Вы находитесь на странице: 1из 8

A CIDENTES E COMPLICAÇÕES TRANS E

PÓS EXODONTIAS DE TERCEIROS MOLARES:


Revisão de Literatura
ACCIDENTS AND COMPLICATIONS TRANS AND POST EXODONTITS OF
MOLAR THIRD: Literature Review

Matheus Santiago DE OLIVEIRA1


Daiana Moreira GONTIJO2
Vinícius Augusto GONÇALVES3
William Morais de MELO4
Lilian DE BARROS5

RESUMO
ABSTRACT
A exodontia de terceiros molares é um dos
procedimentos mais comuns em cirurgia bucal. Este Extraction of third molars is one of the most common
estudo tem por objetivo abordar os principais acidentes procedures in oral surgery. This study aims to address
e complicações relacionadas com exodontia de the main accidents and complications related to third
terceiros molares, assim como cuidados a serem molar extraction, as well as care to be taken in the face
tomados perante esses acontecimentos. Justifica-se o of these events. The present study is justified in
presente estudo em evidenciar a conduta na redução evidencing the conduct in the reduction of risks that may
de riscos que possam ocorrer trans e pós exodontia de occur during and after extraction of third molars. The
terceiros molares. A metodologia utilizada para a methodology used for the execution of this study was
execução deste estudo foi a revisão de literatura. the literature review. The electronic databases Google
Foram utilizadas as bases de dados eletrônicos Google Scholar, Scielo, PubMed and Lilacs were used. It
Acadêmico, Scielo, PubMed e Lilacs. Salienta-se que, should be pointed out that the extraction of third molars
a exodontia de terceiros molares é realizada com is performed with great frequency in the surgical clinic,
grande frequência na clínica cirúrgica, as the anatomical peculiarities of the region and the high

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


peculiaridades anatômicas da região e o alto risco de risk of accidents and complications inherent in the
acidentes e complicações inerentes ao procedimento, procedure require of the Dentist to have a theoretical
exigem do Cirurgião Dentista o conhecimento teórico- and practical knowledge of the surgical technique and
prático da técnica cirúrgica e suas variações. Pode-se variations. It can be concluded that the care before,
concluir que os cuidados pré, trans e pós cirúrgicos são during and after surgical are essential to avoid
imprescindíveis para evitar acidentes e complicações accidents and complications that occur during and after
que ocorrem durante e após as exodontias de terceiros extraction of third molars. Prevention should be the
molares. A prevenção deve ser o principal objetivo dos main objective of the Dentist, being associated with the
Cirurgiões Dentistas, sendo associada ao knowledge of the professional.
conhecimento do profissional.
Keywords: Accidents. Complications. Extraction. Third
Palavras-chave: Acidentes. Complicações. Molars
Exodontias. Terceiros Molares.
.
1,2- Acadêmicos do curso de Odontologia na Faculdade Patos de Minas - FPM – Formandos no ano de 2017. matheussantiago0005@gmail.com; daianagontijo07@hotmail.com
3,4,5 - Professor adjunto do curso de Odontologia da Faculdade Patos de Minas - FPM.. viniciusag@bol.com.br; wmoraismelo@yahoo.com.br; liliandebarros@hotmail.com

INTRODUÇÃO
Volume 1 número 2 Dezembro 2017 4
A exodontia de terceiros molares é um procedimento comum na rotina do Cirurgião Dentista Buco
Maxilo Facial. No entanto, a escolha de extrair ou não, deve ser tomada com cautela, uma vez que tal
procedimento está relacionado com acidentes e complicações (1).
A cirurgia de terceiros molares inclusos é um procedimento realizado com frequência, mas possui certo
grau de dificuldade que pode levar à graves complicações. Acidentes e complicações pós-cirúrgicas como
trismo, infecções, edema, alveolites, comunicações buco sinusais, fratura de mandíbula ou da tuberosidade da
maxila e parestesia podem acontecer devido a um mau planejamento, falta de conhecimento do cirurgião,
técnicas e instrumentos inadequados, falta de atenção em exames clínicos e radiográficos (2).
Os terceiros molares, também chamados dentes do siso ou do juízo, apresentam variações de forma e
volume. Essas variações dão a relevância e/ou importância no ato da extração exigindo, do Cirurgião Dentista,
conhecimento experiência para o diagnóstico, planejamento e execução da técnica (3).
Os cuidados desde o planejamento, biossegurança até a remoção de terceiros molares inclusos é
imprescindível, podendo se evitar complicações e intercorrências cirúrgicas (2).
Quando indicada a extração de dentes inclusos, é essencial a realização de um planejamento cirúrgico
com base em exames clínico e radiográfico, para evitar possíveis complicações no trans e pós-operatório (4).
Justifica-se o presente estudo em evidenciar a conduta na redução de riscos que possam ocorrer pré,
trans e pós exodontia de terceiros molares.
Este estudo tem por objetivo abordar os principais acidentes e complicações relacionadas com exodontia
de terceiros molares, assim como cuidados a serem tomados perante esses acontecimentos.

METODOLOGIA

A metodologia utilizada para a execução deste estudo foi a revisão de literatura com intuito de abranger
sobre o tema abordado.
Os artigos selecionados para a presente revisão de literatura foram pesquisados nas bases de dados
eletrônicos Google Acadêmico, Scielo, PubMed e Lilacs, utilizando as palavras chaves: “Acidentes”,
“Complicações”, “Exodontias”, “Terceiros Molares”, nos idiomas português e “Accidents”, “Complications”,
“Extraction”, “Third Molars” em inglês.
A pesquisa resultou em um total de 23 artigos. Para complemento da pesquisa foram utilizados 5 livros

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


e 1 Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), as quais se referenciavam adequadamente ao tema abordado.
Posteriormente, foi elaborado uma tabela para melhor compreensão a respeito de acidentes e complicações
pós exodontia de terceiros molares.
Foram selecionados para análise os artigos mais relevantes, considerando o período de 2000 a 2017,
incluindo revisões de literatura, casos clínicos e revistas científicas.
Os critérios de exclusão foram artigos que não se referenciavam a temática em escolha e fora da
cronologia pré-determinada.

REVISÃO DE LITERATURA

TERCEIROS MOLARES

Os terceiros molares são os últimos dentes no processo de erupção e, de modo frequente, podem ser
classificados como inclusos ou semi-inclusos, seja pela tomografia óssea, falta de espaço nas arcadas ou
posição do segundo molar (1).
Os terceiros molares são dentes que apresentam formatos anômalos e variações quanto a formas,
tamanhos e raízes (5). Sua permanência ou não na cavidade bucal depende, sobretudo da presença de espaço
suficiente para sua completa erupção (6).
Volume 1 número 2 Dezembro 2017 5
Salienta-se que, na literatura, há grande ênfase na variação de forma e volume dos terceiros molares. No
entanto, se dá pouca importância no que se refere a anormalidade ou variação de comprimento em relação ao
tamanho do dente (3).
Os terceiros molares são os últimos dentes a erupcionar na cavidade bucal, podem apresentar-se retidos
ou parcialmente irrompidos (7). Por isso, em alguns casos é indicada a sua remoção (8). A extração de terceiros
molares é o procedimento comum muito praticado por Cirurgiões Dentistas em todo o mundo (9).

DENTES IMPACTADOS E INCLUSOS

O dente impactado consiste naquele que não consegue irromper dentro do tempo esperado até a sua
posição normal na arcada dental. A impacção pode ocorrer quando a irrupção é impedida pelos dentes
adjacentes, por um denso revestimento ósseo ou excesso de tecido mole sobreposto. O dente incluso, envolve
tanto os dentes impactados quanto os dentes em processo de irrupção (10).

CONHECIMENTOS ANATÔMICOS

O conhecimento anatômico é um dos aspectos relevantes para o sucesso em qualquer cirurgia, não sendo
diferente para a cirurgia de terceiros molares, uma vez que o conhecimento anatômico permite um
transoperatório seguro e benéfico para o paciente e o cirurgião (6).
A relação com estruturas anatômicas relevantes faz com que a cirurgia dos terceiros molares seja bem
planejada e realizada. O cirurgião dentista deve ter um vasto conhecimento anatômico da região operada e dos
princípios cirúrgicos, evitando acidentes e complicações no trans e pós-operatório (5, 11, 12).
Em uma época em que os terceiros molares estão ausentes na arcada dental de muitas pessoas, se faz
importante o registro do comprimento total desses dentes, que superam os descritos em livros de anatomia
dental. Para os autores, uma avaliação radiográfica periapical e panorâmica, as vezes auxiliada por
tomografias, pode ser necessária para o bom planejamento na exodontia de terceiros molares e para evitar
transtornos tanto no trans quanto no pós-operatório (3).

INDICAÇÃO DA REMOÇÃO DE TERCEIROS MOLARES

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


A indicação da remoção de terceiros molares é comum da rotina diária na clínica odontológica, por
razões patológicas, ortodônticas ou preventiva. Nesse contexto, vários autores descrevem os cuidados
transcirúrgico que devem ser levados em consideração na realização desse procedimento, bem como as
complicações pós-operatória associadas a cirurgia, que frequentemente incluem as estruturas anatômicas da
região (6).
Alguns aspectos devem ser observados como a idade do paciente, assim como a condição sistêmica, a
proximidade de estruturas e o grau de dificuldade na exodontia, analisando o custo e benefício do
procedimento (11, 12).

PLANEJAMENTO CIRÚRGICO

Quando indicada a extração de dentes inclusos, é indispensável a realização de um planejamento


cirúrgico com base em exames clínico e radiográfico. Através do exame clínico, obtêm-se dados específicos
da saúde geral do paciente, história médica e odontológica pregressa e atual. O nível de complexidade e de
dificuldade operatória é analisado no exame radiográfico. Dessa maneira, realiza-se um cuidadoso
planejamento do ato cirúrgico, evitando possíveis acidentes no transoperatório e complicações no pós-
operatório, muitas vezes associados à posição e à localização do dente incluso (2,4). Um detalhado
planejamento associado ao conhecimento do profissional são fatores essenciais para se reduzir complicações
relacionadas à exodontia dos terceiros molares (4).
Volume 1 número 2 Dezembro 2017 6
CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES INCLUSOS

A exodontia de terceiros molares é uma das cirurgias mais realizadas pelo Cirurgião Bucomaxilofacial
(2,4,13,14). Como todo procedimento cirúrgico, pode envolver complicações (14).
A ficha de orientações pós-operatórias deve conter as informações relevantes; entretanto, não deve ser
extensa. São orientações direcionadas à prevenção de hemorragias, como a ingestão de alimentos quentes e a
exposição ao sol podem ocasionar problemas hemorrágicos por vasodilatação. Desse modo, esforços físicos
devem ser evitados, visto que podem acarretar uma circulação acelerada e consequentemente aumento da
pressão arterial (15).

ACIDENTES E COMPLICAÇÕES PÓS-EXODONTIA DE TERCEIROS MOLARES

Acidentes e complicações cirúrgicas são inerentes a qualquer procedimento cirúrgico bucal (16). As
exodontias de terceiros molares estão cada vez mais frequentes, podendo ocasionar acidentes e complicações.
Os fatores etiológicos podem influenciar na idade, saúde médica comprometida e posição do dente (17).
As taxas de acidentes e complicações nas cirurgias dos terceiros molares foram avaliadas por alunos de
odontologia, os mesmos concluíram que a inexperiência do cirurgião não é um fator determinante para o
aumento das taxas de acidentes e complicações nas cirurgias dos terceiros molares, tendo em vista a
semelhança dos resultados deste trabalho com estudos desenvolvidos por cirurgiões experientes. Os autores
ainda ressaltaram a necessidade do conhecimento por parte dos alunos dos tratamentos mais adequados para
os diferentes acidentes e complicações encontradas (18).
As taxas de acidentes ou complicações relacionadas à extração dos terceiros molares varia de 2.6% a
30.9% com diferentes fatores, que podem influenciar nos resultados como: a idade do paciente e seu estado
de saúde, o gênero, o grau de impacção do dente, a experiência do cirurgião, o tabagismo, o uso de medicação
anticoncepcional, a qualidade da higiene oral, a técnica cirúrgica, entre outros (19).
Devido a gravidade e o desconforto das complicações locais e sistêmicas relacionadas à retenção do
terceiro molar, a literatura científica odontológica tem recomendado a extração profilática do dente retido. A
maioria dos casos de acidentes e complicações na cirurgia de dentes inclusos provém de erros de avaliação,
má utilização de instrumentos, força inadequada e visualização dificultada. Essas intercorrências podem

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


ocorrer no trans ou pós-operatório (11).
O cirurgião deve ter atenção e conhecimento para realizar a exodontia, visto que, quanto maior o grau
de complexidade do caso, maior as chances de ocorrer complicações pós-cirúrgica, especialmente em casos
que é necessário a realização de ostectomia ou odontossecção (2).
Na sequência, estão os principais acidentes e complicações pós exodontia expressos na Tab. 1.

Tab. 1. Principais acidentes e complicações relacionadas a exodontia

Principais Acidentes e Complicações relacionadas a Autor/Data


Exodontia
Deslocamento de dente ou raízes dentárias Mariano et al. (2006)

Alveolite seca; Infeção; Hemorragia; Lesões nervosas; Radix Pitekova, Satko e


in antro Highmori (comunicação oroantral, ápice para cavidade Novotnakova (2010)
antral); Fratura da Mandíbula; Fratura da Tuberosidade
Maxilar; Outras

Volume 1 número 2 Dezembro 2017 7


Hemorragia; Fraturas radiculares; Fraturas da tuberosidade Kato et al. (2010)
maxilar; Deiscência de sutura; Comunicação buco-sinusal;
Parestesia; Alveolite; Infecção

Fratura radicular; Fratura dentoalveolar; Trismo; Lesão de Araújo et al. (2011)


comissura labial

Alveolite Meyer et al. (2011)

Fratura tardia de mandíbula Ishii et al. (2012)


Trismo; Infecções; Edema; Alveolites; Comunicações buco Seguro e Oliveira (2014)
sinusais; Fratura de mandíbula e/ou da Tuberosidade da
maxila; Parestesia

Trismo; Edema; Dor; Sangramento; Alveolite; Fraturas Cordeiro e Silva (2016)


dentoalveolares; Fratura óssea da tuberosidade maxilar ou da Andrade et al. (2012)
mandíbula; Injúrias periodontais a dentes adjacentes ou à Marzola e Pagliosa (2009)
ATM; Comunicações bucossinusais; Parestesia temporária ou
permanente; Deslocamento de dentes para regiões
anatômicas; Infecções abrangendo espaços faciais e outras

Fonte: (1, 2, 4, 18, 20-25)

PREVENÇÃO DE COMPLICAÇÕES

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


A prevenção das complicações deve ser o principal objetivo dos cirurgiões, sendo que um detalhado
planejamento associado ao conhecimento do profissional são fatores essenciais. Quanto mais complexa a
técnica cirúrgica em que possua necessidade de se realizar ostectomia e odontossecção, maior o índice de
complicações pós-operatórias, sendo necessária maior cautela por parte do profissional (4).
A prevenção da perda excessiva de sangue durante a cirurgia é fundamental para preservar a capacidade
do paciente de carregar oxigênio. Uma vez que o sangramento não-controlado causa diminuição na
visibilidade do campo operatório, bem como a formação de hematomas, estes ainda pressionam as feridas
diminuindo a vascularização, aumentam a tensão nas bordas da ferida e atuam como um meio de cultura;
potencializando o desenvolvimento de uma infecção (10).
Os cuidados pré, trans e pós-operatórios são imprescindíveis para prevenir a ocorrência de acidentes e
complicações. A exodontia de terceiros molares deve ter como objetivo a prevenção de danos (25).
A elaboração de um planejamento adequado de tratamento, com a técnica apropriada, pode diminuir o
trauma do procedimento cirúrgico que é um fator importante na incidência de acidentes e complicações (22).
A evolução da cirurgia odontológica, graças aos conhecimentos atuais de técnicas cirúrgicas
requintadas, capacita o Cirurgião-Dentista a intervir com segurança, e assim, diminuir o número de acidentes
e complicações trans e pós-operatórias (16).

Volume 1 número 2 Dezembro 2017 8


TRATAMENTO

Diversos métodos tem sido utilizados para inibir e/ou reduzir essas sequelas pós-operatórias, incluindo
a utilização de corticosteróides localmente ou sistematicamente, a utilização de diferentes tipos de incisões, o
uso de anti-inflamatórios não esteroidais, a inserção de diques de drenagem e o uso do laser de baixa
intensidade (26, 27). O laser de baixa intensidade promove analgesia no pós-operatório (28).
Alguns procedimentos pré-operatórios podem reduzir possíveis complicações, como assepsia extra e
intra oral, manejo cuidadoso dos tecidos, orientar o paciente no pós-operatório e uso de medicações (17).
Apesar do risco de infecção pós-operatória ser considerado relativamente baixo, as cirurgias em terceiros
molares retidos estão relacionadas com inúmeras complicações trans e pós-operatórias e, como consequência,
a administração: profilática de antibióticos é frequentemente relatada (29).
Com o intuito de minimizar o edema, o paciente deve ser orientado, ao final do procedimento cirúrgico,
a aplicar bolsas de gelo sobre a área para ajudar a minimizar o aumento de volume e fazer com que o paciente
se sinta mais confortável. O gelo deve ser interposto por uma toalha seca para prevenir lesões cutâneas
superficiais. A bolsa de gelo deve ser mantida sobre o local por 20 minutos, e retirada por 20 minutos, sendo
que as aplicações não devem ser feitas por mais de 24 horas. No segundo dia pós-operatório, nem gelo e nem
calor devem ser aplicados sobre a face. Do terceiro dia em diante, a aplicação de calor pode ajudar a reduzir
o aumento de volume mais rapidamente (10).
É preciso que tal orientação fique clara para o paciente, uma vez que, na tentativa de não ter edema, ele
pode se mal orientado, usar o gelo por um período mais longo de tempo, prejudicando o processo de
cicatrização (15).
Em áreas de caninos superiores e pré-molares inferiores, o uso do gelo pode auxiliar a prevenir a
formação de hematomas comuns nessas regiões (15).
O sucesso das cirurgias bucais, entre outros fatores, está na dependência direta do planejamento, técnica
cirúrgica, terapêutica medicamentosa e orientações pós-operatórias (15).
A prevenção de complicações é o método mais fácil e eficaz de lidar com a situação. Ao se extrair um
terceiro molar superior, as radiografias pré-operatórias devem ser analisadas cuidadosamente quanto a relação
do dente com o seio maxilar. Durante o ato cirúrgico, pode-se utilizar a odontossecção, caso as raízes estejam
divergentes ou muito próximas do seio (10).

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante do exposto, pode-se concluir que os cuidados pré, trans e pós cirúrgicos são imprescindíveis para
evitar acidentes e complicações que ocorrem durante e após as exodontias de terceiros molares. A prevenção
deve ser o principal objetivo dos Cirurgiões Dentistas, sendo associada ao conhecimento do profissional.
Salienta-se que, o conhecimento do Cirurgião Dentista, associado a um bom planejamento para a
realização da exodontia de terceiros molares, são fatores que auxiliam na redução de possíveis complicações.
É imprescindível que o Cirurgião Dentista qualificado esteja apto o suficiente para realizar a cirurgia,
amenizando possíveis acidentes e complicações que podem ocorrer trans e pós exodontia.
Através do levantamento bibliográfico, observou-se que há necessidade de conhecimento de cuidados,
técnicas e planejamento cirúrgico pelos profissionais que realizam tais cirurgias, com o intuito de prevenir
acidentes e complicações cirúrgicas pós exodontia dos terceiros molares. É de extrema relevância uma boa
anamnese, bem como a análise radiográfica, o planejamento e o conhecimento da técnica cirúrgica adequada
para reduzir os danos e riscos, acidentes e complicações ao paciente.
Vale ressaltar que, como em toda técnica empregada nos Consultórios Odontológicos, os profissionais
da área de saúde devem estar atentos a novas pesquisas, que respaldem a eficácia e eficiência das técnicas
utilizadas, diminuindo possíveis acidentes e complicações no tratamento trans e pós exodontia de terceiros
molares.

Volume 1 número 2 Dezembro 2017 9


REFERÊNCIAS

1. Marzola C, Pagliosa CJ. A Cirurgia dos terceiros related to the surgical extraction of impacted lower
molares inferiores retidos – um desafio à saúde. Rev third molars: a report of 11 cases. J Oral Maxillofac
ATO. 2009;9:393-448. Surg. 2011; May 69(5):1286-90.
2. Seguro D, Oliveira RV. Complicações pós-cirúrgicas 15. Nogueira AS, Vasconcelos BCE, Frota R, Cardoso
na remoção de terceiros molares inclusos. Revista ÁB. Orientações pós-operatórias em cirurgia bucal.
UNINGÁ Review. 2014; out-dez 20(1)30-34. J Bras Clin Odontol Int. Edição Especial. 2006:01-
3. Cardoso LC, Murayama RA, Saad NM, Bosco ÁF, 06.
Martins TM. Anormalidade de comprimento dos 16. Ribeiro PD, Gonçales ES, Padovan LEM, Valarelli
terceiros molares: Apresentação de dois casos. TP. Enfisema transcirúrgico durante exodontia de
Revista Odontológica de Araçatuba, 2003; jan-jul terceiro molar. Rev Assoc Paul Cir Dent. 2004; mar-
24(1):22-26. abr 58(2):128-31.
4. Andrade VC, Rodrigues RM, Bacchi A, Coser RC, 17. Oliveira LB, Schmidt DB, Assis AF, Gabrielli MAC,
Bourguignon Filho AM. Complicações e Acidentes Hochuli-Vieira E, Pereira Filho VA. Avaliação dos
em Cirurgias de Terceiros Molares - Revisão de acidentes e complicações associados à cirurgia dos
Literatura. Saber Científico Odontológico. 3º molares. Rev Cir Traumatol Buco-MaxiloFac.
Faculdade São Lucas - Porto Velho, 2012; jan-jun 2006; abr-jun 6(2):51-6.
2(1):27-44, 18. Kato RB, Bueno RBL, Oliveira Neto PJ, Ribeiro MC,
5. Figún MR, Garino RR. Anatomia Odontológica Azenha MR. Acidentes e complicações associadas
Funcional e Aplicada. São Paulo: Médica à cirurgia dos terceiros molares realizada por alunos
Panamericana, 2003. de odontologia. Rev. cir. traumatol. buco-maxilo-fac.
6. Garcia JT. Cirurgia de terceiros molares- 2010; mai-dez 10(4):45-54.
conhecimento anatômico. Trabalho de Conclusão 19. Contar CM, de Oliveira P, Kanegusuku K, Berticelli
de Curso (Graduação em Odontologia). RD, Azevedo-Alanis LR, Machado MA.
Universidade Federal de Santa Catarina. Complications in third molar removal: a retrospective
Florianópolis, 2013:86. study of 588 patients. Med Oral Patol Oral Cir Bucal.
7. Gomes ACA. Terceiros Molares, o que fazer? 2009; jan 1;15(1):74-8.
Revista de Cirurgia e Traumatologia 20. Mariano RC, Melo WM, Mariano LCF. Introdução
Bucomaxilofacial. Pernambuco, 2004; jul-set acidental de terceiro molar superior em seio maxilar.
4(3):137-143. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de
8. Alves N, Cândido PL. Anatomia para o curso de São Paulo. 2006; mai-ago 18(2)149-53.
odontologia geral e específica. São Paulo: Santos, 21. Pitekova L, Satko I, Novotnakova D. Complications

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC


2009. after third molar surgery. Bratislava Medical Journal.
9. Susarla SM, Sharaf B, Dodson TB. Do antibiotics 2010;111(5):296-298.
reduce the frequency of surgical site infections after 22. Araújo CO, Agostinho FLC, Marinho FRML, revelo
impacted mandibular third molar surgery? Oral SRL, Bastos GE, Silva CV. Incidência dos acidentes
maxillofac. surg. clin. North Am. 2011; nov e complicações em cirurgia de terceiros molares.
23(4):541-6. Rev. Odontol. UNESP. 2011; nov-dez 40(5):290-
10. Peterson JL; Ellis IIIE, Hupp JR, Tucker MR. Cirurgia 295.
Oral e Maxilo-Facial Contemporanea. Rio de 23. Meyer ACA, Lima JRS, Nascimento RD, Moraes
Janeiro: Elsevier. 2005. MB, Tera TM, Raldi FV. Prevalência de alveolite
11. Medeiros PJ. Acidentes e complicações. In: após a exodontia de terceiros molares impactados.
Medeiros PJ. Cirurgia dos dentes inclusos, extração RPG, Rev. Pós-grad. São Paulo. 2011; jan-mar
e aproveitamento. Rio de Janeiro: Santos. 18(1).
2003:131-44. 24. Ishii FT, Negreiros RM, Milani BA, Bauer HC, Jorge
12. Ness GM, Peterson LJ. Princípios de Cirurgia WA. Fratura tardia de Mandíbula decorrente de
Bucomaxilofacial de Peterson. São Paulo: Santos, exodontia de terceiro molar: relato de caso. Rev.
2008. Assoc. Paul. Cir. Dent. São Paulo. 2012: out-dez
13. Kao YH, Huang IY, Chen CM, Wu CW, Hsu KJ, 66(4).
Chen CM. Late mandibular fracture after lower third 25. Cordeiro TO; Silva JL. Incidência de acidentes e
molar extraction in a patient with Stafne bone cavity: complicações em cirurgias de terceiros molares
a case report. J Oral Maxillofac Surg. 2010; Jul realizadas em uma clínica escola de cirurgia oral.
68(7):1698-700. Rev. Ciênc. Saúde, São Luís, 2016; jan-jun 18(1)37-
14. Grau-Manclús V, Gargallo-Albiol J, Almendros- 40.
Marqués N, Gay-Escoda C. Mandibular fractures
Volume 1 número 2 Dezembro 2017 10
26. Aras MH; Gungormus M. The effect of low-level laser radiográficos do laser em baixa intensidade após a
therapy on trismus and facial swelling following extração de terceiros molares inclusos. Rev Odontol
surgical extraction of a lower third molar. Photomed UNESP. 2012; mai-jun 41(3):192-197.
Laser Surg. 2009; Feb 27(1):21-4. 29. Moreira A, Andrade ED. Estudo prospectivo da
27. Mehrabi M, Allen JM, Roser SM. Therapeutic incidência de infecção em cirurgias de terceiros
agentes in perioperative third molar surgical molares retidos: o papel da profilaxia antibiótica.
procedures. Oral Maxillofac Surg Clin North Am. Rev. gauch. odontol. 2011; jul-set 59(3):357- 364.
2007; Feb19(1):69-84.
28. Santos Junior PV, Costa GP, Leite DS, Rossoni RD, .
Jorge AOC, Junqueira JC. Efeitos clínicos e

Autor para correspondência:


Lílian de Barros
liliandebarros@hotmail.com
Rua Major Gote, 1408. Centro
Patos de Minas - MG 38700-001.
(34) 99113-7672

Revista de Odontologia Contemporânea – ROC

Volume 1 número 2 Dezembro 2017 11

Оценить