Вы находитесь на странице: 1из 33

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Legislação Complementar
E ORÇAMENTÁRIA
ÍNDICE
1. Decreto nº 65.810, de 8 de Dezembro de 1969������������������������������������������������������������������������ 12
Parte I��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������13
Parte II������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������14
Terceira Parte�������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������17
2. Decreto nº 4.377, de 13 de Setembro de 2002������������������������������������������������������������������������� 18
3. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher����� 19
Parte I��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������19
Parte II������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������20
Parte III�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������21
Parte IV�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������22
Parte V������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������23
Parte VI�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������24
4. Lei nº 9.455, de 7 de Abril de 1997������������������������������������������������������������������������������������������ 25
5. Lei nº 10.549, de 28 de Dezembro de 2006������������������������������������������������������������������������������ 25
6. Lei nº 12.212, de 04 de Maio de 2011�������������������������������������������������������������������������������������� 28
7. Lei nº 10.678, de 23 de Maio de 2003�������������������������������������������������������������������������������������� 42

11
e discriminação a ele associados, em qualquer forma
1. Decreto nº 65.810, de 8 e onde quer que existam, e que a Declaração sobre a
de Dezembro de 1969 Concessão de Independência, a Partes e Povos Colo-
niais, de 14 de dezembro de 1960 (Resolução 1.514
(XV), da Assembleia Geral afirmou e proclamou so-
Promulga a Convenção Internacional sobre a lenemente a necessidade de levá-las a um fim rápido
Eliminação de todas as Formas de Discriminação e incondicional,
Racial.
Considerando que a Declaração das Nações Uni-
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, das sobre eliminação de todas as formas de Discri-
HAVENDO o Congresso Nacional aprovado pe- minação Racial, de 20 de novembro de 1963, (Reso-
lo Decreto Legislativo nº 23, de 21 de junho de 1967, lução 1.904 (XVIII) da Assembleia-Geral), afirma
a Convenção Internacional sobre a Eliminação de solenemente a necessidade de eliminar rapidamente
todas as Formas de Discriminação Racial, que foi a discriminação racial através do mundo em todas
aberta à assinatura em Nova York e assinada pelo as suas formas e manifestações e de assegurar a com-
Brasil a 7 de março de 1966; preensão e o respeito à dignidade da pessoa huma-
E HAVENDO sido depositado o Instrumento na,
brasileiro de Ratificação, junto ao Secretário-Geral Convencidos de que qualquer doutrina de supe-
das Nações Unidas, a 27 de março de 1968; rioridade baseada em diferenças raciais é cientifica-
mente falsa, moralmente condenável, socialmente
E TENDO a referida Convenção entrado em vi-
injusta e perigosa, em que, não existe justificação
gor, de conformidade com o disposto em seu artigo
para a discriminação racial, em teoria ou na prática,
19, parágrafo 1º, a 4 de janeiro de 1969;
em lugar algum,
DECRETA que a mesma, apensa por cópia ao
Reafirmando que a discriminação entre os ho-
presente Decreto, seja executada e cumprida tão in-
mens por motivos de raça, cor ou origem étnica é
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

teiramente como ela nele contém.


um obstáculo a relações amistosas e pacíficas entre
Brasília, 8 de dezembro de 1969; 148º da Inde- as nações e é capaz de disturbar a paz e a segurança
pendência e 81º da República. entre povos e a harmonia de pessoas vivendo lado a
EMÍLIO G. MÉDICI lado até dentro de um mesmo Estado,
Mário Gibson Barbosa Convencidos que a existência de barreiras raciais
repugna os ideais de qualquer sociedade humana,
A Convenção Internacional sobre a Eliminação
de Todas as Formas de Discriminação Racial Alarmados por manifestações de discrimina-
ção racial ainda em evidência em algumas áreas do
Os Estados Partes na presente Convenção, mundo e por políticas governamentais baseadas em
Considerando que a Carta das Nações Unidas superioridade racial ou ódio, como as políticas de
baseia-se em princípios de dignidade e igualdade apartheid, segregação ou separação,
inerentes a todos os seres humanos, e que todos os Resolvidos a adotar todas as medidas necessárias
Estados Membros comprometeram-se a tomar me- para eliminar rapidamente a discriminação racial
didas separadas e conjuntas, em cooperação com a em, todas as suas formas e manifestações, e a pre-
Organização, para a consecução de um dos propósi- venir e combater doutrinas e práticas raciais com o
tos das Nações Unidas que é promover e encorajar o objetivo de promover o entendimento entre as raças
respeito universal e observância dos direitos huma- e construir uma comunidade internacional livre de
nos e liberdades fundamentais para todos, sem dis- todas as formas de separação racial e discriminação
criminação de raça, sexo, idioma ou religião. racial,
Considerando que a Declaração Universal dos Levando em conta a Convenção sobre Discrimi-
Direitos do Homem proclama que todos os homens nação nos Emprego e Ocupação adotada pela Or-
nascem livres e iguais em dignidade e direitos e que ganização internacional do Trabalho em 1958, e a
todo homem tem todos os direitos estabelecidos na Convenção contra discriminação no Ensino adota-
mesma, sem distinção de qualquer espécie e princi- da pela Organização das Nações Unidas para Educa-
palmente de raça, cor ou origem nacional, ção a Ciência em 1960,
Considerando todos os homens são iguais pe- Desejosos de completar os princípios estabeleci-
rante a lei e têm direito à igual proteção contra qual- dos na Declaração das Nações Unidas sobre a Elimi-
quer discriminação e contra qualquer incitamento à nação de todas as formas de discriminação racial e
discriminação, assegurar o mais cedo possível a adoção de medidas
Considerando que as Nações Unidas têm conde- práticas para esse fim,
nado o colonialismo e todas as práticas de segregação Acordaram no seguinte:

12
Parte I e por fim, a discriminação racial praticadas
por pessoa, por grupo ou das organizações;
e) Cada Estado Parte compromete-se a favore-
Artigo I cer, quando for o caso as organizações e movi-
mentos multirraciais e outros meios próprios a
1. Nesta Convenção, a expressão «discriminação
eliminar as barreiras entre as raças e a desen-
racial» significará qualquer distinção, exclusão
corajar o que tende a fortalecer a divisão racial.
restrição ou preferência baseadas em raça, cor, des-
cendência ou origem nacional ou étnica que tem 2) Os Estados Partes tomarão, se as circunstâncias
por objetivo ou efeito anular ou restringir o reco- o exigirem, nos campos social, econômico, cultural e
nhecimento, gozo ou exercício num mesmo plano, outros, as medidas especiais e concretas para assegu-
(em igualdade de condição), de direitos humanos e rar como convier o desenvolvimento ou a proteção
liberdades fundamentais no domínio político eco- de certos grupos raciais ou de indivíduos pertencen-
nômico, social, cultural ou em qualquer outro do- tes a estes grupos com o objetivo de garantir-lhes, em
mínio de vida pública. condições de igualdade, o pleno exercício dos direi-
tos do homem e das liberdades fundamentais.
2. Esta Convenção não se aplicará ás distinções,
exclusões, restrições e preferências feitas por um Essas medidas não deverão, em caso algum, ter a
Estado Parte nesta Convenção entre cidadãos e finalidade de manter direitos grupos raciais, depois
não cidadãos. de alcançados os objetivos em razão dos quais fo-
ram tomadas.
3. Nada nesta Convenção poderá ser interpretado
como afetando as disposições legais dos Estados Artigo III
Partes, relativas a nacionalidade, cidadania e na- Os Estados Partes especialmente condenam a se-
turalização, desde que tais disposições não discri- gregação racial e o apartheid e comprometem-se a
minem contra qualquer nacionalidade particular. proibir e a eliminar nos territórios sob sua jurisdi-
4. Não serão consideradas discriminação racial as ção todas as práticas dessa natureza.
medidas especiais tomadas com o único objetivo de Artigo IV

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
assegurar progresso adequado de certos grupos ra-
ciais ou étnicos ou de indivíduos que necessitem da Os Estados partes condenam toda propaganda e
proteção que possa ser necessária para proporcio- todas as organizações que se inspirem em ideias ou
nar a tais grupos ou indivíduos igual gozo ou exer- teorias baseadas na superioridade de uma raça ou
cício de direitos humanos e liberdades fundamen- de um grupo de pessoas de uma certa cor ou de uma
tais, contando que, tais medidas não conduzam, certa origem étnica ou que pretendem justificar ou
em consequência, à manutenção de direitos sepa- encorajar qualquer forma de ódio e de discrimi-
rados para diferentes grupos raciais e não prossi- nação raciais e comprometem-se a adotar imedia-
gam após terem sido alcançados os seus objetivos. tamente medidas positivas destinadas a eliminar
Artigo II qualquer incitação a uma tal discriminação, ou
quaisquer atos de discriminação com este objetivo
1. Os Estados Partes condenam a discriminação tendo em vista os princípios formulados na Decla-
racial e comprometem-se a adotar, por todos os ração universal dos direitos do homem e os direitos
meios apropriados e sem tardar uma política de expressamente enunciados no artigo 5 da presente
eliminação da discriminação racial em todas as convenção, eles se comprometem principalmente:
suas formas e de promoção de entendimento entre a) a declarar delitos puníveis por lei, qualquer
todas as raças e para esse fim: difusão de ideias baseadas na superiorida-
a) Cada Estado parte compromete-se a de ou ódio raciais, qualquer incitamento
efetuar nenhum ato ou prática de discri- à discriminação racial, assim como quais-
minação racial contra pessoas, grupos de quer atos de violência ou provocação a
pessoas ou instituições e fazer com que tais atos, dirigidos contra qualquer raça
todas as autoridades públicas nacionais ou ou qualquer grupo de pessoas de outra cor
locais, se conformem com esta obrigação; ou de outra origem técnica, como também
b) Cada Estado Parte compromete-se a qualquer assistência prestada a ativida-
não encorajar, defender ou apoiar a dis- des racistas, inclusive seu financiamento;
criminação racial praticada por uma b) a declarar ilegais e a proibir as organizações
pessoa ou uma organização qualquer; assim como as atividades de propaganda orga-
c) Cada Estado Parte deverá tomar as medidas nizada e qualquer outro tipo de atividade de
eficazes, a fim de rever as políticas governa- propaganda que incitar a discriminação racial
mentais nacionais e locais e para modificar, e que a encorajar e a declara delito punível por
ab-rogar ou anular qualquer disposição re- lei a participação nestas organizações ou nestas
gulamentar que tenha como objetivo criar a atividades.
discriminação ou perpetrá-la onde já existir; c) a não permitir as autoridades públicas nem
d) Cada Estado Parte deverá, por todos os ás instituições públicas nacionais ou locais, o
meios apropriados, inclusive se as circunstân- incitamento ou encorajamento à discrimina-
cias o exigirem, as medidas legislativas, proibir ção racial.

13
Artigo V f) direito de acesso a todos os lugares e serviços
destinados ao uso do público, tais como, meios
De conformidade com as obrigações fundamentais de transporte hotéis, restaurantes, cafés, espe-
enunciadas no artigo 2, Os Estados Partes compro- táculos e parques.
metem-se a proibir e a eliminar a discriminação
racial em todas suas formas e a garantir o direito Artigo VI
de cada uma à igualdade perante a lei sem distin- Os Estados Partes assegurarão a qualquer pessoa
ção de raça, de cor ou de origem nacional ou étni- que estiver sob sua jurisdição, proteção e recursos
ca, principalmente no gozo dos seguintes direitos: efetivos perante os tribunais nacionais e outros
a) direito a um tratamento igual perante os tri- órgãos do Estado competentes, contra quaisquer
bunais ou qualquer outro órgão que administre atos de discriminação racial que, contrariamente à
justiça; presente Convenção, violarem seus direitos indivi-
b) direito a segurança da pessoa ou à proteção duais e suas liberdades fundamentais, assim como
do Estado contra violência ou lesão corporal o direito de pedir a esses tribunais uma satisfação
cometida que por funcionários de Governo, quer ou repartição justa e adequada por qualquer dano
por qualquer indivíduo, grupo ou instituição. de que foi vitima em decorrência de tal discrimi-
nação.
c) direitos políticos principalmente direito de
participar às eleições - de votar e ser votado Artigo VII
- conforme o sistema de sufrágio universal e
Os Estados Partes, comprometem-se a tomar as
igual direito de tomar parte no Governo, assim
medidas imediatas e eficazes, principalmente no
como na direção dos assuntos públicos, em
campo de ensino, educação, da cultura e da infor-
qualquer grau e o direito de acesso em igualda-
mação, para lutar contra os preconceitos que levem
de de condições, às funções públicas.
à discriminação racial e para promover o entendi-
d) outros direitos civis, principalmente, mento, a tolerância e a amizade entre nações e gru-
i) direito de circular livremente e de escolher pos raciais e éticos assim como para propagar ao
residência dentro das fronteiras do Estado; objetivo e princípios da Carta das Nações Unidas
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

ii) direito de deixar qualquer pais, inclusive da Declaração Universal dos Direitos do Homem,
o seu, e de voltar a seu país; da Declaração das Nações Unidas sobre a elimina-
ção de todas as formas de discriminação racial e da
iii) direito de uma nacionalidade;
presente Convenção.
iv) direito de casar-se e escolher o cônjuge;
v) direito de qualquer pessoa, tanto indivi- Parte II
dualmente como em conjunto, à proprieda-
de; Artigo VIII
vi) direito de herdar; 1. Será estabelecido um Comitê para a eliminação
vii) direito à liberdade de pensamento, de da discriminação racial (doravante denominado «o
consciência e de religião; Comitê) composto de 18 peritos conhecidos para sua
viii) direito à liberdade de opinião e de ex- alta moralidade e conhecida imparcialidade, que
pressão; serão eleitos pelos Estados Membros dentre seus na-
ix) direito à liberdade de reunião e de asso- cionais e que atuarão a título individual, levando-se
ciação pacífica; em conta uma repartição geográfica equitativa e a
representação das formas diversas de civilização as-
e) direitos econômicos, sociais culturais, prin- sim como dos principais sistemas jurídicos.
cipalmente:
2. Os Membros do Comitê serão eleitos em escrutínio
i) direitos ao trabalho, a livre escolha de seu secreto de uma lista de candidatos designados pelos
trabalho, a condições equitativas e satisfató- Estados Partes, Cada Estado Parte poderá designar
rias de trabalho à proteção contra o desem- um candidato escolhido dentre seus nacionais.
prego, a um salário igual para um trabalho
igual, a uma remuneração equitativa e sa- 3. A primeira eleição será realizada seis meses após
tisfatória; a data da entrada em vigor da presente Conven-
ção. Três meses pelo menos antes de cada eleição, o
ii) direito de fundar sindicatos e a eles se afi- Secretário Geral das Nações Unidas enviará uma
liar; Carta aos Estados Partes para convidá-los a apre-
iii) direito à habitação; sentar suas candidaturas no prazo de dois meses.
iv) direito à saúde pública, a tratamento O Secretário Geral elaborará uma lista por ordem
médico, à previdência social e aos serviços alfabética, de todos os candidatos assim nomeados
sociais; com indicação dos Estados partes que os nomea-
v) direito a educação e à formação profissio- ram, e a comunicará aos Estados Partes.
nal; 4. Os membros do Comitê serão eleitos durante
vi) direito a igual participação das ativida- uma reunião dos Estados Partes convocada pelo
des culturais; Secretário Geral das Nações Unidas. Nessa reu-
nião, em que o quórum será alcançado com dois

14
terços dos Estados Partes, serão eleitos membros Num prazo de três meses, o Estado destinatário
do Comitê, os candidatos que obtiverem o maior submeterá ao Comitê as explicações ou decla-
número de votos e a maioria absoluta de votos dos rações por escrito, a fim de esclarecer a questão
representantes dos Estados Partes presentes e vo- e indicar as medidas corretivas que por aca-
tantes. so tenham sido tomadas pelo referido Estado.
5. 2. Se, dentro de um prazo de seis meses a partir
a) Os membros do Comitê serão eleitos por um da data do recebimento da comunicação origi-
período de quatro anos. Entretanto, o mandato nal pelo Estado destinatário a questão não foi re-
de nove dos membros eleitos na primeira solvida a contento dos dois Estados, por meio de
eleição, expirará ao fim de dois anos; logo negociações bilaterais ou por qualquer outro pro-
após a primeira eleição os nomes desses nove cesso que estiver a sua disposição, tanto um como
membros serão escolhidos, por sorteio, pelo o outro terão o direito de submetê-la novamente
Presidente do Comitê. ao Comitê, endereçando uma notificação ao Co-
b) Para preencher as vagas fortuitas, o Estado mitê assim como ao outro Estado interessado.
Parte, cujo perito deixou de exercer suas 3. O Comitê só poderá tomar conhecimento de
funções de membro do Comitê, nomeará outro uma questão, de acordo com o parágrafo 2 do pre-
perito dentre seus nacionais, sob reserva da sente artigo, após ter constatado que todos os re-
aprovação do Comitê. cursos internos disponíveis foram interpostos ou
6. Os Estados Partes serão responsáveis pelas des- esgotados, de conformidade com os princípios do
pesas dos membros do Comitê para o período em direito internacional geralmente reconhecidos.
que estes desempenharem funções no Comitê. Esta regra não se aplicará se os procedimentos de
recurso excederem prazos razoáveis.
Artigo IX
4. Em qualquer questão que lhe for submetida, Co-
1. Os Estados Partes comprometem-se a apresen- mitê poderá solicitar aos Estados-Partes presentes
tar ao Secretário Geral para exame do Comitê, um que lhe forneçam quaisquer informações comple-

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
relatório sobre as medidas legislativas, judiciárias, mentares pertinentes.
administrativas ou outras que tomarem para tor- 5. Quando o Comitê examinar uma questão con-
narem efetivas as disposições da presente Conven- forme o presente Artigo os Estados Partes interes-
ção: sados terão o direito de nomear um representante
a) dentro do prazo de um ano a partir da que participará sem direito de voto dos trabalhos
entrada em vigor da Convenção, para cada no Comitê durante todos os debates.
Estado interessado no que lhe diz respeito, e
posteriormente, cada dois anos, e toda vez que Artigo XII
o Comitê o solicitar. O Comitê poderá solici- 1.
tar informações complementares aos Estados
Partes. a) Depois que o Comitê obtiver e consultar
as informações que julgar necessárias, o Pre-
2. O Comitê submeterá anualmente à Assembleia sidente nomeará uma Comissão de Conci-
Geral, um relatório sobre suas atividades e pode- liação ad hoc (doravante denominada « A
rá fazer sugestões e recomendações de ordem geral
Comissão», composta de 5 pessoas que poderão
baseadas no exame dos relatórios e das informa-
ser ou não membros do Comitê. Os membros
ções recebidas dos Estados Partes. Levará estas
serão nomeados com o consentimento pleno
sugestões e recomendações de ordem geral ao co-
nhecimento da Assembleia Geral, e se as houver e unânime das partes na controvérsia e a
juntamente com as observações dos Estados Partes. Comissão fará seus bons ofícios a disposição
dos Estados presentes, com o objetivo de chegar
Artigo X a uma solução amigável da questão, baseada
1. O Comitê adotará seu regulamento interno. no respeito à presente Convenção.
2. O Comitê elegerá sua mesa por um período de b) Se os Estados Partes na controvérsia não
dois anos. chegarem a um entendimento em relação a
3. O Secretário Geral da Organização das Nações toda ou parte da composição da Comissão num
Unidas foi necessários serviços de Secretaria ao prazo de três meses os membros da Comissão
Comitê. que não tiverem o assentimento do Estados
Partes, na controvérsia serão eleitos por escru-
4. O Comitê reunir-se-á normalmente na Sede das tínio secreto entre os membros de dois terços
Nações Unidas.
dos membros do Comitê.
Artigo XI 2. Os membros da Comissão atuarão a título indi-
1. Se um Estado Parte Julgar que outro Estado vidual. Não deverão ser nacionais de um dos Esta-
igualmente Parte não aplica as disposições da dos Partes na controvérsia nem de um Estado que
presente Convenção poderá chamar a atenção do não seja parte da presente Convenção.
Comitê sobre a questão. O Comitê transmitirá, en- 3. A Comissão elegerá seu Presidente e adotará seu
tão, a comunicação ao Estado Parte interessado. regimento interno.

15
4. A Comissão reunir-se-á normalmente na sede 3. A declaração feita de conformidade com o pa-
nas Nações Unidas em qualquer outro lugar apro- rágrafo 1 do presente artigo e o nome de qualquer
priado que a Comissão determinar. órgão criado ou designado pelo Estado Parte inte-
5. O Secretariado previsto no parágrafo 3 do artigo ressado consoante o parágrafo 2 do presente arti-
10 prestará igualmente seus serviços à Comissão go será depositado pelo Estado Parte interessado
cada ver que uma controvérsia entre os Estados junto ao Secretário Geral das Nações Unidas que
Partes provocar sua formação. remeterá cópias aos outros Estados Partes. A de-
claração poderá ser retirada a qualquer momento
6. Todas as despesas dos membros da Comissão
mediante notificação ao Secretário Geral mas esta
serão divididos igualmente entre os Estados Partes
retirada não prejudicará as comunicações que já
na controvérsia baseadas num cálculo estimativo
estiverem sendo estudadas pelo Comitê.
feito pelo Secretário-Geral.
4. O órgão criado ou designado de conformidade
7. O Secretário Geral ficará autorizado a pagar, se com o parágrafo 2 do presente artigo, deverá man-
for necessário, as despesas dos membros da Comis- ter um registro de petições e cópias autenticada do
são, antes que o reembolso seja efetuado pelos Esta- registro serão depositadas anualmente por canais
dos Partes na controvérsia, de conformidade com o apropriados junto ao Secretário Geral das Nações
parágrafo 6 do presente artigo. Unidas, no entendimento que o conteúdo dessas
8. As informações obtidas e confrontadas pelo Co- cópias não será divulgado ao público.
mitê serão postas à disposição da Comissão, e a Co- 5. Se não obtiver repartição satisfatória do órgão
missão poderá solicitar aos Estados interessados de criado ou designado de conformidade com o pa-
lhe fornecer qualquer informação complementar rágrafo 2 do presente artigo, o peticionário terá o
pertinente. direito de levar a questão ao Comitê dentro de seis
Artigo XIII meses.
1. Após haver estudado a questão sob todos os 6.
seus aspectos, a Comissão preparará e subme- a) O Comitê levará, a título confidencial,
terá ao Presidente do Comitê um relatório com qualquer comunicação que lhe tenha sido ende-
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

as conclusões sobre todas as questões de fato re- reçada, ao conhecimento do Estado Parte que,
lativas à controvérsia entre as partes e as reco- pretensamente houver violado qualquer das
mendações que julgar oportunas a fim de che- disposições desta Convenção, mas a identidade
gar a uma solução amistosa da controvérsia. da pessoa ou dos grupos de pessoas não poderá
2. O Presidente do Comitê transmitirá o re- ser revelada sem o consentimento expresso da
latório da Comissão a cada um dos Estados referida pessoa ou grupos de pessoas. O Comitê
Partes na controvérsia. Os referidos Estados não receberá comunicações anônimas.
comunicarão ao Presidente do Comitê num b) Nos três meses seguintes, o referido Estado
prazo de três meses se aceitam ou não, as reco- submeterá, por escrito ao Comitê, as expli-
mendações contidas no relatório da Comissão. cações ou recomendações que esclarecem a
3. Expirado o prazo previsto no parágrafo 2º do questão e indicará as medidas corretivas que
presente artigo, o Presidente do Comitê comunica- por acaso houver adotado.
rá o Relatório da Comissão e as declarações dos Es- 7.
tados Partes interessadas aos outros Estados Parte
na Comissão. a) O Comitê examinará as comunicações, à luz
de todas as informações que forem submetidas
Artigo XIV pelo Estado parte interessado e pelo peticioná-
1. Todo o Estado parte poderá declarar e qualquer rio. O Comitê so examinará uma comunicação
momento que reconhece a competência do Comitê de peticionário após ter-se assegurado que este
para receber e examinar comunicações de indiví- esgotou todos os recursos internos disponíveis.
duos sob sua jurisdição que se consideram vítimas Entretanto, esta regra não se aplicará se os pro-
de uma violação pelo referido Estado Parte de cessos de recurso excederem prazos razoáveis.
qualquer um dos direitos enunciados na presente b) O Comitê remeterá suas sugestões e reco-
Convenção. O Comitê não receberá qualquer co- mendações eventuais, ao Estado Parte interes-
municação de um Estado Parte que não houver sado e ao peticionário.
feito tal declaração. 8. O Comitê incluirá em seu relatório anual um
2. Qualquer Estado parte que fizer uma declaração resumo destas comunicações, se for necessário, um
de conformidade com o parágrafo do presente ar- resumo das explicações e declarações dos Estados
tigo, poderá criar ou designar um órgão dentro de Partes interessados assim como suas próprias su-
sua ordem jurídica nacional, que terá competência gestões e recomendações.
para receber e examinar as petições de pessoas ou 9. O Comitê somente terá competência para exer-
grupos de pessoas sob sua jurisdição que alegarem cer as funções previstas neste artigo se pelo menos
ser vítimas de uma violação de qualquer um dos dez Estados Partes nesta Convenção estiverem
direitos enunciados na presente Convenção e que obrigados por declarações feitas de conformidade
esgotaram os outros recursos locais disponíveis. com o parágrafo deste artigo.

16
Artigo XV
Terceira Parte
1. Enquanto não forem atingidos os objetivos da
resolução 1.514 (XV) da Assembleia Geral de 14 de Artigo XVII
dezembro de 1960, relativa à Declaração sobro a
concessão da independência dos países e povos co- 1. A presente Convenção ficará aberta à assinatura
loniais, as disposições da presente convenção não de todo Estado Membro da Organização das Na-
restringirão de maneira alguma o direito de peti- ções Unidas ou membro de qualquer uma de suas
ção concedida aos povos por outros instrumentos agências especializadas, de qualquer Estado par-
internacionais ou pela Organização das Nações te no Estatuto da Corte Internacional de Justiça,
Unidas e suas agências especializadas. assim como de qualquer outro Estado convidado
2. pela Assembleia-Geral da Organização das Nações
a) O Comitê constituído de conformidade com Unidas a torna-se parte na presente Convenção.
o parágrafo 1 do artigo 8 desta Convenção 2. A presente Convenção ficará sujeita à ratificação
receberá cópia das petições provenientes dos e os instrumentos de ratificação serão depositados
órgãos das Nações Unidas que se encarregarem junto ao Secretário Geral das Nações Unidas.
de questões diretamente relacionadas com os Artigo XVIII
princípios e objetivos da presente Convenção
e expressará sua opinião e formulará reco- 1. A presente Convenção ficará aberta a adesão de
mendações sobre petições recebidas quando qualquer Estado mencionado no parágrafo 1º do
examinar as petições recebidas dos habitantes artigo 17.
dos territórios sob tutela ou não autônomo ou
2. A adesão será efetuada pelo depósito de instru-
de qualquer outro território a que se aplicar a
mento de adesão junto ao Secretário Geral das Na-
resolução 1514 (XV) da Assembleia Geral, re-
ções Unidas.
lacionadas a questões tratadas pela presente

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
Convenção e que forem submetidas a esses Artigo XIX
órgãos.
1. Esta convenção entrará em vigor no trigésimo
b) O Comitê receberá dos órgãos competentes dia após a data do deposito junto ao Secretário Ge-
da Organização das Nações Unidas cópia dos
ral das Nações Unidas do vigésimo sétimo instru-
relatórios sobre medidas de ordem legislativa
mento de ratificação ou adesão.
judiciária, administrativa ou outra diretamen-
te relacionada com os princípios e objetivos da 2. Para cada Estado que ratificar a presente Con-
presente Convenção que as Potências Adminis- venção ou a ele aderir após o depósito do vigésimo
tradoras tiverem aplicado nos territórios men- sétimo instrumento de ratificação ou adesão esta
cionados na alínea “a” do presente parágrafo e Convenção entrará em vigor no trigésimo dia após
expressará sua opinião e fará recomendações a o depósito de seu instrumento de ratificação ou
esses órgãos. adesão.
3. O Comitê incluirá em seu relatório à Assembleia Artigo XX
um resumo das petições e relatórios que houver re-
cebido de órgãos das Nações Unidas e as opiniões 1. O Secretário Geral das Nações Unidas receberá
e recomendações que houver proferido sobre tais e enviará, a todos os Estados que forem ou vierem
petições e relatórios. a tornar-se partes desta Convenção, as reservas
4. O Comitê solicitará ao Secretário Geral das Na- feitas pelos Estados no momento da ratificação ou
ções Unidas qualquer informação relacionada com adesão. Qualquer Estado que objetar a essas reser-
os objetivos da presente Convenção que este dispu- vas, deverá notificar ao Secretário Geral dentro de
ser sobre os territórios mencionados no parágrafo 2 noventa dias da data da referida comunicação, que
(a) do presente artigo. não aceita.
Artigo XVI 2. Não será permitida uma reserva incompatível
com o objeto e o escopo desta Convenção nem uma
As disposições desta Convenção relativas a solução reserva cujo efeito seria a de impedir o funciona-
das controvérsias ou queixas serão aplicadas sem mento de qualquer dos órgãos previstos nesta Con-
prejuízo de outros processos para solução de con-
venção. Uma reserva será considerada incompatí-
trovérsias e queixas no campo da discriminação
vel ou impeditiva se a ela objetarem ao menos dois
previstos nos instrumentos constitutivos das Na-
terços dos Estados partes nesta Convenção.
ções Unidas e suas agências especializadas, e não
excluirá a possibilidade dos Estados partes reco- 3. As reservas poderão ser retiradas a qualquer
mendarem aos outros, processos para a solução de momento por uma notificação endereçada com
uma controvérsia de conformidade com os acordos esse objetivo ao Secretário Geral. Tal notificação
internacionais ou especiais que os ligarem. surgirá efeito na data de seu recebimento.

17
Artigo XXI Em fé do que os abaixo assinados devidamente au-
torizados por seus Governos assinaram a presen-
Qualquer Estado parte poderá denunciar esta
te Convenção que foi aberta a assinatura em Nova
Convenção mediante notificação escrita endereça-
da ao Secretário Geral da Organização das Nações York a 7 de março de 1966.
Unidas. A denúncia surtirá efeito um ano após Este texto não substitui o original publicado no
data do recebimento da notificação pelo Secretário Diário Oficial da União - Seção 1 de 10/12/1969
Geral.
Artigo XXI 2. Decreto nº 4.377, de 13
Qualquer Controvérsia entre dois ou mais Estados de Setembro de 2002
Parte relativa a interpretação ou aplicação desta
Convenção que não for resolvida por negociações Promulga a Convenção sobre a Eliminação de
ou pelos processos previstos expressamente nesta Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher,
Convenção, será o pedido de qualquer das Partes de 1979, e revoga o Decreto no 89.460, de 20 de mar-
na controvérsia. Submetida à decisão da Corte
ço de 1984.
Internacional de Justiça a não ser que os litigantes
concordem em outro meio de solução. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da
Artigo XXII atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da
Constituição, e
Qualquer Controvérsia entre dois ou mais Estados
Considerando que o Congresso Nacional apro-
Partes relativa à interpretação ou aplicação desta
Convenção, que não for resolvida por negociações vou, pelo Decreto Legislativo no 93, de 14 de no-
ou pelos processos previstos expressamente nesta vembro de 1983, a Convenção sobre a Eliminação de
Convenção será, pedido de qualquer das Partes na Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher,
controvérsia, submetida à decisão da Corte Inter- assinada pela República Federativa do Brasil, em
Nova York, no dia 31 de março de 1981, com reser-
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

nacional de Justiça a não ser que os litigantes con-


cordem em outro meio de solução. vas aos seus artigos 15, parágrafo 4º, e 16, parágrafo
Artigo XXIII 1º, alíneas (a), (c), (g) e (h);
Considerando que, pelo Decreto Legislativo no
1. Qualquer Estado Parte poderá formular a qual-
quer momento um pedido de revisão da presente
26, de 22 de junho de 1994, o Congresso Nacional
Convenção, mediante notificação escrita endereça- revogou o citado Decreto Legislativo no 93, apro-
da ao Secretário Geral das Nações Unidas. vando a Convenção sobre a Eliminação de Todas as
Formas de Discriminação contra a Mulher, inclusi-
2. A Assembleia-Geral decidirá a respeito das me-
didas a serem tomadas, caso for necessário, sobre
ve os citados artigos 15, parágrafo 4º, e 16, parágrafo
o pedido. 1º, alíneas (a), (c), (g) e (h);
Artigo XXIV Considerando que o Brasil retirou as menciona-
das reservas em 20 de dezembro de 1994;
O Secretário Geral da Organização das Nações
Unidas comunicará a todos os Estados menciona- Considerando que a Convenção entrou em vi-
dos no parágrafo 1º do artigo 17 desta Convenção. gor, para o Brasil, em 2 de março de 1984, com a re-
serva facultada em seu art. 29, parágrafo 2;
a) as assinaturas e os depósitos de instrumen-
tos de ratificação e de adesão de conformidade Decreta:
com os artigos 17 e 18; Art. 1º A Convenção sobre a Eliminação de Todas
b) a data em que a presente Convenção entrar as Formas de Discriminação contra a Mulher, de
em vigor, de conformidade com o artigo 19; 18 de dezembro de 1979, apensa por cópia ao pre-
c) as comunicações e declarações recebidas sente Decreto, com reserva facultada em seu art.
de conformidade com os artigos 14, 20 e 23. 29, parágrafo 2, será executada e cumprida tão in-
d) as denúncias feitas de conformidade com o teiramente como nela se contém.
artigo 21. Art. 2º São sujeitos à aprovação do Congresso Na-
cional quaisquer atos que possam resultar em revi-
Artigo XXV
são da referida Convenção, assim como quaisquer
1. Esta Convenção, cujos textos em chinês, espa- ajustes complementares que, nos termos do art. 49,
nhol, inglês e russo são igualmente autênticos será inciso I, da Constituição, acarretem encargos ou
depositada nos arquivos das Nações Unidas. compromissos gravosos ao patrimônio nacional.
2. O Secretário Geral das Nações Unidas enviará Art. 3º Este Decreto entra em vigor na data de sua
cópias autenticadas desta Convenção a todos os publicação.
Estados pertencentes a qualquer uma das catego- Art. 4º Fica revogado o Decreto no 89.460, de 20 de
rias mencionadas no parágrafo 1º do artigo 17. março de 1984.

18
3. Convenção sobre a SALIENTANDO que a eliminação do apartheid,
de todas as formas de racismo, discriminação racial,
Eliminação de Todas as colonialismo, neocolonialismo, agressão, ocupação
estrangeira e dominação e interferência nos assun-
Formas de Discriminação tos internos dos Estados é essencial para o pleno
exercício dos direitos do homem e da mulher,
contra a Mulher AFIRMANDO que o fortalecimento da paz e da
segurança internacionais, o alívio da tensão interna-
Os Estados Partes na presente convenção, cional, a cooperação mútua entre todos os Estados,
CONSIDERANDO que a Carta das Nações Uni- independentemente de seus sistemas econômicos
das reafirma a fé nos direitos fundamentais do ho- e sociais, o desarmamento geral e completo, e em
mem, na dignidade e no valor da pessoa humana e particular o desarmamento nuclear sob um estri-
na igualdade de direitos do homem e da mulher, to e efetivo controle internacional, a afirmação dos
CONSIDERANDO que a Declaração Universal princípios de justiça, igualdade e proveito mútuo
dos Direitos Humanos reafirma o princípio da não- nas relações entre países e a realização do direito dos
discriminação e proclama que todos os seres huma- povos submetidos a dominação colonial e estrangei-
nos nascem livres e iguais em dignidade e direitos ra e a ocupação estrangeira, à autodeterminação e
e que toda pessoa pode invocar todos os direitos e independência, bem como o respeito da soberania
liberdades proclamados nessa Declaração, sem dis- nacional e da integridade territorial, promoverão o
tinção alguma, inclusive de sexo, progresso e o desenvolvimento sociais, e, em con-
sequência, contribuirão para a realização da plena
CONSIDERANDO que os Estados Partes nas igualdade entre o homem e a mulher,
Convenções Internacionais sobre Direitos Huma-
nos têm a obrigação de garantir ao homem e à mu- CONVENCIDOS de que a participação máxi-
ma da mulher, em igualdade de condições com o

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
lher a igualdade de gozo de todos os direitos econô-
micos, sociais, culturais, civis e políticos, homem, em todos os campos, é indispensável para
o desenvolvimento pleno e completo de um país, o
OBSEVANDO as convenções internacionais bem-estar do mundo e a causa da paz,
concluídas sob os auspícios das Nações Unidas e dos
organismos especializados em favor da igualdade de TENDO presente a grande contribuição da mu-
direitos entre o homem e a mulher, lher ao bem-estar da família e ao desenvolvimento
da sociedade, até agora não plenamente reconheci-
OBSERVANDO, ainda, as resoluções, declara- da, a importância social da maternidade e a função
ções e recomendações aprovadas pelas Nações Uni- dos pais na família e na educação dos filhos, e cons-
das e pelas Agências Especializadas para favorecer a cientes de que o papel da mulher na procriação não
igualdade de direitos entre o homem e a mulher, deve ser causa de discriminação, mas sim que a edu-
PREOCUPADOS, contudo, com o fato de que, cação dos filhos exige a responsabilidade comparti-
apesar destes diversos instrumentos, a mulher con- lhada entre homens e mulheres e a sociedade como
tinue sendo objeto de grandes discriminações, um conjunto,
RELEMBRANDO que a discriminação contra a RECONHECENDO que para alcançar a plena
mulher viola os princípios da igualdade de direitos e igualdade entre o homem e a mulher é necessário
do respeito da dignidade humana, dificulta a parti- modificar o papel tradicional tanto do homem co-
cipação da mulher, nas mesmas condições que o ho- mo da mulher na sociedade e na família,
mem, na vida política, social, econômica e cultural RESOLVIDOS a aplicar os princípios enuncia-
de seu país, constitui um obstáculo ao aumento do dos na Declaração sobre a Eliminação da Discrimi-
bem-estar da sociedade e da família e dificulta o ple- nação contra a Mulher e, para isto, a adotar as medi-
no desenvolvimento das potencialidades da mulher das necessárias a fim de suprimir essa discriminação
para prestar serviço a seu país e à humanidade, em todas as suas formas e manifestações,
PREOCUPADOS com o fato de que, em situa- CONCORDARAM no seguinte:
ções de pobreza, a mulher tem um acesso mínimo à
alimentação, à saúde, à educação, à capacitação e às Parte I
oportunidades de emprego, assim como à satisfação
de outras necessidades, Artigo 1º
CONVENCIDOS de que o estabelecimento da Para os fins da presente Convenção, a expressão
Nova Ordem Econômica Internacional baseada na «discriminação contra a mulher» significará toda
equidade e na justiça contribuirá significativamente a distinção, exclusão ou restrição baseada no sexo
para a promoção da igualdade entre o homem e a e que tenha por objeto ou resultado prejudicar ou
mulher, anular o reconhecimento, gozo ou exercício pela

19
mulher, independentemente de seu estado civil, desiguais ou separadas; essas medidas cessarão
com base na igualdade do homem e da mulher, dos quando os objetivos de igualdade de oportunidade
direitos humanos e liberdades fundamentais nos e tratamento houverem sido alcançados.
campos político, econômico, social, cultural e civil 2. A adoção pelos Estados-Partes de medidas espe-
ou em qualquer outro campo. ciais, inclusive as contidas na presente Convenção,
Artigo 2º destinadas a proteger a maternidade, não se consi-
derará discriminatória.
Os Estados Partes condenam a discriminação con-
tra a mulher em todas as suas formas, concordam Artigo 5º
em seguir, por todos os meios apropriados e sem Os Estados-Partes tornarão todas as medidas
dilações, uma política destinada a eliminar a dis- apropriadas para:
criminação contra a mulher, e com tal objetivo se
comprometem a: a) Modificar os padrões socioculturais de
conduta de homens e mulheres, com vistas
a) Consagrar, se ainda não o tiverem feito, em a alcançar a eliminação dos preconceitos e
suas constituições nacionais ou em outra legis- práticas consuetudinárias e de qualquer outra
lação apropriada o princípio da igualdade do índole que estejam baseados na ideia da infe-
homem e da mulher e assegurar por lei outros rioridade ou superioridade de qualquer dos
meios apropriados a realização prática desse sexos ou em funções estereotipadas de homens
princípio;
e mulheres.
b) Adotar medidas adequadas, legislativas e
b) Garantir que a educação familiar inclua
de outro caráter, com as sanções cabíveis e que
uma compreensão adequada da maternidade
proíbam toda discriminação contra a mulher;
como função social e o reconhecimento da res-
c) Estabelecer a proteção jurídica dos direitos ponsabilidade comum de homens e mulheres
da mulher numa base de igualdade com os no que diz respeito à educação e ao desenvol-
do homem e garantir, por meio dos tribunais vimento de seus filhos, entendendo-se que o
nacionais competentes e de outras instituições interesse dos filhos constituirá a consideração
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

públicas, a proteção efetiva da mulher contra primordial em todos os casos.


todo ato de discriminação;
Artigo 6º
d) Abster-se de incorrer em todo ato ou prática
de discriminação contra a mulher e zelar para Os Estados-Partes tomarão todas as medidas apro-
que as autoridades e instituições públicas priadas, inclusive de caráter legislativo, para supri-
atuem em conformidade com esta obrigação; mir todas as formas de tráfico de mulheres e explo-
e) Tomar as medidas apropriadas para ração da prostituição da mulher.
eliminar a discriminação contra a mulher pra-
ticada por qualquer pessoa, organização ou Parte II
empresa;
f) Adotar todas as medidas adequadas, inclu- Artigo 7º
sive de caráter legislativo, para modificar ou Os Estados-Partes tomarão todas as medidas apro-
derrogar leis, regulamentos, usos e práticas que priadas para eliminar a discriminação contra a
constituam discriminação contra a mulher; mulher na vida política e pública do país e, em par-
g) Derrogar todas as disposições penais nacio- ticular, garantirão, em igualdade de condições com
nais que constituam discriminação contra a os homens, o direito a:
mulher. a) Votar em todas as eleições e referenda
Artigo 3º públicos e ser elegível para todos os órgãos cujos
membros sejam objeto de eleições públicas;
Os Estados Partes tomarão, em todas as esferas e,
em particular, nas esferas política, social, econômi- b) Participar na formulação de políticas go-
ca e cultural, todas as medidas apropriadas, inclu- vernamentais e na execução destas, e ocupar
sive de caráter legislativo, para assegurar o pleno cargos públicos e exercer todas as funções
desenvolvimento e progresso da mulher, com o ob- públicas em todos os planos governamentais;
jetivo de garantir-lhe o exercício e gozo dos direitos c) Participar em organizações e associações
humanos e liberdades fundamentais em igualdade não-governamentais que se ocupem da vida
de condições com o homem. pública e política do país.
Artigo 4º Artigo 8º
1. A adoção pelos Estados-Partes de medidas espe- Os Estados-Partes tomarão todas as medidas apro-
ciais de caráter temporário destinadas a acelerar a priadas para garantir, à mulher, em igualdade de
igualdade de fato entre o homem e a mulher não se condições com o homem e sem discriminação algu-
considerará discriminação na forma definida nes- ma, a oportunidade de representar seu governo no
ta Convenção, mas de nenhuma maneira implica- plano internacional e de participar no trabalho das
rá, como consequência, a manutenção de normas organizações internacionais.

20
Artigo 9º h) Acesso a material informativo específico que
contribua para assegurar a saúde e o bem-estar
1. Os Estados-Partes outorgarão às mulheres direi- da família, incluída a informação e o assesso-
tos iguais aos dos homens para adquirir, mudar ou ramento sobre planejamento da família.
conservar sua nacionalidade. Garantirão, em par-
ticular, que nem o casamento com um estrangeiro, Artigo 11
nem a mudança de nacionalidade do marido du- 1. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
rante o casamento, modifiquem automaticamente apropriadas para eliminar a discriminação contra
a nacionalidade da esposa, convertam-na em apá- a mulher na esfera do emprego a fim de assegurar,
trida ou a obriguem a adotar a nacionalidade do em condições de igualdade entre homens e mulhe-
cônjuge. res, os mesmos direitos, em particular:
2. Os Estados-Partes outorgarão à mulher os mes- a) O direito ao trabalho como direito inaliená-
mos direitos que ao homem no que diz respeito à vel de todo ser humano;
nacionalidade dos filhos. b) O direito às mesmas oportunidades de
Parte III emprego, inclusive a aplicação dos mesmos cri-
térios de seleção em questões de emprego;
Artigo 10 c) O direito de escolher livremente profissão e
emprego, o direito à promoção e à estabilida-
Os Estados-Partes adotarão todas as medidas de no emprego e a todos os benefícios e outras
apropriadas para eliminar a discriminação contra condições de serviço, e o direito ao acesso à
a mulher, a fim de assegurar-lhe a igualdade de di- formação e à atualização profissionais, in-
reitos com o homem na esfera da educação e em cluindo aprendizagem, formação profissional
particular para assegurarem condições de igualda- superior e treinamento periódico;
de entre homens e mulheres: d) O direito a igual remuneração, inclusive be-
a) As mesmas condições de orientação em nefícios, e igualdade de tratamento relativa a

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
matéria de carreiras e capacitação profissio- um trabalho de igual valor, assim como igual-
nal, acesso aos estudos e obtenção de diplomas dade de tratamento com respeito à avaliação
nas instituições de ensino de todas as catego- da qualidade do trabalho;
rias, tanto em zonas rurais como urbanas; essa e) O direito à seguridade social, em particu-
igualdade deverá ser assegurada na educação lar em casos de aposentadoria, desemprego,
pré-escolar, geral, técnica e profissional, doença, invalidez, velhice ou outra incapacida-
incluída a educação técnica superior, assim de para trabalhar, bem como o direito de férias
como todos os tipos de capacitação profissional; pagas;
b) Acesso aos mesmos currículos e mesmos f) O direito à proteção da saúde e à segurança
exames, pessoal docente do mesmo nível profis- nas condições de trabalho, inclusive a salva-
sional, instalações e material escolar da mesma guarda da função de reprodução.
qualidade; 2. A fim de impedir a discriminação contra a mu-
c) A eliminação de todo conceito estereotipado lher por razões de casamento ou maternidade e
dos papéis masculino e feminino em todos os assegurar a efetividade de seu direito a trabalhar,
níveis e em todas as formas de ensino mediante os Estados-Partes tomarão as medidas adequadas
o estímulo à educação mista e a outros tipos de para:
educação que contribuam para alcançar este a) Proibir, sob sanções, a demissão por motivo
objetivo e, em particular, mediante a modifica- de gravidez ou licença de maternidade e a
ção dos livros e programas escolares e adapta- discriminação nas demissões motivadas pelo
ção dos métodos de ensino; estado civil;
d) As mesmas oportunidades para obtenção b) Implantar a licença de maternidade, com
de bolsas-de-estudo e outras subvenções para salário pago ou benefícios sociais comparáveis,
estudos; sem perda do emprego anterior, antiguidade ou
e) As mesmas oportunidades de acesso aos pro- benefícios sociais;
gramas de educação supletiva, incluídos os pro- c) Estimular o fornecimento de serviços sociais
gramas de alfabetização funcional e de adultos, de apoio necessários para permitir que os pais
com vistas a reduzir, com a maior brevidade combinem as obrigações para com a família
possível, a diferença de conhecimentos existen- com as responsabilidades do trabalho e a
tes entre o homem e a mulher; participação na vida pública, especialmente
f) A redução da taxa de abandono feminino mediante fomento da criação e desenvolvi-
dos estudos e a organização de programas para mento de uma rede de serviços destinados ao
aquelas jovens e mulheres que tenham deixado cuidado das crianças;
os estudos prematuramente; d) Dar proteção especial às mulheres durante
g) As mesmas oportunidades para participar a gravidez nos tipos de trabalho comprovada-
ativamente nos esportes e na educação física; mente prejudiciais para elas.

21
3. A legislação protetora relacionada com as ques- inclusive os relacionados à alfabetização
tões compreendidas neste artigo será examinada funcional, bem como, entre outros, os bene-
periodicamente à luz dos conhecimentos científicos fícios de todos os serviços comunitário e de
e tecnológicos e será revista, derrogada ou amplia- extensão a fim de aumentar sua capacidade
da conforme as necessidades. técnica;
Artigo 12 e) Organizar grupos de autoajuda e cooperati-
vas a fim de obter igualdade de acesso às opor-
1. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas tunidades econômicas mediante emprego ou
apropriadas para eliminar a discriminação contra trabalho por conta própria;
a mulher na esfera dos cuidados médicos a fim de
assegurar, em condições de igualdade entre homens f) Participar de todas as atividades comunitá-
e mulheres, o acesso a serviços médicos, inclusive os rias;
referentes ao planejamento familiar. g) Ter acesso aos créditos e empréstimos agrí-
2. Sem prejuízo do disposto no parágrafo 1º, os Es- colas, aos serviços de comercialização e às tec-
tados-Partes garantirão à mulher assistência apro- nologias apropriadas, e receber um tratamento
priadas em relação à gravidez, ao parto e ao perío- igual nos projetos de reforma agrária e de rees-
do posterior ao parto, proporcionando assistência tabelecimentos;
gratuita quando assim for necessário, e lhe assegu- h) gozar de condições de vida adequadas, par-
rarão uma nutrição adequada durante a gravidez ticularmente nas esferas da habitação, dos
e a lactância. serviços sanitários, da eletricidade e do abas-
Artigo 13 tecimento de água, do transporte e das comu-
nicações.
Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
apropriadas para eliminar a discriminação contra Parte IV
a mulher em outras esferas da vida econômica e so-
cial a fim de assegurar, em condições de igualdade Artigo 15
entre homens e mulheres, os mesmos direitos, em
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

particular: 1. Os Estados-Partes reconhecerão à mulher a


a) O direito a benefícios familiares; igualdade com o homem perante a lei.
b) O direito a obter empréstimos bancários, hi- 2. Os Estados-Partes reconhecerão à mulher, em
potecas e outras formas de crédito financeiro; matérias civis, uma capacidade jurídica idênti-
ca do homem e as mesmas oportunidades para o
c) O direito a participar em atividades de re-
creação, esportes e em todos os aspectos da vida exercício dessa capacidade. Em particular, reco-
cultural. nhecerão à mulher iguais direitos para firmar con-
tratos e administrar bens e dispensar-lhe-ão um
Artigo 14 tratamento igual em todas as etapas do processo
1. Os Estados-Partes levarão em consideração os nas cortes de justiça e nos tribunais.
problemas específicos enfrentados pela mulher ru- 3. Os Estados-Partes convém em que todo contra-
ral e o importante papel que desempenha na sub- to ou outro instrumento privado de efeito jurídi-
sistência econômica de sua família, incluído seu co que tenda a restringir a capacidade jurídica da
trabalho em setores não-monetários da economia, mulher será considerado nulo.
e tomarão todas as medidas apropriadas para as- 4. Os Estados-Partes concederão ao homem e à
segurar a aplicação dos dispositivos desta Conven- mulher os mesmos direitos no que respeita à legis-
ção à mulher das zonas rurais. lação relativa ao direito das pessoas à liberdade de
2. Os Estados-Partes adotarão todas as medias movimento e à liberdade de escolha de residência
apropriadas para eliminar a discriminação contra e domicílio.
a mulher nas zonas rurais a fim de assegurar, em
Artigo 16
condições de igualdade entre homens e mulheres,
que elas participem no desenvolvimento rural e de- 1. Os Estados-Partes adotarão todas as medidas
le se beneficiem, e em particular as segurar-lhes-ão adequadas para eliminar a discriminação contra
o direito a: a mulher em todos os assuntos relativos ao casa-
a) Participar da elaboração e execução dos mento e às ralações familiares e, em particular,
planos de desenvolvimento em todos os ní- com base na igualdade entre homens e mulheres,
veis; assegurarão:
b) Ter acesso a serviços médicos adequados, a) O mesmo direito de contrair matrimônio;
inclusive informação, aconselhamento e ser- b) O mesmo direito de escolher livremente o
viços em matéria de planejamento familiar; cônjuge e de contrair matrimônio somente com
c) Beneficiar-se diretamente dos programas livre e pleno consentimento;
de seguridade social; c) Os mesmos direitos e responsabilidades
d) Obter todos os tipos de educação e de durante o casamento e por ocasião de sua dis-
formação, acadêmica e não acadêmica, solução;

22
d) Os mesmos direitos e responsabilidades Secretário-Geral preparará uma lista, por ordem
como pais, qualquer que seja seu estado ci- alfabética de todos os candidatos assim apresen-
vil, em matérias pertinentes aos filhos. Em tados, com indicação dos Estados-Partes que os
todos os casos, os interesses dos filhos serão a tenham apresentado e comunica-la-á aos Estados
consideração primordial; Partes;
e) Os mesmos direitos de decidir livre a 4. Os membros do Comitê serão eleitos durante
responsavelmente sobre o número de seus uma reunião dos Estados-Partes convocado pe-
filhos e sobre o intervalo entre os nascimen- lo Secretário-Geral na sede das Nações Unidas.
tos e a ter acesso à informação, à educação Nessa reunião, em que o quórum será alcançado
e aos meios que lhes permitam exercer esses com dois terços dos Estados-Partes, serão eleitos
direitos; membros do Comitê os candidatos que obtiverem o
f) Os mesmos direitos e responsabilidades maior número de votos e a maioria absoluta de vo-
com respeito à tutela, curatela, guarda e tos dos representantes dos Estados-Partes presentes
adoção dos filhos, ou institutos análogos, e votantes;
quando esses conceitos existirem na legisla- 5. Os membros do Comitê serão eleitos para um
ção nacional. Em todos os casos os interesses mandato de quatro anos. Entretanto, o mandato
dos filhos serão a consideração primordial; de nove dos membros eleitos na primeira eleição
g) Os mesmos direitos pessoais como marido expirará ao fim de dois anos; imediatamente após
e mulher, inclusive o direito de escolher so- a primeira eleição os nomes desses nove membros
brenome, profissão e ocupação; serão escolhidos, por sorteio, pelo Presidente do
h) Os mesmos direitos a ambos os cônjuges Comitê;
em matéria de propriedade, aquisição, ges- 6. A eleição dos cinco membros adicionais do Co-
tão, administração, gozo e disposição dos mitê realizar-se-á em conformidade com o dis-
bens, tanto a título gratuito quanto à título posto nos parágrafos 2, 3 e 4 deste Artigo, após o
oneroso. depósito do trigésimo-quinto instrumento de ratifi-

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
2. Os esponsais e o casamento de uma criança não cação ou adesão. O mandato de dois dos membros
terão efeito legal e todas as medidas necessárias, adicionais eleitos nessa ocasião, cujos nomes serão
inclusive as de caráter legislativo, serão adotadas escolhidos, por sorteio, pelo Presidente do Comitê,
para estabelecer uma idade mínima para o casa- expirará ao fim de dois anos;
mento e para tornar obrigatória a inscrição de ca- 7. Para preencher as vagas fortuitas, o Estado-Par-
samentos em registro oficial. te cujo perito tenha deixado de exercer suas fun-
Parte V ções de membro do Comitê nomeará outro perito
entre seus nacionais, sob reserva da aprovação do
Comitê;
Artigo 17
8. Os membros do Comitê, mediante aprovação
1. Com o fim de examinar os progressos alcançados da Assembleia Geral, receberão remuneração dos
na aplicação desta Convenção, será estabelecido recursos das Nações Unidas, na forma e condições
um Comitê sobre a Eliminação da Discriminação que a Assembleia Geral decidir, tendo em vista a
contra a Mulher (doravante denominado o Comi- importância das funções do Comitê;
tê) composto, no momento da entrada em vigor 9. O Secretário-Geral das Nações Unidas propor-
da Convenção, de dezoito e, após sua ratificação cionará o pessoal e os serviços necessários para o
ou adesão pelo trigésimo-quinto Estado-Parte, desempenho eficaz das funções do Comitê em con-
de vinte e três peritos de grande prestígio moral e formidade com esta Convenção.
competência na área abarcada pela Convenção. Os
peritos serão eleitos pelos Estados-Partes entre seus Artigo 18
nacionais e exercerão suas funções a título pessoal;
1. Os Estados-Partes comprometem-se a submeter
será levada em conta uma repartição geográfica
ao Secretário-Geral das Nações Unidas, para exa-
equitativa e a representação das formas diversas
me do Comitê, um relatório sobre as medidas legis-
de civilização assim como dos principais sistemas
lativas, judiciárias, administrativas ou outras que
jurídicos;
adotarem para tornarem efetivas as disposições
2. Os membros do Comitê serão eleitos em escrutí- desta Convenção e sobre os progressos alcançados
nio secreto de uma lista de pessoas indicadas pelos a esse respeito:
Estados-Partes. Cada um dos Estados-Partes po-
derá indicar uma pessoa entre seus próprios nacio- a) No prazo de um ano a partir da entrada em
nais; vigor da Convenção para o Estado interessado;
e
3. A eleição inicial realizar-se-á seis meses após a
data de entrada em vigor desta Convenção. Pelo b) Posteriormente, pelo menos cada quatro
menos três meses antes da data de cada eleição, o anos e toda vez que o Comitê a solicitar.
Secretário-Geral das Nações Unidas dirigirá uma 2. Os relatórios poderão indicar fatores e dificulda-
carta aos Estados-Partes convidando-os a apresen- des que influam no grau de cumprimento das obri-
tar suas candidaturas, no prazo de dois meses. O gações estabelecidos por esta Convenção.

23
Artigo 19 4. Esta Convenção estará aberta à adesão de todos
os Estados. A adesão efetuar-se-á através do depó-
1. O Comitê adotará seu próprio regulamento. sito de um instrumento de adesão junto ao Secretá-
2. O Comitê elegerá sua Mesa por um período de rio-Geral das Nações Unidas.
dois anos. Artigo 26
Artigo 20
1. Qualquer Estado-Parte poderá, em qualquer
1. O Comitê se reunirá normalmente todos os anos momento, formular pedido de revisão desta revi-
por um período não superior a duas semanas para são desta Convenção, mediante notificação escrita
examinar os relatórios que lhe sejam submetidos em dirigida ao Secretário-Geral das Nações Unidas.
conformidade com o Artigo 18 desta Convenção. 2. A Assembleia Geral das Nações Unidas decidirá
2. As reuniões do Comitê realizar-se-ão normal- sobre as medidas a serem tomadas, se for o caso,
mente na sede das Nações Unidas ou em qualquer com respeito a esse pedido.
outro lugar que o Comitê determine.
Artigo 27
Artigo 21
1. Esta Convenção entrará em vigor no trigésimo
1. O Comitê, através do Conselho Econômico e dia a partir da data do depósito do vigésimo ins-
Social das Nações Unidas, informará anualmen- trumento de ratificação ou adesão junto ao Secre-
te a Assembleia Geral das Nações Unidas de suas tário-Geral das Nações Unidas.
atividades e poderá apresentar sugestões e reco-
mendações de caráter geral baseadas no exame 2. Para cada Estado que ratificar a presente Con-
dos relatórios e em informações recebidas dos Es- venção ou a ela aderir após o depósito do vigésimo
tados-Partes. Essas sugestões e recomendações de instrumento de ratificação ou adesão, a Conven-
caráter geral serão incluídas no relatório do Comi- ção entrará em vigor no trigésimo dia após o de-
tê juntamente com as observações que os Estados- pósito de seu instrumento de ratificação ou adesão.
-Partes tenham porventura formulado. Artigo 28
2. O Secretário-Geral transmitirá, para informa-
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

1. O Secretário-Geral das Nações Unidas receberá


ção, os relatórios do Comitê à Comissão sobre a e enviará a todos os Estados o texto das reservas
Condição da Mulher. feitas pelos Estados no momento da ratificação ou
As Agências Especializadas terão direito a estar adesão.
representadas no exame da aplicação das disposi-
2. Não será permitida uma reserva incompatível
ções desta Convenção que correspondam à esfera
com o objeto e o propósito desta Convenção.
de suas atividades. O Comitê poderá convidar as
Agências Especializadas a apresentar relatórios so- 3. As reservas poderão ser retiradas a qualquer
bre a aplicação da Convenção nas áreas que corres- momento por uma notificação endereçada com es-
pondam à esfera de suas atividades. se objetivo ao Secretário-Geral das Nações Unidas,
que informará a todos os Estados a respeito. A no-
Parte VI tificação surtirá efeito na data de seu recebimento.
Artigo 29
Artigo 23
1. Qualquer controvérsia entre dois ou mais Esta-
Nada do disposto nesta Convenção prejudicará qual- dos-Partes relativa à interpretação ou aplicação
quer disposição que seja mais propícia à obtenção da desta Convenção e que não for resolvida por ne-
igualdade entre homens e mulheres e que seja contida: gociações será, a pedido de qualquer das Partes na
a) Na legislação de um Estado-Parte ou controvérsia, submetida a arbitragem. Se no prazo
b) Em qualquer outra convenção, tratado ou de seis meses a partir da data do pedido de arbi-
acordo internacional vigente nesse Estado. tragem as Partes não acordarem sobre a forma da
arbitragem, qualquer das Partes poderá submeter
Artigo 24 a controvérsia à Corte Internacional de Justiça me-
Os Estados-Partes comprometem-se a adotar to- diante pedido em conformidade com o Estatuto da
das as medidas necessárias em âmbito nacional Corte.
para alcançar a plena realização dos direitos reco- 2. Qualquer Estado-Parte, no momento da assina-
nhecidos nesta Convenção. tura ou ratificação desta Convenção ou de adesão a
Artigo 25 ela, poderá declarar que não se considera obrigado
pelo parágrafo anterior. Os demais Estados-Partes
1. Esta Convenção estará aberta à assinatura de não estarão obrigados pelo parágrafo anterior pe-
todos os Estados. rante nenhum Estado-Parte que tenha formulado
2. O Secretário-Geral das Nações Unidas fica de- essa reserva.
signado depositário desta Convenção. 3. Qualquer Estado-Parte que tenha formulado a
3. Esta Convenção está sujeita a ratificação. Os ins- reserva prevista no parágrafo anterior poderá reti-
trumentos de ratificação serão depositados junto rá-la em qualquer momento por meio de notifica-
ao Secretário-Geral das Nações Unidas. ção ao Secretário-Geral das Nações Unidas.

24
Artigo 30 § 6º O crime de tortura é inafiançável e insuscetível
de graça ou anistia.
Esta convenção, cujos textos em árabe, chinês,
§ 7º O condenado por crime previsto nesta Lei, sal-
espanhol, francês, inglês e russo são igualmente au- vo a hipótese do § 2º, iniciará o cumprimento da
tênticos será depositada junto ao Secretário-Geral pena em regime fechado.
das Nações Unidas.
Art. 2º O disposto nesta Lei aplica-se ainda quan-
Em testemunho do que, os abaixo-assinados de- do o crime não tenha sido cometido em território
vidamente autorizados, assinaram esta Convenção. nacional, sendo a vítima brasileira ou encontran-
do-se o agente em local sob jurisdição brasileira.
4. Lei nº 9.455, de 7 Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
de Abril de 1997 blicação.
Art. 4º Revoga-se o art. 233 da Lei nº 8.069, de 13
de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Ado-
Define os crimes de tortura e dá outras providên- lescente.
cias.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber 5. Lei nº 10.549, de 28 de
que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a
seguinte Lei: Dezembro de 2006
Art. 1º Constitui crime de tortura:
Modifica a estrutura organizacional da Admi-
I - constranger alguém com emprego de violên- nistração Pública do Poder Executivo Estadual e dá
cia ou grave ameaça, causando-lhe sofrimento
físico ou mental:
outras providências. O GOVERNADOR DO ESTA-
DO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legis-
a) com o fim de obter informação, declara-
ção ou confissão da vítima ou de terceira
lativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
pessoa; Art. 1º A Administração Pública Estadual fica mo-
b) para provocar ação ou omissão de natu- dificada na forma da presente Lei.
reza criminosa; Art. 2º Ficam alteradas as denominações das se-
c) em razão de discriminação racial ou re- guintes Secretarias de Estado:
ligiosa; I - Secretaria do Trabalho, Assistência Social
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder e Esporte - SETRAS, para Secretaria do
ou autoridade, com emprego de violência ou Trabalho, Emprego, Renda e Esporte - SETRE;
grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou II - Secretaria de Combate à Pobreza e às De-
mental, como forma de aplicar castigo pessoal sigualdades Sociais - SECOMP, para Secreta-
ou medida de caráter preventivo. ria de Desenvolvimento Social e Combate à
Pena - reclusão, de dois a oito anos. Pobreza - SEDES;
§ 1º Na mesma pena incorre quem submete pessoa III - Secretaria de Governo - SEGOV para
presa ou sujeita a medida de segurança a sofrimen- Casa Civil;
to físico ou mental, por intermédio da prática de IV - Secretaria de Cultura e Turismo - SCT,
ato não previsto em lei ou não resultante de medi- para Secretaria de Cultura - SECULT;
da legal.
V - Secretaria da Justiça e Direitos Humanos -
§ 2º Aquele que se omite em face dessas condutas, SJDH, para Secretaria da Justiça, Cidadania e
quando tinha o dever de evitá-las ou apurá-las, in- Direitos Humanos - SJCDH.
corre na pena de detenção de um a quatro anos.
Art. 3º Ficam criadas as seguintes Secretarias:
§ 3º Se resulta lesão corporal de natureza grave ou
gravíssima, a pena é de reclusão de quatro a dez I - Secretaria de Relações Institucionais -
anos; se resulta morte, a reclusão é de oito a dezes- SERIN;
seis anos. II - Secretaria de Promoção da Igualdade -
§ 4º Aumenta-se a pena de um sexto até um terço: SEPROMI;
I - se o crime é cometido por agente público; III - Secretaria de Desenvolvimento e Integra-
II – se o crime é cometido contra criança, ção Regional – SEDIR;
gestante, portador de deficiência, adolescente IV - Secretaria de Turismo - SETUR.
ou maior de 60 (sessenta) anos; (Redação dada Art. 4º Ficam transferidas as seguintes atividades,
pela Lei nº 10.741, de 2003) funções, fundos, órgãos e entidades:
III - se o crime é cometido mediante sequestro. I - da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda
§ 5º A condenação acarretará a perda do cargo, e Esporte - SETRE, para a Secretaria de De-
função ou emprego público e a interdição para seu senvolvimento Social e Combate à Pobreza -
exercício pelo dobro do prazo da pena aplicada. SEDES:

25
a) a Superintendência de Assistência Social; VII - da Secretaria do Planejamento - SEPLAN
b) o Fundo Estadual de Assistência Social, para a Secretaria de Desenvolvimento e Inte-
de que trata a Lei 6.930/95; gração Regional - SEDIR:
c) o Fundo Estadual de Atendimento à a) os Conselhos Regionais de Desenvolvi-
Criança e ao Adolescente, de que trata a Lei mento;
6975/96; b) a Companhia de Desenvolvimento e
d) a Fundação da Criança e do Adolescente Ação Regional – CAR.
- FUNDAC; Art. 5º As estruturas básicas da Secretaria de Rela-
ções Institucionais - SERIN, da Secretaria de Pro-
e) o Conselho Estadual de Assistência Social
moção da Igualdade - SEPROMI e da Secretaria de
- CEAS;
Desenvolvimento e Integração Regional - SEDIR,
f) o Conselho Estadual da Criança e do não conterão a Diretoria Geral prevista no art. 2º
Adolescente - CECA; da Lei 7.435/98.
g) a Comissão Interinstitucional de Defesa Parágrafo único. Fica criada a Diretoria de Ad-
Civil - CIDEC; ministração e Finanças em cada uma das Secre-
h) a Coordenação de Defesa Civil - COR- tarias referidas neste artigo e no Gabinete do Go-
DEC; vernador, tendo por finalidade o planejamento e
coordenação das atividades de programação, orça-
II - da Secretaria de Desenvolvimento Social
mentação, acompanhamento, avaliação, estudos e
e Combate à Pobreza - SEDES, para a Casa análises, administração financeira e de contabili-
Civil, o Fundo Estadual de Combate e Erradi- dade, material, patrimônio, serviços, recursos hu-
cação da Pobreza - FUNCEP, instituído pelo manos, modernização administrativa e informáti-
art. 4º da Lei 7.988/2001; ca.
III - da Secretaria de Desenvolvimento Social Art. 6º A Secretaria de Relações Institucionais -
e Combate à Pobreza - SEDES, para a Casa SERIN tem por finalidade a coordenação política
Civil: do Poder Executivo e de suas relações com os de-
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

a) a Diretoria Executiva do FUNCEP mais Poderes das diversas esferas de Governo, com
criada pelo art. 2º, II, “c” e § 8º da Lei a sociedade civil e suas instituições.
7.988/2001, com as alterações introduzidas § 1º A Secretaria de Relações Institucionais - SE-
pela Lei 9.509/2005, exceto a Coordenação RIN tem a seguinte estrutura básica:
de Orçamento e Finanças; a) Gabinete do Secretário;
b) o Conselho de Políticas de Inclusão So- b) Diretoria de Administração e Finanças;
cial;
c) Coordenação de Assuntos Legislativos;
c) a Câmara Técnica de Gestão de Progra-
d) Coordenação de Assuntos Federativos;
mas;
e) Coordenação de Articulação Social.
IV - da Casa Civil:
Parágrafo único. As Coordenações têm por obje-
a) para a Secretaria de Relações Institucio- tivo o planejamento, a execução e o controle das
nais – SERIN: as funções de coordenação de atividades a cargo da Secretaria de Relações Ins-
assuntos legislativos; titucionais – SERIN, conforme dispuser o Regula-
b) para o Gabinete do Governador, órgão mento.
vinculado diretamente ao Governador: a Art. 7º A Secretaria de Promoção da Igualdade -
Ouvidoria Geral do Estado, a Secretaria SEPROMI tem por finalidade planejar e executar
Particular do Governador, o Escritório de políticas de promoção da igualdade racial e pro-
Representação do Governo, o Cerimonial e teção dos direitos de indivíduos e grupos étnicos
a Assessoria Especial do Governador; atingidos pela discriminação e demais formas de
V - da Secretaria de Cultura para a Secretaria intolerância, bem assim, planejar e executar as po-
de Turismo - SETUR: líticas públicas de caráter transversal para as mu-
lheres.
a) a Superintendência de Investimentos em
Polos Turísticos; § 1º A Secretaria de Promoção à Igualdade - SE-
PROMI tem a seguinte estrutura básica:
b) a Empresa de Turismo da Bahia S/A –
BAHIATURSA; I - Órgãos Colegiados:
VI - da Secretaria da Justiça, Cidadania e a) Conselho de Desenvolvimento da Comu-
Direitos Humanos - SJCDH, para a Secretaria nidade Negra;
de Promoção da Igualdade - SEPROMI: b) Conselho Estadual de Defesa dos Direitos
a) o Conselho de Desenvolvimento da Co- da Mulher;
munidade Negra; II - Órgãos da Administração Direta:
b) o Conselho de Defesa dos Direitos da Mu- a) Gabinete do Secretário;
lher; b) Diretoria de Administração e Finanças;

26
c) Superintendência de Políticas para as a) Chefia do Gabinete;
Mulheres; b) Ouvidoria Geral do Estado;
d) Superintendência de Promoção da Igual- c) Secretaria Particular do Governador;
dade Racial.
d) Cerimonial;
§ 2º A Superintendência de Políticas para as Mu-
e) Assessoria Especial do Governador;
lheres tem por finalidade orientar, apoiar, coorde-
nar, acompanhar, controlar e executar programas f) Assessoria Internacional;
e atividades voltadas à implementação de políticas g) Escritório de Representação do Governo;
para as mulheres, implementar ações afirmativas h) Diretoria de Administração e Finanças.
e definir ações públicas de promoção da igualdade Parágrafo único. Fica criado o cargo de Chefe de
entre homens e mulheres e de combate à discrimi- Gabinete do Governador, ao qual são asseguradas
nação. as prerrogativas, representação, remuneração e
§ 3º A Superintendência de Promoção da Igual- impedimentos de Secretário de Estado, cabendo-
dade Racial tem por finalidade orientar, apoiar, lhe a supervisão e a coordenação dos órgãos inte-
coordenar, acompanhar, controlar e executar pro- grantes da estrutura do Gabinete do Governador, a
gramas e atividades voltadas à implementação de elaboração da agenda e o exercício de outras atri-
políticas e diretrizes para a promoção da igualdade buições designadas pelo Governador.
e da proteção dos direitos de indivíduos e grupos Art. 10. A Secretaria do Trabalho, Emprego, Ren-
raciais e étnicos, afetados por discriminação racial da e Esporte - SETRE tem por finalidade planejar e
e demais formas de intolerância. executar as políticas de emprego e renda e de apoio
§ 4º Fica acrescida à composição do Conselho de à formação do trabalhador, de economia solidária
Desenvolvimento da Comunidade Negra e do e de fomento ao esporte.
Conselho Estadual de Defesa dos Diretos da Mu- Parágrafo único. Fica criada na Secretaria do
lher, de que tratam as alíneas “a” e “b” do art. 17 da Trabalho, Emprego, Renda e Esporte - SETRE a
Lei nº 4.697/87, a representação da Secretaria de Superintendência de Economia Solidária, com a fi-

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
Promoção da Igualdade - SEPROMI. nalidade de planejar, coordenar, executar e acom-
Art. 8º A Secretaria de Desenvolvimento e Inte- panhar as ações e programas de fomento à econo-
gração Regional - SEDIR tem por finalidade pla- mia solidária.
nejar e coordenar a execução da política estadual Art. 11. A Secretaria de Desenvolvimento Social
de desenvolvimento regional integrado; formular, e Combate à Pobreza - SEDES tem por finalidade
em parceria com o Conselho Estadual de Desen- planejar, coordenar, executar e fiscalizar as políti-
volvimento Econômico e Social, os planos e pro- cas de desenvolvimento social, segurança alimen-
gramas regionais de desenvolvimento; estabelecer tar e nutricional e de assistência social.
estratégias de integração das economias regionais;
§ 1º A Superintendência de Apoio à Inclusão So-
acompanhar e avaliar os programas integrados de
cial, passa a ser denominada Superintendência de
desenvolvimento regional.
Inclusão e Assistência Alimentar, com a finalidade
§ 1º A Secretaria de Desenvolvimento e Integração de promover as ações de inclusão social e de assis-
Regional - SEDIR tem a seguinte estrutura básica: tência alimentar, conforme dispuser o regulamen-
I - Órgãos Colegiados: to.
a) Conselhos Regionais de Desenvolvimen- § 2º Fica extinta a Superintendência de Articula-
to. ção e Programas Especiais.
II - Órgãos da Administração Direta: Art. 12. A Secretaria de Desenvolvimento Social e
a) Gabinete do Secretário; Combate à Pobreza - SEDES tem a seguinte estru-
tura básica:
b) Diretoria de Administração e Finanças;
I - Órgãos Colegiados:
c) Coordenação de Políticas do Desenvolvi-
mento Regional; a) Comissão Interinstitucional de Defesa
Civil - CIDEC;
d) Coordenação de Programas Regionais;
b) Conselho Estadual dos Direitos da Crian-
III - Entidade da Administração Indireta: ça e do Adolescente - CECA;
a) Companhia de Desenvolvimento e Ação c) Conselho Estadual de Assistência Social
Regional - CAR. - CEAS;
§ 2º As coordenações têm por objetivo o planeja- d) Conselho de Segurança Alimentar e Nu-
mento, a execução e o controle das atividades a tricional do Estado da Bahia - CONSEA –
cargo da Secretaria de Desenvolvimento e Integra- BA;
ção Regional - SEDIR, conforme dispuser o regu-
II - Órgãos da Administração Direta:
lamento.
a) Gabinete do Secretário;
Art. 9º O Gabinete do Governador, órgão de as-
sistência direta e imediata ao Governador, tem a b) Diretoria Geral;
seguinte estrutura básica: c) Superintendência de Assistência Social;

27
d) Superintendência de Inclusão e Assistên- Art. 16. Ficam extintos os cargos em comissão
cia Alimentar; constantes do Anexo Único desta Lei.
III - Órgão em Regime Especial de Administra- Art. 17. Fica o Chefe do Poder Executivo autori-
ção Direta: zado a promover, no prazo de 120 (cento e vinte)
a) Coordenação de Defesa Civil - CORDEC. dias:
IV - Entidade da Administração Indireta: I - a revisão e a elaboração dos regimentos, es-
a) Fundação da Criança e do Adolescente - tatutos e outros instrumentos regulamentado-
FUNDAC. res para adequação das alterações organizacio-
Parágrafo único. O Secretário do Desenvolvimento nais decorrentes desta Lei;
Social e Combate à Pobreza - SEDES passa a integrar II - as modificações orçamentárias necessá-
na condição de presidente, o Conselho Estadual de rias ao cumprimento desta Lei, respeitados os
Assistência Social - CEAS, o Conselho Estadual dos valores globais constantes do orçamento do
Direitos da Criança e do Adolescente - CECA e a Co- exercício de 2007.
missão Interinstitucional de Defesa Civil - CIDEC. Parágrafo único. As modificações de que trata o
Art. 13. A Secretaria de Turismo - SETUR tem por inciso II deste artigo incluem a abertura de créditos
finalidade planejar, coordenar e executar políticas especiais destinados, exclusivamente, à criação de
de promoção e fomento ao turismo. categorias de programação indispensáveis ao fun-
§ 1º A Secretaria de Turismo - SETUR tem a se- cionamento de órgãos criados ou decorrentes desta
guinte estrutura básica: Lei, respeitado o Art. 7º da Lei Orçamentária de
I - Órgãos da Administração Direta: 2007.
a) Gabinete do Secretário; Art. 18. Fica o Poder Executivo autorizado a prati-
b) Diretoria Geral; car os atos necessários à continuidade dos serviços,
até a definitiva estruturação dos órgãos criados ou
c) Superintendência de Investimentos em reorganizados por esta Lei.
Polos Turísticos;
Art. 19. Esta Lei entrará em vigor em 1º de janeiro
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

d) Superintendência de Serviços Turísticos.


de 2007.
II - Entidade da Administração Indireta:
Art. 20. Revogam-se as disposições em contrário.
a) Empresa de Turismo da Bahia S/A -
BAHIATURSA. 6. Lei nº 12.212, de 04
§ 2º A Superintendência de Serviços Turísticos tem
por finalidade planejar e executar programas e de Maio de 2011
projetos de qualificação de serviços e mão-de-obra,
capacitação empresarial, certificação de qualida- Modifica a estrutura organizacional e de cargos
de, regulação e fiscalização de atividades turísti- em comissão da Administração Pública do Poder
cas.
Executivo Estadual, e dá outras providências.
Art. 14. Ficam criadas:
I - na Secretaria da Agricultura - SEAGRI: a O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA,
Superintendência de Agricultura Familiar, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu
com a finalidade de orientar, apoiar, coorde- sanciono a seguinte Lei:
nar, acompanhar, controlar e executar progra- Art. 1º A estrutura da Administração Pública do
mas e atividades voltados ao fortalecimento da Poder Executivo Estadual fica modificada, na for-
agricultura familiar. ma da presente Lei.
II - na Secretaria da Justiça, Cidadania e Art. 2º Fica criada a Secretaria de Políticas para
Direitos Humanos - SJCDH: as Mulheres - SPM, com a finalidade de planejar,
a) a Coordenação Executiva de Defesa dos coordenar e articular a execução de políticas pú-
Direitos da Pessoa com Deficiência, com a blicas para as mulheres, tendo a seguinte estrutura
finalidade de promover e fortalecer o desen- organizacional básica:
volvimento dos programas e ações voltados
para a defesa dos direitos da pessoa porta- I - Órgão Colegiado:
dora de deficiência; a) Conselho Estadual de Defesa dos Direitos
b) a Coordenação de Políticas para os Povos da Mulher - CDDM;
Indígenas, vinculada à Superintendência de II - Órgãos da Administração Direta:
Apoio e Defesa aos Direitos Humanos. a) Gabinete da Secretária;
Art. 15. Para atender à implantação dos novos b) Diretoria de Administração e Finanças;
órgãos criados por esta Lei e às adequações na es-
trutura da Administração Pública Estadual, ficam c) Coordenação de Articulação Institucio-
criados 04 (quatro) cargos de Secretário de Estado nal e Ações Temáticas;
e os cargos em comissão constantes do Anexo Úni- d) Coordenação de Planejamento e Gestão
co desta Lei. de Políticas para as Mulheres.

28
Art. 3º O Conselho Estadual de Defesa dos Direi- Art. 8º A Coordenação de Planejamento e Gestão
tos da Mulher - CDDM, órgão consultivo, tem por de Políticas para as Mulheres tem por finalidade
finalidade estabelecer diretrizes e normas relativas apoiar a formulação e a implementação de políti-
às políticas e medidas que visem eliminar a discri- cas públicas de gênero, de forma transversal.
minação e garantir condições de liberdade e equi- Art. 9º Fica alterada a denominação da Secretaria
dade de direitos para a mulher, assegurando sua de Promoção da Igualdade - SEPROMI para Secre-
plena participação nas atividades políticas, sociais, taria de Promoção da Igualdade Racial - SEPRO-
econômicas e culturais do Estado. MI, que passa a ter por finalidade planejar e execu-
Parágrafo único. As normas de funcionamento do tar políticas de promoção da igualdade racial e de
CDDM serão estabelecidas em Regimento próprio. proteção dos direitos de indivíduos e grupos étnicos
Art. 4º O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos atingidos pela discriminação e demais formas de
da Mulher - CDDM tem a seguinte composição: intolerância.
I - a Secretária de Políticas para as Mulheres, Art. 10. Ficam excluídas da finalidade e compe-
que o presidirá; tências da SEPROMI as atividades pertinentes ao
II - 06 (seis) servidoras estaduais, representan- planejamento e execução das políticas públicas de
tes das Secretarias de Promoção da Igualdade caráter transversal para as mulheres.
Racial, da Educação, da Saúde, da Justiça, Parágrafo único. Fica transferido da SEPROMI
Cidadania e Direitos Humanos, do Trabalho, para a Secretaria de Políticas para as Mulheres -
Emprego, Renda e Esporte e da Segurança SPM o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos
Pública; da Mulher - CDDM.
III - 12 (doze) representantes da sociedade Art. 11. A Secretaria de Promoção da Igualdade
civil, sendo: Racial passa a ter a seguinte estrutura organizacio-
a) 05 (cinco) membros de organizações de nal básica:
mulheres, legalmente constituídas; I - Órgão Colegiado:

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
b) 02 (duas) de notória atuação na luta pela a) Conselho de Desenvolvimento da Comu-
defesa dos direitos da mulher; nidade Negra - CDCN;
c) 01 (uma) da comunidade acadêmica vin- II - Órgãos da Administração Direta:
culada ao estudo da condição feminina; a) Gabinete do Secretário;
d) 01 (uma) das trabalhadoras rurais; b) Diretoria de Administração e Finanças;
e) 01 (uma) das trabalhadoras urbanas; c) Coordenação de Promoção da Igualdade
f) 01 (uma) das mulheres negras; Racial;
g) 01 (uma) indígena. d) Coordenação de Políticas para as Comu-
§ 1º As titulares do Conselho e suas suplentes serão nidades Tradicionais.
nomeadas pelo Governador do Estado, sendo que Art. 12. O Conselho de Desenvolvimento da Co-
as referidas nos incisos II e III, deste artigo, serão munidade Negra - CDCN, órgão colegiado, tem
indicadas pelos respectivos órgãos e entidades. por finalidade estudar, propor e acompanhar me-
§ 2º O Conselho Estadual de Defesa dos Direitos didas de relacionamento dos órgãos governamen-
da Mulher manterá a atual composição até a de- tais com a comunidade negra, visando resgatar o
finitiva indicação e nomeação dos representantes direito à sua plena cidadania e participação na
dos órgãos e entidades que o compõem, conforme sociedade.
estabelecido nos incisos II e III deste artigo. Art. 13. O Gabinete do Secretário tem por finali-
Art. 5º O Gabinete da Secretária tem por finalida- dade prestar assistência ao Titular da Pasta, em
de prestar assistência ao Titular da Pasta, em suas suas tarefas técnicas e administrativas.
tarefas técnicas e administrativas. Art. 14. A Diretoria de Administração e Finanças
Art. 6º A Diretoria de Administração e Finanças tem por finalidade o planejamento e coordenação
tem por finalidade o planejamento e coordenação das atividades de programação, orçamentação,
das atividades de programação, orçamentação, acompanhamento, avaliação, estudos e análises,
acompanhamento, avaliação, estudos e análises, administração financeira e de contabilidade, ma-
administração financeira e de contabilidade, ma- terial, patrimônio, serviços, recursos humanos,
terial, patrimônio, serviços, recursos humanos, modernização administrativa e informática.
modernização administrativa e informática. Art. 15. A Coordenação de Promoção da Igual-
Art. 7º A Coordenação de Articulação Institucio- dade Racial tem por finalidade orientar, apoiar,
nal e Ações Temáticas tem por finalidade integrar coordenar, acompanhar, controlar e executar pro-
as políticas para as mulheres nas áreas de educa- gramas e atividades voltadas à implementação de
ção, saúde, trabalho e participação política, visan- políticas e diretrizes para a promoção da igualdade
do o combate à violência contra a mulher e a re- e da proteção dos direitos de indivíduos e grupos
dução das desigualdades de gênero e a eliminação raciais e étnicos, afetados por discriminação racial
de todas as formas de discriminação identificadas. e demais formas de intolerância.

29
Art. 16. A Coordenação de Políticas para as Co- Parágrafo único. As normas de funcionamento do
munidades Tradicionais tem por finalidade for- CP serão estabelecidas em Regimento próprio.
mular políticas de promoção da defesa dos direitos Art. 21. O Conselho Penitenciário - CP tem a se-
e interesses das comunidades tradicionais, inclu- guinte composição:
sive quilombolas, no Estado da Bahia, reduzindo
I - o Secretário de Administração Penitenciária
as desigualdades e eliminando todas as formas de
e Ressocialização;
discriminação identificadas.
II - 01 (um) representante da Defensoria
Art. 17. A estrutura de cargos em comissão da SE-
Pública da União;
PROMI fica alterada, na forma a seguir indicada:
III - 01 (um) representante da Defensoria
I - ficam extintos 02 (dois) cargos de Superin-
Pública do Estado da Bahia;
tendente, símbolo DAS-2A;
IV - 01 (um) representante do Ministério
II - ficam criados 02 (dois) cargos de Coorde-
Público Federal;
nador Executivo, símbolo DAS-2B;
V - 01 (um) representante do Ministério
III - ficam remanejados, da extinta Superin-
Público do Estado da Bahia;
tendência de Políticas para as Mulheres para
a Coordenação de Políticas para as Comuni- VI - 01 (um) representante da Ordem dos
dades Tradicionais, ora criada, 01 (um) cargo Advogados do Brasil - OAB, Secção Bahia,
de Coordenador I, símbolo DAS-2C, 01 (um) indicado pelo seu Conselho Estadual;
cargo de Coordenador II, símbolo DAS- 3, 01 VII - 02 (dois) professores ou profissionais no-
(um) cargo de Coordenador III, símbolo DAI-4 toriamente especializados em Direito Penal,
e 01 (um) cargo de Secretário Administrativo I, Processual Penal ou Penitenciário;
símbolo DAI-5. VIII - 02 (dois) professores ou profissionais no-
Art. 18. Fica criado, na estrutura de cargos em toriamente especializados em Medicina Legal
comissão da SEPROMI, alocado na Diretoria de ou Psiquiatria;
Administração e Finanças, 01 (um) cargo de Coor- IX - 02 (dois) representantes da comunidade,
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

denador II, símbolo DAS-3. de livre escolha do Governador.


Art. 19. Fica criada a Secretaria de Administra- § 1º O Presidente do Conselho será um de seus
ção Penitenciária e Ressocialização - SEAP, com membros, nomeado pelo Governador do Estado,
a finalidade de formular políticas de ações penais mediante indicação do Colegiado, em lista tríplice,
e de ressocialização de sentenciados, bem como de através de votação secreta.
planejar, coordenar e executar, em harmonia com
§ 2º Os membros do Conselho e seus suplentes se-
o Poder Judiciário, os serviços penais do Estado,
rão nomeados pelo Governador do Estado, sendo
tendo a seguinte estrutura organizacional básica:
que os referidos nos incisos II a VI deste artigo, se-
I - Órgãos Colegiados: rão indicados pelos respectivos órgãos e entidades.
a) Conselho Penitenciário - CP; § 3º Os membros indicados nos incisos VII, VIII e
b) Conselho de Operações do Sistema Pri- IX deste artigo, serão escolhidos pelo Governador
sional; do Estado.
II - Órgãos da Administração Direta: Art. 22. O Conselho de Operações do Sistema Pri-
a) Gabinete do Secretário; sional, órgão de integração e avaliação das ações
operacionais, é composto pelo Secretário de Admi-
b) Ouvidoria;
nistração Penitenciária e Ressocialização, que o
c) Corregedoria do Sistema Penitenciário; presidirá e pelos Dirigentes da Superintendência de
d) Coordenação de Monitoramento e Ava- Gestão Prisional, da Corregedoria do Sistema Pe-
liação do Sistema Prisional; nitenciário e da Coordenação de Monitoramento
e) Diretoria Geral; e Avaliação do Sistema Prisional, bem como das
Unidades Prisionais.
f) Superintendência de Ressocialização Sus-
tentável; Art. 23. O Gabinete do Secretário tem por finali-
dade prestar assistência ao Titular da Pasta, em
g) Superintendência de Gestão Prisional:
suas tarefas técnicas e administrativas.
1. Sistema Prisional;
Art. 24. A Ouvidoria tem por finalidade receber e
h) Central de Apoio e Acompanhamento examinar denúncias, reclamações e sugestões dos
às Penas e Medidas Alternativas da Bahia cidadãos, relacionadas à atuação da Secretaria.
- CEAPA:
Art. 25. A Corregedoria do Sistema Penitenciá-
1. Núcleos de Apoio e Acompanhamento às rio tem por finalidade acompanhar, controlar e
Penas e Medidas Alternativas. avaliar a regularidade da atuação funcional e da
Art. 20. O Conselho Penitenciário - CP, órgão con- conduta dos servidores da Secretaria de Adminis-
sultivo e fiscalizador da execução penal, tem por tração Penitenciária e Ressocialização - SEAP, em
finalidade estabelecer diretrizes e normas relativas estreita articulação com o Sistema de Correição
à política criminal e penitenciária no Estado. Estadual.

30
Art. 26. A Coordenação de Monitoramento e Ava- Art. 33. Fica transferida da Secretaria da Justiça,
liação do Sistema Prisional tem por finalidade Cidadania e Direitos Humanos - SJCDH para a
coordenar e acompanhar o fluxo de dados e infor- Secretaria de Administração Penitenciária e Res-
mações, visando ao aprimoramento das práticas socialização - SEAP, a vinculação do Conselho Pe-
das Unidades Prisionais. nitenciário - CP, ficando extintos, da estrutura de
Art. 27. A Diretoria Geral tem por finalidade a cargos em comissão da SJCDH, 01 (um) cargo de
Presidente de Conselho, símbolo DAS-2C, 01 (um)
coordenação dos órgãos setoriais e seccionais, dos
cargo de Coordenador II, símbolo DAS-3 e 01 (um)
sistemas formalmente instituídos, responsáveis
cargo de Coordenador IV, símbolo DAI-5.
pela execução das atividades de programação, or-
çamentação, acompanhamento, avaliação, estudos Art. 34. Ficam criadas, na estrutura organizacio-
e análises, material, patrimônio, serviços, recursos nal e de cargos em comissão da Secretaria da Jus-
humanos, modernização administrativa e infor- tiça, Cidadania e Direitos Humanos - SJCDH, as
mática, e administração financeira e de contabili- seguintes Unidades, na forma a seguir indicada:
dade. I - a Superintendência dos Direitos das Pessoas
com Deficiência, com a finalidade de planejar,
Art. 28. A Superintendência de Ressocialização
coordenar, supervisionar, avaliar e fiscalizar
Sustentável tem por finalidade implantar ativida- a execução das políticas públicas estaduais
des que possibilitem a ressocialização e reabilita- voltadas para a promoção e proteção dos
ção do indivíduo sob custódia, através do desen- direitos das pessoas com deficiência;
volvimento de programas de educação, cultura e
trabalho produtivo. II - a Superintendência de Prevenção e Aco-
lhimento aos Usuários de Drogas e Apoio
Art. 29. A Superintendência de Gestão Prisional Familiar, com a finalidade de planejar, coor-
tem por finalidade administrar e supervisionar o denar, supervisionar, avaliar e fiscalizar a
cumprimento das atividades alusivas à execução execução das políticas públicas preventivas
penal, em conformidade com ações de humaniza- às drogas e de atendimento aos dependentes e
ção, bem como administrar e supervisionar o Siste- suas famílias, promovendo a reinserção social

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
ma Prisional. de usuários de drogas.
Parágrafo único. O Sistema Prisional é composto § 1º Para atender ao disposto no inciso I deste arti-
pelos Presídios, Penitenciárias, Colônias Penais, go, ficam criados 01 (um) cargo de Superintenden-
Conjuntos Penais, Cadeias Públicas, Hospital te, símbolo DAS-2A, 02 (dois) cargos de Diretor,
de Custódia e Tratamento, Casa do Albergado e símbolo DAS-2C, 01 (um) cargo de Assessor Téc-
Egressos, Centro de Observação Penal, Central nico, símbolo DAS-3, 02 (dois) cargos de Assessor
Médica Penitenciária e Unidade Especial Discipli- Administrativo, símbolo DAI-4 e 01 (um) cargo de
nar. Secretário Administrativo I, símbolo DAI-5.
Art. 30. A Central de Apoio e Acompanhamento § 2º Para atender ao disposto no inciso II deste ar-
às Penas e Medidas Alternativas da Bahia - CEA- tigo, ficam criados 01 (um) cargo de Superinten-
PA tem por finalidade acompanhar a execução de dente, símbolo DAS-2A, 02 (dois) cargos de Dire-
medidas e penas alternativas aplicadas pelos ór- tor, símbolo DAS-2C, 01 (um) cargo de Assessor
gãos do Poder Judiciário do Estado da Bahia. Técnico, símbolo DAS-3 e 01 (um) cargo de Secre-
tário Administrativo I, símbolo DAI-5.
Parágrafo único. Os Núcleos de Apoio e Acom-
panhamento às Penas e Medidas Alternativas de § 3º Fica extinta, da estrutura organizacional e
de cargos em comissão da Secretaria da Justiça,
que trata o art. 1º da Lei nº 11.042, de 09 de maio
Cidadania e Direitos Humanos - SJCDH, a Coor-
de 2008, ficam vinculados à Central de Apoio e
denação Executiva de Defesa dos Direitos da Pes-
Acompanhamento às Penas e Medidas Alternati- soa com Deficiência, bem como 01 (um) cargo de
vas da Bahia - CEAPA. Coordenador Executivo, símbolo DAS-2B.
Art. 31. Ficam excluídas da finalidade e compe- Art. 35. Fica extinta, da estrutura organizacional e
tências da Secretaria da Justiça, Cidadania e Di- de cargos em comissão da SJCDH, a Corregedoria,
reitos Humanos - SJCDH, as atividades pertinen- bem como 01 (um) cargo de Coordenador I, sím-
tes à execução da política e da administração do bolo DAS-2C, 02 (dois) cargos de Coordenador II,
Sistema Penitenciário do Estado. símbolo DAS-3 e 01 (um) cargo de Secretário Ad-
Art. 32. Fica extinta, na SJCDH, a Superintendên- ministrativo I, símbolo DAI-5.
cia de Assuntos Penais - SAP, ficando os seus bens Art. 36. Ficam extintos, da estrutura de cargos em
patrimoniais e acervo transferidos para a Secreta- comissão da SJCDH, 01 (um) cargo de Coordena-
ria de Administração Penitenciária e Ressocializa- dor Técnico, símbolo DAS-2D, 01 (um) cargo de
ção - SEAP. Coordenador II, símbolo DAS-3 e 01 (um) cargo
Parágrafo único. Para atender ao disposto no de Coordenador III, símbolo DAI-4, alocados na
caput deste artigo, fica extinto o Quadro de Car- Diretoria Geral.
gos em Comissão da Superintendência de Assuntos Art. 37. Fica alterada a denominação do Centro
Penais - SAP, da Secretaria da Justiça, Cidadania e de Educação em Direitos Humanos e Assuntos Pe-
Direitos Humanos - SJCDH. nais - CEDHAP, criado pela Lei nº 10.955, de 21 de

31
dezembro de 2007, para Centro de Educação em VII - receber e reencaminhar denúncias sobre
Direitos Humanos, com a finalidade de executar abusos e violações de direitos humanos nos
programas, projetos e atividades de formação e veículos de comunicação no Estado da Bahia,
educação em Direitos Humanos. aos órgãos competentes, para adoção de pro-
Art. 38. Fica criada a Secretaria de Comunicação So- vidências nos seus respectivos âmbitos de
cial - SECOM, com a finalidade de propor, coordenar atuação;
e executar a política de comunicação social do Gover- VIII - fomentar a produção e difusão de con-
no, bem como de promover a radiodifusão pública, teúdos de iniciativa estadual, observadas as
tendo a seguinte estrutura organizacional básica: diversidades artísticas, culturais, regionais e
I - Órgão Colegiado: sociais da Bahia;
a) Conselho Estadual de Comunicação So- IX - estimular o fortalecimento da rede pública
cial; de comunicação, de modo que ela tenha uma
participação ativa na execução das políticas de
II - Órgãos da Administração Direta: comunicação do Estado da Bahia;
a) Gabinete do Secretário; X - articular ações para que a distribuição das
b) Assessoria de Imprensa do Governador; verbas publicitárias do Estado seja baseada em
c) Diretoria Geral; critérios técnicos de audiência e que garantam
d) Coordenação de Comunicação Integra- a diversidade e pluralidade;
da; XI - estimular a implementação e promover o
e) Coordenação de Jornalismo; fortalecimento dos veículos de comunicação
comunitária, para facilitar o acesso à produção
III - Entidade de Administração Indireta: e à comunicação social em todo o território
a) Instituto de Radiodifusão Educativa da estadual;
Bahia - IRDEB. XII - estimular a adoção dos recursos tecno-
Art. 39. O Conselho Estadual de Comunicação So- lógicos proporcionados pela digitalização da
cial, órgão consultivo e deliberativo, tem por fina- radiodifusão privada, pública e comunitária,
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

lidade formular a Política de Comunicação Social no incentivo à regionalização da produção


do Estado, observada a competência que lhe confe- cultural, artística e jornalística, e democratiza-
re o art. 277 da Constituição do Estado da Bahia e ção dos meios de comunicação;
o disposto na Constituição Federal. XIII - recomendar a convocação e participar
Parágrafo único. O Regimento do Conselho, por da execução da Conferência Estadual de Co-
ele aprovado e homologado por ato do Governador municação e suas etapas preparatórias;
do Estado, fixará suas normas de funcionamento. XIV - elaborar e aprovar o seu Regimento
Art. 40. O Conselho Estadual de Comunicação So- Interno, para posterior homologação por ato
cial tem as seguintes competências, dentre outras do Chefe do Poder Executivo;
conferidas em Lei: XV - convocar audiências e consultas públicas
I - formular e acompanhar a execução da sobre comunicação e políticas públicas do setor;
Política de Comunicação Social do Estado e de- XVI - acompanhar a criação e o funcionamen-
senvolver canais institucionais e democráticos to de conselhos municipais de comunicação;
de comunicação permanente com a sociedade
baiana; XVII - fomentar a inclusão digital e o acesso às
redes digitais em todo o território baiano, como
II - formular propostas que contemplem o cum- forma de democratizar a comunicação;
primento do disposto nos capítulos referentes à
comunicação social das Constituições Federal XVIII - fomentar a adoção de programas de
e Estadual; capacitação e formação, assegurando a apro-
priação social de novas tecnologias da comu-
III - propor medidas que visem o aperfeiçoa- nicação.
mento de uma política estadual de comu-
Art. 41. O Conselho Estadual de Comunicação So-
nicação social, com base nos princípios de-
cial tem a seguinte composição:
mocráticos e na comunicação como direito
fundamental, estimulando o acesso, a produção I - o Secretário de Comunicação Social, que o
e a difusão da informação de interesse coletivo; presidirá;
IV - participar da elaboração do Plano II - 06 (seis) representantes do Poder Público
Estadual de Políticas Públicas de Comunicação Estadual, indicados pelo Titular da respectiva
Social, bem como acompanhar a sua execução; Pasta, sendo:
V - orientar e acompanhar as atividades dos a) 01 (um) representante da Secretaria de
órgãos públicos de radiodifusão sonora e radio- Comunicação Social - SECOM;
difusão de sons e imagem do Estado; b) 01 (um) representante da Secretaria de
VI - atuar na defesa dos direitos difusos e co- Cultura - SECULT;
letivos da sociedade baiana no que tange a co- c) 01 (um) representante da Secretaria da
municação social; Educação - SEC;

32
d) 01 (um) representante da Secretaria de Art. 42. O Gabinete do Secretário tem por finali-
Ciência, Tecnologia e Inovação - SECTI; dade prestar assistência ao Titular da Pasta, em
e) 01 (um) representante da Secretaria da Jus- suas tarefas técnicas e administrativas.
tiça, Cidadania e Direitos Humanos - SJCDH; Art. 43. A Assessoria de Imprensa do Governador
f) 01 (um) representante do Instituto de Ra- tem por finalidade divulgar os atos e expressar a
diodifusão Educativa da Bahia - IRDEB; opinião do Governador do Estado em comunica-
ções à sociedade e à imprensa, em articulação com
III - 20 (vinte) representantes da sociedade
as demais Unidades da Secretaria.
civil, sendo:
Art. 44. A Diretoria Geral tem por finalidade a
a) 01 (um) representante da entidade profis-
coordenação dos órgãos setoriais, dos sistemas for-
sional de classe;
malmente instituídos, responsáveis pela execução
b) 01 (um) representante das universidades das atividades de programação, orçamentação,
públicas, com atuação no Estado da Bahia; acompanhamento, avaliação, estudos e análises,
c) 01 (um) representante do segmento de material, patrimônio, serviços, recursos humanos,
televisão aberta e por assinatura comercial; modernização administrativa e informática, e ad-
d) 01 (um) representante do segmento de rá- ministração financeira e de contabilidade.
dio comercial; Art. 45. A Coordenação de Comunicação Integra-
e) 01 (um) representante das empresas de da tem por finalidade coordenar e acompanhar o
jornais e revistas; desenvolvimento de campanhas publicitárias ins-
titucionais do Governo, bem como avaliar a sua
f) 01 (um) representante das agências de publicidade.
publicidade;
Art. 46. A Coordenação de Jornalismo tem por
g) 01 (um) representante das empresas de finalidade divulgar os atos do Governo para a so-
telecomunicações; ciedade e a imprensa, bem como articular-se com
h) 01 (um) representante das empresas de os órgãos e entidades governamentais, para fins de

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
mídia exterior; comunicação social.
i) 01 (um) representante das produtoras de Art. 47. As Secretarias de Estado e demais órgãos
audiovisual ou serviços de comunicação; e entidades da Administração Pública Estadual
j) 01 (um) representante do movimento de prestarão o apoio e os recursos técnicos, quando
radiodifusão comunitária; solicitados pelo Secretário de Comunicação Social,
k) 01 (um) representante das entidades de necessários à implementação do Plano Estadual de
classe dos trabalhadores do segmento de co- Comunicação Social, a ser estabelecido pelo Con-
municação social; selho Estadual de Comunicação Social.
l) 01 (um) representante dos veículos comu- Art. 48. Fica transferida a vinculação estrutural
nitários ou alternativos; do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia -
IRDEB, da Secretaria de Cultura - SECULT para a
m) 03 (três) representantes das Organiza- Secretaria de Comunicação Social - SECOM, man-
ções Não-Governamentais - ONGS ou enti- tendo a mesma natureza jurídica.
dades sociais vinculadas à comunicação;
Parágrafo único. Ficam excluídas da finalidade e
n) 01 (um) representante dos movimentos competências da SECULT as atividades/funções de
sociais de comunicação; radiodifusão cultural e educativa.
o) 03 (três) representantes de entidades de Art. 49. Ficam criadas, na estrutura organiza-
movimentos sociais organizados; cional do Instituto de Radiodifusão Educativa da
p) 01 (um) representante de entidades de Bahia - IRDEB, as seguintes Unidades:
jornalismo digital. I - Diretoria de Programação e Conteúdos,
§ 1º A SECOM convocará, por meio de edital, pu- com a finalidade de planejar, coordenar, acom-
blicado no Diário Oficial do Estado, reunião pa- panhar e avaliar a programação da Rádio Edu-
ra eleição dos representantes, citados no inciso III cadora, TV Educativa, do Portal e da produção
deste artigo, cabendo-lhe, ao final, encaminhar o jornalística do IRDEB, bem como promover
resultado das indicações para deliberação do Go- e apoiar as ações relacionadas à produção
vernador do Estado. e conteúdo radiofônico e audiovisual para
§ 2º Os membros do Conselho e seus suplentes se- compor a programação do Instituto;
rão nomeados pelo Governador do Estado e toma- II - Coordenação de Planejamento e Relacio-
rão posse na 1ª (primeira) reunião do Colegiado, namento Institucional, com a finalidade de
e serão substituídos, em suas ausências e impedi- coordenar, promover, desenvolver, acompa-
mentos, pelos respectivos suplentes, previamente nhar e avaliar as ações do IRDEB, visando in-
indicados. centivar e aprimorar a interlocução e a intera-
§ 3º O mandato dos Conselheiros e de seus respec- tividade com a sociedade.
tivos suplentes será de 02 (dois) anos, permitida Art. 50. A Diretoria de Operações passa a ter por
uma recondução por igual período. finalidade promover, coordenar e supervisionar a

33
execução das atividades de radiodifusão, TV e en- I - ficam criados 02 (dois) cargos de Assessor
genharia de operação do Instituto. Especial, símbolo DAS-2C, 02 (dois) cargos de
Art. 51. Ficam criados, na estrutura de cargos em Coordenador I, símbolo DAS-2C e 03 (três)
comissão do Instituto de Radiodifusão Educativa cargos de Coordenador II, símbolo DAS-3;
da Bahia - IRDEB, 01 (um) cargo de Diretor, sím- II - fica extinto 01 (um) cargo de Assessor
bolo DAS-2B, 01 (um) cargo de Chefe de Gabinete, Técnico, símbolo DAS-3, alocado no Gabinete
símbolo DAS-2C, 02 (dois) cargos de Coordenador do Secretário.
I, símbolo DAS- 2C, e 01 (um) cargo de Assessor de Art. 58. Ficam extintos, do Quadro Especial de
Comunicação Social I, símbolo DAS-3. Cargos em Comissão da Casa Civil, 02 (dois) car-
Art. 52. Ficam extintos, na estrutura de cargos em gos de Assistente I, símbolo DAS-2C, 02 (dois) car-
comissão do Instituto de Radiodifusão Educativa gos de Assistente III, símbolo DAI-4 e 04 (quatro)
da Bahia - IRDEB, 01 (um) cargo de Assessor Espe- cargos de Assistente IV, símbolo DAI-5.
cial, símbolo DAS- 2C, 05 (cinco) cargos de Geren- Parágrafo único. O Quadro Especial de Cargos
te, símbolo DAS-3, 05 (cinco) cargos de Assistente em Comissão da Casa Civil é o constante do Anexo
III, símbolo DAI-4, e 04 (quatro) cargos de Coor- II, que integra esta Lei.
denador III, símbolo DAI-4.
Art. 59. Fica criada a Secretaria Estadual para As-
Art. 53. O Quadro de Cargos em comissão do Ins- suntos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 -
tituto de Radiodifusão Educativa da Bahia - IR- SECOPA, com a finalidade de coordenar, articular,
DEB passa a ser o constante do Anexo I desta Lei. promover, acompanhar e integrar as ações e proje-
Art. 54. Fica extinta, da estrutura organizacional tos prioritários da Copa do Mundo da FIFA Brasil
da Casa Civil, a Assessoria Geral de Comunicação 2014.
Social - AGECOM. Parágrafo único - Para atender Parágrafo único. Para cumprimento de sua finali-
ao disposto no caput deste artigo, ficam extintos, do dade, a SECOPA atuará diretamente e em apoio a
quadro de cargos em comissão da Casa Civil, 01 programas, projetos e ações executados por outros
(um) cargo de Assessor Geral, símbolo DAS-1, 01 órgãos ou entidades da Administração Pública de
(um) cargo de Assessor Especial, símbolo DAS-2B, quaisquer esferas governamentais.
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

06 (seis) cargos de Coordenador I, símbolo DAS-2C,


Art. 60. A Secretaria Estadual para Assuntos da
01 (um) cargo de Gerente, símbolo DAS-3, 15 (quin-
Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - SECOPA
ze) cargos de Assessor de Comunicação Social I, sím-
tem a seguinte estrutura organizacional básica:
bolo DAS-3, 08 (oito) cargos de Assessor de Comu-
nicação Social II, símbolo DAI-4, 02 (dois) cargos de I - Órgão Colegiado:
Assessor Administrativo, símbolo DAI-4, 01 (um) a) Comitê Gestor da Copa do Mundo da FI-
cargo de Assistente Orçamentário, símbolo DAI-4, FA Brasil 2014;
01 (um) cargo de Assessor de Comunicação Social II - Órgãos da Administração Direta:
III, símbolo DAI-5, 13 (treze) cargos de Assistente
a) Gabinete do Secretário;
IV, símbolo DAI-5, 04 (quatro) cargos de Coordena-
dor IV, símbolo DAI-5, 01 (um) cargo de Secretário b) Diretoria de Administração e Finanças;
Administrativo I, símbolo DAI-5, 04 (quatro) cargos c) Coordenação de Projetos para Assuntos
de Assistente V, símbolo DAI-6 e 05 (cinco) cargos de da Copa;
Secretário Administrativo II, símbolo DAI-6. d) Coordenação de Marketing para Assun-
Art. 55. Ficam excluídas da finalidade da Casa Ci- tos da Copa.
vil as atividades de comunicação social. Art. 56 - A Art. 61. O Comitê Gestor da Copa do Mundo da
estrutura organizacional da Casa Civil fica altera- FIFA Brasil 2014, presidido pelo Secretário da SE-
da, na forma a seguir indicada: COPA, tem por finalidade monitorar as ações ne-
I - fica extinta a Coordenação de Acompanha- cessárias ao cumprimento do calendário definido
mento de Políticas Governamentais; pela Federation Internationale de Football Asso-
II - fica criada a Coordenação de Acompanha- ciation - FIFA e pelo Comitê Organizador Local
mento de Políticas de Infraestrutura, com a fi- - COL para a realização da Copa do Mundo da
nalidade de fornecer subsídios ao Governador, FIFA Brasil 2014 na Cidade de Salvador.
na análise das políticas relativas à infraestru- Parágrafo único. O Comitê Gestor da Copa do
tura, promovendo a sua coordenação e integra- Mundo da FIFA Brasil 2014 tem sua composição
ção, em articulação com os órgãos e entidades e funcionamento estabelecidos em Regimento pró-
executoras; prio.
III - fica criada a Coordenação de Acompa- Art. 62. O Gabinete do Secretário tem por finali-
nhamento de Políticas Sociais, com a finali- dade prestar assistência ao Titular da Pasta, em
dade de fornecer subsídios ao Governador, na suas tarefas técnicas e administrativas.
análise das políticas sociais, promovendo a sua Art. 63. A Diretoria de Administração e Finanças
coordenação e integração, em articulação com tem por finalidade o planejamento e coordenação
os órgãos e entidades executoras. das atividades de programação, orçamentação,
Art. 57. A estrutura de cargos em comissão da Ca- acompanhamento, avaliação, estudos e análi-
sa Civil fica alterada, na forma a seguir indicada: ses, administração financeira e de contabilidade,

34
material, patrimônio, serviços, recursos humanos, Art. 73. A estrutura de cargos em comissão da Se-
modernização administrativa e informática. cretaria da Indústria, Comércio e Mineração fica
Art. 64. A Coordenação de Projetos para Assuntos alterada, na forma a seguir indicada:
da Copa tem por finalidade acompanhar e moni- I - ficam criados 01 (um) cargo de Superinten-
torar a implementação dos projetos e ações relacio- dente, símbolo DAS- 2A, 06 (seis) cargos de
nadas ao evento esportivo, bem como a coordena- Diretor, símbolo DAS-2B, 03 (três) cargos de
ção dos Grupos Executivos de Trabalho da Copa Assessor Especial, símbolo DAS-2C, 01 (um)
2014. cargo de Coordenador II, símbolo DAS-3 e
06 (seis) cargos de Assessor Administrativo,
Art. 65. A Coordenação de Marketing para As-
símbolo DAI-4;
suntos da Copa tem por finalidade planejar e via-
bilizar a estratégia de marketing relacionada aos II - ficam extintos 02 (dois) cargos de Assistente
projetos e ações da Copa e ao fomento das relações III, símbolo DAI-4, 02 (dois) cargos de Coor-
públicas da Secretaria. denador III, símbolo DAI-4, 04 (quatro) cargos
de Coordenador IV, símbolo DAI-5, 01 (um)
Art. 66. A SECOPA funcionará, a partir da da- cargo de Secretário Administrativo I, símbolo
ta de publicação desta Lei, até 31 de dezembro de DAI-5 e 06 (seis) cargos de Secretário Adminis-
2014, ficando extinta em 01 de janeiro de 2015. trativo II, símbolo DAI-6.
Art. 67. Para atender à implantação da Secretaria Art. 74. O Quadro de Cargos em Comissão da Se-
de Políticas para as Mulheres - SPM, da Secretaria cretaria da Indústria, Comércio e Mineração é o
de Administração Penitenciária e Ressocialização constante do Anexo VII, que integra esta Lei.
- SEAP, da Secretaria de Comunicação Social - SE- Art. 75. Fica criada, na estrutura organizacional
COM e da Secretaria Estadual para Assuntos da da Secretaria de Relações Institucionais - SERIN,
Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 - SECOPA, a Coordenação de Políticas de Juventude, com a
ficam criados 04 (quatro) cargos de Secretário de finalidade de coordenar, articular e integrar os pro-
Estado, sendo que os Quadros de Cargos em Co- gramas e ações do Governo do Estado, voltados à
missão das Secretarias de Estado, ora criadas, são

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
população jovem.
os constantes dos Anexos III, IV, V e VI, respectiva-
Parágrafo único. Para atender ao disposto no
mente, que integram esta Lei.
caput deste artigo, ficam criados, na estrutura
Art. 68. Com a extinção da SECOPA, conforme de cargos em comissão da SERIN, 01 (um) cargo
data prevista no art. 66 desta Lei, serão extintos os de Coordenador Executivo, símbolo DAS-2B, 01
cargos em comissão constantes do Anexo VI desta (um) cargo de Coordenador I, símbolo DAS-2C, 02
Lei, bem como transferidos para os órgãos da Ad- (dois) cargos de Coordenador II, símbolo DAS-3 e
ministração Pública do Poder Executivo Estadual 01 (um) cargo de Secretário Administrativo I, sím-
os bens adquiridos para o desenvolvimento das bolo DAI-5.
ações e projetos a critério do Poder Executivo Es- Art. 76. Ficam criados, na estrutura de cargos em
tadual. comissão da SERIN, 02 (dois) cargos de Coordena-
Art. 69. A Secretaria da Indústria, Comércio e dor I, símbolo DAS-2C, alocados na Coordenação
Mineração - SICM passa a ter por finalidade for- de Assuntos Federativos e na Coordenação de Arti-
mular e executar a política de desenvolvimento e culação Social, respectivamente.
apoio à indústria, ao comércio, aos serviços e à mi- Art. 77. A estrutura de cargos em comissão do Ga-
neração do Estado. binete do Governador do Estado fica alterada, na
Art. 70. O Conselho de Desenvolvimento Indus- forma a seguir indicada:
trial - CDI passa a denominar-se Conselho de De- I - ficam criados 01 (um) cargo de Chefe de
senvolvimento da Indústria e do Comércio - CDIC, Gabinete, símbolo DAS-2A, 01 (um) cargo de
órgão de natureza consultiva, com a finalidade de Coordenador de Escritório, símbolo DAS-2A,
opinar sobre a formulação da política de desenvol- 01 (um) cargo de Chefe de Cerimonial, símbolo
vimento industrial e comercial do Estado. DAS-2A, 07 (sete) cargos de Assessor Especial,
Art. 71. Fica criada, na estrutura organizacional símbolo DAS-2B, 01 (um) cargo de Coordena-
da Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração, dor Executivo, símbolo DAS-2B, 04 (quatro)
a Superintendência de Desenvolvimento Econômi- cargos de Assessor Especial, símbolo DAS-2C,
01 (um) cargo de Coordenador I, símbolo
co, com a finalidade de viabilizar a implementação
DAS-2C, 13 (treze) cargos de Coordenador
das políticas de desenvolvimento produtivo, com-
Técnico, símbolo DAS-2D, 03 (três) cargos de
petitividade e comércio exterior, acompanhando e
Assessor Técnico, símbolo DAS-3, 02 (dois)
avaliando os seus projetos estratégicos, relaciona-
cargos de Secretário de Gabinete, símbolo
dos às atividades finalísticas da Secretaria. DAS-3, 01 (um) cargo de Assessor Adminis-
Art. 72. A Superintendência de Comércio e Servi- trativo, símbolo DAI-4, 02 (dois) cargos de As-
ços passa a ter por finalidade propor políticas rela- sistente III, símbolo DAI-4, 01 (um) cargo de
tivas ao desenvolvimento comercial e de serviços, e Assistente Orçamentário, símbolo DAI-4 e 04
das micro, pequenas e médias empresas, bem como (quatro) cargos de Coordenador III, símbolo
planejar e elaborar estudos e projetos. DAI-4.

35
II - ficam extintos 01 (um) cargo de Assessor Identitárias, com a finalidade de planejar, coorde-
Especial do Governador, símbolo DAS-2A, nar, fomentar e difundir informações sobre cultu-
01 (um) cargo de Diretor, símbolo DAS-2A e ras populares indígenas e afrodescendentes e sedi-
01 (um) cargo de Coordenador de Escritório, mentar o processo de desenvolvimento da cultura
símbolo DAS-2B. regional do Estado, bem como promover a dina-
Art. 78. Os cargos em comissão de Secretário Par- mização e gestão cultural do Centro Histórico de
ticular do Governador, símbolo DAS-2A e de Che- Salvador.
fe de Cerimonial, símbolo DAS-2A, alocadas no Art. 86. Ficam criados, na estrutura de cargos em
Gabinete do Governador, serão ocupados, prefe- comissão da Secretaria de Cultura, 02 (dois) car-
rencialmente, por portadores de diploma de nível gos de Assessor Especial, símbolo DAS-2C, 01 (um)
superior. cargo de Coordenador I, símbolo DAS-2C, 01 (um)
Art. 79. O Quadro de Cargos em Comissão do Ga- cargo de Diretor, símbolo DAS-2C, 01 (um) cargo
binete do Governador - GABGOV é o constante do de Assessor Técnico, símbolo DAS-3, 17 (dezesse-
Anexo VIII que integra esta Lei. te) cargos de Coordenador II, símbolo DAS-3, 02
(dois) cargos de Assessor Administrativo, símbolo
Art. 80. Ficam criados, na estrutura de cargos em DAI-4, 17 (dezessete) cargos de Coordenador de
comissão da Secretaria da Agricultura, Irrigação e Centro de Cultura, símbolo DAI-4, 07 (sete) cargos
Reforma Agrária - SEAGRI, 01 (um) cargo de Di- de Coordenador III, símbolo DAI-4, 02 (dois) car-
retor, símbolo DAS-2C, 08 (oito) cargos de Coor- gos de Coordenador IV, símbolo DAI-5, 01 (um)
denador II, símbolo DAS-3, 03 (três) cargos de cargo de Secretário Administrativo I, símbolo DAI-
Coordenador III, símbolo DAI-4 e 02 (dois) cargos 5 e 18 (dezoito) cargos de Secretário Administrati-
de Assessor Administrativo, símbolo DAI-4, aloca- vo II, símbolo DAI-6.
dos na Superintendência de Agricultura Familiar
Art. 87. Fica extinto, na estrutura de cargos em
- SUAF.
comissão da Secretaria de Cultura, 01 (um) cargo
Art. 81. Ficam criados, na estrutura de cargos em de Assistente de Execução Orçamentária, símbolo
comissão da Secretaria da Segurança Pública - SSP, DAI-5.
01 (um) cargo de Assessor de Comunicação Social,
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

Art. 88. Ficam criadas, na estrutura organizacio-


símbolo DAS-2C, na Polícia Militar da Bahia - nal da Fundação Pedro Calmon - Centro de Me-
PM/BA, 01 (um) cargo de Assessor de Comuni- mória e Arquivo Público da Bahia - FPC, as se-
cação Social, símbolo DAS-2C e 01 (um) cargo de guintes Unidades:
Assessor de Comunicação Social I, símbolo DAS-3
e, na Polícia Civil do Estado da Bahia - PC/BA, 01 I - Centro de Memória da Bahia, com a fina-
(um) cargo de Assessor de Comunicação Social I, lidade de exercer a coordenação e supervisão
símbolo DAS-3. geral dos acervos documentais para subsidiar
a realização de pesquisas e estudos na área da
Art. 82. A estrutura de cargos em comissão da Se- história política e administrativa da Bahia;
cretaria da Saúde - SESAB fica modificada, na for-
ma a seguir indicada: II - Diretoria do Livro e da Leitura, com a fina-
lidade de planejar, coordenar, avaliar e apoiar
I - ficam criados 01 (um) cargo de Diretor, programas e ações relacionadas ao desenvol-
símbolo DAS-2C e 01 (um) cargo de Diretor, vimento da leitura, da produção literária e da
símbolo DAS-2D; cadeia produtiva do livro, no âmbito do Estado
II - ficam extintos 01 (um) cargo de Coorde- da Bahia, bem como incentivar estas ações;
nador II, símbolo DAS-3 e 03 (três) cargos de III - Diretoria do Arquivo Público do Estado
Coordenador III, símbolo DAI-4. da Bahia, com a finalidade de planejar, coor-
Art. 83. Fica alterada a estrutura organizacional denar, promover, acompanhar, avaliar e apoiar
e de cargos em comissão da Secretaria de Cultura as ações pertinentes ao processo de preservação
- SECULT, da Fundação Pedro Calmon - Centro de documentos de valor histórico e cultural do
de Memória e Arquivo Público da Bahia - FPC, Estado da Bahia.
do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Art. 89. Ficam criados, na estrutura de cargos em
Bahia - IPAC e da Fundação Cultural do Estado da comissão da Fundação Pedro Calmon - Centro de
Bahia - FUNCEB. Memória e Arquivo Público da Bahia - FPC, 02
Art. 84. A Superintendência de Cultura da SE- (dois) cargos de Coordenador II, símbolo DAS-3,
CULT passa a denominar-se Superintendência de 01 (um) cargo de Coordenador III, símbolo DAI-4,
Desenvolvimento Territorial da Cultura, com a e 02 (dois) cargos de Secretário Administrativo II,
finalidade de propor políticas e programas para o símbolo DAI-6.
desenvolvimento da cultura territorializada, bem Art. 90. Fica extinto, na estrutura de cargos em
como coordenar, desenvolver e acompanhar estu- comissão da Fundação Pedro Calmon - Centro de
dos, pesquisas e ações de apoio à criação, produção, Memória e Arquivo Público da Bahia - FPC, 01
difusão e ao consumo dos bens culturais no Estado (um) cargo de Assistente III, símbolo DAI-4.
da Bahia. Art. 91. Ficam criadas, na estrutura organizacio-
Art. 85. Fica criada, na estrutura organizacional nal do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural
da SECULT, o Centro de Culturas Populares e da Bahia - IPAC, as seguintes Unidades:

36
I - Diretoria de Preservação do Patrimônio Art. 98. A Assessoria Técnica passa a ter por finali-
Cultural, com a finalidade de planejar, coorde- dade desempenhar as atividades de planejamento,
nar e promover ações para o resgate e preserva- programação e orçamentação, em articulação com
ção da memória cultural baiana em todas as o respectivo Sistema Estadual de Planejamento.
suas manifestações; Art. 99. Ficam criados, na estrutura de cargos em
II - Diretoria de Projetos, Obras e Restauro, comissão da Fundação Cultural do Estado da Bah-
com a finalidade de planejar, coordenar, ia - FUNCEB, 01 (um) cargo de Diretor, símbolo
DAS-2B, 06 (seis) cargos de Coordenador I, sím-
executar e avaliar as atividades pertinentes a
bolo DAS-2C, 02 (dois) cargos de Coordenador II,
projetos, obras, conservação e restauração dos símbolo DAS-3, e 11 (onze) cargos de Coordenador
bens móveis e imóveis culturais do Estado da III, símbolo DAI-4.
Bahia.
Art. 100. Ficam extintos, na estrutura de cargos em
Art. 92. Ficam extintas, na estrutura organizacio- comissão da Fundação Cultural do Estado da Bah-
nal do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural ia - FUNCEB, 02 (dois) cargos de Diretor, símbolo
da Bahia - IPAC, as seguintes Unidades: DAS-2C, 04 (quatro) cargos de Coordenador Técni-
I - Diretoria de Preservação do Patrimônio Ar- co, símbolo DAS-2D, 01 (um) cargo de Assessor Téc-
tístico e Cultural; nico, símbolo DAS-3, 02 (dois) cargos de Gerente,
símbolo DAS-3, 06 (seis) cargos de Administrador
II - Diretoria de Ações Culturais. de Espaço Cultural, símbolo DAI-4, 01 (um) cargo
Art. 93. Ficam criados, na estrutura de cargos em de Assistente III, símbolo DAI-4, 15 (quinze) car-
comissão do Instituto do Patrimônio Artístico e gos de Coordenador de Centro de Cultura, símbolo
Cultural da Bahia - IPAC, 04 (quatro) cargos de DAI-4, 03 (três) cargos de Diretor, símbolo DAI-4,
Coordenador II, símbolo DAS-3, 02 (dois) cargos 05 (cinco) cargos de Subgerente, símbolo DAI-4, 01
de Coordenador III, símbolo DAI-4, 01 (um) cargo (um) cargo de Assistente Administrativo-Financei-
de Coordenador IV, símbolo DAI-5, e 01 (um) car- ro, símbolo DAI-5, 02 (dois) cargos de Assistente de
Apoio Técnico, símbolo DAI-5, 05 (cinco) cargos de

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
go de Secretário Administrativo II, símbolo DAI-6.
Coordenador IV, símbolo DAI-5, 02 (dois) cargos de
Art. 94. Ficam extintos, na estrutura de cargos em Supervisor, símbolo DAI-5, e 15 (quinze) cargos de
comissão do Instituto do Patrimônio Artístico e Secretário Administrativo II, símbolo DAI-6.
Cultural da Bahia - IPAC, 02 (dois) cargos de Ge-
Art. 101. O Quadro de Cargos em Comissão da Se-
rente, símbolo DAS-3, e 01 (um) cargo de Supervi- cretaria de Cultura - SECULT, da Fundação Pedro
sor, símbolo DAI-5. Calmon - Centro de Memória e Arquivo Público
Art. 95. Ficam extintas, na estrutura organiza- da Bahia - FPC, do Instituto do Patrimônio Ar-
cional da Fundação Cultural do Estado da Bahia tístico e Cultural da Bahia - IPAC e da Fundação
- FUNCEB, as seguintes Unidades: Cultural do Estado da Bahia - FUNCEB passam a
I - Diretoria de Literatura; ser os constantes dos Anexos IX, X, XI e XII, respec-
tivamente, desta Lei.
II - Diretoria de Música e Artes Cênicas.
Art. 102. Ficam extintos, na estrutura da Admi-
Art. 96. Ficam criadas, na estrutura organizacio- nistração Pública do Poder Executivo Estadual:
nal da Fundação Cultural do Estado da Bahia - I - o Instituto do Meio Ambiente - IMA,
FUNCEB, as seguintes Unidades: previsto no art. 5º da Lei nº 11.050, de 06 de
I - Diretoria das Artes, com a finalidade junho de 2008, anteriormente denominado
de propor e estimular políticas públicas de Centro de Recursos Ambientais, autarquia
fomento às artes visuais, à música, ao teatro, à estadual criada pela Lei Delegada nº 31, de 03
dança e à literatura; de março de 1983;
II - Centro de Formação em Artes, com a finali- II - o Instituto de Gestão das Águas e Clima -
dade de planejar, coordenar, executar e avaliar INGÁ, previsto no art. 10 da Lei nº 11.050, de
ações e projetos artístico-educativos, promo- 06 de junho de 2008, anteriormente denomi-
nado Superintendência de Recursos Hídricos
vendo a democratização do acesso aos cursos,
- SRH, autarquia estadual criada pela Lei nº
o funcionamento regular e a dinamização das 6.812, de 18 de janeiro de 1995.
diversas linguagens artísticas.
Art. 103. Fica criado o Instituto do Meio Ambien-
Art. 97. A Diretoria de Administração, Orçamento te e Recursos Hídricos - INEMA, como autarquia
e Finanças passa a denominar-se Diretoria de Ad- vinculada à Secretaria do Meio Ambiente - SE-
ministração e Finanças, com a finalidade de exe- MA, dotada de personalidade jurídica de direito
cutar as atividades de administração geral, moder- público, autonomia administrativa e financeira e
nização e informática, administração financeira e patrimônio próprio, o qual reger-se-á por esta Lei
contabilidade da Fundação Cultural do Estado da e demais normas legais aplicáveis.
Bahia - FUNCEB, em articulação com a Diretoria § 1º O INEMA terá sede e foro na cidade de Salva-
Geral da Secretaria de Cultura e os respectivos Sis- dor, Estado da Bahia e prazo de duração indeter-
temas formalmente instituídos. minado.

37
§ 2º O INEMA gozará, no que couber, de todas as de vegetação, conceder outorga de direito de
franquias e privilégios concedidos aos órgãos da uso de recursos hídricos e praticar outros atos
Administração Direta do Estado. autorizativos, na forma da lei;
Art. 104. Os recursos orçamentários e financeiros, XI - efetuar a cobrança pelo uso de recursos
bem como os acervos e obrigações do IMA e do IN- hídricos, de bens da biodiversidade e de outras
GÁ passam a ser transferidos para o INEMA, que receitas previstas na legislação ambiental e de
os sucederá ainda nos direitos, créditos e obriga- recursos hídricos;
ções decorrentes de lei, ato administrativo ou con- XII - elaborar e gerenciar os cadastros ambien-
trato, inclusive nas respectivas receitas.
tais e de recursos hídricos;
Art. 105. O Instituto do Meio Ambiente e Recursos
XIII - coordenar, executar, acompanhar, mo-
Hídricos - INEMA tem por finalidade executar a
nitorar e avaliar a qualidade ambiental e de
Política Estadual de Meio Ambiente e de Proteção à
Biodiversidade, a Política Estadual de Recursos Hí- recursos hídricos;
dricos, a Política Estadual sobre Mudança do Clima XIV - pesquisar e monitorar o tempo, o clima e
e a Política Estadual de Educação Ambiental. as mudanças climáticas, bem como a ocorrên-
Art. 106. O INEMA tem as seguintes competên- cia da desertificação;
cias: XV - efetuar a previsão meteorológica e os mo-
I - executar as ações e programas relaciona- nitoramentos hidrológicos, hidrogeológicos, cli-
dos à Política Estadual de Meio Ambiente máticos e hidrometeorológicos;
e de Proteção à Biodiversidade, da Política XVI - realizar estudos e pesquisas destinados à
Estadual de Recursos Hídricos, da Política elaboração e execução de programas, projetos
Estadual sobre Mudança do Clima e da Política e ações voltadas à melhoria da qualidade am-
Estadual de Educação Ambiental; biental e de recursos hídricos;
II - participar da elaboração e da implemen- XVII - celebrar convênios, contratos, ajustes e
tação do Plano Estadual de Meio Ambiente, protocolos com instituições públicas e privadas,
do Plano Estadual de Recursos Hídricos e do nacionais, estrangeiras e internacionais, bem
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

Plano Estadual sobre Mudança do Clima; como termos de compromisso, observada a le-
III - realizar ações de Educação Ambiental, gislação pertinente;
considerando as práticas de desenvolvimento XVIII - exercer o poder de polícia adminis-
sustentável; trativa, preventiva ou repressiva, fiscalizando
IV - promover a gestão florestal e do patrimô- o cumprimento da legislação ambiental e de
nio genético, bem como a restauração de ecos- recursos hídricos.
sistemas, com vistas à proteção e preservação Art. 107. O INEMA atuará em articulação com
da flora e da fauna; os órgãos e entidades da Administração Pública
V - promover as ações relacionadas com a Estadual e com a sociedade civil organizada, para
criação, a implantação e a gestão das Unidades consecução de seus objetivos, em consonância com
de Conservação, em consonância com o as diretrizes das Políticas Nacionais do Meio Am-
Sistema Estadual de Unidades de Conservação biente, de Recursos Hídricos, sobre Mudança do
- SEUC, bem como elaborar e implementar os Clima e de Educação Ambiental.
Planos de Manejo;
Art. 108. O INEMA tem a seguinte estrutura orga-
VI - promover a gestão das águas superficiais e nizacional básica:
subterrâneas de domínio do Estado;
I - Conselho de Administração;
VII - fomentar a criação e organização de
Comitês de Bacia Hidrográfica, visando II - Diretoria Geral.
garantir o seu funcionamento, bem como Art. 109. O Conselho de Administração, órgão
acompanhar a implementação dos seus respec- consultivo, deliberativo, de orientação e supervisão
tivos planos; superior, tem por finalidade o acompanhamen-
VIII - executar programas, projetos e ações to, controle e avaliação das ações executadas pelo
voltadas à proteção e melhoria do meio INEMA, sendo integrado pelos seguintes membros:
ambiente, da biodiversidade e dos recursos I - o Secretário do Meio Ambiente, que o pre-
hídricos; sidirá;
IX - propor ao Conselho Estadual de Meio II - o Diretor Geral do INEMA;
Ambiente - CEPRAM e ao Conselho Estadual III - 01 (um) representante da Casa Civil;
de Recursos Hídricos - CONERH normas para
a proteção, conservação, defesa e melhoria do IV - 01 (um) representante da Secretaria da
meio ambiente e dos recursos hídricos; Administração;
X - expedir licenças ambientais, emitir V - 01 (um) representante da Procuradoria
anuência prévia para implantação de em- Geral do Estado;
preendimentos e atividades em unidades de VI - 01 (um) representante dos servidores do
conservação estaduais, autorizar a supressão INEMA.

38
§ 1º Os membros do Conselho de Administração otimização do desempenho organizacional e forta-
e seus suplentes serão nomeados pelo Governador lecimento dos resultados institucionais, em articu-
do Estado, para um mandato de 02 (dois) anos, lação com as unidades do INEMA.
permitida uma recondução, sendo que os referidos Art. 114. A Coordenação de Atendimento Am-
nos incisos III a V serão indicados pelos respectivos biental tem por finalidade executar a triagem
órgãos. técnica e administrativa de documentos, formar,
§ 2º O representante dos servidores do INEMA e exercer o acompanhamento, controle e guarda de
seu respectivo suplente serão escolhidos por vota- processos, bem como realizar o controle e a expedi-
ção, mediante escrutínio secreto, realizada por en- ção de correspondências destinadas ao Instituto ou
tidade dos servidores ou, na sua falta, por comissão geradas por este.
de servidores especialmente constituída para este Art. 115. A Coordenação de Interação Social tem
fim.
por finalidade coordenar, gerir e executar, de for-
§ 3º O Diretor Geral do INEMA participará das ma descentralizada e participativa, as ações rela-
reuniões do Conselho, porém, sem direito a voto, tivas à implementação e funcionamento dos Con-
quando forem deliberadas matérias referentes a selhos Gestores das Unidades de Conservação, dos
relatórios e prestações de contas da Autarquia ou Comitês de Bacia Hidrográfica e das Audiências
assuntos do seu interesse próprio. Públicas.
§ 4º Os membros do Conselho serão substituídos, Art. 116. A Coordenação de Gestão Descentrali-
em suas ausências e impedimentos, pelos respecti- zada tem por finalidade promover a articulação, a
vos suplentes. gestão e a integração das Unidades Regionais, bem
§ 5º O Regimento do Conselho de Administração, como apoiar a desconcentração e descentralização
por ele aprovado e homologado por ato do Gover- da gestão ambiental do Estado.
nador do Estado, fixará as normas de seu funcio- Parágrafo único. As Unidades Regionais são uni-
namento. dades de desconcentração da gestão das atividades
Art. 110. A Diretoria Geral do INEMA, da Autarquia, que têm por finalidade executar a

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
composta pelo conjunto de órgãos de planeja- Política Estadual do Meio Ambiente e de Proteção
mento, assessoramento, execução, avaliação e à Biodiversidade e a Política Estadual de Recursos
controle, tem a seguinte organização: Hídricos, nas suas respectivas regiões, através do
I - Gabinete do Diretor Geral; licenciamento, monitoramento e fiscalização am-
II - Procuradoria Jurídica; biental, além de prestar apoio aos municípios no
III - Coordenação de Ações Estratégicas; desenvolvimento da gestão ambiental local, em ar-
ticulação com a SEMA.
IV - Coordenação de Atendimento Ambiental;
Art. 117. A Diretoria de Regulação tem por fina-
V - Coordenação de Interação Social; lidade planejar, organizar e coordenar as ações
VI - Coordenação de Gestão Descentralizada: necessárias para emissão das licenças ambientais e
a) Unidades Regionais; dos atos autorizativos de meio ambiente e de recur-
VII - Diretoria de Regulação; sos hídricos, na forma da lei.
VIII - Diretoria de Fiscalização e Monitora- Art. 118 - A Diretoria de Fiscalização e Monito-
mento Ambiental; ramento Ambiental tem por finalidade fiscalizar o
cumprimento da legislação ambiental e de recursos
IX - Diretoria de Águas;
hídricos, bem como coordenar, executar, acompa-
X - Diretoria de Biodiversidade; nhar, monitorar e avaliar a qualidade ambiental e
XI - Diretoria de Unidades de Conservação; de recursos hídricos.
XII - Diretoria Administrativa e Financeira. Art. 119. A Diretoria de Águas tem por finalidade
Art. 111. O Gabinete do Diretor Geral tem por fi- implementar os planos de recursos hídricos, bem
nalidade prestar assistência ao Diretor Geral em como promover estudos, implementar e avaliar
suas tarefas técnicas e administrativas. medidas, ações, programas e projetos, visando as-
Art. 112. A Procuradoria Jurídica tem por finali- segurar o gerenciamento do uso, a qualidade e con-
dade exercer a representação judicial e extrajudi- servação dos recursos hídricos e o atendimento da
cial, a consultoria e o assessoramento jurídico ao demanda e da oferta hídrica estadual.
INEMA, mediante a vinculação técnica à Procura- Art. 120. A Diretoria de Biodiversidade tem por fi-
doria Geral do Estado e, de acordo com a legislação nalidade coordenar a gestão florestal e do patrimô-
das Procuradorias Jurídicas das Autarquias e Fun- nio genético, bem como a execução de programas e
dações do Estado da Bahia. projetos de proteção e restauração de ecossistemas.
Art. 113. A Coordenação de Ações Estratégicas Art. 121. A Diretoria de Unidades de Conserva-
tem por finalidade coordenar ações que promovam ção tem por finalidade coordenar as ações relacio-
a melhoria da gestão e do aperfeiçoamento do Sis- nadas com a criação, a implantação e a gestão das
tema Estadual de Informações Ambientais e de Re- Unidades de Conservação, em consonância com o
cursos Hídricos - SEIA, de acordo com as diretrizes SEUC, bem como elaborar e implementar os Pla-
e prioridades estabelecidas pela SEMA, voltadas à nos de Manejo.

39
Art. 122. A Diretoria Administrativa e Financeira VII - os valores provenientes da remuneração
tem por finalidade executar as atividades de pro- pela análise dos processos de licenciamento
gramação, orçamentação, acompanhamento, ava- ambiental e pela prestação de serviços;
liação, estudos e análises, material, patrimônio, VIII - os valores provenientes da cobrança de
serviços, recursos humanos, modernização admi- emolumentos administrativos para expedição
nistrativa e informática, administração financeira das outorgas de direito de uso dos recursos
e de contabilidade, e de arrecadação. hídricos;
Art. 123. Ato do Chefe do Poder Executivo esta- IX - os valores correspondentes às multas apli-
belecerá as Unidades Regionais, definindo as suas cadas pelo descumprimento de Termo de Com-
áreas de abrangência. promisso celebrado pela Entidade;
Art. 124. O Diretor Geral será nomeado pelo Go- X - os valores provenientes da venda de publi-
vernador do Estado. cações ou outros materiais educativos e técnicos
Art. 125. Aos Diretores e demais dirigentes do produzidos pela Entidade;
INEMA incumbe planejar, dirigir, avaliar o de- XI - os recursos oriundos de convênios, acordos
sempenho, coordenar, controlar e orientar a exe- ou contratos celebrados com entidades públicas
cução das atividades de sua área de competência ou privadas, organismos ou empresas nacio-
e exercer outras atribuições que lhes forem cometi- nais, estrangeiras ou internacionais;
das pelo Diretor Geral da entidade. XII - as doações, legados, subvenções e quais-
Art. 126. Constituem patrimônio do INEMA, os quer outras fontes ou atividades.
bens móveis e imóveis, valores, rendas e direitos § 1º Será destinado a projetos de melhoria ambien-
atualmente pertencentes ao IMA e ao INGÁ ou tal o percentual de 80% (oitenta por cento) do valor
que lhe venham a ser adjudicados ou transferidos. resultante do recurso previsto no inciso II do caput
§ 1º Os bens, diretos e valores do INEMA serão uti- deste artigo.
lizados, exclusivamente, no cumprimento dos seus § 2º Fica mantida a destinação de 80% (oitenta por
objetivos, permitida, a critério da Diretoria Geral, cento) dos recursos previstos no inciso VI do caput
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

a utilização de uns e outros para obtenção de ren- deste artigo para o órgão responsável pela adminis-
das destinadas ao atendimento de suas finalidades. tração, operação e manutenção do reservatório.
§ 2º Em caso de extinção do INEMA, seus bens Art. 128. A prestação de contas do INEMA, rela-
e direitos reverterão ao patrimônio do Estado da tiva à administração dos bens e recursos obtidos,
Bahia, salvo disposição em contrário expressa em no exercício ou na gestão, será elaborada em con-
lei. formidade com as disposições constitucionais sobre
Art. 127. Constituem receitas do INEMA: a matéria, com o disposto em lei, no Regimento e
I - os créditos orçamentários que lhe forem con- demais normas legais aplicáveis, devendo ser enca-
signados pelo Orçamento Geral do Estado; minhadas ao Tribunal de Contas do Estado.
II - os recursos correspondentes a 95% (noventa Art. 129. O exercício financeiro do INEMA coinci-
e cinco por cento) dos valores das multas admi- dirá com o ano civil.
nistrativas por atos lesivos ao meio ambiente, a Art. 130. O regime jurídico do pessoal do INEMA
serem repassados pelo Fundo de Recursos para é o estabelecido para o serviço público estadual.
o Meio Ambiente - FERFA; § 1º A admissão de servidores do INEMA dar-se-á
III - os valores correspondentes às multas ad- mediante concurso público e com observância ao
ministrativas por descumprimento da legisla- plano de cargos e salários e benefícios previstos em
ção estadual de recursos hídricos; lei.
IV - os valores da arrecadação da Taxa de § 2º Os cargos efetivos do INGÁ e do IMA passam
Controle e Fiscalização Ambiental, inciden- a integrar o quadro do INEMA, onde desempenha-
te sobre as atividades utilizadoras de recursos rão as suas respectivas atribuições legais.
naturais e atividades potencialmente poluido- § 3º Ficam transferidos da estrutura de cargos efe-
ras do meio ambiente, prevista no art. 3º da tivos do IMA e do INGÁ para o INEMA os cargos
Lei Estadual nº 11.631, de 30 de dezembro de de Procurador Jurídico e suas respectivas classes,
2009; previstos no Anexo II da Lei nº 8.208, de 04 de fe-
V - os recursos correspondentes a até 25% vereiro de 2002.
(vinte e cinco por cento) dos previstos no inciso § 4º O Poder Executivo poderá colocar à disposição
III do art. 1º da Lei Estadual nº 9.281, de 07 do INEMA servidores públicos do seu quadro para
de outubro de 2004, referentes às compensa- auxiliar no desempenho de programas ou projetos
ções financeiras previstas no § 1º do art. 20 da específicos.
Constituição Federal, a serem repassados pelo Art. 131. Fica criado o Sistema Estadual de Infor-
FERFA; mações Ambientais e de Recursos Hídricos - SEIA,
VI - os recursos correspondentes a 20% (vinte que absorverá o Sistema Estadual de Informações
por cento) da cobrança pelo fornecimento de Ambientais - SEIA e o Sistema Estadual de Infor-
água bruta dos reservatórios; mações de Recursos Hídricos - SEIRH.

40
Art. 132. A Secretaria do Meio Ambiente - SEMA, a) Conselho Estadual do Meio Ambiente -
criada pela Lei n° 8.538, de 20 de dezembro de CEPRAM;
2002, alterada pelas Leis nº 9.525, de 21 de junho b) Conselho Estadual de Recursos Hídricos -
de 2005, nº 10.431, de 20 de dezembro de 2006 e nº CONERH;
11.050, de 06 de junho de 2008, tem por finalida-
de planejar, coordenar, supervisionar e controlar II - Órgãos da Administração Direta:
a política estadual e as diretrizes governamentais a) Gabinete do Secretário;
fixadas para o meio ambiente, a biodiversidade e b) Coordenação de Ações Estratégicas;
os recursos hídricos.
c) Coordenação de Gestão dos Fundos;
Art. 133. A SEMA passa a ter as seguintes compe-
tências: d) Diretoria Geral;
I - planejar, coordenar, supervisionar e con- e) Superintendência de Estudos e Pesquisas
trolar a Política Estadual de Meio Ambiente Ambientais;
e de Proteção à Biodiversidade, da Política f) Superintendência de Políticas e Planeja-
Estadual de Recursos Hídricos, da Política mento Ambiental;
Estadual sobre Mudança do Clima e da Política III - Entidades da Administração Indireta:
Estadual de Educação Ambiental;
a) Instituto Estadual do Meio Ambiente e
II - planejar, coordenar, orientar e integrar as Recursos Hídricos - INEMA;
ações relativas ao Sistema Estadual do Meio
Ambiente - SISEMA e ao Sistema Estadual b) Companhia de Engenharia Ambiental da
de Gerenciamento de Recursos Hídricos - Bahia - CERB.
SEGREH; Art. 135. O CEPRAM, órgão superior do Sistema
III - promover a integração das políticas am- Estadual do Meio Ambiente, com funções de natu-
bientais do Estado entre si e com as políticas reza consultiva, normativa, deliberativa e recursal,
públicas setoriais, bem como a articulação tem por finalidade o planejamento e acompanha-
mento da política e das diretrizes governamentais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
de sua atuação com o Sistema Nacional do
Meio Ambiente - SISNAMA e com o Sistema voltadas para o meio ambiente, a biodiversidade
Nacional de Gerenciamento de Recursos e a definição de normas e padrões relacionados à
Hídricos - SINGREH; preservação e conservação dos recursos naturais.
IV - elaborar o Plano Estadual de Meio Art. 136. O CONERH, órgão superior do Sistema
Ambiente, o Plano Estadual de Recursos Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos,
Hídricos e o Plano Estadual sobre Mudança do com caráter consultivo, normativo, deliberativo,
Clima, supervisionando a sua implementação; recursal e de representação, tem por finalidade o
V - gerir o Fundo de Recursos para o Meio planejamento e acompanhamento da política e das
Ambiente - FERFA, o Fundo Estadual de diretrizes governamentais voltadas para a gestão
Recursos Hídricos - FERHBA e a Câmara de dos recursos hídricos.
Compensação Ambiental, exercendo o controle Art. 137. O Gabinete do Secretário tem por fina-
orçamentário, financeiro e patrimonial dos lidade prestar assistência ao Titular da Pasta em
mesmos; suas tarefas técnicas e administrativas.
VI - exercer a Secretaria Executiva do Art. 138. A Coordenação de Ações Estratégicas
CEPRAM e do CONERH; tem por finalidade coordenar ações que promo-
VII - gerir e operacionalizar o SEIA, promo- vam a melhoria da gestão e do aperfeiçoamento do
vendo a integração com os demais sistemas re- SEIA, de acordo com as diretrizes e prioridades es-
lacionados com a sua área de atuação; tabelecidas nas políticas governamentais voltadas
VIII - planejar, coordenar e executar ações para para a otimização do desempenho organizacional
a promoção de estudos e pesquisas voltados ao e fortalecimento dos resultados institucionais, em
desenvolvimento tecnológico e científico para o articulação com a Diretoria Geral.
uso sustentável e racional dos recursos ambien- Art. 139. A Coordenação de Gestão dos Fundos
tais e hídricos;
tem por finalidade exercer a gestão orçamentária,
IX - apoiar o fortalecimento da gestão ambien- financeira e patrimonial do FERFA, do FERHBA e
tal municipal, podendo delegar competência; da Câmara de Compensação Ambiental.
X - promover e estimular a celebração de con- Art. 140. A Diretoria Geral tem por finalidade a
vênios e acordos entre entidades públicas, coordenação dos órgãos setoriais e seccionais dos
privadas e organizações não-governamentais, sistemas formalmente instituídos, responsáveis
nacionais, estrangeiras e internacionais, com pela execução das atividades de programação, or-
vistas à otimização da gestão ambiental e de
çamentação, acompanhamento, avaliação, estudos
recursos hídricos no Estado.
e análises, material, patrimônio, serviços, recursos
Art. 134. A SEMA tem a seguinte estrutura orga- humanos, modernização administrativa e infor-
nizacional básica: mática, e de administração financeira e de conta-
I - Órgãos Colegiados: bilidade.

41
Art. 141. A Superintendência de Estudos e Pesqui- II - à utilização, para o funcionamento das
sas Ambientais tem por finalidade planejar, coor- Secretarias de Estado, ora criadas, mediante
denar e executar ações para a promoção do conhe- processo formal de cessão, de servidores das
cimento, informação e inovação, direcionadas ao demais Secretarias, Autarquias e Fundações
desenvolvimento tecnológico e científico em gestão do Estado da Bahia, bem como de servidores
ambiental, bem como aprimorar seus instrumen- de outras esferas governamentais, por meio de
tos de gestão ambiental na busca do desenvolvi- instrumento próprio adequado;
mento sustentável e da qualidade ambiental. III - à abertura de créditos adicionais, neces-
Art. 142. A Superintendência de Políticas e Pla- sários ao funcionamento das Secretarias e
nejamento Ambientais tem por finalidade pla- demais órgãos e entidades da Administração
nejar as políticas de meio ambiente e de recursos Pública Indireta do Poder Executivo Estadual;
hídricos, bem como coordenar e supervisionar a IV - à continuidade dos serviços, até a defi-
execução de seus programas e projetos de gestão, nitiva estruturação das Secretarias e demais
promovendo a articulação institucional e a educa- órgãos e entidades da Administração Pública
ção ambiental. Indireta do Poder Executivo Estadual, em
Art. 143. A Companhia de Engenharia Ambiental especial os processos licitatórios;
da Bahia - CERB, criada pela Lei nº 2.929, de 11 V - à transferência dos contratos, convênios,
de maio de 1971, alterada pelas Leis nº 6.074, de protocolos e demais instrumentos vigentes, ne-
22 de maio de 1991, nº 8.538, de 20 de dezembro cessária à implementação das alterações das
de 2002 e nº 11.050, de 06 de junho de 2008, passa competências definidas nesta Lei, procedendo-
a denominar-se Companhia de Engenharia Am- se às devidas adequações orçamentárias;
biental e Recursos Hídricos da Bahia - CERB. VI - à elaboração de estudos sobre o quadro de
Art. 144. A Companhia de Engenharia Ambiental cargos efetivos para atendimento às ativida-
e Recursos Hídricos da Bahia - CERB, sociedade de des inerentes às competências da SEMA e do
economia mista de capital autorizado, vinculada INEMA, a ser definido em lei;
à Secretaria do Meio Ambiente, tem a finalidade
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

VII - às modificações orçamentárias que


de executar programas, projetos e ações de enge- se fizerem necessárias ao cumprimento do
nharia ambiental e aproveitamento dos recursos disposto nesta Lei, respeitados os valores
hídricos, perenização de rios, perfuração de poços, globais constantes do orçamento vigente e no
construção, operação e manutenção de barragens Plano Plurianual.
e obras para mitigação dos efeitos da seca e convi-
vência com o semiárido, bem como a execução de Art. 149. Revogam-se as disposições em contrá-
outros programas, projetos e ações relativas a obras rio, em especial a Lei nº 11.050, de 06 de junho de
2008, os artigos 49, 51 e 52 da Lei nº 11.612, de 08
de infraestrutura que lhe venham a ser atribuídas
de outubro de 2009, e o artigo 171, caput e pará-
dentro da política de Governo do Estado para o se-
grafo único da Lei nº 10.431, de 20 de dezembro
tor.
de 2006.
Parágrafo único. A estrutura organizacional e
Art. 150. Esta Lei entra em vigor na data de sua
funcional da CERB, bem como a definição de suas
publicação.
competências, inclusive das unidades organizacio-
nais que a compõem, serão definidas em seu Esta-
tuto Social e Regimento Interno.
7. Lei nº 10.678, de 23
Art. 145. O Quadro de Cargos em Comissão do
INEMA é o constante do Anexo XIII desta Lei.
de Maio de 2003
Art. 146. Ficam extintos os cargos em comissão Cria a Secretaria Especial de Políticas de Promo-
previstos nos Quadros de Cargos em Comissão do ção da Igualdade Racial, da Presidência da Repúbli-
IMA e do INGÁ, constantes dos Anexos II e III da ca, e dá outras providências.
Lei nº 11.050, 06 de junho de 2008.
Faço saber que o Presidente da República adotou
Art. 147. Fica alterado o Quadro de Cargos em
Comissão da SEMA, que passa a ser o constante do a Medida Provisória nº 111, de 2003, que o Congres-
Anexo XIV desta Lei. so Nacional aprovou, e eu, Eduardo Siqueira Cam-
pos, Segundo Vice-Presidente, no exercício da Pre-
Art. 148. Fica o Poder Executivo autorizado a pro-
mover, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, os sidência da Mesa do Congresso Nacional, para os
atos necessários: efeitos do disposto no art. 62 da Constituição Fede-
ral, com a redação dada pela Emenda constitucional
I - à elaboração dos atos regulamentares e re-
gimentais que decorram, implícita ou explici-
nº 32, combinado com o art. 12 da Resolução nº 1, de
tamente, das disposições desta Lei, inclusive os 2002-CN, promulgo a seguinte Lei:
que se relacionam com pessoal, material e pa- Art. 1º Fica criada, como órgão de assessoramento
trimônio, bem como as alterações organizacio- imediato ao Presidente da República, a Secretaria
nais e de cargos em comissão decorrentes desta Especial de Políticas de Promoção da Igualdade
Lei; Racial.

42
Art. 2º (Revogado pela Lei nº 12.314, de 2010)
Art. 3º O CNPIR será presidido pelo titular da
Secretaria Especial de Políticas de Promoção da
Igualdade Racial, da Presidência da República, e
terá a sua composição, competências e funciona-
mento estabelecidos em ato do Poder Executivo, a
ser editado até 31 de agosto de 2003.
Parágrafo único. A Secretaria Especial de Polí-
ticas de Promoção da Igualdade Racial, da Pre-
sidência da República, constituirá, no prazo de
noventa dias, contado da publicação desta Lei,
grupo de trabalho integrado por representantes da
Secretaria Especial e da sociedade civil, para elabo-
rar proposta de regulamentação do CNPIR, a ser
submetida ao Presidente da República.
Art. 4º Fica criado, na Secretaria Especial de Po-
líticas de Promoção da Igualdade Racial da Presi-
dência da República, 1(um) cargo de Secretário-
-Adjunto, código DAS 101.6. (Redação dada pela
Lei nº 11.693, de 2008)
Art. 4º -A. Fica transformado o cargo de Secretá-
rio Especial de Políticas de Promoção da Igualda-
de Racial no cargo de Ministro de Estado Chefe da
Secretaria Especial de Políticas de Promoção da
Igualdade Racial. (Incluído pela Lei nº 11.693, de

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
2008)
Art. 5º Esta Lei entra em vigor na data de sua pu-
blicação.

ANOTAÇÕES

43