Вы находитесь на странице: 1из 2

:> Manuel Teixeira e Gonçalo Lobo Xavier conhecem a indústria portuguesa por dentro e estão de acordo quanto ao camínho

ao camínho a seguir: criar valor

o País devia era estar a pensar em cenários pós-crise


Indústria + A Europa quer conservar a indústria que lhe resta, evitando ficar à mercê do estado de espírito da China
ISABELCRISTINACOSTA almoço, que juntou o pre- Xavier, que preferiram fa- "Compreende-se alguma E Manuel Teixeira ace- que permitiu atenuar o sal-
isabel.costalagrandeportoonline.com
sidente executivo da Asso- lar nos cenários pós-crise. obsessão pelo défice, agora nou com um ponto a favor do negativo da balança co-
ANTÓNIO RILO (FOTOS) ciá! Nacional de Jovens Em- "Não quero falar de cri- temos é que pensar em ce- de Portugal. O,aumento mercial portuguesa. "É um
antoniosilolilgrandeportoonline.com
presários (ANJE) , Manuel se", começou por-dizer nários pós-crise. Os diag- de 15por cento das expor- sinal de esperança, o cami-
Teixeira, e o director exe- c;rl>nçalo Lobo Xavier, que nósticos já estão feitos, ago- tações no terceito trimes- nho é por aqui e não como
A sombra do Fundo cutivo da Rede de Centros entende que o País devia ra é concentrarmo-nos no tre deste ano (Iulho, Agos- ainda oiço algumas vozes
Monetário Internacional Tecnológicos de Portugal estar preocupado, tam- essencial, que é a criação to e Setembro) face a igual a dizer que é preciso rea-
(FMI) ficou à porta deste (RECET), Gonçalo Lobo bém, com o rumo a seguir. de valor", atirou. período do ano passado, O nimar o consumo interno,
GRANDE
IzNovembro~olO
PORTO ,
D'llerenças
c a' Mesa

isso nem pensar, é insus-


tentável", afiançou o presi-
dente executivo da AN]E.
Política Agora a Europa
Quisemos saber como é
que no actual contexto as
empresas conseguem ino-
já precisa da indústria
var. Gonçalo Lobo Xavier Na Europa há um novo brou que a ideia vigente a todos os níveis. Manuel
apontou de imediato os sIogan: ''A Europa precisa era a de que os fundos co- Teixeira diz que esta tem
novos modelos de inova- da indústria e a indústria munitários eram ilimita- sido a estratégia de muitas
ção aberta, que favorecem precisa da Europa". Para dos e tivemos anos segui- empresas que procuram
a partilha de trabalho nas Gonçalo Lobo Xavier "isto' dos de políticas g()verna- afirmar-sefora deportas.
chamadas redes de conhe- é Iindíssímo", sobretudoe.. mentais orientad~p.,,!aa E com um constante
cimento. quando "nos últimos dez" dinamízaçãó do consumo "update" tecnológíco.have-
anos matámos as empre- interno, o que não ficou, rá sempre"oportunidades
VALES DE IDT sas que agora nos fazem bein na fotografia da, eco- à nossa dimensão, ou seja,
E DE INOVAÇÃO falta nas exportações e 110 nomia portuguesa. enveredando por nichos de
O director executivo da emprego", acrescentou E Gonçalo LoboXavier mercado", frisou o director
RECET trouxe pata cima Manuel Teixeira atira mais uma acha para a executivo da Rede de Cen-
da mesa os Vales de IDT Sendo a competitivida- fogueira "Há uma desade- tros Tecnológicos de Por-
e de Inovação, ou seja, ins- de pelo preço uma realida- quação gritante ao nível da tugal (RECET). Gonçalo
trumentos pará aquisição de" a indústria portuguesa oferta de ensino e as reais Lobo Xavieracredita.que
de serviços de investigação deve bater-se pela criação necessidades do País", su- os tempos difíceis contínu-
ou consultoria. O Minísté- de valor. O porta-voz dos blinhou. arão, "mas sáberemos estar
GONÇALO LOBO
rio da Economia cenrrncou jovens empresárioslem- Agora, há que inovar e à altura".
XAVIER
120 entidades, "mas só cer- Em Portugal só
ca de 60 é que foram pro- se vai falar de in-
curadas pelas empresas". ternaclcnalíza-
Gonç'alo Lobo Xavier çào enaEuropa
-'deindústria
l~,'",::r~t~~ excessiv~ carga
~ratlca destes ínstru-
MANUEL TEIXE1RA
mentes e a falta de conti-
O aumento das
núidade dos mesmos. Por-,
exportações é
que "continua a haver da umsinaldees-
parte de quem define os perança, o carni-
apoios e os incentivos pú- nho é por aqui
blicos' um relativo desco-
- nhecimento da realidade GONÇALO LOBO
",,' émpresaríal.equando digo XAVIER
Osdiaqnósticos
':"rélàti~Ó desconhecimento
já estão feitos.
;éstou a ser muito educado",
agC?ra é concen-
acabou por íronizar, trarmo-nos no
Maslembra que "há ópti- essencial.que é
mos exemplos de universi- a criação de valor
dades que têm já unidades
orgânicas vocacionadas MANUEL TEIXEIRA
para trabalharpara o clien- Nos últimos dez :l Um almoço dedicado não só aos problemas, mas também às soluções para o País
anos matámos
te e a empresa, mas conti-
as empresas que
nuam a ser exemplos pon-
agora nos fazem
tuais porque o empresário
tem uma forma de falar e
de identificar os seus pro-
falta nas expor-
tações e no em-
prego
Incentivos Um QREN
blemas que ínuitas vezes
não se compadece com a
forma de trábalhar de uma
desajustado da realidade
universidade, que tem que Sem ''Diferenças àMesa, QREN nos projectos de jo- do 'que nunca, o QREN
compreender a linguagem Manuel Teixeirae Gonçalo vens empresários. tem um problema de ajus-
do empresário". 'Lobo Xavier também con- ''A avaliação do QREN tamento à realidade".
E Manuel Teixeiraacres- cordam quanto ao facto de não é negativa", respon- Segundo o presidente
centou: "O caminho é ter o Quadro de ReferênciaEs- deu Gonçalo Lobo Xavier, exeCutivo da AN]E, apoia-
mais inovação, mais mar- tratégioo Nacional (QREN) identificando os grandes do pelo director executi-
ca, mais qualidade, mas fa- estar desajustado da rea- males: "Continua a haver voda RECET, o que falta é
zer isto de uma forma sus- lidade. "O senhor minis- muita burocracia, falta agi- orientar as políticas públi-
tentada. O que aconteceu tro da Economia disse há lizar processos. Agora es- cas para o que é realmente
nos últimos dez anos é que dias que só gastámos cin- tamos numa fase em que prioritário. "Primeira coi-
demos um salto demasia- co mil milhões do QREN, tudo o que se possa fazer é sa, exportações e segunda,
do grande para aquilo que que ainda tem um bolo de bom, mas é um pouco tar- inovação. É uma questão
era a capacidade das nos- cerca de 20 mil milhões de. Temo pela execução do de sobrevivência", disse. E
sas empresas e matámos de euros", disse Manuel QREN". Gonçalo Lobo Xavier che-
as indústrias, falo também Teixeira, adiantando que Manuel Teixeira inter- gou à conclusão de que "f0-
das tradicionais, que agora a ANJE tem vindo a re- rompeu dizendo que "fal- mos maus alunos na utili-
nos fazem falta nas expor- clamar sem sucesso uma ta visão e clareza nas polí- zação de fundos comunitá-
tações e no emprego". maior comparticipação do ticas públicas e hoje, mais rios ao longo dos anos".

www~grandeportponline.com