You are on page 1of 13

A Educação Rumo à Parceria Público Privada

Norma Suely Siqueira Eiras

Resumo
O processo do neoliberalismo revela, no seu momento mais intenso, a submissão de
todos os níveis da vida humana a transações mercantis, a inclinação capitalista à
mercantilização mundial. Desse modo, as propostas neoliberais objetivam, sobretudo,
a criação de um sentimento único para garantir o sucesso de seus ideais de
globalização, de livre-economia e de Estado mínimo, não interventor nas políticas
sociais, mas servidor do mercado. Dentre os artifícios utilizados pelos propositores
neoliberais encontram-se as Parcerias Público-Privadas (PPPs) com as quais este
artigo se ocupa. A partir da conceituação e da caracterização do instrumento Parcerias
Público-Privadas (PPPs), foram analisados projetos nacionais e europeus
desenvolvidos através das PPPs.Os temas desses projetos envolvem Tecnologia de
Informática e Comunicação e eLearning (ensino + tecnologia + a distância). As reflexões
evidenciaram que as parcerias entre governos e empresas multinacionais podem
levar a uma perda de controle por parte do Estado sobre a formação educacional dos
cidadãos e da perda de identidade de seus currículos. Por outro lado, essas parcerias
trazem ganhos políticos aos Estados e econômicos às empresas.
Palavras-chave: Parceria público-privada; TIC; eLearning; Política educacional.

Education in the Direction of Public-Private Partnership


Abstract
The process of the neoliberalism reveals, at its more intense moment, the submission
of all the levels of the life human being the mercantile transactions, the capitalist
inclination to the world-wide trading. In this manner, the neoliberal proposals objectify,
over all, the creation of an only feeling to guarantee the success of its ideals of
globalization, free-economy and State minimum, not inhibit the social politics, but
partnership of the market. Amongst the artifices used for the neoliberal proposers,
placed the Public-Private Partnerships (PPPs) with which this article concerns. From
the conceptualization and characterization of the instrument Public-Private Partnerships
(PPPs), national and European projects, developed through the PPPs, had been
analyzed. The subjects of these projects involve Technology of Computer science and
Communication and eLearning (education + technology + in the distance). Reflections
had evidenced that the partnerships between governments and multinationals
companies can lead to a loss of control on the part of the State on the educational
formation of the citizens and the loss of identity of its resumes. The explanation for this
phenomenon happens of the trend to the globalization. On the other hand, these
partnerships bring profits politicians to the governments and economic to the companies.
Key words: Public-private partnership; TIC; eLearning; educational Politics.

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


128
Introdução
Na década de 80, a globalização intensificou-se, extendeu-se, tornando-
se cada vez mais influentes em todas as áreas – econômica social e política.
Uma forte hegemonia do capitalismo neoliberal imprimiu mudanças progressiva-
mente mais fortes na vida socioeconômica da Europa e também dos EUA e da
América Latina.
Abreu (2005) refere-se assim a essa movimentação

Com as globalizações foram-se limitando os poderes do Estado e


alterando muitas das suas relações com diferentes instituições
que, crescentemente, vão privatizando os seus serviços ou são
forçadas a fazê-lo. Este protagonismo das globalizações
econômicas e políticas tornaram-se gritante a partir, sobretudo,
dos acontecimentos que permitiram e rodearam a queda do muro
de Berlim, ocorrência que, se pode admitir, simboliza a alteração
de um precário equilíbrio de forças políticas que até aí tinha existido.
O capitalismo, neoliberal que já se vinha a afirmar fortemente,
entrou, então, no seu apogeu.

Para Sousa Santos (2004), o capitalismo neoliberal imprimiu ao Estado


sua marca, na medida em que este abandonou sua característica de agente
controlador e articulador entre mercado e comunidade e não só se converteu em
um servidor de mercado, como induziu a comunidade a fazer o mesmo.
Segundo Dave, os serviços públicos voltados ao bem-estar social como a
educação e a saúde passaram, então, a ser vistos como mercados lucrativos
através da privatização, da capitalização e da reificação da humanidade e dos
comandos globais das agências do capital internacional.
É nessa moldura que se enquadra o objetivo deste trabalho, isto é, mos-
trar a tendência mundial, sob o discurso do neoliberalismo e da modernização,
por parte de governos, da utilização de Parcerias Público-Privadas – PPPs na
educação com a perspectiva de melhorar a qualidade da aprendizagem, bem
como integrar o aluno, o professor e o gestor escolar ao mundo da informática.
A principal idéia veiculada nessas parcerias está centrada no fato de que
a tecnologia precisa estar disponível, da forma mais clara e mais efetiva possível,
para garantir à população oportunidades de desenvolvimento de seu potencial de
trabalho.
Partindo da conceituação de diferentes instrumentos utilizados pelo se-
tor público e pelo setor privado, no compartilhamento de tarefas até então típicas

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


129

da área pública, tais como concessão, privatização, o artigo se atém à PPP uma
vez que esse modelo se faz presente na educação e nos programas utilizados na
Europa e no Brasil,
O texto apresenta definição, características e pressupostos das PPPs,
projetos educacionais, além de conseqüências políticas e sociais que podem
resultar desses contratos. Para tanto, recorre a autores, os quais vêm se preocu-
pando com essa temática.

Concessão, privatização e parceria público privada


Nos últimos 40 anos, muitos países da Europa e da América Latina vêm
lançando mão de projetos com o intuito de partilhar a execução de políticas go-
vernamentais com a iniciativa privada. Esse modo de operar apresenta marcas do
neoliberalismo, onde o Estado é levado a desempenhar a função de organizador, de
regulador, de fiscalizador e a deixar de ser a peça principal no processo produtivo.
Tal fenômeno recebe ao longo do tempo diversos nomes – concessão,
privatização e parceria público privada.
Concessão (AUTOBAN, 2007) é a transferência, pelo Estado, à iniciativa
privada, da administração de um serviço público, por um período pré-determinado,
sob fiscalização e acompanhamento de um determinado órgão público.
Através de um contrato estabelece-se um cronograma de investimentos
que deverá ser rigorosamente cumprido durante o período de concessão. Ao fim
da gestão, a empresa privada reverte ao poder público e à sociedade o serviço
com todas as melhorias.
Privatização (WIKIPEDIA, 2007) é o processo de venda de uma empresa
ou instituição do setor público - que integra o patrimônio do Estado - para o setor
privado, geralmente através de leilões públicos.
Não existe uma definição única de PPPs. PPP é um conceito sombri-
nha que cobre uma gama muito ampla de atividades econômicas, marcada por
uma constante evolução.
Para o Fundo Monetário Internacional - FMI - (TER-MINASSIAN, 2004), a
PPP é uma parceria constituída pelos setores públicos e privados, cujo objetivo
central é transferir um serviço tradicionalmente administrado pelo setor público,
ao setor privado. A utilização desse instrumento visa a utilização do financiamen-
to do setor privado e sua capacidade de gestão de empreendimentos comerciais
a longo prazo.
As PPPs (LINKLATERS, 2006) também são definidas como acordos ins-

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


130

tituídos entre uma esfera pública e uma esfera privada, tendo normalmente como
meta a prestação ao público, pelo parceiro privado, de bens ou serviços; a coloca-
ção à disposição, pela entidade privada à entidade pública, de meios que lhe
permitam desempenhar a sua função de modo mais eficiente. A PPP prevê sem-
pre a remuneração por parte do usuário ao órgão prestador de serviço.
Nota-se em todas as definições acima expostas que as mesmas estão
voltadas ao aspecto econômico da transação, da eficiência e também apresen-
tam um ponto em comum, isto é, o recuo do Estado frente às demandas sociais.
O Estado não trabalha em conjunto com a iniciativa privada, ele cede espaço, ele
deixa o palco livre. E, sendo assim, pode até perder o controle das ações de seus
concessionários, de seus parceiros.
Renata Lins (2006) é contundente ao definir PPP. Para ela as PPPs re-
presentam a volta do AMI (Acordo Multilateral de Investimentos) a nível nacional,
ou seja, trata-se de um mecanismo legal que permite às grandes corporações
exercerem direitos extensos, deveres poucos, risco nenhum e lucro garantido.

PPP e o Fundo Monetário Internacional


No documento preparado pelo Departamento Fiscal de Finanças do FMI
e aprovado por Teresa Ter-Minassian em 2004, uma PPP viável tem como base a
distribuição otimizada de riscos entre as partes. O seguinte lema deve ser segui-
do: os riscos são transferidos a quem sabe melhor manejá-los. Além disso, o
setor público nunca poderá desfazer-se de sua responsabilidade final pelo serviço
frente ao cidadão. Para os defensores da PPP seu ponto forte encontra-se no fato
de o setor privado assumir seu financiamento e seu risco de operação. E, sobre-
tudo, ter um baixo impacto na contabilidade da Nação e apresentar uma melhor
transparência nos custos. E, ainda, ao servir-se das PPPs o Estado potencializa a
capacidade de gestão do setor privado, melhora a qualidade dos serviços públicos
prestados e gera poupanças consideráveis na utilização dos recursos públicos.
O documento, acima mencionado, pode ser tomado como um manual,
um receituário aos interessados em realizar PPP. Além de oferecer o modo de
operar, expõe as experiências de sucesso e de fracasso ocorridas no Chile, na
Irlanda, no México e no Reino Unido. A legislação brasileira sobre PPP também
ganha espaço nesse relatório.
Chama a atenção, contudo, o fato de em vários momentos, o manual
tratar dos riscos e sua distribuição no instrumento PPP. A princípio, todo risco
deve ser arcado pela iniciativa privada. Contudo, as dúvidas que permanecem é

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


131

se há, no mundo tão concorrido dos negócios, empresas privadas que entram
num projeto sem calcular exatamente os riscos que podem correr e que não
prevêem os lucros advindos do empreendimento.
Também nele não há conselhos, dicas de como proceder para garantir
que o setor público nunca abandone sua responsabilidade final pelo serviço frente
ao cidadão.

PPP na Europa
A Inglaterra, ao lado dos EUA, é pioneira na regulação da participação do
Estado na oferta de bens públicos. Segundo Ter-Minassian (2004), o resultado
dessa experiência levou à criação de um instrumento chamado de PFI – Private
Finance Initiative (Iniciativa para o Investimento Privado) que apresenta um con-
ceito restrito de PPP: o governo firma um contrato com o setor privado para a
provisão de serviços cujo retorno social excede o retorno privado, não se prestan-
do, portanto, à privatização ou concessão pura. O setor público mantém a res-
ponsabilidade pela provisão de parte dos serviços.
Ainda de acordo com Ter-Minassian (2004), as bases do modelo inglês
PFI podem ser assim elencadas: relação de longo prazo; negócio definido por
contrato; negócio situado no limite entre os setores público e privado; modo mais
sofisticado de manejar os riscos de implementação para o setor público; o setor
público mantém sua responsabilidade para a entrega do serviço; vocação pública;
implementação privada.
O sucesso do modelo inglês ocorreu somente após a formação de um
órgão, cuja função era coordenar os projetos, através da definição de prioridades,
da remoção de obstáculos técnicos e da introdução de uma maior flexibilidade.
O Gabinete de Estatísticas da União Européia (EUROSTAT,2004), orga-
nização estatística da Comissão Européia que produz dados estatísticos e pro-
move a harmonização dos métodos estatísticos entre os estados membros, de-
terminou que os ativos de uma PPP podem qualificar-se de não-governamental e,
portanto, ser considerados como fora do balanço nacional se as duas condições
que se seguem forem respeitadas:o setor privado aceita o risco de construção; o
setor privado assume o risco disponibilidade ou o risco demanda.
De acordo com o manual aprovado por Ter-Minassian, em 2004, não se
deve subestimar os muitos obstáculos na implementação de PPPs. Dentre eles
os legislativos, o marco legal; os financeiros; a debilidade do setor público; o
desenho de projetos; a avaliação técnica e econômica; a licitação/execução de

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


132

projetos; a rentabilidade/valor por dinheiro; a capacidade e esforços despendidos.


Além disso, os seguintes dados são imprescindíveis para o sucesso da
PPP - necessidade de investimento; forte compromisso político; estruturas
institucionais adequadas; marco regulatório facilitador; diálogo com o setor priva-
do e setor financeiro desenvolvido.
E confirmando o desenho do documento elaborado pelo FMI, os passos
necessários para implementar as PPPs são os seguintes : ter uma clara política de
investimento em infra-estrutura e recursos necessários; ter a estrutura institucional
adequada; avaliar e selecionar os proveitos prioritários; examinar as opções de
contratação; aplicar o modelo PPP quando convir; manejar as expectativas.
Pode se concluir, tendo em vista o relatório citado anteriormente, que não
há um modelo único de PPP. O enfoque de cada país para seu modelo corresponde
a: objetivos políticos de seu governo; necessidade de desenvolver mecanismos
complementares de contratação e entrega de serviços por parte do estado; recur-
sos disponíveis dos setores públicos e privados.

O emprego da PPP na Comunidade Européia


A utilização de PPP, no âmbito educacional, nasce da afirmação de que
a educação vem passando por uma transformação conceitual, fortemente vincula-
da às conjunturas econômicas, ultrapassando inclusive os limites das nações e,
essa ação pode ser exemplificada nos dois projetos que vêm sendo implantados
na Europa.
O assim denominado “Career-Space” – Espaço-Profissional, modelo exem-
plar de PPP, é um consórcio de Companhias de Tecnologia, Informação e Comu-
nicação como BT, Cisco Systems, IBM Europe, Microsoft, Intel, Nokiam Nortel
Neworks, Philips Semiconductors, Siemens AG, Telefonia S.A e Thales e a Asso-
ciação Européia Industrial de Tecnologia e Informação e Comunicações. É defini-
do como um ambiente alternativo, cuja proposta é a de cooperar com o desenvol-
vimento do conhecimento econômico (ROBERTSON, 2007).
Sua proposta é

Desenvolver um sistema para estudantes, instituições e governos


que descreva as funções, as habilidades e as competências
exigidas pela indústria TIC na Europa. O primeiro passo foi dado
para desenvolver habilidades comuns, perfis relevantes para o
trabalho com TIC, para criar um website específico e usar outras
ferramentas de comunicação para tornar estas informações
amplamente disponíveis. Os perfis profissionais atingem as

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


133
principais áreas de trabalho, as quais a indústria de TIC apresenta
uma grande demanda e há carência (...) (Projeto Career Space).

Além desse projeto, a Europa apresenta também uma iniciativa, de gran-


de envergadura, denominada “eLearning (ensino + tecnologia + a distância) –
Pensar o Futuro da Educação”.
Para Robertson (2007), os Estados-Membros da União Européia decidi-
ram trabalhar em conjunto, partilhar suas experiências para harmonizar as preo-
cupações relativas à falta de competências no domínio das TIC – Tecnologias de
Informática e Comunicação, e colocar a Europa em pé de igualdade com os seus
concorrentes como EUA e Japão e, para tanto, criaram o projeto “eLearning –
Pensar o Futuro da Educação”.
Este projeto pretende mobilizar a comunidade educativa e cultural, bem
como os agentes econômicos e sociais mundiais, a fim de acelerar a reforma dos
sistemas educativos e de formação e contribuir para a entrada da Europa numa
sociedade assentada no conhecimento. Robertson (2007) a Iniciativa eLearning
visa apoiar e coordenar esses esforços e acelerar a adaptação dos sistemas
educativos e de formação na Europa.
Para alcançar sucesso nessa iniciativa, ainda de acordo com Robertson,
(2007),a Comissão Européia firmou parcerias público-privadas com grandes fir-
mas transnacionais – IBM, Cisco e Nokia, entre outras. Essas firmas transnacionais
têm grandes interesses no mundo da Tecnologia e Informática, incluindo o forne-
cimento de hardware, software em educação e capacitação.
De acordo com o Relatório Summit – Summit Declaration (2001),nascido
de encontro em La Hulpe, na Bélgica, a educação precisa ser reorganizada, pois
num futuro próximo, o ensino será necessariamente a distância, através de um
sistema educacional e seus professores. E mais, os papéis dos educadores, as
práticas pedagógicas e os espaços educacionais serão redefinidos através de
uma estrutura de parceria entre os setores públicos e privados.
Segundo Robertson (2007) para a Comissão Européia, essas parcerias
público privadas são de fundamental importância, em relação à oferta de educa-
ção e capacitação, já que há um grande déficit de capital dos Estados-Membros
para investir no setor público. Assim as parcerias seriam uma necessidade ur-
gente, um diálogo progressivo entre o setor privado e o setor público.
Por seu turno, o maior interesse das firmas transnacionais especializadas
em Tecnologia de Informática e Comunicação – TIC - é a criação de um sistema
curricular em TIC que lhe dê realidade e base, operando em um espaço virtual

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


134

europeu de educação e capacitação, podendo, desse modo, unir sua própria


necessidade em obter lucros e dar condições para que cresça a lucrabilidade
(ROBERTSON, 2007).
Na visão da autora acima citada, tanto a Comissão Européia, quanto o
capital transnacional têm interesses garantidos legalmente em promover eLearning
e parcerias público-privadas como um mecanismo de produção de educação nes-
te espaço. Isto permite a entrada do setor privado no mercado europeu de
tecnologias digitais e no mercado de ensino, enquanto que para a Comissão
Européia, a capacidade do setor privado está mobilizada para garantir a realiza-
ção do projeto político da União Européia – um espaço/local estatal/público Euro-
peu competitivo.
Em outras palavras, o trabalho da educação e seu controle, para Robertson
(2007), aumentam paulatinamente e ocorrem através de uma faixa de escalas –
global a local – enquanto que o poder do Estado está sendo disperso através
destas escalas – desarticulando de sua concentração na escala nacional. Isto
revela, novamente, as concepções metodológicas nacionalistas de trabalho so-
bre estado e educação.
Esses dois projetos de PPPS existentes na Europa vêm corroborar a
idéia, acima discutida, de que não há riscos em relação aos lucros, que podem
ser obtidos nas parcerias educacionais – tanto o Estado quanto a iniciativa priva-
da ganham, politicamente e monetariamente respectivamente.
Talvez os riscos estejam tão somente do lado da sociedade civil, já que
as PPPs podem comprometer a própria essência daquilo que vem sendo chama-
do de serviço público,ou seja, a satisfação , as necessidades coletivas.
Em nenhum dessas parcerias, até agora analisadas, encontrou-se pas-
sagens em que a preocupação estivesse centrada em garantir de fato os direitos
individuais através de uma educação que leve em conta as peculiaridades nacio-
nais, regionais, locais, individuais.
Pode-se até pensar que as PPPs criam facilidades em demasia ao capi-
tal privado, promovendo a mercantilização dos serviços públicos.

PPP no Brasil
Embora com um aporte econômico e objetivo menores em relação ao
que está ocorrendo na Europa, o Brasil também caminha rumo à PPP.
Atém-se aqui a dois projetos: o Programa de Capacitação a Distância
para Gestores Escolares – Progestão e o Programa Gestão Escolar e Tecnologias,

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


135

embora haja vários programas de formação para alunos e educadores como: Pro-
grama Aluno Monitor; Programa Objetos de Aprendizagem; Programa Aprender
em Parceria.
O Progestão foi construído e desenvolvido pelo Conselho Nacional de
Secretários de Educação (Consed), com o apoio da Fundação Ford, das secreta-
rias estaduais de Educação de 17 estados, Amazonas, Ceará, Goiás, Maranhão,
Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte,
Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins e Sergipe, da Universi-
dade Nacional de Educação a Distância da Espanha (Uned) e da Fundação Roberto
Marinho.
O objetivo geral do Programa é “formar lideranças escolares comprometi-
das com a construção de um projeto de gestão democrática da escola pública,
focada no sucesso dos alunos das escolas públicas de ensino fundamental e
médio” (MACHADO, 2004 p.13).
A Secretaria Estadual de Educação do Estado de São Paulo, cujo então
secretário era o professor Gabriel Chalita, iniciou a implantação do Progestão,
em 2004/2005, com os gestores - diretores, vice-diretores e professores coorde-
nadores - de suas 6.000 escolas.
Já em 2003, a Microsoft lança mundialmente a iniciativa Partners in
Learning que no Brasil recebeu o nome de Parceiros na Aprendizagem.
Essa iniciativa global - hoje em mais de 101 países – visa capacitar alu-
nos e educadores a utilizar a tecnologia para a melhoria dos processos de ensi-
no-aprendizagem e suas relações sociais e culturais. O objetivo é fornecer aos
educandos atividade de formação, de acesso à tecnologia para que esses cida-
dãos tivessem melhores oportunidades de desenvolvimento de seu potencial e de
trabalho (RALSTON, 2006).
Como forma de atingir esse objetivo, a iniciativa promoveu ações educaci-
onais por meio de parcerias e colaboração de longo prazo com países e governos.
Em 2004, a Microsoft do Brasil desenvolve em parceria com a Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP, o Programa Gestão Escolar e
Tecnologias, e tendo como parceiro o Consed introduzem o projeto no Distrito
Federal, e mais 10 estados: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará,
Pernambuco, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins.
Para Raltson (2004), a iniciativa encontra como caminho efetivo, apoiar a
educação pública no Brasil, reforçando programas de políticas públicas educaci-
onais nacionais, que emergem da realidade de cada região e localidade. O obje-

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


136

tivo final é levar, por meio de cada projeto, seu “know-how” tecnológico, como
forma de apoiar e potencializar programas e projetos voltados para a melhoria da
qualidade de vida das populações carentes.
Para o presidente da Microsoft Brasil, o programa Gestão Escolar e
Tecnologias:

pretende formar lideranças nas escolas públicas que saibam utilizar


as ferramentas que possuem, com o objetivo de melhorar o
aprendizado e orientar professor e alunos sobre o melhor uso da
tecnologia na conquista do conhecimento e da cidadania (UMEOKA,
2006, p.12).

A meta do Programa é introduzir a utilização das tecnologias de Informática


e Comunicação, TICs, na gestão e rotina escolares, sabendo-se, de antemão,
que mesmo possuindo algumas tecnologias, as escolas não se beneficiam das
mesmas para melhorar a eficácia da gestão.
Esse projeto vem complementar a formação dos gestores iniciada atra-
vés do Programa de Capacitação a Distância para Gestores Escolares – Progestão.
No Estado de São Paulo essa parceria durou até 2007, com uma cober-
tura quase total de capacitação de gestores das escolas estaduais.
Embora os dois Programas tenham obtido uma boa avaliação dos partici-
pantes, a maioria concluiu que a obrigatoriedade de participação nos projetos
revela o eterno modo de operar dos órgãos governamentais. – via convocação.
Além disso, tornar rotina o que se aprende nesses projetos é um outro dificultador
em vista das diferentes realidades escolares e pelo fato de não se contar com apoio
técnico na manutenção das máquinas, bem como de material de reposição.
Para os especialistas, ligados ao FMI, embora cada PPP deva ser criada
de acordo com as necessidades e especificidades do país, pois não há um mo-
delo a seguir, cada caso é um caso, as experiências vividas por outros países
servem para identificar seu ponto positivo e negativo.
Os pontos positivos de PPP são muitos, dentre eles pode-se destacar o
fator econômico e o aumento da relação preço-qualidade.
Os pontos críticos para o sucesso do modelo são compromissos políti-
cos, legislação a dequada, pessoal especializado, priorização dos projetos,
existência de um fluxo regular e previsível de provisão dos serviços e pagamen-
tos, questão da administração e operacionalização. Há também o problema rela-
cionado aos altos custos da licitação e a dificuldade que as empresas menores

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


137

encontram para participar dos contratos.


Desse modo, cada país deve inventar seu modelo de PPP de acordo com
seu ambiente institucional e econômico. O que todo país tem em comum ao fazer
uso desse instrumento é a necessidade de fazer aporte em investimentos em
infra-estrutura, mesmo sem recursos fiscais suficientes.
Deixando-se de lado o campo econômico e partindo para as relações
sociais, os riscos de homogeneização cultural, educacional e de perda de identi-
dade de países e nações são enormes. Além disso, há ainda muitas incertezas
em relação ao mero atrelamento de objetivos educacionais com objetivos econô-
micos, principalmente pela instabilidade que ronda o mundo das micros e macros
economias.
E como pergunta Robertson (2007) em relação aos programas desenvol-
vidos na Europa

será que a Comissão Européia tem suficiente aparato (...) para


assegurar que a igualdade social não seja solapada quando o
espaço educacional estiver exposto aos interesses lucrativos?
(ROBERTSON, 2007.p.17)

Considerações finais
O texto propõe mostrar o desenho de implantação de novas políticas
educacionais onde governos estabelecem contratos com a iniciativa privada.
O interesse circunscreveu-se no âmbito da Parceria Público Privada, pois,
se constata que é esse o modelo que vêm sendo utilizado na área da educação.
É fato consumado, nos tempos atuais, a mudança do papel do Estado no
provimento de serviços sociais justificada, na maioria das vezes, por fatores eco-
nômicos. Isso não impede de se levantar as conseqüências de decisões relacio-
nadas aos investidores globais ao optarem, por exemplo, pela implantação de
programas de ensino-aprendizagem de tecnologias de informática e comunica-
ção, que venham a desconsiderar as particularidades nacionais, regionais, locais
e individuais, a favor de objetivos estratégicos que visam, sobretudo, crescimento
e competitividade econômica.
Frise-se que num país continental a multiplicidade cultural revela realida-
des e necessidades diversas. Tal condição pode colocar em xeque programas,
acima supracitados, cujos objetivos desconsideram o aprimoramento cultural,
ético, moral, estético e também político-econômico das comunidades onde são
estabelecidos.

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.


138

Ademais, para que numa PPP tenha-se a possibilidade de se equilibrar a


demanda social com a demanda por lucro, necessário se faz garantindo o fiel da
balança entre o poder estatal, representante legal da sociedade civil, e o poder
das grandes empresas multinacionais.

Referências
ABREU, M.L.C.Z.C. Educação num contexto de capitalismo desorganizado. Fórum
Ibérico da Educação 2005. Disponível em: http:// www.rizoma3ufsc.br/textos/268.pdf.
Acesso em 11 mai. 2008.
AUTOBAN. Sistema CCR. O que é concessão? Disponível em: http://
www.autobahn.com.br/concessionária/sobrea/oqueeacincesao.cfm. Acesso em 07
dez. 2007.
EUROSTAT. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Eurostat. March 12, 2004. Acesso
em 11 dez. 2007.
HILL, D. O Neoliberalismo Global, a Resistência e a Deformação da Educação.
Currículo sem Fronteiras, v.3, n 2, p.24-59, Jul/Dez.2003. Disponível em: http://
www.curriculosemfronteiras.org/vol3iss2articles/hill.pdf. Acesso em: 02 mai. 2008.
LINKLATERS. Parcerias público privadas. Linklaters. All Rights reserved 2006.
Disponível em http://www. linklaters.com. Acesso em 10 dez. 2007.
LINS, R. Parcerias Público-Privadas: uma ameaça à democracia. 2006 Disponível
em: http://www.sidneyrezende.com. Acesso em 03 dez. 2007.
MACHADO, M.A. de M. Progestão: Guia didático. Brasília: CONSED Conselho Nacional
de Secretários de Educação, 2001. Reimpressão: São Paulo, 2004.
PROJETO Career Space. Disponível em: http:/career-space.com. Acesso em 05 dez.
2007.
RALSTON, A.T. Parceria público e privada para uma educação melhor. In: ALMEIDA,
F.J.; ALMEIDA, M.E.B.B. (Orgs.) Liderança, Gestão e Tecnologias: para a melhoria da
educação no Brasil. São Paulo: s/n. 2006.
ROBERTSON, S. L. Public-Private Partnerships, digital firms and the production of a
neo-liberal education space at the European scale. In: GULSON, K. and SYMES, C.
(ed). (forthcoming) In Out of Place: contemporary spatial theories and the cartography
of education policy, Routledge: London and New York Disponível em http://
www.bristol.ac.uk/education/people/ academicStaff/edslr/publications. Acesso em 01
ago. 2007.

Norma Eiras. A Educação Rumo à Parceria Público Privada.


139

SANTOS, B.S. Interview with Boaventura de Sousa Santos, Globalisaton, Societies and
Education. Janeiro. 2004. Entrevistadores: R. Dale e S. v. 2, n. 2, July 2004 Robertson.
Disponível em: http://www.ces.fe.uc.pt/bss/documentos/boainterview1.pdf. Acesso em
26 abr. 2008.
TER-MINASSIAN, T. Public-Private Partnerships: International Monetary Fund.Prepared
by the Fiscal Affairs Department (In consultation with other departments, the World
Bank, and the Inter-American Development Bank). 2004. Disponível em:
www.servicesforall.org/html/Privatization/IMF_Public_Private_Partnerships.pdf Acesso
em 05 nov. 2007.
THE EUROPEAN eLEARNING SUMMIT. Summit Declaration. May 2001. Disponível em
http://e.ceuropa.eu/education/archive/elearning/summit.pdf Acesso em: 28 nov. 2007
UMEOKA, E. Educação, Tecnologia e Transformação. In: ALMEIDA, F.J.; ALMEIDA,
M.E.B.B. Liderança, Gestão e Tecnologias: para a melhoria da educação no Brasil.
São Paulo: s/n, 2006.
WIKIPEDIA: Privatização. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/privatizacao. Acesso
em 10 ago. 2007.

Enviado em fev./2008
Aprovado em jun./2008

Norma Suely Siqueira Eiras


Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-
Graduação em Educação do Instituto de Biociências da
UNESP - Rio Claro
Rua Miguel Alves Margarido, 71 - Parque Arnold Schmidt
CEP: 13566-580 - São Carlos - SP
E-mail: norma.eiras@terra.com.br

EDUCAÇÃO: Teoria e Prática - v. 18, n.30, jan.-jun.-2008, p.127-139.