Вы находитесь на странице: 1из 6

Wattímetro analógico: Construção e análise

Wattmeter: construction and analysis


Alexandre Maximiliano Viana da Silva1, Bruno Alberto Alves Santos2, Edvaldo Jaime Ferreira Silva3,
Eliseu Otho Ribeiro4, Hamilton Almeida Braga5, Lucas Mello Gonçalves6, Robson Guimarães Braga Silva7
1
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil - maximilianoamvs@uni9.edu.br
2
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil – bruno.alberto.a.s@gmail.com
3
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil - sjaime25@hotmail.com
4
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil - eliseu.otho@uni9.edu.br
5
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil - hamiltonabraga@gmail.com
6
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil -lucasmello@uni9.edu.br
7
Universidade Nove de Julho, São Paulo – SP, Brasil – robsonguarulos@sp.senac.br

RESUMO
Este trabalho tem como objetivo agregar conhecimentos adquiridos na área da engenharia elétrica, mais
especificamente nos temas que envolvem conversão eletromecânica de energia, eletromagnetismo,
instrumentação e medidas elétricas e análise de circuitos, propondo uma solução para um wattímetro
analógico que seja capaz de medir até cem watts de potência ativa e, assim demostrar matematicamente a
interação de campos eletromagnéticos, transformando energia elétrica em mecânica com a deflexão de um
ponteiro.

PALAVRAS-CHAVE: Galvanômetro, Instrumento eletrodinâmico, Medidas elétricas, Potência ativa,


Wattímetro.

ABSTRACT
This work aims to aggregate knowledge acquired in the area of electrical engineering, more specifically in
subjects involving electromechanical energy conversion, electromagnetism, instrumentation and electrical
measurements and circuit analysis, proposing a solution for an analog wattmeter that is capable of
measuring up to one hundred watts of active power and, thus, mathematically demonstrate the interaction
of electromagnetic fields, transforming electrical energy into mechanics with the deflection of a pointer.

KEY WORDS: Galvanometer, Electrodynamic instrument, Electrical measurements, Active power,


Wattmeter.
INTRODUÇÃO Uma lâmpada comum, do tipo incandescente por
exemplo, converte em luz apenas 25% da energia
Os wattímetros analógicos são equipamentos que consumida em média.
pertencem à uma classe de instrumentos denominados O wattímetro propriamente dito tem um princípio de
instrumentos eletrodinâmicos [1] e tem a finalidade de funcionamento que baseia-se no galvanômetro de bobina
medir potência ativa fornecida para uma determinada móvel, no qual o imã permanente do galvanômetro
carga sendo extremamente relevantes para aplicação em convencional é substituído pela bobina fixa. Esta bobina é
sistemas de potência envolvendo as mais diversas áreas disposta no interior do galvanômetro de modo a
como medição, instrumentação, segurança, entre outras. proporcionar um campo magnético satisfatoriamente
Este é um estudo interessante pois faz parte da rotina uniforme. A figura 1 ilustra um instrumento eletrodinâmico
diária de milhares de trabalhadores, utilizar este desse tipo.[1]
equipamento muitas vezes sem saber de sua construção e
características mais técnicas.
Existem diversos outros estudos e documentos que
abordam o estudo do tema e propõem a prototipagem de
wattímetros através da combinação de elementos
discretos ou caseiros, como é o caso do artigo escrito pelo
Prof. Newton Braga em seu website.
Deste modo, o objetivo deste trabalho é propor uma
solução para um wattímetro e, para isso, será estudado
suas características elétricas por meio de deduções
matemáticas seguido por uma ou mais sugestões de
prototipagem de um wattímetro simples.
Instrumentos deste tipo possuem dois circuitos
independentes que permitem que os mesmos sejam
utilizados como medidores de corrente, diferença de
potencial, potência ativa ou potência reativa uma vez que
Figura 1 - Esquema construtivo de um instrumento
o torque gerado nesses equipamentos surge da interação
eletrodinâmico
de forças magnéticas geradas por correntes elétricas que
circulam em duas bobinas distintas, sendo uma fixa e outra
Na figura 2 é possível visualisar o emprego prático de
móvel. [1]
um wattímetro.
A potência de um equipamento qualquer não indica
apenas a quantidade de trabalho que o mesmo pode
realizar, a intensidade luminosa ou o calor gerado.[3]
Como na natureza nada pode ser espontaneamente
criado e nada se perde, o que um equipamento fornece em
termos de trabalho somado às perdas geradas no processo
de transformação da energia, consome em forma de
potência elétrica.[3]
Numericamente, a potência demandada por um
equipamento corresponde à quantidade de energia
recebida pela rede de alimentação em cada segundo. A
energia é medida em Joules (J) e o tempo em segundos (s)
no sistema internacional de unidades. Deste modo, a Figura 2 - Emprego do wattímetro
potência é medida em Joules por segundo, sendo essa uma
unidade que é denominada watt (W).[3] Na Figura 1 a bobina fixa C é dividida em duas partes,
sendo que o campo magnético que envolve a bobina móvel
P é praticamente uniforme. A interação do campo,
produzido na bobina fixa C pela corrente ic, com a corrente torque restaurador TR produzido pela mola. Então tem-
ip que circula na bobina móvel P, resulta em um torque (de se[1]:
modo semelhante ao observado no galvanômetro de
d’Arsonval). O ponteiro então sofre um deslocamento
angular até uma posição tal que o torque resultante seja
anulado pelo torque produzido pela mola. A escala pode
ser calibrada em volts (V), ampéres (A), watts (W) ou volt-
ampére reativo (Var) dependendo da maneira como as
bobinas são conectadas.[1] Equação 4

Expressão do Torque para Instrumentos O instrumento pode ser construído de modo tal que o
Eletrodinâmicos termo δM/δθ seja constante[1].
Deste modo a posição angular do ponteiro torna-se[1]:
A energia armazenada no campo magnético do sistema
mostrado na Figura 1 é expressa por:

Equação 5
Equação 1
A expressão da equação 5 mostra a posição angular
Na equação 1 Lc e Lp são respectivamente, as instantânea do ponteiro. Em regime permanente, o
indutâncias próprias das bobinas C e P ponteiro do galvanômetro de bobina móvel
e M é a indutância mútua devido ao acoplamento (sendo o sistema eletrodinâmico de funcionamento
magnético entre estas bobinas. As correntes ic e ip são, equivalente) alcança uma posição fixa que
respectivamente, as correntes nas bobinas C e P. O torque corresponde ao valor médio de Ɵ. Deste modo, a posição
instantâneo, ao qual é submetida a bobina P, é dado final Ɵav do ponteiro de um instrumento
por[1]: eletrodinâmico será dada por[1]:

Equação 2 Equação 6
Sendo:
Ɵav: Posição angular média do ponteiro;
Na equação 2 Ɵ é a posição angular do ponteiro que
T: Período do movimento angular do ponteiro.
está acoplado à bobina P. Portanto, a partir da equação 1,
o torque instantâneo em função de Ɵ será escrito como
Substituindo a equação 5 na equação 6 tem-se:
sendo[1]:

Equação 3 Equação 7

Observa-se que a derivada dos dois primeiros termos METODOLOGIA


de da equação 1 é nula devido a indutância
mútua ser uma função de Ɵ mas as correntes ic e ip e as Para a elaboração deste artigo foi utilizada uma
indutâncias próprias Lc e Lp não. Isto porque a indutância metodologia de pesquisa bibliográficas através da coleta
mútua depende da permeância magnética do meio de de dados em livros sobre instrumentação e medidas
acoplamento magnético das bobinas (neste caso o ar) e elétricas, em artigos nas bases de dados do Google Scholar,
esta permeância varia em função do descolamento do em websites relacionados ao assunto como Colégio
ponteiro de um ângulo Ɵ (rotação da bobina P). Sabe-se Newton Braga e Departamento de Engenharia Elétrica da
que o ponteiro será deslocado até uma posição angular tal Universidade do Estato de São Paulo – UNESP.
que o torque produzido pelas correntes ic e ip seja igual ao
Buscou-se também aspectos conceituais que Usa-se como indicador deste circuito um
caracterizam a construção de wattímetros, bem como sua microamperímetro com aproximadamente 200 uA de
característica de funcionamento. Inicialmente estudou-se fundo de escala embora microamperímetros de 50 uA a
horizontalmente a literatura e documentos públicos para 400 uA posam ser empregados, bastando ajustar o
que se pudesse compreender o assunto. potenciômetro para que se tenha a deflexão de acordo
Foi realizada experimentação simulada por meio de com a faixa de potência que está sendo medida.
softwares computacionais que pudessem propor um A limitação principal quanto à potência a ser medida
funcionamento similar à realidade, para que fosse está na capacidade de corrente do fio do enrolamento de
comprovada a teoria, além de experimentações baixa tensão do transformador usado.
matemáticas que pudessem oferecer elementos que Para um enrolamento de 3A, a potência máxima
demonstrassem o efeito da medição de potência ativa. indicada será de 600 watts na rede de 110V, e este é o valor
O aparelho que será desenvolvido serve para medir a que é indicado na lista de material. No entanto, pode-se
potência da maioria dos eletrodomésticos comuns e até utilizar até mesmo um transformador menor, com 2A,
ser intercalado numa tomada de prova numa bancada do bastando para isso, não deixar o aparelho ligado por muito
reparador, conforme mostra o exemplo da figura 2. tempo de modo a não haver aquecimento.
A finalidade do capacitor C1 no circuito é evitar as
RESULTADOS E DISCUSSÕES vibrações da agulha na indicação, pois o instrumento
estaria trabalhando com uma corrente contínua pulsante,
Foi proposto como solução para um wattímetro sem isso.
empregar um transformador com a conexão invertida para O transformador empregado tem enrolamento
o acionamento do circuito. primário de 127V (independente da tensão da rede em que
O que se faz é ligar em série com o equipamento, do o aparelho vai operar) e secundário de 5 ou 6V com
qual deseja-se medir a potência, o enrolamento de baixa corrente de 2,5 ou 3A para a faixa original de potências.
tensão de um transformador, conforme mostra a figura Os resistores são capazes de dissipar 1/8 W com 5% ou
3[2]. mais de tolerância e o medidor é um microamperímetro de
50 uA a 300 uA, podendo ser empregado um instrumento
do tipo VU-meter, como os encontrados nos aparelhos de
som.
Uma nova escala deve ser feita para o instrumento,
conforme a escala de potências. A solução proposta deverá
ser calibrada com uso de lâmpadas de 100 W e 50 W, por
exemplo.
O capacitor C1 deve ter uma tensão de trabalho de pelo
Figura 3 - Solução proposta menos 25V e o fusível de proteção pode ser de 5 ou 10A. O
fusível deverá ser instalado em suporte apropriado.
A baixa resistência apresentada por este enrolamento Um exemplo de placa de circuito impresso é o da figura
praticamente não afeta a tensão aplicada ao 4.
eletrodoméstico em prova que poderá funcionar de
maneira perfeitamente normal.
No entanto, aparece em consequência da corrente de
primário, uma tensão no secundário de alta tensão (V1)
que pode ser usada para acionar o sistema de medição[2].
Como esta tensão é alta, a colocação de um diodo
comum de silício, não afeta a linearidade da indicação, pois
o circuito não operará na região não linear da curva de
corrente do diodo.
O que se faz necessário neste caso é somente oferecer
uma carga razoável para a corrente retificada por este
diodo, no sentido de que ela não ultrapasse os limites
admitidos pelo instrumento. Isso pode ser feito por meio
de um resistor de carga, neste caso R2.
Figura 4 - Exemplo de placa de circuito impresso

X1 é uma tomada de embutir que será montada na


própria caixa em que ficará o aparelho. Uma caixa plástica
ou de madeira serve perfeitamente para alojar o aparelho
que terá então a aparência da figura 5. Figura 6 – Simulação com carga de 100W

Figura 5 - Aparência do equipamento pronto

Foram feitas simulações em software computacional


para comprovar a eficácia do equipamento, conforme as
figuras 6 e 7.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] LEÃO, Fábio Bertequini; KUROKAWA, Sérgio. Notas de


aula. In: NOTAS de aula. [S. l.: s. n.], 2018?. cap. Capítulo 7
- Wattímetros. Disponível em:
https://www.feis.unesp.br/Home/departamentos/engenh
ariaeletrica/capitulo-7_medidas-eletricas_fabiobleao.pdf.
Acesso em: 14 maio 2020.

[2] BRAGA, Newton. Wattímetro para eletrodomésticos


(INS022). In: BRAGA, Newton. Instituto NCB. [S. l.], 2018?.
Disponível em:
https://www.newtoncbraga.com.br/index.php/usando-
os-instrumentos/997-wattimetro-para-eletrodomesticos-
ins002. Acesso em: 14 maio 2020.

[3] BRAGA, Newton. Medida da potência de um circuito CA


(Wattímetro) (INS122). In: BRAGA, Newton. Instituto NCB.
[S. l.], 2018?. Disponível em:
https://www.newtoncbraga.com.br/index.php/usando-
os-instrumentos/2646-ins122. Acesso em: 14 maio 2020.

[4] BALBINOT, Alexandre; BRUSAMARELLO, Valner


João. Instrumentação e fundamentos de medidas. 2 ed.
ed. Brasil: LTC, 2011. 398 p. v. 1.

Figura 7 – Simulação com carga de 24W

CONCLUSÃO

Neste artigo foi apresentado o projeto de um


wattimetro caseiro para eletrodomésticos, utilizando um
galvanômetro com um circuito de retificação. Verificou-se
que o equipamento possui eficácia para medir a potência
consumida por equipamentos da ordem de até 100W. O
equipamento pode ser desenvolvido facilmente por
possuir peças de fácil acesso e de baixo custo.
Foram feitos ensaios de simulação, os quais apresentaram
um erro máximo de 1,9% na medição da potência de uma
carga resistiva. Foi verificado que o aparelho desenvolvido
apresenta resultados próximos aos obtidos por meio de
dispositivos a venda no mercado, sendo assim confiável
para medições caseiras.

Por ser um aparelho de baixo custo e para


desenvolvimento de aprendizado, pode ser facilmente
utilizado em laboratórios para realizar experimentos de
medição de potência elétrica para dispositivos de até
100W.