Вы находитесь на странице: 1из 142

Manual da

Igreja
ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA
Manual da

Igreja
ADVENTISTA DO SÉTIMO DIA

Edição Revisada na Assembléia


da Associação Geral de 2005

Tradução:
Naor G. Conrado

Casa Publicadora Brasileira


Tatuí – São Paulo
Título do original em inglês:
SEVENTH-DAY ADVENTIST CHURCH MANUAL
Índice Geral
Direitos de tradução e publicação em
Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XIX
língua portuguesa reservados à
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
Desenvolvimento Histórico da Igreja Adventista do Sétimo Dia . . . . XIX
Rodovia SP 127 – km 106
Desenvolvimento Histórico do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . XIX
Caixa Postal 34 – 18270-970 – Tatuí, SP O Conteúdo do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXI
Tel.: (15) 3205-8800 – Fax: (15) 3205-8900 Alterações no Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXI
Atendimento ao cliente: (15) 3205-8888 Esclarecimento de Significados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXII
www.cpb.com.br Uso de Palavras no Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXII
Esta Edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXII
20a edição
1a impressão – ?? mil exemplares Capítulo 1
Tiragem acumulada: 313 milheiros Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
2006 Autoridade da Igreja na Igreja Primitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Autoridade da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia . . . . . . . . . . . . . . 1
Editoração: Rubem M. Scheffel e Rubens S. Lessa
Projeto Gráfico: Levi Gruber Capítulo 2
Capa: DSA A Igreja do Deus Vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
Nenhum Muro de Separação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
IMPRESSO NO BRASIL O Supremo Objeto da Atenção de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
Printed in Brazil A Oposição do Inimigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
A Igreja Completa em Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
Capítulo 3
Crenças Fundamentais dos Adventistas do Sétimo Dia . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Capítulo 4
Organização Fundada em Princípios Divinos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
A Base Bíblica Para Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
A Importância Vital da Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
O Propósito Divino na Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Capítulo 5
A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia . . . . . . . . . 25
Formas de Governo Eclesiástico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Os Quatro Níveis da Organização Adventista do Sétimo Dia . . . . . . . . 26
Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial, As Instituições da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
por qualquer meio, sem prévia autorização escrita do autor e da Editora. A Associação Geral, a Autoridade Suprema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Tipologia: Minion Pro Display, 10.5/12 – 7826/15699 – ISBN 85-345-0847-X Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
VI Manual da Igreja Índice Geral VII

Capítulo 6 Rebatismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Os Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Indivíduos Vindos de Outras Comunhões Cristãs . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
A Condição de Membro Tem Base Espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Apostasia e Rebatismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
O Batismo, um Requisito do Evangelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Rebatismo Impróprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
O Batismo é um Requisito Prévio Para Ser Membro da Igreja . . . . . . . 30
Modo de Batizar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Capítulo 7
Os Pastores Devem Instruir Cabalmente os Candidatos Antes do Batismo 30 Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Exame Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Suas Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Aliança Batismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 Aptidão Moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Voto Batismal e Batismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Aptidão Religiosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Voto Batismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 A Igreja Tem de Ser Protegida e Alimentada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Voto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 Respeito e Deferência Devidos a Ministros e Oficiais da Igreja . . . . . . 47
Voto (Alternativo) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Não Deve Haver Pressa na Escolha de Pessoas Para Dirigentes da Igreja . 47
Certificado de Batismo e Compromisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Os que se Opõem à Unidade Não São Aptos Para Exercer Cargos . . 48
Compromisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 É Perigoso Eleger os Que Recusam Cooperar Com Outros . . . . . . . . . . 48
Boas-vindas aos Candidatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Para Eleição a Algum Cargo, Requer-se que a Pessoa Seja Membro da
Recebimento de Membros Desconhecidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Cerimônia Batismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Duração do Cargo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Posição Regular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 O Ancião da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Transferência de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 O Cargo é Importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Transferindo Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Um Líder Religioso da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Método Para Conceder Cartas de Transferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Capaz de Ministrar a Palavra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
O(a) Secretário(a) Emitirá a Carta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Período de Serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Método Alternativo de Transferência de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Ordenação do Ancião Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
A Posição do Membro Durante o Intervalo da Transferência . . . . . . . . 37 Preparo e Treinamento de Anciãos Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
O Recebimento de Membros Perturbado por Condições Mundiais . . . 37 O Trabalho do Ancião de Igreja é Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Incluído nos Relatórios Estatísticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Promover Todos os Aspectos da Obra da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Se o Membro Não For Aceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Relação Para com o Pastor Ordenado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Não Conceder Cartas de Transferência a Membros Sob Disciplina . . 38 Direção dos Cultos da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Cartas de Transferência Somente aos Que Estão em Plena Comunhão A Cerimônia Batismal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
com a Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 A Cerimônia do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Não Votar a Carta Sem a Aprovação do Membro . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Cooperar com a Associação/Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
A Comissão da Igreja Não Pode Conceder Cartas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Promover a Obra Missionária Mundial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
A Igreja da Associação ou Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Incentivar a Fidelidade no Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Grupos Organizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Distribuir Responsabilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Questões a Respeito da Admissão e Remoção de Membros . . . . . . . . . 41 Primeiro Ancião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Admissão de Membros por Profissão de Fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 O Ancião Não é Delegado Ex-Officio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Remoção de Nomes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Limitação de Autoridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Lista de Membros Afastados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Diretores de Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
VIII Manual da Igreja Índice Geral IX

O Diácono . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 O Método Apropriado de Remeter Fundos para a Associação/Missão . . . 64


Importância do Cargo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Conservar os Comprovantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Comissão de Diáconos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Os Livros Devem Ser Revisados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Os Diáconos Devem Ser Ordenados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 As Relações com os Membros Devem Ser Confidenciais . . . . . . . . . . . . 65
Os Diáconos Não Estão Autorizados a Presidir . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Coordenador(a) de Interessados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Os Deveres dos Diáconos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Oficial Removido da Comunhão da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
Ajudar nos Cultos e Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Cerimônia de Admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Visitação de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Preparativos Para as Cerimônias Batismais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Envolvendo Cada Membro do Ministério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Ajudar na Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 Dons Conforme o Ministério . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
O Cuidado dos Enfermos e dos Pobres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Ministérios de Pequenos Grupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . 58 Grupos de Estudo da Bíblia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
As Diaconisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Grupos Ministradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Os Deveres das Diaconisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Grupos Missionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Ajudar nos Batismos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Como Começar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Providências Para a Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Preparo e Treinamento de Anciãos Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
O Cuidado dos Enfermos e dos Pobres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 A Cerimônia do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Comissão de Diaconisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Preparativos Para as Cerimônias Batismais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
O(a) Secretário(a) da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Cargo Importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 Cargo Importante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Nenhum Nome Deverá Ser Acrescentado Nem Removido Sem o Voto Correspondência com os Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Relatórios a Serem Fornecidos Pontualmente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
Transferência de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Dinheiro Para Pedidos Pessoais de Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Correspondência com os Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Credenciais Para os Delegados à Assembléia da Associação/Missão . 60 Capítulo 8
Relatórios a Serem Fornecidos Pontualmente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Os Cultos e Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
As Atas da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Princípios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
O(a) Tesoureiro(a) da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 O Culto Espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Uma Obra Sagrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 O Objetivo dos Cultos e Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
O(a) Tesoureiro(a) da Igreja é Responsável por Todos os Fundos da Igreja .61 Reverência Pela Casa de Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Fundos da Associação/Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 Deve-se Ensinar Reverência às Crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Fundos da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 O Decoro e o Silêncio no Lugar de Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
Fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 Arranjos Para as Reuniões da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Fundos da Igreja Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 A Hospitalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Fundos das Organizações Auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 Oradores Não Autorizados em Nossas Igrejas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
Salvaguardando o Propósito dos Fundos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 O Lugar da Música no Culto Divino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Dinheiro Para Pedidos Pessoais de Literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 O Lugar da Música na Adoração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Método Adequado Para Que os Membros Efetuem Seus Pagamentos . 63 Cantar com o Espírito e o Entendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Recibos Para os Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 A Escolha de Diretores de Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
X Manual da Igreja Índice Geral XI

Executantes e Intérpretes de Música na Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Atribuições da Comissão da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90


As Igrejas Podem Ter Vários Coros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Subcomissões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
Os Cultos de Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Reuniões do Conselho Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
A Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Associação Lar e Escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
O Culto Divino do Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
A Santidade da Hora do Culto Sabático . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 A Forma do Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
A Forma do Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 A Ordem do Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Anúncios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 Ordem de Culto Mais Longo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
A Oração em Público . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Ordem de Culto Mais Curto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
A Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
A Cerimônia do Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80 Pão e Vinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Pão e Vinho Não Fermentados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Um Memorial da Crucifixão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Plano de Organização da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . 95
Uma Proclamação da Segunda Vinda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
O Anúncio da Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 A Hora das Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Dirigindo a Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Reuniões Administrativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Duração da Cerimônia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Subcomissões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
Preliminares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Lava-pés . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Capítulo 9
Pão e Vinho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Celebração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 O Departamento dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Quem Pode Participar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Comissão dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Todos os Membros Devem Participar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 O(a) Diretor(a) dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Quem Pode Dirigir a Cerimônia da Comunhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 O(a) Secretário(a) dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
Comunhão Para os Doentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Serviço Beneficente e Social Adventista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
A Reunião de Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 Centro de Assistência Social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Sociedade de Homens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Ministério em Favor de Pessoas com Deficiências . . . . . . . . . . . . . . . . 101
O Clube dos Desbravadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Coordenador da Escola Bíblica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
O Clube dos Aventureiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 O Departamento da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
Reuniões Missionárias da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 A Comissão da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
A Hora das Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 O(a) Diretor(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Fornecimento de Literatura no Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 O(a) Vice-Diretor(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
Reuniões Administrativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 O(a) Secretário(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
A Comissão da Igreja e Suas Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O(a) Vice-Secretário(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Definição e Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 O(a) Secretário(a) do Fundo de Inversão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 O(a) Diretor(a) da Escola Cristã de Férias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 O(a) Diretor(a) de Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 A(o) Pianista e/ou Organista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
XII Manual da Igreja Índice Geral XIII

Os(as) Diretores(as) das Divisões da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . 105 Secretário(a)-Tesoureiro(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118


A Divisão de Extensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Membro Ex-Officio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Os Professores da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 O Conselho Escolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
A Reunião dos Professores da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
As Lições da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Ofertas da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Relações do Conselho Escolar Conjunto com as Igrejas Locais . . . . . 119
Dinheiro Para Despesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Período de Mandato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
O Relatório Trimestral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Reuniões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
A Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
Declaração de Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Deveres dos Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Departamento de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . 109 A Importância da Comunicação Eficaz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
A Comissão dos Ministérios dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . 109 Organização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
O Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Atribuições do(a) Diretor(a) de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Os Oficiais da Sociedade dos Jovens Adventista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 A Comissão de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
O(a) Diretor(a) dos Jovens e o(a) Vice-Diretor(a) . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Relacionamento com Outros Departamentos da Igreja . . . . . . . . . . . 121
O(a) Secretário(a)-Tesoureiro(a) e o(a) Vice-Secretário(a)-Tesoureiro(a) . 111 Nos Grandes Centros Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
O(a) Conselheiro(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . 111 Qualificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Atividades dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Departamento dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Devocionais e Educacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 O(a) Diretor(a) dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Testemunho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 O(a) Vice-Diretor(a) dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Recreativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 O Conselho dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Atividades dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
O Voto do Juvenil Adventista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Sociedades dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
A Lei do Juvenil Adventista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Oferta Mundial do Sábado Pró-Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . 123
Classes JA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Departamento de Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
Especialidades dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 O(a) Diretor(a) de Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
O Clube dos Desbravadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Departamento dos Ministérios da Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
O Clube dos Aventureiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 A Comissão dos Ministérios da Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Educação Cristã e a Escola da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 O(s) Diretor(es) dos Ministérios da Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Filosofia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Departamento dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
O(a) Diretor(a) de Educação da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 A Diretora dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Associação Lar e Escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Qualificações da Diretora dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . . . . . 127
Propósito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 A Comissão dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Departamento dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Administradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 O(a) Coordenador(a) dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Diretor(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 A Comissão dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
XIV Manual da Igreja Índice Geral XV

Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa . . . . . . . . . 129 Capítulo 10


Associações de Liberdade Religiosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Associação de Liberdade Religiosa na Igreja Local . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Um Ministério Designado por Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
O(a) Diretor(a) de Liberdade Religiosa da Igreja Local . . . . . . . . . . . 130 O Pastor Geral da Associação/Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Cerimônia de Admissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Os Pastores e Diretores de Distrito Não São Executivos . . . . . . . . . . . . 145
Departamento dos Ministérios de Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130 O Pastor Geral e a Comissão Diretiva Dirigem os Diretores
Comissão dos Ministérios de Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 Departamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
Diretor dos Ministérios de Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 As atribuições dos Diretores Departamentais Não São Administrativas . 146
Notas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 Relação do Ministro Ordenado Para com a Obra da Igreja . . . . . . . . . 146
A Comissão dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 As Igrejas Não Elegem o Pastor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
O(a) Secretário(a) dos Ministérios Pessoais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 Ministros Licenciados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Sociedade de Homens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Instrutores Bíblicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Centro de Serviços à Comunidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Os Gerentes do Serviço Educacional Lar e Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Coordenador da Escola Bíblica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 O Pastor Deve Auxiliar o Evangelista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
O(a) Diretor(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 O Pastor Geral e a Comissão Diretiva Dirigem os Obreiros da
O(a) Secretário(a) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 Associação/Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Dinheiro Para Despesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Credenciais e Licenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Declaração de Missão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Credenciais Vencidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Destituição de um Ministro do Evangelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
O(a) Secretário(a)-Tesoureiro(a) e o (a)Vice-Secretário(a)-Tesoureiro(a) . . 136 Obreiros Aposentados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
A Sociedade dos Juvenis Adventistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 Ministros Sem Credenciais Que Servem em Nossas Igrejas . . . . . . . . 151
O Clube dos Aventureiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
O(a) Diretor(a) de Educação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 Capítulo 11
Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137 A Eleição da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Atribuições do Diretor de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 A Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
A Comissão de Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 Quando é Escolhida a Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
O(a) Diretor(a) dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 Como é Escolhida a Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
O Conselho dos Ministérios de Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 Quem Deve Ser Membro da Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . 154
O(a) Diretor(a) de Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 Atribuições da Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
A Comissão dos Ministérios da Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 A Comissão de Nomeações Deve Consultar os Prováveis Oficiais . . 156
O(s) Diretor(es) dos Ministérios da Família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 Comparecimento Perante a Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . 157
A Comissão dos Ministérios da Mulher . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 As Considerações da Comissão de Nomeações São Confidenciais . . 157
A Comissão dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 A Apresentação do Relatório à Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
O(a) Coordenador(a) dos Ministérios da Criança . . . . . . . . . . . . . . . . 141 Objeções ao Relatório da Comissão de Nomeações . . . . . . . . . . . . . . . 158
O(a) Diretor(a) de Liberdade Religiosa da Igreja Local . . . . . . . . . . . 142 Vagas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
Comissão dos Ministérios de Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 Eleição de Delegados à Assembléia da Associação/Missão Local . . . 158
Coordenador dos Ministérios de Publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 A Escolha de Delegados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Dever dos Delegados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
Responsabilidade dos Oficiais da Associação/Missão . . . . . . . . . . . . . . 160
XVI Manual da Igreja Índice Geral XVII

Os Membros da Comissão Diretiva da Associação/Missão Representam Simplicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .177


Todo o Campo Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 A Leitura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .178
Rádio e Televisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .178
Capítulo 12 Recreação e Diversão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .179
Finanças Evangélicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .161 A Música . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .180
Mordomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .162 As Relações Sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .180
O Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .163 Acompanhantes dos Jovens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .182
A Doação Sistemática e a Unidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164 Noivado e Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .182
Como Usar o Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164 Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .184
Como é Devolvido o Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164
Os Obreiros da Associação/Missão e os Oficiais da Igreja Devem Dar Capítulo 14
Exemplo na Devolução do Dízimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .164 Disciplina Eclesiástica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .185
A Entrega do Dízimo é Uma Obrigação Bíblica . . . . . . . . . . . . . . . . .165 Princípios Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .185
Ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 Como Tratar os Membros Que Erram . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .185
Ofertas da Escola Sabatina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 Buscar a Reconciliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .186
Outras Ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 A Autoridade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .188
Ofertas Especiais Para os Campos Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .165 A Igreja é Responsável Pela Correção do Pecado . . . . . . . . . . . . . . . . .188
Auxílio aos Necessitados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .166 Os Não-Consagrados Resistem à Disciplina da Igreja . . . . . . . . . . . .189
Orçamento da Igreja Para Gastos Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .166 Regras e Regulamentos São Necessários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .190
Exemplo de Orçamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .166 Organizações Não Reconhecidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .190
Orçamento Operativo da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .167 Salvaguardar a Unidade da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .190
Conselhos Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .168 Conciliação de Dissensões Entre os Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . .191
Sobre o Pedido de Fundos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .168 Conciliação das Ofensas dos Membros Contra a Igreja . . . . . . . . . . .192
Sobre Métodos Objetáveis de Angariar Dinheiro Para as Igrejas . . .169 Conciliação das Ofensas da Igreja Contra os Membros . . . . . . . . . . .192
Sobre os Dízimos e as Ofertas Não Serem um Depósito Pessoal . . . .169 A Aplicação de Disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .193
Sobre Evitar Dívidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .169 Disciplina Por Censura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .194
Sobre o Financiamento dos Edifícios da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . .169 Disciplina Por Remoção do Rol de Membros da Igreja . . . . . . . . . . . . .194
Sobre o Emprego e a Escrituração de Fundos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .170 Razões Para a Disciplina dos Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .194
Sobre a Revisão de Contas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .170 Prontidão e Sensatez no Processo Disciplinar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .196
Deve-se Ter Cuidado ao Disciplinar Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .196
Capítulo 13 Nem Pastores Nem Igrejas Devem Estabelecer Provas de Discipulado . .
Normas de Vida Cristã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .171 196
O Alto Chamado de Deus em Cristo Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .171 Em Uma Reunião Devidamente Convocada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .197
O Estudo da Bíblia e a Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 O Voto da Maioria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .197
Relações com a Comunidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .172 A Comissão da Igreja Não Pode Remover Membros da Comunhão da
A Observância do Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .173 Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .197
Reverência Pelo Lugar de Culto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .174 O Direito de o Membro Ser Ouvido em Defesa Própria . . . . . . . . . .197
Saúde e Temperança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .175 Advogados Não Podem Representar os Membros . . . . . . . . . . . . . . . .197
O Vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .176 Membros Não Devem Ser Removidos da Comunhão da Igreja Por Falta
XVIII Manual da Igreja
Introdução
de Comparecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .198
Membros Que Mudam de Residência e Não Participam . . . . . . . . . .198
Não Remover Membros Por Motivos Pecuniários . . . . . . . . . . . . . . . .199 Desenvolvimento Histórico da Igreja Adventista do Sétimo Dia
Remoção do Membro a Seu Próprio Pedido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .199 Em cumprimento do plano divino, o Movimento Adventista iniciou sua
Notificação aos Membros Removidos da Comunhão da Igreja . . . .199 jornada profética em direção do reino no ano de 1844. Poucos em número,
Readmissão de Membros Removidos da Comunhão da Igreja . . . . .199 freqüentemente com infelizes lembranças por haverem sido expulsos de suas
O Direito de Apelar Para Obter Readmissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .200 igrejas pelo fato de aceitarem a doutrina do Advento, a princípio os pioneiros
Transferência de Membros Sob Censura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .200 do Movimento andaram em incertezas. Estavam seguros quanto às doutrinas
que mantinham, mas incertos quanto à forma de organização que adotariam,
Capítulo 15 qualquer que ela fosse. Na realidade, a maioria desses pioneiros lembrava-se
Casamento, Divórcio e Novas Núpcias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 tão vividamente de como as igrejas fortes e bem organizadas haviam utiliza-
Ensinamentos Bíblicos Acerca do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 do essa força para fazer oposição à verdade do Advento, que eles instintiva-
A Origem do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 mente temiam qualquer organização e governo centralizado. No entanto, al-
A Unidade do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 guns líderes pioneiros viram com crescente clareza que algum tipo de gover-
A Perpetuidade do Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 no era indispensável para que a boa ordem prevalecesse, e o Movimento
Intimidade Sexual no Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 prosseguisse forte. Essa convicção foi grandemente fortalecida pelas mensa-
Parceria no Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .201 gens procedentes da pena de Ellen G. White.
Os Efeitos da Queda Sobre o Casamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 Como resultado, em 1860 foi escolhido o nome da Igreja: Adventista do
Restauração e Cura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 Sétimo Dia, e criada uma organização legal para manter a propriedade da
O Ideal Divino a Ser Restaurado em Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 Igreja. A isto seguiu-se, em 1861, a organização de nossa primeira associação,
Unidade e Igualdade a Serem Restauradas em Cristo . . . . . . . . .202 a Associação de Michigan. Isto envolveu a organização de igrejas locais, com
Graça Acessível a Todos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 membros assinando um concerto com a igreja e a união de várias igrejas
A Função da Igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 numa organização unida para constituir o que agora chamamos de Associa-
Ensinamentos Bíblicos Acerca do Divórcio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 ção local. Também foi tomado um voto para conceder credenciais aos minis-
O Propósito Original de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 tros, protegendo desse modo as igrejas contra impostores que pudessem ten-
Casamentos Que Podem Ser Destruídos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .203 tar explorá-las.
Graça Divina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .204 Em 1863 foi organizada a Associação Geral, reunindo assim numa só
Motivos Para Divórcio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .204 entidade as diversas associações locais que haviam sido criadas naquele
Ensinamentos Bíblicos Acerca do Novo Casamento . . . . . . . . . . . . . . . .204 tempo. Isto estabeleceu o Movimento Adventista de modo coordenado e
A Atitude da Igreja Quanto ao Divórcio e o Novo Casamento . . . . . .204 organizado.
O Ministério da Igreja Local Pelas Famílias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .207
Desenvolvimento Histórico do Manual da Igreja
Capítulo 16 À medida que a Associação Geral, de ano em ano, se reunia em assem-
Como Organizar, Unir e Dissolver Igrejas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .209 bléia, começaram a ser tomados votos sobre vários assuntos pertinentes à or-
Perda de Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .212 dem eclesiástica, no empenho de formar normas apropriadas às diferentes si-
Disciplina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .212 tuações na vida da Igreja. A Assembléia da Associação Geral de 1882 votou o
O Cuidado dos Membros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .213 preparo de “instruções aos oficiais da igreja a serem impressas na Review and
A Assembléia da Associação/Missão Deve Atuar em Cada Caso . .214 Herald ou em forma de folheto”. – Review and Herald, 26 de dezembro de
Bens, Fundos e Registros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .214 1882. Este voto revelou a crescente compreensão de que a ordem na igreja era
XX Manual da Igreja Introdução XXI

imperativa, caso se desejasse que a organização eclesiástica funcionasse efeti- O Conteúdo do Manual da Igreja
vamente, e que a uniformidade em tal ordem exigia que seus princípios A Assembléia da Associação Geral de 2000 autorizou a reclassificação de
orientadores fossem impressos. Por conseguinte, os artigos foram publica- uma parte do material do Manual da Igreja anterior e aprovou o processo
dos. Contudo, na Assembléia da Associação Geral de 1883, quando foi pro- para as modificações neste sentido. O conteúdo deste Manual da Igreja, da
posto que esses artigos recebessem forma permanente como um manual da maneira como é apresentado nos capítulos e nas seções dos capítulos, está di-
igreja, a idéia foi rejeitada. Os irmãos temiam que isto formalizasse a igreja e vidido em dois tipos de material. O conteúdo principal de cada capítulo tem
tolhesse a liberdade dos seus ministros para tratar de assuntos de ordem ecle- valor mundial e se aplica a todas as igrejas. Reconhecendo a necessidade de
siástica como eles desejassem individualmente. algumas variações, apresentamos materiais adicionais, de natureza explana-
Esse temor, no entanto – que refletia, sem dúvida, a oposição a qualquer tória, como Notas, no fim de alguns capítulos, para servir de orientação. As
espécie de organização eclesiástica que existira vinte anos antes – evidente- Notas têm subtítulos que correspondem aos subtítulos do capítulo e se rela-
mente logo se diluiu. As assembléias anuais da Associação Geral continua- cionam com números de páginas específicos.
ram a votar sobre assuntos de ordem na Igreja. Em outras palavras, vagarosa
mas seguramente estavam produzindo elementos para um manual da Igreja. Alterações no Manual da Igreja
Em algumas ocasiões, alguns irmãos influentes procuraram reunir num livro, Entendendo cada vez melhor quão importante é que tudo “seja feito com
ou em forma de livrete, as normas geralmente aceitas para a vida da Igreja. decência e ordem” em nossa obra mundial, e que os votos sobre o governo da
Talvez o mais significativo de tais empreendimentos tenha sido o livro de 184 Igreja devem expressar não somente o pensamento mas a plena autoridade
páginas organizado pelo pioneiro J. N. Loughborough e intitulado: A Igreja, da Igreja, a Assembléia da Associação Geral de 1946 adotou o seguinte pro-
Sua Organização, Ordem e Disciplina, publicado em 1907. O livro do Pastor cedimento: “Todas as mudanças ou revisões de normas que devam ser feitas
Loughborough, considerado como empreendimento pessoal, tratou de mui- no Manual deverão ser autorizadas pela Assembléia da Associação Geral.” –
tos aspectos agora abordados pelo Manual da Igreja e teve por muito tempo General Conference Report, Nº 8, pág. 197 (14 de junho de 1946).
um lugar de honra no Movimento. Contudo, em diversas partes do mundo, as condições locais por vezes de-
Enquanto isso, o Movimento continuava a crescer rapidamente dentro do mandam votos especiais. Conseqüentemente, o Concílio Outonal de 1948,
país e fora dele. Foi, portanto, com a vista voltada para os melhores interesses que havia votado submeter as revisões do Manual da Igreja à Assembléia da
da ordem e apropriada uniformidade que foram nosso alvo por tanto tempo, Associação Geral de 1950, também votou:
que a Comissão da Associação Geral, em 1931, votou publicar um manual da “Que cada Divisão do campo mundial, inclusive a Divisão Norte-Ameri-
Igreja. Pediu-se a J. L. McElhany, então vice-presidente da Associação Geral cana, prepare um ‘suplemento’ do novo Manual da Igreja, não para modificá-
para a América do Norte, e posteriormente presidente da Associação Geral lo, mas contendo o material adicional que seja aplicável às condições e cir-
por catorze anos, que preparasse os originais. Estes originais foram cuidado- cunstâncias que prevaleçam na respectiva Divisão. Os manuscritos desses su-
samente examinados pela Comissão da Associação Geral e então publicados plementos deverão ser submetidos à consideração da Comissão da Associa-
em 1932. A frase inicial do prefácio dessa primeira edição declara muito bem ção Geral, para serem por ela referendados antes de impressos.” – Autumn
que “torna-se cada vez mais evidente a necessidade de um manual sobre o go- Council Actions (Resoluções do Concílio Outonal), 1948, pág. 19.
verno da Igreja, para estabelecer e preservar nossas normas e práticas deno- Alterações ou revisões do Manual da Igreja, com exceção das Notas (ver
minacionais”. Notem a palavra preservar. Aqui não havia tentativa alguma de mais abaixo), só podem ser efetuadas por voto de uma assembléia da As-
tardiamente criar de súbito um completo modelo de governo eclesiástico. sociação Geral em que estejam reunidos os delegados da corporação mun-
Antes, era um esforço, primeiro para preservar todos os bons votos tomados dial de crentes, e tenham voz ativa nas revisões a serem feitas. Se algumas
através dos anos, e então acrescentar outros regulamentos que nosso crescen- revisões do Manual da Igreja forem consideradas necessárias por qualquer
te progresso e complexidade pudessem exigir. das organizações devidamente constituídas (ver pág. 27), tais revisões de-
Ver Capítulo 1: Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja, no que diz res- vem ser submetidas à organização imediatamente superior, para mais am-
peito à função do Manual da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia. plo estudo e deliberação. Se forem aprovadas, as revisões sugeridas devem
XXII Manual da Igreja Introdução XXIII

ser então submetidas à outra organização imediatamente superior, para No Manual da Igreja, a palavra ministro refere-se a todo obreiro ordenado
avaliações adicionais. Toda revisão proposta será então enviada à Comis- ou portador de licença ministerial, que pode ou não servir como pastor de
são do Manual da Igreja da Associação Geral. Esta comissão considerará uma igreja local; e a palavra pastor refere-se especificamente a um ministro a
todas as emendas ou revisões recomendadas e, se forem aprovadas, prepa- quem uma Associação/Missão/Campo atribuiu responsabilidades pastorais
rá-las-á para apresentação no Concílio Anual e/ou na Assembléia da As- numa igreja, distrito ou certo número de congregações.*
sociação Geral.
Se revisões das Notas no fim de alguns capítulos do Manual da Igreja fo- Esta Edição
rem consideradas necessárias por qualquer das organizações devidamente Esta edição incorpora todas as revisões e acréscimos aprovados até e du-
constituídas (ver pág. 27), tais revisões devem ser submetidas à organização rante a Assembléia da Associação Geral de 2005.
imediatamente superior, para consideração. Se forem aprovadas, as revisões
sugeridas devem ser encaminhadas às organizações superiores, para avalia-
ções adicionais, até serem recebidas pela Comissão do Manual da Igreja. Esta
comissão considerará as propostas e, se forem aprovadas, as revisões serão
votadas pela Comissão Executiva da Associação Geral, no último Concílio
Anual do qüinqüênio, para serem coordenadas com as alterações do con-
teúdo principal que a Comissão Executiva da Associação Geral recomenda-
rá à próxima assembléia da Associação Geral. No entanto, a Comissão Exe-
cutiva da Associação Geral poderá efetuar alterações nas Notas em qualquer
Concílio Anual.
Uma nova edição do Manual da Igreja é publicada depois de cada as-
sembléia da Associação Geral. Recomenda-se que os dirigentes em todos
os níveis da Igreja sempre ajam de acordo com a edição mais recente do
Manual da Igreja.
Esclarecimento de Significados
As igrejas devem volver-se para a Associação/Missão local em busca de
conselhos a respeito do funcionamento da igreja ou de questões atinentes ao
Manual da Igreja. Se não houver mútuo entendimento ou consenso, o assun-
to deverá ser encaminhado à União, para esclarecimento.
Uso de Palavras no Manual da Igreja
Cada igreja adventista do sétimo dia organizada é membro da confrater-
nidade de igrejas conhecida como Associação, a qual é um conjunto organi-
zado e unido de igrejas num Estado, País ou território. Até que sejam preen-
chidas todas as condições de uma associação (ver Regulamentos da Associa-
ção Geral), pode ser usado o título de Missão, Seção, Delegação ou Campo __________________
para designar a organização coletiva de igrejas locais. No Manual da Igreja, a Nota:
* Esta definição das palavras ministro e pastor tem que ver apenas com seu uso no
palavra Associação ou União-Associação também pode aplicar-se a uma Mis- Manual da Igreja e não com o título usado em relação ao pastor. Entende-se que o uso
são ou União-Missão. desses termos varia nas divisões ao redor do mundo.
Capítulo 1

Autoridade da Igreja
e do Manual da Igreja
Autoridade da Igreja na Igreja Primitiva
Como Criador, Redentor e Mantenedor, Senhor e Rei de toda a criação, só
Deus é a fonte e a base de autoridade para a Igreja. Ele delegou autoridade a Seus
profetas e apóstolos (II Cor. 10:8). Eles ocupavam, portanto, uma posição crucial
e única na transmissão da Palavra de Deus e na edificação da Igreja (Efés. 2:20).
Na Igreja primitiva, os anciãos ou bispos tinham grande autoridade. Uma de
suas principais funções era o geral cuidado e supervisão pastoral (Atos 20:17-
28; Heb. 13:17; I Ped. 5:1-3), com tais encargos especiais como dar instrução na
sã doutrina e refutar os que a contradiziam (I Tim. 3:1 e 2; Tito 1:5 e 9). Os que
presidiam bem deviam ser “considerados merecedores de duplicada honra”,
principalmente os que labutavam “na pregação e no ensino” (I Tim. 5:17).
A Igreja tinha responsabilidade pela pureza na doutrina e na prática. Ela de-
via “provar os espíritos” para ver se procediam de Deus (I João 4:1); ou, nas pa-
lavras de Paulo, “examinar tudo” e “reter o que é bom” (I Tess. 5:21). A mesma
coisa era verdade no tocante à aplicação da disciplina da Igreja (Mat. 18:15-17).
A aplicação da disciplina estendia-se desde a solícita admoestação particular
(cf. Mat. 18:16; Gál. 6:1) até à remoção da qualidade de membro (Mat. 18:18; I
Cor. 5:11 e 13; II Cor. 2:5-11). A Igreja tinha autoridade para estabelecer as con-
dições para ser membro e os preceitos que governavam a Igreja.
Autoridade da Igreja na Igreja Adventista do Sétimo Dia
A resolução da Assembléia da Associação Geral de 1946, segundo a qual
todas as “mudanças ou revisões” do Manual da Igreja devem ser “autorizadas
pela Assembléia da Associação Geral”, reflete um conceito do status oficial
das assembléias da Associação Geral que de longo tempo tem sido mantido
entre nós. Na Assembléia de 1877, foi tomada a seguinte resolução:
“Resolvido que, abaixo de Deus, a mais alta autoridade entre os Adventis-
tas do Sétimo Dia encontra-se na vontade da organização desse povo, expres-
sa nas decisões da Associação Geral quando atua nos domínios de sua pró-
pria jurisdição; e que a tais decisões todos devem submeter-se, sem exceção,
a menos que elas estejam em conflito com a Palavra de Deus e os direitos da
consciência individual.” – Review and Herald, vol. 50, nº 14, pág. 106.
Em 1909, Ellen G. White escreveu: “Mas quando numa assembléia geral, é
2 Manual da Igreja
Capítulo 2
exercido o juízo dos irmãos reunidos de todas as partes do campo, indepen-
dência e juízo particulares não devem obstinadamente ser mantidos, mas re-
nunciados. Nunca deve um obreiro considerar virtude a persistente conser-
A Igreja do Deus Vivo
vação de sua atitude de independência, contrariamente à decisão do corpo
geral.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 408. Pertencer à Igreja de Deus é um privilégio único e que produz na alma
Muito antes dessa declaração, em 1875, a Sra. White havia escrito no mes- grande satisfação. O propósito divino é reunir um povo desde os distantes
mo teor: “A igreja de Cristo está em perigo constante. Satanás está procuran- confins da Terra, a fim de constituí-lo em um só corpo – o corpo de Cristo, a
do destruir o povo de Deus, e a mente de um só homem, seu discernimento, Igreja, da qual Ele é a Cabeça viva. Todos quantos são filhos de Deus em Cris-
não é suficiente para se confiar. Cristo gostaria que Seus seguidores fossem to Jesus, são membros de Seu corpo, e dentro desta relação podem desfrutar
unidos na qualidade de igreja, observando ordem, tendo regras e disciplina, companheirismo mútuo e companheirismo com seu Senhor e Mestre.
e todos sujeitos uns aos outros, considerando ‘os outros superiores a si’ mes- Nas Escrituras faz-se referência à Igreja por meio de tais expressões como
mos (Filip. 2:3).” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 3, pág. 445. “a igreja de Deus” (Atos 20:28), “o corpo de Cristo” (Efés. 4:12), “a igreja do
Nestas palavras inspiradas, na resolução da Associação Geral em 1877 e Deus vivo” (I Tim. 3:15), sendo este último nome escolhido como título des-
na necessidade de regras bem definidas, requisitos para boa ordem, encon- te capítulo introdutório.
tra-se a base para este Manual da Igreja e seus legítimos reclamos sobre todos A palavra igreja é usada no texto bíblico pelo menos em dois sentidos: em
nós, ministros e membros em geral. sentido geral, aplica-se à Igreja em todo o mundo (Mat. 16:18; I Cor. 12:28), e
O conteúdo do Manual da Igreja é a expressão do conceito da Igreja Adven- em sentido particular à igreja de uma cidade ou província. Vejam-se as seguin-
tista do Sétimo Dia sobre a vida cristã e o governo e a disciplina da Igreja ba- tes passagens, onde são mencionadas igrejas locais: a igreja de Roma (Rom. 1:6
seados em princípios bíblicos. Ele expressa a autoridade de uma Assembléia e 7), a igreja de Corinto (I Cor. 1:2), a igreja de Tessalônica (I Tess. 1:1). Notem-
da Associação Geral devidamente convocada. “Deus ordenou que os repre- se também as referências feitas a igrejas provinciais: as igrejas da Galácia (I Cor.
sentantes de Sua Igreja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa As- 16:1), as igrejas da Ásia (I Cor. 16:19), as igrejas da Síria e Cilícia (Atos 15:41).
sociação Geral, devam ter autoridade.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 408. Cristo, como Cabeça da Igreja e seu Senhor vivente, tem amor profundo
aos membros de Seu corpo. Ele deve ser glorificado na Igreja (Efés. 3:21); por
meio da Igreja o Senhor revelará “a multiforme sabedoria de Deus” (Efés.
3:10). Dia a dia Ele “alimenta” a Igreja (Efés. 5:29), e Seu maior anelo é fazer
dela uma Igreja “gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas
santa e irrepreensível” (Efés. 5:27).
Nenhum Muro de Separação
Cristo procurou, por preceito e exemplo, ensinar a verdade de que com
Deus não havia muro de separação entre Israel e as outras nações (João 4:4-
42; 10:16; Lucas 9:51-56; Mat. 15:21-28). O apóstolo Paulo escreveu: “Os gen-
tios são co-herdeiros, membros do mesmo corpo e co-participantes da pro-
messa em Cristo Jesus por meio do evangelho.” Efés. 3:6.
Entre os seguidores de Cristo jamais deve existir qualquer preferência de
casta, nacionalidade, raça ou cor, pois todos os homens possuem o mesmo
sangue, e “para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.
Os eleitos de Deus formam uma irmandade universal, uma nova humanida-
de, “todos ... um em Cristo Jesus” (João 3:16; Gál. 3:28).
4 Manual da Igreja A Igreja do Deus Vivo 5

“Cristo veio à Terra com uma mensagem de misericórdia e perdão. Lan- mãs, que o Senhor tem um povo, um povo escolhido – a Sua Igreja – para ser
çou o fundamento de uma religião pela qual judeus e gentios, negros e bran- Sua propriedade, Sua própria fortaleza, que Ele mantém num mundo conta-
cos, livres e escravos, são ligados numa irmandade comum, reconhecidos minado pelo pecado, e rebelde; e determinou que nenhuma autoridade nela
como iguais à vista de Deus. O Salvador tem ilimitado amor por cada ser hu- se conhecesse, lei alguma fosse por ela reconhecida, a não serem as Suas pró-
mano.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 7, pág. 225. prias.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, págs. 15 e 16.
“Deus não reconhece distinção alguma de nacionalidade, raça ou casta. É
o Criador de todo homem. Todos os homens são de uma família pela criação, A Oposição do Inimigo
e todos são um pela redenção. Cristo veio para demolir toda parede de sepa- “Satanás tem uma grande confederação, que é sua igreja. Cristo a denomi-
ração e abrir todos os compartimentos do templo, a fim de que toda alma na sinagoga de Satanás, porque seus membros são filhos do pecado. Os mem-
possa ter livre acesso a Deus. ... Em Cristo não há nem judeu nem grego, ser- bros da igreja de Satanás têm estado sempre a trabalhar para inutilizar a lei di-
vo nem livre. Todos são aproximados por Seu precioso sangue.” – Parábolas vina e estabelecer confusão entre o bem e o mal. Satanás trabalha com gran-
de Jesus, pág. 386. de poder nos filhos da desobediência, e por meio deles, a fim de exaltar a trai-
ção e a apostasia como se fossem verdade e lealdade. E, na presente época, o
O Supremo Objeto da Atenção de Cristo poder de sua inspiração satânica está movimentando as forças vivas para pro-
Aqueles que em Seu serviço são incumbidos de cargos de liderança devem mover a grande rebelião contra Deus iniciada no Céu.” – Testemunhos Para
ter cuidado “da igreja de Deus” (I Tim. 3:5); hão de “apascentar a igreja de Ministros, 3ª edição, pág. 16.
Deus” (Atos 20:28); e sobre os ombros de alguns pesará “cada dia o cuidado “Na época atual, a Igreja precisa vestir suas belas vestes – ‘Cristo, justiça
de todas as igrejas”, como aconteceu com o amado apóstolo dos gentios (II nossa’. Há distinções claras e precisas a serem restauradas e expostas ao mun-
Cor. 11:28). Os seguintes excertos dos escritos do Espírito de Profecia ilus- do, exaltando-se acima de tudo os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. A
tram o grande amor de Cristo a Seu povo reunido na fraternidade da Igreja. beleza da santidade deve aparecer em seu brilho natural, em contraste com a
“Testifico aos meus irmãos e irmãs que a Igreja de Cristo, por débil e defei- deformidade e trevas dos que são desleais, daqueles que se revoltam contra a
tuosa que seja, é o único objeto sobre a Terra a que Ele confere Sua suprema lei de Deus. Assim reconhecem a Deus, e a Sua lei – fundamento de Seu go-
atenção. Enquanto a todos dirige o convite para irem a Ele e serem salvos, co- verno no Céu e em todos os Seus domínios terrestres. Sua autoridade deve
missiona Seus anjos, para prestar divino auxílio a toda alma que a Ele se ache- ser conservada distinta e clara perante o mundo; e não ser reconhecida lei al-
ga com arrependimento e contrição; e, pessoalmente, por meio de Seu Espí- guma que esteja em oposição às leis de Jeová. Se, em desafio às disposições di-
rito Santo, está no meio de Sua Igreja. ‘Se Tu, Senhor, observares as iniqüida- vinas, for permitido ao mundo influenciar nossas decisões ou ações, o propó-
des, ó Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas te- sito de Deus será frustrado. Se a Igreja vacilar aqui, por mais especioso que
mido. Aguardo ao Senhor; a minha alma O aguarda, e espero na Sua Palavra. seja o pretexto apresentado para tal, contra ela haverá, registrada nos livros
A minha alma anseia pelo Senhor mais do que os guardas pelo romper da do Céu, uma quebra da mais sagrada confiança, uma traição ao reino de
manhã.’ ‘Espere Israel no Senhor, porque no Senhor há misericórdia, e nEle Cristo. A Igreja tem que manter seus princípios perante todo o Universo ce-
há abundante redenção. E Ele remirá Israel de todas as suas iniqüidades.’ leste e os reinos deste mundo, de maneira firme e decidida; inabalável fideli-
“Ó ministros e toda a Igreja, sejam estas as expressões que, brotando do co- dade na manutenção da honra e da santidade da lei de Deus, despertará a
ração, correspondam à grande bondade e amor de Deus para conosco, como atenção e admiração do mundo, e muitos, pelas boas obras que contempla-
um povo e a cada um de nós individualmente. ‘Espere Israel no Senhor, des- rem, serão levados a glorificar nosso Pai celestial. Os que são leais e verdadei-
de agora e para sempre.’ ‘Vós que assistis na casa do Senhor, nos átrios da casa ros, são portadores de credenciais do Céu e não dos potentados da Terra. To-
de nosso Deus, louvai ao Senhor, porque o Senhor é bom; cantai louvores ao dos os homens saberão quem são os escolhidos e fiéis discípulos de Cristo, e
Seu nome, porque é agradável. Porque o Senhor escolheu para Si a Jacó, e a Is- os conhecerão quando forem coroados e glorificados como hão de ser os que
rael para Seu povo peculiar. Porque eu conheço que o Senhor é grande e que honrarem a Deus, e a quem Ele honrou, tornando-os possuidores de um peso
o nosso Deus está acima de todos os deuses.’ Considerai, meus irmãos e ir- eterno de glória.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, págs. 16 e 17.
6 Manual da Igreja A Igreja do Deus Vivo 7

A Igreja Completa em Cristo A Igreja Adventista do Sétimo Dia dedica-se aos princípios mencionados
“O Senhor proveu Sua Igreja de capacidades e bênçãos, para que apresen- na página anteroir, de unidade da Igreja de Cristo. Pela paz e pelo poder pro-
tasse ao mundo uma imagem de Sua própria suficiência, e nEle se completas- porcionados pela justiça de Cristo, a Igreja se compromete a demolir toda
se, como uma contínua representação de outro mundo, eterno, onde há leis barreira que o pecado erigiu entre os seres humanos.
mais elevadas que as terrestres. Sua Igreja deve ser um templo construído se-
gundo a semelhança divina, e o anjo arquiteto trouxe do Céu a sua vara de
ouro para medir, a fim de que cada pedra seja lavrada e ajustada pela medida
divina, e polida para brilhar como um emblema do Céu, irradiando em todas
as direções os refulgentes e luminosos raios do Sol da Justiça. A Igreja há de
ser alimentada com o maná do Céu e guardada unicamente sob a proteção de
Sua graça. Vestida com a completa armadura de luz e justiça, ela entra em seu
conflito final. A escória, material imprestável, será consumida, e a influência
da verdade testifica ao mundo de seu caráter santificador e enobrecedor. ...
“O Senhor Jesus está provando os corações humanos, por meio da conces-
são de Sua misericórdia e graça abundantes. Está efetuando transformações
tão admiráveis que Satanás, com toda a sua vanglória de triunfo, com toda a
sua confederação para o mal, reunida contra Deus e contra as leis de Seu go-
verno, fica a olhá-las como a uma fortaleza, inexpugnável aos seus sofismas e
enganos. São para ele um mistério incompreensível. Os anjos de Deus, sera-
fins e querubins, potestades encarregadas de cooperar com as forças huma-
nas, vêem, com admiração e alegria, que homens decaídos, que eram filhos
da ira, estejam por meio do ensino de Cristo formando caráter segundo a se-
melhança divina, para serem filhos e filhas de Deus, e desempenharem um
papel importante nas ocupações e prazeres do Céu.
“À Sua Igreja deu Cristo amplas possibilidades, para que viesse a receber de
Sua possessão resgatada e comprada um grande tributo de glórias. A Igreja,
revestida da justiça de Cristo, é Sua depositária, na qual as riquezas de Sua mi-
sericórdia, amor e graça, se hão de por fim revelar plenamente. A declaração
que fez em Sua oração intercessora, de que o amor do Pai é tão grande para
conosco como para consigo mesmo, na qualidade de Filho unigênito, e que
estaremos com Ele onde estiver, e que seremos um com Cristo e o Pai, é uma
maravilha para a hoste celestial, e constitui sua grande alegria. O dom de Seu
Santo Espírito, rico, pleno e abundante, deve ser para Sua Igreja semelhante a
uma protetora muralha de fogo, contra que não prevalecerão os poderes do
inferno. Na imaculada pureza e perfeição de Seu povo, Cristo vê a recompen-
sa de todos os Seus sofrimentos, humilhação e amor, e como suplemento de
Sua glória – sendo Ele o grande centro de que irradia toda glória. ‘Bem-aven-
turados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro.’“ – Testemu-
nhos Para Ministros, 3ª edição, págs. 17-19.
Capítulo 3

Crenças Fundamentais dos


Adventistas do Sétimo Dia
Os Adventistas do Sétimo Dia aceitam a Bíblia como seu único credo e
mantêm certas crenças fundamentais como sendo o ensino das Escrituras Sa-
gradas. Estas crenças, da maneira em que são apresentadas aqui, constituem
a compreensão e a expressão do ensino das Escrituras por parte da Igreja. Po-
dem ser esperadas revisões destas declarações numa assembléia da Associa-
ção Geral, quando a Igreja é levada pelo Espírito Santo a uma compreensão
mais completa da verdade bíblica ou encontra melhor linguagem para ex-
pressar os ensinos da Santa Palavra de Deus.

1. As Escrituras Sagradas
As Escrituras Sagradas, o Antigo e Novo Testamentos, são a Palavra de
Deus escrita, dada por inspiração divina, através de santos homens de Deus
que falaram e escreveram ao serem movidos pelo Espírito Santo. Nesta Pala-
vra, Deus transmitiu ao homem o conhecimento necessário para a salvação.
As Escrituras Sagradas são a infalível revelação de Sua vontade. Constituem
o padrão do caráter, a prova da experiência, o autorizado revelador de dou-
trinas e o registro fidedigno dos atos de Deus na História. (II Pedro 1:2 e 21;
II Tim. 3:16 e 17; Sal. 119:105; Prov. 30:5 e 6; Isa. 8:20; João 17:17; I Tess. 2:13;
Heb. 4:12.)

2. A Trindade
Há um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de três Pessoas
coeternas. Deus é imortal, onipotente, onisciente, acima de tudo e sempre
presente. Ele é infinito e está além da compreensão humana, mas é conheci-
do por meio de Sua auto-revelação. É para sempre digno de culto, adoração e
serviço por parte de toda a criação. (Deut. 6:4; Mat. 28:19; II Cor. 13:13; Efés.
4:4-6; I Pedro 1:2; I Tim. 1:17; Apoc. 14:7.)

3. O Pai
Deus, o Eterno Pai, é o Criador, o Originador, o Mantenedor e o Soberano
de toda a criação. Ele é justo e santo, compassivo e clemente, tardio em irar-
Se, e grande em constante amor e fidelidade. As qualidades e os poderes ma-
nifestados no Filho e no Espírito Santo também constituem revelações do
10 Manual da Igreja Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia 11

Pai. (Gên. 1:1; Apoc. 4:11; I Cor. 15:28; João 3:16; I João 4:8; I Tim. 1:17; Êxo. 7. A Natureza do Homem
34:6 e 7; João 14:9.) O homem e a mulher foram formados à imagem de Deus, com individua-
lidade, poder e liberdade de pensar e agir. Conquanto tenham sido criados
4. O Filho como seres livres, cada um é uma unidade indivisível de corpo, mente e espí-
Deus, o Filho Eterno, encarnou-Se em Jesus Cristo. Por meio dEle foram rito, e dependente de Deus quanto à vida, respiração e tudo o mais. Quando
criadas todas as coisas, é revelado o caráter de Deus, efetuada a salvação da hu- nossos primeiros pais desobedeceram a Deus, eles negaram sua dependência
manidade, e julgado o mundo. Sendo para sempre verdadeiramente Deus, Ele dEle e caíram de sua elevada posição abaixo de Deus. A imagem de Deus, ne-
tornou-Se também verdadeiramente homem, Jesus, o Cristo. Foi concebido les, foi desfigurada, e tornaram-se sujeitos à morte. Seus descendentes parti-
do Espírito Santo e nasceu da virgem Maria. Viveu, e experimentou a tentação lham dessa natureza caída e de suas conseqüências. Eles nascem com fraque-
como ser humano, mas exemplificou perfeitamente a justiça e o amor de zas e tendências para o mal. Mas Deus, em Cristo, reconciliou consigo o
Deus. Por Seus milagres manifestou o poder de Deus e atestou que era o Mes- mundo e por meio de Seu Espírito restaura nos mortais penitentes a imagem
sias prometido por Deus. Sofreu e morreu voluntariamente na cruz por nos- de seu Criador. Criados para a glória de Deus, eles são chamados para amá-
sos pecados e em nosso lugar, foi ressuscitado dentre os mortos e ascendeu Lo e uns aos outros, e para cuidar de seu ambiente. (Gên. 1:26-28; 2:7; Sal.
para ministrar em nosso favor no santuário celestial. Virá outra vez, em glória, 8:4-8; Atos 17:24-28; Gên. 3; Sal. 51:5; Rom. 5:12-17; II Cor. 5:19 e 20; Sal.
para o livramento final de Seu povo e a restauração de todas as coisas. (João 51:10; I João 4:7, 8, 11 e 20; Gên. 2:15.)
1:1-3 e 14; Col. 1:15-19; João 10:30; 14:9; Rom. 6:23; II Cor. 5:17-19; João 5:22;
Lucas 1:35; Filip. 2:5-11; Heb. 2:9-18; I Cor. 15:3 e 4; Heb. 8:1 e 2; João 14:1-3.) 8. O Grande Conflito
Toda a humanidade está agora envolvida num grande conflito entre Cris-
5. O Espírito Santo to e Satanás, quanto ao caráter de Deus, Sua lei e Sua soberania sobre o Uni-
Deus, o Espírito Eterno, desempenhou uma parte ativa com o Pai e o Filho verso. Este conflito originou-se no Céu quando um ser criado, dotado de li-
na Criação, Encarnação e Redenção. Inspirou os escritores das Escrituras. berdade de escolha, por exaltação própria tornou-se Satanás, o adversário de
Encheu de poder a vida de Cristo. Atrai e convence os seres humanos; e os Deus, e conduziu à rebelião uma parte dos anjos. Ele introduziu o espírito de
que se mostram sensíveis são por Ele renovados e transformados à imagem rebelião neste mundo, ao induzir Adão e Eva em pecado. Este pecado huma-
de Deus. Enviado pelo Pai e pelo Filho para estar sempre com Seus filhos, Ele no resultou na deformação da imagem de Deus na humanidade, no transtor-
concede dons espirituais à Igreja, a habilita a dar testemunho de Cristo e, em no do mundo criado e em sua conseqüente devastação por ocasião do dilú-
harmonia com as Escrituras, guia-a em toda a verdade. (Gên. 1:1 e 2; Lucas vio mundial. Observado por toda a criação, este mundo tornou-se o palco do
1:35; 4:18; Atos 10:38; II Pedro 1:21; II Cor. 3:18; Efés. 4:11 e 12; Atos 1:8; João conflito universal, dentro do qual será finalmente vindicado o Deus de amor.
14:16-18 e 26; 15:26 e 27; 16:7-13.) Para ajudar Seu povo nesse conflito, Cristo envia o Espírito Santo e os anjos
leais, para os guiar, proteger e amparar no caminho da salvação. (Apoc. 12:4-
6. A Criação 9; Isa. 14:12-14; Ezeq. 28:12-18; Gên. 3; Rom. 1:19-32; 5:12-21; 8:19-22; Gên.
Deus é o Criador de todas as coisas e revelou nas Escrituras o relato autên- 6-8; II Pedro 3:6; I Cor. 4:9; Heb. 1:14.)
tico de Sua atividade criadora. “Em seis dias fez o Senhor os céus e a Terra” e
tudo que tem vida sobre a Terra, e descansou no sétimo dia dessa primeira se- 9. A Vida, a Morte e a Ressurreição de Cristo
mana. Assim Ele estabeleceu o sábado como perpétuo monumento comemo- Na vida de Cristo, de perfeita obediência à vontade de Deus, e em Seu so-
rativo de Sua esmerada obra criadora. O primeiro homem e a primeira mu- frimento, morte e ressurreição, Deus proveu o único meio de expiação do pe-
lher foram formados à imagem de Deus como obra-prima da Criação, foi-lhes cado humano, de modo que os que aceitam esta expiação pela fé possam ter
dado domínio sobre o mundo e atribuiu-se-lhes a responsabilidade de cuidar vida eterna, e toda a criação compreenda melhor o infinito e santo amor do
dele. Quando o mundo foi concluído, ele era “muito bom”, proclamando a gló- Criador. Esta expiação perfeita vindica a justiça da lei de Deus e a benignida-
ria de Deus. (Gên. 1; 2; Êxo. 20:8-11; Sal. 19:1-6; 33:6 e 9; 104; Heb. 11:3.) de de Seu caráter; pois ela não somente condena o nosso pecado, mas também
12 Manual da Igreja Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia 13

garante o nosso perdão. A morte de Cristo é substituinte e expiatória, reconci- adorá-Lo e participando na missão da Igreja. Ao nos dedicarmos ao serviço
liadora e transformadora. A ressurreição de Cristo proclama a vitória de Deus amorável em favor dos que nos rodeiam e ao testemunharmos da salvação de
sobre as forças do mal, e assegura a vitória final sobre o pecado e a morte para Cristo, a presença constante do Senhor em nós, por meio do Espírito, transfor-
os que aceitam a expiação. Ela declara a soberania de Jesus Cristo, diante do mará cada momento e cada tarefa em uma experiência espiritual. (Sal. 1:1 e 2;
qual se dobrará todo joelho, no Céu e na Terra. (João 3:16; Isa. 53; I Pedro 2:21 23:4; 77:11 e 12; Col. 1:13 e 14; 2:6, 14 e 15; Luc. 10:17-20; Efés. 5:19 e 20; 6:12-
e 22; I Cor. 15:3, 4 e 20-22; II Cor. 5:14, 15 e 19-21; Rom. 1:4; 3:25; 4:25; 8:3 e 18; I Tess. 5:23; II Ped. 2:9; 3:18; II Cor. 3:17 e 18; Filip. 3:7-14; I Tess. 5:16-18;
4; I João 2:2; 4:10; Col. 2:15; Filip. 2:6-11.) Mat. 20:25-28; João 20:21; Gál. 5:22-25; Rom. 8:38 e 39; I João 4:4; Heb. 10:25.)

10. A Experiência da Salvação 12. A Igreja


Em infinito amor e misericórdia, Deus fez com que Cristo, que não conhe- A Igreja é a comunidade de crentes que confessam a Jesus Cristo como Se-
ceu pecado, Se tornasse pecado por nós, para que nEle fôssemos feitos justi- nhor e Salvador. Em continuidade do povo de Deus nos tempos do Antigo Tes-
ça de Deus. Guiados pelo Espírito Santo, sentimos nossa necessidade, reco- tamento, somos chamados para fora do mundo; e nos unimos para prestar cul-
nhecemos nossa pecaminosidade, arrependemo-nos de nossas transgressões to, para comunhão, para instrução na Palavra, para a celebração da Ceia do Se-
e temos fé em Jesus como Senhor e Cristo, como Substituto e Exemplo. Esta nhor, para serviço a toda a humanidade, e para a proclamação mundial do evan-
fé que aceita a salvação advém do divino poder da Palavra e é o dom da gra- gelho. A Igreja recebe sua autoridade de Cristo, o qual é a Palavra encarnada, e
ça de Deus. Por meio de Cristo, somos justificados, adotados como filhos e fi- das Escrituras, que são a Palavra escrita. A Igreja é a família de Deus; adotados
lhas de Deus, e libertados do domínio do pecado. Por meio do Espírito, nas- por Ele como filhos, seus membros vivem com base no novo concerto. A Igreja
cemos de novo e somos santificados; o Espírito renova nossa mente, escreve é o corpo de Cristo, uma comunidade de fé, da qual o próprio Cristo é a Cabe-
a lei de Deus, a lei de amor, em nosso coração, e recebemos o poder para le- ça. A Igreja é a noiva pela qual Cristo morreu para que pudesse santificá-la e pu-
var uma vida santa. Permanecendo nEle, tornamo-nos participantes da natu- rificá-la. Em Sua volta triunfal, Ele a apresentará a Si mesmo Igreja gloriosa, os
reza divina e temos a certeza de salvação agora e no Juízo. (II Cor. 5:17-21; fiéis de todos os séculos, a aquisição de Seu sangue, sem mácula, nem ruga, po-
João 3:16; Gál. 1:4; 4:4-7; Tito 3:3-7; João 16:8; Gál. 3:13 e 14; I Pedro 2:21 e rém santa e sem defeito. (Gên. 12:3; Atos 7:38; Efés. 4:11-15; 3:8-11; Mat. 28:19 e
22; Rom. 10:17; Lucas 17:5; Mar. 9:23 e 24; Efés. 2:5-10; Rom. 3:21-26; Col. 20; 16:13-20; 18:18; Efés. 2:19-22; 1:22 e 23; 5:23-27; Col. 1:17 e 18.)
1:13 e 14; Rom. 8:14-17; Gál. 3:26; João 3:3-8; I Pedro 1:23; Rom. 12:2; Heb.
8:7-12; Ezeq. 36:25-27; II Pedro 1:3 e 4; Rom. 8:1-4; 5:6-10.) 13. O Remanescente e Sua Missão
A Igreja universal se compõe de todos os que verdadeiramente crêem em
11. Crescimento em Cristo Cristo; mas, nos últimos dias, um tempo de ampla apostasia, um remanes-
Por Sua morte na cruz, Jesus triunfou sobre as forças do mal. Tendo subjuga- cente tem sido chamado para fora, a fim de guardar os mandamentos de
do os espíritos demoníacos durante Seu ministério terrestre, quebrantou-lhes o Deus e a fé de Jesus. Este remanescente anuncia a chegada da hora do Juízo,
poder e garantiu sua condenação final. A vitória de Jesus nos dá a vitória sobre proclama a salvação por meio de Cristo e prediz a aproximação de Seu se-
as forças do mal que ainda procuram controlar-nos, enquanto caminhamos gundo advento. Esta proclamação é simbolizada pelos três anjos de Apocalip-
com Cristo em paz, gozo e na segurança de Seu amor. Agora, o Espírito Santo se 14; coincide com a obra de julgamento no Céu e resulta numa obra de ar-
mora em nosso interior e nos dá poder. Continuamente consagrados a Jesus rependimento e reforma na Terra. Todo crente é convidado a ter uma parte
como nosso Salvador e Senhor, somos libertos do fardo de nossas ações passa- pessoal neste testemunho mundial. (Apoc. 12:17; 14:6-12; 18:1-4; II Cor.
das. Não mais vivemos nas trevas, sob o temor dos poderes do mal, da ignorân- 5:10; Judas 3 e 14; I Pedro 1:16-19; II Pedro 3:10-14; Apoc. 21:1-14.)
cia e insensatez da nossa antiga maneira de viver. Nesta nova liberdade em Jesus,
somos chamados a crescer à semelhança de Seu caráter, mantendo comunhão 14. Unidade no Corpo de Cristo
diária com Ele por meio da oração, alimentando-nos de Sua Palavra, meditan- A Igreja é um corpo com muitos membros, chamados de toda nação, tribo,
do nela e na providência divina, cantando Suas bênçãos, reunindo-nos para língua e povo. Em Cristo somos uma nova criação; distinções de raça, cultura e
14 Manual da Igreja Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia 15

nacionalidade, e diferenças entre altos e baixos, ricos e pobres, homens e mu- todas as aptidões e ministérios de que a Igreja necessita para cumprir suas
lheres, não devem ser motivo de dissensões entre nós. Todos somos iguais em funções divinamente ordenadas. De acordo com as Escrituras, esses dons
Cristo, o qual por um só Espírito nos uniu numa comunhão com Ele e uns com abrangem tais ministérios como a fé, cura, profecia, proclamação, ensino, ad-
os outros; devemos servir e ser servidos sem parcialidade ou restrição. Median- ministração, reconciliação, compaixão, e serviço abnegado e caridade para
te a revelação de Jesus Cristo nas Escrituras, partilhamos a mesma fé e esperan- ajuda e animação das pessoas. Alguns membros são chamados por Deus e
ça, e estendemos um só testemunho para todos. Esta unidade encontra sua fon- dotados pelo Espírito para funções reconhecidas pela Igreja em ministérios
te na unidade do Deus triúno, que nos adotou como Seus filhos. (Rom. 12:4 e pastorais, evangelísticos, apostólicos e de ensino especialmente necessários
5; I Cor. 12:12-14; Mat. 28:19 e 20; Sal. 133:1; II Cor. 5:16 e 17; Atos 17:26 e 27; para habilitar os membros para o serviço, edificar a Igreja com vistas à matu-
Gál. 3:27 e 29; Col. 3:10-15; Efés. 4:14-16; 4:1-6; João 17:20-23.) ridade espiritual e promover a unidade da fé e do conhecimento de Deus.
Quando os membros utilizam esses dons espirituais como fiéis despenseiros
15. O Batismo da multiforme graça de Deus, a Igreja é protegida contra a influência demo-
Pelo batismo confessamos nossa fé na morte e ressurreição de Jesus Cristo lidora de falsas doutrinas, tem um crescimento que provém de Deus e é edi-
e atestamos nossa morte para o pecado e nosso propósito de andar em novi- ficada na fé e no amor. (Rom. 12:4-8; I Cor. 12:9-11, 27 e 28; Efés. 4:8 e 11-16;
dade de vida. Assim reconhecemos a Cristo como Senhor e Salvador, torna- Atos 6:1-7; I Tim. 3:1-13; I Pedro 4:10 e 11.)
mo-nos Seu povo e somos aceitos como membros por Sua Igreja. O batismo
é um símbolo de nossa união com Cristo, do perdão de nossos pecados e de 18. O Dom de Profecia
nosso recebimento do Espírito Santo. É por imersão na água e depende de Um dos dons do Espírito Santo é a profecia. Este dom é um sinal identifi-
uma afirmação de fé em Jesus e da evidência de arrependimento do pecado. cador da Igreja remanescente, e foi manifestado no ministério de Ellen G.
Segue-se à instrução nas Escrituras Sagradas e à aceitação de seus ensinos. White. Como a mensageira do Senhor, seus escritos são uma contínua e au-
(Rom. 6:1-6; Col. 2:12 e 13; Atos 16:30-33; 22:16; 2:38; Mat. 28:19 e 20.) torizada fonte de verdade que proporciona conforto, orientação, instrução e
correção à Igreja. Eles também tornam claro que a Bíblia é a norma pela qual
16. A Ceia do Senhor deve ser provado todo ensino e experiência. (Joel 2:28 e 29; Atos 2:14-21;
A Ceia do Senhor é uma participação nos emblemas do corpo e do sangue Heb. 1:1-3; Apoc. 12:17; 19:10.)
de Jesus, como expressão de fé nEle, nosso Senhor e Salvador. Nesta experiên-
cia de comunhão, Cristo está presente para encontrar-Se com Seu povo e for- 19. A Lei de Deus
talecê-lo. Participando da Ceia, proclamamos alegremente a morte do Se- Os grandes princípios da lei de Deus estão incorporados nos Dez Manda-
nhor até que Ele volte. A preparação para a Ceia envolve o exame de cons- mentos e foram exemplificados na vida de Cristo. Expressam o amor, a von-
ciência, o arrependimento e a confissão. O Mestre instituiu a cerimônia do tade e os desígnios de Deus quanto à conduta e às relações humanas, e são
lava-pés para denotar renovada purificação, para expressar a disposição de obrigatórios a todas as pessoas, em todas as partes. Estes preceitos constituem
servir um ao outro em humildade semelhante à de Cristo e para unir nossos a base do concerto de Deus com Seu povo e a norma no julgamento divino.
corações em amor. A Cerimônia da Comunhão é franqueada a todos os Por meio da atuação do Espírito Santo, eles apontam para o pecado e desper-
crentes cristãos. (I Cor. 10:16 e 17; 11:23-30; Mat. 26:17-30; Apoc. 3:20; João tam o senso da necessidade de um Salvador. A salvação é inteiramente pela
6:48-63; 13:1-17.) graça, e não pelas obras, mas seu fruto é a obediência aos Mandamentos. Esta
obediência desenvolve o caráter cristão e resulta numa sensação de bem-es-
17. Dons e Ministérios Espirituais tar. É uma evidência de nosso amor ao Senhor e de nossa solicitude por nos-
Deus concede a todos os membros de Sua Igreja, em todas as épocas, dons sos semelhantes. A obediência por fé demonstra o poder de Cristo para
espirituais que cada membro deve empregar em amoroso ministério para o transformar vidas, e fortalece, portanto, o testemunho cristão. (Êxo. 20:1-17;
bem comum da Igreja e da humanidade. Outorgados pela atuação do Espíri- Sal. 40:7 e 8; Mat. 22:36-40; Deut. 28:1-14; Mat. 5:17-20; Heb. 8:8-10; João
to Santo, o qual distribui a cada membro como Lhe apraz, os dons provêem 15:7-10; Efés. 2:8-10; I João 5:3; Rom. 8:3 e 4; Sal. 19:7-14.)
16 Manual da Igreja Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia 17

20. O Sábado Junto com adequado exercício e repouso, devemos adotar a alimentação mais
O bondoso Criador, após os seis dias da Criação, descansou no sétimo dia saudável possível e abster-nos dos alimentos imundos identificados nas Es-
e instituiu o sábado para todas as pessoas, como memorial da Criação. O crituras. Visto que as bebidas alcoólicas, o fumo e o uso irresponsável de me-
quarto mandamento da imutável lei de Deus requer a observância deste sá- dicamentos e narcóticos são prejudiciais a nosso corpo, também devemos
bado do sétimo dia como dia de descanso, adoração e ministério, em harmo- abster-nos dessas coisas. Em vez disso, devemos empenhar-nos em tudo que
nia com o ensino e a prática de Jesus, o Senhor do sábado. O sábado é um dia submeta nossos pensamentos e nosso corpo à disciplina de Cristo, o qual de-
de deleitosa comunhão com Deus e uns com os outros. É um símbolo de nos- seja nossa integridade, alegria e bem-estar. (Rom. 12:1 e 2; I João 2:6; Efés.
sa redenção em Cristo, um sinal de nossa santificação, uma prova de nossa 5:1-21; Filip. 4:8; II Cor. 10:5; 6:14-7:1; I Pedro 3:1-4; I Cor. 6:19 e 20; 10:31;
lealdade e um antegozo de nosso futuro eterno no reino de Deus. O sábado é Lev. 11:1-47; III João 2.)
o sinal perpétuo do eterno concerto de Deus com Seu povo. A prazerosa ob-
servância deste tempo sagrado duma tarde a outra tarde, do pôr-do-sol ao 23. O Casamento e a Família
pôr-do sol, é uma celebração dos atos criadores e redentores de Deus. (Gên. O casamento foi divinamente estabelecido no Éden e confirmado por Jesus
2:1-3; Êxo. 20:8-11; Lucas 4:16; Isa. 56:5 e 6; 58:13 e 14; Mat. 12:1-12; Êxo. como união vitalícia entre um homem e uma mulher, em amoroso compa-
31:13-17; Ezeq. 20:12 e 20; Deut. 5:12-15; Heb. 4:1-11; Lev. 23:32; Mar. 1:32.) nheirismo. Para o cristão, o compromisso matrimonial é com Deus bem como
com o cônjuge, e só deve ser assumido entre parceiros que partilham da mes-
21. Mordomia ma fé. Mútuo amor, honra, respeito e responsabilidade constituem a estrutura
Somos despenseiros de Deus, responsáveis a Ele pelo uso apropriado do dessa relação, a qual deve refletir o amor, a santidade, a intimidade e a constân-
tempo e das oportunidades, das capacidades e posses, e das bênçãos da Terra cia da relação entre Cristo e Sua Igreja. No tocante ao divórcio, Jesus ensinou
e seus recursos, que Ele colocou sob o nosso cuidado. Reconhecemos o direi- que a pessoa que se divorcia do cônjuge, a não ser por causa de relações sexuais
to de propriedade da parte de Deus por meio de fiel serviço a Ele e a nossos ilícitas, e casa com outro, comete adultério. Conquanto algumas relações de
semelhantes, e devolvendo os dízimos e dando ofertas para a proclamação de família fiquem aquém do ideal, os consortes que se dedicam inteiramente um
Seu evangelho e para a manutenção e o crescimento de Sua Igreja. A mordo- ao outro, em Cristo, podem alcançar amorosa unidade por meio da orienta-
mia é um privilégio que Deus nos concede para desenvolvimento no amor e ção do Espírito e a instrução da Igreja. Deus abençoa a família e quer que seus
para vitória sobre o egoísmo e a cobiça. O mordomo se regozija nas bênçãos membros ajudem uns aos outros a alcançar completa maturidade. Os pais de-
que advêm aos outros como resultado de sua fidelidade. (Gên. 1:26-28; 2:15; vem educar os seus filhos a amar o Senhor e a obedecer-Lhe. Por seu exemplo
I Crôn. 29:14; Ageu 1:3-11; Mal. 3:8-12; I Cor. 9:9-14; Mat. 23:23; II Cor. 8:1- e suas palavras, devem ensinar-lhes que Cristo é um disciplinador amoroso,
15; Rom. 15:26 e 27.) sempre terno e solícito, desejando que eles se tornem membros do Seu corpo,
a família de Deus. Crescente intimidade familiar é um dos característicos da
22. Conduta Cristã mensagem final do evangelho. (Gên. 2:18-25; Mat. 19:3-9; João 2:1-11; II Cor.
Somos chamados para ser um povo piedoso que pensa, sente e age de acor- 6:14; Efés. 5:21-33; Mat. 5:31 e 32; Mar. 10:11 e 12; Lucas 16:18; I Cor. 7:10 e
do com os princípios do Céu. Para que o Espírito recrie em nós o caráter de 11; Êxo. 20:12; Efés. 6:1-4; Deut. 6:5-9; Prov. 22:6; Mal. 4:5 e 6.)
nosso Senhor, nós só nos envolvemos naquelas coisas que produzirão em nos-
sa vida pureza, saúde e alegria semelhantes às de Cristo. Isto significa que nos- 24. O Ministério de Cristo no Santuário Celestial
sas diversões e entretenimentos devem corresponder aos mais altos padrões Há um santuário no Céu, o verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu,
do gosto e beleza cristãos. Embora reconheçamos diferenças culturais, nosso não o homem. Nele Cristo ministra em nosso favor, tornando acessíveis aos
vestuário deve ser simples, modesto e de bom gosto, apropriado àqueles cuja crentes os benefícios de Seu sacrifício expiatório oferecido uma vez por to-
verdadeira beleza não consiste no adorno exterior, mas no ornamento impe- das, na cruz. Ele foi empossado como nosso grande Sumo Sacerdote e come-
recível de um espírito manso e tranqüilo. Significa também que, sendo o nos- çou Seu ministério intercessor por ocasião de Sua ascensão. Em 1844, no fim
so corpo o templo do Espírito Santo, devemos cuidar dele inteligentemente. do período profético dos 2.300 dias, Ele iniciou a segunda e última etapa de
18 Manual da Igreja Crenças Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia 19

Seu ministério expiatório. É uma obra de juízo investigativo, a qual faz par- 27. O Milênio e o Fim do Pecado
te da eliminação final de todo pecado, prefigurada pela purificação do anti- O milênio é o reinado de mil anos, de Cristo com Seus santos, no Céu, en-
go santuário hebraico, no Dia da Expiação. Nesse serviço típico, o santuário tre a primeira e a segunda ressurreições. Durante esse tempo serão julgados
era purificado com o sangue de sacrifícios de animais, mas as coisas celes- os ímpios mortos; a Terra estará completamente desolada, sem habitantes hu-
tiais são purificadas com o perfeito sacrifício do sangue de Jesus. O juízo in- manos com vida, mas ocupada por Satanás e seus anjos. No fim desse perío-
vestigativo revela aos seres celestiais quem dentre os mortos dorme em Cris- do, Cristo com Seus santos e a Cidade Santa descerão do Céu à Terra. Os ím-
to, sendo, portanto, nEle, considerado digno de ter parte na primeira ressur- pios mortos serão então ressuscitados e, com Satanás e seus anjos, cercarão a
reição. Também torna manifesto quem, dentre os vivos, permanece em Cris- cidade; mas fogo de Deus os consumirá e purificará a Terra. O Universo fica-
to, guardando os mandamentos de Deus e a fé de Jesus, estando, portanto, rá assim eternamente livre do pecado e dos pecadores. (Apoc. 20; I Cor. 6:2 e
nEle, preparado para a trasladação ao Seu reino eterno. Este julgamento vin- 3; Jer. 4:23-26; Apoc. 21:1-5; Mal. 4:1; Ezeq. 28:18 e 19.)
dica a justiça de Deus em salvar os que crêem em Jesus. Declara que os que
permaneceram leais a Deus receberão o reino. A terminação desse ministé- 28. A Nova Terra
rio de Cristo assinalará o fim do tempo da graça para os seres humanos, an- Na Nova Terra, em que habita justiça, Deus proverá um lar eterno para os
tes do Segundo Advento. (Heb. 8:1-5; 4:14-16; 9:11-28; 10:19-22; 1:3; 2:16 e remidos e um ambiente perfeito para vida, amor, alegria e aprendizado eter-
17; Dan. 7:9-27; 8:13 e 14; 9:24-27; Núm. 14:34; Ezeq. 4:6; Lev. 16; Apoc. 14:6 nos, em Sua presença. Pois aqui o próprio Deus habitará com o Seu povo, e o
e 7; 20:12; 14:12; 22:12.) sofrimento e a morte terão passado. O grande conflito estará terminado e não
mais existirá pecado. Todas as coisas, animadas e inanimadas, declararão que
25. A Segunda Vinda de Cristo Deus é amor; e Ele reinará para todo o sempre. Amém. (II Pedro 3:13; Isa. 35;
A segunda vinda de Cristo é a bendita esperança da Igreja, o grande pon- 65:17-25; Mat. 5:5; Apoc. 21:1-7; 22:1-5; 11:15.)
to culminante do evangelho. A vinda do Salvador será literal, pessoal, visível
e universal. Quando Ele voltar, os justos falecidos serão ressuscitados e, junto
com os justos que estiverem vivos, serão glorificados e levados para o Céu,
mas os ímpios irão morrer. O cumprimento quase completo da maioria dos
aspectos da profecia, bem como a condição atual do mundo, indica que a vin-
da de Cristo é iminente. O tempo exato desse acontecimento não foi revela-
do, e somos portanto exortados a estar preparados em todo o tempo. (Tito
2:13; Heb. 9:28; João 14:1-3; Atos 1:9-11; Mat. 24:14; Apoc. 1:7; Mat. 24:43 e
44; I Tess. 4:13-18; I Cor. 15:51-54; II Tess. 1:7-10; 2:8; Apoc. 14:14-20; 19:11-
21; Mat. 24; Mar. 13; Lucas 21; II Tim. 3:1-5; I Tess. 5:1-6.)

26. Morte e Ressurreição


O salário do pecado é a morte. Mas Deus, o único que é imortal, concede-
rá vida eterna a Seus remidos. Até aquele dia, a morte é um estado incons-
ciente para todas as pessoas. Quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifes-
tar, os justos ressuscitados e os justos vivos serão glorificados e arrebatados
para o encontro de seu Senhor. A segunda ressurreição, a ressurreição dos
ímpios, ocorrerá mil anos mais tarde. (Rom. 6:23; I Tim. 6:15 e 16; Ecles. 9:5
e 6; Sal. 146:3 e 4; João 11:11-14; Col. 3:4; I Cor. 15:51-54; I Tess. 4:13-17; João
5:28 e 29; Apoc. 20:1-10.)
Capítulo 4

Organização Fundada
em Princípios Divinos
A organização correta é de Deus; ela se baseia em princípios divinos. “Mé-
todo e ordem manifestam-se em todas as obras de Deus, em todo o Univer-
so.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, pág. 26. As miríades de estrelas
que atravessam velozmente o espaço se movem em perfeita ordem. Na estru-
tura de toda planta que cresce e em todo ser vivo que se move na Terra, temos
uma demonstração maravilhosa de ordem e método.
No Céu existe organização absoluta e impecável. “Os anjos trabalham har-
monicamente. Perfeita ordem caracteriza todos os seus movimentos.” – Ibi-
dem, pág. 28. “A ordem é a lei do Céu, e deveria ser a lei do povo de Deus so-
bre a Terra.” – Ibidem, pág. 26.
A Base Bíblica Para Organização
Quando Deus chamou os filhos de Israel para fora do Egito e os escolheu
como Seu povo próprio, proporcionou-lhes um impressionante sistema de
organização para lhes governar o procedimento, tanto nas questões civis
como religiosas. “O governo de Israel – diz-nos a mensageira do Senhor – ca-
racterizou-se pela organização mais completa, maravilhosa tanto pelo seu
acabamento como pela sua simplicidade. A ordem, tão admiravelmente os-
tentada na perfeição e arranjo de todas as obras criadas por Deus, era mani-
festa na economia hebréia. Deus era o centro da autoridade e do governo, o
Soberano de Israel. Moisés desempenhava o papel de seu chefe visível, em
virtude de indicação divina, a fim de administrar as leis em Seu nome. Dos
anciãos das tribos foi mais tarde escolhido um concílio de setenta, para auxi-
liar a Moisés nos negócios gerais da nação. Vinham em seguida os sacerdotes,
que consultavam o Senhor no santuário. Chefes ou príncipes governavam as
tribos. Abaixo destes estavam os capitães de milhares, capitães de cem, capi-
tães de cinqüenta, e capitães de dez; e, por último, oficiais que poderiam ser
empregados no desempenho de deveres especiais.” – Patriarcas e Profetas,
pág. 374.
Ao estudarmos a Igreja do Novo Testamento, encontramos a mesma per-
feição em sua organização. Não podia ser de outra maneira, pois ela era de
origem divina. O próprio Cristo, que formou a Igreja, “dispôs os membros,
colocando cada um deles no corpo, como Lhe aprouve” (I Cor. 12:18). Foi Ele
22 Manual da Igreja Organização Fundada em Princípios Divinos 23

mesmo quem lhes concedeu dons e talentos adequados para as funções a eles “Oh, como se regozijaria Satanás, se pudesse ter êxito em seus esforços de
confiadas e os organizou em um corpo vivo e ativo, do qual Ele era a Cabeça. se insinuar entre este povo, e desorganizar o trabalho, num tempo em que é
“Porque, assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem to- essencial uma completa organização, e será este o maior poder para manter
dos os membros têm a mesma função; assim também nós, conquanto mui- afastados os movimentos espúrios e para refutar declarações não endossadas
tos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros.” Rom. 12:4 e 5. pela Palavra de Deus! Temos que conservar uniformemente as nossas fileiras,
“Ele [Cristo] é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogêni- para que não haja quebra no sistema de método e ordem que foi construído
to de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia.” Col. 1:18. por um trabalho sábio e cuidadoso. Não se deve dar permissão a elementos
“Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo. E também há diver- desordenados que desejam dominar a obra neste tempo.” – Ibidem.
sidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo. ... Porque, assim como o corpo
é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem O Propósito Divino na Organização
um só corpo, assim também com respeito a Cristo. ... Ora, vós sois corpo de “Aumentando o nosso número, tornou-se evidente que sem alguma forma
Cristo; e, individualmente, membros desse corpo. A uns estabeleceu Deus na de organização, haveria grande confusão, e a obra não seria levada avante
igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro lugar com êxito. A organização era indispensável para prover a manutenção do mi-
mestres, depois operadores de milagres, depois dons de curar, socorros, go- nistério, para levar a obra a novos campos, para proteger dos membros indig-
vernos, variedade de línguas.” I Cor. 12:4, 5, 12, 27 e 28. nos tanto as igrejas como os ministros, para a conservação das propriedades
da igreja, para a publicação da verdade pela imprensa, e para muitos outros
A Importância Vital da Organização fins.” – Ibidem, pág. 26.
Assim como não pode haver um corpo humano vivo e ativo sem que seus “Em nosso trabalho devemos considerar a relação que cada obreiro man-
membros estejam organicamente unidos e funcionem juntos sob um contro- tém para com os outros obreiros que estão ligados à causa de Deus. Devemos
le central, também não pode haver uma igreja viva que cresça e prospere sem lembrar-nos de que os outros, como nós mesmos, têm uma obra a fazer em
que seus membros estejam organizados em um corpo unido, e todos eles de- conexão com esta causa. Não devemos fechar a mente ao conselho. Em nossos
sempenhem os deveres e as funções que lhes foram confiados por Deus, sob planos para levar avante a obra, deve a nossa mente unir-se a outras mentes.
a direção de uma autoridade divinamente constituída. “Nutramos o espírito de confiança na sabedoria de nossos irmãos. Deve-
Sem organização, nenhuma instituição ou movimento pode prosperar. mos estar dispostos a procurar a opinião e o conselho de nossos companhei-
Uma nação sem governo organizado logo se transformaria em caos. Uma ros de trabalho. Ligados como estamos ao serviço de Deus, devemos nós re-
empresa comercial sem organização fracassaria. Assim seria com a Igreja: conhecer individualmente que somos parte de um grande todo. Devemos
sem organização, ela se desintegraria e pereceria. buscar a sabedoria de Deus, aprendendo o que significa ter um espírito pa-
Para que se desenvolva saudavelmente e cumpra sua gloriosa missão, que ciente e vigilante, e ir ao nosso Salvador quando estamos cansados e deprimi-
consiste em proclamar o evangelho de salvação a todo o mundo, Cristo deu à dos.” – Ibidem, pág. 500.
Sua Igreja um sistema de organização simples mas eficaz. O êxito de seus es- “Como membros da igreja visível e obreiros na vinha do Senhor, todos os
forços para realizar essa missão depende da leal adesão a esse plano divino. cristãos professos devem fazer tanto quanto possível para preservar a paz, a
“Alguns têm apresentado o pensamento de que, ao nos aproximarmos do harmonia e o amor na igreja. Notai a oração de Cristo: ‘Para que todos sejam
fim do tempo, todo filho de Deus agirá independentemente de qualquer or- um, como Tu, ó Pai, o és em Mim, e Eu em Ti; que também eles sejam um em
ganização religiosa. Mas fui instruída pelo Senhor de que nesta obra não há Nós, para que o mundo creia que Tu Me enviaste.’ João 17:21. A unidade da
coisa que se assemelhe a cada homem ser independente. Todas as estrelas do igreja é a prova convincente de que Deus enviou Jesus ao mundo para o sal-
céu estão sujeitas a lei, cada uma influenciando a outra a fazer a vontade de var.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 263.
Deus, prestando obediência comum à lei que lhes controla as ações. E para “Pelos laços de terno amor e simpatia ligou o Senhor consigo mesmo to-
que a obra do Senhor possa avançar de maneira sadia e com solidez, deve Seu dos os homens. A nosso respeito diz Ele: Vós sois ‘cooperadores de Deus; vós
povo unir-se.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, pág. 489. sois lavoura de Deus e edifício de Deus’. Devemos reconhecer essa relação. Se
24 Manual da Igreja
Capítulo 5
estivermos ligados a Cristo, constantemente manifestaremos piedosa simpa-
tia e tolerância para com aqueles que estão lutando com toda a capacidade
que Deus lhes deu para levar seus fardos, da mesma forma que nós nos esfor-
A Forma de Organização da
çamos para levar os fardos que nos são designados.” – Testemunhos Para Mi- Igreja Adventista do Sétimo Dia
nistros, 3ª edição, pág. 495.

O mandato do Salvador à Igreja, de levar o evangelho a todo o mundo


(Mat. 28:19 e 20; Mar. 16:15), abrangia não somente a pregação da mensa-
gem, mas também a preservação do bem-estar dos que aceitavam essa men-
sagem. Isto envolvia o pastoreio bem como a acomodação do rebanho, e tam-
bém o ato de solver problemas de relacionamento. Semelhante situação exi-
gia organização.
A princípio, os apóstolos constituíram um concílio que dirigia as ativida-
des da incipiente igreja de Jerusalém (Atos 6:2; 8:14). Quando o grupo daque-
la cidade se tornou tão grande que a administração de seus assuntos práticos
se transformou em um problema, foram eleitos diáconos para cuidarem dos
negócios da igreja (Atos 6:2-4).
Mais tarde, surgiram outras congregações, não somente na Ásia, mas tam-
bém na Europa, e isto requereu novas providências em matéria de organiza-
ção. Verificamos que, na Ásia Menor, foram ordenados anciãos “em cada
igreja” (Atos 14:23). Da leitura do relato divino, também parece evidente que
a extensão da obra pelas várias províncias do Império Romano exigiu a orga-
nização de igrejas no que poderíamos chamar de associações, as quais, ao que
parece, incluíam as igrejas de determinada província, tais como “as igrejas da
Galácia” (Gál. 1:2). Assim, passo a passo, foi organizada a Igreja primitiva. À
medida que surgiam necessidades, Deus guiava e dirigia os líderes de Sua
obra, de modo que, de comum acordo com a Igreja, foi sendo desenvolvida
uma forma de organização que protegeu os interesses da obra de Deus, ao es-
tender-se a todos os países.
Formas de Governo Eclesiástico
Há geralmente quatro formas reconhecidas de governo eclesiástico, que
podem ser resumidas do seguinte modo:
1. Episcopal – a forma de governo eclesiástico por bispos, comumente com
três ordens de ministros: bispos, sacerdotes e diáconos.
2. Papal – a forma de governo eclesiástico em que o papa é investido de au-
toridade suprema. Ele governa a igreja por intermédio dos cardeais, arcebis-
pos, bispos e sacerdotes. A igreja local ou os membros individuais não têm
autoridade na administração da igreja.
26 Manual da Igreja A Forma de Organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia 27

3. Independente – a forma de governo eclesiástico que torna a congregação Na teologia e filosofia Adventista do Sétimo Dia de administração da Igre-
da igreja local suprema e final dentro de seu próprio domínio. Esta forma é ja, tais instituições são, desde sua criação, partes integrantes da Igreja, instru-
geralmente denominada congregacionalismo. mentos diretos no desempenho de sua divina missão. Por conseguinte, a Igre-
4. Representativa – a forma de governo eclesiástico que reconhece que a au- ja Adventista do Sétimo Dia utiliza as instituições denominacionais que pos-
toridade na igreja repousa nos seus membros, com a responsabilidade execu- sui e administra: instituições de saúde, casas publicadoras, fábricas de produ-
tiva delegada a entidades e oficiais representativos para dirigir a igreja. Esta tos alimentícios e instituições educacionais, como partes integrantes do cum-
forma de governo eclesiástico reconhece também a igualdade da ordenação primento dos ministérios de saúde, literatura e ensino; tais instituições são,
de todo o ministério. A forma representativa de governo eclesiástico é a que portanto, indispensáveis e inseparáveis do ministério total da Igreja para le-
prevalece na Igreja Adventista do Sétimo Dia. var o evangelho a todo o mundo.
As múltiplas unidades da Igreja mundial, quer sejam congregações, asso-
Os Quatro Níveis da Organização Adventista do Sétimo Dia ciações, instituições de saúde, casas publicadoras, escolas ou outras organiza-
Entre os Adventistas do Sétimo Dia há quatro níveis organizacionais des- ções, todas encontram sua unidade organizacional na Associação Geral dos
de o crente individual até à organização mundial da Igreja: Adventistas do Sétimo Dia, na qual elas têm representação. Por meio delas, a
1. A igreja local, que é um corpo organizado e unido, de crentes individuais. Igreja mundial procura, em nome de Cristo, suprir as necessidades deste
2. A Associação ou Missão local, que é um corpo organizado e unido, de mundo angustiado.
igrejas em um Estado, Província ou território. (Ver pág. XXII.)
3. A União-Associação ou União-Missão, que é um corpo unido de Asso- A Associação Geral, a Autoridade Suprema
ciações, Missões ou Campos, dentro de um território maior. A Associação Geral, em assembléia, e a Comissão Executiva, no interva-
4. A Associação Geral, a maior unidade da organização, que abrange todas lo das assembléias, é a mais alta organização na administração da obra mun-
as Uniões em todas as partes do mundo. As Divisões são seções da Associa- dial da Igreja, e está autorizada por sua constituição a criar organizações su-
ção Geral, com responsabilidade administrativa a elas atribuída em determi- bordinadas para promover interesses específicos em várias regiões do mun-
nadas áreas geográficas. do; compreende-se, pois, que todas as organizações e instituições subordi-
“Cada membro da igreja tem participação na escolha dos oficiais da nadas, em todo o mundo, reconhecerão a Associação Geral como a autori-
igreja. Esta escolhe os oficiais das Conferências estaduais. [Conhecidas dade suprema, abaixo de Deus, entre os Adventistas do Sétimo Dia. Quan-
hoje por Associações.] Os delegados escolhidos pelas Associações esta- do surgem divergências em (ou entre) organizações e instituições, é apro-
duais escolhem os oficiais das Uniões; e os delegados escolhidos por estas, priado apelar para a organização imediatamente superior, até alcançar a As-
escolhem os oficiais da Associação Geral. Por meio desse sistema, cada As- sociação Geral em assembléia, ou a Comissão Executiva no Concílio Anual.
sociação, instituição, igreja e pessoa, quer diretamente quer por meio de Durante o intervalo entre essas assembléias, a Comissão Executiva consti-
representantes, participa da eleição dos homens que assumem as respon- tuirá a corporação de autoridade final em todas as questões em que se pos-
sabilidades principais na Associação Geral.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, sam desenvolver pontos de vista divergentes. A decisão da Comissão pode-
págs. 240 e 241. rá ser revista numa assembléia da Associação Geral ou num Concílio Anual
da Comissão Executiva.
As Instituições da Igreja “Fui muitas vezes instruída pelo Senhor de que o juízo de homem algum
Dentro desses quatro níveis organizacionais, a Igreja administra uma va- deve estar sujeito ao juízo de outro homem qualquer. Nunca deve a mente de
riedade de instituições. Os Adventistas do Sétimo Dia vêem na comissão um homem ou de uns poucos homens ser considerada suficiente em sabedo-
evangélica e no exemplo do Senhor e Seus apóstolos a responsabilidade de se- ria e autoridade para controlar a obra, e dizer quais os planos que devam ser
guidores de Cristo para servir a pessoa como um todo. Em sua expansão seguidos. Mas quando numa assembléia geral, é exercido o juízo dos irmãos
mundial, eles têm, portanto, seguido o padrão de suas origens no estabeleci- reunidos de todas as partes do campo, independência e juízo particulares não
mento de instituições educacionais, de saúde, de publicações e outras. devem obstinadamente ser mantidos, mas renunciados. Nunca deve um
28 Manual da Igreja
Capítulo 6
obreiro considerar virtude a persistente conservação de uma atitude de inde-
pendência, contrariamente à decisão do corpo geral.
“Por vezes, quando um pequeno grupo de homens, aos quais se acha con-
Os Membros da Igreja
fiada a direção geral da obra, tem procurado, em nome da Associação Geral,
exercer planos imprudentes e restringir a obra de Deus, tenho dito que eu não A Condição de Membro Tem Base Espiritual
poderia por mais tempo considerar a voz da Associação Geral, representada As sérias e solenes obrigações de ser membro da Igreja devem ser inculca-
por esses poucos homens, como a voz de Deus. Mas isto não equivale a dizer das a todos os que desejam nela ser admitidos. Todos devem ser fielmente
que as decisões de uma Associação Geral composta de uma Assembléia de instruídos quanto ao que significa tornar-se membro do corpo de Cristo. Só
homens representativos e devidamente designados, de todas as parte do cam- os que dão prova de haver experimentado o novo nascimento e de estar des-
po, não deva ser respeitada. Deus ordenou que os representantes de Sua Igre- frutando uma experiência espiritual no Senhor Jesus se acham preparados
ja de todas as partes da Terra, quando reunidos numa Associação Geral, de- para ser aceitos como membros. A todo candidato à qualidade de membro,
vam ter autoridade. O erro que alguns estão em perigo de cometer, é dar à antes que seja batizado e recebido na comunhão da Igreja, deve-se ministrar
opinião e ao juízo de um homem, ou de um pequeno grupo de homens, a ple- esmerada instrução sobre os ensinos fundamentais e as práticas da Igreja re-
na medida de autoridade e influência de que Deus revestiu Sua Igreja, no juí- lacionados com eles. Toda pessoa que procura ser admitida na Igreja merece
zo e voz da Associação Geral reunida para fazer planos para a prosperidade e estar informada sobre os princípios defendidos por ela.
avançamento de Sua obra. Esta é uma relação espiritual. Só os que estão convertidos podem entrar
“Quando este poder, que Deus colocou na Igreja, é entregue inteiramente a nessa relação. Unicamente assim podem ser preservadas a pureza e a posi-
um só homem, e ele é revestido da autoridade de servir de critério para outros ção espiritual da Igreja. É o dever de cada pastor instruir os que aceitam os
espíritos, acha-se então mudada a verdadeira ordem da Bíblia. Os esforços de princípios da verdade, para que ingressem na Igreja numa sólida base espi-
Satanás sobre o espírito de tal homem seriam os mais sutis, e por vezes quase ritual. Conquanto não seja estabelecida uma idade para o batismo, reco-
dominantes; pois o inimigo teria a esperança de, por meio do seu espírito, po- menda-se que crianças muito novas, as quais expressem o desejo de serem
der influenciar muitos outros. Demos à mais altamente organizada autorida- batizadas, sejam incentivadas e admitidas num programa de instrução que
de na Igreja aquilo que somos propensos a dar a um único homem ou a um conduza ao batismo.
pequeno grupo de homens.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, págs. 408 e 409. “Aos membros da Igreja, a quem ... [Deus] chamou das trevas para Sua
maravilhosa luz, compete manifestar Sua glória. A Igreja é a depositária das
Autoridade da Igreja e do Manual da Igreja. – (Ver Capítulo 1.) riquezas da graça de Cristo; e pela Igreja será a seu tempo manifesta, mesmo
aos ‘principados e potestades nos Céus’ (Efés. 3:10), a final e ampla demons-
tração do amor de Deus.” – Atos dos Apóstolos, pág. 9.
O Batismo, um Requisito do Evangelho
O Novo Testamento institui o batismo como o rito para admissão à Igreja.
“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do
Pai e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que
vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação
do século.” Mat. 28:19 e 20.
“Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado
em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o
dom do Espírito Santo.” Atos 2:38.
30 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 31

O Batismo é um Requisito Prévio Para ser Membro da Igreja. – “Fazendo sua comissão, elas também devem insistir em que os candidatos sejam instruí-
do batismo o sinal de entrada para o Seu reino espiritual, Cristo o estabeleceu dos individualmente, e, além disso, sempre que possível, que sejam doutrina-
como condição positiva à qual têm de atender os que desejam ser reconheci- dos numa classe batismal.
dos como estando sob a jurisdição do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Antes “Os candidatos ao batismo não têm sido tão escrupulosamente examinados
que o homem possa obter abrigo na Igreja, antes de transpor mesmo o limiar em relação ao seu discipulado, quanto o deviam ser. Importa saber se mera-
do reino espiritual de Deus, deve receber a impressão do nome divino – ‘O mente adotam o nome de ‘Adventistas do Sétimo Dia’ ou se realmente se colo-
Senhor Justiça Nossa’. Jer. 23:6. caram ao lado do Senhor, renunciando o mundo e estando dispostos a não to-
“Simboliza o batismo soleníssima renúncia do mundo. Os que ao iniciar a car nada imundo. Antes do batismo devem ser-lhes feitas perguntas relativa-
carreira cristã são batizados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, de- mente às suas experiências, porém, não de modo frio e reservado, e sim com
claram publicamente que renunciaram o serviço de Satanás, e se tornaram mansidão e bondade, encaminhando os recém-convertidos para o Cordeiro de
membros da família real, filhos do celeste Rei. Obedeceram ao preceito que diz: Deus, que tira os pecados do mundo. As exigências do evangelho devem ser es-
‘Saí do meio deles, apartai-vos ... e não toqueis nada imundo.’ Cumpriu-se em re- tudadas a fundo com os batizandos.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 393.
lação a eles a promessa divina: ‘E Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai, e vós “Ao darem evidência de que compreendem plenamente sua posição, de-
sereis para Mim filhos e filhas, diz o Senhor todo-poderoso.’ II Cor. 6:17 e 18. ... vem ser aceitos.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, pág. 128.
“Os princípios da vida cristã devem ser claramente explicados aos recém-
convertidos. Não se pode confiar na mera profissão de fé como prova de que Exame Público. – A igreja tem o direito de saber o que se refere à fé e à atitu-
experimentaram o contato salvador de Cristo. Importa não só dizer ‘creio’ de de cada pessoa que deseja tornar-se membro da igreja. É apropriado, por-
mas também praticar a verdade. É pela nossa conformidade com a vontade tanto, que seja feito um exame público de todos os candidatos, antes do batis-
divina em nossas palavras, atos e caráter, que provamos nossa comunhão mo, preferivelmente em presença da igreja. Se isto for impossível, ele deve ser
com Ele.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, págs. 389 e 390. realizado perante a Comissão da Igreja ou perante uma comissão designada
por ela, como a comissão de anciãos, cujo relatório deve então ser apresentado
Modo de Batizar. – Os Adventistas do Sétimo Dia crêem no batismo por à igreja antes do batismo. Usando-se a alternativa mencionada na seção prece-
imersão, e só aceitam em sua comunidade de membros aqueles que foram dente, convém dar aos candidatos a oportunidade de expressarem publica-
batizados desta maneira. Os que reconhecem sua condição de pecadores per- mente seu desejo de se unirem à igreja e serem identificados com ela e por ela.
didos, arrependem-se sinceramente de seus pecados e experimentam a con-
versão podem, após instruções apropriadas, ser aceitos como candidatos Aliança Batismal. – A denominação adotou um resumo de crenças doutriná-
para o batismo, a fim de serem membros da Igreja. rias, preparado especialmente para instrução dos candidatos ao batismo, junto
com o Voto Batismal e o Certificado de Batismo e Compromisso, como aliança
Os Pastores Devem Instruir Cabalmente os Candidatos Antes do Batismo. – batismal. Deve-se fornecer um exemplar impresso dessa aliança, com o Certifi-
O pastor não deve apresentar algum candidato para o batismo e para a comu- cado de Batismo e Compromisso devidamente preenchido, a todos os que são
nhão da Igreja sem que possa satisfazer a igreja, por meio de um exame públi- aceitos como membros da igreja pelo batismo. No caso dos que são aceitos por
co, de que o candidato está bem instruído e apto para dar esse passo. (Ver págs. profissão de fé, também deve ser entregue um certificado apropriado.
31-35.) Nas igrejas em que batismos freqüentes poderiam diminuir o signifi- Este resumo de crenças doutrinárias foi preparado especialmente para ins-
cado de um exame público, convém seguir um plano alternativo. A atuação do trução dos candidatos ao batismo. Todo candidato deve-se familiarizar cabal-
pastor não estará completa sem que tenha instruído cabalmente os candida- mente com os ensinos contidos neste esboço e com os deveres prescritos para
tos, de modo que conheçam e adotem todas as crenças fundamentais e as prá- os crentes, demonstrando na prática sua disposição para aceitar todas as dou-
ticas da Igreja, e estejam preparados para assumir as responsabilidades de trinas ensinadas pelos Adventistas do Sétimo Dia e os princípios de procedi-
membros da igreja. Nossas igrejas devem insistir na aplicação destas normas mento que constituem a expressão exterior desses ensinos, pois “pelos seus
como princípios orientadores na aceitação de novos membros. Por meio de frutos os conhecereis”.
32 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 33

Os futuros membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, antes do batismo tos em esforço pessoal de conquista de almas, a fim de ajudar outros a esta-
ou da aceitação por profissão de fé, devem ser cuidadosamente instruídos, rem preparados para o Seu glorioso aparecimento?
pelas Escrituras, nas crenças fundamentais da Igreja, da maneira apresentada 8. Aceita o ensino bíblico dos dons espirituais, e crê que o dom de profecia
no Capítulo 3 (ver pág. 9) deste Manual. A fim de ajudar os evangelistas, pas- é um dos sinais identificadores da Igreja remanescente?
tores e outras pessoas a dar tais instruções e baseá-las nas Escrituras, tornan- 9. Crê na organização da Igreja? É seu propósito adorar a Deus e sustentar
do-as práticas, um esboço preparado especialmente aparece como apêndice a Igreja com seus dízimos e ofertas, esforço pessoal e influência?
nas páginas 218-222 deste Manual da Igreja e no Guia Para Ministros. 10. Crê que o seu corpo é o templo do Espírito Santo, e honrará a Deus
cuidando de seu corpo, evitando o uso daquilo que é prejudicial, abstendo-
Voto Batismal e Batismo se de todos os alimentos imundos, do uso, fabricação ou venda de bebidas
Voto Batismal. – Os candidatos ao batismo ou aqueles que serão aceitos na alcoólicas, do uso, fabricação ou venda do fumo em qualquer de suas for-
comunhão da igreja por profissão de fé devem confirmar sua aceitação das mas, para consumo humano, e do abuso e do tráfico de narcóticos ou ou-
crenças doutrinárias da Igreja Adventista do Sétimo Dia perante a igreja ou tras drogas?
outro grupo de pessoas adequadamente designado (ver pág. 31). O pastor ou 11. Conhece e compreende os princípios bíblicos fundamentais conforme
o ancião deverá dirigir estas perguntas ao(s) candidato(s), cuja resposta po- ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia? É seu propósito, pela graça de
derá ser por assentimento verbal ou pelo ato de erguer a mão. Deus, cumprir Sua vontade ordenando sua vida de acordo com estes princípios?
12. Aceita o ensino do Novo Testamento no tocante ao batismo por imer-
Voto são, e deseja ser batizado dessa maneira como manifestação pública de sua fé
1. Crê que existe um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade de em Cristo e o Seu perdão de seus pecados?
três Pessoas coeternas? 13. Aceita e crê que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a Igreja remanes-
2. Aceita a morte de Jesus Cristo no Calvário como sacrifício expiatório cente da profecia bíblica, e que pessoas de todas as nações, raças e línguas são
pelos pecados e crê que, pela graça de Deus, mediante a fé em Seu sangue der- convidadas a fazer parte de sua comunhão, e ser nela aceitas? Deseja ser
ramado, você é salvo do pecado e de sua penalidade? membro desta congregação local da Igreja mundial?
3. Aceita a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, e crê que
Deus, em Cristo, perdoou os seus pecados e lhe deu um novo coração, e re- Voto (Alternativo)
nuncia aos pecaminosos caminhos do mundo? 1. Aceita a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, e deseja viver num re-
4. Aceita pela fé a justiça de Cristo, seu Intercessor no santuário celestial, e lacionamento redentivo com Ele?
aceita Sua promessa de graça transformadora e poder para levar uma vida 2. Aceita os ensinamentos bíblicos contidos na Declaração de Crenças
amorável e centralizada em Cristo, no lar e perante o mundo? Fundamentais da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e se compromete a viver,
5. Crê que a Bíblia é a inspirada Palavra de Deus, a única regra de fé e prá- pela graça divina, em harmonia com esses ensinos?
tica para o cristão? Promete dedicar tempo regularmente à oração e ao estu- 3. Deseja ser batizado como testemunho público de sua fé em Jesus Cris-
do da Bíblia? to, para ser aceito na comunidade da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e de-
6. Aceita os Dez Mandamentos como uma transcrição do caráter de Deus seja apoiar a Igreja e sua missão, como fiel mordomo, mediante sua influên-
e uma revelação de Sua vontade? É seu propósito, pelo poder da presença de cia pessoal, dízimos e ofertas, e uma vida de serviço?
Cristo em seu coração, guardar esta lei, inclusive o quarto mandamento, que
requer a observância do sétimo dia da semana como o sábado do Senhor e o Certificado de Batismo e Compromisso – Será provido um espaço para
memorial da Criação? o novo membro assinar o certificado como confirmação deste compro-
7. Aguarda a breve volta de Jesus e a bendita esperança, quando “este cor- misso. Após o batismo, será dado ao candidato um Certificado de Batismo
po mortal se revestirá da imortalidade”? Enquanto se prepara para o encon- e Compromisso, como um documento de seu concerto. O compromisso
tro com o Senhor, testemunhará de Sua amorável salvação usando seus talen- dirá o seguinte:
34 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 35

Compromisso 12. Aceito o ensino do Novo Testamento no tocante ao batismo por imer-
1. Creio que existe um só Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, uma unidade são, e desejo ser batizado dessa maneira como manifestação pública de mi-
de três Pessoas coeternas. nha fé em Cristo e Seu perdão de meus pecados.
2. Aceito a morte de Jesus Cristo, no Calvário, como o sacrifício expiatório 13. Aceito e creio que a Igreja Adventista do Sétimo Dia é a Igreja rema-
pelos meus pecados e creio que, pela graça de Deus, mediante a fé em Seu nescente da profecia bíblica, e que pessoas de todas as nações, raças e línguas
sangue derramado, sou salvo do pecado e de sua penalidade. são convidadas a fazer parte de sua comunhão, e a ser nela aceitas. Desejo ser
3. Aceito a Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador pessoal, crendo que membro desta congregação local da Igreja mundial.
Deus, em Cristo, perdoou os meus pecados e me concedeu um novo coração,
e renuncio aos pecaminosos caminhos do mundo. Boas-vindas aos Candidatos. – Depois de os candidatos, na presença dos
4. Aceito pela fé a justiça de Cristo, meu Intercessor no santuário celestial, membros da igreja ou de outra corporação devidamente designada, respon-
e aceito Sua promessa de graça transformadora e poder para levar uma vida derem afirmativamente às perguntas do voto, ou ter sido assegurado à igreja
amorável e centralizada em Cristo, no meu lar e perante o mundo. que tais respostas já foram dadas, deve-se pedir aos membros da igreja que
5. Creio que a Bíblia é a inspirada Palavra de Deus, a única regra de fé e votem sobre sua aceitação na mesma, mediante batismo, que não deve ser in-
prática para os cristãos. Concordo em dedicar regularmente algum tempo devidamente adiado.
para oração e estudo da Bíblia.
6. Aceito os Dez Mandamentos como um transcrito do caráter de Deus e Recebimento de Membros Desconhecidos. – Ao preparar seus conversos
uma revelação de Sua vontade. É meu propósito, pelo poder da presença de para o batismo, deve o evangelista convidar o pastor ou o ancião para visitar
Cristo em meu coração, guardar esta lei, inclusive o quarto mandamento, que suas classes batismais e familiarizar-se com os conversos. Estes contatos pos-
requer a observância do sétimo dia da semana como o sábado do Senhor e o sibilitarão que a igreja se encontre mais bem preparada para receber os novos
memorial da Criação. membros em sua comunhão. Esse procedimento geral não se aplica no caso
7. Aguardo a breve vinda de Jesus e a bendita esperança, quando “o que é de crentes isolados que desejam unir-se à igreja da Associação/Missão.
mortal se revestir de imortalidade”. Enquanto me preparo para o encontro
com o Senhor, testemunharei de Sua amorável salvação usando meus talen- Cerimônia Batismal. – Nesta cerimônia, os diáconos devem fazer os pre-
tos em esforço pessoal de conquista de almas, a fim de ajudar outros a esta- parativos necessários e ajudar os candidatos masculinos a entrarem na água e
rem preparados para o Seu glorioso aparecimento. saírem dela. (Ver pág. 57.) As diaconisas devem ajudar todos os candidatos
8. Aceito o ensino bíblico dos dons espirituais, e creio que o dom de pro- femininos. (Ver pág. 58.) Deve-se ter o cuidado de prover vestimentas apro-
fecia é um dos sinais identificadores da Igreja remanescente. priadas para os candidatos. São preferíveis os roupões de fazenda pesada. Se
9. Creio na organização da Igreja. É meu propósito adorar a Deus e susten- não houver roupões disponíveis, os candidatos devem ser instruídos a vestir-
tar a Igreja com meus dízimos e ofertas, esforço pessoal e influência. se com modéstia. Depois da cerimônia batismal, o pastor ou o ancião devem
10. Creio que meu corpo é o templo do Espírito Santo, e honrarei a Deus estender aos recém-batizados a mão direita da comunhão e proferir algumas
cuidando de meu corpo, evitando o uso daquilo que é prejudicial, absten- palavras de boas-vindas em nome de toda a igreja.
do-me de todos os alimentos imundos, do uso, fabricação ou venda de be-
bidas alcoólicas, do uso, fabricação ou venda do fumo em qualquer de suas Posição Regular
formas, para consumo humano, e do abuso e do tráfico de narcóticos ou Todos os membros da igreja são considerados como estando em posição
outras drogas. regular, a menos que estejam sob disciplina da igreja. (Ver págs. 190-193.)
11. Conheço e compreendo os princípios bíblicos fundamentais, confor-
me ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. É meu propósito, pela Transferência de Membros
graça de Deus, cumprir Sua vontade ordenando minha vida de acordo com Transferindo Membros da Igreja. – Quando um membro da igreja se
estes princípios. muda para outra região, o(a) secretário(a) da igreja que mantém o registro
36 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 37

desse membro deve escrever para o(a) secretário(a) da Associação/Missão O(a) Secretário(a) Emitirá a Carta. – Quando a igreja houver concedido a
apropriada, solicitando que um pastor na nova localidade faça uma visita carta de transferência, o(a) secretário(a) da igreja preencherá o formulário
pastoral à pessoa que se mudou. Essa intervenção pastoral pode facilitar o usado com esta finalidade, e o remeterá ao(à) secretário(a) da igreja a que o
processo de transferência. membro pretende unir-se. O(a) secretário(a) desta igreja entregará a carta ao
O(a) secretário(a) da igreja que mantém o registro também deve avisar o pastor ou ao ancião da igreja, que a apresentará primeiro à Comissão da Igre-
membro de que pretende dar seu novo endereço a um pastor na nova localidade. ja, para recomendação, após o que o pedido será apresentado à igreja em seu
O membro da igreja que se muda de uma localidade para outra por um culto regular seguinte. Segue-se o adiamento pelo prazo de uma semana,
período de tempo superior a seis meses, deve pedir imediatamente a carta de quando será tomado o voto final, aceitando-se a pessoa como membro. O(a)
transferência para uma igreja próxima à sua nova residência. Se um membro secretário(a) da igreja que o recebe, então escreve o nome do membro e a data
passar a residir numa região isolada, em que não houver uma igreja dentro de da admissão no rol de membros da igreja. O(a) secretário(a) também preen-
uma distância razoável, o plano habitual é pedir incorporação na igreja da che a parte da carta de transferência a ser devolvida, certificando que o mem-
Associação/Missão. Essa carta de transferência é válida por seis meses, a con- bro foi aceito, e a envia de volta ao(à) secretário(a) da igreja de onde o mem-
tar da data de sua emissão, e a menos que a pessoa seja aceita dentro desse bro foi transferido. (Ver pág. 60.)
prazo, a carta perde a validez.
Método Alternativo de Transferência de Membros – Uma divisão pode
Método Para Conceder Cartas de Transferência. – O pedido de uma carta de aprovar métodos de transferência de membros de uma igreja para outra den-
transferência deve ser feito ao(à) secretário(a) da igreja com a qual o membro tro da divisão, mas quando membros solicitam transferência para uma igreja
deseja unir-se. O(a) secretário(a) então envia o pedido ao(à) secretário(a) da localizada em outra divisão, deve ser seguido o “Método Para Conceder Car-
igreja de onde o membro deseja ser transferido. Ao receber o pedido, o(a) secre- tas de Transferência” acima.
tário(a) apresenta-o ao pastor ou ao ancião da igreja, o qual, por sua vez, apre-
senta o pedido à Comissão da Igreja. Depois da devida consideração, a comis- A Posição do Membro Durante o Intervalo da Transferência. – O(a) secre-
são faz uma recomendação, favorável ou não, à igreja, a respeito desse pedido. tário(a) da igreja que concede a carta de transferência, de modo algum deve-
(Ver pág. 36 mais abaixo, e págs. 37, 38, 39 e 41.) O pastor ou o ancião apresenta rá retirar o nome do membro do livro de registro da igreja até que tenha re-
então a recomendação à igreja, anunciando que se trata da primeira leitura. A cebido a devolução da parte da carta que certifica haver sido o membro rece-
votação final ocorre na semana seguinte, quando o pedido é novamente apre- bido por voto na comunhão da igreja para a qual se transferiu. Seguir outro
sentado à igreja e votado por ela. O objetivo do intervalo de uma semana é dar plano qualquer é privar a pessoa da qualidade de membro da igreja durante
a qualquer membro a oportunidade de objetar à concessão da carta de transfe- o período da transferência, e é um procedimento que nunca deveria ser se-
rência por qualquer motivo válido. Em geral, essa objeção não deve ser apresen- guido. O(a) secretário(a), o ancião, o pastor e o presidente da Associa-
tada em público, mas ao pastor ou ancião, cujo dever é convocar a Comissão da ção/Missão são todos responsáveis pela execução uniforme do plano acima,
Igreja para considerar a objeção. O objetante deve ter a oportunidade de com- em todas as igrejas.
parecer perante a comissão para apresentar suas objeções. Se estas não estiverem
baseadas em fatos, ele deve ser aconselhado a retirá-las. Por outro lado, se estive- O Recebimento de Membros Perturbado por Condições Mundiais. – Devi-
rem bem fundamentadas, a Comissão da Igreja tem o dever de promover a in- do às condições mundiais, poderá haver casos de pessoas acerca das quais
vestigação que for necessária. Em tal caso, o voto final de concessão da carta pela não será possível enviar ou receber nenhuma comunicação da igreja onde
igreja será adiado até que a questão seja devidamente esclarecida. elas se acham registradas como membros. Em tais casos, a igreja onde elas re-
Se as dificuldades envolvem divergências pessoais, devem ser feitos todos sidem, de comum acordo com a Associação/Missão local, deve certificar-se
os esforços para efetuar a reconciliação. Se estão envolvidas ofensas públicas, do estado dessas pessoas e então recebê-las por profissão de fé. Se mais tarde
podem ser aplicadas medidas disciplinares. Se há algum lapso espiritual, de- for possível comunicar-se com a igreja da qual procedem, a igreja que as re-
vem ser feitos esforços para restaurar o membro em questão. cebeu deverá enviar uma carta informando o que foi feito.
38 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 39

Incluído nos Relatórios Estatísticos. – No fim do trimestre e do ano, quan- corpo de Cristo. A igreja deve reconhecer esta relação e evitar qualquer
do são feitos os relatórios estatísticos da igreja, todos os membros para os procedimento que possa ser considerado arbitrário.
quais foram concedidas cartas de transferência, mas cujos certificados de re- Por outro lado, o membro tem a obrigação de reconhecer o que contribui
torno não tenham sido recebidos, devem ser incluídos no número de mem- para o bem-estar da igreja e fazer todo o esforço possível para livrar a igreja
bros da igreja que outorgou as cartas. Quando chegar o certificado a ser de- dos problemas que têm que ver com membros ausentes. Ao mudar-se da re-
volvido, atestando que o membro foi aceito pela igreja que o recebeu, o seu gião em que fica a igreja da qual é membro, a pessoa deve colaborar de bom
nome será então omitido da lista da igreja que concedeu a carta de transfe- grado neste sentido, pedindo sua carta de transferência.
rência, e deduzido no próximo relatório estatístico trimestral. A igreja que re- Se uma igreja for expulsa da irmandade das igrejas pelo voto da assem-
cebeu o membro porá o nome na sua lista de membros, e o membro será in- bléia de uma Associação/Missão, é necessário, para salvaguardar a comu-
cluído em seu relatório trimestral seguinte. nhão dos membros fiéis com a Igreja, transferir todos os membros da igreja
expulsa para a igreja da Associação/Missão, numa base provisória, exceto os
Se o Membro Não For Aceito. – A igreja para a qual é dirigida a carta de que se recusarem a ser assim transferidos. A qualidade de membro de tais
transferência fica sob a obrigação de receber o membro, a menos que tenha pessoas será considerada sem efeito por ocasião da expulsão da igreja. A igre-
alguma razão justificável e suficiente para não conceder o privilégio da co- ja da Associação/Missão estará então autorizada a emitir cartas de transfe-
munhão da igreja. Se o membro não for recebido, o(a) secretário(a) da igreja rência para os membros fiéis, segundo for solicitado, e a lidar com outros ca-
deverá devolver a carta para a igreja que a emitiu, com ampla explicação das sos do modo que for necessário. (Ver págs. 211-214.)
razões. O membro fica, então, na mesma posição que tinha antes de ter sido
feito o pedido de transferência, isto é, pertencendo à igreja que concedeu a A Comissão da Igreja Não Pode Conceder Cartas. – Uma comissão de igre-
carta. O membro deverá cooperar com a igreja para esclarecer qualquer ja não tem autoridade para votar cartas de transferência nem para receber
questão suscitada pela igreja que recusou aceitá-lo como membro. membros de outras igrejas por carta. Suas atribuições a esse respeito se limi-
tam a fazer recomendações à igreja. O voto sobre todas as transferências de
Não Conceder Cartas de Transferência a Membros Sob Disciplina. – Em membros, favorável ou não, deve ser tomado pela igreja. (Ver pág. 36.) O(a) se-
nenhum caso deverá a igreja votar a carta de transferência de um membro que cretário(a) não tem autoridade para remover ou acrescentar nomes da lista de
esteja sob disciplina. Fazê-lo seria uma violação do espírito da regra áurea. membros da igreja, exceto depois de um voto da igreja. Quando um membro
morre, nenhum voto especial se torna necessário para remover-lhe o nome,
Cartas de Transferência Somente aos Que Estão em Plena Comunhão com além de o(a) secretário(a) simplesmente registrar a data do falecimento.
a Igreja. – As cartas de transferência só devem ser concedidas aos membros
que estejam em plena comunhão com a igreja. Fazer declarações qualificati- A Igreja da Associação ou Missão
vas em cartas de transferência é incorreto. Se um membro que se mudou para Os membros isolados devem unir-se à igreja da Associação/Missão, que é um
outra localidade tornou-se frio ou indiferente, o ancião da igreja, para estar corpo organizado para o benefício dos crentes espalhados que, de outro modo,
certo do que deverá fazer quanto à concessão da carta de transferência, pode- estão sem os privilégios da igreja. Membros idosos e enfermos que residem nas
rá tratar do caso com o ancião da igreja na localidade para onde o membro se adjacências de igrejas organizadas devem fazer parte da igreja local. As igrejas lo-
mudou, antes que seja concedida a transferência. cais têm o dever e a responsabilidade de ajudar esses membros. Tais pessoas não
devem ser transferidas para a igreja da Associação/Missão, a qual não se destina
Não Votar a Carta Sem a Aprovação do Membro. – De modo algum deve- a funcionar em lugar da igreja local. Embora os administradores do Campo local
rá uma igreja votar a concessão de uma carta de transferência contra o dese- sejam os dirigentes da igreja da Associação/Missão, eles próprios devem ser
jo ou pedido do membro em questão, nem deverá alguma igreja aceitar al- membros da igreja na localidade em que residem. O propósito não é que a igreja
guém como membro através de uma carta concedida em tais circunstâncias. da Associação/Missão seja a igreja a que pertençam os seus obreiros. Os pastores
Ser membro de uma igreja é uma relação pessoal do indivíduo com o e obreiros devem unir-se à igreja da localidade em que residem.
40 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 41

O pastor geral do Campo local será o pastor e ancião da igreja de sua As- da igreja da Associação/Missão, o grupo não tem o direito de administrar a dis-
sociação/Missão, e as atribuições normalmente sob a responsabilidade ciplina da igreja. Todas as questões dessa natureza devem ser encaminhadas à
do(a) secretário(a) e do(a) tesoureiro(a) da igreja estarão a cargo do(a) se- Mesa Administrativa da Associação/Missão, que constitui a Comissão Execu-
cretário(a)-tesoureiro(a) da Associação/Missão. Qualquer função adminis- tiva da Igreja da Associação/Missão, cujo presidente é o ancião dessa igreja.
trativa normalmente conduzida por uma igreja local e sua comissão, para a Tal grupo de crentes deve crescer e desenvolver-se até ao ponto de exigir a
qual, na igreja da Associação/Missão, pela natureza do caso, não haja co- organização de uma igreja regular. A liderança do grupo deve, portanto, pro-
missão, será conduzida pela Mesa Administrativa da Associação/Missão. mover e incentivar todas as campanhas e atividades da Igreja que normal-
Ela também designará os delegados da igreja da Associação/Missão que as- mente são promovidas pelas igrejas organizadas, preparando assim os mem-
sistirão às suas respectivas assembléias. bros para responsabilidades mais amplas relacionadas com a plena organiza-
ção da igreja.
Grupos Organizados
Onde houver diversos membros isolados que não residam muito longe Questões a Respeito da Admissão e Remoção de Membros
uns dos outros, poderá ser organizado um grupo de crentes para comunhão Admissão de Membros por Profissão de Fé. – Há quatro circunstâncias em
e adoração, com o objetivo de que ele cresça e se transforme numa igreja or- que pessoas que aceitaram a mensagem adventista do sétimo dia podem ser
ganizada. aceitas na igreja local por profissão de fé:
Tal grupo de crentes pode ser organizado com a aprovação da Comissão 1. Um dedicado cristão proveniente de outra comunhão cristã, que já foi
Diretiva da Associação/Missão, e ser posteriormente dissolvido por voto da batizado por imersão, da maneira praticada pela Igreja Adventista do Sétimo
mesma Comissão Diretiva. Quando a Comissão Diretiva de uma Associa- Dia. (Ver pág. 43.)
ção/Missão aprova a organização de um grupo, essa organização pode ser 2. Um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia que, devido às condi-
efetuada pelo pastor do distrito ou por algum outro pastor designado pela ções mundiais, não pode conseguir uma carta de transferência da igreja a que
Comissão Diretiva da Associação/Missão, o qual, de comum acordo com os pertencia. (Ver pág. 37.)
membros locais, nomeará um(a) diretor(a) e um(a) tesoureiro(a) dentre os 3. Um membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia cujo pedido de uma
membros batizados do grupo. carta de transferência não recebeu nenhuma resposta da igreja de que ele ou
Todas as demais nomeações, como a dos dirigentes da Escola Sabatina, a ela é membro. Neste caso deve-se buscar a ajuda da Associação/Missão. Se a
dos dirigentes dos Ministérios Pessoais e a dos dirigentes da Sociedade dos igreja que fez o pedido está situada em outra Associação/Missão, deve ser
Jovens Adventistas, devem ser feitas por voto dos membros batizados do gru- buscada a ajuda de ambas as Associações/Missões.
po, numa reunião presidida pelo diretor do distrito ou por uma pessoa auto- 4. Uma pessoa cuja qualidade de membro foi deslocada ou retirada, por-
rizada pela Comissão Diretiva da Associação/Missão. que ela era um membro desaparecido, mas na realidade permaneceu fiel ao
O(a) diretor(a) de um tal grupo não será ordenado(a) para esse cargo e seu compromisso cristão.
não tem autoridade para realizar as funções de que está investido um ancião Deve-se ter grande cuidado na admissão de membros que dantes perten-
de igreja. No entanto, onde circunstâncias excepcionais justifiquem isso, a ceram a alguma outra igreja da denominação. Não faltam exemplos de pes-
Comissão Diretiva da Associação/Missão poderá designar uma pessoa de soas removidas da comunhão de uma igreja e que mais tarde se apresentaram
experiência e capacidade de liderança para ser o ancião desse grupo. a outras igrejas para serem aceitas como membros por profissão de fé. Quan-
O(a) tesoureiro(a) do grupo manterá meticuloso registro de todo o di- do uma pessoa solicita admissão por profissão de fé, devem ser feitas diligen-
nheiro recebido e gasto. Cada mês, ele ou ela enviará pontualmente todos os tes averiguações sobre sua experiência anterior. Os oficiais da igreja devem
dízimos e ofertas, com exceção dos fundos arrecadados para finalidades lo- buscar o conselho e a ajuda do pastor geral da Associação/Missão. Deve ser
cais, ao(à) tesoureiro(a) da Associação/Missão, o(a) qual é também o(a) te- tomado o tempo suficiente para estender as investigações até onde se tornem
soureiro(a) da igreja da Associação/Missão. necessárias para revelar todos os fatos.
Como todos os membros batizados de um grupo organizado são membros Quando uma pessoa pede admissão como membro da igreja por profissão
42 Manual da Igreja Os Membros da Igreja 43

de fé, e se descobre que ela ainda é membro de outra igreja da denominação, Indivíduos Vindos de Outras Comunhões Cristãs – Com base nas Escritu-
não deve ser tomada providência alguma para recebê-la sem que a igreja que ras, indivíduos provenientes de outras comunhões cristãs, os quais aceitaram
a mantém em sua lista de membros lhe conceda uma carta de transferência. a mensagem adventista do sétimo dia e foram anteriormente batizados por
Se depois de se haver seguido o processo de transferência (ver págs. 35-37), a imersão, podem solicitar o rebatismo. Os exemplos abaixo sugerem que o re-
igreja recusar conceder a carta de transferência, o membro poderá apelar batismo pode não ser necessário. Evidentemente, o exemplo de Atos 19 foi
para a Comissão Diretiva da Associação/Missão local, se for considerado que especial, porque se sabe que Apolo recebeu o batismo de João (João 1:35-40),
a carta está sendo negada injustamente. A igreja de que ele é membro ou a mas não há relato de batismo subseqüente.
Comissão Diretiva da Associação/Missão local constituem as organizações Tendo como base a aceitação de novas verdades importantes, Ellen G. Whi-
apropriadas para decidir se o seu procedimento anterior foi tal que o autori- te apóia o rebatismo na medida em que o Espírito Santo guia o novo crente a so-
ze a receber uma carta de transferência. Seguir este método contribuirá para licitá-lo. Isso está de acordo com o padrão adotado em Atos 19. Indivíduos que
que haja maior consideração pelo caráter sagrado da qualidade de membro passaram anteriormente pelo batismo cristão devem avaliar sua nova experiên-
da igreja, e para que sejam reparados os erros que tenham sido cometidos. cia religiosa e decidir se o rebatismo é desejável. Não deve haver insistência. “Isto
Nenhuma igreja tem o direito de impedir a transferência de alguém, a não ser [rebatismo] é um assunto em que cada indivíduo precisa conscienciosamente
que a pessoa esteja sob disciplina. tomar sua atitude no temor de Deus. Deve ser cuidadosamente apresentado no
Quando uma pessoa removida da comunhão da igreja quer voltar a ser mem- espírito de benignidade e de amor. Portanto, o dever de insistir não pertence a
bro, essa readmissão normalmente é precedida pelo rebatismo. (Ver pág. 199.) ninguém senão a Deus; dai-Lhe oportunidade de operar por meio de Seu Espí-
rito Santo na mente, de modo que o indivíduo seja perfeitamente convencido e
Remoção de Nomes. – Os nomes de sua lista de membros só podem ser re- satisfeito no que respeita a esse passo avançado.” – Evangelismo, pág. 373.
movidos por voto da igreja, concedendo cartas de transferência ou aprovan-
do sua remoção do rol de membros, exceto no caso de membros falecidos. Apostasia e Rebatismo – Embora tivesse havido apostasia na igreja apostó-
(Ver pág. 60.) lica (cf. Hebreus 6:4-6), as Escrituras não mencionam nada sobre a questão do
rebatismo. Ellen G. White apóia o rebatismo quando membros caem em apos-
Lista de Membros Afastados. – Toda igreja deve ter apenas uma lista de tasia e vivem de tal maneira que a fé e os princípios da igreja são transgredidos
membros. Em nenhuma circunstância deve ser adotada a prática de man- publicamente. Então, devem, no caso de se converterem e solicitarem que
ter uma lista de membros afastados. O registro da igreja deve conter os no- sejam aceitos outra vez como membros da igreja, ingressar nela como no prin-
mes de todos os membros. Só devem ser acrescentados outros nomes a cípio, ou seja, mediante o batismo. (Ver Evangelismo, págs. 189 e 197.)
esta lista por voto da igreja, depois que as pessoas envolvidas houverem so- “O Senhor requer decidida reforma. E quando uma alma está verdadeira-
licitado sua admissão por profissão de fé, por batismo, ou por carta de mente reconvertida, seja ela rebatizada. Renove seu concerto com Deus, e
transferência. Deus renovará Seu concerto com ela.” – Evangelismo, pág. 375. Evidentemen-
te, não se trata aqui de um reavivamento na experiência do crente, mas de
Rebatismo uma mudança radical na vida.
O rebatismo é mencionado especificamente em uma única passagem bí-
blica (Atos 19:1-7), onde o apóstolo Paulo o endossa para um grupo de 12 Rebatismo Impróprio – De acordo com o ensino bíblico e a orientação de
pessoas. O batismo anterior delas tinha sido o de João – o batismo do arre- Ellen G. White, o rebatismo deve ter lugar somente em circunstâncias espe-
pendimento. Em acréscimo ao arrependimento, o batismo cristão é associa- ciais e em situações relativamente raras. O administrá-lo repetidamente, ou
do com uma clara compreensão de um compromisso pessoal em relação ao como fruto de emoção, deprecia o significado do batismo e representa falta
evangelho e aos ensinos de Jesus e à recepção do Espírito Santo. Com essa de compreensão da solenidade e importância que as Escrituras atribuem a
compreensão e compromisso adicionais, tornou-se aceitável o rebatismo da- ele. Um membro da igreja cuja experiência espiritual se tornou fria, precisa
quelas pessoas. do espírito de arrependimento que conduza ao reavivamento e reforma. Tal
experiência será seguida de participação no rito do lava-pés e na Santa Ceia, Capítulo 7
para assinalar purificação renovada e comunhão no corpo de Cristo. Por-
tanto, não se faz necessário o rebatismo.
Corretamente ministrado, o batismo se torna o meio de ingresso na igre-
Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres
ja. O batismo é fundamentalmente o compromisso de entrada no concerto
salvífico de Cristo, como algo permanente, devendo ser considerado como A escolha de oficiais para a igreja, Associação ou Missão é um assunto im-
boas-vindas alegres e solenes à família de Deus. portante. A prosperidade da obra depende em grande parte de sua liderança.
Deve-se ter o maior cuidado ao chamar homens e mulheres para posições de
sagrada responsabilidade. As seguintes qualificações devem ser buscadas di-
ligentemente naqueles que são nomeados para cargos na igreja:
Suas Qualificações
Aptidão Moral. – “Procura dentre o povo homens capazes, tementes a
Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; põe-nos sobre eles por
chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta, e chefes de dez.” Êxo. 18:21.
“Irmãos, escolhei dentre vós sete homens de boa reputação, cheios do Es-
pírito e de sabedoria, aos quais encarregaremos deste serviço.” Atos 6:3.
“É necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair
no opróbrio e no laço do diabo.” I Tim. 3:7.
“O que de minha parte ouviste, através de muitas testemunhas, isso mesmo
transmite a homens fiéis e também idôneos para instruir a outros.” II Tim. 2:2.

Aptidão Religiosa. – “Fiel é a palavra: Se alguém aspira ao episcopado, exce-


lente obra almeja. É necessário, portanto, que o bispo [ancião] seja irrepreensí-
vel, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto
para ensinar; não dado ao vinho, não violento, porém cordato, inimigo de con-
tendas, não avarento; e que governe bem a sua própria casa, criando os filhos
sob disciplina, com todo respeito (pois se alguém não sabe governar a própria
casa, como cuidará da igreja de Deus?); não seja neófito, para não suceder que
se ensoberbeça, e incorra na condenação do diabo. Pelo contrário, é necessário
que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no
laço do diabo. Semelhantemente, quanto a diáconos, é necessário que sejam
respeitáveis, de uma só palavra, não inclinados a muito vinho, não cobiçosos de
sórdida ganância, conservando o mistério da fé com a consciência limpa. Tam-
bém sejam estes primeiramente experimentados; e, se se mostrarem irrepreen-
síveis, exerçam o diaconato. Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário
que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo. O
diácono seja marido de uma só mulher, e governe bem seus filhos e sua própria
casa. Pois os que desempenharem bem o diaconato, alcançam para si mesmos
justa preeminência e muita intrepidez na fé em Cristo Jesus.” I Tim. 3:1-13.
46 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 47

“Ninguém despreze a tua mocidade; pelo contrário, torna-te padrão dos Respeito e Deferência Devidos a Ministros e Oficiais da Igreja. – “Agora vos
fiéis, na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza. Até à minha rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós, e os que
chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino. ... Tem cuidado de ti mes- vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais com amor em
mo e da doutrina. Continua nestes deveres; porque, fazendo assim, salvarás máxima consideração, por causa do trabalho que realizam. Vivei em paz uns
tanto a ti mesmo como aos teus ouvintes.” I Tim. 4:12-16. com os outros.” I Tess. 5:12 e 13.
“Por esta causa te deixei em Creta para que pusesses em ordem as coisas “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de du-
restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te plicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina.”
prescrevi: alguém que seja irrepreensível, marido de uma só mulher, que te- I Tim. 5:17.
nha filhos crentes que não são acusados de dissolução, nem são insubordina- “Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a Palavra de Deus;
dos. Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despensei- e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram. ...
ro de Deus, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho, nem violento, Obedecei aos vossos guias, e sede submissos para com eles; pois velam por
nem cobiçoso de torpe ganância, antes hospitaleiro, amigo do bem, sóbrio, vossas almas, como quem deve prestar contas, para que façam isto com ale-
justo, piedoso, que tenha domínio de si, apegado à palavra fiel que é segundo gria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.” Heb. 13:7 e 17.
a doutrina, de modo que tenha poder, assim para exortar pelo reto ensino “Os crentes de Tessalônica foram muito incomodados por homens que
como para convencer os que contradizem. Porque existem muitos insubordi- chegaram ao seu meio com opiniões e doutrinas fanáticas. Alguns andavam
nados, palradores frívolos, e enganadores, especialmente os da circuncisão. É ‘desordenadamente, não trabalhando, ... fazendo coisas vãs’. A igreja havia
preciso fazê-los calar, porque andam pervertendo casas inteiras, ensinando o sido devidamente organizada, e seus oficiais tinham sido designados, a fim de
que não devem, por torpe ganância.” Tito 1:5-11. agirem como ministros e diáconos. Porém havia alguns rebeldes e impetuo-
“Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. ... Torna-te, pessoalmente, sos, que recusavam sujeitar-se aos que exerciam os cargos de autoridade na
padrão de boas obras. No ensino, mostra integridade, reverência, linguagem igreja. Não somente se arrogavam o direito de exercer o juízo pessoal mas o
sadia e irrepreensível, para que o adversário seja envergonhado não tendo in- de impor publicamente suas opiniões à igreja. Em vista disto, Paulo chamou
dignidade nenhuma que dizer a nosso respeito.” Tito 2:1, 7 e 8. a atenção dos tessalonicenses para o respeito e a consideração devidos aos
que haviam sido escolhidos para ocupar os cargos de autoridade na igreja.” –
A Igreja Tem de Ser Protegida e Alimentada. – O apóstolo Paulo, em sua Atos dos Apóstolos, págs. 261 e 262.
obra administrativa, convocou “os anciãos da igreja” (Atos 20:17). Aconse- “Muitos há que não avaliam a santidade da relação da igreja, e são contrá-
lhou-os então: “Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito rios a submeter-se à disciplina e restrição. A direção que seguem mostra que
Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual Ele exaltam o próprio juízo acima do da igreja unida; e não cuidam de guardar-
comprou com o Seu próprio sangue. Eu sei que, depois da minha partida, en- se para que não estimulem um espírito de oposição à voz da mesma. Os que
tre vós penetrarão lobos vorazes que não pouparão o rebanho. E que, dentre ocupam posição de responsabilidade na igreja podem ter faltas semelhantes
vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar às de outras pessoas, e podem errar em suas decisões; não obstante, a igreja
os discípulos atrás deles. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que por três anos, de Cristo na Terra investiu-os de uma autoridade que não pode ser levemen-
noite e dia, não cessei de admoestar, com lágrimas, a cada um.” Atos 20:28-31. te estimada.” – Testemunhos Seletos, vol. 1, págs. 444 e 445.
“Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e
testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que Não Deve Haver Pressa na Escolha de Pessoas Para Dirigentes da Igreja. –
há de ser revelada: Pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por “Encontramos em muitos lugares homens que foram postos à pressa em car-
constrangidos, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ga- gos de responsabilidade como anciãos de igrejas, quando não se achavam ha-
nância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram con- bilitados para ocupar tal posição. Não têm o devido domínio de si mesmos.
fiados, antes tornando-vos modelos do rebanho.” I Pedro 5:1-3. Não exercem boa influência. As igrejas se acham continuamente perturbadas
em conseqüência do caráter defeituoso dos dirigentes. As mãos foram muito
48 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 49

precipitadamente impostas sobre esses homens.” – Testemunhos Para a Igreja, que agem de conformidade com seus próprios fortes traços de caráter, recusan-
vol. 4, págs. 406 e 407. do aliar-se a outros que têm tido mais longa experiência na obra de Deus, fica-
“Escreve o apóstolo Paulo a Tito: ‘Por esta causa te deixei em Creta, para rão cegos pela confiança própria, incapazes de discernir entre o falso e o verda-
que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cida- deiro. Não é seguro escolher tais pessoas para líderes na igreja; pois seguirão seu
de estabelecesses presbíteros, como já te mandei: Aquele que for irrepreensí- próprio juízo e planos, sem consideração pelo juízo de seus irmãos. É fácil para
vel, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusa- o inimigo agir por intermédio dos que, necessitando eles próprios de conselho
dos de dissolução nem são desobedientes. Porque convém que o bispo [an- a cada passo, se encarregam do cuidado das almas em sua própria força, sem ter
cião] seja irrepreensível, como despenseiro da casa de Deus.’ Tito 1:5-7. Con- aprendido a mansidão de Cristo.” – Atos dos Apóstolos, pág. 279. (Ver pág. 53.)
vém que os nossos ministros considerem essas palavras e não ponham al-
guém a exercer um cargo sem muita reflexão e oração, para que Deus, pelo Para Eleição a Algum Cargo,
Seu Espírito, possa designar a pessoa de Sua aceitação. Requer-se Que a Pessoa Seja Membro da Igreja
“Diz o apóstolo inspirado: ‘A ninguém imponhais apressadamente as mãos.’ Os membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia em posição regular são
I Tim. 5:22. Em algumas de nossas igrejas se passou demasiado cedo à organi- elegíveis a posições de liderança na igreja local a que pertencem. (Ver págs.
zação de igrejas e ordenação de anciãos, com manifesto desprezo da regra es- 154 e 155.) Poderá haver exceções nos seguintes casos:
tabelecida na Bíblia. Em conseqüência, surgiram grandes dificuldades na igre- 1. Estudantes que são membros em posição regular, mas por finalidades
ja. Não se devem eleger e ordenar dirigentes que se não provarem aptos para educacionais vivem longe de seu lar e freqüentam regularmente a igreja na re-
essa obra de responsabilidade.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, págs. 260 e 261. gião de sua residência temporária.
2. Um obreiro da Associação/Missão designado pela Associação/Missão
Os que se Opõem à Unidade Não São Aptos Para Exercer Cargos. – “Têm ul- como pastor/dirigente de duas ou mais congregações.
timamente surgido entre nós homens que professam ser servos de Cristo, mas 3. Um ancião local que, quando necessário e com a recomendação da
cuja obra se opõe àquela unidade que nosso Senhor estabeleceu na igreja. Têm Comissão Diretiva da Associação/Missão, pode ser eleito para servir em mais
métodos e planos de trabalho originais. Desejam introduzir mudanças na igre- de uma igreja. (Ver pág. 51.)
ja, segundo suas idéias de progresso, e imaginam que deste modo se obtenham Outras exceções podem ser consideradas pela Comissão Diretiva da As-
grandes resultados. Esses homens precisam ser discípulos em vez de mestres na sociação/Missão.
escola de Cristo. Estão sempre desassossegados, aspirando realizar alguma
grande obra, fazer algo que lhes traga honra a si mesmos. Precisam aprender Duração do Cargo
aquela mais proveitosa de todas as lições: a humildade e fé em Jesus. ... A duração do cargo para os oficiais da igreja e das organizações auxiliares
“Professores da verdade, missionários, oficiais da igreja, podem efetuar será de um ano, exceto onde a igreja local, numa reunião administrativa, vo-
boa obra pelo Mestre, se tão-somente purificarem sua própria alma pela obe- tar ter eleições de dois em dois anos, para facilitar a continuidade e o desen-
diência à verdade. ... Como membros do corpo de Cristo, todos os crentes são volvimento dos dons espirituais e eliminar o esforço envolvido ao ter eleições
animados pelo mesmo espírito e a mesma esperança. Divisões na igreja de- anuais. Embora não seja aconselhável que uma pessoa sirva indefinidamente
sonram a religião de Cristo ante o mundo, e dão ocasião aos inimigos da ver- em determinada posição, os oficiais poderão ser reeleitos.
dade para justificar o seu procedimento. As instruções de Paulo não foram
escritas apenas para a igreja de seus dias. Era desígnio de Deus que viessem O Ancião da Igreja
até nós.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, págs. 79 e 80. O Cargo é Importante. – Na obra e organização da igreja, se não foi pro-
vido um pastor pela Associação/Missão, o cargo de ancião destaca-se como
É Perigoso Eleger os Que Recusam Cooperar Com Outros. – “Deus pôs na o mais elevado e o mais importante. Nos parágrafos anteriores foi apresen-
igreja, como Seus auxiliares indicados, homens de talentos diferentes para que, tada a idoneidade moral e religiosa dos anciãos, bem como dos outros diri-
mediante a sabedoria de muitos, seja feita a vontade do Espírito. Os homens gentes da igreja.
50 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 51

Um Líder Religioso da Igreja. – O ancião local deve ser reconhecido pela participando da cerimônia, ordenará o ancião por meio de oração e imposi-
igreja como um forte líder espiritual e religioso, e ter boa reputação “dos de ção das mãos. (Ver pág. 210.) Uma vez tendo sido ordenado como ancião de
fora”. Na ausência do pastor, o ancião é o dirigente religioso da igreja, e por igreja, ele não precisará mais ser ordenado na reeleição para esse cargo, ou na
preceito e exemplo deve continuamente procurar conduzir a igreja a uma ex- eleição como ancião de outra igreja, contanto que tenha mantido sua comu-
periência cristã mais profunda e completa. nhão com a igreja. Quem foi ordenado como ancião acha-se, por esse modo,
qualificado para atuar posteriormente como diácono.
Capaz de Ministrar a Palavra. – O ancião deve ser capaz de dirigir os cul-
tos da igreja. Nem sempre é possível que a Associação/Missão proveja ajuda Preparo e Treinamento de Anciãos Locais. – A Associação Ministerial, em
ministerial para todas as igrejas; por conseguinte, o ancião deve estar prepa- cooperação com os departamentos, promove o preparo e treinamento de an-
rado para ministrar na palavra e doutrina. No entanto, o ancião não deve ser ciãos de igreja locais. No entanto, o pastor tem a principal responsabilidade
escolhido principalmente por sua posição social, nem por sua habilidade no preparo de anciãos locais. (Ver Notas, #3, pág. 70.)
como orador, mas devido a sua vida consagrada e capacidade como dirigen-
te. Tudo isto deve ser levado em conta pela comissão de nomeações ao prepa- A Atividade Religiosa do Ancião de Igreja é Local. – A autoridade e ativi-
rar seu relatório por ocasião das eleições da igreja. dade religiosa de um ancião ordenado local se limitam à igreja que o elege.
Não é permissível que a Comissão Diretiva de uma Associação/Missão con-
Período de Serviço. – Como todos os outros oficiais da igreja, o ancião é fira por voto, a um ancião local, as prerrogativas de pastor ordenado, para que
eleito pelo período de um ou dois anos, segundo determinação da igreja lo- atue como ancião em outras igrejas. Se houver necessidade de tal serviço, a
cal. (Ver pág. 49.) Não é aconselhável que uma pessoa sirva indefinidamente, Comissão Diretiva da Associação/Missão poderá recomendar à igreja ou às
mas o ancião pode ser reeleito. A igreja, entretanto, não tem obrigação algu- igrejas que requeiram os préstimos do ancião de outra igreja por perto que
ma de reelegê-lo, e pode escolher outra pessoa para o ancionato, sempre que elejam o tal homem e peçam-lhe que as sirva também. Assim, por eleição,
uma mudança lhe pareça apropriada. Ao ser eleito um novo ancião, o ante- uma pessoa pode, quando necessário, servir mais de uma igreja de uma vez.
rior não mais funciona como tal, mas pode ser eleito para qualquer outro car- Antes de tomar semelhante providência, deve-se consultar a Comissão
go da igreja. Diretiva da Associação/Missão. Essa autoridade é, porém, inerente à Igreja, e
não à Comissão Diretiva da Associação/Missão. A única maneira pela qual
Ordenação do Ancião Local. – A eleição para o cargo de ancião, por si só, alguém poderá estar qualificado para servir às igrejas em geral é pela ordena-
não qualifica a pessoa para atuar como ancião. É requerida a ordenação antes ção ao ministério evangélico. (Ver o que é declarado um pouco mais adiante.)
que o ancião tenha autoridade para atuar como tal. No intervalo entre a elei-
ção e a ordenação, o ancião eleito pode atuar como líder da igreja, mas não Promover Todos os Aspectos da Obra da Igreja. – Sob a direção do pastor
pode administrar os ritos da igreja. e na sua ausência, o ancião local é um líder espiritual da igreja e responsável
A cerimônia da ordenação só é realizada por um ministro ordenado com por promover todos os departamentos e atividades da obra. O ancião deve
credenciais da Associação/Missão local. Por cortesia, um pastor ordenado vi- manter um relacionamento mutuamente proveitoso com todos os outros ofi-
sitante poderá ser convidado a ajudar na ordenação. No entanto, somente por ciais da igreja.
solicitação específica dos oficiais do Campo local poderia um pastor ordena-
do visitante ou um pastor ordenado aposentado dirigir a ordenação. Relação Para com o Pastor Ordenado. – Nos casos em que a Comissão Di-
A sagrada cerimônia da ordenação deve ser realizada de maneira simples, retiva da Associação/Missão designa um ministro ordenado para exercer
em presença da igreja, e pode conter uma breve descrição do cargo de ancião, atividade religiosa numa igreja, ele deverá ser considerado como a autorida-
das qualidades requeridas e dos principais deveres que o ancião estará auto- de mais elevada, e o(s) ancião(s) local(is), como seu(s) ajudante(s). A ativi-
rizado a cumprir para com a igreja. Após a exortação, o pastor, auxiliado por dade de ambos está estreitamente relacionada, e devem, portanto, colaborar
outros pastores ordenados e/ou anciãos locais ordenados que estiverem harmonicamente. O pastor não deverá monopolizar todos os setores de
52 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 53

responsabilidade, mas partilhá-los com o(s) ancião(s) local(is) e outros ofi- anciãos locais, realizem a cerimônia de casamento. (Ver págs. 147 e 148.) Um
ciais. O ministro que exerce regularmente a função de pastor da igreja atua pastor, quer seja ordenado, licenciado ou comissionado, ou um ancião local
como presidente da Comissão da Igreja. (Ver págs. 89 e 147.) Entretanto, po- pode oficiar apresentando o sermão, ou oferecendo a oração inicial, ou dando
derá haver circunstâncias em que seja apropriado que o ancião desempenhe a bênção final. (Ver Notas, #4, pág. 70.)
essa função. A obra pastoral da igreja deve ser partilhada por ambos. De co-
mum acordo com o pastor, o(s) ancião(s) deve(m) participar da responsabi- Nota. – A Divisão Sul-Americana não aprova a prática da exceção na ce-
lidade pastoral, a qual abrange visitar os membros da igreja, atender aos en- rimônia de casamento. Portanto, em seu território esta cerimônia será sem-
fermos, preparar ou dirigir cerimônias de unção e dedicações de crianças, e pre dirigida por um pastor ordenado. (Ver “A Cerimônia do Casamento”, no
encorajar os que estão desanimados. Não poderá ser dada demasiada ênfase Suplemento da Divisão Sul-Americana, à pág. 225 deste Manual.)
a esta parte da responsabilidade de um ancião, o qual, como subpastor, deve
exercer constante vigilância sobre o rebanho. Se o pastor designado é um mi- Cooperar com a Associação/Missão. – O pastor, o(s) ancião(s) e todos os
nistro licenciado, a igreja ou as igrejas locais atendidas por ele devem elegê-lo oficiais da igreja devem cooperar com os administradores e com os diretores
como ancião. (Ver pág. 147.) dos departamentos da Associação/Missão, na promoção de todos os planos
Visto que o pastor é designado para esse cargo na igreja local pela Associa- locais, da União, da Divisão e da Associação Geral. Devem informar a igreja
ção/Missão, ele serve a igreja como obreiro do Campo local, e é responsável de todas as ofertas regulares e especiais, e promover todos os programas e ati-
perante a Comissão Diretiva da Associação/Missão; no entanto, manterá vidades da igreja.
uma atitude de simpatia e cooperação, e atuará em harmonia com todos os O ancião deve atuar em estreita ligação com o(a) tesoureiro(a) da igreja e
planos e regulamentos da igreja local. Sendo escolhido pela igreja local, o an- ver que todos os fundos da Associação/Missão sejam remetidos ao(à) tesou-
cião é naturalmente responsável perante essa corporação e também a comis- reiro(a) do Campo local no tempo estabelecido por esta organização. Deve
são. (Ver pág. 49.) dedicar atenção pessoal para cuidar de que o relatório do(a) secretário(a) da
igreja seja remetido pontualmente ao(à) secretário(a) da Associação/Missão
Direção dos Cultos da Igreja. – Sob a direção do pastor ou na sua ausência, no fim de cada trimestre.
o ancião é responsável pelos cultos da igreja, e deve dirigi-los ou encarregar O ancião deve considerar importante toda correspondência proveniente
alguém de fazê-lo. A Cerimônia da Comunhão deve sempre ser dirigida por do escritório do Campo local. As cartas cujo conteúdo requeira que se façam
um pastor ordenado ou pelo próprio ancião. Somente ministros ordenados anúncios na igreja devem ser apresentadas em seu devido tempo.
ou anciãos ordenados, em exercício, estão qualificados para dirigi-la. Na ausência do pastor e em cooperação com ele, o primeiro ancião deve
O pastor geralmente atua como presidente da reunião administrativa, e em cuidar de que sejam eleitos os delegados para as assembléias da Associa-
sua ausência o ancião desempenhará a função de presidente dessa reunião. ção/Missão e que os nomes desses delegados sejam enviados, pelo(a) secretá-
rio(a), ao escritório do Campo local.
A Cerimônia Batismal. – Na ausência de um ministro ordenado, o ancião O ancião deve aconselhar e ajudar os oficiais da igreja a cumprirem suas
deverá solicitar que o pastor geral do Campo local tome as devidas providên- responsabilidades de cooperar com a Associação/Missão na execução de to-
cias para a realização do batismo dos que desejam unir-se à igreja. (Ver págs. dos os planos e procedimentos, e em cuidar de que os relatórios sejam preen-
32-35.) Um ancião local não deverá realizar a cerimônia batismal sem pri- chidos com exatidão e remetidos com pontualidade.
meiro obter a permissão do pastor geral da Associação/Missão.
Promover a Obra Missionária Mundial. – Outro aspecto importante da
A Cerimônia do Casamento. – Nesta cerimônia, a exortação, os votos e a obra do ancião consiste em promover a obra missionária mundial. Deve
declaração de casamento são dados unicamente por um pastor ordenado, ex- fazê-lo realizando um estudo cuidadoso de nossa obra mundial e apresen-
ceto nas áreas em que a Mesa da Divisão tomou um voto aprovando que mi- tando suas necessidades à igreja. O ancião deve encorajar os membros da
nistros licenciados ou comissionados, escolhidos, que foram ordenados como igreja a tomar parte pessoal, tanto em dar como em trabalhar pela causa das
54 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 55

missões. A atitude bondosa e jeitosa da parte do ancião muito fará para esti- e a Comissão da Igreja podem recomendar que a igreja vote a admissão ou a
mular a generosidade da parte dos membros da igreja, tanto nos cultos regu- remoção de membros. (Ver págs. 35, 37 e 41.)
lares da igreja como na Escola Sabatina.
Diretores de Igreja
Incentivar a Fidelidade no Dízimo. – Como alguém que devolve fielmen- Ocasionalmente, em igrejas recém-organizadas e, às vezes, nas mais anti-
te o dízimo, o ancião muito pode fazer para animar os membros da igreja a gas, ninguém há que possua a experiência e as qualificações necessárias para
devolverem um dízimo fiel. (Ver págs. 163, 165 e 220.) Quem deixa de dar servir como ancião. Em tais circunstâncias, a igreja deverá escolher uma pes-
exemplo neste assunto importante, não deve ser escolhido para o cargo de soa como “diretor(a)”. Na ausência de um pastor ou um ministro designado
ancião, nem para cargo algum da igreja. A devolução do dízimo pode ser in- por uma associação/missão/campo, o(a) diretor(a) é responsável pelos cultos
centivada mediante a apresentação pública do privilégio e da responsabilida- da igreja, inclusive as reuniões administrativas. Deve dirigir essas reuniões
de bíblica da mordomia, e por meio de trabalho pessoal com os membros. pessoalmente ou conseguir outra pessoa que o faça. Um(a) diretor(a) de igre-
Essa atividade deve ser realizada de maneira jeitosa e útil. O ancião deve con- ja não tem autoridade para dirigir nenhum dos ritos da igreja. Não pode ad-
siderar confidenciais todos os assuntos financeiros pertinentes aos membros ministrar o batismo, dirigir a Ceia do Senhor, realizar a cerimônia matrimo-
da igreja, e não colocar essa informação nas mãos de pessoas não autorizadas. nial ou presidir as reuniões administrativas quando for necessário disciplinar
algum membro. Deve-se fazer um pedido ao pastor geral da Associação/Mis-
Distribuir Responsabilidades. – Na distribuição dos deveres atinentes às são, solicitando que um pastor ordenado presida a tais reuniões.
atividades da igreja, deve-se ter o cuidado de não pôr demasiada responsabi-
lidade sobre obreiros voluntários, enquanto outros, que talvez tenham menos O Diácono
talentos, sejam esquecidos. A eleição de uma só pessoa para vários cargos O cargo de diácono é descrito no Novo Testamento (I Tim. 3:8-13), onde
deve ser desaconselhada, a menos que as circunstâncias o tornem necessário. aparece o termo grego diakonos, do qual provém a palavra portuguesa “diáco-
O ancião, especialmente, deverá estar livre de outros encargos para cumprir no”. O vocábulo grego é interpretado diferentemente como “servo, ministro, e
com eficiência os numerosos deveres de seu sagrado ofício. Em alguns casos, servidor”, e nos círculos cristãos ele adquiriu o significado especializado que
poderá ser aconselhável pedir ao ancião que dirija as atividades missionárias agora é atribuído ao “diácono”. As Escrituras confirmam claramente essa fun-
da igreja, mas até isso deverá ser evitado se houver outra pessoa capacitada ção na igreja do Novo Testamento: “Pois os que desempenharem bem o dia-
para esse cargo. conato, alcançam para si mesmos justa preeminência e muita intrepidez na fé
em Cristo Jesus.” I Tim. 3:13. Com base nessa autoridade, a igreja elege alguns
Primeiro Ancião. – Nas igrejas em que há muitos membros, é aconselhá- de seus membros para que prestem serviços eminentemente práticos, cui-
vel eleger-se mais de um ancião. As responsabilidades desse cargo podem ser dando de diversos aspectos das reuniões e da propriedade da igreja.
demasiado grandes para uma só pessoa, e devem ser partilhadas por tantas Os diáconos são eleitos para o seu cargo, e atuam pelo período de um ou
pessoas quantas sejam necessárias para fazer o trabalho. Em tal caso, um dos dois anos, segundo for determinado pela igreja local. (Ver pág. 49.)
eleitos será designado “primeiro ancião”. As responsabilidades deverão ser
distribuídas entre os anciãos de acordo com sua experiência e capacidade. Importância do Cargo. – No relato da escolha dos homens que passaram a
ser conhecidos como os sete diáconos da igreja apostólica, segundo está re-
O Ancião Não é Delegado Ex-Officio. – Para servir como delegado nas as- gistrado em Atos 6:1-8, é-nos dito que eles foram escolhidos e ordenados
sembléias trienais da Associação/Missão, deve o ancião ser eleito como dele- para atender ao “serviço” da igreja.
gado pela igreja. Ele não é delegado ex-officio. Mas a eleição para o cargo de diácono abrangia mais do que cuidar dos
serviços da comunidade cristã em rápida expansão. Os diáconos estavam
Limitação de Autoridade. – Os anciãos não têm autoridade para receber empenhados numa parte importante da obra do Senhor, que requeria quali-
ou remover membros da igreja. Isto só é feito por votação da igreja. O ancião ficações quase tão esmeradas como as do ancião. (Ver I Tim. 3:8-13.) “O fato
56 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 57

de terem sido esses irmãos ordenados para a obra especial de olhar pelas ne- à função do diácono, às qualidades requeridas desse servidor da igreja e aos
cessidades dos pobres, não os excluía do dever de ensinar a fé. Ao contrário, principais deveres que estará autorizado a desempenhar na igreja. Após uma
foram amplamente qualificados para instruir a outros na verdade; e se empe- breve exortação a que seja prestado um serviço fiel, o pastor, com a ajuda de um
nharam na obra com grande fervor e sucesso.” – Atos dos Apóstolos, pág. 90. ancião, se isto for apropriado, ordenará o diácono por meio de oração e imposi-
Estêvão, o primeiro mártir cristão, e Filipe, posteriormente chamado “o evan- ção das mãos. (Ver pág. 210.) Se dantes já foi ordenado como diácono, e se man-
gelista”, encontravam-se entre os primeiros sete diáconos escolhidos na Igre- teve fiel aos princípios da igreja, não é necessário que seja ordenado novamente,
ja cristã (Atos 6:5 e 6; 8:5-26; 21:8). mesmo que se tenha transferido para outra igreja. Quando terminar o período
Essa medida inspirada resultou em grande progresso no desenvolvimento de serviço para o qual foi eleito, terá de ser reeleito para que possa continuar ser-
da obra da Igreja primitiva. “A designação dos sete para tomarem a direção de vindo como diácono. Se alguém que foi ordenado como ancião é eleito para diá-
ramos especiais da obra mostrou-se uma grande bênção para a igreja. Estes ofi- cono de uma igreja, não é necessário que seja ordenado como diácono; sua or-
ciais tomaram em cuidadosa consideração as necessidades individuais, bem denação como ancião abrange essa função.
como os interesses financeiros gerais da igreja; e, pela sua gestão acautelada e
seu piedoso exemplo, foram, para seus colegas, um auxílio importante em con- Os Diáconos Não Estão Autorizados a Presidir. – O diácono não está au-
jugar os vários interesses da igreja em um todo unido.” – Ibidem, pág. 89. torizado a presidir a nenhum dos ritos da igreja, nem poderá realizar a ceri-
A designação de diáconos na igreja hoje em dia, por meio da eleição pela mônia matrimonial. Não pode presidir a uma reunião administrativa da igre-
igreja, traz bênçãos similares à sua administração, aliviando os pastores, an- ja, nem oficiar no recebimento ou na transferência de membros. Se a igreja
ciãos e outros oficiais de deveres que podem muito bem ser desempenhados não tiver alguém autorizado a realizar tais deveres, deverá entrar em contato
pelos diáconos. “O tempo e a força dos que, na providência de Deus, foram com a Associação/Missão, pedindo ajuda.
colocados em posições de mando e responsabilidade na igreja, devem ser
despendidos no trato com assuntos de maior peso, que demandem capacida- Os Deveres dos Diáconos. – A obra dos diáconos abrange uma ampla ex-
de especial e largueza de coração. Não é o plano de Deus que tais homens se- tensão de atividades práticas para a igreja:
jam solicitados na solução de assuntos de pequena monta, que outros são 1. Ajudar nos Cultos e Reuniões. – Nas reuniões da igreja, os diáconos geral-
bem qualificados para manejar.” – Ibidem, pág. 93. mente são responsáveis de dar as boas-vindas aos membros e visitantes que fo-
rem chegando ao templo, e de ajudá-los, se necessário, a encontrar lugares em
Comissão de Diáconos. – Onde a igreja tem um número suficiente de diá- que possam sentar-se. Também devem estar prontos a colaborar com o pastor
conos que justifique a formação de uma comissão de diáconos, é convenien- e os anciãos para o melhor desempenho das reuniões realizadas na igreja.
te organizá-la, tendo como presidente o primeiro diácono ou chefe dos diá- 2. Visitação de Membros. – Uma responsabilidade importante dos diáco-
conos, e outro diácono que atue como secretário. Um grupo assim propor- nos é visitar os membros da igreja em seus lares. Em muitas igrejas, isto é
ciona uma maneira bem ordenada de distribuir responsabilidades e coorde- realizado distribuindo os membros por distritos e designando um diácono
nar a contribuição dos diáconos para o bem-estar da igreja. Também provê para cada distrito, com o objetivo de que visite cada lar pelo menos uma vez
uma oportunidade de preparação para irmãos mais novos, devidamente se- por trimestre.
lecionados para ser diáconos, a fim de que recebam instruções a respeito de 3. Preparativos Para as Cerimônias Batismais. – Os diáconos devem desem-
seus deveres. O chefe dos diáconos é membro da Comissão da Igreja. penhar sua parte nos preparativos necessários para essa cerimônia, a fim de
que não haja confusão ou atraso. (Ver pág. 35.) (Ver Notas, #5, pág. 70.)
Os Diáconos Devem Ser Ordenados. – O diácono recém-eleito não pode 4. Ajudar na Cerimônia da Comunhão. – Na celebração do rito do lava-pés,
desempenhar suas funções sem que haja sido ordenado por um pastor orde- os diáconos ou as diaconisas provêem tudo o que for necessário para a ceri-
nado, que tenha credenciais da Associação/Missão. mônia, como toalhas, bacias, água (a uma temperatura confortável, confor-
O sagrado rito da ordenação deve ser efetuado com simplicidade, na presen- me o exigir a ocasião), baldes, etc. Depois da cerimônia, devem cuidar de que
ça da igreja, por um ministro ordenado, e pode consistir numa breve referência os objetos usados sejam lavados e repostos em seu devido lugar.
58 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 59

Depois da Ceia do Senhor, grande cuidado deve ser exercido quanto ao cerimônia. Dão também conselhos e prestam o auxílio necessário no tocante
destino a ser dado a qualquer sobra de pão ou vinho depois que todos te- às roupas apropriadas para o batismo. Devem ser providos roupões de mate-
nham participado desses emblemas. A sobra do vinho que foi abençoado rial adequado. Nas igrejas em que são usados esses roupões, as diaconisas de-
deve ser despejada ou derramada na terra. Qualquer sobra do pão que foi vem cuidar de que eles sejam lavados e passados, e cuidadosamente repostos
abençoado deve ser enterrada, queimada, ou descartada de uma outra forma em seu lugar, para uso futuro. (Ver pág. 35.)
apropriada, mas em hipótese alguma, usada de um modo comum. 2. Providências Para a Cerimônia da Comunhão. – As diaconisas ajudam na
5. O Cuidado dos Enfermos e dos Pobres. – Outra responsabilidade impor- cerimônia do lava-pés, prestando especial auxílio às mulheres visitantes ou às
tante dos diáconos é o cuidado dos enfermos e o socorro aos pobres e desafor- irmãs que se uniram à igreja recentemente. É o dever das diaconisas providen-
tunados. O dinheiro para essa obra deve ser provido pelo fundo da igreja para ciar tudo o que for necessário para esta cerimônia, como cuidar de que a toalha
os necessitados. O(a) tesoureiro(a), mediante recomendação da Comissão da da mesa, as toalhas de enxugar os pés, etc., usadas na celebração dos ritos, se-
Igreja, entregará aos diáconos ou às diaconisas o dinheiro que for necessário jam lavadas e passadas, e cuidadosamente repostas em seu lugar. (Ver pág. 82.)
para auxiliar os casos de necessidade. Esta atividade está especialmente a car- As diaconisas tomam as providências relacionadas com a mesa da comu-
go dos diáconos e das diaconisas, mas a igreja tem de ser plenamente informa- nhão: preparam o pão e o vinho, arrumam a mesa, despejam o vinho, colo-
da das necessidades, para que se obtenha o apoio dos membros. cam os pratos com o pão sem levedura e cobrem a mesa com a toalha prepa-
6. Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja. – Em algumas igrejas, rada para esse fim. Tudo isto deve ser feito antes de a cerimônia começar.
onde a responsabilidade pelo cuidado e manutenção da propriedade da igre- 3. O Cuidado dos Enfermos e dos Pobres. – As diaconisas devem fazer sua
ja não é atribuída a uma comissão de construção, os diáconos têm essa res- parte no cuidado dos doentes, dos necessitados e infelizes, cooperando com
ponsabilidade. (Ver Notas, #6, pág. 70.) os diáconos nesta obra. (Ver pág. 58.)
As Diaconisas Comissão de Diaconisas. – Onde foram eleitas diversas diaconisas, deve
Diaconisas eram incluídas no quadro de oficiais das igrejas cristãs primi- ser formada uma comissão dessas pessoas, presidida pela primeira diaconisa
tivas. “Recomendo-vos a nossa irmã Febe, que está servindo à [é diaconisa e tendo uma outra como secretária. Esta comissão está autorizada a designar
na] igreja de Cencréia, para que a recebais no Senhor como convém aos san- deveres às diaconisas individuais, e coopera com a comissão de diáconos, es-
tos, e a ajudeis em tudo que de vós vier a precisar; porque tem sido protetora pecialmente em dar as boas-vindas aos membros e visitantes, e na visitação
de muitos, e de mim inclusive.” Rom. 16:1 e 2. aos lares. (Ver págs. 56 e 57.)
As diaconisas são eleitas para o seu cargo, e atuam pelo período de um ou
dois anos, segundo for determinado pela igreja local. (Ver pág. 49.) Não é for- O(a) Secretário(a) da Igreja
çoso que a esposa de um homem escolhido para diácono seja diaconisa, nem Cargo Importante. – O(a) secretário(a) da igreja tem um dos importantes
é obrigatório para a igreja a escolha da esposa de um diácono como diaconi- cargos da igreja, de cuja administração apropriada muito depende o eficien-
sa, simplesmente porque seu marido é diácono. As diaconisas devem ser es- te funcionamento da igreja. Assim como todos os outros oficiais da igreja,
colhidas do ponto de vista da consagração e outras qualidades que as habili- o(a) secretário(a) é eleito(a) pelo período de um ou dois anos, segundo for
tem a desempenhar os deveres do cargo. A igreja pode fazer arranjos para determinado pela igreja local (ver pág. 49); mas, devido às importante fun-
uma adequada cerimônia de admissão das diaconisas em seu cargo, a ser di- ções especializadas de seu cargo, convém escolher alguém que possa ser ree-
rigida por um pastor ordenado com credenciais da ativa. leito para repetidos períodos de serviço, a fim de que haja continuidade no
sistema de registros e envio de relatórios. Em igrejas grandes poderão ser
Os Deveres das Diaconisas. – As diaconisas servem a igreja numa ampla eleitos(as) vice-secretários(as), segundo for necessário. O(a) secretário(a)
variedade de atividades importantes: atua como tal em todas as reuniões administrativas da igreja e deve manter
1. Ajudar nos Batismos. – As diaconisas ajudam nas cerimônias batismais, um relatório correto de todas essas reuniões. Se, por qualquer motivo, o(a)
assegurando que as candidatas sejam atendidas tanto antes como depois da secretário(a) tiver de ausentar-se de alguma reunião, devem ser tomadas
60 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 61

providências para que o(a) vice-secretário(a) esteja presente, a fim de fazer As Atas da Igreja. – O(a) secretário(a) da igreja cuida de suas atas. Estas de-
as anotações para a ata. (Ver Notas, #7, pág. 71.) vem ser cuidadosamente preservadas. Todos os livros de registro e escritura-
ção de seus vários oficiais são propriedade da igreja, e devem ser entregues
Nenhum Nome Deverá Ser Acrescentado Nem Removido Sem o Voto da ao(à) secretário(a) recém-eleito(a) ao terminar o período de função, ou à igre-
Igreja. – Sempre deverá haver um voto tomado pela igreja para acrescentar ou ja, em qualquer tempo durante o período, a pedido do pastor ou do ancião.
remover um nome da lista dos membros, exceto no caso de morte de um mem-
bro. Nenhum nome deverá ser acrescentado ou retirado da lista unicamente O(a) Tesoureiro(a) da Igreja
por decisão da Comissão da Igreja. O(a) secretário(a) não tem autoridade para Uma Obra Sagrada. – O(a) tesoureiro(a) é chamado(a) para uma tarefa im-
acrescentar nem remover nomes da lista de membros sem o voto da igreja. portante, e é eleito(a), como os outros oficiais, pelo período de um ou dois anos,
Quando um membro falece, o(a) secretário(a) deve, logo que for possível, regis- segundo for determinado pela igreja local. (Ver pág. 49.) Em igrejas grandes, tal-
trar a data do falecimento ao lado do nome no livro de registro. (Ver pág. 42.) vez seja aconselhável eleger também vice-tesoureiros(as), segundo for necessário.
O(a) tesoureiro(a) pode incentivar grandemente a fidelidade na devolu-
Transferência de Membros. – O(a) secretário(a) da igreja atende a toda a ção do dízimo e aprofundar o espírito de liberalidade da parte dos membros
correspondência que precisar ser mantida com os membros individuais e as da igreja. Uma palavra de conselho dada no espírito do Mestre ajudará o ir-
igrejas, no tocante à transferência de membros. (Ver págs. 35-39.) mão ou a irmã a entregar fielmente a Deus o que Lhe pertence no âmbito do
dízimo e das ofertas, mesmo em tempos de dificuldade financeira.
Correspondência com os Membros. – O(a) secretário(a) deve procurar
manter-se em contato com os membros ausentes, por correspondência. (Ver O(a) Tesoureiro(a) da Igreja é Responsável por Todos os Fundos da Igreja. –
Notas, #8, pág. 71.) Esses fundos são os seguintes: 1) fundos da Associação/Missão; 2) fundos da
igreja local; e 3) fundos pertencentes às organizações auxiliares da igreja local.
Credenciais Para os Delegados à Assembléia da Associação/Missão. – De Todos os fundos (que pertencem à Associação/Missão, à igreja local e às
acordo com a autorização da Comissão da Igreja, o(a) secretário(a) emite cre- organizações auxiliares da igreja local) são depositados pelo(a) tesoureiro(a)
denciais para todos os delegados eleitos para representar a igreja em qualquer numa conta bancária movimentada por cheques, em nome da igreja, a não
assembléia da Associação/Missão, e as envia prontamente ao(à) secretário(a) ser que a Associação/Missão autorize outro sistema. Esta é uma conta bancá-
do Campo local. Todos os formulários para registros, relatórios, credenciais, ria separada, que não deve estar vinculada a nenhuma conta pessoal. O exce-
cartas de transferência, etc., são fornecidos pelo escritório da Associa- dente dos fundos da igreja poderá ser depositado em conta de poupança, me-
ção/Missão. (Ver págs. 158 e 159.) diante autorização da Comissão da Igreja. Onde são movimentadas grandes
importâncias para construções ou outros projetos especiais, a Comissão da
Relatórios a Serem Fornecidos Pontualmente. – Compete ao(à) secretá- Igreja poderá autorizar contas bancárias separadas. Tais contas serão, porém,
rio(a) da igreja fornecer pontualmente certos relatórios. Alguns deles são administradas pelo(a) tesoureiro(a).
anuais, ao passo que outros são trimestrais. É essencial que sejam enviados
ao(à) secretário(a) da Associação/Missão no tempo especificado, pois esses Fundos da Associação/Missão. – Os fundos do Campo local, que incluem
relatórios são importantes para a exatidão dos relatórios preparados por ou- os dízimos, todos os fundos regulares das missões e todos os recursos para
tras organizações da Igreja mundial. As informações requeridas por esses re- instituições e projetos especiais da Associação/Missão, são fundos em custó-
latórios poderão ser obtidas do(a) tesoureiro(a), do(a) secretário(a) dos Mi- dia. No fim de cada mês, ou mais freqüentemente, se isto for solicitado pela
nistérios Pessoais, do diácono, do(a) secretário(a) da Escola Sabatina, do(a) Associação/Missão, o(a) tesoureiro(a) enviará ao(à) tesoureiro(a) do Campo
secretário(a) da Sociedade de Jovens Adventistas, do(a) professor(a) da Esco- local a importância total dos fundos da Associação/Missão recebidos duran-
la Fundamental e dos dados que o(a) próprio(a) secretário(a) já possui. (Ver te aquele período de tempo. A igreja não pode tomar emprestados, utilizar ou
Notas, #9, pág. 71.) reter tais recursos da Associação/Missão para alguma outra finalidade.
62 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 63

Fundos da Escola Sabatina. – Todas as ofertas missionárias da Escola Saba- os fundos da escola da igreja. Toda importância recebida por essas organiza-
tina devem ser entregues semanalmente ao(à) tesoureiro(a) da igreja pelo(a) se- ções e destinada a elas deve ser prontamente entregue ao(à) tesoureiro(a) da
cretário(a)-tesoureiro(a) da Escola Sabatina, mantendo o(a) tesoureiro(a) da igreja pelo(a) secretário(a) da organização ou pelos diáconos. Estes fundos
igreja cuidadoso registro de todas essas ofertas. Esses fundos missionários são pertencem às organizações auxiliares da igreja. Só podem ser desembolsa-
enviados ao escritório do Campo local, conforme discriminação das páginas dos por ordem da organização auxiliar a que pertencem.
61 e 62 deste Manual da Igreja. Os fundos para as despesas da Escola Sabatina O(a) tesoureiro(a) dará recibos de todos os fundos recebidos, inclusive dos
também devem ser entregues semanalmente ao(à) tesoureiro(a) da igreja, para que foram depositados por qualquer das organizações subsidiárias da igreja.
serem guardados em custódia, sujeitos às ordens da Comissão da Escola Saba- Ao receber a importância do(a) tesoureiro(a) da igreja, o(a) secretário(a) da
tina (ver pág. 102), para fazer frente aos gastos correntes desse departamento. organização assinará um recibo apropriado e o entregará ao(à) tesoureiro(a).

Fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas. – Os fundos da Sociedade dos Salvaguardando o Propósito dos Fundos. – Quando é arrecadada uma ofer-
Jovens Adventistas e os da Sociedade dos Juvenis Adventistas serão conserva- ta para as missões mundiais ou para qualquer empreendimento geral ou local,
dos em uma conta separada nos livros da tesouraria da igreja. As ofertas que toda importância depositada nas salvas será considerada parte dessa oferta
cada uma dessas sociedades dê para as Missões e para a obra geral da Igreja ou particular, a menos que o doador faça qualquer outra designação. É da mais
para os empreendimentos da Associação/Missão serão entregues ao(à) tesou- alta importância que todas as ofertas e dádivas de contribuições individuais à
reiro(a) da igreja, quanto antes possível, depois de recebidas, para serem reme- igreja, para um fundo ou propósito específico, sejam utilizadas para essa fina-
tidas ao(à) tesoureiro(a) do Campo local. Todo o dinheiro que houver sido lidade. Nem o(a) tesoureiro(a), nem a Comissão da Igreja têm autoridade para
dado para cobrir as despesas da sociedade será prontamente entregue ao(à) te- desviar quaisquer fundos dos objetivos para os quais foram dados.
soureiro(a) da igreja, que o conservará em custódia, à disposição da sociedade. Os fundos das organizações auxiliares, dos quais uma considerável pro-
Os recursos para as despesas da Sociedade dos Jovens Adventistas serão de- porção freqüentemente se compõe de donativos para propósitos específicos,
sembolsados pelo(a) tesoureiro(a) da igreja por ordem da comissão da socieda- são arrecadados para essa parte especial da atividade da igreja para a qual foi
de. (Ver págs. 111 e 112.) Os recursos para as despesas da Sociedade dos Juvenis estabelecida a organização auxiliar. Tais fundos são mantidos em custódia
Adventistas serão desembolsados por ordem do(a) diretor(a) dessa sociedade. pelo(a) tesoureiro(a) da igreja e de modo algum podem ser emprestados ou
desviados pelo(a) tesoureiro(a) ou pela Comissão da Igreja para objetivos di-
Fundos da Igreja Local. – Os fundos da igreja local incluem os recursos versos daqueles para os quais foram arrecadados.
para cobrir as despesas da igreja, fundos de construção e de manutenção, e o Quando uma organização auxiliar é extinta, a igreja, numa reunião admi-
fundo da igreja para os necessitados. Estes fundos pertencem à igreja local e nistrativa regular, pode tomar um voto que indique a disposição de quaisquer
só serão desembolsados pelo(a) tesoureiro(a) por autorização da Comissão fundos restantes na conta de tal organização auxiliar.
da Igreja ou das reuniões administrativas. Contudo, o(a) tesoureiro(a) da
igreja pagará com dinheiro proveniente dos fundos para as despesas da igre- Dinheiro Para Pedidos Pessoais de Literatura. – Nas localidades em que
ja local todos os gastos autorizados pela comissão, tais como: aluguel, zelador, não existe uma repartição do Serviço Lar e Saúde, as importâncias de enco-
água, luz, combustível, seguro, pavimentação, etc. O(a) tesoureiro(a) deve ter mendas pessoais de livros, brochuras, folhetos, revistas e assinaturas de perió-
o cuidado de pedir recibos de todas as contas pagas. dicos ficam aos cuidados do tesoureiro(a) da igreja. (Ver Notas, #10, pág. 72.)

Fundos das Organizações Auxiliares. – Os fundos das organizações auxi- Método Adequado Para Que os Membros Efetuem Seus Pagamentos. – O(a)
liares incluem os fundos das Atividades Missionários da igreja, da Assistên- tesoureiro(a) deve recomendar, com insistência, que todo dinheiro entregue à
cia Social, da Vida Familiar, da Sociedade dos Jovens Adventistas, do Servi- igreja pelos membros, que não seja da oferta regular da igreja, seja colocado
ço Beneficente e Social Adventista, das despesas da Escola Sabatina e a par- nos envelopes de dízimo e ofertas, e instruir cada membro para que anote os
te dos fundos dos Ministérios de Saúde pertencente à igreja, e podem incluir diversos itens e quantias na lista que aparece no envelope, certificando-se de
64 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 65

que o dinheiro incluído coincida exatamente com o total anotado. O membro Ao ser informado o número de pessoas dizimistas na igreja, a esposa e os
deve assinar o seu nome, acrescentar o seu endereço e colocar o envelope no filhos menores que não recebem salário, mas são membros da igreja, também
cesto das ofertas ou entregá-lo pessoalmente ao(à) tesoureiro(a), que conser- devem ser contados como dizimistas, além do chefe da família, quando se
vará esses envelopes para que sirvam de comprovantes até que as contas sejam sabe que ele é fiel nesse sentido.
conferidas pelo revisor da Associação/Missão.
Os membros que entregam o seu dízimo e ofertas por meio de cheque ou As Relações com os Membros Devem Ser Confidenciais. – O(a) tesourei-
remessa postal, onde quer que isso seja legalmente possível, emitam tais che- ro(a) deve lembrar sempre que suas relações com os membros individuais
ques ou façam tais remessas pagáveis à igreja, e não a pessoas. são estritamente confidenciais. Ele(a) deve ter o cuidado de jamais fazer co-
mentários sobre o dízimo pago por algum membro, nem sobre as entradas ou
Recibos Para os Membros da Igreja. – De todas as importâncias recebidas outra coisa que com isto se relacione, exceto com os que com ele(a) partilham
devem ser emitidos recibos com prontidão, por diminuta que seja a quantia, da responsabilidade da obra. Se esta regra não for observada, poderá ser cau-
e o(a) tesoureiro(a) da igreja deve manter meticuloso registro de todos os re- sado grande dano.
cebimentos e pagamentos. Todas as ofertas gerais que não estejam em enve-
lopes devem ser contadas pelo(a) tesoureiro(a) na presença de outro oficial Coordenador(a) de Interessados
da igreja, de preferência um diácono, e ser fornecido recibo a esse oficial. É importante que o grande número de interessados desenvolvidos por
meio do avanço missionário da igreja sejam atendidos prontamente. Por oca-
O Método Apropriado de Remeter Fundos Para a Associação/Missão. – Ao sião da eleição dos oficiais da igreja, deve ser eleito(a) um(a) coordenador(a)
fazer remessas de fundos ao(à) tesoureiro(a) do Campo local, todos os che- de interessados, que poderá ser um ancião, com essa finalidade. (Ver pág. 49.)
ques ou ordens de pagamento devem ser pagáveis à Associação/Missão, onde Esta pessoa é membro da Comissão da Igreja e da Comissão dos Ministérios
isso seja legalmente possível, e não a pessoa alguma, individualmente. A fo- Pessoais, e trabalha diretamente com o pastor e com o presidente dessa últi-
lha duplicata do livro da tesouraria da igreja deve ser incluída na remessa. Os ma comissão. Os deveres abrangidos por esse cargo incluem:
formulários são fornecidos pela Associação/Missão. 1. Manter uma lista organizada de todos os interessados obtidos pela igre-
ja de todas as fontes, tais como: Serviços em Favor da Comunidade, Recolta,
Conservar os Comprovantes. – Devem ser obtidos comprovantes ou notas Evangelismo Público, Estudos Bíblicos, Pregação Pelos Membros e Contatos
com recibo passado de todos os fundos recebidos e desembolsados, de acor- de Testemunho Para Cristo, Revistas Missionárias, Evangelismo da Escola
do com o sistema autorizado pelo Campo local. Sabatina, Evangelismo de Literatura, Evangelismo de Temperança e Saúde,
Rádio-TV e Literatura Missionária da Igreja.
Os Livros Devem Ser Revisados. – O(a) tesoureiro(a) da Associação/Missão, ou 2. Ajudar o pastor e o presidente da Comissão dos Ministérios Pessoais
outra pessoa indicada pela Mesa Administrativa do Campo local, revisa os regis- na inscrição e no recrutamento de membros habilitados para a tarefa de
tros financeiros da igreja, em geral uma vez por ano. Os livros do(a) tesoureiro(a) reforço.
da igreja e outros registros relacionados com a sua atividade, com o do(a) tesourei- 3. Prestar à Comissão da Igreja um relatório mensal do número de interes-
ro(a) da escola da igreja e com o do(a) tesoureiro(a) de qualquer outra organiza- sados obtidos e do número atendido. Quando um interessado se acha sufi-
ção, podem ser pedidos e inspecionados em qualquer momento pelo revisor da cientemente desenvolvido, deve ser partilhado com o pastor.
Associação/Missão, pelo pastor, pelo dirigente distrital, pelo ancião que dirige a
igreja, ou por qualquer pessoa autorizada pela Comissão da Igreja, mas não devem Oficial Removido da Comunhão da Igreja
ser facultados a pessoa alguma que não tenha sido autorizada. (Ver pág. 170.) Quando um oficial da igreja é removido da comunhão da igreja e pos-
Nas reuniões administrativas regulares da igreja devem ser apresentados re- teriormente readmitido como membro, isso não reintegra essa pessoa no
latórios de todos os fundos recebidos e desembolsados. Uma cópia desses rela- cargo anterior.
tórios deve ser fornecida aos principais oficiais da igreja.
66 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 67

Cerimônia de Admissão pela Comissão da Igreja antes de a Comissão de Nomeações fazer suas esco-
Todos os oficiais recém-eleitos da igreja local podem ser incluídos numa lhas. Cada nome que consta do rol de membros deve ser avaliado com cuida-
cerimônia de admissão dirigida por um pastor com licença ou credencial da do e oração, e cada membro deve ser consultado antes de ser designado para
ativa. (Ver pág. 130.) Se não houver nenhum pastor disponível, um ancião or- algum ministério.
denado da igreja local poderá dirigir a cerimônia de admissão. Talvez a Comissão de Nomeações precise atuar regularmente através do
ano, reunindo-se mensal ou semanalmente (dependendo do tamanho da
Notas igreja) para cumprir essa tarefa. Algumas igrejas poderão chamar a Comis-
Estas notas contêm material explicativo a respeito de como as igrejas locais de- são de Nomeações de Comissão de Desenvolvimento, deixando claro que há
vem proceder em determinados aspectos. Elas podem adotar maneiras alternati- expectativas incomuns quanto ao envolvimento de todos os membros. Se a
vas de lidar com tais itens. Tais métodos alternativos devem estar em harmonia Comissão de Nomeações/Comissão de Desenvolvimento for apontada
com os princípios aceitos e adotados pela organização da Igreja Adventista do Sé- como uma comissão permanente, tal decisão deverá ser endossada pela
timo Dia em geral. congregação, que, por sua vez, votará a aprovação de seus componentes.
A igreja pode decidir votar alternativamente a Comissão de Nomea-
1. Envolvendo Cada Membro no Ministério (Ver pág. 45.) – A palavra bíbli- ções e uma Comissão de Desenvolvimento independente. À Comissão de
ca laos, da qual deriva a palavra “leigo”, abrange todo o povo de Deus, incluin- Nomeações compete indicar pessoas para ocuparem os cargos regulares
do os ministros. Pode ser usada para designar associados no ministério. “Não previstos no Manual da Igreja, ao passo que à Comissão de Desenvolvi-
somente sobre o ministro ordenado repousa a responsabilidade de sair a cum- mento cabe indicar os demais membros da igreja para um ministério que
prir esta missão. Todo o que haja recebido a Cristo é chamado a trabalhar pela lhes seja adequado.
salvação de seus semelhantes.” – Atos dos Apóstolos, pág. 110. Um manual de recursos [procedimentos], fundamentado na compreen-
“E a graça foi concedida a cada um de nós segundo a proporção do dom são bíblica dos dons espirituais, está disponível para igrejas que procuram
de Cristo. Por isso, diz: ‘Quando Ele subiu às alturas, levou cativo o cativeiro envolver cada membro no ministério. Esses procedimentos propiciam trei-
e concedeu dons aos homens’ (Efés. 4:7 e 8). “E Ele mesmo concedeu uns para no específico e ferramentas para a Comissão de Desenvolvimento. O currí-
apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pasto- culo foi preparado de tal forma que pode ser usado por igrejas que decidam
res e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho não ter a Comissão de Desenvolvimento e que optem por um método mais
do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo” (Efés. 4:11 e 12). tradicional.
Quando Jesus Se ausentou, o Espírito Santo foi concedido a Seus seguido-
res, propiciando a cada um dons para o ministério: “distribuindo-[os], como 2. Ministérios de Pequenos Grupos. (Ver pág. 91.) – Moisés organizou Is-
Lhe apraz, a cada um, individualmente” (I Cor. 12:11). Cada um que recebe o rael em grupos de dez (Êxo. 10). Jesus escolheu um grupo de doze e despen-
Espírito Santo recebe um dom para ministrar designado pelo Espírito, a fim de deu a maior parte de Seu ministério com eles. Com freqüência, Ele ensinava
ser usado no ministério pela causa de Cristo. (Partes deste material foram ex- nos lares (Mat. 13:36; 17:25; Mar. 9:33; 10:10). A igreja do Novo Testamento
traídas do Seventh-day Adventist Minister’s Handbook, capítulo 11, pág. 121.) centralizou suas atividades em pequenos grupos, em companheirismo, estu-
O Espírito Santo insta para que encontremos um ministério mediante o do, partilhando, orando e comendo juntos (Atos 2:42 e 46).
qual o dom seja usado para servir a outros e atraí-los a Cristo. Neste plano, Na América do Norte e em muitas outras regiões do mundo, a Igreja Adventista
não há hierarquia. Cada qual é um ministro realizando uma obra para a qual do Sétimo Dia começou com igrejas locais que foram pequenos grupos informais
foi chamado especificamente. que se reuniam nos lares. Ellen White enfatiza: “A formação de pequenos grupos,
Dons Conforme o Ministério – Cada membro da igreja deve atuar de acor- como uma base de esforço cristão, é um plano que tem sido apresentado diante de
do com seu dom como parte da estratégia missionária global da congregação. mim por Aquele que não pode errar. Se houver grande número na igreja, os mem-
Algumas igrejas podem confiar essa tarefa à Comissão de Nomeações. bros devem ser divididos em pequenos grupos, a fim de trabalharem não somente
Novos cargos, não incluídos no Manual da Igreja, devem ser aprovados pelos outros membros, mas também pelos descrentes.” – Evangelismo, pág. 115.
68 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 69

Já em 1871, ela escreveu algumas instruções sobre “Como Dirigir Reuniões”, que vem-se desenvolver planos para a implementação de programa(s), e reuniões
tinham o mesmo propósito e procedimento dos pequenos grupos de hoje. (Ver Re- regulares propiciam oportunidade de partilhar resultados de testemunho e
view and Herald, 30 de maio de 1871: reimpresso em Testemunhos Para a Igreja, vol. experiências. Deve-se dedicar tempo para treinar membros do grupo em mé-
2, págs. 577-582.) todos de testemunho eficaz. Em grupos freqüentados regularmente por
A vida do corpo está em suas células. Se a célula morre, o corpo conseqüen- membros de igreja inativos e ou não-membros, o foco deve consistir em con-
temente morrerá. Se as células são saudáveis, o corpo é saudável. Quando as duzi-los a Jesus Cristo.
células se multiplicam, o corpo se desenvolve. Um estudo sobre os movimen-
tos da igreja mostra que todo grande reavivamento é influenciado pelo rápido Grupos Ministradores
acesso à Bíblia e pela reunião de crentes em grupos pequenos e amistosos. Pequenos grupos podem reunir-se na igreja, devendo ser formados por
pessoas com interesses especiais. Grupos-modelo incluem (mas não se limi-
Grupos de Estudo da Bíblia tam) a pessoas interessadas em vida familiar, educação de filhos, problemas
Propósito – Os grupos de estudo nos lares têm como alvo reavivar os existenciais, e classes de estudo da Bíblia abrangendo saúde física, mental e
membros e atrair os que não são membros. Eles constituem excelente meio espiritual. Também se podem estabelecer classes na Escola Sabatina para
de reintegrar membros inativos. A grande ênfase de tais grupos é o compa- atuar como grupos de apoio a indivíduos com necessidades específicas, bem
nheirismo. Tanto os grupos de menor porte como os informais fomentam como a grupos de atividades.
mais companheirismo do que o ambiente da igreja. Mesmo pessoas que não
se acham prontas para se identificar com a igreja, sentem-se mais à vontade Grupos Missionários
na atmosfera não constrangedora de um pequeno grupo. Pequenos grupos podem ser patrocinados pela igreja local como primeiro
Formato – Os grupos não devem ter menos de quatro nem mais de quin- passo para iniciar a obra numa comunidade ainda não-penetrada, à seme-
ze membros. Devem reunir-se regularmente – uma vez semanalmente, lhança de uma filial da Escola Sabatina e de reuniões campais realizadas pe-
quinzenalmente ou, pelo menos, uma vez por mês. Podem reunir-se em lares, los adventistas do sétimo dia desde o século dezenove.
no local de trabalho ou em salas de reuniões da comunidade. As reuniões du- Um pequeno grupo que se reúne em casa para estudo da Bíblia, compa-
ram normalmente uma hora ou duas e incluem, em princípio, quatro partes: nheirismo e adoração, requer pouca despesa e remove a barreira do custo que
a) Confraternização: O grupo deve programar o tempo de confraterniza- impede a missão de igreja. Onde a associação não pode sustentar pastores
ção no início de cada reunião. O ato de partilhar as alegrias, bênçãos e desa- adicionais, os grupos missionários de uma área metropolitana ou região ru-
pontamentos é um modo natural de iniciar uma reunião. Contribui para ali- ral podem continuar filiados a uma igreja estabelecida. Os líderes do peque-
viar tensões, provê afirmação sincera e cria um espírito caloroso. O diálogo é no grupo atuam sob a supervisão de um pastor distrital.
a chave do sucesso. Não se deve permitir que ninguém domine o grupo.
b) Estudo da Bíblia: O grupo pode escolher um livro da Bíblia ou usar um Como Começar
guia de estudo para estudar a Bíblia. Os membros, ao longo da semana, estu- A comissão de Ministérios Pessoais normalmente inicia o ministério dos
dam seções previamente combinadas para debatê-las com o grupo durante as pequenos grupos, e a comissão da igreja dá a aprovação final ao programa e
reuniões. O líder procura por respostas a tais perguntas como: “O que o au- aos líderes indicados. Esta é uma salvaguarda contra o desenvolvimento de
tor quer dizer neste texto?” e “O que Deus me diz por meio desta passagem?” ramos independentes.
c) Oração: O grupo faz uma lista de itens de oração, incluindo pedidos e O pastor não precisa ser um membro permanente de nenhum grupo. En-
louvores. É importante que orem uns pelos outros e por projetos em que o tretanto, deve ter uma visão global de todos os grupos. A maior contribuição
grupo esteja envolvido ou pelos quais tenha interesse. Deve-se permitir tem- do pastor consiste em recrutar e treinar líderes dentre os membros da igreja.
po para breves orações por todo membro que queira participar. Esses líderes leigos convidam amigos, conhecidos e vizinhos para se unirem
d) Testemunho: O grupo deve dedicar tempo para discutir oportunidades aos grupos.
de testemunhar, selecionando programas nos quais possam engajar-se. De- Na primeira reunião deve haver uma declaração escrita ou acordo grupal
70 Manual da Igreja Os Oficiais da Igreja e Seus Deveres 71

que especifique os alvos do grupo e as regras básicas. O grupo deve ser convi- se acha esteja limpo e seja o mais atraente possível. Isto inclui o trabalho do
dado a dar forma a esse breve e conciso documento (normalmente não mais zelador. Em igrejas grandes, é muitas vezes necessário empregar um zelador.
do que uma página). Ele deve necessariamente incluir um compromisso de Os diáconos devem recomendar à Comissão da Igreja uma pessoa apropria-
cada membro reunir-se semanalmente durante certo número de semanas (6, da, e a comissão é quem resolve, por voto, empregar esse auxiliar. Ou a Co-
10, 13 ou 26, por exemplo), freqüentar cada reunião, a menos que esteja doen- missão da Igreja poderá autorizar os diáconos a empregarem um zelador.
te ou fora da cidade, ler – entre as reuniões – os materiais designados, manter Deve-se obter a autorização da Comissão da Igreja para todas as principais
sigilo, não fazer comentários negativos sobre outras pessoas ou organizações, despesas de conservação. Todas as despesas de consertos, água, luz, combus-
e convidar outros para fazerem parte do grupo. Os que não puderem apoiar o tível, etc., são entregues ao(à) tesoureiro(a) da igreja, para serem pagas.
compromisso, devem sentir-se livres para afastar-se espontaneamente.
7. Cargo Importante. (Ver pág. 59.) – Essas atas devem ser registradas no
3. Preparo e Treinamento de Anciãos Locais. (Ver pág. 51.) – Embora o Livro de Atas da Igreja ou em algum outro sistema de registro apropriado
pastor tenha a principal responsabilidade de preparar os anciãos locais, as As- adotado pela igreja, dando a hora e data da reunião, o número de pessoas pre-
sociações/Missões são incentivadas a programar reuniões periódicas com o sentes e um relatório de todas as resoluções tomadas. O(a) secretário(a) tam-
objetivo de adestrá-los. Para fortalecer o relacionamento da equipe pastor- bém deverá fazer uma lista de quaisquer comissões designadas em tais reu-
ancião, recomenda-se que os pastores também assistam a essas reuniões. Di- niões, fornecendo ao presidente uma lista dos membros de cada comissão,
rigentes de grupos que desempenham o papel de anciãos locais também de- bem como suas atribuições e um esboço do que deve ser feito. O Livro de Re-
vem ser convidados a estar presentes. gistro da Igreja pode ser solicitado ao(à) secretário(a) do Campo local.
Esse Livro de Registro da Igreja contém espaço para a lista dos membros
4. A Cerimônia do Casamento. (Ver pág. 52). – Em alguns países ou Esta- da igreja, com as colunas necessárias para mostrar como e quando os mem-
dos, o ministro deve ter uma nomeação oficial e estar registrado, a fim de po- bros foram recebidos ou removidos. Esse registro deve ser mantido cronolo-
der oficiar em uma cerimônia matrimonial civil. Em muitos países, o pastor gicamente, e os dados comprovativos de cada apontamento também devem
pode oficiar na cerimônia da igreja, porém o contrato matrimonial é legal- ser registrados na seção em que são mantidas as atas dos votos sobre os mem-
mente firmado pelo chefe do registro civil do distrito, que habitualmente bros. A lista dos membros da igreja deve ser mantida com exatidão e em dia,
ocupa seu lugar na igreja, e escuta a fórmula aprovada da declaração matri- para indicar o número oficial dos membros e sua situação.
monial. Em outras países, o pastor não pode de modo algum realizar a ceri-
mônia, porque se admite que esta é uma responsabilidade do Estado e é con- 8. Correspondência com os Membros. (Ver pág. 60.) – O(a) secretário(a) da
siderada como um contrato civil. Em tais casos, nossos membros habitual- igreja deve corresponder-se com os membros ausentes, transmitindo-lhes
mente concorrem ao lar ou ao lugar de culto, onde se realiza uma cerimônia notícias interessantes acerca do progresso da igreja, e animando-os a relatar,
especial dirigida por um pastor ordenado, para pedir a bênção do Senhor so- cada trimestre, suas próprias atividades cristãs. Convém que o(a) secreta-
bre o casal. (Ver págs. 182-184 e 201-207.) rio(a) lhes escreva freqüentemente.

5. Preparativos Para as Cerimônias Batismais. (Ver pág. 57.) – Os diáco- 9. Relatórios a Serem Fornecidos Pontualmente. (Ver pág. 60.) – Devem
nos devem ajudar nas cerimônias batismais, certificando-se de que o local do ser fornecidos todos os itens de informação solicitados nos formulários. Terá
batismo esteja preparado e de que os candidatos masculinos sejam atendidos de ser dada especial atenção à transferência de membros, e aos membros re-
tanto antes como depois da cerimônia. cebidos ou removidos por diversas causas, segundo indica o formulário. O(a)
secretário(a) da Associação/Missão tem de enviar informações trimestrais
6. Cuidado e Manutenção da Propriedade da Igreja. (Ver pág. 58.) – Os ao(à) secretário(a) da União, e este(a) ao(à) secretário(a) da Divisão, e o(a) se-
diáconos têm a responsabilidade de tomar providências para que o edifício cretário(a) da Divisão ao escritório da Associação Geral, acerca desses itens
seja mantido limpo e em bom estado de conservação, e que o terreno em que tão importantes. Qualquer omissão ou atraso nos relatórios afeta seriamente
72 Manual da Igreja
Capítulo 8
a atividade em toda a sua extensão. A fiel atenção a todos os pormenores es-
pecificados nos formulários dos relatórios ajuda grandemente a manter um
registro exato da obra mundial da Igreja.
Os Cultos e Reuniões da Igreja
10. Dinheiro Para Pedidos Pessoais de Literatura. (Ver pág. 63.) – Nas lo- Princípios Gerais
calidades em que não existe uma repartição do Serviço Lar e Saúde, os mem- O Culto Espiritual. – “Embora Deus não habite em templos feitos por
bros da igreja podem colocar as importâncias das encomendas pessoais de li- mãos humanas, honra, não obstante, com Sua presença, as assembléias de
vros, brochuras, folhetos, revistas e assinaturas de periódicos num envelope, Seu povo. Ele prometeu que quando se reunissem para buscá-Lo, reconhe-
com o pedido devidamente preenchido, e entregá-lo ao(à) secretário(a) dos cendo seus pecados, e para orarem uns pelos outros, Ele Se reuniria com eles
Ministérios Pessoais da igreja. O(a) tesoureiro(a) da igreja, então, envia tanto por meio de Seu Espírito. Mas os que se reúnem para adorá-Lo devem afas-
o pedido como o dinheiro para pagar todas essas publicações, ao Serviço tar de si toda coisa má. A menos que O adorem em espírito e em verdade e na
Educacional Lar e Saúde, ou, onde ele não exista, à Casa Publicadora, de acor- beleza da Sua santidade, seu ajuntamento será de nenhum valor. Destes o Se-
do com o sistema adotado pela Associação/Missão. No fim de cada trimestre, nhor declara: ‘Este povo honra-Me com os lábios, mas o seu coração está lon-
o(a) secretário(a) dos Ministérios Pessoais apresentará um relatório à igreja, ge de Mim. E em vão Me adoram.’ Mat. 15:8 e 9. Os que adoram a Deus de-
em sua reunião administrativa trimestral, da situação de sua conta com o Ser- vem adorá-Lo ‘em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que as-
viço Educacional Lar e Saúde e/ou Casa Publicadora, e fornecerá uma cópia sim O adorem’. João 4:23.” – Profetas e Reis, pág. 50.
desse relatório ao(à) tesoureiro(a) da igreja. (Ver págs. 100 e 132.)
O Objetivo dos Cultos e Reuniões da Igreja. – A experiência do cristão é de
renascimento espiritual, jubilosa reconciliação, missão fiel e humilde obediên-
cia a Deus (II Cor. 5:17; Filip. 2:5-8). Tudo o que o cristão faz ou em que parti-
cipa, inclusive os cultos e reuniões da igreja, é um testemunho dessa nova vida
em Cristo e o partilhar de seus frutos no Espírito Santo. O objetivo dos cultos e
reuniões da igreja é adorar a Deus por Sua obra criadora e por todos os benefí-
cios de Sua salvação; compreender Sua Palavra, Seus ensinos e Seus desígnios;
comungar uns com os outros em fé e amor; dar testemunho de nossa fé pessoal
no sacrifício expiatório de Cristo na cruz; e aprender como cumprir a comissão
evangélica de fazer discípulos em todo o mundo (Mat. 28:19 e 20).

Reverência Pela Casa de Culto. – “Para a alma crente e humilde, a casa de


Deus na Terra é como a porta do Céu. Os cânticos de louvor, a oração, a pa-
lavra ministrada pelos embaixadores do Senhor, são os meios que Deus pro-
veu para preparar um povo para a assembléia lá do alto, para aquela reunião
sublime à qual coisa nenhuma que contamine poderá ser admitida.
“Da santidade atribuída ao santuário terrestre, os cristãos devem aprender
como considerar o lugar onde o Senhor Se propõe encontrar-Se com Seu
povo. ... Deus mesmo deu as instruções para Seu culto, elevando-o acima de
tudo quanto é terreno.
“A casa é o santuário da família; e o aposento ou a floresta o lugar mais re-
côndito para o culto individual; mas a igreja é o santuário da congregação.
74 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 75

Devem existir aí regulamentos quanto ao tempo, lugar e maneira de culto. que se acham ali na presença do Senhor, seu silêncio redundaria num testemu-
Nada do que é sagrado, nada do que está ligado ao culto divino, deve ser tra- nho eloqüente. Os cochichos, risos e conversas, que se poderiam admitir em
tado com negligência ou indiferença. Para que os homens possam verdadei- qualquer outro lugar, não devem ser sancionados na casa em que Deus é ado-
ramente glorificar a Deus, importa que em sua associação de idéias façam rado. Cumpre preparar o espírito para ouvir a Palavra de Deus, a fim de que
distinção entre o que é sagrado e o que é profano. Os que têm idéias amplas, esta possa exercer impressão e influir sobre a alma.” – Ibidem, vol. 2, pág. 194.
nobres pensamentos e aspirações, são os que têm associações que fortalecem
todos os pensamentos sobre as coisas divinas. Felizes os que possuem um Arranjos Para as Reuniões da Igreja. – Cada igreja deve ordenar suas reu-
santuário, luxuoso ou modesto, seja no meio de uma cidade ou entre as ca- niões segundo pareça necessário. As mais essenciais para o culto, o estudo e a
vernas das montanhas, no humilde aposento particular ou nalgum deserto. atividade da igreja, são o culto de sábado, a cerimônia da Santa Ceia, a reu-
Se for esse o melhor lugar que lhes é dado arranjar para esse fim, Deus o san- nião de oração, a Escola Sabatina, a reunião dos jovens e a reunião missioná-
tificará pela Sua presença e será santidade ao Senhor dos exércitos.” – Teste- ria. As reuniões administrativas para atender devidamente aos assuntos prá-
munhos Seletos, vol. 2, págs. 193 e 194. ticos da igreja são também essenciais.

Deve-se Ensinar Reverência às Crianças. – “Pais, exaltai o padrão do cris- A Hospitalidade. – Em cada igreja deve-se cultivar o espírito de hospitali-
tianismo no espírito de vossos filhos; ajudai-os a entretecer a pessoa de Jesus dade. Não há nada mais mortífero para a vida espiritual da igreja do que uma
em sua experiência; ensinai-os a ter o maior respeito pela casa de Deus e a atmosfera fria e formal que exclua a hospitalidade e o companheirismo cristãos.
compreender que quando entram ali devem fazê-lo com o coração comovi- Devem os membros cultivar este elemento essencial da vida e experiência cris-
do, ocupando-se com pensamentos como estes: ‘Deus está aqui; esta é a Sua tãs. Deve-se fazer isto principalmente em relação com o culto de Deus. Todo vi-
casa. Devo alimentar pensamentos puros e guiar-me pelos mais santos pro- sitante que chegue para adorar conosco deve ser cordialmente recebido e deve-
pósitos. Não devo conservar em meu coração orgulho, inveja, ciúme, suspei- se-lhe fazer sentir que é bem-vindo. Os oficiais da igreja têm o dever de desig-
tas, ódio ou engano; porque estou na presença de Deus. Este é o lugar onde nar alguém para que dê atenção especial aos visitantes que assistem aos cultos
Deus vem ter com Seu povo e o abençoa. O Altíssimo e Santo, que habita na da igreja e lhes estenda as boas-vindas. “Não negligencieis a hospitalidade, pois
eternidade, me vê, esquadrinha meu coração, e lê os mais secretos pensamen- alguns, praticando-a, sem o saber acolheram anjos.” Heb. 13:2.
tos e atos de minha vida.’“ – Ibidem, vol. 2, págs. 196 e 197.
Oradores Não Autorizados em Nossas Igrejas. – Em nenhuma circunstân-
O Decoro e o Silêncio no Lugar de Culto. – “Quando os crentes penetram cia deve o pastor, o ancião ou outro oficial da igreja convidar estranhos ou
na casa de culto, devem guardar a devida compostura e tomar silenciosamen- quaisquer pessoas não autorizadas para dirigir os cultos em nossas igrejas.
te seu lugar. ... Conversas vulgares, cochichos e risos, não devem ser permiti- Homens que tenham sido destituídos do ministério, ou que tenham sido re-
dos na casa de culto, nem antes nem depois do culto. Uma ardente e profun- movidos da comunhão da igreja em outros lugares, ou pessoas astutas que
da piedade deve caracterizar todos os adoradores. não tenham autoridade da igreja, embora usem palavras plausíveis, não de-
“Se faltam alguns minutos para o começo do culto, os crentes devem entre- vem ter permissão de ocupar nossos púlpitos. Deve exercer-se grande cuida-
gar-se à devoção e meditação silenciosa, elevando a alma em oração a Deus do para evitar isso. Toda pessoa digna da confiança de nossas igrejas poderá
para que o culto se torne para eles uma bênção especial, operando a convicção identificar-se e apresentar as devidas credenciais. Pode haver ocasiões em que
e conversão em outras almas. Devem lembrar-se de que estão presentes ali seja próprio que nossas congregações escutem discursos de funcionários do
mensageiros do Céu. Perdemos geralmente muito da suave comunhão com Governo ou personalidades públicas. Todos os demais devem ser excluídos
Deus pela nossa falta de quietude e por não nos darmos à reflexão e oração. O de nossos púlpitos, a menos que lhes seja outorgada permissão especial da
estado espiritual da alma necessita muitas vezes ser passado em revista, e o es- parte da administração do Campo local. Todo ancião, pastor e pastor geral de
pírito e coração serem elevados para o Sol da Justiça. Se os crentes, ao entra- Associação/Missão tem o dever de zelar pelo cumprimento desta regra. (Ver
rem na casa de oração, o fizessem com a devida reverência, lembrando-se de págs. 147, 150 e 215-217.)
76 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 77

O Lugar da Música no Culto Divino tocante à escolha de quem deverá cantar ou tocar. O(a) diretor(a) do coro não
O Lugar da Música na Adoração. – “A música pode ser uma grande força é membro ex-officio da Comissão da Igreja.
para o bem; não fazemos, entretanto, o máximo com esse ramo do culto. O
canto é feito em geral por impulso ou para atender a casos especiais, e outras Executantes e Intérpretes de Música na Igreja. – A música sacra é uma par-
vezes deixam-se os cantores ir errando, e a música perde o devido efeito no te importante do culto público. Na escolha dos membros do coro e outros
espírito dos presentes. A música deve ter beleza, emoção e poder. Ergam-se as músicos, a igreja precisa ter o cuidado de escolher pessoas que representem
vozes em hinos de louvor e devoção. Chamai em vosso auxílio, se possível, a corretamente os princípios da igreja. Os membros do coro e outros músicos
música instrumental, e deixai ascender a Deus a gloriosa harmonia, em ofer- ocupam uma posição relevante nos cultos da igreja. A capacidade musical é
ta aceitável.” – Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 457. apenas uma das qualificações que devem possuir. Que sejam, de preferência,
membros da igreja, ou da Escola Sabatina ou da Sociedade dos Jovens Ad-
Cantar com o Espírito e o Entendimento. – “Os mensageiros de Deus não ventistas e que, em sua aparência pessoal e em sua maneira de vestir, dêem
devem seguir os métodos do mundo, em seus esforços para atrair o povo. Nas exemplo de modéstia e decoro. Pessoas consagradas e de caráter exemplar,
reuniões que realizam, não devem depender de cantores do mundo e exibi- devidamente vestidas, exercem influência positiva quando participam de ati-
ções teatrais para despertar o interesse. Como esperar daqueles que não têm vidades musicais nos serviços de culto. Qualquer plano a respeito do uso de
interesse na Palavra de Deus, que nunca leram Sua Palavra com o sincero de- uniformes pelos membros do coro é optativo da parte da igreja.
sejo de compreender suas verdades, que cantem com espírito e entendimento?
Como pode seu coração achar-se em harmonia com as palavras do sagrado As Igrejas Podem Decidir Ter Vários Coros. – A organização de coros in-
hino? Como pode o coro celestial tomar parte numa música apenas formal? ... fantis deve ser incentivada como meio eficaz de nutrição espiritual, unindo a
“[Nas reuniões realizadas] Escolha-se um grupo de pessoas para tomar família da igreja, e de avanço missionário.
parte no serviço de canto. E seja este acompanhado por instrumentos de mú-
sica habilmente tocados. Não nos devemos opor ao uso de instrumentos mu- Os Cultos de Sábado
sicais em nossa obra. Essa parte da adoração deve ser cuidadosamente dirigi- A Escola Sabatina. – A Escola Sabatina tem sido acertadamente chamada
da, pois é o louvor através do cântico. Nem sempre o canto deve ser feito ape- de “a igreja dedicada ao estudo”. É um dos mais importantes serviços que são
nas por alguns. Permita-se o quanto possível que toda a congregação dele realizados em conexão com o trabalho de nossa Igreja. Sábado após sábado,
participe.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 9, págs. 143 e 144. a maior parte de nossos membros e milhares de amigos interessados se reú-
nem na Escola Sabatina para estudar sistematicamente a Palavra de Deus. To-
A Escolha de Diretores de Música. – Deve-se ter grande cuidado na esco- dos os membros da igreja devem ser incentivados a freqüentar a Escola Saba-
lha de diretores do coro ou na dos encarregados da música nos cultos da igre- tina e também trazer visitantes. Cada Escola Sabatina deve procurar prover
ja. Somente os que se sabe serem inteiramente consagrados devem ser esco- programas apropriados a todos os níveis etários. Foram desenvolvidos mate-
lhidos para esta parte da obra da igreja. Incontável dano poderá ser causado riais e recursos para ajudar nesta importante tarefa, e podem ser obtidos da
pela escolha de diretores não consagrados. Aqueles a quem falta discerni- Associação/Missão, da União e da Divisão. O período de tempo habitual-
mento para a devida e apropriada escolha da música para o culto divino não mente dedicado a esse mister é de uma hora e dez minutos. Isto, porém, não
devem ser escolhidos. A música profana ou a que é de natureza duvidosa ou impede que qualquer Campo local adote um período mais longo ou mais
questionável nunca deve ser introduzida em nossos cultos. curto, se assim o desejar. Ao preparar o programa, deve-se ter o cuidado de
Os dirigentes do coro devem atuar em íntima colaboração com o pastor prover pelo menos trinta minutos para o estudo da lição.
ou com o ancião da igreja, a fim de que a escolha de músicas especiais se har-
monize com o assunto do sermão. O(a) diretor(a) do coro está sob a direção O Culto Divino do Sábado. – O culto divino do sábado é a mais impor-
do pastor e dos anciãos da igreja, e não atua independentemente deles. Deve tante de todas as reuniões da igreja. Nele os membros se reúnem semana
consultá-los, não somente quanto à música a ser executada, mas também no após semana para unir-se na adoração de Deus com espírito de louvor e de
78 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 79

agradecimento, para ouvir a Palavra de Deus, para obter força e graça para los, mantendo a este respeito o devido espírito do culto e da observância do sá-
enfrentar as lutas da vida, e para inteirar-se da vontade de Deus quanto à bado. Muitas de nossas igrejas maiores editam boletins impressos em que dão a
conquista de almas. Reverência, simplicidade e pontualidade devem carac- ordem do culto, bem como os anúncios da semana. Onde isto é feito existe pou-
terizar todas as partes do culto. ca ou nenhuma necessidade de anúncios orais. Onde não é tomada essa provi-
dência em forma impressa, muitas igrejas acham desejável efetuar os anúncios
A Santidade da Hora do Culto Sabático. – A adoração de Deus é a mais antes do começo do culto propriamente dito. (Ver Notas, #2, pág. 93.)
elevada e a mais santa experiência que os seres humanos podem ter, e deve Também se deve dar a devida consideração aos diversos departamentos da
exercer-se o maior cuidado ao fazer os planos para este culto. igreja, para a promoção dos interesses pelos quais são responsáveis, mas con-
“Não tendes o dever de pôr alguma habilidade, estudo e planejamento na vém exercer grande cuidado ao marcar as suas apresentações, a fim de preser-
questão de dirigir as reuniões religiosas – no sentido de como dirigi-las de var o tempo necessário para a pregação da mensagem da Palavra de Deus.
maneira a produzirem a maior quantidade de bem e causarem a melhor im-
pressão em todos os que a elas assistem?” – Ellen G. White, em Review and A Oração em Público. – “Cristo deu a entender a Seus discípulos que suas
Herald, 14 de abril de 1885. orações deviam ser breves, exprimindo exatamente o que desejavam, e nada
“Nosso Deus é um terno e misericordioso Pai. Seu serviço não deve ser mais. ... Um ou dois minutos é tempo suficiente para qualquer oração habi-
considerado como um exercício penoso e entristecedor. Deve ser um gozo tual.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 2, pág. 581.
adorar ao Senhor e tomar parte em Sua obra. ... Cristo, e Ele crucificado, eis o “Quando orardes, sede breves, ide diretamente ao ponto. Não pregueis um ser-
que deve constituir o tema de nossas meditações, de nossas conversas, e de mão ao Senhor em vossas longas orações.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 60.
nossas mais gratas emoções. ... “Os que oram e falam pronunciem bem as palavras e falem com clareza,
“Ao exprimir-Lhe a nossa gratidão, estamo-nos aproximando do culto que em tons distintos. Quando feita no devido modo, a oração é uma força para
Lhe é prestado pelas hostes celestes. ‘Aquele que oferece sacrifício de louvor o bem. É uma das maneiras empregadas pelo Senhor para comunicar ao
Me glorificará.’ Sal. 50:23. Cheguemos, pois, com reverente alegria, a nosso povo os preciosos tesouros da verdade. Ela não se torna, porém, o que devia,
Criador, ‘com ações de graças e voz de melodia’. Isa. 51:3.” – Caminho a Cristo, por causa da imperfeição com que é proferida. Satanás regozija-se quando as
págs. 103 e 104. orações feitas a Deus são quase inaudíveis. Que o povo de Deus aprenda a fa-
lar e a orar de maneira a representar devidamente as grandes verdades que
A Forma do Culto. – O culto do sábado de manhã consiste em duas partes possuem. Os testemunhos dados e as orações feitas sejam claros e distintos.
principais: A atitude de louvor e adoração por parte da congregação, expres- Assim Deus será glorificado.” – Obreiros Evangélicos, pág. 88.
sada nos hinos, na oração e nas ofertas; e a mensagem da Palavra de Deus.
(Ver Notas, #2, pág. 92.) A Cerimônia da Comunhão
Não prescrevemos uma forma ou ordem específica para o culto público. Na Igreja Adventista do Sétimo Dia, a cerimônia da comunhão geralmen-
Em geral, uma ordem simples é a que mais convém ao verdadeiro espírito do te é celebrada uma vez por trimestre. Ela abrange o rito do lava-pés e a Ceia
culto. Os longos preliminares devem ser evitados. Os exercícios de abertura do Senhor. Deve ser uma ocasião muito sagrada e deleitosa para a congrega-
não devem, em circunstância alguma, consumir o tempo necessário para a ção, bem como para o pastor ou ancião. Dirigir a cerimônia da comunhão é
adoração e para a pregação da Palavra de Deus. (Para formas de culto suges- indubitavelmente um dos deveres mais sagrados que um pastor ou ancião é
tivas, ver Notas, #2, pág. 93.) convidado a realizar. Jesus, o grande Redentor deste mundo, é santo. Os anjos
declaram: “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-poderoso, Aquele
Anúncios. – Deve ser dada cuidadosa consideração à duração e à natureza que era, que é e que há de vir.” Portanto, visto que Jesus é santo, os símbolos
dos anúncios durante o culto de sábado. Se tratam de assuntos que não se rela- que representam Seu corpo e Seu sangue também o são.
cionem especificamente com o culto de sábado, nem com as atividades da igre- Uma vez que o próprio Senhor escolheu os emblemas profundamente sig-
ja, os pastores e dirigentes devem ser suficientemente cuidadosos para excluí- nificativos do pão não levedado e do não fermentado fruto da videira, e usou
80 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 81

o meio mais simples para lavar os pés aos discípulos, deve haver grande relu- A experiência espiritual que reside no âmago do lava-pés ergue-o de um
tância em introduzir símbolos e meios alternativos (exceto em condições de costume comum para uma cerimônia sagrada. Transmite uma mensagem de
verdadeira emergência), para que não se perca o significado original da ceri- perdão, aceitação, segurança e solidariedade, principalmente de Cristo para
mônia. Do mesmo modo, deve haver cautela na ordem do serviço e nas partes com o crente, mas também entre os próprios crentes. Essa mensagem é ex-
tradicionais desempenhadas pelos pastores, anciãos, diáconos e diaconisas na pressa numa atmosfera de humildade.
cerimônia da comunhão, para que a substituição e a inovação não favoreçam
a tendência de tornar comum o que é sagrado. O individualismo e a indepen- Pão e Vinho Não Fermentados. – “Cristo está ainda à mesa em que fora
dência de ação e prática podem tornar-se uma expressão de falta de interesse posta a ceia pascoal. Acham-se diante dEle os pães asmos usados no período
pela unidade e comunhão da igreja nessa ocasião mui abençoada e sagrada. O da páscoa. O vinho pascoal, livre de fermento, está sobre a mesa. Estes emble-
desejo de modificação pode neutralizar o elemento rememorativo dessa ceri- mas Cristo emprega para representar Seu próprio irrepreensível sacrifício.
mônia instituída por nosso próprio Senhor ao penetrar em Sua paixão. Coisa alguma corrompida por fermentação, símbolo do pecado e da morte,
A cerimônia da Ceia do Senhor é tão sagrada hoje como o foi quando podia representar ‘o Cordeiro imaculado e incontaminado’. I Pedro 1:19.” –
instituída por Jesus Cristo. Jesus está ainda presente quando se realiza este Ibidem, pág. 653.
rito sagrado. Lemos: “É nessas ocasiões, indicadas por Ele mesmo, que Cris- Nem o “cálice” nem o pão continham fermento; pois na noite do primeiro
to Se encontra com Seu povo, e os revigora por Sua presença.” – O Desejado dia da Páscoa dos hebreus, qualquer coisa levedada ou fermentada havia sido
de Todas as Nações, pág. 656. removida de suas habitações (Êxodo 12:15 e 19; 13:7). Portanto, somente o
suco de uva não fermentado e pão sem fermento são apropriados para uso na
A Cerimônia do Lava-pés. – “Depois, havendo lavado os pés aos discípu- cerimônia da comunhão, devendo-se exercer grande cuidado ao prover esses
los, Ele disse: ‘Eu vos dei o exemplo, para que como Eu vos fiz, façais vós tam- elementos. Nas regiões mais isoladas do mundo, onde não se encontra facil-
bém.’ Nestas palavras Cristo não somente estava ordenando a prática da hos- mente o suco de uva ou de passas, ou seu concentrado, o escritório da Asso-
pitalidade. Queria significar mais do que a lavagem dos pés dos hóspedes ciação/Missão oferecerá conselho ou ajuda para obtê-lo para as igrejas.
para tirar-lhes o pó dos caminhos. Cristo estava aí instituindo um serviço re-
ligioso. Pelo ato de nosso Senhor, esta ... [expressão de humildade] tornou-se Um Memorial da Crucifixão. – “Participando da Ceia do Senhor, do pão
uma cerimônia consagrada. Devia ser observada pelos discípulos, a fim de que é partido e do fruto da vide, apresentamos a morte do Senhor até que Ele
poderem conservar sempre em mente Suas lições de humildade e serviço. venha. As cenas de Seus sofrimentos e morte são assim avivadas em nossa
“Esta ordenança é o preparo designado por Cristo para o serviço sacra- mente.” – Primeiros Escritos, pág. 217.
mental. Enquanto o orgulho, desinteligência e luta por superioridade forem “Ao recebermos o pão e o vinho, simbolizando o corpo partido de Cristo e
nutridos, o coração não pode entrar em associação com Cristo. Não estamos Seu sangue derramado, unimo-nos, pela imaginação, à cena da comunhão
preparados para receber a comunhão de Seu corpo e de Seu sangue. Por isso no cenáculo. Afigura-se-nos estar atravessando o jardim consagrado pela
Jesus indicou que se observasse primeiramente a comemoração de Sua humi- agonia dAquele que levou sobre Si os pecados do mundo. Testemunhamos a
lhação.” – Ibidem, pág. 650. luta mediante a qual foi obtida nossa reconciliação com Deus. Cristo crucifi-
No ato de lavar os pés aos discípulos, Cristo levou a cabo uma limpeza cado apresenta-Se entre nós.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 661.
mais profunda: a de lavar o coração das manchas do pecado. O participante
experimenta uma sensação de indignidade quanto ao recebimento dos sa- Uma Proclamação da Segunda Vinda. – “A santa ceia aponta à segunda vin-
grados emblemas antes de experimentar a limpeza de todo o seu ser (João da de Cristo. Foi destinada a conservar viva essa esperança na mente dos discí-
13:10). Jesus desejava “lavar-lhes do coração a discórdia, o ciúme e o orgulho. pulos. Sempre que se reuniam para comemorar Sua morte, contavam como Ele,
... O orgulho e o interesse egoísta criaram dissensão e ódio, mas tudo isso la- `tomando o cálice, e dando graças, deu-lhes, dizendo: Bebei dele todos; porque
vou Cristo ao lavar-lhes os pés. ... Olhando para eles, Jesus podia dizer: ‘Vós isto é o Meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por mui-
estais limpos’.” – Ibidem, pág. 646. tos, para remissão dos pecados. E digo-vos que, desde agora, não beberei deste
82 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 83

fruto da vide até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de Meu perdoados os pecados, reafirmada a fé; é tempo de comemorar. Que a músi-
Pai.’ Nas tribulações, encontravam conforto na esperança da volta de seu Se- ca seja animada e alegre!
nhor. Indizivelmente precioso era para eles o pensamento: `Todas as vezes que Algumas vezes é recolhida uma oferta para os pobres enquanto a congre-
comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que gação deixa o templo. Depois da cerimônia, os diáconos e as diaconisas deso-
venha.’ I Cor. 11:26.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 659. cupam a mesa, recolhem os cálices e tomam conta respeitosamente do pão e
vinho que sobraram, derramando o vinho, e enterrando, queimando ou des-
O Anúncio da Cerimônia da Comunhão. – A cerimônia da comunhão cartando o pão de outra maneira apropriada, mas sob hipótese alguma rea-
pode ser apropriadamente incluída como parte de qualquer culto de adora- proveitando-o para uso comum.
ção. No entanto, para dar-lhe a devida ênfase e fazê-la extensiva ao maior nú-
mero possível de membros, normalmente faz parte do culto sabático, de pre- Quem Pode Participar. – A Igreja Adventista do Sétimo Dia pratica a co-
ferência no penúltimo sábado do trimestre. munhão aberta. Todos os que entregaram a vida ao Salvador podem partici-
No sábado que precede o da cerimônia da comunhão, menciona-se a im- par. As crianças aprendem o significado da cerimônia observando a partici-
portância do culto seguinte, para que todos os membros preparem o coração e pação dos outros. Depois de receberem instrução formal em classes batismais
estejam certos de que foram endireitadas as desavenças não resolvidas uns com e fazerem sua entrega a Jesus no batismo, estarão elas mesmas assim prepara-
os outros. Então, ao se aproximarem da mesa do Senhor, na semana seguinte, o das para participar da cerimônia.
culto poderá ser da maior bênção para eles. Os que não estiveram presentes “O exemplo de Cristo proíbe exclusão da Ceia do Senhor. Verdade é que
quando se fez o anúncio, devem ser informados e convidados a participar. o pecado aberto exclui o culpado. Isto ensina plenamente o Espírito Santo.
I Cor. 5:11. Além disso, porém, ninguém deve julgar. Deus não deixou aos
Dirigindo a Cerimônia da Comunhão. – Duração da Cerimônia. – O tem- homens dizer quem se apresentará nessas ocasiões. Pois quem pode ler o co-
po não é o fator mais significativo no planejamento da cerimônia da comu- ração? Quem é capaz de distinguir o joio do trigo? ‘Examine-se pois o homem
nhão. Entretanto, pode-se melhorar a participação e aumentar o impacto es- a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice.’ Pois ‘qualquer que co-
piritual: mer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do cor-
1. Eliminando todos os elementos irrelevantes do culto nesse grande dia. po e do sangue do Senhor’. ‘Porque o que come e bebe indignamente, come e
2. Evitando demoras antes e depois da cerimônia do lava-pés. bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.’
3. Tomando providências para que as diaconisas preparem os emblemas I Cor. 11:28, 27 e 29.
sobre a mesa da comunhão, com bastante antecedência. “Quando os crentes se reúnem para celebrar as ordenanças, acham-se pre-
Preliminares. – A parte introdutória da cerimônia deve incluir somente sentes mensageiros invisíveis aos olhos humanos. Talvez haja um Judas no
anúncios muito breves, hino, oração, oferta e um sermonete antes da separa- grupo, e se assim for, mensageiros do príncipe das trevas ali estão, pois acom-
ção para o lava-pés; e, então, o retorno para a Ceia do Senhor. Se a primeira panham a todo que recusa ser regido pelo Espírito Santo. Anjos celestes tam-
parte do culto for breve, mais adoradores se sentirão animados a ficar para a bém ali se encontram. Esses invisíveis visitantes se acham presentes em toda
cerimônia completa. ocasião como essa. Podem entrar pessoas que não são, no íntimo, servos da
Lava-pés. – Cada igreja deve ter um plano para suprir as necessidades de verdade e da santidade, mas que desejem tomar parte no serviço. Não devem
seus membros no tocante à cerimônia do lava-pés. (Ver Notas, #3, pág. 94.) ser proibidas. Acham-se ali testemunhas que estavam presentes quando Jesus
Pão e Vinho. – Após o lava-pés, a congregação reúne-se novamente para lavou os pés dos discípulos e de Judas. Olhos mais que humanos contemplam
participar do pão e do vinho. (Ver Notas, #4, pág. 94.) a cena.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 656.
Celebração. – A cerimônia pode encerrar-se com uma apresentação musi-
cal ou cântico congregacional, seguido da bênção. Seja como for o encerra- Todos os Membros Devem Participar. – “Ninguém deve-se excluir da co-
mento, ele deverá culminar com um tom vibrante. A comunhão sempre deve munhão por estar presente, talvez, alguém que seja indigno. Todo discípulo é
ser uma experiência solene, mas nunca sombria. Os erros foram corrigidos, chamado a participar publicamente, e dar assim testemunho de que aceita a
84 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 85

Cristo como seu Salvador pessoal. É nessas ocasiões, indicadas por Ele mes- começar em tempo, mesmo que apenas estejam presentes duas ou três pes-
mo, que Cristo Se encontra com Seu povo, e os revigora por Sua presença. soas. Faça-se um breve estudo bíblico, ou a apresentação de trechos dos Tes-
Corações e mãos indignos podem mesmo dirigir a cerimônia; todavia Cristo temunhos. Quinze ou vinte minutos são suficientes. A seguir, conceda-se
ali Se encontra para ministrar a Seus filhos. Todos quantos ali chegam com a tempo aos membros para orarem e darem testemunhos. Varie-se de semana
fé baseada nEle, serão grandemente abençoados. Todos quantos negligen- a semana o plano da reunião. Dediquem-se, para a oração, uns momentos
ciam esses períodos de divino privilégio, sofrerão prejuízo. Deles se poderia depois do estudo, uma vez; na próxima vez, faça-se com que o estudo seja se-
quase dizer: ‘Nem todos estais limpos’.” – Ibidem. guido de testemunhos, terminando com uma oração e um cântico.
Se os membros não puderem reunir-se no lugar costumeiro para a reunião
Quem Pode Dirigir a Cerimônia da Comunhão. – A cerimônia da comu- de oração, poderão ser dirigidas reuniões nas residências, para grande pro-
nhão deve ser dirigida por um pastor ordenado ou pelo ancião da igreja. Os veito de todos.
diáconos, embora sejam ordenados, não podem dirigi-la, mas podem ajudar
a distribuir o pão e o vinho aos membros. A Sociedade dos Jovens Adventistas*
A Sociedade dos Jovens Adventistas é a organização de atividade e compa-
Comunhão Para os Doentes. – Se algum membro estiver doente, ou se por nheirismo para os jovens na igreja local. Sob a liderança de um(a) diretor(a)
outro motivo não puder ausentar-se de casa para assistir à cerimônia da co- eleito(a), os jovens devem atuar juntos no desenvolvimento de vigoroso mi-
munhão na casa de culto, poderá ser realizada uma cerimônia especial para nistério jovem, o qual abranja o desenvolvimento espiritual, mental e físico
ele, em sua casa. Esta cerimônia só pode ser dirigida por um pastor ordena- de cada indivíduo, a interação social cristã, e um animado programa de teste-
do ou pelo ancião da igreja, que poderá ser acompanhado por diáconos ou munho que apóie os planos gerais de conquista de almas pela igreja local. O
diaconisas, que ajudem na cerimônia regular. alvo da Sociedade dos Jovens Adventistas deve ser envolver todos os jovens
em atividades significativas que os vinculem mais estreitamente com a igreja
A Reunião de Oração e os preparem para o serviço útil.
“As reuniões de oração devem ser as mais interessantes que se realizem; Cada semana devem ser programadas reuniões regulares dos jovens. Reco-
são, no entanto, freqüentemente fracamente dirigidas. Muitos assistem ao menda-se que essas reuniões sejam realizadas às sextas-feiras à noite ou aos
culto de pregação, mas negligenciam as reuniões de oração. Também nisso sábados à tarde. Tais reuniões podem ser realizadas nos lares de responsáveis
exige-se reflexão. Precisamos buscar sabedoria de Deus, e fazer planos para membros da igreja ou como reuniões públicas mais amplas, na igreja. Visto
dirigir essas reuniões de maneira a torná-las interessantes e atrativas. O povo que o programa dos jovens não deve ser separado do resto da igreja, as reu-
tem fome do pão da vida. Se o encontrarem na reunião de oração, ali irão a niões públicas da Sociedade dos Jovens Adventistas devem ser franqueadas a
buscá-lo. todos os membros da igreja. Idealmente, porém, devem ser planejadas e diri-
“Longas e fastidiosas palestras e orações são inadequadas em qualquer gidas pelos próprios jovens. Nas igrejas menores, o programa precisa ter ne-
parte, e especialmente na reunião de oração. Os que são confiados e sempre cessariamente uma índole de envolvimento familiar. (Ver Notas, #5, pág. 95.)
prontos a falar, tomam a liberdade de sacrificar o testemunho dos tímidos e É importante que o programa dos jovens na igreja local seja coordenado
retraídos. Os mais superficiais têm, geralmente, mais a dizer. Longas e mecâ- com a participação de todos os departamentos que provêem o ministério em
nicas são suas orações. Fatigam os anjos e os que os escutam. Nossas orações prol das crianças e dos jovens. Para incentivar esta cooperação e coordena-
devem ser breves e diretas. Que as longas e enfadonhas petições fiquem para ção, o(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais, o(a) diretor(a) dos Ministérios
nosso aposento particular, caso alguém queira fazer alguma dessa espécie. de Saúde, o(a) diretor(a) da Divisão da Escola Sabatina dos Jovens, o(a) dire-
Deixai que o Espírito de Deus vos entre no coração, e Ele daí expelirá toda a tor(a) da escola da igreja, o(a) diretor(a) do Clube dos Desbravadores, o(a)
seca formalidade.” – Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 457.
_________________
De tanta importância é a reunião de oração semanal, que devem ser feitos *Esta é uma abreviatura aceita do nome oficial completo: “Sociedade dos Jovens Ad-
esforços mais do que comuns para assegurar-lhe o êxito. As reuniões devem ventistas do Sétimo Dia.”
86 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 87

diretor(a) do Clube dos Aventureiros e outros líderes que forem necessários Salvador deu “autoridade aos Seus servos, e a cada um a sua obra”. Marcou uma
serão membros do Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas, o qual é reunião com Seus onze discípulos, depois de Sua ressurreição, com o propósi-
responsável pelo planejamento do programa do ministério jovem na igreja to de transmitir-lhes conselhos e animá-los, e nessa ocasião deu a comissão
local. (Ver pág. 115.) (Ver Notas, #6, pág. 95.) evangélica aos discípulos e à igreja congregada, que contava mais de quinhen-
Embora um programa de ministério jovem bem-sucedido na igreja local tos irmãos. Foi essa a primeira reunião missionária da Igreja cristã; e certamen-
abranja uma vigorosa Escola Sabatina dos jovens, deve haver um tempo e lu- te não iria ser a última.
gar específicos para mais interação, companheirismo, recreação, testemunho Como parte permanente e definitiva das reuniões da Igreja cristã, a reu-
e treinamento da liderança, todos os quais fazem parte dos conceitos a serem nião missionária recebeu a aprovação divina em todos os tempos. Por meio
promovidos na Sociedade dos Jovens Adventistas. do Espírito de Profecia, nos é dito: “Deus confiou a nossas mãos uma obra
por demais sagrada, e necessitamos de nos ajuntar em reuniões para receber
A Sociedade dos Juvenis Adventistas instruções, a fim de nos habilitarmos a realizar essa obra.” – Testemunhos Para
O propósito da Sociedade dos Juvenis Adventistas é idêntico ao da orga- a Igreja, vol. 6, pág. 32. (Grifo acrescentado.)
nização da Sociedade dos Jovens Adventistas de mais idade: formar o caráter, Deus confiou a nossas mãos uma obra por demais sagrada, e necessitamos
prover interação social, dar preparo de liderança e envolver os juvenis no ser- de nos ajuntar em reuniões para receber instruções, a fim de nos habilitarmos
viço cristão. Nos países onde há escolas adventistas, a Sociedade dos Juvenis a realizar essa obra.
Adventistas é normalmente uma parte do currículo espiritual da escola. (Ver
Notas, #7, pág. 95.) A Hora das Reuniões. – O primeiro sábado de cada mês é geralmente reco-
nhecido como o Sábado Missionário da Igreja. O culto desse sábado focaliza
O Clube dos Desbravadores o evangelismo dos membros, mas outros departamentos, além do Departa-
O Clube dos Desbravadores provê um programa especializado necessário mento dos Ministérios Pessoais, podem ter a oportunidade de apresentar seus
para os juvenis, e nalguns aspectos tem substituído a Sociedade dos Juvenis interesses nesses dias especiais. Isto, porém, deverá ser feito mediante cuida-
Adventistas na igreja local. Onde há os dois, deve haver estreita coordenação dosas deliberações com os departamentos envolvidos. (Ver Notas, #8, pág. 96.)
e cooperação entre o Clube dos Desbravadores e a Sociedade dos Juvenis Ad-
ventistas. Os Desbravadores se reunirão de acordo com as normas departa- Fornecimento de Literatura no Sábado. – Em geral, reconhece-se que o sá-
mentais da Associação/Missão. bado costuma ser o momento mais oportuno para que o(a) secretário(a) dos
Ministérios Pessoais ponha as publicações nas mãos dos membros. Métodos
O Clube dos Aventureiros censuráveis e que tendam a desviar a atenção da congregação do verdadeiro
O Clube dos Aventureiros provê um programa especializado e próprio culto e reverência, devem ser evitados no sábado.
para o rápido desenvolvimento das crianças da igreja local, bem no começo
da idade escolar. Destina-se a fortalecer a participação dos pais no desenvol- Reuniões Administrativas
vimento da meninice de seus filhos. Suas reuniões e outras atividades devem Reuniões administrativas da igreja, devidamente convocadas pelo pastor
ser efetuadas de acordo com as normas do Campo local, delineadas nos ma- ou pela Comissão da Igreja, depois de consultar o pastor, podem ser realizadas
nuais do clube, e em coordenação com outras organizações relacionadas com uma vez por mês ou uma vez por trimestre, de acordo com as necessidades da
os jovens e a família na igreja local. igreja. Os membros regulares que constam do Livro de Registro da igreja que
realizar a reunião administrativa, podem participar e votar. O quórum será
Reuniões Missionárias da Igreja decidido pela igreja numa reunião administrativa, ou pela Comissão da Igre-
A comissão do Salvador coloca sobre a Igreja o encargo de proclamar o ja. Votos por procuração ou carta não serão aceitos. Para manter um espírito
evangelho a todo o mundo. Isto põe também, sobre cada membro, a responsa- de estreita cooperação entre a igreja local e a Associação/Missão, a igreja deve
bilidade de transmitir a mensagem de salvação a tantos quantos seja possível. O buscar o conselho dos administradores do Campo local em todos os assuntos
88 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 89

de maior importância. Os administradores (pastor geral, secretário e tesourei- Membros. – Os seguintes oficiais da igreja devem ser membros da Comis-
ro) da Associação/Missão à qual pertence a igreja podem assistir a qualquer são da Igreja:
reunião administrativa dentro do território da Associação/Missão, sem votar Ancião(s)
(exceto quando a igreja o autorizar). Diácono-chefe
Uma reunião administrativa da igreja, devidamente convocada, é a reu- Diaconisa-chefe
nião convocada num culto regular de sábado, avisando-se também o tempo Tesoureiro(a)
e local dessa reunião. Nessas reuniões, que o pastor presidirá (ou poderá fa- Secretário(a)
zer arranjos para que em sua ausência sejam presididas pelo ancião local), Diretor(a) dos Ministérios Pessoais
deverão ser dadas à congregação amplas informações sobre a obra da igreja. Secretário(a) dos Ministérios Pessoais
No fim do ano, deverão ser apresentados relatórios sobre as atividades da Coordenador da Sociedade de Homens Adventistas
igreja durante o ano inteiro; e, com base nesses relatórios, a igreja deverá Coordenador de Ministérios de Publicações
aprovar um amplo plano de ação. Sempre que possível, convém que os rela- Coordenador da Escola Bíblica
tórios e o plano de ação para o ano seguinte sejam apresentados por escrito. Diretora do Serviço Beneficente e Social Adventista
(Ver Notas, #9, pág. 96.) Diretor(a) da Escola Sabatina
Diretor(es) dos Ministérios da Família
A Comissão da Igreja e Suas Reuniões Diretora dos Ministérios da Mulher
Definição e Função. – A Comissão da Igreja se compõe dos principais ofi- Coordenador(a) dos Ministérios da Criança
ciais da igreja. São-lhe atribuídas diversas responsabilidades importantes, Secretário(a) de Educação
mas o seu encargo de maior relevância é a nutrição espiritual da igreja e a Diretor(a) da Associação Lar e Escola
obra de planejar e promover o evangelismo em todos os seus aspectos. Diretor(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas
A grande comissão de Jesus torna o evangelismo – a proclamação das Diretor(a) dos Desbravadores
boas novas do evangelho – a função primordial da Igreja (Mat. 28:18-20). Diretor(a) do Clube dos Aventureiros
Por conseguinte, a função primordial da Comissão da Igreja também é Coordenador(a) de Interessados
atuar como a principal comissão da igreja local. Quando ela dedica seu Presidente da Comissão de Comunicação ou Diretor(a) de Comunicação
maior interesse e suas mais vigorosas energias ao evangelismo por parte de Diretor(a) dos Ministérios de Saúde
todos os membros, é minorada ou evitada a maioria dos problemas da igre- Diretor(a) de Mordomia
ja. Forte e positiva influência é sentida na vida espiritual e no crescimento Diretor(a) de Liberdade Religiosa
dos membros.
Entre as responsabilidades da Comissão da Igreja, encontram-se as seguintes: Em muitos casos, dois ou mais destes cargos são exercidos por uma só pes-
1. Nutrição espiritual dos membros. soa. Membros adicionais da comissão podem ser eleitos pela igreja, se ela o
2. Evangelismo em todos os seus aspectos. desejar. O ministro designado pelo Campo local para ser o pastor da igreja é
3. Preservação da pureza doutrinária. sempre membro da Comissão da Igreja.
4. Defesa das normas cristãs.
5. Recomendar alterações no conjunto de membros. Oficiais. – O presidente da Comissão da Igreja é o ministro designado
6. As finanças da igreja. para ser o pastor da igreja. Se o pastor preferir não desempenhar esta função,
7. Proteção e cuidado das propriedades da igreja. ou se achar impossibilitado de estar presente, poderá providenciar que o an-
8. Coordenação dos departamentos da igreja. cião da igreja atue como presidente numa base transitória. O(a) secretário(a)
A comissão é eleita pelos membros da igreja, por ocasião da eleição regu- da igreja atua como secretário(a) da comissão, e é responsável por preservar
lar dos oficiais da igreja. (Ver pág. 49.) as atas das reuniões.
90 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 91

Reuniões. – Visto que a obra da Comissão da Igreja é muito importante alistar todos os membros e as crianças nalguma forma de serviço missionário
para a vida, a saúde e o crescimento da igreja, ela deve reunir-se pelo menos pessoal. Devem ser dirigidas classes de preparo em diversos setores do minis-
uma vez por mês. Nas igrejas grandes, poderá ser necessário realizar tais reu- tério de avanço missionário.
niões com mais freqüência. Convém marcar a hora da reunião mensal para o 4. Cooperar com o(a) coordenador(a) de interessados da igreja, para asse-
mesmo dia e a mesma semana de cada mês. (Por exemplo: a primeira segun- gurar que todo interesse na mensagem, que tenha sido despertado e relatado
da-feira de cada mês.) por qualquer fonte, seja pessoal e prontamente secundado por um membro
A reunião da Comissão da Igreja é anunciada no culto regular do sábado. designado para isso.
Deve-se fazer todo o esforço possível para que todos os membros da comis- 5. Estimular cada departamento a prestar pelo menos um relatório trimes-
são estejam presentes a cada uma das reuniões. tral à Comissão da Igreja e ao conjunto de membros, numa reunião adminis-
Cada igreja deve determinar, em uma de suas reuniões administrativas, trativa e/ou em reuniões no dia de sábado.
devidamente convocada, o número de membros da Comissão da Igreja que 6. Os pormenores da administração da igreja devem ser considerados
terão de estar presentes a suas reuniões para constituir o quorum desta co- pela comissão, e convém que o(a) tesoureiro(a) relate a situação das finanças
missão. Votos por procuração ou carta não serão aceitos. da igreja numa base regular. Deve-se repassar a lista dos membros da igreja,
inquirindo sobre a condição espiritual de cada um deles e tomando provi-
Atribuições da Comissão da Igreja. – 1. Planejar o evangelismo em todos os dências para visitar os doentes, os desanimados e quaisquer membros des-
seus aspectos. Visto que o evangelismo é a obra primordial da igreja, o primei- viados. Os outros oficiais devem prestar informações sobre a área pela qual
ro item na agenda de cada reunião da Comissão da Igreja deve relacionar-se são responsáveis.
diretamente com a evangelização do território missionário da igreja. Além
disso, uma vez em cada trimestre do ano, toda a reunião da Comissão da Igre- Subcomissões. – A Comissão da Igreja não deve permitir que outras ativi-
ja pode muito bem ser dedicada a planos para o evangelismo. A comissão es- dades interfiram no planejamento para o evangelismo. Caso as outras ativi-
tudará as recomendações da Mesa Administrativa do Campo local para pro- dades consumam tempo em demasia, a comissão poderá designar subcomis-
gramas e métodos evangelísticos, determinando como poderão ser cumpridas sões para cuidar de aspectos específicos das atividades da igreja, como as fi-
da melhor maneira possível pela igreja. O pastor e a Comissão da Igreja inicia- nanças ou projetos de construção. Tais subcomissões farão então recomenda-
rão e desenvolverão planos para campanhas de evangelismo público. ções à Comissão da Igreja. Deste modo os recursos da comissão serão preser-
2. Coordenar os programas de extensão dos departamentos. A Comissão vados para sua tarefa primordial – o evangelismo. (Ver Notas, #10, pág. 97.)
da Igreja é responsável pela coordenação da atividade de todos os departa-
mentos da igreja. Isto abrange os programas de extensão dos Ministérios Pes- Reuniões do Conselho Escolar
soais, da Escola Sabatina, dos Ministérios da Criança, dos Jovens, da Saúde, e Na igreja em que há Escola Fundamental, sua atividade é normalmente
da Educação. Cada um destes departamentos elabora os seus planos de avan- orientada por um conselho escolar. Nomeia-se um presidente para dirigir as
ço, dentro de sua própria esfera de ação. Para evitar conflitos na divisão do reuniões desse conselho. Escolhe-se um(a) secretário(a) para encarregar-se
tempo e competições para obter ajudantes voluntários, e para alcançar os re- das atas das reuniões do conselho e suas decisões. Este conselho deverá reali-
sultados mais benéficos, é essencial que haja coordenação. Antes de comple- zar reuniões em ocasiões regulares. O presidente poderá convocar reuniões
tar e anunciar os planos para qualquer programa, cada departamento deve especiais quando for necessário. Algumas igrejas preferem que a própria Co-
submetê-los à aprovação da Comissão da Igreja. Os departamentos também missão da Igreja, ou uma subcomissão dela, atue como conselho escolar.
relatam à Comissão da Igreja o progresso e os resultados de seus programas
de extensão. A Comissão da Igreja poderá sugerir aos departamentos como Associação Lar e Escola
os seus programas poderão contribuir para a preparação, para o desempenho A Associação Lar e Escola é organizada pela igreja local para coordenar as
e para o reforço de uma campanha de evangelismo público. atividades da escola, dos lares e da igreja. Recomenda-se que essas reuniões
3. Estimular e ajudar o Departamento dos Ministérios Pessoais da igreja a sejam realizadas mensalmente. Deve ser dada atenção à educação dos pais,
92 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 93

bem como ajuda à escola para que ela adquira recursos necessários, tais O ancião, especialmente se ele é um ministro licenciado, colabora com
como: sala para os pais, livros, materiais e equipamentos educativos. o pastor regular no planejamento da ordem do culto. Se a igreja não tem
Materiais para auxiliar os dirigentes da Associação Lar e Escola podem ser pastor regular, o ancião está encarregado de cuidar do culto, e deve dirigi-
obtidos através do Departamento de Educação. lo ou tomar providências para que outro o faça. De vez em quando, pode-
rá ser realizada uma reunião de testemunhos e louvor, ou o tempo ser con-
Notas cedido a determinados membros para contarem suas experiências na obra
Estas notas contêm material explicativo a respeito de como as igrejas locais po- missionária.
dem proceder em determinados aspectos. Elas podem adotar maneiras alternati-
vas de lidar com tais itens. Tais métodos alternativos devem estar em harmonia 2. A Ordem do Culto. (Ver pág. 78.) – As seguintes são duas formas de cul-
com os princípios aceitos e adotados pela organização da Igreja Adventista do Sé- to sugestivas:
timo Dia em geral.
Ordem de Culto Mais Longo
1. A Forma do Culto. (Ver pág. 78.) – Quando os ministros sobem à plata-
forma e se ajoelham, a congregação também deve, com a cabeça inclinada, Prelúdio Musical
implorar a presença e a bênção de Deus. O silêncio reverente prepara o espí- Anúncios
rito para o hino inicial e os exercícios que se seguem. Coro e Entrada dos Pastores
As duas partes principais do Culto Divino são as seguintes: Doxologia
a. A atitude de louvor e adoração por parte da congregação, expressa nos Invocação
hinos, na oração e nas ofertas. Leitura das Escrituras Sagradas
b. A mensagem da Palavra de Deus. Aquele que traz a mensagem e distri- Hino de Louvor
bui o pão da vida deve sentir plenamente a natureza sagrada dessa obra e es- Oração
tar cabalmente preparado para isso. Assim também, a pessoa que guia os ado- Cântico ou Música Especial
radores à presença de Deus por meio da oração pastoral, realiza talvez o exer- Oferta
cício mais sagrado de todo o culto, e, com um senso de temor respeitoso, deve Hino de Consagração
humildemente compreender sua importância. Convém que se ajoelhe de Sermão
frente para a congregação, e esta, por sua vez, até onde seja possível, ajoelhar- Hino
se-á de frente para a plataforma. A oração deve ser curta, mas conter adora- Bênção
ção, agradecimento e a menção das necessidades pessoais dos adoradores, A Congregação Permanece de Pé ou Sentada Para Uns Momentos de Ora-
bem como as do grande campo mundial. ção Silenciosa
A música especial, ou um hino devocional, é oportuna imediatamente antes Poslúdio Musical
do sermão. Em seguida, vem o que deve ser uma das partes mais importantes
da hora do culto: o ato de alimentar espiritualmente o rebanho de Deus. Ben- Ordem de Culto Mais Curto
ditos são os resultados que para a glória de Deus sempre se seguem quando
uma congregação realmente é alimentada e sente que “Deus visitou o Seu povo”. Anúncios
A oferta é uma parte vital da hora do culto. Ao mesmo tempo que somos Hino
aconselhados a adorar ao Senhor “na beleza da Sua santidade”, também so- Oração
mos exortados a trazer “oferendas”, e entrar “nos Seus átrios” (Sal. 96:9 e 8). Oferta
Assim, a apresentação de nossas ofertas a Deus encontra seu lugar em forma Hino ou Música Especial
totalmente natural como parte do culto divino. Sermão
94 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 95

Hino Mateus 26:27-29; Marcos 14:23-25; ou Lucas 22:20. Os oficiantes ajoelham-


Bênção se para a oração sobre o vinho. Os diáconos servem novamente a congrega-
A Congregação Permanece de Pé ou Sentada Para Oração Silenciosa. ção. Nesse momento poderão ser continuadas as atividades sugeridas duran-
te a distribuição do pão. Depois de servidos os pastores ou anciãos oficiantes,
3. Lava-pés. (Ver pág. 80.) – Devem ser providenciados locais separa- todos os adoradores participam juntos do vinho.
dos para o rito do lava-pés de homens e mulheres. Quando escadas ou a Um método opcional é que o pão seja abençoado e partido, e então colo-
distância constituírem um problema, devem-se tomar providências em fa- cado junto com o vinho na mesma bandeja que será passada à congregação.
vor dos deficientes. Em lugares onde for socialmente aceitável e onde o O participante toma a ambos da bandeja, ao mesmo tempo. É comido o pão
vestuário for tal que não haja imodéstia, podem-se fazer arranjos separa- e depois feita uma oração silenciosa. Então, após a oração pelo vinho, este é
dos para que marido e esposa ou pais e filhos batizados participem juntos tomado, seguindo-se uma oração silenciosa. Nas igrejas em que os bancos ou
da cerimônia do lava-pés. Para encorajar pessoas tímidas ou sensíveis para assentos têm suportes para os cálices, é desnecessário recolhê-los antes de
as quais a escolha de um companheiro para o lava-pés seja vista como uma concluída a cerimônia.
experiência constrangedora, devem ser designados líderes da igreja cuja
responsabilidade, durante o lava-pés, seja ajudar essas pessoas a encontra- 5. A Sociedade dos Jovens Adventistas. (Ver pág. 85.) – Materiais úteis para
rem companheiros. ajudar a liderança da Sociedade dos Jovens Adventistas da igreja local podem
ser obtidos dos departamentos dos Jovens da Divisão, da União e da Associa-
4. Pão e Vinho. (Ver pág. 81.) – Pode ser cantado um hino enquanto a ção/Missão local. Entre esses materiais encontra-se o Youth Ministry Accent,
congregação volta a se reunir, os pastores ou anciãos oficiantes ocupam seu um periódico trimestral publicado pelo Departamento de Jovens da Associa-
lugar junto à mesa sobre a qual foram colocados o pão e o vinho, e os diáco- ção Geral. Também há muitos folhetos disponíveis, os quais abrangem um
nos tomam seu lugar na primeira fila. Retira-se a toalha que cobre o pão. amplo cabedal de tópicos para ajudar no ministério jovem. Estes podem ser
Pode-se ler uma passagem apropriada das Escrituras, como I Coríntios obtidos dos departamentos dos Jovens das Associações e dos SELS.
11:23 e 24, Mateus 26:26, Marcos 14:22 ou Lucas 22:19, ou pode ser apresen-
tado um breve sermão neste ponto da cerimônia, em vez de em momento 6. Plano de Organização da Sociedade dos Jovens Adventistas. (Ver pág.
anterior. Isso será especialmente eficaz se o sermão enfatizar o significado 85.) – O plano de organização da Sociedade dos Jovens Adventistas é delinea-
do pão e do vinho, de modo que sua mensagem ainda esteja presente na do sucintamente no Capítulo 9: “Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Di-
mente dos participantes ao serem distribuídos os emblemas. Os oficiantes retores.” Informações pormenorizadas podem ser obtidas do(a) diretor(a)
normalmente se ajoelham enquanto se pede a bênção sobre o pão. A congre- dos Jovens da Associação/Missão. É essencial que cada igreja estude seu pró-
gação pode ajoelhar-se ou permanecer assentada. A maior parte do pão a ser prio perfil dos jovens e das famílias, seus recursos, pessoal, instalações e rela-
servido é geralmente partida com antecedência, deixando-se uma pequena ções de escola, desenvolvendo o melhor ministério jovem acompanhando es-
porção em cada prato, para que os anciãos e/ou ministros a partam. O pas- ses fatores. Nalguns lugares pode ser escolhido outro termo para a “socieda-
tor e os anciãos passam os pratos que contêm o pão aos diáconos, e estes o de”, como “comunhão” ou “ação”, mas o nome “Jovens Adventistas” sempre
servem à congregação. Durante esse período de tempo pode haver música deve ser usado para identificar claramente a organização.
especial, testemunhos, um resumo do sermonete, leitura seleta, cântico con-
gregacional ou música para meditação. 7. A Sociedade dos Juvenis Adventistas. (Ver pág. 86.) – Cada sala de aula
Cada pessoa deve reter a sua porção do pão até que o pastor oficiante é considerada uma sociedade separada, com o(a) professor(a) como dirigen-
também tenha sido servido. Quando todos estiverem sentados, o líder con- te e alunos eleitos como oficiais da sociedade. Onde não há uma escola da
vida-os a juntos participarem do pão. São feitas orações silenciosas enquan- igreja, os juvenis devem ser integrados no programa total dos jovens com ín-
to se come o pão. dole de envolvimento familiar.
O pastor então lê uma passagem apropriada, como I Coríntios 11:25 e 26;
96 Manual da Igreja Os Cultos e Reuniões da Igreja 97

8. A Hora das Reuniões. (Ver pág. 87.) – Para desenvolver e fortalecer d. Um relatório dos diáconos e das diaconisas, a respeito das visitas feitas
ainda mais o espírito missionário entre os membros da igreja, podem ser aos membros, de suas atividades em favor dos pobres, e de quaisquer outros
dirigidas reuniões auxiliares dos Ministérios Pessoais, de uma ou mais das aspectos que estejam sob a sua supervisão.
seguintes maneiras: e. Um relatório do(a) secretário(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas,
a. A reunião de dez minutos dos Ministérios Pessoais, realizada cada sá- expondo as atividades efetuadas pelos jovens da igreja no setor missionário,
bado, geralmente depois do encerramento da Escola Sabatina e antes do cul- e em outros aspectos.
to de pregação. f. Um relatório do(a) secretário(a) da Escola Sabatina, mencionando a
b. Uma reunião no meio da semana, ligada à reunião semanal de oração. quantidade de membros e outros assuntos relativos à Escola Sabatina.
Nessa ocasião, a primeira parte da reunião pode ser dedicada a uma mensa- g. Um relatório do(a) tesoureiro(a) sobre a situação financeira da Escola
gem devocional, seguida por um período de oração, lembrando-se que a ado- Fundamental, com pormenores quanto às suas necessidades de equipamen-
ração é vital no crescimento espiritual e na preparação para o serviço. O tem- to, e outros assuntos.
po restante poderá então ser dedicado a um período de treinamento para a h. Um relatório do(a) diretor(a) ou professor(a) da Escola Fundamental,
atividade de evangelização. Serão dadas instruções sobre métodos de con- que contenha tais minúcias como a matrícula, o progresso educacional da es-
quista de almas, e os membros terão a oportunidade de apresentar problemas cola, os batismos de alunos e os resultados dos esforços feitos pelas crianças
que eles têm enfrentado no evangelismo, para discussão em geral. nas campanhas denominacionais.
c. Reuniões dos Ministérios Pessoais em diversas ocasiões, segundo seja i. Um relatório do(a) diretor(a) da Associação Lar e Escola, que abranja as
mais adequado às condições locais. A Comissão dos Ministérios Pessoais atividades e necessidades dessa organização.
deve fazer planos muito bem elaborados para tornar as reuniões missionárias j. Um relatório do(a) diretor(a) de Comunicação, abrangendo a imprensa,
da igreja ocasiões de reavivamento espiritual e preparação prática, e cuidar de o rádio, a televisão e outras atividades correlatas que envolvam a igreja e a co-
que sejam dirigidas com a mesma regularidade e continuidade das demais munidade.
reuniões da igreja.
10. Subcomissões. (Ver pág. 91.) – Em igrejas muito grandes, a comissão
9. Reuniões Administrativas. (Ver pág. 87.) – Os relatórios podem abran- poderá designar uma subcomissão para planejamento evangelístico. Com-
ger as seguintes atividades: por-se-á dos diretores dos departamentos de penetração missionária, sob a
a. Um relatório do(a) secretário(a), mostrando o número atual dos mem- presidência de um ancião. Esta subcomissão prestará um relatório à Comis-
bros da igreja, o número de membros recebidos e os transferidos para outras são da Igreja e também assumirá a tarefa de coordenar os programas de
igrejas. Também deve ser mencionado o número, embora não necessaria- avanço missionário dos departamentos.
mente os nomes, dos que tiveram de ser removidos da comunhão da igreja
durante o ano, bem como dos que faleceram. Naturalmente, um breve relato
das decisões da Comissão da Igreja em suas reuniões será de interesse para
todos os membros da igreja.
b. Um relatório do(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais, fazendo uma ex-
posição das atividades missionárias, incluindo os serviços dos Centros de As-
sistência Social, bem como quaisquer planos de ação no futuro. Em seguida,
deverá vir um relatório do(a) secretário(a) dos Ministérios Pessoais.
c. Um relatório do(a) tesoureiro(a), mostrando o total dos dízimos recebi-
dos e remetidos ao(à) tesoureiro(a) da Associação/Missão; também uma ex-
posição pormenorizada das ofertas missionárias recebidas e remetidas; e uma
exposição a respeito dos fundos locais da igreja, recebidos e despendidos.
Capítulo 9

Organizações Auxiliares
da Igreja e Seus Diretores
A estrutura da Igreja, sob a orientação do Espírito Santo, é vital para o cres-
cimento espiritual dos membros e para o cumprimento da missão da Igreja.
Ela é o esqueleto do corpo. E “todo o corpo, bem ajustado e consolidado, pelo
auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu
próprio aumento, para a edificação de si mesmo em amor” (Efés. 4:16). Os
elementos mais importantes da estrutura e organização da igreja local são as
funções dos oficiais da igreja (ver Capítulo 7) e as organizações auxiliares ou
os departamentos. Este capítulo é uma descrição do seu desígnio, objetivos,
liderança, funções e atividades. Espera-se que os departamentos da igreja lo-
cal cooperem com os departamentos correspondentes, da Associação/Mis-
são, União e Divisão.
A obra dos departame ntos na igreja local está intimame nte liga da à obra
do pa stor, pois as duas estão igual me nte engaja das no mesmo programa da
Igreja. O pa stor atua como conselhe i ro das com issões de todas as organ i z a-
ções auxiliares, e os departame ntos ajudam, em cor relação com a igreja, a
imple me ntar o seu programa. Em ca so de eme rgê nc ia, ou quando as cir-
cu nstâncias o ex i gi rem, o pa stor pode convocar uma reu n ião de qualque r
com issão ou organ i z a ção da igreja, para tratar de assuntos do interesse da
i greja. Ca da igreja local deve util i z ar os présti mos dos departame ntos desc r i-
tos neste capítulo para nutrir seus me mbros e real i z ar a missão que Cr isto
con fiou à Igreja cristã, e espec ial me nte à Igreja re manesce nte, no fim do
te mpo (Mat. 28:19; Apoc. 10:11; Apoc. 14:6).
O Departamento dos Ministérios Pessoais
O Departamento dos Ministérios Pessoais provê recursos e prepara os
membros da igreja para unirem seus esforços com o ministério e os oficiais
da Igreja na proclamação final do evangelho da salvação em Cristo. O objeti-
vo do departamento é incluir todos os membros em diligente serviço de con-
quista de almas para Deus.

A Comissão dos Ministérios Pesso ais. – Esta com issão or ienta os esforços
m issionár ios da igreja local e atua sob a direção da Com issão da Igreja. Deve-
rá reunir- se pelo me nos uma vez por mês, e se comporá das seguintes pessoa s :
100 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 101

o(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais (preside nte), o(a) sec retário(a) dos e desafortu na dos. Esta organização atua em estreita cooperação com os diáco-
Mi n istérios Pessoais, o(a) coorde na dor(a) dos Ministé r ios de Publ ica ções, o nos e as dia con isas da igreja. Contudo, o ministé r io do Serviço Be ne fice nte e
pa stor, um anc iã o, o(a) tesou reiro(a), a diretora do Serv iço Benefice nte e So- Social Adve ntista abrange mais do que prestar ajuda material; envolve també m
c ial Adventista, a sec retár ia do Serviço Bene fice nte e Soc ial Adventista, o dire- a educa ção de adultos, visita ção, afa ze res domésticos, enfermagem ca se i ra ,
tor da Socieda de de Home ns Adventista s, o(a) coorde na dor(a) de Inte ressa- aconselhamento e outros se rviços. O Departamento dos Ministérios Pessoais
dos, o(a) diretor(a) dos Mi n istérios de Saúde, o(a) diretor(a) de Comunicação, da igreja tem primord ial responsabil ida de por este trabalho.
o(a) diretor(a) da Escola Sabati na, o(a) diretor(a) dos Jovens Adventista s, o(a)
coorde na dor(a) do Ministério em Favor de Pessoas com De fic iê nc ia s, o(a) Centro de Assistência Social – Onde a igreja dirige um centro de assistên-
coorde na dor(a) dos Ministé r ios da Cr iança, a diretora do Mi n istério da Mu- cia social, a Comissão de Ministérios Pessoais é a comissão responsável pela
lhe r, o(a) diretor(a) da Assistê nc ia Soc ial Adventista, o(a) diretor(a) dos Servi- administração. O(a) diretor(a) do centro é nomeado(a) pela Comissão dos
ços em Favor da Comunida de, o(a) coordenador(a) da Escola Bíbl ica e outros Ministérios Pessoais e é membro dessa comissão. (Ver Notas, #4, pág. 133.)
me mbros que forem conside ra dos necessários. A Com issão dos Ministé r ios
Pessoais pode rá desi gnar subcom issões para encargos espec ial i z a dos, se g u n- Sociedade de Homens Adventistas. – A Sociedade de Homens Adventistas
do achar necessário. Todas as subcom issões prestam relatór ios à Com issã o é outro grupo subsidiário dentro do Departamento dos Ministérios Pessoais.
dos Mi n istérios Pessoais. (Ver Nota s, #1, pág. 131.) (Ver Notas, #3, pág. 133.)

O(a) Diretor(a) dos Ministérios Pessoais. – O(a) diretor(a) dos Ministérios Ministério em Favor de Pessoas com Deficiências. – Por meio deste ministério, a
Pessoais é eleito(a) pela igreja para tomar a dianteira em preparar e dirigir a Comissão dos Ministérios Pessoais da igreja local deve dar especial atenção aos
igreja na ação missionária ativa e é o(a) presidente da Comissão dos Ministé- membros e outras pessoas com deficiências físicas. Deve desenvolver programas
rios Pessoais. O(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais pode precisar de assis- para dar testemunho a tais pessoas; fazer recomendações à Comissão da Igreja no to-
tentes para co ordenar a Escol a Bíblica por Correspondência, Evangelismo cante a certas med idas que pode r iam tornar as instalações da igreja mais acessíveis a
Bíblico, distribuição de literatura, Recolta, ministérios de pequenos grupos, pessoas com deficiências físicas; ajudar a igreja a encontrar soluções para o proble-
treinamento de membros e outros meios de fortalecer a conquista de almas. ma do transporte dessas pessoas; e orientar a liderança da igreja e seus departamen-
É seu dever apresentar à igreja, no sábado mensal dedicado aos Ministérios tos quanto ao possível envolvimento de membros portadores de deficiências físicas.
Pessoais e nas reuniões administrativas da igreja, um relatório do total das O(a) coordenador(a) do Ministério em Favor de Pessoas com De ficiências atua
atividades missionárias da igreja. como elo de ligação com organizações que provêem serviços em favor de pessoas
portadoras de de ficiências física s.
O(a) Secretário(a) dos Ministérios Pessoais. – O(a) secretário(a) dos Mi-
nistérios Pessoais é eleito(a) pela igreja e desempenha a função de represen- Coordenador da Escola Bíblica – O coordenador da Escola Bíblica é eleito
tante do Serviço Educacional Lar e Saúde para todos os departamentos da para organizar e coordenar o ministério missionário da Escola Bíblica da
igreja. O(a) secretário(a) trabalha em íntima ligação com o(a) diretor(a) dos igreja na comunidade local. O coordenador deve atuar em íntima coopera-
Ministérios Pessoais no desenvolvimento dos programas de avanço missio- ção com o pastor, com o coordenador de Interessados e o diretor de Ministé-
nário da igreja. (Ver Notas, #2, pág. 132.) rios Pessoais. (Ver Notas, #5, pág. 133.)

Serviço Beneficente e So cial Adventista. – O Se rviço Bene fice nte e Soc ial Ad- O Departamento da Escola Sabatina
ventista (Soc iedade de Dorcas) é um ramo importante das Ativida des Missioná- A Escola Sabati na é o pr i nc ipal siste ma de educa ção rel i giosa da Igreja
r ias da igreja. A diretora desse Se rviço, a vice-diretora (se o cargo for necessário), Adve ntista do Sétimo Dia e tem quatro objetivos: estudar as Escritu ra s,
e a sec retária-tesoure i ra, são eleitas na ele ição re g ular da igreja. Esta soc ieda de an- companhe i r ismo, pe netra ção missionária na comu n ida de, e ênfa se nas mis-
garia e prepara roupas, alimentos e outras provisões para os pobres, necessitados sões mu nd iais.
102 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 103

Em coope ra ção com as Div isões mund iais, a missão espec í fica do Departa- da comissão), dos(as) vice-secretários(as), dos(as) diretores(as) das divisões,
me nto da Escola Sabati na da Assoc ia ção Ge ral é distr ibuir as Lições da Escola do(a) secretário(a) do Fundo de Inversão, do(a) diretor(a) dos Ministérios
Sabati na para todos os níveis etár ios, prover esque mas para a programação da Pessoais, do(a) coordenador(a) dos Ministérios da Criança, do(a) diretor(a)
Escola Sabati na de ntro do contex to das várias cultu ras nas Div isões mu nd iais, da Escola Cristã de Férias, de um ancião (designado pela Comissão da Igreja
proporcionar recu rsos e siste mas de preparo para os professores da Escola Sa- ou pela comissão de anciãos) e do pastor. Quanto antes possível, após a elei-
bati na e promover as ofertas da Escola Sabati na para as Missões mund iais. ção dos oficiais, o(a) diretor(a) deve convocar uma reunião da Comissão da
“A Escola Sabatina é um importante ramo do trabalho missionário, não só Escola Sabatina para nomear, segundo for necessário para as várias divisões,
porque proporciona a jovens e velhos o conhecimento da Palavra de Deus, outros oficiais que não fazem parte da Comissão da Escola Sabatina. Estes
mas por despertar neles o amor por suas sagradas verdades e o desejo de es- podem abranger os(as) vice-diretores(as) das divisões, os(as) secretários(as)
tudá-las por si mesmos; ensina-os, sobretudo, a regular a vida por seus santos das divisões, os(as) diretores(as) de música, as(os) pianistas e/ou organistas, e
ensinos.” – Conselhos Sobre a Escola Sabatina, págs. 10 e 11. as(os) recepcionistas.
“A Escola Sabatina, devidamente dirigida, é um dos grandes instrumentos Além desses oficiais rela c ionados no parágrafo anterior, a Com issão da Es-
divinos para levar almas ao conhecimento da verdade.” – Ibidem, pág. 115. cola Sabati na nome ia os professores de todas as div isões, que se rão submetidos
Os dirigentes, os professores e a totalidade dos membros devem cooperar à aprova ção da Com issão da Igreja. Deve-se estudar cuida dosame nte as neces-
com os outros departamentos da igreja em toda obra missionária e atividade sida des de todos os grupos. É aconselhável consultar os(as) diretores(as) das di-
em favor da salvação de almas, ao mesmo tempo que, com empenho, levam visões em particular, para escolher as professoras das div isões das criança s.
avante o evangelismo da Escola Sabatina por meio das classes regulares da Es- Em vista da importânc ia de manter a integr ida de das verdades a serem ensi-
cola Sabatina, e tais atividades como Dia de Decisão, Classes Bíblicas dos Pas- na das e a alta qualida de do ensino, deve - se ter muito cu idado na escolha dos
tores, Dia das Visitas, Escolas Cristãs de Férias e Escolas Sabatinas Filiais, in- professores da Escola Sabati na. O tempo desti nado à lição deve se r, pelo menos,
cluindo Clubes Bíblicos na Vizinhança e Hora de Histórias. Nas igrejas em de tr i nta minutos. Todos os professores devem ser membros re g ulares da igreja .
que há o Departamento dos Ministérios da Criança, as Escolas Cristãs de Fé- A Com issão da Escola Sabati na é responsável pelo bom fu nc ionamento de
rias, as Escol as Sabatinas Filiais para Crianças, os Clubes Bíblicos na Vizi- toda a Escola Sabati na, através da lide rança de seu ( sua) preside nte, o(a) dire-
nhança e a Hora de Histórias estarão sob a direção do Departamento dos Mi- tor(a) ou superinte ndente. A com issão deve rá reunir- se com re g ular idade, se-
nistérios da Criança. (Ver pág. 141.) De igual modo, todos os departamentos gundo for necessár io para a dev ida coordenação do programa de todas as div i-
da igreja devem atuar em união com a Escola Sabatina para fazer com que a sões. Deve rá também ce rti ficar-se de que os mate r iais que se rvem de au x íl iona
atividade da igreja seja tão eficaz quanto possível. elabora ção do programa, bem como as Lições da Escola Sabati na, prepara da s
Os dirigentes da Escola Sabatina devem ser membros da igreja local. São pela Assoc ia ção Ge ral, sejam supr idos em quantida des suficientes e a te mpo.
eleitos por um ou dois anos, segundo determinar a igreja local. (Ver pág. 49.)
Os oficiais que atuam como membros da Comissão da Escola Sabatina são O(a) Diretor(a). – O(a) diretor(a) da Escola Sabatina é o dirigente desse
eleitos do mesmo modo e na mesma ocasião que os oficiais da igreja. A lista departamento. Logo que ele(a) for eleito(a), deverá começar a fazer planos
dos dirigentes da Escola Sabatina e seus auxiliares, a serem eleitos pela igreja, para o esmerado e eficaz funcionamento dessa escola. O(a) diretor(a) deve
é a seguinte: o(a) diretor(a) com um(a) ou mais vice-diretores(as); o(a) secre- apoiar os planos e as ênfases do Departamento da Escola Sabatina da Asso-
tário(a), com um(a) ou mais vice-secretários(as); um(a) diretor(a) para cada ciação/Missão, e espera-se que atue de acordo com as decisões da Comissão
uma das divisões, incluindo a dos adultos e a de extensão; um(a) diretor(a) da da Escola Sabatina. (Ver Notas, #6, pág. 133.)
Escola Cristã de Férias; e um(a) secretário(a) do Fundo de Inversão.
O(a) Vice - Diretor(a). – Podem ser eleitos(as) um(a) ou mais vice - d i reto-
A Comissão da Escola Sabatina. – A Comissão da Escola Sabatina é o corpo res(as) para que ajudem o(a) diretor(a). Ao(à) vice - d i retor(a) ou aos(às) vice -
administrativo desta última. Compõe - se do(a) diretor(a) (que atua como presi- diretores(as) podem ser atr ibu ídas tais responsabil ida des espec í ficas como:
dente), dos(as) vice-diretores(as), do(a) secretário(a) (que atua como secretário(a) promover o evangel ismo da Escola Sabati na e as Missões mu nd iais; coorde nar
104 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 105

a ênfa se missionária se manal, e planejar e promover os alvos de ofe rtas; pro- A(o) Pianista e/ou Organista. – Em Escolas Sabati nas que têm pian istas e/ou
mover e coorde nar os planos e as atividades evangel ísticas na comunida de; e organista s, tais músicos são nomea dos(as) pela Com issão da Escola Sabati na .
cu idar dos me mbros, ex am i nando os re gistros da Escola Sabati na e compa-
rando - os com os re gistros dos me mbros da igreja, e então for mar e impleme n- Os(as) Diretores(as) das Divisões da Escola Sabatina. – A Comissão da
tar planos para au me ntar a freqüênc ia à Escola Sabati na e o nú me ro de me m- Igreja elege um(a) diretor(a) para cada divisão da Escola Sabatina. Os vice-di-
bros. Tais planos devem ince ntivar o empe nho ind iv idual e das classes para retores(as) que forem necessários poderão ser designados pela Comissão da
contatar novos me mbros, e membros que não estejam se ndo assíduos. Escola Sabatina. Mais informações sobre as divisões relacionadas com a ida-
de, desde os principiantes até os adultos, são detalhadas no Manual da Escola
O(a) Secretário(a). – Fidelidade, exatidão e cortesia cris tã são especial- Sabatina, que pode ser obtido do Serviço Educacional Lar e Saúde ou do De-
mente necessárias na obra do(a) secretário(a) da Escola Sabatina (Ver Notas, partamento da Escola Sabatina do Campo local.
#7, pág. 134.) Os deveres dos(as) diretores(as) das divisões abrangem a organização do
programa semanal da Escola Sabatina. Cada divisão deve seguir o programa
O(a) Vice-Secretário(a).– Na ausência do(a) secretário(a), um(a) vice-se- sugerido e delineado para essa divisão no Manual da Escola Sabatina e incluir
cretário(a) assume as responsabilidades. O(a) vice-secretário(a) deve estar sempre determinado período de tempo para ênfase missionária e para o es-
presente a toda reunião da Escola Sabatina, disposto(a) a ajudar no que o(a) tudo da Bíblia e a troca de idéias, apropriados ao nível etário dos que perten-
diretor(a) ou o(a) secretário(a) julgarem necessário. cem a essa divisão da Escola Sabatina. Os(as) diretores(as) das divisões preci-
Se se desej ar, o(a) vice-secretário(a) poderá atuar como secretário(a) da sam certificar-se de que há instalações e apetrechos adequados e exemplares
reunião dos professores e relatar ao(à) secretário(a) qualquer ocorrência que da Lição da Escola Sabatina para todos os membros e visitantes, bem como
deva ser registrada. dispositivos para promover os alvos, diagramas e outros meios de ensino que
forem necessários.
O(a) Secretário(a) do Fundo de Inversão. – O(a) secretário(a) do Fundo de
Inversão dá liderança promocional ao Plano de Investimento para as Mis- A Divisão de Extensão. – Esta divisão cuida dos que se acham impossibi-
sões. Ele/ela incentiva essa atividade em todas as divisões da Escola Sabatina, litados de freqüentar a Escola Sabatina, devido à idade ou doença. Informa-
mantendo todos os membros informados do êxito alcançado. ções especiais sobre a obra do(a) diretor(a) da divisão de extensão podem ser
encontradas no Manual da Escola Sabatina.
O(a) Diretor(a) da Escola Cristã de Férias. – Ele/ela assume a dianteira em
organizar, promover e empreender o evangelismo na comunidade por meio Os Professores da Escola Sabatina. – Todos os professores são escolhidos
da Escola Cristã de Férias anual. (Em algumas igrejas, esta responsabilidade pela Comissão da Escola Sabatina e aprovados pela Comissão da Igreja, para
pode ser atribuída ao(à) coordenador(a) dos Ministérios da Criança.) atuar por um ano. Tais pessoas devem ter aptidão para ensinar e estar dispos-
tas a descobrir maneiras de melhorar sua capacidade de ensino. Devem ser
O(a) Diretor(a) de Música. – A Comissão da Escola Sabatina poderá de- diligentes em sua preparação, assíduos e pon tuais na freqüência e dar um
signar um(a) diretor(a) de música, para dirigir a música da escola e fazer pla- exemplo à classe no estudo diário da Lição da Escola Sabatina.
nos com o(a) diretor(a) para a apresentação deste aspecto da adoração, cada Deve-se fazer especial esforço para escolher professores para as crianças e
sábado. os jovens dentre os membros que tenham os seus melhores interesses no co-
Como expressão de adoração, deve-se ter o cuidado de prover música que ração e habilidade para suprir-lhes as necessidades.
glorique a Deus. Os cantores devem ser escolhidos com tanto cuidado como Todos os professores devem ser incentivados a participar dos cursos de
os que desempenham outras partes no programa da Escola Sabatina, e aferi- preparo publicados pela Associação Geral e/ou pela Divisão, e disponíveis
dos pelas mesmas normas. (Ver pág. 76.) através do Departamento da Escola Sabatina da Associação/Missão.
106 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 107

A Reunião dos Professores da Escola Sabatina. – Recomenda-se que cada deve ser identificada separadamente no sistema regular de relatórios da igre-
Escola Sabatina realize uma reunião semanal dos professores. Ela deve ser di- ja local para a Associação Geral. Isto se faz necessário para ajudar a Associa-
rigida pelo(a) diretor(a), embora outra pessoa possa ser indicada para dirigir ção Geral na distribuição das porcentagens usadas para projetos especiais, de
o estudo da lição do sábado seguinte. Obtêm-se os melhores resultados quan- acordo com as praxes da Igreja. Nenhuma oferta missionária pode ser retida
do a reunião dos professores é realizada antes do sábado, pois com isso se pela igreja local, Associação ou Missão.
provê oportunidade para estudo particular, tanto antes como depois da reu-
nião; é provável que ela se torne também menos apressada do que se for rea- Dinheiro Para Despesas. – Muitas Escolas Sabatinas arrecadam ofertas
lizada no sábado de manhã. Deve-se conceder tempo suficiente para a reu- para suas despesas em datas determinadas. (Ver Notas, #8, pág. 135.)
nião dos professores, e nela deveriam ser realizadas pelo menos três coisas: A oferta para as despesas da Escola Sabatina e a oferta missionária não de-
uma análise proveitosa da lição do sábado seguinte, breve consideração de vem ser contadas como uma só oferta e divididas conforme um acordo ou
um ou mais alvos da Escola Sabatina e a discussão de qualquer problema ge- porcentagem combinada. As ofertas para despesas da Escola Sabatina devem
ral que requeira atenção. ser mantidas completamente separadas das ofertas missionárias.

As Lições da Escola Sabatina. – Compreendendo que “pessoa alguma, a O Relatório Trimestral. – Este relatório deve ser preenchido imediatamen-
não ser os que fortaleceram o espírito com as verdades da Escritura, poderá te depois do último sábado do trimestre, e enviado pelo correio, antes da
resistir no último grande conflito” (O Grande Conflito, pág. 593), os dirigen- data-limite estabelecida, ao(à) diretor(a) do Departamento da Escola Sabati-
tes do Departamento da Escola Sabatina devem fazer tudo o que for possível na e dos Ministérios Pessoais da Associação/Missão. Deve ser lido na reunião
para incentivar o estudo regular e sistemático da Palavra. A Lição da Escola administrativa, trimestral, da igreja. O(a) secretário(a) deverá enviar esse re-
Sabatina destina-se a estimular o hábito de alimentar-se diariamente da Pala- latório ao diretor do Departamento da Escola Sabatina e dos Ministérios Pes-
vra de Deus. Esta prática consagrada pelo tempo muito tem contribuído para soais do Campo local no formulário apropriado, colocar uma cópia no arqui-
manter a unidade cristã por toda a Igreja mundial. vo permanente do(a) secretário(a), e prover cópias para o(a) diretor(a) da Es-
A Associação Geral publica uma Lição da Escola Sabatina para cada divi- cola Sabatina e para o pastor.
são da Escola Sabatina. Por meio dessa lição, cada membro deve ter acesso
aos materiais apropriados ao seu nível etário. Publicações auxiliares para di- A Sociedade dos Jovens Adventistas
rigentes e professores são produzidas pela Associação Geral e/ou pela Divi- A Sociedade dos Jovens Adventistas constitui um departamento da igreja
são, e a publicação apropriada deverá ser acessível a todo dirigente e profes- através do qual ela trabalha em prol de seus jovens e por meio deles.
sor em cada divisão da Escola Sabatina. “Respondeu-lhe Moisés: Havemos de ir com os nossos jovens, e com os
nossos velhos, com os filhos e as com as filhas, com os nossos rebanhos e com
Ofertas da Escola Sabatina. – Todas as ofertas da Escola Sabatina devem os nossos gados havemos de ir; porque temos de celebrar festa ao Senhor.”
ser cuidadosamente registradas pelo(a) secretário(a) da Escola Sabatina e en- Êxo 10:9. “Estas palavras que hoje te ordeno, estarão no teu coração; tu as in-
tregues ao(à) tesoureiro(a) da igreja, com a maior brevidade possível. Quan- culcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo
do são recebidas as ofertas da divisão de extensão, essas ofertas devem ser caminho, e ao deitar-te e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua
acrescentadas às já recebidas pela Escola Sabatina. mão e te serão por frontal entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de
Com exceção dos fundos para as despesas, todas as ofertas da Escola Sa- tua cassa, e nas tuas portas.” Deut. 6:6-9. “Ninguém despreze a tua mocidade;
batina são ofertas da Associação Geral e devem ser remetidas em sua totali- pelo contrário, torna-te padrão dos fiéis, na pala vra, no procedimento, no
dade pelo(a) tesoureiro(a) da igreja à Associação/Missão, para envio à Asso- amor, na fé, na pureza.” I Tim. 4:12.
ciação Geral. Esses fundos incluem a oferta semanal regular da Escola Saba- “Temos hoje um exército de jovens que muito podem fazer se devidamen-
tina, a oferta do Décimo Terceiro Sábado, a do Fundo de Inversão e a dos ani- te dirigidos e animados. ... Desejamos que eles sejam abençoados por Deus.
versariantes. Todas essas ofertas são fundos missionários, e cada uma delas Desejamos que desempenhem uma parte em planos bem organizados para
108 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 109

ajudar a outros jovens.” – Ellen G. White, em General Conference Bulletin, 29 vação dos jovens por meio de Jesus Cristo. Entendemos que o ministério jo-
e 30 de janeiro de 1893, pág. 24. vem é a obra da Igreja conduzida para, com e pelos jovens.*
A serva do Senhor recomendou o estabele cimento de uma organização Nosso encargo deve ser:
dos jovens em cada igreja e disse de que espécie deveria ser esta organização. 1. Levar os jovens a compreenderem seu valor pessoal e a desc obrirem e
“Que haja um grupo formado, algo parecido com a ordem da Christian En- desenvolverem seus dons e habilidades espirituais.
deavor Society.” – Conselhos Sobre Saúde, pág. 537. “Organizem-se grupos em 2. Preparar e habilitar os jovens para uma vida de serviço com a igreja de
toda igreja para realizar este trabalho.” – Ellen G. White, em Signs of the Times, Deus e a comunidade.
29 de maio de 1893. 3. Assegurar a integração dos jovens em todos os aspectos da vida e lide-
“Havendo a juventude entregado o coração a Deus, não cessa ainda nossa rança da igreja, para que participem plenamente na missão da igreja. (Ver
responsabilidade em seu favor. É preciso que eles se interessem na obra do Se- Notas, #9, pág. 135.)
nhor, e sejam levados a ver que Ele espera que façam alguma coisa para que
Sua causa avance. Não basta mostrar quanto se precisa fazer, e insistir com a Objetivos. – Em resposta a essas diretrizes inspiradas, foi organizado o De-
mocidade para t omar parte. É mister ensinar-lhes a maneira de trabalhar partamento dos Jovens a fim de dar preparo de liderança e prover recursos
para o Mestre. Exercitá-los, discipliná-los, adestrá-los nos melhores métodos materiais e planos evangelísticos para a Sociedade dos Jovens Adventistas nas
de atrair almas para Cristo. Ensinai-os a experimentar, quieta e despretensio- igrejas locais. O Espírito de Profecia expôs os objetivos da organização dos jo-
samente, auxiliar seus jovens companheiros. Disponham-se sistematicamen- vens da maneira que segue: 1) preparar os jovens para trabalhar por ou tros
te vários ramos de trabalho missionário, nos quais eles possam tomar parte, e jovens; 2) recrutar os jovens para que ajudem sua igreja e “os que professam
dêem-se-lhes instruções e auxílio. Assim aprenderão a trabalhar para Deus.” ser observadores do sábado”; e 3) trabalhar “em favor dos que não são de nos-
– Obreiros Evangélicos, pág. 210. sa fé”. – Signs of the Times, 29 de maio de 1893.
“Com tal exército de obreiros como o que poderia fornecer a nossa juven- No esforço de alcançar esses objetivos, devem os jovens: 1) orar juntos, 2)
tude devidamente preparada, quão depressa a mensagem de um Salvador estudar a Palavra juntos, 3) comungar juntos em interação social cristã, 4)
crucificado, ressuscitado e prestes a vir poderia ser levada ao mundo todo!” – atuar juntos em pequenos grupos, na execução de planos bem traçados para
Mensagens aos Jovens, pág. 196. dar testemunho, 5) desenvolver tato, habilidade e talento no serviço do Mes-
Conquanto deva existir uma ativa Sociedade dos Jovens Adventistas em tre, e 6) animar uns aos outros no crescimento espiritual.
toda igreja, é importante que o programa dos jovens não seja separado do O Alvo da Sociedade dos Jovens Adventistas é: “A Mensagem do Advento
resto da igreja. Além de sua participação na organização dos jovens, eles de- a Todo o Mundo Nesta Geração.”
vem ser integrados na liderança responsável e no envolvimento no programa O Lema é: “O Amor de Cristo nos Constrange.”
de toda a igreja. Deve haver jovens anciãos, jovens diáconos e diaconisas, etc.,
labutando com experientes oficiais de igreja. Em todos os setores da obra da Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas. – Há três categorias de
igreja deve haver jovens em atividade. “Para que a obra possa avançar em to- membros na Sociedade dos Jovens Adventistas. (Ver Notas, #10, pág. 135.)
dos os ramos, Deus pede vigor, zelo e coragem juvenis. Ele escolheu a moci-
dade para ajudar no progresso de Sua causa. Planejar com clareza de espírito A Comissão dos Ministérios dos Jovens Adventistas. – Esta comissão é a or-
e executar com mãos valorosas, exige energias novas e sãs. Os jovens, homens ganização coordenadora responsável pelo planejamento geral do programa
e mulheres, são convidados a consagrar a Deus a força de sua juventude, a fim do ministério dos jovens na igreja local. (Ver pág. 85.) Compõe-se dos oficiais
de que, pelo exercício de suas faculdades, mediante vivacidade de pensamen- eleitos da sociedade, mais o(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais, o(a) dire-
to e vigor de ação, possam glorificá-Lo, e levar salvação a seus semelhantes.” – tor(a) da divisão da Escola Sabatina dos Jovens, o(a) diretor(a) dos Ministé-
Obreiros Evangélicos, pág. 67. rios de Saúde, o(a) diretor(a) do Clube dos Desbravadores, o(a) diretor(a) do
________________
Declaração de Missão. – O principal enfoque do ministério jovem é a sal- *Adotado pelos Diretores de Jovens da Associação Geral e das Divisões, julho de 1993
110 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 111

Clube dos Aventureiros, o(a) diretor(a) da escola da igreja (se houver), o(a) O(a) Diretor(a) dos Jovens e o(a) Vice-Diretor(a). – Como seguidor(a) de
conselheiro(a) e o pastor. O(a) diretor(a) da Sociedade dos Jovens Adventis- Jesus, o(a) diretor(a) dos jovens deve ser um exemplo das virtudes de um(a)
tas, o(a) qual é membro da Comissão da Igreja, preside a Comissão dos Mi- cristão(ã) genuíno(a), com solicitude pela conquista de almas e entusiasmo
nistérios dos Jovens Adventistas. contagioso. Ao ajudar a motivar os jovens a trabalharem juntos e a assumi-
A comissão deve reunir-se tantas vezes quantas forem necessárias para pla- rem responsabilidades, o(a) diretor(a) muitas vezes ficará em segundo plano,
nejar e dirigir um ministério jovem be m - suced ido na igreja local. As reuniões da orientando, aconselhando e animando os jovens, ajudando-os a obterem ex-
comissão devem dispor de tempo para oração, para estudo de me ios que ajude m periência e a alegria da consecução. Será necessário estudar o perfil dos jo-
os jovens espiritualmente, e para planos referentes a ativida des de testemunho. A vens da igreja e procurar envolver todo jovem na sociedade.
comissão também será responsável por fa zer com que sejam programa das reu- O(a) diretor(a) dos jovens manter-se-á em íntimo contato com o pastor,
niões regulares para os jovens, e trabalhará com outros departamentos para com o(a) conselheiro(a) e com o(a) diretor(a) dos Jovens da Associação/Mis-
coordenar o programa dos jovens na igreja local. Para que o ministério jovem al- são, aproveitando tod as as oportunidades para adestram ento no serviço e
cance eficazmente os seus objetivos, deve haver planos de cu rto e longo alcance. conduzindo a sociedade a uma relação de cooperação com a igreja e com o
Campo local.
O Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas. – O Conselho da Socie- O(a) vice-diretor(a) auxiliará o(a) diretor(a) dos jovens nessa obra, e, em
dade dos Jovens Adventistas é responsável pelas atividades dos jovens de 16 sua ausência, presidirá o Conselho da Sociedade dos Jovens Adventistas e
ou mais anos de idade, da igreja local, e atua em coordenação com as outras cumprirá os deveres do(a) diretor(a). Também lhe serão designadas certas
entidades dos jovens por meio da Comissão dos Ministérios dos Jovens Ad- responsabilidades, segundo for determinado pela conselho. Nas igrejas me-
ventistas. Onde há o programa dos Desbravadores ou dos Aventureiros, a So- nores, pode ser-lhe designado o cargo de secretário(a)-tesoureiro(a).
ciedade dos Jovens Adventistas incluirá esses membros mais novos numa So-
ciedade Juvenil. O(a) Secretário(a)-Tesoureiro(a) e o(a) Vice-Secretário(a)-Tesoureiro(a).
– Como no caso dos outros oficiais, a primeira qualidade do(a) secretário(a)-
Os Oficiais da Sociedade dos Jovens Adventistas. – Um dos principais fa- tesoureiro(a) é a espiritualidade e a dedicação. Deve conhecer ao Senhor, po-
tores do êxito de qualquer Sociedade dos Jovens Adventistas é a sua lideran- der falar por experiência pessoal, e sentir solicitude pelos jovens. O(a) secre-
ça. Quando os oficiais são cristãos dedicados e ativos, com iniciativa e habili- tário(a)-tesoureiro(a) manterá um registro das atividades da sociedade, e en-
dade para organizar e inspirar a outros, a obra irá avante, jovens serão salvos viará um relatório mensal, em formulários especiais fornecidos pela Associa-
e preparados para o serviço de Deus, e a igreja inteira será fortalecida. ção/Missão, ao(à) diretor(a) dos Jovens do Campo local. Também animará os
Os ofic iais da Soc ieda de dos Jove ns Adve ntista s, ele itos pela igreja, são es- jovens a relatarem suas atividades em dar testemunho, durante o período de
tes: diretor(a), vice - d i retor(a), sec retário ( a ) - tesoureiro(a), vice - sec retár io(a)- dez minutos dos Ministérios Pessoais, no fim do estudo da lição da Escola Sa-
tesoureiro(a), diretor(a) do coro ou da música, pian ista ou organ ista, e conse- batina nas classes. (Ver Notas, #11, pág. 136.)
lhe i ro, o qual pode ser um dos anc iã os locais. Visto que a música dese mpe nha O(a) vice-secretário(a)-tesoureiro(a) (se for necessário) auxilia o(a) secre-
um papel mu ito importante na for ma ção do caráter dos jove ns, os músicos de- tário(a)-tesoureiro(a) em seus encargos, segundo arranjos mútuos, e atua na
vem ser escolh idos com tanto cu ida do como os outros ofic iais da Soc ieda de ausência deste(a) último(a).
dos Jovens Adventista s. (Ver pág. 85.) Este grupo constitui o núcleo do Conse-
lho da Soc ieda de dos Jovens Adventista s, o qual, de comum acordo com os jo- O(a) Conselheiro(a) da So ciedade dos Jovens Adventistas. – Este(a) pode
ve ns, nome ia outros ofic iais, tais como: diretor(a) de comu nhão ou soc ial, di- ser um anc ião ou outra pessoa qual i ficada da Com issão da Igreja, que com-
retor(a) devocional, bibl iotecár io(a), diretor(a) de publ ic ida de e dirigentes de pree nda cabal me nte os objetivos da soc ieda de e si mpati ze com os jovens e seu
grupos de ação. Nas igrejas menores, uma só pessoa te rá necessar iame nte de envolv i me nto nos ministé r ios da igreja. Ele(a) atua como guia ou conselhe i-
a ssumir dive rsas responsabil ida des. O maior nú me ro possível de jove ns deve ro(a) dos ofic iais da Socieda de dos Jovens Adve ntistas e se reú ne re g ular me n-
estar envolv ido no planejame nto e na execução do programa dos jovens. te com eles por ocasião das reuniões do Conselho da Soc ieda de dos Jove ns
112 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 113

Adventista s. Também se rá al g uém que os jovens amem e ao qual recor ram em sendo o(a) professor(a) o(a) dirigente da sociedade. Quando a Sociedade dos
busca de conselho. Ele(a) coope ra com o(a) diretor(a) dos jovens na aprese n- Juvenis Adventistas é conduzida na escola da igreja, cada sala de aula é con-
tação das necessida des da socieda de pe rante a Com issão da Igreja . siderada uma sociedade, sendo os alunos das primeiras séries denominados
O(a) conselheiro(a) deve comunicar-se com o(a) diretor(a) dos Jovens do membros preparatórios. Os alunos das séries mais adiantadas são membros
Campo local, mantendo-o(a) informado(a) acerca de quaisquer alterações regulares da Sociedade dos Juvenis Adventistas.
no quadro dos oficiais e de outros assuntos relacionados com a Sociedade dos Embora o(a) professor(a) seja o(a) diretor(a) ou o(a) conselheiro(a) da so-
Jovens Adventistas. Deve assistir aos congressos de treinamento dos jovens ciedade, os alunos devem dirigir as reuniões, as quais geralmente são realiza-
do Campo local, junto com os oficiais da sociedade, para que acompanhe o das durante o período da primeira aula. Os oficiais dos alunos – que incluem
passo do que está ocorrendo no desenvolvimento do ministério jovem e seja o(a) diretor(a) estudantil, o(a) vice-diretor(a), o(a) secretário(a), o(a) tesou-
deste modo mais eficiente em seus conselhos. Seria bom que o(a) conselhei- reiro(a), o(a) diretor(a) de música, a(o) pianista e qualquer outra responsabi-
ro(a) exercesse esta função durante um período de vários anos, para que hou- lidade de liderança que a classe decida ter – são escolhidos pela classe, sob a
vesse continuidade. orientação do(a) professor(a). Normalmente, os oficiais exercem suas fun-
ções por um mês a um trimestre, a fim de dar a todos os alunos a oportuni-
Atividades dos Jovens Adventistas. – À medida que os jovens crescem em dade de preparo e responsabilidade de liderança.
seu relacionamento com Jesus Cristo, o Departamento dos Jovens procura Onde não há nenhuma escola da igreja, os juve n is podem ser inte gra dos no
prover-lhes programações dinâmicas e ativas, adaptadas a suas idades, que programa do ministé r io jovem da igreja, ou pode rá ser dirigida uma Soc ieda-
proporcionem um ambiente propício ao desenvolvimento de dons espiri- de dos Juvenis Adve ntistas separa da, nu ma hora apropr ia da. O Clube dos Des-
tuais, como preparação para esta vida e para a vida por vir. Entre elas encon- brava dores tem toma do o lugar da Soc ieda de dos Juvenis Adve ntistas em al g u-
tram-se as seguintes: mas igreja s, pois o seu programa espec ializado abrange os mesmos objetivos,
1. Devocionais e Educacionais. – Devoção Matinal, Ano Bíblico, Série En- além de outras oportu n ida des. Onde há um Clube dos Des brava dores e uma
contro, Semana de Oração dos Jovens Adventistas, Conferências Bíblicas Socieda de dos Juve n is Adventista s, deve haver ínti ma coordenação e coope ra-
Para os Jovens, Curso de Preparo do Ministério Jovem, Curso de Preparo dos ção entre os dois, e o(a) diretor(a) da Socieda de dos Juve n is Adventistas fará
Dirigentes dos Desbravadores, Clube do Livro dos Jovens Adventistas, Guias, parte do Conselho da Diretoria do Clube dos Des brava dores, e vice-ve rsa, con-
Líderes e classes correlatas de preparo para liderança, Especialidades dos Jo- for me determina o Manual dos Desbravadores. (Ver Nota s, #12, pág. 136.)
vens Adventistas, Clube ao Ar Livre, e outros. Os membros da Soc ieda de dos Juve n is Adventistas aprende rão e, pela gra ça
2. Testemunho. – Voz da Mocidade, Grupos de Amizade, Escolas Sabatinas de Deus, procu rarão seguir o Voto e a Lei do Juvenil Adventista e seus ideais:
Filiais, Operação Lareira, Ajuda no Caso de Calamidades, Estudantes Mis-
sionários, Festivais de Fé, Congressos Jovens, Grupo de Canto, Serviços em O Voto do Juvenil Adventista
Favor da Comunidade, Grupo de Literatura e Correspondência, Grupos de
Testemunho e Música Jovem. Pela graça de Deus,
3. Recreativas. – Social Para Salvar, exploração da Natureza, clubes ao ar li- Serei puro, bondoso e leal,
vre, Camping (Acampamento) dos Jovens Adventistas, programas musicais, Guardarei a Lei do Juvenil Adventista,
Especialidades dos Jovens Adventistas, Medalha de Prata, Medalha de Ouro. Serei servo de Deus e amigo de todos.
A Sociedade dos Juvenis Adventistas A Lei do Juvenil Adventista
A Sociedade dos Juvenis Adventistas tem como seus objetivos a prepara-
ção dos juvenis para liderança e serviço cristão e o máximo desenvolvimento A Lei do Juvenil Adventista ordena-me:
das possibilidades de cada indivíduo. Nas igrejas onde há escolas mantidas 1. Observar a Devoção Matinal.
por elas, a Sociedade dos Juvenis Adventistas faz parte do currículo escolar, 2. Fazer minha parte fielmente.
114 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 115

3. Cuidar do meu corpo. triangular tem sido adotado internacionalmente, embora às vezes haja uma
4. Manter a consciência limpa. modificação no nome “Desbravadores”, devido a problemas de tradução e
5. Ser cortês e obediente. equivalência local. Os membros usam o uniforme dos Desbravadores, com
6. Andar com reverência na casa de Deus. suas insígnias, em todas as funções do clube, inclusive a reunião semanal, as
7. Ter sempre um cântico no coração. feiras e os acampamentos dos Desbravadores, e a ida à igreja, sábado de ma-
8. Ir aonde Deus mandar. nhã, no Dia dos Desbravadores. Em algumas igrejas, os grupos etários são di-
vididos no Clube dos Desbravadores Juvenis e no Clube dos Desbravadores
O Alvo e o Lema são os mesmos que os dos Jovens Adventistas. Adolescentes; e quando os desbravadores mais velhos atingem os quinze anos
de idade, podem tornar-se membros da equipe de auxiliares, mediante um
Classes JA – Seis classes de desenvolvimento pessoal são oferecidas aos ju- programa de preparo para liderança.
venis: Amigos, Companheiros, Pesquisadores, Pioneiros, Excursionistas e O(a) diretor(a) dos Des bravadores e o(s) vice-diretor ( es) são eleitos pela
Guia. É concedida uma insígnia aos que se qualificam em cada classe. Clas- i greja, por ocasião das ele ições ge rais, para pe r íodos de um ou dois anos.
ses de desenvolvimento também são oferecidas às crianças de 6 a 9 anos de (Ver pág. 49.) Se forem ele itos dois vice - d i retores, um deles deve ser do sexo
idade: Abelhinhas Laboriosas, Luminares, Edificadores e Mãos Ajudadoras. oposto. Um dos vice-diretores também pode dese mpe nhar a fu nção de se-
cretár io - tesou re i ro do clube. O(a) diretor(a) é me mbro da Com issão da
Especialidades dos Jovens Adventistas. – Um amplo cabedal de especiali- Igreja e também da Com issão dos Ministé r ios dos Jove ns Adve ntista s. Ou-
dades dos Jovens Adventistas – em artes e habilidades, saúde e ciência, artes tros compone ntes da diretor ia dos Des bravadores são os instrutores de ha-
domésticas, mecânica, esforço missionário, natureza, atividades ao ar livre, e bil ida des e aulas da natu reza, e os conselhe i ros, que são responsáve is por
atividades recreativas – inclui níveis de empreendimento em tudo isto, tanto u ma unida de de se is a oito Desbrava dores.
para os juvenis como para os jovens. O programa de investidura como Líder Muitos materiais úteis podem ser obtidos do(a) diretor(a) dos Jovens do
constitui outro desafio aos jovens. Campo local.
O Clube dos Desbravadores O Clube dos Aventureiros
O Clube dos Desbravadores é um progra ma centralizado na igreja que O Clube dos Aventureiros é um programa centralizado nos pais e na igre-
propicia o espírito de aventura e exploração que se encontra em cada meni- ja, o qual provê aos pais um instrumento utilizável em relação a seus filhos de
no e menina. Isto inclui mais atividades, elaboradas cuidadosamente, ao ar li- 6 a 9 anos de idade, e destina-se a estimular a florescente curiosidade das
vre, exploração natural, habilidades, passatempos ou vocações, do que é pos- crianças pelo mundo à sua volta. Este programa abrange atividades específi-
sível na Sociedade dos Juvenis Adventistas. Nesse ambiente, o enfoque espi- cas a essa idade que envolvem tanto os pais como a criança em atividades re-
ritual é bem rece bido, e o Clube dos Desbravadores já demonstrou devida- creativas, habilidades simples, apreço pela criação efetuada por Deus e outras
mente sua influência para ganhar almas. Em muitas igrejas locais, Clubes de atividades que são de interesse para essa idade. Tudo é realizado com um en-
Desbravadores têm substituído a tradicional Sociedade dos Juvenis Adven- foque espiritual que prepara o terreno para a participação na igreja, como
tistas, e, onde há uma escola da igreja, o Clube dos Desbravadores deve am- Desbravador. (Ver Notas, #13, pág. 137.)
pliar as atividades da Sociedade dos Juvenis Adventistas. O(a) diretor(a) do Clube dos Ave ntu re i ros e seus assiste ntes imed iatos
Ativ ida des abrangidas pelo Clube dos Des brava dores são campor is são ele itos pela igreja, pelo pe r íodo de um ou dois anos, por oca sião das ele i-
(acampamentos), feiras, estudo de habilidades, exploração da natureza, estu- ções ge rais. (Ver pág. 49.) Os auxiliares adic ionais são escolh idos pela dire-
do da Bíblia, projetos de testemunho, excursões pelo campo, corridas de bici- tor ia administrativa do clube. O(a) diretor(a) é me mbro da Com issão da
cleta e muitas outras aventuras interessantes. Igreja e da Com issão dos Mi n isté r ios dos Jove ns Adve ntistas da igreja local.
Juvenis de 10 a 15 anos de idade podem tornar-se membros do Clube dos Os mate r iais necessár ios podem ser obtidos do(a) diretor(a) dos Jove ns da
Desbravadores mediante uma cerimônia especial de admissão. O emblema Assoc iação/Missã o.
116 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 117

Educação Cristã e a Escola da Igreja Associação Lar e Escola


Filosofia. – A Igreja dirige um sistema escolar para assegurar que seus jo- Propósito. – O propósito da associação é duplo:
vens recebam uma equilibrada educação física, mental, espiritual, social e vo- 1. Prover a educação dos pais.
cacional, em harmonia com as normas e os ideais denominacionais, com 2. Unir o lar, a escola e a igreja em seus esforços para proporcionar a edu-
Deus como a fonte de todo valor e verdade moral. O declarado interesse da cação cristã adventista do sétimo dia às crianças.
Igreja é a restauração no homem da imagem de seu Criador, resultando no
desenvolvimento mais favorável da pessoa toda, tanto para esta vida como Objetivos. – 1. Educar os pais em cooperação com a igreja e a escola no seu
para a vida futura. trabalho de estímulo ao desenvolvimento da criança como um todo – “O de-
A Igreja administra suas próprias escolas, desde o jardim da infância até a senvolvimento harmônico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais.” –
universidade, com o objet ivo de transmitir a seus filhos os se us próprios Educação, pág. 13.
ideais, crenças, atitudes, valores, hábitos e costumes. As escolas seculares pro- 2. Promover cooperação entre pais e professores no processo educacional.
curam preparar cidadãos patrióticos e respeitadores da lei, e ensinar certos 3. Prover orientação para o estabelecimento, no lar, de uma atmosfera de
valores; as escolas adventistas, além disso, visam a desenvolver leais e cons- amor e disciplina, onde os valores cristãos adventistas do sétimo dia possam
cienciosos cristãos adventistas do sétimo dia. Verdadeiro conhecimento de ser instilados às crianças através do estudo da Bíblia, da oração, do culto fa-
Deus, comunhão e companheirismo com Ele no estudo e no serviço, e seme- miliar e do exemplo provido pelos pais.
lhança com Ele no desenvolvimento do caráter, são a fonte, o meio e o alvo da 4. Propiciar oportunidade para que pais e professores desenvolvam um re-
educação adventista do sétimo dia. lacionamento positivo em sua dedicação às crianças.
5. Apoiar a escola da igreja em seus esforços por harmonizar-se mais ple-
Objetivos. – As escolas dirigidas pela Igreja procurarão prover a todos os namente com os princípios da Educação Cristã na filosofia, no conteúdo e na
seus alunos uma educação que esteja dentro da estrutura da ciência da salva- metodologia.
ção. Os princípios fundamentais e os ramos comuns do conhecimento de- 6. Fortalecer o relacionamento entre o lar e a escola através da promoção
vem ser estudados para desenvolver a proficiência em seu uso. de atividades como:
De maneira específica, essas escolas procurarão influir sobre cada aluno, a. Apresentar sugestões à administração e ao Con selho Escolar, para o
no soerguimento dos princípios de saúde e temperança, no domínio de pro- aperfeiçoamento do currículo.
cessos fundamentais de aprendizado e no ensino de dignos membros de fa- b. Incentivar a freqüente comunicação entre o lar e a escola.
mília, de habilidades vocacionais, educação cívica, uso proveitoso do tempo c. Estimular os pais a visitarem a escola.
disponível e maturidade ética. Procurarão alcançar objetivos de dedicação d. Estimular os professores a visitarem os lares dos alunos.
espiritual, consecução pe ssoal, ada ptação social, res ponsabilidade cívica, e. Prover serviços voluntários, conforme solicitação da escola.
missão e serviço mundial e suficiência econômica por meio do ensino cristo- f. Ajudar a prover a escol a de materiais e equipamentos adicionais não
cêntrico e de alta qualidade. providos pela igreja ou pela Associação/Missão.
7. Trabalhar rumo ao alvo de matricular todas as crianças da igreja na es-
O(a) Diretor(a) de Educação da Igreja. – Reconhecendo que somente cola da igreja. Devem ser feitos diligentes esforços a fim de prover meios para
onde a igreja é lembrada constantemente da sublime missão da Educação que as crianças em condições desfavoráveis possam freqüentar a escola da
Cristã se pode desenvolver e adotar ampla compreensão e clara visão dessa igreja, de modo que nenhuma criança adventista perca a oportunidade da
espécie de educação, cujos alvos precípuos se harmonizem com os da reden- educação adventista do sétimo dia.
ção, cada igreja elegerá um(a) diretor(a) de Educação para promover e dar
apoio à Educação Cristã. Esse(a) diretor(a) será membro da Comissão Dire- Membros. – Os membros da igreja e os patronos da escola são os membros
tiva da Associação Lar e Escola e atuará em cooperação com ela. (Ver Notas, da associação.
#14, pág. 137.)
118 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 119

Administradores. – Todos os pais de alunos são encorajados a tomar parte Alguns dos membros do conselho podem ser pais dos alunos que freqüen-
ativa na Associação Lar e Escola. No entanto, os administradores dessa asso- tam a escola, de maneira que ele se beneficie dos pontos de vista e dos conse-
ciação devem ser membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia, e se compo- lhos dos pais, resultantes de minuciosa observação e experiência.
rão de um(a) diretor(a), um(a) vice-diretor(a), um(a) secretário(a)-tesourei-
ro(a), um(a) bibliotecário(a) e do(a) diretor(a) educacional da igreja. (V er Oficiais. – Os ofic iais compor-se-ão de um preside nte e um(a) sec retá-
pág. 156.) Para que haja continuidade, recomenda-se que alguns dos admi- r io(a). Nos conselhos escolares conjuntos, que mante nham uma escola pa-
nistradores sejam reeleitos para um segundo período de atividade. troc i na da por duas ou mais igreja s, também devem ser nomeados um(a) te-
sou re i ro(a), um vice - preside nte e um(a) vice - sec retár io(a). Onde a escola é
Diretor(a). – O(a) diretor(a) da Associação Lar e Escola deve ser membro mantida por uma só igreja, o preside nte deve ser ele ito pela igreja; onde a es-
da igreja e uma pessoa com exp eriência e êxito na educação de crianças, e cola é mantida por duas ou mais igreja s, o preside nte deve ser escolh ido pelo
cuja mente seja aberta a novas idéias; também deve ser apto(a) a ensinar e conselho escolar, de ntre seus própr ios membros, na primeira reu n ião após a
acreditar na importância da Educação Cristã. ele ição do conselho. Caso não seja possível um acordo entre as igreja s, a es-
colha se rá fe ita pelo Conselho de Educa ção da Associa çã o / Missão ou por
Secretário(a)-Tesoureiro(a).– O(a) secretário(a)-tesoureiro(a) deve guar- sua Mesa Administrativa. O(a) diretor(a) da escola é geral me nte nomea-
dar os relatórios da associação e apresentá-los ao(à) diretor(a) do Departa- do(a) sec retár io(a) do conselho escolar.
mento de Educação do Campo local, no começo e no fim do ano escolar.
Os fundos da associação devem ser entregues ao(à) tesoureiro(a) da igre- Relações do Conselho Escolar Conjunto com as Igrejas Locais. – Onde duas
ja/escola, conservados numa conta separada e revisados de acordo com as ou mais igrejas mantenham uma escola conjunta, qualquer decisão do con-
praxes denominacionais. selho escolar, que implique obrigações financeiras para essas igrejas, deverá
ser submetida às respectivas comissões de igreja, para aprovação.
Membro Ex-Officio. – O(a) diretor(a) da escola será membro ex-officio
(isto é, por dever do cargo) da Comissão da Associação Lar e Escola. Período de Mandato. – Onde for escolhido um conselho escolar indepen-
dente, poderá ser seguido um de dois planos com referência ao tempo em que
O Conselho Escolar os membros são eleitos e ao período de seu mandato: 1) Todos os membros
Membros. – O corpo administrativo de toda Escola Fundamental manti- podem ser eleitos no fim do ano-calendário ou fiscal, e atuarão durante um
da por uma só igreja será uma comissão eleita pela igreja ou um conselho es- ano; 2) os membros do primeiro conselho podem ser escolhidos para perío-
colar designado pela Comissão da Igreja. Este corpo poderá ser, portanto, um dos de um, dois e três anos, respectivamente, sendo os membros novos esco-
conselho escolar separado, a Comissão da Igreja, ou um conselho escolar da lhidos em cada ano subseqüente para um período de três anos. O propósito
Comissão da Igreja designado para essa finalidade. deste plano é ter um núcleo de membros experimentados no conselho esco-
Onde duas ou mais igrejas se unam para fa zer funcionar uma escola, o corpo lar, para manter a continuidade na bem-sucedida orientação educativa.
administrativo se rá um conselho escolar conjunto. (Ver Nota s, #15, pág. 137.) As vagas são preenchidas da mesma maneira que para qualquer outro
Um ou mais membros do conselho escolar podem ser escolhidos dentre posto vago na igreja, entendendo-se que a pessoa que supre a vaga o fará ape-
os membros da Comissão da Igreja, de modo que o conselho escolar fique in- nas durante o resto do período que correspondia ao seu antecessor.
timamente relacionado com a Comissão da Igreja.
O pastor da igreja deve ser membro do conselho escolar. Onde a escola é Reuniões. – O conselho escolar deve reunir-se em ocasiões e locais regula-
mantida por mais de uma igreja, a prática geral é que os pastores das igrejas res, pelo menos uma vez por mês, durante o ano escolar.
envolvidas sejam membros do conselho escolar.
Em escolas do E nsino Fundamental, o(a) diretor(a) da esc ola deve ser Qualificaçõ es. – Os membros do conselho escolar devem ser escolh idos por
membro do conselho. sua consagra ção, por sua crença nos princípios da Educa ção Cr istã e lealda de a
120 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 121

eles, por seu bom se nso e tato, por sua ex periência nos assuntos escolares, e por Organização. – A organização deste ministério requer a adesão e o apoio
seu critério e capa c idade fi nance i ra. Devem crer nas orientações e recomenda- de todo obreiro denominacional, de todo membro e de toda instituição ad-
ções educa c ionais da de nominação, e estar dispostos a segui-las. ventista do sétimo dia. O Departamento de Comunicação promove o uso de
Visto que o conselho escolar da Escola Fundamental é uma importante orga- um bem fundado programa de relações públicas e todas as técnicas moder-
nização da igreja local, os membros desse conselho devem ser escolhidos com nas e meios de comunicação, para a difusão do evangelho eterno. Ele requer
grande cu ida do. As pessoas que não crêem na Educa ção Cr istã, ou que não sim- a eleição de um(a) diretor(a) de Comunicação em cada igreja local, e, onde
patizam com seu programa, não devem ser nomea das como membros do conse- for necessário, uma Comissão de Comunicação.
lho escolar. A convicção quanto aos planos de origem divina, a fé, a coragem e a
compree nsão, são essenc iais para o bom êx ito neste e noutros empree ndimentos. Atribuições do(a) Diretor(a) de Comunicação. – O(a) diretor(a) de Comu-
nicação da igreja tem a responsabilidade de reunir e difundir notícias. Ao
Deveres dos Oficiais. – O(a) presidente convoca as reuniões, preside-as e surgirem oportunidades, apresentará pessoas de interesse em programas de
zela pelo cumprimento das decisões do conselho escolar. Também assina to- entrevistas no rádio e na televisão, e tomará providências para prestar infor-
das as ordens financeiras emitidas pelo(a) secretário(a). mações sobre tais pessoas. Fará todo o esforço possível para manter um rela-
O(a) presidente é membro ex-officio da comissão de inspeção da Escola cionamento de amizade e cooperação com os editores e outras pessoas liga-
Fundamental. Esta comissão tem a responsabilidade de inspecionar e avaliar das aos meios de comunicação. (Ver Notas, #16, pág. 138.)
a Escola Fundamental e suas atividades. O(a) diretor(a) de Comunicação colaborará com o(a) diretor(a) de Co-
O(a) secretário(a) mantém o registro de cada reunião em um livro de atas municação da Associação/Missão na execução dos planos do Campo local e
permanente, emite ordens de pagamento de contas e obrigações, e atende à apresentando os relatórios solicitados. Também apresentará relatórios perió-
necessária correspondência do conselho escolar. dicos nas reuniões administrativas da igreja.
Onde uma só igreja mantém uma escola, a responsabil ida de do(a) tesou-
reiro(a) é em ge ral exe rcida pelo(a) tesoureiro(a) da igreja ou por um(a) vice- A Comissão de Comunicação. – Numa igreja grande, uma comissão de Co-
tesoureiro(a) da igreja, que recebe as taxas escolares e outras quantias; dese m- munica ção poderá lidar mais adequa damente com as muitas facetas do progra-
bolsa dinheiro por ordem do(a) secretár io(a), e assi na da pelo presidente; man- ma de relações públicas e comunica ção da igreja do que um diretor que trabalhe
tém cu idadosa escritu ra ção de todo dinheiro que pa ssa por suas mã os, lançan- sozinho. Esta comissão, presidida pelo(a) diretor(a) de Comunica ção, se rá eleita
do-a dev idame nte em um liv ro de contabil ida de apropr ia do; e em ca da reu- por ocasião da ele ição ge ral dos ofic iais da igreja. Individualmente, os membros
n ião me nsal presta um relatório por menor i z a do ao conselho escolar. Num da comissão podem ter responsabil idades espec í ficas no setor da comunica ção:
conselho escolar conjunto, em que estão envolv idas duas ou mais igreja s, é no- lidar com a imprensa, com o rádio e a telev isão, com o pessoal da Internet, e com
mea do um(a) tesoureiro(a) pelo conselho escolar para cu mprir essa tare fa . os meios de comunica ção internos da igreja. Na re gião em que houver uma ins-
tituição da igreja, um membro de seu pessoal de Relações Públicas deve ser con-
Departamento de Comunicação vida do a assistir às reuniões da comissão. (Ver Notas, #17, pág. 138.)
A Importância da Comunicação Eficaz. – Através dos anos, a Igreja recebeu O pastor, que fu ndamental me nte responde pelo programa de comunicação
i nstruções div i nas sobre a importânc ia do uso dos mode r nos me ios de comu- de sua igreja, atuará em estreita colabora ção, na qual ida de de conselheiro, com
n ica ção de ma ssa na dissemina ção do evangelho. Te mos sido aconselha dos : o(a) diretor(a) de Comu n ica ção e/ou a Com issão de Comu n icação.
“Prec isamos empre gar todo me io ra zoável de levar a luz ao povo. Que a im-
pressora seja usa da, e que se util i zem todos os me ios de propaga ção para cha- Relacionamento com Outros Dep artamentos da Igreja. – Para se rvir ade-
mar a ate nção quanto ao trabalho.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 6, pág. 36. qua damente a igreja, o(a) diretor(a) de Comu n icação deve estar a par dos pla-
“Descobrir-se-ão meios para alcançar os corações. Alguns dos métodos nos e eventos programa dos. Qualquer departamento auxiliar da organização
usados nesta obra serão diferentes dos que foram usados na mesma no pas- da igreja pode desi gnar al g uém para for necer notíc ias das ativ idades desse de-
sado.” – Evangelismo, pág. 105. partamento ao(à) diretor(a) de Comu n icação ou à Com issão de Comu n icação.
122 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 123

Nos Grandes Centros Adventistas. – Se várias igrejas numa cidade decidi- O(a) Vice-Diretor(a) dos Ministérios de Saúde. – Seu dever será ajudar nas
rem criar uma comissão central de Comunicação, cada diretor(a) de Comu- responsabilidades do(a) diretor(a).
nicação deve ser membro dessa comissão central e atuar em harmonia com
todo plano geral que melhor coordene o manuseio de notícias e outras ativi- O Conselho dos Ministérios de Saúde. – Nos lugares onde for praticável,
dades relacionadas com os meios de comunicação para as diversas igrejas. A pode-se escolher um Conselho dos Ministérios de Saúde. Esse conselho tem
organização dessa comissão deverá ser iniciada pelo(a) diretor(a) de Comu- a finalidade de proporcionar dedicada liderança aos membros da igreja e à
nicação da Associação/Missão. As reuniões de tal comissão geral devem ser comunidade no setor do viver saudável, e auxiliar nas atividades conjuntas
convocadas e presididas por um presidente escolhido pelo grupo. para a salvação de almas através de um programa viável de saúde e temperan-
Os Departamentos de Comunicação da Divisão, da União e da Associa- ça com ênfase espiritual. (Ver Notas, #19, pág. 139.)
ção/Missão local providenciam instruções detalhadas para os diretores de O pastor, se não for o presidente, deve ser um membro ex-officio do Conselho.
Comunicação, e, através de materiais impressos, correspondência e outros
meios, prestam constante auxílio e inspiração. Atividades dos Ministérios de Saúde. – O Conselho dos Ministérios de
Saúde, em colaboração com a Comissão dos Ministérios Pessoais, assumirá a
Qualificações. – O(a) diretor(a) de Comunicação deve ser cuidadosamen- liderança no desenvolvimento de um esquema de atividades dos Ministérios
te escolhido(a) levando-se em conta estes fatores: 1) habilidade para repre- de Saúde que inclua tais programas como: cursos para deixar de fumar, cur-
sentar devidamente a igreja, 2) juízo equilibrado, 3) capacidade de organiza- sos de arte culinária, de educação sanitária, de controle do estresse, e outros
ção, 4) habilidade para escrever as notícias em forma atrativa, persuasiva e esforços correlatos.
gramaticalmente correta, 5) boa vontade para cumprir responsabilidades e 6)
habilidade para relacionar-se com as pessoas. Sociedades dos Ministérios de Saúde. – Em algumas regiões, podem ser es-
tabelecidas sociedades dos Ministérios de Saúde ou de Temperança, como
Departamento dos Ministérios de Saúde entidades separadas e distintas das organizações da igreja. O(a) diretor(a) dos
A Igreja aceita sua responsabilidade de revelar Cristo ao mundo e crê que Ministérios de Saúde da Associação/Missão deve estar envolvido(a) no esta-
isso inclui a obrigação moral de preservar a dignidade humana, alcançando belecimento dessas organizações.
ótimos níveis de saúde física, mental e espiritual. Além de ministrar aos en-
fermos, essa responsabilidade abrange a prevenção das enfermidades me- Oferta Mundial do Sábado Pró-Ministérios de Saúde. – A oferta total será
diante eficiente educação sanitária e direção adequada para promover a boa enviada à Associação/Missão local, para ser distribuída de acordo com a pra-
saúde, livre do fumo, álcool e outras drogas, e de alimentos imundos. Onde xe estabelecida entre a Associação Geral, Divisão, União e Associação/Mis-
for possível, os membros serão incentivados a adotar um regime alimentar são. Por meio de um pedido à Associação/Missão, até 25 por cento da oferta
essencialmente vegetariano. recebida na igreja local pode ser revertido para os programas dos Ministérios
de Saúde da igreja.
O(a) Diretor(a) dos Ministérios de Saúde. – Para planejar e promover um
programa eficaz na igreja, é necessár io que seja escolh ido(a) um(a) dire- Departamento de Mordomia
tor(a) dos Mi n isté r ios de Saúde. Deve ser uma pessoa que te nha or ie nta ção O Departame nto de Mordom ia foi organ i z a do para ajudar os me mbros a
a esse respe ito e inte resse em promover as nor mas da igreja ace rca de uma ser mordomos efic ie ntes e para auxiliar na imple me nta ção do plano de Deus
v ida saudável entre os me mbros e a comu n ida de, med iante programas de da doa ção siste mática em toda a Igreja. Visto que a responsabil ida de dos se-
saúde dirigidos pela igreja. Deve ser capaz de planejar programas e preparar res hu manos como mordomos abrange a cor reta administra ção de todos os
i n for ma ções representativas dos ideais e da filosofia da Igreja Adve ntista do aspectos da vida, os conceitos de mordom ia ince ntivam o dev ido cu ida do e
Séti mo Dia, e inte grá-los num eficaz teste mu nho espi r itual e físico. (Ver No- uso do te mplo do corpo, do te mpo, das capa c ida des e das posses mate r iais.
ta s, #18, pág. 138.) O departame nto ajuda a plan i ficar e organ i z ar os recu rsos da igreja, a fim de
124 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 125

terminar a obra. Seus objetivos espi r ituais e fi nance i ros se resu mem na se- cem que famílias cristãs saudáve is produ zem vigorosos membros para o reino de
guinte declara ção: “Quando despertarem e aprese ntarem suas ora ções, sua Deus, e dão cativante testemunho para a comunida de ao seu redor. Os Mi n isté-
r iqueza e todas as suas ene rgias e recu rsos aos pés de Jesus, a causa da ve rda- rios da Família promovem a compree nsão, a ace ita ção e o amor dentro das famí-
de tr iu n fará.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 4, pág. 475. lias humanas e na mais ampla famíl ia de Deus, e ince ntivam a reconcilia ção e a
restaura ção entre as gerações, prometidas na mensagem de El ias, segundo Mala-
O(a) Diretor(a) de Mordomia. – O(a) diretor(a) de Mordomia, eleito(a) qu ias 4:5 e 6. Tra zem espe rança e amparo aos que têm sido prejudica dos e afligi-
pela igreja, é escolhido(a) por sua capacidade para promover os conceitos e dos por abusos, disfunção famil iar e rela c ionamentos desfeitos. Os Mi n istérios da
objetivos delineados pelo Departamento de Mordomia, e deve possuir as se- Famíl ia promovem a competênc ia em diversas habil idades inte rpessoais neces-
guintes qualificações: 1) ser um líder espiritual; 2) ser uma pessoa que prati- sárias nos relacionamentos. Provêem oportunida des de crescimento por meio de
que os princípios da mordomia cristã; 3) compreender o programa espiritual educa ção e enriquecimento da vida famil iar. Encorajam indivíduos, ca sais e fa-
e financeiro da igreja; 4) estar disposto(a) a dedicar o tempo que for necessá- mílias a se valerem do aconselhamento profissional, quando necessário.
rio para planejar, organizar e dirigir, em sua esfera de ação, a responsabilida- Adequado ministério em favor das famílias abrangerá o seguinte: orienta-
de que lhe compete, colaborando com o(a) diretor(a) de Mordomia da Asso- ção pré-marital acessível a todos os casais, antes do casamento; oportunida-
ciação/Missão, com o pastor e com a Comissão da Igreja. des de fortalecimento do casamento; educação dos pais, dando atenção às ne-
O(a) diretor(a) de Mordomia serve de elo de ligação entre o Departamen- cessidades especiais de famílias sem pai ou mãe, ou em que há padrastos ou
to de Mordomia do Campo local e a congregação. (Ver Notas, #20, pág. 139.) madrastas; instrução no evangelismo de família a família; e ministérios de
apoio para ajudar famílias com necessidades especiais.
Departamento dos Ministérios da Família
O abrangente objetivo dos Ministérios da Família é fortalecer a família A Comissão dos Ministérios da Família. – Para suprir mais eficazmente as
como centro de discipulado. A família foi estabelecida por cri ação divina necessidades das famílias da igreja, a Comissão da Igreja pode estabelecer a
como a instituição humana fundamental. É o principal ambiente em que são Comissão dos Ministérios da Família, presidida pelo(s) diretor(es) dos Mi-
aprendidos valores e desenvolvida a capacidade para íntimos relacionamen- nistérios da Família. (Ver Notas, #21, pág. 139.)
tos com Deus e com outros seres humanos.
Os Ministérios da Família são um ministério alentador que reconhece os O(s) Diretor(es) dos Ministérios da Família. – Uma pessoa ou um cas al
ensinos bíblicos acerca da família como normativos e mantém bem altos os poderá(ão) ser eleita(os) para atuar como diretor(es) dos Ministérios da Fa-
ideais de Deus para a vida familiar. Ao mesmo tempo, traz um conhecimen- mília. Essa(s) pessoa(s) deve(m) ter uma atitude positiva para com Deus, para
to da ruptura e frustração experimentadas por indivíduos e fa mílias num consigo mesma(s), para com os outros e para com a igreja. O(s) diretor(es)
mundo caído. Os Ministérios da Família procuram, portanto, habilitar as fa- deve(m) formar fortes e crescentes relacionamentos familiares e manifestar
mílias a estenderem-se em direção aos ideais divinos, sempre difundindo ao sincero interesse em promover o bem-estar de todas as famílias. Para ser efi-
mesmo tempo as boas novas da salvífica graça de Deus e a promessa de que ciente(s), é necessário que o(s) diretor(es) dos Ministérios da Família com-
é possível haver crescimento mediante a habitação do Espírito Santo no ínti- preenda(m) o plano de redenção, da parte de Deus, para lidar com as ruptu-
mo das pessoas. ras nos relacionamentos causadas pelo pecado. Também é importante que
Os Ministérios da Família concentram-se nos relacionamentos entre pes- o(s) diretor(es) seja(m) capaz(es) de manter a confidência e saiba(m) quando
soas. Interessam-se pelas necessidades de casais, pais e filhos, pelas necessida- e como encorajar as pessoas em situações críticas a buscar aconselhamento
des familiares de pessoas solteiras e de todos os membros do círculo familiar profissional. (Ver Notas, #22, pág. 140.)
mais amplo, ao passarem pelas etapas previsíveis da vida e lutarem com ines-
peradas alterações em sua existência. Departamento dos Ministérios da Mulher
Os Mi n istérios da Família re forçam e encorajam famílias saudáve is. Ajudam O Departame nto dos Mi n isté r ios da Mulher ex iste para enaltece r, encorajar
as pessoas a formar e manter fortes relacionamentos famil iares porque reconhe- e ince ntivar as mulheres adve ntistas do séti mo dia em sua cam i nha da diária
126 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 127

como discípulas de Jesus Cr isto e como membros de Sua Igreja mu nd ial. A Qualificações da Diretora dos Ministérios da Mulher. – A diretora dos Mi-
m issão dos Mi n istérios da Mulher, no se ntido mais amplo, é comum a todos os nistérios da Mulher deve ser uma mulher com natureza sensível e solícita,
c r istã os: ex altar a Cr isto na igreja e no mundo. que se preocupe pelo ministério e os interesses das mulheres, mantenha o
equilíbrio em suas perspectivas, de modo a representar um amplo espectro
Objetivos. – Este ministério procura: de mulheres, e tenha habilidade para encorajar outras mulheres a cultivarem
1. Promover o crescimento e a renovação espirituais entre as mulheres. seus dons espirituais. Deve ser apta para atuar devidamente com as mulheres
2. Confirmar que as mulheres são de inestimável valor em virtude de sua na igreja, com o pastor e com a Comissão da Igreja.
criação e redenção, e habilitá-las para serviço na igreja e levar em considera-
ção suas idéias sobre os problemas da igreja. A Comissão dos Ministérios da Mulher. – A diretora dos Ministérios da
3. Ministrar ao amplo espectro das necessida des das mulhe res através da Mulher trabalha com o pastor e a C omissão da Igreja para estabelecer uma
du ra ção da vida, dando o dev ido respe ito às pe rspectivas multicultu rais e comissão dos Ministérios da Mulher que promova um ministério para as
multiétn ica s. mulheres na igreja. Esta comissão deve compor-se de pessoas interessadas no
4. Estabelecer ligação e cooperar com outros departamentos especializa- amplo espectro das necessidades e dos ser viços das mulheres. Para formar
dos da Igreja, para facilitar o ministério às mulheres e das mulheres. uma equipe equilibrada, os membros devem ser pessoas com uma variedade
5. Dese nvolver boa vontade entre as mulhe res, na Igreja mu nd ial, que de talentos e experiência. (Ver Notas, #23, pág. 140.)
promova la ços de am i z a de, apoio mútuo e inte rcâmbio criativo de idé ias e
i n for ma ções. Departamento dos Ministérios da Criança
6. Orientar e incentivar as mulheres adventistas do sé timo dia, criando O Departamento dos Ministérios da Criança existe para desenvolver a fé
meios para seu envolvimento na Igreja, ao procurarem alcançar o seu poten- das crianças desde a infância até catorze anos, guiando-as para uma vida de
cial em Cristo. comunhão com a igreja. Tem como objetivo prover múltiplos ministérios que
7. Encontrar meios e modos de incentivar cada mulher adventista do séti- as conduzam a Jesus e as habilitem em sua caminhada diária com Ele, coope-
mo dia a usar os seus dons para complementar os talentos de outras pessoas, rando com o Departamento da Escola Sabatina e outros departamentos em
ao labutarem lado a lado para promover a missão global da Igreja. prover educação religiosa às crianças.

A Diretora dos Ministérios da Mulher. – A diretora dos Ministérios da Missão – A missão dos Ministérios da Criança é conduzir as crianças a um
Mulher é eleita pela igreja a fim de desenvolver ministérios específicos para amorável e participativo relacionamento com Jesus. O departamento procu-
educar mulheres e prepará-las para o serviço a Deus e à igreja. Ela atua como ra cumprir essa missão desenvolvendo:
presidente da Comissão dos Ministérios da Mulher, e incentiva idéias e pla-
nos que aumentem ao máximo as contribuições das mulheres para a missão Ministérios com Ênfase na Graça Divina, med iante a qual as crianças ex pe r i-
da Igreja. Como presidente, ela é responsável pela elaboração da agenda, por mentem o amor incondic ional de Jesus, encontrem a ce rteza da ace ita ção e pe r-
servir de moderadora nas discussões e por desenvolver a coesão do grupo, dão e assumam um comprom isso com Ele.
mediante participação pessoal, oração e companheirismo. Ministérios Inclusivos, nos quais os voluntários que deles participam e as crianças
Ela também atua como membro da Comissão da igreja, integrando ativi- pelas quais trabalham sejam avalia das independentemente de raça, língua, sexo,
dades e programas para mulheres no programa mais amplo da Igreja. Sua res- idade, habilidades, ou condições soc iais, e sejam envolvidas sem discriminação.
ponsabilidade é manter a igreja informada quanto à contribuição dos Minis- Ministérios de Liderança, med iante os quais os participantes sejam envolvidos,
térios das Mulheres para a vida da igreja. O meio de ligação da diretora para treinados e equipados para um ministério eficaz em favor das criança s.
treinamento e recursos materiais é a Diretora dos Ministérios da Mulher da Ministérios Voltados Para o Serv iço, nos quais as crianças te nham a oportuni-
Associação/Missão. dade de prestar se rv iços em favor dos vizinhos e da comu n idade, estabelece ndo
assim um modelo de evangel ismo que conti nue ao longo da vida.
128 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 129

Ministérios de Cooperação, que consistam em atuar com outros departa- u ma pessoa de excelênc ia moral e ética, que de monstre amor e ded icação a
mentos, como Lar e Família, Escola Sabatina e Ministérios Pessoais. Deus e à igreja, e que te nha capa c ida de de lide rança, bem como experiênc ia e
Ministérios de Proteção, pelos quais as igrejas: a) escolham voluntários do- paixão para lidar com criança s. (Ver Notas, #25, pág. 141.)
tados de elevado nível espiritual e moral; b) adotem medidas de segurança
para proteger as crianças contra abuso físico, emocional, sexual e espiritual, e A Comissão dos Ministérios da Criança. – O coordenador dos Ministérios da
livrem a igreja de culpa. Criança trabalha com o pastor e a Comissão da Igreja para estabelecer uma comis-
Ministérios de Evangelização, mediante os quais as crianças que não fazem são dos Ministérios da Criança visando a prover atividades para as crianças na
parte da família da igreja sejam conduzidas ao amor de Jesus por meio de igreja. A comissão deve ser composta de pessoas escolhidas com ba se em seu
programas de evangelização como: Escola Cristã de Férias, Escolas Sabatinas grande interesse e habilidade em trabalhar com crianças. Normalmente, os mem-
Filiais, Classes de Estudo da Bíblia Para Vizinhos, e Hora de Contar Histórias. bros dessa comissão são compostos pelos diretores da divisão da Escola Sabatina,
(Ver Notas, #24, pág. 141.) diretor da Escola Cristã de Féria s, diretor dos Juvenis e dois ou três outros que te-
Ellen G. Wh ite enfatiza a importânc ia dos ministé r ios da criança ao afirmar: nham paixão pelo ministério em favor das criança s. (Ver Notas, #24, pág. 141.)
“Nu nca se rá de mais ace ntuar a importânc ia da educa ção ministra da à crian-
ça em seus prime i ros anos. As lições que a criança aprende du rante os prime i- Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa
ros sete anos de vida têm mais que ver com a for ma ção do seu caráter que tudo O Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa promove e
que ela apre nde em anos poste r iores.” – Orientação da Criança, pág. 193. mantém a liberdade religiosa, com especial ênfase na liberdade de consciên-
“É ainda verdade que as crianças são as pessoas mais suscetíveis aos ensi- cia. A liberdade religiosa abrange o direito humano de ter ou adotar a religião
nos do evangelho; seu coração acha-se aberto às influências divinas, e forte que a pessoa preferir; de mudar a crença religiosa de acordo com a consciên-
para reter as lições recebidas. Os pequeninos podem ser cristãos, tendo uma cia; de manifestar a religião individualmente ou na comunidade, com outros
experiência em harmonia com seus anos. Precisam ser educados nas coisas crentes, em adoração, observância, prática, testemunho e ensino, contanto
espirituais, e os pais devem proporcionar-lhes todas as vantagens, para que que sejam respeitados os direitos equivalentes dos outros.
formem caráter segundo a semelhança do de Cristo.” – O Desejado de Todas Visto que a liberdade religiosa inclui o direito de observar dias de descan-
as Nações, pág. 515. so e adoração de acordo com os preceitos da religião pessoal, o departamen-
“As crianças de oito, dez, ou doze anos, já têm ida de suficiente para se rem di- to defende vigorosamente o direito de os Adventistas do Sétimo Dia guarda-
r i gidas ao te ma da rel i gião espiritual. Não ensi nem seus filhos com referência a rem o sábado de acordo com o quarto mandamento da Palavra de Deus. O
um tempo futu ro em que eles te rão ida de su ficie nte para se arrepe nderem e departamento também analisa e interpreta acontecimentos atuais que refli-
crerem na verda de. Ca so sejam devidame nte instru ída s, crianças bem nova s tam o cenário profético.
podem ter idé ias corretas quanto a seu esta do de peca dores, e ao cam i nho da Para salvaguardar a liberdade religiosa, o Departamento de Relações Pú-
salva ção por me io de Cr isto.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 1, pág. 400. blicas e Liberdade Religiosa incentiva, onde for possível, a separação da Igre-
“Quando Jesus disse aos disc ípulos que não imped issem as crianças de ir te r ja e do Estado, recomendada por nosso Senhor, ao dizer: “Dai, pois, a César o
com Ele, falava a todos os Seus se g u idores em todos os tempos – aos ofic iais que é de César, e a Deus o que é de Deus.” Mat. 22:21. “A união da Igreja com
da igreja, aos ministros, auxil iares e todos os cristãos. Jesus está atrai ndo as o Estado, não importa quão fraca possa ser, conquanto pareça levar o mundo
c r iança s, e orde na - nos: ‘De i x ai vir os meninos a Mim’, como se qu isesse dize r: mais perto da igreja, não leva, em realidade, senão a igr eja mais perto do
Eles virã o, se os não imped i rdes.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 517. mundo.” – O Grande Conflito, pág. 297.
O Estado jamais deveria invadir o distinto domínio da Igreja para influir
O(a) Coordenador(a) dos Ministérios da Criança. – O(a) coorde na dor(a) de algum modo na completa liberdade de consciência ou no direito de pro-
dos Ministérios da Cr iança é ele ito(a) pela igreja para fome ntar ministérios es- fessar, praticar e propagar crenças religiosas; e a Igreja jamais deveria invadir
pec í ficos que alimentem a fé das criança s, visando a dese nvolver um amorável o domínio privativo do Estado, exceto, onde for apropriado, para aplicar
e partic ipativo rela c ionamento com Jesus. O(a) coorde na dor(a) deve rá se r princípios morais à atuação pública.
130 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 131

O departamento procura tomar precauções contra interferências na liber- “Há muitos lugares em que a voz do pastor não pode ser ouvida, lugares
dade religiosa, especia lmente em vista d as perseguições profetizadas em que só podem ser alcançados por nossas publicações – livros, revistas e folhe-
Apocalipse 13. “É nosso dever fazer tudo ao nosso alcance, a fim de advertir tos repletos das verdades bíblicas de que o povo necessita.” – O Colportor-
contra o perigo iminente.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 152. Evangelista, pág. 4.

Asso ciaçõ es de Lib erdade Religiosa. – O Departame nto de Rela ções Pú- Comissão dos Ministérios de Publicações – A Comissão dos Ministérios de
bl icas e Libe rda de Rel i giosa exe rce muitas de suas fu nções por me io da As- Publicações é eleita pela comissão da igreja e trabalha sob sua direção. É pre-
soc iação Inte r na c ional de Libe rda de Rel i giosa e suas assoc ia ções fil ia das em sidida pelo diretor dos Ministérios de Publicações. O pastor, o diretor e o se-
todo o mu ndo. cretário dos Ministérios Pessoais atuam como membros ex-officio. Os mem-
bros da comissão são escol hidos com base em seu grande interesse e expe-
Associação de Liberdade Religiosa na Igreja Local. – Cada igreja é conside- riência no evangelismo com literatura.
rada uma Associação de Liberdade Religiosa informal, e cada membro de
igreja é membro desta associação. O pastor ou o ancião local é o seu presiden- Diretor dos Ministérios de Publicações – O diretor dos Ministérios de
te na igreja local. Publicações é ele ito pela Com issão da Igreja para prover liderança para
as ativ idades da igreja por meio de literatura evangelística. (Ver Notas,
O(a) Diretor(a) de Liberdade Religiosa da Igreja Local. – O(a) diretor(a) #28, pág. 143.)
de Liberdade Religiosa da igreja local deve ser eleito(a) como os outros ofi-
ciais e atuar em íntima cooperação com o pastor ou líder do distrito em to- Notas
dos os aspectos da liberdade religiosa, cooperando também com o Departa- Estas notas contêm material explicativo a respeito de como as igrejas locais po-
mento de Liberdade Religiosa da Associação/Missão ou da União. Essa pes- dem proceder em determinados aspectos. Elas podem adotar maneiras alternati-
soa deve exercer positiva influência espiritual, sendo apta para entrar em vas de lidar com tais itens. Esses métodos alternativos devem estar em harmonia
contato com o público em geral, interessada em relações públicas, hábil em com os princípios aceitos e adotados pela organização da Igreja Adventista do Sé-
manter correspondência e preocupada com a preservação da liberdade do timo Dia em geral.
povo de Deus para fazer o serviço do Mestre. (Ver Notas, #26, pág. 142.)
1. A Comissão dos Ministérios Pessoais. (Ver pág. 99.) – Esta comissão tem
Cerimônia de Admissão os seguintes deveres:
Se for realizada uma cerimônia de admissão dos oficiais da igreja local re- a. Fazer os arranjos para as reuniões missionárias da igreja, estudar seu
cém-eleitos (ver pág. 66), os oficiais das organizações auxiliares também de- campo de atividade missionária e incluir todos os membros da igreja em ra-
verão ser incluídos. mos de atividade bem definidos.
b. Dirigir o envolvimento dos membros nas seguintes atividades missioná-
Departamento dos Ministérios de Publicações rias patrocinadas pelo Departamento dos Ministérios Pessoais:
O Departamento dos Ministérios de Publicações é organizado para coor- 1) Distribuição de literatura e circulação de periódicos missionários, in-
denar e promover o evangelismo com literatura na igreja local, sob a supervi- clusive assinaturas de revistas.
são da Comissão dos Ministérios de Publicações e da organização de publi- 2) Inscrições em cursos bíblicos.
cações correspondente para o território. Ele ajuda os departamentos da igre- 3) Serviços em favor da comunidade (assistência social e/ou atividades da
ja local na promoção, venda e distribuição de revistas e outras literaturas mis- Sociedade de Dorcas).
sionárias. O departamento trabalha juntamente com o pastor e os departa- 4) Eve ntos de acesso, como cu rsos para de i x ar de fu mar, cu rsos de arte cul i-
mentos da igreja no planejamento de meios adequados para envolver os nár ia, se m i nár ios para controle do estresse, etc.
membros no cumprimento de seus objetivos. 5) Ativ ida des missionár ias como estudos bíbl icos e contatos de re forço,
132 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 133

reuniões públ icas e seminários evangel ísticos, e outros planos e projetos mis- e. Planejar ofertas periódicas para prover aos membros folhetos e outros
sionários. materiais missionários, quando estes não são providos mediante inclusão no
c. Ser responsável pelo planejamento e implementação da campanha orçamento da igreja ou no esqu ema de ofertas aprovado pela Associa-
anual da recolta de donativos. ção/Missão. Uma oferta para os Ministérios Pessoais da igreja, com essa fina-
d. Treinar e dirigir os membros no testemunho cristão: lidade, pode ser arrecadada no primeiro sábado do mês. Se esta oferta não
1) Realizando ou organizando classes sobre como dar estudos bíblicos, prover fundos suficientes, podem ser arrecadadas outras ofertas por ocasião
métodos de testemunho pessoal, execução de programas de Serviços em Fa- da reunião semanal dos Ministérios Pessoais. A distribuição desses fundos
vor da Comunidade, e de assistência em calamidades. missionários da igreja local deve ser feita por ordem da Comissão dos Minis-
2) Fazendo demonstrações práticas de como realizar estas atividades. térios Pessoais.
e. Estimular os dirigentes e os membros a relatar a tarefa realizada, por in- f. Anotar pormenores dos serviços e rel atos da atividade efetuada pelos
termédio do secretário dos Ministérios Pessoais. membros da igreja e ser pontual em enviar um resumo, no tempo designado,
f. Superv isionar as ativ idades dos Serv iços em Favor da Comu n ida de, por para o(a) diretor(a) dos Ministérios Pessoais da Associação/Missão.
parte da igreja, e atuar como com issão diretiva do Centro de Assistê nc ia Soc ial.
g. Cooperar com o Departamento dos Ministérios Pessoais do Campo lo- 3. Sociedade de Homens Adventistas. (Ver pág. 101.) – Os principais pro-
cal na execução de seu programa. gramas missionários levados avante por este grupo são os esforços de prega-
h. Autorizar o dese mbolso dos fundos dos Ministé r ios Pessoais da igreja local. ção, o ministério nas prisões e serviços em favor da comunidade.
i. Planejar e dirigir as reuniões semanais e mensais dos Ministérios Pes-
soais, segundo a programação do calendário da igreja. 4. Centro de Serviços à Comunidade. (Ver pág. 101.) – Onde algumas igre-
jas, num único distrito, administram conjuntamente um centro de assistên-
2. O(a) Secretário(a) dos Ministérios Pessoais. (Ver pág. 100.) – Os deveres cia social, uma comissão diretiva, para o centro, deve ser nomeada pelas igre-
do(a) secretário(a) dos Ministérios Pessoais são os seguintes: jas mantenedoras do distrito, com representantes de cada igreja, sob a presi-
a. Atuar como secretário(a) da Comissão dos Ministérios Pessoais, redi- dência do diretor do distrito.
gindo as atas das reuniões dos Ministérios Pessoais e tomando parte ativa na Onde um centro é administrado por igrejas de dois ou mais distritos de
implementação dos planos departamentais. O(a) secretário(a) deve arquivar uma Associação/Missão, a comissão diretiva do centro deve compor-se de
os rel atórios do ser viço missionário realizado pelos membros da igreja e representantes das igrejas mantenedoras e de representantes adicionais no-
preencher e enviar com prontidão, cada trimestre, todos os relatórios solici- meados pela Comissão Diretiva do Campo local. A comissão elege seu pró-
tados e outras informações a respeito dessas atividades, ao Departamento dos prio presidente, mas às vezes é presidida pelo diretor dos Ministérios Pessoais
Ministérios Pessoais da Associação/Missão. ou dos Serviços em Favor da Comunidade, da Associação/Missão.
b. Apresentar à igreja um relatório das atividades dos Ministérios Pessoais
durante o culto mensal no sábado dos Ministérios Pessoais e nas reuniões ad- 5. Coordenador da Escola Bíblica. (Ver pág. 101) – As atribuições do coor-
ministrativas da igreja. denador incluem recrutar voluntários, prover treinamento sobre como dar
c. Ser responsável por todas as transações da igreja local com o Serviço estudos bíblicos e fazer visitas, pedir lições bíblicas por correspondência e ou-
Educacional Lar e Saúde. O(a) secretário(a) manterá esmeradas prestações de tros materiais, e criar um plano de matricular alunos e promover a escola. As
contas com este Serviço, usando um talonário de pedidos com duplicata em lições da escola bíblica são providas por vários meios, incluindo estudos bí-
todas as ocasiões e, em cooperação com o(a) tesoureiro(a) da igreja, tomará blicos, materiais para pequenos grupos, vídeos, DVDs e internete.
providências para que as contas sejam acertadas rapidamente, com a liquida-
ção dos itens pendentes numa base mensal. 6. O(a) Diretor(a). (Ver pág. 103.) – O(a) diretor(a) da Escola Sabati na deve:
d. Chamar a atenção da igreja para as publicações e os materiais disponí- a. Servir a igreja como administra dor(a) de todas as div isões da Escola Saba-
veis para seu uso. ti na. Ele / ela não é o(a) dirigente da div isão dos adultos por ser o(a) diretor(a)
134 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 135

geral, embora também possa ser eleito(a) dirigente da divisão dos adultos ou tesoureiro(a) da igreja. Os relatórios financeiros mantidos pelo(a) secretá-
de qualquer outra. rio(a) devem esta de acordo com os do(a) tesoureiro(a) da igreja.
b. Estudar e seguir os conselhos e as orientações que se encontram nos li- e. Encomendar, por meio do(a) secretário(a) dos Ministérios Pessoais,
vros Conselhos Sobre a Escola Sabatina, de Ellen G. White, e Manual da Esco- todo o material para a Escola Sabatina, aprovado pela comissão desta última.
la Sabatina, publicado pelo Departamento da Escola Sabatina da Associação f. Guardar as atas das reuniões da Comissão da Escola Sabatina.
Geral. O(a) diretor(a) deve incentivar a igreja a tornar estes livros acessíveis
aos dirigentes e professores de todas as divisões da Escola Sabatina. 8. Dinheiro Para Despesas. (Ver pág. 107.) – Todo dinheiro dessa espécie
c. Inteirar-se dos planos destinados a promover o programa das Missões deve ser registrado pelo(a) secretário(a), entregue ao(à) tesoureiro(a) da igre-
da Igreja mundial e incentivar a Escola Sabatina a dar com tal espírito de sa- ja local e usado somente para pagar as despesas da Escola Sabatina, de acor-
crifício que os leve a manter de todo o coração os nossos empreendimentos do com a autorização de sua comissão. Em muitas igrejas, as despesas da Es-
missionários mundiais. cola Sabatina são incluídas no orçamento da igreja e realizadas conforme au-
d. Convocar e presidir as reuniões da Comissão da Escola Sabatina, para torização da Comissão da Escola Sabatina.
cuidar das necessidades imediatas, inclusive as recomendações referentes ao
preenchimento das vagas de oficiais ou professores. 9. Declaração de Missão. (Ver pág. 108.) – Para cumprir nossa tarefa:
e. Receber dos dirigentes das divisões todos os itens da agenda referentes a. Efetuaremos um ministério equilibrado, incorporando a dinâmica bí-
ao funcionamento e às finanças da Escola Sabatina e apresentá-las à Comis- blica de companheirismo, educação, adoração e missão.
são da Escola Sabatina. b. Procuraremos manter a relevância e eficiência no ministério relacio-
f. Executar as decisões da Comissão da Escola Sabatina. nando todo ele com as necessidades dos jovens. É imperioso que estejamos
g. Ser o(a) dirigente geral da reunião dos professores. Embora outros te- informados de suas percepções, interesses e sugestões, e que atentemos para
nham atribuições especiais, como, por exemplo, o estudo da lição, o(a) dire- elas. O ministério eficaz se torna possível numa atmosfera de amor, aceitação
tor(a) deve assumir a direção da reunião dos professores, procurando torná- e perdão. Efetuaremos constantes pesquisas para descobrir aspectos que re-
la uma parte vital da obra da Escola Sabatina, e por meio dela, esforçar-se por queiram atenção. Procuraremos efetuar experimentos e inovações em nossos
formar um grupo de professores forte e espiritual. programas, porque reconhecemos a natureza em constante mutação dos jo-
vens, hoje em dia.
7. O(a) Secretário(a). (Ver pág. 104.) – Os deveres do(a) secretário(a) são c. Encontraremos inspiração na Palav ra de Deus e em nossa histór ia, e tere-
os seguintes: mos fé em Deus quanto ao futuro. Nossa filosofia encontrará ex pressão nu ma
a. Manter todas as anotações requeridas no formulário oficial provido pela ampla varieda de de estilos e programas de ministé r io orde na dos por Deus.
Associação/Missão, para efetuar um relatório trimestral da Escola Sabatina, e. Providenciaremos avaliações periódicas, para assegurar que nosso enfo-
completo e exato, e enviar o formulário pontualmente às pessoas apropria- que principal esteja sendo cumprido.
das. O(a) secretário(a) também deverá apresentar à Escola Sabatina relatórios
apropriados da obra da Escola Sabatina. 10. Os Membros da Sociedade dos Jovens Adventistas. (Ver pág. 109.) – Há
b. Distribuir materiais aos professores e recolher os cartões de registro e as três categorias de membros na Sociedade dos Jovens Adventistas:
ofertas de cada divisão. a. Membros Regulares. – Jovens de 16 a 30 anos de idade que são membros
c. Assegurar que as várias divisões da Escola Sabatina estejam providas dos da Igreja Adventista do Sétimo Dia em situação regular e que, adotando os
materiais necessários. objetivos da Sociedade, desejam engajar-se em serviço ativo para Cristo, po-
d. Manter um registro das ofertas semanais da Escola Sabatina, da oferta dem inscrever-se como membros regulares.
do décimo terceiro sábado, das ofertas natalícias, do Fundo de Inversão e do b. Membros Ass ociados. – Jove ns que não são me mbros da Igreja Adve n-
dinheiro para as despesas locais da Escola Sabatina, se estas não estiverem in- tista do Sétimo Dia, mas possuem ideais cristã os e desejam estar liga dos aos
cluídas no orçamento das despesas da igreja, e entregar todas as ofertas ao(à) jove ns da igreja no se rv iço missionár io devem ser aceitos como me mbros
136 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 137

a ssocia dos. Tais me mbros não podem ser ele itos como ofic iais da Soc ieda- da de dos Juvenis Adventistas devem ser ded ica das ao estudo das Cla sses JA,
de, mas devem ser cordial me nte recebidos em todos os aspectos das ativ ida- como prepara ção para a investidu ra pe rto do fim do ano escolar.
des da Soc ieda de e em seus grupos, e incentiva dos a tor nare m - se me mbros
re g ulares logo que seja possível. 13. O Clube dos Aventureiros. (Ver pág. 115.) – Exemplos das atividades
c. Membros Honorários. – Membros adultos da igreja que apóiam os jovens apresentadas no Manual dos Aventureiros abrangem tais itens como: excur-
podem inscrever- se como membros honorár ios. Muitas pessoas que pa ssaram sões em dias especiais, estudo e aplicações de histórias bíblicas, revelando ta-
dos 30 anos de ida de gostariam de conti nuar assisti ndo às reu n iões da Soc ieda- lentos, atividades na natureza, habilidades, desenvolvimento de aptidões so-
de dos Jove ns Adve ntistas e de participar em tudo o que for possível. Se mpre ciais e muitos outros. O clube tem sua própria bandeira, uniforme, emblemas,
que seja recome ndável, eles deverão receber um cartão de membros honorá- insígnias, distintivos e faixas, que são diferentes dos usados pelos Desbrava-
r ios. Não são inclu ídos como membros no relatór io do(a) sec retár io(a), e rela- dores, e não devem ser misturados ou confundidos com eles. Um componen-
tam suas ativ ida des missionár ias da mane i rare g ular, por meio da igreja . te inteiro das atividades do clube envolve o preparo dos pais no desenvolvi-
Ao unir-se à Sociedade dos Jovens Adventistas, os novos membros assu- mento das crianças e a compreensão de como ser os modelos de pais cristãos
mem o seguinte compromisso de membro: que todos eles desejam tornar-se.
“Por amor ao Senhor Jesus, prometo tomar parte ativa nos deveres da So-
ciedade dos Jovens Adventistas, fazendo tudo quanto puder para ajudar a ou- 14. O(a) Diretor(a) de Educação. (Ver pág. 116.) – Os deveres do(a) dire-
tros e para finalizar a obra do evangelho em todo o mundo.” tor(a) serão os seguintes:
a. Ser responsável pela promoção regular da Educação Cristã e planejar,
11. O(a) Secretário(a)-Tesoureiro(a) e o(a)Vice-Secretário(a)-Tesourei- junto com o pastor e o(a) diretor(a) da Associação Lar e Escola, programas
ro(a). (Ver pág. 111.) – Outra importante responsabilidade do(a) secretá- periódicos ou reuniões que enfatizem os valores da Educação Cristã.
rio(a)-tesoureiro(a) consiste em manter um registro acurado dos recebimen- b. Fazer contatos com todas as famílias adventistas do sétimo dia que te-
tos e dos gastos de todos os fundos da Sociedade dos Jovens Adventistas. Os nham crianças em idade escolar ou jovens, para incentivar a matrícula deles
fundos da sociedade são entregues à guarda do(a) tesoureiro(a) da igreja e na escola da igreja ou no Ensino Médio, faculdade ou universidade adventis-
mantidos em custódia até que seu desembolso seja autorizado pelo Conselho ta do sétimo dia, e sugerir possíveis soluções de problemas.
da Sociedade dos Jovens Adventistas. Cada trimestre, este conselho também c. Onde não houver escola da igreja, env idar todos os esforços ra zoáveis para
examinará os registros financeiros da sociedade, e fará com que sejam revisa- ince ntivar a igreja a prover a região com a educa ção adventista do séti mo dia .
dos uma vez ao ano pelo(a) tesoureiro(a) da igreja. Muitas igrejas incluem a d. Manter contato com estudantes da igreja que estejam freqüentando es-
organização dos jovens no seu orçamento. colas adventistas do sétimo dia ou outras escolas fora de sua igreja de origem.
e. Fazer contato com membros que não têm filhos em idade escolar, incen-
12. A So ciedade dos Juvenis Adventistas. (Ver pág. 112.) – As ativ ida des da tivando-os a prover ajuda financeira a estudantes adventistas pobres.
Soc ieda de dos Juve n is Adventistas abrangem a boa le itu ra, o estudo da Bíbl ia , f. Manter um censo atualizado de todas as crianças e jovens da igreja.
pe rguntas bíbl ica s, música e programas dese nvolv idos por eles com recu rsos
prov idos pelo(a) professor(a) e pelo Departamento dos Jovens do Campo local. 15. Membros. (Ver pág. 117.) – Nos lugares em que se preferir um conse-
Visto que a música é um ele mento muito importante no programa dos jove ns, lho escolar independente, ele se comporá de cinco a sete membros, onde uma
deve - se ter o cuida do de prover músicas que glor i fiquem a Deus. (Ver pág. só igreja mantenha a escola, e de sete ou mais membros onde duas ou mais
112.) Os líderes estudantis devem ser an i ma dos a dese nvolver idé ias de progra- igrejas se unam para manter uma escola.
mas or i gi nais que envolvam a partic ipa ção dos alu nos. Devem ser planeja da s Onde duas ou mais igrejas se unam para manter uma escola, deve rá se r
ativ ida des de testemu nho, e ca da ano pode ser adotado um projeto missioná- prov idenc ia da uma reunião dessas igreja s, de comum acordo com o preside n-
r io espec ial, no qual seja apl ica da uma parte das ofe rtas da soc ieda de. També m te da Assoc ia çã o / Missão local. Nessa reu n ião deve rá ser adota do um plano
podem ser promov idas al g u mas ativ ida des soc iais. Al g u mas reuniões da Socie- para a nomea ção de um conselho escolar conjunto, inclusive a quantida de dos
138 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 139

me mbros e o rate io dos membros entre as vár ias igrejas que mantêm a escola . em estreita colaboração com o(a) diretor(a) dos Ministérios de Saúde da As-
O rate io deve ser dete r m i na do com ba se na quantida de dos membros da s sociação/Missão.
igrejas patroc i na dora s, nas obr i ga ções fi nance i ras para com a escola e na g. Servir como se cretário(a) do Conselho dos Ministérios de Saúde da
quantida de dos alu nos provenientes de ca da igreja . igreja, exceto quando for solicitado(a) a atuar como presidente.

16. Atribuições do Diretor de Comunicação. (Ver pág. 121.) – O(a) dire- 19. O Conselho dos Ministérios de Saúde. (Ver pág. 123.) – Os membros
tor(a) de comunicação ajudará a organizar o apoio aos programas denomina- devem ser escolhidos pela igreja, e podem ser:
cionais nos meios de comunicação. Isto pode abranger a inserção de anún- a. O pastor ou o ancião local como presidente do Conselho.
cios e propagandas para os programas de rádio e televisão e os cursos bíbli- b. O(a) diretor(a) dos Ministérios de Saúde.
cos por correspondência, a promoção de ofertas pró-Radio e Televisão, e a c. O(a) diretor(a) dos Serviços em Favor da Comunidade.
participação, em eventos especiais, na distribuição de materiais de rádio e te- d. O(a) diretor(a) dos Jove ns Adve ntistas ou dois represe ntantes do gru-
levisão, e das escolas bíblicas por correspondência. po jove m .
e. Três representantes dentre os seguintes: médico(a), dentista, nutricionis-
17. A Comissão de Comunicação. (Ver pág. 121.) – Outras atividades de ta, enfermeiro(a), educador(a) sanitário(a), diretor(a) de mordomia, ou ou-
comunicação que pertencem à esfera de interesses dessa comissão incluem o tras pessoas interessadas em atividades de saúde e temperança.
planejamento de eventos e cerimônias especiais da igreja, o preparo de expo- f. O(a) diretor(a) da Sociedade dos Ministérios de Saúde, no caso de exis-
sições e de carros alegóricos de desfile, a colocação de anúncios da igreja e o tir uma sociedade ativa.
fornecimento de informações sobre a Igreja Adventista do Sétimo Dia a bi- g. Um representante de uma instituição de saúde adventista do sétimo dia local.
bliotecas públicas e outros centros de divulgação. A divisão de responsabili-
dades dependerá em grande parte das habilidades dos membros da comissão. 20. O(a) Diretor(a) de Mordomia. (Ver pág. 124.) – O(a) diretor(a)pro-
Todas as atividades da comissão serão coordenadas pelo presidente. moverá o programa educacional geral do De partamento de Mordomia na
forma apresentada, com as ampliações periódicas, para satisfazer às necessi-
18. O(a) Diretor(a) dos Ministérios de Saúde. (Ver pág. 122.) – Os deveres dades existentes. Essa responsabilidade abrange ajudar o pastor a promover o
do(a) diretor(a) dos Ministérios de Saúde abrangem as seguintes atividades: Dia Mundial da Mordomia, dirigir classes de mordomia, a fim de educar as
a. Delinear, planejar e orçar, de comum acordo com o pastor e o Conselho pessoas no tocante aos dízimos e às ofertas, e ensinar os conceitos básicos da
dos Ministérios de Saúde e com a Comissão da Igreja, programas para o ano, mordomia durante as reuniões de sábado ou em outras ocasiões.
os quais realcem a importância da saúde e temperança integrais, tanto para a As responsabilidades organizacionais do(a) diretor(a) incluirão o seguin-
igreja como para a comunidade. te: 1) ser membro da Comissão da Igreja, envolvido(a) e versado(a) no pro-
b. Promover um testemunho positivo na comunidade com respeito aos grama espiritual e financeiro da igreja; 2) ser membro da Comissão de Mor-
efeitos destrutivos do fumo, álcool e outras substâncias e drogas prejudiciais domia e Finanças; e 3) ser um ajudante ativo do pastor no Programa Anual
à saúde. de Orientação Sobre Mordomia e no reforço posterior, durante o ano, segun-
c. Cultivar bom relacionamento com organizações de saúde e temperança do as instruções dadas no Manual de Mordomia.
na comunidade.
d. Incentivar o estudo dos princípios bíblicos e dos conselhos do Espírito 21. A Comissão dos Ministérios da Família. (Ver pág. 125.) – Embora essa
de Profecia sobre saúde e temperança. comissão não deva ser muito grande, para que continue sendo eficaz, devem
e. Estimular a prática dos princípios do viver saudável entre os membros ser incluídos os dirigentes da igreja que forem apropriados, bem como pes-
da igreja. soas que compreendam as diversas necessidades das famílias da igreja. Pes-
f. Tomar providências para incentivar a realização de programas de educa- soas que enfrentaram experiências traumáticas na vida e na família, e cresce-
ção de saúde e temperança para a igreja e a comunidade em que se encontra, ram espiritualmente através delas, podem fazer valiosas contribuições como
140 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 141

membros da comissão. Ela deverá ter tanto homens como mulheres, e, onde responsabilida des da Comissão dos Mi n istérios da Mulher serão as se-
for possível, pelo menos uma pessoa solteira, um casal, um pai ou uma mãe, g u i ntes:
e um típico representante dos diversos grupos etários da igreja. Os deveres da a. Avaliar as necessidades e preocupações das mulheres na igreja local e na
comissão serão os seguintes: comunidade, utilizando enquetes e entrevistas, e de comum acordo com o
a. Ajudar a liderança da igreja a coligir dados demográficos sobre a famí- pastor e os dirigentes da igreja;
lia, tanto dentro da igreja como na comunidade adjacente, para orientar os b. Sugerir idéias, desenvolver estratégias e cooperar com outros departa-
grupos que atuarão no ministério em favor das famílias. mentos especializados da igreja para promover programas e atividades que
b. Ajudar a liderança da igreja na avaliação das necessidades dos membros atendam às mulheres;
da igreja quanto à educação, enriquecimento e aconselhamento acerca da c. Planejar e executar estas e outras iniciativas que se relacionem com es-
vida familiar; e na elaboração de um plano que utilize os recursos da comu- pescíficas e variadas necessidades das mulheres, em cooperação com o pas-
nidade e da igreja para suprir essas necessidades. tor, com departamentais especializados e outros dirigentes da Igreja;
c. Incentivar a sensibilidade ao impacto dos programas da igreja sobre a d. Fa c il itar a participa ção da igreja local em programas e ativ ida des anuais
vida familiar, no que diz respeito ao dispêndio de tempo, energia, dinheiro e inic ia das pela Assoc iação/Missã o, pela União, Divisão ou Associação Ge ral,
outros recursos necessários. tais como o Dia Interna c ional de Ora ção das Mulhe res, o Dia dos Mi n isté r ios
d. Participar com o Departamento dos Ministérios da Família da Associa- da Mulher, e ministé r ios de peque nos grupos para apoiar as mulheres e enco-
ção/Missão na execução dos programas sobre a importância da família pro- rajá - las no se rviço. Infor ma ções a respe ito desses programas podem ser obtidas
movidos por esse departamento. através do Departamento dos Mi n isté r ios da Mulher da Assoc ia ção/Missã o.
e. Cooperar com a liderança da igreja no planejamento e na execução de
aspectos e programas adicionais, quanto à vida familiar, que forem necessá- 24. A Comissão dos Ministérios da Criança. (Ver pág. 129.) – As principais
rios, tanto para educação e alento familiar dentro do conjunto de membros responsabilidades da Comissão dos Ministérios da Criança são:
da igreja, como para penetração evangelística na comunidade. a) Conduzir uma avaliação das necessidades das crianças na igreja e na co-
f. Promover uma atmosfera de cordialidade e companheirismo, produzin- munidade por meio de pesquisas e entrevistas em conselho com o pastor e os
do uma sensação de “familiaridade” na congregação e um espírito restaura- oficiais da igreja.
dor para com as famílias em necessidade de amparo e encorajamento. b) Reunir idéias, desenvolver estratégias e cooperar com outros departa-
mentos da igreja para fomentar programas e atividades que ajudem a nutrir e
22. O(s) Diretor(es) dos Ministérios da Família. (Ver pág. 125.) – Os deve- educar as crianças.
res do(s) diretor(es) dos Ministérios da Família são os seguintes: c) Planejar um cale ndário anual de ativida des para as criança s, coorde nando
a. Presidir a Comissão dos Ministérios da Família. todos os programas com o cale ndário da igreja, de tal modo que haja equil íbrio
b. Representar as nece ssidades e os interesses das famílias como mem- e se ev item datas sobrepostas e conflitos.
bro(s) da Comissão da Igreja e ajustar os planos dos Ministérios da Família ao d) Manter atual i z a dos os re gistros sobre crianças que te nham partic ipa-
programa geral da igreja. do de ativ ida des patrocinadas pela igreja e ter esses re gistros arquiva dos
c. Informar o pastor e a Comissão da Igreja sobre os interesses e as realiza- com o secretár io da igreja.
ções dos Ministérios da Família, e incentivar o apoio e a provisão de fundos e) Participar com o Departamento dos Ministérios da Cr iança da Assoc ia-
para esse ministério. ção/Missã o / Campo na implementa ção dos principais programas relacionados
d. Identificar os recursos da igreja e da comunidade que promovem o cres- com as criança s, promovidos pelo departamento.
cimento relacional e provêem ajuda para enfrentar situações críticas, e inten-
sificar a percepção desses recursos entre a liderança da igreja e as famílias. 25. O(a) Coordenador(a) dos Ministérios da Criança. (Ver pág. 128.) – As
responsabilidades do coordenador dos Ministérios da Criança são:
23. A Comissão dos Ministérios da Mulher. (Ver pág. 127.) – As principais a. Presidir a Comissão dos Ministérios da Criança.
142 Manual da Igreja Organizações Auxiliares da Igreja e Seus Diretores 143

b. Implementar o currículo da Escola Sabatina e prover treinamento para b. Fazer arranjos com o Departamento de Publicações da Associação/Mis-
líderes e professores no uso desse currículo. são/Campo, ou com a organização correspondente ao setor de publicações
c. Planejar e implementar um calendário anual de programas que condu- no território, para realizar seminários de conscientização sobre evangelismo
zam as crianças a Cristo e lhes dêem oportunidade de participar em todas as com literatura na igreja, e promover seminários de treinamento para mem-
atividades da igreja. bros que tenham demonstrado interesse em tornar-se colportores.
d. Estabelecer um orçamento para financiar todos os programas a ativida- c. Promover a compra e a leitura dos livros do Espírito de Profecia para
des em favor das crianças. crescimento espiritual e individual.
e. Atuar como defensor dos interesses e necessidades das crianças junto: d. Ajudar os d epartamentos na sele ção e divulgação de li teratura, tais
1) À Comissão da Igreja – mantendo seus membros informados sobre as como livros missionários, revistas e os livros do Espírito de Profecia.
preocupações e as realizações; relatando os resultados pertinentes às necessi-
dades de acesso de crianças, e incentivando a criação de fundos para manter 28. Diretor dos Ministérios de Publicações. (Ver pág. 131.) As responsabi-
suas atividades. lidades do coordenador dos Ministérios de Publicações incluem:
2) Ao pastor – trabalhando unidos para tornar significativas, para as crian- a. Atuar como presidente da Comissão dos Ministérios de Publicações e
ças, as várias atividades da igreja. responsabilizar-se por implementar as decisões por ela tomadas.
3) Aos dirigentes das atividades das crianças – apoiando-os e enconrajando - os. b. Descobrir membros da igreja para atuarem como colportores.
f. Tomar inic iativas relevantes para manter uma eleva da qualida de moral e éti- c. Encomendar literaturas, de acordo com a necessidade, por meio do se-
ca de lide rança em favor das crianças, forjando líderes e professores voluntários. cretário dos Ministérios Pessoais.
g. Manter contato com os pais, bem como com os líderes das atividades d. Encaminhar relatórios à Associação/Missão/Campo sobre as atividades
para crianças. do Ministério de Publicações e Evangelismo com Literatura da igreja.
h. Procurar oportunidades para despender tempo com as crianças, a fim e. Atuar como membro da Comissão da Igreja local.
estar em contato com as necessidades e a maneira de pensar delas.

26. O(a) Diretor(a) de Liberdade Religiosa da Igreja Local. (Ver pág. 130.)
– Os deveres do(a) diretor(a) de Liberdade Religiosa são os seguintes:
a. Manter contato com o(a) diretor(a) de Relações Públicas e Liberdade
Religiosa da Associação/Missão ou da União, quando apropriado, e executar
as sugestões que chegarem até ele(a) através dos canais competentes.
b. Dar conselhos a respeito de questões que afetam a liberdade religiosa.
c. Promover a circulação de revistas e outros materiais de liberdade reli-
giosa aprovados pela Divisão ou pela Associação Geral.
d. Organizar ou facilitar reuniões, seminários, programas e atividades so-
bre Liberdade Religiosa, segundo o requeiram as circunstâncias.

27. Comissão dos Ministérios de Publicações. (Ver pág. 131.) As responsa-


bilidades desta comissão podem incluir:
a. Assistir a Associação/Missão/Campo, ou a organização correspondente
ao setor de publicações no território, promovendo o Ministério de Publica-
ções, se lecionando pessoas para a tuarem com literatura, e recomendando
membros da igreja dotados com talentos para serem colportores.
Capítulo 10

Os Ministros e Obreiros
em Relação à Igreja
Um Ministério Designado por Deus
“Deus tem uma Igreja, e ela tem um ministério designado por Ele. ‘E Ele
mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evange-
listas, outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos san-
tos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que to-
dos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão
perfeito, à medida da estatura completa de Cristo. ...’
“O Senhor tem Seus agentes designados, e uma Igreja que tem sobrevivido
a perseguições, conflitos e trevas. Jesus amou a Igreja, e por ela Se deu a Si
mesmo, e Ele a há de aperfeiçoar, refinar, enobrecer e elevar, de maneira que
ela fique firme em meio das corruptoras influências deste mundo. Homens
designados por Deus foram escolhidos para vigiar com zeloso cuidado, com
vigilante perseverança, a fim de que a Igreja não seja subvertida pelos malig-
nos ardis de Satanás, mas que ela esteja no mundo para promover a glória de
Deus entre os homens.” – Testemunhos Para Ministros, 3ª edição, págs. 52 e 53.
O Pastor Geral da Associação/Missão
O pastor geral da Associação/Missão deve ser um ministro ordenado, de
experiência e boa reputação. Está à testa do ministério evangélico de sua As-
sociação/Missão e é o pastor geral ou supervisor de todas as igrejas do Cam-
po loc al. Trabalha p elo bem-estar espiritual e pe la edificação das igrejas .
Aconselha-as no tocante a suas atividades e plan os. Tem acesso a todas as
igrejas, aos seus cultos, reuniões administrativas e comissões, sem votar, a
menos que a igreja o deseje; e em virtude de seu cargo, pode presidir a todas
as sessões de quaisquer das igrejas quando isso for necessário. Tem acesso a
todos os registros da igreja, livros de relatórios, etc.
Ele não desdenhará os oficiais da igreja devidamente eleitos, mas atuará
em cooperação com eles. Eles, por sua vez, reconhecendo os vínculos de liga-
ção com a Associação/Missão, estão obrigados a con sultá-lo no tocante a
tudo quanto se relaciona com o bem-estar da igreja. Não devem buscar ex-
cluí-lo do devido desempenho de seus deveres.
Os Pastores e Diretores de Distrito Não São Executivos
Os ministros ordenados, nomeados pela Mesa Administrativa da Assoc iação/
146 Manual da Igreja Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja 147

Missão para que atuem como pastores ou diretores de um distrito, não substituem preside nte. Se o pa stor desejar ser dispe nsa do da responsabil ida de de atuar
o presidente nos seus respectivos campos de ação; não estão dotados de autoridade como preside nte da Com issão da Igreja, um ancião da igreja fará as vezes de
administrativa, como o presidente, mas cooperarão com ele na execução dos pla- preside nte. Entre o pa stor e o ancião da igreja deve haver a maior coope ra-
nos e normas da Associação/Missão. ção possível. (Ver págs. 51 e 58.)
O pastor, com a ajuda dos anciãos, deve planejar e dirigir todos os cultos
O Pastor Geral e a Comissão Diretiva espirituais da igreja, como o culto regular do sábado e a reunião de oração, e
Dirigem os Diretores Departamentais oficiar tanto na Cerimônia da Comunhão como no batismo. Não deve cer-
Os diretores dos Departamentos são nomeados pe la Associação/Missão car-se de um grupo especial de conselheiros de sua própria escolha, mas atuar
para promover ramos importantes da obra denominacional. Para executar sempre em cooperação com os oficiais da igreja devidamente eleitos.
com êxito a obra de que estão incumbidos, esses obreiros precisam ter acesso Quando um ministro orde na do da Assoc iação/Missã o, ou outro enviado
às igrejas. Devem ter a oportunidade de apresentar e executar seus planos nas por ela, visita uma igreja, espe ra - se que o ancião lhe manifeste a devida deferê n-
igrejas. Espera-se que esses obreiros manifestem simpatia e consideração por cia convidando-o para ocupar o púlpito. Isto se aplica também aos obreiros não
todos os planos da igreja, mesmo que não pertençam a seus respectivos de- orde na dos env ia dos pela Associaçã o / Missã o. (Ver págs. 77, 149 e 150.)
partamentos. Esses diretores estão sob a direção geral da Comissão Diretiva
da Associação/Missão, de comum acordo com o seu pastor geral, que é o res- As Igrejas Não Elegem o Pastor
ponsável por todas as atividades da obra. Os pastores ou os pastores associados não são nomeados nem eleitos para
esses cargos pela igreja. Sua relação com a igreja é por nomeação da Comis-
As Atribuições dos Diretores Departamentais Não São Administrativas são Diretiva da Associação/Missão, e essas nomeações podem ser modifica-
Os diretores de Departamentos não estão investidos de autoridade admi- das em qualquer tempo. (Ver págs. 50-52.)
nistrativa ou executiva na Associação/Missão, ou na obra da igreja, mas se re-
lacionam com o campo na qualidade de conselheiros. Sua atividade não tem, Ministros Licenciados
para com as igrejas, a mesma relação da Comissão Diretiva da Associa- Para dar aos jovens a oportunidade de demonstrarem sua vocação para o
ção/Missão ou seu pastor geral. Suas atribuições são, porém, principalmente ministério, especialmente no âmbito da con quista de almas, a Associa-
de natureza específica, e na promoção de seus ramos de atividade, atuam em ção/Missão concede a candidatos promissores a credencial de ministro licen-
toda a Associação/Missão. Deles não se espera que aconselhem as igrejas ciado. A concessão desta credencial confere a oportunidade e o direito de de-
quanto às eleições ou outros deveres administrativos, nem quanto a qualquer senvolver o dom ministerial. O ministro licenciado é autorizado a pregar, a
outro ramo de serviço, a menos que o pastor geral do Campo local solicite es- empenhar-se no evangelismo, a tomar a dianteira no serviço missionário, a
pecialmente que o façam. ajudar em qualquer atividade da igreja.
Em muitos Campos, porém, há circu nstâncias nas quais se tor na necessá-
Relação do Ministro Ordenado Para com a Obra da Igreja r io que a Associa çã o / Missão desi gne um ministro lice nc ia do para assumir a
Ao ser nomea do para se rvir como pa stor de uma igreja local, o ministro responsabil ida de de ser o pa stor ou o pa stor assoc ia do de uma igreja ou de
orde na do encontra-se nu ma posição supe r ior à do ancião ou dos anciã os lo- um grupo de igreja s. A fim de abrir o cam i nho para que ele real i ze certas
cais, e estes lhe se rvem de auxil iares. Em virtude de sua ordena ção para o mi- fu nções ministe r iais, a igreja ou o grupo de igrejas a que ele irá servir pode m
nisté r io, está ele capa c ita do para dirigir todos os ritos e ce r i mônias da igreja . ele gê - lo como anc ião local. No entanto, visto que é nomea do pela Associa-
Deve ser o diretor e conselhe i ro espi r itual da igreja. Compete - lhe instruir os çã o / Missão e desi gna do por ela, ele a represe nta, e ela pode conside rar, se-
ofic iais da igreja em seus deve res, e com eles planejar todos os ramos de atu- gundo o reque i ram as circunstânc ia s, que sua autor ida de e suas responsabi-
ação e ativ idade da igreja. Quando um pa stor é nomea do pela Mesa Ad m i- l ida des sejam ampl ia da s, a fim de habil itá - lo a cu mprir satisfatoriame nte os
nistrativa da Associa çã o / Missão para pa stor da igreja, subentende - se que seus deve res. O dire ito de pe r m itir essa ampl ia ção da autor ida de e responsa-
por esse mesmo ato ele é me mbro da Com issão da Igreja e atua como seu bil ida de recai, em pr i me i ro lu gar, sobre a Com issão Di retiva da Div isã o. Seu
148 Manual da Igreja Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja 149

voto é necessário antes que qualquer Associação/Missão possa ampliar a au- ou cidade em que haja uma igreja com um pastor que a dirige, a Assoc ia-
toridade e a responsabilidade do ministro licenciado. Esse voto definirá espe- ção/Missão deve conv idar o pastor a auxiliar o evangel ista, dando - lhe assim a
cífica e claramente quais as funções ministeriais adicionais que um ministro oportunida de de fam il iarizar- se com os membros em perspectiva.
licenciado poderá desempenhar, mas sempre com a ressalva de que suas fun-
ções como ancião de igreja e suas funções ampliadas estejam sempre e unica- O Pastor Geral e a Comissão Diretiva
mente dentro da igreja ou do grupo de igrejas a que ele serve. (Ver pág. 52.) Dirigem os Obreiros da Associação/Missão
Em seus votos, a Comissão Diretiva da Associação/Missão não irá além O pastor geral da Associação/Missão, de comum acordo com a Comissão
do que for autorizado pela Comissão Diretiva da Divisão. Ela não autorizará Diretiva, dirige os obreiros do Campo local em suas diversas atividades. Ele
um ministro licenciado a ir de igreja em igreja, fora da igreja ou do grupo de tem o dever de informar aos obreiros quais são os planos e programas da Co-
igrejas das quais ele é o ancião local, realizando cerimônias da Igreja atinen- missão Diretiva e conseguir a cooperação deles para executá-los. O pastor
tes às funções de um ministro ordenado. Uma decisão da Comissão Diretiva geral deve ter especial interesse em promover a obra de evan gelização no
do Campo local não pode tomar o lugar da eleição da igreja ou da ordenação Campo local, fazendo tudo o que estiver ao seu alcance para incentivar o
ao ministério evangélico. constante empenho, da parte de todos os obreiros, na con quista de almas.
Deve ser diligente no recrutamento de jovens para o ministério e ajudá-los
Instrutores Bíblicos em seu preparo. A Associação/Missão nomeia diretores de Departamentos
Um muito importante ramo de serviço é o dos instrutores bíblicos. Isto é para que promovam importantes ramos da obra denominacional.
reconhecido por nossas A ssociações/Missões ao nomearem pessoas aptas Todos os obreiros da Associação/Missão – pastores, instrutores bíblicos,
para esse ramo da obra. Eles podem ser transferidos de um lugar para outro, diretores de Departamentos, etc. – estão sob a direção da Comissão Diretiva
segundo o requeira a atividade. Podem ser designados para atuar em ligação do Campo local. Eles recebem suas credenciais da Associação/Missão, e são
com uma série de conferências públicas, ficando então sob a direção imedia- responsáveis perante ela, não perante alguma igreja do Campo local. As igre-
ta do evangelista que a conduz, ou poderão ficar em alguma cidade para ser- jas podem pedir os serviços ou a ajuda dos obreiros da Associação/Missão,
vir em ligação com uma igreja local. Neste caso, estarão sob a direção imedia- dirigindo tais pedidos ao pastor geral do Campo local, mas em todos os ca-
ta do pastor da igreja; mas, como já foi mencionado, estão sob a direção geral sos a designação compete à Comissão Diretiva da Associação/Missão. Po-
da Associação/Missão. A um instrutor bíblico do Campo local não deve ser dem ser nomeados obreiros para exercer suas atividades em certas igrejas, e
pedido, exceto mediante acordo especial com a Associação/Missão, que ocu- quando a Comissão Diretiva da Associação/Missão achar que a nomeação
pe algum cargo na igreja, mas deve ficar livre para realizar o seu ministério es- deva ser modificada, ela tem autoridade para fazê-lo. O obreiro ou a igreja
pecial de ganhar almas. podem apelar para a Comissão Diretiva da Associação/Missão, pedindo que
sejam ouvidos quanto à decisão de tirar o obreiro de seu campo de atividade.
Os Gerentes do Serviço Educacional Lar e Saúde Isto será cuidadosamente considerado à luz das necessidades de toda a Asso-
Estes são obreiros da Associação/Missão e, como tais, encontram-se sob a ciação/Missão, e a decisão será tomada de acordo com isso. Se, porém, for
direção da Comissão Diretiva do Campo local e do pastor geral. Embora es- criada uma situação em que o obreiro se negue a cooperar com a Comissão
tejam, de maneira especial, em íntima ligação com nossas casas publicadoras, Diretiva e recusa atuar em harmonia com suas decisões, sua conduta poderá
não são escolhidos, eleitos ou dirigidos pelas mesas administrativas das casas ser considerada como insubordinação e tratada como tal. Ele não deverá, de
publicadoras, mas pela Associação/Missão. Na escolha de tais obreiros, con- forma alguma, apelar para a igreja quanto a essas decisões. Qualquer igreja
vém considerar as pessoas disponíveis que tenham recebido algum preparo que apóie o obreiro em sua atitude sob tais circunstâncias, expõe-se a ser dis-
em conexão com nossas casas publicadoras. ciplinada pela Associação/Missão.
O Pastor Deve Auxiliar o Evangelista Credenciais e Licenças
Ao pedir que um evangel ista dirija a obra de evangel i z a ção numa local ida de A causa de Deus tem q ue ser zelosam ente salvaguardada por dirigentes
150 Manual da Igreja Os Ministros e Obreiros em Relação à Igreja 151

responsáveis em cada passo de sua organização, desde a igreja local até à As- Obreiros Aposentados
sociação Geral. Para que os inimigos da causa não tenham acesso aos nossos Entre as várias Associações/Missões há obreiros que, por motivo de idade
púlpitos, insiste-se da maneira mais categórica que não seja permitido que ou estado de saúde, se retiraram do serviço ativo. Esta classe de obreiros é me-
pessoa alguma fale a qualquer congregação sem que apresente credencial da recedora de honra e consideração. Em muitos casos, eles dedicaram longos
Organização, válida e a tualizada. Reconhecemos que há ocasiões em que anos ajudando a edificar a Causa de Deus. Sua presença é uma bênção e uma
funcionários do Governo ou líderes cívicos dirijam a palavra a nossas congre- ajuda para nossas igrejas.
gações; mas todas as pessoas não autorizadas devem ser excluídas do púlpito. Os obreiros aposentados são em geral membros da igreja mais próxima de
(Ver págs. 75, 149 e 215-217.) sua residência. Podem ser eleitos para qualquer cargo da igreja, e neste caso
A Confraternidade de igrejas, por meio da Associação/Missão, confere a atuam livremente em todos os misteres do cargo em que servem. Também
certas pessoas a autoridade de representar a Igreja e por ela falar como minis- podem exercer suas funções ministeriais sob a direção da Comissão Diretiva
tros e obreiros do evangelho. Essa autoridade é representada pela concessão da Associação/Missão.
de credenciais, que são documentos devidamente datados e assinados pelos
oficiais da Associação/Missão. A autoridade assim conferida não é pessoal Ministros Sem Credenciais Que Servem em Nossas Igrejas
nem inerente à pessoa possuidora da credencial, mas inerente à corporação Poderá haver homens que, anos atrá s, foram ordena dos como ministros, ma s
que concede a credencial, e pode ser retirada a qualquer momento em que por algum motivo justi fica do não possuem credenc iais da Organização. Eles
exista uma causa justificada. As credenciais concedidas aos obreiros nunca podem ser eleitos como anc iã os de igrejas e, se sua ordena ção não houver sido
devem ser consideradas propriedade pessoal, mas pertencem à organização inval ida da, tais home ns não prec isam ser ordenados como anc iã os, mas em sua s
que as outorgou. O obreiro está moralmente obrigado a devolvê-la quando a funções ficam restr itos às ativ idades e às prerrogativas de um anc ião local.
organização o pedir.
São concedidas credenciais oficiais a todos os autênticos obreiros adven-
tistas do sétimo dia, por comissões executivas e por períodos limitados.
Credenciais Vencidas
As credenciais são conferidas para a duração do período estabelecido pe-
los estatutos ou regulamentos operacionais da Associação/Missão/Campo e
são renovadas por voto da Associação/Missão/Campo em sessão ou pela co-
missão administrativa. Se, por qualquer motivo, for considerado impróprio
renovar as credenciais de algum ministro, ele deixará de atuar como obreiro
da organização. A posse de credenciais vencidas não o autoriza a atuar em ne-
nhum dos misteres de um ministro. Em tal caso, não possui ele nem mais au-
toridade nem categoria que qualquer membro leigo na igreja.
Destituição de um Ministro do Evangelho
Um ministro do evangelho pode ser destituído de seu cargo por voto da
Comissão Diretiva da Associação/Missão, sem que isso afete a sua situação
de membro da igreja. Quando um ministro é excluído da igreja e mais tarde
nela reintegrado como membro, ele não é também reintegrado no ministério.
Essa pessoa é readmitida na igreja como membro leigo.
Capítulo 11

A Eleição da Igreja
Em vista das responsabilidades dos oficiais da igreja e da espécie de ativi-
dade que deles se requer, a eleição desses oficiais é uma tarefa importante.
Este dever deve ser efetuado com oração, de maneira bem ordenada e séria.
Só devem ser escolhidas pessoas que pretendem cumprir plenamente as tare-
fas específicas da função para a qual foram eleitas.
A Comissão de Nomeações
Na Igreja Adventista do Séti mo Dia, os oficiais são eleitos anual me nte ou de
dois em dois anos (ver pág. 49), por interméd io da desi gna ção de uma com is-
são de nomeações. Esta com issão aprese nta seu relatór io à igreja, a qual dec ide
então ace rca dos nomes aprese ntados. Este procedime nto possibil ita que a igre-
ja estude minuciosame nte ca da nome, antes da ele içã o, e impede a competiçã o
públ ica que pode surgir quando as nomeações são real i z a das no ple nár io.
A Comissão de Nomeações estudará as necessidades da igreja e fará uma
cuidadosa pesquisa sobre a aptidão dos membros para ocupar os diferentes
cargos. Por esta razão, os oficiais não serão nomeados pela congregação ou
por voto geral.
O Manual da Igreja não dete r m i na o nú me ro de me mbros da com issão de
nomea ções. Ele var iará de cinco me mbros numa igreja peque na a um núme-
ro maior nu ma igreja grande. O nú me ro exato ficará a crité r io de ca da igre-
ja. Esta questão deve ser estuda da pela Com issão da Igreja antes que seja
aprese nta da a esta últi ma. Então poderá ser submetida uma recome nda çã o
adequa da à igreja, procu rando inte r ferir o mínimo possível na seqüê nc ia do
culto sabático.

Quando é Escolhida a Comissão de Nomeaçõ es. – A Com issão de Nomea-


ções deve ser escolh ida no últi mo trimestre do ano eclesiá stico e aprese ntar re-
latór io pelo me nos três se manas antes do últi mo sába do do ano eclesiá stico.

Como é Escolhida a Comissão de Nomeações. – O pastor ou o líder do dis-


trito, ou, em sua ausência, o ancião deve apresentar o assunto à congregação.
A igreja nomeará, então, uma Comissão Especial, que será responsável pela
escolha da Comissão de Nomeações. A Comissão Especial pode ser escolhida
de uma das duas formas seguintes:
1. Por nomeação verbal ou escrita, pelo plenário. Se for nomeação verbal
154 Manual da Igreja A Eleição da Igreja 155

pelo plenário, deve-se entender que nenhum membro poderá nomear mais Atribuiçõ es da Comissão de Nomeaçõ es. – Logo que possível, após a sua
que uma pessoa. Desaprova-se o empenho de um indivíduo ou de um peque- ele ição, a Com issão de Nomeações deve ser convoca da pelo seu preside nte.
no grupo de pessoas para impor seu critério a todos os membros da igreja. Com fervorosa ora ção ped i ndo a or ie ntação divina, a com issão deve começar
Deve-se fazer todo esforço para garantir uma ampla representação na com- sua ativ ida de preparando uma lista dos nomes dos ofic iais e seus auxil iares,
posição da Comissão Especial. Tudo quanto seja de natureza política deve ser composta de me mbros em boa e re g ular situa ção no rol de membros da igre-
evitado. O pastor ou diretor do distrito atua como presidente dessa Comissão ja que está fa ze ndo as ind ica ções. Os nomes se rão ind ica dos para os cargos e
Especial. Caso o pastor ou diretor do distrito não tenha ainda sido escolhido aprese nta dos à igreja durante o culto sabático re g ular, ou du rante a reunião
como o dirigente da igreja, o presidente dessa Comissão Especial deve ser in- administrativa da igreja, espec ial mente convoca da. Ao fa zer suas escolha s, a
dicado pela Comissão da Igreja dentre os membros da Comissão Especial. O com issão pode aconselhar-se com outros que estejam bem infor ma dos. Esta
tamanho da Comissão Especial deve ser igual ao da Comissão da Igreja, com com issão não nome ia o pa stor nem o(s) pa stor ( es) assoc ia do(s). Tais nomea-
um adicional de cinco a sete pessoas. ções são feitas pela Mesa Ad m i n istrativa da Assoc ia çã o / Missã o.
2. Votando autorizar a Comissão da Igreja, junto com cinco a sete pessoas A Comissão de Nomeações da igreja escolhe os seguintes:
escolhidas pe la igreja, de ac ordo com o pará grafo acima, para funcionar
como Comissão Especial. Se este critério for adotado, o presidente da Comis- Ancião(s)
são da Igreja atuará normalmente como presidente da Comissão Especial. Diácono(s)
(Ver pág. 147.) Diaconisa(s)
A seqüência dos passos é a seguinte: Secretário(a)
a. A igreja nomeia por voto uma Comissão Especial, através de um dos Tesoureiro(a)
dois métodos acima referidos. Vice-tesoureiro(a) ou vice-tesoureiro(a)s
b. A Comissão Especial recomenda à igreja os nomes para a Comissão de Diretor(a) dos Ministérios da Criança
Nomeações, com s ugestões para secretário(a). Deve-se fazer todo es forço Diretor(a) do Coro ou da Música
para garantir ampla representação ao se compor a Comissão de Nomeações. Organista ou Pianista da Igreja
c. A igreja nomeia por voto a Comissão de Nomeações, dando o nome Diretor(a) de Educação da Igreja
do(a) secretário(a). Diretor(es) dos Ministérios da Família
d. O pastor ou diretor do distrito é membro ex-officio a atua como presi- Diretora dos Ministérios da Mulher
dente da Comissão de Nomeações. Caso o pastor ou diretor do distrito deci- Coordenador(a) do Ministério em Favor de Pessoas com Deficiências
da não atuar como presidente, ou caso o pastor ou diretor do distrito não te- Diretor(a) dos Ministérios Pessoais
nha sido escolhido para liderar a igreja, a Comissão Especial recomendará o Secretário(a) dos Ministérios Pessoais
nome de um membro local para atuar como presidente da Comissão de No- Coordenador(a) da Escola Bíblica
meações. Coordenador(a) dos Ministérios de Publicações
e. A Comissão de Nomeações reúne-se para preparar a lista de oficiais da Coordenador(a) de Interessados
igreja que será apresentada à igreja para aprovação. Diretor(a) dos Serviços em Favor da Comunidade
f. A igreja elege por voto os diversos oficiais para o ano seguinte. Diretor(a) da Escola Sabatina
Vice-diretores(as) da Escola Sabatina
Quem Deve Ser Membro da Comissão de Nomeações. – Somente os mem- Secretário(a) da Escola Sabatina
bros da igreja que estão em plena comunhão com ela devem ser escolhidos Vice-secretário(a) da Escola Sabatina
para membros dessa comissão. Devem ser pessoas de são juízo e, acima de Diretores(as) das Divisões da Escola Sabatina, incluindo os(as)
tudo, ter em vista o bem-estar e a prosperidade da igreja. diretores(as) das Divisões dos Adultos e de Extensão.
Secretário(a) do Fundo de Inversão da Escola Sabatina
156 Manual da Igreja A Eleição da Igreja 157

Diretor(a) da Escola Cristã de Férias da igreja local,* os membros apropriados da Comissão de Nomeações devem
Presidente da Associação Lar e Escola informar essas pessoas de sua nomeação para o cargo, obtendo o seu consen-
Secretário(a)-tesoureiro(a) da Associação Lar e Escola timento para a indicação.
Diretora do Serviço Beneficente e Social Adventista
Secretária-tesoureira do Serviço Beneficente e Social Adventista Comparecimento Perante a Comissão de Nomeações. – Se algum membro
Diretor(a) da Sociedade dos Juvenis Adventistas da igreja desejar comparecer perante a Comissão de Nomeações por ocasião
Vice-diretor(a) da Sociedade dos Juvenis Adventistas de suas reuniões, a fim de fazer sugestões ou objeções, deve ser-lhe concedi-
Diretor(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas da a oportunidade de assim proceder. Suas sugestões ou objeções serão con-
Vice-diretor(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas sideradas e julgadas depois que ele (ou ela) tiver saído da sala da comissão.
Conselheiro(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas Quando isto houver sido feito e tudo estiver esclarecido a pleno contento da
Secretário(a)-tesoureiro(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas comissão, ela estará em condições de apresentar o seu relatório à igreja.
Vice-secretário(a)-tesoureiro(a) da Sociedade dos Jovens Adventistas
Diretor(a) de Música da Sociedade dos Jovens Adventistas As Considerações da Comissão de Nomeações São Confidenciais. – Isso de
Organista ou Pianista da Sociedade dos Jovens Adventistas um membro de uma comissão de nomeações repetir, fora da sessão da co-
Diretor(a) do Clube dos Desbravadores missão, qualquer informação, observação ou conversa referente a qualquer
Vice-diretor(a) do Clube dos Desbravadores membro cujo nome haja sido considerado para algum cargo, constitui uma
Diretor do Clube dos Aventureiros violação da ética cristã e do espírito da regra áurea. Uma transgressão nesse
Diretor(a) de Liberdade Religiosa sentido constitui motivo suficiente para excluir tal membro de uma comissão
Diretor(a) de Comunicação ou Comissão de Comunicação da Igreja de nomeações. Todas as investigações e considerações referentes à capacida-
Diretor(a) dos Ministérios de Saúde de dos membros para desempenharem cargos na igreja devem ser confiden-
Diretor(a) de Mordomia ciais. Se for necessário que se façam investigações fora da comissão, quem de-
Comissão da Igreja verá fazê-lo é o presidente da comissão.
Conselho Escolar Estes princípios se aplicam à atuação de todas as comissões de nomeações,
Outros oficiais que a igreja julgar necessários, exceto os professores da Es- tanto na obra da igreja como na da Associação/Missão.
cola Sabatina, que serão designados pela Comissão da Escola Sabatina e
aprovados pela Comissão da Igreja. A Apresentação do Relatório à Igreja. – Este relatório é apresentado à igre-
ja em conjunto, e não à Comissão da Igreja, pois ela não tem competência
Os ofic iais da Associação Lar e Escola são nomeados onde a igreja lo- nestes assuntos. O relatório da Comissão de Nomeações poderá ser apresen-
cal é a única igreja que mantém a escola. Tais nomeações são for necidas tado no culto de sábado ou em uma reunião administrativa da igreja espe-
ao Conselho Escolar, que faz a designa ção. Onde mais de uma igreja man- cialmente convocada.
têm a escola, todo esse processo é real i z a do pelo Conselho Escolar. (Ver Quando a Comissão de Nomeações estiver pronta para apresentar o seu
págs. 118 e 119.) relatório, caberá ao presidente da Comissão de Nomeações a oportunidade
Naturalmente, o tamanho da igreja determinará o número dos oficiais da de fazer as devidas observações perante a igreja. Uma cópia do relatório de-
igreja a serem escolhidos. Se a igreja é pequena, muitos dos vices podem ser verá ser colocada nas mãos dos membros ou lida perante a igreja pelo(a) se-
omitidos. Numa igreja grande, todos os o ficiais e diretores citados na lista cretário(a) da Comissão de Nomeações. O presidente deverá anunciar que o
precedente serão necessários. relatório será votado na semana seguinte ou duas semanas mais tarde.
_________________
A Comissão de Nomeações Deve Consultar os Prováveis Oficiais. – Depois *Qualquer exceção a esta regra deverá ser aprovada pela Associação/Missão. (Ver pág.
de escolher para os vários cargos as pessoas que sejam membros fiéis e leais 51, “A Atividade Religiosa do Ancião da Igreja é Local”.)
158 Manual da Igreja A Eleição da Igreja 159

Objeçõ es ao Relatório da Comissão de Nomeaçõ es. – Todo me mbro da entre uma e outra asse mblé ia. Esta com issão está investida do poder con fe r i-
i greja tem o dire ito de levantar objeções ao relatór io da Com issão de No- do e da autorida de de todas as igrejas no territór io da Assoc ia çã o / Missã o.
mea ções. Qualquer objeção deve ser aprese ntada pessoal me nte à Com issão
de Nomea ções, para conside ra çã o, antes da se g u nda le itu ra do relatór io, A Escolha de Delegados. – “[Deus] dispôs ... as coisas de maneira tal que
marcando - se um encontro com o preside nte ou com o pa stor da igreja. Por homens escolhidos sejam enviados como delegados às nossas assembléias.
ocasião da se g u nda leitu ra do relatór io, a pessoa que tiver alguma objeção Esses homens devem ser experimentados e provados. Devem ser homens
também pode rá pedir que todo o relatór io volte à Com issão de Nomea ções, dignos de confiança. A esc olha dos delegados para assistirem às nossas as-
sem que seja debatido, para conside ra ção poste r ior. O procedimento usual é sembléias é um assunto importante. Esses homens devem fazer os planos que
que o preside nte ace ite o ped ido. No entanto, se o pedido se transformar serão adotados para o avançamento da obra, pelo que devem ser homens de
nu ma proposta, ele não é debatível e se rá dec idido por voto da maior ia. O discernimento, capazes de raciocinar da causa para o efeito.” – Testemunhos
preside nte da com issão deve, então, anunciar quando e onde a com issão es- Seletos, vol. 3, pág. 410.
tará reunida em sessão para ouvir as objeções a qualquer nome. Nessa oca- O nú me ro de dele ga dos de ca da igreja para a asse mblé ia da Assoc ia-
siã o, o me mbro que tiver uma objeção, ou qualquer outro me mbro que de- ção/Missão é dete r m i na do pelas cláusulas dos estatutos do Campo local. Ao
sejar exe rcer esse dire ito, deve rá comparecer pe rante a com issão. Se a ele ição che gar o momento de ele ger os dele ga dos, o pa stor ou o primeiro anc iã o, em
for adia da dev ido à objeção de algum me mbro, se rá ca so de ex tre ma se r ie- cooperação com o pa stor, aprese ntará o assunto à igreja. Pode ser for mada
dade de i x ar ele de aprese ntar-se pe rante a com issão. Objeções tr iv iais ou u ma com issão para nomear os dele ga dos, ou pode - se pedir à Com issão da
sem fundame nto não devem ser aprese nta das contra ne nhum nome; ma s, se Igreja que os escolha. Não se deve pe r m itir que pe netre na obra coisa al g u ma
houver ra zões sérias pelas quais uma nomeação deva ser troca da, essas de- de fe ição política. Devem ser nomea dos, como dele gados, homens e mulhe res
vem ser apresenta da s. A com issão deve dar a dev ida conside ração às obje- de pieda de e lealda de reconhec idas e que possam comparecer à asse mblé ia.
ções apresenta da s. Se forem acha das justa s, a com issão substitu i rá o nome Quando a comissão designada, ou a Comissão da Igreja, houver termina-
i mpu gna do. Quando o relatór io for novame nte apresenta do à igreja, esta vo- da a sua atividade, deverá apresentar o relatório à igreja, indicando os nomes
tará o relatór io da com issão. Todos os me mbros da igreja devem votar na dos membros que escolheu como delegados. A igreja então votará essas no-
ele ição dos ofic iais da igreja. A ele ição é efetua da pelo voto da maior ia dos meações. Nenhum oficial da igreja é delegado ex-officio em virtude de seu
que estive rem prese ntes e votarem. cargo. Depois da eleição, o(a) secretário(a) da igreja preencherá os formulá-
rios das credenciais de delegado providos para esse fim, e os devolverá ao(à)
Vagas. – Se um cargo da igreja ficar vago durante o ano, por morte, mu- secretário(a) da Associação/Missão. Os delegados escolhidos tornam-se re-
dança, renúncia ou qualquer outro motivo, a Comissão da Igreja escolherá presentantes da igreja, para, junto com os delegados de outras igrejas da As-
um sucessor para preencher a vaga pela parte restante do período de duração sociação/Missão, participarem na eleição dos oficiais da Associação/Missão
do cargo e submeterá essa escolha à igreja, para eleição. e na consideração de quaisquer outros assuntos administrativos. Os delega-
dos para uma assembléia da União são escolhidos pelas Associações/Missões
Eleição de Delegados à Assembléia da Associação/Missão Local locais, e não pelas igrejas. Os delegados à assembléia da Associação Geral são
Nas organ i z a ções da Assoc ia çã o / Missão local e da Un iã o, toda autor ida de escolhidos pelas Divisões e Uniões. Os respectivos períodos de mandato des-
a d m i n istrativa emana dos dele ga dos em asse mblé ia. As igrejas locais da Asso- sas organizações são determinados por seus respectivos estatutos.
ciação/Missão ele gem dele ga dos para a asse mblé ia dessa Assoc ia çã o / Missã o.
Eles estão dev idamente autor i z a dosa represe ntar as igrejas nessas asse mblé ia s. Dever dos Del egados. – Um delegado a uma asse mbléia da Associa-
A asse mblé ia da Assoc ia ção/Missão ele ge ofic iais, outorga crede nc iais e lice n- ção/Missão não é escol hido para simplesmente representar a igreja ou o
ça s, adota ou mod i fica os estatutos, se isto for necessário, e toma outras dec i- Campo local. Quando em sessão, ele (ou ela) deve ter em vista a obra em seu
sões administrativa s. Um de seus mais importantes atos é a ele ição da Mesa conjunto, lembrando que é responsável pelo bem-estar da obra em todos os
Administrativa, cujo dever é func ionar em nome da organização no pe r íodo setores do Campo. Não é pe r m issível que as dele ga ções de uma igreja ou de
160 Manual da Igreja
Capítulo 12
u ma Assoc ia ção/Missão se al iem ou busquem arregimentar seus votos em blo-
co. Nem é permissível que os delega dos de uma igreja grande reivindiquem a
preeminê nc ia para dirigir os assuntos da assemblé ia de uma Assoc ia ção/Mis-
Finanças Evangélicas
sã o. Ca da dele ga do deve ser susceptível à direção do Espírito Santo, e dar seu
voto em har mon ia com suas conv icções pessoais. Qualquer ofic ial de igreja ou O plano evangélico para o sustento da obra de Deus na pregação do evan-
de Assoc iação/Missã o, ou dirigente, que te nta sse arregimentar os votos de um gelho eterno é fazê-lo pelos dízimos e as ofertas de Seu povo. A Igreja Adven-
grupo de delegados, ficar ia desqual i fica do para o exercício do cargo. tista do Sétimo Dia tem seguido este plano desde seus primeiros anos.
A base bíblica para a entrega do dízimo e das ofertas encontra-se nestas
Responsabilidade dos Oficiais da Associação/Missão passagens: Lev. 27:30; Mal. 3:8-12; Mat. 23:23; I Cor. 9:9-14; II Cor. 9:6-15.
A igreja local não tem autor idade fora de sua própr ia corpora ção local. Une- Observem também o seguinte, do Espírito de Profecia:
se às de mais igrejas da Assoc ia ção/Missão e dele ga autor ida de e responsabil i- “O sistema dos dízimos e ofertas destinava-se a impressionar a mente dos
da de aos ofic iais da Assoc iação/Missão e à Mesa Administrativa para real i z a- homens com uma grande verdade – verdade de que Deus é a fonte de toda
rem a obra do Campo local entre as assemblé ia s. Esses ofic iais são responsáveis bênção a Suas criaturas, e de que a Ele é devida a gratidão do homem pelas
pe rante toda a Assoc iação/Missã o, e não pe rante igreja local alguma. boas dádivas de Sua providência.” – Patriarcas e Profetas, pág. 525.
“Os dízimos e ofe rtas da dos a Deus são um reconhec i me nto do dire ito
Os Membros da Comissão Diretiva da Associação/Missão que Deus sobre nós tem pela criação, bem como o reconhec i me nto desse
Representam Todo o Campo Local mesmo dire ito que a Deus assiste pela nossa rede nção. Pelo fato de todas as
Os membros da Comissão Diretiva da Associação/Missão são eleitos para nossas capacida des prov i rem de Cr isto, tais ofe rtas devem reve rter de nós
representar a obra em todo o t erritório do Campo local; não representam para Ele. Devem lembrar- nos se mpre o dire ito que a Deus con fe re a nossa
meramente uma igreja local, ou distrito, ou alguma instituição no seu territó- rede nçã o, o maior de todos os dire itos, e que inclui todos os de mais. A com-
rio. Cada membro deve sentir uma responsabilidade definida quanto a pro- pree nsão do sacrifíc io fe ito por nós deve conse rvar- se viva em nossa me n-
mover todos os interesses da obra em todas as partes do Campo. As decisões te, e exe rcer se mpre influê nc ia sobre nossos pe nsame ntos e planos. Cr isto é,
e os votos da comissão não devem ser dominados ou influenciados por ne- com efe ito, como Alguém que está cruc i fica do entre nós.” – Testemunhos Se-
nhuma igreja, grupo ou indivíduo. As Mesas Administrativas tomam suas letos, vol. 3, pág. 77.
decisões depois de estudar com cuidado e oração todos os aspectos dos as- “O dízimo é sagrado, reservado por Deus para Si mesmo. Tem de ser tra-
suntos referentes à administração da obra que lhes são apresentados. zido ao Seu tesouro, para ser empregado em manter os obreiros do evangelho
em seu trabalho.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 9, pág. 249.
“Ele deu a Seu povo um plano para levantamento de fundos suficientes
para esse empreendimento se manter por si mesmo. O plano divino do siste-
ma do dízimo é belo em sua simplicidade e eqüidade. Todos podem dele lan-
çar mão com fé e ânimo, pois é divino em sua origem. Nele se aliam a simpli-
cidade e a utilidade, e não exige profundidade de saber o compreendê-lo e
executá-lo. Todos podem sentir que lhes é possível ter parte em promover a
preciosa obra de salvação. Todo homem, mulher e jovem se pode tornar te-
soureiro do Senhor, e agente em atender às exigências sobre o tesouro. Diz o
apóstolo: `Cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a
sua prosperidade.’“ – Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 367.
“Aquilo que, de acordo com as Escrituras, foi posto à parte, como perten-
cendo ao Senhor, constitui a renda do evangelho, e não mais nos pertence.
162 Manual da Igreja Finanças Evangélicas 163

Não é nada menos que sacrilégio, uma pessoa lançar mão do tesouro do Se- mate r iais, é, no entanto, al g u ma coisa que se reflete mu ito de finidame nte em
nhor a fim de se servir, ou a outros, em seus negócios temporais.” – Testemu- nossa expe r iê nc ia cristã. O Senhor requer ce rtas coisas de nós, para que Ele
nhos Para a Igreja, vol. 9, págs. 246 e 247. possa fa zer certas coisas por nós. Nossa obed iê nc ia voluntár ia ao que nosso
“Todo membro de igreja deve ser ensinado a ser fiel em devolver um dízi- Pai celestial ex i ge põe este aspecto da mordom ia num alto plano espiritual.
mo honesto.” – Ibidem, vol. 9, pág. 251. Nosso Deus não é ex i ge nte. Não ex i ge arbitrariame nte que O sirvamos ou
“Não é este um pedido do homem; é uma das ordenanças de Deus, pela Lhe sejamos reconhec idos com nossas ofe rta s. Tomou, porém, as prov idê n-
qual Sua obra pode ser mantida e levada avante no mundo. ... Ninguém se c ias necessárias para que, quando trabalhamos de acordo com Ele nessas
pode escusar de dar seus dízimos e ofertas ao Senhor.” – Testemunhos Para coisa s, fluam para o nosso cora ção grandes bê nçã os espi r ituais. Por outro
Ministros, 3ª edição, pág. 307. la do, se de i x ar mos de coope rar com Ele na real i z a ção de Seus planos, pr ivar-
“Deus tem feito depender a proclamação do evangelho do trabalho e dos nos - e mos de Suas mais ricas bênçã os quando mais delas necessitar mos.
donativos de Seu povo. As ofertas voluntárias e os dízimos constituem o meio “Deus deseja que todos os Seus mordomos sejam exatos no seguir os pla-
de manutenção da obra do Senhor. Dos bens confiados aos homens, Deus re- nos div i nos. Eles não devem alte rá - los para praticar al g u ns atos de car ida-
clama certa porção – o dízimo. A todos deixa Ele liberdade para decidirem se de, ou dar algum donativo ou ofe rta quando e como eles, os age ntes huma-
desejam ou não dar mais do que isto.” – Atos dos Apóstolos, pág. 74. nos, acharem oportu no. É um lame ntável método da parte dos home ns,
“Deus deu orientação especial quanto ao emprego do dízimo. Ele não quer procu rarem melhorar os planos de Deus, inve ntando exped ie ntes, tirando
que Sua obra seja entravada por falta de meios. Para que não haja uma obra u ma média de seus bons impulsos, contrapondo - os às re iv i nd ica ções div i-
acidental, nem engano, Ele tornou bem claro o nosso dever sobre esses pon- nas. Deus requer de todos que ponham sua influê ncia do la do de Seu pró-
tos. A porção que Deus reservou para Si, não deve ser desviada para nenhum prio plano. Ele o tor nou conhec ido; e todos quantos qu iserem coope rar
outro desígnio que não aquele por Ele especificado. Ninguém se sinta na li- com Ele, têm de levar avante este plano, em vez de ousar te ntar melhorá - lo.”
berdade de reter o dízimo, para empregá-lo segundo seu próprio juízo. Não – Obreiros Evangélicos, pág. 225.
devem servir-se dele numa emergência, nem usá-lo segundo lhes pareça jus-
to, mesmo no que possam considerar como obra do Senhor.” – Obreiros Evan- O Dízimo
gélicos, págs. 224 e 225. Em reconhecimento do plano bíblico e da solene obrigação que sobre eles
repousa como filhos de Deus e membros de Seu corpo, a Igreja, os membros
Mordomia da Igreja são animados a entregar à tesouraria da denominação um dízimo
Os cristãos são mordomos de Deus, depositários de Seus bens e, como fiel, a décima parte de todas as suas rendas.
Seus sócios, responsáveis por administrá-los de acordo com Suas orientações O dízimo não é usado nem gasto pela igreja local, mas enviado ao(à) te-
e princípios, da maneira delineada nas Escrituras e no Espírito de Profecia. O soureiro(a) da Associação/Missão. Assim, o dízimo de todas as igrejas flui
conselho divino é que “se requer dos despenseiros que cada um deles seja en- para a tesouraria do Campo local, que por sua vez remete um décimo da en-
contrado fiel” (I Cor. 4:2). O assunto da mordomia, em sua forma mais plena, trada total de seus dízimos à União. Por sua vez, a União envia à Associação
abrange muitos aspectos da vida e da e xperiência cristãs, tais como nosso Geral, ou a suas Divisões, um décimo de sua renda total de dízimos. Assim, a
tempo, nossa influência e nosso serviço, mas não há dúvida de que a mordo- Associação ou Missão local, a União e a Associação Geral ficam providas de
mia de nossos meios é um aspecto vitalmente importante deste assunto. É um fundos para suster os obreiros e atender aos gastos de dirigir a obra de Deus
assunto que diz respeito a toda a família da Igreja. Envolve nosso reconheci- em suas respectivas esferas de responsabilidade e atividade.
mento da soberania de Deus, de que Ele é o proprietário de todas as coisas e As Associações ou Missões locais, além de entregarem à União dez por
de que concede Sua graça ao nosso coração. Ao crescermos na compreensão cento de sua renda de dízimos, entregam também, por intermédio da União,
destes princípios, seremos levados a apreciar melhor a maneira pela qual o à Associação Geral ou às suas Divisões, uma porcentagem adicional de seu
amor de Deus atua em nossa vida. dízimo, conforme determinar a Comissão Diretiva da Associação Geral ou
Se bem que este aspecto da mordom ia cristã se re fi ra às nossas posses da Divisão, para o financiamento do programa da Igreja.
164 Manual da Igreja Finanças Evangélicas 165

Essas praxes foram criadas para a coleta e o desembolso de fundos em A Entrega do Dízimo é Uma Obrigação Bíblica. – Embora devolver o dízi-
todo o mundo e para a direção dos assuntos financeiros da Obra. O aspecto mo não constitua prova de discipulado, é ele reconhecido como uma obriga-
financeiro da Obra é de grande importância. Ele não pode ser separado da ção bíblica que todo crente tem para com Deus, e como uma das práticas es-
proclamação da mensagem de salvação; é realmente uma parte integral dela. pirituais em que deve ter parte ao reivindicar pela fé a plenitude da bênção na
vida e na experiência cristãs.
A Doação Sistemática e a Unidade. – O plano financeiro da denominação “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na
atende a um propósito mais amplo do que aquele que aparece em seus relató- Minha casa, e provai-Me nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir
rios estatísticos e financeiros. O plano é mais do que um meio para reunir e as janelas do Céu, e não derramar sobre vós bênção sem medida.” Mal. 3:10.
distribuir fundos. É sob a direção de Deus, um dos grandes fatores de unifi-
cação do Movimento Adventista. O povo de Deus é um povo unido. O siste- Ofertas
ma da Igreja, de dividir os dízimos entre o Campo e a União, e entre a União Além do dízimo, assinalam as Escrituras nossa obrigação de trazer ofertas
e a Associação Geral, e em partilhar os fundos com os campos missionários ao Senhor. A retenção de ofertas, junto com a retenção do dízimo, é chama-
do mundo, tem contribuído para o cumprimento do maravilhoso propósito da roubo (Mal. 3:8). A Igreja Adventista do Sétimo Dia, desde o início de sua
de unificar a Obra no mundo inteiro. existência, seguiu a prática de dar ofertas liberais para a Ca usa de Deus.
Como resultado, grande prosperidade e bênção acompanharam a obra. O
Como Usar o Dí z imo. – O dízimo deve ser considera do sagra do para a obra povo de Deus tem-se unido em apoiar generosamente a Causa por meio de
do ministé r io e para o ensino da Bíblia, bem como para levar avante a adminis- ofertas proporcionais a suas rendas.
tra ção da Assoc ia ção/Missão, o cu ida do das igrejas e as ativida des dos campos
m issionários. O dízimo não deve ser ga sto em outras fi nal ida des, tais como o Ofertas da Escola Sabatina. – Nosso método mais apropr ia doe mais ampla-
pagame nto das dív idas das igrejas ou das institu ições, ou para construções. mente seguido para dar siste maticame nte é por meio de nossas Escolas Sabati-
“Uma mensagem muito clara, definida, me foi dada para nosso povo. É- nas. As ofe rtas das Escolas Sabati nas são ded ica das à nossa obra missionária
me ordenado dizer-lhes que estão cometendo um erro em aplicar os dízimos mu nd ial. Sába do após sába do somas avulta das são for nec idas por esse me io.
a vários fins, os quais, embora bons em si mesmos, não são aquilo em que o
Senhor disse que o dízimo deve ser aplicado. Os que assim o empregam, es- Outras Ofertas. – Outras ofertas são arrecadadas de quando em quando
tão-se afastando do plano de Deus. Ele os julgará por essas coisas.” – Obreiros para a obra missionária mundial, e para outros empreendimentos gerais e lo-
Evangélicos, pág. 226. cais. Quando qualquer oferta é arrecadada para a obra missionária mundial
ou para empreendimentos gerais ou locais, toda importância depositada nas
Como é Devolvido o Dízimo. – O dízimo é do Se nhor e deve ser entregue, salvas deve ser considerada parte daquela oferta especial, a menos que o doa-
como um ato de adora çã o, à tesou rar ia da Assoc ia çã o / Missã o, através da igre- dor faça qualquer outra indicação.
ja a que o me mbro pe rte nce. Onde as circu nstânc ias são incomu ns, os me m-
bros da igreja devem consultar os administradores de sua Assoc ia çã o / Missã o. Ofertas Esp eciais Para os Campos Lo cais – O suste nto fi nanceiro da obra
m issionária mu nd ial da Igreja ba seia-se no siste ma de orçame nto. Conce-
Os Obreiros da Associação/Missão e os Oficiais da Igreja De vem Dar de m - se aos dive rsos Campos subve nções com ba se em suas necessida des
Exemplo na Devolução do Dízimo. – Os obreiros da Associação/Missão, os orçada s. Esta é uma mane i ra justa e eqü itativa de distr ibuir os fu ndos. As-
anciãos e outros oficiais da igreja e os diretores de instituições devem reco- se g u ra - se, assim, a cada Campo, o recebi me nto de uma porção justa. Quan-
nhecer como princípio de liderança na Obra de Deus o bom exemplo que de- do se fa zem ofe rtas especiais, fora do orçame nto re g ular, a dete r m i na do
vem dar na questão da devolução do dízimo. Aquele que não procede de Campo, criam - se disparida des e desvantage ns para todos os de mais Cam-
acordo com esse padrão de liderança, não deve continuar como oficial de pos. Se esses donativos fossem da dos com o propósito de inic iar obra nova,
igreja ou obreiro da Associação/Missão. esta obra assim começada perece r ia quando o donativo especial houvesse
166 Manual da Igreja Finanças Evangélicas 167

te r m i na do, ou a obra te r ia de ser inclu ída no orçame nto para seu suste nto Orça m e nto Op e rat i vo
futu ro. Assim, os outros Campos, com necessida des talvez maiores, ma s
IASD:
que não tivessem a oportu n idade de tor ná - las conhecida s, ficar iam pr iva- Ano:
Va l o res %
dos de sua parte eqü itativa dos fu ndos ge rais, subtraídos para ate nder à
1 ENTRA DA S
obra empree nd ida med iante donativos especiais. Toda a histór ia desta Cau- Ofe rta Igreja Local (Específica + 60%)
E xcesso Recolta (80%)
sa de monstrou re ite ra das vezes como é prude nte que todos os nossos me m- S u bve n çõ e s
bros dêem ge ne rosa e leal me nte suas ofe rtas e dá d ivas, por me io dos devi- Ou t ras
Total / Ent ra d a s
dos canais, com a satisfa ção de saber que cada campo missionár io partilha
dos be ne fíc ios dessas oferta s. 2 S A Í DA S
2.1 ADMINISTRATIVAS E GERAIS
Água e Esgoto
E n e rgia Elétrica
Auxílio aos Necessitados. – Recolhe m - se ofe rtas para os pobres e neces- Aluguéis e Condomínios
sita dos com o fim de ajudar os me mbros da igreja que necessitam de assis- Te l e fone e Fax
Ze l a d o r i a
tê nc ia. Na med ida do possível, deve rá ser mantida uma rese rva nesse fu n- Im p o s tos e Taxas
Taxas Bancárias
do, para ca sos de eme rgê nc ia. A igreja deve ter, porém, atitude be névola Manutenção e Limpeza
para com todos os que estejam pa ssando necessida de, e a Com issão da Igre- Se g u ro
Materiais Dive r s o s
ja pode rá fa zer subve nções do fu ndo da igreja para os necessitados, a fim de Co n s e rvação da Igreja
Fo to cópias
ajudar a obra de saúde e assistê nc ia social promov ida pela igreja em favor Co r re i o s
das famílias na comu n ida de. Sa l á r i o s
Viagens e Transporte s
Brindes
Ou t ras
Orçamento da Igreja Para Gastos Lo cais. – O método mais satisfatór io Total / Ad m i n i s t rat i vas e Ge ra i s
de prover para os ga stos locais da igreja, é o plano de orçame nto. Antes do
2.2 DEPARTAMENTOS
i n íc io do novo ano, a Com issão da Igreja deve preparar cu ida dosame nte Mi n i s tério Pessoal
um orçame nto de ga stos para suste ntar as ativ ida des da igreja du rante o pe- Mi n i s tério da Escola Sa b at i n a
Mi n i s tério da Criança
ríodo anual se g u i nte. Este orçame nto deve incluir todos os conse rtos, o Mi n i s tério Jove m
Mi n i s tério da Fidelidade
a quec i me nto, a luz, o se rv iço de limpeza (se tiver que ser pago), as despesa s Mi n i s tério da Música
da Escola Fu ndame ntal, o salário do(a) professor(a), a caixa dos pobres, etc. Mi n i s tério Lar e Família
Mi n i s tério da Mulher
O orçame nto deve ser aprese ntado à igreja para que o estude e adote, bem Mi n i s tério da Te m p e rança e Sa ú d e
Mi n i s tério da Comunicação
como os planos que garantam a entra da dos fu ndos que devem ser prov i- ADRA / Do rc a s
dos para equ il ibrar o orçame nto durante o ano entrante. Os fu ndos neces- De s b rava d o res
Ou t ras
sár ios para ate nder ao orçame nto de despesas da igreja podem ser recolhi- Total / De p a rt a m e ntos
dos por me io de ofe rtas e contribu ições. Cada me mbro, na proporção de 2.3 PROJETOS ESPECIAIS
sua capa c ida de fi nance i ra, deve tomar parte no sustento da igreja local, Construção / Refo r m a
Evangelismo
bem como da Causa em ge ral. Ou t ros
Total / Pro j e tos Especiais

Exemplo de Orçamento. – Na pági na seguinte, há um modelo de orçamento 2.4 RESERVAS


Reserva de Caixa / Poupança
com os itens esse nc iais:. Ou t ros
Total / Reserva s

TOTAL SAÍDAS (2.1 + 2.2 + 2.3 + 2.4)


168 Manual da Igreja Finanças Evangélicas 169

Conselhos Gerais Sobre Métodos Objetáveis de Angariar Dinheiro Para as Igrejas. – Os Adve n-
Sobre o Pedido de Fundos. – O assunto do pedido de fundos fica incluso tistas do Séti mo Dia se têm sempre oposto energicamente a todos os métodos de
nas seguintes regras: natureza objetável para a consecução de dinheiro para a obra local ou geral.
1. Nenhuma Associação/Missão, igreja ou instituição, sem conselho ou ar- “Para a obte nção de dinheiro para fi ns rel i giosos, a que me io recor rem mu i-
ranjo especial, deve projetar uma obra que requeira a solicitação de fundos tas igrejas? A ve ndas, com ida s, que r messes, e até a rifas e coisas se melhantes.
fora de seu próprio território. Toda solicitação que se faça dentro do próprio Amiúde, o lugar consagra do para o culto divino é profana do por festanças em
território deve estar em harmonia com os métodos de trabalho da Associa- que se come e bebe, compra e ve nde, e as pessoas se dive rtem. Dessa for ma de-
ção/Missão local, da União, da Divisão e da Associação Geral. saparece na mente dos jovens o respe ito à ca sa de Deus e a Seu culto. En fra-
2. Para proteger as igrejas de pedidos de fundos não autorizados ou frau- quece o dom í n iopróprio. O egoísmo, o apetite e o amor à oste nta ção são esti-
dulentos, e dos que nada têm que ver com a organização, reconhecem-se os mula dos e fortalece m - se com a prática .” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 328.
seguintes princípios e métodos: “À medida que a obra de Deus se amplia, pedidos de auxílio aparecerão
a. Os pastores e os oficiais da igreja não devem franquear o púlpito para mais e mais freqüentemente. Para que esses pedidos possam ser atendidos,
pedidos de fundos, às pessoas que não tenham reconhecimento ou recomen- devem os cristãos acatar a ordem: ‘Trazei todos os dízimos à casa do tesouro,
dação das autoridades da Associação/Missão (Ver págs. 75 e 147.) para que haja mantimento na Minha casa.’ Mal. 3:10. Se os professos cristãos
b. Não será concedida permissão para solicitar dinheiro em público ou em levassem fielmente a Deus os seus dízimos e ofertas, o divino tesouro estaria
particular sem essa permissão. repleto. Não haveria então ocasião para recorrer a quermesses, rifas ou reu-
c. Materiais aprovados para solicitação de dinheiro somente serão forneci- niões de divertimento a fim de angariar fundos para a manutenção do evan-
dos a pessoas responsáveis. gelho.” – Atos dos Apóstolos, pág. 338.
d. Todas as importâncias com que nossos irmãos contr ibuem, para qualquer
causa, ate nde ndo a apelos, se rão remetidas pelos canais re g ulares da igreja. Sobre os Dízimos e as Ofertas Não Serem um Depósito Pessoal. – Os dízi-
e. Não será concedida autorização aos obreiros denominacionais que re- mos e as ofertas entregues à igreja não formam um depósito para o futuro be-
presentem interesses especiais de uma parte do campo, para que solicitem au- nefício dos doadores. Esses fundos devem ser usados para os fins normais a
xílio em favor dessa obra em qualquer outra parte do campo ou em qualquer que são destinados.
outra Associação/Missão, sem que sejam tomadas providências com os ofi-
ciais da mesma e sem sua autorização por escrito. Sobre Evitar Dívidas. – As com issões das igrejas devem consultar sempre os
f. Os oficiais da Associação/Missão e da igreja tomarão as medidas neces- ofic iais de sua Assoc ia ção/Missão antes de incor rer em qualquer espéc ie de dí-
sárias para impedir toda solicitação pública não autorizada ou ilegal. vida. Mu itas igrejas se têm encontra do em dificulda des fi nance i ras por have r
3. Nenhuma outra campanha, fora da Recolta anual, que implique no uso prematura ou indev idame nte feito planos para construir ou comprar ed i fícios
de informes para a Recolta ou de cofres com rótulos da Recolta, deverá ser para a igreja ou a Escola Fundamental. Isso pode ser ev ita do se as igrejas con-
realizada para pedido de dinheiro, quer para a obra missionária local, quer sultarem a Assoc ia ção/Missão antes de empree nder tais coisa s, ou se se g u i rem
para o estrangeiro. A União e a Associação/Missão local devem tomar as me- as pra xes da organização para obter os recu rsos para tais empree nd i mentos.
didas necessárias para evitar toda violação desta regra.
4. Aos obreiros do campo missionário que visitem as igrejas de sua pátria Sobre o Financiamento dos Edifícios da Igreja. – As igrejas que pretendem
ou estejam em contato por correspondência com sua pátria, pede-se que so- efetuar, quer a compra quer a construção de edifícios, são advertidas contra
licitem dinheiro unicamente para empreendimentos incluídos no orçamento assumirem obrigações financeiras que possam envolver os membros em di-
de subvenções, agindo em cooperação com as igrejas e Associações/Missões ficuldades financeiras, e no tocante a esses empreendimentos, a Comissão
para coletar os fundos necessários a fim de cobrir as subvenções das quais de- Diretiva da Associação/Missão e a da União darão cuidadoso conselho em
pende nossa obra missionária mundial. Todos esses fundos devem passar pe- cada caso, tomando em consideração o tamanho da congregação, sua capaci-
los canais regulares. dade financeira e a localização do edifício.
170 Manual da Igreja
Capítulo 13
Na compra ou construção de uma propriedade da igreja, em caso nenhum
deve-se assumir qualquer compromisso nem começar obras de construção,
sem que a Comissão Diretiva da Associação/Missão e a da União tenham
Normas de Vida Cristã
dado sua aprovação, depois de se certificarem de que as providências finan-
ceiras estão de acordo com as normas estabelecidas. O Alto Chamado de Deus em Cristo Jesus
A vida do cristão não é uma leve modificação ou melhoria, mas uma com-
Sobre o Emprego e a Escrituração de Fundos. – A coleta e o emprego dos pleta transformação de sua natureza. Isto significa a morte do eu e do peca-
fu ndos desti na dos à obra do Se nhor são uma responsabil ida de sagra da. O de- do, e ressurreição para uma vida nova, como nova pessoa em Cristo Jesus.
v ido conduto por cujo me io esses fundos fluem é prime i rame nte do membro O coração do cristão torna-se a morada de Cristo pela fé. Isto ocorre pela
i nd iv idual para a igreja local. O(a) tesou reiro(a) da igreja recebe os fu ndos. “contemplação de Cristo, observar a Cristo, tendo nosso querido Salvador
(Ver págs. 61-65.) Os fundos desti nados à igreja local são por ele(a) desembolsa- como o nosso melhor e honrado amigo, a fim de que não O entristeçamos e
dos como tais. Os que estão desti nados ao uso da Assoc ia çã o / Missão ou a pro- ofendamos por qualquer ação”. Desta maneira, esses cristãos têm “a compa-
pósitos gerais sã o, pelo(a) tesoureiro(a) da igreja, remetidos ao(à) tesoureiro(a) nhia da presença divina”, e somente quando nos damos conta dessa presença
do Campo local. O(a) tesoureiro(a) da Assoc ia çã o / Missã o, por sua vez, desem- é que “nossos pensamentos são levados cativos a Jesus Cristo” e nossos hábi-
bolsa os fundos da Assoc ia çã o / Missã o, e remete ao(à) tesoureiro(a) da União os tos de vida se conformam com a norma divina. (Testemunhos Para Ministros,
fundos desti nados ao uso da União ou a outros propósitos gerais. O(a) tesoure i- págs. 387 e 388.)
ro(a) da União desembolsa os fundos desti nados ao uso da Un ião e remete ao(à) Devemos lembrar-nos de que “como anteparo à tentação, e inspiração à
tesoureiro(a) da Divisão ou da Assoc ia ção Ge ral todos os fundos da dos com pureza e à verdade, nenhuma influência pode igualar à intuição da presença
propósitos gerais. Todos esses tesoureiros, desde o da igreja local até ao da Asso- de Deus”. – Educação, pág. 255.
c ia ção Ge ral, trabalham sob a direçã o, quer da Com issão da Igreja, quer da co- O mesmo pe nsame nto está ex presso em Patriarcas e Profetas, págs. 217 e
m issão das respectivas organizações. Não desembolsam dinheiro algum inde- 218: “Se acale ntá sse mos uma impressão habitual de que Deus vê e ouve tudo
pe ndentemente do voto espec í fico das comissões responsáve is. que fa ze mos e dize mos, e conse rva um registro fiel de nossas palav ras e
a ções, e de que deve mos deparar tudo isto, te r íamos rece io de pecar. Le m-
Sobre a Revisão de Contas. – Todos os livros de escrituração, desde os bre m - se sempre os jove ns de que, onde quer que estejam, e o que quer que
do(a) tesoureiro(a) da igreja e os do(a) secretário(a) missionário(a) da igreja, fa çam, acham - se na prese nça de Deus. Parte al g u ma de nossa conduta esca-
até aos do(a) tesoureiro(a) da Associação Geral, são submetidos à revisão dos pa à obse rva ção. Não podemos ocultar nossos caminhos ao Altíssi mo. Cada
revisores de contas incumbidos desse mister. Esta regra de revisão também se ato, ca da palavra, ca da pe nsame nto, é tão distintame nte nota do como se
aplica aos livros de toda instituição dirigida e mantida pela organização. Esta ape nas houvesse uma pessoa no mu ndo inte i ro, e a ate nção do Céu nela es-
prática provê o máximo de segurança no manuseio dos recursos financeiros. tivesse ce ntralizada.”
(Ver pág. 64.) O amor de Deus estende-se a todas as pessoas, e a Seus filhos em particu-
lar. Seu ouvido está sempre atento aos pedidos de Seu povo, dos que abando-
naram o mundo e a Ele se entregaram. Desta sagrada relação emana um res-
peito e uma reverência que se manifesta todos os dias e em toda parte. Como
cristãos, somos membros da família real, filhos do Rei celestial. Portanto, não
devemos proferir palavra alguma, praticar ato nenhum que possa acarretar
desonra sobre “o bom nome com que somos chamados”. Em todos os aspec-
tos da vida, devemos estudar “cuidadosamente o caráter divino-humano, e
inquirir constantemente: ‘Que faria Jesus em meu lugar?’ Esta deve ser a me-
dida do nosso dever”. – A Ciência do Bom Viver, pág. 491.
172 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 173

É por meio da Igreja remanescente que Deus fará uma demonstração final vivem, os adventistas do sétimo dia, como filhos de Deus, de vem ser reco-
perante o Universo inteiro da suficiência do evangelho para salvar completa- nhecidos como cidadãos notáveis por sua integridade cristã e por sua obra
mente do poder do pecado a homens e mulheres. Necessita-se hoje em dia de em prol do bem comum. Conquanto nossa mais alta responsabilidade seja
que, como membros dessa Igreja, enfatizemos novamente as grandes normas para com a Igreja e sua c omissão de pregar o evangelho do reino a todo o
de procedimento cristão, e renovemos nossa fidelidade a estes princípios de mundo, devemos amparar com nossos serviços e nosso dinheiro, até onde
origem divina. Todos devem atingir as altas normas da vida cristã e estar se- seja possível e coerente, todos os esforços corretos em favor da ordem e do
parados do mundo. Para esse fim devemos salientar a advertência do Senhor: melhoramento social. Embora devamos abster-nos de toda luta política e so-
“Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o cial, devemos sempre, de maneira tranqüila e firme, manter atitude intransi-
amor do Pai não está nele.” I João 2:15. gente em prol da justiça e da retidão nos assuntos cívicos, bem como estrita
fidelidade às nossas convicções religiosas. Temos a sagrada responsabilidade
O Estudo da Bíblia e a Oração de ser cidadãos leais dos governos a que pertencemos, dando a “César o que
A vida espiritual é sustida pelo alimento espiritual. O hábito do estudo de- é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mat. 22:21).
vocional da Bíblia e a oração devem ser mantidos se queremos alcançar a san-
tidade. Em um tempo em que uma grande torrente em matéria de leitura flui A Observância do Sábado
dos prelos por toda parte, em que o próprio ar está cheio de milhares de vo- A sagrada instituição do sábado é um penhor do amor de Deus à humani-
zes que reclamam ser ouvidas, compete-nos fechar os olhos e os ouvidos para dade. É o monumento comemorativo do poder de Deus manifestado na cria-
muito do que está buscando entrada em nossa mente, e consagrar-nos ao Li- ção original e também um sinal de Seu poder de recriar e santificar a vida
vro de Deus, o Livro de todos os livros, o Livro da vida. Se deixamos de ser o (Ezeq. 20:12), e sua observância é uma prova de nossa lealdade a Ele. A devi-
povo do Livro, estamos perdidos e fracassou a nossa missão. Unicamente ao da observância do sábado é uma prova de nossa fidelidade a nosso Criador e
falar todos os dias a Deus em oração e escutar-Lhe a voz falando-nos através de nossa comunhão com nosso Redentor. Em sentido especial, o sábado é
da Bíblia, podemos esperar viver a vida que “está escondida com Cristo em uma prova de obediência. A menos que, individualmente, possamos ser nela
Deus” (Col. 3:3), ou terminar Sua obra. aprovados, como podemos, de maneira apropriada, apresentar ao mundo a
A oração é uma conversação de duas vias, em que os crentes escutam a mensagem do sábado?
Deus e falam com Ele. “A oração é o abrir do coração a Deus como a um ami- O sába do ocupa um lu gar mu ito espec ial na vida dos adve ntistas do sé-
go.” – Caminho a Cristo, pág. 93. “Pela oração sincera somos postos em liga- ti mo dia. O séti mo dia da se mana, do pôr- do-sol da sexta - fe i ra ao pôr- do-
ção com a mente do Infinito”, mas “sem oração constante e diligente vigilân- sol do sába do (Lev. 23:32), é uma dá d iva de Deus, um si nal de Sua gra ça no
cia, estamos em perigo de tornar-nos descuidosos e desviar-nos do caminho te mpo. É um privilé gio, um encontro especial com Aquele que nos ama e a
verdadeiro”. – Ibidem, págs. 97 e 95. quem nós também amamos, um tempo sagra do reserva do pela ete r na lei de
O lar é a pedra fundamental da igreja, e um lar cristão é uma casa de ora- Deus, um dia de dele ite para adorar a Deus e partilhar al go com os outros
ção. “Pais e mães”, diz o Espírito de Profecia, “por mais prementes que sejam (Isa. 58:13). O cre nte acolhe o sába do com ale gr ia e gratidão. “O amor de
vossos afazeres, não deixeis de reunir vossa família em torno do altar de Deus. Deus ... estabeleceu um limite às ex i gê nc ias do trabalho. Sobre o sába do Ele
Os que querem viver vida paciente, amorável, satisfeita, devem orar.” – A põe Sua mise r icord iosa mã o. No Seu próprio dia Ele rese rva à fam íl ia opor-
Ciência do Bom Viver, pág. 393. tu n ida de para a comu nhão com Ele, com a natu reza, e de uns para com os
outros.” – Educação, pág. 251.
Relações com a Comunidade As horas do sába do pe rte ncem a Deus, e some nte para Ele devem ser usa-
Se bem que “a nossa pátria está nos Céus, de onde também aguardamos o da s. Nosso própr io dele ite, nossas própr ias palavra s, nossos própr ios negó-
Salvador” (Filip. 3:20), estamos ainda no mundo, como parte integrante da c ios, nossos própr ios pe nsame ntos, não devem encontrar lu gar na obse r-
sociedade humana, e devemos partilhar com nossos semelhantes certas res- vânc ia do dia do Se nhor (Isa. 58:13). Reu namo - nos, ao pôr-do-sol, no se io
ponsabilidades nos problemas comuns da vida. Em toda comunidade onde da fam íl ia, e, com ora ção e cânticos, demos as boa s - v i ndas ao santo sába do,
174 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 175

e te r m i ne mos o dia com oração e ações de graças por Seu marav ilhoso Saúde e Temperança
amor. O sába do é um dia especial para o culto no lar e na igreja, um dia de O corpo é o templo do Espírito Santo (I Cor. 6:19). “Tanto o vigor mental
gozo para nós mesmos e para nossos filhos, dia em que aprender mais de como o espiritual depe ndem em grande parte da força e ativ ida de física s. O
Deus por me io da Bíbl ia e do grande compê nd io da Natu reza. É um te mpo que quer que promova a saúde física, promove rá o dese nvolvimento de um es-
oportu no para visitar enfe r mos e trabalhar pela salva ção de al ma s. Os as- pírito robusto e um caráter bem equ il ibra do.” – Educação, pág. 195. Por esta ra-
su ntos comu ns dos se is dias úte is devem ser postos de la do. Não deve se r zão, os adve ntistas do séti mo dia procuram viver intel i ge ntemente de acordo
real i z a da ne nhuma tare fa desnecessár ia. As le ituras seculares, ou as trans- com saudáve is princípios de exe rcíc io físico, respi ra çã o, luz solar, ar puro, uso
missões seculares, pelo rá d io e a televisã o, não nos devem ocupar o te mpo de ág ua, sono e repouso. Por convicçã o, eles dec idem al i mentar- se saudavel-
no santo dia de Deus. mente, escolhe ndo livremente seguir os princípios de saúde, de dom í n io pró-
“O sábado não se destina a ser um período de inútil inatividade. A lei proí- prio e de al i me nta ção saudável. Por conseguinte, eles se abstêm do álcool, do
be trabalho secular no dia de repouso do Senhor; o labor que constitui o ga- fu mo e de drogas que causam depe ndênc ia, em todas as suas for ma s. Procu-
nha-pão, deve cessar; nenhum trabalho que vise ao prazer ou proveito mun- ram prese rvar o seu equilíbr io físico e psicológico evitando todos os excessos.
danos, é lícito nesse dia; mas como Deus cessou Seu labor de criar e repousou A reforma de saúde e o ensino de saúde e temperança são partes insepará-
ao sábado, e o abençoou, assim deve o homem deixar as ocupações da vida veis da mensagem adventista. Recebemos instrução por meio da mensageira
diária, e devotar essas sagradas horas a um saudável repouso, ao culto e a boas escolhida do Senhor no sentido de que “os que estão guardando Seus manda-
obras.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 207. mentos deverão ser postos em relação sagrada com Ele e, por meio da tempe-
Um plano de atividades devidamente dirigido em conformidade com o rança observada no comer e no beber, conservar o espírito e o corpo nas con-
espírito de verdadeira observância do sábado, fará que este dia bendito seja o dições mais favoráveis para o Seu serviço”. – Conselhos Sobre Saúde, pág. 132.
mais feliz e o melhor de toda a semana, para nós e para nossos filhos, um ver- Também “é desígnio do Senhor que a influência restauradora da reforma de
dadeiro gozo antecipado de nosso repouso celestial. saúde seja parte do último grande esforço para proclamar a mensagem do
evangelho”. – Medicina e Salvação, pág. 259.
Reverência Pelo Lugar de Culto Pertencemos a Deus, em corpo, alma e espírito. É, portanto, nosso dever
Os cristãos que apreciam a onipotência de Deus, Sua santidade e amor, religioso observar as leis da saúde, tanto para nosso próprio bem-estar e feli-
manifestarão sempre e em toda circunstância um espírito de profunda reve- cidade, como para que possamos servir mais eficazmente a Deus e a nossos
rência para com Deus, Sua Palavra e Seu culto. “A humildade e a reverência semelhantes. O apetite deve ser dominado. A saúde é promovida pela obser-
devem caracterizar o com portamento de todos os q ue vão à presença de vância esclarecida dos princípios de higiene que têm que ver com o ar puro, a
Deus.” – Patriarcas e Profetas, pág. 252. Eles reconhecerão que “a hora e o lu- ventilação, o vestuário adequado, a limpeza, o exercício e a recreação apro-
gar da oração são sagrados, porque Deus Se encontra ali”. – Obreiros Evangé- priados, o son o e o repouso adequados, e a alimentação sadia e adequada.
licos, pág. 178. Não irão à casa de culto de maneira descuidada, mas com o es- Deus proveu para o homem abundante variedade de alimento suficiente para
pírito de meditação e oração, e evitarão toda conversa desnecessária. satisfazer toda necessidade dietética. As frutas, os cereais, os frutos oleagino-
Os pais devem instruir reverentemente os filhos quanto a como devem sos e as hortaliças, preparados de maneira simples, “constituem, junto com
conduzir-se na “casa de Deus” (I Tim. 3:15). A instrução fiel e a disciplina no leite ou nata, a alimentação mais saudável”. – Christian Temperance and Bible
lar, na Escola Sabatina e na igreja durante os dias da infância e da juventude, Hygiene, pág. 47.
no tocante à reverência para com Deus e Seu culto, influirão poderosamente Quando se praticam os princípios do viver saudável, não se sentirá neces-
para manter-lhes a lealdade nos anos vindouros. sidade de estimulantes. O uso de substâncias intoxicantes e de narcóticos de
O ministro que avalia a santidade do serviço de Deus, tanto por seu exem- qualquer espécie está proibido pela lei da natureza. Desde os primeiros dias
plo como por sua instrução e procedimento no púlpito, promoverá a reve- deste movimento, a abstinência do uso de bebidas alcoólicas e do fumo tem
rência, a simplicidade, a boa ordem e o decoro na igreja. “O Senhor está no sido uma condição para ser membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Seu santo templo; cale-se diante dEle toda a Terra.” Hab. 2:20. (Ver págs. 16 e 17, 33 e 34.)
176 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 177

Deus nos concedeu grande entendimento sobre os princípios da saúde, e (Evangelismo, pág. 273). Não se rão os primeiros a adotar as novas moda s, nem
a investigação científica moderna confirmou fartamente estes princípios. os últi mos a abandonar as anti ga s.
Eles não podem ser desatendidos impunemente, pois nos é dito que os que se “Trajar-se com simplicidade, e abster-se de ostentação de jóias e ornamen-
“atêm às suas preferências, comendo e bebendo o que lhes apraz, a pouco e tos de toda espécie, está em harmonia com nossa fé.” – Testemunhos Seletos,
pouco se tornarão descuidosos das instruções que o Senhor lhes deu no to- vol. 1, pág. 350. Nas Escrituras é ensinado com clareza que o uso de jóias é
cante às outras verdades e serão por fim incapazes de discernir estas, colhen- contrário à vontade divina. “Não com cabeleira frisada e com ouro, ou péro-
do o que semearam”. – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 357. las, ou vestuário dispendioso”, é a admoestação do apóstolo Paulo (I Tim. 2:9).
O uso de ornamentos de jóias é um esforço para atrair a atenção, em desacor-
O Vestuário do com o esquecimento de si mesmo que o cristão deve manifestar.
Como adventistas do sétimo dia, fomos apartados do mundo. Somos re- Em alguns países, o costume de usar aliança é considerado como que obri-
formadores. A verdadeira religião que entra em cada aspecto da vida, tem de gatório, e chegou a ser, na compreensão do povo, um critério de virtude e,
ter uma influência modeladora em todas as nossas atividades. Nossos hábitos portanto, não é considerado ornamento. Em tais circunstâncias, não temos a
de vida devem alicerçar-se em princípios, e não no exemplo do mundo que disposição de condenar a prática.
nos rodeia. Podem os costumes e as modas variar com os anos, mas os prin- Lembremo-nos de que não é o “adorno exterior” que expressa o verdadei-
cípios atinentes ao devido procedimento são sempre os mesmos. O vestuário ro caráter cristão, mas “o homem interior do coração, de um espírito manso e
é um fator importante no caráter cristão. Nos primitivos tempos de nossas tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus” (I Pedro 3:3 e 4). O uso de
história, recebemos instrução no tocante à maneira em que devem vestir-se cosméticos comuns, contrários ao bom gosto e aos princípios de modéstia
os cristãos, a fim de “proteger o povo de Deus da corruptora influência do cristã, deve ser evitado. O asseio e o procedimento cristão devem ser obser-
mundo, bem como para promover a saúde física e moral”. – Testemunhos Para vados no cuidado e na aparência da pessoa que está em todo tempo tratando
a Igreja, vol. 4, pág. 634. Verdadeiramente, este é um propósito muito amplo! de agradar e representar corretamente a Cristo nosso Senhor.
Não há virtude em vestir-se de forma diversa dos que nos rodeiam, só para Os pais cristãos devem pôr em campo o peso de seu exemplo, instrução e
ser diferente, mas onde estão envolvidos os princípios de aprimoramento e autoridade, para induzir seus filhos e filhas a vestir-se com modéstia, e assim
moralidade, o cristão consciencioso será fiel às suas convicções e não seguirá conquistar o respeito e a confiança daqueles que os conhecem. Considerem-
os costumes predominantes. se nossos irmãos bem vestidos unicamente quando tenham sido atendidas as
Os cristãos devem evitar a afetada ostentação, e o “adorno profuso”. Deve normas da modéstia no uso de vestuário de bom gosto e conservador.
o vestuário ser, quando possível, “de boa qualidade, de cores próprias, e ade-
quado ao uso. Deve ser escolhido mais com vistas à durabilidade do que à Simplicidade
aparência”. Nossas vestes devem caracterizar-se pela “beleza”, “graça modesta”, A simplicidade é um traço fundamental da Igreja Adventista do Sétimo
e a “conveniência da simplicidade natural” (Mensagens ao Jovens, pág. 352). Dia, desde o começo. Devemos continuar sendo um povo simples. O aumen-
Para que não chame a atenção, deverá seguir os estilos mais conservadores e to da pompa na religião é sempre paralelo a um declínio na força espiritual.
apropriados da época. Assim como “a vida de Jesus apresentava assinalado contraste” com o aparato
A adoção de nov ida des e ex tre m ismos da moda, no vestuár io de homens e e ostentação de Seu tempo (Educação, pág. 77), deve a simplicidade e o poder
mulheres, de nota falta de atenção a assuntos sérios. Indepe nde nte de quão se n- da mensagem adventista destacar-se como notável contraste da ostentação
satamente se vista o povo em geral, há sempre ex tremos no vestir que violam as mundana de nossos dias. O Senhor condena “o dispêndio desnecessário e ex-
nor mas da modéstia, e assim exercem influê nc ia direta na predom i nânc ia da s travagante de dinheiro para satisfazer o orgulho e o amor da ostentação”. –
cond ições imorais. Mu itos dos que se g uem ce gamente as moda s, são pelo me- Testemunhos Para Ministros, pág. 179. Em harmonia com estes princípios, a
nos parcial me nte inconsc ientes desses efeitos, mas os resultados não são me nos simplicidade e a economia devem caracterizar nossas cerimônias de colação
desa strosos. O povo de Deus deve situar- se sempre entre os conse rva dores em de grau, os casamentos em nossas igrejas e todos os demais cultos da igreja.
maté r ia de vestuár io, “e não lhes preocupe a me nte o problema do vestuár io”
178 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 179

A Leitura Recreação e Diversão


Assim como o corpo, o ser interior também necessita de salutar nutrime n- A recreação é um refrigério bem apropriado para as faculdades mentais e
to, para re nova ção e fortalec i me nto (II Cor. 4:6). A mente é a med ida da pessoa . físicas. A mente vigorosa e sã não requererá diversões mundanas, mas encon-
O alimento intelectual é, portanto, da má x i maimportânc ia no dese nvolvime n- trará uma renovação de forças na boa recreação.
to do caráter e na real i z a ção dos propósitos de nossa vida. Por este motivo, nos- “Muitos dos divertimentos populares no mundo hoje, mesmo entre aque-
sos hábitos mentais devem ser vigiados cu ida dosamente. Não ex iste melhor ín- les que pretendem ser cristãos, propendem para os mesmos fins que os dos
d ice do caráter que aqu ilo que escolhemos para ler e ouvir. Os liv ros e demais gentios, outrora. Poucos há na verdade entre eles, que Satanás não torne res-
publ ica ções encontram - se entre os meios mais val iosos para a educação e a cul- ponsáveis pela destruição de almas. Por meio do teatro ele tem operado du-
tu ra, mas esses ele mentos devem ser bem escolh idos e corretame nte usa dos. rante séculos para excitar a paixão e glorificar o vício. A ópera com sua fasci-
Ex iste uma profusão de boas publ ica ções, tanto de liv ros como de revistas; mas nadora ostentação e música sedutora, o baile de máscaras, a dança, o jogo, Sa-
ex iste igual me nte uma tor rente de publ icações pe r n ic iosa s, amiúde aprese nta- tanás emprega para derribar as barreiras do princípio, e abrir a porta à satis-
das da mane i ra mais atrativa, mas prejud ic ial para a mente e para a moral. As fação sensual. Em todo ajuntamento onde é alimentado o orgulho e satisfei-
h istór ias de dese n frea da aventu ra e frou x idão moral, quer se trate de fatos reais to o apetite, onde a pessoa é levada a esquecer-se de Deus e perder de vista os
quer de ficçã o, que se aprese ntam em muitos pe r iód icos e pelo rá d io e a telev i- interesses eternos, está Satanás atando suas correntes em redor da alma.” – Pa-
sã o, são inconvenientes tanto para jove ns como para adultos. triarcas e Profetas, págs. 459 e 460.
“Os que condescendem com o hábito de como que ‘devorar’ uma história Advertimos vigorosamente contra a influência sutil e sinistra do cinema,
excitante, estão simplesmente invalidando sua força mental e inabilitando o que não é lugar para o cristão. Os filmes dramatizados que apresentam visual-
espírito para o pensamento e investigações vigorosos.” – Conselhos aos Profes- mente e por suges tão os pecados e crimes da humanidade – homicídios,
sores, Pais e Estudantes, pág. 135. Junto com outros maus resultados prove- adultérios, roubos e males s emelhantes – são responsáveis em não pequena
nientes do hábito de ler ficção, é-nos dito que essa espécie de leitura “incapa- proporção pelo presente desmoronamento da moralidade. Apelamos para os
cita a alma para a contemplação dos grandes problemas do dever e do desti- pais, as crianças e os jovens a que fujam desses lugares de diversão e se abste-
no” e “cria aversão pelos deveres práticos da vida”. – Ibidem, pág. 383. nham de assistir a esses filmes que glorificam os atores e profissionais. Se nos
deleitássemos no divino e grande mundo da natureza, e no grande romance
Rádio e Televisão revelado nos seres humanos e nas obras divinas, não nos sentiríamos atraídos
O rádio e a telev isão mod i ficaram toda a atmosfe ra de nosso mundo mo- pelas pueris representações teatrais.
de r no e puse ram-nos em fá c il contato com a vida, o pe nsame nto e as ativida- Outra espécie de diversão que exerce má influência é a dança. “O diverti-
des de todo o globo. O rádio e a televisão são grandes age ntes educativos. Por mento da dança, segundo é praticado em nossos dias, é uma escola de depra-
estes meios pode mos ampliar grandemente nosso conhecime nto dos acontec i- vação, uma terrível maldição para a sociedade.” – Mensagens aos Jovens, pág.
me ntos mund iais, be ne fic iar-nos de importantes estudos e da melhor música . 399. (Ver II Cor. 6:15-18; I João 2:15-17; Tia. 4:4; II Tim. 2:19-22; Efés. 5:8-11;
Lamentavelmente, porém, o rádio e a televisão também trazem aos ouvin- Col. 3:5-10.)
tes quase continuamente representações teatrais e muitas influências que não Não patrocinemos diversões comercializadas, unindo-nos às multidões
são sadias nem enobrecedoras. Se não usarmos de discernimento e decisão, o de mundanos, negligentes e ama ntes do prazer, que são “antes amigos dos
rádio e a televisão nos converterão os lares em teatros e cenários de espetácu- prazeres que amigos de Deus”.
los comuns e sórdidos. A recreação é necessária. Devemos esforçar-nos por tornar a igreja o cen-
A se g u rança para nós mesmos e para nossos filhos encontra - seem que dete r- tro da amizade e recreação de nosso povo. Recomendamos que em todo lar
minemos, com a ajuda de Deus, seguir a admoesta ção de Paulo: “Final mente, ir- em que há crianças sejam promovidos os elementos que proporcionem uma
mã os, tudo o que é verda deiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo válvula de escape para as energias criadoras da juventude. Associação e re-
o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se al g u ma virtude creação sadias podem ser providas por meio de organizações musicais, Clas-
há e se algum louvor ex iste, seja isso o que ocupe o vosso pe nsamento.” Filip. 4:8. ses JA e grupos de atividade missionária.
180 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 181

A Música Esses males são praticados agora mais abertamente e têm-se tornado em
“Fa z ia - se com que a música se rv isse a um santo propósito, a fim de erguer os uma grande ameaça para os ideais e propósitos do lar cristão. Entre as perver-
pe nsamentos àqu ilo que é puro, nobre e ed i ficante, e despe rtar na al ma devoçã o sões óbvias do plano original de Deus encontram-se o adultério, o abuso se-
e gratidão para com Deus.” – Patriarcas e Profetas, pág. 594. “[Jesus] entreti nha xual no matrimônio, o incesto, o abuso sexual de crianças, práticas homosse-
em cânticos comunhão com o Céu.” – O Desejado de Todas as Nações, pág. 73. xuais e lésbicas. Como o sentido claro das passagens das Escrituras é recusa-
A música é uma das artes mais sublimes. A boa música não apenas pro- do (ver Êxo. 20:14; Lev. 18:22, 29 e 20:13; I Cor. 6:9; I Tim. 1:10; Rom. 1:20-
porciona prazer, mas eleva a mente e cultiva as mais finas qualidades. Os cân- 32) e suas admoestações são desprezadas para dar lugar a opiniões humanas,
ticos espirituais foram amiúde usados por Deus para comover o coração dos prevalece muita incerteza e confusão. Isso é o que Satanás deseja. Seu plano
pecadores e levá-los ao arrependimento. A música desvirtuada, ao contrário, sempre tem sido fazer que as pessoas se esqueçam de que Deus é seu Criador,
destrói o ritmo da alma e quebranta a moralidade. e que, quando Ele “criou o homem à Sua própria imagem”, “homem e mulher
Grande cuidado deve ser exercido na escolha d a música. Toda melodia os criou” (Gên. 1:27). O mundo hoje testemunha o ressurgimento das perver-
que pertença à categoria do “jazz”, “rock” ou formas correlatas, e toda expres- sões de antigas civilizações.
são de linguagem que se refira a sentimentos tolos ou triviais, serão evitadas. A Palavra de Deus delineia claramente os resultados degradantes da ob-
Usemos apenas a boa música, em casa, nas reuniões sociais, na escola e na sessão do mundo pelo sexo, e do amor e perseguição dos prazeres sexuais.
igreja. (Ver pág. 76.) Mas Cristo veio para destruir as obras do diabo e restabelecer a relação entre
os seres humanos e seu Criador. Assim, embora caídos em Adão, e cativos
As Relações Sociais pelo pecado, os que estão em Cristo recebem pleno perdão e o direito de es-
O instinto social nos foi dado por Deus, para nosso deleite e proveito. “Me- colher novamente o caminho, o melhor caminho para a transformação total.
diante o contato mútuo, os espíritos são polidos e refinados; por meio do in- Através da cruz e do poder do Espírito Santo, todos podem livrar-se das gar-
tercâmbio social formam-se relações e amizades que dão em resultado certa ras das práticas pecaminosas, ao serem restaurados à imagem de seu Criador.
unidade de coração e uma atmosfera de amor que agradam ao Céu.” – Teste- Compete aos pais e aos guias espirituais da mocidade encarar sem falsa
munhos Seletos, vol. 2, pág. 438. O devido trato entre os sexos é de proveito re- modéstia os fatos das condições sociais, conseguir a compreensão mais am-
cíproco. Esse trato deve ser mantido em alto nível e com o devido respeito às pla e impregnada de simpatia no tocante aos problemas da presente geração
normas e restrições que foram prescritas para a proteção da sociedade e da de jovens, buscar da maneira mais fervorosa prover-lhes o melhor ambiente
pessoa. Naturalmente, Satanás tem o propósito de perverter todo o bem; e a e aproximarem-se tanto deles espiritualmente, que possam inculcar-lhes os
perversão do melhor, amiúde conduz ao pior. Assim, é sobremodo importan- ideais da vida e a inspiração e o valor da religião cristã, a fim de serem salvos
te que o cristão adote normas de vida social muito bem definidas. do mal que, pela concupiscência, está no mundo.
Hoje em dia, os ideais que tornam esse intercâmbio soc ial seguro e feliz estão Aos nossos jovens de ambos os sexos, porém, dizemos que a responsabili-
se ndo degra da dos a um grau alar mante. Sob a influênc ia de uma paixão não res- dade é sua. Independentemente dos erros dos pais, têm eles o privilégio de
tringida por princípios morais e rel i giosos, a assoc ia ção entre os sexos degene- conhecer e manter os mais altos ideais da varonilidade e feminilidade cristãs.
rou em libe rti nagem e lice nc iosida de, em grau alarmante. Pe rversões sex uais, o O estudo reverente da Bíblia, profunda familiarização com as obras da natu-
incesto, o abuso sex ual de criança s, prevalecem em nível assustador. Milhões reza, firme salvaguarda das sagradas faculdades do corpo, o propósito since-
têm abandonado as normas cristãs de conduta e troca do as agra dáve is e sagra- ro, a constância na oração e o sincero e abnegado serviço em prol das neces-
das ex pe r iênc ias do ca samento e da paternida de pelos frutos da concupiscê ncia, sidades alheias, formarão um caráter que resistirá a todo mal e que os torna-
che ios de amargura e remorso. Esses males não somente estão minando a estru- rá uma influência salvadora na sociedade.
tu ra fam il iar da soc ieda de, mas o desmoronamento da fam íl ia, por sua vez, esti- As reuniões sociais dos adultos e jovens devem ser ocasiões dedicadas, não
mula e cria esses e outros males. Os resultados na vida pe rvertida de crianças e a diversões levianas e frívolas, mas a uma feliz convivência social e ao aperfei-
jovens são ang ustiantes e despe rtam nossa pieda de, ao passo que os efeitos na çoamento das qualidades da mente e da alma. A boa música, a conversa ele-
soc ieda de são não ape nas desa strosos, mas também cresce ntes. vada, os bons recitativos, as projeções apropriadas, fixas ou movimentadas,
182 Manual da Igreja Normas de Vida Cristã 183

os jogos cuidadosamente escolhidos por seu valor educativo e, sobretudo, a O casamento é o fundamento da sociedade humana, e o devido afeto en-
elaboração e a execução de planos dedicados ao esforço missionário, podem tre o homem e a mulher é ordenado por Deus. “Pesem, os que pretendem ca-
prover programas para reuniões sociais que abençoarão e fortalecerão a vida sar-se, todo sentimento e observem todas as modalidades de caráter naquele
de todos. O Departamento dos Jovens Adventistas da Associação Geral pu- com quem desejam unir o destino de sua vida. Seja todo passo em direção da
blicou informação útil e sugestões práticas para a direção de reuniões sociais aliança matrimonial, caracterizado pela modéstia, simplicidade, sinceridade
e para proporcionar orientação em outras relações sociais. e o sincero propósito de agradar e honrar a Deus. O casamento afeta a vida
A residência dos membros da igreja é inquestionavelmente o melhor lugar futura tanto neste mundo como no vindouro. O cristão sincero não fará pla-
para as reuniões sociais. Nos grandes centros onde é impossível celebrá-las nos que Deus não possa aprovar.” – A Ciência do Bom Viver, pág. 359.
ali, e onde não existe um centro social nosso, deve-se conseguir um local ade- Não seguir estes princípios no noivado cristão pode induzir a trágicas cir-
quado, livre das influências destrutivas das normas cristãs, de preferência a cunstâncias. A união do esposo e da esposa em seus ideais e propósitos é um
um local que seja habitualmente usado para diversões comercializadas e des- requisito para o lar feliz e de êxito. Aconselham as Escrituras: “Não vos po-
portos, tais como salões sociais e pistas de patinação, que sugerem uma at- nhais em jugo desigual com os incrédulos.” II Cor. 6:14. As divergências no
mosfera contrária às normas cristãs. tocante à religião amiúde deitam a perder a felicidade do lar em que os côn-
juges adotam crenças diferentes, e produzem confusão, perplexidade e fra-
Acompanhantes dos Jovens casso na educação dos filhos.
A assoc ia ção feliz e cord ial dos adultos com os jove ns é uma das influê n- “O vínculo da famíl ia é o mais íntimo, o mais terno e sagra do de todos na Ter-
cias mais sa d ias na vida das crianças e jove ns. “Há pe r i go de tanto os pais ra. Foi desi gna do a ser uma bê nção à humanida de. E assim o é sempre que se en-
como os professores ... [de i x arem] de se pôr sufic ie nte me nte em rela ções so- tre para o pa cto matrimon ial intel i gentemente, no temor de Deus, e tomando
ciais com filhos e alu nos.” – Cons elhos aos Professores, Pais e Estudantes, pág. em dev ida considera ção as suas responsabil ida des.” – O Lar Adventista, pág. 18.
76. Têm as nossas escolas e outras institu ições o dever de cu idar da moral e A adoração de Deus, a observância do sábado, a recreação, a associação, o
da reputação das pessoas que lhes são con fia da s. Acompanhar os jove ns por uso de recursos financeiros e a educação dos filhos são componentes respon-
a dultos de con fiança é um dever obr i gatór io dela s. Este é igualme nte o deve r sáveis por ditosos relacionamentos familiares. Visto que as divergências nes-
do lar. Devem os pais manter ene rgicame nte os re g ulame ntos das institu i- tes aspectos freqüentemente podem conduzir à deterioração desses relacio-
ções em que colocam os filhos e jove ns, e instituir no seu lar iguais salva- namentos, a desânimo e mesmo a perda com pleta da experiência cristã, a
guarda s. Para tor nar isto possível, têm o dever de apre nder a ser companhe i- preparação adequada para o casamento deve incluir o aconselhamento pas-
ros be m - v i ndos de seus filhos; mas incumbe pr i nc ipal me nte aos própr ios toral nessas áreas, antes do enlace matrimonial.
jove ns não fa zer do acompanhame nto uma assoc ia ção ted iosa e detestável, “‘Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?’ Amos 3:3. A felicidade
mas uma relação hon rosa e feliz. e prosperidade da relação matrimonial depende da unidade dos cônjuges;
mas entre o crente e o incrédulo há uma diferença radical de gostos, inclina-
Noivado e Casamento ções e propósitos. Estão a servir dois senhores, entre os quais não pode haver
O noiva do é reconhec ido como um pe r íodo de prepara ção du rante o concórdia. Por mais puros e corretos que sejam os princípios de um, a in-
qual um homem e uma mulhe r, que já se se ntem mutuame nte atraídos, pa s- fluência de um companheiro ou companheira incrédula terá uma tendência
sam a conhece r- se melhor, preparando - se assim para o futu ro matr i môn io. para afastar de Deus.” – Patriarcas e Profetas, pág. 174.
O ca same nto cristão é uma união div i name nte institu ída entre um home m O Espírito de Profecia adverte consistentemente contra o casamento entre
e uma mulher cre ntes, para a efetiva ção de seu amor mútuo, para mútuo am- o crente e o incrédulo e também contra a união com outros cristãos que não
paro, para partilharem a fel ic ida de, e para a procriação e educa ção dos fi- aceitaram a verdade para este tempo. (Ver Testemunhos para a Igreja, vol. 5,
lhos, os quais, por sua vez, também se tor narão cristã os. De acordo com os pág. 364.) É mais provável que o casamento perdure e a vida familiar cumpra
desí gn ios de Deus, esta união pe rdu rará até que se dissolva pela morte de o plano divino se o marido e a esposa estão unidos e vinc ulados pelos mes-
um dos contra e ntes. mos valores espirituais e estilos de vida. Por estas razões, a Igreja Adventista
184 Manual da Igreja
Capítulo 14
do Sétimo Dia desaconselha energicamente o casamento entre um adventis-
ta do sétimo dia e uma pessoa que não o é, e recomenda com muita insistên-
cia que os pastores adventistas do sétimo dia não realizem tais casamentos.
Disciplina Eclesiástica
A Igreja reconhece que compete à pessoa tomar a dec isão fi nal quanto à es-
colha do(a) companhe i ro(a) na vida. No entanto, a Igreja espe ra que, se um Princípios Gerais
membro escolhe como consorte a al g uém que não é membro da Igreja, o ca sal Neste capítulo chama-se a atenção de todos os nossos ministros, oficiais de
compree nda e reconheça que o ministro adventista do séti mo dia, que assumiu igreja e membros, para as citações importantes do Espírito de Profecia. Estas
o comprom isso de de fender os princípios enuncia dos mais acima, não pode declarações merecem estudo cuidadoso, acompanhado de oração; elas esta-
real i z ar um ca samento dessa natu reza. Se al g uém contrair um ca same nto as- belecem, em linguagem clara e inconfundível, a solene responsabilidade que
sim, a Igreja deve demonstrar amor e solicitude, com o objetivo de encorajar o recai sobre os filhos de Deus, de manter a pureza, a integridade e o fervor es-
ca sal a ter completa unida de em Cr isto. (Para infor ma ção adic ional sobre o as- piritual da igreja. Se os membros se tornam frios e indiferentes, deve a igreja
sunto do ca same nto, ver Capítulo 15: Cas amento, Divórcio e Novas Núpcias.) tratar de despertá-los de sua letargia. Se alguns se estiverem apartando da
verdade, devem ser feitos esforços para atraí-los de volta ao caminho estreito.
Conclusão
Rodea dos dos perigos dos últimos dias, te ndo a responsabil ida de de transm i- Como Tratar os Membros Que Erram. – “Tratando com membros que co-
tir rapidamente o último oferecimento de salva ção ao mundo, e enfrentando o metem faltas, o povo de Deus deve seguir estritamente as instruções dadas
ju í zo que cul m i nará no estabelecimento da justiça universal, consagremo-nos pelo Salvador no décimo oitavo capítulo de Mateus.” – Testemunhos Seletos,
de todo o cora ção a Deus, corpo, al ma e espírito, dec id idos a manter as altas nor- vol. 3, pág. 200.
mas de vida que devem cara cterizar os que espe ram a volta de seu Se nhor. “Se teu irmão pecar contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Se ele te ouvir,
ganhaste a teu irmão. Se, porém, não te ouvir, toma ainda contigo uma ou
duas pessoas, para que, pelo depoimento de duas ou três testemunhas, toda
palavra se estabeleça. E, se ele não os atender, dize-o à igreja; e, se recusar ou-
vir também a igreja, considera-o como gentio e publicano. Em verdade vos
digo que tudo o que ligardes na Terra, terá sido ligado no Céu, e tudo o que
desligardes na Terra, terá sido desligado no Céu.” Mat. 18:15-18.
“Os seres humanos são propriedade de Cristo, resgatados por preço infini-
to, e estão-Lhe vinculados pelo amor que Ele e o Pai têm manifestado. Que
cuidado devemos por isso exercer em nosso trato recíproco! O homem não
tem o direito de suspeitar mal do seu semelhante. Os membros da igreja não
têm o direito de seguir seus próprios impulsos e inclinações no trato com ir-
mãos que cometeram faltas. Não devem nem mesmo manifestar qualquer
preconceito em relação a eles, porque assim fazendo implantam no espírito
de outros o fermento do mal. Informações desfavoráveis a algum irmão ou
irmã são transmitidas entre os irmãos de um para outro, e praticam-se erros
e injustiças pelo único fato de se não estar disposto a obedecer às instruções
do Senhor Jesus.
“‘Se teu irmão pecar contra ti’, disse Cristo, ‘vai, e repreende-o entre ti e ele
só.” Mat. 18:15. Não conteis a outros o caso de vosso irmão. Confia-se o caso
a uma pessoa, a outra e mais outra; e o mal continua crescendo até que toda
186 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 187

a igreja vem a sofrer. Resolve o caso ‘entre ti e ele só’. Este é o plano divino. “‘Se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de
‘Não te apresses a litigar, para, afinal, não saberes o que hás de fazer, poden- duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada.” Mat. 18:16. Tomai
do-te confundir o teu próximo. Pleiteia a tua causa com o teu próximo mes- convosco a irmãos espirituais, e falai acerca da falta com o que estiver em
mo, e não descubras o segredo doutro.’ Prov. 25:8 e 9. Não tolereis pecado em erro. É possível que ceda ao apelo desses irmãos. Vendo o seu acordo no as-
vosso irmão; mas também não o exponhais ao opróbrio, aumentando assim sunto, talvez se persuada.
a dificuldade, de sorte que a repreensão pareça vingança. Corrigi-o do modo “‘E se não as escutar’, que se deverá fazer então? Deverão alguns poucos,
proposto na Palavra de Deus.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, págs. 200 e 201. em reunião de comissão tomar a responsabilidade de excluir o irmão? ‘Se não
as escutar’, continua dizendo Jesus, ‘dize-o à igreja.’ Mat. 18:17. Deixai que a
Buscar a Reconciliação. – “Não permitais que vosso ressentimento redun- igreja decida o caso de seus membros.
de em maldade. Não consintais que a ferida supure, abrindo-se em termos “‘Se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publica-
envenenados, que venham a deixar nódoa no espírito dos que vos ouvem. no.’ Verso 17. Se não atender à igreja, se rejeitar os esforços envidados para re-
Não admitais que persistam em vosso espírito e no dele pensamentos de conquistá-lo, é a igreja que deve tomar a si a responsabilidade de excluí-lo de
amargura. Ide ter com vosso irmão e, com humildade e sinceridade, debatei sua comunhão. Seu nome deverá então ser riscado do livro.
com ele o assunto. “Nenhum oficial de igreja deve aconselhar, nenhuma comissão recomen-
“Seja qual for a natureza da ofensa, ela não impede que se adote o mesmo dar e igreja alguma votar a eliminação dos livros do nome de alguém que haja
plano divino para dirimir mal-entendidos e ofensas. Falar a sós e no espírito cometido falta, sem que as instruções de Cristo a esse respeito sejam fielmen-
de Cristo com a pessoa que praticou a falta, bastará, às vezes, para remover a te cumpridas. Se essas instruções houverem sido observadas, a igreja está
dificuldade. Ide ter com a pessoa que cometeu a falta e, com o coração cheio limpa diante de Deus. A injustiça tem então que aparecer tal como é e ser re-
do amor e da simpatia de Cristo, buscai com ela reconciliar-vos. Arrazoai movida, para que não prolifere. O bem-estar e a pureza da igreja devem ser
com ela com calma e mansidão. Não vos exprimais em termos violentos. Fa- salvaguardados para que possa estar sem mancha diante de Deus, revestida
lai-lhe em tom que apele para o b om senso, lembrando as palavras: ‘Aquele da justiça de Cristo. ... [Itálico acrescentado.]
que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte “‘Em verdade vos digo’, prossegue Jesus, ‘que tudo o que ligardes na Terra
uma alma, e cobrirá multidão de pecados.’ Tiago. 5:20. será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra será desligado no Céu.’
“Levai a vosso irmão o remédio que cure o mal-estar da desavença. Fazei Mat. 18:18.
quanto em vós cabe para levantá-lo. Por amor da paz e da unidade da igreja, “Estas palavras de Cristo conservam sua autoridade em todos os tempos.
considerai um privilégio, se não um dever, o fazer isso. Se ele vos ouvir, tereis À Igreja foi conferido o poder de agir em lugar de Cristo. É o instrumento de
ganho um amigo. Deus para a conservação da ordem e disciplina entre Seu povo. A ela o Se-
“Todo o Céu toma inte resse na entrev ista que se efetua entre o ofend ido e o nhor delegou poderes para dirimir todas as questões concernentes à sua
ofensor. Se este ace ita a repree nsão ministra da no amor de Cr isto, reconhe- prosperidade, pureza e ordem. Sobre ela impôs a responsabilidade de excluir
ce ndo sua falta e ped i ndo pe rdão a Deus e ao irmão, a luz celestial lhe inu nda- de sua comunidade os que dela são indignos, que por seu procedimento an-
rá a al ma. A contrové rsia estará te r m i na da e restabelec ida a con fiança. O san- ticristão acarretam desonra para a causa da verdade. Tudo quanto a igreja fi-
to óleo do amor faz cessar a dor provoca da pela injustiça. O Espírito de Deus zer em conformidade com as instruções dadas na Palavra de Deus, será san-
tor na a unir os cora ções e há nos Céus música pelo restabelecimento da união. cionado no Céu.
“Quando as pessoas deste modo unidas em comunhão cristã fazem ora- “Surgem muitas vezes questões graves que têm que ser liqüidadas pela
ções a Deus, comprometendo-se a proceder retamente, amar a misericórdia igreja. Os ministros de Deus, por Ele ordenados para guia de Seu povo, de-
e andar diante dEle em humildade, recebem grandes bênçãos e, se tiverem vem, depois de fazer sua parte, submeter todo o caso à igreja, a fim de que
feito injustiças a outros, prosseguirão em sua obra de arrependimento, con- possa haver unidade na decisão a tomar.
fissão e restituição, inteiramente dispostas a praticar mutuamente o bem. Este “O Se nhor ex i ge mu ito cu ida do da parte de Seus se g u idores no trato rec í-
é o cumprimento da lei de Cristo. proco. Sua missão é elevar, restaurar e cu rar. Todav ia, cu mpre não negligenc iar
188 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 189

a disc ipl i na da igreja. Os membros devem conside rar- se alu nos de uma esco- “Caso haja erros claros entre Seu povo, e os servos de Deus passem adian-
la, cu mprindo-lhes aprender a for mar caráter digno de sua alta voca çã o. Na te, indiferentes a isso, estão por assim dizer apoiando e justificando o pecador,
igreja, da Te r ra, os filhos de Deus devem ser preparados para a grande reu n iã o e são igualmente culpados, incorrendo tão certo como ele no desagrado de
da igreja no Céu. Os que aqui levam vida de con formida de com a doutr i na de Deus; pois serão tidos como responsáveis pelos pecados do culpado. Foram-
Cr isto, podem ter a ce rteza de um lugar pe rpétuo na família dos re m idos.” – me mostrados em visão muitos casos em que o desagrado de Deus foi atraí-
Testemunhos Seletos, vol. 3, págs. 201-204. do por negligência da parte de Seus servos quanto a tratar dos erros e peca-
dos existentes entre eles. Os que passaram por alto esses erros têm sido con-
A Autoridade da Igreja. – “O Redentor do mundo con feriu grande poder a siderados pelo povo muito amáveis e de disposição benigna, simplesmente
Sua Igreja. Ele declara as regras a serem apl icadas em ca sos de demanda entre por haverem eles recuado do desempenho de um claro dever escriturístico.
seus membros. Depois de dar direções ex plícitas quanto à orienta ção a seguir, Essa tarefa não agradava a seus sentimentos; evitaram-na, portanto.” – Teste-
diz: ‘Em verda de vos digo que tudo o que ligardes na Te r ra será ligado no Céu, e munhos Seletos, vol. 1, págs. 334 e 335.
tudo o que [em matéria de discipl i na da igreja] desligardes na Terra se rá desliga-
do no Céu.’ Mat. 18:18. Assim até a autorida de celeste rati fica a disc iplina da igre- Os Não-Consagrados Resistem à Disciplina da Igreja. – “Muitos há que
ja com rela ção a seus membros, uma vez que te nha sido se g u ida a regra bíblica . não possuem a discrição de Josué nem o dever especial de descobrir os males
“A Palavra de Deus não dá licença a que um homem ponha seu juízo em e corrigir prontamente os pecados existentes entre eles. Não estorvem, os tais,
oposição ao da igreja, nem lhe é permitido insistir em suas opiniões contra- os que sentem a responsabilidade desta obra; não obstruam o caminho dos
riamente às dela. Caso não houvesse disciplina e governo eclesiásticos, a igre- que têm que cumprir este dever. Alguns se especializam em questionar, sus-
ja se esfacelaria; não poderia manter-se unida como um corpo.” – Ibidem, vol. citar dúvidas e achar faltas porque outros fazem a obra de que Deus os não
1, pág. 390. encarregou a eles. Estes estorvam diretamente aqueles a quem Deus impôs a
responsabilidade de repreender e corrigir os pecados predominantes, a fim
A Igreja é Responsável Pela Correção do Pecado. – “Deus considera Seu de que Seu desagrado se aparte de Seu povo. Se houvesse entre nós um caso
povo como um corpo, responsável pelos pecados que existem em indivíduos como o de Acã, muitos haveria que acusariam os que desempenhassem o pa-
em seu meio. Se os dirigentes da igreja negligenciam buscar com diligência os pel de Josué em buscar descobrir o mal, de possuir espírito mau e de censura.
pecados que trazem o desfavor de Deus sobre a corporação, eles se tornam Não se pode brincar com Deus, nem Suas advertências serem desprezadas
responsáveis por estes pecados.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 3, pág. 269. com impunidade por um povo perverso.
“Ele quer ensinar a Seu povo que a desobediência e o pecado são excessi- “Foi-me mostrado que a maneira em que Acã confessou seus pecados era
vamente ofensivos a Seus olhos, e não devem ser considerados levemente. Ele semelhante às confissões que alguns dentre nós têm feito ou farão. Ocultam
nos mostra que, quando Seu povo se encontra em pecado, devem-se tomar suas faltas e negam-se a fazer confissão voluntária até que Deus os descobre,
imediatamente medidas positivas para tirar esse pecado do meio deles, a fim e então reconhecem seus pecados. Umas poucas pessoas persistem em seu
de que Seu desagrado não fique sobre todos. Se, porém, os pecados do povo mau procedimento, até que se endurecem. Podem até saber que a igreja está
são passados por alto por aqueles que se acham em posições de responsabili- opressa, como Acã sabia que Israel estava enfraquecido perante seus inimigos
dade, o desagrado de Deus estará sobre eles, e Seu povo, como um corpo, será por motivo de sua culpa. Não obstante, sua consciência não os condena. Não
responsável por esses pecados. querem aliviar a igreja humilhando o coração orgulhoso e rebelde diante de
“No trato do Senhor com Seu povo no passado, Ele mostra a necessidade Deus, e apartando-se de seu mau proceder. O desagrado de Deus pesa sobre
de purificar a igreja de erros. Um pecador pode difundir trevas que excluam Seu povo, e Ele não manifestará Seu poder em seu meio enquanto existirem
a luz de Deus de toda a congregação. Ao compreender o povo que se estão pecados entre eles, e estes pecados sejam fomentados pelos que ocupam pos-
adensando trevas sobre eles, sem que saibam a causa, devem buscar diligen- tos de responsabilidade.
temente a Deus, em grande humildade e abatimento do próprio eu, até que os “Aqueles que trabalham no temor de Deus para liv rar a igreja de empecilhos
erros que Lhe ofendem ao Espírito sejam descobertos e afastados. ... e cor r i gir erros graves, a fim de que o povo de Deus possa ver a necessida de de
190 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 191

abor recer o pecado e crescer em pu reza, e para que o nome de Deus seja glor i- provido pela igreja ou à ação judic ial. “Se as dificulda des ex istentes entre irmã os
fica do, sempre enfrentarão resistentes influê nc ias da parte dos não consagra- não fossem ex postas a outros, mas francamente trata das entre eles mesmos, no
dos.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 3, págs. 270 e 271. espírito do amor cristão, quanto mal se r ia ev itado! Quantas raízes de amargura
pelas quais muitos são contamina dos se r iam destru ída s, e quão íntima e terna-
Regras e Regulamentos São Necessários. – “Irmãos, nunca permitam que mente pode r iam os se g u idores de Cr isto ser unidos em Seu amor !” – O Maior
as idéias de alguém perturbem sua fé, com relação à ordem e harmonia que Discurso de Cristo, pág. 59. (Ver Mat. 18:15-18, e págs. 188-190.)
deve existir na igreja. ... O Deus do Céu é um Deus de ordem e exige que to-
dos os Se us seguidores tenham regras e regulamentos para preservá-la.” – Conciliação de Dissensõ es Entre os Membros. – Deve ser fe ito todo esfor-
Ibidem, vol. 5, pág. 274. ço para conciliar as disse nsões entre os me mbros da igreja e conter a contro-
vérsia de ntro da me nor esfe ra possível. “Conte nda s, discórd ias e processos
Organi zaçõ es Não Reconhecidas. – A Igreja, na sua qual ida de, é o instru- entre irmã os são uma desgra ça para a causa da ve rda de. Os que enve redam
me nto de Deus para preservar a ordem e a disciplina entre Seu povo. Sua me n- por esse procedimento ex põem a igreja ao rid ículo de seus inimigos, e fa ze m
sagem div i na é levada ao mundo não ape nas pelo testemu nho pessoal de me m- que triu n fe a causa dos pode res das treva s. Dila ceram de novo as fe r idas de
bros individuais, mas também pelo testemu nho unido da Igreja como corpo de Cr isto, ex pondo-O à ignom í n ia. Desprezando a autor ida de da igreja, mos-
Cr isto. Tal testemu nho requer o reconhec i me nto da estrutu ra administrativa tram desprezo a Deus, que con fe r iu a autor ida de à igreja.” – Testemunhos Se-
que tem sido estabelec ida com todos os ofic iais dev idamente ele itos e todos os letos, vol. 2, pág. 84.
canais de ação adequa dame nte organ i z a dos, tais como a Escola Sabati na, Mi- Processos judiciais são freqüentemente movidos num espírito de conten-
n isté r ios Pessoais, Departame nto dos Jove ns Adventista s, etc. Ela também re- da que revela egoísmo humano e resulta dele. É esta espécie de processos an-
conhece institu ições indepe nde ntes cujas ativ ida des contr ibuam para a conse- tagônicos que precisa ser desaprovada por uma igreja que procura manifes-
cução dos objetivos da Igreja. Por essa razão, embora todos os membros te- tar o espírito de Cristo. A abnegação cristã levará os seguidores de Cristo a so-
nham direitos iguais de ntro da Igreja, ne nhum membro individual me nte ou frerem “antes o dano” (I Cor. 6:7), de preferência a irem “a juízo perante os in-
grupo de membros deve inic iar um movimento, for mar uma organização ou justos e não perante os santos” (I Cor. 6:1).
procu rar encorajar adeptos a alcançar qualquer objetivo ou ensinar qualquer Embora haja, no mundo moderno, ensejos para buscar decisões judiciais
doutr i naou me nsagem que não estejam em har mon ia com os objetivos rel i gio- de tribunais civis, os cristãos devem preferir a solução dentro da autoridade
sos fu ndame ntais e os ensinos da Igreja Adve ntista do Séti mo Dia. Tal situa ção da igreja, restringindo a procura de tais decisões judiciais aos casos que se
resultar ia em fomenta ção de um espírito faccioso e div ision ista, na fragmenta- acham claramente dentro da jurisdição dos tribunais civis, e não dentro da
ção dos esforços e testemu nho da Igreja e, portanto, no imped i mento do de- autoridade da igreja, e quanto aos quais a igreja reconhece que não possui
sempe nho de suas obrigações para com o seu Líder e para com o mu ndo. adequado processo para a solução em boa ordem. Tais ações judiciais peran-
te tribunais civis nunca devem tornar-se processos vingativos entre adversá-
Salvaguardar a Unidade da Igreja rios, mas resultar do desejo de buscar a arbitragem e resolver as dissensões
Os cristãos devem fazer todo esforço para evitar tendências que os divi- amigavelmente. Exemplos de tais casos podem abranger a solução de pedidos
dam e tragam desonra a sua causa. “É propósito de Deus que Seus filhos se de pagamento de seguros, a emissão de decisões judiciais que tenham que ver
identifiquem em unidade. Não esperam viver juntos no mesmo Céu? ... Os com os limites e a posse de propriedades, a decisão de algumas questões que
que se recusam a trabalha r em boa harmonia desonram grandemente a envolvam a administração de imóveis, e a con cessão da custódia de filhos
Deus.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 244. A igreja deve desaprovar toda menores. Conquanto a Igreja deva estabelecer métodos, dentro do âmbito da
ação que ameace a harmonia entre seus membros, e incentivar coerentemen- prática legal, para evitar o tipo de litígio mencionado em I Coríntios 6, deve
te a unidade. estar constantemente de sobreaviso para não desviar-se de sua missão evan-
A reconc il ia ção de disse nsões dentro da igreja e entre seus membros deve, na gélica assumindo os deveres de um magistrado civil. (Ver Luc. 12:13 e 14, e
maior ia dos ca sos, ser possível sem que se recor ra a um processo de conc il ia çã o Testemunhos Para a Igreja, vol. 9, págs. 216-218.)
192 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 193

O ideal de Deus para os membros de Sua Igreja é que eles, “se possível, quan- contra seus membros. Em vez de pleitear as questões num tr ibu nal secular, a
to depe nder... [deles, te nham] paz com todos os home ns” (Rom. 12:18). A igre- i greja deve fa zer todo esforço ra zoável, em coope ra ção com o membro, para
ja deve usar seu processo fa c il me nte acessível e ra zoavelmente breve, pelo qual prover um processo pelo qual seja efetua da a dev ida solução do proble ma.
podem ser solucionadas muitas desave nças entre os me mbros. Se a igreja de i-
xar de ate nder ao ped ido de au x íl ioda parte de um membro para conc il iar uma A Aplicação de Disciplina
d isse nsã o, ou se ela admitir que o ca so é de tal natu reza que não se acha de ntro “Quando a pessoa que errou se arrepe nde e se submete à discipl i na de Cr isto,
de sua autor ida de, deve - se reconhecer que o membro esgotou as possibil idades deve ter uma nova oportu n ida de. E mesmo que não se arrependa e ve nha a se r
do processo del i nea do bibl icame nte para a solução de disse nsões, e o que ele excluída da igreja, os se rvos de Deus têm o dever de com ela tentar esforços, bus-
(ou ela) deve fa zer além desse ponto é uma questão que fica ao crité r io de sua cando induzi-la ao arrependimento. Se se render à influência do Espírito de
consc iência. (Ver The SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 698.) Deus, dando prova de arrepe ndimento, confessando o peca do e a ele renunc ian-
Entretanto, quando a igreja, procurando ajudar na conciliação oportuna e do, por mais grave que seja, deve merecer o perdão e ser de novo recebida na
amigável das dissensões entre seus membros, recomenda uma solução, eles igreja. Aos irmãos compete encam i nhá - la pela vereda da justiça, tratá - la como
não devem rejeitar sumariamente a recomendação apresentada pela igreja. desejar iam ser tratados em seu lugar, olhando por si mesmos para que não se-
Não é uma questão de somenos importância que um membro da igreja, fora jam do mesmo modo tentados.” – Testemunhos Para a Igreja, vol. 7, pág. 263.
dos processos regulares da igreja, mova uma ação judiciária contra outro “Aproximamo-nos do juízo, e os que dão a mensagem de advertência ao
membro. “O só existir entre vós demandas já é completa derrota para vós ou- mundo devem ter mãos limpas e corações puros. Devem ter uma ligação ín-
tros.” I Cor. 6:7. tima com Deus. Os pensamentos devem ser puros e santos, a alma sem má-
Os membros da igreja que demonstram impaciência e egoísmo por sua re- cula, devem o corpo, a alma e o espírito ser uma oferta pura e limpa a Deus,
lutância em aguardar e aceitar as recomendações da igreja na solução dos ou Ele não a aceitará.” – Testemunhos Para Ministros, pág. 426.
agravos contra outros membros da igreja podem adequadamente estar sujei- “Deve-se tratar prontamente com o pecado e os pecadores na igreja, para
tos à disciplina da igreja (ver pág. 189), devido a seu efeito demolidor sobre que outros não sejam contaminados. A verdade e a pureza exigem que faça-
esta última e por sua recusa de reconhecerem a autoridade da igreja devida- mos uma obra completa para purificar o acampamento de Acãs. Que os que
mente constituída. ocupam posições de responsabilidade não sofram pecado num irmão. Mos-
trai-lhes que ele, ou tira o seu pecado, ou é separado da igreja.” – Testemunhos
Conciliação das Ofensas dos Membros Contra a Igreja. – Os mesmos prin- Seletos, vol. 2, pág. 38.
cípios que influem sobre a solução de dissensões entre os membros se apli- Quando se tratar de pecados graves, devem ser tomadas medidas discipli-
cam à conciliação das ofensas dos membros contra as organizações e institui- nares. Isto pode ser feito de duas maneiras:
ções da igreja. 1. Por voto de censura.
Um membro da igreja não deve mover uma ação judicial contra alguma 2. Por um voto de remoção do rol de membros da igreja.
entidade da igreja, exceto nas circunstâncias em que a igreja não proveu ade- Poderá haver casos em que a igreja não considere a ofensa de gravidade
quado processo para con ciliar devidamente o agra vo dentro da igreja, ou suficiente para justificar a medida extrema de remoção do membro faltoso,
quando o caso é de tal natureza que a solução não se encontra claramente mas suficientemente séria para merecer uma expressão de desaprovação.
dentro da alçada da igreja. Essa desaprovação pode ser manifestada por um voto de censura.
A censura tem dois propósitos:
Conciliação das Ofensas da Igreja Contra os Membros. – Pode rá haver oca- 1. Permitir à igreja o pronunciamento de sua desaprovação de uma ofensa
siões em que organ i z a ções ou instituições da igreja te nham cometido ofe nsa s grave que trouxe desonra para a causa de Deus.
contra membros da igreja. Em tais ca sos, os administra dores da igreja deve m , 2. Impressionar o ofensor com a necessidade de corrigir sua vida e refor-
com clemê nc ia cristã, ter em mente o conselho bíbl ico para conc il iar disputas mar seu procedimento; bem como proporcionar-lhe um período de graça e
entre os cristã os e aplicar esse conselho à conc il ia ção dos agravos da igreja prova durante o qual possa dar esses passos.
194 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 195

Disciplina por Censura roubo, profana ção, jogos de azar, transgressão do sába do, e falsida de volu n-
O membro faltoso pode ser posto sob censura pelo voto da igreja numa tária e habitual.
reunião administrativa devidamente convocada, sempre que o membro im- 3. Transgressão do séti mo mandame nto da lei de Deus, pelo que diz res-
plicado haja sido informado. Naturalmente, ele pode estar presente, se o qui- pe ito à institu ição matr i monial, ao lar cristão e às nor mas bíbl icas da con-
ser. Um voto de censura é para um período definido de tempo: no mínimo de duta moral.
um mês, e no máximo de doze meses; tal voto priva o membro faltoso de 4. Transgressões tais como fornicação, promiscuidade, incesto, prática ho-
qualquer cargo que possa ter na igreja e do privilégio de ser eleito para qual- mossexual, abuso sexual de crianças e de adultos vulneráveis e outras perver-
quer cargo durante o período de sua censura. O membro que esteja sob cen- sões sexuais, e novo casamento de pessoa divorciada, exceto o cônjuge que
sura não tem o direito de participar, nem por voz nem por voto, nos assuntos permaneceu fiel ao voto matrimonial num divórcio causado por adultério ou
da igreja, nem ter participação pública em seus cultos, tais como o ensino de perversões sexuais.
uma classe da Escola Sabatina, etc. Tampouco pode ser tran sferido como 5. Violência física, inclusive violência na família.
membro para outra igreja durante o período de censura. Não é, porém, pri- 6. Fraude ou deliberada falsidade no comércio.
vado do privilégio de participar das bênçãos da Escola Sabatina, dos cultos da 7. Procedimento desordenado que traga opróbrio à igreja.
igreja e das cerimônias da casa do Senhor. O voto de censura não deve con- 8. Adesão ou participação num movimento ou organização separatista ou
ter nenhuma providência tendente a separar o membro da igreja, caso não desleal. (Ver pág. 190.)
cumpra as condições impostas. Deverá inquirir-se devidamente, ao finalizar 9. Persistente negativa quanto a reconhecer as autoridades da Igreja devi-
o período de censura, se o membro que está sob disciplina mudou de proce- damente constituídas, ou por não querer submeter-se à ordem e à disciplina
dimento ou não. Se o seu procedimento é satisfatório, deve, então, ser consi- da Igreja.
derado como membro em plena comunhão, sem outro voto. Se não mudou 10. O uso, a fabricação ou a venda de bebidas alcoólicas.
de procedimento, o seu caso deve ser considerado novamente, e administrar- 11. O uso, a fabricação ou a venda do fumo em qualquer de suas formas
se-lhe a disciplina que o caso requer. A volta a qualquer cargo da igreja deve para consumo humano.
ocorrer através de eleição. 12. O uso indevido ou o tráfico de narcóticos ou outras drogas.
A Igreja Adventista do Séti mo Dia reconhece a necessida de de exe rcer gran-
Disciplina por Remoção do Rol de Membros da Igreja de cu ida do para prote ger os mais altos interesses espirituais de seus membros,
A separação de um membro da comunhão da igreja, que é o corpo de assegurar um tratamento imparc ial e salvag uardar o bom nome da Igreja .
Cristo, é sempre assunto sério; é o passo final na disciplina que a igreja pode Em alguns casos de transgressão dos mandamentos de Deus, em que o pe-
ministrar; é a medida extrema que a igreja pode tomar. Unicamente depois que cador manifesta arrependimento profundo e faz confissão espo ntânea e
a instrução dada neste capítulo houver sido seguida, e depois de haverem sido fei- completa, dando mostras de que se operou conversão genuína, pode a igreja
tos todos os esforços possíveis para restaurar de seus maus caminhos o membro administrar disciplina, pondo o transgressor sob censura por determinado
faltoso, deve-se usar esta espécie de disciplina. Quando se pretende dar esse período de tempo.
passo, convém consultar o pastor da igreja ou, se ele estiver ausente, o pastor No entanto, em caso de flagrante violação da lei de Deus, que haja trazido
geral da Associação/Missão, antes que a igreja tome qualquer medida. opróbrio público sobre a igreja, esta poderá considerar necessário que, mes-
mo quando houver feito confissão sincera, seja o membro removido da co-
Razões Para a Disciplina dos Membros munhão da igreja, para proteger o bom nome e as normas cristãs desta últi-
As ra zões pelas quais membros estarão sujeitos à disc ipl i na são as se- ma. Mais tarde, quando for evidente que sua vida está de acordo com as nor-
g u i ntes: mas da igreja, o ofensor poderá ser recebido de volta à igreja, depois do reba-
1. Negação da fé nos princípios fundamentais do evangelho e nas doutri- tismo. Não pode a igreja resignar-se a tratar levianamente com pecados tais,
nas básicas da Igreja, ou o ensino de doutrinas contrárias a eles. nem permitir que considerações pessoais lhe afetem as resoluções. Deve fa-
2. Viola ção da lei de Deus, tal como a adoração de ídolos, hom ic íd io, zer constar sua definida e veemente desaprovação aos pecados de fornicação,
196 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 197

adultério, todos os atos de indiscrição moral, e ou tros pecados graves; ao “Deus está guiando Seu povo, não uns poucos e separados indivíduos aqui
mesmo tempo, deve fazer tudo quanto está ao seu alcance para restaurar e e acolá, um crendo de uma forma e outro diversamente. Os anjos de Deus es-
resgatar os transgressores. Ao ficar o mundo continuamente mais frouxo nos tão fazendo a obra que lhes foi designada. O terceiro anjo está conduzindo e
assuntos morais, não deve a Igreja rebaixar as normas estabelecidas por Deus. purificando um povo, o qual se moverá em união com ele. Alguns vão adian-
te dos anjos que estão dirigindo o povo, mas acabam tendo de rever cada pas-
Prontidão e Sensatez no Processo Disciplinar so e timidamente não seguir mais rápido do que os anjos dirigem.” – Testemu-
A igreja tem o dever de tratar do processo disciplinar dentro de um tem- nhos Para a Igreja, vol. 1, pág. 207.
po razoável e então comunicar suas decisões com delicadeza e prontidão. A
aplicação da disciplina, em si, é um processo doloroso. Uma coisa que au- Em Uma Reunião Devidamente Convocada. – Os membros podem ser
menta a frustração e o sofrimento do membro individual e da própria igreja disciplinados pela igreja por uma causa suficiente, mas unicamente em uma
local, é a demora na administração da disciplina. reunião administrativa da igreja, devidamente convocada, depois que a Co-
missão da Igreja examinou detidamente o caso. A reunião deverá ser presidi-
Deve-se Ter Cuidado ao Disciplinar Membros da por um ministro ordenado ou por um ministro licenciado que tenha sido
“Cristo ensi nou claramente que aqueles que pe rseve ram em pecado declarado ordenado como ancião local da igreja correspondente; ou, em sua ausência, e
devem ser desligados da igreja; mas não nos con fiou a tarefa de ajuizar sobre ca- de comum acordo com ele ou com o pastor geral da Associação/Missão, por
ra cteres e motivos. Conhece demasiado bem nossa natureza para que nos dele- um ancião ordenado da referida igreja.
gasse esta obra. Se tentássemos desarraigar da igreja os que supomos se rem cris-
tãos espúrios, ce rtamente comete r íamos erro. Muitas vezes conside ramos ca sos O Voto da Maioria. – Os membros só podem ser removidos da comunhão
perdidos justamente aqueles que Cristo está atrai ndo a Si. Se devêssemos proce- da igreja ou disciplinados de outra maneira pelo voto da maioria dos mem-
der com essas al mas segundo nosso parecer imperfeito, ex tinguir-se - ia talvez sua bros presentes e que estejam votando numa reunião devidamente convocada.
última espe rança. Muitos que se julgam cristãos se rão finalmente achados em fal- “A maioria da igreja é uma força que deveria controlar seus membros.” – Tes-
ta. Have rá muitos no Céu, os quais seus vizinhos supunham que lá não entra- temunhos Para a Igreja, vol. 5, pág. 107.
r iam. O homem jul ga segundo a aparênc ia; mas Deus vê o coração. O joio e o tr i-
go devem crescer juntos até à ce i fa; e a colheita é o fim do tempo da graça. A Comissão da Igreja Não Pode Remover Membros da Comunhão da Igreja.
“Há nas palavras do Salvador ainda outra lição, uma lição de maravilhosa – A Com issão da Igreja pode recome ndar à igreja a remoção de um me mbro,
longanimidade e terno amor. Como o joio tem as raízes entrelaçadas com as mas em nenhu ma circu nstância tem uma com issão de igreja o direito de remo-
do trigo, assim falsos irmãos podem estar na igreja, intimamente ligados com vê-lo da comu nhão da igreja. O(a) sec retár io(a) da igreja só poderá remove r
os discípulos verdadeiros. O verdadeiro caráter desses pretensos crentes não um nome do rol da igreja med iante voto da igreja, exceto no ca so da morte de
é plenamente manifesto. Caso fossem desligados da congregação, outros po- um membro.
deriam ser induzidos a tropeçar, os quais, se não fosse isto, permaneceriam
firmes.” – Parábolas de Jesus, págs. 71 e 72. O Direito de o Membro Ser Ouvido em Defesa Própria. – É um princípio
fundamental de justiça que todo membro tem o direito de ser ouvido em de-
Nem Pastores Nem Igrejas De vem Estabelecer Provas de Di scipulado. – fesa própria, e apresentar provas e testemunhas em seu favor. Nenhuma igre-
Um pastor, uma igreja local, ou uma Associação/Missão não tem autoridade ja deve votar a remoção de um membro em circunstâncias que o privem des-
para formular ou estabelecer provas de discipulado para a denominação. Esta se direito, se ele quiser exercê-lo. A igreja de verá informar devidamente o
autoridade compete ao corpo inteiro da Igreja, e é exercida por meio da orga- membro da intenção de considerar o seu caso, dando-lhe, assim, a oportuni-
nização regularmente constituída da Igreja na Associação Geral. Qualquer dade de apresentar-se em sua própria defesa.
pessoa que busque aplicar provas além das que são aqui formuladas, não re-
presenta, portanto, devidamente a Igreja. Advogados Não Podem Representar os Membros. – A obra da igreja, em
198 Manual da Igreja Disciplina Eclesiástica 199

sua administração da ordem e da disciplina, é uma função eclesiástica, e em Não Remover Membros Por Motivos Pecuniários. – Um me mbro nu nca de-
nenhum sentido tem que ver com procedimentos civis ou legais; portanto, a ve rá ser remov ido do rol da igreja por motivo de sua incapa c ida de de prestar
igreja não reconhece o direito de algum membro trazer um advogado que o auxílio finance i ro a qualquer dos empree ndimentos da igreja, ou por haver
represente em qualquer reunião ou concílio da igreja convocado para admi- de i x a do de fa zê - lo. A cond ição de membro da igreja repousa pr i mar iame nte
nistrar a ordem ou a disciplina, ou para tratar de quaisquer assuntos referen- sobre ba se espiritual; entretanto, todo membro, na med ida de sua capa c ida de,
tes à igreja. Por conseguinte, nossos membros devem ser informados de que tem o dever de amparar fi nance i rame nte a obra da igreja. Ele nu nca deve, po-
não terão a oportunidade de ser ouvidos se procurarem trazer um advogado rém, ser priva do de sua cond ição de me mbro si mplesme nte por não poder
à reunião, com essa finalidade. A igreja também deverá excluir todos os que prestar auxílio fi nance i ro a qualquer das causas da igreja, ou por não fa zê - lo.
não são seus membros de qualquer reunião ou concílio da igreja convocado
para administração da ordem ou da disciplina da igreja, a menos que tenham Remoção do Membro a Seu Próprio Pedido. – Deve-se ter grande cuidado
sido chamados como testemunhas. ao lidar com um membro que peça o cancelamento de seu nome do rol dos
membros. Embora reconheçamos que a pessoa tem o direito de decidir se
Membros Não Devem Ser Removidos da Comunhão da Igreja Por Falta de quer ou não pertencer à igreja, deve-se conceder amplo tempo a esse mem-
Comparecimento. – As pessoas ausentes devem ser fielmente visitadas pelos bro para sensata meditação e reflexão, fazendo-se todo o esforço para restau-
dirigentes da igreja, sendo cada uma delas incentivada a renovar a freqüência rá-lo a uma experiência satisfatória. A carta de renúncia deverá ser apresen-
à igreja e informada da gravidade de negligenciar sua obrigação como mem- tada à Comissão da Igreja, que a encaminhará a uma reunião administrativa
bro, ausentando-se deliberadamente por períodos d e tempo indefinidos e da igreja, devidamente convocada. Em consideração cristã às pessoas envol-
não comunicando algo à igreja quanto à sua fé e esperança. Se, devido à ida- vidas, o voto deverá ser tomado sem discussão pública.
de, doença ou outra causa inevitável, um membro achar impossível assistir
regularmente ao culto divino, deverá considerar que tem o dever de manter- Notificação aos Membros Removidos da Comunhão da Igreja. – À igreja
se em contato com os dirigentes da igreja, por carta ou por outros meios. Não que remove um membro de sua comunhão compete informá-lo, por escrito,
obstante, enquanto essa pessoa for fiel às doutrinas da igreja, sua falta de da resolução tomada pesarosamente, com a garantia de permanente interes-
comparecimento aos cultos da igreja não será considerada causa suficiente se espiritual e solicitude pessoal. Sempre que for possível, convém que essa
para remoção do rol de membros. comunicação seja entregue pessoalmente pelo pastor da igreja ou por alguém
designado pela Comissão da Igreja. O membro faltoso deverá ser assegurado
Membros Que Mudam de Residência e Não Participam. – Quando um de que a igreja sempre esperará que ocorra a readmissão e que um dia possa
membro se muda da vizinhança de sua igreja, tem o dever de comunicar seu haver eterna comunhão no reino de Deus.
novo domicílio e endereço ao ancião ou ao(à) secretário(a) da igreja. En-
quanto continuar sendo membro dessa igreja, deverá reconhecer sua respon- Readmissão de Membros Removidos da Comunhão da Igreja. – Quando
sabilidade de manter-se em contato regular com a igreja e remeter seus dízi- um me mbro foi remov ido da comu nhão da igreja, esta deve, se possível, man-
mos e ofertas. O ideal é que essa informação seja enviada pelo menos uma vez ter- se em contato com ele e manifestar-lhe espírito de am i z a de e amor, procu-
por trimestre. Se, porém, esse membro não deixar endereço algum, e não fi- rando tra zê-lo de volta ao red il. A pessoa prev iamente re mov ida da comu-
zer nenhum esforço para ir à sua igreja, nem enviar um aviso, e for impossí- nhão da igreja poderá ser recebida novamente como me mbro ao con fessar os
vel localizá-lo, então, depois de uma ausência de dois anos, ele poderá ser re- erros cometidos e dar provas de verda de i ro ar repe ndimento e mod i ficação de
movido do rol dos membros mediante o voto da igreja, contanto que os ofi- v ida, e se ndo manifesto que se submete rá ple namente à ordem e à disc ipl i na
ciais da igreja possam atestar que fielmente se empenharam em localizá-lo, da igreja. Este reingresso deve r ia, preferivel mente, ocorrer na igreja de que o
mas não o conseguiram. O(a) secretário(a) deverá anotar na coluna corres- membro foi re mov ido. Isto, entretanto, nem se mpre é possível. Neste ca so, a
pondente: “Paradeiro ignorado. Votado designá-lo como ausente.” i greja em que a pessoa sol icita readmissão prec isa pedir infor ma ções da igreja
anterior, sobre as ra zões pelas quais ela foi re mov ida da comunhão da igreja .
200 Manual da Igreja
Capítulo 15
A remoção do rol de membros é a forma mais grave de disciplina; por isso,
antes que uma pessoa removida possa ser readmitida, o período de tempo
decorrido deverá ser suficiente para demonstrar que as questões que levaram
Casamento, Divórcio e Novas Núpcias
ao voto de remoção do rol de membros foram resolvidas a contento. A read-
missão à igreja é normalmente precedida pelo rebatismo. Ensinamentos Bíblicos Acerca do Casamento
A Origem do Casamento. – O ca samento é uma institu ição div i na estabele-
O Direito de Apelar Para Obter Readmissão. – No caso de os oficiais da cida pelo próprio Deus, antes da queda, quando tudo, inclusive o ca samento,
igreja se recusarem a atender ao pedido de reingresso de um membro remo- “e ra mu ito bom” (Gên. 1:31). “Por isso deixa o homem pai e mã e, e se une à sua
vido da comunhão, tem este o direito de solicitar uma audiência da igreja. mulher, tor nando - se os dois uma só car ne” (Gên. 2:24). “Deus celebrou o pri-
Não deve a igreja esquecer a concessão dessa audiência nem recusá-la. Se o fi- meiro ca same nto. Assim esta institu ição tem como seu or i gi na dor o Cr ia dor
zer, a pessoa terá o direito de solicitar uma audiência à Comissão Diretiva da do Unive rso. ‘Ve ne rável ... seja o matrimôn io’; foi esta uma das prime i ras dá d i-
Associação/Missão em que a igreja está localizada. Se, após uma audiência vas de Deus, e é uma das duas instituições que, depois da queda, Adão trou xe
plena e imparcial, a Comissão Diretiva da Associação/Missão estiver conven- consi go aquém das portas do Paraíso.” – O Lar Adventista, págs. 25 e 26.
cida de haver sido cometida injustiça pela igreja, ela poderá recomendar a
readmissão do membro removido. Mas se ainda lhe for recusada admissão A Unidade do Casamento. – Deus tencionava que o casamento de Adão e
como membro dessa igreja, a Comissão Diretiva poderá então recomendá-lo Eva servisse de modelo para todos os casamentos posteriores, e Cristo confir-
para membro de alguma outra igreja. Por outro lado, se a Comissão Diretiva mou este conceito original, dizendo: “Não tendes lido que o Criador desde o
encontrar bons motivos para apoiar a igr eja em sua recusa de r eadmitir o princípio os fez homem e mulher, e que disse: Por esta causa deixará o ho-
membro, fará lavrar ata de sua decisão. mem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, tornando-se os dois uma só carne?
De modo que j á não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que
Transferência de Membros Sob Censura. – Nenhuma igreja deve receber Deus ajuntou não o separe o homem” (Mat. 19:4-6).
como membro a uma pessoa que esteja sob a censura de outra igreja. Tal pro-
cedimento coonestaria a ofensa pela qual a outra igreja houvesse aplicado A Perpetuidade do Casamento. – O casamento é um compromisso vitalí-
disciplina. cio do marido para com a esposa, e desta para com aquele, e entre o casal e
A aceitação como membro de alguém que esteja sob disciplina é uma vio- Deus (Mar. 10:2-9; Rom. 7:2). Paulo assinala que o compromisso de Cristo
lação tão grave dos regulamentos da Igreja, que a igreja culpada poderá estar para com a Igreja é um modelo da relação entre o marido e a esposa (Efés.
sujeita à disciplina aplicada pela assembléia da Associação/Missão. 5:31 e 32). O desígnio de Deus era que a relação matrimonial fosse tão dura-
doura como a relação de Cristo com a Igreja.

Intimidade Sexual no Casamento. – A intimidade sexual no casamento é


uma dádiva sagrada de Deus à família humana. Constitui uma parte inte-
grante do casamento, só reservada para ele (Gên. 2:24; Prov. 5:5-20). Essa in-
timidade, destinada a ser exclusivamente partilhada entre o marido e a espo-
sa, promove cada vez maior aconchego, felicidade e segurança, e possibilita a
perpetuação da raça humana. Além de monogâmico, o casamento, da manei-
ra instituída por Deus, é uma relação heterossexual (Mat. 19:4 e 5).

Parceria no Casamento. – A unida de no ca samento é alcança da por mútuo


respe ito e amor. Nenhum dos cônjuges é supe r ior ao outro (Efés. 5:21-28). “O
202 Manual da Igreja Casamento, Divórcio e Novas Núpcias 203

matrimôn io – união vital íc ia – é sí mbolo da união entre Cr isto e Sua igreja. O Cristo concede e presta à Igreja (Efés. 5:24 e 25). Tanto Pedro como Paulo fa-
espírito que Cr isto manifesta para com a igreja, é o que marido e mulher de- lam sobre a necessidade de respeito na relação matrimonial (I Ped. 3:7; Efés.
vem ded icar- se mutuame nte.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 96. A Palavra 5:22 e 23).
de Deus conde na a violênc ia nas rela ções pessoais (Gên. 6:11 e 13; Sal. 11:5; 3. Graça Acessível a Todos. – Deus procura restaurar a integridade de todos
Isa. 58:4 e 5; Rom. 13:10; Gál. 5:19-21). O espírito de Cr isto é amar e ace itar, os que deixaram de corresponder ao padrão divino e reconciliá-los consigo
procu rar suster e ed i ficar a outros, e não maltratá - los ou av iltá - los (Rom . (II Cor. 5:19). Isto abrange aqueles que experimentaram o rompimento das
12:10; 14:19; Efés. 4:26; 5:28 e 29; Col. 3:8-14; I Tess. 5:11). Entre os se g u idores relações matrimoniais.
de Cr isto não há lu gar para controle despótico e abuso de poder (Mat. 20:25- 4. A Função da Igreja. – Moisés, no Antigo Testamento, e Paulo, no Novo
28; Efés. 6:4). Violê nc ia no âmbito do ca samento e da famíl ia é abom i nável Testamento, trataram dos problemas causados por casamentos despedaçados
( ver O Lar Adventista, pág. 343). (Deut. 24:1-4; I Cor. 7:11). Ao mesmo tempo em que enalteciam e defendiam
“Nem o marido nem a mulher deve buscar dominar. O Senhor exarou o o ideal, ambos trabal haram construtiva e redentivamente com os que não
princípio que guiará este assunto. O marido deve amar a mulher como Cris- atingiram o padrão divino. Semelhantemente, compete à Igreja, hoje em dia,
to à igreja. E a mulher deve respeitar e amar o marido. Ambos devem cultivar enaltecer e defender o ideal de Deus quanto ao matrimônio, sendo ao mesmo
espírito de bondade, resolvidos a nunca ofender ou prejudicar o outro.” – Tes- tempo uma comunidade reconciliadora, perdoadora e restauradora, mani-
temunhos Seletos, vol. 3, págs. 96 e 97. festando compreensão e compaixão quando ocorre o rompimento.

Os Efeitos da Queda Sobre o Casamento. – A entrada do pecado afetou ad- Ensinamentos Bíblicos Acerca do Divórcio
versamente o matrimônio. Quando eles pe caram, Adão e Eva perderam a O Propósito Original de Deus. – O divórcio contraria o propósito original
unidade que haviam desfrutado com Deus e um com o outro (Gên. 3:6-24). de Deus ao instituir o casamento (Mat. 19:3-8; Mar. 10:2-9), mas a Bíblia não
Seu relacionamento passou a ser assinalado pela culpa, vergonha, remorso e é omissa a esse respeito. Visto que o divórcio ocorreu como parte da decaída
dor. Onde quer que reine o pecado, seus deploráveis efeitos sobre o casamen- experiência humana, foi provida uma legislação bíblica para limitar o dano
to incluem alienação, deserção, infidelidade, negligência, abuso, violência, se- causado por ele (Deut. 24:1-4). A Bíblia procura coerentemente elevar o ca-
paração, divórcio, dominação de um cônjuge pelo outro e perversão sexual. samento e desaconselhar o divórcio, descrevendo as alegrias do amor e da fi-
Casamentos que envolvem mais de um cônjuge são também uma expressão delidade conjugal (Prov. 5:18-20; Cantares de Salomão 2:16; 4:9 a 5:1), com-
dos efeitos do pecado sobre a instituição matrimonial. Tais casamentos, em- parando a relação de Deus com o Seu povo ao casamento (Isa. 54:5; Jer. 3:1),
bora praticados nos tempos do Antigo Testamento, não estão em harmonia enfocando as possibilidades do perdão e da restauração matrimonial (Oséias
com o desígnio divino. O plano de Deus para o casamento requer que Seu 3:1-3) e indicando a aversão de Deus ao divórcio e à desdita causada por ele
povo se eleve acima dos costumes da cultura popular que se acham em con- (Mal. 2:15 e 16). Jesus restaurou o conceito da instituição do casamento como
flito com o conceito bíblico. compromisso vitalício entre um homem e uma mulher, e entre o casal e Deus
(Mat. 19:4-6; Mar. 10:6-9). Muitas instruções bíblicas confirmam o casamen-
Restauração e Cura. – 1. O Ideal Divino a Ser Restaurado em Cristo. – Ao re- to e procuram corrigir problemas tendentes a debilitar ou destruir o funda-
dimir o mu ndo do peca do e suas conseqüênc ia s, Deus também procu ra res- mento do matrimônio (Efés. 5:21-33; Hebr. 13:4; I Ped. 3:7).
tau rar o ca samento ao seu ideal original. Isto é prev isto para a vida dos que
nasce ram de novo no reino de Cr isto, cujo cora ção está se ndo santi fica do pelo Casamentos Que Podem Ser Destruídos. – O matrimônio se baseia em
Espí r ito Santo e que têm como pr i ncipal objetivo na vida ex altar o Senhor Je- princípios de amor, lealdade, exclusividade, confiança e amparo mantidos
sus Cr isto. (Ver também I Ped. 3:7; O Maior Dis curso de Cristo, pág. 64.) por ambos os cônjuges, em obediência a Deus (Gên. 2:24; Mat. 19:6; I Cor. 13;
2. Unidade e Igualdade a Serem Restauradas em Cristo. – O evangelho enfa- Efés. 5:21-29; I Tess. 4:1-7). Quando estes princípios são violados, o casamen-
tiza o amor e a submissão mútua do marido e da esposa (I Cor. 7:3 e 4; Efés. to corre perigo. As Escrituras reconhecem que trágicas circunstâncias podem
5:21). O modelo para a liderança do marido é o abnegado amor e serviço que destruir o casamento.
204 Manual da Igreja Casamento, Divórcio e Novas Núpcias 205

Graça Divina. – A graça divina é o único remédio para os males do divór- A Igreja crê na lei de Deus; crê, também, na misericórdia perdoadora de
cio. Quando o casamento falha, os ex-cônjuges devem ser encorajados a exa- Deus. Crê que a vitória e a salvação podem ser tão seguramente encontradas
minar sua experiência e buscar conhecer a vontade de Deus para sua vida. O pelos que transgrediram nesse assunto do divórcio e de novo casamento,
Senhor provê conforto para os que foram feridos. Deus também aceita o ar- quanto por parte dos que fracassaram em qualquer das outras santas normas
rependimento de indivíduos que cometem os pecados mais destrutivos, até divinas. Nada do que é aqui apresentado tem a intenção de diminuir a mise-
mesmo os que acarretam conseqüências irreparáveis (II Sam. 11; 12; Sal. ricórdia ou o perdão de Deus. No temor do Senhor, é aqui apresentado o que
34:18; 86:5; Joel 2:12 e 13; João 8:2-11; I João 1:9). a Igreja crê serem os princípios e as regras que devem ser aplicados neste as-
sunto do casamento, do divórcio e de novas núpcias.
Motivos Para Divórcio. – As Escrituras admitem que o adultério e/ou a Conquanto o casamento tenha sido realizado primeiramente por Deus só,
fornicação (Mat. 5:32), bem como o abandono da parte de um cônjuge incré- reconhece-se que as pessoas vivem agora sob governos civis neste mundo;
dulo (I Cor. 7:10-15) constituem motivos para divórcio. portanto, o casamento tem dois aspectos: o divino e o civil. O aspecto divino
é regulado pelas leis de Deus; o civil, pelas leis do Estado.
Ensinamentos Bíblicos Acerca do Novo Casamento Em harmonia com estes princípios, as seguintes declarações enunciam a
Não há nas Escritu ras nenhum ensinamento direto ace rca do novo ca same n- atitude da Igreja Adventista do Sétimo Dia:
to após o divórc io. Entretanto, nas palav ras de Jesus, em Mateus 19:9, encontra- 1. Quando Jesus disse: “Não o separe o home m”, estabeleceu uma nor ma
se uma forte indica ção da possibil ida de do novo ca samento da pessoa que pe r- de proced i me nto para a Igreja, sob a dispe nsação da gra ça, que devia se m-
maneceu fiel, embora seu cônjuge te nha sido desleal ao voto matr i monial. pre transce nder todas as le gisla ções civ is que ultrapa ssa ssem a inte rpreta-
ção div i na da lei de Deus que gove r na a relação matr i mon ial. Dá Deus aí,
A Atitude da Igreja Quanto ao Divórcio e o Novo Casamento para Seus se g u idores, uma re gra que devem seguir, quer o Esta do ou o cos-
Reconhecendo os ensinamentos da Bíblia acerca do casamento, a Igreja tu me em voga pe r m itam maiores liberda des, quer nã o. “No Se r mão do
está ciente de que as relações matrimoniais, em muitos casos, ficam aquém Monte, Jesus afirmou clarame nte que não podia haver dissolução do la ço
do ideal. O problema do divórcio e do novo casamento só poderá ser obser- matr i monial, a não ser por infidel ida de ao voto conju gal.” – O Maior Dis-
vado em seu verdadeiro aspecto quando for encarado à luz do Céu e contra o curso de Cristo, pág. 63. (Mat. 5:32; 19:9.)
fundo histórico do Jardim do Éden. O ponto central do santo plano de Deus 2. A infidelidade ao voto matrimonial geralmente tem sido considerada
para o nosso mundo foi a criação de seres feitos à Sua imagem, que se multi- como alusão a adultério e/ou fornicação. No entanto, a palavra que no Novo
plicassem e enchessem a Terra, e vivessem juntos em pureza, harmonia e fe- Testamento é traduzida por “fornicação” ou “prostituição” abrange algumas
licidade. Ele criou Eva do lado de Adão, e deu-a a Adão como sua mulher. Foi outras irregularidades sexuais. (I Cor. 6:9; I Tim. 1:9 e 10; Rom. 1:24-27.) Por-
assim instituído o casamento – sendo Deus o autor da instituição e Deus o tanto, as perversões sexuais, inclusive o incesto, o abuso sexual de crianças e
oficiante do primeiro casamento. Depois de o Senhor revelar a Adão que Eva as práticas homossexuais, são também identificadas como abuso das faculda-
era verdadeiramente osso de seus ossos e carne de sua carne, nunca lhe pode- des sexuais e violação do desígnio divino no casamento. Como tal, são um
ria surgir na mente dúvida alguma de que os dois fossem uma só carne. Nem motivo justo para separação ou divórcio.
podia surgir na mente de nenhum dos componentes do santo par, dúvida al- Se bem que as Esc r itu ras permitam o divórc io pelas ra zões aprese ntadas
guma de que Deus pretendesse que o seu lar tivesse duração eterna. mais acima, assim como pelo abandono da parte de um cônju ge inc rédulo
Este conceito do matrimônio e do lar, a Igreja adota sem reserva, crendo (I Cor. 7:10-15), devem ser fe itos esforços dilige ntes, pela igreja e pelas pes-
que qualquer degradação deste alto ponto de vista é uma correspondente de- soas envolv ida s, para efetuar uma reconciliação, instando com os cônju ges
gradação do ideal celestial. A crença de que o casamento é uma instituição di- para que man i festem, um ao outro, um espí r ito de perdão e restau ra ção se-
vina tem a sua base nas Escrituras. Nessa conformidade, todo pensamento e melhante ao de Cr isto. Recome nda - se que a igreja lide amorosa e rede nti-
argumento no intrincado terreno do divórcio e novas núpcias deve ser cons- vame nte com o casal, a fim de ajudar no processo de reconc ilia çã o.
tantemente harmonizado com o santo ideal revelado no Éden. 3. No caso de não se conseguir a reconciliação, o cônjuge que permaneceu
206 Manual da Igreja Casamento, Divórcio e Novas Núpcias 207

fiel ao consorte que violou o voto matrimonial tem o direito bíblico de reque- quem se ca sar com ele (ou ela), se for me mbro da igreja, se rá também remo-
rer divórcio, bem como tornar a casar-se. vido. (Ver pág. 195.)
4. O cônjuge que violou o voto matr i mon ial (ver parágrafos 1 e 2, mais aci- 7. O cônjuge que tenha violado o voto matrimonial, se tenha divorciado,
ma) estará suje ito à disc iplina da igreja local. (Ver Capítulo 14, Dis ciplina Ecle- tenha sido removido do rol de membros da igreja e se tenha casado nova-
siástica, pags. 185-200.) Se estiver ge nu i namente arrepe nd ido(a), ele (ou ela) mente, ou quem se tenha divorciado por motivos outros que não os apresen-
pode rá ser posto(a) sob ce nsu ra por um determinado pe r íodo de tempo, ao in- tados nos parágrafos 1 e 2, e se tenha casado novamente e sido removido da
vés de ser remov ido do rol de membros da igreja. O cônju ge que não der pro- igreja, será considerado inelegível à qualidade de membro da igreja, exceto
vas de pleno e si ncero arrependimento, se rá remov ido do rol de membros da nos casos previstos a seguir.
i greja. No ca so de a violação haver causa do opróbr io públ ico para a causa de 8. O contrato matrimon ial não só é mais sagra do mas também infi n itame n-
Deus, a igreja, a fim de manter suas altas nor mas e bom nome, pode rá remover te mais complexo do que outros acordos em suas possíveis compl icações; por
o ind iv íduo do rol de membros, embora haja prova de arrepe ndime nto. exemplo, o fator dos filhos. Portanto, num ped ido de readmissão à qual ida de
Qualquer dessas formas de disciplina deverá ser aplicada pela igreja local de membro da igreja, as opções acessíveis à pessoa arrepe nd ida podem ser se-
de tal maneira que procure atingir os dois objetivos da disciplina eclesiástica: verame nte limita da s. Antes que a dec isão fi nal seja toma da pela igreja local, o
corrigir e resgatar. No evangelho de Cristo, o aspecto redentivo da disciplina ped ido de rea d m issão se rá submetido pela igreja, por intermédio do pa stor ou
está sempre ligado à autêntica transformação do pecador numa nova criatu- dirige nte distr ital, à Mesa Administrativa da Associaçã o / Missã o, para conse-
ra em Jesus Cristo. lhos e recome nda ções quanto a quaisquer possíve is passos que a pessoa ou as
5. O cônjuge que violou o voto matrimonial e se tenha divorciado, não tem pessoas arrepe nd idas devam dar para conseguir uma tal readmissã o.
o direito moral de casar-se com outra pessoa enquanto o cônjuge que perma- 9. A readmissão na igreja dos que tenham sido removidos pelos motivos
neceu fiel ao voto matrimonial ainda vive e permanece sem casar-se e casto. apresentados nos parágrafos precedentes, sê-lo-á normalmente sob a condi-
Se ele (ou ela) casar-se, será removido do rol de membros da igreja. A pessoa ção de rebatismo. (Ver pág. 199.)
com quem ele (ou ela) casar-se, se for membro da igreja, também será remo- 10. Quando a pessoa que tenha sido removida do rol de membros for por
vida do rol de membros da igreja. fim readmitida na igreja, segundo estabelece o parágrafo 8, deverá exercer-se
6. Reconhece - se que, às vezes, as rela ções matr i mon iais dete r ioram - se a tal todo o cuidado possível para salvaguardar a unidade e a harmonia na igreja,
ponto que é melhor o marido e a esposa se separarem. “Aos ca sa dos, orde no, não dando a essa pessoa responsabilidade como líder; especialmente em car-
não eu mas o Se nhor, que a mulher não se separe do marido (se, porém, ela go que exija o rito da ordenação, a menos que o caso seja cuidadosamente
v ier a separar- se, que não se ca se, ou que se reconc il ie com seu marido); e que considerado com a administração do Campo local.
o marido não se aparte de sua mulhe r.” I Cor. 7:10 e 11. Em mu itos desses ca- 11. Nenhum pastor adventista do sétimo dia tem o direito de oficiar em
sos, a guarda dos filhos, o ajuste dos direitos de proprieda de, ou mesmo a pro- uma cerimônia de segundas núpcias de pessoa que, sob a estipulação dos pa-
teção pessoal, podem tor nar necessária uma mod i fica ção do status matr i mo- rágrafos precedentes, não tenha o direito bíblico de tornar a casar-se.
n ial. Em ca sos tais pode ser pe r m issível obter o que em alguns países se chama
separa ção le gal. Entretanto, em al g u mas ju r isd ições civ is, essa separa ção só O Ministério da Igreja Local Pelas Famílias
pode ser obtida por me io do divórc io. A Igreja, como entidade redentiva de Cristo, deve ministrar a seus mem-
A separa ção ou o divórc io que resulta de tais fatores como violê nc ia físi- bros em todas as suas necessidades e atender a cada um deles de tal modo que
ca ou em que não está envolv ida a “i n fidel ida de ao voto matr i monial” (ve r todos possam desenvolver uma experiência cristã amadurecida. Isto é espe-
parágrafos 1 e 2, mais acima), não dá a nenhum dos cônju ges o dire ito bíbl i- cialmente verdade quando os membros enfrentam decisões vitalícias, como
co de tor nar a ca sar-se, a me nos que no ínterim a outra parte se te nha ca sa- o casamento, e experiências aflitivas, como o divórcio. Quando o matrimô-
do, haja cometido adulté r io ou for n ica çã o, ou te nha mor r ido. Se um me m- nio de um casal corre o perigo de sucumbir, devem ser feitos todos os esfor-
bro da igreja que se te nha assim divorc ia do tor nar a ca sar- se, sem estas ra- ços possíveis, pelos cônjuges e pelas pessoas na igreja ou na família que mi-
zões bíbl ica s, ele (ou ela), se rá re mov ido(a) do rol de me mbros da igreja; e nistram em seu favor, para efetuar sua recon ciliação em harmonia com os
208 Manual da Igreja
Capítulo 16
princípios divinos para restau rar rela c ionamentos feridos (Osé ias 3:1-3; I Cor.
7:10 e 11; 13:4-7; Gál. 6:1).
A igreja local ou outras organizações da Igreja dispõem de recursos que
Como Organizar, Unir
podem ser úteis aos membros no desenvolvimento de um vigoroso lar cris- e Dissolver Igrejas
tão. Esses recursos abrangem: 1) programas de orientação para pessoas com-
prometidas que pensam em casar-se; 2) programas de instrução para casais
com suas famílias; e 3) programas de amparo a famílias dilaceradas e pessoas As igrejas são organizadas por um pastor ordenado, mediante recomenda-
divorciadas. ções da Comissão Diretiva da Associação/Missão. Visto ser tão importante a
O apoio pastoral é vital no âmbito da instrução e orientação no tocante ao organização de uma igreja, o pastor geral do Campo local, sempre que possí-
casamento, e de lenitivo e restauração no caso de divórcio. A função pastoral, vel, deve ser convidado para estar presente.
no último caso, é ao mesm o tempo disciplinar e amparadora. Essa f unção Quando um grupo de crentes batizados, plenamente instruídos na mensa-
abrange o ato de partilhar informações aplicáveis ao caso; no entanto, a reve- gem, está preparado para assumir as responsabilidades de uma igreja organi-
lação de informações delicadas deve ser feita com muita discrição. Esta soli- zada, deve-se pedir o conselho do pastor geral da Associação/Missão e fixar
citude ética, por si só, não deve servir de pretexto para evitar as medidas dis- uma data para efetuar a organização.
ciplinares estabelecidas nos parágrafos 1 a 11, mais acima. Depois de reunidos os crentes batizados, convém aprese ntar breve recapitu-
Os membros da Igreja são convidados a perdoar e aceitar os que falharam, la ção dos princ ípios fundamentais de nossa fé, tais como a crença na Divinda de
assim como Deus lhes perdoou (Isa. 54:5-8; Mat. 6:14 e 15; Efés. 4:32). A Bí- com o caráter pessoal de Deus, o Pai, Deus, o Filho, e Deus, o Espírito Santo; na
blia recomenda insistentemente que haja paciência, compaixão e perdão no salva ção pela gra ça med iante a fé; no novo nascimento; no sa cerdóc io de Cr is-
cuidado cristão dos que erraram (Mat. 18:10-20; Gál. 6:1 e 2). Durante o tem- to; no Se g u ndo Advento; na lei de Deus; no sába do; na natureza do homem; no
po em que as pessoas estiverem sob disciplina, quer por censura, quer por re- estado dos mortos; no jul gamento; na Igreja; no batismo; na Cerimônia da Co-
moção da qualidade de membro, a igreja, como instrumento da missão de mu nhão; nos dons espirituais; na mordom ia cristã; na saúde e temperança; na
Deus, deve fazer todo esforço possível para manter solícito e edificante con- unida de da famíl ia hu mana em Cr isto Jesus; e nas nor mas soc iais cristã s. Devem
tato espiritual com elas. ser cita dos dois ou três tex tos representativos em apoio de ca da ensino.
Quando isto houver sido feito, deve-se fazer um convite, pedindo a todos
que estejam de acordo com esses princípios e desejem unir-se em comunhão
de igreja, que passem à frente. Deve-se registrar o nome de cada pessoa. Se
um ou mais já são membros da igreja da Associação/ Missão, ou de outra
igreja, a pessoa que oficia já deve estar informada disso e terá já em mãos as
cartas de recomendação para se unirem a essa nova igreja. Estes formarão as-
sim um núcleo.
Se, porém, não estiver presente pessoa alguma que já seja membro de ou-
tra igreja, então três membros (de preferência adventistas do sétimo dia bem
firmados entre os presentes) devem ser escolhidos como um núcleo. Então
podem ser feitas as seguintes perguntas: Aceitais a Cristo como vosso Salva-
dor pessoal? Estais em plena harmonia com os princípios de fé que acabam
de ser apresentados? Fostes batizados por imersão? Mantendes boas relações
mútuas e gozais de confiança uns dos outros?
Se estas perguntas forem respondidas afirmativamente, declara-se que os
três constituem o núcleo da nova igreja. Então, um a um, são chamados os
210 Manual da Igreja Como Organizar, Unir e Dissolver Igrejas 211

nomes constantes da lista, e a pessoa, pondo-se de pé, responde às perguntas Deve ser preparada bem redigida declara ção do acordo, em que se estabele-
já mencionadas, e toma-se um voto, entre o núcleo, para recebê-la na comu- çam as razões para a união das duas igrejas e sejam ex postos outros assuntos es-
nhão da igreja. Cada pessoa que desta maneira é recebida torna-se membro pec iais que possam estar envolvidos, tais como o relativo à transferência de pro-
da igreja e fica habilitada para votar no próximo nome. Deve-se ter o cuida- priedades, a responsabil idade de compromissos fi nanceiros, etc. Essa declara ção
do de ver que haja plena comunhão e amor fraternal entre os que são recebi- deve especificar as condições do convênio em virtude do qual se efetua a união.
dos como membros. Se surgir alguma dificuldade em qualquer ponto, quer Ele deve prover a nova desi gna ção da igreja unida e a desobriga ção dos cargos de
de doutrina, quer de relações mútuas, a votação em tal caso deve ser adiada, todos os ofic iais das duas igrejas. A adoção desse acordo pelo corpo unido con-
a menos que o assunto possa ser ajustado na ocasião, com bondade e tato. suma a união das duas igrejas. Escolher- se-á, então, uma comissão de nomea ções
Depois de todos haverem sido recebidos, a igreja constitui uma entidade para nomear ofic iais para a igreja unida, que atuem durante a parte restante do
completa e está pronta para a eleição dos oficiais. Deverá ser escolhida uma ano corrente. Uma cópia do acordo deve ser arquiva da na Assoc ia ção/Missão.
comissão de nomeações, da qual será presidente o pastor oficiante. Esta co- Quando for dado esse passo, todos os membros de ambas as igrejas se
missão apresentará uma lista de pessoas para preencher os diversos cargos da unem na nova organização. Não é permissível, nessas circunstâncias, elimi-
igreja. Quando estes houverem sido eleitos, os anciãos deverão ser ordena- nar um membro pelo simples fato de não haver sido incluído no rol de mem-
dos. Depois de algumas observações atinentes aos deveres dos anciãos e às bros por ocasião da união. O corpo unido fica responsável pela ordem e dis-
mútuas responsabilidades dos membros, os anciãos devem ser chamados à ciplina de todos os seus membros. Os membros sob disciplina devem ser tra-
plataforma e convidados a ajoelhar-se, enquanto os pastores oficiantes oram tados como o estabelece outra parte deste Manual.
e impõem as mãos sobre eles, em sinal de que a igreja os aparta para esse ser- Os livros e registros de ambas as igrejas passam a pertencer aos registros
viço. Deverá haver uma dedicação semelhante, porém mais breve, para orde- do corpo unido. A Associação/Missão deve ser informada, e tomados os vo-
nação dos diáconos. Quando isto houver sido feito, a igreja estará plenamen- tos correspondentes na assembléia seguinte do Campo local.
te organizada e pronta para funcionar. “Cristo amou a igreja, e a Si mesmo Se entregou por ela, para que a santifi-
Antes de terminar a reunião, deve ser tomado um voto solicitando que a casse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela Palavra, para a
Associação/Missão receba a recém-organizada igreja na irmandade das igre- apresentar a Si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa se-
jas por ocasião da próxima assembléia do Campo local. melhante, porém santa e sem defeito. ... Porque ninguém jamais odiou a sua
Deve - seter o cu idado de ve r i ficar que ca da dirigente seja plenamente instru í- própria carne, antes a alimenta e dela cuida, como também Cristo o faz com
do quanto aos seus deveres. A igreja deve ter os apetrechos utilizados na Ce ia do a igreja; porque somos membros do Seu corpo.” Efés. 5:25-30.
Se nhor, bem como os utensíl ios necessár ios para o rito do lava - pés. Ao(à) tesou- Deve ser sempre esta a atitude para com as igr ejas na administração de
reiro(a), ao(à) sec retário(a) e aos outros ofic iais devem ser fornec idos os livros de medidas disciplinares, quer quanto ao indivíduo, quer quanto à igreja como
registro e talões de rec ibos. Todos estes por menores devem merecer cu ida dosa um corpo – sempre auxiliar e salvar para a causa de Deus. Podem as circuns-
atençã o, pois a futura prospe r ida de da igreja depe nde em alto grau do cu ida do tâncias tornar necessária a dissolução de uma igreja. Tantos de seus membros
exercido em sua organ i z a ção e instrução. Sempre que seja possível, a ce r i mônia podem haver-se mudado que a quantidade restante não seja suficiente para
da Ce ia do Se nhor deve ser real i z a da por oca sião da organização da igreja . manter a organização. Ocasiões haverá em que surjam dificuldades que
Quando for aconselhável unir duas igrejas, a Comissão Diretiva da Asso- ameacem a vida da igreja. Onde a solução desses problemas pareça requerer
ciação/Missão deve tomar um voto de recomendação nesse sentido. Em reu- uma atitude disciplinar, é aconselhável realizar uma série de reuniões de rea-
nião dev idame nte convocada, presid ida pelo pa stor ge ral da Associa- vivamento. Estas reuniões podem ser celebradas com o f ito de reabilitar a
ção/Missão, ou pelo pastor ou por outro ministro ordenado, cada igreja deve igreja de seu estado infeliz e ajudar os membros a renovarem seu concerto
votar sobre o assunto da união. Quando um voto favorável houver sido toma- com o Senhor. Isto é melhor do que adotar medidas que significariam uma
do por ambas as igrejas, deve-se proceder a uma reunião das duas igrejas, sob discórdia na igreja e possivelmente tornariam necessário dissolvê-la.
a liderança do pastor geral, ou, na sua ausência, de um ministro ordenado, de- As igrejas podem ser dissolvidas ou expulsas da irmandade das igrejas pe-
signado pela Associação/Missão. las seguintes razões:
212 Manual da Igreja Como Organizar, Unir e Dissolver Igrejas 213

Perda de Membros – Há ocasiões em que, apesar dos empenhos para pre- efetuar uma sé r iede reuniões de avivamento para levar os membros a renovarem
servar uma igreja, são perdidos tantos membros por mudança de suas cerca- seu conce rto com o Senhor. Se tais esforços não forem bem-suced idos, o pastor,
nias ou por morte, ou por apostasia, que a existência da igreja se vê ameaça- em coope ra ção com a Mesa Administrativa da Associação/Missão, deve consi-
da. Em tais circunstâncias, a Comissão Diretiva da Associação/Missão deve de rar o ca so com a igreja e sua lide rança, procu rando trazer cu ra e reconciliação
tomar um voto recomendando a dissolução à igreja envolvida. e prese rvar a igreja como testemunha de Deus e de Sua verdade salvadora.
Antes de uma igreja tomar um voto final para dissolver-se, os membros O espírito de Cristo deve impregnar todos os e sforços para ajudar uma
restantes devem ser convidados a transferir os seus nomes para outras igrejas. igreja que erra e todos os aspectos de qualquer disciplina que possa ser apli-
Se ficam membros suficientes, isso pode ser efetuado convocando-se uma cada. Esse espírito é bela e persuasivamente retratado em Efésios 5:25-30,
reunião a ser presidida pelo pastor geral da Associação/Missão, ou por um onde Paulo nos diz que Cristo ama a Igreja e deu Sua vida por ela, para que
pastor designado por ele. Em semelhante reunião podem ser votadas cartas pudesse ter a alegria de apresentá-la, como igreja gloriosa, a Seu Pai celestial.
de transferência para todos os membros restantes que estiverem em perfeita Tais medidas corretivas são preferíveis a permitir a deterioração de rela-
consonância com as normas da igreja, para se unirem a outras igrejas. Deste ções que poderiam conduzir à expulsão da igreja.
modo a igreja se dissolve a si mesma com base na recomendação da Comis- No entanto, se falharem todos os esforços para prese rvar a igreja, a Mesa
são Diretiva do Campo local. Assim ficará aberto o caminho para que a Co- Administrativa da Assoc ia çã o / Missão deve rá ded icar cu ida doso estudo ao as-
missão Diretiva tome um voto consignando a dissolução da igreja. sunto da ex pulsão da igreja. Se for dec id ido tomar essa atitude, deve rá ser ano-
Se a Comissão Diretiva da Associação/Missão achar que há mui poucos ta da em suas atas uma recomenda ção para que a igreja seja ex pulsa, junto com
membros disponíveis para a convocação de uma reunião dessa natureza, a u ma declara ção das ra zões corroborantes, e se rá se g u ido este proced i me nto:
Comissão Diretiva tem autoridade para recomendar a o utras igrejas ou à a. A decisão de recomendar a expulsão, com as razões corroborantes, será
igreja da Associação/Missão os membros que estejam em harmonia com os apresentada à própria igreja, numa reunião administrativa, para sua informa-
princípios. Deste modo é dissolvida a igreja. ção e consideração.
Se no momento da dissolução houver membros que estejam sob discipli- b. Se a igreja não aceitar a recomendação, ela poderá responder de uma
na, e a quem, portanto, não possam ser concedidas cartas de transferência, destas duas maneiras:
por não estarem em harmonia com os princípios da igreja, sua qualidade de 1) Tomar um voto para eliminar as causas da disciplina, aceitando as espe-
membro será provisoriamente mantida na igreja da Associação/Missão, en- cificações da Associação/Missão, e pedir que a Associação/Missão rescinda a
quanto a administração do Campo local tomar providências para que, na recomendação para dissolver ou excluir.
maior brevidade possível, seja feito todo esforço para ajudar tais membros a 2) Apelar para a Comissão Diretiva da União, pedindo que ela sirva de ár-
terem uma experiência cristã satisfatória. Se o esforço for bem-sucedido, po- bitro em favor da igreja.
dem então ser confirmados como membros da igreja da Associação/Missão, c. Se a igreja permanecer em rebelião, ou a Comissão Diretiva da União
ou ser-lhes concedidas cartas de transferência para outras igrejas. Se não pu- apoiar a recomendação da Associação/Missão, de expulsar a igreja, a Asso-
derem ser auxiliados nem recuperados, devem ser removidos da comunhão ciação/Missão convocará uma reunião da Comissão Diretiva e recomendará
da igreja por voto da Comissão Diretiva do Campo local. a expulsão da igreja a uma assembléia do Campo local, apresentando as ra-
zões para isso.
Disciplina – As ocasiões para ex pulsão de igrejas em virtude de razões disc i- d. Se a assembléia votar a expulsão, a Associação/Missão fará cumprir a
plinares felizmente são raras, pois a missão da Igreja é buscar e salvar. Onde con- decisão.
tinuam ex istindo graves problemas, como apostasia, recusa de atuar como dete r-
m i na o Manual da Igreja, ou rebel ião contra a Assoc ia ção/Missão, devem ser fe i- Cuidado dos Membros – Dentre os membros de uma igreja dissolvida ou
tos esforços diligentes para ev itar a necessidade de expulsão. O pastor deve pro- expulsa pode haver membros fiéis que desejem permanecer na comunhão da
cu rar aprofundar a vida espiritual da igreja por me io de suas pregações e seu mi- Igreja Adventista do Sétimo Dia. Para assegurar o bem-estar dessas pessoas,
n istério de visitação pessoal. Com a coope ra ção da Assoc iação/Missão, convém os seus nomes serão provisoriamente mantidos até noventa dias na igreja da
214 Manual da Igreja
Capítulo 17
Associação/Missão, para dar oportunidade, aos que o desejarem, de confir-
marem sua condição de membros da igreja da Associação/Missão, ou de se
transferirem para outra igreja de sua escolha. Sua situa ção será aval ia da pela
O Púlpito Não é um Foro
Mesa Administrativa do Campo local, e, se for satisfatór ia, eles poderão ser re-
comenda dos para que sejam membros da igreja da Assoc iação/Missão, ou da Nenhum ministro, ancião de igreja ou outra pessoa tem o direito de fazer
i greja de sua escolha. do púlpito um foro para defender pontos controversos de doutrina ou de
Os nomes dos membros de uma igreja dissolvida ou expulsa, que estive- procedimento. A Igreja não confere a pessoa alguma o direito de expor seus
rem sob disciplina, serão remetidos ao(à) secretário(a) da Associação/Missão pontos de vista e opiniões pessoais dessa maneira.
para pronta atenção pela Comissão Diretiva do Campo local, conforme foi Os membros que julgam possuir nova iluminação, contrária aos pontos de vis-
exposto na seção 1, mais acima, com respeito à dissolução de igrejas devido à ta ofic ializados da Igreja, devem buscar o conselho dos dirigentes responsáveis.
perda de membros. “Existem mil tentações disfarçadas, preparadas para os que têm a luz da
verdade; e a única segurança para qualquer de nós está em não recebermos
A Assembléia da Associação/Missão Deve Atuar em Cada Caso – Em qual- nenhuma nova doutrina, nenhuma interpretação nova das Escrituras, antes
quer caso de dissolução ou expulsão de uma igreja, por qualquer razão que de submetê-la à consideração dos irmãos de experiência. Apresentai-a a eles,
seja, será apresentada uma declaração dos fatos na próxima assembléia da com espírito humilde e pronto para aprender, fazendo fervorosa oração; e, se
Associação/Missão, e tomado um voto para excluir a igreja do rol das igrejas eles não virem luz nisto, atendei ao seu juízo, porque ‘na multidão dos conse-
que compõem o Campo local. lheiros há sabedoria’.” – Testemunhos Seletos, vol. 2, págs. 104 e 105.
Este procedimento foi seguido na Igreja primitiva. Ao surgir uma diver-
Bens, Fundos e Registros – Na dissolução ou ex pulsão de uma igreja por gência de opinião em Antioquia, sobre um assunto importante, os crentes en-
perda de me mbros ou por motivos disc ipl i nares, todas as ofe rta s, contas fi- viaram representantes a Jerusalém, onde o assunto foi submetido à conside-
nanceiras e todos os be ns imóveis, quer estejam em nome da igreja local, da ração dos apóstolos e an ciãos. A de cisão deste concílio foi jubilosamente
Associaçã o / Missão, ou de outra associação ju r íd ico - de nom i na c ional, são aceita pelos crentes de Antioquia, e assim a unidade e o amor fraternal foram
mantidos em custódia para a Associaçã o / Missão. Esta últi ma tem, portan- preservados na igreja.
to, o dire ito, a autor ida de e o dever de administrar, proteger ou al ie nar as re- O precedente conselho do Senhor de maneira alguma deve ser considera-
fe r idas propr ieda des e fundos. Todos os liv ros e re gistros de tal igreja de- do como uma proibição de que alguém proceda a um estudo diligente das Es-
vem ser mantidos em custódia pelo(a) secretár io(a) e/ou tesou re i ro(a) da crituras; e, sim, como uma proteção contra a infiltração na Igreja de teorias
Associaçã o / Missão. falsas e doutrinas errôneas. Deus quer que Seus filhos investiguem fielmente
Sua Palavra em busca de luz e da verdade, mas não que sejam desviados por
ensinos falsos.
A Bíbl ia é uma mina de ve rda de. “A Te r ra mesma não está tão pe r mea da de
veios auríferos nem tão che ia de preciosida des como a Palav ra de Deus.” – Pa-
rábolas de Jesus, pág. 104. Esse tesou ro deve mos nós buscar diligentemente.
“Ning uém pe nse que não há mais sabedor ia para alcançar. A profu ndeza
do ente nd i me nto hu mano pode ser med ida, as obras de autores hu manos
podem ser conhec ida s, porém o mais alto, mais profu ndo e mais largo vôo
da imagi na ção não pode descobrir a Deus. Há a ime nsida de além de tudo
que podemos compree nde r. Vi mos some nte o cintilar da glór ia div i na e do
i n fi n ito conhec i me nto e sabedoria; te mos estado a trabalhar, por assim di-
ze r, à flor da mina enquanto ricos veios de ou ro estão sob a supe r fíc ie, para
216 Manual da Igreja O Púlpito Não é um Foro 217

recompe nsar aquele que cavar em busca dos mesmos. A escava ção prec isa e justifica seu procedimento alegando que tem o direito de pensar livremen-
aprofundar-se mais e mais na mina, e marav ilhosos tesou ros se rão o resulta- te, impondo suas idéias então aos outros, como poderá cumprir a oração de
do. Por uma fé cor reta, o conhec i mento div i no tor nar-se-á conhec i me nto Cristo? E se outro e outro ainda se levantam, cada qual afirmando seu direi-
hu mano.” – Ibidem, pág. 113. to de crer e falar o que lhe aprouver, sem atentar para a fé comum, onde esta-
“Ao que está em viva comunhão com o Sol da Justiça, sempre se revelará rá aquela concórdia que existia entre Cristo e Seu Pai, e para cuja existência,
nova luz sobre a Palavra de Deus. Ninguém deve chegar à conclusão de que entre Seus irmãos, Cristo orou?
não há mais verdades a serem reveladas. O que busca a verdade com diligên- “Posto que tenhamos uma obra individual, e individual responsabilidade
cia e oração encontrará preciosos raios de luz que ainda hão de brilhar da Pa- perante Deus, não devemos seguir nosso próprio critério independentemen-
lavra de Deus. Ainda se acham dispersas muitas gemas que devem ser reuni- te, sem tomar em consideração as opiniões e os sentimentos de nossos ir-
das para tornar-se propriedade do povo remanescente de Deus.” – Conselhos mãos; pois tal proceder acarretaria a desordem na igreja. É dever dos minis-
Sobre a Escola Sabatina, pág. 34. tros respeitarem o discernimento de seus irmãos; mas suas relações mútuas,
Quando nova luz brilha das páginas sagradas para recompensar o diligen- assim como as doutrinas que ensinam, deveriam ser submetidas à prova da
te pesquisador da verdade, esta não invalidará a antiga. Ao contrário, funde- lei e do testemunho; se, então, os corações forem dóceis, não haverá divisão
se com a anterior, tornando-a mais brilhante e dando-lhe maior fulgor. Por- entre nós. Alguns se inclinam a ser desordenados, e apartam-se dos grandes
tanto, “a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e marcos da fé; mas Deus está atuando em Seus ministros para que sejam um
mais até ser dia perfeito” (Prov. 4:18). na doutrina e no espírito. ...
Conquanto devam estar dispostos a aceitar nova luz, os filhos de Deus “Passando em revista a nossa história, percorrendo todos os passos de nos-
nunca devem dar ouvido a nenhuma voz, por pia e plausível que pareça, que so progresso até ao estado atual, posso dizer: ‘Louvado seja Deus!’ Quando
os queira desviar das doutrinas fundamentais da Bíblia. vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração por Cristo, e de con-
“Não deve mos receber as palavras dos que vêm com uma me nsagem que fiança nEle como dirigente. Nada temos a recear no futuro, a não ser que nos
contra d i ga os pontos espec iais de nossa crença. Ajuntam eles uma porção de esqueçamos do caminho pelo qual Deus nos tem conduzido.” – Testemunhos
pa ssage ns bíbl ica s, e as amontoam como prova em tor no das teor ias que apre- Para Ministros, 3ª edição, págs. 29-31.
se ntam. Isto foi feito repetidamente nos pa ssa dos cinqüe nta anos. E conquan- Em vista destas considerações, tem de ser ev idente que a igreja não pode con-
to as Esc r itu ras sejam a Palav ra de Deus e devam ser respe ita da s, se sua apl ica- ceder a um indivíduo o direito de ex por do púlpito seus pontos de vista e opiniões
ção move um pilar do al ice rce que Deus suste ntou estes cinqüenta anos, é um pessoais. O púlpito sagrado deve ser reservado para a prega ção das verda des sa-
grande erro. Quem faz uma tal apl ica ção não conhece a marav ilhosa de mons- gradas da Palav ra divina e para a apresenta ção de planos e normas denomina c io-
tra ção do Espírito Santo que conferiu poder e força às anti gas mensagens re- nais para o progresso da obra de Deus. (Ver págs. 75, 147 e 150.)
cebidas pelo povo de Deus.” – Couns els to Writers and Editors, pág. 32. Devemos mante r-nos consagra dos ao Se nhor dia a dia e buscar dEle sabedo-
É importante que mantenhamos a “unidade da fé” (Efés. 4:13); igualmente ria divina no estudo de Sua Sagra da Palav ra. Segundo Sua própr ia promessa, o
importante é que procuremos em todo o tempo “preservar a unidade do Es- Espírito Santo nos guiará em toda a verda de. Devem o cora ção e a mente se r
pírito no vínculo da paz” (verso 3). Daí a necessidade de cuidado e de cabal sempre mantidos acessíve is à ilumina ção do Espírito divino, para que os raios da
investigação, bem como do conselho dos irmãos. luz celestial nos iluminem todo o cam i nho. Se bem que devamos ace itar o con-
“Deus está guiando um povo do mundo para a exaltada plataforma da ver- selho de nossos irmã os sobre assuntos que se nos tornam problemas, devemos
dade eterna – os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. Disciplinará e habili- abster-nos de apresentar publ icamente quaisquer assuntos que não estejam em
tará Seu povo. Eles não estarão em divergência, um crendo uma coisa e outro perfeita harmonia com os pontos de vista da organ i z a ção autorizada.
tendo fé e opiniões inteiramente opostas, e movendo-se cada qual indepen-
dentemente do conjunto. Pela diversidade dos dons e governos que Ele pôs
em Sua igreja, todos alcançarão a unidade da fé. Se alguém forma seu próprio
conceito no tocante à verdade bíblica, sem atender à opinião de seus irmãos,
Apêndice 219
Apêndice
fase de Seu ministério, no lugar santíssimo, prefigurada no serviço terrestre
pelo Dia da Expiação. Esta obra do juízo investigativo no santuário celestial
Esboço de Crenças Doutrinárias começou em 1844, no fim dos 2.300 anos, e terminará no fim do tempo da
graça. (Heb. 4:14; 8:1 e 2; Lev. 16:2 e 29; Heb. 9:23 e 24; Dan. 8:14; 9:24-27;
Este resumo de crenças doutrinárias foi preparado especialmente para ins- Apoc. 14:6 e 7; 22:11.)
trução dos candidatos ao batismo. (Ver págs. 31-35.) 9. A segunda vinda de Cristo é a esperança da Igreja, a culminação do
1. O Deus verdadeiro e vivente, a primeira Pessoa da Divindade, é nosso evangelho e o alvo do plano da redenção, quando Jesus virá literal, pessoal e
Pai celestial, e Ele, por meio de Seu Filho, Cristo Jesus, criou todas as coisas. visivelmente, com todos os Seus santos anjos. Muitos sinais dos tempos testi-
(Mat. 28:18 e 19; I Cor. 8:5 e 6; Efés 3:9; Jer. 10:10-12; Heb. 1:1-3; Atos 17:22- ficam que Sua vinda está próxima. E o cumprimento quase completo dos di-
29; Col. 1:16-18.) versos aspectos da profecia bíblica indica que “está próximo, às portas”. (João
2. Jesus Cristo, a segunda Pessoa da Divindade e o Filho eterno de Deus, é 14:1-3; Tito 2:11-14; Heb. 9:28; Atos 1:9-11; Apoc. 1:7; Mat. 25:31; Luc. 9:26;
o único Salvador do pecado; e a salvação do homem é pela graça, mediante a 21:25-33; Mat. 24:14, 36-39 e 33.)
fé nEle. (Mat. 28:18 e 19; João 3:16; Miq. 5:2; Mat. 1:21; 2:5 e 6; Atos 4:12; I 10. Os justos mortos ressuscitarão por ocasião da segunda vinda de Cris-
João 5:11 e 12; Efés. 1:9-15; 2:4-8; Rom. 3:23-26.) to. Junto com os justos vivos, serão arrebatados para se encontrarem com o
3. O Espírito Santo, a terceira Pessoa da Divindade, é o representante de Senhor nos ares, e irão com Ele para o Céu, onde passarão mil anos, ou seja,
Cristo na Terra, e conduz os pecadores ao arrependimento e à obediência a um milênio. (Apoc. 1:7; João 5:25, 28 e 29; Osé. 13:14; I Cor. 15:51-55; I Tess.
todos os preceitos de Deus. (Mat. 28:18 e 19; João 14:26; 15:26; 16:7-15; Rom. 4:13-18; João 11:24 e 25; 14:1-3; Apoc. 20:6, 4 e 5; Isa. 25:8 e 9.)
8:1-10; Efés. 4:30.) 11. Os ímpios que estiverem vivos por ocasião da segunda vinda de Cris-
4. Por meio de Cristo, os crentes recebem o perdão dos pecados que são to serão mortos pelo esplendor de Sua vinda. Com os ímpios mortos de to-
abandonados e confessados, e p elos quais eles fizeram restituição segundo das as épo cas, esperarão a segunda ressurreição, no final dos mil anos. (II
suas possibilidades. (Efés. 1:7; Col. 1:14 e 15; I João 1:7-9; Isa. 55:6 e 7; Ezeq. Tess. 1:7-10; 2:8; Judas 14 e 15; Apoc. 20:5, 12 e 15; João 5:28 e 29; Atos 24:15;
33:15; Mat. 5:23 e 24; 6:14 e 15.) Isa. 24:21 e 22.)
5. A Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, e é a única regra básica, comple- 12. No fim dos mil anos, ocorrerão os seguintes acontecimentos: a) Cristo
ta e suficiente de fé e prática. (II Tim. 3:15-17; II Ped. 1:19-21; Sal. 119:9, 11, e os justos descerão do Céu com a Santa Cidade, a Nova Jerusalém (Apoc.
105 e 130; I Tess. 2:13; Isa. 8:20; Jer. 15:16; Heb. 4:12.) 21:2 e 10); b) os ímpios mortos serão ressuscitados para o juízo final (Apoc.
6. Todos os que entrarem no reino dos Céus devem haver experimentado 20:11 e 12); c) os ímpios receberão o salário final do pecado quando, de Deus,
a conversão ou o novo nascimento, por meio do qual o homem recebe novo descer fogo do Céu para consumi-los (Apoc. 20:7-10, 14 e 15); e d) este fogo,
coração e se torna uma nova criatura. Assim, indiferente a fatores étnicos ou que destrói as obras do pecado, purificará a Terra. (II Ped. 3:10-14; Mal. 4:1 e
ascendência social, ele se torna membro de “toda a família nos Céus e na Ter- 3; Apoc. 20:8 e 4.)
ra”. (Mat. 18:3; João 3:3; II Cor. 5:17; Ezeq. 36:26 e 27; Heb. 8:10-12; I Ped. 1:23; 13. A Terra, purificada pelo fogo e renovada pelo poder de Deus, passará
2:2; Atos 17:26; Efés. 3:15.) a ser a morada eterna dos remidos. (II Ped. 3:9-13; Isa. 65:17-25; 35:1-10;
7. Cristo habita no coração regenerado, e nele escreve os princípios da lei 45:18; Mat. 5:5; Mal. 4:1-3; Prov. 11:31.)
de Deus, le vando o crente a deleitar-se na obediência aos seus preceitos e 14. O sétimo dia da semana é o sinal eterno do poder de Cristo como Cria-
concedendo poder para essa obediência. (II Cor. 6:16; Sal. 40:8; Heb. 8:10-12; dor e Redentor, e é, portanto, o dia do Senhor, isto é, o dia de repouso cristão.
João 14:15; Col. 1:27; 3:16; Gál. 2:20; Efés. 3:14-21.) Constitui, além disso, o selo do Deus vivo. Deve ser observado desde o pôr-
8. Depois de Sua ascensão, Cristo começou Seu ministério como Sumo do-sol de sexta-feira até o pôr-do-sol do sábado. (Gên. 2:1-3; Êxo. 16:23-31;
Sacerdote no lugar santo do santuário celestial, sendo este santuário o antíti- 20:8-11; João 1:1-3 e 14; Ezeq. 20:12 e 20; Mar. 1:21-32; 2:27 e 28; Isa. 58:13;
po do tabernáculo terrestre da primeira dispensação. Assim como no tipo, Luc. 4:16; 23:54-56; 24:1; Atos 17:2; Heb. 4:9-11; Isa. 66:22 e 23; Lev. 23:32.)
iniciou-se uma obra de juízo investigativo quando Cristo entrou na segunda 15. O casamento é uma das instituições dadas por Deus que tiveram sua
220 Manual da Igreja Apêndice 221

or i gem no Jardim do Éden, antes que o peca do pe netra sse no mundo. Jesus alcoól ica s, do uso, fabr ica ção ou ve nda do fu mo em qualquer de suas for mas
hon rou a institu ição do ca samento e de fe ndeu sua santida de e pe r manênc ia . para consu mo hu mano, e do abuso ou do tráfico de narcóticos ou outras dro-
O Novo Testamento confi r ma reite ra das vezes a sagra da natu reza da relação ga s. (I Cor. 3:16 e 17; 6:19 e 20; 9:25; 10:31; II Cor. 7:1; Gál. 5:17-21; 6:7 e 8; I
matrimon ial e recomenda que ela seja assu m ida com um comprom isso vital í- Ped. 2:9-12; I Cor. 10:1-11; Lev. 11:1-11. Ver págs. 16, 33, 34 e 195.)
c io de fidel ida de e pureza moral. Inti m ida des sex uais entre pessoas do sexo 21. A Igreja não deve estar desprovida de dom algum, e a presença do dom
ma scul i no e do sexo feminino, fora do ca samento, ou entre membros do mes- de Profecia deve ser uma das características distintivas da igreja remanescen-
mo sexo são contrár ias ao plano divino, se ndo conde na das na Bíbl ia como pe- te. (I Cor. 1:5-7; 12:1-28; Amós 3:7; Osé. 12:10 e 13; Apoc. 12:17; 19:10. Ver
ca do. Os se g u idores de Jesus, por Sua gra ça, mante rão pureza moral de ntro págs. 14, 33 e 34.)
dessas diretr i zes bíbl icas no tocante às rela ções sex uais. “Pois esta é a vonta de Os Adventistas do Sétimo Dia reconhecem que este dom foi manifestado
de Deus, a vossa santi fica ção: que vos abste nhais da prostituiçã o.” I Tess. 4:3. na vida e no ministério de Ellen G. White.
O mar ido e a esposa cristã os devem amar e respe itar um ao outro, assi m 22. A Bíblia ensina uma organização eclesiástica definida. Os membros
como Deus os ama e respeita. É-lhes orde na do amar e respeitar seus filhos, desta organização têm a sagrada obrigação de estar a ela sujeitos, sustê-la leal-
tratá - los com brandura e ensi ná - los a amar e se rvir a Deus. Devem util i z ar, mente e partilhar de sua manutenção. Eles são admoestados a não abandonar
com esta fi nal ida de, o culto fam il iar, a assistê nc ia à Escola Sabatina e aos ou- o ato de se congregarem juntos. (Mat. 16:16-18; Efés. 1:10-23; 2:19-22; I Cor.
tros cultos da igreja, e, tanto quanto possível, as escolas dirigidas por ela. Ou- 14:33 e 40; Tito 1:5-9; Mat. 18:15-18; I Cor. 12:12-28; 16:1-3; Heb. 10:25; Atos
trossim, os filhos devem cu mprir suas responsabil ida des de obedecer a seus 4:32-35; 6:1-7.)
pais e respe itá - los. (Gên. 2:21-24; Deut. 4:6 e 7; Mat. 19:3-9; I Cor. 6:9-11; Efés. 23. O batismo por imersão simboliza a morte, o sepultamento e a ressur-
5:24, 25 e 28; Col. 3:18-21; I Tess. 4:3-8; Heb. 10:23-35; Heb. 13:4; I Ped. 3:7.) reição de Cristo; expressa abertamente a fé em Sua graça salvadora e a renún-
16. O dízimo é santo ao Senhor, e con stitui a providência tomada por cia ao pecado e ao mundo, e é reconhecido como condição de entrada na co-
Deus para o sustento de Seu ministério. As ofertas voluntárias são também munhão da igreja. (Mat. 3:13-17; 28:19; Atos 2:38 e 41-47; 8:35-39; 16:32 e 33;
uma parte do plano de Deus para o sustento de Sua obra em todo o mundo. 22:16; Rom. 6:1-11; Gál. 3:27; Col. 3:1-3. Ver págs. 30, 33 e 34.)
(Lev. 27:30-32; Mal. 3:8-12; Núm. 18:20-28; Mat. 23:23; Prov. 3:9 e 10; I Cor. 24. A cerimônia da Ceia do Senhor comemora a morte do Salvador; e a
9:13 e 14; II Cor. 9:6 e 7; Sal. 96:8. Ver págs. 16, 33, 34, 51 e 161-167.) participação nela, dos membros, é essencial para o crescimento e para a co-
17. A imortalidade é alc ançada tão-somente por meio do evangelho, e é munhão cristã. Deve ser precedida do rito do lava-pés, que é uma preparação
concedida como um dom de Deus por ocasião da segunda vinda de Cristo. (I para a solene cerimônia da ceia. (Mat. 26:26-29; I Cor. 11:23-26; João 6:48-56;
Cor. 15:21, 22 e 51-55; Sal. 146:3 e 4; Ecles. 9:5, 6 e 10; I Tim. 6:15 e 16; II Tim. 13:1-17; I Cor. 11:27-30.)
1:10; I João 5:11 e 12.) 25. Na vida cristã há completa separação das práticas do mundo, tais como
18. O estado do homem na morte é de inconsciência. Todos os homens, jogos de baralho, assistência a teatros e cinemas, a bailes, etc., que tendem a
bons e maus igualmente, permanecem na sepultura desde a morte até à res- amortecer e destruir a vida espiritual. (II Cor. 6:15-18; I João 2:15-17; Tia. 4:4;
surreição. (Ecles. 9:5 e 6; Sal. 115:17; 146:3 e 4; Jó 14:10-12, 21 e 22; 17:13; João II Tim. 2:19-22; Efés. 5:8-11; Col. 3:5-10. Ver págs. 179 e 180.)
11:11-14; I Tess. 4:13; João 5:28 e 29.) 26. Por me io do estudo de Sua Palav ra, Deus nos fala, comu n icando - nos
19. O cristão é conv ida do a santi ficar-se e sua vida deve cara cte r i z ar-se luz e força; e por me io da ora ção, a al ma é unida a Deus. Estes meios são orde-
por um procedime nto cu ida doso, e pela modéstia e si mpl ic ida de no vestuá- na dos por Deus para alcançarmos a vitór ia na luta contra o peca do, bem como
r io. (I Tess. 3:13; 4:3 e 7; 5:23; I Ped. 2:21; 3:15 e 3-5; Isa. 3:16-24; I Cor. 10:31; para for mar caráter cristão. (Sal. 19:7 e 8; 119:130; João 6:63; 17:17; I Ped. 2:2;
I Tim. 2:9 e 10. Ver págs. 16 e 176 e 177.) I Tess. 5:17; Luc. 18:1; Sal. 55:17; Isa. 50:4.)
20. O cristão deve reconhecer que seu corpo é o templo do Espí r ito Santo. 27. Todo membro da Igreja está sob a sagra da obrigação, imposta por Jesus,
Hon rará, portanto, a Deus cu idando do corpo de modo se nsato, partic ipando de usar seus talentos na obra pessoal de salvar al ma s, para ajudar a levar o evan-
com mode ra ção do que é bom e ev itando o uso do que é prejud ic ial, abste n- gelho a todo o mundo. Quando esta obra terminar, Jesus virá. (Mat. 25:14-29;
do - se de todos os al i mentos imundos, do uso, fabr ica ção ou venda de bebida s 28:18-20; Apoc. 22:17; Isa. 43:10-12; II Cor. 5:17-20; Rom. 10:13-15; Mat. 24:14.)
222 Manual da Igreja
Suplemento da Divisão Sul-Americana
28. Segundo o plano uniforme que Deus tem em Sua relação para com os
seres humanos, de adverti-los acerca dos acontecimentos futuros que afetam Entidades Legais Constituídas Para Cuidar das Propriedades da Igreja e
vitalmente o seu destino, providenciou Ele a proclamação da mensagem da Para Receber Doações e Legados
volta iminente de Cristo. Esta mensagem preparatória é simbolizada pelas
mensagens dos três anjos de Apocalipse 14 e tem a sua realização no grande Entidades Legais
Movimento do Segundo Advento hoje em dia. Isto deu origem ao povo re- A Igreja Adventista do Sétimo Dia dirige sua obra evangel i z a dora e realiza to-
manescente, ou seja, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que guarda os man- das as suas outras funções religiosas como uma corpora ção ou entidade de fato,
damentos de Deus e tem a fé de Jesus. (Amós 3:7; Mat. 24:29-34; Apoc. 14:6- sem pe rsonalidade jurídica. Não é o plano ge ral da Igreja que as organizações
10; Sof. 3:13; Miq. 4:7 e 8; Apoc. 14:12; Isa. 26:2; Apoc. 22:14.) eclesiásticas da denominação, como as assoc ia ções, missões, uniões, instituições,
etc., te nham pe rsonalidade jurídica legal, a menos que as le is do país o ex ijam.
As entidades legais criadas pela Igreja, sob a forma de associações civis ou
corporações sem fins lucrativos, têm sido instituídas com o único objetivo de
ser as detentoras legais das propriedades e outros ativos da Igreja, receber le-
galmente doações e legados, e dirigir todas as atividades legais relacionadas
com elas. Estas entidades legais funcionam sob os regulamentos e normas
adotados pela entidade denominacional correspondente.
Os Campos, as Uniões ou as Instituições da Divisão Sul-Americana que
precisem criar entidades legais devem obter primeiro a aprovação da Comis-
são Diretiva da Divisão Sul-Americana, bem como a aprovação dos estatutos
correspondentes. (Ver Ecclesiastical-Administrative Policies of the South Ameri-
can Division [“Regulamentos Eclesiástico-Administrativos da Divisão Sul-
Americana”], B 105.)
Títulos de Propriedade dos Edifícios das Igrejas
Para salvag uardar as propriedades denominacionais, é necessário que os títu-
los de propriedade dos edifícios de todas as igrejas e capelas sejam re gistrados em
nome da entidade le gal com pe rsonal idade jurídica que represente a Igreja no
país ou na Un ião em que a entidade está localizada, e não em nome de pessoa s,
depositários de be ns ou congrega ções locais. (Ibidem, S 60.) Quando é adquirida
uma propriedade para uso das igrejas locais ou da Assoc iação/Missão, os títulos
devem estar em nome da entida de le gal correspondente.
Controle e Preservação dos Documentos Legais
Todos os documentos legais, incluindo as apólices de seguros, as escrituras
e os recibos de compra ou venda de todos os bens imóveis, inclusive igrejas e
escolas; os certificados de registro, os projetos de construção autorizados, os
certificados de final de obra, os acordos de fideicomisso, os testamentos e le-
gados, etc., devem ser arquivados, para custódia e preservação, no escritório
da entidade legal correspondente.
224 Manual da Igreja Suplemento da Divisão Sul-Americana 225

Restauração e Manutenção de Edifícios docu me nto de fide icom isso, ou de outro instru me nto le gal. Por isso, é im-
A igreja ou capela, suas dependências, seus móveis e equipamentos, sem- portante fa zer um testame nto.
pre devem ser mantidos em bom estado de conservação e condições repre- Preparar o que será feito com o que alguém possui e tomar providências
sentativas. Os fundos com essa finalidade devem provir do orçamento das no tocante aos familiares dependentes, bem como à Igreja e à Causa de Deus,
despesas da igreja ou de contribuições especiais. Esta tarefa é geralmente su- faz parte dos atos mais importantes e de maior responsabilidade da vida.
pervisionada pelos diáconos, sob a direção geral da Comissão da Igreja. “Nossos irmãos devem reconhecer que sobre eles, como fiéis servos do Se-
nhor, pesa a responsabilidade de agir prudentemente nesses casos, a fim de
Seguros dos Edifícios e dos Equipamentos assegurar-Lhe o que Lhe pertence.” – Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 556.
A comissão da igreja local, por meio de sua tesouraria, tem a obrigação de (Ver também págs. 554-557.)
cuidar de que a igreja ou capela e seu equipamento sejam adequadamente co-
bertos por um seguro. Devem ser tomadas providências para que tais despe- Em Favor de Quem Devem Ser Feitos Testamentos ou Legados
sas sejam incluídas no orçamento da igreja. Testamentos ou legados devem ser feitos em nome da entidade legal que a
1. A Divisão Sul-Americana sugere que o seguro seja contratado com base Organização possui no país ou na União correspondente. Os dirigentes da
no que custaria substituir o edifício e seu conteúdo, se for factível. igreja local podem ajudar os membros a estabelecer contato com os adminis-
2. Estes seguros são administrados pelo Campo local, de comum acordo tradores da Associação/Missão, para assegurar que o dinheiro do Senhor, que
com a igreja local. Ele confiou a Seu povo, reverta para Sua Causa.
3. Todas as apólices de seguros das igrejas, capelas e edifícios das escolas da
igreja devem estar em nome da entidade legal correspondente, e ser arquiva- A Cerimônia do Casamento
das no Campo local. Quanto à cerimônia do casamento, mencionada no Capítulo 7 deste Ma-
nual da Igreja, deve-se levar em consideração o seguinte:
Sugestões Acerca de Testamentos e Legados 1. A “exortação” é o que o pastor diz ao casal imediatamente antes de to-
O espírito de sacrifício e dedicação é fundamental para o serviço cristão. mar-lhe os votos. Não é o sermonete, mas uma especificação das responsabi-
O dinheiro de imóveis, que não pode ser dado imediatamente para a Obra, lidades que cada um dos noivos adquire para com o seu cônjuge e sua futura
mais tarde poderá contribuir para o bem da obra de Deus, por meio de testa- família.
mentos, legados e acordos de fideicomisso. 2. A Divisão Sul-Americana, com a expressa autorização da Comissão Di-
retiva da Associação Geral, não aprovou a “exceção” mencionada, com refe-
As Leis Devem Ser Seguidas Rigorosamente rência ao oficiante na cerimônia do casamento. Portanto, no território da Di-
A pessoa que deseja doar sua propriedade ou seus bens para a Igreja deve visão Sul-Americana, esta cerimônia terá de ser realizada sempre por um
tomar as providências necessárias enquanto ainda estiver viva, porque, de ou- pastor ordenado.
tro modo, por ocasião de sua morte, seus bens serão distribuídos de acordo 3. Em algumas regiões do mu ndo, a ce r i mônia do ca same nto começa
com as leis que regem as heranças no país em que ela residia, e poderá ser que com uma ora ção inic ial e te r m i na com uma ora ção fi nal dando a bê nção à
isso não represente o desejo da pessoa quando ainda estava com vida. congre ga ção, como em qualquer das outras reu n iões da igreja. Na América
As le is concernentes à for ma de dispor da propr ieda de de uma pessoa , do Sul, essas ora ções, ge ral me nte, não são inclu ídas no programa de ca sa-
antes ou depois de sua morte, devem ser rigorosame nte se g u idas de acordo me nto; ma s, se forem inclu ída s, não é necessár io que sejam fe itas por um
com o que determina o país em que reside o testa dor ou doador. Se a trans- pa stor orde na do.
fe rê nc ia do imóvel é efetua da por me io de uma escritu ra, a lei estabelece os 4. A ordem da cerimônia de casamento sugerida pelo Guia Para Ministros
requ isitos para a esc r itura ção e seu re gistro. Se a doa ção da propr ieda de de não inclui essa oração inicial, nem a final, eliminando, portanto, o problema
u ma pessoa, quer seja um imóvel, quer seja um bem pessoal, se conc reti z ará referente a quem deve ou não fazê-las.
depois de sua morte, poderá ser efetua da por meio de um testame nto, de um 5. O centro da cerimônia do casamento consiste: 1) da exortação, às vezes
226 Manual da Igreja

também chamada de compromisso ou responsabilidade; 2) dos votos matri- Índice Remissivo


moniais; 3) das palavras declarando o casal marido e mulher; e 4) da oração
pastoral em favor do casal. Tudo isso deve ser efetuado unicamente por um Abuso sexual, 173, 187, 194, 197 o trabalho do, 51
Acompanhantes dos jovens, 174 ordenação do, 48
pastor ordenado. É evidente que, mesmo não havendo outras partes, a ceri- Aconselhamento, conjugal, 118 participa na transferência de membros,
mônia estará completa, e o casamento, realizado. familiar, 118 36, 37
pré-matrimonial, 118, 175 período de serviço, 49, 50
Admissão (cerimônia de), departamentos, prepara as cerimônias batismais, 52
123 preparo e adestramento do, 51
Desbravadores, 107 preside as reuniões administrativas da
diaconisas, 58 igreja, 52, 83, 189
oficiais, 65, 123 primeiro ancião, 53, 54
Adoração pública, 73-75 promove a obra da igreja, 51
Adultério, 17, 171, 173, 187, 196-199 promove a obra mundial, 53
Advento, primeiro, de Cristo, 10 promove todos os ramos de trabalho,
Advento, segundo, de Cristo, 13,18, 34, 201, 51, 53
211, 213 providencia delegados para as assem-
Advogados não podem representar os mem- bléias da Associação, 53
bros, 190 relacionamento com a Associação/Mis-
Álcool, 115, 130, 167 são, 53, 137
Aliança batismal, 31 relacionamento com pastores ordena-
Aliança (de casamento), 169 dos, 51, 52, 137-142
Alimentos imundos, 16, 30, 33, 34,115, 212 responsável à igreja local, 51, 52
Almas, conquista de, 34, 104, 139, 140, 141, Apelar, direito de, 27, 41, 141, 192,205
213 Apelos, por dinheiro, 160
Alterações no Manual da Igreja, XVIII-XX Aposentados. Ver Obreiros aposentados
Amigo (Classes JA), 107 Aptidão moral dos oficiais da igreja, 45
Ancião da igreja local, cargo importante, 49 Associação Geral, administração da, 26, 27
comissão de, 31 assembléias da, XVII-XX, 1, 2, 9, 27, 28,
coopera com Associação/Missão, 53 189
coopera com o evangelista, 35 autoridade da, 9, 27, 189
dirige os cultos da igreja, 52, 55 Comissão Executiva da, XVIII-XX, 27, 155,
dirigente religioso da igreja, 50 216
distribui responsabilidades, 54 Comissão do Manual da Igreja, XX
e a cerimônia da comunhão, 52 delegados à Assembléia da, 26, 151
incentiva a fidelidade no dízimo, 53, 54 departamentos da, 90, 95, 102, 116, 174
limitação da autoridade, 54 da Escola Sabatina, 95, 96
membro da comissão da igreja, 84 dos Jovens Adventistas, 82, 90, 100, 174
não é delegado ex-officio, 54 Divisões da, XIX, 26, 53, 67, 73, 90, 93,
não pode realizar a cerimônia de casa- 99, 115, 116, 133, 135, 140, 151, 155,
mento, 52 162, 214-217
não pode receber ou remover membros, Divisão Sul-Americana, 53, 214-217
54 fundos e/ou ofertas da, 100, 116, 155,
natureza local do trabalho, 51 156, 162,
nomeação do, 147 organização da, XVII, 26, 27, 142, 189
228 Manual da Igreja Índice Remissivo 229
planos e regulamentos da, 53, 97, 102, oficiais, 45, 83, 142, 151, para solicitação de fundos, 160 da Sociedade dos Jovens Adventistas,
133 presidente, 55, 71, 129, 137, 138, 140, sobre fundos, 63 104
praxes e regulamentos da, XXI 141, 186, 189, 201, 202, 204 Aventureiros, Clube dos, 82, 108, 128, 129, Breve volta de Jesus, 32, 34
programas e materiais, 73, 97, 99, 126, receber e remover membros, 40 133 Cabeça da igreja, 3
133, 135, 159 relacionamento com a, 51, 52, 53, 83, assistentes, 109 Campanhas evangelísticas, 86, 124, 140, 141
relatórios para a, 67 137-143, 201, 206 atividades, 128 planejar, 85, 92, 97, 102, 132, 133, 134,
tesoureiro(a) da, 162 relações com a União, 67, 151, 155, 161, diretor(a), 81, 85, 103, 109, 148 141
Associação Internacional de Liberdade Reli- 162 reuniões, 82 Campo local (unidade de organização), XXI,
giosa, 122, 123 remoção de um ministro, 143 26
Associação Lar e Escola, 87, 110, 111 relatórios para a, 53, 60, 64, 67, 126 Batismo, boas-vindas aos candidatos, 34 Campos locais, ofertas ou donativos espe-
administradores, 111, 148 revisor, 63, 64 candidato(s) ao, 29-32, 34, 35, 58, 66, ciais para, 155
comissão executiva, 110 secretário, 39, 53, 60, 151, 206 213 Candidatos ao batismo. Ver Batismo
diretor(a), 85, 92, 103, 111, 129, 147 tesoureiro, 40, 53, 62, 64, 92, 162, 206 cerimônia do, 52, 57, 58, 66 Carta, votos por, não aceitos, 83, 85
membro ex-officio, 111 uso da palavra, XX certificado de, 31, 33 Cartas de transferência, 35-38, 41, 204
membros, 111 Atas da igreja, 60 como requisito do evangelho, 29 Casamento, 7, 17, 173, 187, 193-200
objetivos, 110 Atividades dos Jovens Adventistas, compromisso, 33 aconselhamento pré-matrimonial, 118,
professor(a), 60, 92 devocionais e educacionais, 105 crenças doutrinárias, 210 175, 200
propósito, 87, 110 testemunho, 105 crenças fundamentais, 14, 201 aliança de, 169
reuniões, 87 recreativas, 106 de alunos da escola, 92 ceia das bodas do Cordeiro, 7
secretário(a)-tesoureiro(a), 64, 111, 112, Atividades Missionárias. Ver Ministérios de conversos de evangelistas, 35 cerimônia do, 52, 53, 55, 57, 66, 216,
113, 147 Pessoais de crianças, 29, 79, 133 217
revisão dos fundos da, 111 Autoridade. Ver Capítulo 1 de ex-membros, 41-43, 187, 191, 199 entre crentes e incrédulos, 175, 176
Associação Ministerial, 51