Вы находитесь на странице: 1из 2

A história fotografia de moda está extremamente ligada às revistas de moda.

Tudo
começou nos meados de 1880, quando elas passaram a utilizar fotografias no lugar das
tradicionais ilustrações. O Barão Adolf de Mayer é frequentemente considerado um dos
precursores, tendo fotografado para a Vogue no início do século XX. Em 1932, é
publicada a primeira fotografia de moda colorida, também na Vogue.

A fotografia de moda é um gênero da fotografia, normalmente pensado para


acompanhar o lançamento de coleções de moda. Este tipo de fotografia pode ser
veiculado tanto em revistas quanto jornais. O objetivo, entretanto, não é vender peças
em si. Aqui, o foco deve ser em vender conceitos e comportamento.

Outro ramo da fotografia de moda, é a fotografia de moda conceitual que inspirada pela
arte conceitual. Que rompe com a fotografia de moda comum , que tinha foco o
consumo. Na fotografia de moda conceitual se preza a ideia, a arte pela arte,sendo que
muitas vezes pode ser uma fotografia que o vestuário não esta presente.

Muitas vezes a fotografia de moda conceitual está reproduzida em revistas, de forma


massificada em meio de produtos e fotografia de moda que tem como função de
promoção de interesses políticos e econômicos .Para leitor dessas revistas para driblar a
saturação de imagens , é necessário desvalorizar o simbolo e reter apenas o seu aspecto
que é puramente sensacional.Entretanto, quando isso não ocorre e ela está presente
como forma de promover a arte de forma democrática, o leitor está apático a apreciar a
arte devido ao escudo que se cria , tornando-se insensível para não ser assolado e
confundidos pela abundancia excessiva de exigências que são feitas a sua atenção.

Com o surgimento da internet, redes sociais e a globalização, o consumismo fica cada


vez mais exacerbado, a moda fica cada vez mais orientada pelo espírito do lucro.

É possível observar isso nas redes sociais como instagram, onde a massificação e
repetição é comum. A moda toma sua forma mais vil, e se distancia mais ainda do
conceitual focando mais no lucro. Marcas apostam em fotografias de suas peças em
celebridades e influencers. As fotografias conceituais de moda, que antes ficava
misturado a algumas paginas de fotografias de moda com objetivo de desejo. Perde mais
ainda espaço, porque a circulação das revistas esta cada vez menor após surgimento da
internet. Antes as fotografias que prezavam pela arte tinha espaço dividido uma dúzia de
paginas de fotos de moda convencionais, agora fica jogada pelos milhares de posts que
tem função de espetacularização do eu ou de criar desejo de consumo.

A fotografia de moda conceitual é banalizada, e perde a raridade essencial para uma que
não haja saturação e não perca seu significado especial que o torna arte.

O nosso sistema de produção em massa, se dispõe de maneira que uma pequena queda
no consumo pode gerar uma crise. Então a arte, vira produto para ser consumido, se
vive em função do consumo.