ainda sofre muito com os terríveis males que aquele encarnado lhe causou no
passado. Ele ainda sente, normalmente com muita intensidade, todas aquelas dores.
c - Ele é, ao mesmo tempo, vítima e algoz.
d - O encarnado, que atualmente é sua vítima, não é inocente, e sim o ex-algoz dele.

Neste tão triste e lamentável caso


28
Obsessor e obsediado estão juntos com o aval da Lei de Causa e Efeito e dos Espíritos-
Protetores de ambos. Ninguém deve afastá-los à força, embora o obsediado possa até
querer. Devemos sim, convencer o obsessor a se afastar, por livre e espontânea vontade,
do seu obsediado.
Por outro lado - Como já vimos anteriormente, naquele caso em que o obsediado já
quitou os seus débitos cármicos contraídos especificamente com o seu obsessor, apenas
naquele caso, tanto a Lei de Causa e Efeito quando os Espíritos-Protetores de ambos
retirarão os seus avais para aquela Obsessão, quando o obsessor será impedido de
continuar a executar a sua vingança.

Portanto, considerando este perfil


Além daquela argumentação genérica que já vimos, a argumentação complementar para o
obsessor-vingador, que deverá ser racional ("ele pagará alto preço pela sua vingança") e
também emotiva ("o perdão é ensinado por Deus") em resumo é uma só:
– Perdoar ao encarnado e parar de se vingar!

Nessa argumentação do obsessor-vingador


Será improdutivo negar que ele sofreu muito nas mãos daquele encarnado a quem ele
obsedia. Mas também ele precisará ser lembrado de algumas outras verdades:
1 - É verdade que, atualmente, ele é o instrumento de cobrança dos débitos cármicos que
aquele encarnado contraiu no passado, quando lhe fez tanto mal.
2 - Mas também é verdade que, naquela época passada, quando aquele encarnado lhe fez
todos aqueles males, ele também não era vítima inocente. Naquela ocasião, ele tinha
débitos cármicos contraídos anteriormente com outras pessoas, portanto, se o instrumento
da cobrança daqueles seus débitos cármicos não fosse aquele encarnado, teria sido outra
pessoa, atraída magneticamente pela Lei de Causa e Efeito.
3 - É verdade que, a ninguém, é permitido fazer justiça com as próprias mãos. Até a falha
justiça terrena diz isso, que dirá a Lei de Justiça do Universo, que foi criada por Deus.
4 - É verdade que ele, fazendo sofrer aquele encarnado a quem obsedia, realmente sacia a
sua sede de vingança. Mas também é verdade que, em assim agindo, ele está contraindo
novos débitos cármicos para ele, pelos quais sofrerá novamente, no futuro, para quitá-los.
5 - É verdade, por mais irônico que pareça, que os sofrimentos que ele causa àquele
encarnado constituem um benefício para aquela sua vítima porque, com tais sofrimentos,
aquele encarnado está quitando os seus débitos cármicos.
6 - É verdade que, se ele continuar com a sua vingança, chegará o dia em que aquele
encarnado já terá quitado todos os débitos cármicos que contraiu no passado, fazendo mal
a ele. A partir dai, a sua vingança não mais será permitida pela Lei de Causa e Efeito, e
conseqüentemente pelos Espíritos-Protetores de ambos, quando ele será sumária e
compulsoriamente afastado daquele encarnado.

A reação do obsessor-vingador
Ele poderá até compreender a lógica desses argumentos e passar a acreditar nessa
realidade. Mas, como ele está possesso por ódio mortal e é movido por desejo sanguinário
de vingança, durante longo tempo ele poderá cegamente continuar se vingando, mesmo
sabendo que pagará um altíssimo preço por isto.

Conclusão - Será preciso muita paciência, carinho, compreensão, tolerância e


perseverança dos doutrinadores para que um obsessor-vingador realmente perdoe à sua
vítima encarnada, e assim deixe de obsediá-la.

ATUAÇÃO COMPLEMENTAR
DA EQUIPE DE TRABALHADORES DESENCARNADOS

Ao término da doutrinação do obsessor


Estando ele ainda "incorporado" num médium, o doutrinador solicitará o concurso da equipe
de trabalhadores desencarnados para levá-lo dali, se possível para um estabelecimento do
plano astral especializado em Desobsessão.
Para nossa frustração... - Esta tão fundamental parte do tratamento das Obsessões é
uma completa incógnita para a equipe de trabalhadores encarnados!

29
Em outras palavras - Os trabalhadores encarnados sabem, na teoria, o que os
trabalhadores desencarnados farão com o obsediado, mas, na prática, desconhecem
completamente todos os detalhes!
Atenção! Muita atenção! - Justamente por este motivo, é absolutamente imprescindível
que os trabalhadores encarnados da Desobsessão tenham atraído - por afinidade - uma
equipe competente de trabalhadores desencarnados na qual possam confiar cegamente.
– Lembre-se que, da mesma maneira que existem encarnados incompetentes, também
existem desencarnados incompetentes.

Este trabalho da equipe de desencarnados


Pela lógica e de acordo com o bom senso, a competente equipe de trabalhadores
desencarnados levará (ou não) o obsessor para tratamento avançado em algum
estabelecimento do plano astral, a depender das características de cada caso:
a - Tipo de fato gerador.
b - Nível de gravidade.
c - Pareceres dos Espíritos-Protetores do obsessor e do obsediado.
d - Livre-arbítrio do obsessor.
e - Débitos cármicos do obsediado.

Conclusão
Neste particular, o que importa é que, sendo competentes, os trabalhadores desencarnados
da Desobsessão, em cada caso, saberão muito bem o que fazer, como fazer e quando fazer
com os obsessores.
– Mas se eles não forem competentes...

***

Possíveis Conseqüências para a Equipe


de Trabalhadores Encarnados da Desobsessão

Então... os abnegados trabalhadores encarnados da Desobsessão poderão sofrer


conseqüências nocivas em atividade tão nobilitante, altruísta e fraternal? Por favor,
não se precipite!

EM PRIMEIRO LUGAR
Todo encarnado que decidir trabalhar em Desobsessão
passará por uma verdadeira "Prova de Fogo"

Os desencarnados das trevas


Tudo farão para demover o encarnado do nobre propósito de trabalhar na Desobsessão,
através de atrapalhações mil que poderão lhe causar, direta e/ou indiretamente, por
exemplo, dificuldades financeiras e/ou profissionais, problemas de saúde, desentendimentos
com familiares, etc.
– Principalmente nos dias das reuniões de Desobsessão, essas dificuldades se multiplicarão.

Essa "prova de fogo"


De um modo geral, é conseqüência direta e inevitável do fato gerador n° 9 (obsessor-
soldado-do-mal) e, caso a caso, também poderá ser resultado de deliberadas ações de
determinados obsessores diretamente interessados nos fracassos das Desobsessões que os
seus obsediados fazem.
Em outras palavras - Trata-se do Carma Fundamental que terão de enfrentar todos
aqueles corajosos e destemidos encarnados que decidirem trabalhar na Desobsessão.
Por outro ângulo - É perfeitamente compreensível tal atitude desesperada dos espíritos
malignos porque cada encarnado que engrossar o contingente dos obreiros do bem tornará
ainda mais difícil o trabalho deles.

30
Em verdade - A Desobsessão talvez seja a inimiga n° 1 dos obsessores-soldados-do-mal.
Afinal, a Desobsessão competente consegue converter soldados-do-mal em soldados-do-
bem.

Entretanto, eis a boa notícia!


Se o encarnado persistir e perseverar no seu firme propósito de ser obreiro da
Desobsessão, em pouco tempo tudo isso passará.
– Você quer saber por que?
A explicação é simples - Via de regra, os obsessores-soldados-do-mal são muito práticos,
ou seja, em comprovando que determinados trabalhadores encarnados da Desobsessão são
"ossos duros de roer", eles não desperdiçarão seus esforços com aqueles obreiros do bem
encarnados, e sim irão atuar em outros menos persistentes...

EM SEGUNDO LUGAR
Essa "prova de fogo" não acontecerá à revelia da correspondente
Equipe de Trabalhadores Desencarnados da Desobsessão,
e muito menos do Espírito-Protetor de cada obreiro encarnado "vitimado"

Muito pelo contrário!


Deliberadamente, eles permitem tal "prova de fogo" apenas para testar e aferir a coragem,
a tenacidade e a perseverança de cada candidato ao ingresso na equipe de trabalhadores
encarnados da Desobsessão.
Tal iniciação, ou teste - Realmente é indispensável porque o trabalho a realizar exigirá
qualidades excepcionais dos seus obreiros encarnados.
– Em palavras mais claras, a única maneira possível de identificar os obreiros da
Desobsessão realmente aptos é testando-os!

Além disto
Aqueles "sofrimentos extras" acabarão beneficiando aqueles encarnados, através das
correspondentes amortizações (ou abatimentos) nos seus débitos cármicos.

O "PRÊMIO":
Após aquela "Prova de Fogo", a situação se reverterá

O obreiro encarnado
Uma vez aprovado naquele rigoroso teste, e engajado prá valer na equipe de
trabalhadores encarnados da Desobsessão, passará a contar com competentes "colegas de
trabalho" desencarnados, os quais passarão a protegê-lo de toda e qualquer influência
energética nociva não prevista na sua programação cármica.

De sobra
Aqueles novos amigos desencarnados poderão socorrer o obreiro encarnado em todas as
suas dificuldades e aflições.
– Nada mais justo, não?

***
Obsediado x Obsessor

Fruto do desconhecimento deste assunto, é comum ocorrer o grave erro de pré-julgar


que o obsessor sempre é culpado e o obsediado sempre é inocente!

A TENDÊNCIA NATURAL
É considerar o Obsediado uma vítima injusta do Obsessor

Na maioria das vezes isto não é correto!

31
Isto só é verdadeiro naqueles poucos casos de Influências Energéticas Nocivas Causadas
por Desencarnados, nos quais os obsediados, nesta vida ou em encarnações anteriores, em
nada contribuíram para as Obsessões que sofrem atualmente.

Nos demais casos


Os obsediados são tão ou mais culpados que os obsessores.
No mínimo – Os obsediados são cúmplices das Obsessões que eles mesmos sofrem!

A TENDÊNCIA NATURAL
É considerar o Obsessor um espírito mau,
que odeia o seu Obsediado

Isto nem sempre é verdade!


Como já vimos naqueles dez principais tipos de fatos geradores de Influências Energéticas
Nocivas Causadas por Desencarnados, o obsessor, por exemplo, pode ter os seguintes
perfis:

Exemplo 1
Um desencarnado desconhece a realidade do Outro Lado da Vida. Ele pensa que não
"morreu". Simplesmente, continua morando na "casa dele".
Necessariamente – Ele não é mau e nem odeia os seus obsediados.

Exemplo 2
Um desencarnado desconhece a realidade do Outro Lado da Vida. Ele pensa que não
"morreu". Continua junto dos seus entes queridos encarnados, às vezes julgando que está
ajudando-os, outras vezes atraído por eles mesmos.
Ele não é mau! – Pelo contrário, ele ama aqueles encarnados.

Exemplo 3
Um desencarnado desequilibrado é um solitário. Ele foi atraído pelas potentes vibrações
semelhantes de um encarnado, ao qual permanece "colado", usufruindo daquilo que ele
tanto gosta e precisa: as energias negativas que aquele encarnado gera em profusão, e
também a companhia daquele encarnado que é psicologicamente igualzinho a ele.
Necessariamente - Ele não é mau e nem odeia aquele encarnado, muito pelo contrário,
ele o protege para que não seque aquela sua fonte de prazer.

Exemplo 4
Um desencarnado é desequilibrado e sente muita falta dos prazeres materiais. Ele foi
atraído para um prostíbulo e lá permaneceu porque os muitos encarnados que freqüentam
aquele local "barra-pesada" fazem tudo o que ele gosta e precisa, ou seja, bebem e fumam
muito, drogam-se à vontade, praticam atividades sexuais promíscuas e desregradas, etc.
Necessariamente - Ele não é mau e nem visa prejudicar os freqüentadores daquele local,
e sim apenas quer usufruir daquelas energias e daquelas companhias prazerosas.

Exemplo 5
Um desencarnado é muito desequilibrado, tem pouquíssima evolução espiritual e é
profundamente animalizado. Ele executa "trabalhos" encomendados e pagos por
encarnados, para fazer mal a outros encarnados.
Entretanto - Ele não odeia os encarnados a quem prejudica. Ele executa aquelas
empreitadas malignas, previamente acertadas, em troca de pagamentos sempre na forma
de comidas, bebidas e fumos, dos quais ele sorve apenas as sutis energias emanadas.

Exemplo 6
Um pobre coitado desencarnado é prisioneiro e escravo de um encarnado que é
"comerciante da mediunidade". Sob as ordens daquele seu "senhor", ele prejudica
encarnados a quem não odeia.
Ele sabe muito bem! - Se não cumprir fielmente aquelas missões malignas, sofrerá
terríveis castigos do seu "senhor" encarnado.

Exemplo 7

32
Um desencarnado, fanático e tresloucado, considera-se um legítimo "soldado do mal".
Realmente - Ele persegue os obreiros do bem, mas não necessariamente para lhes
prejudicar, e sim para fazê-los desistir de praticar atividades nobilitantes.

Exemplo 8
Um desencarnado vinga-se de um encarnado pelos grandes e terríveis males que aquele
encarnado causou a ele, no passado. Ele faz justiça pelas próprias mãos.
Este sim! - É mau e odeia mortalmente o obsediado!

A TENDÊNCIA NATURAL
É considerar que o Tratamento Correto das Obsessões consiste,
única e simplesmente, em Expulsar o Obsessor

Ledo engano!
Como você mesmo já deve ter percebido, o tratamento das Influências Energéticas Nocivas
Causadas por Desencarnados não é tarefa para leigos, mesmo que muito bem-
intencionados.
Em palavras mais claras - O correto tratamento das Obsessões, além de exigir sólidos
conhecimentos práticos e teóricos tanto da problemática obsessiva quanto dos adequados
métodos de tratamento, obrigatoriamente há que considerar a Fraternidade e a
Solidariedade Universais, e principalmente se basear na seguinte realidade imutável:
– Ambos, obsediado e obsessor, são igualmente filhos de Deus!

Em resumo
Todos esses nossos irmãos-em-Deus - obsessores e obsediados - sem distinção de
nenhuma espécie, devem ser tratados da mesma maneira competente, fraterna e solidária.

***

A Doutrinação do Obsediado

O obsediado, longe de ser parte passiva no tratamento da Obsessão que sofre - como
muitos pensam que seja ou deveria ser - ele mesmo, o obsediado, é fator
importantíssimo para a sua própria cura. Em palavras mais claras, das corretas
ações do obsediado muito dependerá o sucesso da sua Desobsessão. Portanto, a
doutrinação do obsediado consiste em ele ser devidamente esclarecido sobre o seu
correto comportamento durante a sua Desobsessão, o que implica em realizar duas
imprescindíveis tarefas fundamentais.

PRIMEIRA TAREFA FUNDAMENTAL


Ensinar ao Obsediado o que Ele Precisa Saber

Um exemplo
Para percebermos a fundamental validade desta Primeira Tarefa, vejamos quais podem ser
(e muitas vezes são) os "cinco mandamentos" do obsediado "padrão":

I - Eu sou uma vítima inocente!


II - O meu obsessor é um miserável e desprezível algoz!
III - A minha Desobsessão consistirá, simplesmente, na expulsão sumária do
meu obsessor! Aliás, o que tem que ser feito logo!
IV - Eu não preciso e nem devo fazer absolutamente nada durante a minha
Desobsessão!
V - Tudo que eu tinha que fazer, já fiz, ou seja, fui me tratar num Centro Espírita
ou em outra Instituição similar!

33
O obsediado
No mínimo, precisa estudar, conhecer e compreender aqueles três temas que, juntos e
concatenados, podem explicar e justificar o problema obsessivo que ele sofre:
1 - As Influências Energéticas Nocivas Causadas por Desencarnados.
2 - O Outro Lado da Vida.
3 - O Magnetismo Humano Extrafísico.
Sem essa providência - Será praticamente impossível o obsediado compreender o
processo obsessivo no qual ele está envolvido. Mais difícil ainda será ele entender a
importância do seu comportamento para o sucesso do seu tratamento.

Esses fundamentais esclarecimentos


Poderão ser complementados com empréstimos e/ou vendas de livros e apostilas, mas
deverão ser prestados a cada obsediado:
a - Preferencialmente, através de cursos, em reuniões específicas para tal fim.
b - Na primeira parte (palestra) da reunião mediúnica de Desobsessão.

SEGUNDA TAREFA FUNDAMENTAL


Orientar o Comportamento Adequado do Obsediado

O obsediado
Precisa ser firmemente advertido a respeito da vital importância do seu correto
comportamento durante (e após) a sua Desobsessão.

Por mais incrível que possa parecer


A grande maioria dos obsediados é tremendamente comodista! Eles querem que o Centro
Espírita, ou uma Instituição similar, resolvam os seus problemas obsessivos sem que eles
precisem mover uma palha sequer.
– Dá para entender isto?
Por um lado - Um dos fatos que o obsediado precisa tomar urgente conhecimento, é que -
devido à forte ligação magnética entre ele, o obsediado, e o seu obsessor - o melhor meio
de comunicação com o seu obsessor é ele mesmo, o obsediado.
Por outro lado - Somente ele, o próprio obsediado, pode modificar o magnetismo
existente entre ele e o seu obsessor.

Portanto
Como pode ele - logo ele... o próprio obsediado... - ficar à margem do tratamento da
Obsessão que ele mesmo sofre?

Em resumo
Para o obsediado (em primeiro lugar) não sabotar a sua Desobsessão, e (em segundo lugar)
colaborar ativamente na cura da sua Obsessão, ele deverá ser séria e firmemente orientado
a adotar o seguinte comportamento durante o seu tratamento:
a - Fazer a sua auto-evangelização, através de preces, leituras de obras doutrinárias,
realização de Evangelhos no Lar, etc.
b - Ler e estudar obras específicas sobre Influências Energéticas Nocivas Causadas por
Desencarnados, Magnetismo Humano Extrafísico e O Outro Lado da Vida.
c - Manter severo e ininterrupto autopoliciamento sobre os seus próprios atos,
pensamentos, sentimentos, emoções e palavras, principalmente em tudo que disser
respeito ao seu obsessor, sempre objetivando minimizar a sua geração de energias
negativas, principalmente as potentes, e maximizar a sua geração de energias positivas e
potentes.
d - Emitir potentes vibrações fraternas para o seu obsessor, e preces sinceras e fervorosas
na intenção do esclarecimento e da evolução moral dele, o seu obsessor.

Em outras palavras
Um importantíssimo e fundamental papel do obsediado, durante a sua própria Desobsessão,
é produzir a mais potente possível dessintonia magnética com o seu obsessor. Em ele, o
obsediado, assim agindo, estará:
Em primeiro lugar - Aumentando o teor vibratório-moral e a potência do seu próprio
campo magnético.

34
Em segundo lugar - Contra-atacando o seu obsessor, enviando-lhe potentes energias
positivas.

TAREFA ÓBVIA

Além daquelas duas Tarefas Fundamentais


Também deverá ser feito o periódico acompanhamento individual do andamento de cada
caso:
a - Na própria reunião mediúnica de Desobsessão, ou em breves, simples e descomplicadas
entrevistas individuais.
b - Sempre que possível, ouvindo os pareceres dos trabalhadores desencarnados que atuam
naquelas Desobsessões.

RATIFICANDO
A FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA DESSAS TAREFAS

Sem nenhuma exceção!


É absolutamente indispensável obter a participação ativa de cada obsediado no
tratamento da Obsessão que sofre.
Se isto não for obtido
Dificilmente haverá Desobsessão que surta efeito! Ou então, na melhor das hipóteses, as
curas desses males obsessivos só poderão ocorrer em espaços de tempo infinitamente
superiores àqueles que realmente seriam necessários, assim causando aqueles prejuízos
sérios e graves que já conhecemos:
1 - Enormes desperdícios dos preciosos tempo e esforços dos trabalhadores encarnados e
desencarnados da Desobsessão.
2 - Diminuição considerável da quantidade de obsediados que poderiam ser atendidos
simultaneamente.

***

Antídoto para Obsessões?

Agora que estamos próximos da conclusão deste nosso estudo preliminar, precisamos
esclarecer uma dúvida: Será que existe algum meio de ficarmos imunes às tão
incômodas (só incômodas?) Influências Energéticas Nocivas Causadas por
Desencarnados, as chamadas Obsessões?

PRIMEIRA RESPOSTA
Sim! Existem antídotos para alguns tipos de Obsessões

Primeiro exemplo
Para o fato gerador n° 1 (obsessor-morador) – O antídoto é não freqüentar nem morar nem
trabalhar nos locais onde estejam estes tipos de obsessores. Mas os problemas, como já
sabemos, podem ser dois:
– Como identificar esses lugares?
– Mesmo identificando-os, nem sempre será possível não freqüentar nem morar nem
trabalhar naqueles locais.

Segundo exemplo
Para o fato gerador n° 2 (obsessor-atraído pela própria pessoa) – O antídoto é não gerar,
predominantemente, potentes energias negativas, e também não ter, predominantemente,
potentes comportamentos negativos.
– Já sabemos que, na teoria, isto é perfeitamente possível.
– Mas, na prática, a maioria das pessoas não consegue agir assim.

Terceiro exemplo
35
Para o fato gerador n° 3 (obsessor-atraído por um local):
– É o mesmo caso do fato gerador n° 1 (obsessor-morador).

Quarto exemplo
Para o fato gerador n° 5 (obsessor-por-amor atraído pelo encarnado) – Quando "morrer"
um nosso ente muito querido, o antídoto é não atrair aquele recém-desencarnado com
potentes vibrações mentais, sentimentais e emocionais.
– Na prática, muitas pessoas não conseguem fazer isto.

Quinto exemplo
Para o fato gerador n° 10 (obsessor-vingador) - O antídoto é nunca fazer nenhum mal a
nenhuma pessoa. Isto também é perfeitamente possível... na teoria!
– Na prática, a maioria dos seres humanos faz o oposto.

Mas tem um "detalhe"!


Todas estas medidas são apenas preventivas porque tais antídotos só servem para evitar
novas e futuras Obsessões daqueles cinco tipos.
Em palavras mais claras - Para as Obsessões que porventura estejamos sofrendo,
mesmo daqueles cinco tipos, não existem antídotos (corretivos) simplesmente porque elas
já existem como conseqüências dos seus fatos geradores.
– Nestes casos, a única solução possível é tratá-las convenientemente.

SEGUNDA RESPOSTA
Não! Inexistem antídotos para alguns tipos de Obsessões

Primeiro exemplo
Para o fato gerador n° 4 (obsessor-por-amor, um desencarnado muito apegado):
– Como impedir que um nosso ente querido, após desencarnar, permaneça ao nosso lado
para saciar o seu extremado apego a nós?

Segundo exemplo
Para o fato gerador n° 6 (obsessor-por-amor, um desencarnado socorrista):
– Como impedir que um nosso ente querido, desencarnado, permaneça ao nosso lado com
a intenção de nos ajudar?

Terceiro exemplo
Para os fatos geradores n° 7 (obsessor-escravo) e n° 8 (obsessor-empreiteiro):
– Como impedir que outros encarnados, que nem sabemos quem são, contratem os
"serviços" desses obsessores para nos prejudicar?

Quarto exemplo
Para o fato gerador n° 9 (obsessor-soldado-do-mal):
– Por algum acaso, vamos ser covardes a ponto de deixarmos de praticar o bem apenas
para não sermos vítimas desses obsessores?

Mas é preciso esclarecer!


Esses tipos de Obsessões são resultados do Carma Fundamental da Terra, que ainda é um
planeta primitivo, habitado por seres humanos que ainda cursam o primeiro grau da Escola
da Vida.
Portanto - Para essas Influências Energéticas Nocivas Causadas por Desencarnados, o
único remédio é o correto tratamento, ou seja, a Desobsessão.

Você está decepcionado?


Eu também gostaria que existisse um antídoto, que fosse vendido em qualquer farmácia e
de preferência bem baratinho, que me imunizasse, em definitivo, de todas as tão
perniciosas Obsessões.
Infelizmente - A nossa atual realidade é bem outra...

***
36
Complemento

O objeto específico deste nosso estudo são as Obsessões tradicionais, produzidas por
desencarnados sobre encarnados, e o respectivo tratamento, a Desobsessão. Mas,
como complemento a este nosso trabalho, lembramos que, além das popularmente
denominadas "maldições" e/ou "encantamentos" produzidos por maquiavélicos magos
negros - atualmente felizmente raros, porém muito comum na nossa antiguidade -
podem existir outros dois tipos de Obsessões Diretas que, infelizmente, são muito
comuns: São dois Tipos de Obsessões Causadas por Encarnados e a Auto-Obsessão.

OBSESSÃO CAUSADA POR ENCARNADO


1° Tipo

Os Causadores
São pessoas encarnadas que - freqüentemente e/ou, pior ainda, de maneira quase
ininterrupta - nos enviam potentíssimas energias de baixíssimos padrões vibratórios e
morais, tipo inveja, mágoa, ciúme, despeito, ódio, etc.

Normalmente
O obsediado conhece o seu obsessor encarnado, e até pode ser íntimo dele, mas
desconhece completamente que ele está lhe prejudicando.

Em muitos casos
O obsediado acredita piamente que aquela pessoa - que é, sem ele saber, o seu obsessor
encarnado - lhe quer bem e seria incapaz de lhe fazer qualquer tipo de mal.

Primeiro caso
Deliberadamente, o obsessor encarnado quer prejudicar sua vítima da maneira mais séria e
grave que for possível. Por exemplo:
– "Fulano me paga!
– "Eu quero que Fulano morra!"

Segundo caso
O obsessor encarnado não tem a menor idéia de que prejudica seu obsediado, a quem
admira e/ou de quem gosta e/ou ama e/ou tem paixão, etc. Por exemplo:
– "Fulana é tão atraente! Ela devia namorar comigo!"
– "Como Fulana é competente e brilhante! Eu devia ser como ela!"
– "Quem devia ser promovido era eu, e não Fulano!"

Os efeitos
Podem ser iguais ou até piores do que aqueles produzidos pelas tradicionais obsessões
causadas por desencarnados, haja vista que aqueles nossos obsessores encarnados podem
nos bombardear, incessantemente, com aquelas potentes energias nocivas deles.

O pior caso
Quanto mais intimamente o obsediado for ligado ao seu obsessor, maiores e mais atuantes
serão os canais energéticos que os ligam intimamente. Portanto, quanto maior for a
amizade e/ou o amor e/ou o coleguismo e/ou a intimidade, etc. entre eles, mais potente e
mais eficaz será a obsessão causada por aquele encarnado.

Observação - Especificamente sobre as obsessões causadas por encarnados, o autor


escreveu o livro (ainda inédito) cujo título provisório é "SIENE, Sutis Influências
Energéticas Nocivas causadas por Encarnados". Os originais desta obra estão
disponíveis na “2ªBoa idéia” do site PortaLuz.

37
OBSESSÃO CAUSADA POR ENCARNADO
2° Tipo

Os causadores
São aqueles nossos entes queridos intimamente ligados a nós – pais, mães, cônjuges,
irmãos, etc. – que têm personalidades muito fortes e são terrivelmente
dominadores, controladores, autoritários, donos da verdade, possessivos, etc. Mas podem
ser pessoas das quais dependemos economicamente, por exemplo chefes e patrões.

Mas, é lógico
Esta obsessão só poderá ser efetiva (ou 100% efetiva) se nós formos do tipo submisso.

Normalmente
Ocorre de maneira involuntária e inconsciente, ou seja, o obsessor encarnado não sabe que
obsedia sua vítima, e o obsediado também desconhece que é obsediado por aquele
encarnado.

No entanto
Qualquer encarnado, se tiver o "azar" - tradução: a necessidade cármica e/ou evolutiva - de
ter aqueles tipos de entes queridos intimamente ligados a ele, sempre será influenciado
(direta e/ou indiretamente, em maior ou menor grau) por eles.

O efeito
Caso a caso, em maior ou menor grau, o obsediado é um "teleguiado" do seu obsessor
encarnado.
Em outras palavras – O obsediado auto-anula o seu livre-arbítrio, as suas idéias, as suas
opiniões, etc., e conseqüentemente ele só faz, pensa, diz, etc. aquilo que o seu obsessor
encarnado quer que ele faça, pense, diga, etc.

AUTO-OBSESSÃO

Possivelmente
Esta tão pouco conhecida problemática obsessiva é muito mais comum do que podemos
imaginar e/ou o mais complexo e profundo tipo de obsessão e/ou o caso obsessivo mais
difícil de detectar e/ou o mais grave e sério.

Por que?
Em primeiro lugar - Normalmente, a causa da auto-obsessão não ocorre no consciente do
auto-obsediado - ou seja, ele não tem o mínimo conhecimento consciente daquela sua
auto-obsessão - e sim a causa da auto-obsessão se processa na mente subconsciente
(ou inconsciente?) dele.
Em segundo lugar - Em casos raros, a causa da auto-obsessão pode se processar na mente
consciente do auto-obsediado.
Em terceiro lugar - A auto-obsessão poderá atrair - naquela base de "semelhante atrai
semelhante" - um ou alguns daqueles 10 tipos de obsessões diretas.

A causa
Sempre é uma AUTO-PUNIÇÃO (subconsciente ou inconsciente) devida a graves e sérios
erros que o auto-obsediado cometeu em encarnações anteriores e/ou nesta vida.

Entretanto, atenção! Muita atenção!


Todos nós, enquanto não desenvolvermos suficientemente o nosso auto-perdão, a nossa
auto-aceitação e o nosso auto-amor - e enquanto não nos empenharmos para obter a nossa
felicidade - sempre teremos (em maior ou menor grau) algum tipo de auto-obsessão
(consciente e/ou inconsciente) principalmente se fomos "educados" por nossos pais e/ou
por nossas religiões (ou nós próprios nos auto-educamos) naquela famigerada e terrível
base do "eu errei, eu não presto, eu mereço sofrer muito pelos meus erros".

***

38
Palavras Finais

Não para encerrar este assunto tão profundo, amplo e vasto, e sim para concluir
apenas este nosso breve estudo preliminar, nada melhor do que exemplificar algumas
vitais afirmações do doutrinador ao obsessor, durante a doutrinação.

AS FRASES A SEGUIR
São algumas daquelas absolutas realidades que o doutrinador - com sinceridade,
convicção e amor fraterno - deve, sempre, informar ao obsessor de qualquer tipo:

– Nenhum de nós aqui presentes, encarnados ou desencarnados, pode apontar os seus


erros porque "os nossos dedos estão sujos".
– Se hoje nós não cometemos os erros que atualmente você comete, em vidas passadas
nós fizemos coisas iguais ou piores, ou até muito, muito piores.
– Portanto, nós não somos muito diferentes de você. Ou seja, nós somos "farinha do
mesmo saco".

– Eu e você somos, igualmente, filhos de Deus.


– Quer você goste ou não, eu e você, nós e você somos irmãos porque o nosso Criador e o
nosso Pai é o mesmo: Deus!

– O mesmo amor que Deus tem, por exemplo, por Jesus, Ele tem por você. E por mim. E
por todas as criaturas.
– A única diferença que existe entre você e eu, é que eu já dei um pequenino porém
significativo passo que você ainda não deu: eu já me matriculei, mesmo sendo um aluno
muito imperfeito e mais falho ainda, na Escola do Evangelho de Jesus.
– E o Evangelho de Jesus nos ensina, por exemplo, a devolver o mal com o bem, a auxiliar
o nosso próximo, seja ele quem for, e, principalmente, a só fazer com os outros o que
gostamos que nos façam.
– É para essa Escola de Luz Espiritual que agora lhe convidamos a se matricular.

– Todos nós, encarnados e desencarnados, que agora estamos aqui trabalhando para o
bem, em nome de Jesus, e alguns de nós até "com caras de santos", longe de sermos
espíritos superiores, e muito menos perfeitos, somos, sim, seres muito imperfeitos e falhos,
e também profundamente endividados por causa do nosso passado delituoso.

– Veja como Jesus é bom: ele permite, aceita e gosta muito que seres tão imperfeitos e tão
endividados carmicamente como nós, trabalhe para o bem, em nome dele.
– É por isto que nós, trabalhadores do bem encarnados e desencarnados, mesmo tendo
tantas imperfeições, tantas falhas e tantos débitos cármicos, agora estamos, em nome de
Jesus, convidando você a deixar de praticar o mal, e passar a fazer o bem.

– Se você quiser, você já sairá daqui em companhia de espíritos amorosos, competentes e


servidores de Jesus, que lhe conduzirão para instituições, no espaço, apropriadas para lhe
ajudar na retomada da sua escalada evolutiva e redentora dos erros que você já cometeu.
– Faça isto agora! No passado, quando nós ainda estagiávamos nas trevas espirituais, nós
também fizemos a mesma coisa, e hoje estamos infinitamente agradecidos por aquela tão
bendita oportunidade que os servidores de Jesus nos ofereceram.

– Todos os instrutores espirituais enviados por Deus, e particularmente o nosso querido


Mestre Maior Jesus, nos ensinam e advertem:
"A plantação é livre, mas a colheita é obrigatória."
"A cada um conforme suas obras."
"Quem com ferro fere, com ferro será ferido."
"O mal é necessário, mas ai daquele por quem vem o mal."

39
– Ou seja, todos os nossos atos, bons e maus, sempre retornarão para nós. Assim
determina e cumpre a Lei que Deus criou para manter, como mantém com Perfeição, a
Justiça no Universo. Portanto, fazer o mal é um péssimo negócio para quem o faz, e fazer o
bem é um ótimo negócio para quem o faz.

– O Universo é Amor!
– Deus nos criou por amor. Deus nos deu vida por amor. Deus criou os mundos, para nós,
por amor.

– Aqui, na Terra, milhões e milhões de encarnados e desencarnados se esforçam e se


empenham em praticar o bem por amor.
– Dentre todos os enviados divinos a Terra, o maior de todos, o maior exemplo de
altruísmo, amor ao próximo e sabedoria foi e é Jesus.
– É em nome dele, o Mestre Maior Jesus, que estamos, agora, praticando o nosso amor ao
próximo com você.

– Você pode, muito bem, constatar e comprovar se agora nós estamos sendo
absolutamente sinceros ou não com você. Portanto, comprove, agora, que as nossas
intenções com você são, única e exclusivamente, lhe ajudar.
– Nós só queremos o seu bem.
– Nós queremos para você, única e exclusivamente, a sua paz, o seu bem-estar, a sua
saúde, a sua prosperidade, enfim, nós queremos a sua felicidade.

– Você sabe que você não pode ser feliz fazendo mal a outros e vivendo na companhia de
pessoas más.
– Somente aceitando a ajuda dos espíritos amigos e competentes, que aqui estão, em nome
de Jesus, à sua inteira disposição, você pode começar a construir o seu futuro de paz,
felicidade, prosperidade, etc.

PRIMEIRA SITUAÇÃO ESPECIAL
Para aqueles obsessores, de qualquer tipo, que insistem, com convicção, em
continuar fazendo mal aos seus obsediados, uma tentativa sempre deve ser feita
pelo doutrinador, porém sempre condicionando o sucesso dessa tentativa à
Vontade Divina:

– Mestre Jesus! Se assim for permitido pela Misericórdia Divina, que agora se aproxime de
nós um espírito já esclarecido e que ama muito este nosso irmão aqui presente, por
exemplo, a mãe ou o pai dele, ou um amigo ou irmão ou irmã dele.
– Que este espírito amoroso, em Teu Nome, Pai de Amor e de Misericórdia, seja
reconhecido por este nosso irmão aqui presente.
– Que este espírito amoroso, em Teu Nome, Pai de Amor e de Misericórdia, possa convencê-
lo a abandonar a prática do mal e a reiniciar a sua escalada evolutiva e redentora.
– Que este espírito amoroso, em Teu Nome, Pai de Amor e de Misericórdia, possa convencê-
lo a aceitar a ajuda espiritual que agora está sendo oferecida a ele, e que ele já sai daqui,
agora, para uma instituição especializada em ampará-lo e ajudá-lo na retomada da
evolução moral e espiritual dele.

AS FRASES A SEGUIR
São algumas daquelas absolutas realidades que o doutrinador - com sinceridade,
convicção e amor fraterno - deve, sempre, informar ao Obsessor-Vingador:

– Sem nenhuma intenção de lhe acusar porque, como você bem sabe, "os nossos dedos
estão sujos", precisamos lhe lembrar que você, duplamente, não é inocente!
– No passado, quando aquele de quem você atualmente se vinga lhe fez tantos males -
pelos quais você ainda sofre - naquela época você precisava passar por aquelas
experiências dolorosas, como retorno cármico dos semelhantes erros que você cometeu,
anteriormente, com outras pessoas.
– Atualmente, você também não é inocente porque você faz justiça com as próprias mãos,
o que é condenado até pela falha justiça terrena, que dirá pela Justiça Divina.

40
– Nós próprios sabemos o quanto é difícil perdoar. Mas todos os instrutores espirituais
enviados por Deus, particularmente o Mestre Maior da Terra, Jesus, nos ensinam que uma
das nossas mais necessárias e urgentes lições espirituais, que todos nós, encarnados e
desencarnados, devemos aprender e praticar, é o perdão.

SEGUNDA SITUAÇÃO ESPECIAL


Para aquele Obsessor-Vingador que, com convicção, não acredita que ele mesmo,
num passado distante, fez a outros os mesmos males que o seu obsediado lhe fez
em vida passada, uma outra tentativa (mais drástica) pode ser feita pelo
doutrinador, porém sempre condicionando o sucesso dessa tentativa à Vontade
Divina:

– Mestre Jesus! Este nosso irmão aqui presente, atualmente desencarnado, a quem o
Senhor tanto ama, se lembra, perfeitamente bem, dos sofrimentos que lhe causou, no
passado, aquele encarnado de quem ele atualmente se vinga.
– Mas ele se julga inocente porque ele não se lembra e, portanto, não acredita que, em
encarnações anteriores, ele mesmo causou, a outras pessoas, sofrimentos semelhantes ou
até piores.
– Mestre Jesus! Se assim for permitido pela Misericórdia Divina, que a memória espiritual
deste nosso irmão agora seja momentaneamente estimulada, e ele possa recordar
claramente daqueles erros que ele cometeu, com outras pessoas, num passado remoto.
– Mestre Jesus! Sabemos o quanto essa experiência pode ser dolorosa ou até traumática
para ele.
– Mas este é um recurso extremo para ele, finalmente, poder compreender que ele não era
inocente quando, no passado, sofreu tanto nas mãos daquele que está atualmente
encarnado e de quem ele se vinga com ferocidade.

***

Fonte deste trabalho - Quarta edição do livro "Influências Energéticas Humanas", do mesmo autor
Francisco de Carvalho.

41