Вы находитесь на странице: 1из 156

Finanças

Corporativas
Edimara Côrtes Gonçalves Frescura
Ícones
Afirmação Curiosidade

Assista
Dicas

Biografia

Esclarecimento
Conceito

Contexto Exemplo
Sumário
Apresentação��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������5
A autora�����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������6

Capítulo 1
Contextualizações sobre finanças corporativas����������������������������������������������������������������7
1.1 Entendendo finanças corporativas�����������������������������������������������������������������������������7
1.2 Definição do objetivo da administração financeira�������������������������������������������������������������� 14
1.3 Desafios da administração financeira contemporânea�������������������������������������������15
1.4 Gestão do capital de giro������������������������������������������������������������������������������������������17
Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������42

Capítulo 2
Abordagens sobre custo de capital e criação de valor para a empresa�������������������������45
2.1 Capital social: a origem da empresa������������������������������������������������������������������������45
2.2 Estrutura de capital���������������������������������������������������������������������������������������������������56
2.3 Teoria convencional e as proposições de MM����������������������������������������������������������58
2.4 Fontes de financiamento de curto e longo prazo����������������������������������������������������63
Referências����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������77
Capítulo 3
Planejamento orçamentário e financeiro e avaliação de desempenho empresarial����79
3.1 O planejamento orçamentário e financeiro no contexto dos negócios�������������������79
3.2 Tipos de orçamento��������������������������������������������������������������������������������������������������90
3.3 Variações práticas de um planejamento orçamentário e financeiro�����������������������92
3.4 Avaliação de desempenho�������������������������������������������������������������������������������������114
Referências��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������118

Capítulo 4
O mercado de capitais e a política monetária na estrutura financeira do país����������� 119
4.1 Sistema Financeiro Nacional���������������������������������������������������������������������������������� 119
4.2 Política monetária brasileira�����������������������������������������������������������������������������������139
4.3 Os acordos de capital de Basileia���������������������������������������������������������������������������145
4.4 As considerações da Lei Sarbanes-Oxley nas finanças empresariais��������������������147
Referências��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������154
Apresentação

Conhecer os principais aspectos que norteiam a administração financeira de uma


empresa é requisito fundamental para o gestor financeiro atual. A evolução dos proce-
dimentos empresariais que envolvem transações financeiras ultrapassou o limite da es-
trutura interna organizacional e transformou as empresas em sistemas integrados com
a realidade econômica nacional e mundial.
Dessa forma, a complexidade das decisões exige o mapeamento monetário de
todas as ações empresariais como forma de otimizar a distribuição de recursos e agre-
gar mais valor ao negócio.
A educação à distância permite estabelecer análises financeiras elaboradas me-
diante oportunidade de mais pesquisas sobre o assunto. Igualmente, a troca de ideias
em fóruns e debates funciona como um instrumento capaz de relacionar questões do
âmbito empresarial a aplicações práticas do cotidiano.
A autora
Edimara Côrtes Gonçalves Frescura é Mestre em Meio Ambiente e
Desenvolvimento Regional pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da
Região do Pantanal – Uniderp (2007). É Especialista em Gestão de Negócios e Contabi-
lidade Gerencial pelas Faculdades Integradas de Fátima do Sul – Fifasul (2003) e Graduada
em Ciências Contábeis pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das
Missões – URI (2000).
Currículo Lattes:
<http://lattes.cnpq.br/1966967781453156>

Dedico este livro ao amor:


Amor por Deus,
criador de todas as coisas;
Amor por meu marido, Airton;
Amor por meus filhos,
Henrique e Ellen.
1 Contextualizações sobre finanças corporativas
1.1 Entendendo finanças corporativas
A importância da disciplina Finanças Corporativas está na necessidade de aper-
feiçoar e atualizar constantemente as empresas e os profissionais envolvidos na ges-
tão financeira no que diz respeito a informações cruciais sobre o mundo dos negócios.
As empresas podem ser vistas como sistemas globalizados, cujos propósitos se vin-
culam à interação de mercados nacionais e internacionais na busca da otimização de
resultados. Tal observação nos leva a entender os motivos pelos quais esse estudo é
recomendado no trabalho empresarial.
Kato (2012, p. 26) descreve: “[...] em sentido amplo, Finanças busca estudar os
processos e os instrumentos envolvidos na transferência de recursos financeiros entre
pessoas, organizações e governo”. Ao se levar em consideração essa afirmação, com-
preende-se a interdependência financeira dos elementos envolvidos na operacionali-
dade, na manutenção e na visão futura das empresas no mercado.

Pessoas

Governo Organizações
Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

Relação dos agentes envolvidos nas finanças corporativas.


Finanças Corporativas
8

O fator operacionalidade está vin-


culado às pessoas, uma vez que elas são o
ponto vital para a continuidade da empre-
sa. Elas estão representadas na figura dos
clientes, responsáveis pela geração de re-
© Rido / / Fotolia

ceita, ou na figura dos funcionários/colabo-


radores, fonte expressiva do trabalho.

No caso das organizações, o fator


de manutenção se identifica com a trans-
ferência de recursos, que é caracterizada
pela integração com diferentes segmentos,
os quais podem ser representados por for-
necedores de produtos e serviços, institui-
ções financeiras nacionais e internacionais
e também pelos concorrentes, estes, por
sua vez, atuam como colaboradores indire-
tos na criação de estratégias e diferenciais

© bloomua / / Fotolia
para a permanência no mercado.

Por fim, não isolado do fator manu-


tenção, porém associado diretamente à
análise da visão futura da empresa, está
o Governo. Suas determinações impac-
tam financeiramente as empresas, tanto
no ambiente interno quanto no externo.
Podemos perceber os reflexos dessas de-
terminações em aspectos que dizem res-
peito a juros, impostos, investimentos,
© mbongo / / Fotolia

inflação, variação cambial e demais atua-


lizações pertinentes às decisões tomadas
em relação ao mundo dos negócios.
Finanças Corporativas
9

Em resumo, o domínio das finanças corporativas pode ser entendido como uma
área de conhecimento formada por um conjunto integrado de saberes, que permite
a aplicação com eficiência e eficácia dos recursos financeiros disponibilizados para as
empresas. Recursos esses oriundos de capitais próprios ou de terceiros e que podem
ser utilizados tanto para agregar valor ao negócio quanto para garantir o retorno espe-
rado pelos acionistas.
A integração desses saberes é o que fundamenta as decisões financeiras empre-
sariais. A importância da aplicação prática das finanças corporativas é justificada no
contexto de trabalho da empresa, a fim de projetar, com maior segurança, perspecti-
vas futuras de novos investimentos e crescimento no mercado.
Assaf Neto e Lima (2010, p. 2) complementam:

Esse processo decisorial básico ao sucesso de toda empresa vem assumindo complexida-
des e riscos cada vez maiores na economia brasileira. Altas taxas de juros, carga tributá-
ria elevada, baixo volume de crédito de longo prazo, intervenções nas regras de mercado
da economia, comportamento nas taxas de inflação, desafios para o crescimento de nos-
sa economia, entre outros aspectos, vêm exigindo uma capacidade mais questionadora e
analítica das unidades decisórias.

Os conhecimentos aplicados à área


de finanças corporativas abrangem a eco-
nomia, a contabilidade, o mercado de ca-
pitais, a controladoria, a estatística, a
administração financeira, a psicologia e o

© Marco2811 / / Fotolia
planejamento estratégico. A consolidação
dessas informações propicia a análise si-
tuacional e gerencial dos procedimentos de
trabalho que envolve recursos financeiros e
oferece suporte aos administradores na condução dos negócios. O administrador tem
como prerrogativa conseguir direcionar as funções da administração financeira para
obter melhores resultados e maximizar o patrimônio empresarial.
A administração financeira surge como o ponto de partida para atingir o objeti-
vo e o entendimento do processo de finanças corporativas no trabalho organizacional.
Isso é possível graças à adequação dos recursos empregados na constituição, na ma-
nutenção e na continuidade dos negócios.
Por meio de uma análise minuciosa, pode-se perceber que as empresas surgem
de um capital financeiro, o qual precisa ser administrado da melhor forma possível,
de forma que se multiplique e a atividade empresarial seja mantida, sempre tendo
em vista as regras do mercado no qual as organizações estão inseridas. Esse processo
Finanças Corporativas
10

representa o escopo da administração financeira, a qual assume importância ímpar no


direcionamento da movimentação de recursos internos e externos da empresa, para o
cumprimento dos objetivos e das metas estabelecidos.
O conceito formulado por Kato (2012, p. 27) reforça a ideia de que a

Administração financeira é o conjunto de atividades de planejamento, execução, controle


e análise voltadas ao financiamento das operações de uma empresa, bem como suas res-
pectivas decisões de investimentos, com o objetivo de alcançar os resultados econômicos
e financeiros desejados pelos acionistas.

Dessa forma, a administração financeira dá o suporte para aplicação dos outros


conhecimentos mencionados no rol de saberes agregados às finanças corporativas.
Pensando na ação prática, percebe-se que a administração financeira se con-
centra basicamente na execução de três funções, conforme afirmam Souza Neto e
Martins (2010, p. 3): “decisões de investimentos, decisões de financiamento e a utiliza-
ção do lucro, planejamento e controle financeiro.”

Recursos
disponíveis

Investimentos /
Decisões

i e nte i e nte
b b
Am / Am
o
t e r n o te r n
in ex
Benefícios
Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann
© alphaspirit / / Fotolia. (Adaptado).
Finanças Corporativas
11

As decisões de investimentos são as ações realizadas na escolha da melhor al-


ternativa para a aplicação dos recursos disponíveis, tanto no ambiente interno quanto
no externo à organização, objetivando benefícios financeiros futuros, já considerando
a análise de risco e retorno.
As decisões de financiamento têm como foco o subsídio finan-
ceiro do processo operacional da empresa, no sentido de angariar
© wojtek / / Fotolia

recursos para propostas de incremento de capital ou para su-


prir financeiramente situações desfavoráveis que venham
a ocorrer no cotidiano. Em contrapartida, é necessária
a análise do impacto da despesa financeira decorrente
de juros e encargos relacionados com o benefício da
utilização desse capital pela empresa.
Como última função, destacam-se a utilização do lucro, o planejamento e o
controle financeiro. Esse ponto é decorrente das funções anteriores, pois o lucro é
proveniente da adequada administração e da captação de recursos. Logo, pode-se es-
truturar um novo planejamento e procedimentos flexíveis de controle financeiro, com
o estabelecimento de metas para expansão, gerenciamento de resultados, avaliação
de desempenho e distribuição de dividendos.
A atuação do administrador financei-
ro é muito relevante para o melhor resulta-
do financeiro, assim como para a execução
das funções descritas. O mundo dos negó-

© fox17 / / Fotolia
cios tem oferecido cada vez mais oportu-
nidades para esse tipo de profissional, pois
sua formação profissional reúne conheci-
mentos, habilidades, métodos, técnicas e ferramentas de gestão adequadas para su-
prir as exigências econômico-financeiras do mercado e dos acionistas.
As altas taxas de mortalidade empresarial apontam para a falta de contro-
le e planejamento financeiro. De acordo com dados do Serviço Brasileiro de Apoio às
Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP), aproximadamente 56% das mi-
cro e pequenas empresas (MPE) fecham suas portas até o quinto ano de existência e
29% antes de completar um ano (BEDÊ, 2005). Esses dados acabam reforçando a ne-
cessidade e a importância da atuação do administrador financeiro nas empresas.

“A alta mortalidade poderia ser reduzida substancialmente se fossem eliminadas algumas defi-
ciências de gestão empresarial, principalmente a falta de conhecimentos financeiros essenciais
de seus administradores, tais como o planejamento financeiro e a margem de contribuição”
(HOJI,2009, p. 12).
Finanças Corporativas
12

Vários segmentos empresariais sofrem com a falta de profissionais capacitados,


fato que, muitas vezes, acaba provocando um acúmulo de atividades e responsabili-
dades em torno de uma só pessoa. Entretanto, no caso do administrador financeiro, a
execução de várias atividades é compensada pela alta remuneração salarial, devido ao
leque de conhecimentos exigidos para desempenho da função.
Descrever as atribuições desse profissional é detalhar especificamente as ações já
distribuídas no grupo de funções, mencionadas anteriormente. O objetivo dessas me-
didas é atender às diretrizes básicas da administração financeira.
De acordo com o tamanho da organização, o administrador financeiro pode
atender por várias nomenclaturas relacionadas às atividades realizadas e ao tipo de
informações que gerenciará. Assim, pode-se encontrar em uma mesma empresa o con-
troller, o gestor financeiro e o tesoureiro.
O quadro a seguir identifica as atividades de acordo com o cargo exercido.
Controller Gestor financeiro Tesoureiro
Administração de custos Administração
Administração de caixa
e preços de risco
Administração Administração de crédito
Orçamento
do câmbio e cobrança
Efetivação
Avaliação de desempenho Decisão de financiamento
de pagamentos
Patrimônio Decisão de investimento Relacionamento com bancos
Planejamento tributário Análise de retorno
Relatórios gerenciais Planejamento e controle financeiro
Análise de contabilidade Relacionamento com acionistas
e auditoria e investidores

Fonte: LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM, 2010. (Adaptado).

Detalhamento de cargos e atividades do administrador financeiro.


Finanças Corporativas
13

O controller responde pelas áreas


de planejamento, gerenciamento, avalia-
ção e projeção de resultados. As informa-
ções controladas por esse profissional são
utilizadas como mecanismos gerenciais na
determinação de objetivos e metas de tra-
balho a serem atingidas.

“O papel do controller é o de monitoramen-


to do plano de ação da empresa, fazendo a
avaliação coordenada da atuação de todos
os gestores, sempre com foco no desem-
© SergNvns / / Fotolia

penho e nos resultados, global e setorial”


(PADOVEZE, 2005, p. 36).

O tesoureiro atua no sentido de aten-


der aos requisitos mais práticos do contro-
le financeiro na empresa. Suas atividades
se concentram no registro e na efetivação
de todos os recebimentos e pagamentos
realizados, na consolidação do relatório de

© apops / / Fotolia
caixa, na criação e decisão de métodos de
cobrança e crédito oferecidos aos clientes
e na responsabilidade no relacionamento
com bancos e instituições financeiras. “O tesoureiro é o responsável por gerenciar o cai-
xa e o crédito da empresa, seu planejamento financeiro e os gastos de capital” (ROSS;
WESTERFIELD; JORDAN, 2008, p. 2).
Com base nas informações obtidas do controller e do tesoureiro, visualiza-se a fi-
gura do gestor ou diretor financeiro. Sua função é tomar as melhores decisões sobre
investimentos, financiamentos e ações mediante o planejamento financeiro, a análise
de risco e de retorno e a distribuição de dividendos aos acionistas. É o profissional que
conhece o mercado e informa o presidente sobre a situação financeira geral (interna e
externa) da empresa.
Finanças Corporativas
14

Nas considerações de Groppelli e Nikbakht (2009, p. 10),

Para esse fim, os administradores financeiros são os responsáveis pelo encontro das me-
lhores e mais baratas fontes de fundos e pelo investimento desses fundos na melhor e
mais eficiente combinação de ativos. Procedendo assim, eles tentam encontrar a combi-
nação de ativos disponíveis, que resultará no mais alto retorno com o menor risco dentro
dos limites de uma mudança esperada no cenário econômico. A boa administração finan-
ceira possui uma sólida compreensão sobre a forma como os princípios econômicos e fi-
nanceiros influem na rentabilidade da empresa.

As atividades descritas podem ser implementadas em qualquer organização, visto


que o mercado apresenta-se bem mais exigente quanto às regras impostas para a ma-
nutenção das empresas. Estas, por sua vez, buscam estratégias para competir de forma
equivalente com a concorrência e encontrar fontes diversificadas de receitas. Em sínte-
se, para garantir a consolidação do mercado, o administrador financeiro é a peça-cha-
ve no controle de recursos. A manutenção da operacionalidade empresarial depende da
eficácia desse controle, pois sem dinheiro o coração da empresa para de bater.

1.2 Definição do objetivo da administração financeira


As teorias relacionadas à administração financeira detalham, de modo geral, o
objetivo que se pretende atingir no contexto global no qual a empresa está inserida.
Entretanto, o objetivo resumido não reflete a gama de ações, estratégias e métodos
aplicados para que ele seja alcançado.
Salazar (2010, p. 4) explica que “O objetivo fundamental das finanças corpo-
rativas é a maximização do valor das empresas. A maximização da riqueza dos pro-
prietários das grandes empresas e a capitalização do patrimônio líquido das médias e
pequenas empresas”.
Para crescer, obviamente a empre-
sa necessita de lucro. Este, por sua vez,
é a base inicial da construção da rique-
za dos proprietários. Se, ao final do exer-
cício financeiro, o resultado positivo das
© Coloures-Pic / / Fotolia

operações realizadas for integralmente


distribuído entre os acionistas, não haverá
nenhuma geração de riqueza, pois o patri-
mônio empresarial continuará o mesmo.
Finanças Corporativas
15

Atendendo ao princípio da continuidade empresarial, a geração de riqueza é


constatada no momento em que ocorre a destinação de parte do lucro para reaplica-
ção de recursos no patrimônio. Logo, se o patrimônio se modifica positivamente, o va-
lor da ação da empresa torna-se cada vez mais atrativo por demonstrar crescimento e
valorização empresarial.
Na economia globalizada, os investidores externos buscam, mediante análise pa-
trimonial, identificar se a empresa é geradora, ou não, de riqueza, para formalizar suas
decisões de investimentos. As ações das companhias de capital aberto são negociadas
no mercado. Para elas, a agregação de valor ao patrimônio é um fator de atratividade
para a venda de suas ações e contribui para a melhor e maior visualização da organiza-
ção no cenário mundial.
Vale salientar que, para aumentar o valor das ações da empresa, é preciso dimen-
sionar o trabalho interno da organização. Assim, pessoas, organizações, governos e
mercados devem agir de forma integrada e contínua, assumindo os riscos e melhoran-
do os processos para obtenção de ótimos resultados. Hoji (2004, p. 21) afirma que,

Do ponto de vista dos acionistas, uma empresa pode ser visualizada como um sistema
que gera lucro e aumenta os recursos nela investidos. A empresa, representada por seus
administradores (diretores e gerentes) e empregados em geral, interage com os agentes
econômicos do ambiente em que está inserida, gera resultados econômicos e financeiros
e remunera os acionistas pelo investimento realizado.

A administração financeira contemporânea prima pela análise e integração de


mercados nacionais e internacionais, organizações e pessoas. Esse conjunto de ele-
mentos colabora, de forma direta e indireta, com os objetivos da empresa, que são,
principalmente, permanecer no mercado e oferecer retorno aos acionistas.
A constante atualização de conhecimentos é a base para um resultado eficaz e
satisfatório. Esse fato acontece tanto sob a ótica da empresa quanto sob a ótica dos
mercados vinculados ao universo de negócios do mundo globalizado.

1.3 Desafios da administração financeira contemporânea


A globalização aproximou economias diferentes para ampliar a comercialização
de produtos e serviços e criar oportunidades de novos investimentos. Essas medidas
visam à evolução das empresas em cenários internacionais, nos quais a administração
tem muitos desafios em relação à organização e ao processamento de informações,
especialmente quanto à gestão financeira, pois a gama de conhecimentos exigidos
nesses cenários é muito mais abrangente do que se o gerenciamento da empresa se li-
mitasse apenas ao mercado interno.
Finanças Corporativas
16

A decisão de ampliar a área de abrangência da empresa tem alguns pontos críti-


cos. Entre eles, destacam-se o entendimento sobre situações legais e viabilidade em
atividades de importação e exportação e os encargos da carga tributária incidente. Os
mecanismos de controle financeiro também se tornam mais complexos, tendo em vis-
ta a utilização de outra moeda na efetivação de transações financeiras. Dessa forma,
concretizar um novo negócio exige o conhecimento de regras que regem outras eco-
nomias e monitoramento frequente da variação cambial de outras moedas.

“As grandes empresas internacionais são mais capazes de explorar fatores competitivos
como economias de escala, conhecimento especializado em gestão e tecnologia, diferencia-
ção de produtos e força financeira do que seus concorrentes locais” (EITEMAN; STONEHILL;
MOFFETT, 2013, p. 13).

Além desses parâmetros, é função


atual da administração financeira contro-
lar e avaliar condições de funcionamento e
manutenção da empresa no atendimento

© Sergey Nivens / / Fotolia


de exigências legais vinculadas à sustenta-
bilidade. Para tanto, exige-se a adequação
a padrões de sustentabilidade e o desen-
volvimento de ações que visem ao cumpri-
mento de normas ambientais. Essas medidas exigem novos planejamentos financeiros
que atendam à demanda de projetos que produzam reflexos positivos quanto à partici-
pação da empresa em questões de relevância social.
O impacto financeiro gerado por esses procedimentos recai nas análises dos cus-
tos ocasionados e no tempo de retorno do capital investido. Entretanto, do ponto de
vista social, verifica-se maior agregação de valor ao produto ou serviço oferecido.
Trata-se, então, de uma estratégia vantajosa para o alcance das metas determinadas e
para a valorização das ações da empresa no mercado.

As empresas estão cada vez mais adotando as melhores práticas sociais visando principal-
mente atender a seus valores éticos e usufruir das vantagens financeiras voltadas a maximizar
a riqueza de seus acionistas. Principalmente no Brasil, com forte desigualdade social, me-
didas oriundas do setor privado e dirigidas ao bem-estar social são positivamente avaliadas
pelo mercado, refletindo-se no preço de mercado de suas ações. (ASSAF NETO, 2010, p. 18).

Dessa maneira, o administrador financeiro elabora e aplica estratégias de responsa-


bilidade social da empresa para com a sociedade. Ao mesmo tempo, ocorre indiretamen-
te um aumento da receita e, consequentemente, do lucro. Esse fato se deve ao aumento
Finanças Corporativas
17

da conscientização e da exigência do consumidor em relação à qualidade do produto


oferecido ou do serviço prestado. Contudo, isso não é regra.
O direcionamento dos negócios para estabelecer metas de crescimento e maiores
expectativas de retorno em função das oportunidades criadas pelos projetos sociais exi-
ge do administrador prudência nas decisões financeiras. A razão disso está no fato de
que a gestão de recursos não é uma ciência exata. Ela depende de fatores que retratam a
realidade do ambiente econômico e de hipóteses comportamentais do público-alvo a ser
atendido. De forma resumida, acredita-se que o maior desafio da administração finan-
ceira contemporânea seja otimizar a conciliação e a integração geral de informações que
oferecem subsídios para as negociações que ainda ocorrerão nos diferentes mercados.

1.4 Gestão do capital de giro


Qualquer organização utiliza recursos financeiros para suprir suas despesas e custos
essenciais na sequência dos negócios. Muito se discute sobre a apuração do lucro, porém,
para que o resultado alcançado seja satisfatório durante o exercício financeiro, a empresa
precisa dispor frequentemente de recursos para administrar o processo operacional.
Hoji (2009, p. 11-12) afirma que

[...] existe uma correlação entre o lucro


e o caixa, mas eles podem ser diferen-
tes no aspecto temporal apresentando
diferença no início, mas convergindo

© HieroGraphic / / Fotolia
para o mesmo valor ao final do ciclo
operacional. Uma empresa que gera
lucro pode estar em dificuldade finan-
ceira por não gerar caixa.

O recurso financeiro disponível de forma imediata para aplicação nos procedi-


mentos empresariais pode ser entendido como capital de giro. Ehrhardt e Brigham
(2012, p. 632) destacam duas importantes definições: capital de giro e capital de giro
líquido. O primeiro, “algumas vezes denominado capital de giro bruto, simplesmente
se refere ao ativo circulante usado nas operações”. Já o segundo é “definido como os
ativos circulantes menos passivos circulantes totais”.
Em ambos os conceitos, existe a necessidade de acompanhamento constan-
te dos dados do balanço patrimonial (BP) e da demonstração do fluxo de caixa (DFC).
O acompanhamento do balanço patrimonial se deve à totalização dos grupos ativo e
passivo circulantes. Eles evidenciam todos os bens e direitos como obrigações de cur-
to prazo da empresa. O acompanhamento da demonstração do fluxo de caixa é impor-
tante devido à movimentação financeira diária da empresa na forma de recebimentos
Finanças Corporativas
18

e pagamentos efetuados. O resultado do fechamento de caixa é crucial para a decisão


de financiar ou não as atividades empresariais com recursos de terceiros.
A gestão do capital de giro é a ferramenta que proporcionará o alcance do lucro de-
sejado, uma vez que o trabalho constante no controle financeiro das operações proverá
oportunidades de investimentos que, juntamente com as atividades habituais da empre-
sa, agregarão mais valor ao negócio. Logo, o controle das obrigações e do capital, pró-
prio ou de terceiros, deve ser coerente com a capacidade de pagamento da organização.
A figura a seguir resume a conceituação apresentada.

Objetivos e
estratégias

Ativo Circulante Passivo Circulante


Caixa Fornecedores

Contas a receber Contas a pagar

Empréstimos de
Estoques
Investimentos curto prazo Financiamentos

Aplicações
financeiras

Demonstrativo de resultados

Operações
Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

Lucro
Líquido

Fonte: SALAZAR, 2010, p. 54.

Linhas de ação do fluxo financeiro nas empresas.


Finanças Corporativas
19

Para identificar o valor disponível para


a empresa na forma de capital de giro, é
preciso definir alguns padrões de trabalho.
Esses padrões se referem:
• ao controle e à formação de estoque;
• às condições de créditos a receber;
• à definição de valores mínimos de
caixa necessários;
• à limitação de créditos a pagar.

© denis_pc / / Fotolia
Nesse sentido, a delimitação do ciclo
operacional e financeiro da empresa auxi-
lia na constatação da necessidade de finan-
ciamento ou incremento de capital de giro no fluxo das atividades empresariais. Ross,
Westerfield e Jordan (2008, p. 627) explicam que o ciclo operacional “descreve o modo
como um produto se movimenta através das contas do ativo circulante. O produto co-
meça a vida como estoque, é convertido em contas a receber quando é vendido e final-
mente é convertido em caixa quando recebemos a venda”.
Vale salientar que a determinação da duração do ciclo operacional oscila de acor-
do com a atividade empresarial. O conhecimento desses períodos é primordial para a
adequação e gestão do capital de giro. Hoji e Silva (2010, p. 10) definem que “o ciclo
financeiro tem início com o primeiro desembolso e termina geralmente com o recebi-
mento da venda. Caso haja pagamento de custos ou despesas após o recebimento da
venda, é nesse momento que se encerra o ciclo financeiro”.
O planejamento de um capital de giro positivo para a empresa acontece durante a
previsão e a determinação de prazos satisfatórios nas condições de trabalho, seja para
fornecedores ou para clientes. No início da vida empresarial, o ideal é que não sejam
oferecidos ao cliente prazos superiores aos ofertados pelo fornecedor. Dessa forma, o
gestor poderá administrar as contas com os recursos disponíveis.
Na constituição de uma empresa, o ideal é que o capital de giro seja programa-
do na distribuição do capital social. Essa necessidade se deve ao simples fato de que
a empresa iniciante passará por diversas fases até chegar à estabilização. Essas fases
são: adaptação ao mercado; divulgação de seu produto ou serviço; procura e fideliza-
ção de clientes. Até então, o capital de giro tende a suprir as necessidades financeiras
da organização.
Finanças Corporativas
20

De forma sintetizada, o processo poderá ser visualizado do seguinte modo:

Pagamento a Recebimento em

Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann


Compra fornecedores Vendas dinheiro pelas vendas

Ciclo operacional

Ciclo financeiro

Fonte: SALAZAR, 2010, p. 57.

Ciclos empresariais.

Vários fatores podem intervir na composição do capital de giro. Não existe uma
regra, pois as variáveis do ambiente empresarial irão colaborar ou dificultar essa com-
posição. Questões como localização do empreendimento, facilidade de compra,
acesso para a entrega de produtos e disponibilidade de distribuição após a venda in-
fluenciarão na determinação dos ciclos empresariais e, por fim, incidirão diretamente
na formação e na identificação do capital de giro. O quadro a seguir ilustra as análises
a serem realizadas.
Finanças Corporativas
21

Itens Conteúdo Fatores principais influentes


- Natureza da empresa;
- Sazonalidades;
- Estoques de regularização;
Matéria-prima e matéria - Condições de oferta e comercialização de insumo;
secundária - Facilidades de aquisição e transporte;
- Situação de monopólio;
1. Formação
- Suprimento local;
de estoque
- Eficiência administrativa de controle mínimo.
-Natureza da indústria;
Materiais em processo
-Estoques que necessitam de regularização devido a
(produtos em elaboração)
diferentes velocidades de produção.
Produtos acabados - Condições de produção para pronta disponibilidade.
Adiantamento nas
- Condições de oferta e
compras (crédito a
comercialização dos insumos.
2. Créditos fornecedores)
a receber - Condições de mercado e comercialização dos produtos
Títulos em carteira
acabados;
(vendas a crédito)
- Disponibilidade de crédito para venda e prestação.
3. Descontos de - Disponibilidade de crédito
títulos em carteira para desconto de títulos.
Reserva de caixa mínima
4. Caixa mínima para atendimento de - Flutuação sazonal de caixa.
despesas
5. Crédito a pagar Crédito de fornecedores - Condições de mercado de comercialização de insumos.

Fonte: CARVALHO et al., 1985, p. 351.

Aplicações do capital de giro.

O aumento do investimento em capital de giro pode ser motivado por várias si-
tuações apresentadas pelo mercado. Quando financiado por recursos de terceiros, não
necessariamente será reflexo de uma crise financeira, pois poderá ser oriundo de uma
oportunidade de negócios que renderá benefícios financeiros futuros. Por exemplo,
um financiamento adquirido para ampliação da produção, visando ao aumento de pro-
dutos comercializados mediante novos contratos e parcerias estabelecidas.
Quando ocorre o crescimento da empresa, fruto de sua própria atividade, há a
necessidade de aumentar o capital de giro para acompanhar o fluxo da operacionalida-
de e garantir a implementação de novas estratégias, como maior prazo para clientes e
novos projetos de produtos e serviços a serem ofertados.
Entretanto, o mercado poderá ser um fator de risco para a atividade empresa-
rial. Produtos e serviços com preços vinculados à determinação do mercado oferece-
rão risco. Esse fato se deve à probabilidade de turbulências econômicas, políticas e
financeiras incidirem diretamente na operacionalidade da empresa, o que afeta negati-
vamente o capital de giro.
Finanças Corporativas
22

A necessidade de capital de giro está associada basicamente a


três definições, que levam em consideração valores, segundo Brom e
Balian (2007): necessidade de capital de giro positiva, negativa e nula.
A necessidade de capital de giro positiva se reflete na falta de
recursos para gerir as atividades de curto prazo da empresa. Nessa si-
tuação, há uma demanda de recursos para atender ao giro do negócio
e é por isso que surge a necessidade de financiamento, que pode ser
por meios próprios ou de terceiros. Essa medida tem o objetivo de
cumprir as aplicações efetuadas. Assim, ACO > PCO.

Entende-se por ACO, ativo circulante operacional, os recursos corren-


tes para a execução das atividades do cotidiano empresarial. Por PCO
entende-se o passivo circulante operacional, representado pelas obri-
gações empresariais de curto prazo.

A necessidade de capital de giro negativa é reflexo da empresa capi-


talizada e fruto da sobra de recursos, que poderão ser utilizados para uma
possível expansão ou investimentos no mercado financeiro, visto que as ati-
vidades operacionais estão sendo mantidas com folga financeira. Desse
modo, PCO > ACO.
A última possibilidade é aquela em que a empresa apresenta
uma necessidade nula em relação aos recursos para financiar o seu
giro, isto é, não falta dinheiro para manter as atividades cotidianas,
mas também não há sobra financeira para aplicações e investimentos.
Nesse caso, PCO = ACO.
O administrador define o montante considerado como capital
de giro suficiente. Essa definição depende da análise dos recursos
movimentados pela empresa no período, considerando todos os
custos e as despesas de manutenção e produção, tais como as previ-
sões de receitas e de rentabilidades dos investimentos realizados.
Na gestão contemporânea dos negócios, toda decisão de cará-
ter financeiro deve levar em consideração a análise dos mercados in-
terno e externo em que a empresa está inserida. Não basta somente
fixar o valor a ser destinado como capital de giro, é necessário aplicá-
© Gina Sanders / / Fotolia

-lo corretamente e verificar se ele condiz com as necessidades operacio-


nais e de demanda do produto/serviço ofertado.
Finanças Corporativas
23

O ponto inicial dessa análise é a iden-


tificação de um período de tempo no qual
não ocorram significativas variações nas
operações de produção e venda. Desse
modo, após o aporte inicial de giro, a pró-
pria receita obtida pela empresa será su-

© pogonici / / Fotolia
ficiente para financiar as atividades do
próximo ciclo financeiro. Assim, mantém-
-se o nível ideal de capital de giro em situa-
ções econômicas relativamente estáveis.
No caso das economias inflacionárias, as análises e aplicações tornam-se mais
elaboradas e frequentes devido às oscilações constantes do mercado. Nesse sentido,
a empresa preserva seu princípio de continuidade e busca a otimização de resultados.
Contudo, a receita que financiava um ciclo financeiro permanente deve ser periodica-
mente revisada para acompanhar os impactos nos preços provocados pela incidência
da inflação. Isso requer aumento constante do valor destinado ao capital de giro. Assaf
Neto (2010, p. 514) ressalta que,

Em suma, o que se nota é que muitas vezes, para manter a mesma capacidade de pro-
dução e venda, a empresa que atua em contextos inflacionários se vê obrigada a efetuar
aplicações financeiras adicionais em seu capital de giro.
É como se as necessidades de investimento em giro crescessem de forma exponencial,
não sendo acompanhadas, com a mesma intensidade, pela entrada de novos recursos
para financiamento.

Nesse cenário entre a relação de risco-retorno para o financiamento mostra-se


relevante em relação ao capital de giro, visto que, nesse caso, as propostas de curto e
longo prazos revelam projeções diferentes.
Viera (2008) aponta para dois componentes responsáveis pela aplicação em ati-
vos circulantes da empresa: os de investimentos de forma permanente/fixa, ou seja,
aqueles que são necessários mesmo em épocas desfavoráveis aos negócios, e os in-
vestimentos destinados a atender à sazonalidade do produto/serviço, os quais apre-
sentam caráter temporário ou sazonal. Com isso, o administrador poderá optar por
financiamentos de curto ou longo prazos para prover essas necessidades.
Finanças Corporativas
24

Aplicações nos ativos


circulantes para atender
às variações sazonais
ou cíclicas nas vendas

Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann


Aplicações nos ativos
Ativos fixos + componente
fixos e circulantes para
permanente dos ativos
atender ao componente
circulantes
não sazonal das vendas

Tempo
Fonte: VIEIRA, 2008, p. 45.

Ativos circulantes sazonais e fixos.

Para o aporte de giro nos períodos sazonais, a melhor opção é pelos recursos
ofertados no curto prazo. Já para as necessidades permanentes busca-se a integração
entre os fornecedores, caracterizada como fonte de recursos espontâneos e propostas
de longo prazo.
A vantagem dessa linha de ação é que a empresa consegue se prevenir financei-
ramente para o cumprimento de suas obrigações tanto no curto como no longo prazo.
Lembrando que, antes de qualquer decisão, é importante analisar as taxas de juros co-
bradas, pois essa é a medida inicial na mensuração do risco e da influência na verifica-
ção da rentabilidade do processo e, por fim, no retorno esperado.
Na compreensão da composição do capital de giro de uma empresa, encontram-
-se as contas do grupo do ativo circulante descrito no balanço patrimonial. Cada con-
ta reflete um modo diferenciado de gestão, visualizando formas de converter novas
oportunidades de negócios em dinheiro imediato para aplicação de recursos. As polí-
ticas de investimentos em ativos circulantes proporcionam ao administrador definir a
manutenção ou o incremento de recursos financeiros em cada conta, à medida que a
atividade empresarial se desenvolve.
Na concepção de Ehrhardt e Brigham (2012, p. 836), “A política de capital de giro
envolve duas questões básicas: (1) qual o montante apropriado de ativos circulantes
que a empresa deve manter, tanto no total como em cada conta específica, e (2) como
os ativos circulantes devem ser financiados”.
Finanças Corporativas
25

A análise dos montantes financeiros que oscilam no grupo do ativo circulante é cha-
mada de política de investimento. Em economias consideradas instáveis, há a possibili-
dade de aplicação de três linhas de políticas de investimentos em ativos circulantes.

As economias instáveis se caracterizam por frequentes alterações de preços em razão de im-


pactos inflacionários. Além disso, elas são submetidas a medidas políticas de mudança das re-
gras de mercado, o que prejudica sua credibilidade.

As políticas de investimento têm estreita relação com o volume de vendas de pro-


dutos/serviços, visto que as vendas representam a fonte principal de receita que a em-
presa tem para a continuidade do seu negócio. Essas políticas são descritas por Vieira
(2008) como agressivas, moderadas e restritivas.

Ativos Circulantes (R$)


Política
Agressiva

Política
Moderada
Política
Restritiva
Valor Investido

Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

Vendas (R$)

Fonte: VIEIRA, 2008, p. 41.

Políticas de investimentos em ativos circulantes.

A política agressiva é marcada por


um volume maior de recursos investi-
dos em estoques, bancos e contas a rece-
ber de clientes. É uma política de crédito
mais folgada, também chamada pelos au-
© 123dartist / / Fotolia

tores de política de afrouxamento ou abun-


dante. A utilização dessa modalidade exige
que o administrador considere vantajosa a
Finanças Corporativas
26

manutenção de estoques altos, o que reduz o giro (quantidades de compras). Nessa


política, os altos valores deixados em conta corrente ou caixa precisam ser administra-
dos a favor do processo operacional e financeiro da empresa. Por exemplo, os recursos
disponíveis de forma imediata podem reduzir encargos de juros ou multas, o que mi-
nimiza o grau de despesas empresariais. Outra opção é o aproveitamento de oportu-
nidades de mercado caracterizadas pela relação custo/benefício, mediante descontos
atrativos com fornecedores pelo pagamento à vista.
A política moderada se encontra en-
tre a política agressiva e a restritiva. O volu-
me de recursos investidos é suficiente para
suprir as necessidades operacionais e não

© Dreaming Andy / / Fotolia


trabalhar com faltas nem com excessos. É
utilizada por empresas mais realistas, preo-
cupadas com o fator de risco de sua ativida-
de de mercado. O giro de estoques é maior
do que o da política agressiva, o que caracteriza empresas que trabalham com produ-
tos perecíveis ou com validade mínima. O setor alimentício é um bom exemplo.
Como última análise, apresenta-se a política restritiva, também denominada es-
cassez ou intencional. Ela é caracterizada pelo investimento mínimo em caixa, recebí-
veis e estoques. Esse método de gestão é
justificável em função da sazonalidade de
CUSTOS

produtos/serviços. O risco de perdas em


Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann
© IvelinRadkov / / Fotolia. (Adaptado).

vendas é minimizado mesmo que o nú-


mero de compras aumente. Em contra-
partida, agrega-se maior retorno sobre o
investimento, com maiores oportunidades
de lucros, mas não de valor (aumento de
LUCRO patrimônio).
Em uma aplicação prática, pode-se visualizar a seguinte situação hipotética na
comparação das políticas de investimentos em ativos circulantes:

Política Política
Política moderada
agressiva restritiva

Ativo circulante (AC) 300 200 150

Vendas 900 900 900


Giro AC 3,00 4,50 6,00
AC/Vendas 0,33 0,22 0,17
Fonte: VIEIRA, 2008, p. 42. (Adaptado).

Comparação de resultados nas políticas de investimentos.


Finanças Corporativas
27

O giro do ativo circulante é obtido pela divisão entre as vendas e o ativo circulan-
te (v/ac). O resultado nos dá o valor do montante de venda gerado para cada unidade
de capital investida no circulante. Sobre esse tema, Vieira (2008, p. 42) afirma:
A comparação dos resultados produzidos pelas alternativas de investimento que podem
ser implementadas revela que a produtividade do capital investido varia muito. Dessa
forma, o giro do ativo circulante será mais elevado para a política restritiva (significando
maior produtividade dos recursos investidos) e irá se reduzindo gradativamente à medida
que essa política se torna mais agressiva.

Juntamente com o controle da produtividade do capital, está o esforço em definir


estratégias para o crescimento das vendas, pois, em uma situação restritiva, as metas
determinadas pela empresa são mais fáceis de serem atingidas. Em contrapartida, o
aspecto financeiro recebe o impacto da pouca geração de valor por não conseguir acu-
mular um recurso maior no capital de giro.
A responsabilidade de agregar valor e de promover o equilíbrio racional de recur-
sos financeiros aplicados no capital de giro exige do administrador financeiro o acom-
panhamento dos cenários de mercado que apontam situações de risco e retorno para a
atividade empresarial.
A grande velocidade e a profundidade com que ocorrem alterações nos ambientes interno e
externo em que a empresa atua trazem consequências importantes e rápidas nas bases so-
bre as quais foram fundamentadas as políticas. Dessa forma, as políticas são estabelecidas
para as condições próximas às encontradas no momento de sua definição. Havendo altera-
ções nos ambientes internos e externos, as políticas deverão ser revistas e redefinidas.
(LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM, 2010, p. 374).

A gestão do capital de giro estará sempre vinculada às situações de risco da empre-


sa. Uma vez que o risco operacional relacionado à atividade sofra alterações pelas mu-
danças de mercado, imediatamente haverá ajustes de estratégias para minimizar o risco
financeiro, que está ligado à manutenção dos capitais. O resultado maximizado do re-
torno é fruto de uma eficiente gestão de riscos. O capital de giro é o componente em-
presarial que dimensiona a distribuição de recursos empresariais. Essa distribuição pode
acontecer na forma de capacidade de pagamento das obrigações, disponibilidade de di-
nheiro para novos investimentos ou alerta para decisões de busca de capital de terceiros.
É impossível abordar capital de giro sem mencionar a gestão de caixa. Faz parte
de uma boa gestão de caixa definir procedimentos de controle dos recursos financei-
ros necessários à manutenção das atividades empresariais. O modelo de controle co-
mumente utilizado é o fluxo de caixa, o qual Sá (2009, p. 11) conceitua como o
método de captura e registro dos fatos e valores que provoquem alterações no saldo de
caixa e sua apresentação em relatórios estruturados, de forma a permitir sua compreen-
são e análise.
Finanças Corporativas
28

Para os efeitos desta definição, a expressão “caixa” significa “moeda” e todos os valores que
possam ser prontamente convertidos em moeda, tais como depósitos bancários, cheques que
possam ser depositados irrestrita e imediatamente, e aplicações de curtíssimo prazo.

Sob o enfoque da administração financeira, o gestor define o controle de caixa


com base nas informações que são pertinentes à atividade empresarial e no tempo ne-
cessário para a tomada de decisão. Dessa forma, podem ser encontrados controles de
caixa diários, semanais, quinzenais ou mensais. Entretanto, quanto maior for o prazo
de controle, maior será o risco na tomada de decisão financeira em razão de imprevis-
tos que podem vir a ocorrer.
Já no registro contábil, a demonstração do fluxo de caixa é um registro formal.
Sua estrutura deve apresentar o grupo de demonstrações financeiras ou contábeis
obrigatórias da empresa. No setor financeiro, o fechamento do controle de caixa pro-
vém de dois relatórios específicos: o controle de bancos e o controle de caixa interno.

Débora Allana Zimmermann


© bloomua / / Fotolia
Design Gráfico:
O controle bancário é realizado por meio do procedimento de conciliação ban-
cária. Nela são verificadas todas as entradas e saídas de recursos nas instituições fi-
nanceiras que mantêm relação de negócios com a empresa. A tecnologia via internet
oferece suporte para o gerenciamento à distância desses recursos.
Débora Allana Zimmermann
© bloomua / / Fotolia
Design Gráfico:

No ambiente interno, o controle de caixa é realizado mediante os recebimentos


e pagamentos efetuados na própria empresa. Como há um planejamento, os recursos
para atender a situações emergenciais já são programados. Logo, na conclusão do pro-
cesso, as informações são reunidas em um relatório consolidado.
Finanças Corporativas
29

O administrador pode tirar conclusões sobre aspectos de liquidez da empresa por


meio do exame minucioso e da crítica permanente sobre o controle de caixa. Essas me-
didas são importantes porque indicam como anda a liquidez da empresa, fator essen-
cial para a continuidade dos negócios, uma vez que reflete na capacidade de cumprir as
obrigações da organização em relação aos agentes detentores do capital de terceiros.
Ainda referenciando as observações de Sá (2009, p.4), é prudente destacar que

a geração de caixa é mais importante do que a geração de lucro, já que o que quebra uma
empresa não é a falta de lucro, é a falta de caixa. São inúmeros os exemplos de empresas
que se inviabilizaram financeiramente, mesmo apresentado lucros contábeis.
Curiosamente, o inverso também é verdadeiro. Incontáveis empresas sobrevivem e sobre-
viveram longos períodos de prejuízos viabilizando a liquidez. A análise do fluxo de caixa
permite que os sintomas de fragilização da estrutura de capital de giro sejam detectados
a tempo para que se possam tomar as medidas necessárias à correção desta distorção.

Uma tomada de decisão coerente depende do relatório formal de recebimentos e pa-


gamentos e da apuração do capital de giro mediante controle de caixa. Ela também depen-
de da definição dos seguintes pontos: determinar as razões empresariais para reter caixa,
definir técnicas de gestão de caixa e calcular prazos e valores estratégicos de caixa.
As duas primeiras situações envolvem ações que buscam melhores resultados finan-
ceiros. Quanto aos cálculos, a informação preconiza a identificação de períodos nos quais
as ações deverão ser implementadas ou asseguradas por razões de segurança financeira.
O conjunto dessas informações permite que a empresa apure, de forma quantifi-
cável, o montante de capital de giro financeiro para uso imediato. Ehrhardt e Brigham
(2012) descrevem três razões básicas para reter caixa, ou seja, disponibilizar uma reserva
financeira:

1 Precaução para transações de rotina.

2 Pagamentos aos bancos pela concessão de


Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

empréstimos e serviços.

3 Descontos comerciais.
Finanças Corporativas
30

A reserva de caixa, para precaver-se em relação às atividades rotineiras, tem o


objetivo de agilizar pagamentos de gastos específicos, que podem estar relacionados
com alguma mudança do mercado, ou pode cobrir flutuações negativas imprevistas.
São os chamados saldos de segurança.
A estreita ligação com as instituições financeiras – por meio de conta corren-
te, aplicações financeiras e até mesmo contratação de empréstimos – funciona como
“moeda de troca” nas relações de negócios. O serviço prestado pelo banco é sempre
cobrado financeiramente, o que provoca uma melhoria nos seus índices de lucro. Mas,
para a empresa, a utilização desses serviços oferece oportunidades de maior margem
para aquisição de financiamentos ou tratamento com recebíveis. A margem mínima de
valor depositado em conta garante à empresa os chamados saldos compensatórios,
porém, para serem mantidos, eles devem ser preservados em caixa.
Os descontos comerciais oferecidos pelos fornecedores para pagamentos anteci-
pados muitas vezes valem a pena. O impacto é sentido no futuro, pois a redução de
custo do produto causa aumento da margem de lucro empresarial.
As técnicas de gestão de caixa são implementadas de acordo com o nível e o flu-
xo de atividades da empresa. Grandes organizações, além de gerenciarem seus re-
cursos financeiros no mercado interno, preocupam-se com a cotação cambial nos
negócios firmados em outras moedas. Assim, estabelecer padrões de trabalho que via-
bilizem a maior e mais rápida movimentação de recursos é função do gestor financei-
ro. Quando se trata de outra moeda, a complexidade no monitoramento do capital de
giro aumenta pelo simples motivo de haver alteração constante no valor das outras
moedas em relação ao real.
Ehrhardt e Brigham (2012) dividem as técnicas de gestão de caixa em sincroniza-
ção do fluxo de caixa, aceleração do processo de compensação de cheques e definição
de políticas de cobrança.
Para a sincronização de caixa em uma re-
lação temporal, é necessário estabelecer, de
forma geral, uma correspondência entre perío-
dos de recebimentos e períodos de pagamen-
Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

tos. Pode-se executar essa medida por meio


© Pixel Embargo / / Fotolia. (Adaptado).

da programação de prazos com fornecedores


e clientes. O resultado desse procedimento é a
Prazo

preservação dos saldos de segurança e o alcan-


ce de um bom nível de capital de giro líquido.

Clientes
Finanças Corporativas
31

A aceleração do processamento de
cheques talvez seja a questão mais fácil de
ser administrada no cenário contemporâ-
neo, devido à possibilidade e ao crescente
uso de cartões de débito e crédito nas tran-
sações financeiras. A preocupação com o
controle dos cheques é que, muitas vezes,
estes são emitidos em locais distantes e a
demora na compensação pode gerar au-
© Eisenhans / / Fotolia

mento no índice de inadimplência no mo-


mento do resgate ou da compensação na
agência bancária. Desse modo, sugere-se a
adoção de um controle específico para esses documentos, com o objetivo de respeitar
os prazos programados sem ampliar o tempo para desconto.
Na definição de métodos para políti-
ca de cobrança, a empresa repassa ao ban-
co a execução desses serviços. Isso ocorre
principalmente nos grandes centros, devido
à falta de tempo para encontrar-se com o
cliente para receber pelo produto ou servi-
ço prestado. Essa atitude difere-se da prá-
tica convencional, que agrega maior custo

© aleksander1 / / Fotolia
na contratação de um ou mais funcionários
para cumprir essa tarefa. De acordo com
Ehrhardt e Brigham (2012, p. 650),

um sistema de cobrança bancária reduz o prazo necessário para receber cheques, deposi-
tá-los e processar sua compensação por meio do sistema bancário e disponibilizá-los para
uso. Serviços de cobrança bancária podem disponibilizar o dinheiro entre dois a cinco dias
mais rápido que o sistema “convencional”.

Na última etapa, entendida como etapa prática do planejamento de caixa, estão


os cálculos básicos para a resposta na definição de prazos e valores mínimos. São três
aplicações: ciclo de caixa, giro de caixa e caixa mínimo operacional.
O fechamento do ciclo de caixa (CC) ou ciclo financeiro (CF) corresponde ao tem-
po compreendido entre a aquisição de materiais ou mercadorias dos fornecedores e o
recebimento da venda do produto. Ele é composto por três análises diferenciadas de
prazo, que resultarão na resposta final.
Finanças Corporativas
32

Dessa maneira, tem-se que:

CF = PMRE + PMRV – PMPF

Em que:

PMRE = prazo médio de renovação de estoques

PMRV = prazo médio de recebimento de vendas

PMPF = prazo médio de pagamentos de fornecedores

Fonte: SOUZA NETO; MARTINS, 2011, p. 26.

O prazo médio de estoques (PME) pode ser obtido pela fórmula:

Saldo médio de estoques


PME = × 360
Custo das mecadorias vendidas

“[...] o indicador de prazo médio de estoques exprime o número de dias (média) em que os es-
toques ficam armazenados na empresa antes de serem vendidos. É o número de dias que os
estoques são renovados (ou vendidos)” (SOUZA NETO; MARTINS, 2010, p. 28-29).

Veja o seguinte exemplo: uma empresa mantém como estoque de segurança o va-
lor médio de R$ 15.000,00. Se o custo da mercadoria vendida for de R$ 90.000,00, o PME
será de 60 dias, conforme demonstração:
15.000,00
PME = × 360 = 60 dias
90.000,00

Conceder prazos a clientes é uma prática empresarial quase obrigatória nos dias
atuais, principalmente no trabalho com a concorrência. De maneira recíproca, ao pas-
so que há benefícios, também ocorrem limitações, pois os custos e os riscos inerentes
a essa ação são assumidos integralmente pela empresa. Os benefícios estão concen-
trados na possibilidade de ampliação dos níveis operacionais, ganho de escala e escoa-
mento da produção e, automaticamente, maior giro dos estoques.
As informações para a resposta desse cálculo são encontradas no balanço patri-
monial, pela conta cliente ou duplicatas a receber, e na demonstração de resultado do
exercício (DRE), pela conta receita operacional bruta.
Assim:

Clientes Duplicatas a receber


PMRV = × 360
Receita operacional bruta
Finanças Corporativas
33

Se a mesma empresa do exemplo anterior registra no saldo de clientes


R$ 25.000,00 e sua receita operacional bruta for de R$ 120.000,00, o prazo de recebi-
mentos de vendas pelos clientes é de 75 dias.

25.000,00
PMRV = × 360 = 75 dias
120.000,00

Os fornecedores são elemento vital para a continuidade da empresa, pois o finan-


ciamento de seu capital (mercadoria/matéria-prima) permite a concessão de prazos
aos clientes. Enquanto a empresa busca um número menor de dias para receber dos
clientes, com os fornecedores a situação é contrária. Quanto maior for o prazo, melhor
será para a empresa. A fórmula adotada nessa definição é:

Saldo médio de fornecedores


PMPF = × 360
Montante de compras

Se a empresa possui um saldo em fornecedores de R$ 40.000,00 – nesse caso, con-


tam-se todos os fornecedores vinculados à empresa – e pelo registro de compras che-
ga-se a um montante de R$ 120.000,00, o prazo médio de pagamentos é de 120 dias.
Observe:

40.000,00
PMPF = × 360 = 120 dias
120.000,00

Logo, o ciclo de caixa da empresa será de 15 dias.


CC = 65 + 75 – 120 = 15 dias
A capacidade da empresa de apurar esses dados reflete na gestão de capital de
giro. Kato (2012, p. 78) repassa a interpretação:

Quanto maior for o ciclo de caixa, pior para a empresa em termos financeiros. Isso significa
que ela necessita de um valor considerável de capital de giro para financiar as atividades da
empresa até o recebimento das vendas. Quanto menor for esse tempo, menos capital a em-
presa necessita captar de seus sócios ou terceiros, reduzindo suas despesas financeiras com
empréstimos.

O ciclo financeiro, por sua vez, reflete o equilíbrio e a organização financeira da


empresa, por isso deve ser permanentemente monitorado e avaliado. Uma das atribui-
ções do gestor financeiro é a capacidade de negociar maiores prazos com os fornece-
dores. Outra atribuição desse profissional é promover a motivação do departamento
de vendas, para que novas estratégias sejam criadas para antecipar o tempo de re-
cebimento dos clientes. Assim, podem ser evidenciados os aspectos que garantem a
Finanças Corporativas
34

competitividade da empresa no mercado. O giro do caixa (GC) demonstra a média de


vezes que os recursos entram e saem da empresa no período de um ano. Ele é obtido
pelo seguinte cálculo:
360
GC =
CC
No caso do exemplo trabalhado, a empresa teria um giro de caixa de 24 vezes,
pois seu ciclo de caixa fechou em 15 dias.
360
GC = = 24 vezes
15

Em empresas que oferecem produtos de consumo rápido, esse giro é muito alto,
como no caso de padarias, restaurantes, supermercados. Já para empresas que ofere-
cem máquinas, mobiliários ou equipamentos pesados, o giro é muito baixo.
Como última análise da gestão completa de caixa, a definição do caixa mínimo ope-
racional (CMO) subsidiará a necessidade do saldo de segurança para a empresa, o qual já
foi mencionado. O cálculo pode ser feito de várias formas, no entanto, a mais simples é:

Saídas de caixas totais anuais


CMO =
Giro de Caixa

Fonte: KATO, 2012, p. 79.

Esse enfoque faz referência ao valor que a empresa terá que reter a cada novo
giro de caixa. Desse modo, se a empresa tem um total de saídas de caixa no ano de
R$ 55.000,00 e o seu giro é de 24 vezes, o caixa mínimo exigido será de R$ 2.291,67.

55.000,00
CMO = = R$ 2.291,67
24

O controle e a adoção de boas práticas de gestão do caixa não garantem que


sempre haverá saldos, visto que as variáveis de mercado, que não podem ser modifi-
cadas pela empresa, podem exigir adaptações imediatas no método de trabalho, prin-
cipalmente de ordem financeira. O impacto será menor se houver organização nos
controles e informações disponíveis. Sá (2009, p. 115) orienta:

É preciso não esquecer que o fato de o negócio destruir caixa em determinados períodos
do ano pode ser um fato normal. Empresas que possuem forte sazonalidade podem apre-
sentar um fluxo de caixa negativo na transição do período de vendas altas para o período
de vendas baixas sem que isso signifique que o negócio é destruidor de caixa.
O importante é que, ao longo do ano (ou ciclo operacional, o que for mais longo), o negó-
cio seja gerador de caixa.
Finanças Corporativas
35

Para saber como lidar com essas situações e não “levar sustos” financeiros, é im-
portante estabelecer e trabalhar com folga de capital de giro, principalmente o capital
de giro líquido.
Uma das formas de investir ou movimentar capital de giro nas empresas é fisca-
lizar os recursos aplicados em estoques. A administração de estoques é um processo
empresarial que integra a determinação de métodos de trabalho com o controle finan-
ceiro. Ele nasce da necessidade de acompanhamento e avaliação de custos emprega-
dos na constituição e na operacionalidade desse setor.

O filme Wall Street: o dinheiro nunca dorme (2010), dirigido por Oliver Stone e produzido pela
Fox Filmes, destaca a explosão da bolha da internet (2001) e, principalmente, a crise econômi-
ca de 2008.

Wernke (2008) destaca alguns fatores como análises imprescindíveis para a ges-
tão adequada de estoques: custo financeiro da estocagem, estrutura física exigida, ar-
mazenagem, manuseio, despacho, obsoletismo, seguros, controle, gestão e acidentes.
© Gina Sanders / / Fotolia

© maxoidos / / Fotolia
© akf/ / Fotolia

Quanto ao custo financeiro da estocagem, o administrador deve ter como parâ-


metro inicial de análise que toda mercadoria ou todo insumo estocado precisa de in-
vestimento de recursos financeiros. Sempre tendo em vista que esse investimento irá
ficar imobilizado por determinados momentos. Assim, definir padrões elevados de es-
toque pode prejudicar a empresa, visto que será mais difícil aproveitar oportunida-
des de aplicação de recursos que ofereçam liquidez de forma mais rápida. Com isso, a
grande quantidade de compra leva à necessidade de um alto grau de captação de re-
cursos de terceiros, mesmo que sejam de fornecedores. O resultado é a diminuição da
rentabilidade do negócio.
Ainda considerando grandes quantidades de mercadorias/insumos, existe a ques-
tão do custo empregado na estrutura da empresa para armazenagem do produto ad-
quirido. A aplicação de recursos financeiros em melhorias e adaptações do espaço
Finanças Corporativas
36

físico requer um controle financeiro detalhado, visto que o desembolso acontece no


momento presente e o retorno é visualizado somente em longo prazo. Tal fato exige
uma ampla avaliação de recursos no momento de optar por essa alternativa. Quanto
maior o fluxo de entrada e saída de mercadorias, em prazo concomitante, menor é a
necessidade de expansão da área utilizada.

© alphaspirit / / Fotolia
O cuidado com as mercadorias e os insumos utilizados pela empresa requer um
profissional que execute as atividades de recepção, conferência, movimentação, fra-
cionamento e despacho. Essas atribuições colaboram com a eliminação do desperdício
e proporcionam uma melhora no aproveitamento dos recursos aplicados. Outro cuida-
do a ser tomado é em relação ao obsoletismo, que se relaciona ao acompanhamento
da validade do produto e à oportunidade de o mercado aceitá-lo.
A necessidade de investimentos em seguros está associada ao fator acidente.
Vários são os exemplos de empresas que, em decorrência de calamidades como incên-
dios, enchentes e desabamentos, além de furtos ocorridos, perdem seus estoques e fi-
cam impossibilitadas de trabalhar. Essa situação prejudica a entrada de receitas no caixa.
O controle e a gestão são direcionados para a verificação e o monitoramento de
todas as operações realizadas nos estoques. Dessa forma, o patrimônio empresarial
será preservado e será agregado valor aos incrementos de capital de giro realizados.
O resultado será a concretização dos conceitos de eficácia e de eficiência objetivados
pela empresa.
No foco da administração, a identificação dos tipos de estoques existentes per-
mite a organização de métodos de trabalho que atendam às premissas operacionais da
empresa. Na visão de Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010), os principais tipos de es-
toques são classificados em:
Finanças Corporativas
37

a) Matérias-primas:
componente principal em uma industrialização. Sua quantidade
delimita o número de produtos a serem fabricados, do mesmo
modo que a falta desse material provoca uma estagnação no
trabalho da fábrica. Exemplo: parafina em uma fábrica de velas.

b) Componentes:
correspondem a matérias que também estruturarão o produto
final. São agregados ao produto no decorrer da etapa produtiva
e variam no sentido de quantidades e especificações descritas na
medida ou fórmula da mercadoria industrializada.
Quanto maior for o número de componentes, mais complexos serão os
controles. Exemplo: barbante e corante para composição da vela.

c) Insumos:
colaboram para a operacionalidade do processo produtivo. Não
estão no produto final, mas subsidiam o dia a dia da fabricação.
Exemplo: lubrificantes para as máquinas da fábrica. Autores
como Kato (2012) consideram esses elementos como materiais
para manutenção, seja da produção ou da empresa em geral.

d) Produtos em processo:

© fatihnebioglu / / Fotolia; © onizu3d / / Fotolia; © desmo / / Fotolia; © anoli / / Fotolia; © Elnur / / Fotolia
são as unidades que não cumpriram todas as etapas
produtivas e, por estarem inacabadas, não poderão ser
vendidas. O ideal é que a empresa minimize a quantidade
e o tempo de armazenagem desses produtos tendo em
vista que não são fontes de receita e que eles ocupam
lugares de produtos que já poderiam ser vendidos.

e) Produtos acabados:
Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann

consistem nas unidades prontas para a venda e que deverão


ser entregues no menor prazo possível a fim de liberar o
espaço ocupado. Independentemente do tipo de estoque
a ser considerado, é importante que seja realizada a análise
custo/benefício financeiro para a empresa, principalmente na
quantidade e variedade de elementos controlados.
Finanças Corporativas
38

As empresas, no geral, tendem a definir as técnicas de gestão de estoques de


acordo com a necessidade do produto/serviço ou do mercado. Há três métodos que
são preferencialmente utilizados pelos administradores para a organização e gestão
de estoques:

1 Sistema ABC

2 Método do Lote Econômico de compra

Design Gráfico: Débora Allana Zimmermann


3 Sistema Just in time (JIT )
© macrovector / / Fotolia

O objetivo do sistema ABC é mensurar os níveis de estoque pela representativi-


dade dos produtos em função do giro e do valor investido. Kato (2012, p. 95) descreve
que esse sistema “permite separar o estoque em grupos distintos relacionados ao in-
vestimento realizado, ou seja, segregar os itens essenciais dos demais itens normais”.
Exemplo: Adotando como base o estoque de uma joalheria, tem-se a seguinte
situação:

Consumo anual % total % acumulada Classificação ABC


Pulseiras (ouro) 1.850 29,13% 29,13% B
Anéis (ouro) 1.300 20,47% 49,60 % A
Brincos (ouro) 3.200 50,40% 100% C

Exemplo de um sistema ABC aplicado a uma joalheria.


Finanças Corporativas
39

O grupo A define os produtos com o giro mais lento e que geralmente tendem a
ser os mais caros. No exemplo da joalheira, são os anéis, os quais compreendem o per-
centual de 20,47% do total. Há poucas unidades, mas o valor investido é alto.
O grupo B abrange os produtos em nível equilibrado em percentagem de quanti-
dade com o valor empregado. Nesse caso, seriam as pulseiras, que apresentam resul-
tado de 29,13%.
O grupo C consiste nos produtos mais estocados, porém com menor valor finan-
ceiro empregado. Geralmente, são os que têm maior saída e que, consequentemente,
ocasionarão uma frequência maior de compras por parte da empresa. No exemplo, são
os brincos, os quais atingem percentual de 50,40%.
Cada empresa, atendendo à sua particularidade na venda de produtos, estabele-
ce níveis adequados de estoque em condições financeiras prudentes de financiá-los.
Wernke (2008, p. 183) demonstra alguns procedimentos indicados para o critério ABC
que norteiam decisões de controle, de acordo com a separação dos grupos.

Categoria Procedimentos
Manter baixo nível de estoque
Produtos A
Alta prioridade/rigor de controle
Manter baixo ou médio nível de estoque
Produtos B
Média prioridade/rigor de controle
Manter médio ou alto nível de estoque
Produtos C
Baixa prioridade/rigor de controle
Fonte: WERNKE, 2008, p. 183.

Procedimentos indicados no critério ABC.

O método do lote econômico prevê a quantidade armazenada em estoque de


forma suficiente. A finalidade é não gerar custos excedentes para a empresa, bem
como definir o número de pedidos de compra no período. Essas medidas produzem
uma melhor organização com os fornecedores na entrega do material e com o setor fi-
nanceiro no controle dos prazos de pagamentos.
Groppelle e Nikbakht (2009, p. 341) conceituam: “O lote econômico de compra
(LEC) é a quantidade de um item que, quando pedido regularmente, resulta em cus-
tos mínimos de pedido e de manutenção”. Para a obtenção desses dados, utiliza-se a
fórmula:
2Q ×CP
LEC =
Cm
Finanças Corporativas
40

Em que:
Q = quantidades requeridas do produto por período de tempo
CP = custo por período de compra
Cm = custo de manutenção do estoque

Em uma demonstração prática desse método, considere os seguintes dados:


Uma empresa de moda praia tem um consumo anual de 35.000 unidades do pro-
duto biquíni. O custo de um pedido de compra é de R$ 15,00 e o custo de manutenção
por unidade é de R$ 3,00. Avaliando essas condições, o resultado do LEC será:

( 2) ×( 35.000) ×(15)
LEC = = 350.000 = 592 unidades
3

A empresa minimizará o custo se, a cada pedido, for realizada a compra de 592
biquínis. Portanto, a empresa deverá emitir o total de 59 pedidos de compra.

consumo anual 35.000


Número de pedidos por ano = = = 59 vezes
LEC 592

A alteração do consumo da empresa no decorrer do período exige a revisão do LEC para fins de apu-
ração de novos custos de manutenção e possíveis benefícios na projeção de estoques superiores.
Não se esqueça de relacionar esses elementos com as condições do produto e de estrutura física da
empresa.

O sistema just in time (JIT) consiste


em administrar os estoques com quantida-
des mínimas, porém suficientes para aten-
der às demandas ou à produção imediata.
O benefício verificado é a alta rotatividade
dos estoques, o que permite o trabalho com
mercadorias ou insumos novos. No entan-
to, o risco está associado à possibilidade de
ocorrer uma solicitação de aumento de de-
© Rido / / Fotolia

manda. Essa situação pode gerar oscilação


nos valores dos custos dos pedidos, o que
causará a diminuição da margem de lucro.
Finanças Corporativas
41

Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 425) ratificam: “O objetivo principal do


sistema JIT é minimizar o investimento em estoques, evitando a sua passagem, por al-
gum tempo, pelos almoxarifados da empresa, reduzindo a quase zero a idade média
do estoque”.
O alcance de uma gestão eficiente de estoques passa pelos procedimentos de
compras planejadas e estruturadas com base em objetivos e políticas de trabalho de-
finidas. Controlar o estoque não significa somente registrar quantidades, mas identi-
ficar a sua localização e as condições de armazenagem dos produtos. Na relação com
o capital de giro, a otimização da gestão de estoques permite melhor distribuição dos
recursos financeiros em busca de resultados melhorados, levando-se em consideração
as condições de operacionalidade da empresa.
Finanças Corporativas
42

Referências
ASSAF NETO, A. Finanças Corporativas e Valor. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
ASSAF NETO, A.; LIMA, F. G. Fundamentos de Administração Financeira. São Paulo:
Atlas, 2010.
BEDÊ, M. A. (Coord). Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5
anos. São Paulo: Sebrae, 2005.
BROM, L. G.; BALIAN, J. E. A. Análise de Investimentos e Capital de Giro: conceitos e
aplicações. São Paulo: Saraiva, 2007.
CARVALHO, F. M. et al. Análise e Administração Financeira. Rio de Janeiro: Ibmec, 1985.
EHRHARDT, M. C.; BRIGHAM, E. F. Administração Financeira: teoria e prática. São Paulo:
Cengage Learning, 2012.
EITEMAN, D. K.; STONEHILL, A. I.; MOFFETT, M. H. Administração Financeira Interna-
cional. 12. ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.
GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, E. Administração Financeira. São Paulo: Saraiva, 2009.
(Programa do Livro-Texto).
HOJI, M. Administração Financeira e Orçamentária: matemática financeira aplicada, es-
tratégias financeiras, orçamento empresarial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
______. Administração Financeira na Prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
______. Administração Financeira: uma abordagem prática. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2004.
HOJI, M.; SILVA, H. A. da. Planejamento e Controle Financeiro: fundamentos e casos prá-
ticos de orçamento empresarial. São Paulo: Atlas, 2010.
KATO, J. Curso de Finanças Empresariais: fundamentos de gestão financeira em empre-
sas. São Paulo: M. Books, 2012.
LEMES JÚNIOR, A. B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Administração Financeira:
princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
PADOVEZE, C. L. Controladoria Estratégica Operacional: conceitos, estrutura, aplicação.
São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JORDAM, B. D. Administração Financeira. 8. ed. São
Paulo: McGraw-Hill, 2008.
SÁ, C. A. Fluxo de Caixa: a visão da tesouraria e da controladoria. 3. ed. São Paulo: Atlas,
2009.
SALAZAR, G. T. Fundamentos de Finanças Corporativas: teoria e aplicações práticas. São
Paulo: Atlas, 2010.
Finanças Corporativas
43

SOUSA NETO, J. A. de.; MARTINS, H. C. Finanças Corporativas na Prática: ferramentas


gerenciais. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Elsevier; Fundação Dom Cabral, 2010.
VIEIRA, M. V. Administração Estratégica do Capital de Giro. São Paulo: Atlas, 2008.
WERNKE, R. Gestão Financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro:
Saraiva, 2008.
2 Abordagens sobre custo de capital e criação de valor
para a empresa
2.1 Capital social: a origem da empresa
A falta de conhecimento sobre o mer-
cado e sobre os aspectos que envolvem a
constituição de uma empresa faz com que
muitas pessoas percam suas economias re-
sultantes de anos de trabalho ou recebi-
das como forma de herança. Somente uma

© alphaspirit / / Fotolia
ideia criativa e dinheiro disponível para in-
vestimento não garantem o sucesso de um
novo negócio. As variáveis externas, como
regras do mercado financeiro, regimes tri-
butários, fornecedores, clientes, concorrência e exigências ambientais têm mais im-
pacto em uma nova empresa do que a sua própria estrutura interna.
O primeiro relato financeiro da empresa é a fixação do valor empregado como ca-
pital social. Somente após essa definição é que a empresa entra no mundo dos negó-
cios e sai em busca do lucro. Assim, o empresário deixa de ser pessoa física e passa a
ser pessoa jurídica e assume as responsabilidades no retorno do valor investido e no
universo de pessoas, materiais e estrutura formados para atender a sua finalidade.
Iudícibus et al. (2010, p. 345) definem o capital social como o investimento efe-
tuado na companhia pelos acionistas, que
abrange não só as parcelas entregues pelos acionistas como também os valores obtidos pela
sociedade e que, por decisões dos proprietários, se incorporam ao Capital Social, represen-
tando uma espécie de renúncia a sua distribuição na forma de dinheiro ou de outros bens.

A formalização da constituição da empresa dá início a uma preocupação em rela-


ção ao capital investido. Essa preocupação se baseia na seguinte questão: Como será a
recuperação do investimento e como serão os procedimentos de ganhos sobre ele?
Porém, antes de responder a essa questão, é necessário disponibilizar uma gran-
de soma de recursos para que a atividade operacional seja desenvolvida em condições
estruturais que ofereçam segurança, credibilidade e qualidade do produto ou serviço
prestado. Nesse aspecto, iniciam-se o controle financeiro empresarial e o planejamen-
to na gestão e na distribuição adequada dos recursos disponíveis. Qualquer empresa
com fins lucrativos se origina de um investimento que, por sua vez, deve auferir ga-
nhos e preservar o montante aplicado.
Finanças Corporativas
46

A gestão financeira do novo negócio agora assume suas atribuições e, de imediato,


precisa criar alternativas de ações a serem implementadas, fundamentadas em decisões
previamente estudadas, para gerar valor ao negócio. Nas considerações de Sousa Neto e
Martins (2010, p. 93), os interesses da corporação, na perspectiva do acionista,
devem ser direcionados para eles, embora confiem a outros (gerentes) a operacionalização
da empresa. Quando as organizações estão atrás da maximização de valor para o acionis-
ta, a performance do sistema econômico como um todo deve ser aumentada. Fazendo tal
reivindicação, defensores da teoria do acionista relatam que os resíduos são as recompen-
sas que cabem aos proprietários. Especificamente, os lucros do acionista são considerados
como os incentivos pelo risco de aguentar/esperar os resultados da empresa.

O valor do capital social provém de valores analisados no estudo do investimento


inicial, que tem como objetivo prever a estrutura necessária em termos de materiais,
mobiliários, aspectos burocráticos, máquinas e pessoal. Tudo isso é traduzido em valo-
res financeiros para dimensionar os recursos necessários.

O recurso financeiro não precisa necessariamente advir somente


dos sócios. A empresa, por sua vez, é mantida por capitais próprios e
capitais de terceiros para financiar suas atividades e isso também pode
ocorrer no momento da sua constituição.
© HieroGraphic / / Fotolia. (Adaptado).
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

Sócios Capitais Capitais


próprios de terceiros
Finanças Corporativas
47

O capital de terceiros, nesse primeiro momento, é considerado um parceiro para


o alcance de um objetivo futuro que será benéfico para ambas as partes. Sousa (2007,
p. 3) revela prudência ao descrever que
Deve-se ter em mente que o nascimento de uma empresa decorre do sacrifício inicial de
alguém, que se abstém do consumo e reserva parte de suas rendas auferidas na expecta-
tiva de obter maior soma de benefícios no futuro. Sejam mantidas em um colchão, sejam
guardadas em um cofre, essas rendas poupadas estariam fadadas a perder poder aqui-
sitivo e a frustrar as esperanças de benefícios. Enquanto são estudadas alternativas em-
preendedoras, parcerias para a criação de alguma sociedade, no aguardo de formação de
maior massa crítica ou mesmo por opção de poupadores, os mercados financeiros e de
capitais encarregam-se de intermediar a captação desses recursos e de colocá-los a servi-
ço de empresas já existentes ou de pessoas desejosas em antecipar consumos.

O funcionamento e a atividade da empresa agregam a manutenção e a constan-


te avaliação do custo de capital, ou seja, do valor necessário para garantir sua opera-
cionalidade sem fazer referências aos lucros. Se forem utilizados recursos de terceiros,
estes também deverão ser inseridos na avaliação, pois eles são incluídos como partici-
pantes no processo de obtenção de lucro e geração de riqueza.
No cenário formal do patrimônio empresarial, retratado pela demonstração con-
tábil do balanço patrimonial, o capital de terceiros é representado pelas contas dos
grupos do passivo circulante e passivo não circulante. Neles são registradas todas as
obrigações da empresa com agentes externos, ou seja, que não compõem o emprego
de recursos próprios.
Os elementos a seguir são exemplos de agentes externos:

As organizações
financiadoras para
auxiliar na aquisição
de bens fixos.

As instituições financeiras
que oferecem recursos $ Os órgãos governamentais
mediante a exigência
financeiros para
suprir necessidades
de capital de giro ou
$ $ no recolhimento de
impostos.

insuficiência de caixa.

Os fornecedores que $ $ Os próprios


Design Gráfico: Thiago Sihvenger
© venimo / / Fotolia. (Adaptado).

disponibilizam capital funcionários


mediante a transferência de no compromisso do
insumos ou mercadorias para pagamento de seus
o funcionamento da empresa. salários.
Finanças Corporativas
48

Todos esses elementos representam um custo de manutenção da empresa, que


refletirá nas condições gerais de atratividade do negócio no mercado.
Os custos de capital de terceiros vinculados a instituições financeiras impactam
diretamente nas despesas financeiras. Isso porque o recurso disponibilizado pela insti-
tuição sofre a cobrança de taxas de juros. Assaf Neto (2010, p. 393) confirma:

O custo de capital de terceiros é definido de acordo com os passivos onerosos identifica-


dos nos empréstimos e financiamentos mantidos pela empresa.
O custo de capital de terceiros é representado por Ki e, diante da dedutibilidade fiscal
permitida aos encargos financeiros, pode também ser apurado após a respectiva provisão
para o Imposto de Renda, reduzindo seu custo final.

A fórmula adotada para essa análise é:


Ki (após IR) = Ki (antes do IR) × (1-IR)
Em que:

Ki = taxa de juros cobrada por terceiros


IR = alíquota do Imposto de Renda

O objetivo do cálculo é evidenciar percentualmente o impacto desse recurso no


custo total da atividade empresarial.
Como exemplo de aplicação prática desse cálculo, considere um empréstimo no
valor de R$ 180.000,00, tomado à taxa de 14% a.a. Tendo em vista que a alíquota do
IR da empresa é de 15%, calcule os juros do período.

Despesas financeiras brutas R$ 180.000,00 × 14% = R$ 25.200,00

(–) Economia de IR R$ 25.200,00 × 15% = R$ 3.780,00

(=) Despesas financeiras líquidas = R$ 21.420,00

Relacionando-se a despesa financeira líquida com o capital solicitado no emprésti-


mo, tem-se o custo de captação, que impactará efetivamente na atividade empresarial.

21.420,00
Ki = = 11,9%
180.000,00

Esse resultado é idêntico ao obtido pela aplicação da fórmula inicial.


Ki (após IR) = Ki (antes do IR) × (1-IR)
Ki (após o IR) = 0,14 ×(1-0,15) = 11,9% a.a.
Finanças Corporativas
49

As sociedades que usufruem da isenção de IR, como as cooperativas, terão como


custo de capital de terceiros o mesmo valor dos juros cobrados pelas instituições
financeiras.
Visualizar essa analogia no cotidiano não é um hábito das empresas. Contudo,
uma vez gerada uma despesa financeira (juros), automaticamente o lucro bruto será
reduzido. A consequência será um menor recolhimento de IR. No Brasil, essa análise
pode ser conjunta para o IR e a contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL). Assim,
há uma compensação no impacto dos juros nas contas empresariais.
Convém salientar que, na gestão financeira, o capital de terceiros não deve ser
constatado somente como um fator de endividamento. Dependendo das condições em
que ele é distribuído, pode auferir maiores ganhos, mesmo com a ocorrência do custo
que lhe é imputado.
Conforme considera Assaf Neto (2010, p. 394),

O uso de capital de terceiros promove menor risco financeiro às empresas em relação ao


capital próprio. Em verdade, na decisão de endividamento, o tomador assume compro-
misso de desembolso financeiro em condições fixas e previamente estabelecidas, não fi-
cando seu resgate vinculado ao sucesso da aplicação desses recursos. Ao não resgatar sua
dívida nas condições em que foi contratada, a empresa sujeita-se a ser acionada legal-
mente pelo credor, podendo inclusive ter sua falência requerida.

Cabe ao gestor financeiro estudar as melhores alternativas de financiamento an-


tes de tomar uma decisão. Ao estabelecer altas taxas de juros no mercado, a econo-
mia brasileira reduz o processo de captação de recursos de terceiros. Esse fato leva as
empresas a adotarem posturas mais conservadoras em relação a decisões de cunho
financeiro e de novos investimentos a serem assumidos pelas variáveis de risco gera-
das. Uma vez determinado o custo de capital de terceiros, a empresa tem uma base
percentual para analisar os resultados obtidos do custo do capital próprio, o qual é re-
presentado por alguns autores como Assaf Neto (2010) por Ke. Outros, como Lemes
Júnior, Rigo e Cherobim (2010), usam a representação Kp. O capital próprio é outra
forma de financiamento das atividades da empresa. Nessa modalidade, os recursos
são obtidos por intermédio dos sócios ou acionistas. Normalmente, o capital próprio é
utilizado na aplicação de recursos para retorno em longo prazo. A razão dessa medida
está no fato de que esse capital estará concentrado na própria empresa, que é de pro-
priedade dos sócios e tem o propósito de continuidade.
Alguns fatores de mercado são elementos importantes na constituição do per-
centual referente ao custo de capital próprio. Na atividade empresarial, o acionista
ou empresário busca auferir lucros diante do capital investido. Para ser efetivamen-
te atrativa, a empresa precisa estar acima dos patamares de rendimentos de outras
Finanças Corporativas
50

formas de ganhos financeiros disponibilizados pelo mercado. Com isso, o segmento de


atividade, a localização do empreendimento, os fatores que agregam a composição de
receitas e o desenvolvimento operacional são pontos iniciais na caracterização de um
princípio de ganho.

Custo do capital próprio é a remuneração mínima que os acionistas exigem por financiarem
permanentemente a empresa.” (LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM, 2010, p. 204).

A fórmula normalmente utilizada para o cálculo do custo de


capital próprio (Ke) é a fixada pelo modelo de precificação de ati-
vos (mais conhecido por sua sigla em inglês, CAPM – Capital Asset
Princing Model). Nele considera-se o risco da empresa na determinação
do retorno mínimo exigido pelos acionistas. Assim, o custo encontra-
do sempre será condizente com o risco de mercado empresarial.
Se a situação de mercado apresentar um risco elevado para a
atividade da empresa, maior será o retorno exigido em razão da de-
manda de esforços para manter a empresa no mercado.
Assaf Neto e Lima (2010, p. 232) descrevem o método do cálculo:
Ke = Rf + β (Rm – Rf)
Em que:

© alphaspirit / / Fotolia
Ke = taxa mínima de retorno para os acionistas
Rf = taxa de retorno de ativos livres de risco
β = medida de risco sistemático
Rm = rentabilidade da carteira de mercado

Os ativos (Rf) são compostos por alternativas de investimento que oferecem al-
guma remuneração, mesmo que mínima. Porém, o valor integral do capital investido
se mantém preservado.
O fator beta (β) mede a sensibilidade do ativo em relação às movimentações de
mesma linha de carteira de negócio de mercado. Pode ser resumidamente caracteriza-
do como risco sistemático ao negócio ou ativo em questão.
A rentabilidade da carteira de mercado (Rm) expressa os rendimentos do seg-
mento empresarial ou da linha de investimentos compatíveis com o objeto de análise.
É oferecido um padrão de comparação do retorno do mercado para a atividade fim da
empresa.
Finanças Corporativas
51

Por exemplo, uma empresa do setor de cosméticos, que apresenta um beta de


0,89, adotou como padrão um Rf = 8% a.a. e constatou um Rm = 19% a.a. Levando-se
em consideração esses dados, seus sócios irão exigir uma remuneração mínima de:
Ke = Rf + β (Rm – Rf)
Ke = 8 + 0,89 (19 – 8)
Ke = 17,79% a.a.
Essa taxa representa o mínimo de remuneração do capital aplicado. Se, na práti-
ca, maiores índices forem verificados, significa que o desempenho financeiro empresa-
rial está excelente.
O resultado encontrado deve ser analisado juntamente com o custo de capital de
terceiros, visto que os sócios/acionistas dependem do lucro nas operações da empresa
para garantir o pagamento das obrigações e, somente depois disso, calcularem o seu
próprio retorno.
Em uma situação satisfatória de mercado, o custo de capital próprio será sem-
pre superior ao custo de capital de terceiros. Nas proposições de Lemes Júnior, Rigo e
Cherobim (2010, p. 204),

A teoria financeira tem evidenciado que o custo de capital está intimamente vinculado à
aplicação de recursos, ou seja, depende da rentabilidade e do risco do investimento. Esse
conceito fica claro quando se considera que para cada risco deve haver um prêmio, logo,
para se mensurar e premiar o risco é preciso conhecer o destino do recurso financeiro.

As considerações sobre o custo de capital próprio são reforçadas na tratativa


específica dos impactos de risco para a empresa, medidos pelo coeficiente beta (β).
Calcular o custo do capital próprio não quer dizer que ele permanecerá inalterado
durante a existência da empresa. Essa medida de retorno deve ser atualizada perio-
dicamente, levando-se em consideração os efeitos do mercado e da estrutura de patri-
mônio constituída pela empresa.
O risco medido pelo beta e a sua adequação a essas situações proporcionam uma
visão realística, mas não exata, do alcance do retorno que os sócios necessitam para a
valorização merecida do capital investido. Para as finanças empresariais, o risco é uma
situação de incerteza associada a decisões de investimentos ou financiamentos plane-
jados pela empresa. Nenhuma atividade financeira se desenvolve sem um certo grau
de risco, pois, diante da incerteza de mercado, nem tudo sai como o planejado.
Finanças Corporativas
52

Ross, Westerfield e Jordan (2008, p. 428) detalham dois enfoques específicos de


risco:
Os riscos sistemáticos (também chamados de riscos de mercado) são eventos não previs-
tos que afetam a maioria dos ativos até certo ponto, porque os efeitos acontecem na es-
fera da economia como um todo. Os riscos não sistemáticos são eventos não previstos
que afetam ativos únicos ou pequenos grupos de ativo.

Na aplicação desses conceitos, o fator beta (β) assume duas possíveis correlações
para o custo de capital próprio. Deve-se ter em vista a estrutura da empresa, visando
ao subsídio para a formação de um custo coerente e direcionado.
As alternativas propostas são:
a. beta para empresas alavancadas (com dívidas);
b. beta para empresas sem endividamento.
O fator dívida é relacionado, nesses casos, ao uso de passivos onerosos (emprés-
timos/financiamentos) pela empresa.
O beta para a empresa com dívidas é identificado pelo símbolo βl e expressa os
riscos operacionais (da atividade) e financeiros (passivos onerosos) presentes no traba-
lho empresarial. Assaf Neto e Lima (2010) descrevem a formulação básica:
Em que:
BI = βu × [1 + (PPL) × (1 – IR)]

Βl = risco total da empresa (operacional + financeiro)


Βu = risco do negócio
P = passivos onerosos (empréstimos/financiamentos)
PL = patrimônio líquido (capital próprio)
IR = alíquota do Imposto de Renda

O risco total (βl) da empresa somente poderá ser mensurado se forem obtidos os
resultados do risco de negócio (βu). Este é verificado em empresas que não têm dívi-
das com passivos onerosos.
Para calcular o valor de βu, Assaf Neto e Lima (2010) indicam a seguinte fórmula:

βI
βu =
[1+(P/PL)×(1 – IR)]

Cabe ressaltar que para a aplicação do βu, o valor do βl é divulgado pelo mercado
porque, até então, a empresa não assumiu nenhum risco financeiro. O mercado aponta
o risco para empresas do mesmo segmento de atividade ou serviço.
Finanças Corporativas
53

Tomemos como exemplo a seguin-


te situação: o beta divulgado pelo merca-
do das empresas do setor de metalurgia
é de 0,52. A empresa Aços Fortes dese-
ja avaliar seu fator de risco com base em
um passivo operacional (sem dívidas) de
R$ 330.000,00 e um patrimônio líquido de
R$ 1.200.000,00. A alíquota do IR é de 15%.
Com essas informações, verifica-se
que o cálculo a ser realizado é o do βu, pois
o passivo em questão se refere somente às

© brozova/ / Fotolia
obrigações necessárias para a manutenção
da atividade empresarial e não há a inci-
dência de empréstimos ou financiamentos.
Desse modo:
0,52
βu =
[1+(330.000,00/1.200.000,00)×(1-0,15)]

0,52 0,52
βu = = 0,42
[1+(0,2750)×(0,85)] 1,2338
Nesse caso, se a empresa considerar Rf = 5% e Rm = 17%, o custo de capital pró-
prio atinge:
Ke = Rf + β (Rm – Rf)
Ke = 5+0,42 (17 – 5)
Ke = 5 + 5,04
Ke = 10,04% a.a.
No entanto, se no decorrer das atividades empresariais houver a necessidade de
captação de recursos por meio de empréstimo e o endividamento da empresa (P/PL)
passar para 40% ou 0,4, o cenário de risco e capital próprio seria, respectivamente:
βI = βu × [1 + (P/PL) × (1 – IR)]
βI = 0,42 × [1 + (0,40) × (0,85)]
βI = 0,42 ×1,34
βI = 0,56
Ke = Rf + β(Rm – Rf)
Ke = 5 + 0,56 (17 – 5)
Ke = 11,72% a.a.
Finanças Corporativas
54

A empresa acrescenta um prêmio pelo risco financeiro no seu custo de capital de


1,68% a.a., proveniente dos 11,72% a.a. da situação com dívidas, menos os 10,04% a.a.
da situação original do risco do negócio. O prêmio pelo risco, quando mencionado se-
paradamente, refere-se ao (Rm – Rf).
À medida que os índices de endividamento da empresa aumentam, é aconselhá-
vel a revisão do custo de capital próprio. O objetivo dessa precaução é elaborar estra-
tégias para remunerar devidamente os acionistas, levando-se em consideração o risco
de mercado que eles enfrentam no emprego de seu capital.
O ganho financeiro ocasionado pelos
resultados e a consequente geração de ri-
queza (valor) para as ações empresariais
são a garantia de permanência da empresa
no mercado. Porém, o fundamento básico

© Wrangler / / Fotolia
para garanti-la é assumir a responsabili-
dade pelo custo dos capitais de terceiros e
próprios, uma vez que eles representam as
fontes financiadoras de recursos.
O mercado, por sua vez, é muito inteligente. Nenhuma empresa consegue man-
ter-se nele sem reaplicar parte dos recursos adquiridos por meio do lucro em sua ati-
vidade e em seu patrimônio. Diante de vários fatores que influenciam na atividade
empresarial, a aplicação de métodos auxiliadores na tomada de decisão é sempre bem
recebida na atividade cotidiana de uma empresa. As oscilações financeiras provoca-
das pelas taxas de juros, pelos índices de preços e pela inflação exigem o constante
monitoramento do fluxo financeiro, bem como a supervisão de ganhos da atividade
empresarial. Dessa forma, é possível projetar situações aceitáveis para os resultados
almejados, a fim de consolidar a permanência da empresa no mercado. Assim, os con-
troles financeiros são diferenciais apresentados na relação com os concorrentes. O
objetivo é a adequação de todas essas evoluções sem que a organização sofra as con-
sequências de uma crise financeira.
O custo médio ponderado ou total de capital (WACC – do inglês Weighted Average
Cost of Capital) representa a taxa mínima de atratividade da empresa. Essa taxa repre-
senta o retorno mínimo esperado dos investimentos da organização ou dos resultados
para a remuneração adequada das fontes de financiamento.
Kato (2012, p. 127) explica:

O WACC é a média ponderada dos custos dos diversos componentes de financiamen-


to, incluindo dívida, patrimônio líquido e títulos, e é utilizado para financiar as necessida-
des financeiras da empresa. Cada uma das fontes de capital da empresa tem o seu custo
Finanças Corporativas
55

particular, algumas tem até custo zero ou negativo. O custo médio de capitais que finan-
ciam a empresa é dado pela ponderação. O grande objetivo da empresa é alcançar, em sua
estrutura de capital, o menor custo médio de todas as fontes. Para saber a média dos cus-
tos, é preciso ter em mãos os custos de cada uma das fontes e sua participação relativa.

De acordo com Assaf Neto e Lima (2010, p. 236), a fórmula científica do WACC,
identificada na literatura financeira, é a seguinte:

WACC = Wj × Kj

J=1

Em que:

WACC = custo médio ponderado de capital (Weighted Average Cost of Capital)


Kj = custo específico de cada fonte de financiamento (capital próprio e de terceiros)
Wj = proporção de cada fonte de capital no financiamento total

Para visualizar as informações de modo mais simples e mais fácil, a estrutura do


cálculo pode ser montada mediante um quadro para a organização de dados.
Retome o exemplo da empresa de metalurgia que constatou um custo de capital
próprio em situações alavancadas (com dívidas) de 11,72% a.a. em relação ao montan-
te investido de R$ 1.200.000,00. Se o custo capital de terceiros é de 8,5% a.a. em ra-
zão de um empréstimo de R$ 420.000,00, logo o WACC será:

Fonte de capital Valor investido Proporção Custo

Empréstimos 420.000,00 25,93% 8,5%

Capital próprio (PL) 1.200.000,00 74,07% 11,72%

Total 1.620.000,00 100%

WACC = (0,2593 × 8,5) + (0,7407 × 11,72)


WACC = 2,20 + 8,68 = 10,88% a.a.
A empresa deve obter um resultado operacional mínimo de R$ 176.256,00 (R$
1.620.000,00 x 10,88%) para conseguir cumprir suas obrigações com os financiado-
res e adequar-se às condições financeiras de permanência no mercado. Efetivamente,
a geração de riqueza ou a agregação de valor serão possíveis se for obtido um retorno
maior do que o resultado encontrado no WACC.
Finanças Corporativas
56

Alguns cuidados são necessários na


administração das informações do WACC
para a tomada de decisões financeiras. A
verificação de um novo WACC deve ser rea-
lizada quando houver modificação nas pro-
porções das fontes de capital ou nos custos
específicos de cada fonte. Essas alterações

© SergNvns / / Fotolia
podem ser por meio de novos empréstimos
ou financiamentos ou por meio de um in-
cremento de capital no patrimônio líquido.
É prudente lembrar que, se a empresa disponibiliza títulos de crédito no mercado,
como debêntures, esses valores são entendidos como capitais de terceiros. Por isso,
merecem o cálculo de seu custo específico relacionado à taxa de remuneração do títu-
lo ofertada pela empresa.
Na análise de novos investimentos, o WACC é uma medida referencial para a
comparação dos retornos ofertados. A avaliação de diferentes propostas é uma opção
para a seleção do investimento mais atrativo financeiramente, tendo em vista que as
considerações sobre os riscos de cada proposta devem estar relacionadas.
O WACC permite que o gestor financeiro identifique os resultados mínimos a se-
rem alcançados e, assim, projete ações empresariais para atingir determinados objeti-
vos. Como o planejamento se caracteriza como um plano de ações flexível e aberto, as
adequações mediante a evolução econômica de certos dados proporcionam decisões
mais rápidas e ágeis, que respondem aos reflexos da economia de mercado.

2.2 Estrutura de capital


As mudanças frequentes dos índices
de mercado impactam as atividades em-
presariais e provocam o constante ajuste
no planejamento e na distribuição de re-
© IvelinRadkov / / Fotolia

cursos para o alcance dos objetivos e das


metas esperadas. Na área financeira, essas
alterações tornam-se mais complexas de
serem reavaliadas e readequadas.
O gestor financeiro, além de atualizado, precisa estar atento às informações re-
passadas pelo mercado. Ele deve organizar-se nos métodos de trabalho para ter a op-
ção de escolher entre várias linhas de ação, conforme as mudanças ocorridas. Os
objetivos são a manutenção e o crescimento da estrutura patrimonial.
Finanças Corporativas
57

Em razão desses fatores, não é possível determinar uma estrutura como óti-
ma em relação ao seu capital. Isso porque as particularidades da empresa e de seu
ramo de negócio precisam ser vinculadas ao risco e retorno impostos pela situação
econômica.
Vasconcelos (2005, p. 102) argumenta que uma empresa

é livre para ter qualquer estrutura de capital que seus proprietários e/ou administradores
desejarem ou necessitarem para viabilizar seus projetos. Devido à grande variedade de
possibilidades de se promover na composição de capital da empresa, associada às dife-
rentes necessidades, são infinitas as estruturas possíveis em qualquer tempo. A utilização
estratégica do capital de terceiros é salutar a qualquer empresa, contudo o emprego sem
critérios pode conduzir a entidade a dificuldades financeiras.

O capital próprio e o de terceiros são elementos fundamentais na formação


e na análise de uma estrutura ótima de capital, capaz de atender às necessidades
empresariais.
O retrato da estrutura é a demonstração contábil do balanço patrimonial e as
suas análises partem dos dados informados nesse demonstrativo. O conhecimento
do gestor financeiro sobre a evolução das contas serve de subsídio para verificar se as
decisões estão sendo tomadas de modo prudente e oportuno, visando aos objetivos
empresariais.
Hoji (2008, p. 186) destaca que

Para fins de análise e tomada de decisões sobre estruturas de capital, são considerados somen-
te os fundos permanentes e de longo prazo, pois as estruturas de capital, por serem de nature-
za estratégica, não são frequentemente alteradas. Entretanto, pela escassez do capital de longo
prazo, o capital de curto prazo pode assumir importância significativa em algumas empresas.

Para melhor visualização, a figura a seguir mostra os componentes de uma estru-


tura de capital:

Estrutura de capital
Capital de
Passivo circulante
Capital de curto prazo
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

terceiros
Ativo Passivo não circulante
Capital de
Capital longo prazo
Patrimônio líquido
próprio

Fonte: HOJI, 2008, p. 187. (Adaptado).


Finanças Corporativas
58

A estrutura de capital gerou duas linhas de pensamento: a teoria convencio-


nal e as proposições defendidas por Modigliani e Miller, também conhecidos por MM.
Ambas divergem nas perspectivas de aceitar ou rejeitar a existência de uma estrutura
ótima de capital.

2.3 Teoria convencional e as proposições de MM


A teoria convencional defende a existência de uma estrutura ótima de capital. Ela
se fundamenta na possibilidade de uso combinado e adequado das fontes de financia-
mento. Essa medida tem o intuito de reduzir o custo total (WACC) e maximizar a rique-
za dos acionistas.
Segundo Assaf Neto e Lima (2010, p. 242), “Ao minimizar seu custo total de ca-
pital, a empresa torna seus projetos de investimentos mais rentáveis e, desse modo,
pode maximizar seu valor de mercado”.
Em resumo, a teoria convencional acredita que os capitais de terceiros podem
produzir uma estrutura ótima, se utilizados até determinado ponto, e resultar em um
nível de endividamento aceitável. Por outro lado, o aumento do endividamento gera
o crescimento dos demais custos da empresa e diminui a rentabilidade e a geração de
riqueza.
O comportamento dos custos e a identificação da estrutura ótima podem ser ob-
servados no gráfico a seguir.

Estrutura ótima de capital

Custos
(%) K

CMPC

K
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

ELP/PL
(Alavancagem)
Fonte: HOJI, 2008, p. 188.
Finanças Corporativas
59

Observe que o custo de capital de terceiros está abaixo do WACC e que tal fato
representa uma atratividade. Além disso, o capital próprio é superior a esse custo, o
que torna a empresa viável na visão do acionista. Assim, o WACC, considerado como
média ponderada, assume seu lugar entre os dois capitais. Esse ponto define a empre-
sa como atrativa, levando-se em consideração o limite aceitável de endividamento. Tal
medida proporciona a ascensão de resultados no decorrer das operações.
Nos estudos de Modigliani e Miller (MM), não é possível configurar uma estrutura
ótima de capital devido às regras do mercado. Para isso, eles elaboraram algumas con-
siderações focadas na análise de impostos e de endividamento.
Na proposição I de MM, os estudiosos afirmam que, em um mundo sem impos-
tos, o custo de capital de uma empresa não se modifica mesmo que ocorram mudan-
ças na forma de financiamento de suas atividades.
Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 219) relatam:
MM mostraram que quando a política de investimentos prevê a tomada de empréstimos,
ela está em um mercado perfeito e ideal – em um mundo sem impostos, com ampla e
perfeita divulgação de todas as informações e sem custos de transação. E, por isso, o en-
dividamento, fruto da decisão perfeita, não afeta o seu valor. A ideia por trás da tese de
MM é de que qualquer benefício vindo de um maior endividamento seria rapidamente co-
nhecido e faria com que os acionistas elevassem suas exigências de retorno, fazendo com
que o custo de capital se mantivesse inalterado.

Logo, nessa visão, constata-se que o valor agregado de uma empresa depende da
qualidade de seus ativos, e não de como são obtidos os recursos para financiá-los. O seu
custo de capital (WACC), então, é preservado. O gráfico a seguir ilustra essa proposição.

Proposição I de MM
Custos (%)

Ke

K0 WACC
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

Ki

PIPL
Risco financeiro
Fonte: ASSAF NETO; LIMA, 2010, p. 244.
Finanças Corporativas
60

Em relação à proposição II de MM, são avaliados os níveis de endividamento ado-


tados pela empresa. Nessa configuração, o WACC sempre se manterá estável, conforme
explicitado pelos autores da teoria. Souza Neto e Martins (2010, p. 83) acrescentam:

Ao endividar-se, a empresa passa a incorrer em uma série de custos, que são crescentes
com o endividamento, por causa da possibilidade de que se torne inadimplente.
No entanto, o endividamento contribui para aumentar o valor da empresa, pela eficiência
fiscal que promove, até o ponto em que sua contribuição marginal se iguala ao custo de
restrição financeira.

Para a discussão dos níveis de endividamento MM, considera-se a existência dos


impostos. Porém, eles não são capazes de influenciar o retorno final líquido. À medida
que crescem os endividamentos, cresce também o custo de capital próprio e, conse-
quentemente, o WACC. Na possível redução do WACC, os custos com endividamentos
são mais atrativos em relação ao capital próprio e, assim, será mantido o ganho da em-
presa, pois os resultados serão compensados um pelo outro.
Em um exemplo dessa proposição, é interessante considerar duas situações: a
empresa com dívidas e sem dívidas onerosas.

Com dívidas Sem dívidas

Lucro antes do IR R$ 1.800,00 R$ 1.800,00


IR (15%) (R$ 270,00) (R$ 270,00)
Lucro líquido do IR R$ 1.530,00 R$ 1.530,00
Despesas financeiras de empréstimos =
R$ 500,00 × 8% = R$ 40,00
Economia de IR = R$ 40,00 × 15% = 6,00 (R$ 34,00) -
Lucro líquido R$ 1.496,00 R$ 1.530,00
Fluxo de caixa total R$ 1.536,00 R$ 1.530,00
R$ 1.530,00 + 6,00

Aplicação prática da proposição II.

Embora o resultado líquido seja maior na estrutura sem dívidas, o lucro operacio-
nal é o mesmo nas formas consideradas, preservando o WACC. Porém, diante do benefí-
cio fiscal concedido pelos encargos financeiros, o valor da empresa com dívidas é maior,
visto que os fornecimentos dos recursos de terceiros estão incorporados ao patrimônio.
Nesse sentido, o endividamento é incentivado.
As teorias apresentadas sobre a composição de estruturas de capital foram criadas
com base em determinados cenários econômicos. Neles, as variações externas influen-
ciadas por políticas econômicas tendem a permanecer vigentes por um prazo maior.
Finanças Corporativas
61

No mercado brasileiro, para que as empresas consigam delimitar projeções favo-


ráveis de suas estruturas de capital, é conveniente adotar metas a serem atingidas em
prazos menores. Dessa maneira, a utilização de passivos onerosos por incremento de
capital seria realizada com opções de curto prazo.
Os fatores direcionados para esse cenário são os múltiplos indexadores de pre-
ços. Se eles forem considerados no planejamento financeiro da organização, sempre
provocarão algum tipo de impacto ou mudança futura. São os casos dos índices gerais
de preços da economia (Índice Geral de Preços do Mercado – IGP-M, Índice Nacional
de Preços ao Consumidor – INPC, Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo –
IPCA), da variação cambial e da inflação.
É interessante e recomendável que o gestor financeiro analise as hipóteses de
mercado disponíveis para captação de recursos de terceiros. Essas possibilidades pre-
cisam ser compatíveis com o tamanho da organização (pequeno, médio ou grande por-
tes), com os benefícios oferecidos e a análise tributária requerida pelo regime vigente.
Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 222) colaboram:

No caso de micro e pequenas empresas, as vantagens do endividamento diminuem, em


função do regime tributário adotado, que permite recolher Imposto de Renda com base
no faturamento (lucro presumido, simples), e não no lucro real. O resultado é que as des-
pesas de juros, nesse caso, não são dedutíveis para o pagamento do Imposto de Renda,
tornando o uso de capital de terceiros menos atraente.

Outra situação é a diversificação de custos nas ofertas de capitais de terceiros


disponíveis no Brasil. Nesse cenário, não se visualiza um equilíbrio, pois há casos em
que as taxas de juros são definidas pelo mercado e tendem a ser elevadas e em que
há o subsídio por meio de políticas governamentais de incentivo setorial. Como exem-
plo, pode ser citado o apoio à agricultura e à exportação de pequenas empresas ou
microempreendedores.
Com isso, no Brasil, cada empresa, conforme seu ramo de atividade, terá uma
estrutura de capital. Essa estrutura busca melhores resultados sobre o retorno míni-
mo necessário e sobre as aplicações de recursos, fugindo, assim, de uma regra exata
e preestabelecida – aquela que diz que as empresas devem manter os mesmos índices
de lucro e retorno.
Os gestores podem contar com algumas informações no estabelecimento de di-
retrizes para compor a estrutura de capital adequada para a empresa. Lemes Júnior,
Rigo e Cherobim (2010) apontam dez linhas de informação norteadas para a escolha
de uma estrutura de capital. São elas:
Finanças Corporativas
62

1 Demanda e oferta na economia

2 Inflação

3 Agentes empresariais

4 Risco de negócio

5 Risco financeiro

6 Posição tributária

7 Informações sobre capitais de terceiros

8 Sincronia financeira

9 Vontade do acionista controlador


Design Gráfico: Thiago Sihvenger
© Matthias Enter / / Fotolia

10 Demanda de recursos
Finanças Corporativas
63

A composição desse rol de análises exige que o gestor conheça a operacionalidade


da empresa em vários aspectos. Entre eles, encontram-se a saúde financeira, a visão fu-
tura de mercado e os riscos da atividade empresarial. Em relação aos riscos, é necessário
associá-los à sazonalidade do produto/serviço e às perspectivas de longo prazo dos só-
cios acionistas. Esse é o caminho para a construção de bases para a inclusão dos elemen-
tos que estão disponíveis no ambiente externo e, conjuntamente, estarão influenciando
o patrimônio empresarial. Por fim, Groppelli e Nikbakht (2009, p. 208) sintetizam:

Como podemos ver, a correta composição do financiamento ou estrutura de capital é de


difícil determinação. A decisão final representa um compromisso. No final das contas,
todo o esforço que um administrador pode fazer é para a obtenção de uma razoável ava-
liação da saúde da empresa que seja, se possível, melhor do que a de seu setor como um
todo e melhor do que a das empresas concorrentes.

2.4 Fontes de financiamento de curto e longo prazo


A procura por opções de recursos de
terceiros é uma prática constante no am-
biente empresarial. Espera-se que as ta-
xas oferecidas sejam atrativas e, ao mesmo
tempo, atendam às necessidades de ca-
pitais das empresas no financiamento de

© apops / / Fotolia
suas atividades.
A reduzida oferta de créditos de longo
prazo inibe o crescimento e a competitivi-
dade das empresas brasileiras. O resultado é o financiamento da atividade por meio de
recursos próprios, o que provoca a não aplicação da alavancagem financeira. A utili-
zação de recursos próprios é obtida por intermédio da reaplicação na empresa de par-
te dos lucros do período. É a chamada reaplicação de dividendos.

Entende-se por alavancagem financeira a capacidade da empresa de utilizar encargos financei-


ros fixos, a fim de maximizar os efeitos das variações do lucro antes de juros e imposto de ren-
da (Lajir) sobre o lucro por ação. (LPA) (KATO, 2012).

A grande questão, nesse aspecto, é que o custo de capital próprio é mais caro
para as empresas do que o custo de capital de terceiros. Assim, em grande parte dos
casos, os acionistas procuram no recurso externo a fonte financiadora para o desenvol-
vimento de suas atividades.
Finanças Corporativas
64

Groppelli e Nikbakht (2009, p. 300-301, grifos no original) listam as principais ra-


zões para as empresas buscarem recursos na forma de financiamento em longo prazo:

1. O s aumentos esperados nas vendas futuras requerem fundos para a área de marketing
e demais funções de apoio para manterem-se competitivas;
2. Com o crescimento da empresa, suas capacidades operacionais precisam aumentar;
3. Uma empresa deve continuar a se modernizar e a introduzir equipamentos mais
eficientes;
4. Mudanças na demanda forçam a empresa a abandonar suas instalações obsoletas e a
investir em uma nova capacidade de produção;
5. O financiamento de longo prazo de projetos de pesquisa e desenvolvimento promove
um ciclo de vida saudável;
6. N o longo prazo, grande parte do capital circulante torna-se permanente e deve ser fi-
nanciado como tal.

No Brasil, as principais modalidades de financiamentos e empréstimos disponibi-


lizados no mercado financeiro ou de capitais são classificadas pelos seguintes tipos:

a Repasses de recursos internos

b Repasses de recursos externos

c Empréstimos de financiamentos diretos

d Subscrição de debêntures
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

e Arrendamento mercantil (leasing)

Os repasses de recursos internos são caracterizados pela participação de fundos


que objetivam atender aos interesses econômicos nacionais. Dessa forma, a liberação
dos recursos para a concessão de créditos está relacionada ao atendimento de neces-
sidades de setores específicos, como agricultura, construção civil, atividades indus-
triais e comerciais com foco em exportação. Normalmente, estão associados a esses
Finanças Corporativas
65

repasses o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Caixa


Econômica Federal (CEF) e o Banco do Brasil (BB).
A CEF e o BB direcionam os financiamentos voltados às áreas imobiliária e rural,
respectivamente. Já o BNDES abrange interesses maiores para um universo também
maior de favorecidos. Fortuna (2010, p. 319) contextualiza:

As políticas operacionais do BNDES orientam e normatizam a concessão de financiamen-


to – o Apoio Financeiro –, estabelecendo critérios para priorizar os projetos que promo-
vam o desenvolvimento com inclusão social, estimulando os empreendimentos que criem
emprego e renda, contribuindo também para a geração de divisas, em consonância com
as orientações do Governo Federal. Na condição de instituição financeira, o BNDES utili-
za critérios bancários para a concessão dos seus financiamentos e segue a legislação, nor-
mas e resoluções que regulamentam as instituições financeiras públicas, sendo auditado
pelo Tribunal de Contas da União – TCU.

As linhas disponíveis para crédito no BNDES são:


a. Finem: tem o objetivo de atender a empreendimentos para a realização de
projetos de modernização, expansão ou implantação empresarial, incluindo a
aquisição de máquinas de fabricação nacional. São alternativas para valores su-
periores a R$ 10.000.000,00.
b. BNDES automático: tem a mesma linha de ação que o Finem, porém limitado
a R$ 10.000.000,00 por cliente a cada período de 12 meses.
c. Cartão BNDES: seu foco é destinado para micro, pequenas e médias empre-
sas com crédito pré-aprovado e limites de até R$ 500.000,00. O cliente solici-
ta o cartão a instituições financeiras autorizadas pelo Banco Central do Brasil
(Bacen) e pode amortizar em parcelas limitadas de 3 a 48 vezes mensais e fi-
xas. Também é cobrada uma anuidade do cartão.
d. Finame máquinas e equipamentos e Finame agrícola: são financiamentos
ofertados para aquisição de máquinas e equipamentos nacionais vinculados à
área rural, industrial e comercial.
e. Finame leasing: não têm limite de valor e são concedidos à empresa arrenda-
dora do bem para a compra de máquinas de fabricação nacional que serão dis-
ponibilizados para os usuários chamados de arrendatários.

As decisões de substituição são de uma importância crítica para a empresa, pois são em
geral irreversíveis, isto é, não têm liquidez e comprometem grandes quantias de dinheiro.
Uma decisão apressada de “livrar-se de uma sucata” ou capricho de possuir sempre o “úl-
timo modelo” podem causar problemas sérios de capital de Giro. (CASAROTTO FILHO;
KOPITTKE, 2010, p. 155).
Finanças Corporativas
66

Dessa forma, os financiamentos para aquisição de máquinas e equipamentos de-


vem basear-se na necessidade real da empresa. O investimento em modernização que
gera um longo período de dívidas não pode afetar os recursos para o giro do negócio,
como a necessidade de aquisição de insumos para a produção e mercadorias. Quando
se fala em gerar riqueza mediante aumento patrimonial, nem sempre as imobilizações
são o melhor caminho.
f. Empréstimo-ponte: financia projetos específicos, selecionados mediante cri-
térios adotados pelo BNDES. Os recursos são concedidos no período de estru-
turação da atividade de longo prazo.
g. Project Finance: parceria financeira com uma Sociedade por Ações. Nela os
fluxos de caixa esperados precisam ter condições de saldar o financiamen-
to, assim como as receitas futuras do projeto necessitam ser vinculadas aos
financiadores.
Existem também os créditos vincula-
dos à exportação e os que atendem ao mer-
cado de valores mobiliários.
A segunda modalidade de financia-
mentos de longo prazo são os repasses de

© nito / / Fotolia
recursos externos, os quais vêm de pou-
panças captadas no exterior e repassadas
a empresas interessadas mediante a inter-
venção de instituições financeiras nacionais. Para que o repasse aconteça, faz-se ne-
cessária a participação do banco estrangeiro liberador do recurso, do banco nacional
receptor e de outro que será o distribuidor.
O valor do financiamento (repasse) é fixado em dólares (US$) e o pagamento é
vinculado a parcelas trimestrais. As taxas de juros são anuais e compostas pela taxa
Libor (London Interbank Offered Rate) e pelo título de risco (spread).

O spread se mede pela diferença entre o custo de um empréstimo e a remuneração paga. Ele
depende de muitos fatores, tais como liquidez, risco da operação, garantias oferecidas e ma-
terialidade. O Libor ou Prime Rate são taxas médias de operações de bancos ingleses e norte-
-americanos, respectivamente.

Nessa modalidade, entre outras despesas, são cobradas comissões de repasse, de


abertura de crédito e IR. As comissões de repasse são pagas ao banco nacional, que é
o responsável por repassar os recursos, e as comissões de abertura de crédito são pa-
gas ao banco estrangeiro, fornecedor dos recursos. O IR é referente aos juros enviados
Finanças Corporativas
67

ao exterior e, nesse caso, o pagamento é


também de responsabilidade da empre-
sa beneficiada com os recursos. As demais
despesas se referem ao registro do contra-

© Julien Eichinger / / Fotolia


to e às garantias hipotecárias.
Os empréstimos e financiamentos di-
retos, descritos como a terceira modalida-
de de financiamento de longo prazo, são
ofertados pelas instituições financeiras componentes do mercado de capitais. Eles
oscilam na linha de atendimento de recursos para os capitais de giro e fixo. Os juros
cobrados são relativamente altos se comparados com linhas de crédito do BNDES, po-
rém sua contratação é mais rápida e menos burocrática.
A quarta modalidade é a subscrição de debêntures. Conforme explica Pinheiro
(2009, p. 212),

Debênture é um título emitido por uma sociedade anônima, previamente autorizado pela
Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com a finalidade de captar recursos de médio e
de longo prazos, destinados normalmente a financiamento de projetos de investimento
ou alongamento de perfil do passivo. Caracteriza-se como título de valor mobiliário, sem
remuneração baseada em taxas de renda fixa.

Para a empresa emissora dos títulos, a vantagem reside no fato de os juros remu-
neratórios serem mais atrativos do que outras formas de captação de recursos. Além
disso, a empresa preserva a autonomia de seu patrimônio, pois os títulos não geram
direitos sobre o capital social.
As garantias oferecidas no mercado são vinculadas aos ativos da empresa.
Ademais, há a possibilidade de serem pagas bonificações, participação nos lucros e
prêmios de reembolso por parte da empresa emissora dos títulos. O limite de emissão
das debêntures, no geral, é vinculado ao capital social da companhia.
Santos e Schimidt (2007, p. 121) informam:

A companhia poderá adquirir suas próprias debêntures, desde que o faça por valor igual
ou inferior ao nominal. Este dispositivo tem por finalidade possibilitar uma melhor admi-
nistração da dívida, uma melhor especulação ou fraude que possa lesar os demais toma-
dores das debêntures.

Esse procedimento resulta nas debêntures em tesouraria. Elas são adotadas tam-
bém pelas empresas, como forma de incentivar o mercado na aquisição de seus títulos.
Finanças Corporativas
68

Em outras situações, as debêntures podem ser emitidas com uma cláusula de


contrato, possibilitando a sua conversibilidade em ações. Entretanto, devem estar pre-
viamente estabelecidas as bases da conversão, o número de ações correspondentes
aos títulos, a espécie e a classe das ações enquadradas nessa transação e o prazo para
o exercício do direito à conversão.
A última modalidade de financiamento de longo prazo é o arrendamento mercan-
til também conhecido como leasing. Na publicação, Wernke (2008, p. 159) define lea-
sing como

uma palavra de origem inglesa que significa aluguel, sendo derivada do verbo “to lease”.
Sua concepção deriva do raciocínio de que não é a propriedade de um bem, mas sim a uti-
lização deste, que gera renda. Assim, mesmo sem ser dono, quem alugar de terceiros uma
máquina industrial (por exemplo) pode empregá-la como fonte de rendimentos.

A transação financeira é feita mediante contrato. Nele devem estar especificados


os seguintes aspectos principais:

detentora da propriedade do bem, objeto do


a) Arrendadora
contrato. É responsável pela sua aquisição.

b) Arrendatária que tem a posse do bem por determinado


período de tempo. Usufrui da possibilidade de
adquirir o bem ao final do período, mediante
descrição no contrato. Em um primeiro
momento, as atribuições do arrendatário se
referem ao cumprimento do pagamento das
parcelas do contrato.

quem disponibiliza o bem, objeto da transação


c) Fornecedor
financeira. Quando se trata de bens já comprados
pela arrendadora, a figura do fornecedor é
vinculada para suportes técnicos.
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

d) Bem em é o detalhamento específico do objeto do


aaquestão contrato. Os bens financiados por processos de
leasing também poderão estar na classificação
de usados, nacionais e importados.
Finanças Corporativas
69

Para as empresas jurídicas, o leasing permite considerar o valor de suas parcelas


como despesas operacionais. Essa ação reduz o IR a ser pago, dependendo do regime
de tributação ao qual a empresa estiver enquadrada. O prazo do contrato leasing se
vincula à vida útil do bem, geralmente fixada em 3 anos para a disponibilidade futura
de venda.
Assaf Neto (2011, p. 85) relaciona as principais vantagens do arrendamento mer-
cantil para as empresas arrendatárias:

• permite a renovação periódica da maquinaria da empresa, atendendo, assim, às exi-


gências do desenvolvimento tecnológico e do próprio mercado;
• evita os problemas e as dificuldades do processo de imobilização, reduzindo o risco da
empresa;
• permite maior flexibilidade e dinamismo aos recursos financeiros da empresa, deixan-
do os disponíveis para outros investimentos e para a sustentação do capital de giro.

Contudo, o arrendamento mercantil não pode ser utilizado como solução ótima
no financiamento de atividades da empresa. O contrato deve ser analisado cautelosa-
mente, seguindo os critérios descritos, e, com base nessas reflexões, deve-se decidir
ou não pela sua utilização.
No cenário empresarial brasileiro, as formas de financiamento em curto pra-
zo são mais buscadas do que as ações de longo prazo. As razões para esse fato estão
vinculadas às políticas econômicas do país, que regulam os índices de reajustes e pro-
porcionam certa instabilidade nos controles financeiros em projeções futuras. Os fi-
nanciamentos de curto prazo são utilizados para suprir as necessidades de capital de
giro emergenciais e se originam de um custo de oportunidade e complementam re-
cursos insuficientes.

O custo de oportunidade representa o valor associado à melhor alternativa não escolhida em


razão de benefícios mais atrativos.

Em relação à gestão financeira, os financiamentos de recursos para pagamentos


de obrigações cotidianas indicam o início de problemas financeiros, que podem estar
relacionados ao excesso de dívidas. Sua solução exigirá um esforço em dobro de toda a
empresa.
Uma maneira rápida de obter financiamento é por meio da utilização de créditos
comerciais. Eles têm origem nas operações mercantes da empresa e normalmente vin-
culam-se a créditos com fornecedores, impostos, obrigações sociais ou outros créditos
operacionais.
Finanças Corporativas
70

A modalidade mais comum de crédito


comercial para as empresas está represen-
tada na figura dos fornecedores. Eles não
financiam as empresas com recursos finan-
ceiros, mas com mercadorias, matérias-

© WavebreakMediaMicro / / Fotolia
-primas ou insumos utilizados no cotidiano
empresarial. Desse modo, colabora-se com
o fluxo financeiro, mediante a adequação
de melhores prazos de pagamentos oferta-
dos à gestão financeira das empresas.
As vantagens no crédito com fornecedores estão na reciprocidade de ganhos nas
negociações, visto que, à medida que ocorrem mais vendas, maiores são a capacida-
de de compra da empresa e o ganho do fornecedor, o qual, por sua vez, começa a pro-
mover o aumento do valor do crédito para a organização. Outro ponto a ser levado em
consideração é a diminuição do rigor das penalizações para os atrasos de pagamento,
além de custos financeiros bem atrativos.
Entretanto, como em todas as outras decisões, a empresa precisa mensurar as di-
versas opções disponibilizadas no mercado de oferta de produtos. Assim, será forma-
da uma carteira de fornecedores que cumpra com as responsabilidades vinculadas ao
desempenho de suas atividades.
Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 432) alertam:
O maior problema para quem utiliza o crédito comercial é descobrir esse custo para com-
pará-lo com as práticas do mercado financeiro. Entre as formas de identificação está a
comparação do preço a vista com o preço a prazo, isso no caso de os dois preços serem
conhecidos. Em épocas de grande incerteza econômica, os fornecedores procuram prote-
ção agregando elevadas taxas de juros em seus preços.

Os impostos oriundos da execução das atividades empresariais são uma forma de


cobertura de capital de giro, por isso é necessário avaliar essas despesas. O atraso pelo
não recolhimento deles pode ser de fácil negociação, mediante o pagamento de um
valor extra (multa). Nesses casos, deve-se analisar se as taxas do mercado financeiro
são maiores ou não em relação aos encargos do governo. Porém, a irregularidade fis-
cal pode comprometer o funcionamento da empresa.
No caso de inadimplências com valores significativos, existe sempre a possibilida-
de de aumento nos prazos de pagamento ou até de grandes parcelamentos em condi-
ções vantajosas. Mas o ideal é que a empresa não chegue a essa situação.
Os outros créditos operacionais podem ser visualizados na opção de contratos.
Neles são negociadas as garantias de recebimento e comumente existe o pagamento
antecipado de parte do valor total.
Finanças Corporativas
71

A destinação de recursos oriundos de instituições financeiras para as empresas


ou pessoas físicas é conhecida como crédito bancário. Os empréstimos, formas mais
usuais e conhecidas na gestão financeira, são formalizados mediante contratos entre o
emprestador (bancos), o tomador (empresas/clientes) e os eventuais analistas ou teste-
munhas do contrato.
As condições contratuais de um empréstimo, em linhas gerais, abrangem os se-
guintes fatores:

a) O valor da operação: $
é o registro formal do recurso contratado. No caso de empresas, objeto
do estudo, a liberação do dinheiro passa por análises prévias para a
garantia das condições de pagamento.

b) A definição de juros: %
é o valor que será acrescido ao capital solicitado, inclusos ainda, as taxas
bancárias e do serviço (administração) quando houver. Em algumas
modalidades, os juros podem ser fixos ou variáveis, corrigidos por meio
de indexadores da economia e também serem pagos antecipadamente,
influenciando no custo total da operação.

c) Os encargos tributários:

de responsabilidade do tomador do empréstimo. Normalmente, aplica-


-se a incidência do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

d) Os prazos da operação:

dependendo da linha contratada, o período para pagamento tem


alterações. Algumas modalidades oferecem prazos de carência para o
início dos pagamentos, outras são sequenciais.

e) As garantias:
Design Gráfico: Thiago Sihvenger

na concessão do empréstimo, as instituições financeiras determinam


garantias que vão desde a declaração de bens da empresa e dos próprios
acionistas no propósito de diminuir o risco da operação e assegurar o
ganho (lucro).
Finanças Corporativas
72

Segundo Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010), para o gerenciamento dessa de-
cisão por parte da empresa, alguns fatores devem ser analisados pelo administrador
financeiro:
• a empresa deve oferecer maior margem de contribuição de suas atividades ou
produtos em relação aos custos do empréstimo;
• os prazos precisam ser ajustados de acordo com as disponibilidades de caixa da
empresa;
• os padrões necessitam ser definidos como garantias;
• os custos efetivos totais devem ser calculados.
As formas de financiamento de curto prazo permitem maior operacionalidade
às atividades empresariais. No entanto, elas devem ser gerenciadas de maneira cui-
dadosa para que não se incentive o aumento excessivo dos índices de endividamento
empresarial.
O ideal é que esses recursos sejam utilizados para fomentar a colocação de pro-
dutos e serviços no mercado em maiores quantidades. Além disso, espera-se que eles
gerem um retorno financeiro lucrativo no mesmo prazo do financiamento e reduzam o
risco financeiro da operação realizada.
Quanto às modalidades de financiamento de recursos em curto prazo, as empre-
sas podem optar por algumas opções, delimitadas em:
• créditos bancários (subsídios em empréstimos, operações de desconto de títu-
los, operações de hot-money, créditos rotativos e operações de vendas);
• operações de fomento mercantil – factoring;
• microcréditos.

“O desconto equivale à negociação de um título representativo de um crédito em alguma data


anterior à de seu vencimento. Ou seja, é uma forma de antecipar o recebimento de um crédito
mediante a cessão de seus direitos a um mutuante” (ASSAF NETO, 2010, p. 608).

Os descontos de duplicatas e notas promissórias são as opções mais usuais na li-


nha de desconto de títulos. Quanto às duplicatas, os bancos podem optar pela quanti-
dade e pelos valores e prazos detalhados no documento. A empresa endossará o título
ao banco, que passa a ter o privilégio no recebimento dos valores. Porém, se o clien-
te agir com inadimplência, automaticamente a empresa assume a responsabilidade do
ressarcimento ao banco.
Finanças Corporativas
73

Os prazos podem chegar a 90 dias e, mesmo assim, há a análise do limite de cré-


dito para essa modalidade por parte do banco. Mesmo com custos elevados, esse tipo
de desconto é utilizado pelas empresas para redução dos encargos de cobrança, agili-
dade na obtenção de recursos e avaliação de crédito/perfil dos clientes.
Por parte da instituição financeira, os encargos são deduzidos do capital no mo-
mento de sua liberação. Para tanto, eles são calculados tendo como critério os juros
simples, como no exemplo a seguir.
A empresa Tijolo, que vende materiais de construção, recebeu a autorização do
banco para o desconto de 10 duplicatas de clientes no valor de R$ 2.800,00, com prazo
de vencimento de 30 dias. As taxas referentes ao juro e a outros encargos de parte do
banco totalizam 8% a.m. com os impostos. O valor do desconto e do depósito bancá-
rio para a empresa será de:
df = N i n
df = valor de desconto por fora
N = valor nominal da operação
i = taxas cobradas na operação
n = prazo de antecipação
IR = alíquota do Imposto de Renda

df = 2.800,00 × 0,08 × 1
df = 224,00
Valor do desconto = R$ 224,00
Valor creditado em conta = R$ 2.576,00
Para operações de desconto com notas promissórias, o procedimento é semelhante.
Porém, nesse caso, o banco solicita os avalistas e também concede os limites de crédito.
As operações hot-money são também conhecidas como empréstimos por contra-
to. Na tradução simples, significa dinheiro quente, ou seja, com disponibilidade imediata.
Os encargos financeiros solicitados pelo banco costumam ser bem elevados e são calcu-
lados por dias de utilização do crédito. O objetivo desse tipo de crédito é suprir, emer-
gencialmente, a falta de caixa das empresas ou atender a necessidades momentâneas de
incremento de capital de giro.
Ao se avaliar o prazo de utilização do crédito, devem ser pesquisadas opções mais
atrativas, como os créditos rotativos, modelos de financiamento disponibilizados de for-
ma imediata para empresas ou pessoas físicas, pois seus limites já estão descritos na
conta corrente bancária. Os juros são elevados e somente são cobrados no período em
que a conta apresentar-se como devedora. No cotidiano, são chamados de “limite” da
conta corrente.
Finanças Corporativas
74

A indicação de uso desse tipo de crédito acontece quando a empresa necessita de


recursos em, no máximo, cinco dias e não há possibilidade de negociação direta com a
agência bancária em razão da emergência da necessidade do dinheiro. Para essa práti-
ca, é necessário que a empresa esteja em uma situação financeira sólida o bastante para
arcar com os altos índices de juros, sem prejudicar o fluxo financeiro de forma agressiva.
A modalidade de vendor é identificada na relação comercial entre fornecedor,
cliente e banco: o fornecedor vende o prazo para o cliente, que financia junto ao banco
o pagamento. Em seguida, o banco libera o dinheiro ao fornecedor, que recebe à vista
a mercadoria vendida. Na figura a seguir o processo fica mais bem esclarecido:

Procedimentos de vendor
Vende
Fornecedor Comprador

Paga
à vista
Transfere

Design Gráfico: Thiago Sihvenger


Financia o
o crédito
comprador
Banco
Assume o risco do
não pagamentio

Fonte: LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM, 2010, p. 438.

A vantagem para a empresa que adquire o bem está no pagamento com o preço à
vista. Dessa forma, o capital de giro pode ser mais bem administrado, graças ao prazo
maior de pagamento junto ao banco.
O factoring é um tipo de disponibilização de recursos para micro, pequenas e mé-
dias empresas principalmente. Ele pode ser caracterizado como uma assistência finan-
ceira na cobertura dos capitais de giro das empresas. Conforme explica Assaf Neto
(2010, p. 624):

Uma das mais importantes características de uma operação de factoring consiste na trans-
ferência, juntamente com os valores a receber, dos riscos inerentes a esses ativos. Dessa
forma, além de reforçar a liquidez imediata de seus clientes, a casa de factoring absorve o
risco pelo recebimento desses valores realizáveis. Ao contrário de uma operação de des-
conto bancário, conforme descrita anteriormente, a atividade de fomento comercial não
constitui uma operação de crédito. É considerada, efetivamente, uma transferência (ces-
são) plena dos créditos do cliente para o factor, isto é, uma aquisição definitiva dos valo-
res a receber, inclusive do risco de pagamento desses ativos realizáveis. Uma importante
Finanças Corporativas
75

economia que pode advir dessa operação para a empresa produtora cliente refere-se aos
gastos inerentes à instalação e ao funcionamento de um departamento de crédito e co-
brança, os quais passam a ser de responsabilidade financeira de factoring.

Empresa produtora cliente é aquela que utiliza o serviço de factoring e, ao mesmo tempo, é
responsável pela cobrança de clientes.

As principais classificações de factoring praticadas no Brasil são o adiantamen-


to sobre títulos comprados pelo agente factor, as operações líquidas no vencimento, o
adiantamento sobre títulos a serem emitidos, o factoring contra a entrega de merca-
dorias e administração de caixa. Nessa última classificação em especial, cabe detalhar
que a casa factoring assume a gestão do caixa da empresa.
Em razão de assumir os riscos das operações realizadas, os custos são bem caros
e tornam-se maiores do que os empréstimos em instituições financeiras. Como bene-
fícios, há maior flexibilidade de financiamento, redução de custos financeiros disfarça-
dos e eliminação de risco.
A flexibilidade de financiamento se deve à possibilidade que a casa factoring tem
de recusar algum título utilizado na operação. Assim, as empresas encaminham para
as transações somente títulos de clientes com qualidades creditícias, minimizando si-
tuações desagradáveis no relacionamento com a instituição.
O custo financeiro disfarçado é um aspecto de comparação com uma instituição
financeira, que se utiliza de médias e outras taxas para justificar o serviço. Isso acaba
por “mascarar” o custo real. Já na abrangência das factorings, o valor é determinado no
momento da negociação, sem adicionais ou reajustes extras, e os riscos, como já fo-
ram referenciados, são assumidos pela casa factoring, o que isenta a empresa de maio-
res análises.
Por último, está o financiamento de curto prazo por microcréditos. A criação de
uma linha para atender às necessidades de pequenos empreendimentos traduz a re-
levância dessa atividade no contexto nacio-
nal. Os pequenos negócios são geradores
de emprego, renda e melhoria na qualida-
de de vida. O microcrédito é utilizado para
© WavebreakmediaMicro / / Fotolia

complementar financeiramente as etapas


que compreendem o ciclo operacional e
criar estratégias competitivas para a conti-
nuidade no mercado em que essas peque-
nas empresas estão inseridas.
Finanças Corporativas
76

A procura por recursos financeiros pode estar relacionada a financiamentos de


curto ou longo prazo. As razões motivadoras para esse tipo de operação sempre esta-
rão ligadas a decisões necessárias para manter o funcionamento e a competitividade
das empresas no mercado. O reflexo das constantes evoluções das políticas monetá-
rias pode, em determinado momento, deixar as empresas incapacitadas financeira-
mente de realizar algum procedimento operacional. Por isso, nos intuitos de recuperar
o prejuízo e buscar o lucro já planejado, os bancos e agentes fornecedores de crédito
tornam-se os grandes parceiros empresariais.
Pereira apud Pinheiro (2009, p. 397) conclui que

A convivência com crescimento econômico, a taxas pelo menos históricas, associado com
um nível natural de emprego, reflete que o sistema econômico está mantendo o nível de
atividades funcionando a plena capacidade, o que incentiva maiores investimentos em-
presariais. Por conseguinte, tal fenômeno estimula que os empresários procurem mais o
mercado de capitais para financiar estes investimentos. Cria-se então certo clima de con-
fiança, a partir de expectativas de que o país só tem a melhorar, influenciando positiva-
mente a todos os participantes desse mercado.

A relação financeira estabelecida entre empresas, governos e mercados deve in-


tegrar medidas e procedimentos que sejam benéficos para todas as partes. Assim, o
resultado positivo de um beneficiará a execução e o resultado de outro. O governo,
por sua vez, deve estudar alternativas que melhorem as condições de trabalho empre-
sarial, uma vez que o aumento dos lucros contribui para a gestão de medidas econômi-
cas que afetam a vida da população, oferece melhores e maiores condições de compra,
aquece a economia e viabiliza a distribuição de recursos no mercado. Desse modo, o
país assume melhor posicionamento no cenário internacional e permite maior agrega-
ção de valor no produto que aqui é produzido. As consequências são a valorização da
moeda e o incentivo a investimentos externos no mercado brasileiro.
Finanças Corporativas
77

Referências
ASSAF NETO, A. Finanças Corporativas e Valor. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
_____. Mercado Financeiro. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
ASSAF NETO, A.; LIMA, F. G. Fundamentos de Administração Financeira. São Paulo:
Atlas, 2010.
CASAROTTO FILHO, N.; KOPITTKE, B. H. Análise de Investimentos: matemática finan-
ceira, engenharia econômica, tomada de decisão, estratégia empresarial. 11. ed. São
Paulo: Atlas, 2010.
FORTUNA, E. Mercado Financeiro: produtos e serviços. 18. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark,
2010.
GROPPELLI, A. A.; NIKBAKHT, E. Administração Financeira. São Paulo: Saraiva, 2009.
(Programa do Livro-Texto).
HOJI, M. Administração Financeira e Orçamentária: matemática financeira aplicada, es-
tratégias financeiras, orçamento empresarial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
IUDÍCIBUS, S. de. et al. Manual de Contabilidade Societária: Fifecafi. São Paulo: Atlas,
2010.
KATO, J. Curso de Finanças Empresariais: fundamentos de gestão financeira em empre-
sas. São Paulo: M. Books, 2012.
LEMES JÚNIOR, A. B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Administração Financeira:
princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
PINHEIRO, J. L. Mercado de Capitais: fundamentos e técnicas. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2009.
ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JORDAM, B. D. Administração Financeira. 8. ed. São
Paulo: McGraw-Hill, 2008.
SANTOS, J. L. dos; SCHMIDT, P. Contabilidade Societária. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.
SOUZA, A. F. de. Avaliação de Investimentos: uma abordagem prática. São Paulo:
Saraiva, 2007.
SOUSA NETO, J. A. de.; MARTINS, H. C. Finanças Corporativas na Prática: ferramentas
gerenciais. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Elsevier; Fundação Dom Cabral, 2010.
VASCONCELOS, Y. L. Compreenda as Finanças de sua Empresa: introdução à análise das
demonstrações contábeis. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.
WERNKE, R. Gestão Financeira: ênfase em aplicações e casos nacionais. Rio de Janeiro:
Saraiva, 2008.
3 Planejamento orçamentário e financeiro e avaliação de
desempenho empresarial
3.1 O planejamento orçamentário e financeiro no contexto
dos negócios
A empresa é um sistema aberto e di-
nâmico que troca informações e realiza
processos com os ambientes interno e ex-

© pressmaster / / Fotolia
terno. Esse entendimento faz existir a ne-
cessidade de projeções de estratégias,
análises e avaliações para a obtenção de
melhores resultados. Ao implantar contro-
les gerenciais, criam-se alternativas para a consolidação da gama de informações dis-
poníveis a serem processadas e monitoradas no decorrer da atividade empresarial.
Alguns fatores exigem, cada vez mais, a implantação e a avaliação de controles,
no intuito de alcançar o crescimento e a continuidade das empresas. Entre esses fato-
res, destacam-se:
• as novas tendências de produtos e serviços oferecidos;
• a questão da globalização marcada pela integração de mercados;
• as regras impostas pelas políticas econômicas nacional e internacional;
• o aspecto tributário vigente;
• a concorrência acirrada.
Os atos de planejar, executar, controlar e avaliar são fundamentos básicos na con-
dução de qualquer empresa que tenha como propósito a permanência no mercado. Essas
ações são realizadas desde o momento da constituição da empresa, porém, com o passar
do tempo, vão adquirindo dimensões e complexidades maiores, conforme os novos obje-
tivos e as metas que são estabelecidos. Com base no planejamento, projetam-se as pos-
síveis ações a serem aplicadas, de acordo com as prioridades estabelecidas. Dependendo
da prioridade, a execução dessas ações acontecerá em curto, médio ou longo prazo. O
planejamento também auxilia na determinação das ferramentas auxiliadoras.
Durante a execução das ações planejadas, é necessária a utilização do controle.
Assim, o trabalho será realizado com os recursos previstos, que podem ser materiais,
financeiros ou de pessoal. O controle auxilia na obtenção do resultado esperado.
Por fim, realiza-se a avaliação do processo. Nessa fase, são analisados os aspec-
tos positivos e negativos que podem ser mantidos ou aprimorados para a melhoria
contínua e crescente de ganhos futuros.
Finanças Corporativas
80

Na área de responsabilidade da administração financeira, o número de infor-


mações agregadas aos controles gerenciais da empresa surgem de várias fontes. O
controle de finanças requer conhecimento de mercado para o produto ou serviço ofe-
recido, percepção da economia na busca de fontes para financiamento de recursos e
atratividade de investimentos e compreensão de aspectos contábeis para gerenciar
custos, despesas e projetar lucros e aumento patrimonial.

“Através de planejamento econômico-financeiro são avaliados os resultados relativos a obje-


tivos, decisões e alternativas contidas no planejamento da empresa, indicando a possibilidade
de sua implantação, ou não, do ponto de vista financeiro” (LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM,
2010, p. 445).

Qualquer empresa, tenha ela fins lucrativos ou não, sobrevive da captação e da


adequada aplicação de recursos financeiros. Por essa razão, o controle contínuo dos
capitais próprios e de terceiros é indispensável para o alcance das metas estabelecidas.
Logo, é imprescindível aplicar o planejamento econômico e financeiro.

As oscilações nos índices econômicos e as mudanças


nas regras fixadas pela política econômica impactam
diretamente no fluxo de atividades das empresas. Elas
precisam estar suficientemente preparadas e organi-
zadas, em termos de controles financeiros, para rea-
© oporkka / / Fotolia

lizarem as correções necessárias no planejamento. O


objetivo é preservar a obtenção do lucro almejado.

Welsch (1996, p. 27) entende que


a administração somente justifica sua existência quando é verdadeiramente capaz de pla-
nejar e controlar de modo a dominar o destino da empresa a longo prazo. A base do pla-
nejamento e controle de resultados, portanto, é a confiança absoluta da administração
em sua capacidade de estabelecer objetivos realistas para a empresa e conceber meios
eficientes de alcançá-los.

O planejamento econômico e financeiro é o modo formal de evidenciar os resul-


tados atingidos. Com base neles, segue-se com o planejamento de ações futuras con-
dizentes com a realidade do mercado. Assim, as ações da empresa são valorizadas e é
gerada a riqueza esperada pelos acionistas.
Estabelecer modelos de controles gerenciais capazes de auxiliar na elaboração
do planejamento financeiro de uma empresa não é tarefa fácil, pois cada empresa é
Finanças Corporativas
81

única, e essa particularidade revela especificações de dados que devem ser adaptados
na criação dos seus métodos de controles. Desse modo, não existem propostas “en-
gessadas” de formas de controles financeiros a serem adotadas.
O planejamento orçamentário se apresenta como uma ferramenta gerencial
de controle. Sua proposta se baseia inicialmente na coleta de informações. Ele pode
abranger integralmente os setores empresariais, as necessidades de recursos financei-
ros e de materiais, de acordo com a operacionalidade da empresa.
Comumente, o termo orçamento é vinculado ao exercício da atividade de órgãos
governamentais públicos. É dessa concepção que vem a adaptação do termo para de-
signar essa prática também em empresas privadas.

De acordo com Lunkes (2009), a origem do orçamento mediante o termo budget está nas leis
da constituição inglesa de 1689. Na época, budget significava “bolsa grande”. Somente a partir
de 1800 a palavra foi acrescentada aos dicionários como sinônimo de orçamento.

Os órgãos dos governos federal, estadual e municipal têm como característica no


processo de administração pública a utilização de orçamentos no direcionamento de
ações a serem executadas em prol do bem comum. Nesse cenário, a prática orçamen-
tária está, no caso do Brasil, prevista no artigo 16 do Decreto-lei nº 200, de 25 de feve-
reiro de 1967.
Conforme explicam Piscitelli e Timbó (2010, p. 29, grifos dos autores),

Entende-se por orçamento-programa aquele que discrimina as despesas segundo sua natu-
reza, dando ênfase aos fins (e não aos meios), de modo a demonstrar em que e para que o
governo gastará, também quem será responsável pela execução de seus programas.

De forma geral, a literatura que discute os aspectos da administração financeira


faz pouca referência aos núcleos do sistema público. Porém, uma análise minuciosa re-
vela que as funções delegadas à gestão fi-
nanceira do setor privado são, ou deveriam
ser, as mesmas do setor público. A única di-
ferença está no objetivo final: o setor pú-
blico não visa ao lucro, mas à melhoria de
© kbuntu / / Fotolia

processos e ações que beneficiam a popu-


lação com qualidade de vida e condições
adequadas de sobrevivência, direitos pre-
vistos na Constituição Federal.
Finanças Corporativas
82

Considerando o setor privado, o orçamento empresarial tem várias definições.


Cada autor detalha de diferentes formas o significado desse termo. Porém, segundo o
consenso final, trata-se de um controle interno que permite subsidiar o trabalho futu-
ro da empresa no espaço social em que ela estiver inserida. Desse modo, monitora-se
o fluxo dos recursos financeiros e não financeiros necessários para o desempenho das
atividades planejadas. Nakagawa (1993, p. 66) já conceituava:

O sistema de orçamentos pode ser descrito como o modelo de mensuração que avalia e
demonstra, sob um formato contábil, as projeções de desempenhos econômicos e finan-
ceiros periódicos de uma empresa como um todo e das unidades que a compõem, que de-
veriam resultar da execução dos planos de ação por ela aprovados.

© sumire8 / / Fotolia

Sob um ponto de vista mais recente, Hoji e Silva (2010, p. 19, grifos dos autores)
destacam que “O sistema de orçamentos (ou sistema orçamentário) é um excelen-
te instrumento de planejamento e controle de resultados financeiros”. Os orçamen-
tos expressam quantitativamente as políticas de compras, produção, vendas, recursos
humanos, gastos gerais, qualidade e tecnologia. Independentemente da época, o con-
trole sempre esteve presente nas ações de administração financeira das empresas. A
tendência é que os níveis informacionais se modifiquem a partir do momento em que
novos cenários econômicos surjam e influenciem nas finanças empresariais.
A delimitação dos objetivos orçamentários nas empresas pode estar relacionada
às decisões tomadas em função dos controles disponíveis. Contudo, em linhas gerais,
os orçamentos buscam atender ao aperfeiçoamento dos processos com a otimização
de resultados.
Em consequência, Padoveze (2010, p. 31-32) aponta seis propósitos gerais para a
utilização de orçamentos nas empresas:
Finanças Corporativas
83

Orçamento como sistema


de autorização.

Um meio para projeções


e planejamento.

Um canal de comunicação
e coordenação.

Um instrumento de motivação.

© raven / / Fotolia. Design Gráfico: Bernardo Beghetto

Um instrumento de avaliação
e controle.

Uma fonte de informação para


a tomada de decisão.

O motivo de reportar-se ao orçamento como sistema de autorização reside no


fato de que as ações deixam de ser executadas sem conhecimento prévio. Dessa ma-
neira, os recursos financeiros são racionalizados e criam-se alternativas para a redução
de desperdícios.
Em relação às projeções e aos planejamentos, retoma-se o fundamento básico do
plano orçamentário. Se não forem instituídas as perspectivas de trabalho e os resulta-
dos nos planejamentos operacionais, táticos e estratégicos (curto, médio e longo pra-
zos), o princípio da continuidade empresarial fica prejudicado pela falta de suporte no
direcionamento dos negócios.
Finanças Corporativas
84

Os avanços tecnológicos surpreendem periodicamente a área dos negócios. Por


meio deles, é possível utilizar sistemas que facilitam o acompanhamento das informa-
ções geradas pelo mercado, bem como gerar melhoria da qualidade dos produtos, por
meio do uso de máquinas e materiais de trabalho especializados. Porém, o ciclo de co-
municação pessoal na empresa tornou-se muito restrito. Os e-mails, chats e fóruns
informatizados limitaram a troca de ideias e sugestões entre os agentes da administra-
ção. Assim, um dos objetivos do orçamento, que é viabilizar a comunicação e a coor-
denação, funciona como um meio de integração dos setores para a consolidação dos
dados e da participação efetiva dos colaboradores no cumprimento das metas.
A conquista da meta depende do grau de motivação empresarial. A partir do mo-
mento em que o orçamento gera expectativas, a empresa, como um todo, entende o
porquê de determinadas demandas. Desse modo, as pessoas agem na coletividade, e
todos assumem responsabilidades nas tarefas que realizam e devem ser recompensa-
dos por isso. As bonificações financeiras e os prêmios distribuídos aos colaboradores
são bons exemplos disso.
Por intermédio da resposta orçamentária, são realizadas as avaliações e fixados
os novos controles ou as correções devidas. Uma vez implantado o orçamento, a ava-
liação é permanente para que se formem parâmetros de comparação dos resultados
obtidos. Atualizar os controles é parte essencial do plano orçamentário.
O objetivo final de uma proposta orçamentária é a tomada de decisão. Essa é
uma responsabilidade dos agentes da administração e irá refletir-se em todo o plane-
jamento projetado para novos horizontes do trabalho empresarial. Cada novo proce-
dimento de trabalho a ser implantado, mesmo que seja para melhor adequação dos
padrões de administração até então praticados, necessita de análises que contabilizem
a relação custo x benefício na decisão final aprovada.
O planejamento orçamentário, como qualquer nova ferramenta de trabalho esco-
lhida pela empresa, apresenta benefícios e também limitações na sua execução. Isso
porque ainda não foram diagnosticados controles 100% eficazes no universo financei-
ro para a consideração de um método perfeito.
O relacionamento interpessoal nas unidades empresariais colabora para o surgi-
mento de atitudes conflitantes, visto que cada pessoa reage de maneira diferente a
possíveis mudanças de padrões anteriormente fixados.
Sanvicente e Santos, apud Carneiro e Matias (2011), apontam os seguintes bene-
fícios do orçamento:
Finanças Corporativas
85

a) integração dos funcionários e dos departamentos:


sendo um controle integrado, determina que os colabo-
radores realizem suas atribuições conforme o fixado para
não prejudicar o ciclo seguinte. Desse modo, o trabalho
dos demais departamentos tampouco é afetado, já que
© scusi / / Fotolia

os setores estão em constante comunicação.

b) quantificação dos objetivos: o orçamento força as


ações formuladas no planejamento operacional, táti-
co ou estratégico a assumirem características quantifi-
cáveis. Assim, pode-se prever a viabilidade ou não de
determinada ação, assim como os recursos necessários

© apops / / Fotolia
para a sua execução.

c) delegação de poderes: a distribuição e a formação


de orçamentos departamentais delegam a autoridade
aos responsáveis pelos setores. Dessa maneira, são di-
recionados esforços para que os objetivos sejam atin-
© Minerva Studio / / Fotolia

gidos e para que as informações sejam transferidas na


elaboração do orçamento global.

d) avaliação detalhada de desempenho: o fecha-


mento completo do ciclo orçamentário permite a cria-
ção de critérios de avaliação de desempenho como
forma de monitoramento da produtividade. Ele também
possibilita a definição de níveis de satisfação e adequa-
ção de parâmetros que irão contribuir para o sucesso
ou para o fracasso empresarial. A avaliação de desem-
penho no orçamento não tem caráter punitivo e serve
© bluebat / / Fotolia

como uma revisão de valores da empresa e dos próprios


funcionários que colaboram para o resultado final.
Finanças Corporativas
86

e) racionalização de recursos: a gestão financeira


de capitais disponibilizados para a execução de ativi-
dades prioriza um retorno maior nos ganhos. Por isso,
ela necessita do detalhamento por atividade da aplica-
ção desses recursos e exige conhecimento aprofunda-
do das regras de mercado e instituições para fornecer
subsídios para as decisões de investimento e financia-
© ra2 studio / / Fotolia

mento. O controle orçamentário de receitas e despesas


regula as transações financeiras que podem ocorrer no
período programado, o que facilita a sua gestão.

Hoji e Silva (2010) reforçam os benefícios já destacados e ainda apontam pontos


de eficiência ou ineficiência do processo nos aspectos globais e setoriais. Os autores
fazem esse apontamento por meio da comparação dos dados entre a previsão estabe-
lecida pelo orçamento e a efetivação do que realmente ocorreu.
No planejamento orçamentário não é diferente: todo benefício oferecido tem sua
limitação no contexto técnico de trabalho. Isso ocorre com os procedimentos habituais
da empresa, que também passam por ineficiências no transcorrer das atividades.
Nos estudos teóricos são apresentadas diferentes abordagens quanto aos benefí-
cios e às limitações do orçamento. Entretanto, a condução de sua aplicação na empre-
sa irá divergir em relação ao modo como ela é administrada, podendo tornar relevante
o efeito positivo ou o efeito negativo da prática orçamentária.
Ainda adotando como base o conhecimento de Hoji e Silva (2010), as limitações
do orçamento que podem influenciar na operacionalidade da empresa são:
a. orçamentos com base em estimativas: o propósito do planejamento orça-
mentário é a projeção de ações quantificáveis para um futuro determinado.
Os valores trabalhados são estabelecidos com base em estimativas de dados
atuais, portanto não repassam a segurança de que realmente chegarão ao
montante planejado e estão sujeitos a erros maiores ou menores.
b. custo de implantação e manutenção do sistema orçamentário: deve-se
mensurar o investimento na aquisição de sistemas orçamentários relaciona-
dos com o porte da empresa. O sugerido é que as empresas menores produ-
zam por si mesmas os controles necessários para o monitoramento de suas
atividades, até porque seus colaboradores respondem por mais de uma atribui-
ção. Em empresas maiores já ocorre a designação de um profissional especí-
fico para o controle orçamentário, o que agrega maior custo para a atividade
empresarial.
Finanças Corporativas
87

c. volatilidade das variáveis econômicas e financeiras: a oscilação do mercado


e da economia modifica as projeções estabelecidas no orçamento, provocando
distorções nas ações programadas.
d. a execução do orçamento não é automática: leva-se algum tempo até que se
obtenham os primeiros resultados no processo de adaptação e implantação da
proposta orçamentária. Aliado a essa limitação está o fato de profissionais que
não são da área de controladoria e gestão apresentarem insatisfação no acom-
panhamento do orçamento.
e. adaptação de todos os níveis hierárquicos na adequação ao orçamento:
quando o planejamento orçamentário for definido e aprovado, a empresa pre-
cisa cumprir com os objetivos e as metas traçados. Isso prescreve a união de
esforços em todas as esferas da administração empresarial, desde o diretor
executivo até o colaborador da produção.
Para Padoveze (2005b, p. 175), as principais críticas quanto à utilização do plano
orçamentário estão centradas nos seguintes aspectos:

• ferramental ineficiente para o processo de gestão e frustração com os resultados obti-


dos no processo;
• o orçamento engessa em demasia a empresa (o plano tem de ser seguido a qualquer
custo!), impedindo a criatividade e o empreendimento dos gestores setoriais, provo-
cando conformismo, medo e/ou insatisfação;
• impossibilidade de utilização desse ferramental em situações de crônica variação de
preços;
• extrema dificuldade de obtenção dos dados quantitativos para as previsões e volatili-
dade do futuro;
• altamente consumidor de tempo e recursos e criador em excesso de rotinas contábeis;
• falta de cultura orçamentária;
• utilização de tecnologias de informação inadequadas.

Como não há respostas prontas e resultados exatos, o plano orçamentário se


torna um exercício de aprendizagem contínua. A correção das falhas, a melhoria dos
processos e o alcance dos resultados precisam ser praticados. Os problemas ou as difi-
culdades evidenciados no decorrer da operação devem ser analisados e solucionados,
mesmo que depois seja necessária uma revisão da ação determinada. O que agrega
valor, nesse sentido, é a não estagnação diante de uma ineficiência, pois quando há
a predisposição em solucionar aspectos deficitários, dificilmente as decisões estarão
presas dentro de uma gaveta.
Um dos maiores desafios para a administração financeira de uma empresa que
adota o controle orçamentário como suporte gerencial na condução dos negócios é a
implementação do orçamento sem ferir o método habitual de trabalho já praticado.
Finanças Corporativas
88

Para tanto, inicialmente as atribuições referentes ao orçamento devem ser agre-


gadas de forma parcial. Com isso, será possível compreender e assimilar as linhas de
ação a serem realizadas, no intuito de atingir o resultado final.
No planejamento, descreve-se a fase de organização do orçamento, em que é de-
finida uma série de medidas e estruturas administrativas, de pessoas, recursos mate-
riais e sistemas de informação que auxiliará na realização do cronograma de atividades
a ser seguido.
De acordo com Padoveze (2005b), a organização do orçamento passa pelas se-
guintes etapas:

Comitê orçamentário: composto por diretores,


a) mais o profissional responsável pelo orçamento.
Norteia a visão geral do orçamento.

Premissas orçamentárias: constituem


a definição de regras a vigorar no
b) próximo orçamento, tratadas no âmbito
global da empresa.

Modelo do processo orçamentário: decisão do


comitê orçamentário, priorizando os valores e
c) crenças da empresa. Ele precisa ser coerente com
a base institucional constituída.

Estrutura contábil: referência das informações


quantitativas a serem trabalhadas e sua base de
d) dados informacionais como receitas, custos,
despesas, lucros e situação patrimonial.

Sistemas de apoio: adequação de tecnologias de


informação para a execução de cálculos, emissão de
e) relatórios e composição de gráficos e métodos
estatísticos para análise dos resultados.

Relatórios: aliado à tecnologia, o responsável pelo


orçamento deve definir, por setores empresariais, os
f) relatórios necessários para a consolidação final das
informações, bem como seus responsáveis e os
Design Gráfico: Bernardo Beghetto

procedimentos de controle e acompanhamento.

Cronograma: cabe ao administrador do


orçamento, geralmente o controller, estabelecer o
g) cronograma de atividades em todas as etapas do
plano orçamentário, respeitando os prazos
previstos para a análise dos efeitos obtidos.
Finanças Corporativas
89

A fase de organização é sucedida pela fase de elaboração, que tem como objeti-
vo a construção do plano orçamentário. Padoveze (2005b) a subdivide em três grandes
fases: previsão, reprojeção e controle.
Na fase de previsão, a abrangência se relaciona ao fator tempo de trabalho, ini-
ciado em média seis meses antes da aplicação do plano orçamentário. Também nessa
etapa é considerado o fator de compilação das informações do mercado e da conjuntu-
ra empresarial.
No desenho desses cenários, considerados como probabilidades, estão as variá-
veis de estimativa de inflação, política de preços, participação da empresa no mer-
cado, concorrência, demanda prevista, consumo real, capacidade produtiva etc. A
atribuição final se dá com a elaboração dos quadros orçamentários.
A fase de reprojeção é realizada pelos setores empresariais incluídos no orça-
mento. Nela são revisadas as informações da fase anterior e feitas críticas e sugestões
para melhorar o processo. Sugere-se que essa etapa possa ser concluída em um ou
dois meses antes do início do exercício.
O controle é o final do processo. É a etapa de análise das variações, desempenho
e dos resultados alcançados. De forma global, são expostas as correções necessárias
para decisão da diretoria executiva. O quadro a seguir apresenta um modelo sugestivo
das etapas do plano orçamentário.

Etapas Fases Área responsável


Etapa 1 Preparação das peças orçamentárias Todas as áreas por peças orçamentárias
Etapa 2 Revisão das peças recebidas Controladoria
Etapa 3 Discussão com os responsáveis Controladoria e áreas responsáveis
Etapa 4 Análise para aprovação Controladoria e Comitê Orçamentário
Retorno das peças orçamentárias com as
Etapa 5 Controladoria
sugestões e determinações do comitê
Ajuste das sugestões e determinações
Etapa 6 Controladoria e áreas responsáveis
do Comitê
Etapa 7 Análise final para aprovação Controladoria e Comitê Orçamentário
Etapa 8 Conclusão da peças orçamentárias Controladoria
Elaboração do orçamento geral de
Etapa 9 Controladoria
projeção dos demonstrativos contábeis
Etapa 10 Controle orçamentário Controladoria
Etapa 11 Reporte das variações Áreas responsáveis

Fonte: PADOVEZE, 2005, p. 198.

Modelo para construção do processo orçamentário.


Finanças Corporativas
90

3.2 Tipos de orçamento


A escolha do modelo orçamentário depende das particularidades da atividade de-
sempenhada em cada empresa. Ele deve atender às necessidades informacionais em
consonância com o resultado esperado. A seguir, são descritos os tipos de orçamento:

© MaksymYemelyanov / / Fotolia
Fotolia. Design Gráfico:
© chatchaisurakram / /

Bernardo Beghetto

Orçamento contínuo

É o mais usual, pois é estruturado para uma análise global da empresa. Geral-
mente, é previsto o prazo de um ano, o qual é subdivido em meses. Contudo, são per-
mitidas adequações mensais a partir do momento em que o período anterior esteja se
encerrando.
A principal característica é o trabalho com informações atualizadas. Por meio de-
las, a revisão de metas e o replanejamento de atividades proporcionam o controle per-
manente adequado à nova realidade e com resultados enquadrados nas condições do
mercado. Garrison e Noreen (2001, p. 263) argumentam:

Essa mecânica mantém os gerentes concentrados em um futuro de pelo menos um ano


à frente. Os defensores dos orçamentos contínuos sustentam que, com esse sistema, há
menor perigo de os gerentes ficarem concentrados demais em resultados de curto prazo
à medida que o ano avança.
Finanças Corporativas
91

Fotolia. Design Gráfico:


© chatchaisurakram / /

Bernardo Beghetto
Orçamento base zero

O orçamento base zero, diferentemente das demais modalidades orçamentárias,


não considera os dados do passado, uma vez que eles não influenciam nas novas si-
tuações analisadas. Ele divide o ciclo de atividades em um começo, um meio e um fim.
Normalmente, ele é utilizado por empresas que prestam serviços ou fabricam produ-
tos personalizados.
As análises desse orçamento atendem a objetivos predeterminados. Portanto,
o prazo estabelecido é aquele que será suficiente para cumprir a demanda solicitada.
Destaca-se como vantagem a maior integração dos componentes da empresa, que
precisam estar em constante comunicação para formular análises e estratégias a cada
novo orçamento iniciado. Essa modalidade também proporciona uma visão mais críti-
ca da análise de desempenho e dos resultados alcançados.

Em uma visão extremada, o orçamento base zero assume o desenvolvimento do plano sob
perspectiva da não existência de um passado, da inexistência da própria empresa. Na exce-
ção do termo, é como se a empresa fosse iniciar suas atividades a partir desse momento,
partindo do zero. Esse processo acaba por provocar um repensar geral e profundo de todas
as estruturas e operações até então adotadas (NASCIMENTO; REGINATO, 2009, p. 155).
Fotolia. Design Gráfico:
© chatchaisurakram / /

Bernardo Beghetto

Orçamento perpétuo

Também denominado orçamento estático, por ser considerado estável nos padrões
orçamentários, não admite frequentes alterações no volume previsto de produção e de
vendas. Mesmo com essa barreira na manutenção constante de seus dados, sua utiliza-
ção é verificada por empresas que operam em vários países e necessitam de uma base
informacional no momento da consolidação de um orçamento único e mestre.
Por consequência, a preservação das informações de produção e vendas permite a
estabilidade das demais peças de controle vinculadas aos outros setores empresariais.
Padoveze (2010, p. 43) ressalta:

Esse orçamento consolidado é vital para que a organização tenha uma visão geral de seus
negócios e dos resultados econômicos esperados para o próximo ano, para aprovação de
sua diretoria máxima. Nesse sentido, o orçamento estático é importante, já que eventuais
alterações de volume em algumas de suas divisões não necessariamente impactarão de
forma significativa no total dos orçamentos.
Finanças Corporativas
92

Fotolia. Design Gráfico:


© chatchaisurakram / /

Bernardo Beghetto
Orçamento flexível

Tem como propósito contrapor as ideias formalizadas pelo orçamento perpétuo.


Seu enfoque principal está vinculado à análise por quantidades e enfatiza os precei-
tos de custos fixos e variáveis. A aplicabilidade é voltada especificamente ao proces-
so operacional, de forma a produzir análises sobre preços de venda, margem de lucro,
custo final e por departamentos. Hoji e Silva (2010, p. 33) sintetizam:

Para elaborar o orçamento flexível (ou orçamento variável), devem ser segregados os cus-
tos fixos e variáveis, pois enquanto os custos variáveis acompanham a variação do volume
de atividades, os custos fixos não sofrem alteração no seu valor durante um certo período.

Quando se acompanha e se monitora os gastos por quantidades, evidencia-se


uma deficiência desse modelo: não é possível estabelecer uma previsão futura, um dos
fundamentos básicos do orçamento.

3.3 Variações práticas de um planejamento


orçamentário e financeiro
O planejamento ou plano orçamentário é formado pelo conjunto de peças orça-
mentárias, elaboradas para atender às necessidades de informações de departamentos
específicos, que interagem no intuito de atingir um objetivo global. Esse objetivo normal-
mente está relacionado ao aumento de ganhos por meio do planejamento de metas a se-
rem alcançadas.
As propostas de controles específicos dos departamentos empresariais irão variar
de acordo com o segmento ao qual a organização está vinculada, seja esse indústria,
comércio ou prestação de serviços. Cabe ao gestor propor as adaptações convenientes
para cumprir os propósitos determinados.
Finanças Corporativas
93

Um modelo de orçamento geral pode ser constituído pelas seguintes peças


específicas:

P 1. Orçamento de vendas

P 2. Orçamento de produção

P 3. Orçamento de matérias-primas ou materiais diretos

P 4. Orçamento de compras

P 5. Orçamento de mão de obra direta

P 6. Orçamento de custos indiretos

P 7. Orçamento do custo do produto vendido

P 8. Orçamento de despesas administrativas e de vendas

P 9. Orçamento de despesas de capital

P 10. Orçamento de estoques finais

P 11. Orçamento de caixa

Design Gráfico: Bernardo Beghetto


P 12. Projeção de demonstração de resultado

P 13. Projeção de balanço patrimonial


Finanças Corporativas
94

A figura a seguir demonstra as inter-relações entre os orçamentos.

Orçamento das
vendas

Previsão de Orçamento
estoque final da produção Orçamento das
vendas

Orçamento dos Orçamento de Orçamento de


Orçamento CPV
materiais diretos mão de obra custos indiretos
direta fabricação

Compras
Orçamento de
caixa

Demonstração de Balanço
Design Gráfico: Bernardo Beghetto

Orçamento de
resultado orçada patrimonial
capital
orçado

Fonte: GARRISON; NOREEN, 2001, p. 267. (Adaptado).

Integração orçamentária.
Finanças Corporativas
95

Ao analisar o esquema proposto, entende-se o porquê de a empresa trabalhar de


forma integrada. O resultado de cada orçamento influenciará na execução e no contro-
le dos demais que, juntos, retratam a situação financeira e patrimonial, além dos resul-
tados da organização.
O cuidado no tratamento dos dados e das informações a serem lançados nos con-
troles é vital para o sucesso do plano orçamentário. A pesquisa de mercado, os índices
financeiros e os prazos de pagamento e recebimento adotados nos ciclos empresariais
são alguns fatores que permanentemente devem ser revistos para o ajuste do plano a
uma realidade mais próxima da organização.
Não é recomendada a implantação do orçamento no primeiro ano de atividades
da empresa, uma vez que nessa fase existem vários fatores de adaptação ao mercado,
tais como fidelização de clientes, divulgação do produto ou do serviço, e faltam parâ-
metros que justifiquem as metas a serem fixadas. Morante e Jorge (2008, p. 57) corro-
boram com essa afirmação:

Um primeiro orçamento empresarial integrado se faz, geralmente, com alguma dificulda-


de relativa: ausência de dados, ausência de elementos comparativos, dificuldade na estru-
turação das informações, divergência entre os participantes do processo com dispêndio
de energia e duplicidade e outros que tais. É, portanto, conveniente estabelecer-se uma
prática precedente, a fim de que os participantes possam fazer suas experiências e de-
senvolver melhor suas recomendações, com a necessária riqueza de detalhes exigida pelo
planejamento e consolidação do processo e da memória de cálculo que serviu de base
para as decisões relevantes.

A fixação do período de análise orçamentária dependerá do tempo vinculado


ao planejamento estratégico da empresa. Não há utilidade na projeção de expectati-
vas sem que haja a definição das diretrizes que nortearão o processo. O orçamento de
vendas é o primeiro componente do plano orçamentário e representa a base informa-
cional das demais etapas. Seu objetivo é estimar a quantidade de produtos ou serviços
a serem vendidos no período considerado e a previsão de receita a ser arrecadada.
A importância desse orçamento está nas variáveis de análise consideradas du-
rante o período de sua elaboração. Elas podem também ser acrescentadas nos pa-
râmetros desse controle para mensuração de outros cenários. Na constituição do
orçamento de vendas, as considerações pertinentes estão associadas às variações con-
troláveis, não controláveis e às especiais.
Morante e Jorge (2008) apontam como variáveis controláveis a formação de preços
de venda, a base de produtos e suas quantidades e a base de clientes relacionados pela
área geográfica de abrangência da empresa.
Finanças Corporativas
96

Nesse último aspecto, é possível detectar a influência da sazonalidade do produ-


to/serviço. Devido a essa característica, faz-se uma análise paralela da necessidade ou
não de implementação de capital de giro. As variáveis incontroláveis ou restrições ex-
ternas, no entendimento de Carneiro e Matias (2011), compreendem os aspectos do
mercado e da economia, como inflação, políticas de crédito e cambial, mercado forne-
cedor de matéria-prima, concorrentes atuais e potenciais. A empresa tem um campo
de atuação reduzido quanto a esses fatores e precisa se adaptar a eles para dar conti-
nuidade a suas atividades.

© bloomua / / Fotolia

O gestor deve ser perspicaz e criativo para conduzir o plano orçamentário con-
siderando todos esses aspectos e também as variáveis especiais que são formuladas
mediante as características particulares da empresa. Figuram os fatores tributários,
incidentes sobre a venda do produto/serviço (ICMS, PIS, Cofins, ISS), além das consi-
derações repassadas pelo setor de marketing e vendas, como o percentual relativo à
comissão de vendedores.
Para o entendimento da aplicação do plano orçamentário, será considerado o
exemplo hipotético da empresa Perfume, fabricante de sabonetes de 90g, para o pe-
ríodo de um ano.
As vendas consistem em uma quantidade fixa para os seis primeiros meses de
150.000 unidades ao mês e, no segundo semestre, estima-se um aumento de 10%, es-
tabilizando-se nos demais meses do ano. O preço de venda é de R$ 2,60 e, a partir de
julho, sofrerá correção de 5% em razão de medidas inflacionárias. Os impostos inciden-
tes são ICMS (18%), PIS (1,65%) e Cofins (7,6%), considerando o regime do lucro real.
Finanças Corporativas
97

Orçamento de vendas da empresa Perfume


PRODUTO QUANTIDADE PREÇO FATURAMENTO PIS COFINS FATURAMENTO
ICMS (18%)
SABONETE VENDIDA UNITÁRIO BRUTO (1,65%) (7,6%) LÍQUIDO

JAN. 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

FEV. 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

MAR. 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

ABR. 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

MAIO 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

JUN. 150.000 2,60 390.000,00 70.200,00 6.435,00 29.640,00 283.725,00

JUL. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

AGO. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

SET. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

OUT. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

NOV. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

DEZ. 165.000 2,73 450.450,00 81.081,00 7.432,43 34.234,20 327.702,37

TOTAL 1.890.000 5.042.700,00 907.686,00 83.204,58 383.245,20 3.668.564,22

Na sequência do orçamento de vendas, é elaborado o orçamento de produção.


Com base na projeção da quantidade vendida, estima-se a quantidade necessária de
produção, considerando-se a margem de estoques a ser programada. Trata-se de um
orçamento não financeiro.
Paralelamente, esse orçamento viabiliza a melhor gestão de estoques da empresa
no intuito de escolher métodos adequados de armazenamento e movimentação de es-
toques. Figueiredo e Caggiano (1997, p. 116) discorrem sobre outras alternativas perti-
nentes na análise desse orçamento:
Uma pré-condição para viabilização das projeções de vendas é a adequação da capacida-
de produtiva instalada da planta com o nível de saídas previstas. Se a capacidade existen-
te for inadequada, poderão ser avaliadas as seguintes alternativas: introdução de turnos
extras de trabalho, subcontratação de parte da produção ou locação ou aquisição de no-
vos equipamentos.

É conveniente reforçar que as metas


consideradas no plano orçamentário de-
vem ser condizentes com as condições da
estrutura empresarial. Assim, não são oca-
© AleksandrBedrin / / Fotolia

sionadas frustrações e insatisfações por


parte dos colaboradores pela impossibili-
dade de atingir o que havia sido planejado.
Finanças Corporativas
98

A política de estoques da empresa Perfume é armazenar, mensalmente, 1,5% das


quantidades programadas para venda. O motivo dessa medida é provocar o favoreci-
mento do prazo de validade dos produtos e dispor de unidades prontas, no caso de so-
licitações emergenciais. No fim do ano anterior, ficaram em estoque 3.000 unidades
de sabonetes.

Orçamento de produção da empresa Perfume


JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL

ESTOQUE FINAL 2.250 2.250 2.250 2.250 2.250 2.250 2.475 2.475 2.475 2.475 2.475 2.475 28.350

(+) QUANTIDADE
150.000 150.000 150.000 150.000 150.000 150.000 165.000 165.000 165.000 165.000 165.000 165.000 1.890.000
VENDIDA

(=) QUANTIDADE
152.250 152.250 152.250 152.250 152.250 152.250 167.475 167.475 167.475 167.475 167.475 167.475 1.918.350
DISPONÍVEL

(–) ESTOQUE
3.000 2.250 2.250 2.250 2.250 2.250 2.250 2.475 2.475 2.475 2.475 2.475 28.875
INICIAL

(=) PRODUÇÃO
149.250 150.000 150.000 150.000 150.000 150.000 165.225 165.000 165.000 165.000 165.000 165.000 1.889.475
NECESSÁRIA

Baseando-se na quantidade necessária de produção, esse orçamento de maté-


rias-primas ou materiais diretos retrata o início do cálculo dos custos vinculados ao
produto/serviço a ser oferecido para o mercado. A atenção maior fica a cargo da quan-
tidade de matéria-prima a ser planejada para compra em quantidades suficientes.
Portanto, a resposta obtida nessa peça orçamentária é traduzida em quantida-
des, sem a ocorrência de mensuração financeira.

Segundo Bornia (2010, p. 15), a matéria-prima é constituída pelos principais materiais integran-
tes do produto. Estes, por sua vez, podem ser convenientemente separados em unidades físicas
próprias.

A empresa Perfume adota como matéria-prima a glicerina, que é adquirida por


quilograma. Cada sabonete recebe 45 g do produto.
Finanças Corporativas
99

Orçamento de matéria-prima da empresa Perfume


QUANTIDADE
MATÉRIA-PRIMA QUANTIDADE UTILIZAÇÃO POR
EMPREGADA NA
(GLICERINA) PRODUZIDA UNIDADE (45 g)
PRODUÇÃO EM KG

JAN. 149.250 6.716.250 g 6.716

FEV. 150.000 6.750.000 g 6.750

MAR. 150.000 6.750.000 g 6.750

ABR. 150.000 6.750.000 g 6.750

MAIO 150.000 6.750.000 g 6.750

JUN. 150.000 6.750.000 g 6.750

JUL. 165.225 7.435.125 g 7.435

AGO. 165.000 7.425.000 g 7.425

SET. 165.000 7.425.000 g 7.425

OUT. 165.000 7.425.000 g 7.425

NOV. 165.000 7.425.000 g 7.425

DEZ. 165.000 7.425.000 g 7.425

TOTAL 1.889.475 85.026.375 g 85.026

Com os dados definidos no orçamento de compras de matéria-prima, é possível re-


gistrar a quantidade necessária de compra com os fornecedores e o valor a ser pago com
base no preço de custo do material. Para uma melhor gestão de materiais e adequação de
prazos de pagamentos, variáveis como alterações de preços dos fornecedores, projeções
de estoques e crédito de impostos precisam ser analisadas. Os prazos de pagamentos tam-
bém irão influenciar na projeção financeira da empresa, mediante o orçamento de caixa.

Para o fechamento da quantidade de matéria-prima empregada na produção, o ideal é a con-


versão dos valores para os padrões de compra do material, no caso, quilogramas.

Para o critério de planejamento dos estoques de matéria-prima, alguns aspectos


minuciosos devem ser observados. Morante e Jorge (2008, p. 65-66) destacam:

a) o escalonamento e as quantidades necessárias de cada tipo de matéria-prima envolvida


no processo produtivo;
b) a política de preços de aquisição, considerando, especialmente, os descontos envol-
vidos nas escalas quantitativas adquiridas na forma de pedido único para entregas
parceladas;
c) o amplo conhecimento das disponibilidades destas matérias-primas nos estoques dos
fornecedores;
d) o amplo conhecimento da durabilidade da matéria-prima e cuidados especiais na sua
estocagem na área de produção;
e) os aspectos relacionados à logística e armazenagem da matéria-prima;
Finanças Corporativas
100

f) os riscos envolvidos na manutenção dos estoques para efeitos de dimensionamento


dos custos com seguros e outras despesas inerentes;
g) riscos de desabastecimento ou sazonalidade envolvida no abastecimento das matérias -
-primas;
h) as variações de preços no passado recente e eventuais variações que possam ocorrer
em um futuro próximo;
i) as possibilidades e mortalidades de financiamento das aquisições de matérias-primas;
j) os custos de oportunidade envolvidos na aquisição antecipada e/ou formação de esto-
ques de matérias-primas.

A equipe de trabalho que controla a


movimentação de estoques e realiza os
pedidos de compras consegue suprir essa
base de dados por conhecer as necessida-

© Aaron Amat / / Fotolia


des de materiais e o fluxo das operações da
empresa.
Para o caso da empresa Perfume, cada
quilograma de glicerina é comprado por
R$ 2,10, e o fornecedor oferece o prazo de 30 a 60 dias para o pagamento. No mês de ju-
lho, o preço sofreu um acréscimo de 4,5%, passando a valer R$ 2,19 até o fim do ano.
Os estoques finais compreendem 10% da quantidade empregada na produção
programada para o mês, tendo em vista altos índices de desperdício. No fim do ano
anterior, a empresa registrou um estoque de 250 kg, que foi repassado para os traba-
lhos iniciais do novo exercício.

Orçamento de compras da empresa Perfume


PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL
Matéria-prima
(GLICERINA)
ESTOQUE
672 675 675 675 675 675 744 743 743 743 743 743 8.506
FINAL
(+) CONSUMO
6.716 6.750 6.750 6.750 6.750 6.750 7.435 7.425 7.425 7.425 7.425 7.425 85.026
(3)
(=)
QUANTIDADE 7.388 7.425 7.425 7.425 7.425 7.425 8.179 8.168 8.168 8.168 8.168 8.168 93.532
NECESSÁRIA
(-) ESTOQUE
250 672 675 675 675 675 675 744 743 743 743 743 8.013
INICIAL
(=)
QUANTIDADE
7.138 6.753 6.750 6.750 6.750 6.750 7.504 7.424 7.425 7.425 7.425 7.425 85.519
DE COMPRA
(UNID)
PREÇO
UNITÁRIO 2,10 2,10 2,10 2,10 2,10 2,10 2,19 2,19 2,19 2,19 2,19 2,19
POR KG
TOTAL DE
COMPRAS 14.989,80 14.181,30 14.175,00 14.175,00 14.175,00 14.175,00 16.433,76 16.258,56 16.260,75 16.260,75 16.260,75 16.260,75 183.606,42
(R$)
Finanças Corporativas
101

O ponto de partida para o orçamento de mão de obra direta é a quantidade pro-


duzida. Ele visa ao planejamento de recursos humanos suficientes para atender à
produção necessária e é também um parâmetro acerca dos níveis de produtividade
empresarial. Aliado aos controles contábeis, fornecidos pelo departamento de recur-
sos humanos da empresa, esse tipo de orçamento consegue mensurar, de forma geral,
o impacto financeiro de salários e encargos de responsabilidade da empresa no custo
do produto.

“Os custos de mão de obra direta (MOD) são aqueles diretamente relacionados com os traba-
lhadores em atividades de confecção do produto, isto é, representam o salário dos operários
diretamente envolvidos com a produção” (BORNIA, 2010, p. 16, grifos do autor).

Moreira apud Nascimento e Reginato (2009, p. 165) complementa que o orça-


mento de mão de obra direta visa determinar, “por produtos, departamentos e perío-
dos, o volume e os custos das horas aplicadas diretamente à produção, em função das
quantidades dos produtos a serem fabricados”. Assim, mediante análise comparativa
com o custo de mão de obra direta, apresentado pelo setor de custos da empresa, é
possível relacionar por departamentos o valor agregado com salários. Contudo, isso
pode ser caracterizado como um aspecto falho, pois os valores financeiros registrados
nesse orçamento não condizem com a folha de pagamento. Os descontos que figuram
no salário dos funcionários não são destacados devido às suas particularidades.
Com relação à empresa Perfume, os departamentos produtivos são separados
em elaboração e embalagem do produto. Cada sabonete fica 1 minuto no setor de ela-
boração e 2 minutos no setor de embalagem
O custo bruto da hora trabalhada no departamento de elaboração é de R$ 3,00 e
no de embalagem, R$ 2,50. Ainda compete à empresa o pagamento dos encargos de
FGTS de 8% e INSS 12%.
Orçamento de mão de obra direta da empresa Perfume

PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL
Finanças Corporativas

Produção (2) 149.250 150.000 150.000 150.000 150.000 150.000 165.225 165.000 165.000 165.000 165.000 165.000 1.889.475

SABONETE

Horas de MOD

DEPTO.
ELABORAÇÃO 2.487,5 2.500,0 2.500,0 2.500,0 2.500,0 2.500,0 2.753,8 2.750,0 2.750,0 2.750,0 2.750,0 2.750,0 31.491,3
(1 MIN)

DEPTO.
EMBALAGEM 4.975,0 5.000,0 5.000,0 5.000,0 5.000,0 5.000,0 5.507,5 5.500,0 5.500,0 5.500,0 5.500,0 5.500,0 62.983
(2 MIN)

Total 7.462,5 7.500,0 7.500,0 7.500,0 7.500,0 7.500,0 8.261,3 8.250,0 8.250,0 8.250,0 8.250,0 8.250,0 94.473,8

Custo da MOD

DEPTO.
ELABORAÇÃO 7.462,50 7.500,00 7.500,00 7.500,00 7.500,00 7.500,00 8.261,25 8.250,00 8.250,00 8.250,00 8.250,00 8.250,00 94.473,75
(R$ 3,00/H)

DEPTO.
EMBALAGEM 12.437,50 12.500,00 12.500,00 12.500,00 12.500,00 12.500,00 13.768,75 13.750,00 13.750,00 13.750,00 13.750,00 13.750,00 157.456,25
(R$ 2,50/H)

Total de mão
19.900,00 20.000,00 20.000,00 20.000,00 20.000,00 20.000,00 22.030,00 22.000,00 22.000,00 22.000,00 22.000,00 22.000,00 251.930,00
de obra direta

FGTS (8%) 1.592,00 1.600,00 1.600,00 1.600,00 1.600,00 1.600,00 1.762,40 1.760,00 1.760,00 1.760,00 1.760,00 1.760,00 20.154,40

INSS (12%) 2.388,00 2.400,00 2.400,00 2.400,00 2.400,00 2.400,00 2.643,60 2.640,00 2.640,00 2.640,00 2.640,00 2.640,00 30.231,60

TOTAL FINAL 23.880,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 26.436,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00 302.316,00
102
Finanças Corporativas
103

A previsão dos custos indiretos requer alguns cuidados por parte da empre-
sa, principalmente pela razão de ocorrer muitas oscilações no processo produtivo.
Segundo Bruni e Famá (2008, p. 81),

Os Custos Indiretos de Fabricação ou, simplesmente, CIFs são os gastos identificados com
a função de produção ou elaboração do serviço a ser comercializado e que, como próprio
nome já revela, não podem ser associados diretamente a um produto ou serviço específi-
co. Exemplo: algumas despesas de depreciação, salários de supervisores de diferentes li-
nhas de produção etc.

Para a composição dos valores estimados no orçamento, é necessária a divisão


em dois grupos de custos específicos: fixos e variáveis.
Os custos indiretos fixos são aqueles que, no orçamento, serão verificados duran-
te todo o período orçamentário. Não há grandes possibilidades de mudanças de valo-
res, o que, ao contrário, representaria um impacto financeiro para outros orçamentos.
Os custos indiretos variáveis são aqueles que compõem o produto e, por isso, são
relacionados com a quantidade produzida. Mas não são classificados como matéria-
-prima ou material direto.
A empresa Perfume prevê, mediante controles internos, a aplicação de R$ 0,06
por unidade produzida de corante para os sabonetes. Também considera a deprecia-
ção de R$ 100,00 ao mês, a vigilância da fábrica de R$ 80,00 ao mês e o salário dos su-
pervisores de produção de R$ 1.200,00 ao mês.

C
FIXUSTO
OS S
© robu_s / / Fotolia. Design Gráfico: Bernardo Beghetto

OS IS
ST VE
CUARIÁ
V
Finanças Corporativas
104

Orçamento de custos indiretos da empresa Perfume


PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL

Produção (2) 149.250 150.000 150.000 150.000 150.000 150.000 165.225 165.000 165.000 165.000 165.000 165.000 1.889.475

CUSTO
VARIÁVEL

CORANTE
8.955,00 9.000,00 9.000,00 9.000,00 9.000,00 9.000,00 9.913,50 9.900,00 9.900,00 9.900,00 9.900,00 9.900,00 113.368,50
(R$ 0,06)

Custo Fixo

Depreciação 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 100,00 1.200,00

Vigilância 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 80,00 960,00

Salários de
1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 1.200,00 14.400,00
supervisores

Total R$ 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 1.380,00 16.560,00

TOTAL
10.335,00 10.380,00 10.380,00 10.380,00 10.380,00 10.380,00 11.293,50 11.280,00 11.280,00 11.280,00 11.280,00 11.280,00 129.928,50
GERAL

O objetivo desse orçamento de estoques finais é apresentar um resumo para con-


solidar as informações que irão compor os demonstrativos finais do plano orçamentá-
rio. Para o gestor, é um meio de obter dados imediatos relativos à programação final
de estoques e ao valor empregado. Nesse momento, já é possível conhecer o custo do
produto acabado, visto que já houve o registro dos elementos agregadores de custo
nos orçamentos anteriores.
O valor de matéria-prima é outro item de estoque. Portanto, registra-se o preço
contabilizado nas compras do final do exercício ou o preço médio, de acordo com o
método de controle de estoques adotado pela empresa.

Orçamento de estoques finais da empresa Perfume


Orçamento de estoque final de matéria-prima

Matéria-prima (glicerina)

Estoque final (un.) 743

Custo unitário (R$) 2,19

Estoque final (R$) 1.627,17

Orçamento de estoque final de produtos acabados

Produto (sabonete)

Estoque final (un.) 2.475

Custo unitário (R$) 0,33

Estoque final (R$) 816,75


Finanças Corporativas
105

O valor do custo final do produto acabado, em R$, é composto por: Matéria-prima: R$ 0,10;
Mão de obra direta: R$ 0,16; Custo indireto variável: R$ 0,06; Custo indireto fixo: R$ 0,01;
Total: R$ 0,33.

No plano orçamentário, a classificação e a previsão das despesas torna-se um su-


porte gerencial para controle de gastos em excesso. Além disso, é possível planejar o
estabelecimento de ações futuras que visem à geração de alguma economia financeira
em fatores dimensionados nesse orçamento.

Despesas estão associadas a gastos administrativos e/ou a vendas e incidência de juros


(despesas financeiras). Possuem natureza não fabril, integrando a demonstração do resul-
tado do período em que incorrem. Diz-se que as despesas estão associadas ao momento
de seu consumo ou ocorrência. São, portanto, temporais (BRUNI; FAMÁ, 2008, p. 25, gri-
fos do original).

A questão temporal também influencia o orçamento, o que exige adequação


periódica por parte do gestor devido ao aparecimento de despesas inesperadas. Por
outro lado, alguns elementos de gastos administrativos são de fácil constatação finan-
ceira e outras estimativas são de fácil elaboração.
Hoji (2008, p. 459) conceitua:

O orçamento de Despesas de Vendas visa a dimensionar os recursos necessários para dar


suporte às vendas orçadas. A maioria das despesas de vendas é de natureza fixa. Algumas
despesas de vendas e distribuição são variáveis, isto é, variam em função do volume de
vendas.

O orçamento de despesas administrativas tem a finalidade de determinar os re-


cursos que serão despendidos com a gestão da empresa. O gestor, por sua vez, tem a
possibilidade de realizar alterações de valores necessários para algumas despesas, com
base nas informações de mercado. Por exemplo: os aluguéis são registrados normal-
mente uma vez por ano pelo índice econômico (IGP-M), as despesas de propaganda
podem ser determinadas mediante contratos com agências de publicidade e os salá-
rios e encargos administrativos também têm registros anuais.
As projeções realizadas pela empresa Perfume nas despesas administrativas
foram:
Salários: R$ 5.300,00 ao mês.
Aluguel: R$ 950,00 ao mês, com reajuste de 6% no mês de dezembro.
Propaganda: R$ 420,00 ao mês, conforme contrato.
Finanças Corporativas
106

Comunicações e eletricidade: R$ 850,00 ao mês (média).


Comissão de vendedores: 0,5% do valor da venda mensal.

Orçamento de despesas administrativas da empresa Perfume


PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL

1. Despesas
administrativas

Salários da
5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 5.300,00 63.600,00
administração

Aluguel 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 950,00 11.400,00

Comunicações
850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 850,00 10.200,00
e eletricidade

TOTAL 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 7.100,00 85.200,00

2. Despesas de
vendas

Propaganda 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 420,00 5.040,00

Comissão de
1.950,00 1.950,00 1.950,00 1.950,00 1.950,00 1.950,00 2.252,25 2.252,25 2.252,25 2.252,25 2.252,25 2.252,25 25.213,50
vendedores

TOTAL GERAL 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25 115.453,50

O orçamento de capital é um controle determinado pelo planejamento estraté-


gico da empresa. Por se tratar de investimentos que são projetados em longo prazo, a
sua definição passa por etapas prévias, que consistem no estudo de viabilidade asso-
ciado às questões de risco e retorno. Groppelli e Nikbakht (2009, p. 121) confirmam:

Orçamento de capital é uma ferramenta gerencial necessária. Uma das responsabilida-


des de um gerente financeiro é escolher investimentos com fluxos de caixa e taxas de
retorno satisfatórias. Portanto, um gerente financeiro deve ser capaz de decidir se um in-
vestimento é valioso ou não, e de escolher, de maneira inteligente, entre duas ou mais
alternativas.

Algumas das possibilidades de investimentos de capital estão associadas a re-


cursos aplicados em ativos com características permanentes e que vão produzir re-
sultados por longo prazo. Como exemplo, tem-se a aquisição de máquinas, terrenos,
participações em empresas coligadas ou controladas e a implementação de novos pro-
dutos. Hoji (2008, p. 167) acrescenta que:

Para dar suporte às decisões de investimentos, as análises de viabilidade econômica de-


vem ser feitas com métodos e critérios que demonstrem com bastante clareza os retor-
nos sobre os investimentos, considerando os níveis de risco assumidos. Nesse contexto,
as simulações são muito importantes para analisar a viabilidade econômica dos projetos.
Finanças Corporativas
107

Após a definição do investimento a


ser realizado, o orçamento de despesas de
capital serve para motivação do investi-

© Brian Jackson / / Fotolia


mento. Como esses projetos são realizados
em longo prazo, seus valores perduram por
mais de um exercício, necessitando de revi-
sões periódicas de valores.
Foi projetado para a empresa Perfume o investimento em uma máquina para mo-
delar o sabonete de forma diferenciada. O financiamento realizado resultou em 24
parcelas mensais de R$ 268,00, já incluídos os juros.
Para a prática orçamentária, os valores podem ser lançados diretamente no orça-
mento de caixa ou constituídos em quadros auxiliares para acompanhamento, o que é
recomendado.

Orçamento de despesas de capital da empresa Perfume


PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ. TOTAL

AQUISIÇÃO
DE MÁQUINA

PAGAMENTOS 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 3.216,00

O orçamento do custo do produto vendido resume os aspectos de custos liga-


dos aos produtos/serviços projetados nos orçamentos anteriores. Para colaborar com
a análise de resultados, a resposta desse orçamento é uma estimativa do custo do pro-
duto vendido. Se esse custo for confrontado com a receita esperada, geram-se refle-
xões acerca do preço de venda planejado. Para constituir o orçamento do custo do
produto vendido, são utilizados dados do balanço patrimonial da empresa do exercício
anterior e as respostas dos cálculos realizados em orçamentos anteriores.
A empresa Perfume apresenta no balanço patrimonial encerrado no exercício an-
terior um saldo em estoques de matéria-prima de R$ 500,00 e, nos estoques de produ-
tos acabados, um valor de R$ 2.100,00.
Finanças Corporativas
108

Orçamento de custos dos produtos vendidos da empresa Perfume


Estoque inicial de matéria-prima (exercício anterior) R$ 500,00
(+) Compras (4) R$ 183.606,42
(=) Matéria-prima disponível R$ 184.106,42
(–) Estoque final de matéria-prima (7) R$ 1.627,17
(=) Matéria-prima consumida na produção R$ 182.479,25
(+) Custo da mão de obra direta (5) R$ 302.316,00
(+) Custo indireto (6) R$ 129.928,50
(=) Custo de produção orçado R$ 614.723,75
(+) estoque inicial de produto acabado (exercício anterior) R$ 2.100,00
(–) Estoque final de produto acabado (7) R$ 816,75
(=) Custo orçado dos produtos vendidos R$ 616.007,00
(4) Orçamento de compras
(5) Orçamento de mão de obra direta
(6) Orçamento de custos indiretos
(7) Orçamento de estoques finais

Levando-se em consideração a informação financeira, o orçamento de caixa é


visto como um controle essencial na avaliação dos recursos movimentados em todo o
processo operacional e de investimentos na empresa. Com ele, é possível o gestor pre-
ver questões como falta de recursos, revisão de prazos para clientes, adequações de
obrigações do exercício anterior ou sobra de recursos.
Convém lembrar que os dados são estimativas e, portanto, na execução real
do planejamento, poderão ocorrer distorções de valores. Sanvicente e Santos apud
Carneiro e Matias (2011, p. 67, grifos do original) contextualizam que: “[...] o orçamen-
to de caixa consiste em estimar as entradas no caixa, decorrentes das vendas dos pro-
dutos e outras receitas, e as saídas do caixa, resultantes dos custos, das despesas
operacionais e outros gastos”.
O tempo de definição do controle de caixa vai depender da natureza do negócio.
No caso do orçamento, o acompanhamento geralmente é feito durante um ano e pode
ser subdividido em unidades menores como trimestres, bimestres, meses. Para empre-
sas que trabalham com produtos ou atividades sazonais, é conveniente que o intervalo
de análise seja preparado para períodos menores, tendo em vista a oscilação constan-
te de receitas.
Finanças Corporativas
109

A inflação é um fator que exige uma análise detalhada do orçamento de caixa,


pois perde-se o poder de compra no mercado quando se prioriza a manutenção dos
ativos monetários da empresa. Em consequência disso, a liquidez poderá ser afetada,
provocando situações de inadimplência. Logo, deve-se buscar o ajuste nos preços de
venda para não deixar o produto/serviço em desvantagem no mercado. Contudo, de-
ve-se também estudar formas de conservá-lo rentável.
No exemplo de aplicação dos orçamentos na empresa Perfume, as vendas são
programadas em 50% à vista e o restante em 30 dias.
Do exercício anterior, ficaram: o saldo de clientes de R$ 130.000,00 para rece-
bimento em janeiro; o pagamento de fornecedores de R$ 15.000,00 para o primeiro
mês; e os impostos no valor de R$ 100.000,00, que serão pagos em quatro parcelas de
R$ 25.000,00, em meses subsequentes.
No caso das compras (orçamento 4), o valor deverá ser registrado conforme as
condições de pagamento aos fornecedores (30 e 60 dias).
Orçamento de caixa da empresa Perfume
PERÍODO JAN. FEV. MAR. ABR. MAIO JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

Saldo Inicial 41.161,07 176.033,07 383.245,17 583.366,62 783.895,47 1.009.427,47 1.234.959,47 1.470.592,09 1.735.369,83 1.999.105,79 2.262.928,25 2.526.749,61

Entradas

Clientes (saldo
130.000,00
de balanço)
Finanças Corporativas

50% das vendas


195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00
a vista (1)

50% das vendas


195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 195.000,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00 225.225,00
(a prazo)

(=) Total das


325.000,00 390.000,00 390.000,00 390.000,00 390.000,00 390.000,00 420.225,00 450.450,00 450.450,00 450.450,00 450.450,00 450.450,00
entradas

Caixa disponível 366.161,07 566.033,07 773.245,17 973.366,62 1.173.895,47 1.399.427,47 1.655.184,47 1.921.042,09 2.185.819,83 2.449.555,79 2.713.378,25 2.977.199,61

Saídas

ICMS (1) 70.200,00 70.200,00 70.200,00 70.200,00 70.200,00 70.200,00 81.081,00 81.081,00 81.081,00 81.081,00 81.081,00 81.081,00

PIS (1) 6.435,00 6.435,00 6.435,00 6.435,00 6.435,00 6.435,00 7.432,43 7.432,43 7.432,43 7.432,43 7.432,43 7.432,43

COFINS (1) 29.640,00 29.640,00 29.640,00 29.640,00 29.640,00 29.640,00 34.234,20 34.234,20 34.234,20 34.234,20 34.234,20 34.234,20

Compras (4) 7.494,90 14.585,55 14.178,15 14.175,00 14.175,00 14.175,00 15.304,38 16.346,16 16.259,66 16.260,76 16.260,76

Mão de obra
23.880,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 24.000,00 26.436,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00 26.400,00
direta (5)

Custos indiretos
10.235,00 10.280,00 10.280,00 10.280,00 10.280,00 10.280,00 11.193,50 11.180,00 11.180,00 11.180,00 11.180,00 11.180,00
(6)

Despesas de
administração 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.470,00 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25 9.772,25
e vendas (8)

Despesas de
268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00 268,00
capital

Fornecedores
15.000,00
(saldo BP)

Taxas e
impostos (saldo 25.000,00 25.000,00 25.000,00 25.000,00
do BP)

Total das saídas 190.128,00 182.787,90 189.878,55 189.471,15 164.468,00 164.468,00 184.592,38 185.672,26 186.714,04 186.627,54 186.628,64 186.628,64

Saldo final 176.033,07 383.245,17 583.366,62 783.895,47 1.009.427,47 1.234.959,47 1.470.592,09 1.735.369,83 1.999.105,79 2.262.928,25 2.526.749,61 2.790.570,97
110
Finanças Corporativas
111

A modalidade orçamentária da demonstração de resultado tem como propósito


prever a possível situação de lucro da empresa, com base no que foi planejado no pla-
no orçamentário. Não segue o modelo formal utilizado pela contabilidade, nem é es-
truturada conforme as normas vigentes.
Como se trata de um controle gerencial, atende às informações previstas nos orça-
mentos. Na visão de Nascimento e Reginato (2009, p. 169),

[...] o orçamento da demonstração do resultado passa a ser o primeiro estágio em que as


operações planejadas são submetidas a uma análise macro em termos da sua capacidade
de gerar os resultados desejados. Serve como ponto de referência para direcionar decisões
sobre a viabilidade dos negócios no âmbito das operações assumidas como as melhores al-
ternativas de que dispõe a condução dos negócios. Portanto, aprovar ou não o plano dese-
nhado em grande parte depende da análise que se faz dessa pela orçamentária.

De posse desse orçamento, ainda é possível considerar os seguintes fatores:

1) Os aspectos relacionados

© 3Dmask / / Fotolia. Design Gráfico: Bernardo Beghetto


à margem de contribuição
global da empresa.

2) As novas abordagens, metas


e objetivos a serem preservados
ou modificados.

3) A comparação com o
resultado anterior.

Para a elaboração do orçamento, são utilizados os dados dos planos anteriores,


porém são enquadradas as alíquotas dos impostos no regime tributário da empresa.
Relembrando que a empresa Perfume está enquadrada no lucro real, os impostos
sobre o lucro totalizam 24% na base do valor do lucro antes dos impostos.
Finanças Corporativas
112

Projeção da demonstração de resultados da empresa Perfume


Receita de vendas (1) R$ 5.042.700,00

(–) Impostos sem vendas

(–) ICMS sem vendas R$ 907.686,00

(–) PIS sem faturamento R$ 83.204,58

(–) COFINS sem faturamento R$ 383.245,20

(=) Receita líquida R$ 3.668.564,22

(–) Custo dos produtos vendidos (10) R$ 616.007,00

(=) Lucro bruto R$ 3.052.557,22

(–) Despesas administrativas e de vendas (8) R$ 115.453,50

(=) Lucro antes dos impostos R$ 2.937.103,72

(–) Impostos sobre o lucro R$ 704.904,89

(=) Lucro líquido R$ 2.232.198,83

Empresa Perfume – Encerramento de resultado em 31/12.

Demonstração do resultado do exercício anterior da empresa Perfume


Receita de vendas 2.108.132,88

(–) Impostos sem vendas (574.466,21)

(–) ICMS sem vendas 379.463,92

(–) PIS sem faturamento 34.784,19

(–) COFINS sem faturamento 160.218,10

(=) Receita líquida 1.533.666,67

(–) Custo dos produtos vendidos (10) (1.008.000,00)

(=) Lucro bruto 525.666,67

(–) Despesas administrativas e de vendas (8) (R$ 109.000,00)

(=) Lucro antes dos impostos R$ 416.666,67

(–) Impostos sobre o lucro (R$100.000,00)

(=) Lucro líquido R$ 316.666,67


Finanças Corporativas
113

Semelhante à demonstração de resultado, a projeção do balanço patrimonial não


atende aos padrões fixados pelas normas contábeis em sua estruturação. O objetivo maior
é visualizar uma situação patrimonial com base no que for planejado no conjunto de or-
çamentos. A ineficiência dessa demonstração está em não contemplar todas as contas de
movimentação patrimonial da empresa, devido ao enfoque ser direcionado aos procedi-
mentos visualizados no orçamento. Assim, constituem-se informações parciais.
A evolução positiva do patrimônio representará o resultado da possível geração de
riqueza para a empresa. Também é verificável a mudança em alguns elementos patrimo-
niais quando comparamos a demonstração finalizada no exercício anterior.
A análise de índices econômicos e financeiros como liquidez, retorno sobre o pa-
trimônio líquido e retorno sobre investimentos pode oferecer subsídios para novas
ações diante do patrimônio apresentado

Projeção de balanço patrimonial da empresa Perfume


Ativo R$ Passivo R$

Circulante Circulante

Disponibilidades 2.790.570,97 Fornecedores 24.391,10

Clientes 225.225,00 Impostos a pagar 704.904,89

Estoques

Matéria-prima 1.627,17

Produtos acabados 816,75

Patrimônio líquido

Não circulante Capital social 100.000,00

Imobilizado Reservas de lucros 2.548.865,50

Terrenos 350.000,00

Máquinas 12.000,00

(–) Depreciação
(2.078,40)
acumulada

Total 3.378.161,49 Total 3.378.161,49


Finanças Corporativas
114

Balanço patrimonial da empresa Perfume do exercício anterior


Ativo R$ Passivo R$
Circulante Circulante
Disponibilidades 41.161,07 Fornecedores 15.000,00
Clientes 130.000,00 Impostos a pagar 100.000,00
Estoques
Matéria-prima 500,00
Produtos acabados 2.100,00
Patrimônio líquido
Não circulante Capital social 100.000,00
Imobilizado Reservas de lucros 316.666,67
Terrenos 350.000,00
Máquinas 8.784,00
(–) Depreciação acumulada (878,40)
Total 531.666,67 Total 531.666,67

3.4 Avaliação de desempenho


A empresa é entendida como um sis-
tema macro, composto por diversos sub-
sistemas. Ela precisa agir harmonicamen-
te para que os resultados planejados al-
cancem ou superem os objetivos e metas
determinados.
© Olivier Le Moal / / Fotolia

O resultado da empresa é fruto da


união de esforços na execução eficiente e
eficaz das atividades operacionais realiza-
das em cada departamento. Nascimento e
Reginato (2009, p. 179) descrevem:

A avaliação de desempenho da empresa e de seus gestores é um processo dinâmico, pre-


sente em todo o processo de gestão, mas, particularmente, mais relacionado à fase de
execução e controle do planejamento, gerando informações para os gestores subsidiarem
tomadas de decisões que permitam a correção de eventuais desvios detectados entre os
resultados realizados e os planejamentos, possibilitando ao mesmo tempo a avaliação de
seus próprios desempenhos.
Finanças Corporativas
115

Em relação aos benefícios, a avaliação de desempenho prioriza a análise de todo


o processo de trabalho empresarial por diversos aspectos: departamentos, clima orga-
nizacional, relação funcionários X empresa, resultados financeiros obtidos. Porém, se a
empresa se vale dessas informações para adotar medidas punitivas, a pesquisa de da-
dos para a avaliação pode ser prejudicada.
A avaliação de desempenho departamental prioriza a constatação da produtivi-
dade, da eliminação dos desperdícios, da relação de trabalho no setor e do controle e
da análise dos custos aplicados na área.
O clima organizacional revela dados que podem destacar positiva ou negativa-
mente a empresa na sociedade. Questões como alta rotatividade de funcionários e fal-
ta de relacionamento entre os setores e níveis hierárquicos transmitem a ideia de um
local inadequado para o trabalho e afetam indiretamente as relações comerciais.
A relação funcionários-empresa completa a variável de clima organizacional
e pode ser especificamente avaliada em separado. Cabe à empresa criar modelos de
avaliação que ofereçam respostas aos questionamentos solicitados. De acordo com
Nascimento e Reginato (2009), os padrões mais usuais no detalhamento desse grupo
de análise são:
a. desempenho dos gestores;
b. desempenho relacionado à motivação dos funcionários;
c. sistema de recompensas e punições, com especificidades em programas de re-
conhecimento e envolvimento de funcionários, programas de remuneração va-
riável e por habilidades.
A avaliação de desempenho, baseada nos resultados financeiros, é o mais com-
plexo relatório de verificação de dados a ser construído. Ele requer dos profissionais
conhecimento dos métodos empregados e do significado de suas respostas para a em-
presa. Segundo Padoveze (2005a, p. 290),

A informação contábil tem como sua principal característica a mensuração econômica, ou


seja, a expressão das atividades em valor econômico. Além dessa característica, funda-
mental para a avaliação de desempenho e dos resultados das operações das entidades, a
informação contábil deve possibilitar o apoio ao processo de gestão, incorporando outras
características necessárias à boa informação, como conteúdo, precisão, frequência, ade-
quação à decisão, confiabilidade, oportunidade, motivação etc.

Um conjunto de métodos é indicado como direcionador para atender a esse su-


porte de informações financeiras. Essas informações irão constituir a resposta final da
avaliação.
Finanças Corporativas
116

Os índices de liquidez ressaltam a capacidade da empresa em honrar seus com-


promissos financeiros de curto e longo prazos. Assim, são consideradas a:

a) Liquidez Geral

b) Liquidez Seca

c) Liquidez Corrente

Design Gráfico: Bernardo Beghetto

d) Liquidez Imediata

Os índices de endividamento propiciam a análise da estrutura de capital da em-


presa. Eles apontam sinais de redução de dívidas e de aumento de capital próprio. Os
indicadores de atividade, tais como giro de estoques, prazos médios de pagamento e
recebimento, ciclo de caixa e giro do ativo, apontam resultados. Esses, por sua vez,
apontam as condições de manutenção das atividades adotadas pela empresa.
Em relação à rentabilidade, a avaliação de desempenho parte da constatação dos
seguintes fatores:
• da margem de contribuição do produto/serviço;
• da margem operacional da empresa em comparação com o resultado da
atividade.
A avaliação do último fator cria oportunidades de revisão dos custos de produ-
ção, das despesas efetuadas e do preço de venda praticado, responsável pela gera-
ção de receita na empresa. O resultado final (lucros) é avaliado com base no retorno
sobre o ativo e o retorno sobre investimentos.
Finanças Corporativas
117

Por fim, o próprio plano orçamentário é um método considerado válido na ava-


liação de desempenho, pois permite monitorar a evolução das atividades por meio da
comparação entre a situação real e a previsão realizada nos orçamentos, de modo a
evidenciar os aspectos positivos e detectar as deficiências no processo operacional.
Avaliar é construir cenários futuros para a busca de melhores resultados e desempe-
nhos com maior qualidade no desenvolvimento do processo.
Finanças Corporativas
118

Referências
BORNIA, A. C. Análise Gerencial de Custos: aplicação em empresas modernas. 3. ed. São
Paulo: Atlas, 2010.
BRUNI, A. L.; FAMÁ, R. Gestão de Custos e Formação de Preços. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2008.
CARNEIRO, M.; MATIAS, A. B. Orçamento Empresarial: teoria, prática e novas técnicas.
São Paulo: Atlas, 2011.
FIGUEIREDO, S.; CAGGIANO, P. C. Controladoria: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas,
1997.
GARRISON, R. H.; NOREEN, E. W. Contabilidade Gerencial. 9. ed. Rio de Janeiro: LTC,
2001.
HOJI, M. Administração Financeira e Orçamentária: matemática financeira aplicada, es-
tratégias financeiras, orçamento empresarial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
HOJI, M.; SILVA, H. A. da. Planejamento e Controle Financeiro: fundamentos e casos prá-
ticos de orçamento empresarial. São Paulo: Atlas, 2010.
LEMES JÚNIOR, A. B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Administração Financeira:
princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
LUNKES, J. R. Manual de Orçamento. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MORANTE, A. S.; JORGE, F. T. Controladoria: análise financeira, planejamento e controle
orçamentário. São Paulo: Atlas, 2008.
NAKAGAWA, M. Introdução à Controladoria: conceitos, sistemas, implementação. São
Paulo: Atlas, 1993.
NASCIMENTO, A. M.; REGINATO, L. (Org.). Controladoria: um enfoque na eficácia orga-
nizacional. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
PADOVEZE, C. L. Controladoria Avançada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning,
2005a.
PADOVEZE, C. L. Controladoria Estratégica Operacional: conceitos, estrutura, aplicação.
São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005b.
_____. Planejamento Orçamentário. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2010.
PISCITELLI, R. B.; TIMBÓ, M. Z. F. Contabilidade Pública: uma abordagem da administra-
ção financeira pública. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
WELSCH, G. A. Orçamento Empresarial. São Paulo: Atlas, 1996.
4 O mercado de capitais e a política monetária
na estrutura financeira do país
4.1 Sistema Financeiro Nacional
Conhecer a estrutura do sistema fi-
nanceiro de um país permite entender as
decisões tomadas pela política econômi-
ca. Isso reflete positivamente na atividade
empresarial, de forma a colaborar nas pre-
visões financeiras que serão realizadas para
atender às estratégias futuras de trabalho.

© SergNvns / / Fotolia
O objetivo de uma política econômica
é promover o desenvolvimento de um país.
Para isso, o controle financeiro é impres-
cindível, principalmente em épocas de integração de mercados e aumento no número
de transações internacionais. O Sistema Financeiro Nacional (SNF) atua para dinami-
zar o fluxo de recursos que transitam no país e envolvem os agentes econômicos.
Assaf Neto (2011, p. 37) explica que

O sistema financeiro é composto por um conjunto de instituições financeiras públicas e


privadas, e seu órgão normativo máximo é o Conselho Monetário Nacional (CMN). Por
meio do SFN, viabiliza-se a relação entre agentes capazes de gerar poupança e, conse-
quentemente, em condições de financiar o crescimento da economia.

Os agentes econômicos são os responsáveis pela dinâmica financeira do país. São


visualizados, ao mesmo tempo, como fornecedores e captadores de recursos. Assim,
para que os créditos sejam oferecidos e os investimentos realizados, alguém terá que
poupar ou reter recursos prevendo uma remuneração sobre esses valores. O objetivo
é promover a arrecadação para outros elementos carentes de recursos. Quem precisa
de dinheiro precisa captá-lo no mercado mediante o pagamento de valores indenizató-
rios, no caso, os juros.
Os governos também adotam procedimentos semelhantes aos descritos anterior-
mente no exercício de suas funções. A fonte de recursos governamentais provém do
trabalho de empresas, pessoas físicas e instituições que, por meio do recolhimento de
impostos, abastecem os cofres públicos. Logo, são realizadas ações para suprir as ne-
cessidades básicas da população e formular linhas de crédito para empresas e pessoas.
Desse modo, o ciclo de fornecimento e captação de recursos é formalizado.
Finanças Corporativas
120

A economia de um país exerce papel fundamental na manutenção das atividades


básicas do governo em prol da população. Assim, o crescimento e o desenvolvimen-
to econômico são requisitos essenciais para a continuidade da administração pública.
Os inúmeros órgãos que auxiliam o controle monetário do país devem estar estrutu-
ralmente organizados com funções específicas. Assim, os objetivos finais podem ser
alcançados e as decisões implementadas de modo prudente e compatível com a reali-
dade nacional.
Nessa organização de atividades, a estrutura do sistema financeiro brasileiro é
composta por três órgãos principais: o Conselho Monetário Nacional (CMN), o Banco
Central do Brasil (Bacen) e Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Esses três elemen-
tos são subsidiados por outras organizações públicas e privadas, as quais têm funções
específicas que colaboram na organização, na manutenção e na avaliação dos procedi-
mentos financeiros adotados como regras na economia brasileira.
A figura a seguir apresenta o rol de instituições que colaboram na organização fi-
nanceira do país.

Conselho monetário nacional

Subsistema
Banco central do Brasil
normativo

Comissão de valores mobiliários

Conselho de recursos dos SFN

Superintendência
Sistema financeiro de seguros privados
brasileiro
Secretaria de
previdência complementar

Banco do Brasil 1

Banco nacional de desenvolvimento


Agentes especiais
econômico e social 2
Subsistema
de intermediação Demais instituições Caixa enocômica federal
bancárias, não
bancárias e
auxiliares
Design Gráfico: Willian Batista

...

1 Instituições Financeiras Monetárias


2 Instituições Financeiras Não-Monetárias

Fonte: FORTUNA, 2010, p. 18.


Organograma do Sistema Financeiro Nacional.
Finanças Corporativas
121

Bancos comerciais e múltiplos com carteira comercial 1


Demais
instituições
bancárias, não Bancos regionais de desenvolvimento 2
bancárias e
auxiliares
Bancos cooperativos e cooperativas de crédito 1

Caixa Economica Federal

Bancos múltiplos com carteira imobiliária 2


Sistema
brasileiro
Sociedade de crédito imobiliário 2
de poupança e
empréstimo
Associações de poupança e empréstimos 2

Sociedade de crédito financiamento e investimento 2

Bancos múltiplos com carteiras de


investimento de aceite ou leasing 2

Bancos de investimento 2

Sociedade de crédito ao microempreendedor 2

Sociedades de arrendamento mercantil 3

Agências de fomento 3

Companhias hipotecárias 2

Bolsas de valores/bolsas de mercadorias e futuros 3

Corretoras e distribuidoras de valores


mobiliários/agentes autônomos 3

Sociedade de investimento, fundos de


investimento, clubes de investimento 4

Empresas de factoring administradoras


de cartões de crédito e consórcios 5
Design Gráfico: Juliano Henrique

Entidades abertas de previdência complementar,


entidades fechadas de previdência complementar,
seguradoras, sociedades de capitalização e sociedades
administradoras de seguro saúde 6

SELIC, CETIP, COMPE, CBLC, CLC e outros 7

1 Instituições Financeiras Monetárias


2 Instituições Financeiras Não-Monetárias
3 Instituições Auxiliares de Mercado Financeiro
4 Instituições Administradoras de Recursos
5 Instituições Não-Financeiras, mas Participantes do Mercado Financeiro
6 Instituições Ligadas aos Sistemas de Previdência e Seguros
7 Instituições e Sistemas de Registro, Liquidação e Custódia de Títulos

Fonte: FORTUNA, 2010, p. 18.

Organograma do Sistema Financeiro Nacional.


Finanças Corporativas
122

A divisão de instituições apresentadas na figura anterior é constituída por dois


grandes grupos: o subsistema normativo e o subsistema de intermediação.
No subsistema normativo estão os três grandes órgãos que são responsáveis
pela determinação das regras financeiras do país. Eles estão ligados diretamente ao
governo federal e às instituições financeiras de fomento das atividades e dos projetos
com o Banco do Brasil (BB), a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Design Gráfico: Juliano Henrique


Conselho Monetário Nacional (CMN)

© Artco / / Fotolia
O Conselho Monetário Nacional (CMN) é o órgão básico
de estrutura de planejamento financeiro do país. Fortuna (2010,
p. 19) destaca:

Como órgão normativo, por excelência, não lhe cabem funções executivas, sendo o res-
ponsável pela fixação das diretrizes políticas monetária, creditícia e cambial do País. Pelo
envolvimento, o CMN acaba se transformando em um conselho de política econômica.

Suas funções específicas são:


a. a fixação de diretrizes e regras da política cambial;
b. a regulamentação das taxas de juros e comissões, quando necessário, para a
prática das operações nas instituições financeiras;
c. a regulação dos procedimentos para a constituição de instituições financeiras,
seus métodos de contabilização.
d. a definição de índice de capital mínimo e orientação quanto aos tipos de crédi-
to a serem ofertados por essas organizações;
e. a formulação da política de moeda com o controle do volume de dinheiro circu-
lante na economia.
Finanças Corporativas
123

Design Gráfico: Juliano Henrique


Banco Central do Brasil (Bacen)

© Artco / / Fotolia
O Banco Central do Brasil (Bacen) é o elemento executor
das determinações repassadas pelo CMN. Sua criação foi deter-
minada pela Lei nº 4.595, de 21 de dezembro de 1964. Ele é considerado o agente na
fiscalização de normas que regulamentam o funcionamento do sistema e tem as fun-
ções de acompanhar e monitorar os níveis de reserva interna nacional, além de ainda
priorizar a adequada liquidez da economia. Segundo Pinheiro (2009, p. 62-63), de for-
ma detalhada, cabe ao Bacen:
• expedir papel moeda e moeda metálica, conforme o estabelecido pelo CMN;
• proceder com o recebimento dos recolhimentos compulsórios dos bancos co-
merciais e dos depósitos voluntários das instituições financeiras e bancárias
operantes no país;
• efetivar redescontos e empréstimos às instituições financeiras, tendo em vista
o foco da política econômica governamental ou a necessidade de socorrer pro-
blemas de liquidez;
• orientar os procedimentos de compensação de cheques e outros papéis;
• comprar e vender títulos públicos federais, atuando como instrumento de polí-
tica monetária;
• expedir títulos de responsabilidade própria, levando em consideração estabe-
lecido pelo CMN;
• realizar o controle de crédito sob todas as suas formas;
• fiscalizar as instituições financeiras e punir, se necessário;
• permitir o funcionamento de todas as instituições financeiras privadas, estipu-
lando a dinâmica operacional;
• fiscalizar a intervenção de outras empresas nos mercados financeiros e de
capitais;
• realizar o controle do fluxo de capitais estrangeiros e garantir o funcionamento
adequado do mercado cambial, podendo operar, inclusive, via ouro, moeda ou
operações de crédito no exterior.
Finanças Corporativas
124

Design Gráfico: Juliano Henrique


Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

© Artco / / Fotolia
O terceiro órgão normativo é a Comissão de Valores
Mobiliários (CVM), a qual está diretamente relacionada ao mer-
cado de investimentos internos ou externos do país, frutos de transações financeiras
no ambiente internacional. Assim, seu trabalho é direcionado às movimentações que
acontecem no mercado de capitais ligado à Bolsa de Valores.
A CVM foi criada pela Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, com a funções de
fiscalizar e determinar o controle do mercado de capitais. Seu enfoque está no atendi-
mento das necessidades das empresas de capital aberto. Essa entidade tem como mis-
são aumentar as possibilidades de formação de capital nas empresas por mecanismos
variáveis de investimentos, ao quais permitem a flexibilidade no relacionamento finan-
ceiro com outros mercados e empresas de outros segmentos. Desse modo, busca-se
manter a eficiência e a ordem dos mercados, garantindo que os fluxos de atividades
correspondam, de maneira geral, aos interesses globais da economia brasileira. Tudo
isso será possível por meio da apresentação de resultados que promovam a atrativida-
de do país no cenário internacional.
O controle da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) passou a ser função tam-
bém da CVM. Assim, houve a ampliação dos objetivos dessa entidade, que passou
também a:
• promover e incentivar a aplicação de poupança no mercado acionário, como
subsídio para a busca de recursos financeiros pelas empresas;
• proteger os investidores do mercado contra fraudes em emissões de títulos
ou outros procedimentos ilegais que prejudiquem o desempenho das ações de
empresas devidamente registradas;
• fiscalizar o processo de emissão, registro, distribuição e negociação dos títulos
emitidos pelas empresas de capital aberto.
Assaf Neto (2011, p. 42) complementa:
A atuação da CVM abrange, dessa forma, três importantes segmentos do merca-
do: (a) instituições financeiras do mercado; (b) companhias de capital aberto, cujos va-
lores mobiliários de sua emissão encontram-se em negociação em Bolsas de Valores
e mercado de balcão; (c) investidores, à medida que seu objetivo de forma a proteger
seus direitos.
Finanças Corporativas
125

Atualmente, as conjunturas econômicas são bastante complexas. Tal fato im-


possibilita visualizar um país que não priorize o seu controle financeiro, tendo em vis-
ta as grandes negociações proporcionadas pela prática da globalização de mercados.
Um controle eficiente garante destaque no mercado internacional, além de promover
o desenvolvimento econômico interno e beneficiar o crescimento e a valorização dos
agentes que disponibilizam os meios financeiros de giro da economia.
O controle do fluxo da movimentação de recursos financeiros no país não é tarefa
fácil. Para facilitar a compreensão sobre o assunto, irá discorre-se nesse momento so-
bre os intermediários financeiros. Eles funcionam como um grupo de apoio que realiza
a intermediação de recursos para os agentes poupadores e agentes captadores, de for-
ma equilibrada em seus pagamentos no mercado.
A intermediação financeira adequada é aquela que prevê a seguinte situação: a
remuneração paga aos fornecedores de recursos valoriza e incentiva a colocação de
um capital maior no mercado. Desse modo, a distribuição aos captadores de recursos
causa o pagamento de juros que, devido a taxas mais elevadas, responderão às expec-
tativas dos investidores e ainda produzirão ganhos (lucros) aos intermediários. A figura
a seguir demonstra esquematicamente esse processo.

Depósito Empréstimos

+$ -$ Design Gráfico: Juliano Henrique

Remuneração Juros
paga

Fonte: LEMES JÚNIOR; RIGO; CHEROBIM, 2010, p. 18.

Intermediação financeira.
Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 18) ainda ressaltam:
A atividade de intermediação reveste-se de situações de risco. Existe certa probabilida-
de de os tomadores de recursos não pagarem os recursos emprestados. Quanto maior o
risco, maior a taxa de juros cobrada. Os aplicadores que se sujeitam a emprestar recursos
para aplicações de maior risco (de maior variabilidade nas probabilidades de retorno) exi-
gem maior retorno sobre seus recursos emprestados.

Para atender a essas atividades, englobadas no universo de investimentos e fi-


nanciamentos, surgem os intermediários financeiros. Conforme o vínculo de atividade-
-função desses profissionais, eles procuram a melhor forma de atender às necessidades
específicas de cada agente.
Finanças Corporativas
126

No SFN são encontrados os principais elementos de intermediação financeira:

a) Bancos Comerciais/Múltiplos

b) Bancos de Investimentos

c) Sociedades de Arrendamento Mercantil

d) Sociedades de Crédito, Financiamento


e Investimento (SCFI)

e) Associações de Poupança e
Empréstimos (APEs)

Design Gráfico: Juliano Henrique

f) Sociedades Cooperativas

Os bancos comerciais/múltiplos são instituições financeiras que têm como pro-


pósito atender às necessidades de investimentos e financiamentos de recursos dos
agentes econômicos. Eles representam as maiores instituições financeiras do Brasil e
progressivamente aumentam o seu leque de serviços oferecidos, incentivados pelo uso
da moeda escritural.

A moeda escritural é o recurso não utilizado no formato de papel-moeda oficial. Ela cumpre os
objetivos de atender aos meios de pagamento injetando, posteriormente, o aumento de recur-
sos disponíveis na economia.

No universo de concentração dos bancos, observa-se cotidianamente o uso de


cartões de débito e crédito, além de títulos de alta liquidez financeira, como duplica-
tas. Os argumentos de Assaf Neto e Lima (2010, p. 22) corroboram essa informação:
Finanças Corporativas
127

“As principais operações financeiras executadas pelos bancos são identificadas nas
concessões de créditos por meio de desconto de títulos, credito rural, empréstimos
para empresas, cheques especiais e contas garantidas, crédito pessoal etc.”. A diferen-
ça do banco múltiplo está na amplitude de seus serviços, que prevê o atendimento das
operações de crédito mobiliário ou leasing no universo de longo prazo.
Os bancos de investimentos atuam para suprir as operações realizadas a médio
e longo prazos para a formação do capital fixo. Como são transações que demandam
a utilização de mais recursos financeiros, estão concentradas nas seguintes atividades:
• financiamento de capital fixo e de movimento;
• aquisição de subscrição de títulos de valores mobiliários;
• financiamento da produção para exportação;
• repasses de empréstimos externos;
• coligações assumidas em debêntures;
• assistência financeira etc.
Pinheiro (2009, p. 70) elenca as iniciativas gerais dos bancos de investimentos
para o desempenho de seus objetivos: fortalecimento do capital social das empresas;
ampliação da capacidade produtiva empresarial; incentivo da melhoria na produção;
melhor ordenação dos setores econômicos e maior eficiência empresarial; incorpora-
ção e desenvolvimento de tecnologia de produção; aperfeiçoamento gerencial; forma-
ção e aprimoramento da equipe técnica.
As sociedades de arrendamento
mercantil são originárias da ideia de que
o lucro pode advir da utilização de máqui-
nas e equipamentos que não estão sob
sua propriedade. Essa espécie de “alu-
© SergNvns / / Fotolia

guel” torna-se uma alternativa para o bai-


xo investimento imediato, respondendo
positivamente à necessidade inicial. Para
justificarem sua presença no mercado, as sociedades de arrendamento mercantil pre-
cisam de autorização do Bacen e adotam a forma jurídica de Sociedade Anônima (S.A).
Os recursos para a oferta de leasing são captados mediante a emissão de debên-
tures no mercado. O limite de crédito para leasing está vinculado à captação de debên-
tures, assim como o financiamento imobiliário acontece mediante recursos advindos
de poupança.
Finanças Corporativas
128

As sociedades de crédito, financiamento e investimento (SCFI) realizam suas


atividades com os recursos oriundos da colocação das letras de câmbio. Financiam
bens de consumo duráveis pelo crédito direto ao consumidor, conhecido como CDC, e
não podem manter contas-correntes.

“Por ser uma atividade de grande risco, suas operações passivas estão limitadas a determinado
múltiplo de seu patrimônio de referência – PR. Está também limitada a sua responsabilidade
direta de empréstimos por cliente”. (FORTUNA, 2010, p. 34).

As associações de poupança e empréstimos (APEs) têm a função de captar re-


cursos para o financiamento imobiliário. De maneira geral, esses recursos vêm das
cadernetas de poupança de pessoas físicas ou jurídicas e da colocação de letras imobi-
liárias no mercado. Conforme explica Assaf Neto (2011, p. 48),

Essas associações fazem parte do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e


costumam atuar de forma restrita a determinada região. São constituídas sob a forma de
sociedades civis sem fins lucrativos, sendo de propriedade comum de seus associados.

As sociedades cooperativas reú-


nem um grupo de pessoas que, na execu-
ção de um trabalho conjunto relacionado
a uma atividade comum, contribuem para

© RFsole / / Fotolia
o desenvolvimento da economia, sem o
objetivo de lucro. O cooperativismo é um
movimento crescente no Brasil. Seu obje-
tivo é agregar valor a pequenas atividades. Isso é possível por meio da reunião de um
maior número de participantes que podem colaborar no desenvolvimento econômico
de determinadas regiões do país. São exemplos desse segmento cooperativas de arte-
sãos, hortifrutigranjeiros, produtores de artigos coloniais e pescadores.
As cooperativas de crédito atendem às necessidades de recursos financeiros para
giro no desenvolvimento e manutenção dessas atividades. Essas organizações equi-
param-se às instituições financeiras pela Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, e
atualmente estão regulamentadas pela Resolução nº 3.859, de 27 de maio de 2010.
Podem ser constituídas pelo seguinte segmento de associados: empregados, ser-
vidores e pessoas físicas prestadoras de serviço em caráter não eventual, pessoas que
desenvolvam atividades cooperativas nas áreas agrícola, de pecuária, extrativa e de
pescado, além de empresários vinculados a sindicatos patronais que tenham funciona-
mento mínimo de três anos como forma de cooperativa.
Finanças Corporativas
129

Fortuna (2010, p. 31-32) identifica o rol de operações autorizadas para as coope-


rativas de crédito. A fim de colaborar para a gestão financeira empresarial, o autor di-
vide a concentração das operações em ponta de captação, ponta de empréstimos e
ponta de serviços.
Na ponta de captação, encontram-se as seguintes funções:
• Atrair depósitos de associados, sem a necessidade de emitir certificado.
• Conseguir empréstimos ou repasses de instituições financeiras nacionais ou in-
ternacionais, inclusive por meio de depósitos interfinanceiros.
• Adquirir recursos de fundos oficiais e eventualmente outros recursos isentos de
remuneração ou a taxas favorecidas, provindos de qualquer entidade sob a for-
ma de doações, empréstimos ou repasses.
Na ponta de empréstimos, são identificadas as seguintes funções:
• Ceder créditos e prestar garantias. Essa ação pode ser realizada em operações
com amparo na regulamentação do crédito rural em favor de produtores rurais.
Essa função se destina somente a associados.
• Investir recursos no mercado financeiro, inclusive mediante depósitos à vista e
a prazo, com ou sem emissão de certificado, e depósitos interfinanceiros, ten-
do em vista as eventuais restrições legais e regulamentares, próprias de cada
investimento.
Na ponta de serviços, observam-se as seguintes funções:
• Fornecer serviços de cobrança, custódia, recebimentos e pagamentos por con-
ta de terceiros, entidades públicas e privadas. Esse serviço é oferecido a asso-
ciados ou não associados.
• Fornecer serviços de correspondente no país, nos termos legais (a associados
ou não associados).
• Auxiliar nas operações realizadas em nome e por conta da instituição contra-
tante, destinada a viabilizar a distribuição de recursos de financiamento do
crédito rural e outros. Essas operações estarão sujeitas à legislação ou à regu-
lamentação específicas. O auxílio também pode ser prestado nas operações
que envolvem equalização de taxas de juros pelo Tesouro Nacional, entenden-
do a formalização, concessão e liquidação de operações de crédito celebradas
com os tomadores finais dos recursos.
• Distribuir as cotas de fundos de investimentos administrados por instituições
autorizadas, observada, inclusive, a legislação prevista pela CVM.
Finanças Corporativas
130

• Oferecer serviços técnicos a outras cooperativas de créditos associadas ou não e


oferecer serviços para administração de recursos de terceiros em favor de coope-
rativas singulares a ela filiadas (no caso de cooperativa central de crédito).
• Contratar serviços para viabilizar a compensação de cheques e as transferên-
cias de recursos no sistema financeiro.
• Atender às necessidades de funcionamento da instituição ou complementar os
serviços prestados pela cooperativa aos associados.
Para a execução adequada e o acompanhamento das atividades de todos os in-
termediários financeiros, o mercado financeiro atribui responsabilidades específicas a
quatro subdivisões de novos mercados:

a) Mercado monetário

b) Mercado de crédito

Design Gráfico: Juliano Henrique


c) Mercado cambial

d) Mercado de capitais

As atribuições do mercado monetário estão relacionadas às operações financei-


ras de curto e curtíssimo prazos, ocorridas em no máximo seis meses, devido à priori-
dade imediata de liquidez. Hoji (2008, p. 30) explica que

A política monetária do Governo Federal é executada por meio desse mercado, com a
compra e venda de títulos de crédito emitidos pelo Banco Central, tais como o Bônus do
Banco Central (BBC) e as Notas do Banco Central (NBC). Quando há a necessidade de re-
duzir a liquidez do mercado financeiro, o Banco Central coloca os títulos à venda, e os
agentes econômicos os adquirem, pagando em moeda. Quando há a necessidade de au-
mentar a liquidez do mercado financeiro, o Banco Central pode resgatar os títulos antes
do vencimento.

O mercado de crédito é reconhecido pelas transações financeiras realizadas com


bancos e sociedades de crédito para atender à demanda por bens, serviços e capital de
giro programada para períodos de curto e médio prazos. Essas atividades atendem aos
interesses de pessoas físicas e jurídicas.
Finanças Corporativas
131

© Minerva Studio / / Fotolia

© RVNW / / Fotolia
© apops / / Fotolia
O mercado cambial tem uma função mais complexa: gerir recursos e operações
que envolvem moedas estrangeiras nas negociações internacionais. As ações empresa-
riais de importação e exportação remetem dados e informações a esse mercado. Além
da conversão de moedas para a concretização dos negócios, esse segmento contro-
la os juros no impacto da economia em comparação com o valor das moedas estran-
geiras. Os objetivos são não demonstrar desvalorização financeira perante o mercado
mundial e alertar ao contexto empresarial sobre possíveis perdas econômicas. Wessels
(2010, p. 242) explica essa questão:

Variações das taxas de juros afetam o valor do dólar. Quando as taxas de juros aumentam
no país local (comparadas com as taxas de juros pagas no resto do mundo), os investimen-
tos tornam-se mais atraentes. Os fundos para empréstimos (capitais) fluem em termos lí-
quidos do país local na compra de seus ativos. A demanda pela moeda local vai aumentar
a ela irá valorizar-se. Quando as taxas de juros caem no país local (em comparação com
as taxas mundiais), os fundos para empréstimos fluirão para fora, aumentando a oferta
da moeda nacional (já que os cidadãos do país local demandarão mais moeda estrangeira
para comprar ativos estrangeiros), e ela se desvalorizará.

As abordagens da globalização reforçaram a importância desse mercado no con-


texto da economia local. As medidas da política econômica se tornaram mais abran-
gentes e contextualizadas com a realidade financeira mundial.
O mercado de capitais é o motor para o processo de desenvolvimento econômi-
co. Sua origem está associada ao aumento das operações financeiras realizadas pelas
empresas e pessoas no intuito de movimentar a economia do país. As funções relacio-
nadas à distribuição de valores mobiliários na forma de títulos visam a uma maior capi-
talização empresarial. Essa operação passou a ser controlada por um órgão específico
no SFN. Kato (2012, p. 54) descreve:

Pode-se conceituar o mercado de capitais como um sistema integrado de gerenciamento


de valores mobiliários que proporciona a comercialização dos títulos emitidos pelas em-
presas para captação de recursos financeiros. O mercado é composto por bolsas de valo-
res, sociedades corretoras e outras instituições financeiras devidamente estabelecidas. O
objetivo do mercado de capitais é canalizar os recursos financeiros excedentes da popula-
ção para o investimento nas atividades econômicas de natureza empresarial.
Finanças Corporativas
132

O adequado funcionamento do mercado de capitais depende de vários agentes


que, integrados, possibilitam o gerenciamento de recursos entre empresas e investido-
res e alimentam a economia como um todo. Especificamente no Brasil, existem os par-
ticipantes normatizadores, compreendidos pela CVM e Bolsa de Valores. Além deles,
há os participantes operacionais que atuam a fim de viabilizar as transações efetuadas,
como companhias de capital aberto, sociedades corretoras de títulos e valores mobiliá-
rios, agentes autônomos de investimento, investidores pessoas físicas e jurídicas e in-
vestidores institucionais.
Em termos financeiros, os investidores institucionais são os elementos principais
atuantes no mercado financeiro. Pinheiro (2009, p. 192) complementa:
São profissionais de aplicação de poupanças, ou seja, investidores que dispõem de vultosos
recursos mantidos com certa estabilidade, destinados à reserva de risco ou à renda patrimo-
nial, e que investem esses recursos no mercado de capitais. Assim, os investidores institucio-
nais são pessoas jurídicas que, por determinações governamentais, são obrigadas a investir
parte de seus capitais no mercado de ações, constituindo uma carteira de investimento.

Os grupos de investidores institucionais podem ser classificados em:

a) Sociedades seguradoras.

b) Sociedades de capitalização.

c) Clubes de investimentos em ações.

d) Entidades de previdência privada.


© spiral media / / Fotolia. Design Gráfico: Juliano Henrique

e) Fundos mútuos de investimentos.

f) Fundos externos de investimentos.


Finanças Corporativas
133

As transações realizadas no mercado de capitais são efetivadas por meio de títu-


los mobiliários. Estes, por sua vez, representam o capital social das empresas e podem
ser negociados em diversas formas como ações, bônus, debêntures e outros títulos.
No Brasil, esse mercado é executado pela Bolsa de Valores de São Paulo
(Bovespa) e pelas sociedades corretoras. Em 2008, houve a integração da BM&F e da
Bolsa de Valores de São Paulo, o que deu origem a BM&F Bovespa SA.
As características das bolsas de valores são definidas com o objetivo de atender
aos interesses públicos. Elas são formadas por sociedades e ações e constituídas como
entidades jurídicas. Já as sociedades corretoras trabalham na forma de pregões deter-
minados por seus clientes e negociam títulos e valores mobiliários.

O termo bolsa começou a ser utilizado com o sentido comercial e financeiro na cidade belga de
Brujas. Sua origem vem do nome Van der Burse, proprietário da casa onde eram realizadas as
assembleias de comerciantes. A primeira bolsa internacional foi criada em Amberes, em 1531.

A Bolsa de Valores trabalha com a lei econômica da oferta e da procura e prioriza


a liquidez dos títulos ali negociados, buscando a melhor precificação de acordo com as
oscilações do mercado financeiro. Pinheiro (2009, p. 241) destaca os principais requisi-
tos de uma bolsa de valores:
a. livre concorrência e pluralidade de participantes; que exista abundante número
de investidores e de instituições financeiras, de modo que nenhum tenha posição
dominante no mercado;
b. produto homogêneo; assim, facilita-se a contratação;
c. transparência na fixação de preços; que dê credibilidade ao mercado e gere
confiança.
A execução do trabalho em uma bolsa de valores depende da integração de três
elementos fundamentais: os especuladores – que buscam lucros financeiros em curto
prazo, utilizando como padrão a volatilidade do mercado –, os investidores – que veem
no mercado financeiro uma oportunidade de rendimento de longo prazo – e os gesto-
res financeiros – que visualizam alternativas de créditos empresariais com custos míni-
mos, prazos adequados e menor impacto dos riscos.
Finanças Corporativas
134

Como forma de organização de trabalho em relação aos prazos dos títulos, a


Bovespa concentra suas atividades em quatro mercados:

a) Mercado à vista;
b) Mercados derivativos/Mercado futuro;
c) Mercado a termo;

Design Gráfico: Juliano Henrique


© KurtKleemann / / Fotolia
d) Mercado de opções.

Sousa Neto e Martins (2010, p. 176) destacam em cada um desses elementos:

• Mercado à vista: mercado que negocia as ações pelo preço do momento com liquida-
ção em três dias úteis (D+3);
• Mercados derivativos/mercado futuro: são contratos firmados ou operações fechadas
em que os investidores apostam na alta ou na baixa no preço de uma ação, ou índice -
em data futura (operação de alto risco).
• Mercado a termo: também se negociam ações para uma data futura, porém, nesse
caso, existe um contrato que obrigatoriamente terá de ser liquidado.
• Mercado de opções: são direitos que um investidor tem de comprar ou vender a outro
investidor certa quantidade de ações por preço previamente estabelecido até determi-
nada data.

Os principais títulos negociados na Bolsa de Valores são as ações, os comercial pa-


pers e as debêntures.
As ações são parcelas representativas do capital social de uma companhia.
Aquele que compra uma ação passa a ser automaticamente um acionista e possui par-
ticipação no patrimônio líquido da empresa. As ações podem estar disponíveis aos in-
vestidores em três espécies: ordinárias, preferenciais e de fruição.
As ações ordinárias dão aos seus titulares o direito ao voto em assembleia, que
pode ser transferido por meio de procuração. Geralmente, elas possuem dividendos,
valor de mercado e liquidez menores que as ações preferenciais. As ações preferen-
ciais, por sua vez, têm prioridade no recebimento dos dividendos no caso de dissolu-
ção da sociedade, mas não têm direito a voto. Essas espécies formam a composição
acionária de uma companhia aberta. Já as ações de fruição são destinadas aos sócios
quando as outras espécies já foram amortizadas pelas reservas patrimoniais.
Finanças Corporativas
135

Quanto à utilização dessas ações, Pinheiro (2009, p. 206) aponta três restrições a
que estão sujeitos os titulares, as quais são independentes de previsão estatutária ou
deliberação assemblear:

• concorrem ao acervo líquido da empresa somente após a compensação em favor das


ações não amortizadas;
• ao exercerem o direito de recesso, o reembolso das ações também é objeto de
compensação;
• não têm direito ao recebimento de juros de capital próprio.

Ao optar por um investimento em ações, as formas de emissão podem ser classi-


ficadas em escriturais e nominativas. A emissão de forma escritural acontece mediante
uma conta corrente de ações. Nessa conta, uma instituição financeira atua como de-
positária dos títulos. Já na forma nominativa, há o registro de controle de propriedade
com a emissão de certificados.
Vários são os direitos dos acionistas em relação aos títulos de ações adquiridas na
Bolsa de Valores. Convém destacar os seguintes:
a. Dividendos: representam parte do lucro obtido pela empresa distribuída aos
seus acionistas. É o direito básico ao se adquirir um título de ação. Pode-se
afirmar que o repasse do dividendo ao acionista é a retribuição da empresa em
razão do capital nela investido. Assaf Neto (2011, p. 186) complementa:

Todos os acionistas (ordinários e preferenciais) têm o direito de receber dividendos em


cada exercício, tornando-se uma prática obrigatória para as sociedades por ações. A atual
legislação brasileira sobre distribuição de dividendos encontra-se prevista basicamente
na Lei das Sociedades por Ações. Os lucros são distribuídos com base no previsto nos es-
tatutos sociais, tendo como percentual mínimo obrigatório 25% sobre o lucro líquido ajus-
tado do período. No caso de o estatuto social da companhia ser omisso com relação a
esse dividendo, a legislação prevê a distribuição de 50% desse resultado ajustado a todos
os acionistas, devendo ainda os acionistas preferenciais receberem 10% a mais de divi-
dendos que os ordinários.

b. Juros sobre o capital próprio: trata-se de outra forma de remuneração aos


acionistas. Nesse caso, a empresa repassa parte dos resultados de exercícios
anteriores que estão retidos e podem ser descontados do montante de divi-
dendos obrigatórios. Os juros sobre capital próprio oferecem benefícios fiscais,
pois proporcionam uma economia de IR pela dedução de seu valor no lucro real
das empresas.
c. Bônus de subscrição: é o direito do acionista em subscrever novas ações rela-
cionadas com o montante de seu capital por um preço menor que o do merca-
do. Lemes Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 310) explicam:
Finanças Corporativas
136

[...] é o direito de preferência na compra de novas ações emitidas, o que além de garantir
a possibilidade de manter a mesma participação no capital total, pode significar um ga-
nho adicional, dependendo das condições do lançamento. Por fim, se não exercido, o di-
reito pode ser vendido a terceiros.

d. Bonificação: representa um ganho adicional no número de ações em função


do aumento de capital ou agregação de reservas de lucros.

© Gajus / / Fotolia
Os comercial papers, também conhecidos como notas promissórias
comerciais, são títulos emitidos por instituições não financeiras, sem garantia
real. Sua finalidade é a contratação de empréstimos em curto prazo entre
empresas intermediadas por um banco.

Por fim, as debêntures são títulos de crédito emitidos por empresas para capta-
ção de recursos. Elas podem ser apresentadas de diferentes espécies associadas ao cri-
tério de emissão. As principais são:
a. debênture com garantia real;
b. debênture com garantia flutuante;
c. debênture quirografária;
d. debênture subordinada.
No caso da debênture com garantia real, o limite de emissão fica vinculado ao li-
mite de 80% do valor dos bens gravados da empresa. Diferentemente das debêntures
de garantia flutuante, nas quais o limite de emissão está restrito a 70% do ativo contá-
bil da companhia, descontando o valor de dívidas garantidas por direitos reais.
Finanças Corporativas
137

As debêntures quirografárias podem ser emitidas até o limite do capital so-


cial da companhia, enquanto as debêntures subordinadas não têm limite de emissão.
Devido à responsabilidade do mercado de capitais em promover a liquidez dos títu-
los, preconiza-se o controle de emissão de títulos. Os objetivos dessa medida são per-
mitir a devida liquidez e oferecer maior segurança aos debenturistas na opção pelo
investimento.
Os debenturistas monitoram seus direitos pela figura do agente fiduciário, repre-
sentante legal da comunhão dos debenturistas que repassa, periodicamente, na for-
ma de relatórios as informações pertinentes, a remuneração dos títulos e a capacidade
financeira da empresa em relação às obrigações assumidas, procedimentos de amor-
tização e situação empresarial no que diz respeito à notificação de qualquer inadimple-
mento. Esse representante pode ser uma pessoa natural ou uma instituição financeira
autorizada pelo Bacen, que declara o aceite da função na própria escritura de emissão
do título.
Sobre os resgates e as amortizações dos títulos por parte da empresa, Lemes
Júnior, Rigo e Cherobim (2010, p. 312) ainda explicam:

Caso tenha sido previsto em sua escritura de emissão, as debêntures permitem que as
companhias emissoras realizem amortizações e resgates antecipados. As amortizações
referem-se à redução do valor nominal de todos os títulos em circulação daquela série em
que foi efetuada a amortização. Já o resgate, que pode ser total ou parcial, compreende
a retirada de circulação de unidades de debêntures daquela série para posterior cancela-
mento dos títulos retirados. Essas operações podem ser extraordinárias, quando não foi
prevista na escritura a data e os critérios para a operação, ou programadas, quando foi
determinada na escritura a época e os critérios de amortização ou do resgate. Esses crité-
rios relacionam-se ao percentual a ser amortizado, quantidade a ser resgatada e fórmulas
para realização desses cálculos.

A reunião de opções de investimentos ofertadas no ambiente do mercado de ca-


pitais proporciona à política monetária meios de integração de empresas, investido-
res e governos. O objetivo é estabelecer diretrizes econômicas que venham a agregar
maior crescimento e desenvolvimento nacional. Um mercado de capitais eficiente
transmite segurança para a economia de um país e consolida a situação de desenvolvi-
mento econômico e financeiro, tornando-se mais atrativo ao cenário internacional.
Como conclusão, Barros apud Pinheiro (2009, p. 100) esquematiza a dinâmica es-
trutural do mercado financeiro:
Finanças Corporativas
138

Disponíveis e RECURSOS
esparços (Disponibilidades, Poupança, Capitais)

Fontes

de INDIVÍDUOS EMPRESAS GOVERNO

Por métodos e Intermediários


INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS
instrumentos
variados são
concentrados e

Transformados em CRÉDITOS

A curto, médio e longo prazos, para

Operações
Consumo Operações correntes Investimentos

Por métodos e OPERAÇÕES FINANCEIRAS


instrumentos
variados

São distribuídos
INDIVÍDUOS EMPRESAS GOVERNO
para fins diversos

Tomadores
de crédito
Design Gráfico: Juliano Henrique

Atentos aos vários


ramos de atividade Rural Indústria Comércio Construção
econômica

Pessoal e Obras
outros públicas

Fonte: BARROS apud PINHEIRO, 2009, p. 100.

Estrutura do mercado financeiro.


Finanças Corporativas
139

4.2 Política monetária brasileira


A evolução das atividades econômicas
de um país precisa estar sob o controle de
medidas, normas ou regras. Elas conduzem
para o crescimento e o desenvolvimento
setorial dos agentes participantes e, conse-
quentemente, para a melhoria dos índices

© fox17 / / Fotolia
financeiros globais, respaldando o conceito
de uma economia favorável a novos negó-
cios em contextos de globalização.
Nas palavras de Bonelli e Pinheiro (2008, p. 89),

O grau de integração ao resto do mundo tem grande influência na determinação do de-


sempenho econômico dos países e, em especial, sobre o seu ritmo de crescimento. Entre
os canais pelos quais essa influência se transmite, o da produtividade, fonte última do cres-
cimento econômico no longo prazo, é em nossa visão, o mais importante. Ainda que a inte-
gração ao resto do mundo e seus efeitos sobre a produtividade e o crescimento econômico
também possam se dar por meio da abertura financeira e, especialmente, ao investimento
direto do exterior (IDE), a maior parte dos trabalhos dedicados a analisar a relação entre in-
tegração externa, crescimento e produtividade enfatiza o canal da abertura comercial.

O desempenho econômico interligado a situações de abertura financeira de mer-


cados precisa estar regulamentado por normas. Nelas devem estar previstos a valori-
zação da moeda do país e, automaticamente, os fatores da produção criadores desse
recurso. Assim, constitui-se uma política monetária.
A responsabilidade pela execução da política monetária é, geralmente, designa-
da ao Banco Central de cada país. Esse órgão atua nos meios de pagamento, títulos
públicos e taxas de juros, alterando o custo e o nível de oferta de crédito no mercado.
Assim, a execução se adapta a um equilíbrio financeiro que, em economias em crise,
não se pode atingir.
Juntamente com a política monetária, há a atuação das políticas fiscal e cambial.
Ambas têm sob seus controles as regulações de recursos oriundos de impostos ou ope-
rações financeiras com moeda estrangeira, respectivamente. Assaf Neto (2011, p. 22)
elucida:

A política fiscal centraliza suas preocupações nos gastos do setor público e nos impostos
cobrados da sociedade, procurando, por meio de maior eficácia no equilíbrio entre a arre-
cadação tributária e as despesas governamentais, atingir determinados objetivos macroe-
conômicos e sociais.
Finanças Corporativas
140

Na alteração da carga tributária da população e dos setores empresariais pode


ocorrer um impacto tanto positivo quanto negativo na política monetária. Isso ocor-
re em razão do excesso ou da falta de dinheiro circulando na economia. Logo, se a po-
lítica fiscal está associada aos gastos do governo, a falta de recursos na economia gera
um processo de dívida pública. As variáveis dessa dívida são tipificadas em interna e
externa.
A dívida pública interna refere-se aos débitos do governo firmados com credo-
res fixados no país, que podem ser instituições financeiras, investidores privados ou
fundos de pensão. Já a dívida pública externa resulta de débitos do governo com re-
sidentes externos, geralmente entidades financeiras internacionais, como o Fundo
Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial.
Um avanço no sentido de controlar a dívida pública foi a implantação da Lei de
Responsabilidade Fiscal. Nela são previstas sanções aos governantes pelo não cumpri-
mento dos requisitos determinados pela lei. Assaf Neto (2011, p. 25) colabora:

A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem por objetivo instalar mecanismos de controle
do endividamento e das despesas públicas, estabelecendo normas voltadas a prevenir ris-
cos e corrigir desvios que possam alterar o equilíbrio orçamentário público. Constitui-se,
de outra forma, em um código de conduta de todos os administradores públicos, incluin-
do os poderes executivo, legislativo e judiciário. Entre outras competências, a LRF fixa li-
mites para a realização de despesas com pessoal e para a dívida pública, determina que
nenhuma despesa pode ser criada de maneira continuada sem ter atrelada a respectiva
fonte de receita (ou reduzir despesa existente), estabelece mecanismos de controle das fi-
nanças públicas, determina o estabelecimento de metas fiscais.

Respeitando o cenário de integração mundial, reflexo da globalização, a preo-


cupação com a política cambial assume relevância em razão da preservação e da va-
lorização da moeda nacional. Mesmo constatando-se a importância em negociações
internacionais para o desenvolvimento econômico do país, as flutuações nas taxas de
câmbio podem provocar distorções na economia nacional. Essas oscilações podem in-
terferir positiva ou negativamente na atividade empresarial e no custo de vida da po-
pulação como um todo.
Fortuna (2010, p. 67) afirma que a intervenção do Banco Central acontece em três
circunstâncias:
Finanças Corporativas
141

1) na formação de reservas cambiais;

2) na correção de um desequilíbrio localizado e

Design Gráfico: Juliano Henrique


monetário de liquidez e;

3) na contenção de excessivas volatilidades que podem


prejudicar o funcional habitual do mercado.

Sobre a política cambial, Assaf Neto (2011, p. 25) complementa:

A política cambial está baseada na administração das taxas de câmbio, promovendo alte-
rações das cotações cambiais e, de forma mais abrangente, no controle das transações in-
ternacionais executadas por um país. É fixada de maneira a viabilizar as necessidades de
expansão da economia e promover seu desenvolvimento econômico.

Em relação às análises de câmbio, identificam-se três classificações principais: o


câmbio fixo, o câmbio flutuante e o currency board.

Entende-se por taxa de câmbio a conversão de determinada quantidade de moeda nacional


em outra quantidade de moeda estrangeira vinculada ao seu valor de mercado.

Quando se trata de câmbio fixo, o valor da conversão é associado a determina-


do referencial fixo, como o ouro. Assim, os valores atribuídos a determinada moeda fi-
cam atrelados a uma quantidade específica desses padrões de maneira fixa. Logo, em
termos de negociação no mercado internacional, obtém-se uma vantagem ao se co-
nhecer antecipadamente o valor futuro da moeda. Entretanto, Assaf Neto (2011, p. 26)
acrescenta que a manutenção desse modelo representa maior risco para os governos,
pois os obriga, em momentos de desequilíbrio, a gastar elevadas somas de suas reser-
vas cambiais, a fim de manter a cotação da moeda nacional.
Ao contrário do câmbio fixo, o câmbio flutuante permite mais flexibilidade na
condução de medidas que envolvem a política monetária, pelo fato de estar relaciona-
do com as variações de oferta e procura da moeda no mercado. Dessa forma, as taxas
se ajustam conforme as oscilações econômicas, alterando seus valores. Contudo, o go-
verno ainda demanda muitos esforços para preservar a sua economia e o valor da moe-
da nacional em negociações que envolvem as práticas de importação ou exportação
que, automaticamente, estão vinculadas à flutuação cambial. Sobre esse tema, Assaf
Neto (2011, p. 26) afirma que as
Finanças Corporativas
142

Valorizações ou desvalorizações do câmbio provocam diversas consequências relevantes


para economia. Por exemplo, uma desvalorização cambial permite maior competitividade
ao produto nacional no exterior, estimulando as exportações do país; por elevar a quantida-
de de moeda nacional necessária para comprar divisas internacionais, há um encarecimen-
to das exportações, desestimulando essa forma de comércio; os investimentos estrangeiros
no país também ganham incentivos, dado que com o mesmo volume de moeda estrangeira
é possível adquirir maior quantidade de recursos nacionais; a desvalorização encarece ainda
o empréstimo no exterior, dificultando os pagamentos da dívida; e assim por diante.

Para um governo adotar o currency board, deve haver uma organização monetá-
ria disciplinar. Isso porque as emissões de moeda nacional devem estar vinculadas ao
volume de reservas internacionais mantidas no país. Assim, os efeitos de uma política
econômica não têm influência sobre as variações cambiais, e taxas de juros e inflação
precisam estar nos patamares da moeda utilizada como base.
Em resumo, o currency board reflete na adoção de uma moeda forte ou “âncora”
para que o governo a utilize como base de conversão em suas negociações. Assume-se
ainda a responsabilidade na operação de compra e venda da moeda forte a uma taxa
predeterminada.
O comércio exterior tornou-se uma
fonte atrativa de recursos para as econo-
mias. Com mercados globais, todos os
países tendem a se beneficiar financeira-
mente com a entrada de recursos extras
para aplicação em novas políticas econô-

© SergNvns / / Fotolia
micas. Porém, a amplitude da política mo-
netária precisa abranger esse cenário. As
crises financeiras internacionais tendem a
impactar diretamente os planos de trabalho e as ações de políticas monetárias dos paí-
ses em geral. Como exemplo, pode-se destacar a crise econômica mundial de 2008,
que foi considerada uma das mais rigorosas. Ela surgiu por razões diversas, mas princi-
palmente pela redução de juros, pela desregulação do setor financeiro e pelo aumento
de competitividade dos mercados.
A colocação de dinheiro no mercado por meio do incentivo ao consumo pode ofe-
recer riscos para uma estabilidade econômica. A facilidade em adquirir bens com juros
menores pode levar a um grande índice de inadimplência. Esse fato, em uma escala se-
quencial, afeta a rentabilidade de empresas e automaticamente exige que o governo
esteja preparado para oferecer subsídios financeiros para que elas se mantenham ati-
vas no mercado. Assim, surgiu a crise imobiliária nos Estados Unidos, ponto de partida
para o grande impacto financeiro mundial em 2008.
Finanças Corporativas
143

Assaf Neto (2011, p. 35) afirma:

A economia mundial passou a conviver com forte risco sistêmico, motivado por uma
grave crise de confiança. A predominância da incerteza fez com que as instituições re-
cuassem nas concessões de créditos, reduzindo fortemente a liquidez dos agentes econô-
micos. A redução da oferta de crédito fez com que as empresas revissem seus projetos de
investimentos, contraindo a atividade da economia.

Na realidade brasileira, os reflexos da crise foram percebidos em três aspectos. O


primeiro foi na falta de crédito financeiro no mercado, o que prejudicou a capacidade
de crescimento das empresas brasileiras. Como segundo fator, houve a crescente osci-
lação na Bolsa de Valores. Esse acontecimento provocou a redução do valor das ações
ali negociadas, deixando essa linha de investimentos pouco atrativa pela análise de
perdas prováveis realizadas pelos investidores. Por fim, a valorização da moeda ame-
ricana em relação ao real tornou os processos de importação mais difíceis. Em uma si-
tuação contrária, toda a negociação de exportação do país seria mais atrativa.
Diante desses cenários de incertezas econômicas e financeiras, principalmente
pela abrangência de novas negociações que incluem tratamentos diferenciados na po-
lítica econômica de cada país, é preciso estabelecer alternativas que assegurem a soli-
dez do mercado nacional. Para isso, são aplicados os instrumentos de gestão da política
monetária.
No Brasil, o Bacen promove a gestão da política monetária pelos seguintes instru-
mentos:

a) recolhimentos compulsórios;
b) operações de mercado aberto
também chamadas de open market;
Design Gráfico: Juliano Henrique

c) políticas de redesconto bancário e


empréstimos de liquidez.
Finanças Corporativas
144

Juliano Henrique
Design Gráfico:
Recolhimentos compulsórios

Os recolhimentos compulsórios referem-se ao percentual disponibilizado ao


Bacen de incidentes sobre valores de captação dos depósitos efetuados nos bancos.
Sua eficiência se deve à atuação nos meios de pagamento mediante o multiplicador
bancário. Wessels (2010, p. 166, grifos do autor) comenta que “o Banco Central pode
influir no verdadeiro multiplicador bancário: o verdadeiro multiplicador bancário leva
em consideração o fato de que os bancos não emprestam todas as suas reservas exce-
dentes e que o público não deposita todo o seu dinheiro nos bancos”.

Juliano Henrique
Design Gráfico:
Operações de mercado aberto

As operações de mercado aberto ou de open market atuam como um instrumen-


to de grande agilidade no acompanhamento do fluxo monetário do país e nos níveis
das taxas de juros. Conforme explica Fortuna (2010, p. 52),
De forma reduzida, essas operações permitem:

• o controle permanente do volume de moeda ofertada ao mercado;


• a manipulação das taxas de juros de curto prazo;
• que as instituições financeiras realizem aplicações a curto e curtíssimo prazos de suas
disponibilidades monetárias ociosas;
• a garantia de liquidez para os títulos públicos’.
Juliano Henrique
Design Gráfico:

Políticas de redesconto bancário


e empréstimos de liquidez

As políticas de redesconto bancário e empréstimos de liquidez funcionam


como um socorro que o Bacen oferece aos demais bancos para que as necessidades de
caixa sejam supridas. Os bancos, assim como as empresas, também enfrentam proble-
mas de insuficiência financeira e têm que recorrer a agentes financiadores de recursos.
Mediante a avaliação desses instrumentos, uma política monetária pode ser expan-
sionista ou restritiva. A primeira é aquela que aumenta a liquidez da economia, disponi-
bilizando maior volume de recursos nos mercados e ampliando os meios de pagamentos.
Finanças Corporativas
145

Já em um cenário restritivo, os meios de pagamento reduzem-se com o consumo, o in-


vestimento e a atividade econômica, aumentando os juros e diminuindo o crédito.
No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom) é o órgão responsável pelo di-
recionamento da política monetária e pela definição da taxa de juros. Ele foi instituído
em 20 de junho de 1996 e é composto pelos oito membros da Diretoria Colegiada do
Bacen.

Formalmente, os objetivos do Copom são “estabelecer diretrizes da política monetá-


ria, definir a meta da taxa Selic e seu eventual viés, e analisar o Relatório de Inflação’’.
A taxa de juros fixada na reunião do Copom é a meta para a taxa Selic (taxa média dos
financiamentos diários, com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial
de Liquidação e Custódia), a qual vigora por todo o período entre reuniões ordinárias do
Comitê. (FORTUNA, 2010, p. 58).

Para estabelecer a taxa Selic, é possível visualizar o reflexo financeiro em toda a


economia, pois empresas, instituições financeiras e agentes do mercado a consideram
para a programação de seus preços de produtos e serviços. As decisões de uma boa
política monetária podem ser percebidas pela evolução positiva na economia do país,
de forma a beneficiar toda a estrutura do SFN.

4.3 Os acordos de capital de Basileia


Com a alta competitividade apresentada em cenários globais, as medidas que vi-
sam à preservação do capital auxiliam também na conservação da empresa no mer-
cado. Porém, o excesso de transações financeiras com instituições bancárias pode
denotar constantes riscos às atividades, principalmente se acontecem em economias
de moedas e políticas monetárias diferenciadas.
O Comitê de Basileia, originário da cidade suíça de Basileia, é considerado a maior
fonte de regulamentação da atividade bancária mundial. Suas diretrizes servem para
orientar a supervisão e as normas de conduta aplicadas nas transações financeiras que
envolvem os capitais e seus respectivos riscos. A criação do Acordo de Capital de Basileia
I propõe que os bancos estabeleçam uma capitalização mínima nas instituições financei-
ras. O objetivo é eliminar a aplicação de diferentes vantagens competitivas nessas insti-
tuições. Assaf Neto (2011, p. 143-144) acrescenta:
© compuinfoto / / Fotolia
Finanças Corporativas
146

O Acordo de Basileia I definiu critérios para mensuração principalmente do risco do crédi-


to e risco de mercado, e definiu um capital mínimo necessário aos bancos para financiar
seus ativos de risco. Para tanto, foi proposto um capital próprio mínimo de 8% calcula-
do sobre os ativos ponderados pelo risco (APR) mantidos pelos bancos. Isso significa que,
para cada $ 100 de aplicações realizadas, o banco deve manter $ 8 (8%), no mínimo, em
capital próprio. Os procedimentos de ponderação foram definidos pelo próprio Comitê.

Ao programar o capital dos bancos relacionado com o ativo ponderado pelo risco
(APR), reforça-se a proteção aos agentes depositantes nos seguintes aspectos:
• mudança dos indicadores econômicos internacionais;
• aparecimento de instrumentos financeiros mais sofisticados ou complexos;
• riscos oriundos de novas alternativas de negócios ou crises das instituições
financeiras.
O acordo oferece suporte para comparar as transações financeiras em âmbito in-
ternacional, com a preocupação de cobrir o risco de crédito e o risco de mercado. Na
comparação de Fortuna (2010, p. 899),

O risco de crédito representa a possibilidade de perda pelo não pagamento de algum tipo
de dívida que qualquer contraparte tenha assumido com uma instituição financeira.
O risco de mercado origina-se de qualquer mudança de valor nos ativos e passivos deti-
dos pela instituição financeira, quer sejam os vinculados à taxa de juros, à taxa de câmbio,
quer sejam os negociados nos mercados de renda variável ou no mercado imobiliário.

No ano de 2001, foi apresentada uma nova versão do Acordo de Basileia, cha-
mado de Basileia II. Trata-se de um aperfeiçoamento do Basileia I. No novo acordo, as
análises referentes ao gerenciamento de risco e à proteção dos capitais foram amplia-
das. Expôs-se a necessidade de transparência das operações para fortalecer o equilí-
brio financeiro e a disciplina do mercado. A estruturação do Basileia II tem enfoques
em três áreas: obrigatoriedade de capital mínimo para os bancos, novas práticas de
gestão de riscos e disciplina do mercado e equiparidade informacional.
Em relação ao capital mínimo, o aspecto diferente em comparação ao Basileia I é
a consideração do risco operacional. Porém, o percentual de 8% foi preservado. Assim,
a nova capitalização é assim constituída:

Capitalização
= 8%
(Risco de crédito + Risco de mercado + Risco operacional)
Finanças Corporativas
147

Entende-se por risco operacional a possibilidade de ocorrência de perdas financeiras como


decorrência de falhas, deficiências ou inaquedação de processos internos, pessoas e siste-
mas, ou provenientes de eventos externos. Estão também abrangidas no risco operacio-
nal as perdas decorrentes do risco legal, entendido como a inadequação ou deficiência em
contratos firmados pela instituição, bem como as sanções em razão do descumprimento de
dispositivos legais e a indenização por danos a terceiros decorrentes de atividades desen-
volvidas pela instituição. Entre os eventos de risco operacional, incluem-se: fraudes inter-
nas; fraudes externas; demandas trabalhistas e segurança deficiente do local de trabalho;
práticas inadequadas relativas a clientes, produtos e serviços; danos a ativos físicos próprios
ou em uso pela instituição; danos que acarretem a interrupção das atividades da instituição;
falhas em sistemas de tecnologia da informação; falhas na execução, cumprimento de pra-
zos e gerenciamento das atividades na instituição”. (FORTUNA, 2010, p. 884).

© SergNvns / / Fotolia
As novas práticas de gestão são aplicáveis mediante a implantação de controles internos mais específicos e
detalhados, que colaboram com os processos de fiscalização empresarial para o aumento da confiança no
mercado e monitoramento dos riscos incidentes, sejam operacionais ou financeiros. Em virtude disso, a disciplina
do mercado, ao avaliar as empresas, é proporcionar melhores relatórios de desempenho e de condições
financeiras para viabilizar oportunidades na concessão de créditos e de investimentos.

A introdução das recomendações do Acordo de Basileia no SFN foi por intermé-


dio da Resolução nº 2.099/1994 do CMN.

4.4 As considerações da Lei Sarbanes-Oxley


nas finanças empresariais
O conceito de governança corporativa é muito discutido no universo empresa-
rial atual. As constantes transformações econômicas, políticas e sociais observadas
no cenário mundial provocam impactos financeiros em empresas espalhadas por todo
Finanças Corporativas
148

o mundo. Somente as organizações bem estruturadas em seus controles financeiros


apresentam condições de se manterem competitivas e responderem prontamente às
mudanças. Na opinião de Souza Neto e Martins (2010, p. 189),

A partir desse movimento mercadológico, a Governança Corporativa (GC) passa a ser vis-
ta como um elemento fundamental da construção do novo arcabouço financeiro inter-
nacional. Ou seja, um ambiente transparente e bem fiscalizado no mercado de capitais
proporciona maior estabilidade dos fluxos de recursos e serve como um sistema de alar-
me contra as turbulências empresariais e financeiras.

A organização financeira empresarial é fundamental na constatação de resulta-


dos efetivos. Eles servem para defender respostas subsidiadas aos diretores executivos
e proprietários das organizações. Uma das formas de gerenciamento de informações
financeiras surgiu com o advento da Lei Sarbanes-Oxley. Ela foi sancionada em julho
de 2002 pelo então presidente dos Estados Unidos da América, George W. Bush, e
propõe medidas que afetam a divulgação financeira de empresas com ações negocia-
das na bolsa.
A Lei Sarbanes-Oxley, também referenciada pela sigla SOX, é monitorada e
aplicada parcialmente na abrangência do mercado de capitais norte-americano, fis-
calizado pela Securities and Exchange Comission (SEC). Seu enfoque principal está re-
lacionado com os padrões de informações disponibilizados nos relatórios financeiros,
na ampliação da divulgação desses informes financeiros para assegurar a transparên-
cia de processos e detectar fraude ou erros por parte da empresa e sua contabilidade.
Peters (2007, p. 9) apresenta um dos aspectos de exigência da lei:

Em relação ao controle interno e à responsabilidade pelas qualidades de informações pú-


blicas, a SOX exige que os principais executivos da empresa confiram os relatórios perió-
dicos entregues à SEC, garantindo assim que estes não contenham informações falsas ou
omissas, representando a real situação financeira da empresa, sendo impostas pe-
nalidades no caso de divulgação de informações errôneas ou inexatas.
© Aleksandr Bedrin / / Fotolia

A preocupação da lei remete a questões de segurança de in-


formações empresariais. Em um primeiro momento, ela repre-
senta interesses governamentais, por ser uma alternativa de
inibir possíveis sonegações. Mas também há a contrapartida:
existe a criação de responsabilidades formais internas no
tratamento dos dados financeiros. Desse modo, a des-
coberta de fraudes, a espionagem industrial e os er-
ros propositais causados pelos agentes de recursos
são punidos rigorosamente.
Finanças Corporativas
149

Diante dessa situação, a contabilidade é integrada automaticamente no contro-


le e na apresentação de relatórios correntes com a real condição financeira das empre-
sas. É atribuição do contador o registro dos fatos ocorridos mediante procedimentos
operacionais, mensurados financeiramente, que provoquem alterações no patrimônio
empresarial por documentação pertinente.
O trabalho desenvolvido no gerenciamento financeiro e administrativo do am-
biente interno empresarial também é ponto de análise e faz parte dos critérios esta-
belecidos na SOX. Questões de responsabilidade ética na condução dos negócios e na
apresentação de informações são aspectos pertinentes ao grupo de trabalho que ela-
bora estratégias e projeta cenários com o objetivo de conseguir lucro.
Wanderley (2011, p. 448) especifica em cinco itens os objetivos da Lei
Sarbanes-Oxley:

• Proporcionar mecanismos que aumentam a responsabilidade da alta administração de


uma empresa sobre a confiabilidade da informação por ela fornecida;
• Restringir o alto grau de vulnerabilidade das informações contábeis;
• Promover uma ampla reforma nos relatórios financeiros;
• Exigir boas práticas de governança corporativa e práticas éticas na condução dos
negócios;
• Privilegiar o controle interno e as formas mais adequadas de divulgação e emissão de
relatórios financeiros, contribuindo para o aumento da transparência e confiança no
mercado de capitais.

As discussões e normas descritas na SOX sobre os objetivos destacados estão na


composição de 11 capítulos e 66 seções. Primeiramente, abrangem empresas que pos-
suem ações na Bolsa de Valores de Nova Iorque, sejam americanas ou estrangeiras.
Relacionado ao cenário brasileiro, segundo Cordeiro (2011, p. 161), “Atualmente,
existem mais de 30 empresas brasileiras com registro na Securities and Exchange
Commission (SEC), com suas ações cotadas em bolsa norte-americana, e várias outras
planejam o registro para os próximos anos”.
Para as atividades administrativas e contábeis brasileiras, esse é um sinal de adap-
tação e adequação aos padrões de controles exigidos e práticas internas executadas. O
ponto em destaque da regulação da lei em empresas brasileiras está na criação de um
Comitê de Auditoria para minimizar a ocorrência de informações conflitantes. Esse se-
ria um órgão independente de fiscalização empresarial.
Souza e Figueiredo (apud Wanderley, 2011) expõem que os procedimentos relaciona-
dos ao SOX podem ser divididos em quatro esferas principais: controles internos, contro-
les administrativos, controles de auditoria e controles de riscos. Acredita-se que o conjunto
dessas esferas resulta no “retrato” fidedigno da estrutura e da realidade empresarial.
Finanças Corporativas
150

© SergNvns / / Fotolia
Em países mais desenvolvidos economicamente, a utilização dos controles internos é parâmetro
para a definição de ações futuras. Essas ações visam ao desenvolvimento empresarial e ao bem-
estar da economia como um todo. Trata-se de propostas palpáveis de ampliação, que geram
emprego e colaboram para a qualidade de vida.

Diante do antagonismo da econômica mundial, que ora retrata muita riqueza, ora
retrata extrema pobreza, é impossível não atribuir responsabilidade social às empre-
sas. Elas precisam assumir o papel de colaboradoras diretas para gerarem melhores
condições econômicas p ara a sociedade.
O lucro é a razão primeira da existência de uma empresa. Ele só é atingido nos
padrões fixados por mecanismos que auxiliem na tomada de decisões. Esses padrões
começam pelos controles internos. Na visão de Crepaldi (2010, p. 360), entende-se por
controles internos:

[...] todos os instrumentos da organização destinados à vigilância, fiscalização e verifica-


ção administrativa, que permitam prever, observar, dirigir ou governar os acontecimentos
que se verificam dentro da empresa que produzam reflexos em seu patrimônio.

Tratando-se de controles administrativos, eles podem perfeitamente ser enqua-


drados nos controles internos, uma vez que se referem a relatórios gerenciais e de pla-
nejamento estratégico, utilizados para o acompanhamento e a projeção de práticas
empresariais atuais e futuras. Fazem parte desse grupo os relatórios de vendas, pro-
dução, despesas, caixa, contas a pagar, contas a receber, resultados, investimentos, fi-
nanciamentos e de estrutura patrimonial.
Os controles de auditoria são o conjunto das informações e análises realizadas du-
rante a auditoria, projetadas no plano de trabalho do auditor. Sua função é suprir dúvidas
e esclarecer dados registrados nas demonstrações contábeis para a constatação de possí-
veis erros ou fraudes.
Finanças Corporativas
151

No tratamento dos controles de riscos, a empresa tem a preocupação de retratar e


acompanhar as incertezas de mercado, que podem ser de ordem financeira ou operacio-
nal e impactar negativamente nos resultados ou nas ações futuras que venham a ser im-
plementadas. Como medidas práticas, de fácil aplicação na organização, são sugeridas
as propostas de mapeamento de riscos, visando à criação de formas de controles.
No conteúdo desse mapeamento, devem estar registrados os eventos que pos-
sam afetar os procedimentos empresariais. Destacam-se os itens de avaliação, as me-
didas de gerenciamento, as ações a serem realizadas para evitar ou reduzir o impacto
e a resposta ao risco com a indicação da decisão gerencial para a aceitação, eliminação
ou compartilhamento em outras áreas empresariais.
Apesar de tantas exigências, no cenário brasileiro a Lei Sarbanes-Oxley provocou
a constatação de benefícios no modo de organização das informações empresariais.

Na tentativa de evitar novas fraudes, a SOX passou a obrigar que as companhias descre-
vam detalhada e claramente cada um de seus processos administrativos e contábeis – as-
sim fica fácil atribuir responsabilidade no caso de eventuais deslizes. Os novos processos
viraram um pesadelo gerencial para as milhares de corporações obrigadas a seguir a lei
– cada um dos incontáveis procedimentos internos tem de ser padronizado e detalhada-
mente descrito e auditado. No entanto, esse esforço vem mostrando um inesperado lado
positivo às empresas. No decorrer do processo, as companhias brasileiras que se adapta-
ram á SOX perceberam que os procedimentos da nova lei ajudam a melhorar controles, a
facilitar gestão e até a cortar custos (CREPALDI, 2010, p. 363).

Os títulos vinculados aos capítulos da lei remetem à rigorosidade no controle de


informações empresariais e à atribuição de responsabilidades aos agentes da adminis-
tração. Os capítulos estão assim estruturados:
Finanças Corporativas
152

I Conselho de Fiscalização das Normas Públicas de


Contabilidade das Empresas – PCAOB.

II Independência de auditores independentes.

III Responsabilidade das empresas.

IV Ampliação de divulgações financeiras.

V Conflito de interesses dos analistas.

VI Recursos e poderes das comissões.

VII Estudos e relatórios.

VIII Responsabilidade criminal e fraudes.

IX Penas para crimes de colarinho branco.


Design Gráfico: Juliano Henrique

X Restituição de impostos.

Fraude dentro do âmbito empresarial


XI e na sua contabilidade.

Para ressaltar o princípio ético da lei, algumas normas fixadas têm causado po-
lêmicas no ambiente empresarial e de mercado. Entre elas está a implantação de um
código de ética que norteia ações para promover o adequado tratamento ético de con-
flitos entre relacionamentos pessoais e profissionais, além do delineamento de condu-
tas profissionais inadequadas. A complexidade dessa norma está na formalização de
avaliações de juízo de valor em relação a comportamentos organizacionais que, em
análises de personalidades e modos comportamentais pessoais, podem se transformar
em problemas jurídicos futuros.
Finanças Corporativas
153

Outra norma polêmica decorre de um aspecto financeiro. No texto de Wanderley


(2011, p. 446), comenta-se:

Segundo a Lei Sarbanes, torna-se ilegal a concessão, renovação ou prorrogação, direta


ou indiretamente, por qualquer companhia emissora de ações, de empréstimos pessoais
a administradores, conselheiros ou funcionários equiparados a administradores. Na legis-
lação societária brasileira, não há restrição específica à concessão de empréstimos a ad-
ministradores, desde que não haja conflito com o interesse da companhia e, ainda, que
sejam concedidos em condições igualitárias aos demais interessados na sociedade’.

A questão de discussão está no fato de a regra já pertencer a uma lei e, conse-


quentemente, prejudicar empresas brasileiras no cenário internacional por sua não
adequação. Também nossos empresários nem sempre esperam a distribuição de lucros
para receber o recurso a que têm direito. O objetivo da lei é evitar desvios ou formas
de corrupção. Porém, na visão do empresário, se for considerado empréstimo, o valor
terá que ser devolvido à empresa.

Filme Enron: os mais espertos da sala (2005), dirigido por Alex Gibney e produzido por Alex
Gibney, Jason Kliot e Susan Motamed. O filme apresenta a queda de uma das maiores empresas
norte-americanas após a descoberta de um esquema fraudulento de “maquiagem” contábil.

Por fim, espera-se que a Lei Sarbanes-Oxley contribua para agregar o verdadei-
ro valor ao patrimônio das empresas, tendo em vista os controles verídicos que podem
ser utilizados como padrões de alternativas atrativas para investidores externos, de
forma a movimentar e dar credibilidade ao mercado de capitais.
Finanças Corporativas
154

Referências
ASSAF NETO, A. Mercado Financeiro. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2011.
ASSAF NETO, A.; LIMA, F. G. Fundamentos de Administração Financeira. São Paulo:
Atlas, 2010.
BONELLI, R.; PINHEIRO, A. C. Abertura e Crescimento Econômico no Brasil. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2008.
CORDEIRO, C. M. R. Auditoria e Governança Corporativa. Curitiba: Iesde, 2011.
CREPALDI, S. A. Auditoria Contábil: teoria e prática. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
FORTUNA, E. Mercado Financeiro: produtos e serviços. 18. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark,
2010.
HOJI, M. Administração Financeira e Orçamentária: matemática financeira aplicada, es-
tratégias financeiras, orçamento empresarial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.
KATO, J. Curso de Finanças Empresariais: fundamentos de gestão financeira em em­
presas. São Paulo: M Books, 2012.
LEMES JÚNIOR, A. B.; RIGO, C. M.; CHEROBIM, A. P. M. S. Administração financeira:
princípios, fundamentos e práticas brasileiras. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.
PETERS, M. Implantando e Gerenciando a Lei Sarbanes Oxley. São Paulo: Atlas, 2007.
PINHEIRO, J. L. Mercado de Capitais: fundamentos e técnicas 5. ed. São Paulo: Atlas,
2009.
SOUSA NETO, J. A. de.; MARTINS, H. C. Finanças Corporativas na Prática: ferramentas
gerenciais. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Elsevier; Fundação Dom Cabral, 2010.
WANDERLEY, C. A. N. Auditoria: teoria e questões. Rio de Janeiro: Ferreira, 2011.
WESSELS, W. J. Economia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
Superintendente Prof. Paulo Arns da Cunha
Reitor Prof. José Pio Martins
Pró-Reitora Acadêmica Profa. Márcia Teixeira Sebastiani
Diretor de EAD Prof. Roberto de Fino Bentes
Gerente Editorial e de Tutoria Profa. Manoela Pierina Tagliaferro
Gerente de Metodologia Profa. Dinamara Pereira Machado
Autoria Edimara Côrtes Gonçalves Frescura
Supervisão de Josiane Cristina Rabac Stahl
Desenvolvimento de Conteúdo
Análise de Conteúdo Francine Ozaki
Análise de Qualidade Betina Dias Ferreira
Edição de Texto Carolina Becker Koppe Costa,
Caroline Chaves de França e Elisa Novaski Cordeiro
Design Instrucional Daniel de Mattos Keller e Lucelí de Souza Fabro
Layout de Capa Valdir de Oliveira
Imagem de Capa Thiago Sihvenger
Edição de Arte Denis Kaio Tanaami
Diagramação Denis Kaio Tanaami, Janaina Benato Siqueira,
Regiane Rosa, Solange Souza Mendes
e Vanessa Trevisan Marcon
Design Gráfico Juliano Henrique e Thiago Sihvenger
Estágio de Design Gráfico Bernardo Beghetto, Débora Allana Zimmermann
e Willian Batista
Revisão Ana Raquel Cruz e Elizabeth Pinheiro

*Todos os gráficos, tabelas e esquemas são creditados à autora, salvo quando indicada a referência.

Informamos que é de inteira responsabilidade da autora a emissão de conceitos. Nenhuma parte


desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou forma sem autorização. A violação dos
direitos autorais é crime estabelecido pela Lei n.º 9.610/98 e punido pelo artigo 184 do Código Penal.

Copyright Universidade Positivo 2014


Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Campo Comprido
Curitiba-PR – CEP 81280-330