Вы находитесь на странице: 1из 32

�����������

�����������
����� �� ��������
� �� ������� �� �������� �� ���������

������ ����������� �� �������� ���������� ���������������


� �������������� ����� �� ��������� �� ������ � ���
��������� ���� � ���������������

� ���������� �� ���� �������� � ���


������ �����

� ���������� �� ����������� �� ������������


������ ����������

� ��������� ���������� �� ���� �������� � ��� �������� �������� ���������� � �����


������ ���� ������� ������

� �������� ������ ���� �������� ��� ��������� ��������� �� ������ � ����


������ ���� ������

� ��������� �� ����� � �������� ���������� � �����


������ ���� ��������� ������� �����

� ����������������� �� ������ �� �������� ���������� � �����


���� ���� ����

� ������� ������ ��� �������� �������� �� ������ � ���������������


������������ ����� ���� �������

� ����������������� � ������ �� ����� ����

� ������� � ������� ��������� �����

� ���������� �� ����������� � ���� ������� ������� �� ��������� �������� ���� ��������

� ������� �� ���������� ����������� ����������� � ������� ����� �����

� ������ ���������������
������� ����� ������ �� �� ������ ���������� �� ������� ������� �� �� ��������� ������� �� �� �������� ��������� ���������
����� �� ��������� ���������� �� �� ����� ������� �� �� � ������ ������ �������� ������� �� �� �������� ���� �������
������� �� �� �� ����������� ���� ���� �� ������ ���� ��������� �� ����� ������ �� �� ����� ������� �� ������ ������� �������
������� �� �������� ������ �� ������� ������ ������� ������� �� ��������� ����� ����� �� ������ ����� �� �������� ������� ��
�� �� ����� ����� �������� �������� �������� �������� �� �� �� ��������� �������� �� ������� ������� ��� ������� ��������
��������� ����� ������ ������ �� �������

� ������� ��������� ���������� �� ���� �������� � ��� �������� �������� ����������


������ �������� �� ���������� ����������� ���������� � �������
����� ������ �� ����� � ��� ���������� �������� ��� �������� ����� ��������� ������� ��������������������

� ������� ������ ��� �������� �������� �� ������ � ���������������


��� �������� ���� ��������� �� ������ ���� � �������� ���������� � ������ � �� � ������
��� ���������� � ����� ���� ������������������� � ���� ���� ��������������
������� ������������������������������� ����� ���������������������������������

��������
��������������
��� ��������� �� ���� �� ������ � �� � ����������� �������������

Óleos da Amazônia
�������� �� ����� � ��������
��������� ������ �� �� ����� ������� ������������ ������� �� �������� ������

os cheiros da floresta em vidrinhos

Manejo comunitário de produtos florestais não-madeireiros


e fortalecimento local no município de Silves - AM.

Bárbara Schmal
Erbertes Almeida Campos
Márcio João Neves Batista
���������� ���� ����� �� ��������
Valda Roso da Silva
��� ��������� ������ ���� ��� ������ � ���
Manaus-AM
���������� ��� � ���� ���� ���� ����
2006
����������������
Esta cartilha é produto do trabalho realizado pelos técnicos e colaboradores da Avive no
município de Silves, no Amazonas, apoiado pelo componente Iniciativas Promissoras do
ProVárzea/Ibama.

• Responsável pelos inventários e mateiro • Edição de texto, ProVárzea/Ibama


Erbertes Almeida Campos Andréa Martini
• Auxiliar de campo Email: dauakaro@yahoo.com.br.
Márcio João Neves Batista • Projeto gráfico
• Professora e colaboradora da Avive Alexandre Almeida
Valda Roso da Silva Email: alexandre_cine@yahoo.com.br
• Coordenadora do subprojeto da Avive • Capa e ilustrações
Bárbara Schmal Cirilo Quartim & Plinio Quartim
Email: artecirilo@terra.com.br
Cesar Baldeon
Email: loquitotresestrelas@yahoo.com.br

Para mais informações:


Associação Vida Verde da Amazônia - Avive
Rua Cizenando Grana, 622, CEP 69.110 - 000
Silves-AM, Tel + Fax: (92) 3528 2161 • www.avive.org.br
Sumário
Apresentação 5
Prá começo de conversa 6
Onde fica esse lugar chamado Silves? 7
A Associação Vida Verde da Amazônia 8
Por onde começar? 9
Associação ou Cooperativa? 10
Passo-a-passo 13
Primeiro passo: organização e confiança... Entra na roda! 11
Segundo passo: como escolher os futuros produtos/óleos? 12
Terceiro passo: organizar o calendário da floresta de sua comunidade 13
Quarto passo: como escolher os parceiros comunitários? 14
Quinto passo: um passo do tamanho das pernas 15
Sexto passo: manejo... Usar sem espatifar 16
Sétimo passo: regularização das terras 17
Oitavo passo: a produção artesanal de óleos vegetais aromáticos 19
Nono passo: como avaliar se um óleo é bom ou não? 21
Décimo passo: certificados de origem e de qualidade 22
Plantas usadas 24
Óleo de Andiroba 24
Óleo-resina de Copaíba 25
Óleo de Cumaru 26
Óleo Essencial de Breu 27
Óleo Essencial de Puxuri 27
Associação Vida Verde da Amazônia - Avive
28
Cooperativa de Produtos Naturais da Amazônia - Copronat
Referências bibliográficas 28
Apresentação
Esta cartilha é fruto do trabalho da equipe do Projeto Comunitário de Produção Sustentável
de Óleos Essenciais da Região de Várzea em Silves, apoiado pelo componente Iniciativas
Promissoras do Projeto Manejo dos Recursos Naturais da Várzea – ProVárzea/Ibama.
O ProVárzea/Ibama faz parte do Programa Piloto para Proteção das Florestas Tropicais do
Brasil e seu objetivo é contribuir para que a várzea da calha do rio Solimões-Amazonas seja
conservada mediante o uso sustentável dos seus recursos naturais. Para isso, trabalha em
parceria com instituições governamentais e não-governamentais, organizações pesqueiras e
comunitárias.
Entre as ações do ProVárzea/Ibama está o apoio a projetos de manejo dos recursos naturais da
várzea por meio do componente Iniciativas Promissoras. Com o apoio deste componente, novas
formas de aproveitamento dos recursos naturais da várzea, que sejam sustentáveis dos pontos
de vista social, econômico e ambiental, vêm sendo desenvolvidas e testadas, promovendo assim
a melhoria da qualidade de vida da população ribeirinha.
Atualmente, o componente Iniciativas Promissoras apóia 19 subprojetos que desenvolvem o
manejo do recurso pesqueiro, o manejo dos recursos florestais, a agropecuária e o fortalecimento
institucional em 32 municípios dos estados do Pará e do Amazonas.
O Projeto Comunitário de Produção Sustentável de Óleos Essenciais da Região de Várzea em 5
Silves, executado pela Associação Vida Verde da Amazônia (Avive), desenvolve junto com as
mulheres associadas na Avive e os pequenos produtores agrícolas de 12 comunidades silvenses
o uso sustentável da rica biodiversidade da região. Esse processo envolve o aproveitamento
de galhos, folhas, sementes e resinas de plantas aromáticas e medicinais como a andiroba,
a copaíba, o breu, o pau-rosa, o cumaru e o puxuri para a extração de óleos essenciais que
serão a base para a produção de sabonetes, velas, incensos, cremes e sachês aromáticos que,
com o apoio da Cooperativa de Produtos Naturais da Amazônia (Copronat), estão sendo
comercializados para outros estados e países. Os resultados do projeto foram divulgados no
país e no exterior, recebendo diversos prêmios como incentivo às ações de manejo dos recursos
naturais.
A presente cartilha pretende dar continuidade à divulgação deste trabalho, que tem
se mostrado importante para os ribeirinhos da Amazônia. É uma demonstração de que a
conservação dos recursos da Amazônia está também em tecnologias simples e eficientes.

Marcelo Derzi Vidal


Gerente do Componente II - Iniciativas Promissoras
Pra começo de conversa
Na Amazônia, como em outras partes Essa cartilha apresenta a experiência
do mundo, as pessoas querem viver bem e de um grupo de mulheres do município de
cada vez melhor. Na floresta, elas trabalham Silves, no estado do Amazonas, que pensou
pesado para garantir seu alimento. Pescam, diferente e serve de exemplo para todos.
caçam, plantam, criam animais e fazem Elas produzem e comercializam os óleos
produtos para vender. O recurso financeiro vegetais aromáticos da floresta. E assim,
chega com o comércio de camarão, açaí, fortalecem sua comunidade, conservam a
farinha, banana, peixe e artes. É importante natureza e ainda aumentam a renda familiar.
ter uma renda financeira para comprar roupa, Mas, para começo de conversa... Onde se
tecido, remédio e as mercadorias básicas. localiza Silves?
Mas, serviço que gere renda (dinheiro)
sempre foi difícil. Faltam oportunidades e
uma primeira chance – pois criatividade e
vontade são características de caboclos e
caboclas.

6
Onde fica esse lugar chamado Silves?
Para quem desce o rio Amazonas, o água avança terra adentro e forma a várzea;
município de Silves se localiza na margem região alagada de grande fertilidade. Onde
esquerda, distante cerca de 330 quilômetros não alaga é a terra firme. Lagos, várzea, ilhas
de Manaus. Sua sede municipal fica na Ilha e rios formam um delicado ambiente, rico em
Saracá, banhada pelas águas dos lagos vida animal, vegetal e humana. A maioria dos
Saracá e Canaçari. Ali se reúnem as águas moradores prefere viver próximo das águas,
dos rios Urubu, Sanabani, Itapani e inúmeros ou seja, na várzea, tamanha a riqueza de
igarapés. O nome Saracá se deve às recursos disponíveis neste ambiente e a
formigas-de-fogo que moram nesta ilha. facilidade no transporte.
A vida no rio Amazonas é regida pelas Silves tem um passado aromático – já foi
cheias e vazantes, que variam até oito importante produtor do óleo essencial de
metros em Silves. No periodo de cheia, a pau-rosa, hoje escasso no município.

7
Mapa do Município
de Silves
LEGENDA
Sede Municipal
Limite Municipal
Hidrografia

Manaus, maio 2006


Fonte: IBGE 2002

Elaboração SIG/ProVárzea

Localização
A Associação Vida Verde da Amazônia
Em Silves, a Associação Vida Verde da Em 2000, a Avive firma uma parceria
Amazônia (Avive) reúne mulheres de várias com o Fundo Mundial para o Meio Ambiente
idades e conhecimentos. Essa união partiu (WWF) que deu suporte para realização de
de mulheres interessadas em relembrar seus cursos, treinamentos e a primeira produção
conhecimentos sobre plantas medicinais de sabonetes, velas e óleos. Entre 2002 e
regionais. Para trazer a memória de volta 2005, nova parceria técnico-financeira foi
organizaram um curso. Durante o curso, firmada, agora com o ProVárzea/Ibama, por
notaram que o conhecimento da medicina da meio do “Projeto Comunitário de Produção
floresta estava sendo desprezado e perdido. Sustentável de Óleos Essenciais da Região
Restava a sabedoria de poucos: parteiras, de Várzea em Silves – AM”.
rezadores, benzedeiros e curandeiros. A experiência destas guerreiras tem
Para fortalecer esse conhecimento, elas recebido atenção mundial. Elas demonstram
resolveram se unir mais. E formaram a que é possível viver bem usando a natureza
Avive. com sabedoria.

8
Óleo essencial: o valor da floresta em pé e não derrubada
A floresta é riquíssima. Nela tem alimento, remédio, sabonete, combustível. Mas, a
pessoa precisa conhecer e saber retirar. Quando um mateiro quer saber mais sobre uma
árvore, cipó ou matinho, ele pega um pedaço de sua casca, folha ou semente, esmaga e...
cheira! Ele pode até colocar na boca para sentir o gosto, mas primeiro cheira. E aquele
cheiro que ele sente é o óleo essencial desta planta.
As plantas fabricam estes óleos para garantir sua sobrevivência na floresta. Por um lado
elas querem atrair insetos. Uma flor cheirosa não atrai abelhas e outros insetos? Pois é.
Mas, tem planta que ninguém chega perto porque fede. Com aquele pitiu ou pixé ninguém
se aproxima para levar um pedaço dela; nem bicho nem gente. Esta é a proteção da
planta.
O cheiro das plantas, seu óleo essencial, é retirado e usado no mundo inteiro pelos
fabricantes de cosméticos e perfumes. Para os compradores é importante que a produção
tenha sua origem, local e forma de produção organizada e controlada. Para todos os demais,
é importante que a floresta continue em pé trazendo recursos para suas comunidades e
bem-estar para a humanidade.
Por onde começar?
Como foi dito, para estabelecer suas o seu empreendimento. Para montar e
atividades na produção de óleos e produtos apresentar um projeto para o possível doador/
afins, a Avive contou com um apoio inicial investidor, seja este uma empresa privada,
do WWF/Brasil. Em 2002, já em parceria uma instituição pública ou organização não
com o ProVárzea/Ibama, foram elaborados governamental (ONG), qualquer pessoa
um Plano de Negócios e um Estudo de jurídica pode solicitar ajuda. O Serviço de
Viabilidade para a cooperativa de produtos Apoio às Micro e Pequenas Empresas
naturais recém-criada, a Copronat. (Sebrae) do seu estado, as Universidades
O Plano de Negócios demonstra como e outras instituições oferecem consultores
tudo deve funcionar, desde o início do especializados gratuitamente. Também
empreendimento até seu pleno andamento. existem livros que ensinam o passo-a-passo
Isso envolve a organização, a administração, da elaboração de projetos.
os processos de produção, comercialização Depois de pronto é só enviar para os
e distribuição de renda. O Estudo de possíveis parceiros e esperar a resposta. Nem
Viabilidade observa se haverá renda para sempre um projeto é aprovado rapidamente.
cada membro da cooperativa e lucro na É preciso ter paciência e ser positivo para
produção e comercialização. Ou seja, se o não desistir – pois não é fácil. São dezenas,
negócio tem chance de vingar. centenas de organizações e só algumas são 9
É sempre útil apresentar junto com seu escolhidas. As mulheres da Avive já ouviram
projeto, um Plano de Negócios e um Estudo muitos “não”. Mas nunca desistiram. Até que
de Viabilidade. Assim, um futuro investidor deu certo.
avalia o risco de apoiar financeiramente
10

Associação ou Cooperativa?
As Associações no Brasil podem produzir, estudos sobre os produtores, as famílias e os
mas, não podem remunerar as sócias e os recursos da floresta. Hoje, elas administram
sócios. Para remunerá-los, a Avive optou o próprio empreendimento, extraem óleos
pelo sistema cooperativo. No ano 2003, vegetais aromáticos de forma artesanal e
fundaram a Copronat onde mulheres e ainda vendem sua própria produção.
homens produzem e comercializam os Mas, para chegar até esse ponto vários
produtos naturais da marca Avive. Noventa cursos e treinamentos foram necessários,
por cento das cooperadas são também sócias como os cursos de Associativismo/
da Avive, mas com atribuições distintas: na Cooperativismo, Produção de Óleos Vegetais,
Avive trabalham de forma voluntária – na Identificação Botânica, Inventários, Coleta de
Copronat recebem pelo que produzem. Sementes, Boas Práticas de Fabricação,
É bom contar, de início, com uma pessoa dentre outros. Ao longo de seis anos,
ou consultoria especializada no assunto todos estes cursos elevaram a confiança
para garantir o futuro do empreendimento. das mulheres – tornando-as capazes e
Para começar, o pessoal de Silves fez vários determinadas na produção e no comércio.
Passo-a-passo
Nesse passo-a-passo, vamos tentar resumir num roteiro todas as atividades necessárias
para firmar um trabalho como esse da Avive.

Primeiro passo: organização e confiança... Entra na roda!


Desde sempre os povos sentaram em Todo o serviço deve ser organizado.
volta de uma fogueira para conversar e tomar Organizar é um jeito de dividir o serviço, de
decisões de alta importância. As mulheres da modo que todos trabalhem em conjunto e
Avive também trabalham e decidem tudo em com capricho. Confiança, bom entendimento
conjunto. A pessoa, conforme seu talento, e responsabilidade entre todos os envolvidos
executa o serviço que lhe agrada ou convém. são necessários. Além disso, precisa de
No caso da Avive, as funções e o número de comunicação, que é a capacidade de saber
pessoas envolvidas nas atividades mudam falar e ouvir; de trocar idéias e repassar
a cada ano e atendem às necessidades da conhecimentos.
associação, da cooperativa e das sócias-
cooperadas. 11
Mulheres e homens - Lição de Companheirismo

De primeiro, muitos homens não gostavam Sete anos se passaram após o primeiro
de ver as mulheres trabalhando sozinhas ou curso sobre plantas. Hoje, maridos, filhos e
com as amigas na Avive, enquanto eles netos também são envolvidos nas atividades
ficavam em casa cuidando das crianças da Avive e Copronat. Eles passaram a
e da comida. Eles se sentiam excluídos e respeitar a persistência e a serenidade com
achavam que lugar de mulher é em casa, que elas desenvolvem seu trabalho, dando
junto ao marido e aos filhos. Algumas até conta da casa, da família e dos negócios.
apanharam de marido bêbado e com raiva. É tanta admiração que hoje os maridos as
Mas com a união e o tempo, as mulheres se acompanham, tornando-se verdadeiros
fortaleceram; dentro e fora de casa. companheiros.

Segundo passo: como escolher os futuros produtos/óleos?


O segundo passo começa com a Com ajuda do sistema de posicionamento
identificação das plantas aromáticas e/ou global (GPS), um tipo de bússola orientada
12 medicinais na região. Como? Através de pelos satélites, essa equipe desenha as
entrevistas e conversas com os proprietários árvores num mapa. Descrevem a posição,
de terras e agricultores. Depois, devem ser o tamanho, a grossura e o uso de cada
feitos Inventários Florestais reunindo os árvore, madeira ou planta, seja velha, jovem
interessados. Durante o inventário, um grupo ou adulta. As pessoas idosas são muito
de moradores e mateiros experientes conta importantes neste processo, pois, sabem o
e anota o número e os tipos (espécies) de nome, a forma e o segredo de preparação de
árvores e plantas que servem para produzir cada recurso florestal.
o óleo vegetal.

IMPORTANTE: Para garantir a sustentabilidade da proposta, ou seja, garantir que a


proposta vingue e traga melhorias sem estragar a floresta, é necessário observar três pontos:
1. Se há recursos disponíveis na floresta (inventário); 2. Se há pessoas interessadas; 3. Se há
condições mínimas de trabalho, como algum conhecimento anterior, interesse em aprender
e ganhar uma renda extra, vontade própria e coletiva. Um Levantamento Socioeconômico
serve para avaliar estes três pontos, começando com as conversas e o inventário florestal
como foi dito. Esse levantamento é feito com os moradores e comunidades que desejam
participar.
13

Terceiro passo: organizar o calendário da floresta de sua


comunidade
Os produtos da floresta têm um calendário Não é bom trabalhar com uma só planta:
próprio. O comércio dos produtos amazônicos o ganho é pouco, já que há somente uma
deve respeitar o tempo de cada recurso, o safra por ano. Trabalhar com várias plantas
tipo de trabalho e de trabalhador (a). Como significa renda extra em vários meses do ano
diz a moda: - Tudo tem seu tempo. – o que é bem melhor. Cada família escolhe,
A Avive elaborou um calendário de com base nos estudos anteriores, com quais
produção onde os produtores anotam, mês recursos vai querer trabalhar, de acordo com
a mês, quais plantas serão utilizadas na o próprio interesse e capacidade local.
produção de óleos, quais plantas estão
florindo ou têm frutos e sementes, para saber
ao certo quando é a época de floração, coleta
e produção.
Quarto passo: como escolher os parceiros comunitários?
É importante manter um cadastro das No início é lento e difícil. Cada pessoa
famílias, coletores e produtores desde o início. tem seu ritmo para se juntar ao grupo e
Este acompanhamento é útil para comparar acreditar que vai dar certo, tirar suas dúvidas
a produção e a renda. Permite observar se e inseguranças. Por isso é preciso paciência
houve crescimento mensal e anual ou não. e nenhuma pressa. Com o tempo, através de
A Avive/Copronat trabalha atualmente com conversas e cursos, as pessoas se põem à
famílias de 12 comunidades à beira dos rios vontade para participar.
Urubu, Amazonas e Sanabani. Estas famílias Os cursos despertam os interesses.
vivem na várzea e na terra firme. De início, Demonstram que sementes, folhas e resinas
não havia muito interesse. Foram visitadas têm seu valor medicinal e comercial. Até a
15 comunidades e apenas três engrenaram. floresta agradece, pois, param de derrubá-
Mais tarde, outras viram que o negócio dava la. Em Silves, as sementes de cumaru e de
certo e foram se chegando. Como disse uma andiroba apodreciam embaixo das árvores.
sócia: “esse nosso trabalho é exemplo pra Hoje a maioria sabe dar valor.
muita gente que destrói a natureza”.

14

Coopronat ProVárzea Ibama Avive


Quinto passo: um passo do tamanho das pernas
Para ter vitória é preciso avaliar o tamanho Quem pretende começar um serviço
de cada passo. parecido deve resguardar um capital de giro. 15
O tamanho da produção, por exemplo, Os custos são altos e mensais. Até começar
só pode ser avaliado em conjunto: diretoria, a receber um salário pode levar mais de dois
produtores parceiros, sócios, cooperados anos. Se não temos recursos para começar
e compradores (consumidores). Assim, ou garantir o serviço há necessidade de
os compradores podem confiar na boa contar com apoio financeiro de parceiros ou
qualidade do produto. A produção pequena linhas de crédito.
afina o negócio, ainda mais quando envolve Para não dar questão, em Silves, as
várias famílias e parceiros. produtoras e produtores parceiros preferem
No início, o ganho é pouco e não dá para receber na hora em que entregam o produto,
pagar todos os serviços necessários. Para seja semente, óleo, galho, casca ou resina.
evitar isso, é importante manter um capital Já as cooperadas e cooperados recebem
de giro; um dinheiro reservado em cada sua parte nas vendas após o cliente pagar.
venda para pagar os gastos da produção Quando o capital de giro (dinheiro em
e os produtores. Sem capital de giro, as caixa) é escasso, o pagamento antecipado
cooperativas e empresas não conseguem se é necessário. Por isso a cooperativa exige
sustentar. dos compradores que paguem a mercadoria
antes de recebê-la.
Sexto passo: manejo é usar sem espatifar

Manejo é o jeito correto de usar os recursos


da floresta. Sem que existam problemas, para
os produtores ou para a natureza. Algum
tempo atrás era comum que os moradores
derrubassem as árvores para vender a
madeira e só. Hoje, com a produção dos
óleos a partir das podas, galhos, sementes,
não é mais preciso vender a madeira para
obter renda.
A semente do puxuri, por exemplo, é ralada
para fazer o sachê ou pode ser vendida
inteira. As folhas amarelas que caem dos
galhos são recolhidas em redes especiais
estendidas embaixo da árvore. Não precisa
nem se abaixar para juntar. E é das folhas
que se faz o óleo de puxuri. Isso é o manejo:
16 usar com sabedoria e respeito.
Também faz parte do manejo os
inventários, que identificam quantas e quais
plantas existem em nossas áreas, e o Plano
de Bom Uso, que identifica quais plantas
serão utilizadas, de que forma e em que
época.
O Plano de Bom Uso é então discutido
em reuniões organizadas pela Comissão do
Plano de Uso, e, se aprovado é assinado por
todos os envolvidos no manejo.
A Comissão também fiscaliza as regras.
Tem até advertência e penalidade para quem
não cumpre. Em Silves, sócias, cooperados,
produtores e coletores foram convidados
para elaborar esse plano juntamente com a
Avive.
• O Plano de Manejo deve ser feito com acompanhamento técnico: mateiros e engenheiro
florestal;
• O Plano de Bom Uso deve ser entregue ao Ibama e ao órgão estadual de meio
ambiente, que no Amazonas é a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento
Sustentável - SDS, como parte do Plano de Manejo, juntamente com os inventários;
• Para dar entrada com o Plano de Manejo no órgão estadual de meio ambiente são
necessários o cadastro dos produtores e a comprovação de posse ou propriedade da área
a ser manejada de cada família e proprietário/a;
• É necessário que a organização de produtores(as) solicite ao Ibama a autorização
para coleta e transporte de material vegetal (sementes, folhas, galhos, resinas, bálsamos e
outros). Estas informações podem ser obtidas junto ao Ibama.

Sétimo passo: regularização das terras


Para comercializar óleos como fazem a Por serem terras da União, o responsável
Avive/Copronat são necessários documentos pela regularização fundiária da várzea é
que comprovem que a terra pertence aos o Governo Federal através de um órgão
produtores ou associações envolvidas. O chamado Gerência Regional de Patrimônio
processo de regularização fundiária investiga da União (GRPU), nas capitais dos estados. 17
quem são os donos de uma terra e fornece Esse órgão tem competência e obrigação em
a autorização necessária para ocupar terras acompanhar todo o processo.
federais ou estaduais. Esta autorização de Em Silves, a regularização das terras está
uso é básica para encaminhar um Plano de sendo realizada através do órgão estadual
Manejo ao órgão responsável (Ibama). responsável pela regulamentação das terras
Mesmo assim, em Silves, há pessoas do estado que estuda a cadeia dominial
que são donas de terras de várzea, com da terra, ou seja, todas as pessoas que
autorização da Prefeitura Municipal, onde compraram e venderam as terras durante o
criam gado, búfalo, cuidam de roças. Confuso tempo em que ela está ocupada. Isso gasta
não é? tempo e dinheiro, mas, é uma obrigação do
Estado.
Para facilitar, é bom que os produtores
estejam com seus documentos pessoais em
dia, como Batistério (Certidão de Nascimento),
Cadastro Nacional de Pessoa Física (CPF) e
Registro Geral (RG). Se tiver título de posse,
documento de herança, recibo de compra e
venda da terra também facilita para obtenção
da Cessão Real de Uso.
Na Amazônia, como em muitas regiões do Brasil, uma terra pode ter vários donos – cada
um deles acreditando que aquela propriedade lhe pertence. Aí começa a briga.
Alguns têm cadastro no Incra, outros têm cadastro municipal ou cadastro no órgão
estadual de meio ambiente e até mesmo documentos centenários de antigos proprietários.
O cadastro do Incra, por exemplo, não tem valor legal como título de propriedade ou posse,
serve apenas para documentar a ocupação da terra. Como resolver?
Primeiro é necessário procurar o setor de terras de seu município e verificar se as suas
terras pretendidas estão na área que pertence ao município. Se a terra é fora do município
procure o setor de terras do seu estado. Solicite a regularização fundiária e uma vistoria.
Isto tem custo, pois nada é de graça neste nosso mundo. Mas vale a pena investir em sua
propriedade, pois sem regularizar a terra não é possível fazer o Plano de Manejo.
Muitos não sabem o que diz a Lei: o que pode ou não ser feito na várzea. Mas, sempre
é tempo de aprender. O jeito é conversar com os amigos, os órgãos responsáveis, estudar
e pesquisar.

18
Oitavo passo: a produção artesanal de óleos vegetais aromáticos
Na Avive são utilizados vários processos produtivos:
• Destilação para obter óleos essenciais do Puxuri e Breu;
• Prensagem para obter o óleo gorduroso de Cumaru;
• Extração com trado do bálsamo de Copaíba;
• “Cozido” das sementes de Andiroba para produzir o óleo.

Como fazer?
A primeira coisa é entender as diferenças Para obter os óleos fixos normalmente
entre um óleo fixo e um óleo essencial. só se precisa trabalhar nas sementes.
Óleo fixo, gorduroso ou graxo é aquele Espremendo, fervendo e depois deixando
retirado das sementes de vegetais, como do descansar. Já para extrair o óleo essencial
babaçu, andiroba, cumaru, buriti ou tucumã. é preciso um equipamento, um aparelho
Normalmente, este óleo possui um cheiro chamado destilador, que irá fazer a destilação
característico, parecido com óleo de soja, do óleo.
que também é um óleo fixo, que usamos pra De início, as mulheres da Avive não
fritar comida. conheciam o processo de destilação nem 19
Já os óleos essenciais possuem um aroma conheciam esta palavra. Mas um professor da
diferente, bem mais forte. Os óleos essenciais Universidade Federal do Amazonas (Ufam)
podem ser extraídos de várias partes das veio para Silves e treinou o pessoal que
plantas: madeira, raízes, sementes, flores, se interessou. Com esta capacitação todos
folhas, galhos, resina, cascas. Têm aroma ganharam segurança. Nos últimos tempos, a
agradável, evaporam facilmente e são criatividade e a vontade de conhecer é tanta
utilizados em perfumes e sabonetes. que o pessoal destila tudo que tem cheiro na
floresta.
Destilação
Destilação é a utilização de calor para
separar substâncias mais leves de outras
mais pesadas. Os óleos essenciais são
bem leves e facilmente separados de outros
constituintes da planta através da destilação.
O destilador funciona como uma panela de
pressão só que tem uma saída pra recolher o
vapor do outro lado. Quando esse vapor esfria
e se torna líquido de novo, escorre por um tubo
para dentro de uma garrafa de vidro. Como a
água e o óleo não se misturam, eles podem
ser facilmente separados. Dependendo da
planta destilada, o óleo essencial fica no
fundo ou boiando sobre uma água cheirosa.
O óleo e a água cheirosa são separados com
cuidado e guardados em frascos diferentes,
de cor escura (âmbar) para não prejudicar a
20 qualidade. O óleo destilado é chamado óleo
essencial.
Em um destilador pequeno cabem 5 kg de
folhas de puxuri. Podem ser feitas até quatro
destilações por dia, rendendo um total de
120 mililitros de óleo essencial. Assim, cada
planta tem seu rendimento - umas rendem
mais óleo, outras bem pouco.

Expressão a frio
A expressão a frio é um método bastante extrair o óleo gorduroso chamado óleo fixo
utilizado para a separação de substâncias ou graxo. Já o óleo de andiroba é feito pelas
das plantas, sendo utilizado principalmente mulheres de forma tradicional: cozinhando as
para a separação do óleo fixo das sementes. sementes e depois colocando a massa em
As sementes de cumaru, por exemplo, secas repouso na sombra para sair o óleo.
e picadas são socadas no tipiti (cesta), para
Nono passo: como avaliar se um óleo é bom ou não?
Quando o assunto é óleo medicinal, se a trabalhar na casa de produção - onde são
vende muito gato por lebre. Os óleos de fabricados sabonetes, velas e embalados os
copaíba e de andiroba, por exemplo, muitas óleos.
vezes são misturados com óleo de cozinha Aprenderam ainda a melhorar a higiene,
para aumentar o ganho. Isso faz mal para o por meio do uso obrigatório de luvas, avental,
negócio e, principalmente, para a saúde. A bota e touca. Estas regras são estabelecidas
equipe da Avive/Copronat aprendeu a fazer e fiscalizadas pelo Ministério da Saúde por
testes químicos para verificar se um óleo meio da Agência Nacional de Vigilância
é de boa qualidade ou não. Se o óleo tem Sanitária e Epidemiológica (Anvisa). Para
qualidade, dados como rendimento, cor e receber este tipo de orientação, não é tão
cheiro do óleo, produtor e local da coleta são complicado. A Anvisa tem filial em todas as
registrados. Então, uma amostra é levada capitais brasileiras.
para o laboratório químico da Universidade Ao final do treinamento – que não é
Federal do Amazonas (Ufam) onde sua somente para mulheres, homens também
qualidade é analisada. podem e devem fazê-lo – é elaborado pelo
As mulheres da Avive também fizeram grupo um Manual de Boas Práticas de
um curso chamado: “Boas Práticas de Fabricação.
Fabricação”. Neste curso, elas aprenderam 21
Décimo passo: produção legal e certificados de origem e de
qualidade

Se sua comunidade escolhe produzir e entende bem do assunto. Seu papel é


vender óleos como insumo ou matéria-prima pesquisar, dar conselhos e acompanhar toda
para alguma indústria, basta uma autorização essa produção.
do Ministério da Agricultura. Mas, a partir do A certificação vale como um “selo
momento que estes óleos são utilizados verde” que mostra ao cliente interessado a
na fabricação de produtos como sabonete, transparência de suas ações junto à floresta
vela ou quando são envasados - colocados e seu povo. São documentos feitos por
em vidrinhos pequenos com etiquetas e instituições certificadoras que garantem o
vendidos assim - deixam de ser um produto uso responsável e a qualidade do produto
agrícola, tornando-se um produto cosmético. da floresta. Para iniciar o processo de
E então, para uma produção legal, bem certificação é necessário que a comunidade
como para poder vender para fora do Brasil, produtora esteja organizada, cadastrada nos
precisam de autorização da Anvisa, através devidos órgãos públicos, que tenha seu plano
de um certificado fito-sanitário e do alvará de de manejo aprovado, planos de bom uso...
funcionamento emitido pela prefeitura de sua Enfim, tudo que já recomendamos antes.
22 cidade.
A maior dificuldade é atender a todas
as regras. Pela lei, os óleos aromáticos
e produtos derivados não podem ser
produzidos, armazenados, embalados ou
vendidos num mesmo lugar. Para atender a
tais critérios, a Avive dispõem de uma casa
de produção, escritório administrativo e loja
para comercilização em locais separados.
Outro documento importante é um
cadastro dos produtores, com nome, idade,
local de produção, número de famílias
envolvidas, quantidade e qualidade de cada
produto oferecido. Posteriormente, serão
necessários também os certificados que
podem ser trabalhados em conjunto pela
Associação, Cooperativa e por uma Empresa
Certificadora contratada. Para ajudar, a Avive
criou um Conselho Deliberativo de Produção,
formado por um grupo de produtores que
A Ciência de Dona Nenê
Algumas mulheres e homens têm conhecimentos preciosos sobre a floresta. São
informações sobre plantas usadas como corante, condimento, proteção solar, alimento,
remédio, fibras para fazer cordas e cestas, dentre outros usos. Estes conhecimentos são
muitas vezes passados de pais para filhos e aprimorados com o tempo e a experiência de
cada um, por isso são chamados de conhecimentos tradicionais.
Nelcia Rodrigues de Brito, mais conhecida como Dona Nenê, ensinou para as mulheres
da Avive, a forma correta para retirar o óleo da semente do cumaru. Isso lhe garante algum
retorno financeiro. Por tratar-se de uma tecnologia, ou seja, um jeito apropriado de retirar
esse óleo, a Avive e a Copronat registraram o conhecimento dela. De cada litro de óleo
comercializado, Dona Nenê tem direito a um quinto do valor de venda.

25
23
Plantas usadas
Atualmente, a Avive trabalha com óleo de Cumaru, de Andiroba, óleo-resina de Copaíba,
óleos essenciais de Breu e Puxuri.

Óleo de Andiroba

Carapa guianensis
Família: Meliaceae
Distribuição: América do Sul, América Central, Ilhas
do Caribe, África Central e Oeste.
O óleo de Andiroba, usado e comercializado em
toda a Amazônia tem muitas utilidades. Esse óleo feito
das sementes é um repelente poderoso. É reconhecido
também para inchaços no corpo, reumatismo e
artrite. O óleo de Andiroba é feito pelas mulheres de
24 forma tradicional: cozinhando as sementes e depois
colocando a massa em repouso na sombra para sair
o óleo.
A árvore pode crescer até 30 metros e tem uma
madeira de alta qualidade, sua casca é medicinal.
Gosta da terra firme, mas, também dá na várzea ou
no igapó. As sementes são apreciadas pelo porco-do-
mato. Tem flores muito cheirosas.
Óleo-resina de Copaíba

Copaifera spp.
Família: Caesalpinaceae
Distribuição: Vive nas florestas tropicais do
Brasil, Colômbia, Venezuela e Peru.

Serve para doenças dos pulmões e


inflamações. A árvore pode alcançar 30
metros ou mais. Muitos animais da mata,
como as araras, os tucanos, os macacos, os
porcos-do-mato, os queixadas e os veados, 25
alimentam-se de seus frutos. Era comum,
para retirar o óleo, derrubar a árvore ou abrir o
tronco com machado, o que estraga a árvore
e a machuca. Às vezes, nem produz mais
óleo. Hoje, os comunitários furam o tronco
com o trado, ferramenta que parece com um
grande parafuso e não estraga tanto. Uma
vez feito o buraco, o óleo sai pronto da árvore;
de quatro a cinco litros numa árvore adulta
ou madura. Depois se tampa bem o buraco e
deixa a árvore descansar por no mínimo três
anos e até mais. Os pesquisadores ainda
estão estudando quanto tempo realmente
a copaibeira precisa para se recuperar da
“furada“
Óleo de Cumaru
Dipteryx odorata
Subfamília: Papilionoideae
Distribuição: Vive na América Central e norte da América do Sul
O óleo de Cumaru pode ser usado como perfume em dose bem pequena (uma gota!)
sobre a pele. Misturado em óleos neutros retira manchas escuras da pele e mãos. No uso
externo, aplicado sobre a pele, ajuda na circulação do sangue, previne as varizes, aquelas
veias que estouram nas pernas. Serve também para dor de ouvido. A árvore chamada
cumaruzeiro alcança 30 metros e sua madeira é apreciada pela marcenaria e na feitura de
navios e barcos. Das suas favas, de cor preta retira-se a substância cumarina que serve na
indústria de produtos de beleza, para fazer creme, perfume e xampu, por exemplo. O pessoal
da Avive só apanha as sementes que já estão no chão. As sementes secas são socadas no
tipiti, uma espécie de cesta, para extrair o óleo fixo. E ainda produzem mudas das sementes
que recolhem.

26
Óleo Essencial de Puxuri
Licaria puchury major
Família: Lauraceae
Distribuição: Região do médio e baixo Amazonas

O puxurizeiro é uma árvore de tamanho médio, que prefere a


várzea dos rios Solimões-Amazonas e Madeira. Suas sementes
cheirosas são vendidas ou exportadas para fora do Brasil desde
1600. O chá das folhas e sementes é bom para comida que
faz mal e problemas no estômago. O óleo de Puxuri tem uma
substância tóxica chamada safrol. Não pode ser usado puro
sobre a pele, apenas misturado; uma gota para 50 mililitros
de óleo neutro. Não deve ser utilizado em crianças, mulheres
grávidas e pessoas idosas. Pode ser chamado também de
pixurim e puchury.
Óleo Essencial de Breu
Protium spp.
Família: Burseraceae
Distribuição: Vive em toda a Amazônia e em todo o Brasil

O óleo de Breu é indicado para doenças


e infecções no pulmão, nariz e garganta, as
chamadas infecções das vias respiratórias.
Na Amazônia, a resina é usada para calafetar
os barcos (fechar as emendas entre as
tábuas) e produzir verniz. A madeira da árvore
serve para marcenaria e construção civil, de
pontes e prédios, por ser resistente. A árvore
chamada breieiro produz essa resina para se
defender dos insetos que botam ovos em sua
casca. A família dos breus possui mais de 800
espécies ou qualidades. A espécie utilizada 27
pela Avive é conhecida como breu branco,
almecegueira, elemi ou mesmo, breuzinho.
��������� ���� � ���������������

Associação Vida Verde da Amazônia - Avive


� ���������� �� ���� �������� � ���
������ �����
A Associação Vida Verde da Amazônia - Avive, fundada em 1999 na cidade de Silves-
� ���������� �� ����������� �� ������������
AM, é uma entidade não governamental,
������ ����������
sem fins lucrativos. Tem como missão a defesa,
preservação e recuperação do meio ambiente, dos bens e valores culturais, em busca da
melhoria
� ��������� da��qualidade
���������� de vida
���� �������� � ���humana, com especial
�������� �������� atenção
���������� � �����para as mulheres, no âmbito
������do bioma Floresta Amazônica.
���� ������� ������

� �������� O������
projeto
���� que as mulheres
�������� ��� ���������da Avive��
��������� estão
������ realizando
� ���� pesquisa e aprimora técnicas e
������métodos
���� ������de exploração sustentável de espécies nativas aromáticas e medicinais, bem como
desenvolve atividades de educação ambiental e capacitação técnica .
� ��������� �� ����� � �������� ���������� � �����
������ ���� ��������� ������� �����

� ����������������� �� ������ �� �������� ���������� � �����

Cooperativa de Produtos Naturais da Amazônia -


���� ���� ����

Copronat
� ������� ������ ��� �������� �������� �� ������ � ���������������
������������ ����� ���� �������

Através da
� ����������������� - Copronat,
� ������ fundada
�� ����� ���� em 2003, as mulheres produzem e comercializam produtos
naturais, tais como sabonetes, velas, aromáticas e repelentes, incensos, águas aromáticas, e
28� �������artesanatos
� ������� ��������� �����
para aumentar sua renda e melhorar sua vida e a de seus familiares.
� ���������� �� ����������� � ���� ������� ������� �� ��������� �������� ���� ��������

� ������� �� ���������� ����������� ����������� � ������� ����� �����

Referências bibliográficas
� ������ ���������������
������� ����� ������ �� �� ������ ���������� �� ������� ������� �� �� ��������� ������� �� �� �������� ��������� ���������
����� �� ��������� ���������� �� �� ����� ������� �� �� � ������ ������ �������� ������� �� �� �������� ���� �������
Associação
������� �� �� Vida
�� ����������� ����Verde
���� ��da������
Amazônia (Avive).��2005.
���� ��������� “Óleos��Vegetais
����� ������ da Amazônia”.
�� ����� ������� Silves/�������
�� ������ �������
�������Manaus:
�� ��������Avive
������(folheto).
�� ������� ������ ������� ������� �� ��������� ����� ����� �� ������ ����� �� �������� ������� ��
�� �� ����� ����� �������� �������� �������� �������� �� �� �� ��������� �������� �� ������� ������� ��� ������� ��������
KLEIN,
��������� ����� Estanislau
������ Paulo. “As Plantas na Saúde: saúde na floresta”. Rio Branco: Centro de
������ �� �������
Trabalhadores da Amazônia/CTA, 68 p.
� ������� ��������� ���������� �� ���� �������� � ��� �������� �������� ����������
SMITH,
������ �������� Mayra & �����������
�� ���������� VIDALENC, Daniela.
���������� 1996. “Etnobotânica dos Seringueiros da Reserva
� �������
Extrativista
����� ������ �� ����� do Alto
� ��� Juruá”. ��������
���������� São Paulo: Universidade
��� �������� Federal
����� ��������� de��������������������
������� São Paulo (USP), pp. 1-54,
mimeo.
� ������� ������ ��� �������� �������� �� ������ � ���������������
��� �������� ���� ��������� �� ������ ���� � �������� ���������� � ������ � �� � ������
��� ���������� � ����� ���� ������������������� � ���� ���� ��������������
������� ������������������������������� ����� ���������������������������������

��������
��������������
��� ��������� �� ���� �� ������ � �� � ����������� �������������
�������� �� ����� � ��������
��������� ������ �� �� ����� ������� ������������ ������� �� �������� ������

���������� ���� ����� �� ��������


��� ��������� ������ ���� ��� ������ � ���
���������� ��� � ���� ���� ���� ����
����������������
���������� ��
���� ��������