Вы находитесь на странице: 1из 7

Ver discussões, estatísticas e perfis de autor para esta publicação em: https://www.researchgate.

net/publication/281233859

Biorremediação de solos contaminados com TNT fungos sob


condições de laboratório e à escala piloto

Artigo dentro Internacional Biodeterioração & Biodegradação · agosto 2015

DOI: 10.1016 / j.ibiod.2015.08.003

CITAÇÕES LÊ

9 304

6 autores , Incluindo:

Kari Steffen

Universidade de Helsínquia Nanoforma Finlândia Ltd.

6 PUBLICAÇÕES 63 CITAÇÕES 38 PUBLICAÇÕES 1.261 CITAÇÕES

Ver Perfil Ver Perfil

Marja Tuomela Kirsten S Jørgensen

Universidade de Helsínquia Finlandês Instituto do Ambiente

32 PUBLICAÇÕES 1.272 CITAÇÕES 61 PUBLICAÇÕES 1.785 CITAÇÕES

Ver Perfil Ver Perfil

Alguns dos autores desta publicação também estão trabalhando nesses projetos relacionados:

avaliação de vários níveis de medidas de combate a derrames de petróleo sustentáveis ​e seu impacto no Ártico e ambientes

marinhos subarctic (OILRES) Ver projeto

Bioluminescente testes de comparação de bactérias em amostras realistas Ver projeto Festus Anasonye

Todo o conteúdo seguinte desta página foi carregado por Festus Anasonye em 03 de março de 2016.

O usuário solicitou a valorização do arquivo baixado.


Internacional Biodeterioração & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12

listas de conteúdos disponíveis em ScienceDirect

Internacional Biodeterioração & Biodegradação

Página inicial do jornal: www.elsevier .com / localizar / ibiod

comunicação curta

Biorremediação de solos contaminados com TNT fungos sob condições de laboratório e à escala
piloto

Festus Anasonye uma , * , Erika Winquist b , Markus R € ANEN


Como € b, Jussi Kontro uma ,
Katarina Bj € orkl €do
€do c , Galina Vasilyeva d , Kirsten S. Jørgensen c , Kari T. Steffen uma ,
Marja Tuomela uma
uma Departamento de Ciências Ambientais Alimentação e da Universidade de Helsinki, PO Box 56, FI-00014 Universidade de Helsinki, na Finlândia
b Departamento de Biotecnologia e Tecnologia Química, Escola Superior de Tecnologia Química da Universidade Aalto, PO Box 16100, FI-00076 Aalto, na Finlândia
c Finlandês Instituto do Ambiente, PO Box 140, FI-00251 Helsinki, Finlândia
d Instituto de Físico-química e problemas biológicos em Ciência do Solo, RAS Institutskaja st., Bldg 2, região de Moscou Pushchino, 1.422.290, Rússia

articleinfo abstrato

Historia do artigo: Biorremediação de solos contaminados envolve a utilização de tecnologia inovadora, como micorremediação. A capacidade dos fungos para
Recebido 20 de maio de 2015 Recebido crescer em solo contaminado 2,4,6-trinitrotolueno (TNT), para produzir enzimas modificadoras de lenhina e de degradar TNT no solo foi
em forma revisada 04 de agosto de 2015
estudada. fungos White-rot, ou seja, Gymnopilus luteofolius, Kuehneromyces mutabilis, e Phanerochaete velutina, foram incubadas com TNT
contaminadas de solo não esterilizado (1000 mg kg 1). Todos os fungos produzidas grandes quantidades de peroxidase de manganês (MnP) em
Aceitou 04 agosto de 2015 xxx
solo contaminado TNT, mas sem lacase. O mais ef fi ciente fungo, P. velutina, degradados 80% de TNT em 2,5 meses e foi seleccionada para a
online disponíveis
experiência ainda mais o aumento de escala com 0,3 t (0,56 m 3) da razão solo solo e de inóculo de 1:30. A degradação de TNT foi de 70% em
49 dias, e a produção de metabolitos fúngicos, nomeadamente 4-amino-2,6-diaminotolueno e 2-amino-4,6-diaminotolueno era apenas 1% da
Palavras-chave:
concentração original TNT. Estes metabolitos foram degradadas para menos de 0,5% durante o seguinte 58 dias de incubação. processo de
biorremediação
Fungos correção fúngica foi ampliado com P. velutina, que tolerada alta concentração de TNT e foi capaz de invadir toda a massa de solo com apenas
Phanerochaete velutina 10 kg de inoculo de fungos em crescimento em casca de pinheiro. Com estes parâmetros, o processo deve ser fácil de scale-up para o
Trinitrotolueno Piloto tratamento do solo em fi eld.
escala solo contaminado

© 2015 Elsevier Ltd. Todos os direitos reservados.

1. Introdução efeitos adversos sobre os organismos e seu impacto global vivendo no ambiente ( Espanha de 2000 ).

TNT é um dos explosivos mais usados ​pelos militares, bem como empresas privadas, como a Durante décadas, os solos contaminados TNT foi tratada por combustão ( Agência de Proteção
indústria de mineração. TNT foi espalhado para o meio ambiente em quantidades dignas de nota Ambiental dos Estados Unidos, 1990 ). Embora a combustão é eficaz, é caro, especialmente em
devido à sua manipulação, que podem causar contaminação de ambas as fontes de solo e água ( Agência termos de requisitos de consumo de energia e equipamento ( Agência de Proteção Ambiental dos
de Proteção Ambiental dos Estados Unidos de 2008 ). Divulgação do TNT pode já começar durante a Estados Unidos, 1990 ). Biorremediação oferece uma abordagem mais ecológica e surgiu
produção onde o solo dentro da unidade de fabrico é conhecido por ser contaminado por água (água recentemente como uma forma alternativa de resolução de problemas de contaminação do solo.
vermelho) enxaguar. locais contaminados TNT incluem locais de armazenamento de explosivos, solos contaminados TNT foram tratados com populações mistas de microrganismos a partir de lamas
áreas de disposição e campos de tiro militar. TNT é altamente tóxico já em pequenas concentrações de esgoto ( Em et al., 2007 ) Ou com composto de lixo urbano ( Rezaei et al., 2010 ), Que oferece uma
e é listado como um possível carcinogénico humano ( Letzel et al., 2003 ). Remediação de solos vantagem também em processos de gestão de resíduos, reutilizando materiais de desperdício. Erkelens
contaminados TNT é crucial, a fim de reduzir o et al. (2012) tratada solo contaminado com TNT solo biorremediado (ou seja, óleo de solo
contaminado tratada com microorganismos). A ideia é que os micróbios activos no solo previamente
tratado pode também degradar a TNT. fichas TNT adicionados a um solo contaminado
hidrocarboneto anteriormente biorremediado foram degradados 70%

* Autor correspondente.
Endereço de e-mail: festus.anasonye@helsinki. fi ( F. Anasonye).

http://dx.doi.org/10.1016/j.ibiod.2015.08.003
0964-8305 / © 2015 Elsevier Ltd. Todos os direitos reservados.
8 F. Anasonye et al. / Biodeterioração Internacional & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12

por os micróbios no interior do solo ( Erkelens et al., 2012 ). Noventa e nove por cento de remoção de (Fornecido pelo Estabelecimento Construção de Finlandês Administração Defesa) foi utilizado nos
TNT a partir de solo contaminado foi conseguido pela adição de estrume de vaca e de uma experimentos ( tabela 1 ). contaminação TNT foi um resultado de TNT sólido vazando a camada
suspensão microbiana sob condições aeróbicas ( Rezaei et al., 2010 ) Demonstrando os potenciais de superior do solo a partir de pacotes quebrados. Assim, a concentração de TNT no solo era muito alta,
micro-organismos para degradar TNT no solo ( Rezaei et al., 2010; Erkelens et al., 2012 ). uma vez que apenas a camada superficial do solo foi feita para os experimentos. O solo foi
peneirado com peneira de 2 mmmesh e concentração TNT no solo antes de crivagem foi de 32.000
mg kg 1. O solo foi encontrado ser muito tóxicas, tais como a todas as estirpes de fungos; portanto,
TNT é susceptível a biotransformação por bactérias sob aeróbia ( Vorbeck et al., 1998; Nishino et compostagem de resíduos verdes (Helsinki Região Serviços Ambientais Autoridade, Finlândia) foi
ai., 2000; Vasilyeva et al., 2000; Solyanikova et al, 2012.; Gumuscu e Tekinay de 2013 ) Ou utilizado para diluir o solo. A menor proporção de diluição possível do solo, onde os fungos poderiam
condições anaeróbicas ( Ahmad e Hughes de 2000 ). A transformação bacteriana de TNT é conhecido ainda cresça foi determinado por rastreio proporções 1: 1, 01:20 e 1:40 (raz solo para greenwaste
por ser mediado por enzimas, tais como nitro-redutases, dioxigenases de hidroxilação do anel, e compostados). teor de matéria seca na greenwaste compostado, bem como no TNT-solo (inicial e
hidrogenases ( Johnson et al., 2001; Keenan e Wood, 2006; Smets et al., 2007 ). Por outro lado, os diluído) foi determinada por secagem da amostra fresca a 105 C durante a noite. O teor de matéria
fungos são capazes de degradar TNT e o processo de degradação se inicia com a redução dos orgânica das mesmas amostras foi determinado como a perda de ignição (% em massa de matéria
grupos nitro de TNT. A redução permite que o ataque à estrutura aromática. Especialmente, seca (MS)), colocando a amostra de solo seco a 550 C durante 5 h.
madeira-apodrecimento e fungos-decomposição maca produzir oxidorredutases altamente reactivos,
tais como peroxidase de manganês (MnP) e lacase ( Scheibner et al., 1997 ). Estas enzimas
extracelulares quebrar a estrutura aromática de hydroxylaminodinitrotoluene (não tinha) e
aminodinitrotoluenes (ADNTs), reduzida metabolitos de TNT sob a formação de radicais. Estes
radicais posteriormente são capazes de “ fenda ” a estrutura aromática e na melhor das hipóteses
mineralizar completamente o composto ( Scheibner et al., 1997 ). Apenas alguns 2.3. TNT extracção e análise
madeira-apodrecimento e fungos-decomposição da maca pode catalisar mineralização TNT
completo ( Fritsche et al., 2000 ). Pesquisas anteriores sobre TNT biodegradação por fungos foi TNT extração do solo foi realizada com um extractor assistida ultra-som (banho de ultra-Sonorex
realizado em escala de laboratório. o fi primeiro fi descobertas mostraram os mecanismos de super-10P, Bandelin Electronics, Alemanha). A amostra de solo (3 g) foi colocada no fundo de um
degradação de TNT por fungos ( Eilers et al., 1999 ) E mais tarde por suas enzimas ( Van Aken et al., frasco de 30 mL em vidro, que se tapou com uma Te fl tampa sobre-alinhado e foi misturada com 15
1999 ). No entanto, estes estudos foram realizados em meios líquidos. Apenas alguns estudos foram ml de acetonitrilo. Tubos de ensaio foram agitadas em vórtex durante 1 minuto e, em seguida,
realizados em um ambiente de solo ( Espigão et al., 1992; Fritsche et al., 2000 ) E há ainda precisam incubou-se em um extractor de ultra-som assistido por 4 h. Os extractos foram deixadas arrefecer
de soluções práticas para o tratamento do solo. A fim de avançar no sentido da descontaminação de durante 30 min e, em seguida, alíquotas foram fi filtradas através de um nylon fi filtro (tamanho de poro:
solos na fi eld, tratamento de solo contaminado TNT foi escalado para cima a partir do laboratório a 0,5 m m) em cromatografia líquida (UltraPerformance) frascos UPLC. TNT e seus produtos de
uma escala piloto depois de testar a capacidade dos fungos de podridão branca-seleccionados para degradação foram analisados ​com UPLC ( Oehrle de 2008 ) (Agilent 1290 em fi nidade, Agilent
crescer em TNT solo contaminado, para produzir enzimas modificadoras de lenhina e de degradar Technologies, Santa Clara, USA) equipado com um detector de ultra-violeta (254 nm). O volume da
TNT no solo. Encontrar um fungo para a biorremediação de solo contaminado com altas amostra injectada foi de 1 m l para cada corrida. As amostras foram separadas utilizando uma coluna
concentrações de TNT requer o fungo: (1) para tolerar TNT, (2) a growwell no solo e para ser capaz analica Agilent Zorbax C-18 (50
de competir com o microrganismo indígena em condições não estéreis, e (3) a degradar o
contaminante no solo. Os resultados obtidos neste estudo pode ajudar no desenvolvimento de uma
tecnologia de tratamento de fungos que é fácil de usar em fi remediação escala campo de sites de 2,1 mm,
TNT contaminados. 1.8 m m). A amostra foi eluida sob uma condição isocrática com acetonitrilo-água destilada (20:80, v /
v) com um fl taxa de fluxo de
1,6 ml min 1.

2.4. estirpes fúngicas

cepas fúngicas utilizadas neste experimento foram obtidos a partir da coleção de fungos
Biotecnologia Cultura (FBCC) do Departamento de Ciências Ambientais Alimentação e da
Universidade de Helsinki, Helsínquia, Finlândia, e foram cultivados em 2% placas extrato de malte de
agar e incubados a 25 C antes do uso em experimentos. As espécies de fungos eram Gymnopilus
luteofolius 466 (X9), Kuehneromyces mutabilis

2. Materiais e métodos 508 (K22), Mycena galericulata 598 (K175), Phanerochaete velutina
941 (T244i), Physisporinus rivolosus 939 (T24li) e Stropharia rugosoannulata 475 (11372). O sistema
2.1. produtos quimicos de numeração actual das estirpes fúngicas pelo Culture Collection Biotecnologia fúngica (FBCC) é
dada ao mesmo tempo o número de isolamento é dada em parêntesis.
Todos os produtos químicos utilizados eram de grau analítico. 2, 4, 6Trinitritrotoluene padrão
(TNT) usado foi obtida a partir da divisão principal indiano, Naval Surface Centro de Guerra (Indian
Head, 2.5. inóculo do fungo líquido
MD, EUA). Explosivos mistura, contendo 14 compostos (2-Amino-4,6dinitrotoluene,
4-amino-2,6-dinitrotolueno, 1,3-dinitrobenzeno, inoculo líquido foi preparado por corte de quatro (5 mm 5 mm) rolhões de agar frommalt extrair
2,4-Dinitrotolueno, 2,6-Dinitrotolueno, HMX, RDX, nitrobenzeno, 2-nitrotolueno, 3-nitrotolueno, placas de agar. tampões de agar foram submetidas a extrusão através de uma seringa para o meio
4-nitrotolueno, Tetryl, TNT, 1,3,5Trinitrobenzene) 1000 m g ml 1 Dissolveu-se em metanol: acetonitrilo líquido estéril, em 250 ou Erlenmeyer de 500 ml fl pede contendo 75 ou 200 ml de extracto de malte
(1: 1) foi fromAccuStandard, Inc. (New Haven CT 06513, EUA). Acetonitrilo foi fromRuthburn (2% w / v), respectivamente. Fungos em pequena fl solicita foram incubadas durante 10 estaticamente e
Chemicals Ltd (Walkerburn, Reino Unido). 14 dias a 25 C, enquanto aqueles em maior fl solicita foram cultivadas com agitação contínua (100
rpm) durante 7 dias a 25 C.

2.2. Solo 2.6. produção de inoculo de estado sólido

TNT solo contaminado proveniente de uma área de armazenamento militar Os fungos foram cultivados em pinheiro silvestre ( Pinus sylvestris) casca em alta
F. Anasonye et al. / Biodeterioração Internacional & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12 9

tabela 1
Conteúdo de matéria seca, a matéria orgânica, e em TNT greenwaste compostado e TNT solo contaminado (inicial e diluída) utilizados nas experiências. TNT solo contaminado foi diluída com resíduos verdes compostado usando razões de
diluição 1: 1, 1:20 e 1:40.

Solo Matéria seca (%) A matéria orgânica (% dm uma ) concentração TNT (mg kg 1)

solo TNT contaminado 91 5.1 19000


Diluído TNT-solo (1: 1) 74 10,8 9500
Diluído TNT-solo (01:20) 57 14,7 1000
Diluído TNT-solo (01:40) 58 15,3 500
resíduos verdes compostagem 59 16 nd b

uma Massa seca.

b Não detectado.

polietileno de densidade (HDPE), sacos de plástico, tal como descrito por Winquist et al. (2009) com diluiu-se com 271 kg de compostagem greenwaste (01:20) foi colocada numa caixa com um volume
algumas modi fi cátions. casca molhado autoclavado (2 kg em cada saco de plástico) foi inoculado de 0,56 m 3 em conjunto com os tubos de inoculo de fungos ( Winquist et al., 2009 ). Seis tubos de
com 200 ml de inoculo líquido. A matéria orgânica e de matéria conteúdos secos médios do “ pronto malha de plástico (15 cm de diâmetro) continha um total de 10 kg de inoculo de fungos ( P. velutina)
para usar ” casca inoculumwere 30% (determinado) e 95% ( Al en 2011 ), Respectivamente. O tempo
de incubação variou de quatro a seis semanas até que a superfície da casca foi totalmente coberta crescendo em casca de pinheiro. tubos inóculos fúngicos foram colocados em três níveis no interior
com micélio fúngico: G. luteofolius e P. rivolosus foram cultivados durante 4 semanas, enquanto P. do solo. Durante a experiência, o solo foi arejado com ar húmido (30 L min 1) a partir da parte inferior
velutina, mutabilis K., S. rugosoannulata e M. galericulata da caixa. A caixa foi coberto com uma lona para evitar a secagem do solo. O crescimento micelial
dos fungos foi seguido por meio de uma parede de plexi-glass. ACO 2

durante 6 semanas. sensor (Priva, Holanda) foi colocado acima da superfície do solo e CO 2 produção foi monitorada.
Deve-se notar que, devido à

2.7. Rastreio de estirpes de fungos fi financeira e considerações logísticas, apenas uma caixa que contém o tratamento de fungos foi
utilizado neste estudo escala piloto sem repetições ou controlos. O crescimento de P. velutina foi

O experimento de triagem foi realizada em: 1) do solo contaminado inicial TNT não estéril, 2) o avaliada por PCR quantitativa (qPCR), utilizando especi fi c fúngica iniciadores PVF (5 0-

mesmo solo TNT diluída com resíduos verdes compostado em proporções de 1: 1; 01:20 ou 01:40, e
3) compostagem de resíduos verdes. Placas de petri de 9 cm de diâmetro foram fi encheram com 50 g AACGCACCTTGCGCTCCCT-3 0, 5 0- rotulados com fl uorescine) e PVR (5 0- CTTCACGACCACGGCGCAGA-3

de solo TNT (inicial ou diluída) ou resíduos compostados verde, e 2,5 g de casca de pinheiro com 0), utilizando as mesmas condições de PCR, como previamente descrito por Snajdr et al. (2011) e Winquist

micélio fúngico foi colocado no topo do solo. O crescimento fúngico foi examinada visualmente, uma et al. (2014) . Seis amostras de solo cada foram tomadas no início da experiência (0 d) antes de solo

vez por semana durante 40 dias de incubação à temperatura ambiente no escuro. O teor de umidade contaminado carregamento TNT na caixa de incubação, após a incubação de 49 d solo inoculado e

do solo foi mantido constante por adição de água, se necessário. no final da incubação (107 d). Cada amostra tomada a partir de vários pontos foram analisados
​separadamente para TNT concentração residual e o teor de matéria seca do solo. Para o P. velutina O
seu número de cópias de ADN região, uma amostra foi feita a partir de solo contaminado TNT inicial
(antes da diluição), quatro amostras e depois solo TNT foi diluída com greenwaste compostados
(sem fungos incubationwith) e mais duas amostras e no final da experiência, após o tratamento de
2.8. experiência de laboratório
fungos. Para o fungo SEU ADN da região de análise de número de cópias, cada amostra foi
analisada por três vezes.
O objectivo da experiência de laboratório foi estudar a degradação TNT, bem como a produção
de enzimas de fungos no solo contaminado não-estéril. As amostras preparadas foram incubadas em
gaseificadas garrafas de 500 ml em um conjunto experimental descrita pela

Anasonye et al. (2014) . Brie fl y, 350 g de solo TNT diluída (1:20) (TNT conc. 1000 mg kg 1) ou
greenwastewas compostados incubadas com uma das 3 estirpes de fungos seleccionadas: G.
luteofolius, K. mutabilis e 3 Resultados e discussão
P. velutina inoculadas em casca de pinheiro (10 g). Além disso, foram preparadas amostras de
controlo 2: 1) a compostagem de resíduos verdes inoculados com estirpes de fungos foram rastreados em TNT contaminada de solo não esterilizado para a sua
P. velutina e 2) não inoculadas diluída TNT-solo (01:20). O período de incubação para P. velutina e K. capacidade para crescer em solo, competir com microrganismos indígenas e tolerar os
mutabilis foi de 77 dias, enquanto que para G. luteofolius foi de 70 d. As amostras de controlo 1 e 2 contaminantes ( mesa 2 ). Nenhum dos fungos rastreados cresceu em solo TNT ou diluída TNT solo
foram incubadas durante 70 e 90 dias respectivamente. Todas as incubações foram realizadas à com razão de diluição 1: 1. G. luteofolius, P. velutina e S. rugosoannulata foram capazes de crescer e
temperatura ambiente com 2 garrafas em replicado. As amostras de solo, 0,5 e 0,8 g e 10 g por fi ltro sobreviver em todas as outras diluições. Curiosamente, mutabilis K.,
centrifugação e métodos de extracção de amortecimento, respectivamente, foram retiradas dos
frascos para as medições da actividade da enzima em 14 d intervalo. Filtro de centrifugação e o que não poderia growand sobreviver em resíduos verdes não-contaminada compostados e cresceu
tampão de extracção de métodos foram utilizados para monitorizar a actividade de enzimas de deficientemente em TNT solo diluiu-se com proporção 01:40, grewand survivedwell inmore solo
fungos (peroxidase de manganês e de lacase) no solo, tal como descrito por Anasonye et al. (2014) . TNTcontaminated tóxico diluído com proporção 01:20. O fungo de decomposição da madeira P.
A actividade da enzima não foi medida no controle do solo 2. rivulosus grewpoorly em todos os meios de crescimento, enquanto M. galericulata cresceu e
sobreviveu bem, mas cresceu muito lentamente, e, portanto, não era um bom candidato para
quaisquer aplicações. G. luteofolius, mutabilis K., e P. velutina, foram seleccionados para uma nova
experiência.

2.9. experimento em escala piloto A capacidade dos fungos para degradar TNT em solo contaminado foi
fi primeiro testado na experiência à escala laboratorial ( Tabela 3 ). G. luteofolius
A experiência piloto foi conduzido em casa de vegetação da Universidade de Helsinki, na e P. velutina degradada TNT 54% e 80%, respectivamente, demonstrando o potencial da utilização
Finlândia, onde a temperatura ambiente foi mantida constante a 25 C. Catorze kg de solo de fungos para o tratamento de solo contaminado TNT. Nenhuma degradação de TNT foi observado
contaminado TNT pela mutabilis K. ( Tabela 3 ). Dentro
10 F. Anasonye et al. / Biodeterioração Internacional & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12

mesa 2
Crescimento de fungos inoculados em não-estéril greenwaste compostados ou TNT solo contaminado (inicial ou diluído) durante um período de incubação de 40 dias a 25 C no laboratório. TNT solo contaminado foi diluída com resíduos verdes
compostado usando razões de diluição 1: 1, 1:20 e 1:40.

fungos Inicial TNT-solo Diluído TNT-solo no rácio resíduos verdes compostagem

1: 1 01:20 01:40

Gynopilus luteofolius e uma e þþþ þþþþ þþþ


Kuehneromyces mutabilis e e þþþþ THTH e
Mycena galericulata e e ºb THTH c THTH

Phanerochaete velutina e e þþþ d þþþþ þþþþ e


Physisporinus rivolosus e e e e º
Stropharia rugosoannulata e e þþþ þþþ þþþþ

uma Nenhum crescimento.

bo crescimento de fungos apenas na casca.

c Fraco crescimento no solo.


d Fungo cresceu claramente no solo.
e Fungo cresceu no solo em toda a placa de Petri.

Tabela 3
TNT degradação (medida como percentagem da concentração inicial de TNT no solo) andmaximum actividades enzimáticas (tempo de incubação entre parêntesis, measuredwith o método de extracção) durante 70 e 90 d período de incubação
em TNT contaminada ou do solo não contaminada incubadas com ou sem fungo. Os valores são valores médios de duas repetições ± variação. TNT solo contaminado foi diluída com resíduos verdes compostado utilizando a razão de diluição de
1:20.

meios de comunicação Fungo degradação TNT (% a inicial) actividade de MnP (ug 1) actividade de lacase (ug 1)

solo TNT uma e 50 ± 14 nd b nd


solo TNT G. luteofolius 54 ± 24 1020 ± 70 (42 d) 25 ± 16 (14 d)
solo TNT P. velutina 80 ± 4 790 ± 420 (42 d) 67 ± 60 (42 d)
solo TNT K. mutabilis 0 520 ± 430 (21 d) 26 ± 28 (14 d)
resíduos verdes compostagem P. velutina nd 417 ± 90 (42 d) 11 ± 11 (49 d)

uma TNT solo contaminado.


b Não determinado.

experimento em escala piloto, P. velutina degradados 70% de TNT em solo contaminado ( Figura 1 ). P. degradação como havia um nível mais elevado de degradação TNT no solo contaminado incubadas
velutina mantido um forte crescimento em solo contaminado não-estéril (em expericias escala com o fungo do que no controlo.
laboratorial e piloto) e era capaz de tolerar elevado nível de TNT no solo (até 1000 mg kg 1), que são P. velutina degradada mais TNT no experimento de laboratório do que no experimento em escala
os factores críticos necessários para ef fi remediação ciente. Axtell et al. (2000) determinado se a piloto ( Figura 1 ). Uma possível explicação para isso poderia ser que a optimização das condições
adição de um fungo da podridão branca, Pleurotus ostreatus, e / ou nutrientes do solo para experimentais foi mais fácil na experiência de laboratório do que em escala piloto que afectou
munições-contaminados foi eficaz no aumento da biodegradação dos explosivos numa fi tratamento degradação TNT pelo fungo. Especialmente, o arejamento é um factor importante necessária para o
escala campo. Eles perceberam que uma adição de P. ostreatus não aumentou a degradação TNT fungo para degradar TNT no solo ( Breitung et al., 1996 ). a dif fi culdade com a aeração desigualmente
como degradação therewas evidente em pilhas incubatedwith do fungo, bem como em pilhas de distribuída durante um experimento em escala piloto pode afetar a atividade de fungos no solo
controlo sem ele. Eles concluíram que a adição de alterações de nutrientes foi o fator mais crucial contaminado.
para a degradação TNT sob fi condições eld. Neste trabalho, especialmente na experiência de
laboratório, o tratamento de fungos ( P. velutina) TNT reforçada
Na experiência de escala laboratorial com controlo de solo não esterilizado, TNT também foi
degradada (50%) por micro-organismos indígenas da compostagem de resíduos verdes usados ​na
diluição do solo. A enumeração de P. velutina SEUS cópias do gene no solo controle no tratamento
escala piloto ( tabela 4 ) revelou que P. velutina espécies relacionadas já estava presente no solo
diluiu-se em números baixos (iniciadores não completamente especi fi c). Estudo prévio ( Winquist et
al., 2014 ) Demonstra que a adição de resíduos compostados verde resultou em um elevado número
de bactérias indígenas e fungos no solo tratado. greenwaste compostagem é rico em carbono,
nitrogênio, fósforo e minerais. Vários estudos têm mostrado que a adição de nutrientes aumentada
crescimento bacteriano e a degradação de TNT no solo ( Boopathy et al, 1994, 1997, 1998.; Axtell et
al., 2000; Muter et al., 2012 ). Boopathy et al. (1994) observado que os bons misturas de nutriente
deve conter um equilíbrio de carbono, azoto, fósforo e minerais. Assim, greenwaste compostados
utilizado neste estudo proporcionaram bons misturas de nutriente que aumentavam o crescimento e
biodegradação de contaminantes em solo por microrganismos indígenas que compreendem
bactérias, bem como fungos. Por outro lado, na experiência à escala laboratorial, em que o solo
contaminado TNT não-estéril foi incubada com o fungo mutabilis K., foi observada degradação noTNT.
Uma possível explicação pode ser que este fungo inibida outros microrganismos indígenas no solo
contaminado de degradar TNT. Vários estudos têm mostrado que os fungos

Figura 1. CO 2 concentração no ar de saída (mg de m 3) ( ◊, Eixo Y à esquerda) e concentração TNT (,, eixo Y à direita)
no solo durante 107 dias de incubação em um experimento em escala piloto. Os valores de concentração de TNT são
médias de seis amostras, e com o desvio padrão.
F. Anasonye et al. / Biodeterioração Internacional & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12 11

tabela 4
Quantidade de P. velutina o número de cópias do gene no solo TNT (inicial e diluída) medido pelo método de PCR quantitativa (qPCR), a 0 e 107 dias de incubação de um experimento em escala piloto. Os valores são médias logarítmicas de
três determinações com o desvio padrão (SD) em suportes, excepto para as amostras diluídas que são médias de seis determinações de duas amostras. TNT solo contaminado foi diluída com resíduos verdes compostado utilizando a razão de
diluição de 1:20.

amostra de solo TNT Inoculação Dia de incubação Posições na caixa uma Log do nero de cias por g de solo b ( SD)

solo TNT inicial e 0 ec 2,8 (0,22)


solo TNT diluído e inferior 3,9 (0,19)
solo TNT diluído e topo 4,1 (0,08)
solo TNT diluído P. velutina 107 mais baixo 5,0 (0,53)
solo TNT diluído P. velutina Centro 4,8 (0,02)

uma Posição dentro da caixa onde foram tomadas amostras de solo.


b Peso úmido.
c solo TNT inicial não foi tirado da caixa.

responder à presença de outros micróbios em particular as bactérias do solo através da formação de degradada pelo fungo para menos do que 0,5% da concentração original de TNT durante os
antibióticos ( Eggert de 1997 ) Ou através da produção de radicais hidroxilo tóxicos ( Tornberg e restantes 58 dias após a incubação. O resultado mostra que P. velutina permaneceu activo no solo
Olsson, 2002 ). A exata mechanismused por contaminado até ao final do período de incubação.
mutabilis K., na supressão de outros micróbios no solo de degradar TNT ainda não é conhecido. É
claro que a presença do fungo impedido degradação TNT como o contaminante foi degradado (50%) Herre et al. (1998) examinou o potencial biorremediação do fungo S. rugosoannulata em TNT
por micro-organismos indígenas em solos de controlo não-estéril sem o fungo. solo contaminado com 0,3 toneladas de TNT solo contaminado como neste experimento. O solo foi
inoculado com o fungo cresce em palha de trigo com um solo / cosubstrato º proporção fungos de 2: 1
( Herre et al., 1998 ) Em comparação com este experimento onde razão solo-inoculo era de 30: 1. P.
níveis de MnP e a actividade de lacase em TNT solo contaminado medidos com o método de velutina foi cultivado em casca de pinheiro, e elevado nível de degradação TNT (70%) foi obtido
extracção (tampão Tabela 3 ) Foram signi fi cativamente maior e a variação foi menor do que as neste estudo com taxa de diluição muito mais baixa.
actividades enzimáticas paralelas medidos directamente a partir do solo (dados não mostrados).

G. luteofolius, P. velutina, e K. mutabilis produzida uma actividade mais elevada de MnP (até 1.000 ug 1 S. rugosoannulata degradados 99% de TNT inicial em uma pilha em 600 dias. Embora também foi
matéria seca) em solo contaminado do que no solo controle. A maior atividade MnP foi encontrado degradação da pilha de controlo, ocorreu mais lentamente do que na pilha tratamento de fungos. P.
no solo colonizada por velutina também tolerado um nível muito mais elevado de TNT (1000 mg / kg em comparação com /
G. luteofolius. Curiosamente, a atividade de MnP medido em solo colonizada por P. velutina era kg 76 mg) a contaminação no solo, como não foi maior concentração TNT inicial (ao longo de dez
apenas metade desse colonizada por G. luteofolius. Uma possível explicação para isso poderia ser vezes). Em ambos os estudos, a maior parte do TNT no solo foi degradada (70 e 80%) por fungos até
que algumas outras enzimas tais como peroxidase de lignina (LiP), citocromo P-450 ou 50 dias de incubação, embora a degradação de contaminantes continuaram depois a uma taxa muito
peroxygenase aromático extracelular (AOP), que não foram medidos, foram envolvidos. Todos os mais lenta. Além disso, a TNT metabolitos remanescentes no solo após 50 dias de incubação foi
estudos anteriores que medem as actividades de enzimas de fungos durante a degradação TNT responsável por cerca de 1% da concentração original TNT em comparação com cerca de 10%,
foram realizadas em meios líquidos. TNT degradação por fungos tenha sido mostrado para ser obtido no seu trabalho.
mediada por enzimas de fungos (peroxidase de manganês, lacase) produzidos sob qualquer
ligninolítica ( Scheibner et al., 1997; Van Aken et al., 1999; Perkins et ai., 2005 ) Ou nonlignolytic ( Perkins
et ai., 2005 ) condições.

4. Conclusão

Eilers et al. (1999) demonstra o envolvimento da enzima fúngica intracelular do citocromo P-450 em Os resultados deste estudo demonstraram o ef fi eficiência de
degradação TNT. No solo no entanto, é dif fi culto para estabelecer uma ligação directa entre a P. velutina para degradar TNT em solo contaminado. Escala acima da reparação foi implementado
actividade de enzimas de fungos e degradação TNT. A razão para isto pode ser devido à natureza com sucesso, tal como o fungo mantido um forte crescimento em solo contaminado não-estéril,
heterogénea da matriz do solo. meios de comunicação de líquido é um systemand homogénea as tolerados níveis elevados de TNT encontrados no solo e, acima de tudo degradado o contaminante.
enzimas estão em contacto directo com os contaminantes. Em solo algumas das enzimas tecnologia de tratamento de fungos é eficaz e tem potencial para ser utilizado na remediação escala
segregadas pode ser ligada a componentes de solo e, portanto, pode não estar disponível para o cheia de sites TNT contaminados.
processo de degradação ( Stursova e Baldrian, 2011; Baldrian de 2014 ).

P. velutina cresceu bem no solo ao longo do período de incubação e o crescimento


Agradecimentos
correspondeu bem com o fungo ITS número de cópias de ADN da região ( tabela 4 ). A diluição com
compostado signi resíduos verdes fi cativamente aumentada fúngica ITS número de cópias de ADN da
Este estudo foi apoiado pela Fundação Nessling e Tekes e
região de solo contaminado até mil vezes já antes da incubação em comparação com o solo
Agência Financiamento finlandesa para a Inovação. Agradecemos Reija Kalajo do Estabelecimento
não-diluída, mostrando a presença de P. velutina
Construção de Administração de Defesa para o fornecimento de solo. Agradecemos também Ilse
Heiskanen (Finnish Institute Ambiente) para assistência técnica com a análise de modos de ADN.
espécies afins. O nível de CO 2 produção durante a incubação no experimento em escala piloto foi
monitorizada ( Figura 1 ), Uma vez que é um bom indicador da actividade microbiana no solo. CO 2 nível
aumentou durante todo o experimento em escala piloto, embora durante os dias 16 e 29 quando o CO 2
sensor foi quebrado que as leituras não podia ser gravado. No entanto, a maior parte da degradação
Referências
pela TNT P. velutina ocorreu durante o fi primeiros 50 dias de incubação, não durante o período de
máxima CO 2 Ahmad, F., Hughes, JB, 2000. Anaerobic transformação de TNT pela Clostridium. Dentro:
Espanha, JC, Hughes, JB, Knackmuss, HJ (Eds.), A biodegradação de compostos nitroaromáticos e explosivos.
Produção. metabolitos TNT, nomeadamente 2-ADNT e 4-ADNT, foram formadas durante CRC Press LLC, EUA, pp. 185 e 212 .
al br, R., 2011. Estrutura química e composição de matérias-primas de biomassa. Dentro:
contabilidade degradação fúngica para menos do que 1% da concentração original TNT após 49
Al en, R. (Ed.), Biore fi ning dos Recursos Florestais. Bookwell Oy, Porvoo, Finlândia, pp. 18 e 54 .
dias. Eles eram mais
12 F. Anasonye et al. / Biodeterioração Internacional & Biodegradação 105 (2015) 7 e 12

Anasonye, ​F., Winquist, E., Kluczek-Turpeinen, B., R € Como € ANEN, M., Salonen, K., Oehrle, SA, 2008. Análise de explosivos usando líquida de ultra desempenho cromato-
Steffen, KT, Tuomela, M., 2014. fúngica a produção da enzima e biodegradação de dibenzo- policlorados p dioxinas TOGRAPHY (UPLC) com UV e / ou detecção por espectrometria de massa. J. Energ. Mater
e dibenzofuranos no solo serraria contaminada. Chemosphere 110, 85 e 90 . 26, 197 e 206 .
Perkins, M., De, S., Frederick, L., Dutta, S., 2005. ligninolíticas e nonligninolytic
Axtell, C., Johnston, CG, Bumpus, J.A., 2000. biorremediação de solo contaminado mineralização de trinitrotolueno por vários basidiomicetos de podridão branca. Bioremediat. J. 9, 77 e 85 .
explosivos na estação de armas naval Yorktown. Solos Sedimento Contam.
9, 537 e 548 . Rezaei, MR, Abdoli, MA, Karbassi, A., Baghvand, A., Khalilzadeh, R., 2010. Biore-
Baldrian, P., 2014. Distribuição de enzimas extracelulares em solos: hetero- espacial mediação de TNT solo contaminado por compostagem com resíduos sólidos municipais. Solos Sedimento
neidade e factores determinantes em diversas escalas. Soil Sei. Soc. Sou. J. 78, 11 e 18 . Contam. 19, 504 e 514 .
Boopathy, R., Kul, C., Manning, J., Montemagno, C., 1994. Biotransformação de 2, Scheibner, K., Hofrichter, M., Herre, A., Michels, J., Fritsche, W., 1997. Triagem para
4, 6-trinitrotolueno (TNT) por co-metabolismo com vários co-substratos: um estudo de escala laboratorial. fungos intensivamente mineralização de 2, 4, 6-trinitrotolueno. Appl. Microbiol. Biotechnol. 47, 452 e 457 .
Bioresour. Technol. 47, 205 e 208 .
Boopathy, R., Widrig, D., Manning, J., 1997. Em biorremediação in situ de explosives- Smets, BF, Yin, H., Esteve-Nu ~ nez, A., 2007. TNT biotransformação: quando a química
solo contaminado: um estudo coluna de solo. Bioresour. Technol. 59, 169 e 176 . confronta mineralização. Appl. Microbiol. Biotechnol. 76, 267 e 277 .
Boopathy, R., Manning, J., Kul, CF, 1998. Um estudo de laboratório de biorremediação Snajdr, J., Dobi um sov um, P., Vetrovský, T., Val uma skov um, V., Alawi, A., Boddy, L., Baldrian, P.,
de 2, 4, 6-trinitrotolueno solo contaminado utilizando reactor de suspensão de solo aeróbico / anóxica. Environ 2011. mycelia basidiomicetos saprotrophic e sua interspeci fi c interacções afectar a distribuição espacial das
água. Res. 80 e 86 . enzimas extracelulares no solo. FEMS Microbiol. Ecol. 78, 80 e 90 .
Breitung, J., Bruns-Nagel, D., Steinbach, L., Kaminski, L., 1996. biorremediação de
solos 2,4,6-trinitrotolueno-contaminados por dois sistemas de compostagem gasosas diferentes. Appl. Microbiol. Solyanikova, I., Baskunov, B., Baboshin, M., Saralov, A., Golovleva, L., 2012. Detoxi-
Biotechnol. 44, 795 e 800 . fi catião de altas concentrações de trinitrotolueno por bactérias. Appl. Biochem. Microbiol. 48, 21 e 27 .
Eggert, C., 1997. formação catalisada por lacase de ácido cinnabaric é responsável pela
actividade antibacteriana de cinnabarinus Pycnoporus. Microbiol. Res. 152, 315 e 318 . Espanha, JC, 2000. Introdução. Em: Espanha, JC, Hughes, JB, Knackmuss, HJ, (Eds.)
Eilers, A., Rüngeling, E., Stündl, U., Gottschalk, G., 1999. Metabolismo de 2, 4, 6- Biodegradatio de nitroaromáticos compostos e Explosivos. CRC Press LLC, EUA, pp. 1 e 5 .
trinitrotolueno pelo fungo de podridão branca- Bjerkandera adusta DSM 3375 depende do citocromo P-450.
Appl. Microbiol. Biotechnol. 53, 75 e 80 . Espigão, JK, Crawford, DL, Crawford, RL, 1992. Em fl uência de 2,4,6-trinitrotolueno
Erkelens, M., Adetutu, EM, Taha, M., Tudararo-Aherobo, L., Antiabong, J., (TNT) concentração na degradação de TNT em solos explosivas-contaminados pelo fungo da podridão branca chrysosporium
Provatas, A., Bola, AS, 2012. remediação Sustentável e A aplicação de solo biorremediado para utilização na Phanerochaete. Appl. Environ. Microbiol. 58, 3199 e 3202 .
degradação de chips de TNT. J. Environ. Manag. 110, 69 e 76 .
Stursov um, M., Baldrian, P., 2011. Efeitos de propriedades e gestão do solo sobre a actividade de matéria orgânica
Fritsche, W., Scheibner, K., Herre, A., Hofrichter, M., 2000. fúngica de degradação do solo transformando enzimas e a quanti fi catião de actividade ligada ao solo e livre. Planta solo 338, 99 e 110 .
explosivos: TNT e compostos nitroaromáticos relacionados. Na Espanha, JC,
Hughes, JB, Knackmuss, HJ (Eds.), A biodegradação de compostos nitroaromáticos e explosivos. CRC Press Tornberg, K., Olsson, S., 2002. A detecção de radicais hidroxilo produzidos por madeira-
LLC, EUA, pp. 213 e 237 . fungos decompositores. FEMS Microbiol. Ecol. 40, 13 e 20 .
Gumuscu, B., Tekinay, T., 2013. biodegradação eficaz de 2,4,6-trinitrotolueno Agência de Proteção Ambiental dos EUA, 2008. Saúde Consultivo para a TNT. Saúde e critérios ecológicos Divisão.
usando uma estirpe bacteriana novo isolado a partir de solo contaminado-TNT. Int. Biodeterior. Biodegr. 85, 35 e 41 Do fi ce de Ciência e Tecnologia, Washington, EUA .
. Agência de Proteção Ambiental dos EUA, 1990. EPA / 540/2 e 90/014: Engenharia
Herre, A., Scheibner, K., Fritsche, W., 1998. von biorremediação 2, 4, 6-trinitrotoluol- Boletim: Mobile / Transportable Incineração tratamento. Do fi ce de Emergência e Resposta correctivas,
kontaminiertem Boden durch Pilze auf einem Rüstungsaltlastenstandort. Terra Tech. 4, 52 e 55 . Washington DC, EUA .
Van Aken, B., Hofrichter, M., Scheibner, K., Hatakka, AI, Naveau, H., Agathos, SN,
No, B., Park, J., Namkoong, W., Kim, J., Ko, B., 2007. Efeito de esgoto de mistura de lamas 1999. A transformação e a mineralização de 2, 4, 6-trinitrotolueno (TNT) por peroxidase de manganês do
proporção em compostagem de solo TNT-contaminada. J. Ind. Eng. Chem. 13, 190 e 197 . basidiomiceto de podridão branca- radiata Phlebia.
Johnson, GR, Smets, BF, Espanha, JC, 2001. oxidativo transformação do amino- Biodegradação 10, 83 e 91 .
isómeros dinitrotolueno por dioxigenases multicomponentes. Appl. Environ. Microbiol. 67, 5460 e 5466 . Vasilyeva, GK, Oh, B., Shea, PJ, Drijber, RA, Kreslavski, VD, Minard, R., Bollag, J.,
2000. redução aeróbico TNT via 2-hidroxilamino-4, 6-dinitrotolueno pela
Keenan, BG, madeira, TK, 2006. Orthric Rieske dioxigenases para degradar misturas Pseudomonas aeruginosa estirpe MX isolado a partir de solo contaminado munições. Bioremediat. J. 4, 111 e 124 .
de 2, 4-dinitrotolueno / naftaleno e 2-amino-4, 6-dinitrotolueno / 4-amino-
2, 6-dinitrotolueno. Appl. Microbiol. Biotechnol. 73, 827 e 838 . Vorbeck, C., Lenke, H., Fischer, P., Espanha, JC, Knackmuss, HJ, 1998. Initial redutiva
Letzel, S., Goen, T., Bader, M., Angerer, J., Kraus, T., 2003. Exposição a nitroaromáticos reacções no metabolismo microbiano aeróbio de 2,4,6-trinitrotolueno. Appl. Environ. Microbiol. 64, 246 e 252 .
explosivos e efeitos na saúde durante a eliminação de resíduos militar. Occup. Environ. Med. 60, 483 e 488 .
Winquist, E., Valentin, L., Moilanen, U., Leisola, M., Hatakka, A., Tuomela, M.,
Muter, O., Potapova, K., Limane, B., Sproge, K., Jakobsone, I., Cepurnieks, G., Steffen, KT, 2009. O desenvolvimento de um processo de pré-tratamento de fungos para a redução de matéria
Bartkevics, V., 2012. O papel de nutrientes na biodegradação de 2, 4, 6trinitrotoluene em líquido e do solo. J. orgânica no solo contaminado. J. Chem. Technol. Biotechnol. 84, 845 e 850 .
Environ. Manag. 98, 51 e 55 .
Nishino, SF, Espanha, JC, Ele, Z., 2000. Estratégias para a degradação aeróbica de nitro- Winquist, E., Bj € orkl €de,
€ de, K., Schultz, E., R € Como € ANEN, M., Salonen, K., Anasonye, ​F.,
compostos aromáticos por bactérias: descoberta processo para fi aplicação campo. Em: Espanha, JC, Hughes, Cajthaml, T., Steffen, KT, Jørgensen, KS, Tuomela, M., 2014. biorremediação de solo com fungos
JB, Knackmuss, HJ (Eds.), A biodegradação de compostos nitroaromáticos e explosivos. CRC Press LLC, EUA, HAP-contaminada e de laboratório para fi escala campo. Int. Biodeterior. Biodegr. 86, 238 e 247 .
pp. 7 e 61 .

Ver publicação
estatísticas de publicação
Estatísticas Ver as