Вы находитесь на странице: 1из 17

Relatório do trabalho sobre medição

de temperatura com PT100

Alunos:
António Azevedo
António Silva

Docente:
Paulo Portugal
Objectivos

Este trabalho prático tem como finalidade implementar uma montagem capaz de medir
temperatura numa escala de 0ºC a 100ºC utilizando para tal um RTD (resistance temperature
detector), mais concretamente uma PT100 (resistência de platina). A saída deve ser em corrente
numa escala de 4-20mA.

Assim o desafio que se propõe na realização deste trabalho é converter a variação da resis-
tência com a temperatura numa corrente dentro das escalas acima referidas e com um erro inferior
a 0,1ºC.

Características da PT100

Numa primeira abordagem ao nosso transdutor tentamos perceber o seu funcionamento,


mais concretamente, analisar a sua reacção com a variação de temperatura. Para tal realizamos
algumas experiências piloto e consultamos algumas tabelas de fabricantes.

Após esta etapa, em que tivemos um primeiro contacto com o transdutor, concluímos que
este possuía as seguintes características:

• Sensibilidade pequena (aproximadamente 0,4Ω/ºC);


• Tempo de resposta pequeno;
• Resistência a 0ºC de 100Ω;
• Variação da resistência na gama de 0ºC a 100ºC de 38,5Ω;
• Não tem histerese;
• Grande estabilidade;
• Elevada exactidão;
• Gama dinâmica precisa de -100ºC a 200ºC;
• Sensibilidade ao sobreaquecimento.

FEUP-LEEC-SI 1
Suporte mecânico do transdutor

Apesar de existirem já algumas soluções mecânicas para o suporte de transdutores seme-


lhantes e a aplicação de uma resistência dissipadora de calor (para simular variações de temperatu-
ra), optamos por construir um suporte novo mais adequado ao formato do nosso transdutor, para
que a dissipação de calor fosse o mais uniforme possível ao longo de toda a área do transdutor e ao
mesmo tempo tivesse um fácil manuseamento. Assim optamos pela solução abaixo ilustrada.
É importante referir o uso de acrílico para a base do suporte por ser isolante térmico e o uso
de alumínio para a estrutura de suporte da PT100 e da resistência dissipadora por ser bom condutor
térmico.

Figura 1 – Esquema da estrutura de suporte da PT100 e da resistência dissipadora

Obtenção da função de transferência

Logo no primeiro contacto com a PT100 apercebemo-nos que esta possuía uma grande
estabilidade e elevada exactidão (tal como todos os RTDs), o que desde logo nos colocou uma
dificuldade em utilizar um instrumento de referência na obtenção da função de transferência já que
os instrumentos disponíveis (Termopar do tipo K ou medidor de temperatura por infra-vermelhos)
possuíam muito menos estabilidade e erros bastante superiores, o que era para nós incomportável
já que desejávamos erros inferiores a 0,1ºC.

Deparamo-nos ainda com outra dificuldade, o local onde colocar a instrumentação de refe-
rência, pois não sabíamos até que ponto a zona onde a PT100 estava a medir era exactamente a
mesma do instrumento de referência já que este possui dimensões bastante inferiores.

FEUP-LEEC-SI 2
Assim, utilizando como instrumento de referência um termopar do tipo K, obtivemos os
seguintes resultados:

Figura 2 – Resultados experimentais utilizando o termopar como instrumento de referência

Figura 3 – Diferença entre as funções transferência do fabricante e experimental

FEUP-LEEC-SI 3
Assim, de forma a ultrapassar as adversidades atrás descritas, optamos por tomar como
referência a função transferência dada pelo fabricante, o que nos pareceu legítimo, visto que estes
transdutores possuem grande estabilidade e não sofrem do fenómeno de histerese. Esta função
transferência encontra-se abaixo ilustrada, estando em anexo uma tabela dada pelo fabricante mais
pormenorizada e com uma maior gama de temperaturas.

RT (T ) = R 0 × (1 + A × T + B × T 2 )

Onde:

R 0 = 100Ω
A = 3,9083E − 3 º C
B = −5, 775E − 7 º C 2

Figura 4 – Função transferência dada pelo fabricante

Verificamos assim que a PT100 apesar de ter um comportamento aproximadamente linear


apesar de ter um termo de segunda ordem, sendo que este é muito menor que o de primeira. De
seguida analisaremos a influência deste termo na gama pretendida, isto é, qual o erro que comete-
mos ao considerar linear, desprezando o termo de segunda, a variação da resistência entre 0ºC e
100ºC.

FEUP-LEEC-SI 4
Figura 5 – Comparação entre a função transferência do fabricante e a linearizada

Figura 6 – Erro de linearização

Verificamos assim que o erro máximo de linearização é inferior a 0,38ºC, o que apesar de
ser superior ao proposto é satisfatório.

FEUP-LEEC-SI 5
Apresentação e análise do diagrama de blocos do sistema

Figura 7 – Diagrama completo do sistema

O diagrama apresentado na figura 7 representa os principais blocos constituintes do sistema


concebido para o trabalho. Em seguida faremos uma análise mais pormenorizada das funcionalida-
des de cada um deles, justificando as nossas escolhas em detrimento de outras, sendo posterior-
mente feita uma análise mais quantitativa.

Assim, convém referir que optamos pela solução acima descrita em detrimento da ponte de
Wheatstone, uma vez que esta não é linear e a sua linearização não produz resultados satisfatórios
para o nosso trabalho, uma vez que a variação relativa da resistência não é muito pequena e pre-
tendemos erros pequenos.

A alimentação do circuito é feita por uma tensão de 25V. Utilizamos um regulador de ten-
são para obter uma tensão de valor diferente (15V), sendo este valor bastante estável, além do fac-
to de evitarmos a utilização de mais do que uma fonte para alimentar o circuito.

O bloco “Fonte de Corrente” é constituído pelo integrado LM334 e uma resistência de 68Ω,
de forma que alimentado a uma tensão fixa de 15V fornece uma corrente fixa de aproximadamente
1mA. A escolha desta intensidade de corrente teve em conta a sensibilidade ao sobreaquecimento
por parte do nosso transdutor, já que uma alimentação com intensidades de corrente maiores pode-
ria levar a um aquecimento provocado pela corrente que circula no transdutor originando um
aumento da resistência, levando assim a erros na medida da mesma. Adiante é ilustrado o esquema
de funcionamento deste integrado.

FEUP-LEEC-SI 6
Optamos por uma alimentação em corrente em vez de tensão, já que as quedas de tensão ao
longo do circuito de transdução não têm qualquer efeito, tendo por isso a alimentação em corrente
maior estabilidade. A escolha deste integrado teve em atenção a necessidade de uma alimentação
estável de forma a garantir uma alimentação constante ao transdutor.

O bloco denominado por “PT100” representa o transdutor RTD que nos foi proposto utili-
zar e como o próprio nome sugere trata-se de uma PT100, cujas suas características já foram deta-
lhadas noutros pontos.

O “Condicionamento de Sinal” consiste num amplificador linear que amplifica a queda de


tensão na PT100 cem vezes e num conversor tensão-corrente.

Amplificamos o sinal de tensão nos terminais da PT100 visto que com a intensidade de cor-
rente que a percorre e a resistência na gama pretendida, obtemos quedas de tensão na ordem dos
0,1V para 0ºC e 0,1385V para 100ºC. Assim, achamos conveniente a sua amplificação para que a
sua conversão para corrente fosse mais facilitada, já que trabalhar com quedas de tensão tão
pequenas levantou alguns problemas na conversão. Para a sua implementação, utilizamos uma
montagem não inversora com uma resistência de 1KΩ e um potenciómetro multivolta de 100KΩ
para permitir o ajuste fino do ganho. Para a realização desta montagem utilizamos um dos quatro
amplificadores disponíveis no integrado LM324.

O conversor tensão-corrente é composto por dois amplificadores do integrado LM324, um


transístor PNP (BC557), dois potenciómetros multivolta (por forma a que o ajuste fosse o mais
preciso possível) de 1KΩ e 20KΩ e três resistências (duas de 10KΩ e uma de 100Ω) sendo abaixo
descrito mais pormenorizadamente o seu funcionamento. Contudo, podemos dizer que este bloco
nos permite obter uma corrente de saída de 4mA a 20mA para a gama de tensão de entrada preten-
dida. A limitação da corrente de saída de acordo com a gama imposta para a tensão de entrada
(gama da queda de tensão na PT100 amplificada) é obtida através do ajuste dos dois potencióme-
tros multivolta.

FEUP-LEEC-SI 7
Análise detalhada do circuito utilizado

Analisamos agora quantitativamente o funcionamento da fonte de corrente.

Figura 8 – Esquema interno da fonte de corrente

Sabendo que a corrente Iset é dada por:

VR n V 227 μ V º K
I set = × ⇔ I set ≈ R × 1, 059 = , onde n é o rácio entre Iset e Ibias que
R set n − 1 Rset Rset
para correntes até 1mA é aproximadamente 18 e Ibias e a corrente de polarização do LM334.

Logo, sabendo que queremos I set = 1mA .

227 μ × 298,15
Rset = ≈ 67, 7Ω → Rset = 68Ω
1mA

FEUP-LEEC-SI 8
Figura 8 – Esquema do circuito de condicionamento de sinal

O esquema apresentado na figura 8 foi o utilizado na execução do trabalho. Após a trans-


dução do sinal de temperatura para tensão, este é aplicado em Vi que após o circuito da figura
apresenta uma saída em corrente, Io.

Em seguida vamos demonstrar o funcionamento do circuito.

Figura 9 – Amplificador

A primeira parte do condicionamento de sinal consiste numa amplificação do sinal de ten-


são Vi com um ganho de 100.

Vo R10 R10
= 1+ ⇔ 100 = 1 + ⇔ R10 = 99 × R9 ⇔ R10 = 99k Ω
Vi R9 R9

FEUP-LEEC-SI 9
Figura 10 – Conversor tensão-corrente.

Analisando agora o circuito que converte a tensão Vo na corrente Io, temos na entrada um
amplificador montado como diferenciador, sendo Va determinado facilmente pelo teorema da
sobreposição. Logo, temos que:

R4
Va = 2 × Vo − Vv , onde Vv é dado por Vv = × 15
20k

Sabendo que Vb = 15 − R3 × Io e Va = Vb pois o amplificador está realimentado negativa-


mente, temos que:

15 − 2 × Vv Vo 1 − R4
Io = + ⇔ Io = 15 × 10k + Vo
R3 R3 R3 R3

Para obter uma corrente de saída na gama 4-20mA quando a tensão de entrada do conversor
é 10-14V, determinamos R3 e R4 os valores de 250Ω e 16kΩ, respectivamente. Sendo estes cálcu-
los teóricos, estes valores dão-nos apenas uma noção do ajuste inicial dos potenciómetros.

O circuito utilizado tem, para além da sua simplicidade, a vantagem de usar uma alimenta-
ção simples em vez da alimentação simétrica, normalmente utilizada por este tipo de amplificado-
res.

FEUP-LEEC-SI 10
Análise de erros

Para analisar o erro da montagem por nós implementada, decidimos medir a temperatura
dada pela montagem e compará-la com a temperatura que a PT100 estava a medir.

Assim, e como já foi referido, devido à dificuldade para arranjar um instrumento de refe-
rência para este transdutor, optamos por medir com um multímetro de precisão a queda de tensão
nos terminais da PT100 e sabendo a corrente que lá circula, ter uma boa referência para a tempera-
tura que estamos a medir, sendo este cálculo efectuado com base na função transferência fornecida
pelo fabricante.

Convém realçar neste ponto que a corrente por nós utilizada para os cálculos foi a obtida
pelo quociente entre a queda de tensão à temperatura ambiente e o valor resistência a essa tempera-
tura e não 1mA, como tinha sido apresentado na análise teórica. A utilização desta corrente teve
como objectivo minimizar o erro de medida.

Na tabela abaixo estão ilustrados os resultados deste procedimento.

Queda de tensão na Temperatura de Temperatura dada pela


Corrente Entrada Corrente Saída Erro
PT100 referência montagem
1,016E-03 111,1E-3 7,86E-03 24,01 24,13 0,12
1,016E-03 111,4E-3 8,00E-03 24,77 25,00 0,23
1,016E-03 112,7E-3 8,50E-03 28,07 28,13 0,05
1,016E-03 113,9E-3 9,00E-03 31,12 31,25 0,13
1,016E-03 115,1E-3 9,50E-03 34,17 34,38 0,20
1,016E-03 116,3E-3 1,00E-02 37,22 37,50 0,28
1,016E-03 117,6E-3 1,05E-02 40,54 40,63 0,09
1,016E-03 118,8E-3 1,10E-02 43,60 43,75 0,15
1,016E-03 120,0E-3 1,15E-02 46,66 46,88 0,22
1,016E-03 121,3E-3 1,20E-02 49,98 50,00 0,02
1,016E-03 122,5E-3 1,25E-02 53,05 53,13 0,08
1,016E-03 123,7E-3 1,30E-02 56,12 56,25 0,13
1,016E-03 124,9E-3 1,35E-02 59,20 59,38 0,18
1,016E-03 126,2E-3 1,40E-02 62,53 62,50 0,03
1,016E-03 127,4E-3 1,45E-02 65,61 65,63 0,02
1,016E-03 128,6E-3 1,50E-02 68,69 68,75 0,06
1,016E-03 129,8E-3 1,55E-02 71,78 71,88 0,10
1,016E-03 131,1E-3 1,60E-02 75,13 75,00 0,13
1,016E-03 132,3E-3 1,65E-02 78,22 78,13 0,09
1,016E-03 133,5E-3 1,70E-02 81,31 81,25 0,06
1,016E-03 134,7E-3 1,75E-02 84,41 84,38 0,04
1,016E-03 136,0E-3 1,80E-02 87,77 87,50 0,27
1,016E-03 137,2E-3 1,85E-02 90,87 90,63 0,25
1,016E-03 138,4E-3 1,90E-02 93,98 93,75 0,23
1,016E-03 139,6E-3 1,95E-02 97,09 96,88 0,22
1,016E-03 140,8E-3 2,00E-02 100,20 100,00 0,20

Tabela 1 – Resultados experimentais

FEUP-LEEC-SI 11
Figura 11 – Gráfico do erro experimental

Através da análise do gráfico acima, verificamos que a montagem por nós implementada
apresenta um erro inferior a 0,28 ºC. Apesar do erro de linearização do transdutor ser uma curva
quadrática, verificamos que experimentalmente o erro é mais ou menos aleatório.

Figura 12 – Comparação entra a temperatura de referência e a indicada pela montagem

FEUP-LEEC-SI 12
Através da análise do gráfico e da equação da recta de interpolação linear, observamos que
sendo declive quase unitário, a indicação de temperatura obtida na montagem é aproximadamente
igual à temperatura de referência. O pequeno “offset” registado deve-se ao facto de não nos ser
possível medir temperaturas abaixo da ambiente.

Comentário final

Podemos concluir que o trabalho foi realizado com sucesso, uma vez que apesar de não ser
satisfeito o requisito de um erro inferior a 0,1ºC, todos os restantes requisitos foram satisfeitos.
Assim, conseguimos implementar uma montagem capaz de medir temperatura entre 0ºC e
100ºC, sendo a saída em corrente numa gama de 4-20mA linear com a gama de temperatura referi-
da.
Os resultados experimentais obtidos foram satisfatórios uma vez que obtivemos um erro
experimental inferior a 0,28ºC, o que apesar de não ser inferior a 0,1ºC, para a electrónica e a ins-
trumentação utilizada e tendo em conta a nossa pouca experiência em síntese de circuitos conside-
ramos satisfatórios os resultados obtidos.
A montagem após ser testada na “breadboard”, foi implementada em circuito impresso,
para uma primeira familiarização com este tipo de projecto de circuitos e uma maior fiabilidade
deste.

FEUP-LEEC-SI 13
Anexos

FEUP-LEEC-SI 14
Tabela da PT100

Tabela 2 – Tabela fornecida pelo fabricante que relaciona a resistência da PT100 com a temperatura

FEUP-LEEC-SI 15
Circuito Impresso

Figura 13 – Circuito impresso em tamanho real, lado cobre

Figura 14 – Circuito impresso, implantação de componentes

FEUP-LEEC-SI 16