Вы находитесь на странице: 1из 13

CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

As bolsas em 2010 Apesar do fraco resultado do Ibovespa


em 2010, não podemos dizer que o retor-
Indicadores Variação % no dos investidores se mostrou de todo
2009 2010 ruim!
Dow Jones 18,80 11,00
S&P 500 23,50 12,80 Após uma valorização do Ibovespa de 83%
Ibovespa 82,70 1,00 em 2009, a expectativa era de que o ano
IBRX-50 72,40 0,80 de 2010 também seria um período positi-
fonte: Economática/SLW Corretora
vo em termos de retorno de investimento
10 Maiores oscilações 2010 - Ibovespa no mercado acionário brasileiro. O cenário
Código Var.% Código Var.% econômico para o país se mostrava muito
positivo, com crescimento de atividade
CRUZ3 65,80 ALLL3 (51,60)
AMBV4 50,80 BTOW3 (33,90)
industrial, emprego, renda e crescimento
LREN3 47,80 FIBR3 (32,20)
no consumo, o que foi confirmado em sua
BRKM5 44,70 TNLP4 (27,50) plenitude. Contudo, um conjunto de fato-
NATU3 36,70 BRTO4 (24,60) res acabou tirando o brilho que o mercado
UGPA4 34,90 PETR3 (24,30) acionário global potencializava para aque-
SBSP3 30,40 PETR4 (23,00) le ano. Nesta linha vale citar o surgimento
EMBR3 28,00 JBSS3 (22,80) da crise da Europa, a recuperação mais len-
CPFE3 25,70 TMAR5 (21,90) ta da economia dos EUA do que o espera-
CCRO3 23,20 GOAU4 (21,70) do e temores de que a alta inflacionaria na
fonte: Economática/SLW Corretora
China pudesse contaminar a economia de
Desempenho setorial. outros países emergentes e que para ser
combatida gerou medidas duras para fre-
Fumo 65,8 ar o crescimento econômico daquele país,
Bebidas 50,8
acabando por gerar volatilidade nos pre-
Petroquímica

M ineração 14,3
39,8
ços das commodities.
Outros 13,0
Aviação/Transp. Aéreo 11,6 Neste cenário, os preços das ações de em-
Varejo 11,5 presas relacionadas a consumo em 2010
Açúcar/Álcool 10,0 registraram desempenho melhor do que
Energia Elétrica 9,3 algumas ações relacionadas com commo-
.M at.Constr/Incorp 4,6
1,9
dities, como no caso de ações de empresas
Instituições Financeiras

Ibovespa 1,0
de siderurgia, petróleo e celulose. Sendo
Alimentos (6,5)
assim, conforme a composição da carteira
Papel e Celulose (8,8) dos investidores o resultado acabou sendo
Telecom (10,0) muito bom em 2010, quando comparado
Petróleo e Gás (10,1) com o resultado do nosso principal índice
Concessões (14,2) de ações, o Ibovespa.
Siderurgia (15,6)

Agora, após brindarmos a vinda do ano


novo, fica a expectativa de qual será o de-
Carteiras recomendadas SLW 2009 e 2010 sempenho para nossa bolsa de valores
Período Carteiras
para 2011 e qual seleção de ativos se mos-
SLW SLW SLW tra o mais interessante.
Ibovespa Arrojado Dinâmico Moderado
2009 82,66% 97,47% 169,52% 44,37%
2010 1,04% 2,72% 24,67% 29,91%
Fonte: SLW e Economática

O relatório
l tó i está
tá em conformidade
f id d com os aspectos
t regulatórios
l tó i contidos
tid na IInstrução
t ã d da CVM n°° 483
483, d
de 6 d
de jjulho
lh dde2010.
2010 Vid
Vide di
disclosure
l d
da últi
última página.
á i
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Retrospectiva 2010
Após a crise econômica que abalou o mundo entre fi-
nal de 2008 e meados de 2009, a expectativa inicial em
2010 era de um cenário de recuperação da economia
global. Num primeiro momento, a visão era de que os
países ricos tivessem um crescimento gradual de suas
economias e os países emergentes mostrassem uma
evolução robusta, principalmente os países membros
do BRIC.
A ferramenta dos governos dos países ricos no con-
fronto com a crise econômica global foi gerar pacotes
de estímulo e injetar recursos nos seus sistemas finan-
ceiros, salvando grandes bancos de quebrarem, o que
certamente ampliaria ainda mais as seqüelas da crise
global. Nesta linha, os temores se voltaram para os países de-
No início de 2010 a taxa de juros nos países ricos ficou nominados PIIGS, formados por Portugal, Itália, Irlan-
muito próxima a zero e a visão de que o Brasil se safou da, Grécia e Espanha, cuja sinalização é que poderiam
sem grandes problemas levou o país para a vitrine do apresentar algumas dificuldades quando chegasse o
mundo, atraindo grande fluxo de investidores estran- vencimento de suas dívidas, além de que ficou explí-
geiros nos primeiros dias de janeiro. cito riscos de que novamente os bancos destes países
precisariam de novos aportes para conseguir honrar
Europa – O susto começou pela Grécia. vencimentos, o que ampliou dramaticamente o risco
Mas a calmaria não durou muito tempo. Na Europa, de uma crise sistêmica na região e o calote parecia
onde historicamente uma grande parcela dos países que poderia ser generalizado, já que existe uma forte
registra um endividamento elevado em relação à ge- relação de dívidas trocadas entre estes países e ban-
ração de seus PIBs, se viram obrigados a salvar seus cos do velho continente.
sistemas financeiros com o auge da crise econômica Exatamente no dia 19 de janeiro, a mídia mundial pu-
global e isto incluiu salvar grandes bancos de quebra- blicou a gravidade da situação da Grécia, que mesmo
rem piorando ainda mais esta relação divida/PIB. Com sendo desmentido pelo governo daquele país sobre a
alguns países tendo seus quadros se agravando e com necessidade de ajuda financeira, os números falavam
proximidade de grandes vencimentos de dívidas, o por si só.
que aconteceu é que os bancos não tinham como sal-
var os países que os socorreram. Com a desconfiança se ampliando, os países da Zona
do Euro não conseguiam mais rolar suas dividas com
taxas baixas e isto acionou o sinal de alerta para todos
da região.
Na busca por uma saída desta situação, os países
membros da Zona do Euro e o FMI – Fundo Monetário
Internacional criaram um fundo de estabilidade de €
750 bilhões em maio/10, que teria como meta socor-
rer os países membros, quando estes não conseguis-
sem rolar suas dívidas.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Junto com esta medida, foi realizado um teste de es- Neste cenário fica claro que a Europa ainda ficará no
tresse nos bancos da região, já que a desconfiança radar, pois as medidas que estão sendo lançadas não
ainda existia e este ao ser finalizado apontou a neces- irão reverter a situação de forma rápida.
sidade de alguns bancos se capitalizarem, afastando
Se 2008 ficou marcado pela grande crise econômica
os temores sobre a quebra do sistema financeiro local
mundial, o ano de 2010 ficará marcado pela crise da
na forma de um efeito dominó.
Europa. Este foi o principal fator que levou os merca-
O primeiro país a se socorrer do fundo foi à Grécia e ao dos de risco a apresentarem um desempenho fraco
final do ano a Irlanda também acabou se utilizando do no ano passado. Mas outros fatores colaboraram para
mesmo mecanismo. gerar incertezas para os investidores.
EUA – Andando a passos lentos.
A crise econômica global foi iniciada nos EUA em
dezembro/07, quando estourou a bolha imobiliária e
impactou fortemente o mercado financeiro, que tinha
diversos produtos bancários lastreados em recebíveis
de hipotecas.
Como os preços dos imóveis caiam em grande veloci-
dade, muitas hipotecas passaram a não ser honradas,
já que era mais interessante devolver o imóvel a pagar
a dívida. Ao mesmo tempo o forte nível de perdas de
A utilização dos recursos do fundo de estabilização emprego no país se ampliava, agravando o quadro de
ficou vinculado a fortes cortes de gastos públicos e devolução de imóveis.
medidas austeras para equilibrar a finança dos países
da região. Preço Moradias (S&P Case Schiller)
20,0 230

Um grande problema que surgiu na região foi o de- 15,0


210

semprego elevado e que se ampliará ainda mais com 10,0


190
as duras medidas que os governos estão lançando 5,0

0,0 170
para atingir suas metas de redução de gastos públi-
-5,0
cos. 150
-10,0
Taxa de desemprego - Economias avançadas 130
Preço Moradias (Variação Acumulado em 12 meses)
Projeção -15,0
2008 2009 2010 2011 Preço Moradias Jan/2002=100 (Com Ajuste Sazonal)
-20,0 110
Economias Avançadas 5,8 8,0 8,4 8,0
dez-01

jun-04

jul-06
dez-06

jun-09
mai-02

mar-03

jan-04

mai-07

mar-08

jan-09
out-02

ago-03

nov-04
abr-05

out-07

ago-08

nov-09
abr-10
set-05
fev-06

set-10

EUA 5,8 9,3 9,4 8,3


Zona do Euro 7,6 9,4 10,5 10,5
Alemanha 7,2 7,4 8,6 9,3 Fonte: S&P Case Schiller
França 7,9 9,4 10,0 9,9
Itália 6,8 7,8 8,7 8,6
Espanha 11,3 18,0 19,4 18,7
Holanda 2,8 3,5 4,9 4,7 A situação piorou para os bancos que negociavam os
Bélgica 7,0 8,0 9,3 9,4
Grécia 7,6 9,4 12,0 13,0 produtos financeiros lastreados em hipotecas, que
Austria 3,9 5,0 5,4 5,5
Portugal 7,6 9,5 11,0 10,3
acabaram se transformando em títulos podres e levou
Finlandia
Irlanda
6,4
6,1
8,3
11,8
9,8
13,5
9,6
13,0
bancos e investidores a severos prejuízos. A situação
Rep. Eslovaquia 9,6 12,1 11,6 10,7 levou o FED a capitalizar recursos em diferentes ban-
Eslovênia 4,4 6,2 7,4 6,8
Japão 4,0 5,1 5,1 4,9 cos, para evitar um maior número de baixas de insti-
Reino Unido 5,6 7,5 8,3 7,9
Canada 6,2 8,3 7,9 7,5
tuições financeiras como ocorrido com o Lehman Bro-
Austrália
Islândia
4,3
1,6
5,6
8,0
5,3
9,7
5,1
8,6
thers.
Fonte: FMI
O mercado imobiliário originou a crise e continua
sendo um dos fatores que continua atrapalhando
a recuperação da economia dos EUA. Mas um outro

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

fator pode ser apontado como uma pedra no sapato No final do ano passado, o presidente Obama lançou
desta recuperação, que é justamente o forte nível de um novo pacote de estimulo que abrange recompra
desemprego que se instalou no país e contribui para de títulos para dar liquidez no mercado financeiro,
que o mercado imobiliário não se recupere de forma com atuações mensais da ordem de US$ 75 bilhões
rápida. que tem data até o final do 1S11. Outra medida lan-
çada foi à extensão de corte de impostos, que antes
Taxa de desemprego - EUA
11.0
beneficiava uma parcela da população e agora será
10.0 9.6%
oferecido a todos, o que deve ajudar na melhora da
renda familiar em 2011. No entanto, a decisão de
9.0

recompra de títulos irá ampliar a oferta de dólar em


8.0
outros países, colaborando para que o movimento
7.0
de depreciação do dólar em relação a outras moedas
6.0 continue ao longo deste ano.
5.0

Além dos EUA, a China também influenciou o merca-


4.0
jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 jun/08 dez/08 jun/09 dez/09 jun/10 do acionário global, justificado pela briga do governo
Fonte:Bloomberg/SLW Corretora
em tentar conter a pressão inflacionária.
Paralelamente a injeção de recursos nas instituições China – Brigando com o dragão da inflação.
financeiros, o FED lançou vários pacotes oferecendo
Com o enfraquecimento da economia dos EUA e da
liquidez na recompra de títulos.
crise da Europa, quem segurou o rojão na economia
Apesar destas medidas, o elevado desemprego no mundial foi à China, que continuou apresentando um
país e morosidade na recuperação dos preços dos robusto movimento de crescimento de seu PIB.
imóveis levou a economia dos EUA a ter uma recu-
China: PIB Real (YoY)
peração abaixo do esperado em 2010 e isto também
serviu para impactar o mercado acionário global, já 16
14
14
que aquele país sempre se mostrou como uma das lo- 12
12.6
11.5 11.2 11.3 11.9
10.7
comotivas que puxava a economia mundial. 10
10.1
9 9.1
10.3
9.6

7.9
8 6.8 6.5
Esta morosidade na recuperação da economia dos 6

EUA pode ser observada no gráfico abaixo, com o in- 4

dicador de atividade recuando após ter apresentado 2

0
recuperação na pós-crise econômica.
2007.III

2008.III

2009.III

2010.III
2007.II

2008.II

2009.II

2010.II
2007.I

2008.I

2009.I

2010.I
2007.IV

2008.IV

2009.IV

Indicador de Atividade do Chicago Fed Fonte:Bloomberg/SLW Corretora


3,0

2,0 Mas este crescimento vem acompanhado por uma


1,0 voracidade enorme por commodities, que impactou
0,0 os preços dos produtos e gerou uma pressão inflacio-
-1,0 nária, que tem sido combatida com medidas pontuais
-2,0 como aumento de juros e do depósito compulsório
-3,0
Recessão
dos bancos.
-4,0 média móvel 3
meses
-5,0
set/67

set/69

set/71

set/73

set/75

set/77

set/79

set/81

set/83

set/85

set/87

set/89

set/91

set/93

set/95

set/97

set/99

set/01

set/03

set/05

set/07

set/09

Fonte:Bloomberg/SLW Corretora

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Taxa de inflação na China Outra preocupação do governo da China esta rela-


cionado com a alta dos preços dos imóveis desde o
ano passado e temendo que ocorra uma bolha no fu-
turo, como ocorreu nos EUA e em outros países, lan-
çou medidas dificultando movimentos especulativos,
como aumento de imposto para venda de imóveis,
proibição de aquisição de uma segunda moradia e a
entrada de recursos de estrangeiros para o setor.
Como a China mantém grande voracidade por com-
modities, cada novo ajuste que o governo lança no
mercado, acaba influenciando pontualmente os pre-
ços das diferentes commodities.
Índice CRB Spot
500
Produtos:
- Metais: cobre, chumbo, aço, estanho e
480 zinco;
- Têxteis e fibras: tecido bruto, algodão, pano
de impressão, e lã;
460 - Pecuária e Produtos: Couro de porco,
banha de porco, bois e sebo;
Fonte:Bloomberg/SLW Corretora 440 - Gorduras e Óleos: manteiga, óleo de soja,
toucinho e sebo;
- Semimanufaturados: couros, sebo, cobre,
420 chumbo, aço, zinco, estanho, estopa, algodão,

A inflação da China rodou em 2010 numa faixa próxi- 400


pano de impressão, produtos de lã, resina e
borracha;
- Gêneros alimentícios: porcos, bois, banha,
ma a 6% a.a., muito acima da meta do governo de uma 380
manteiga, óleo de soja, cacau, milho, trigo e

taxa de 3%. Por este motivo, as medidas implementa- 360


das tem tido um impacto representativo na atividade
340
industrial e vendas no varejo daquele país, conforme
320
pode ser observado nos gráficos abaixo:
300
21
Produção Industrial YoY (%)
19 280
3-Apr-04

3-Apr-05

3-Apr-06

3-Apr-07

3-Apr-08

3-Apr-09

3-Apr-10
3-Jan-04

3-Jul-04
3-Oct-04
3-Jan-05

3-Jul-05
3-Oct-05
3-Jan-06

3-Jul-06
3-Oct-06
3-Jan-07

3-Jul-07
3-Oct-07
3-Jan-08

3-Jul-08
3-Oct-08
3-Jan-09

3-Jul-09
3-Oct-09
3-Jan-10

3-Jul-10
3-Oct-10
17

15

13
Fonte:Bloomberg/SLW Corretora
11

7
Em 2010, com a visão nítida de que a economia dos
5 EUA não estava se recuperando da forma desejada e
jan/06

jul/06

jan/07

jul/07

jan/08

jul/08

jan/09

jul/09

jan/10

jul/10

com o pessimismo em relação ao velho continente,


Fonte:Bloomberg/SLW Corretora
toda nova notícia que veio da China trouxe impacto
no mercado acionário global.
25

23 Brasil – Céu de brigadeiro, mas com risco inflacio-


21 nário.
19

17
Quando do surgimento da crise econômica global em
15 2008, o primeiro sintoma observado no Brasil foi à in-
13 terrupção da liquidez internacional, levando os ban-
11 Vendas no Varejo YoY (%)
cos locais a dificultar empréstimos com o temor de
9 calote. Empresas com perfil exportador se viram com
jan/06

jul/06

jan/07

jul/07

jan/08

jul/08

jan/09

jul/09

jan/10

jul/10

uma drástica redução de pedidos, levando a um pro-


Fonte:Bloomberg/SLW Corretora
cesso de demissão, que também estava sendo obser-

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

vado em outros países. O governo brasileiro, diante


desta contaminação pelo front externo, lançou medi-
Atividade industrial
das de estimulo na economia, como a redução do IPI
para aquisição de veículos novos e também produtos
132.00 10.0%
da linha branca. 130.00
Índice dessazonalizado
cresc acum 12 meses
Média de 2008 8.0%
128.00

O BNDES, Banco do Brasil e Caixa foram orientados a 126.00 6.0%

124.00
facilitar o crédito a pessoas físicas e jurídicas, já que os 122.00
4.0%

2.0%
bancos privados se mostravam mais seletivos em con- 120.00

2003 = 100
118.00
0.0%
ceder crédito ao mercado financeiro e isto também foi 116.00
-2.0%
114.00
importante para que as seqüelas da crise econômica 112.00 -4.0%

global não fossem tão profundas, como ocorrido nos 110.00


108.00
-6.0%

países ricos. 106.00 -8.0%


104.00
-10.0%
102.00
Com estas medidas lançadas, a recuperação nas ven- 100.00 -12.0%

das de veículos foi surpreendente, retomando o ânimo dez/06 abr/07 ago/07 dez/07 abr/08 ago/08 dez/08 abr/09 ago/09 dez/09 abr/10 ago/10

Fonte: IBGE/SLW Corretora


e as contratações de funcionários no setor automobi-
lístico e de linha branca, levando o Brasil a superar o
mal que se abatia sobre o mundo.
Neste cenário, a volta da confiança dos consumidores
O fato de o Brasil ser uma economia fechada e ser e empresários se mostrou forte, reforçando a visão de
principalmente um fornecedor de commodities tam- que a economia do país mostrou robusta recupera-
bém acabou anulando o impacto da crise econômica, ção em 2010.
mas é claro que os exportadores sentiram com rispi-
Confiança do consumidor
dez o efeito da crise econômica global. Com as medi-
160.0
das implementadas, o país seguiu em evolução, com ICC

claros sinais positivos na geração de emprego, renda 150.0 Situação Presente

e consumo. 140.0
Expectativas

Taxa de desemprego 130.0

dessazonalizado 120.0

9.0
110.0
Estimativa NAIRU MCM
8.5

100.0
8.0

90.0
7.5
abr-09 jun-09 ago-09 out-09 dez-09 fev-10 abr-10 jun-10 ago-10 out-10

7.0
Fonte: IBGE/SLW Corretora

6.5

6.0
Outro ponto a ser visualizado, com o ambiente de re-
fev/09

fev/10
nov/08

nov/09
abr/08
mar/08

mai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08

dez/08
jan/09

abr/09
mar/09

mai/09
jun/09

out/09
jul/09
ago/09
set/09

dez/09
jan/10

abr/10
mar/10

mai/10
jun/10
jul/10
ago/10
set/10
out/10

cuperação de emprego e renda no país foi a substan-


Fonte:MCM Consultores
cial redução da inadimplência, tanto de pessoa física
como jurídica.
No 3T10, os efeitos da crise já se mostravam menos
agressivos e os setores exportadores voltavam a con-
seguir vendas físicas mais representativas, corrobo-
rando para a recuperação da economia doméstica,
que por sinal seguiu forte ao final de 2010.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

9,0
Inadimplência Pessoa Física Este foi o único fator que destoou do cenário único da
Períodos de "Aperto" Monetário
PF (15-90d)
economia brasileira em 2010.Estes fatores justificam
8,5 PF (>90d)
o desempenho fraco do mercado acionário global e
8,0 não adiantou o Brasil caminhar num cenário de céu
7,5
de brigadeiro, se no contexto global ocorreram sérios
problemas no front externo, como os que influencia-
7,0
ram o mercado financeiro global em 2010. Pelo grá-
6,5 fico a seguir fica clara a relação de desempenho do
6,0
Ibovespa com eventos internacionais.Recomenda-
ções: Acreditamos que as empresas que terão mais
5,5
destaque no próximo ano são Marfrig e Brasil Foods.
5,0
É esperado que até a metade do ano o Cade dê uma
abr/01
jul/01
out/01

abr/02
jan/02

jul/02
out/02

abr/03
jan/03

jul/03
out/03

abr/04
jan/04

jul/04
out/04
jan/05
abr/05
jul/05
out/05

abr/06
jan/06

jul/06
out/06

abr/07
jan/07

jul/07
out/07

abr/08
jan/08

jul/08
out/08

abr/09
jan/09

jul/09
out/09

abr/10
jan/10

jul/10
out/10
posição quanto à fusão entre Sadia e Perdigão, o que
Inadimplência Pessoa Jurídica tende gerar sinergias a partir das divisões de negó-
3,0
Período de ""Aperto"" Monetário
4,5
cios que
PJ (15-90d)
2,8
PJ (>90d)
4,0

2,6

3,5
2,4

2,2
3,0

2,0

2,5
1,8

1,6
2,0

1,4

1,5
1,2

1,0 1,0
jul/01
out/01
jan/02
abr/02
jul/02
out/02
jan/03
abr/03
jul/03
out/03
jan/04
abr/04
jul/04

jan/05
out/04

abr/05
jul/05
out/05
jan/06
abr/06
jul/06
out/06
jan/07
abr/07
jul/07
out/07
jan/08
abr/08
jul/08
out/08
jan/09
abr/09
jul/09
out/09
jan/10
abr/10
jul/10
out/10

Fonte: Bacen

Em 2010, o Brasil literalmente mostrou uma evolução


muito representativa, mas teve sua economia influen-
ciada pela exportação de inflação da China, via alta de
preços de produtos e commodities.
5.25
5.20 Expectativa de inflação
5.15
5.10
5.05
5.00
4.95
4.90
4.85
4.80 Fonte: Pesquisa Focus-BC
4.75
30/7/2010
6/8/2010
13/8/2010
20/8/2010
27/8/2010
3/9/2010
10/9/2010
17/9/2010
24/9/2010
1/10/2010

15/10/2010
8/10/2010

22/10/2010
29/10/2010

12/11/2010
5/11/2010

19/11/2010
26/11/2010

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Ibovespa x Fatos relevantes (12/1992 a 12/2010)


Crise do sistema financeiro

Crise das Recessão


90.000 hipotecas Mundial

80.000
Temor de
70.000 inflação nos
Crise na
EUA
60.000 Crise da Europa
Crise da
Argentina
Rússia Risco
50.000

?
Crise do Lula
Crise da Brasil
40.000
Ásia
Crise do Quebra do
30.000 México Lehman
Expectativas de
20.000 melhora da
Dolár a conjuntura
10.000 R$ 4,00 econômica
0
2

2
3

94

96

97

99

01

03

05

07

08

09

10
99

99

00
99

99

00

00

00
19

19

19

19

20

20

20

20

20

20

20
/1

2
/1

2
2/

2/
2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/

2/
12

12

/1

/1

/1
/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1

/1
/

/
30

30

30

30

30

30

30

30

30
30

30

30

30

30

30

30

30

30

30
Itamar Fernando Henrique Cardoso Luis Inácio Lula da Silva Dilma
Franco

Cenário 2011 A China continuará como a principal locomotiva do


mundo e deve mostrar crescimento na faixa de 9% de
Agora fica a expectativa de qual será o desempenho
seu PIB em 2011. A grande preocupação é o recrudes-
para nossa bolsa de valores para 2011. Para isto, preci-
cimento da taxa inflacionária, que levou o governo a
samos apontar qual o cenário econômico global que
adotar uma estratégia de gradual aperto monetário,
estamos visualizando para o ano. Vamos iniciar falan-
seja na implementação de aumento da taxa de juros,
do dos EUA, que aparentemente encontrou seu cami-
como na elevação das taxas de recolhimento compul-
nho de volta, após uma série de medidas de estímulo
sório. Em 2010, foram implementados seis aumentos
que foram lançadas pelo presidente Obama.
de 0,5% e o modelo para este ano não deve ser muito
As pedras no sapato da economia dos EUA ficaram diferente.
com a demora na melhora do preço de imóveis e da
No caso do Brasil, a partir deste ano se inicia o man-
elevada taxa de desemprego no país, próxima a 10%.
dato da presidente Dilma Rousseff, que terá uma si-
Porém, alguns sinais de recuperação no mercado imo-
tuação mais confortável em termos econômicos para
biliário já foram observados no final do ano passado e
administrar, pois o país se mostra sem dívida externa
isto ficou associado à melhora de renda das famílias.
expressiva, possuí forte saldo em caixa e segue em
A taxa de desemprego tende a mostrar redução, mas
um robusto ciclo de crescimento econômico interno.
ainda deverá encerrar o ano de 2011 acima do nível
de 8%. Mas terá que realizar esforços para conter os gastos
públicos, controlar a inflação, que começa a se afastar
O pacote de recompra de títulos continua até o final
da meta e promover condições para o crescimento
do 1S11 e injetará recursos da ordem de US$ 75 bi-
sustentado do país, já sendo cogitada a privatização
lhões por mês no mercado financeiro global. Por con-
de aeroportos para atender a forte demanda espe-
ta desta medida, a depreciação do dólar em relação a
rada, quando da época dos grandes eventos, como
diferentes moedas ainda irá persistir neste ano.
Copa do mundo, Olimpíadas, etc.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

O único risco para o cenário econômico em 2011 con- Mas mesmo assim, ficará a dúvida se os bancos, que
tinuará com a Europa, já que a tensão nos mercados em grande quantidade foram estatizados com a crise
de títulos deve ser mantida. A visão é que o montante econômica global em 2008, eventualmente necessi-
de recursos do EFSF - European Financial Stability Fa- tem ser capitalizados, o que traz o risco dos recursos
cility seja suficiente para uma eventual ajuda ou res- do EFSF não ser suficiente e um novo aporte ter que
gate de Portugal e Espanha, no que diz respeito a suas ser realizado neste fundo.
dívidas soberanas.

Cronograma de vencimentos de dívidas soberanas – Portugal e Espanha

€ mihões Portugal Espanha


jan/11 3.395 11.507 30000
fev/11 3.522 8.722 25000
mar/11 3.801 11.781 20000
abr/11 4.832 7.498 15000
mai/11 0 24.198
10000
jun/11 4.959 5.738
jul/11 1.789 6.047 5000
ago/11 1.436 22.625 0
set/11 1.412 5.487
1

1
1

1
1

11

1
11

1
1

11
1

/1
/1

/1

1
1

/1

1
r/

t/
v/

out/11 1.367 22.616


o/
l/

z/
n/

t/
ai
ar

ov
n

ju

se
ab

ou

de
fe

ag
ja

ju
m
m

n
nov/11 1.416 4.874
dez/11 0 7.549 Portugal Espanha
Total 27.929 138.642

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Diante deste cenário, o que os investidores devem ter em suas carteiras de ações para
2011? Nossa visão é montar uma carteira com maior participação de ações relacionadas a
consumo local e algumas ações de empresas relacionadas a commodities, mas somente de
empresas que sofram menos com o cenário econômico externo. Nesta linha sugerimos:

Carteira recomendada 2011

Sugestões

Lojas Renner ON (LREN3) – A Lojas Renner vêm se beneficiando do cenário econômico positivo
e acreditamos ser a opção mais atrativa do setor de vestuários, por apresentar os múltiplos mais
baratos. No último ano, a Cia apresentou um bom crescimento de vendas e importante aumento
de margens. Acreditamos que o desempenho deste ano será positivo e suas ações devem seguir
em tendência de alta.

Brasil Foods ON (BRFS3) – A Brasil Foods deve ter um ano positivo, com crescimento de receita,
principalmente ancorado pelo aumento de preços, o que deve proporcionar ganhos de margem.
No mercado interno, a Cia deve se beneficiar do cenário econômico, que estará impulsionado
pelo crescimento da renda e a queda na taxa de desemprego. Dessa forma, mesmo com o au-
mento nos custos das commodities, a Cia acredita que conseguirá repassar os preços.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Natura ON (NATU3) – Recomendamos o posicionamento nas ações da Natura, visto que a Cia se
favorece do bom crescimento no mercado interno. Esperamos que a Cia mantenha o bom nível
de desempenho para 2011, que deve ser sustentado por sua sólida posição financeira. No último
ano, a Cia ganhou participação de mercado e fez importantes lançamentos de produtos, que
impulsionaram o resultado.

Light ON (LIGT3) - A Light continua apresentando uma boa performance operacional e finan-
ceira com perspectivas de significativa melhora no curto prazo. Além disso, ainda possui baixos
múltiplos em relação à concorrência. Enquanto a maioria das ações do setor apresentou expres-
siva valorização no ano de 2010 até a Light subiu pouco. Acreditamos que esse movimento de
alta seja mantido para os papéis da empresa por conta de: (i) manutenção da boa estratégia de
crescimento, que gera um aumento de confiança no investidor e (ii) o reflexo positivo, pelo fato
de que a diminuição da marginalidade nas favelas do Rio de Janeiro permitirá uma intensificação
no processo de conscientização dos moradores, no tocante ao uso de energia. Isso poderá per-
mitir uma aceleração na redução das perdas comerciais da empresa que são muito expressivas.
Vale destacar eu a Light também é uma boa pagadora de dividendos.

Telemar PN (TNLP4) - A expectativa para 2011 e positiva considerando que o impasse na ultima
Assembléia realizada em dezembro/10 seja resolvido na próxima AGE que será realizada em me-
ados de janeiro de 2011. Alem disso, o preço das ações também poderá refletir as expectativas
de um bom resultado também no 4T10 superior ao mesmo período de 2009 com a distribuição
de um bom dividendo. Os fundamentos são muito bons levando em conta a boa performance do
setor, principalmente no segmento da telefonia móvel e transmissão de dados. Com isso nossas
premissas continuam favoráveis para o grupo OI, acreditando que as ações da TNLP4 possa ser o
destaque no setor na bovespa neste ano. Essas ações refletem o resultado consolidado do Grupo
e também é o canal de distribuição dos dividendos.

Gol PN (GOLL4) - A expectativa é de uma boa performance operacional em 2011 com previsão
de melhora de crescimento na venda de passagens por conta da melhora da economia local e
também pela queda do dólar. Outro ponto que será benéfico ao setor serão os trabalhos para
ampliar a infra-estrutura aeroviária no país, inclusive com grande probabilidade de privatização
de aeroportos.

CCR ON (CCRO3) - A empresa tem mostrado crescimento de geração de caixa. Além disso, conta
com um projeto em fase pré-operacional (ViaQuatro) e outros dois ainda em andamento (Rodoa-
nel e Controlar). A CCR também deve continuar apresentando melhoria da rentabilidade no 4T10
e ao longo de 2011, através da manutenção do crescimento da geração de caixa e outros negó-
cios. E importante destacar ainda que a empresa e boa pagadora de dividendos.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

Bradesco PN (BBDC4) - O cenário de crescimento da economia brasileira neste ano e nos próxi-
mos cinco anos denota um grande crescimento na demanda por crédito, tanto de pessoas físicas
como jurídicas. Mas não será apenas nestes segmentos que deverá ocorrer grande demanda, já
que as linhas de financiamento imobiliário não para de crescer. Em nossa visão, o Bradesco é uma
das instituições que deverá capturar este movimento, com forte relação em sua lucratividade.

Pão de Açúcar PNA (PCAR5) – Consideramos o Grupo Pão de Açúcar uma boa opção para o ano,
visto que a Cia vem executando muito bem sua estratégia e colhendo melhores resultados. Com
a Casas Bahia, a Cia deve aproveitar o momento positivo do mercado para a venda de eletrodo-
mésticos e móveis, através do forte crescimento das vendas no setor de construção civil. Outro
ponto importante a mencionar é a operação de comércio eletrônico, que vem crescendo a taxas
superiores às médias de mercado, o que indica ganho de market share.

Vale PNA (VALE5) - O cenário de atuação para a Vale se mostra muito positivo para 2011, con-
siderando que o preço do minério de ferro passa a refletir o preço do mercado á vista, a cada
trimestre, o que levou o preço praticado atualmente para a faixa de US$ 180/t e no atual trimestre
a tendência é que as minerdoras aumentem o preço próximo a 9%. Este fator será benéfico para
a Vale continuar registrando resultados expressivos e sinaliza que a geração de caixa será muito
forte nos próximos trimestres.

Petrobras PN (PETR4) – O cenário atual aponta que os problemas climáticos que estão ocor-
rendo no exterior deve levar o preço do petróleo a se manter em alta nestes primeiros meses
de 2011, o que será benéfico para a empresa. Ainda vale lembrar que suas ações registram forte
queda no ano passado, impactada pela operação de capitalização que foi feita. Este fator torna
a ação atrativa para os investidores, quando comparado os seus múltiplos com as congêneres no
exterior.

Fibria ON (FIBR3) - A empresa têm tido sucesso em reduzir as elevadas dívidas que foram ori-
ginadas com as perdas com derivativos exóticos que surgiram com a antiga Aracruz. Como o
cenário para celulose continua apontando para preços elevados e demanda forte e que os preços
de suas ações registraram forte queda no ano passado, identificamos grande potencial de valori-
zação para suas ações na Bovespa.

Gerdau PN (GGBR4) - Apesar da piora do cenário de siderurgia no Brasil, entendemos que o forte
fluxo de investimentos que irá ocorrer nos próximos cinco anos, incluído PAC, Minha Casa Minha
Vida, Olimpíadas, Copa do Mundo tendem a fortalecer o desempenho da empresa e de suas
ações. Outro ponto que irá favorecer a empresa virá da melhora da economia dos EUA.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.
CARTEIRA

SUGERIDA Cenário 2011

SLW CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA


Rua Dr. Renato Paes de Barros, 717 10º Andar
Itaim Bibi São Paulo – SP CEP 04530-001
Tel.: (0xx11) 3048-9900 Fax: (0xx11) 3048-9888

Departamento de Análise de Investimentos

Pedro Roberto Galdi - CNPI (0XX11) 3048-9904 pedro.galdi@slw.com.br


Estrategista Chefe – Siderurgia, Mineração, Papel e Celulose, Implementos Automotivos e Bancos
Rosângela Alves Nogueira Ribeiro - CNPI (0XX11) 3048-9896 rosangela.ribeiro@slw.com.br
Energia Elétrica, Aviação/Transporte Aéreo,Concessões/Logística e Telecom
Cauê de Campos Pinheiro - CNPI (0XX11) 3048- 9784 caue@slw.com.br
Alimentos, Bebidas, Cosméticos, Fumo, Têxtil, Varejo e outros
Erick Scott Hood - CNPI (0XX11) 3048-9754 erick@slw.com.br
Açúcar/Álcool, Fertilizantes, Incorporadoras, Petroquímico, Petróleo/Gás e Saneamento

Comercial
Diretoria Comercial
Robson Domingues de Queiroz (0XX11) 3048-9928 robson@slw.com.br
Departamento Comercial
Comercial Institucional/Internacional (0xx11) 3048-9959 patrick.bared@slw.com.br
Comercial Pessoa Física (0XX11) 3048-9999 daniel.yago@slw.com.br

Este material foi elaborado em nome da SLW CVC Ltda., para uso exclusivo no mercado brasileiro, sendo destinado a pessoas físicas e jurídicas residentes
no país, e está sujeito às regras e supervisão da Comissão de Valores Mobiliários e Banco Central do Brasil. Em conformidade aos aspectos regulatórios
contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de 2010, declaramos que:
a) As recomendações são dadas de acordo com as informações tornadas públicas pelas Cias que afetem as perspectivas de desempenho de suas ações
no mercado. Os preços alvos indicados não foram, em parte, obtidos por projeção de resultados confeccionados pela equipe de análise da SLW e por
consenso de mercado, nos casos em que ainda não há cobertura feita pela casa.
b) O Analista responsável pela elaboração deste relatório declara que sua remuneração esta atrelada ao desempenho da SLW CVC Ltda. em suas operações
financeiras e desempenho em geral, não estando vinculada a desempenho de valores mobiliários aqui recomendados.
c) O presente relatório foi produzido de forma independente e autônoma, inclusive em relação à SLW CVC Ltda, instituição de vínculo com o Analista, e
reflete única e exclusivamente as opiniões pessoais do Analista.
d) Não autorizamos publicações ou cópias do todo ou parte do conteúdo deste relatório sem a identificação do analista responsável. A publicação ou cópia
contrária à disposição aqui prevista estará sujeita a responsabilidade cível, as eventuais multas aplicáveis, bem como às penas cabíveis de reparação
de danos atinentes a espécie.

O relatório está em conformidade com os aspectos regulatórios contidos na Instrução da CVM n° 483, de 6 de julho de2010. Vide disclosure da última página.

Похожие интересы