Вы находитесь на странице: 1из 8

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E DANÇA

Disciplina: Estágio Estágio De Docência De Educação


Física No Ensino Fundamental

Professora: Anelise Gaya

PLANO DE TRABALHO

Janaina Barbosa da Silva

Agosto de 2015.
DIAGNÓSTICO

O diagnóstico pode ser definido como a reunião e interpretação de dados da vida


pedagógica dos estudantes, assim como os encaminhamentos relativos a esses dados. Um
diagnóstico bem elaborado torna possível um acompanhamento da turma e da escola, sendo
positivo estar presente em todas as etapas do processo pedagógico. (REALI, 2011)
Desta forma, o diagnóstico é parte importante do planejamento. É importante
entender a realidade e a dinâmica da turma e da escola para planejar aulas que faça sentido
para os estudantes.
O Coletivo de Autores1 coloca que a reflexão pedagógica tem como características ser
diagnóstica, judicativa e teleológica:
“Diagnostica, porque remete à constatação e leitura dos dados da realidade.
Esses dados carecem de interpretação, ou seja, de um julgamento sobre eles.
Para interpretá-los, o sujeito pensante emite um juízo de valor que depende
da perspectiva de classe de quem julga, porque os valores, nos contornos de
uma sociedade capitalista, são de classe.
Dessas considerações resulta que a reflexão pedagógica é judicativa, porque
julga a partir de uma ética que representa os interesses de determinada classe
social.
É também teleológica, porque determina um alvo onde se quer chegar, busca
uma direção. Essa direção, dependendo da perspectiva de classe de quem
reflete, poderá ser conservadora ou transformadora dos dados da realidade
diagnosticados e julgados.”
(Coletivo de Autores, 1992)
O diagnóstico novamente aparece como parte importante do planejamento. É a partir
dele que se consegue fazer uma reflexão pedagógica, com base na realidade, para assim
determinar os objetivos que se pretende alcançar. Objetivos esses que são também
determinados pelo que o professor acredita e defende.

1
COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.
Diagnóstico da escola

A escola tem um bom espaço físico: 3 quadras, um espaço na área com goleiras, dois
espaços cobertos, e ainda a sala de materiais que pode ser usada em caso de chuva. Quanto ao
material, a escola dispõe de um bom número de bolas (de vôlei, futsal, futebol, basquete),
além de bambolês, cones, colchonetes e pneus.
Fomos bem recebidos na escola, tanto as professoras quanto os estudantes parecem
esperar pelas aulas de educação física. Me pareceu ser uma escola bem organizada.

Diagnóstico da turma

Trabalharei com uma turma de quarto ano (4º ano – 4). A turma parece ser bastante
tranquila e a professora adota uma postura em que exerce seu papel sem precisar ser rígida.
Aparentemente, é uma turma onde o diálogo e as combinações podem ser efetivos, sem a
necessidade de rigidez. Alguns estudantes da turma são bastante tímidos, mas participam das
atividades sem grandes problemas, talvez somente requerendo um maior estimulo.
A turma parece ter bastante motivação para as aulas de educação física. Pretendo
inclui-los no planejamento, de forma orientada. Levar propostas e dar espaço para que
também opinem. Em conversa com a turma, disseram gostar de diversos esportes (futebol,
futsal, vôlei, handebol, basquete), também de atividades com música e lutas.
A professora da turma, Michele, é bastante acessível e se colocou a disposição para
ajudar no que for necessário. Ela conduz as aulas de modo a dar espaço para os estudantes
pensarem e questionarem sobre os assuntos tratados. Pretendo problematizar assuntos em
aula, essa prática que eles já tem de debater poderá facilitar.
OBJETIVOS GERAIS

Foram definidos como objetivos gerais propiciar um aprendizado da capoeira e do


handebol, bem como uma vivência do futsal. Através destes componentes da cultura corporal
se pretende refletir e problematizar sobre questões presentes no dia-a-dia dos estudantes e na
sociedade de forma geral. Trabalhar durante as aulas, através das manifestações da cultura
corporal escolhidas, habilidades motoras básicas (de forma combinada ou não) e aprimorá-las.

UNIDADE 1: LUTAS.

Nessa unidade, a luta escolhida é a capoeira. A capoeira é uma luta que tem origem na
luta dos negros escravizados no Brasil por libertação. É fonte rica para o debate de história do
Brasil, bem como história de luta e resistência dos povos oprimidos. São objetivos desta
unidade, conhecer a história da capoeira e refletir sobre o papel de resistência cumprido por
ela, bem como refletir sobre lutas sociais da atualidade.
Também são objetivos, através do ensino e da prática de alguns elementos básicos da
capoeira:

 Aprimorar habilidades motoras básicas de locomoção e estabilidade, como: giros, giros


combinados com outros movimentos, equilíbrio, etc.
 Aprender diferentes formas de chutes, esquivas, ginga e ginga.
 Aprender a movimentar-se de acordo com o ritmo.
 Compreender a lógica da luta/jogo, estratégias, ataque/defesa.

UNIDADE 2: ESPORTE.

Nessa unidade pretendo utilizar a prática do handebol e (com menos enfase) de futsal.
O esporte apresenta na sociedade em que vivemos um caráter de competitividade
exacerbada e se molda a uma lógica que defende o lucro a qualquer custo. Não poderia ser
diferente nessa sociedade, onde tudo que é esportivizado se transforma em espetáculo, em
produto a ser vendido.
Acredito que não podemos negar o esporte, pois é um elemento da cultura corporal
bastante presente na vida dos estudantes. Porém, devemos nos utilizar do esporte para
problematizar as formas como se manifesta na sociedade capitalista.
Pretendo, através do handebol e do futsal, problematizar o esporte na sociedade
atual, bem como problematizar questões de gênero.
Através do ensino do handebol e da vivência do futsal:

 Aprimorar habilidades motoras básicas manipulativas, como: quicar; arremessar;


quicar e arremessar; chutar; conduzir; conduzir e chutar; etc.
 Aprender regras e utilizar táticas em jogo.
 Pensar e aplicar táticas coletivamente.
AVALIAÇÃO

A avaliação nas aulas de Educação Física será feita a partir de uma concepção em que
são levados em consideração aspectos de conhecimento, habilidades e atitudes. Dessa forma,
há uma tentativa de avaliar a turma, cada estudante e o processo de ensino-aprendizagem em
sua totalidade.
“(...) A proposta de avaliação do processo de ensino-aprendizagem da
Educação Física deve, portanto, levar em conta observação, análise e
conceituação de elementos que compõem a totalidade da conduta
humana e que se expressam no desenvolvimento de atitudes.”
(COLETIVO DE AUTORES, 1992)
No que compete especificamente à avaliação de cada estudante, será feita a partir da
participação nas aulas, disposição para fazer as atividades e o avanço em relação ao
aprendizado dos conteúdos trabalhados. A avaliação em relação aos gestos técnicos será feita
a partir do progresso de cada estudante. Na avaliação da participação nas aulas será levada em
conta a participação nas atividades práticas e também nas conversas sobre os conteúdos (em
que as problematizações vão para além deles). Será avaliado também o comportamento dos
estudantes – se ouviram quando a professora ou os colegas estavam falando, se respeitaram
as combinações e decisões feitas coletivamente.
Por fim, cabe ressaltar que a avaliação do ensino-aprendizagem é também uma forma
de pensar e repensar o planejamento e a prática pedagógica. Para que os estudantes possam
participar ativamente desse processo durante as aulas haverá um tempo reservado para que
possam dizer o que acharam das atividades e se estão tendo dificuldades.
CRONOGRAMA

Data Unidade Aula Conteúdo trabalhado


17/09 1 Capoeira
24/09 2 Capoeira
29/09 3 Capoeira
01/10 4 Capoeira
06/10 5 Capoeira
13/10 6 Capoeira
15/10 7 Capoeira
1
20/10 8 Capoeira
22/10 9 Capoeira
27/10 10 Capoeira
29/10 11 Handebol
05/11 12 Handebol
10/11 13 Handebol
12/11 14 Handebol
17/11 15 Handebol
19/11 16 Handebol
24/11 2 17 Handebol
26/11 18 Futsal
Futsal
01/12 19
Encerramento
REFERÊNCIAS

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo. Editora Cortez,
1992.

FRAGA, Alex Branco e GONZÁLEZ, Fernando Jaime. Afazeres da educação física na escola:
planejar, ensinar, partilhar. Erechim. Editora Edelbra, 2012

GONZÁLEZ, Fernando Jaime e SCHWENGBER, Maria Simone Vione. Práticas pedagógicas em


educação física: espaço, tempo e corporeidade. Erechim. Editora Edelbra, 2012.

REALI, Noeli Gemelli. Diagnóstico escolar: implicaçòes político/pedagógica e questões


metodológicas. Editora Unoesc, 2011.